SlideShare uma empresa Scribd logo
1


                Texto e Guia de Actividades da Sessão
 O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de
                     operacionalização (Parte II)

Nas primeiras sessões de formação tivemos já oportunidade de reconhecer a
importância da auto-avaliação da BE e da utilização do MAABE como ferramenta para
essa auto-avaliação.

Esta importância deriva de um conjunto de factores que podemos rever e sistematizar
de alguma forma, do modo seguinte:

Em primeiro lugar, a auto-avaliação da BE é importante porque se constitui como
instrumento de auto-regulação e de melhoria contínua:

   •   aferindo se as metas e objectivos das BE estão a ser alcançados
   •   identificando pontos fortes e pontos fracos a melhorar
   •   usando estrategicamente os resultados da avaliação no planeamento futuro
       (redefinição de prioridades, metas, objectivos, estratégias, etc.)
   •   melhorando progressivamente o nível de desempenho das BE
   •   facilitando o benchmarking e apoiando a definição de políticas dirigidas às BE

Em segundo lugar, a auto-avaliação da BE é importante porque se constitui como um
poderoso factor de mudança:

   •   de reforço do papel pedagógico das BE e dos seus potenciais impactos na
       aprendizagem, formação e sucesso dos alunos
   •   de indução de uma prática baseada em evidências, capazes de sustentar e
       fundamentar a acção e tomada de decisão
   •   de estímulo a uma prática reflexiva de investigação-acção
   •   de sentido qualitativo
   •   de carácter sistemático e continuado, consolidando uma cultura de avaliação

Em terceiro lugar, a auto-avaliação é importante porque se constitui como uma
oportunidade única:

   •   de afirmação e reconhecimento do valor das BE, face aos desafios que hoje se
       lhes colocam
   •   de visibilidade e integração das BE na Escola e na Comunidade
   •   de objectivação e validação interna e externa do trabalho que vai sendo
       realizado pelas BE
   •   de envolvimento e responsabilização dos diferentes actores

Na sessão anterior iniciámos o trabalho de operacionalização do MAABE. Para o efeito,
começámos por nos debruçar sobre a planificação em cada BE, do processo de auto-
avaliação, usando como referência um plano geral de implementação de que faziam
parte as seguintes etapas:
2




   •   Diagnóstico
   •   Escolha do Domínio a avaliar
   •   Levantamento dos intervenientes a envolver
   •   Apresentação no CP
   •   Identificação e preparação dos instrumentos de recolha de evidências
   •   Recolha, análise e interpretação da informação
   •   Identificação dos pontos fortes e fracos
   •   Atribuição de níveis de desempenho
   •   Plano de melhoria
   •   Elaboração e apresentação do relatório de auto-avaliação
   •   Integração no relatório de avaliação interna da escola e nos tópicos de
       apresentação à IGE, responsável pela avaliação externa.


A análise deste plano de avaliação torna fácil reconhecer que boa parte da sua
execução se relaciona, em grande medida, com a necessidade dos responsáveis pela
condução do processo de auto-avaliação das BE, se munirem de um conjunto de
evidências que lhes permitam vir a conhecer, de forma fundamentada, o nível de
desempenho e impacto da Biblioteca Escolar em relação com diferentes indicadores de
qualidade _ variáveis consoante o Domínio em apreciação _ e agir no sentido da sua
progressiva melhoria.

Uma das actividades mais importantes da aplicação do MAABE consiste, deste modo,
em saber identificar os instrumentos de recolha de evidências adequados e extrair
desses instrumentos a informação (evidências) que melhor esclarece o trabalho e os
resultados alcançados pela Biblioteca em relação com este ou aquele indicador ou
conjunto de indicadores.

Na presente sessão ocupar-nos-emos deste aspecto, usando mais uma vez como base
principal de trabalho, o próprio MAABE.

Para tal, começamos por reforçar que entre as diferentes fontes de evidências
recomendadas e passíveis de serem utilizadas, se destacam, pela sua importância, as
fontes documentais resultantes da actividade da própria Escola/Agrupamento e
respectiva/s BE:

   •   Documentos de gestão da Escola/ Agrupamento

   Projecto Educativo, Projecto Curricular, Plano de Acção, Regulamento Interno,
   Plano Anual de Actividades, Relatórios de avaliação, Currículos profissionais da
   equipa da BE, Outros.

   •   Documentos pedagógicos da Escola/Agrupamento
3


    Planificações dos Departamentos, ACND, AEC, SAE, PTE-TIC, OTE, Projectos
    curriculares das turmas, Orientações/recomendações do CP, Trabalhos de alunos,
    Resultados de avaliação dos alunos, Outros.

    •   Documentos de Gestão da BE

    Plano de Acção, Plano Anual de Actividades, Acordos de parceria, Política de
    Desenvolvimento da Colecção, Manual de Procedimentos, Regimento, Horário,
    Relatórios, Plantas, Inventários, Outros.

    •   Documentos de funcionamento e dinamização da BE

    Actas/ Registos de reuniões/contactos, Registos de projectos/actividades
    realizados, Estatísticas da BE, Materiais de apoio produzidos e editados, Catálogo e
    outras ferramentas utilizadas, Resultados de avaliação da colecção, Outros.

O enorme valor informativo e testemunhal destas fontes faz com que seja
fundamental tê-las em conta, não esquecendo, contudo, que para além destas fontes
documentais de carácter textual ou quantitativo, dispomos também de uma valiosa
bateria de instrumentos de recolha de dados, propositadamente construídos para a
avaliação das BE no contexto do MAABE:

    •   Questionários a alunos, professores e encarregados de educação
    •   Grelhas de observação de competências
    •   Grelhas de análise de trabalhos escolares
    •   Listas de verificação

Dada a natural heterogeneidade dos documentos a que diz respeito a primeira
categoria de fontes referidas e a necessidade da sua exploração em contexto, deter-
nos-emos na presente sessão, sobretudo, nos instrumentos produzidos e
disponibilizados no âmbito do MAABE, a que acabámos de fazer referência.

Na impossibilidade de desenvolver um exercício prático em todos os domínios que
compõem o Modelo, utilizaremos ainda, apenas a título de exemplo, o Sub-Domínio
A2.

Actividade nº 1:

Localizar nos instrumentos propostos pelo MAABE para o Sub-Domínio A2, questões
ou itens que vão ao encontro dos factores críticos definidos para cada um dos seus
Indicadores.

Para a execução deste exercício, utilize a Tabela seguinte, preenchendo a última
coluna (Nota: algumas células podem ficar vazias por o seu preenchimento exigir outro tipo de
instrumentos).
Instrumentos
                                                                                       Questões ou Itens dos Instrumentos propostos que
                                                                    propostos pelo
     Indicadores              Factores críticos de sucesso                             ajudam a BE a obter evidências e situar-se face aos
                                                                      MAABE para                                       4
                                                                                                        factores críticos
                                                                    cada Indicador
                       •   O plano de trabalho da BE inclui                           A professora Bibliotecária reúne com os professores
                           actividades de formação de                                 titulares de turma com o objectivo de planificar
                           utilizadores com turmas/ grupos/                           actividades articuladas com as áreas disciplinares –
                           alunos e com docentes no sentido de                        actas
                           promover o valor da BE, motivar para
                           a sua utilização, esclarecer sobre as                      Regulamento Interno da BE/CRE - dossier
                           formas como está organizada e
                           ensinar a utilizar os diferentes                           Plano Anual de Actividades de BE/CRE Espinho Nº2-
                           serviços.                                                  dossier

                       •   Alunos e docentes desenvolvem            •   Questionári   Planificações
                           competências para o uso da BE                o aos
                           revelando um maior nível de                                QA1: questão 7
                                                                        alunos
                           autonomia na sua utilização após as          (QA1).
                           sessões de formação de utilizadores.                       QD1: questão 3 e 5
A.2.1 Organização de                                                •   Questionári
                       •   A BE produz materiais informativos e/        o aos         Distribuição do Guião de utilizador pelas turmas
actividades de
                           ou lúdicos de apoio à formação dos           docentes
formação de                utilizadores.                                              Grelha com agenda das turmas que realizam visitas guiadas
                                                                        (QD1).
utilizadores.                                                                         à BE
                                                                    •   Observaçã
                                                                        o de          Registos de avaliação
                                                                        utilização
                                                                        da BE (O2).   QA1: questão 12, 13

                                                                                      QD1: questão 4, 6 e 13

                                                                                      GO2: pontos 1, 4, 5, 7,9 e 10

                                                                                      Documentos produzidos pela BE: guião de utilizador, guião
                                                                                      de pesquisa, fichas de leitura, dossiers temáticos (em
                                                                                      suporte de papel e informático - em pastas nos
                                                                                      computadores), para docentes e discentes …

                                                                                      QA1: questão 6

                       •   A BE procede, em ligação com as                            A Professora Bibliotecária tem assento no Conselho
                           estruturas de coordenação educativa                        Pedagógico
                           e de supervisão pedagógica, ao                             A PB participa, pessoalmente, nas reuniões de
                           levantamento nos currículos das                            departamento, por ano de escolaridade de forma a
                           competências de informação                                 desenvolver acções em parceria com as áreas
                           inerentes a cada área disciplinar/área                     disciplinares - actas
                           de conteúdo com vista à definição de                       QD1: questão 10, 11 e 14
                           um currículo de competências                               O PAA da BE integra o PAA do Agrupamento em
A.2.2 Promoção do          transversais adequado a cada             •   Questionári   articulação com o PE
ensino em contexto         nível/ano de escolaridade.                   o aos         A PB contacta regularmente com os docentes com o
de competências de                                                      docentes      objectivo de programar as actividades em articulação
                       •   A BE promove, com as estruturas de
                                                                        (QD1)         com os PCT’s que contribuam para o
informação.                coordenação educativa e supervisão
                                                                                      desenvolvimento da aprendizagem dos alunos
                           pedagógica e os docentes, a
                                                                                      QD1: questão 3
                           integração de um plano para a
                           literacia da informação no projecto                         Existe um dossier com material pedagógico
                           educativo e curricular e nos projectos                      realizado em reuniões de departamento (em
                           curriculares dos grupos/turmas.                             suporte de papel e informático) que é distribuído
                                                                                       pelo agrupamento, de forma a uniformizar o
                       •   A BE propõe um modelo de pesquisa                           trabalho
                           de informação a ser usado por toda a
                                                                                        QD1: questão 4 e 5
                           escola.

                                                                     Instrumentos
                                                                                       Questões ou Itens dos Instrumentos propostos que
                                                                    propostos pelo
     Indicadores              Factores críticos de sucesso                             ajudam a BE a obter evidências e situar-se face aos
                                                                      MAABE para
                                                                                                        factores críticos
                                                                    cada Indicador
                       •   A BE estimula a inserção nas unidades                        Registo de empréstimo de material informático
                           curriculares, ACND e outras                                  Programações
                           actividades, do ensino e treino
                           contextualizado de competências de                           Sumários
5


Como acabámos de ver com o exemplo do exercício anterior, a informação que
podermos obter com cada instrumento (independentemente da sua natureza) tem de
relacionar-se com os factores críticos, pois é desse cruzamento que resulta a
possibilidade de verificarmos que práticas e resultados estão ou não a ser alcançados e
qual o seu nível.

O Relatório de Auto-Avaliação é o documento onde, após a recolha de todos os dados,
se registam as Evidências derivadas deste processo de análise e interpretação da
informação recolhida.

Estas evidências devem ir além da apresentação de dados em bruto, facilmente
consultáveis nos Anexos da aplicação informática para o tratamento de dados
disponibilizada desde o ano transacto a todas as escolas pelo Programa RBE,
pretendendo-se que se traduzam em enunciados de carácter avaliativo, exigentes de
apreciações e juízos de valor sobre os factos apontados.

Como se esclarece no Capítulo de orientações para aplicação que integra o documento
do MAABE:

A análise dos dados obtidos deve conduzir à elaboração de avaliações sobre a BE e os
seus serviços em termos de: eficácia, valor, utilidade, impacto, etc. Neste aspecto, é
importante distinguir entre elaborar uma descrição e realizar uma avaliação. A
avaliação implica uma apreciação baseada na análise de informação relevante e de
evidências. Frequentemente inclui a explicação das consequências ou implicações
[negativas ou positivas] de uma determinada acção ou processo.

Vejamos um Exemplo:

Enunciado descritivo: “A BE procedeu à actualização da colecção”.

(Comentário: este enunciado não julga a utilização e a utilidade dos procedimentos,
apenas constata um facto.)

Enunciado avaliativo – “Como atestam os dados obtidos a partir da análise dos Docs. X
e Y, do Questionário W e da Checklist Z (cf. Anexo…) , a actualização regular e
consistente da colecção pela BE teve um impacto muito positivo sobre o grau de
satisfação dos utilizadores e o uso dos recursos”.

 (Comentário: este enunciado fundamenta-se nos dados para caracterizar o processo -
“regular” e “consistente” – e referir as consequências dos procedimentos assumidos.)

Actividade nº 2:

A partir da análise dos instrumentos que já realizou e da compreensão do tipo de
informações passíveis de ser obtidas através da sua aplicação, seleccione um
Indicador do Sub-domínio A2 à sua escolha, e escreva livremente três enunciados
avaliativos que hipoteticamente pudesse formular na Coluna das Evidências do
6


respectivo Relatório de Avaliação, a partir de dados supostamente recolhidos com
aqueles instrumentos.

A2.1Organização de actividades de formação de utilizadores.

1) Perante a análise das evidências, dossiers, verifica-se que a BE está munida de
documentos pedagógicos da Escola/Agrupamento, documentos de Gestão e
documentos de dinamização da BE.


2) Através da agenda e dos sumários verificou-se que as 13 turmas do 4º ano do
Agrupamento realizaram as actividades de formação de utilizadores da BE.

3) Os registos de avaliação das actividades do PAA, À Descoberta da Biblioteca,
verificam-se que dos alunos 311 do 4º ano, 240 classificaram estas actividades no nível
de Muito Bom, 42 de Bom e 29 de Suficiente.


Só mediante esta perspectiva avaliativa, resultante da análise e interpretação dos
dados, será possível:

•   Estabelecer os pontos fortes e os pontos fracos da BE no Domínio avaliado.

•   Olhar para os Perfis de Desempenho de cada Domínio/Sub-Domínio, e situar a BE
    sem equívocos nem ambiguidades num dos seus níveis (1, 2 , 3 ou 4).

•   Estabelecer propostas de melhoria, a integrar o Plano de Actividades do ano
    seguinte.

Um dos problemas recorrentes nesta apresentação de propostas de melhoria, é que
são muitas vezes formuladas de forma muito vaga e geral, sem que se especifique ou
concretize o que deve ser feito, de modo a que possam ser entendidas como
verdadeiras acções de melhoria, realistas, tangíveis e exequíveis, apontando
prioridades, etapas, destinatários ou estratégias.

Vejamos um Exemplo:

Acção de melhoria geral: “Investir na produção de materiais de apoio”

(Comentário: Investir é em si mesmo um verbo de carácter muito geral, além de nada
ser dito sobre a quantidade ou tipo de materiais a produzir”

Acção de melhoria concretizada: “ Reforçar a participação e apoio da BE nas
actividades de substituição, através da produção, ao longo do próximo ano lectivo, em
articulação com o Departamento de Língua Portuguesa, de guiões de actividades
destinados aos alunos do 2º e 3º Ciclos do EB”
7


(Comentário: Embora apresentada de forma sintética, aponta objectivos, estratégia,
tempo, responsáveis e destinatários)

A título de exemplo, também o MAABE identificou em todas as tabelas, algumas ideias
de possíveis acções de melhoria, não tendo sido, no entanto, sua preocupação,
detalhá-las, dada a natureza orientadora e abrangente do próprio documento.


Actividade nº 3:

Imagine que uma destas ideias do Sub-domínio A2, sobre o qual temos vindo a
concentrar o nosso olhar, a título exemplificativo, se enquadra naquilo que deve ser
a aposta futura de melhoria da sua biblioteca num determinado tópico.
Identifique-a e procure operacionalizá-la de um modo mais efectivo, de modo a que
se possa constituir como uma verdadeira proposta de melhoria.
Lembramos, contudo, que, integrando o relatório de auto-avaliação, esta enunciação
de propostas deve ser feita de forma sintética, de modo a não sobrecarregar o
Relatório. Tente, por isso, ser o mais objectivo possível.

   •   Calendarização de uma “Formação “ informal sobre os vários espaços da BE, os
       seus recursos e a sua dinâmica, para professores no inicio do ano lectivo, de
       forma a estes se sentirem mais seguros e esclarecidos quando trabalham com
       os alunos neste espaço.

   •   Acções de formação, na área da TIC, dadas por professores da
       escola/agrupamento, para professores da escola/agrupamento.
   •   Incluir no PAA da biblioteca Workshop ’s de TIC/aulas da TIC no espaço da BE,
       para os alunos do 3º ano.
   •   Alargar o Projecto LEME, para outras escolas e para outros anos de
       escolaridade.
   •   Um envolvimento mais regular dos encarregados de educação na BE, para o
       desenvolvimento e divulgação de actividades, de forma a tornarem-se o
       suporte do desenvolvimento das competências dos seus educandos adquiridas
       na escola.

Para realizar e entregar as actividades desta Sessão, use este mesmo ficheiro e,
depois de nele feitas as actividades, envie-o na forma de entrega de trabalho para a
plataforma.


ATENÇÃO:

À semelhança do que se propões na sessão anterior, de modo a salvaguardar a
possibilidade de contacto e interacção entre os formandos, sempre desejável, a
respeito dos conteúdos desta sessão, decorre em simultâneo ao longo da semana de
trabalho, um Fórum de discussão no qual se espera que cada formando apresente
8


em um ou dois posts, uma ou duas sugestões de melhoria decorrentes da sua
experiência de trabalho passada ou mais recente na BE, e interaja com um ou dois
colegas formandos, comentando as sugestões que por ele/s tiverem sido
apresentadas.



Desejamos a todos uma boa semana de formação.

As formadoras
9

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Guia e texto_da_sessao_5
Guia e texto_da_sessao_5Guia e texto_da_sessao_5
Guia e texto_da_sessao_5
anapaulasilvasanches
 
Maabe tarefa 6ª sessão
Maabe  tarefa 6ª sessãoMaabe  tarefa 6ª sessão
Maabe tarefa 6ª sessão
sandraazevedo
 
Sessão 6
Sessão 6Sessão 6
Sessão 6
bibliotecap
 
Guia da unidade e tarefa da sessão
Guia da unidade e tarefa da sessãoGuia da unidade e tarefa da sessão
Guia da unidade e tarefa da sessão
anabelavalentim
 
Intro e-guia-aval-docx
Intro e-guia-aval-docxIntro e-guia-aval-docx
Intro e-guia-aval-docx
candidamatos
 
Workshop Formativo
Workshop FormativoWorkshop Formativo
Workshop Formativo
Macogomes
 
Praticas E Modelos De Auto Avaliacao Sessao 4[1]
Praticas E Modelos De Auto Avaliacao Sessao 4[1]Praticas E Modelos De Auto Avaliacao Sessao 4[1]
Praticas E Modelos De Auto Avaliacao Sessao 4[1]
Macogomes
 
Texto e guia de actividades da sessão
Texto e guia de actividades da sessãoTexto e guia de actividades da sessão
Texto e guia de actividades da sessão
mariasalgueiro
 
Intro e-guia-aval-5 nov2010
Intro e-guia-aval-5 nov2010Intro e-guia-aval-5 nov2010
Intro e-guia-aval-5 nov2010
bibliotecap
 
BE_ARROIO_AUTOAVALIAÇÃO_D
BE_ARROIO_AUTOAVALIAÇÃO_DBE_ARROIO_AUTOAVALIAÇÃO_D
BE_ARROIO_AUTOAVALIAÇÃO_D
Julieta Silva
 
Sessão 6
Sessão 6Sessão 6
Sessão 6
bibliotecap
 
Sessão 6
Sessão 6Sessão 6
Sessão 6
bibliotecap
 
Plano De Av Sessao5
Plano De  Av Sessao5Plano De  Av Sessao5
Plano De Av Sessao5
FilipaNeves
 
Maabe tarefa 5ª sessão
Maabe  tarefa 5ª sessãoMaabe  tarefa 5ª sessão
Maabe tarefa 5ª sessão
sandraazevedo
 
Guia e texto da sessão
Guia e texto da sessãoGuia e texto da sessão
Guia e texto da sessão
Bibliotecajac
 
Auto AvaliaçãO Da Be Lurdes Silva
Auto AvaliaçãO Da Be Lurdes SilvaAuto AvaliaçãO Da Be Lurdes Silva
Auto AvaliaçãO Da Be Lurdes Silva
lurdesilva
 

Mais procurados (16)

Guia e texto_da_sessao_5
Guia e texto_da_sessao_5Guia e texto_da_sessao_5
Guia e texto_da_sessao_5
 
Maabe tarefa 6ª sessão
Maabe  tarefa 6ª sessãoMaabe  tarefa 6ª sessão
Maabe tarefa 6ª sessão
 
Sessão 6
Sessão 6Sessão 6
Sessão 6
 
Guia da unidade e tarefa da sessão
Guia da unidade e tarefa da sessãoGuia da unidade e tarefa da sessão
Guia da unidade e tarefa da sessão
 
Intro e-guia-aval-docx
Intro e-guia-aval-docxIntro e-guia-aval-docx
Intro e-guia-aval-docx
 
Workshop Formativo
Workshop FormativoWorkshop Formativo
Workshop Formativo
 
Praticas E Modelos De Auto Avaliacao Sessao 4[1]
Praticas E Modelos De Auto Avaliacao Sessao 4[1]Praticas E Modelos De Auto Avaliacao Sessao 4[1]
Praticas E Modelos De Auto Avaliacao Sessao 4[1]
 
Texto e guia de actividades da sessão
Texto e guia de actividades da sessãoTexto e guia de actividades da sessão
Texto e guia de actividades da sessão
 
Intro e-guia-aval-5 nov2010
Intro e-guia-aval-5 nov2010Intro e-guia-aval-5 nov2010
Intro e-guia-aval-5 nov2010
 
BE_ARROIO_AUTOAVALIAÇÃO_D
BE_ARROIO_AUTOAVALIAÇÃO_DBE_ARROIO_AUTOAVALIAÇÃO_D
BE_ARROIO_AUTOAVALIAÇÃO_D
 
Sessão 6
Sessão 6Sessão 6
Sessão 6
 
Sessão 6
Sessão 6Sessão 6
Sessão 6
 
Plano De Av Sessao5
Plano De  Av Sessao5Plano De  Av Sessao5
Plano De Av Sessao5
 
Maabe tarefa 5ª sessão
Maabe  tarefa 5ª sessãoMaabe  tarefa 5ª sessão
Maabe tarefa 5ª sessão
 
Guia e texto da sessão
Guia e texto da sessãoGuia e texto da sessão
Guia e texto da sessão
 
Auto AvaliaçãO Da Be Lurdes Silva
Auto AvaliaçãO Da Be Lurdes SilvaAuto AvaliaçãO Da Be Lurdes Silva
Auto AvaliaçãO Da Be Lurdes Silva
 

Destaque

Recuperação Paralele 4encontro
Recuperação Paralele 4encontroRecuperação Paralele 4encontro
Recuperação Paralele 4encontro
inechidias
 
Cognita Reference Letter
Cognita Reference LetterCognita Reference Letter
Cognita Reference Letter
Vivek Narayan
 
Graças Paisagismo
Graças PaisagismoGraças Paisagismo
Graças Paisagismo
carolinacreativita
 
Preguntas fabrizio nazar
Preguntas fabrizio nazarPreguntas fabrizio nazar
Preguntas fabrizio nazar
Fabrizio Alessandro Nazar Ibarra
 
Reciclaje walter gonzalez
Reciclaje walter gonzalezReciclaje walter gonzalez
Reciclaje walter gonzalez
Walter Gonzalez
 
Confoa apresentação final 22 nov.doc
Confoa apresentação final 22 nov.docConfoa apresentação final 22 nov.doc
Confoa apresentação final 22 nov.doc
Conferência Luso-Brasileira de Ciência Aberta
 
Pep bonet vanesa
Pep bonet vanesaPep bonet vanesa
Pep bonet vanesa
vanelo
 
A Clave - outubro 2011
A Clave - outubro 2011A Clave - outubro 2011
A Clave - outubro 2011
FilarmonicaCortense
 
Halloween (Alexis Pinto)
Halloween (Alexis Pinto)Halloween (Alexis Pinto)
Halloween (Alexis Pinto)
clubinf
 
CREANDO Y MANIPULANDO UNA BASE DE DATOS (MySQL)
CREANDO Y MANIPULANDO UNA BASE DE DATOS (MySQL)CREANDO Y MANIPULANDO UNA BASE DE DATOS (MySQL)
CREANDO Y MANIPULANDO UNA BASE DE DATOS (MySQL)
Ing-D-SW-TorresKhano--ME
 
A Clave - Agosto 2013
A Clave - Agosto 2013A Clave - Agosto 2013
A Clave - Agosto 2013
FilarmonicaCortense
 
Comportamiento de los hombres en cuanto a la compra de obsequios para mujeres...
Comportamiento de los hombres en cuanto a la compra de obsequios para mujeres...Comportamiento de los hombres en cuanto a la compra de obsequios para mujeres...
Comportamiento de los hombres en cuanto a la compra de obsequios para mujeres...
Anny Terán
 
Book Essencial By Victória
Book Essencial By VictóriaBook Essencial By Victória
Book Essencial By Victória
VictoriaIncorporadora
 
Amarelo sabado gab
Amarelo sabado gabAmarelo sabado gab
Amarelo sabado gab
dayslane
 
A Clave - outubro 2012
A Clave - outubro 2012A Clave - outubro 2012
A Clave - outubro 2012
FilarmonicaCortense
 
A Clave Fevereiro 2011
A Clave Fevereiro 2011A Clave Fevereiro 2011
A Clave Fevereiro 2011
FilarmonicaCortense
 
Presentation1
Presentation1Presentation1
Presentation1
kathrynx
 
Cuestinario de computacion
Cuestinario de computacionCuestinario de computacion
Cuestinario de computacion
Stalin Ganazhapa
 
Leer y escribir en las aulas
Leer y escribir en las aulasLeer y escribir en las aulas
Leer y escribir en las aulas
luisflorescalderon
 

Destaque (19)

Recuperação Paralele 4encontro
Recuperação Paralele 4encontroRecuperação Paralele 4encontro
Recuperação Paralele 4encontro
 
Cognita Reference Letter
Cognita Reference LetterCognita Reference Letter
Cognita Reference Letter
 
Graças Paisagismo
Graças PaisagismoGraças Paisagismo
Graças Paisagismo
 
Preguntas fabrizio nazar
Preguntas fabrizio nazarPreguntas fabrizio nazar
Preguntas fabrizio nazar
 
Reciclaje walter gonzalez
Reciclaje walter gonzalezReciclaje walter gonzalez
Reciclaje walter gonzalez
 
Confoa apresentação final 22 nov.doc
Confoa apresentação final 22 nov.docConfoa apresentação final 22 nov.doc
Confoa apresentação final 22 nov.doc
 
Pep bonet vanesa
Pep bonet vanesaPep bonet vanesa
Pep bonet vanesa
 
A Clave - outubro 2011
A Clave - outubro 2011A Clave - outubro 2011
A Clave - outubro 2011
 
Halloween (Alexis Pinto)
Halloween (Alexis Pinto)Halloween (Alexis Pinto)
Halloween (Alexis Pinto)
 
CREANDO Y MANIPULANDO UNA BASE DE DATOS (MySQL)
CREANDO Y MANIPULANDO UNA BASE DE DATOS (MySQL)CREANDO Y MANIPULANDO UNA BASE DE DATOS (MySQL)
CREANDO Y MANIPULANDO UNA BASE DE DATOS (MySQL)
 
A Clave - Agosto 2013
A Clave - Agosto 2013A Clave - Agosto 2013
A Clave - Agosto 2013
 
Comportamiento de los hombres en cuanto a la compra de obsequios para mujeres...
Comportamiento de los hombres en cuanto a la compra de obsequios para mujeres...Comportamiento de los hombres en cuanto a la compra de obsequios para mujeres...
Comportamiento de los hombres en cuanto a la compra de obsequios para mujeres...
 
Book Essencial By Victória
Book Essencial By VictóriaBook Essencial By Victória
Book Essencial By Victória
 
Amarelo sabado gab
Amarelo sabado gabAmarelo sabado gab
Amarelo sabado gab
 
A Clave - outubro 2012
A Clave - outubro 2012A Clave - outubro 2012
A Clave - outubro 2012
 
A Clave Fevereiro 2011
A Clave Fevereiro 2011A Clave Fevereiro 2011
A Clave Fevereiro 2011
 
Presentation1
Presentation1Presentation1
Presentation1
 
Cuestinario de computacion
Cuestinario de computacionCuestinario de computacion
Cuestinario de computacion
 
Leer y escribir en las aulas
Leer y escribir en las aulasLeer y escribir en las aulas
Leer y escribir en las aulas
 

Semelhante a Intro e-guia-aval-part ii-nov2010

Intro e-guia-aval alexandra-lopes
Intro e-guia-aval alexandra-lopesIntro e-guia-aval alexandra-lopes
Intro e-guia-aval alexandra-lopes
alexandranuneslopes
 
Intro e-guia-aval-part ii-nov2010[1]
Intro e-guia-aval-part ii-nov2010[1]Intro e-guia-aval-part ii-nov2010[1]
Intro e-guia-aval-part ii-nov2010[1]
ddfdelfim
 
MAABE-Metodologias e Operacionalização -(1.ª parte)
MAABE-Metodologias e Operacionalização -(1.ª parte)MAABE-Metodologias e Operacionalização -(1.ª parte)
MAABE-Metodologias e Operacionalização -(1.ª parte)
Manuela Mantas
 
Sessão 6
Sessão 6Sessão 6
Sessão 6
bibliotecap
 
Guia e texto da sessão
Guia e texto da sessãoGuia e texto da sessão
Guia e texto da sessão
Bibliotecajac
 
Guia e texto_da_sessao_5
Guia e texto_da_sessao_5Guia e texto_da_sessao_5
Guia e texto_da_sessao_5
Bibliotecajac
 
Guia
GuiaGuia
Guia e texto_da_sessao_5
Guia e texto_da_sessao_5Guia e texto_da_sessao_5
Guia e texto_da_sessao_5
Bibliotecajac
 
Plano De Avaliacao[1]
Plano De Avaliacao[1]Plano De Avaliacao[1]
Plano De Avaliacao[1]
claudinapires
 
Plano De AvaliaçãO
Plano De AvaliaçãOPlano De AvaliaçãO
Plano De AvaliaçãO
claudinapires
 
Plano De AvaliaçãO
Plano De AvaliaçãOPlano De AvaliaçãO
Plano De AvaliaçãO
claudinapires
 
Plano De AvaliaçãO
Plano De AvaliaçãOPlano De AvaliaçãO
Plano De AvaliaçãO
claudinapires
 
Praticas E Modelos De Auto Avaliacao Sessao 4
Praticas E Modelos De Auto Avaliacao Sessao 4Praticas E Modelos De Auto Avaliacao Sessao 4
Praticas E Modelos De Auto Avaliacao Sessao 4
guest1166b91
 
Intro E Guia Out2009 2
Intro E Guia Out2009 2Intro E Guia Out2009 2
Intro E Guia Out2009 2
eudorapereira
 
Introdução e Guia da Sessao 6 Nov2009
Introdução e Guia da Sessao 6 Nov2009Introdução e Guia da Sessao 6 Nov2009
Introdução e Guia da Sessao 6 Nov2009
claudinapires
 
Guia Da SessãO 5
Guia Da SessãO 5Guia Da SessãO 5
Guia Da SessãO 5
Macogomes
 

Semelhante a Intro e-guia-aval-part ii-nov2010 (16)

Intro e-guia-aval alexandra-lopes
Intro e-guia-aval alexandra-lopesIntro e-guia-aval alexandra-lopes
Intro e-guia-aval alexandra-lopes
 
Intro e-guia-aval-part ii-nov2010[1]
Intro e-guia-aval-part ii-nov2010[1]Intro e-guia-aval-part ii-nov2010[1]
Intro e-guia-aval-part ii-nov2010[1]
 
MAABE-Metodologias e Operacionalização -(1.ª parte)
MAABE-Metodologias e Operacionalização -(1.ª parte)MAABE-Metodologias e Operacionalização -(1.ª parte)
MAABE-Metodologias e Operacionalização -(1.ª parte)
 
Sessão 6
Sessão 6Sessão 6
Sessão 6
 
Guia e texto da sessão
Guia e texto da sessãoGuia e texto da sessão
Guia e texto da sessão
 
Guia e texto_da_sessao_5
Guia e texto_da_sessao_5Guia e texto_da_sessao_5
Guia e texto_da_sessao_5
 
Guia
GuiaGuia
Guia
 
Guia e texto_da_sessao_5
Guia e texto_da_sessao_5Guia e texto_da_sessao_5
Guia e texto_da_sessao_5
 
Plano De Avaliacao[1]
Plano De Avaliacao[1]Plano De Avaliacao[1]
Plano De Avaliacao[1]
 
Plano De AvaliaçãO
Plano De AvaliaçãOPlano De AvaliaçãO
Plano De AvaliaçãO
 
Plano De AvaliaçãO
Plano De AvaliaçãOPlano De AvaliaçãO
Plano De AvaliaçãO
 
Plano De AvaliaçãO
Plano De AvaliaçãOPlano De AvaliaçãO
Plano De AvaliaçãO
 
Praticas E Modelos De Auto Avaliacao Sessao 4
Praticas E Modelos De Auto Avaliacao Sessao 4Praticas E Modelos De Auto Avaliacao Sessao 4
Praticas E Modelos De Auto Avaliacao Sessao 4
 
Intro E Guia Out2009 2
Intro E Guia Out2009 2Intro E Guia Out2009 2
Intro E Guia Out2009 2
 
Introdução e Guia da Sessao 6 Nov2009
Introdução e Guia da Sessao 6 Nov2009Introdução e Guia da Sessao 6 Nov2009
Introdução e Guia da Sessao 6 Nov2009
 
Guia Da SessãO 5
Guia Da SessãO 5Guia Da SessãO 5
Guia Da SessãO 5
 

Mais de Leonor Otília Rocha Oliveira

Quadro - metodologia e operacionalização
Quadro - metodologia e operacionalizaçãoQuadro - metodologia e operacionalização
Quadro - metodologia e operacionalização
Leonor Otília Rocha Oliveira
 
Análise e comentário
Análise e comentárioAnálise e comentário
Análise e comentário
Leonor Otília Rocha Oliveira
 
Quadro Metodologias e Operacionalização- conclusão
Quadro   Metodologias e Operacionalização- conclusãoQuadro   Metodologias e Operacionalização- conclusão
Quadro Metodologias e Operacionalização- conclusão
Leonor Otília Rocha Oliveira
 
Anlise e comentário
Anlise e comentárioAnlise e comentário
Anlise e comentário
Leonor Otília Rocha Oliveira
 
Tarefa 4 Guião
Tarefa 4 Guião Tarefa 4 Guião
Tarefa 4 dominío b
Tarefa 4  dominío bTarefa 4  dominío b
Tarefa 4 dominío b
Leonor Otília Rocha Oliveira
 
A presentação modelo de auto avaliação das bibliotecas escolares
A presentação modelo de auto avaliação das bibliotecas escolaresA presentação modelo de auto avaliação das bibliotecas escolares
A presentação modelo de auto avaliação das bibliotecas escolares
Leonor Otília Rocha Oliveira
 
Tarefa 2 crítica ao modelo de auto avaliação
Tarefa 2   crítica ao modelo de auto avaliação Tarefa 2   crítica ao modelo de auto avaliação
Tarefa 2 crítica ao modelo de auto avaliação
Leonor Otília Rocha Oliveira
 
Tarefa 1 Oportunidades, constrangimentos e desafiios do Professor Bibliotecário
Tarefa 1 Oportunidades, constrangimentos e desafiios do Professor BibliotecárioTarefa 1 Oportunidades, constrangimentos e desafiios do Professor Bibliotecário
Tarefa 1 Oportunidades, constrangimentos e desafiios do Professor Bibliotecário
Leonor Otília Rocha Oliveira
 
Tarefa 2 análise critica ao modelo de auto avaliação das bibliotecas escol...
Tarefa 2  análise critica ao modelo de auto   avaliação das bibliotecas escol...Tarefa 2  análise critica ao modelo de auto   avaliação das bibliotecas escol...
Tarefa 2 análise critica ao modelo de auto avaliação das bibliotecas escol...
Leonor Otília Rocha Oliveira
 
Tarefa 1 Oportunidades, constrangimentos e desafios do PB no contexto da mudança
Tarefa 1 Oportunidades, constrangimentos e desafios do PB no contexto da mudançaTarefa 1 Oportunidades, constrangimentos e desafios do PB no contexto da mudança
Tarefa 1 Oportunidades, constrangimentos e desafios do PB no contexto da mudança
Leonor Otília Rocha Oliveira
 

Mais de Leonor Otília Rocha Oliveira (11)

Quadro - metodologia e operacionalização
Quadro - metodologia e operacionalizaçãoQuadro - metodologia e operacionalização
Quadro - metodologia e operacionalização
 
Análise e comentário
Análise e comentárioAnálise e comentário
Análise e comentário
 
Quadro Metodologias e Operacionalização- conclusão
Quadro   Metodologias e Operacionalização- conclusãoQuadro   Metodologias e Operacionalização- conclusão
Quadro Metodologias e Operacionalização- conclusão
 
Anlise e comentário
Anlise e comentárioAnlise e comentário
Anlise e comentário
 
Tarefa 4 Guião
Tarefa 4 Guião Tarefa 4 Guião
Tarefa 4 Guião
 
Tarefa 4 dominío b
Tarefa 4  dominío bTarefa 4  dominío b
Tarefa 4 dominío b
 
A presentação modelo de auto avaliação das bibliotecas escolares
A presentação modelo de auto avaliação das bibliotecas escolaresA presentação modelo de auto avaliação das bibliotecas escolares
A presentação modelo de auto avaliação das bibliotecas escolares
 
Tarefa 2 crítica ao modelo de auto avaliação
Tarefa 2   crítica ao modelo de auto avaliação Tarefa 2   crítica ao modelo de auto avaliação
Tarefa 2 crítica ao modelo de auto avaliação
 
Tarefa 1 Oportunidades, constrangimentos e desafiios do Professor Bibliotecário
Tarefa 1 Oportunidades, constrangimentos e desafiios do Professor BibliotecárioTarefa 1 Oportunidades, constrangimentos e desafiios do Professor Bibliotecário
Tarefa 1 Oportunidades, constrangimentos e desafiios do Professor Bibliotecário
 
Tarefa 2 análise critica ao modelo de auto avaliação das bibliotecas escol...
Tarefa 2  análise critica ao modelo de auto   avaliação das bibliotecas escol...Tarefa 2  análise critica ao modelo de auto   avaliação das bibliotecas escol...
Tarefa 2 análise critica ao modelo de auto avaliação das bibliotecas escol...
 
Tarefa 1 Oportunidades, constrangimentos e desafios do PB no contexto da mudança
Tarefa 1 Oportunidades, constrangimentos e desafios do PB no contexto da mudançaTarefa 1 Oportunidades, constrangimentos e desafios do PB no contexto da mudança
Tarefa 1 Oportunidades, constrangimentos e desafios do PB no contexto da mudança
 

Intro e-guia-aval-part ii-nov2010

  • 1. 1 Texto e Guia de Actividades da Sessão O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de operacionalização (Parte II) Nas primeiras sessões de formação tivemos já oportunidade de reconhecer a importância da auto-avaliação da BE e da utilização do MAABE como ferramenta para essa auto-avaliação. Esta importância deriva de um conjunto de factores que podemos rever e sistematizar de alguma forma, do modo seguinte: Em primeiro lugar, a auto-avaliação da BE é importante porque se constitui como instrumento de auto-regulação e de melhoria contínua: • aferindo se as metas e objectivos das BE estão a ser alcançados • identificando pontos fortes e pontos fracos a melhorar • usando estrategicamente os resultados da avaliação no planeamento futuro (redefinição de prioridades, metas, objectivos, estratégias, etc.) • melhorando progressivamente o nível de desempenho das BE • facilitando o benchmarking e apoiando a definição de políticas dirigidas às BE Em segundo lugar, a auto-avaliação da BE é importante porque se constitui como um poderoso factor de mudança: • de reforço do papel pedagógico das BE e dos seus potenciais impactos na aprendizagem, formação e sucesso dos alunos • de indução de uma prática baseada em evidências, capazes de sustentar e fundamentar a acção e tomada de decisão • de estímulo a uma prática reflexiva de investigação-acção • de sentido qualitativo • de carácter sistemático e continuado, consolidando uma cultura de avaliação Em terceiro lugar, a auto-avaliação é importante porque se constitui como uma oportunidade única: • de afirmação e reconhecimento do valor das BE, face aos desafios que hoje se lhes colocam • de visibilidade e integração das BE na Escola e na Comunidade • de objectivação e validação interna e externa do trabalho que vai sendo realizado pelas BE • de envolvimento e responsabilização dos diferentes actores Na sessão anterior iniciámos o trabalho de operacionalização do MAABE. Para o efeito, começámos por nos debruçar sobre a planificação em cada BE, do processo de auto- avaliação, usando como referência um plano geral de implementação de que faziam parte as seguintes etapas:
  • 2. 2 • Diagnóstico • Escolha do Domínio a avaliar • Levantamento dos intervenientes a envolver • Apresentação no CP • Identificação e preparação dos instrumentos de recolha de evidências • Recolha, análise e interpretação da informação • Identificação dos pontos fortes e fracos • Atribuição de níveis de desempenho • Plano de melhoria • Elaboração e apresentação do relatório de auto-avaliação • Integração no relatório de avaliação interna da escola e nos tópicos de apresentação à IGE, responsável pela avaliação externa. A análise deste plano de avaliação torna fácil reconhecer que boa parte da sua execução se relaciona, em grande medida, com a necessidade dos responsáveis pela condução do processo de auto-avaliação das BE, se munirem de um conjunto de evidências que lhes permitam vir a conhecer, de forma fundamentada, o nível de desempenho e impacto da Biblioteca Escolar em relação com diferentes indicadores de qualidade _ variáveis consoante o Domínio em apreciação _ e agir no sentido da sua progressiva melhoria. Uma das actividades mais importantes da aplicação do MAABE consiste, deste modo, em saber identificar os instrumentos de recolha de evidências adequados e extrair desses instrumentos a informação (evidências) que melhor esclarece o trabalho e os resultados alcançados pela Biblioteca em relação com este ou aquele indicador ou conjunto de indicadores. Na presente sessão ocupar-nos-emos deste aspecto, usando mais uma vez como base principal de trabalho, o próprio MAABE. Para tal, começamos por reforçar que entre as diferentes fontes de evidências recomendadas e passíveis de serem utilizadas, se destacam, pela sua importância, as fontes documentais resultantes da actividade da própria Escola/Agrupamento e respectiva/s BE: • Documentos de gestão da Escola/ Agrupamento Projecto Educativo, Projecto Curricular, Plano de Acção, Regulamento Interno, Plano Anual de Actividades, Relatórios de avaliação, Currículos profissionais da equipa da BE, Outros. • Documentos pedagógicos da Escola/Agrupamento
  • 3. 3 Planificações dos Departamentos, ACND, AEC, SAE, PTE-TIC, OTE, Projectos curriculares das turmas, Orientações/recomendações do CP, Trabalhos de alunos, Resultados de avaliação dos alunos, Outros. • Documentos de Gestão da BE Plano de Acção, Plano Anual de Actividades, Acordos de parceria, Política de Desenvolvimento da Colecção, Manual de Procedimentos, Regimento, Horário, Relatórios, Plantas, Inventários, Outros. • Documentos de funcionamento e dinamização da BE Actas/ Registos de reuniões/contactos, Registos de projectos/actividades realizados, Estatísticas da BE, Materiais de apoio produzidos e editados, Catálogo e outras ferramentas utilizadas, Resultados de avaliação da colecção, Outros. O enorme valor informativo e testemunhal destas fontes faz com que seja fundamental tê-las em conta, não esquecendo, contudo, que para além destas fontes documentais de carácter textual ou quantitativo, dispomos também de uma valiosa bateria de instrumentos de recolha de dados, propositadamente construídos para a avaliação das BE no contexto do MAABE: • Questionários a alunos, professores e encarregados de educação • Grelhas de observação de competências • Grelhas de análise de trabalhos escolares • Listas de verificação Dada a natural heterogeneidade dos documentos a que diz respeito a primeira categoria de fontes referidas e a necessidade da sua exploração em contexto, deter- nos-emos na presente sessão, sobretudo, nos instrumentos produzidos e disponibilizados no âmbito do MAABE, a que acabámos de fazer referência. Na impossibilidade de desenvolver um exercício prático em todos os domínios que compõem o Modelo, utilizaremos ainda, apenas a título de exemplo, o Sub-Domínio A2. Actividade nº 1: Localizar nos instrumentos propostos pelo MAABE para o Sub-Domínio A2, questões ou itens que vão ao encontro dos factores críticos definidos para cada um dos seus Indicadores. Para a execução deste exercício, utilize a Tabela seguinte, preenchendo a última coluna (Nota: algumas células podem ficar vazias por o seu preenchimento exigir outro tipo de instrumentos).
  • 4. Instrumentos Questões ou Itens dos Instrumentos propostos que propostos pelo Indicadores Factores críticos de sucesso ajudam a BE a obter evidências e situar-se face aos MAABE para 4 factores críticos cada Indicador • O plano de trabalho da BE inclui A professora Bibliotecária reúne com os professores actividades de formação de titulares de turma com o objectivo de planificar utilizadores com turmas/ grupos/ actividades articuladas com as áreas disciplinares – alunos e com docentes no sentido de actas promover o valor da BE, motivar para a sua utilização, esclarecer sobre as Regulamento Interno da BE/CRE - dossier formas como está organizada e ensinar a utilizar os diferentes Plano Anual de Actividades de BE/CRE Espinho Nº2- serviços. dossier • Alunos e docentes desenvolvem • Questionári Planificações competências para o uso da BE o aos revelando um maior nível de QA1: questão 7 alunos autonomia na sua utilização após as (QA1). sessões de formação de utilizadores. QD1: questão 3 e 5 A.2.1 Organização de • Questionári • A BE produz materiais informativos e/ o aos Distribuição do Guião de utilizador pelas turmas actividades de ou lúdicos de apoio à formação dos docentes formação de utilizadores. Grelha com agenda das turmas que realizam visitas guiadas (QD1). utilizadores. à BE • Observaçã o de Registos de avaliação utilização da BE (O2). QA1: questão 12, 13 QD1: questão 4, 6 e 13 GO2: pontos 1, 4, 5, 7,9 e 10 Documentos produzidos pela BE: guião de utilizador, guião de pesquisa, fichas de leitura, dossiers temáticos (em suporte de papel e informático - em pastas nos computadores), para docentes e discentes … QA1: questão 6 • A BE procede, em ligação com as A Professora Bibliotecária tem assento no Conselho estruturas de coordenação educativa Pedagógico e de supervisão pedagógica, ao A PB participa, pessoalmente, nas reuniões de levantamento nos currículos das departamento, por ano de escolaridade de forma a competências de informação desenvolver acções em parceria com as áreas inerentes a cada área disciplinar/área disciplinares - actas de conteúdo com vista à definição de QD1: questão 10, 11 e 14 um currículo de competências O PAA da BE integra o PAA do Agrupamento em A.2.2 Promoção do transversais adequado a cada • Questionári articulação com o PE ensino em contexto nível/ano de escolaridade. o aos A PB contacta regularmente com os docentes com o de competências de docentes objectivo de programar as actividades em articulação • A BE promove, com as estruturas de (QD1) com os PCT’s que contribuam para o informação. coordenação educativa e supervisão desenvolvimento da aprendizagem dos alunos pedagógica e os docentes, a QD1: questão 3 integração de um plano para a literacia da informação no projecto Existe um dossier com material pedagógico educativo e curricular e nos projectos realizado em reuniões de departamento (em curriculares dos grupos/turmas. suporte de papel e informático) que é distribuído pelo agrupamento, de forma a uniformizar o • A BE propõe um modelo de pesquisa trabalho de informação a ser usado por toda a QD1: questão 4 e 5 escola. Instrumentos Questões ou Itens dos Instrumentos propostos que propostos pelo Indicadores Factores críticos de sucesso ajudam a BE a obter evidências e situar-se face aos MAABE para factores críticos cada Indicador • A BE estimula a inserção nas unidades Registo de empréstimo de material informático curriculares, ACND e outras Programações actividades, do ensino e treino contextualizado de competências de Sumários
  • 5. 5 Como acabámos de ver com o exemplo do exercício anterior, a informação que podermos obter com cada instrumento (independentemente da sua natureza) tem de relacionar-se com os factores críticos, pois é desse cruzamento que resulta a possibilidade de verificarmos que práticas e resultados estão ou não a ser alcançados e qual o seu nível. O Relatório de Auto-Avaliação é o documento onde, após a recolha de todos os dados, se registam as Evidências derivadas deste processo de análise e interpretação da informação recolhida. Estas evidências devem ir além da apresentação de dados em bruto, facilmente consultáveis nos Anexos da aplicação informática para o tratamento de dados disponibilizada desde o ano transacto a todas as escolas pelo Programa RBE, pretendendo-se que se traduzam em enunciados de carácter avaliativo, exigentes de apreciações e juízos de valor sobre os factos apontados. Como se esclarece no Capítulo de orientações para aplicação que integra o documento do MAABE: A análise dos dados obtidos deve conduzir à elaboração de avaliações sobre a BE e os seus serviços em termos de: eficácia, valor, utilidade, impacto, etc. Neste aspecto, é importante distinguir entre elaborar uma descrição e realizar uma avaliação. A avaliação implica uma apreciação baseada na análise de informação relevante e de evidências. Frequentemente inclui a explicação das consequências ou implicações [negativas ou positivas] de uma determinada acção ou processo. Vejamos um Exemplo: Enunciado descritivo: “A BE procedeu à actualização da colecção”. (Comentário: este enunciado não julga a utilização e a utilidade dos procedimentos, apenas constata um facto.) Enunciado avaliativo – “Como atestam os dados obtidos a partir da análise dos Docs. X e Y, do Questionário W e da Checklist Z (cf. Anexo…) , a actualização regular e consistente da colecção pela BE teve um impacto muito positivo sobre o grau de satisfação dos utilizadores e o uso dos recursos”. (Comentário: este enunciado fundamenta-se nos dados para caracterizar o processo - “regular” e “consistente” – e referir as consequências dos procedimentos assumidos.) Actividade nº 2: A partir da análise dos instrumentos que já realizou e da compreensão do tipo de informações passíveis de ser obtidas através da sua aplicação, seleccione um Indicador do Sub-domínio A2 à sua escolha, e escreva livremente três enunciados avaliativos que hipoteticamente pudesse formular na Coluna das Evidências do
  • 6. 6 respectivo Relatório de Avaliação, a partir de dados supostamente recolhidos com aqueles instrumentos. A2.1Organização de actividades de formação de utilizadores. 1) Perante a análise das evidências, dossiers, verifica-se que a BE está munida de documentos pedagógicos da Escola/Agrupamento, documentos de Gestão e documentos de dinamização da BE. 2) Através da agenda e dos sumários verificou-se que as 13 turmas do 4º ano do Agrupamento realizaram as actividades de formação de utilizadores da BE. 3) Os registos de avaliação das actividades do PAA, À Descoberta da Biblioteca, verificam-se que dos alunos 311 do 4º ano, 240 classificaram estas actividades no nível de Muito Bom, 42 de Bom e 29 de Suficiente. Só mediante esta perspectiva avaliativa, resultante da análise e interpretação dos dados, será possível: • Estabelecer os pontos fortes e os pontos fracos da BE no Domínio avaliado. • Olhar para os Perfis de Desempenho de cada Domínio/Sub-Domínio, e situar a BE sem equívocos nem ambiguidades num dos seus níveis (1, 2 , 3 ou 4). • Estabelecer propostas de melhoria, a integrar o Plano de Actividades do ano seguinte. Um dos problemas recorrentes nesta apresentação de propostas de melhoria, é que são muitas vezes formuladas de forma muito vaga e geral, sem que se especifique ou concretize o que deve ser feito, de modo a que possam ser entendidas como verdadeiras acções de melhoria, realistas, tangíveis e exequíveis, apontando prioridades, etapas, destinatários ou estratégias. Vejamos um Exemplo: Acção de melhoria geral: “Investir na produção de materiais de apoio” (Comentário: Investir é em si mesmo um verbo de carácter muito geral, além de nada ser dito sobre a quantidade ou tipo de materiais a produzir” Acção de melhoria concretizada: “ Reforçar a participação e apoio da BE nas actividades de substituição, através da produção, ao longo do próximo ano lectivo, em articulação com o Departamento de Língua Portuguesa, de guiões de actividades destinados aos alunos do 2º e 3º Ciclos do EB”
  • 7. 7 (Comentário: Embora apresentada de forma sintética, aponta objectivos, estratégia, tempo, responsáveis e destinatários) A título de exemplo, também o MAABE identificou em todas as tabelas, algumas ideias de possíveis acções de melhoria, não tendo sido, no entanto, sua preocupação, detalhá-las, dada a natureza orientadora e abrangente do próprio documento. Actividade nº 3: Imagine que uma destas ideias do Sub-domínio A2, sobre o qual temos vindo a concentrar o nosso olhar, a título exemplificativo, se enquadra naquilo que deve ser a aposta futura de melhoria da sua biblioteca num determinado tópico. Identifique-a e procure operacionalizá-la de um modo mais efectivo, de modo a que se possa constituir como uma verdadeira proposta de melhoria. Lembramos, contudo, que, integrando o relatório de auto-avaliação, esta enunciação de propostas deve ser feita de forma sintética, de modo a não sobrecarregar o Relatório. Tente, por isso, ser o mais objectivo possível. • Calendarização de uma “Formação “ informal sobre os vários espaços da BE, os seus recursos e a sua dinâmica, para professores no inicio do ano lectivo, de forma a estes se sentirem mais seguros e esclarecidos quando trabalham com os alunos neste espaço. • Acções de formação, na área da TIC, dadas por professores da escola/agrupamento, para professores da escola/agrupamento. • Incluir no PAA da biblioteca Workshop ’s de TIC/aulas da TIC no espaço da BE, para os alunos do 3º ano. • Alargar o Projecto LEME, para outras escolas e para outros anos de escolaridade. • Um envolvimento mais regular dos encarregados de educação na BE, para o desenvolvimento e divulgação de actividades, de forma a tornarem-se o suporte do desenvolvimento das competências dos seus educandos adquiridas na escola. Para realizar e entregar as actividades desta Sessão, use este mesmo ficheiro e, depois de nele feitas as actividades, envie-o na forma de entrega de trabalho para a plataforma. ATENÇÃO: À semelhança do que se propões na sessão anterior, de modo a salvaguardar a possibilidade de contacto e interacção entre os formandos, sempre desejável, a respeito dos conteúdos desta sessão, decorre em simultâneo ao longo da semana de trabalho, um Fórum de discussão no qual se espera que cada formando apresente
  • 8. 8 em um ou dois posts, uma ou duas sugestões de melhoria decorrentes da sua experiência de trabalho passada ou mais recente na BE, e interaja com um ou dois colegas formandos, comentando as sugestões que por ele/s tiverem sido apresentadas. Desejamos a todos uma boa semana de formação. As formadoras
  • 9. 9