SlideShare uma empresa Scribd logo
“IGREJA SIMPLES”




           JAIR G. GOIS
EU TENHO UM SONHO
Que a minha igreja cresça saudável, que retorne ao método
simples de Jesus de compartilhar o evangelho e de fazer
discípulos; Eu tenho um sonho... Que a minha igreja não
seja apenas ocupada, mas viva, com ministérios e atividades
que traduzam: clareza, movimento, alinhamento e foco; Eu
tenho um sonho... Que cada líder da minha igreja reconheça
que sua principal tarefa não é ocupar um cargo é levar as
pessoas a transformação espiritual, ajudando-as a amar a
Deus, amar os outros e servir ao mundo; Eu tenho um
sonho... Que cada membro de minha igreja reconheça que
os pequenos grupos é o melhor ambiente para as pessoas
amarem umas às outras numa comunidade bíblica; Eu tenho
Um sonho... Que os interessados ouçam na classe bíblica que eles não
deveriam se tornar membros antes de desejar servir; Eu tenho um sonho...
Que a minha igreja esteja mais preocupada em ter uma equipe alinhada
do que ter uma equipe de estrelas; Eu tenho um sonho... Que cada
membro não seja apenas alguém que professa fé nas doutrinas, mas
gerentes da graça de Deus; Eu tenho um sonho... Que as famílias de minha
igreja estejam organizadas em torno de um processo objetivo capaz de
conduzir outras famílias à uma relação de confiança com Cristo e sua
missão; Eu tenho um sonho... Que a minha igreja conduza as pessoas do
culto para os pequenos grupos, da condição de observadores a
participantes, da condição de membros a discípulos; Eu tenho um sonho...
Que os cultos não sejam uma barreira para adoração, mas uma adoração
sem barreiras; Eu tenho um sonho... Que os números não expressem o
resultado, mas os resultados expressem os números; Eu tenho um sonho...
Que a igreja influencie o mundo e não o mundo a igreja; Eu tenho um
sonho... Que deixemos de estar ocupados fazendo igreja e que passemos a
estar ocupados sendo a igreja que Cristo virá buscar.
A MAIORIA DE NOSSAS IGREJAS SÃO SIMPLES OU COMPLEXAS?
NOSSO PEQUENO GRUPO É SIMPLES OU COMPLEXO?
O DISCIPULADO É SIMPLES OU COMPLEXO?
Igreja simples
O PROJETO FAMÍLIA POR FAMÍLIA É
    SIMPLES OU COMPLEXO?
O MINISTÉRIO DE JESUS FOI SIMPLES OU COMPLEXO?
Igreja simples
A SUA IGREJA É SIMPLES OU COMPLEXA?
“Muitas de nossas igrejas se tornaram
complexas. Tão complexas que as pessoas
têm dificuldade de se encontrar com a
mensagem simples e poderosa de Cristo.
Tão complexas que muitas pessoas estão
ocupadas fazendo igreja em vez de ser
igreja.”
SUA IGREJA É SIMPLES OU COMPLEXA?
1. SUA IGREJA REALIZA EVENTOS EXCELENTES E OS DEPARTAMENTOS ESTÃO
   FOCADOS EM MUITAS COISAS TODO TEMPO?

2. SUA IGREJA É SEMPRE RIGOROSA NA HORA DE ESCOLHER OS OFICIAIS
   POR QUE JULGA MUITO IMPORTANTE TER UMA EQUIPE DE ESTRELAS?

3. O SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DE SUA IGREJA FUNCIONA A CONTENTO
   E OFERECE UMA GRANDE QUANTIDADE DE AVISOS E AS PESSOAS SÃO
   CONVIDADAS PARA TUDO?

4. NA SUA IGREJA TODOS OS DEPARTAMENTOS TÊM SEUS PRÓPRIOS LÍDERES
   E TODOS ESTÃO SEMPRE EMPOLGADOS COM OS SEUS MINISTÉRIOS
   ESPECÍFICOS?

5. QUANDO SURGEM NOVAS NECESSIDADES OS LÍDERES DE SUA IGREJA
   CRIAM IMEDIATAMENTE ALGUM PROJETO PARA ATENDER ESSES DESAFIOS?

6. SUA IGREJA É ATIVA E OFERECE UM ENORME CARDÁPIO DE PROGRAMAÇÕES?
7. SUA IGREJA ESTÁ CUMPRINDO A MISSÃO A PROVA DISSO É QUE
  ELA SEMPRE GANHA ALMAS?

8. EM SUA IGREJA EXISTE UMA ORIENTAÇÃO BÁSICA PARA O
  MINISTÉRIO INFANTIL PARA QUE TODOS ESTUDEM A LIÇÃO
DIARIAMENTE?

9. SUA IGREJA TEM UMA BOA LIDERANÇA QUE DÁ ENERGIA E CLAREZA
NA HORA DE QUALQUER EMPREENDIMENTO?

 HORA DE QUALQUER EMPREENDIMENTO?

10. POR QUE SUA IGREJA É ATIVA É FÁCIL PERCEBER OS IRMÃOS
MOVENDO-SE EM MÚLTIPLAS DIREÇÕES?


OBS. A QUANTIDADE DE “SIM” REPRESENTA O PERCENTUAL DE COMPLEXIDADE DESSA IGREJA.
1. HÁ UM CONSTANTE SENSO DE URGÊNCIA EM CONDUZIR AS PESSOAS ATÉ A
   MATURIDADE ESPIRITUAL EM VEZ DE SIMPLESMENTE VÊ-LAS CONVERTIDAS?

2. SUA IGREJA ESTÁ ORGANIZADA EM PEQUENOS GRUPOS?

3. SUA IGREJA ESTÁ ORGANIZADA DE MANEIRA A CONDUZIR AS PESSOAS A NÍVEIS
   MAIORES DE RELACIONAMENTO E COMPROMETIMENTO?

4. NA SUA IGREJA OS CRENTES SÃO DESAFIADOS A CONTINUAR CRESCENDO NA
   FÉ?

5. NA SUA IGREJA OS MEMBROS ESTABELECEM RELACIONAMENTOS VIBRANTES
   ENTRE SI?

6. SUA IGREJA DESENVOLVE ALGUMA ESTRATÉGIA DE DISCIPULADO EM FAVOR
   DOS NOVOS CRENTES?
7. SUA IGREJA EXIGE QUE OS NOVOS MEMBROS PARTICIPEM DE UMA CLASSE
   DE CAPACITAÇÃO E APROFUNDAMENTO DOUTRINÁRIO?

8. AS ATIVIDADES MISSIONÁRIAS DE SUA IGREJA ESTÃO ALINHADAS EM
   TORNO DE UM PROPÓSITO CONHECIDO DE TODOS QUE É RELEMBRADO EM
   TODAS AS REUNIÕES?

9. NA SUA IGREJA O CULTO É PREPARADO PARA LEVAR AS PESSOAS A UM
  RELACIONAMENTO COM DEUS E COM OUTROS CRISTÃOS?

10. NA SUA IGREJA A GRANDE COMISSÃO É DEFINIDA NA FORMA DE UM
   PROCESSO DE DICIPULADO?




OBS. A QUANTIDADE DE “NÃO” REPRESENTA O PERCENTUAL DE COMPLEXIDADE DESSA IGREJA.
DEFINIÇÃO DE IGREJAS COMPLEXAS:



    “OCUPADAS FAZENDO IGREJA”
“COMPLEXO: QUE ABRANGE OU ENCERRA MUITOS ELEMENTOS OU
PARTES, CONFUSO, COMPLICADO INTRICADO.”
DEFINIÇÃO DE IGREJAS SIMPLES:



     “OCUPADAS SENDO IGREJA”
“SIMPLES: QUE NÃO É DUPLO OU DESDOBRADO EM MUITAS PARTES, NÃO
         CONSTITUÍDO DE PARTES OU SUBSTÂNCIAS DIFERENTES, SEM
         COMPLEXIDADE OU DIFICULDADE.”
“Geralmente uma grande quantidade de atividades não
gera mudança de vida. Apenas dá a impressão que as
coisas estão acontecendo e que há vida.”

“Não estamos percebendo a transformação espiritual na
vida das pessoas. Ficamos satisfeitos em estar ocupados.”
“As igrejas complexas são como caixões de
                  luxo”.
“As igrejas mais saudáveis são as
que têm um processo de discipulado
simples.”
“Igrejas sem um processo ou com processo complicado de
fazer discípulos estão patinando.”

“Nossa pesquisa mostra que essas igrejas não estão
crescendo.”

“As igrejas simples decidiram se alinhar com o jeito de Deus
trabalhar.” (Mateus 28: 18 a 20)
ALGUMAS CARACTERÍSTICAS DE UMA IGREJA SIMPLES:

1. “A DECLARAÇÃO DE MISSÃO É SIMPLES, CLARA, CONHECIDA
   POR TODOS E PRATICADA POR TODOS.” (EXEMPLO: AMAR
   A DEUS, AMAR OS OUTROS E SERVIR AO MUNDO)


2. “O CULTO AJUDA A AMAR A DEUS, O PEQUENO GRUPO A
   AMAR OS OUTROS E OS MINISTÉRIOS A SERVIR AO
   MUNDO.”

3. “TUDO SE ENCAIXA NA PERSPECTIVA GERAL: TUDO É
   GUIADO PELO PROCESSO SIMPLES DE FAZER DISCIPULOS.”
4. “É UMA CONGREGAÇÃO ORGANIZADA EM TORNO DE UM PROCESSO OBJETIVO
  E ESTRATÉGICO QUE CONDUZ AS PESSOAS ATRAVÉS DOS ESTÁGIOS DO
  CRESCIMENTO ESPIRITUAL.”

5. “OS LÍDERES PODEM ARTICULAR CLARAMENTE A FORMAÇÃO DE UMA PESSOA
  QUE COMEÇA A CAMINHADA CRISTÃ E COM O PASSAR DO TEMPO, SE TORNA
  UM SEGUIDOR MADURO DE CRISTO. UMA IGREJA QUE NÃO É APENAS
  OCUPADA, MAS VIVA COM MINISTÉRIOS E ATIVIDADES QUE FAZEM DIFERENÇA.”

6. “É UMA IGREJA EM QUE ESSES 4 PONTOS SÃO ESSENCIAIS: CLAREZA,
   MOVIMENTO, ALINHAMENTO E FOCO.”
1. CLAREZA: É A HABILIDADE DE COMUNICAR O PROCESSO E ESTE SER
   ENTENDIDO PELAS PESSOAS.

2. MOVIMENTO SÃO OS PASSOS SEQUENCIAIS QUE FAZ COM QUE AS PESSOAS
   CAMINHEM PARA NÍVEIS MAIORES DE COMPROMETIMENTO.

3. ALINHAMENTO É A ORGANIZAÇÃO DE TODOS OS MINISTÉRIOS E EQUIPE EM
   TORNO DO MESMO PROCESSO.

4. FOCO É O COMPROMISSO DE ABANDONAR TUDO QUE NÃO SE ENCAIXE NO
   PROCESSO MINISTERIAL SIMPLES.
“Para ser uma Igreja Simples é preciso preparar um
processo simples de discipulado. O processo precisa ser
claro. Precisa conduzir as pessoas à maturidade. Ele
precisa estar totalmente integrado à igreja e é preciso se
desvencilhar de todo congestionamento em torno dele.”
Waylon Moore afirma que “Discipulado é o
processo de tomar novos convertidos, educá-los e
levá-los a um estado de maturidade e adulta
comunhão com Cristo e de serviço eficiente na
Igreja”. E continua: “fazer discípulo de uma pessoa
é levá-la a experiência de ter Jesus como Senhor e
Centro de sua vida. Ser discípulo implica num ato
de entrega e num processo de obediência. Um
homem é discípulo de Cristo, quando permanece
em sua palavra, glorifica ao Pai e dá frutos. ( João
8.31;15.8)”.
Já David Kornfield, trabalhando no Brasil, atualmente com
pequenos grupos e Discipulado, em seu artigo
Discipulado, a Verdadeira Grande Comissão, define
Discipulado como “uma relação comprometida e pessoal
em que um discípulo mais maduro ajuda outros discípulos
de Jesus Cristo a se aproximarem mais dele e assim se
reproduzirem” e argumenta: “se o Discipulado perder de
vista o relacionamento comprometido e pessoal, deixa de
ser um Discipulado bíblico”. A sua ênfase está nos
relacionamentos. É no relacionamento pessoal e social que
se descobre o verdadeiro valor do Discipulado. Se não há
relacionamento interpessoal, então é impossível a
realidade do Discipulado de Cristo.
Larry Richards, em seu livro Teologia do
ministério pessoal comenta que “A missão
da igreja não é simplesmente conseguir
conversões, mas completar o processo da
vida cristã fazendo discípulos”.
“Um dos maiores pecados da igreja, na sua missão é achar
que Discipulado seja mais um método que podemos
implementar na igreja. Acredita a maioria dos líderes
eclesiásticos que além dos vários programas que a igreja
dispõe para atrair os convertidos, o Discipulado quando
bem usado é um bom método para o crescimento da
igreja. Muitos pastores e líderes quando discipulam
tentam “incrementar” a igreja com mais este “programa”.
Ao contrário do que se pensa, defendo Discipulado como
um princípio geral que conduz os crentes a um estilo de
vida.”
“o Discipulado fundamenta-se “no estar com”. Na vivência
com os discípulos, Jesus em seu treinamento, se
relacionava mais a caráter e personalidade do que a
conhecimentos e métodos. “Muitos dos pastores andam
tão ocupados com tantas diferentes coisas que a correria
com que trabalham põe em risco seu ministério e sua vida
espiritual, como também lhes torna impossível treinar
pessoal e adequadamente os membros de sua igreja para
o evangelismo integral.”
“Evangelização sem integração ou Discipulado sempre
falhou e falhará no seu objetivo de ganhar o mundo. O
máximo que se consegue é a adição de algumas pessoas à
igreja”.
“O Discipulado Missionário, se assim podemos nomeá-lo, ainda não
está satisfazendo biblicamente o Senhor da Seara. Ao analisarmos
todos os pontos essenciais da vida de Cristo, somos inarredavelmente
levados a procurar reavaliar a vida cristã e, sobretudo, através de uma
autocrítica, desafiados a tornar nossas comunidades, igrejas de
discipuladores. Carecemos de pessoas fiéis e idôneas, que possam
transmitir a outras este caráter de Cristo, não apenas pela
verbalização, mas também com a vida. A igreja necessita de um
arrependimento verdadeiro e mudança de vida. Deve tornar a vida
mais simples e menos rebuscada, mais cheia de frutos de vida e menos
ativista, mais cristã e menos institucionalizada. Se acreditarmos no
Discipulado, seremos os primeiros a mudar, e se isto acontecer de
fato, cumpriremos cabalmente a Grande Comissão não como um
programa a mais, mas como um estilo de vida, para a Glória e Honra de
Nosso Senhor Jesus Cristo.” (Soli DeoGloria)
“Jesus estabeleceu para a Igreja algumas prioridades, que
fluíram a partir do derramamento do Espírito (At. 2).
Vemos que os primeiros cristãos consideraram a comunhão
dos santos (At. 2.42,46), a adoração ao Senhor (At.
2.47a), a evangelização (At. 2.47b), a ação social (At.
2.44,45) e o discipulado dos recém convertidos (At. 2.
40,41) como prioridades de sua marcha terrestre.”
Por discipulado entenda-se o processo em que o novo
convertido recebe todas as instruções indispensáveis para
sua formação e crescimento de sua fé, até que esteja apto
a fazer outros discípulos, reproduzindo assim o modelo do
caráter cristão descrito em 2 Tm. 2.2: “E o que de minha
parte ouviste através de muitas testemunhas, isso mesmo
transmite a homens fiéis e também idôneos para instruir a
outros.”
“Vemos que o crescimento explosivo da Igreja no Século I
se deu por meio do discipulado. Jesus formou o seu grupo
de discípulos, inicialmente com os 12 (Mt. 10.1-4), depois
com 70 (Lc. 10.1) e, finalmente, com mais de 500
discípulos (1 Co. 15.6). Logo após o Pentecostes, os
discípulos começaram a multiplicar, ensinando e batizando
aqueles que iam sendo salvos. Jesus optou pelo
discipulado como meio de alcançar todas as nações (Mt.
28.19-20), pois este modelo de crescimento supera as
barreiras temporais, isto é, funcionou no
passado, funciona hoje e funcionará até a volta de Jesus”
DISCUSSÃO EM GRUPO LEVANDO EM CONSIDERAÇÃO AS PÁGINAS 104 A 111


1.   O QUE O GRUPO DESCOBRIU DE RELEVANTE AO LER E CONVERSAR
     SOBRE A IGREJA COMUNIDADE DE CRISTO EM MIAMI, FLORIDA, USA?

2.    COMO AS EXPERIÊNCIAS DA IGREJA COMUNIDADE DE CRISTO PODEM
     PODEM CONTRIBUIR PARA O CRESCIMENTO SAUDÁVEL EM NOSSAS
     IGREJAS ADVENTISTAS? E QUAIS DELAS SÃO APLICÁVEIS A NOSSA
     REALIDADE ADVENTISTA E QUAIS NÃO?

3.   DE QUE MODO VOCÊ PRETENDE APLICAR OS CONCEITOS DO SIMPLES
     DA COMUNIDADE DE CRISTO EM SEU MINISTÉRIO PASTORAL E EM SEU
     DISTRITO?

4.    DOS QUATRO ELEMENTOS DA IGREJA SIMPLES
      (CLAREZA, MOVIMENTO, ALINHAMENTO E FOCO) QUAL DELES SERÁ
      MAIS DIFÍCIL
     IMPLANTAR NA IGREJA ADVENTISTA? (JUSTIFIQUE A ESCOLHA DO
     GRUPO)
DISCUSSÃO EM GRUPO LEVANDO EM CONSIDERAÇÃO AS PÁGINAS 98 A 104



  1.   O QUE O GRUPO DESCOBRIU DE RELEVANTE AO LER E CONVERSAR
       SOBRE A IGREJA BATISTA EMANUEL DE GLASGOW, KENTUCKY, USA?

  2.    COMO AS EXPERIÊNCIAS DA IGREJA EMANUELPODEM
       PODEM CONTRIBUIR PARA O CRESCIMENTO SAUDÁVEL EM NOSSAS
       IGREJAS ADVENTISTAS? E QUAIS DELAS SÃO APLICÁVEIS A NOSSA
       REALIDADE ADVENTISTA E QUAIS NÃO?

  3.   DE QUE MODO VOCÊ PRETENDE APLICAR OS CONCEITOS DO SIMPLES
       DA IGREJA EMANUEL EM SEU MINISTÉRIO PASTORAL E EM SEU
       DISTRITO?

  4.    DOS QUATRO ELEMENTOS DA IGREJA SIMPLES
        (CLAREZA, MOVIMENTO, ALINHAMENTO E FOCO) QUAL DELES SERÁ MAIS
        DIFÍCIL
       IMPLANTAR NA IGREJA ADVENTISTA? (JUSTIFIQUE A ESCOLHA DO
       GRUPO)
DISCUSSÃO EM GRUPO LEVANDO EM CONSIDERAÇÃO AS PÁGINAS 112 A 116




 1. O QUE O GRUPO DESCOBRIU DE RELEVANTE AO LER E CONVERSAR
    SOBRE A COMUNIDADE DE NORTHPOINT EM ALPHARETTA, AO NORTE DE
    ATLANTA, GEÓRGIA, USA?

 2.    COMO AS EXPERIÊNCIAS DA IGREJA COMUNIDADE DE NORTHPOINT
      PODEM CONTRIBUIR PARA O CRESCIMENTO SAUDÁVEL EM NOSSAS
      IGREJAS ADVENTISTAS? E QUAIS DELAS SÃO APLICÁVEIS A NOSSA
      REALIDADE ADVENTISTA E QUAIS NÃO?

 3.   DE QUE MODO VOCÊ PRETENDE APLICAR OS CONCEITOS DO SIMPLES
      DA COMUNIDADE DE NORTHPOINT EM SEU MINISTÉRIO PASTORAL E EM SEU
      DISTRITO?

 4.    DOS QUATRO ELEMENTOS DA IGREJA SIMPLES
       (CLAREZA, MOVIMENTO, ALINHAMENTO E FOCO) QUAL DELES SERÁ MAIS
       DIFÍCIL
      IMPLANTAR NA IGREJA ADVENTISTA? (JUSTIFIQUE A ESCOLHA DO
      GRUPO)
NA IGREJA SIMPLES TODO MEMBRO É DISCÍPULO E DISCIPULADOR.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A família e a igreja
A família e a igrejaA família e a igreja
A família e a igreja
Moisés Sampaio
 
Discipulado na Prática
Discipulado na PráticaDiscipulado na Prática
Discipulado na Prática
Narlea Walkyse
 
Curso para obreiros
Curso para obreirosCurso para obreiros
Curso para obreiros
CELSO SOARES
 
REFLEXÕES E NOTÍCIAS
REFLEXÕES E NOTÍCIASREFLEXÕES E NOTÍCIAS
REFLEXÕES E NOTÍCIAS
Joziran Vieira joziran
 
Catequese batismo-adultos-resumo
Catequese batismo-adultos-resumoCatequese batismo-adultos-resumo
Catequese batismo-adultos-resumo
Catequista Josivaldo
 
Curso de noivos
Curso de noivosCurso de noivos
Curso de noivos
Cristiano Roncy
 
Uma igreja vivendo em pequenos grupos
Uma igreja vivendo em pequenos gruposUma igreja vivendo em pequenos grupos
Uma igreja vivendo em pequenos grupos
Viva a Igreja
 
Seminário sobre louvor e adoração
Seminário  sobre louvor e adoraçãoSeminário  sobre louvor e adoração
Seminário sobre louvor e adoração
rodrigocristao84
 
EBD - A importância da Escola Bíblica Dominical
EBD - A importância da Escola Bíblica DominicalEBD - A importância da Escola Bíblica Dominical
EBD - A importância da Escola Bíblica Dominical
Felipe Mamud
 
Afetividade e sexualidade
Afetividade e sexualidadeAfetividade e sexualidade
Afetividade e sexualidade
Zé Vitor Rabelo
 
Maria, Mãe de Jesus uma Serva Humilde.
Maria, Mãe de Jesus uma Serva Humilde.Maria, Mãe de Jesus uma Serva Humilde.
Maria, Mãe de Jesus uma Serva Humilde.
Márcio Martins
 
O DIÁCONO QUE DEUS PROCURA
O DIÁCONO QUE DEUS PROCURAO DIÁCONO QUE DEUS PROCURA
O DIÁCONO QUE DEUS PROCURA
Tiago Silveira
 
58723691 curso-de-diacono-doc
58723691 curso-de-diacono-doc58723691 curso-de-diacono-doc
58723691 curso-de-diacono-doc
Anapaula Ribeiro
 
Peter Scazzero - Espiritualidade emocionalmente saudavel.pdf
Peter Scazzero - Espiritualidade emocionalmente saudavel.pdfPeter Scazzero - Espiritualidade emocionalmente saudavel.pdf
Peter Scazzero - Espiritualidade emocionalmente saudavel.pdf
JooMarcosABrizola
 
Melhorando as dinâmicas pr george
Melhorando as dinâmicas pr georgeMelhorando as dinâmicas pr george
Melhorando as dinâmicas pr george
IBR (Instituto Bíblico Restauração)
 
FéFé
ADPC109
 
O ensino na E.B.D.: reflexões sobre organização e planejamento.
O ensino na E.B.D.: reflexões sobre organização e planejamento.O ensino na E.B.D.: reflexões sobre organização e planejamento.
O ensino na E.B.D.: reflexões sobre organização e planejamento.
Diego Viana Melo Lima
 
Escola de Líderes
Escola de LíderesEscola de Líderes
Escola de Líderes
Alecsandro Willamy
 
Apostila obreiros
Apostila obreirosApostila obreiros
Apostila obreiros
Mara Rúbia Alfarth
 
Uma nova catequese - reflexão para catequese em estilo catecumenal
Uma nova catequese - reflexão para catequese em estilo catecumenalUma nova catequese - reflexão para catequese em estilo catecumenal
Uma nova catequese - reflexão para catequese em estilo catecumenal
IRINEU FILHO
 

Mais procurados (20)

A família e a igreja
A família e a igrejaA família e a igreja
A família e a igreja
 
Discipulado na Prática
Discipulado na PráticaDiscipulado na Prática
Discipulado na Prática
 
Curso para obreiros
Curso para obreirosCurso para obreiros
Curso para obreiros
 
REFLEXÕES E NOTÍCIAS
REFLEXÕES E NOTÍCIASREFLEXÕES E NOTÍCIAS
REFLEXÕES E NOTÍCIAS
 
Catequese batismo-adultos-resumo
Catequese batismo-adultos-resumoCatequese batismo-adultos-resumo
Catequese batismo-adultos-resumo
 
Curso de noivos
Curso de noivosCurso de noivos
Curso de noivos
 
Uma igreja vivendo em pequenos grupos
Uma igreja vivendo em pequenos gruposUma igreja vivendo em pequenos grupos
Uma igreja vivendo em pequenos grupos
 
Seminário sobre louvor e adoração
Seminário  sobre louvor e adoraçãoSeminário  sobre louvor e adoração
Seminário sobre louvor e adoração
 
EBD - A importância da Escola Bíblica Dominical
EBD - A importância da Escola Bíblica DominicalEBD - A importância da Escola Bíblica Dominical
EBD - A importância da Escola Bíblica Dominical
 
Afetividade e sexualidade
Afetividade e sexualidadeAfetividade e sexualidade
Afetividade e sexualidade
 
Maria, Mãe de Jesus uma Serva Humilde.
Maria, Mãe de Jesus uma Serva Humilde.Maria, Mãe de Jesus uma Serva Humilde.
Maria, Mãe de Jesus uma Serva Humilde.
 
O DIÁCONO QUE DEUS PROCURA
O DIÁCONO QUE DEUS PROCURAO DIÁCONO QUE DEUS PROCURA
O DIÁCONO QUE DEUS PROCURA
 
58723691 curso-de-diacono-doc
58723691 curso-de-diacono-doc58723691 curso-de-diacono-doc
58723691 curso-de-diacono-doc
 
Peter Scazzero - Espiritualidade emocionalmente saudavel.pdf
Peter Scazzero - Espiritualidade emocionalmente saudavel.pdfPeter Scazzero - Espiritualidade emocionalmente saudavel.pdf
Peter Scazzero - Espiritualidade emocionalmente saudavel.pdf
 
Melhorando as dinâmicas pr george
Melhorando as dinâmicas pr georgeMelhorando as dinâmicas pr george
Melhorando as dinâmicas pr george
 
FéFé
 
O ensino na E.B.D.: reflexões sobre organização e planejamento.
O ensino na E.B.D.: reflexões sobre organização e planejamento.O ensino na E.B.D.: reflexões sobre organização e planejamento.
O ensino na E.B.D.: reflexões sobre organização e planejamento.
 
Escola de Líderes
Escola de LíderesEscola de Líderes
Escola de Líderes
 
Apostila obreiros
Apostila obreirosApostila obreiros
Apostila obreiros
 
Uma nova catequese - reflexão para catequese em estilo catecumenal
Uma nova catequese - reflexão para catequese em estilo catecumenalUma nova catequese - reflexão para catequese em estilo catecumenal
Uma nova catequese - reflexão para catequese em estilo catecumenal
 

Destaque

Em busca da igreja simples
Em busca da igreja simplesEm busca da igreja simples
Em busca da igreja simples
Claudiney Duarte
 
Porque voce não quer mais ir a igreja ?
Porque voce não quer mais ir a igreja ?Porque voce não quer mais ir a igreja ?
Porque voce não quer mais ir a igreja ?
Ricardo Gondim
 
Discipulado: Uma ideia transformadora
Discipulado: Uma ideia transformadoraDiscipulado: Uma ideia transformadora
Discipulado: Uma ideia transformadora
Viva a Igreja
 
A igreja em casas atos
A igreja em casas   atosA igreja em casas   atos
A igreja em casas atos
mfb_tati
 
Socorro - Minha Igreja se Dividiu
Socorro -  Minha Igreja se DividiuSocorro -  Minha Igreja se Dividiu
Socorro - Minha Igreja se Dividiu
Tsushya marco
 
Bem vindo a sua vida com Jesus
Bem vindo a sua vida com JesusBem vindo a sua vida com Jesus
Bem vindo a sua vida com Jesus
Viva a Igreja
 
Desenvolvimento natural da igreja
Desenvolvimento natural da igrejaDesenvolvimento natural da igreja
Desenvolvimento natural da igreja
Marcus D. Ziemann
 
Movimento de crescimento de igreja
Movimento de crescimento de igrejaMovimento de crescimento de igreja
Movimento de crescimento de igreja
Haroldo Xavier Silva
 
Céliulas
CéliulasCéliulas
Céliulas
Iago Rodrigues
 
Os cinco pilares da reforma protestante
Os cinco pilares da reforma protestanteOs cinco pilares da reforma protestante
Os cinco pilares da reforma protestante
Pr. Fabio Canellato
 
Lbj lição 13 a igreja louvará eternamente ao senhor
Lbj lição 13   a igreja louvará eternamente ao senhorLbj lição 13   a igreja louvará eternamente ao senhor
Lbj lição 13 a igreja louvará eternamente ao senhor
boasnovassena
 
O discipulado e o crescimento da igreja imperatriz aulas 02 e 03
O discipulado e o crescimento da igreja imperatriz aulas 02 e 03O discipulado e o crescimento da igreja imperatriz aulas 02 e 03
O discipulado e o crescimento da igreja imperatriz aulas 02 e 03
Joary Jossué Carlesso
 
A reunião de celula
A reunião de celulaA reunião de celula
A reunião de celula
rosanabonne
 
Como implantar células pr.george
Como implantar células pr.georgeComo implantar células pr.george
Como implantar células pr.george
IBR (Instituto Bíblico Restauração)
 
Métodos de Estudo Bíblico
Métodos de Estudo BíblicoMétodos de Estudo Bíblico
Métodos de Estudo Bíblico
Viva a Igreja
 
1 apresentação de uma igreja em celulas
1 apresentação de uma igreja em celulas1 apresentação de uma igreja em celulas
1 apresentação de uma igreja em celulas
Otoniel Ferreira
 
Jovens estudo 5 - Namoro e Casamento
Jovens estudo 5 - Namoro e CasamentoJovens estudo 5 - Namoro e Casamento
Jovens estudo 5 - Namoro e Casamento
uriank
 
A arte perdida de fazer discípulos
A arte perdida de fazer discípulosA arte perdida de fazer discípulos
A arte perdida de fazer discípulos
jovensonossoalvo
 
8 HABITOS - Convite
8 HABITOS - Convite8 HABITOS - Convite
8 HABITOS - Convite
Rodolfo Nascimento
 
APOSTILA DA ESCOLA DE LÍDERES 1ª FASE
APOSTILA DA ESCOLA DE LÍDERES 1ª FASEAPOSTILA DA ESCOLA DE LÍDERES 1ª FASE
APOSTILA DA ESCOLA DE LÍDERES 1ª FASE
jonasecj
 

Destaque (20)

Em busca da igreja simples
Em busca da igreja simplesEm busca da igreja simples
Em busca da igreja simples
 
Porque voce não quer mais ir a igreja ?
Porque voce não quer mais ir a igreja ?Porque voce não quer mais ir a igreja ?
Porque voce não quer mais ir a igreja ?
 
Discipulado: Uma ideia transformadora
Discipulado: Uma ideia transformadoraDiscipulado: Uma ideia transformadora
Discipulado: Uma ideia transformadora
 
A igreja em casas atos
A igreja em casas   atosA igreja em casas   atos
A igreja em casas atos
 
Socorro - Minha Igreja se Dividiu
Socorro -  Minha Igreja se DividiuSocorro -  Minha Igreja se Dividiu
Socorro - Minha Igreja se Dividiu
 
Bem vindo a sua vida com Jesus
Bem vindo a sua vida com JesusBem vindo a sua vida com Jesus
Bem vindo a sua vida com Jesus
 
Desenvolvimento natural da igreja
Desenvolvimento natural da igrejaDesenvolvimento natural da igreja
Desenvolvimento natural da igreja
 
Movimento de crescimento de igreja
Movimento de crescimento de igrejaMovimento de crescimento de igreja
Movimento de crescimento de igreja
 
Céliulas
CéliulasCéliulas
Céliulas
 
Os cinco pilares da reforma protestante
Os cinco pilares da reforma protestanteOs cinco pilares da reforma protestante
Os cinco pilares da reforma protestante
 
Lbj lição 13 a igreja louvará eternamente ao senhor
Lbj lição 13   a igreja louvará eternamente ao senhorLbj lição 13   a igreja louvará eternamente ao senhor
Lbj lição 13 a igreja louvará eternamente ao senhor
 
O discipulado e o crescimento da igreja imperatriz aulas 02 e 03
O discipulado e o crescimento da igreja imperatriz aulas 02 e 03O discipulado e o crescimento da igreja imperatriz aulas 02 e 03
O discipulado e o crescimento da igreja imperatriz aulas 02 e 03
 
A reunião de celula
A reunião de celulaA reunião de celula
A reunião de celula
 
Como implantar células pr.george
Como implantar células pr.georgeComo implantar células pr.george
Como implantar células pr.george
 
Métodos de Estudo Bíblico
Métodos de Estudo BíblicoMétodos de Estudo Bíblico
Métodos de Estudo Bíblico
 
1 apresentação de uma igreja em celulas
1 apresentação de uma igreja em celulas1 apresentação de uma igreja em celulas
1 apresentação de uma igreja em celulas
 
Jovens estudo 5 - Namoro e Casamento
Jovens estudo 5 - Namoro e CasamentoJovens estudo 5 - Namoro e Casamento
Jovens estudo 5 - Namoro e Casamento
 
A arte perdida de fazer discípulos
A arte perdida de fazer discípulosA arte perdida de fazer discípulos
A arte perdida de fazer discípulos
 
8 HABITOS - Convite
8 HABITOS - Convite8 HABITOS - Convite
8 HABITOS - Convite
 
APOSTILA DA ESCOLA DE LÍDERES 1ª FASE
APOSTILA DA ESCOLA DE LÍDERES 1ª FASEAPOSTILA DA ESCOLA DE LÍDERES 1ª FASE
APOSTILA DA ESCOLA DE LÍDERES 1ª FASE
 

Semelhante a Igreja simples

Mobilização da Igreja (1)
Mobilização da Igreja (1)Mobilização da Igreja (1)
Mobilização da Igreja (1)
Francisco A Salerno Neto
 
A igreja como agência missionária
A igreja como agência missionáriaA igreja como agência missionária
A igreja como agência missionária
Alberto Simonton
 
O que é a igreja.pdf
O que é a igreja.pdfO que é a igreja.pdf
O que é a igreja.pdf
IvairCampos1
 
O-que-e-a-Igreja.pptx
O-que-e-a-Igreja.pptxO-que-e-a-Igreja.pptx
O-que-e-a-Igreja.pptx
IvairCampos1
 
Eclesiologia
EclesiologiaEclesiologia
Eclesiologia
efalves
 
Mobilização da Igreja
Mobilização da IgrejaMobilização da Igreja
Mobilização da Igreja
Sagrada_Ordem
 
Comoreavivaraigreja pg
Comoreavivaraigreja pgComoreavivaraigreja pg
Comoreavivaraigreja pg
Igreja Adventista do Sétimo Dia
 
7º PPO – Encontro de Espiritualidade: Padre Nadai
7º PPO – Encontro de Espiritualidade: Padre Nadai7º PPO – Encontro de Espiritualidade: Padre Nadai
7º PPO – Encontro de Espiritualidade: Padre Nadai
Rodrigo Catini Flaibam
 
Plano De AçãO 2009 2010
Plano De AçãO 2009 2010Plano De AçãO 2009 2010
Plano De AçãO 2009 2010
prweber
 
Treinamento de Líderes de Células e Discipulado Um a Um
Treinamento de Líderes de Células e Discipulado Um a UmTreinamento de Líderes de Células e Discipulado Um a Um
Treinamento de Líderes de Células e Discipulado Um a Um
Christian Lepelletier
 
Dna igreja capítulo
Dna igreja capítulo Dna igreja capítulo
Dna igreja capítulo
João Soares Joao
 
9 MARCAS GET grande igreja boa igreja sd
9 MARCAS GET grande igreja boa igreja sd9 MARCAS GET grande igreja boa igreja sd
9 MARCAS GET grande igreja boa igreja sd
Pastor Eldo
 
APRESENTAÇÃO OFICIAL
APRESENTAÇÃO OFICIALAPRESENTAÇÃO OFICIAL
APRESENTAÇÃO OFICIAL
Markson Cézar
 
Texto 10 plano de ação pastoral - exemplo
Texto 10   plano de ação pastoral - exemploTexto 10   plano de ação pastoral - exemplo
Texto 10 plano de ação pastoral - exemplo
Paulo Dias Nogueira
 
Revendo nossos conceitos sobre Discipulado!
Revendo nossos conceitos sobre Discipulado!Revendo nossos conceitos sobre Discipulado!
Revendo nossos conceitos sobre Discipulado!
Jorge Henrique R de Araujo
 
Estudo para grupos pequenos
Estudo para grupos pequenosEstudo para grupos pequenos
Estudo para grupos pequenos
Euripedes Costa
 
9 Marcas de uma igreja saudável - aula.pdf
9 Marcas de uma igreja saudável - aula.pdf9 Marcas de uma igreja saudável - aula.pdf
9 Marcas de uma igreja saudável - aula.pdf
DanielSantana688069
 
toaz.info-rede-inspire-igrejas-vivas-comunicacao-17-ok-pr_72833efdee09d595496...
toaz.info-rede-inspire-igrejas-vivas-comunicacao-17-ok-pr_72833efdee09d595496...toaz.info-rede-inspire-igrejas-vivas-comunicacao-17-ok-pr_72833efdee09d595496...
toaz.info-rede-inspire-igrejas-vivas-comunicacao-17-ok-pr_72833efdee09d595496...
Elis Lira
 
1 porque algumas igrejas crescem
1    porque algumas igrejas crescem1    porque algumas igrejas crescem
1 porque algumas igrejas crescem
José Santos
 
Evangelismo apresentação - paulistana
Evangelismo   apresentação - paulistanaEvangelismo   apresentação - paulistana
Evangelismo apresentação - paulistana
Sérgio Silva
 

Semelhante a Igreja simples (20)

Mobilização da Igreja (1)
Mobilização da Igreja (1)Mobilização da Igreja (1)
Mobilização da Igreja (1)
 
A igreja como agência missionária
A igreja como agência missionáriaA igreja como agência missionária
A igreja como agência missionária
 
O que é a igreja.pdf
O que é a igreja.pdfO que é a igreja.pdf
O que é a igreja.pdf
 
O-que-e-a-Igreja.pptx
O-que-e-a-Igreja.pptxO-que-e-a-Igreja.pptx
O-que-e-a-Igreja.pptx
 
Eclesiologia
EclesiologiaEclesiologia
Eclesiologia
 
Mobilização da Igreja
Mobilização da IgrejaMobilização da Igreja
Mobilização da Igreja
 
Comoreavivaraigreja pg
Comoreavivaraigreja pgComoreavivaraigreja pg
Comoreavivaraigreja pg
 
7º PPO – Encontro de Espiritualidade: Padre Nadai
7º PPO – Encontro de Espiritualidade: Padre Nadai7º PPO – Encontro de Espiritualidade: Padre Nadai
7º PPO – Encontro de Espiritualidade: Padre Nadai
 
Plano De AçãO 2009 2010
Plano De AçãO 2009 2010Plano De AçãO 2009 2010
Plano De AçãO 2009 2010
 
Treinamento de Líderes de Células e Discipulado Um a Um
Treinamento de Líderes de Células e Discipulado Um a UmTreinamento de Líderes de Células e Discipulado Um a Um
Treinamento de Líderes de Células e Discipulado Um a Um
 
Dna igreja capítulo
Dna igreja capítulo Dna igreja capítulo
Dna igreja capítulo
 
9 MARCAS GET grande igreja boa igreja sd
9 MARCAS GET grande igreja boa igreja sd9 MARCAS GET grande igreja boa igreja sd
9 MARCAS GET grande igreja boa igreja sd
 
APRESENTAÇÃO OFICIAL
APRESENTAÇÃO OFICIALAPRESENTAÇÃO OFICIAL
APRESENTAÇÃO OFICIAL
 
Texto 10 plano de ação pastoral - exemplo
Texto 10   plano de ação pastoral - exemploTexto 10   plano de ação pastoral - exemplo
Texto 10 plano de ação pastoral - exemplo
 
Revendo nossos conceitos sobre Discipulado!
Revendo nossos conceitos sobre Discipulado!Revendo nossos conceitos sobre Discipulado!
Revendo nossos conceitos sobre Discipulado!
 
Estudo para grupos pequenos
Estudo para grupos pequenosEstudo para grupos pequenos
Estudo para grupos pequenos
 
9 Marcas de uma igreja saudável - aula.pdf
9 Marcas de uma igreja saudável - aula.pdf9 Marcas de uma igreja saudável - aula.pdf
9 Marcas de uma igreja saudável - aula.pdf
 
toaz.info-rede-inspire-igrejas-vivas-comunicacao-17-ok-pr_72833efdee09d595496...
toaz.info-rede-inspire-igrejas-vivas-comunicacao-17-ok-pr_72833efdee09d595496...toaz.info-rede-inspire-igrejas-vivas-comunicacao-17-ok-pr_72833efdee09d595496...
toaz.info-rede-inspire-igrejas-vivas-comunicacao-17-ok-pr_72833efdee09d595496...
 
1 porque algumas igrejas crescem
1    porque algumas igrejas crescem1    porque algumas igrejas crescem
1 porque algumas igrejas crescem
 
Evangelismo apresentação - paulistana
Evangelismo   apresentação - paulistanaEvangelismo   apresentação - paulistana
Evangelismo apresentação - paulistana
 

Mais de Nilton Barros

8. Desvendando os 7 Selos
8. Desvendando os 7 Selos8. Desvendando os 7 Selos
8. Desvendando os 7 Selos
Nilton Barros
 
7. Desvendando as Mensagens
7. Desvendando as Mensagens7. Desvendando as Mensagens
7. Desvendando as Mensagens
Nilton Barros
 
6. Desvendando a Data
6. Desvendando a Data6. Desvendando a Data
6. Desvendando a Data
Nilton Barros
 
5. Desvendando o Plano
5. Desvendando o Plano5. Desvendando o Plano
5. Desvendando o Plano
Nilton Barros
 
4. Desvendando o Traidor
4. Desvendando o Traidor4. Desvendando o Traidor
4. Desvendando o Traidor
Nilton Barros
 
3. Desvendando o Personagem
3. Desvendando o Personagem3. Desvendando o Personagem
3. Desvendando o Personagem
Nilton Barros
 
2. Desvendando a Simbologia
2. Desvendando a Simbologia2. Desvendando a Simbologia
2. Desvendando a Simbologia
Nilton Barros
 
1. Desvendando o Livro
1. Desvendando o Livro1. Desvendando o Livro
1. Desvendando o Livro
Nilton Barros
 
A Constelação de Órion e a Profecia de Ellen White
A Constelação de Órion e a Profecia de Ellen WhiteA Constelação de Órion e a Profecia de Ellen White
A Constelação de Órion e a Profecia de Ellen White
Nilton Barros
 

Mais de Nilton Barros (9)

8. Desvendando os 7 Selos
8. Desvendando os 7 Selos8. Desvendando os 7 Selos
8. Desvendando os 7 Selos
 
7. Desvendando as Mensagens
7. Desvendando as Mensagens7. Desvendando as Mensagens
7. Desvendando as Mensagens
 
6. Desvendando a Data
6. Desvendando a Data6. Desvendando a Data
6. Desvendando a Data
 
5. Desvendando o Plano
5. Desvendando o Plano5. Desvendando o Plano
5. Desvendando o Plano
 
4. Desvendando o Traidor
4. Desvendando o Traidor4. Desvendando o Traidor
4. Desvendando o Traidor
 
3. Desvendando o Personagem
3. Desvendando o Personagem3. Desvendando o Personagem
3. Desvendando o Personagem
 
2. Desvendando a Simbologia
2. Desvendando a Simbologia2. Desvendando a Simbologia
2. Desvendando a Simbologia
 
1. Desvendando o Livro
1. Desvendando o Livro1. Desvendando o Livro
1. Desvendando o Livro
 
A Constelação de Órion e a Profecia de Ellen White
A Constelação de Órion e a Profecia de Ellen WhiteA Constelação de Órion e a Profecia de Ellen White
A Constelação de Órion e a Profecia de Ellen White
 

Último

10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
PIB Penha
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
PIB Penha
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
PIB Penha
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
Nilson Almeida
 
13 - Estudo dos Relacionamentos do Cristão
13 - Estudo dos Relacionamentos do Cristão13 - Estudo dos Relacionamentos do Cristão
13 - Estudo dos Relacionamentos do Cristão
PIB Penha
 
14 - Um Convite à Oração. Incentivar a orar
14 - Um Convite à Oração. Incentivar a orar14 - Um Convite à Oração. Incentivar a orar
14 - Um Convite à Oração. Incentivar a orar
PIB Penha
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
PIB Penha
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Ricardo Azevedo
 
PREGUE A MISSÃO - 15 Esboços de Sermões sobre Missões e Evangelização - Sammi...
PREGUE A MISSÃO - 15 Esboços de Sermões sobre Missões e Evangelização - Sammi...PREGUE A MISSÃO - 15 Esboços de Sermões sobre Missões e Evangelização - Sammi...
PREGUE A MISSÃO - 15 Esboços de Sermões sobre Missões e Evangelização - Sammi...
Sammis Reachers
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
PIB Penha
 
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptxPalestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
NEDIONOSSOMUNDO
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
PIB Penha
 
Discipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdf
Discipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdfDiscipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdf
Discipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdf
LEILANEGOUVEIA1
 
metafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdf
metafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdfmetafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdf
metafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdf
GuilhermeCerqueira17
 

Último (14)

10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
 
13 - Estudo dos Relacionamentos do Cristão
13 - Estudo dos Relacionamentos do Cristão13 - Estudo dos Relacionamentos do Cristão
13 - Estudo dos Relacionamentos do Cristão
 
14 - Um Convite à Oração. Incentivar a orar
14 - Um Convite à Oração. Incentivar a orar14 - Um Convite à Oração. Incentivar a orar
14 - Um Convite à Oração. Incentivar a orar
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
 
PREGUE A MISSÃO - 15 Esboços de Sermões sobre Missões e Evangelização - Sammi...
PREGUE A MISSÃO - 15 Esboços de Sermões sobre Missões e Evangelização - Sammi...PREGUE A MISSÃO - 15 Esboços de Sermões sobre Missões e Evangelização - Sammi...
PREGUE A MISSÃO - 15 Esboços de Sermões sobre Missões e Evangelização - Sammi...
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
 
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptxPalestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
 
Discipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdf
Discipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdfDiscipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdf
Discipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdf
 
metafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdf
metafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdfmetafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdf
metafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdf
 

Igreja simples

  • 1. “IGREJA SIMPLES” JAIR G. GOIS
  • 2. EU TENHO UM SONHO Que a minha igreja cresça saudável, que retorne ao método simples de Jesus de compartilhar o evangelho e de fazer discípulos; Eu tenho um sonho... Que a minha igreja não seja apenas ocupada, mas viva, com ministérios e atividades que traduzam: clareza, movimento, alinhamento e foco; Eu tenho um sonho... Que cada líder da minha igreja reconheça que sua principal tarefa não é ocupar um cargo é levar as pessoas a transformação espiritual, ajudando-as a amar a Deus, amar os outros e servir ao mundo; Eu tenho um sonho... Que cada membro de minha igreja reconheça que os pequenos grupos é o melhor ambiente para as pessoas amarem umas às outras numa comunidade bíblica; Eu tenho
  • 3. Um sonho... Que os interessados ouçam na classe bíblica que eles não deveriam se tornar membros antes de desejar servir; Eu tenho um sonho... Que a minha igreja esteja mais preocupada em ter uma equipe alinhada do que ter uma equipe de estrelas; Eu tenho um sonho... Que cada membro não seja apenas alguém que professa fé nas doutrinas, mas gerentes da graça de Deus; Eu tenho um sonho... Que as famílias de minha igreja estejam organizadas em torno de um processo objetivo capaz de conduzir outras famílias à uma relação de confiança com Cristo e sua missão; Eu tenho um sonho... Que a minha igreja conduza as pessoas do culto para os pequenos grupos, da condição de observadores a participantes, da condição de membros a discípulos; Eu tenho um sonho... Que os cultos não sejam uma barreira para adoração, mas uma adoração sem barreiras; Eu tenho um sonho... Que os números não expressem o resultado, mas os resultados expressem os números; Eu tenho um sonho... Que a igreja influencie o mundo e não o mundo a igreja; Eu tenho um sonho... Que deixemos de estar ocupados fazendo igreja e que passemos a estar ocupados sendo a igreja que Cristo virá buscar.
  • 4. A MAIORIA DE NOSSAS IGREJAS SÃO SIMPLES OU COMPLEXAS?
  • 5. NOSSO PEQUENO GRUPO É SIMPLES OU COMPLEXO?
  • 6. O DISCIPULADO É SIMPLES OU COMPLEXO?
  • 8. O PROJETO FAMÍLIA POR FAMÍLIA É SIMPLES OU COMPLEXO?
  • 9. O MINISTÉRIO DE JESUS FOI SIMPLES OU COMPLEXO?
  • 11. A SUA IGREJA É SIMPLES OU COMPLEXA?
  • 12. “Muitas de nossas igrejas se tornaram complexas. Tão complexas que as pessoas têm dificuldade de se encontrar com a mensagem simples e poderosa de Cristo. Tão complexas que muitas pessoas estão ocupadas fazendo igreja em vez de ser igreja.”
  • 13. SUA IGREJA É SIMPLES OU COMPLEXA? 1. SUA IGREJA REALIZA EVENTOS EXCELENTES E OS DEPARTAMENTOS ESTÃO FOCADOS EM MUITAS COISAS TODO TEMPO? 2. SUA IGREJA É SEMPRE RIGOROSA NA HORA DE ESCOLHER OS OFICIAIS POR QUE JULGA MUITO IMPORTANTE TER UMA EQUIPE DE ESTRELAS? 3. O SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DE SUA IGREJA FUNCIONA A CONTENTO E OFERECE UMA GRANDE QUANTIDADE DE AVISOS E AS PESSOAS SÃO CONVIDADAS PARA TUDO? 4. NA SUA IGREJA TODOS OS DEPARTAMENTOS TÊM SEUS PRÓPRIOS LÍDERES E TODOS ESTÃO SEMPRE EMPOLGADOS COM OS SEUS MINISTÉRIOS ESPECÍFICOS? 5. QUANDO SURGEM NOVAS NECESSIDADES OS LÍDERES DE SUA IGREJA CRIAM IMEDIATAMENTE ALGUM PROJETO PARA ATENDER ESSES DESAFIOS? 6. SUA IGREJA É ATIVA E OFERECE UM ENORME CARDÁPIO DE PROGRAMAÇÕES?
  • 14. 7. SUA IGREJA ESTÁ CUMPRINDO A MISSÃO A PROVA DISSO É QUE ELA SEMPRE GANHA ALMAS? 8. EM SUA IGREJA EXISTE UMA ORIENTAÇÃO BÁSICA PARA O MINISTÉRIO INFANTIL PARA QUE TODOS ESTUDEM A LIÇÃO DIARIAMENTE? 9. SUA IGREJA TEM UMA BOA LIDERANÇA QUE DÁ ENERGIA E CLAREZA NA HORA DE QUALQUER EMPREENDIMENTO? HORA DE QUALQUER EMPREENDIMENTO? 10. POR QUE SUA IGREJA É ATIVA É FÁCIL PERCEBER OS IRMÃOS MOVENDO-SE EM MÚLTIPLAS DIREÇÕES? OBS. A QUANTIDADE DE “SIM” REPRESENTA O PERCENTUAL DE COMPLEXIDADE DESSA IGREJA.
  • 15. 1. HÁ UM CONSTANTE SENSO DE URGÊNCIA EM CONDUZIR AS PESSOAS ATÉ A MATURIDADE ESPIRITUAL EM VEZ DE SIMPLESMENTE VÊ-LAS CONVERTIDAS? 2. SUA IGREJA ESTÁ ORGANIZADA EM PEQUENOS GRUPOS? 3. SUA IGREJA ESTÁ ORGANIZADA DE MANEIRA A CONDUZIR AS PESSOAS A NÍVEIS MAIORES DE RELACIONAMENTO E COMPROMETIMENTO? 4. NA SUA IGREJA OS CRENTES SÃO DESAFIADOS A CONTINUAR CRESCENDO NA FÉ? 5. NA SUA IGREJA OS MEMBROS ESTABELECEM RELACIONAMENTOS VIBRANTES ENTRE SI? 6. SUA IGREJA DESENVOLVE ALGUMA ESTRATÉGIA DE DISCIPULADO EM FAVOR DOS NOVOS CRENTES?
  • 16. 7. SUA IGREJA EXIGE QUE OS NOVOS MEMBROS PARTICIPEM DE UMA CLASSE DE CAPACITAÇÃO E APROFUNDAMENTO DOUTRINÁRIO? 8. AS ATIVIDADES MISSIONÁRIAS DE SUA IGREJA ESTÃO ALINHADAS EM TORNO DE UM PROPÓSITO CONHECIDO DE TODOS QUE É RELEMBRADO EM TODAS AS REUNIÕES? 9. NA SUA IGREJA O CULTO É PREPARADO PARA LEVAR AS PESSOAS A UM RELACIONAMENTO COM DEUS E COM OUTROS CRISTÃOS? 10. NA SUA IGREJA A GRANDE COMISSÃO É DEFINIDA NA FORMA DE UM PROCESSO DE DICIPULADO? OBS. A QUANTIDADE DE “NÃO” REPRESENTA O PERCENTUAL DE COMPLEXIDADE DESSA IGREJA.
  • 17. DEFINIÇÃO DE IGREJAS COMPLEXAS: “OCUPADAS FAZENDO IGREJA” “COMPLEXO: QUE ABRANGE OU ENCERRA MUITOS ELEMENTOS OU PARTES, CONFUSO, COMPLICADO INTRICADO.”
  • 18. DEFINIÇÃO DE IGREJAS SIMPLES: “OCUPADAS SENDO IGREJA” “SIMPLES: QUE NÃO É DUPLO OU DESDOBRADO EM MUITAS PARTES, NÃO CONSTITUÍDO DE PARTES OU SUBSTÂNCIAS DIFERENTES, SEM COMPLEXIDADE OU DIFICULDADE.”
  • 19. “Geralmente uma grande quantidade de atividades não gera mudança de vida. Apenas dá a impressão que as coisas estão acontecendo e que há vida.” “Não estamos percebendo a transformação espiritual na vida das pessoas. Ficamos satisfeitos em estar ocupados.”
  • 20. “As igrejas complexas são como caixões de luxo”.
  • 21. “As igrejas mais saudáveis são as que têm um processo de discipulado simples.”
  • 22. “Igrejas sem um processo ou com processo complicado de fazer discípulos estão patinando.” “Nossa pesquisa mostra que essas igrejas não estão crescendo.” “As igrejas simples decidiram se alinhar com o jeito de Deus trabalhar.” (Mateus 28: 18 a 20)
  • 23. ALGUMAS CARACTERÍSTICAS DE UMA IGREJA SIMPLES: 1. “A DECLARAÇÃO DE MISSÃO É SIMPLES, CLARA, CONHECIDA POR TODOS E PRATICADA POR TODOS.” (EXEMPLO: AMAR A DEUS, AMAR OS OUTROS E SERVIR AO MUNDO) 2. “O CULTO AJUDA A AMAR A DEUS, O PEQUENO GRUPO A AMAR OS OUTROS E OS MINISTÉRIOS A SERVIR AO MUNDO.” 3. “TUDO SE ENCAIXA NA PERSPECTIVA GERAL: TUDO É GUIADO PELO PROCESSO SIMPLES DE FAZER DISCIPULOS.”
  • 24. 4. “É UMA CONGREGAÇÃO ORGANIZADA EM TORNO DE UM PROCESSO OBJETIVO E ESTRATÉGICO QUE CONDUZ AS PESSOAS ATRAVÉS DOS ESTÁGIOS DO CRESCIMENTO ESPIRITUAL.” 5. “OS LÍDERES PODEM ARTICULAR CLARAMENTE A FORMAÇÃO DE UMA PESSOA QUE COMEÇA A CAMINHADA CRISTÃ E COM O PASSAR DO TEMPO, SE TORNA UM SEGUIDOR MADURO DE CRISTO. UMA IGREJA QUE NÃO É APENAS OCUPADA, MAS VIVA COM MINISTÉRIOS E ATIVIDADES QUE FAZEM DIFERENÇA.” 6. “É UMA IGREJA EM QUE ESSES 4 PONTOS SÃO ESSENCIAIS: CLAREZA, MOVIMENTO, ALINHAMENTO E FOCO.”
  • 25. 1. CLAREZA: É A HABILIDADE DE COMUNICAR O PROCESSO E ESTE SER ENTENDIDO PELAS PESSOAS. 2. MOVIMENTO SÃO OS PASSOS SEQUENCIAIS QUE FAZ COM QUE AS PESSOAS CAMINHEM PARA NÍVEIS MAIORES DE COMPROMETIMENTO. 3. ALINHAMENTO É A ORGANIZAÇÃO DE TODOS OS MINISTÉRIOS E EQUIPE EM TORNO DO MESMO PROCESSO. 4. FOCO É O COMPROMISSO DE ABANDONAR TUDO QUE NÃO SE ENCAIXE NO PROCESSO MINISTERIAL SIMPLES.
  • 26. “Para ser uma Igreja Simples é preciso preparar um processo simples de discipulado. O processo precisa ser claro. Precisa conduzir as pessoas à maturidade. Ele precisa estar totalmente integrado à igreja e é preciso se desvencilhar de todo congestionamento em torno dele.”
  • 27. Waylon Moore afirma que “Discipulado é o processo de tomar novos convertidos, educá-los e levá-los a um estado de maturidade e adulta comunhão com Cristo e de serviço eficiente na Igreja”. E continua: “fazer discípulo de uma pessoa é levá-la a experiência de ter Jesus como Senhor e Centro de sua vida. Ser discípulo implica num ato de entrega e num processo de obediência. Um homem é discípulo de Cristo, quando permanece em sua palavra, glorifica ao Pai e dá frutos. ( João 8.31;15.8)”.
  • 28. Já David Kornfield, trabalhando no Brasil, atualmente com pequenos grupos e Discipulado, em seu artigo Discipulado, a Verdadeira Grande Comissão, define Discipulado como “uma relação comprometida e pessoal em que um discípulo mais maduro ajuda outros discípulos de Jesus Cristo a se aproximarem mais dele e assim se reproduzirem” e argumenta: “se o Discipulado perder de vista o relacionamento comprometido e pessoal, deixa de ser um Discipulado bíblico”. A sua ênfase está nos relacionamentos. É no relacionamento pessoal e social que se descobre o verdadeiro valor do Discipulado. Se não há relacionamento interpessoal, então é impossível a realidade do Discipulado de Cristo.
  • 29. Larry Richards, em seu livro Teologia do ministério pessoal comenta que “A missão da igreja não é simplesmente conseguir conversões, mas completar o processo da vida cristã fazendo discípulos”.
  • 30. “Um dos maiores pecados da igreja, na sua missão é achar que Discipulado seja mais um método que podemos implementar na igreja. Acredita a maioria dos líderes eclesiásticos que além dos vários programas que a igreja dispõe para atrair os convertidos, o Discipulado quando bem usado é um bom método para o crescimento da igreja. Muitos pastores e líderes quando discipulam tentam “incrementar” a igreja com mais este “programa”. Ao contrário do que se pensa, defendo Discipulado como um princípio geral que conduz os crentes a um estilo de vida.”
  • 31. “o Discipulado fundamenta-se “no estar com”. Na vivência com os discípulos, Jesus em seu treinamento, se relacionava mais a caráter e personalidade do que a conhecimentos e métodos. “Muitos dos pastores andam tão ocupados com tantas diferentes coisas que a correria com que trabalham põe em risco seu ministério e sua vida espiritual, como também lhes torna impossível treinar pessoal e adequadamente os membros de sua igreja para o evangelismo integral.”
  • 32. “Evangelização sem integração ou Discipulado sempre falhou e falhará no seu objetivo de ganhar o mundo. O máximo que se consegue é a adição de algumas pessoas à igreja”.
  • 33. “O Discipulado Missionário, se assim podemos nomeá-lo, ainda não está satisfazendo biblicamente o Senhor da Seara. Ao analisarmos todos os pontos essenciais da vida de Cristo, somos inarredavelmente levados a procurar reavaliar a vida cristã e, sobretudo, através de uma autocrítica, desafiados a tornar nossas comunidades, igrejas de discipuladores. Carecemos de pessoas fiéis e idôneas, que possam transmitir a outras este caráter de Cristo, não apenas pela verbalização, mas também com a vida. A igreja necessita de um arrependimento verdadeiro e mudança de vida. Deve tornar a vida mais simples e menos rebuscada, mais cheia de frutos de vida e menos ativista, mais cristã e menos institucionalizada. Se acreditarmos no Discipulado, seremos os primeiros a mudar, e se isto acontecer de fato, cumpriremos cabalmente a Grande Comissão não como um programa a mais, mas como um estilo de vida, para a Glória e Honra de Nosso Senhor Jesus Cristo.” (Soli DeoGloria)
  • 34. “Jesus estabeleceu para a Igreja algumas prioridades, que fluíram a partir do derramamento do Espírito (At. 2). Vemos que os primeiros cristãos consideraram a comunhão dos santos (At. 2.42,46), a adoração ao Senhor (At. 2.47a), a evangelização (At. 2.47b), a ação social (At. 2.44,45) e o discipulado dos recém convertidos (At. 2. 40,41) como prioridades de sua marcha terrestre.”
  • 35. Por discipulado entenda-se o processo em que o novo convertido recebe todas as instruções indispensáveis para sua formação e crescimento de sua fé, até que esteja apto a fazer outros discípulos, reproduzindo assim o modelo do caráter cristão descrito em 2 Tm. 2.2: “E o que de minha parte ouviste através de muitas testemunhas, isso mesmo transmite a homens fiéis e também idôneos para instruir a outros.”
  • 36. “Vemos que o crescimento explosivo da Igreja no Século I se deu por meio do discipulado. Jesus formou o seu grupo de discípulos, inicialmente com os 12 (Mt. 10.1-4), depois com 70 (Lc. 10.1) e, finalmente, com mais de 500 discípulos (1 Co. 15.6). Logo após o Pentecostes, os discípulos começaram a multiplicar, ensinando e batizando aqueles que iam sendo salvos. Jesus optou pelo discipulado como meio de alcançar todas as nações (Mt. 28.19-20), pois este modelo de crescimento supera as barreiras temporais, isto é, funcionou no passado, funciona hoje e funcionará até a volta de Jesus”
  • 37. DISCUSSÃO EM GRUPO LEVANDO EM CONSIDERAÇÃO AS PÁGINAS 104 A 111 1. O QUE O GRUPO DESCOBRIU DE RELEVANTE AO LER E CONVERSAR SOBRE A IGREJA COMUNIDADE DE CRISTO EM MIAMI, FLORIDA, USA? 2. COMO AS EXPERIÊNCIAS DA IGREJA COMUNIDADE DE CRISTO PODEM PODEM CONTRIBUIR PARA O CRESCIMENTO SAUDÁVEL EM NOSSAS IGREJAS ADVENTISTAS? E QUAIS DELAS SÃO APLICÁVEIS A NOSSA REALIDADE ADVENTISTA E QUAIS NÃO? 3. DE QUE MODO VOCÊ PRETENDE APLICAR OS CONCEITOS DO SIMPLES DA COMUNIDADE DE CRISTO EM SEU MINISTÉRIO PASTORAL E EM SEU DISTRITO? 4. DOS QUATRO ELEMENTOS DA IGREJA SIMPLES (CLAREZA, MOVIMENTO, ALINHAMENTO E FOCO) QUAL DELES SERÁ MAIS DIFÍCIL IMPLANTAR NA IGREJA ADVENTISTA? (JUSTIFIQUE A ESCOLHA DO GRUPO)
  • 38. DISCUSSÃO EM GRUPO LEVANDO EM CONSIDERAÇÃO AS PÁGINAS 98 A 104 1. O QUE O GRUPO DESCOBRIU DE RELEVANTE AO LER E CONVERSAR SOBRE A IGREJA BATISTA EMANUEL DE GLASGOW, KENTUCKY, USA? 2. COMO AS EXPERIÊNCIAS DA IGREJA EMANUELPODEM PODEM CONTRIBUIR PARA O CRESCIMENTO SAUDÁVEL EM NOSSAS IGREJAS ADVENTISTAS? E QUAIS DELAS SÃO APLICÁVEIS A NOSSA REALIDADE ADVENTISTA E QUAIS NÃO? 3. DE QUE MODO VOCÊ PRETENDE APLICAR OS CONCEITOS DO SIMPLES DA IGREJA EMANUEL EM SEU MINISTÉRIO PASTORAL E EM SEU DISTRITO? 4. DOS QUATRO ELEMENTOS DA IGREJA SIMPLES (CLAREZA, MOVIMENTO, ALINHAMENTO E FOCO) QUAL DELES SERÁ MAIS DIFÍCIL IMPLANTAR NA IGREJA ADVENTISTA? (JUSTIFIQUE A ESCOLHA DO GRUPO)
  • 39. DISCUSSÃO EM GRUPO LEVANDO EM CONSIDERAÇÃO AS PÁGINAS 112 A 116 1. O QUE O GRUPO DESCOBRIU DE RELEVANTE AO LER E CONVERSAR SOBRE A COMUNIDADE DE NORTHPOINT EM ALPHARETTA, AO NORTE DE ATLANTA, GEÓRGIA, USA? 2. COMO AS EXPERIÊNCIAS DA IGREJA COMUNIDADE DE NORTHPOINT PODEM CONTRIBUIR PARA O CRESCIMENTO SAUDÁVEL EM NOSSAS IGREJAS ADVENTISTAS? E QUAIS DELAS SÃO APLICÁVEIS A NOSSA REALIDADE ADVENTISTA E QUAIS NÃO? 3. DE QUE MODO VOCÊ PRETENDE APLICAR OS CONCEITOS DO SIMPLES DA COMUNIDADE DE NORTHPOINT EM SEU MINISTÉRIO PASTORAL E EM SEU DISTRITO? 4. DOS QUATRO ELEMENTOS DA IGREJA SIMPLES (CLAREZA, MOVIMENTO, ALINHAMENTO E FOCO) QUAL DELES SERÁ MAIS DIFÍCIL IMPLANTAR NA IGREJA ADVENTISTA? (JUSTIFIQUE A ESCOLHA DO GRUPO)
  • 40. NA IGREJA SIMPLES TODO MEMBRO É DISCÍPULO E DISCIPULADOR.

Notas do Editor

  1. O Melhor fotógrafo de nossa igreja somos nós, pastores. A igreja é o que o líder é. Eu tenho paixão, estou no foco, alinhado? Perguntas.