SlideShare uma empresa Scribd logo
CAPÍTULO XTÓPICOS
 Não julgueis, para não serdes julgados. Atire a
primeira pedra aquele que estiver sem pecado
INSTRUÇÕES DOS ESPÍRITOS
 Perdão das ofensas
 A indulgência
 É permitido repreender os outros, notar as
imperfeições
 de outrem, divulgar o mal de outrem?
Atire a
primeira pedra aquele que estiver sem pecado
11. Não julgueis, a fim de não serdes julgados; porquanto
sereis julgados conforme
houverdes julgado os outros; empregar-se-á convosco a
mesma medida de que
vos tenhais servido para com os outros. (Mateus, 7:1 e 2.)
12. Então, os escribas e os
fariseus lhe trouxeram uma
mulher que fora
surpreendida em adultério e,
pondo-a de pé no meio do
povo, disseram a Jesus:
“Mestre, esta mulher acaba
de ser surpreendida em
adultério; ora, Moisés, pela
lei, ordena que se lapidem
as adúlteras. Qual sobre
isso a tua opinião?”
— Diziam isto para o
tentarem e terem de que o
acusar. Jesus, porém,
abaixando-se, entrou a
escrever na terra com o
dedo. Como continuassem a
interrogá-lo, Ele se levantou
e disse: “Aquele dentre vós
que estiver sem pecado,
atire a primeira pedra”
— Em
seguida, abaixando-se de novo,
continuou a escrever no chão.
Quanto aos que o
interrogavam, esses, ouvindo-o
falar daquele modo, se
retiraram, um após outro,
afastando-se primeiro os velhos.
Ficou, pois, Jesus a sós com a
mulher, colocada no meio da
praça.
Então, levantando-se,
perguntou-lhe Jesus:
“Mulher, onde estão os
que te acusavam?
Ninguém te
condenou?” — Ela
respondeu: “Não,
Senhor.”
— Disse-lhe
Jesus: “Também Eu
não te condenarei. Vai-
te e de futuro não
tornes a pecar.”
(João, 8:3 a 11.)
Instruções dos Espíritos
Perdão das ofensas
 14. Quantas vezes perdoarei a meu irmão? Perdoar-lhe-eis,
não sete
 vezes, mas setenta vezes sete vezes. Aí tendes um dos
ensinos de Jesus que
 mais vos devem percutir a inteligência e mais alto falar ao
coração. Confrontai
 essas palavras de misericórdia com a oração tão simples, tão
resumida
 e tão grande em suas aspirações, que ensinou a seus
discípulos, e o
 mesmo pensamento se vos deparará sempre.
 Ele, o justo por excelência,
 responde a Pedro: perdoarás, mas ilimitadamente;
perdoarás cada ofensa
 tantas vezes quantas ela te for feita; ensinarás a teus irmãos
esse esquecimento
 de si mesmo, que torna uma criatura invulnerável ao
ataque, aos
 maus procedimentos e às injúrias; serás brando e humilde
de coração, sem
 medir a tua mansuetude; farás, enfim, o que desejas que o
Pai celestial por ti faça.
Não está Ele a te perdoar frequentemente? Conta
porventura as vezes que o seu perdão desce a te
apagar as faltas? Prestai, pois, ouvidos a essa resposta
de Jesus e, como Pedro, aplicai-a a vós mesmos.
Perdoai, usai de indulgência, sede caridosos,
generosos, Pródigos até do vosso amor. Dai, que o
Senhor vos restituirá; perdoai, que o Senhor vos
perdoará; abaixai-vos, que o Senhor vos elevará;
humilhai-vos, que o Senhor fará vos assenteis à sua
direita.
A indulgência
 Significado de Indulgência:
 É uma das virtudes que caracterizam o verdadeiro cristão e que se
expressa pela postura complacente, compreensiva, que se adota
perante as faltas e imperfeições do próximo. "Ser indulgente é
saber relevar, perdoar, esquecer, dissimular, diante de tudo que
possa ser reprovável no comportamento dos semelhantes".
Evangelho Segundo o Espiritismo
 Exemplo do uso da palavra Indulgência:
 A indulgência jamais se ocupa com os maus atos de outrem, a
menos que seja para prestar um serviço; mas, mesmo nesse caso,
tem o cuidado de os atenuar tanto quanto possível. Evangelho
Segundo o Espiritismo Allan Kardec
16. Espíritas, queremos falar-vos hoje da
indulgência, sentimento
doce e fraternal que todo homem deve alimentar
para com seus irmãos,
mas do qual bem poucos fazem uso.
A indulgência não vê os defeitos de outrem, ou, se os
vê, evita falar
deles, divulgá-los. Ao contrário, oculta-os, a fim de
que se não tornem
conhecidos senão dela unicamente, e, se a
malevolência os descobre, tem
sempre pronta uma escusa para eles, escusa
plausível, séria, não das que,
com aparência de atenuar a falta, mais a evidenciam
com pérfida intenção.
A indulgência jamais se ocupa com os
maus atos de outrem, a menos
que seja para prestar um serviço; mas,
mesmo neste caso, tem o cuidado de
os atenuar tanto quanto possível. Não
faz observações chocantes, não tem
nos lábios censuras; apenas conselhos
e, as mais das vezes, velados.
Sede, pois, severos para convosco, indulgentes para com
os outros.
Lembrai-vos daquele que julga em última instância, que
vê os pensamentos
íntimos de cada coração e que, por conseguinte,
desculpa muitas vezes
as faltas que censurais, ou condena o que relevais,
porque conhece o móvel
de todos os atos. Lembrai-vos de que vós, que clamais
em altas vozes: anátema!
tereis, quiçá, cometido faltas mais graves.
Sede indulgentes, meus amigos, porquanto a
indulgência atrai, acalma,
ergue, ao passo que o rigor desanima, afasta e irrita. –
José, Espírito
protetor. (Bordeaux, 1863.)
É permitido repreender os outros, notar as imperfeições
de outrem, divulgar o mal de outrem?
 Ninguém sendo perfeito, seguir-se-á que ninguém tem o direito de
 repreender o seu próximo?
 Certamente que não é essa a conclusão a tirar-se, porquanto cada
 um de vós deve trabalhar pelo progresso de todos e, sobretudo,
daqueles
 cuja tutela vos foi confiada. Por isso mesmo, deveis fazê-lo com
moderação,
 para um fim útil, e não, como as mais das vezes, pelo prazer de
 denegrir. Neste último caso, a repreensão é uma maldade; no primeiro,
 é um dever que a caridade manda seja cumprido com todo o cuidado
 possível. Ademais, a censura que alguém faça a outrem deve ao mesmo
 tempo dirigi-la a si próprio, procurando saber se não a terá merecido.
 – São Luís. (Paris, 1860.)
20. Será repreensível notarem-se as imperfeições dos
outros, quando daí
nenhum proveito possa resultar para eles, uma vez que não
sejam divulgadas?
Tudo depende da intenção. Decerto, a ninguém é defeso
ver o mal,
quando ele existe. Fora mesmo inconveniente ver em toda
a parte só o
bem. Semelhante ilusão prejudicaria o progresso. O erro
está no fazer-se
que a observação redunde em detrimento do próximo,
desacreditando-o,
sem necessidade, na opinião geral.
Igualmente repreensível seria fazê-lo
alguém apenas para dar expansão a um sentimento de
malevolência e à
satisfação de apanhar os outros em falta. Dá-se inteiramente o
contrário
quando, estendendo sobre o mal um véu, para que o público não o
veja,
aquele que note os defeitos do próximo o faça em seu proveito
pessoal, isto
é, para se exercitar em evitar o que reprova nos outros. Essa
observação, em suma, não é proveitosa ao moralista? Como
pintaria ele os defeitos humanos,
se não estudasse os modelos? – São Luís (Paris, 1860.)
21. Haverá casos em que convenha se desvende o mal de outrem?
É muito delicada esta questão e, para resolvê-la, necessário se torna
apelar para a caridade bem compreendida. Se as imperfeições de uma
pessoa
só a ela prejudicam, nenhuma utilidade haverá nunca em divulgá-la.
Se, porém, podem acarretar prejuízo a terceiros, deve-se atender de
preferência
ao interesse do maior número. Segundo as circunstâncias, desmascarar
a hipocrisia e a mentira pode constituir um dever, pois mais vale caia
um homem, do que virem muitos a ser suas vítimas. Em tal caso, deve-
se
pesar a soma das vantagens e dos inconvenientes. – São Luís (Paris,
1860.)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A afabilidade e a Doçura
A afabilidade e a DoçuraA afabilidade e a Doçura
A afabilidade e a Doçura
igmateus
 
Retribuir o mal com o bem
Retribuir o mal com o bemRetribuir o mal com o bem
Retribuir o mal com o bem
Lorena Dias
 
Ingratidão dos Filhos e Laços de Família
Ingratidão dos Filhos e Laços de FamíliaIngratidão dos Filhos e Laços de Família
Ingratidão dos Filhos e Laços de Família
igmateus
 
Caridade para com os criminosos
Caridade para com os criminososCaridade para com os criminosos
Caridade para com os criminosos
Izabel Cristina Fonseca
 
O argueiro e a trave no olho cap x
O argueiro e a trave no olho cap xO argueiro e a trave no olho cap x
O argueiro e a trave no olho cap x
Mario Emilio do Amaral Coelho
 
3.8 - Lei do Progresso.pptx
3.8 - Lei do Progresso.pptx3.8 - Lei do Progresso.pptx
3.8 - Lei do Progresso.pptx
Marta Gomes
 
A Beneficência - Palestra Espírita
A Beneficência - Palestra EspíritaA Beneficência - Palestra Espírita
A Beneficência - Palestra Espírita
Thiago Garcia
 
Ajuda te que o céu te ajudará
Ajuda te que o céu te ajudaráAjuda te que o céu te ajudará
Ajuda te que o céu te ajudará
Lisete B.
 
Caracteres da perfeição
Caracteres da perfeiçãoCaracteres da perfeição
Caracteres da perfeição
home
 
TOLERÂNCIA NA VISÃO ESPÍRITA
TOLERÂNCIA NA VISÃO ESPÍRITATOLERÂNCIA NA VISÃO ESPÍRITA
TOLERÂNCIA NA VISÃO ESPÍRITA
ARMAZÉM DE ARTES TANIA PAUPITZ
 
Afabilidade e doçura
Afabilidade e doçuraAfabilidade e doçura
Afabilidade e doçura
Lorena Dias
 
O homem de bem, grande desafio
O homem de bem, grande desafioO homem de bem, grande desafio
O homem de bem, grande desafio
Graça Maciel
 
Injúrias E Violências
Injúrias E ViolênciasInjúrias E Violências
Injúrias E Violências
Grupo Espírita Cristão
 
ReconciliaçãO Com Os AdversáRios
ReconciliaçãO Com Os AdversáRiosReconciliaçãO Com Os AdversáRios
ReconciliaçãO Com Os AdversáRios
Grupo Espírita Cristão
 
Palestra Espírita - Bem aventurados os aflitos
Palestra Espírita - Bem aventurados os aflitosPalestra Espírita - Bem aventurados os aflitos
Palestra Espírita - Bem aventurados os aflitos
Divulgador do Espiritismo
 
Ajuda-te a ti mesmo que o céu te ajudará
Ajuda-te a ti mesmo que o céu te ajudaráAjuda-te a ti mesmo que o céu te ajudará
Ajuda-te a ti mesmo que o céu te ajudará
Graça Maciel
 
Cap XIV Honrai a vosso Pai e a vossa Mãe
Cap XIV Honrai a vosso Pai e a vossa MãeCap XIV Honrai a vosso Pai e a vossa Mãe
Cap XIV Honrai a vosso Pai e a vossa Mãe
gmo1973
 
O argueiro e a trave no olho
O argueiro e a trave no olhoO argueiro e a trave no olho
O argueiro e a trave no olho
home
 
Cuidar do corpo e do espírito
Cuidar do corpo e do espíritoCuidar do corpo e do espírito
Cuidar do corpo e do espírito
Izabel Cristina Fonseca
 
Estudos do evangelho " Fé e caridade"
Estudos do evangelho " Fé e caridade"Estudos do evangelho " Fé e caridade"
Estudos do evangelho " Fé e caridade"
Leonardo Pereira
 

Mais procurados (20)

A afabilidade e a Doçura
A afabilidade e a DoçuraA afabilidade e a Doçura
A afabilidade e a Doçura
 
Retribuir o mal com o bem
Retribuir o mal com o bemRetribuir o mal com o bem
Retribuir o mal com o bem
 
Ingratidão dos Filhos e Laços de Família
Ingratidão dos Filhos e Laços de FamíliaIngratidão dos Filhos e Laços de Família
Ingratidão dos Filhos e Laços de Família
 
Caridade para com os criminosos
Caridade para com os criminososCaridade para com os criminosos
Caridade para com os criminosos
 
O argueiro e a trave no olho cap x
O argueiro e a trave no olho cap xO argueiro e a trave no olho cap x
O argueiro e a trave no olho cap x
 
3.8 - Lei do Progresso.pptx
3.8 - Lei do Progresso.pptx3.8 - Lei do Progresso.pptx
3.8 - Lei do Progresso.pptx
 
A Beneficência - Palestra Espírita
A Beneficência - Palestra EspíritaA Beneficência - Palestra Espírita
A Beneficência - Palestra Espírita
 
Ajuda te que o céu te ajudará
Ajuda te que o céu te ajudaráAjuda te que o céu te ajudará
Ajuda te que o céu te ajudará
 
Caracteres da perfeição
Caracteres da perfeiçãoCaracteres da perfeição
Caracteres da perfeição
 
TOLERÂNCIA NA VISÃO ESPÍRITA
TOLERÂNCIA NA VISÃO ESPÍRITATOLERÂNCIA NA VISÃO ESPÍRITA
TOLERÂNCIA NA VISÃO ESPÍRITA
 
Afabilidade e doçura
Afabilidade e doçuraAfabilidade e doçura
Afabilidade e doçura
 
O homem de bem, grande desafio
O homem de bem, grande desafioO homem de bem, grande desafio
O homem de bem, grande desafio
 
Injúrias E Violências
Injúrias E ViolênciasInjúrias E Violências
Injúrias E Violências
 
ReconciliaçãO Com Os AdversáRios
ReconciliaçãO Com Os AdversáRiosReconciliaçãO Com Os AdversáRios
ReconciliaçãO Com Os AdversáRios
 
Palestra Espírita - Bem aventurados os aflitos
Palestra Espírita - Bem aventurados os aflitosPalestra Espírita - Bem aventurados os aflitos
Palestra Espírita - Bem aventurados os aflitos
 
Ajuda-te a ti mesmo que o céu te ajudará
Ajuda-te a ti mesmo que o céu te ajudaráAjuda-te a ti mesmo que o céu te ajudará
Ajuda-te a ti mesmo que o céu te ajudará
 
Cap XIV Honrai a vosso Pai e a vossa Mãe
Cap XIV Honrai a vosso Pai e a vossa MãeCap XIV Honrai a vosso Pai e a vossa Mãe
Cap XIV Honrai a vosso Pai e a vossa Mãe
 
O argueiro e a trave no olho
O argueiro e a trave no olhoO argueiro e a trave no olho
O argueiro e a trave no olho
 
Cuidar do corpo e do espírito
Cuidar do corpo e do espíritoCuidar do corpo e do espírito
Cuidar do corpo e do espírito
 
Estudos do evangelho " Fé e caridade"
Estudos do evangelho " Fé e caridade"Estudos do evangelho " Fé e caridade"
Estudos do evangelho " Fé e caridade"
 

Semelhante a capitulo X do evangélio segundo espiritismo: indulgência

Estudos do evangelho "Bem aventurados os misericordiosos "resumo"
Estudos do evangelho "Bem aventurados os misericordiosos "resumo"Estudos do evangelho "Bem aventurados os misericordiosos "resumo"
Estudos do evangelho "Bem aventurados os misericordiosos "resumo"
Leonardo Pereira
 
Perdão na visão espírita
Perdão na visão espíritaPerdão na visão espírita
Perdão na visão espírita
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Indulgencia www.forumespirita.net
Indulgencia www.forumespirita.netIndulgencia www.forumespirita.net
Indulgencia www.forumespirita.net
Fórum Espírita
 
Reconciliação com os adversarios
Reconciliação com os adversariosReconciliação com os adversarios
Reconciliação com os adversarios
Rivaldo Guedes Corrêa. Jr
 
Le 903 ese_cap13_item13
Le 903 ese_cap13_item13Le 903 ese_cap13_item13
Le 903 ese_cap13_item13
Patricia Farias
 
A indulgencia
A indulgenciaA indulgencia
A indulgencia
Andreia Quesada
 
Indulgência
IndulgênciaIndulgência
Indulgência
Stenio Cleber
 
Maledicência
MaledicênciaMaledicência
Maledicência
Ponte de Luz ASEC
 
A MALEDICÊNCIA
A MALEDICÊNCIAA MALEDICÊNCIA
Os nossos julgamentos
Os nossos julgamentosOs nossos julgamentos
Os nossos julgamentos
Helio Cruz
 
Estudos do evangelho 17
Estudos do evangelho 17Estudos do evangelho 17
Estudos do evangelho 17
Leonardo Pereira
 
Perdão
PerdãoPerdão
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 43 - Boas Maneiras
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 43 - Boas ManeirasSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 43 - Boas Maneiras
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 43 - Boas Maneiras
Ricardo Azevedo
 
(Livro Boa nova) Cap.13 pecado e punição
(Livro Boa nova) Cap.13   pecado e punição(Livro Boa nova) Cap.13   pecado e punição
(Livro Boa nova) Cap.13 pecado e punição
Patricia Farias
 
A dinãmica do perdão
A dinãmica do perdão A dinãmica do perdão
A dinãmica do perdão
Leonardo Pereira
 
Evangelho cap10 item11
Evangelho cap10 item11Evangelho cap10 item11
Evangelho cap10 item11
Patricia Farias
 
Estudos do evangelho 14
Estudos do evangelho 14Estudos do evangelho 14
Estudos do evangelho 14
Leonardo Pereira
 
Estudos do evangelho " Não julgardes para não serem julgados"
Estudos do evangelho " Não julgardes para não serem julgados"Estudos do evangelho " Não julgardes para não serem julgados"
Estudos do evangelho " Não julgardes para não serem julgados"
Leonardo Pereira
 
(Boa nova) 13 pecado e punicao
(Boa nova) 13   pecado e punicao(Boa nova) 13   pecado e punicao
(Boa nova) 13 pecado e punicao
Antonio Braga
 
Decepções
DecepçõesDecepções
Decepções
Dalila Melo
 

Semelhante a capitulo X do evangélio segundo espiritismo: indulgência (20)

Estudos do evangelho "Bem aventurados os misericordiosos "resumo"
Estudos do evangelho "Bem aventurados os misericordiosos "resumo"Estudos do evangelho "Bem aventurados os misericordiosos "resumo"
Estudos do evangelho "Bem aventurados os misericordiosos "resumo"
 
Perdão na visão espírita
Perdão na visão espíritaPerdão na visão espírita
Perdão na visão espírita
 
Indulgencia www.forumespirita.net
Indulgencia www.forumespirita.netIndulgencia www.forumespirita.net
Indulgencia www.forumespirita.net
 
Reconciliação com os adversarios
Reconciliação com os adversariosReconciliação com os adversarios
Reconciliação com os adversarios
 
Le 903 ese_cap13_item13
Le 903 ese_cap13_item13Le 903 ese_cap13_item13
Le 903 ese_cap13_item13
 
A indulgencia
A indulgenciaA indulgencia
A indulgencia
 
Indulgência
IndulgênciaIndulgência
Indulgência
 
Maledicência
MaledicênciaMaledicência
Maledicência
 
A MALEDICÊNCIA
A MALEDICÊNCIAA MALEDICÊNCIA
A MALEDICÊNCIA
 
Os nossos julgamentos
Os nossos julgamentosOs nossos julgamentos
Os nossos julgamentos
 
Estudos do evangelho 17
Estudos do evangelho 17Estudos do evangelho 17
Estudos do evangelho 17
 
Perdão
PerdãoPerdão
Perdão
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 43 - Boas Maneiras
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 43 - Boas ManeirasSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 43 - Boas Maneiras
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 43 - Boas Maneiras
 
(Livro Boa nova) Cap.13 pecado e punição
(Livro Boa nova) Cap.13   pecado e punição(Livro Boa nova) Cap.13   pecado e punição
(Livro Boa nova) Cap.13 pecado e punição
 
A dinãmica do perdão
A dinãmica do perdão A dinãmica do perdão
A dinãmica do perdão
 
Evangelho cap10 item11
Evangelho cap10 item11Evangelho cap10 item11
Evangelho cap10 item11
 
Estudos do evangelho 14
Estudos do evangelho 14Estudos do evangelho 14
Estudos do evangelho 14
 
Estudos do evangelho " Não julgardes para não serem julgados"
Estudos do evangelho " Não julgardes para não serem julgados"Estudos do evangelho " Não julgardes para não serem julgados"
Estudos do evangelho " Não julgardes para não serem julgados"
 
(Boa nova) 13 pecado e punicao
(Boa nova) 13   pecado e punicao(Boa nova) 13   pecado e punicao
(Boa nova) 13 pecado e punicao
 
Decepções
DecepçõesDecepções
Decepções
 

Último

O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptxO MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
valneirocha
 
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
PIB Penha
 
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptxBatismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
nadeclarice
 
7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA
7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA
7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA
OBrasilParaCristoRad
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Celso Napoleon
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Ricardo Azevedo
 
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.pptEncontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
SanturioTacararu
 
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
PIB Penha
 
Especialidade Arqueologia Bíblica.pptx
Especialidade  Arqueologia  Bíblica.pptxEspecialidade  Arqueologia  Bíblica.pptx
Especialidade Arqueologia Bíblica.pptx
AlexandreJr7
 
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
PIB Penha
 
PALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.ppt
PALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.pptPALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.ppt
PALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.ppt
FranciscoAudisio2
 
Angelologia - Estudo sobre a Doutrina dos Anjos.ppt
Angelologia - Estudo sobre a Doutrina dos Anjos.pptAngelologia - Estudo sobre a Doutrina dos Anjos.ppt
Angelologia - Estudo sobre a Doutrina dos Anjos.ppt
mfixa3824
 
A VIVÊNCIA DO SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO slides.ppt
A VIVÊNCIA DO SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO slides.pptA VIVÊNCIA DO SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO slides.ppt
A VIVÊNCIA DO SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO slides.ppt
FranciscoAudisio2
 
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
EdimarEdigesso
 
grabovoi apostila.pdf FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃO
grabovoi apostila.pdf  FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃOgrabovoi apostila.pdf  FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃO
grabovoi apostila.pdf FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃO
luartfelt
 
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptxApresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
AlexandreCarvalho858758
 
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
PIB Penha
 
Lição 11 - Avivamento e a Missão da Igreja.pptx
Lição 11 -  Avivamento e a Missão da Igreja.pptxLição 11 -  Avivamento e a Missão da Igreja.pptx
Lição 11 - Avivamento e a Missão da Igreja.pptx
LaerciodeSouzaSilva1
 
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
PIB Penha
 
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.128 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
PIB Penha
 

Último (20)

O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptxO MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
 
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
 
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptxBatismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
 
7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA
7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA
7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
 
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.pptEncontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
 
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
 
Especialidade Arqueologia Bíblica.pptx
Especialidade  Arqueologia  Bíblica.pptxEspecialidade  Arqueologia  Bíblica.pptx
Especialidade Arqueologia Bíblica.pptx
 
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
 
PALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.ppt
PALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.pptPALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.ppt
PALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.ppt
 
Angelologia - Estudo sobre a Doutrina dos Anjos.ppt
Angelologia - Estudo sobre a Doutrina dos Anjos.pptAngelologia - Estudo sobre a Doutrina dos Anjos.ppt
Angelologia - Estudo sobre a Doutrina dos Anjos.ppt
 
A VIVÊNCIA DO SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO slides.ppt
A VIVÊNCIA DO SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO slides.pptA VIVÊNCIA DO SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO slides.ppt
A VIVÊNCIA DO SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO slides.ppt
 
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
 
grabovoi apostila.pdf FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃO
grabovoi apostila.pdf  FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃOgrabovoi apostila.pdf  FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃO
grabovoi apostila.pdf FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃO
 
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptxApresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
 
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
 
Lição 11 - Avivamento e a Missão da Igreja.pptx
Lição 11 -  Avivamento e a Missão da Igreja.pptxLição 11 -  Avivamento e a Missão da Igreja.pptx
Lição 11 - Avivamento e a Missão da Igreja.pptx
 
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
 
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.128 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
 

capitulo X do evangélio segundo espiritismo: indulgência

  • 1. CAPÍTULO XTÓPICOS  Não julgueis, para não serdes julgados. Atire a primeira pedra aquele que estiver sem pecado INSTRUÇÕES DOS ESPÍRITOS  Perdão das ofensas  A indulgência  É permitido repreender os outros, notar as imperfeições  de outrem, divulgar o mal de outrem?
  • 2. Atire a primeira pedra aquele que estiver sem pecado
  • 3. 11. Não julgueis, a fim de não serdes julgados; porquanto sereis julgados conforme houverdes julgado os outros; empregar-se-á convosco a mesma medida de que vos tenhais servido para com os outros. (Mateus, 7:1 e 2.)
  • 4. 12. Então, os escribas e os fariseus lhe trouxeram uma mulher que fora surpreendida em adultério e, pondo-a de pé no meio do povo, disseram a Jesus: “Mestre, esta mulher acaba de ser surpreendida em adultério; ora, Moisés, pela lei, ordena que se lapidem as adúlteras. Qual sobre isso a tua opinião?”
  • 5. — Diziam isto para o tentarem e terem de que o acusar. Jesus, porém, abaixando-se, entrou a escrever na terra com o dedo. Como continuassem a interrogá-lo, Ele se levantou e disse: “Aquele dentre vós que estiver sem pecado, atire a primeira pedra”
  • 6. — Em seguida, abaixando-se de novo, continuou a escrever no chão. Quanto aos que o interrogavam, esses, ouvindo-o falar daquele modo, se retiraram, um após outro, afastando-se primeiro os velhos. Ficou, pois, Jesus a sós com a mulher, colocada no meio da praça.
  • 7. Então, levantando-se, perguntou-lhe Jesus: “Mulher, onde estão os que te acusavam? Ninguém te condenou?” — Ela respondeu: “Não, Senhor.” — Disse-lhe Jesus: “Também Eu não te condenarei. Vai- te e de futuro não tornes a pecar.” (João, 8:3 a 11.)
  • 8. Instruções dos Espíritos Perdão das ofensas  14. Quantas vezes perdoarei a meu irmão? Perdoar-lhe-eis, não sete  vezes, mas setenta vezes sete vezes. Aí tendes um dos ensinos de Jesus que  mais vos devem percutir a inteligência e mais alto falar ao coração. Confrontai  essas palavras de misericórdia com a oração tão simples, tão resumida  e tão grande em suas aspirações, que ensinou a seus discípulos, e o  mesmo pensamento se vos deparará sempre.
  • 9.  Ele, o justo por excelência,  responde a Pedro: perdoarás, mas ilimitadamente; perdoarás cada ofensa  tantas vezes quantas ela te for feita; ensinarás a teus irmãos esse esquecimento  de si mesmo, que torna uma criatura invulnerável ao ataque, aos  maus procedimentos e às injúrias; serás brando e humilde de coração, sem  medir a tua mansuetude; farás, enfim, o que desejas que o Pai celestial por ti faça.
  • 10. Não está Ele a te perdoar frequentemente? Conta porventura as vezes que o seu perdão desce a te apagar as faltas? Prestai, pois, ouvidos a essa resposta de Jesus e, como Pedro, aplicai-a a vós mesmos. Perdoai, usai de indulgência, sede caridosos, generosos, Pródigos até do vosso amor. Dai, que o Senhor vos restituirá; perdoai, que o Senhor vos perdoará; abaixai-vos, que o Senhor vos elevará; humilhai-vos, que o Senhor fará vos assenteis à sua direita.
  • 11. A indulgência  Significado de Indulgência:  É uma das virtudes que caracterizam o verdadeiro cristão e que se expressa pela postura complacente, compreensiva, que se adota perante as faltas e imperfeições do próximo. "Ser indulgente é saber relevar, perdoar, esquecer, dissimular, diante de tudo que possa ser reprovável no comportamento dos semelhantes". Evangelho Segundo o Espiritismo  Exemplo do uso da palavra Indulgência:  A indulgência jamais se ocupa com os maus atos de outrem, a menos que seja para prestar um serviço; mas, mesmo nesse caso, tem o cuidado de os atenuar tanto quanto possível. Evangelho Segundo o Espiritismo Allan Kardec
  • 12. 16. Espíritas, queremos falar-vos hoje da indulgência, sentimento doce e fraternal que todo homem deve alimentar para com seus irmãos, mas do qual bem poucos fazem uso. A indulgência não vê os defeitos de outrem, ou, se os vê, evita falar deles, divulgá-los. Ao contrário, oculta-os, a fim de que se não tornem conhecidos senão dela unicamente, e, se a malevolência os descobre, tem sempre pronta uma escusa para eles, escusa plausível, séria, não das que, com aparência de atenuar a falta, mais a evidenciam com pérfida intenção.
  • 13. A indulgência jamais se ocupa com os maus atos de outrem, a menos que seja para prestar um serviço; mas, mesmo neste caso, tem o cuidado de os atenuar tanto quanto possível. Não faz observações chocantes, não tem nos lábios censuras; apenas conselhos e, as mais das vezes, velados.
  • 14. Sede, pois, severos para convosco, indulgentes para com os outros. Lembrai-vos daquele que julga em última instância, que vê os pensamentos íntimos de cada coração e que, por conseguinte, desculpa muitas vezes as faltas que censurais, ou condena o que relevais, porque conhece o móvel de todos os atos. Lembrai-vos de que vós, que clamais em altas vozes: anátema! tereis, quiçá, cometido faltas mais graves. Sede indulgentes, meus amigos, porquanto a indulgência atrai, acalma, ergue, ao passo que o rigor desanima, afasta e irrita. – José, Espírito protetor. (Bordeaux, 1863.)
  • 15. É permitido repreender os outros, notar as imperfeições de outrem, divulgar o mal de outrem?  Ninguém sendo perfeito, seguir-se-á que ninguém tem o direito de  repreender o seu próximo?  Certamente que não é essa a conclusão a tirar-se, porquanto cada  um de vós deve trabalhar pelo progresso de todos e, sobretudo, daqueles  cuja tutela vos foi confiada. Por isso mesmo, deveis fazê-lo com moderação,  para um fim útil, e não, como as mais das vezes, pelo prazer de  denegrir. Neste último caso, a repreensão é uma maldade; no primeiro,  é um dever que a caridade manda seja cumprido com todo o cuidado  possível. Ademais, a censura que alguém faça a outrem deve ao mesmo  tempo dirigi-la a si próprio, procurando saber se não a terá merecido.  – São Luís. (Paris, 1860.)
  • 16. 20. Será repreensível notarem-se as imperfeições dos outros, quando daí nenhum proveito possa resultar para eles, uma vez que não sejam divulgadas? Tudo depende da intenção. Decerto, a ninguém é defeso ver o mal, quando ele existe. Fora mesmo inconveniente ver em toda a parte só o bem. Semelhante ilusão prejudicaria o progresso. O erro está no fazer-se que a observação redunde em detrimento do próximo, desacreditando-o, sem necessidade, na opinião geral.
  • 17. Igualmente repreensível seria fazê-lo alguém apenas para dar expansão a um sentimento de malevolência e à satisfação de apanhar os outros em falta. Dá-se inteiramente o contrário quando, estendendo sobre o mal um véu, para que o público não o veja, aquele que note os defeitos do próximo o faça em seu proveito pessoal, isto é, para se exercitar em evitar o que reprova nos outros. Essa observação, em suma, não é proveitosa ao moralista? Como pintaria ele os defeitos humanos, se não estudasse os modelos? – São Luís (Paris, 1860.)
  • 18. 21. Haverá casos em que convenha se desvende o mal de outrem? É muito delicada esta questão e, para resolvê-la, necessário se torna apelar para a caridade bem compreendida. Se as imperfeições de uma pessoa só a ela prejudicam, nenhuma utilidade haverá nunca em divulgá-la. Se, porém, podem acarretar prejuízo a terceiros, deve-se atender de preferência ao interesse do maior número. Segundo as circunstâncias, desmascarar a hipocrisia e a mentira pode constituir um dever, pois mais vale caia um homem, do que virem muitos a ser suas vítimas. Em tal caso, deve- se pesar a soma das vantagens e dos inconvenientes. – São Luís (Paris, 1860.)