SlideShare uma empresa Scribd logo
HISTÓRIA DO BRASIL

                 A COMUNIDADE INDÍGENA DO BRASIL PRÉ-CABRALINO

1. O TERMO ÍNDIO:
− o termo índio nasceu de um engano histórico: ao desembarcar na América, o navegador Cristóvão
Colombo chamou seus habitantes de índios, pois pensava ter chegado nas Índias.
− outras designações para o habitante da América pré-colombiana: aborígene, ameríndio, autóctone,
brasilíndio, gentio, íncola, “negro da terra”, nativo, bugre, silvícola, etc.
− o termo índio designa quem habitava e ainda habita as terras que receberiam o nome de América.

2. DIVERSIDADE CULTURAL:
− os diferentes povos indígenas do Brasil (Pindorama ou Piratininga), a exemplo dos demais índios
da América, tinham maneiras próprias de organizar-se: diferentes modos de vida, línguas e culturas.

3. NAÇÕES INDÍGENAS:
+ Classificação: baseada em critérios linguísticos.
· Tupi: litoral.
· Jê ou Tapuia (Macro-Jê): Planalto Central.
· Nuaruaque: bacia Amazônica.
· Caraíba: norte da bacia Amazônica.

4. ORGANIZAÇÃO SOCIAL:
· Regime de Comunidade Primitiva
− igualdade social.
− relação coletiva com a terra.
− divisão do trabalho por sexo e idade.
− socialização das técnicas de produção.
− distribuição igualitária.
− pequeno desenvolvimento tecnológico.
− produção voltada para o autoconsumo.
− era muito pequena a produção de excedente.
− habitação: malocas (ocas) − aldeia (taba) − tribo − nação.
                   Oca = casa comunal
− nomadismo e semi-nomadismo.
− atividades econômicas: caça, pesca, coleta e agricultura.
− instrumentos rudimentares.
− religião: politeísta  Pajé=sacerdote.
− política: chefe de maloca – Conselho − chefe da aldeia (principal, cacique ou morubixaba).
− a guerra tinha muita importância e era fonte de prestígio e elevação de status.
− costumes:
                   -coivara: queimada.
                   -couvade: resguardo do pai da criança.
                   -antropofagia: ritual.
                   -dar presentes: generosidade na distribuição de bens.
                   -casamento:poligênico (o homem ter mais de uma mulher) e poliândrico (mulher
                    casada com vários homens).
O DESCOBRIMENTO DO BRASIL


1. PEDRO ÁLVARES CABRAL:
− navegador português.
− a esquadra enviada por D. Manuel, rei de Portugal, às Índias, tinha como objetivo estabelecer uma
sólida relação comercial e política com os povos do Oriente.
− 22 de abril de 1500: Cabral oficializa a posse de Portugal sobre o Brasil.
− o Descobrimento do Brasil fez parte de um processo mais amplo de expansão marítima, comercial
e territorial realizada pelos europeus no início da Idade Moderna, ou seja, o descobrimento do Brasil
e sua colonização devem ser analisados como uma etapa do desenvolvimento comercial europeu.
− Nomes: Monte Pascoal  Ilha de Vera Cruz  Terra de Santa Cruz  Brasil ("terra abençoada",
em celta-irlandês; nome já constava em mapas medievais dos séculos XIV e XV).

· Controvérsias sobre o descobrimento:
+ casualidade ou intencionalidade ?
+ descobrimento, conquista , encontro de culturas ou achamento ?
*Hipótese mais aceita: intencionalidade e conquista.
- razões: conhecimentos náuticos portugueses;
           Tratado de Tordesilhas (1494).


                              PERÍODO PRÉ-COLONIAL (1500-1530)

1. CONCEITO:
− período (1500-30) em que Portugal não se interessa pela efetiva colonização do Brasil, em função
deste não preencher os seus interesses mercantilistas (metais e comércio).

2. MOTIVOS DO DESINTERESSE DE PORTUGAL PELA COLONIZAÇÃO:
− os portugueses não encontraram, no Brasil, sociedades organizadas com base na produção para
mercados;
− o Brasil não oferecia metais preciosos nem produtos para o comércio;
− a crise demográfica portuguesa;
− Portugal estava concentrado em torno do comércio oriental.

3. CARACTERÍSTICAS:
− durante esse período, Portugal limitou-se a enviar para o Brasil expedições de reconhecimento e
de defesa, iniciando a extração do pau-brasil.

4. EXPEDIÇÕES EXPLORADORAS:
· Gaspar de Lemos (1501);
· Gonçalo Coelho (1503).
+ objetivos: fazer o reconhecimento geográfico e verificar as possibilidades de exploração econômica
da nova terra descoberta.
+ resultados: denominação dos acidentes geográficos e constatação da existência de pau-brasil.
5. EXPEDIÇÕES GUARDA-COSTEIRAS:
· Cristóvão Jacques (1516-1526).
+ objetivos: policiar o litoral e expulsar os contrabandistas.

6. EXPLORAÇÃO DO PAU-BRASIL:
− primeira atividade econômica portuguesa no Brasil → exploração e comércio da madeira de
tinturaria.
− atividade extrativa, assistemática e predatória.
− estanco: monopólio régio ; uma limitação ao exercício de uma atividade econômica, salvo o seu
desempenho pela Coroa ou a quem esta delegasse.
- escambo: tipo de relação de trabalho onde há troca de serviço/mercadoria por outra mercadoria; o
corte e o transporte da madeira eram feitos pelos indígenas que, em troca, recebiam bugigangas.
− feitorias: eram os depósitos que armazenavam as toras de pau-brasil.
             ↳ não geraram povoamento.
1502 - arrendamento da extração de pau-brasil, por três anos, a Fernão de Noronha (cristão-novo),
1º capitão-donatário do Brasil.




                                       PERÍODO COLONIAL

                                 O INÍCIO DA COLONIZAÇÃO (1530)


1. MOTIVOS:
− a constante e crescente presença francesa no litoral do Brasil: ameaça à posse portuguesa;
− a decadência do comércio das Índias: problemas financeiros;
− a descoberta de metais preciosos na América Espanhola (prata no Peru, ouro no México).


2.   A EXPEDICÃO COLONIZADORA DE MARTIM AFONSO DE SOUSA (1531):

· Objetivo: lançar os fundamentos da ocupação efetiva da terra, estabelecendo núcleos de
povoamento (povoar a terra, defendê-la, organizar sua administração e sistematizar a exploração
econômica, ou seja, colonizar).
− colonizar: ocupar um região para explorá-la economicamente.

· Ação colonizadora:
− instalação do primeiro núcleo de povoamento português no Brasil:a vila de São Vicente (1532);
− implantação da primeira unidade produtora de açúcar no Brasil: o Engenho do Senhor
  Governador ou São Jorge dos Erasmos (1533);
− introdução das primeiras cabeças de gado;
− início da utilização de escravos africanos.
ADMINISTRAÇÃO COLONIAL

1. SIGNIFICADO:
+ a organização político-administrativa do Brasil-Colônia estava calcada na divisão territorial em
Capitanias, no estabelecimento dos Governos Gerais e na criação das Câmaras Municipais;          +
atendia às necessidades inerentes à relação Metrópole-Colônia:
−    promover a ocupação territorial do Brasil através do povoamento;
−    evitar gastos supérfluos com o envio de funcionários da Metrópole para a Colônia;
−    possibilitar a efetivação do interesses mercantilistas metropolitanos;
− defender a colônia dos ataques e invasões das potências rivais.

2. CAPITANIAS HEREDITÁRIAS (1534):
· Objetivo: acelerar a efetiva colonização do Brasil, transferindo para particulares os encargos da
colonização.
· Funcionamento: Portugal buscava atrair os interesses de alguns nobres portugueses pelo Brasil,
dando a eles direitos e poderes sobre a terra e transformando-os em donatários das capitanias.
· Documentos:
+ Carta de Doação: estipulava a concessão da capitania ao donatário.
+ Foral: determinava os direitos e deveres dos donatários e funcionava como um código tributário.
− os donatários recebiam poderes políticos, judiciários e administrativos, de que lhes advinham
vantagens econômicas.
− fundação de vilas, concessão de sesmarias, redízima (1/10) das rendas da Coroa, vintena (5%)
sobre o valor do pau-brasil e da pesca, cobrança de tributos sobre todas as salinas, moendas de
água e engenhos (só podiam ser construídos com a sua licença).
· Características:
− processo de colonização descentralizado: sistema político-administrativo descentralizado;
− os donatários recebiam as capitanias não como proprietários, mas como administradores (posse);
− as capitanias eram hereditárias, indivisíveis, intransferíveis e inalienáveis;
− os donatários deveriam arcar com as despesas da colonização;
− o Brasil foi dividido em capitanias hereditárias (grandes lotes de terras) entre os donatários;
− para fins administrativos, a capitania no Brasil se dividia em comarcas, as comarcas em termos, e
os termos em freguesias;
− sistema já utilizado por Portugal nas suas ilhas atlânticas: Açores, Madeira e Cabo Verde.
· Capitanias que prosperaram:
− São Vicente (Martim Afonso de Sousa): auxílio da Coroa Portuguesa ; devido ao fracasso da
lavoura de exportação (distância da metrópole e concorrência nordestina), foi lentamente regredindo
para uma lavoura de subsistência.
− Pernambuco (Duarte Coelho): excelente administração, aliança com os índios, financiamento do
capital flamengo (holandês) e desenvolvimento do agromanufatura açucareira.
· Fracasso do Sistema:
+ Fatores:
− as dificuldades encontradas na empresa de colonização;
− a falta de recursos dos donatários (inviabilidade da colonização, baseada exclusivamente no
capital particular);
− a descentralização (choque com os interesses do Estado absolutista português);
− os ataques dos índios;
− a distância da metrópole;
− a falta de comunicação entre as capitanias;
− a má administração e a falta de interesse dos donatários.

3. GOVERNO GERAL (1548):
· Motivo: o fracasso do sistema de Capitanias ( falta de recursos e descentralização).
· Objetivos: centralizar a administração e dar apoio às capitanias.
· Características:
− as capitanias não foram extintas; com o tempo, as capitanias foram passando para o domínio real,
porque Portugal ou as confiscava por abandono, ou as comprava dos herdeiros. Contudo, a última
capitania só desapareceu em 1759, por determinação do marquês de Pombal.
− os donatários passaram a prestar obediência ao governador-geral.
− o governador era o representante do rei na colônia.
· Documento:
+ Regimento de 1548: conjunto de leis que determinava as funções administrativa, judicial, militar e
tributária do governador-geral.
· Assessores:
− ouvidor-mor: Justiça;
− provedor-mor: Finanças (negócios da Fazenda);
− capitão-mor: defesa da costa;
− alcaide-mor: chefe da milícia.

· Governadores-gerais:

+ Tomé de Sousa (1549-53):
− a Bahia foi transformada em Capitania Real do Brasil e passou a ser sede do Governo Geral;
− fundação da primeira cidade (Salvador);
− fundação do primeiro bispado do Brasil;
− fundação do primeiro colégio;
− incentivo à agricultura e à pecuária;
− alguns jesuítas vieram chefiados por Manuel da Nóbrega.

+ Duarte da Costa (1553-58):
− conflito com o bispo Pero Fernandes Sardinha;
− invasão francesa no Rio de Janeiro: fundaram a França Antártica (1555);
− fundação do Colégio de São Paulo (25.01.1554): José de Anchieta e Manuel da Nóbrega.

+ Mem de Sá (1558-72):
− fundação da cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro (01.03.1565): Estácio de Sá;
− expulsão do franceses em 1567;
− reunião dos índios em missões (reduções).

4. CÂMARAS MUNICIPAIS:
+ responsáveis pela administração dos municípios (cidades e vilas): pelourinho.
− conservação das ruas, limpezas da cidade e arborização;
− construção de obras públicas: estradas, pontes, calçadas e edifícios;
− regulamentação dos ofícios, do comércio, das feiras e mercados;
− abastecimento de gêneros e cultura da terra.
+ representavam o poder local (o verdadeiro poder político colonial): o poder dos proprietários de
terras, de engenhos e de escravos - os “homens bons”.
+ composição: almocatéis (fiscalizavam o cumprimento da lei), procurador (representante judicial),
vereadores (“homens bons”) e um juiz (ordinário ou de fora).
+ atuaram principalmente no Nordeste açucareiro.
+ tiveram seus poderes reduzidos a partir de 1642, com a criação do Conselho Ultramarino:
centralização administrativa.

5.  DIVISÕES ADMINISTRATIVAS DO BRASIL:
    − 1572 : Governo do Norte: sede em Salvador - Luís de Brito
              Governo do Sul: sede no Rio de Janeiro - Antonio Salema.
    − 1578: unificação com Lourenço da Veiga.
       − 1580-1640: a estrutura político-administrativa do Brasil colonial sofreu mudanças com a
ascensão dos Felipes ao trono português;
     − 1621: Estado do Maranhão: sede em São Luís, mais tarde transformado em Estado do Grão-
Pará e Maranhão, com sede em Belém.
             Estado do Brasil: sede em Salvador e, a partir de 1763, com sede no Rio de Janeiro.
    − 1774: nova unificação.

6. ADMINISTRAÇÃO ECLESIÁSTICA:
+ a administração eclesiástica acompanhou no Brasil Colonial a própria evolução administrativa da
Colônia:
− a criação de capitanias, comarcas e freguesias eram acompanhadas pela criação de prelazias,
dioceses e paróquias.
− a Igreja Católica teve papel relevante no processo de colonização: catequização do índio pelos
jesuítas e a utilização dos silvícolas como mão-de-obra nas propriedades da Companhia de Jesus.
− o ponto fundamental dos confrontos entre os padres jesuítas e os colonos referia-se à
escravização dos indígenas e, em especial, à forma de atuar dos bandeirantes, e, no norte da
Colônia, também devido à exploração das “drogas do sertão”.
− os jesuítas pretendiam criar uma "teocracia" na América Latina e monopolizar o controle dos
indígenas.
− os jesuítas, intimamente relacionados com a expansão européia e a realidade colonial, foram
expulsos de Portugal e do Brasil no reinado de D. José I (na época do ministro Marquês de Pombal).
+ O projeto missionário e catequizador dos jesuítas:
− os jesuítas atuaram em duas frentes: o trabalho missionário com os índios e a educação com a
fundação dos colégios.
− a legitimação da espoliação e da fraternidade cristã.
− a simbiose da alegoria cristã e do pensamento mercantil.
− o ardor da diplomacia cristã, mistura de veemência e ambiguidade.
− os caminhos violentos e sedutores da pedagogia missionária: "missões" e conflitos com colonos e
bandeirantes.
+ Educação:
− na Educação, através das Ordens Religiosas, a Igreja monopolizou as instituições de ensino até o
século XVIII.
− a Companhia de Jesus foi instrumento fundamental para a evangelização das colônias americanas:
− o ensino desenvolveu-se influenciado pela cultura religiosa do colonizador;
− não conseguiram dissociar a evangelização do processo colonizador luso-brasileiro;
− os jesuítas procuraram aprender as línguas indígenas;
− os jesuítas pretenderam divulgar a fé, formando novos súditos tementes a Deus e obedientes ao
rei;
− os jesuítas catequizavam os indígenas e educavam os índios e colonos;
− os jesuítas exerceram um papel de grande importância em relação à educação dos filhos dos
grandes proprietários de escravos e terras até sua expulsão. Sua presença foi tão significativa que
seus colégios constituíram-se enquanto marcos da ação colonizadora portuguesa na América;
− contribuíram para amenizar as tensões entre indígenas e colonos;
− os jesuítas tinham por objetivo promover a Igreja Católica e, para isso, acabaram por alterar a
cultura indígena (aculturação dos indígenas, à medida que a colonização portuguesa se
consolidava);
− quanto à escravidão, tanto os jesuítas quanto a Igreja Católica, no período colonial, se limitavam ao
repúdio às torturas e aos maus tratos, não havendo, porém, questionamento da escravidão enquanto
instituição: as desigualdades terrenas são reconhecidas pelos jesuítas, que elegem como espaço de
julgamento o fórum divino;
− o negro foi excluído da catequese e do processo de educação, porque existia a crença de que o
negro não tinha alma.


                          A ECONOMIA AÇUCAREIRA (SÉC. XVI E XVII)


1. O ANTIGO SISTEMA COLONIAL:
− sistema de dominação da metrópole sobre a colônia: conjunto de relações políticas, econômicas,
sociais, ideológicas e culturais.
− um conjunto de normas e leis que regulam as relações metrópole-colônia, principalmente no
campo econômico.
· Pacto Colonial:
− relação de domínio exclusivo do comércio colonial pela metrópole: monopólio.
− também chamado “regime do exclusivo colonial”, denomina o sistema de monopólio comercial e
controle econômico imposto pelas metrópoles às suas colônias nos Tempos Modernos (capitalismo
comercial/mercantilismo).
+ O Sentido da Colonização:
− o monopólio do comércio das colônias pela metrópole define o sistema colonial, porque é através
dele que as colônias preenchem sua função histórica de produzir riquezas para o maior
desenvolvimento econômico da metrópole: a colonização toma o aspecto de uma vasta empresa
comercial destinada a explorar os recursos das colônias em proveito do comércio europeu.
− monopólio:
    - as colônias são áreas complementares da economia metropolitana;
    - as colônias só podem comerciar com a metrópole: só podiam vender seus produtos para o
    grupo mercantil metropolitano;
    - as colônias não podem ter fábricas e são obrigadas a consumirem os produtos manufaturados
    da metrópole;
    - as colônias só podem produzir o que a metrópole não tem condições de fazer, nunca concorrer
    com ela;
    - as colônias devem produzir em larga escala, a baixos custos e com o máximo de
    lucratividade.
2. COLONIZAÇÃO DE BASE AGRÍCOLA:
− colonização: desdobramento da expansão marítima e comercial européia;
− a agricultura foi o recurso encontrado para a exploração do litoral brasileiro;
− a colonização foi organizada em torno do cultivo da cana-de-açúcar;
− valorização econômica das terras;
− passou-se do âmbito da circulação de mercadorias para o da produção;
− com a empresa açucareira, Portugal solucionava o seu problema de utilização econômica das suas
terras americanas e o Brasil se integrava, como fonte produtora, aos mercados consumidores
europeus;
− colonização: instrumento de acumulação de capital na Europa.


3. MOTIVOS DA ESCOLHA DO AÇÚCAR:
− existência de mercados consumidores na Europa;
− a participação holandesa no financiamento, refino e distribuição do produto;
− a experiência portuguesa;
− a qualidade do solo (massapê) e as condições climáticas.


4. EMPRESA AÇUCAREIRA:
− estrutura de empresa comercial exportadora.
− empresa de base agrícola, destinada à exploração econômica e à colonização do litoral brasileiro,
principalmente o nordestino (principal centro produtor).
− o engenho: unidade de produção (moenda, casa-grande, senzala, capela, canaviais) ; exigia
grandes investimentos.
− tipos de engenho: os reais, movidos à água, e os trapiches, que utilizavam tração animal.
− Nordeste: principal centro produtor (PE e BA).




− trabalhadores livres: mestre do açúcar, feitor, lavradores contratados.
− grupo flutuante formado por mestiços, mamelucos, rendeiros e agregados.
− a montagem da empresa açucareira obedeceu ao sistema de plantation.

· Plantation:
+ sistema de produção:
− monocultura: especialização na produção de um artigo de real interesse no mercado europeu.
− escravismo: utilização de numerosa força de trabalho compulsória (escrava): índia, depois africana.
− latifúndio: grande propriedade de terra.
−dependência externa: havia uma total ausência de autonomia dos produtores e a economia ficava
atrelada ao mercado europeu e inteiramente voltada para o mercado externo.

5. SOCIEDADE COLONIAL AÇUCAREIRA:
− uma sociedade caracterizada pelo caráter predominante do trabalhador escravo, base da
economia colonial e do prestígio do grande proprietário.
− uma sociedade conservadora, patriarcal, escravista, rural (agrária).
− o engenho era o centro dinâmico de toda a vida colonial e onde a pouca vida urbana era mero
prolongamento da vida rural.
− uma organização social intimamente articulada à propriedade e à riqueza.




+ início do processo de miscigenação entre os três grandes grupos étnicos responsáveis pela
formação da sociedade colonial brasileira: o índio americano, o branco europeu e o negro africano.
•   mulato: mestiço de branco com negro.
•   mameluco (caboclo): mestiço de índio com branco.
•   cafuzo: mestiço de negro com índio.

6.   A ESCRAVIDÃO:

+ Motivos da utilização da mão-de-obra escrava:
− a plantation exigia uma grande quantidade de trabalhadores.
− crise demográfica portuguesa.
− a inviabilidade da utilização da mão-de-obra branca, devido à sua escassez e ao seu custo.
− os trabalhadores europeus não se sentiam atraídos em trabalhar na colônia: difíceis condições de
trabalho.
− os lucros proporcionados pelo tráfico de escravos.
· Escravidão Indígena:
− os índios foram utilizados como escravos no início da economia canavieira, contudo, demonstrou-
se incompatível com a produção açucareira e foram substituídos pelos negros africanos.

* Motivos da substituição do índio pelo negro na grande lavoura açucareira:
− a imposição de um trabalho disciplinado, vigiado, forçado, ordenado, dinâmico, organizado e
metódico chocou-se com a cultura indígena;
− a alta lucratividade operada pelo tráfico negreiro, que, para ser mantida, necessitava manter a
escravidão negra.
* Consequências da Escravidão e da Colonização sobre os Índios:
− massacre de milhares de índios;
− ocupação de suas terras;
− o contato do branco europeu com a comunidade indígena destruía a cultura do índio;
− desestruturação do sistema produtivo e das instituições indígenas;
− mortalidade em função de doenças contraídas dos brancos europeus.




* Áreas Periféricas:
− o escravismo indígena ocorria principalmente em áreas muito pobres, onde os colonos não tinham
recursos para comprar escravos negros: São Vicente e Maranhão.




· Escravidão Negra:
− os negros foram introduzidos no Brasil a fim de atender às necessidades do colono branco, dos
grupos mercantis e da Coroa Portuguesa.
+ Formas de Aquisição do Negro na África:
− caça, captura e aprisionamento;
− compra de africanos ao chefes locais (sobas): muitas tribos africanas passaram a escravizar outras
para vendê-las aos traficantes em troca de bugigangas (vidro, facões, panos, fumo, rapadura,
cachaça).


+ Tráfico Negreiro:
− navios negreiros (tumbeiros) - 30% de mortalidade no transporte dos escravos.
− banzo (depressão, saudade da terra natal).
− marcados com ferro.
− os negros (peças do gentio da Guiné) eram embarcados geralmente em Angola, Moçambique e
Guiné e desembarcados em Recife, Salvador e Rio de Janeiro.




                                         Navio negreiro

+ Grupos :
− Sudaneses: oriundos da Nigéria, Daomé, Costa do Ouro (Ioruba, Jejes, Fanti-ashantis).
− Bantos: divididos em dois grupos (angola-congoleses e moçambiques).
− Malês: sudaneses islamizados.

+ Resistência do Negro à Escravidão:
− evitando a reprodução;
− suicidando-se;
− matando feitores e capitães-do-mato;
− fugindo;
− formando quilombos.


+ Quilombos:
− comunidades negras formadas por escravos que fugiam dos seus senhores e passavam a viver em
liberdade.
* Quilombo dos Palmares (1630 -1694):
- localizava-se no atual estado de Alagoas, na Serra da Barriga.
- o número de habitantes do quilombo cresceu durante a invasão holandesa em Pernambuco.
- produziam e faziam um pequeno comércio com as aldeias próximas.
- simbolizava a liberdade e, por isso, era uma atração constante para novas fugas de escravos.
- representava uma ameaça à ordem escravocrata.
- líder: Zumbi.
- em 1694, foi destruído pelo paulista Domingos Jorge Velho, contratado pelos senhores nordestinos.
- em 20 de novembro de 1695, Zumbi foi morto numa emboscada.

7. ATIVIDADES ECONÔMICAS COMPLEMENTARES:
− paralelamente ao desenvolvimento da lavoura açucareira, desenvolveu-se na colônia um setor de
subsistência responsável pela produção de gêneros, que vinham atender às necessidades básicas
dos colonos e escravos: pecuária e cultivo do tabaco, algodão, mandioca, milho, feijão.
· a mandioca era o principal produto agrícola de subsistência para o consumo interno: elemento
básico da alimentação do brasileiro.
· o fumo era o produto de exportação que servia para aquisição de escravos no mercado africano:
cultivado em zonas restritas da Bahia e Alagoas.
· o algodão era usado no fabrico de tecidos de baixa qualidade, destinados à confecção de roupas
para os mais pobres e escravos: cultivados no Maranhão e Pernambuco.

                                 AS INVASÕES FRANCESAS


1. MOTIVOS:
· O Tratado de Tordesilhas, que dividia o novo mundo descoberto entre Portugal e Espanha e
marginalizava (excluía) as outras nações européias;
· Interesses econômicos: o tráfico do pau-brasil, da pimenta nativa, do algodão nativo e produção de
gêneros tropicais.

2. AS INVASÕES:
· Rio de Janeiro (1555-1567): França Antártica.
· Maranhão (1612-1615): França Equinocial.

3. A FRANÇA ANTÁRTICA:
· Objetivos:
− fundar uma colônia de exploração econômica;
− abrigar os protestantes (huguenotes) que eram perseguidos pelas guerras de religião.
· Comandante:
− Nicolau Durand de Villegaignon.
· Ocupação:
− os franceses se instalaram nas ilhas de Serigipe, Paranapuã, Uruçumirim e Laje.
− aliaram-se aos índios tamoios: formação da Confederação dos Tamoios.
· Expulsão:
− a Confederação dos Tamoios foi dissolvida (1563) por Nóbrega e Anchieta, que fizeram um acordo
com os índios através do armistício de Iperoig (Ubatuba).
− na expulsão dos franceses, o governador Mem de Sá contou com o auxílio de Estácio de Sá, dos
índios Temininós (Araribóia) e pelos tamoios do sul.
− fundação da cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro (01.03.1565): Estácio de Sá.
− os franceses são expulsos em 1567.




4. A FRANÇA EQUINOCIAL:
· Objetivo:
− fundar uma colônia de exploração econômica.
· Comandante:
− Daniel de La Touche.
· Ocupação:
− fundação da povoação de São Luís (homenagem ao rei francês Luís XIII).

· Expulsão:
− os franceses são expulsos em 1615 pelas tropas portuguesas comandadas por Jerônimo de
Albuquerque e Alexandre de Moura.

5. A OCUPAÇÃO PORTUGUESA DO LITORAL ACIMA DE PERNAMBUCO:
· Quando os franceses foram expulsos do Rio de Janeiro, procuraram alojar-se no litoral acima de
Pernambuco e foi da luta contra eles que iniciou o povoamento:
− Paraíba: Filipéia de Nossa Senhora das Neves (1584) - João Pessoa.
− Rio Grande do Norte: Forte dos Reis Magos (1599) - Natal.
− Ceará: Forte de Nossa Senhora do Amparo (1613) - Fortaleza.
− Pará: Forte do Presépio (1616) - Belém.


                               AS INVASÕES HOLANDESAS

1. MOTIVOS:

· a União das Monarquias Ibéricas (1580-1640): Portugal e suas colônias submetidos ao domínio
espanhol - Juramento de Tomar (1581), feito por Filipe II da Espanha (respeito à particularismos
portugueses, "asiento" - concessão da venda de escravos nas colônias espanholas da América à
burguesia portuguesa);
· os conflitos político-militares entre a Espanha e a Holanda: devido à separação da Holanda do
domínio espanhol;
· o Embargo Espanhol: proibição de quaisquer relações comerciais entre os holandeses e todas as
áreas sob dominação espanhola.

2. REPERCUSSÕES DA UNIÃO DAS MONARQUIAS IBÉRICAS:
· Brasil Filipino:
− reforma da política fiscal: rigidez para evitar a corrupção e os desvios.
− criação do Tribunal de Relação de Salvador: os colonos podiam apelar das sentenças - dinamizou
a prática de justiça.
− a colonização se expandiu no litoral ao norte de Pernambuco, chegando até o Amazonas:
expansão oficial.
− nova divisão política do Brasil (1621): criação do Estado do Maranhão (capitanias do Grão-Pará,
Maranhão e Ceará).
− invasões francesas: França Equinocial no Maranhão.
− invasões holandesas: Bahia e Pernambuco.

3. OBJETIVOS:
· romper o monopólio ibérico;
· recuperar o comércio do açúcar;
· controlar os centros produtores de açúcar;
· estabelecer uma colônia de exploração econômica.

4. AS INVASÕES:
· Os Holandeses na Bahia (1624-1625):
− tentativa fracassada de conquista da Bahia (sede do Governo Geral do Estado do Brasil).
− reação luso-brasileira, comandada pelo bispo D. Marcos Teixeira e por Matias de Albuquerque:
guerrilhas.
− as guerrilhas impediram o avanço holandês para o interior e, por isso, os holandeses só
conquistaram a cidade de Salvador.
− os holandeses são expulsos pelos colonos luso-brasileiros e pela esquadra luso-espanhola
("Jornada dos Vassalos").

· Os Holandeses em Pernambuco (1630-1654):
− os holandeses se refizeram dos prejuízos da invasão da Bahia, saqueando navios que saíam do
Brasil carregados de açúcar e aprisionando galeões espanhóis que saíam da América carregados de
prata.
− invasão e conquista de Pernambuco (maior centro açucareiro do Brasil, mas pouco guarnecido
militarmente).
− a resistência dos colonos, através de guerrilhas no interior, foi comandada por Matias de
Albuquerque: impediram a imediata conquista holandesa de todo o Nordeste açucareiro.
− o principal centro de resistência era o Arraial de Bom Jesus.
− a “traição” de Calabar: este integrante das tropas de resistência passou para o lado holandês e
indicou os focos (centros) de resistência dos colonos → os holandeses passam a ocupar áreas do
litoral nordestino.
− com a queda do Arraial do Bom Jesus (1635), os holandeses começam a efetivar a conquista do
Nordeste.


5. CARACTERÍSTICAS DO DOMÍNIO HOLANDÊS:
− as invasões tiveram um caráter exclusivamente mercantil: foram comandadas pela Companhia das
Índias Ocidentais (WIC).
− aliança com os senhores de engenho.
− respeito às propriedades e à classe dominante colonial.
− tolerância política e religiosa.
− concessão de empréstimos aos senhores de engenho.

6. A ADMINISTRAÇÃO NASSOVIANA (1637-1644):
· Conde João Maurício de Nassau: funcionário da WIC.




− consolidou a dominação holandesa e o sistema produtor de açúcar.
− criou facilidades de produção e comercialização do açúcar.
− domínio do Nordeste brasileiro: do Maranhão até Sergipe.
− criação da Câmara dos Escabinos: assembléia de representantes das várias câmaras municipais
da região.
− monopólio do mercado escravista: domínio de áreas portuguesas na África para garantir o
fornecimento de escravos.
− embelezamento e urbanização de Recife: pontes, palácios, jardins, pavimentação.
− a vinda de intelectuais europeus: Franz Post, Piso, Marcgrave.

7. A INSURREIÇÃO PERNAMBUCANA (1645-1654):
· a luta para expulsar os holandeses do Nordeste do Brasil.
· motivos:
+ mudança da política colonial holandesa (WIC):
− arrocho financeiro: aumento dos impostos, altos preços dos fretes e cobrança de pagamento dos
empréstimos.
− confisco de terras.
* Nassau não concorda com esta política imposta pela WIC ao produtores brasileiros e pede
demissão.
· Líderes: André Vidal de Negreiros, João Fernandes Vieira, Henrique Dias (negro) e pelo índio Poti
(Filipe Camarão).
· Batalhas: Monte das Tabocas (1645), Guararapes (1648 e 1649) e Campina da Taborda (1654).

8. CONSEQUÊNCIAS DA EXPULSÃO:
− Tratado de Haia (1661): a Holanda recebia uma indenização (dinheiro, açúcar, tabaco e sal), a
restituição de sua artilharia e favores no comércio do açúcar.
− o auxílio inglês a Portugal nas lutas contra os espanhóis (1640 - Restauração = D. João IV) e
contra os holandeses e a consequente aliança entre as Coroas inglesa e portuguesa resultaram na
dependência da nação lusitana e do Brasil ao capital inglês.
− crise na empresa açucareira brasileira, devido à concorrência do açúcar produzido pelos
holandeses nas Antilhas: crise econômica no Brasil e crise política e econômica (financeira) em
Portugal (saiu economicamente arruinado do domínio espanhol).

9. CONSELHO ULTRAMARINO (1642):
+ reorganização da administração do Brasil para obter maiores recursos e para garantir o real
controle sobre a colônia.
− limitar os poderes da aristocracia latifundiária.
− centralização política-administrativa.
− limitava o poder das Câmaras Municipais e dos “homens bons”: submissão às autoridades
metropolitanas.
− os juízes passaram a ser nomeados diretamente pelo rei: juízes de fora.
− em 1720, o governo português elevou a colônia a vice-reinado e os governadores passaram a ser
titulados vice-reis: visava aumentar a centralização e o controle do Brasil.
− criação de companhias privilegiadas de comércio para manter um controle mais rígido sobre a
economia: Companhia Geral de Comércio do Brasil e Companhia de Comércio do Estado do
Maranhão.


                                 A EXPANSÃO TERRITORIAL

1. DEFINIÇÃO:
− processo de expansão da colonização para o interior do Brasil, ultrapassando os limites de
Tordesilhas e ampliando o território brasileiro, realizado nos séculos XVII e XVIII.

2. CONTEXTO HISTÓRICO:
− o período do domínio espanhol (1580-1640) foi marcado pela expansão da colonização para o
interior, pela conquista do litoral setentrional norte, pela expansão bandeirante e pela ocupação das
terras além da linha fixada pelo Tratado de Tordesilhas.
− processou-se fundamentalmente de acordo com as necessidades econômicas da Colônia e de
Portugal.

3. FATORES DA EXPANSÃO:
− a expansão oficial: conquista militar do litoral setentrional e colonização do Amazonas;
− a pecuária;
− o bandeirismo;
− a mineração;
− os jesuítas: missões;
− a Colônia do Sacramento (1680).

4. A EXPANSÃO OFICIAL:
· Conquista do litoral setentrional (acima de Pernambuco):
− através de tropas militares para expulsar os franceses e seus aliados indígenas que faziam entre si
o escambo (pau-brasil, pimenta-nativa, algodão nativo).
· Colonização do Amazonas:
− através de tropas militares para expulsar os ingleses e holandeses, que exploravam as “drogas do
sertão” (cacau, baunilha, guaraná, cravo, pimenta, castanhas, ervas aromáticas e medicinais), e de
expedições exploradoras.

5. A PECUÁRIA:
* responsável pela ocupação do sertão do Nordeste e do Sul.
· Pecuária bovina no Nordeste: avanço do gado rumo ao sertão.
− atividade econômica complementar: lavoura canavieira e mineração.
− funções para o engenho: alimento, força de tração animal e meio de transporte.
− inicialmente criado nos engenhos do litoral baiano e pernambucano, o gado penetrou para os
sertões a partir do século XVII.

* Motivos do deslocamento do gado do litoral para o interior:
− crescente expansão da grande lavoura açucareira: o gado estragava as plantações de cana-de-
açúcar;
− necessidade de maior espaço para o plantio da cana: as terras deveriam ser usadas para o plantio
de cana e não para pastagens;
− importância econômica inferior da pecuária.

* Ocupação do sertão nordestino: processo pecuarista de colonização e expansão do interior do
Brasil.
− Rio São Francisco: “Rio dos Currais” - nas suas margens, surgiram várias fazendas de gado.
− a fazenda de gado exigia pouco capital e pouca mão-de-obra.
− o trabalhador era geralmente livre: vaqueiro - recebiam um pequeno salário e um quarto das crias
(após cinco anos de trabalho).
− o fazendeiro e o vaqueiro mantinham um relacionamento amistoso e o vaqueiro, com o tempo,
podia se tornar um fazendeiro (cabeças de gado que recebia e a abundância de terras).
− muitas feiras e fazendas de gado deram origem a vários núcleos de povoamento: centros urbanos.
− o gado realizou a integração de diferentes regiões econômicas.
− atividade econômica voltada para o mercado interno.
− abastecimento da região mineradora: séc. XVIII.
− o couro: matéria-prima fundamental.
− diversificação econômica: couro, leite, carne.

· Pecuária no Sul:
− atividade complementar a da mineração: séc. XVIII.
− gado muar e bovino: vivendo em estado selvagem desde a destruição de missões jesuíticas pelas
bandeiras no século XVII.
− tropas de mula: abastecimento das regiões mineiras.
− estâncias (fazendas): fundadas por paulistas.
− produção de charque (carne-seca).
− os peões boiadeiros viviam submetidos à rigidez da fiscalização dos capatazes e jamais teriam
condições de montar sua própria fazenda.




6. BANDEIRISMO:

· Conceito:
− expedições que penetravam no interior com o objetivo de procurar riquezas (índios para serem
escravizados e metais e pedras preciosas).
· Centro irradiador das Bandeiras:
− a Capitania de São Vicente.

+ Motivo:
− a pobreza econômica da capitania, devido ao fracasso da lavoura de exportação e o seu
isolamento político.
· Ciclos:
− Ouro de Lavagem;
− Caça ao Índio;
− Ouro de Mina;
− Sertanismo de Contrato.

* Ciclo do Ouro de Lavagem:
− zona litorânea.
− Curitiba: Heliodoro Eobanos - ouro de aluvião.
− São Roque: Afonso Sardinha - ouro de aluvião.

* Ciclo da Caça ao Índio ou de apresamento ou de preação:
+ Motivos: necessidade de mão-de-obra.
− aumento da produtividade agrícola.
− as invasões holandesas no Nordeste provocaram a dispersão dos escravos.
− os holandeses dominaram áreas de fornecimento de escravos na África.
+ Características:
− os paulistas passaram a apresar o índio para vendê-lo como escravo.
− missões jesuíticas: Tape, Itatim e Guairá - os índios já estavam aculturados, catequizados.
− bandeirantes: Antônio Raposo Tavares, Manuel Preto.




− decadência: a partir da segunda metade do século XVII, devido à extinção da maioria das missões
e a reconquista do monopólio do tráfico negreiro pelos portugueses após a expulsão do holandeses
do Brasil e da África.

* Ciclo do ouro e do diamante:
+ Motivos:
− a decadência da economia açucareira;
− o estímulo dado pela metrópole: financiamento, títulos e privilégios;
− a decadência do apresamento do índio.
+ Características:
− áreas de exploração (prospecção): Minas Gerais, Goiás e Mato Grosso.
− bandeirantes: Fernão Dias Pais, Antonio Rodrigues Arzão (descobriu ouro em Cataguases em
1693: primeira notícia oficial de descoberta de jazida de ouro), Antonio Dias de Oliveira (Ouro Preto),
Borba Gato (Sabará), Bernardo da Fonseca Lobo (diamantes no Arraial do Tijuco: Diamantina),
Pascoal Moreira (Cuiabá) e Bartolomeu Bueno da Silva Filho (Goiás).

+ Monções:
− expedições fluviais de abastecimento das longínquas e de difícil acesso regiões do Mato Grosso e
Goiás;
− os bandeirantes utilizavam os rios como caminhos naturais: pousadas e roças nas margens.

* Ciclo do Sertanismo de Contrato:
− Bandeiras contratadas por autoridades e senhores de fazendas, principalmente do Nordeste (BA e
PE) para combaterem índios rebelados e negros dos quilombos.
− bandeirante: Domingos Jorge Velho → destruição do Quilombo dos Palmares.




7. COLÔNIA DO SACRAMENTO (1680):
− fundação de uma colônia portuguesa no estuário do rio da Prata, quase em frente a Buenos Aires.




• Motivos:
− a pecuária;
− o comércio do couro;
− o contrabando;
− o interesse nas regiões mineradoras do Peru e Bolívia;
− os interesses ingleses.

• Reação Espanhola:
− reação dos colonos de Buenos Aires e da Coroa Espanhola: invasões à Colônia do Sacramento,
fundação dos Sete Povos das Missões (RS) e assinatura de tratados de limites.

• Tratados de Limites e Formação de Fronteiras:
* Tratado de Lisboa (1681):
− a Espanha reconhecia a posse portuguesa da Colônia do Sacramento.

* Tratado de Utrecht (1715):
− a Espanha é obrigada, mais uma vez, a ceder a Colônia do Sacramento para Portugal.

* Tratado de Madri (1750):
− definia a posse, de direito e de fato, das terras efetivamente ocupadas por Portugal além dos
limites de Tordesilhas.
− não houve participação da Igreja.
− princípio: uti possidetis, uta possideatis (quem possui de fato deve possuir de direito) → a terra
pertence por direito a quem a ocupa → Alexandre de Gusmão.
− a Espanha reconhecia a posse portuguesa de todas as terras efetivamente ocupadas por
portugueses além da linha de Tordesilhas e cedia a Portugal a região dos Sete Povos das Missões.
− Portugal devolveria à Espanha a Colônia do Sacramento.
− por este tratado, o Brasil assumiu, praticamente, sua atual configuração geográfica.




+ Guerras Guaraníticas: 1750 - 1767
− revolta dos índios dos Sete Povos das Missões, liderados pelos jesuítas.
− motivos: os jesuítas não concordavam com a entrega dos Sete Povos das Missões para os
portugueses e os índios suspeitavam de uma possível ocupação de suas terras e da escravização.
− repressão portuguesa: a população de Sete Povos das Missões foi chacinada pela tropas
portuguesas; expulsão dos jesuítas das colônias portuguesas e de Portugal (1759).
Destaque: cacique Sepé Tiaraju.

* Tratado de El Pardo (1761):
− anulava o Tratado de Madri e a Colônia do Sacramento voltava para Portugal.

* Tratado de Santo Ildefonso (1777):
− a Colônia do Sacramento e os Sete Povos das Missões foram devolvidos para a Espanha.

* Tratado de Badajós (1801):
− confirmava os limites estabelecidos pelo Tratado de Madri.
A ECONOMIA MINERADORA (SÉC. XVIII)

1. CONTROLE ADMINISTRATIVO:

• Regimento de 1702:
− a mineração era rigidamente controlada pela metrópole: política fiscal e controle absoluto sobre a
mineração.
− a exploração era livre, mas os mineradores deveriam submeter-se às autoridades da Coroa e
pagar os impostos.

+ Intendência das Minas:
− órgão responsável pelo policiamento, fiscalização e direção da exploração das jazidas, além de
funcionar como um tribunal, e de ser responsável pela cobrança dos impostos.
− todas as minas pertenciam ao rei e o descobridor de uma jazida deveria comunicar à Intendência,
caso contrário seria preso e julgado.
− a mina, depois de descoberta, era dividida pela Intendência em lotes (datas): as duas primeiras
datas eram escolhidas pelo descobridor da mina, a terceira data era reservada para a Coroa e
depois leiloada e as demais datas eram distribuídas com os interessados que tivessem maior
número de escravos.




2. TIPOS DE EXTRAÇÃO:
• Faiscação (Faisqueira):
− pequena extração: no leito dos rios e riachos.
− garimpeiro: geralmente um trabalhador livre que trabalhava isoladamente.
• Lavra (Jazidas):
− mina: grande unidade de extração.
− volume razoável de capital.
− numerosa mão-de-obra escrava.

3. A EXTRAÇÃO DE DIAMANTES:
− descobridor: o bandeirante Bernardo da Fonseca Lobo (1729).
− local: Vale do rio Jequitinhonha → Arraial do Tijuco → Diamantina (MG).
− Regimento dos Diamantes (1730).
* Distrito Diamantino: rígida fiscalização
+ Tipos de Extração:
− a Coroa concedia a particulares o direito de extração e estes pagariam taxas e impostos.
− a Coroa passou a conceder o direito de extração a um único individuo: o contratador.
− o monopólio régio sobre a extração: a região foi fechada e a circulação das pessoas era
controlada.
4. OS IMPOSTOS: carga tributária onerosa e opressiva.
• Quinto: 20% do ouro extraído.
• Casas de Fundição (1719):
− criadas com o objetivo de evitar o contrabando e a sonegação fiscal: facilitar a cobrança do quinto.
− o ouro em pepita e em pó era fundido em barras timbradas com o selo real e quintadas.
• capitação: 17g de ouro por escravo.
• fintas: quotas anuais (100 arrobas).
• derrama: cobrança complementar e violenta do imposto (quinto) atrasado.

5. DESTINO DO OURO BRASILEIRO:
• Tratado de Methuen (1703): Tratado de Panos e Vinhos.
− assinado entre Portugal e Inglaterra.
− estipulava que Portugal teria vantagens alfandegárias na venda de vinhos para a Inglaterra e esta
teria vantagens alfandegárias na venda de manufaturados para Portugal: grande desvantagem
comercial para os portugueses.
− grande parte do ouro brasileiro serviu para a Coroa pagar suas dívidas e cobrir os prejuízos da
balança comercial deficitária.
+ Consequências:
− Portugal tornou-se um país exclusivamente agrário;
− o desenvolvimento manufatureiro foi prejudicado;
− submissão de Portugal ao capital inglês.

6. A DECADÊNCIA DA MINERAÇÃO:
• Fatores:
− o esgotamento das jazidas: ouro de aluvião;
− o baixo nível técnico;
→ a economia colonial entrou novamente em crise.

7. CONSEQUÊNCIAS:
− crescimento demográfico;
− desenvolvimento da vida urbana;
− crescimento do comércio e do artesanato: mercado interno;
− integração entre diferentes regiões do Brasil com a zona mineradora;
− aparecimento de uma camada social média;
− uma certa mobilidade social;
− piores condições de vida e de trabalho para os negros escravos;
− crescimento das atividades intelectuais e culturais: arquitetura, escultura, música religiosa, poesia,
contato com as idéias iluministas → barroco → Tomás Antonio Gonzaga, Cláudio Manuel da Costa,
Silva Alvarenga, Alvarenga Peixoto;
− crescimento da mão-de-obra livre;
− conflitos: Guerra dos Emboabas, Revolta de Filipe dos Santos, Inconfidência Mineira, quilombos
(Rio das Mortes em Minas Gerais e o de Carlota no Mato Grosso).

8. A ÉPOCA POMBALINA (1750-1777): Despotismo Esclarecido
− Marquês de Pombal: ministro do rei D. José I;
− buscou salvar Portugal da dependência inglesa;
    − desejava anular os efeitos desastrosos do Tratado de Methuen para a economia portuguesa;
    − estimulou as manufaturas portuguesas;
    − proibiu a exportação de ouro;
    − combateu vigorosamente o contrabando;
    − criação da Companhia de Comércio do Grão-Pará e Maranhão e da Companhia de Comércio de
    Pernambuco: visava racionalizar a exploração da colônia para recompor a economia da metrópole →
    monopólio do comércio e da navegação;
    − centralismo e fortalecimento do Estado metropolitano: choque com parcela da nobreza e com a
    Companhia de Jesus;
    − expulsou os jesuítas (1759): acusava-os de constituírem um império em terras brasileiras;
    − escolas régias: professores leigos;
    − reforma na Universidade de Coimbra: ciências exatas, naturais e jurídicas;
    − transferência da capital do Estado do Brasil de Salvador para o Rio de Janeiro;
    − política colonial marcada pelos excessos e abusos: política fiscal rígida e opressiva;
    − instituiu a derrama.


                            MOVIMENTOS NATIVISTAS (SÉC. XVII E XVIII)

1. DEFINIÇÃO:
− reações ao domínio metropolitano nos séculos XVII e XVIII.

2. MOTIVOS:
− a forma de exploração econômica pelo sistema colonial;
− o crescimento demográfico colonial;
− o opressivo sistema tributário metropolitano;
− os monopólios;
− a formação de grupos sociais que passam a protestar contra a exploração metropolitana.

3. CARACTERIZAÇÃO:
− não havia consciência completa da exploração colonial e sim de alguns aspectos que prejudicavam
  a classe dominante colonial;
− eram movimentos locais;
− nunca levaram à contestação do pacto colonial como um todo;
− nunca chegaram a formular um projeto de separação política e sempre buscaram, junto à metrópole,
  a legitimação para as suas medidas reivindicatórias;
− eram movimentos reformistas.

4. OS MOVIMENTOS NATIVISTAS:

• Revolta de Beckman (MA-1684):
+ Motivos: os abusos cometidos pelo opressivo monopólio exercido pela Companhia de Comércio do
Maranhão, a falta de mão-de-obra negra, o impedimento de escravizar os índios, o choque dos colonos
(fazendeiros) com os jesuítas (devido à escravização dos índios) e a concorrência (fazendeiros e jesuítas)
na exploração das “drogas do sertão”.

• Guerra dos Emboabas (MG-1709):
+ Motivos: a presença de forasteiros (emboabas) na região das minas, que passaram a controlar o
comércio e a tornarem-se donos de minas, prejudicando os vicentinos, os primeiros descobridores das
minas.

• Guerra dos Mascates (PE-1710):
+ Motivos: choque de interesses entre a aristocracia rural de Olinda (decadente) e os comerciantes ou
mascates de Recife (próspera e urbanizada) e a elevação desta a categoria de vila, separando-a de
Olinda, além das dívidas dos senhores de engenho.




• Revolta de Vila Rica ou de Filipe dos Santos (MG-1720):
+ Motivos: as Casas de Fundição, o aumento da exploração colonial e o monopólio dos reinóis sobre o
comércio.




5. SIGNIFICADOS:
+ Estes movimentos serviram para:
− demonstrar o descontentamento da classe proprietária no Brasil, prejudicada com a dominação
portuguesa.
− mostrar que os interesses da aristocracia rural eram bem diferentes dos interesses portugueses.
− mostrar que o pacto colonial já não estava tão sólido.


                                      HISTÓRIA DA AMÉRICA

                                CIVILIZAÇÕES PRÉ-COLOMBIANAS

1. Incas:
- surgiram por volta do século XII, em função da reunião de povos sob o comando do grupo quíchua na
região peruana de Cuzco.
- poder político: o imperador (inca) era investido de autoridade religiosa e o Estado controlava a
sociedade.
- expansão imperial: os domínios do império estenderam-se do Equador ao norte do Chile.
- cidades: Cuzco (capital do império) e Machu Pichu (planejamento e arquitetura sofisticados).
- sociedade: servidão coletiva e hierarquizada (soberano, funcionários, sacerdotes e camponeses).
- administração:
       o império era dividido em quatro territórios comandados pelos após (chefes);
       o cada território subdividia-se em wamanis (províncias) sob o comando de um kuiricuk
           (governador);
       o os curacas (funcionários hereditários) recolhiam os impostos;
       o os ayllus (aldeias) eram comandadas pelos curacas e pelos camayocs.
- economia:
       o servidão coletiva;
       o as terras eram consideradas propriedade do imperador;
       o as aldeias pagavam impostos (mita: trabalho forçado dos aldeões – mitaios – na realização de
            obras públicas e outros serviços ao governo);
       o base agrária.

2. Maias:
- localização: península mexicana de Iucatã, Guatemala, Belize e Honduras.
- cidades-estados: Palenke, Tikal, Copan, El Tajin, Xochicalco, Colula.
- poder político: era exercido por um poderoso Estado e sua burocracia (administração e cobrança de
impostos).
- sociedade: servidão coletiva (camponeses) e o predomínio social cabia a uma elite militar e sacerdotal
de caráter hereditário.

3. Astecas:
- império que se estendia desde o oeste mexicano até o sul da Guatemala.
- capital: Mexihco – Tenochtitlán.
- os povos dominados eram obrigados a pagar tributos.
- organização política: centralização; império dividido em 38 províncias (império teocrático de regadio).
- economia: agrária; a posse da terra era comunal; as aldeias (calpulli) pagavasm tributos ao Estado.
- sociedade: nobres e sacerdotes, comerciantes e camponeses (servidão coletiva).
                              A COLONIZAÇÃO ESPANHOLA NA AMÉRICA

1. JUSTIFICATIVA:
- como pretexto para a exploração colonial, utilizou-se o argumento da necessidade de civilizar os povos
americanos, por meio da cultura européia e da fé cristã.
- acobertou-se a dominação dizimadora, justificando-a cmo um empreendimento comercial e de
cristianização.

2. A CONQUISTA:
- os conquistadores se utilizavam da pólvora e do cavalo , além de se valerem da fragiliade grupal das
tribos, divididas em facções muitas vezes rivais.
- Hernán Cortez: México (1520)
- Francisco Pizarro e Diogo Almagro: Peru (1530)

3. EXPLORAÇÃO:
- extração de prata e ouro (Bolívia, Peru e México);
- agricultura, criação de animais de tração, como mulas, produção de tecidos (Chile e Argentina).

4. FORMAS DE TRABALHO COMPULSÓRIO:
* a produção colonial foi organizada a partir da exploração da mão-de-obra indígena.
- mita: os índios trabalhavam nas minas por um prazo determinado e sob um pagamneto irrisório; foi
utilizado principalmente nas minas de prata de Potosí (Bolívia) e contribuiu para arruinar a estrutura
comunitária indígena e exterminar a população nativa.
- encomienda: exploração dos nativos como servos nos campos e nas minas; a exploração era
justificada como um pagamento de tributos, feito pelos índios em forma de serviços, por receberem
proteção e educação cristã.

5. SOCIEDADE:
* organizada com base na exploração estabelecida pelo mercantilismo (hierárquica):
- chapetones: espanhóis da metrópole que ocupavam altos postos militares e civis (justiça e
admnistração);
- clero;
- criollos: espanhóis nascidos na América (aristocracia colonial – grandes proprietários e comerciantes)
que, por constituírem a elite colonial, participavam das câmaras municipais (cidades mais importantes),
denominadas cabildos (ou ayuntamientos).
- mestiços;
- índios;
- escravos negros
6. ADMINISTRAÇÃO COLONIAL:

* Conselho Real e Supremo das Índias:
- controlador da colonização;
- nomeação dos vice-reis;
- fiscalização administrativa.


* Casas de Contratação:
- responsável pelos negócios e arrecadação de impostos.

* Sistema de Porto Único:
- refere-se às ligasções comerciais entre metrópole e colônia.
- na América, os portos de saída das mercadorias eram Vera Cruz (México), Porto Belo (Panamá) e
Cartagena (Colômbia).
- na Espanha, a chegada era em Sevilha, depois Cádiz.

* Divisões Administrativas:
- Vice-reinados (4): importância econômica – Nova Espanha, Nova Granada, Peru e Prata, compostos de
intendências governadas por alcaides.
- Capitanias Gerais (4): áreas estratégicas – Cuba, Guatemala, Chile e Venezuela.
COLONIZAÇÃO INGLESA NA AMÉRICA

1. Início: 1584, 1585 e 1587, com três expedições sob o comando de Walter Raleigh.
- costa leste do atual EUA: Carolina do Norte e Virgínia (em homenagem à Elisabeth I).
- não alcançaram o sucesso esperado: os insistentes ataques indígenas arruinaram essa primeira
empresa colonizadora.

2. Edificação: só a partir de 1607 iniciou-se de forma definitiva e duradoura a colonização.
- motivos: consolidação da atividade colonial inglesa, criação de companhias de comércio, excedente
populacional, conflitos religiosos e políticos que estimularam a emigração de puritanos e quakers.

3. Treze Colônias:

* Norte: colônias de povoamento ( New Hampshire, Massachusetts, Rhode Island, Connecticut, Nova
Jersey, Delaware, Nova York e Pensilvânia).
- economia autônoma, mercantil e manufatureira, não dependente da metrópole.
- conhecida como Nova Inglaterra, devido ao clima e às condições naturias semelhantes aos da Europa.
- colonizadores puritanos (peregrinos), vindos no navio Mayflower (1620): Massachusetts (cidade de
Plymouth).
- pequena e média propriedade agrícola: o trablhador era geralmente o próprio colono.
- diversificação da produção: agricultura, comércio, manufaturas e construção naval.
- relações comerciais com as Antilhas, áfrica e até com a Europa: comércios triangulares.
- relativa autonomia econômica e política.
- capitalização.

* Sul: colônias de exploração (Maryland, Virgínia, Carolina do Norte, Carolina do Sul e Geórgia).
- Virgínia: primeira colônia inglesa fundada na América.
- economia agrícola: tabaco, índigo (anil), arroz e algodão.
- produção para o mercado externo.
- plantation: monocultura, grandes propriedades, mão-de-obra escrava.




                                 COLONIZAÇÃO FRANCESA NA AMÉRICA

* CARACTERÍSTICAS:
- iniciou-se efetivamente no século XVII.
- ocupação do Norte da América: Canadá e faixa interior (dos Grandes Lagos ao México – Louisiana).
- ocupação de algumas ilhas das Antilhas (principal: Haiti, foi cedida à França pela Espanha em 1697; no
século XVIII, a região foi a mais próspera colônia francesa na América, graças à exportação de açúcar,
cacau e café.)
- Canadá: colonização baseada no extrativismo de madeiras, peles, na pesca e no comércio com os
indígenas.



                                COLONIZAÇÃO HOLANDESA NA AMÉRICA


* CARACTERÍSTICAS:
- criação da Companhia das Índias Ocidentais (1621): comércio e ocupação de áreas da América.
- invasões ao Nordeste brasileiro (União Ibérica e prejuízo com a interrupção do comércio do açúcar).
- ocupação de algumas ilhas nas Antilhas e Guiana (atual Suriname).
- fundação de Nova Amsterdam, rebatizada de Nova York após a conquista inglesa (séc. XVIII).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ava historia 8ano
Ava historia 8anoAva historia 8ano
Ava historia 8ano
Atividades Diversas Cláudia
 
Atividades de-histc3b3ria-5c2ba-ano-2010-123
Atividades de-histc3b3ria-5c2ba-ano-2010-123Atividades de-histc3b3ria-5c2ba-ano-2010-123
Atividades de-histc3b3ria-5c2ba-ano-2010-123
marcos carlos
 
RevisãO De HistóRia CapíTulo 5
RevisãO De HistóRia   CapíTulo 5RevisãO De HistóRia   CapíTulo 5
RevisãO De HistóRia CapíTulo 5
guestbfdfd8
 
Prova historia topico 8. o “sistema colonial” e a realidade efetiva da coloni...
Prova historia topico 8. o “sistema colonial” e a realidade efetiva da coloni...Prova historia topico 8. o “sistema colonial” e a realidade efetiva da coloni...
Prova historia topico 8. o “sistema colonial” e a realidade efetiva da coloni...
Atividades Diversas Cláudia
 
Regência mãe
Regência mãeRegência mãe
Regência mãe
Alessandra Bertão Ribas
 
Prova historia 2 ano 2 bimestre11
Prova historia 2 ano 2 bimestre11Prova historia 2 ano 2 bimestre11
Prova historia 2 ano 2 bimestre11
Atividades Diversas Cláudia
 
Prova de historia 1 ano brasil colonia
Prova de historia 1 ano brasil coloniaProva de historia 1 ano brasil colonia
Prova de historia 1 ano brasil colonia
Atividades Diversas Cláudia
 
Avaliação diagnóstica de história 8º-2013
Avaliação diagnóstica de história  8º-2013Avaliação diagnóstica de história  8º-2013
Avaliação diagnóstica de história 8º-2013
Atividades Diversas Cláudia
 
Caderno pedagc3b3gico-histc3b3ria-7c2ba-ano-4-bim-2012-aluno
Caderno pedagc3b3gico-histc3b3ria-7c2ba-ano-4-bim-2012-alunoCaderno pedagc3b3gico-histc3b3ria-7c2ba-ano-4-bim-2012-aluno
Caderno pedagc3b3gico-histc3b3ria-7c2ba-ano-4-bim-2012-aluno
ocg50
 
Atividade 11 colegial
Atividade 11 colegialAtividade 11 colegial
Atividade 11 colegial
Elisângela Martins Rodrigues
 
AVALIAÇÃO DE HISTÓRIA: 4º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLO - 2° BIMESTR...
AVALIAÇÃO DE HISTÓRIA: 4º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLO - 2° BIMESTR...AVALIAÇÃO DE HISTÓRIA: 4º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLO - 2° BIMESTR...
AVALIAÇÃO DE HISTÓRIA: 4º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLO - 2° BIMESTR...
Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino
 
íNdio brasileiro rachel
íNdio brasileiro   rachelíNdio brasileiro   rachel
íNdio brasileiro rachel
leopalasjh
 
Avaliação de história5ª série 1
Avaliação de história5ª série 1Avaliação de história5ª série 1
Avaliação de história5ª série 1
Atividades Diversas Cláudia
 
Trabalho de historia brasil colonia e imperio
Trabalho de historia brasil colonia e imperioTrabalho de historia brasil colonia e imperio
Trabalho de historia brasil colonia e imperio
Atividades Diversas Cláudia
 
Trabalho de historia brasil colonia e imperio
Trabalho de historia brasil colonia e imperioTrabalho de historia brasil colonia e imperio
Trabalho de historia brasil colonia e imperio
Atividades Diversas Cláudia
 
Avaliação de história colon
Avaliação de história colonAvaliação de história colon
Avaliação de história colon
Atividades Diversas Cláudia
 
História 2013 3º e 4º bim (4º ano)
História 2013   3º e 4º bim (4º ano)História 2013   3º e 4º bim (4º ano)
História 2013 3º e 4º bim (4º ano)
smece4e5
 
Revisão de história 5ºano
Revisão de história 5ºanoRevisão de história 5ºano
Revisão de história 5ºano
Nadja Dócio
 
Brasil Colônia
Brasil ColôniaBrasil Colônia
Brasil Colônia
Aulas de História
 
AVALIAÇÃO DIAGNOSTICA HISTORIA
AVALIAÇÃO DIAGNOSTICA HISTORIAAVALIAÇÃO DIAGNOSTICA HISTORIA
AVALIAÇÃO DIAGNOSTICA HISTORIA
jose marcelo silva
 

Mais procurados (20)

Ava historia 8ano
Ava historia 8anoAva historia 8ano
Ava historia 8ano
 
Atividades de-histc3b3ria-5c2ba-ano-2010-123
Atividades de-histc3b3ria-5c2ba-ano-2010-123Atividades de-histc3b3ria-5c2ba-ano-2010-123
Atividades de-histc3b3ria-5c2ba-ano-2010-123
 
RevisãO De HistóRia CapíTulo 5
RevisãO De HistóRia   CapíTulo 5RevisãO De HistóRia   CapíTulo 5
RevisãO De HistóRia CapíTulo 5
 
Prova historia topico 8. o “sistema colonial” e a realidade efetiva da coloni...
Prova historia topico 8. o “sistema colonial” e a realidade efetiva da coloni...Prova historia topico 8. o “sistema colonial” e a realidade efetiva da coloni...
Prova historia topico 8. o “sistema colonial” e a realidade efetiva da coloni...
 
Regência mãe
Regência mãeRegência mãe
Regência mãe
 
Prova historia 2 ano 2 bimestre11
Prova historia 2 ano 2 bimestre11Prova historia 2 ano 2 bimestre11
Prova historia 2 ano 2 bimestre11
 
Prova de historia 1 ano brasil colonia
Prova de historia 1 ano brasil coloniaProva de historia 1 ano brasil colonia
Prova de historia 1 ano brasil colonia
 
Avaliação diagnóstica de história 8º-2013
Avaliação diagnóstica de história  8º-2013Avaliação diagnóstica de história  8º-2013
Avaliação diagnóstica de história 8º-2013
 
Caderno pedagc3b3gico-histc3b3ria-7c2ba-ano-4-bim-2012-aluno
Caderno pedagc3b3gico-histc3b3ria-7c2ba-ano-4-bim-2012-alunoCaderno pedagc3b3gico-histc3b3ria-7c2ba-ano-4-bim-2012-aluno
Caderno pedagc3b3gico-histc3b3ria-7c2ba-ano-4-bim-2012-aluno
 
Atividade 11 colegial
Atividade 11 colegialAtividade 11 colegial
Atividade 11 colegial
 
AVALIAÇÃO DE HISTÓRIA: 4º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLO - 2° BIMESTR...
AVALIAÇÃO DE HISTÓRIA: 4º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLO - 2° BIMESTR...AVALIAÇÃO DE HISTÓRIA: 4º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLO - 2° BIMESTR...
AVALIAÇÃO DE HISTÓRIA: 4º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLO - 2° BIMESTR...
 
íNdio brasileiro rachel
íNdio brasileiro   rachelíNdio brasileiro   rachel
íNdio brasileiro rachel
 
Avaliação de história5ª série 1
Avaliação de história5ª série 1Avaliação de história5ª série 1
Avaliação de história5ª série 1
 
Trabalho de historia brasil colonia e imperio
Trabalho de historia brasil colonia e imperioTrabalho de historia brasil colonia e imperio
Trabalho de historia brasil colonia e imperio
 
Trabalho de historia brasil colonia e imperio
Trabalho de historia brasil colonia e imperioTrabalho de historia brasil colonia e imperio
Trabalho de historia brasil colonia e imperio
 
Avaliação de história colon
Avaliação de história colonAvaliação de história colon
Avaliação de história colon
 
História 2013 3º e 4º bim (4º ano)
História 2013   3º e 4º bim (4º ano)História 2013   3º e 4º bim (4º ano)
História 2013 3º e 4º bim (4º ano)
 
Revisão de história 5ºano
Revisão de história 5ºanoRevisão de história 5ºano
Revisão de história 5ºano
 
Brasil Colônia
Brasil ColôniaBrasil Colônia
Brasil Colônia
 
AVALIAÇÃO DIAGNOSTICA HISTORIA
AVALIAÇÃO DIAGNOSTICA HISTORIAAVALIAÇÃO DIAGNOSTICA HISTORIA
AVALIAÇÃO DIAGNOSTICA HISTORIA
 

Semelhante a Hist br am_colonial

História brasil colônia-estrutura política_administrativa_econômica_resumo 01
História   brasil colônia-estrutura política_administrativa_econômica_resumo 01História   brasil colônia-estrutura política_administrativa_econômica_resumo 01
História brasil colônia-estrutura política_administrativa_econômica_resumo 01
Jakson Raphael Pereira Barbosa
 
Colonização do Brasil.
Colonização do Brasil.Colonização do Brasil.
Colonização do Brasil.
Jose Ribamar Santos
 
Conquista e colonização da América portuguesa -ENS. MÉDIO.pptx
Conquista e colonização da América portuguesa -ENS. MÉDIO.pptxConquista e colonização da América portuguesa -ENS. MÉDIO.pptx
Conquista e colonização da América portuguesa -ENS. MÉDIO.pptx
Ulliane1
 
Colonização do brasil
Colonização do brasilColonização do brasil
Colonização do brasil
Jose Ribamar Santos
 
BRASIL-COLÔNIA-SLIDES.pdf
BRASIL-COLÔNIA-SLIDES.pdfBRASIL-COLÔNIA-SLIDES.pdf
BRASIL-COLÔNIA-SLIDES.pdf
KelianeCastro3
 
A américa portuguesa e a presença holandesa
A américa portuguesa e a presença holandesaA américa portuguesa e a presença holandesa
A américa portuguesa e a presença holandesa
Patrícia Sanches
 
Descobrimento da América portuguesa.
Descobrimento da América portuguesa.Descobrimento da América portuguesa.
Descobrimento da América portuguesa.
Lara Lídia
 
Hist 3-aula012011-110710164412-phpapp02
Hist 3-aula012011-110710164412-phpapp02Hist 3-aula012011-110710164412-phpapp02
Hist 3-aula012011-110710164412-phpapp02
eebcjn
 
Tempo colonia data
Tempo colonia dataTempo colonia data
Tempo colonia data
cursinhoembu
 
3ão - aulas 1 e 2 - 1 C - Brasil Colônia
3ão -  aulas 1 e 2 - 1 C - Brasil Colônia3ão -  aulas 1 e 2 - 1 C - Brasil Colônia
3ão - aulas 1 e 2 - 1 C - Brasil Colônia
Daniel Alves Bronstrup
 
Colonização do brasil
Colonização do brasilColonização do brasil
Colonização do brasil
Adriana Gomes Messias
 
Brasil colonia 1
Brasil colonia 1Brasil colonia 1
Brasil colonia 1
harlissoncarvalho
 
Brasil pré colonial e colonial pdf
Brasil pré colonial e colonial pdfBrasil pré colonial e colonial pdf
Brasil pré colonial e colonial pdf
Celso Firmino História, Filosofia, Sociologia
 
Brasil colonia
Brasil coloniaBrasil colonia
Brasil colonia
Carlos Glufke
 
Descobrimento do brasil imagens
Descobrimento do brasil  imagensDescobrimento do brasil  imagens
Descobrimento do brasil imagens
Péricles Penuel
 
Aula 01 a 06 - TILHA 3 COLONIZAÇÃO NA AMÉRICA PORTUGUESA Estrutura política, ...
Aula 01 a 06 - TILHA 3 COLONIZAÇÃO NA AMÉRICA PORTUGUESA Estrutura política, ...Aula 01 a 06 - TILHA 3 COLONIZAÇÃO NA AMÉRICA PORTUGUESA Estrutura política, ...
Aula 01 a 06 - TILHA 3 COLONIZAÇÃO NA AMÉRICA PORTUGUESA Estrutura política, ...
FabioGuimaraes10
 
3° ano Brasil colônia - aula 1 e 2 - apostila 1 c
3° ano   Brasil colônia - aula 1 e 2 - apostila 1 c3° ano   Brasil colônia - aula 1 e 2 - apostila 1 c
3° ano Brasil colônia - aula 1 e 2 - apostila 1 c
Daniel Alves Bronstrup
 
3° ano - Brasil Colônia - aula 1 e 2 - apostila 1 c
3° ano  - Brasil Colônia - aula 1 e 2 - apostila 1 c3° ano  - Brasil Colônia - aula 1 e 2 - apostila 1 c
3° ano - Brasil Colônia - aula 1 e 2 - apostila 1 c
Daniel Alves Bronstrup
 
Brasil colonial
Brasil colonial Brasil colonial
Brasil colonial
Fatima Freitas
 
Brasil Colônia
Brasil ColôniaBrasil Colônia
Brasil Colônia
RaphaelFerreira926156
 

Semelhante a Hist br am_colonial (20)

História brasil colônia-estrutura política_administrativa_econômica_resumo 01
História   brasil colônia-estrutura política_administrativa_econômica_resumo 01História   brasil colônia-estrutura política_administrativa_econômica_resumo 01
História brasil colônia-estrutura política_administrativa_econômica_resumo 01
 
Colonização do Brasil.
Colonização do Brasil.Colonização do Brasil.
Colonização do Brasil.
 
Conquista e colonização da América portuguesa -ENS. MÉDIO.pptx
Conquista e colonização da América portuguesa -ENS. MÉDIO.pptxConquista e colonização da América portuguesa -ENS. MÉDIO.pptx
Conquista e colonização da América portuguesa -ENS. MÉDIO.pptx
 
Colonização do brasil
Colonização do brasilColonização do brasil
Colonização do brasil
 
BRASIL-COLÔNIA-SLIDES.pdf
BRASIL-COLÔNIA-SLIDES.pdfBRASIL-COLÔNIA-SLIDES.pdf
BRASIL-COLÔNIA-SLIDES.pdf
 
A américa portuguesa e a presença holandesa
A américa portuguesa e a presença holandesaA américa portuguesa e a presença holandesa
A américa portuguesa e a presença holandesa
 
Descobrimento da América portuguesa.
Descobrimento da América portuguesa.Descobrimento da América portuguesa.
Descobrimento da América portuguesa.
 
Hist 3-aula012011-110710164412-phpapp02
Hist 3-aula012011-110710164412-phpapp02Hist 3-aula012011-110710164412-phpapp02
Hist 3-aula012011-110710164412-phpapp02
 
Tempo colonia data
Tempo colonia dataTempo colonia data
Tempo colonia data
 
3ão - aulas 1 e 2 - 1 C - Brasil Colônia
3ão -  aulas 1 e 2 - 1 C - Brasil Colônia3ão -  aulas 1 e 2 - 1 C - Brasil Colônia
3ão - aulas 1 e 2 - 1 C - Brasil Colônia
 
Colonização do brasil
Colonização do brasilColonização do brasil
Colonização do brasil
 
Brasil colonia 1
Brasil colonia 1Brasil colonia 1
Brasil colonia 1
 
Brasil pré colonial e colonial pdf
Brasil pré colonial e colonial pdfBrasil pré colonial e colonial pdf
Brasil pré colonial e colonial pdf
 
Brasil colonia
Brasil coloniaBrasil colonia
Brasil colonia
 
Descobrimento do brasil imagens
Descobrimento do brasil  imagensDescobrimento do brasil  imagens
Descobrimento do brasil imagens
 
Aula 01 a 06 - TILHA 3 COLONIZAÇÃO NA AMÉRICA PORTUGUESA Estrutura política, ...
Aula 01 a 06 - TILHA 3 COLONIZAÇÃO NA AMÉRICA PORTUGUESA Estrutura política, ...Aula 01 a 06 - TILHA 3 COLONIZAÇÃO NA AMÉRICA PORTUGUESA Estrutura política, ...
Aula 01 a 06 - TILHA 3 COLONIZAÇÃO NA AMÉRICA PORTUGUESA Estrutura política, ...
 
3° ano Brasil colônia - aula 1 e 2 - apostila 1 c
3° ano   Brasil colônia - aula 1 e 2 - apostila 1 c3° ano   Brasil colônia - aula 1 e 2 - apostila 1 c
3° ano Brasil colônia - aula 1 e 2 - apostila 1 c
 
3° ano - Brasil Colônia - aula 1 e 2 - apostila 1 c
3° ano  - Brasil Colônia - aula 1 e 2 - apostila 1 c3° ano  - Brasil Colônia - aula 1 e 2 - apostila 1 c
3° ano - Brasil Colônia - aula 1 e 2 - apostila 1 c
 
Brasil colonial
Brasil colonial Brasil colonial
Brasil colonial
 
Brasil Colônia
Brasil ColôniaBrasil Colônia
Brasil Colônia
 

Mais de Julia Selistre

Slides revolução industrial
Slides revolução industrialSlides revolução industrial
Slides revolução industrial
Julia Selistre
 
Revolucao industrial
Revolucao industrialRevolucao industrial
Revolucao industrial
Julia Selistre
 
Revoluã§ã£o francesa
Revoluã§ã£o francesaRevoluã§ã£o francesa
Revoluã§ã£o francesa
Julia Selistre
 
Revol inglesa
Revol inglesaRevol inglesa
Revol inglesa
Julia Selistre
 
Resumo revlução industrial
Resumo revlução industrialResumo revlução industrial
Resumo revlução industrial
Julia Selistre
 
Moderna ii, contemporânea i,brasil_império_i,américa_ii
Moderna ii, contemporânea i,brasil_império_i,américa_iiModerna ii, contemporânea i,brasil_império_i,américa_ii
Moderna ii, contemporânea i,brasil_império_i,américa_ii
Julia Selistre
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
Julia Selistre
 
Corte port independ
Corte port independCorte port independ
Corte port independ
Julia Selistre
 
Brasil séc. xviii
Brasil   séc. xviiiBrasil   séc. xviii
Brasil séc. xviii
Julia Selistre
 
America inglesa
America inglesaAmerica inglesa
America inglesa
Julia Selistre
 
America espanhola
America espanholaAmerica espanhola
America espanhola
Julia Selistre
 
Texto complementar rev. industrial
Texto complementar rev. industrialTexto complementar rev. industrial
Texto complementar rev. industrial
Julia Selistre
 
Geomorfologia brasileira recursos minerais
Geomorfologia brasileira   recursos mineraisGeomorfologia brasileira   recursos minerais
Geomorfologia brasileira recursos minerais
Julia Selistre
 
Clima
ClimaClima
Present perfect 2
Present perfect 2Present perfect 2
Present perfect 2
Julia Selistre
 
Pp1 since for_london
Pp1 since for_londonPp1 since for_london
Pp1 since for_london
Julia Selistre
 

Mais de Julia Selistre (20)

Slides revolução industrial
Slides revolução industrialSlides revolução industrial
Slides revolução industrial
 
Revolucao industrial
Revolucao industrialRevolucao industrial
Revolucao industrial
 
Revoluã§ã£o francesa
Revoluã§ã£o francesaRevoluã§ã£o francesa
Revoluã§ã£o francesa
 
Revol inglesa
Revol inglesaRevol inglesa
Revol inglesa
 
Resumo revlução industrial
Resumo revlução industrialResumo revlução industrial
Resumo revlução industrial
 
Moderna ii, contemporânea i,brasil_império_i,américa_ii
Moderna ii, contemporânea i,brasil_império_i,américa_iiModerna ii, contemporânea i,brasil_império_i,américa_ii
Moderna ii, contemporânea i,brasil_império_i,américa_ii
 
Indep eua (1)
Indep eua (1)Indep eua (1)
Indep eua (1)
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
Corte port independ
Corte port independCorte port independ
Corte port independ
 
Brasil séc. xviii
Brasil   séc. xviiiBrasil   séc. xviii
Brasil séc. xviii
 
America inglesa
America inglesaAmerica inglesa
America inglesa
 
America espanhola
America espanholaAmerica espanhola
America espanhola
 
Texto complementar rev. industrial
Texto complementar rev. industrialTexto complementar rev. industrial
Texto complementar rev. industrial
 
Geomorfologia brasileira recursos minerais
Geomorfologia brasileira   recursos mineraisGeomorfologia brasileira   recursos minerais
Geomorfologia brasileira recursos minerais
 
Clima
ClimaClima
Clima
 
Present perfect 2
Present perfect 2Present perfect 2
Present perfect 2
 
Pp1 since for_london
Pp1 since for_londonPp1 since for_london
Pp1 since for_london
 
Dois4
Dois4Dois4
Dois4
 
Dois3
Dois3Dois3
Dois3
 
Dois2
Dois2Dois2
Dois2
 

Hist br am_colonial

  • 1. HISTÓRIA DO BRASIL A COMUNIDADE INDÍGENA DO BRASIL PRÉ-CABRALINO 1. O TERMO ÍNDIO: − o termo índio nasceu de um engano histórico: ao desembarcar na América, o navegador Cristóvão Colombo chamou seus habitantes de índios, pois pensava ter chegado nas Índias. − outras designações para o habitante da América pré-colombiana: aborígene, ameríndio, autóctone, brasilíndio, gentio, íncola, “negro da terra”, nativo, bugre, silvícola, etc. − o termo índio designa quem habitava e ainda habita as terras que receberiam o nome de América. 2. DIVERSIDADE CULTURAL: − os diferentes povos indígenas do Brasil (Pindorama ou Piratininga), a exemplo dos demais índios da América, tinham maneiras próprias de organizar-se: diferentes modos de vida, línguas e culturas. 3. NAÇÕES INDÍGENAS: + Classificação: baseada em critérios linguísticos. · Tupi: litoral. · Jê ou Tapuia (Macro-Jê): Planalto Central. · Nuaruaque: bacia Amazônica. · Caraíba: norte da bacia Amazônica. 4. ORGANIZAÇÃO SOCIAL: · Regime de Comunidade Primitiva − igualdade social. − relação coletiva com a terra. − divisão do trabalho por sexo e idade. − socialização das técnicas de produção. − distribuição igualitária. − pequeno desenvolvimento tecnológico. − produção voltada para o autoconsumo. − era muito pequena a produção de excedente. − habitação: malocas (ocas) − aldeia (taba) − tribo − nação. Oca = casa comunal − nomadismo e semi-nomadismo. − atividades econômicas: caça, pesca, coleta e agricultura. − instrumentos rudimentares. − religião: politeísta  Pajé=sacerdote. − política: chefe de maloca – Conselho − chefe da aldeia (principal, cacique ou morubixaba). − a guerra tinha muita importância e era fonte de prestígio e elevação de status. − costumes: -coivara: queimada. -couvade: resguardo do pai da criança. -antropofagia: ritual. -dar presentes: generosidade na distribuição de bens. -casamento:poligênico (o homem ter mais de uma mulher) e poliândrico (mulher casada com vários homens).
  • 2. O DESCOBRIMENTO DO BRASIL 1. PEDRO ÁLVARES CABRAL: − navegador português. − a esquadra enviada por D. Manuel, rei de Portugal, às Índias, tinha como objetivo estabelecer uma sólida relação comercial e política com os povos do Oriente. − 22 de abril de 1500: Cabral oficializa a posse de Portugal sobre o Brasil. − o Descobrimento do Brasil fez parte de um processo mais amplo de expansão marítima, comercial e territorial realizada pelos europeus no início da Idade Moderna, ou seja, o descobrimento do Brasil e sua colonização devem ser analisados como uma etapa do desenvolvimento comercial europeu. − Nomes: Monte Pascoal  Ilha de Vera Cruz  Terra de Santa Cruz  Brasil ("terra abençoada", em celta-irlandês; nome já constava em mapas medievais dos séculos XIV e XV). · Controvérsias sobre o descobrimento: + casualidade ou intencionalidade ? + descobrimento, conquista , encontro de culturas ou achamento ? *Hipótese mais aceita: intencionalidade e conquista. - razões: conhecimentos náuticos portugueses; Tratado de Tordesilhas (1494). PERÍODO PRÉ-COLONIAL (1500-1530) 1. CONCEITO: − período (1500-30) em que Portugal não se interessa pela efetiva colonização do Brasil, em função deste não preencher os seus interesses mercantilistas (metais e comércio). 2. MOTIVOS DO DESINTERESSE DE PORTUGAL PELA COLONIZAÇÃO: − os portugueses não encontraram, no Brasil, sociedades organizadas com base na produção para mercados; − o Brasil não oferecia metais preciosos nem produtos para o comércio; − a crise demográfica portuguesa; − Portugal estava concentrado em torno do comércio oriental. 3. CARACTERÍSTICAS: − durante esse período, Portugal limitou-se a enviar para o Brasil expedições de reconhecimento e de defesa, iniciando a extração do pau-brasil. 4. EXPEDIÇÕES EXPLORADORAS: · Gaspar de Lemos (1501); · Gonçalo Coelho (1503). + objetivos: fazer o reconhecimento geográfico e verificar as possibilidades de exploração econômica da nova terra descoberta. + resultados: denominação dos acidentes geográficos e constatação da existência de pau-brasil.
  • 3. 5. EXPEDIÇÕES GUARDA-COSTEIRAS: · Cristóvão Jacques (1516-1526). + objetivos: policiar o litoral e expulsar os contrabandistas. 6. EXPLORAÇÃO DO PAU-BRASIL: − primeira atividade econômica portuguesa no Brasil → exploração e comércio da madeira de tinturaria. − atividade extrativa, assistemática e predatória. − estanco: monopólio régio ; uma limitação ao exercício de uma atividade econômica, salvo o seu desempenho pela Coroa ou a quem esta delegasse. - escambo: tipo de relação de trabalho onde há troca de serviço/mercadoria por outra mercadoria; o corte e o transporte da madeira eram feitos pelos indígenas que, em troca, recebiam bugigangas. − feitorias: eram os depósitos que armazenavam as toras de pau-brasil. ↳ não geraram povoamento. 1502 - arrendamento da extração de pau-brasil, por três anos, a Fernão de Noronha (cristão-novo), 1º capitão-donatário do Brasil. PERÍODO COLONIAL O INÍCIO DA COLONIZAÇÃO (1530) 1. MOTIVOS: − a constante e crescente presença francesa no litoral do Brasil: ameaça à posse portuguesa; − a decadência do comércio das Índias: problemas financeiros; − a descoberta de metais preciosos na América Espanhola (prata no Peru, ouro no México). 2. A EXPEDICÃO COLONIZADORA DE MARTIM AFONSO DE SOUSA (1531): · Objetivo: lançar os fundamentos da ocupação efetiva da terra, estabelecendo núcleos de povoamento (povoar a terra, defendê-la, organizar sua administração e sistematizar a exploração econômica, ou seja, colonizar). − colonizar: ocupar um região para explorá-la economicamente. · Ação colonizadora: − instalação do primeiro núcleo de povoamento português no Brasil:a vila de São Vicente (1532); − implantação da primeira unidade produtora de açúcar no Brasil: o Engenho do Senhor Governador ou São Jorge dos Erasmos (1533); − introdução das primeiras cabeças de gado; − início da utilização de escravos africanos.
  • 4. ADMINISTRAÇÃO COLONIAL 1. SIGNIFICADO: + a organização político-administrativa do Brasil-Colônia estava calcada na divisão territorial em Capitanias, no estabelecimento dos Governos Gerais e na criação das Câmaras Municipais; + atendia às necessidades inerentes à relação Metrópole-Colônia: − promover a ocupação territorial do Brasil através do povoamento; − evitar gastos supérfluos com o envio de funcionários da Metrópole para a Colônia; − possibilitar a efetivação do interesses mercantilistas metropolitanos; − defender a colônia dos ataques e invasões das potências rivais. 2. CAPITANIAS HEREDITÁRIAS (1534): · Objetivo: acelerar a efetiva colonização do Brasil, transferindo para particulares os encargos da colonização. · Funcionamento: Portugal buscava atrair os interesses de alguns nobres portugueses pelo Brasil, dando a eles direitos e poderes sobre a terra e transformando-os em donatários das capitanias. · Documentos: + Carta de Doação: estipulava a concessão da capitania ao donatário. + Foral: determinava os direitos e deveres dos donatários e funcionava como um código tributário. − os donatários recebiam poderes políticos, judiciários e administrativos, de que lhes advinham vantagens econômicas. − fundação de vilas, concessão de sesmarias, redízima (1/10) das rendas da Coroa, vintena (5%) sobre o valor do pau-brasil e da pesca, cobrança de tributos sobre todas as salinas, moendas de água e engenhos (só podiam ser construídos com a sua licença). · Características: − processo de colonização descentralizado: sistema político-administrativo descentralizado; − os donatários recebiam as capitanias não como proprietários, mas como administradores (posse); − as capitanias eram hereditárias, indivisíveis, intransferíveis e inalienáveis; − os donatários deveriam arcar com as despesas da colonização; − o Brasil foi dividido em capitanias hereditárias (grandes lotes de terras) entre os donatários; − para fins administrativos, a capitania no Brasil se dividia em comarcas, as comarcas em termos, e os termos em freguesias; − sistema já utilizado por Portugal nas suas ilhas atlânticas: Açores, Madeira e Cabo Verde. · Capitanias que prosperaram: − São Vicente (Martim Afonso de Sousa): auxílio da Coroa Portuguesa ; devido ao fracasso da lavoura de exportação (distância da metrópole e concorrência nordestina), foi lentamente regredindo para uma lavoura de subsistência. − Pernambuco (Duarte Coelho): excelente administração, aliança com os índios, financiamento do capital flamengo (holandês) e desenvolvimento do agromanufatura açucareira. · Fracasso do Sistema: + Fatores: − as dificuldades encontradas na empresa de colonização; − a falta de recursos dos donatários (inviabilidade da colonização, baseada exclusivamente no capital particular); − a descentralização (choque com os interesses do Estado absolutista português); − os ataques dos índios; − a distância da metrópole; − a falta de comunicação entre as capitanias; − a má administração e a falta de interesse dos donatários. 3. GOVERNO GERAL (1548): · Motivo: o fracasso do sistema de Capitanias ( falta de recursos e descentralização). · Objetivos: centralizar a administração e dar apoio às capitanias. · Características: − as capitanias não foram extintas; com o tempo, as capitanias foram passando para o domínio real, porque Portugal ou as confiscava por abandono, ou as comprava dos herdeiros. Contudo, a última capitania só desapareceu em 1759, por determinação do marquês de Pombal. − os donatários passaram a prestar obediência ao governador-geral. − o governador era o representante do rei na colônia. · Documento: + Regimento de 1548: conjunto de leis que determinava as funções administrativa, judicial, militar e tributária do governador-geral.
  • 5. · Assessores: − ouvidor-mor: Justiça; − provedor-mor: Finanças (negócios da Fazenda); − capitão-mor: defesa da costa; − alcaide-mor: chefe da milícia. · Governadores-gerais: + Tomé de Sousa (1549-53): − a Bahia foi transformada em Capitania Real do Brasil e passou a ser sede do Governo Geral; − fundação da primeira cidade (Salvador); − fundação do primeiro bispado do Brasil; − fundação do primeiro colégio; − incentivo à agricultura e à pecuária; − alguns jesuítas vieram chefiados por Manuel da Nóbrega. + Duarte da Costa (1553-58): − conflito com o bispo Pero Fernandes Sardinha; − invasão francesa no Rio de Janeiro: fundaram a França Antártica (1555); − fundação do Colégio de São Paulo (25.01.1554): José de Anchieta e Manuel da Nóbrega. + Mem de Sá (1558-72): − fundação da cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro (01.03.1565): Estácio de Sá; − expulsão do franceses em 1567; − reunião dos índios em missões (reduções). 4. CÂMARAS MUNICIPAIS: + responsáveis pela administração dos municípios (cidades e vilas): pelourinho. − conservação das ruas, limpezas da cidade e arborização; − construção de obras públicas: estradas, pontes, calçadas e edifícios; − regulamentação dos ofícios, do comércio, das feiras e mercados; − abastecimento de gêneros e cultura da terra. + representavam o poder local (o verdadeiro poder político colonial): o poder dos proprietários de terras, de engenhos e de escravos - os “homens bons”. + composição: almocatéis (fiscalizavam o cumprimento da lei), procurador (representante judicial), vereadores (“homens bons”) e um juiz (ordinário ou de fora). + atuaram principalmente no Nordeste açucareiro. + tiveram seus poderes reduzidos a partir de 1642, com a criação do Conselho Ultramarino: centralização administrativa. 5. DIVISÕES ADMINISTRATIVAS DO BRASIL: − 1572 : Governo do Norte: sede em Salvador - Luís de Brito Governo do Sul: sede no Rio de Janeiro - Antonio Salema. − 1578: unificação com Lourenço da Veiga. − 1580-1640: a estrutura político-administrativa do Brasil colonial sofreu mudanças com a ascensão dos Felipes ao trono português; − 1621: Estado do Maranhão: sede em São Luís, mais tarde transformado em Estado do Grão- Pará e Maranhão, com sede em Belém. Estado do Brasil: sede em Salvador e, a partir de 1763, com sede no Rio de Janeiro. − 1774: nova unificação. 6. ADMINISTRAÇÃO ECLESIÁSTICA: + a administração eclesiástica acompanhou no Brasil Colonial a própria evolução administrativa da Colônia: − a criação de capitanias, comarcas e freguesias eram acompanhadas pela criação de prelazias, dioceses e paróquias. − a Igreja Católica teve papel relevante no processo de colonização: catequização do índio pelos jesuítas e a utilização dos silvícolas como mão-de-obra nas propriedades da Companhia de Jesus. − o ponto fundamental dos confrontos entre os padres jesuítas e os colonos referia-se à escravização dos indígenas e, em especial, à forma de atuar dos bandeirantes, e, no norte da Colônia, também devido à exploração das “drogas do sertão”. − os jesuítas pretendiam criar uma "teocracia" na América Latina e monopolizar o controle dos indígenas.
  • 6. − os jesuítas, intimamente relacionados com a expansão européia e a realidade colonial, foram expulsos de Portugal e do Brasil no reinado de D. José I (na época do ministro Marquês de Pombal). + O projeto missionário e catequizador dos jesuítas: − os jesuítas atuaram em duas frentes: o trabalho missionário com os índios e a educação com a fundação dos colégios. − a legitimação da espoliação e da fraternidade cristã. − a simbiose da alegoria cristã e do pensamento mercantil. − o ardor da diplomacia cristã, mistura de veemência e ambiguidade. − os caminhos violentos e sedutores da pedagogia missionária: "missões" e conflitos com colonos e bandeirantes. + Educação: − na Educação, através das Ordens Religiosas, a Igreja monopolizou as instituições de ensino até o século XVIII. − a Companhia de Jesus foi instrumento fundamental para a evangelização das colônias americanas: − o ensino desenvolveu-se influenciado pela cultura religiosa do colonizador; − não conseguiram dissociar a evangelização do processo colonizador luso-brasileiro; − os jesuítas procuraram aprender as línguas indígenas; − os jesuítas pretenderam divulgar a fé, formando novos súditos tementes a Deus e obedientes ao rei; − os jesuítas catequizavam os indígenas e educavam os índios e colonos; − os jesuítas exerceram um papel de grande importância em relação à educação dos filhos dos grandes proprietários de escravos e terras até sua expulsão. Sua presença foi tão significativa que seus colégios constituíram-se enquanto marcos da ação colonizadora portuguesa na América; − contribuíram para amenizar as tensões entre indígenas e colonos; − os jesuítas tinham por objetivo promover a Igreja Católica e, para isso, acabaram por alterar a cultura indígena (aculturação dos indígenas, à medida que a colonização portuguesa se consolidava); − quanto à escravidão, tanto os jesuítas quanto a Igreja Católica, no período colonial, se limitavam ao repúdio às torturas e aos maus tratos, não havendo, porém, questionamento da escravidão enquanto instituição: as desigualdades terrenas são reconhecidas pelos jesuítas, que elegem como espaço de julgamento o fórum divino; − o negro foi excluído da catequese e do processo de educação, porque existia a crença de que o negro não tinha alma. A ECONOMIA AÇUCAREIRA (SÉC. XVI E XVII) 1. O ANTIGO SISTEMA COLONIAL: − sistema de dominação da metrópole sobre a colônia: conjunto de relações políticas, econômicas, sociais, ideológicas e culturais. − um conjunto de normas e leis que regulam as relações metrópole-colônia, principalmente no campo econômico. · Pacto Colonial: − relação de domínio exclusivo do comércio colonial pela metrópole: monopólio. − também chamado “regime do exclusivo colonial”, denomina o sistema de monopólio comercial e controle econômico imposto pelas metrópoles às suas colônias nos Tempos Modernos (capitalismo comercial/mercantilismo). + O Sentido da Colonização: − o monopólio do comércio das colônias pela metrópole define o sistema colonial, porque é através dele que as colônias preenchem sua função histórica de produzir riquezas para o maior desenvolvimento econômico da metrópole: a colonização toma o aspecto de uma vasta empresa comercial destinada a explorar os recursos das colônias em proveito do comércio europeu. − monopólio: - as colônias são áreas complementares da economia metropolitana; - as colônias só podem comerciar com a metrópole: só podiam vender seus produtos para o grupo mercantil metropolitano; - as colônias não podem ter fábricas e são obrigadas a consumirem os produtos manufaturados da metrópole; - as colônias só podem produzir o que a metrópole não tem condições de fazer, nunca concorrer com ela; - as colônias devem produzir em larga escala, a baixos custos e com o máximo de lucratividade.
  • 7. 2. COLONIZAÇÃO DE BASE AGRÍCOLA: − colonização: desdobramento da expansão marítima e comercial européia; − a agricultura foi o recurso encontrado para a exploração do litoral brasileiro; − a colonização foi organizada em torno do cultivo da cana-de-açúcar; − valorização econômica das terras; − passou-se do âmbito da circulação de mercadorias para o da produção; − com a empresa açucareira, Portugal solucionava o seu problema de utilização econômica das suas terras americanas e o Brasil se integrava, como fonte produtora, aos mercados consumidores europeus; − colonização: instrumento de acumulação de capital na Europa. 3. MOTIVOS DA ESCOLHA DO AÇÚCAR: − existência de mercados consumidores na Europa; − a participação holandesa no financiamento, refino e distribuição do produto; − a experiência portuguesa; − a qualidade do solo (massapê) e as condições climáticas. 4. EMPRESA AÇUCAREIRA: − estrutura de empresa comercial exportadora. − empresa de base agrícola, destinada à exploração econômica e à colonização do litoral brasileiro, principalmente o nordestino (principal centro produtor). − o engenho: unidade de produção (moenda, casa-grande, senzala, capela, canaviais) ; exigia grandes investimentos. − tipos de engenho: os reais, movidos à água, e os trapiches, que utilizavam tração animal. − Nordeste: principal centro produtor (PE e BA). − trabalhadores livres: mestre do açúcar, feitor, lavradores contratados. − grupo flutuante formado por mestiços, mamelucos, rendeiros e agregados. − a montagem da empresa açucareira obedeceu ao sistema de plantation. · Plantation: + sistema de produção: − monocultura: especialização na produção de um artigo de real interesse no mercado europeu.
  • 8. − escravismo: utilização de numerosa força de trabalho compulsória (escrava): índia, depois africana. − latifúndio: grande propriedade de terra. −dependência externa: havia uma total ausência de autonomia dos produtores e a economia ficava atrelada ao mercado europeu e inteiramente voltada para o mercado externo. 5. SOCIEDADE COLONIAL AÇUCAREIRA: − uma sociedade caracterizada pelo caráter predominante do trabalhador escravo, base da economia colonial e do prestígio do grande proprietário. − uma sociedade conservadora, patriarcal, escravista, rural (agrária). − o engenho era o centro dinâmico de toda a vida colonial e onde a pouca vida urbana era mero prolongamento da vida rural. − uma organização social intimamente articulada à propriedade e à riqueza. + início do processo de miscigenação entre os três grandes grupos étnicos responsáveis pela formação da sociedade colonial brasileira: o índio americano, o branco europeu e o negro africano. • mulato: mestiço de branco com negro. • mameluco (caboclo): mestiço de índio com branco. • cafuzo: mestiço de negro com índio. 6. A ESCRAVIDÃO: + Motivos da utilização da mão-de-obra escrava: − a plantation exigia uma grande quantidade de trabalhadores. − crise demográfica portuguesa. − a inviabilidade da utilização da mão-de-obra branca, devido à sua escassez e ao seu custo. − os trabalhadores europeus não se sentiam atraídos em trabalhar na colônia: difíceis condições de trabalho. − os lucros proporcionados pelo tráfico de escravos. · Escravidão Indígena: − os índios foram utilizados como escravos no início da economia canavieira, contudo, demonstrou- se incompatível com a produção açucareira e foram substituídos pelos negros africanos. * Motivos da substituição do índio pelo negro na grande lavoura açucareira: − a imposição de um trabalho disciplinado, vigiado, forçado, ordenado, dinâmico, organizado e metódico chocou-se com a cultura indígena; − a alta lucratividade operada pelo tráfico negreiro, que, para ser mantida, necessitava manter a escravidão negra.
  • 9. * Consequências da Escravidão e da Colonização sobre os Índios: − massacre de milhares de índios; − ocupação de suas terras; − o contato do branco europeu com a comunidade indígena destruía a cultura do índio; − desestruturação do sistema produtivo e das instituições indígenas; − mortalidade em função de doenças contraídas dos brancos europeus. * Áreas Periféricas: − o escravismo indígena ocorria principalmente em áreas muito pobres, onde os colonos não tinham recursos para comprar escravos negros: São Vicente e Maranhão. · Escravidão Negra: − os negros foram introduzidos no Brasil a fim de atender às necessidades do colono branco, dos grupos mercantis e da Coroa Portuguesa.
  • 10. + Formas de Aquisição do Negro na África: − caça, captura e aprisionamento; − compra de africanos ao chefes locais (sobas): muitas tribos africanas passaram a escravizar outras para vendê-las aos traficantes em troca de bugigangas (vidro, facões, panos, fumo, rapadura, cachaça). + Tráfico Negreiro: − navios negreiros (tumbeiros) - 30% de mortalidade no transporte dos escravos. − banzo (depressão, saudade da terra natal). − marcados com ferro. − os negros (peças do gentio da Guiné) eram embarcados geralmente em Angola, Moçambique e Guiné e desembarcados em Recife, Salvador e Rio de Janeiro. Navio negreiro + Grupos : − Sudaneses: oriundos da Nigéria, Daomé, Costa do Ouro (Ioruba, Jejes, Fanti-ashantis). − Bantos: divididos em dois grupos (angola-congoleses e moçambiques). − Malês: sudaneses islamizados. + Resistência do Negro à Escravidão: − evitando a reprodução; − suicidando-se; − matando feitores e capitães-do-mato; − fugindo; − formando quilombos. + Quilombos: − comunidades negras formadas por escravos que fugiam dos seus senhores e passavam a viver em liberdade. * Quilombo dos Palmares (1630 -1694): - localizava-se no atual estado de Alagoas, na Serra da Barriga. - o número de habitantes do quilombo cresceu durante a invasão holandesa em Pernambuco. - produziam e faziam um pequeno comércio com as aldeias próximas. - simbolizava a liberdade e, por isso, era uma atração constante para novas fugas de escravos. - representava uma ameaça à ordem escravocrata. - líder: Zumbi. - em 1694, foi destruído pelo paulista Domingos Jorge Velho, contratado pelos senhores nordestinos. - em 20 de novembro de 1695, Zumbi foi morto numa emboscada. 7. ATIVIDADES ECONÔMICAS COMPLEMENTARES:
  • 11. − paralelamente ao desenvolvimento da lavoura açucareira, desenvolveu-se na colônia um setor de subsistência responsável pela produção de gêneros, que vinham atender às necessidades básicas dos colonos e escravos: pecuária e cultivo do tabaco, algodão, mandioca, milho, feijão. · a mandioca era o principal produto agrícola de subsistência para o consumo interno: elemento básico da alimentação do brasileiro. · o fumo era o produto de exportação que servia para aquisição de escravos no mercado africano: cultivado em zonas restritas da Bahia e Alagoas. · o algodão era usado no fabrico de tecidos de baixa qualidade, destinados à confecção de roupas para os mais pobres e escravos: cultivados no Maranhão e Pernambuco. AS INVASÕES FRANCESAS 1. MOTIVOS: · O Tratado de Tordesilhas, que dividia o novo mundo descoberto entre Portugal e Espanha e marginalizava (excluía) as outras nações européias; · Interesses econômicos: o tráfico do pau-brasil, da pimenta nativa, do algodão nativo e produção de gêneros tropicais. 2. AS INVASÕES: · Rio de Janeiro (1555-1567): França Antártica. · Maranhão (1612-1615): França Equinocial. 3. A FRANÇA ANTÁRTICA: · Objetivos: − fundar uma colônia de exploração econômica; − abrigar os protestantes (huguenotes) que eram perseguidos pelas guerras de religião. · Comandante: − Nicolau Durand de Villegaignon. · Ocupação: − os franceses se instalaram nas ilhas de Serigipe, Paranapuã, Uruçumirim e Laje. − aliaram-se aos índios tamoios: formação da Confederação dos Tamoios. · Expulsão: − a Confederação dos Tamoios foi dissolvida (1563) por Nóbrega e Anchieta, que fizeram um acordo com os índios através do armistício de Iperoig (Ubatuba). − na expulsão dos franceses, o governador Mem de Sá contou com o auxílio de Estácio de Sá, dos índios Temininós (Araribóia) e pelos tamoios do sul. − fundação da cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro (01.03.1565): Estácio de Sá. − os franceses são expulsos em 1567. 4. A FRANÇA EQUINOCIAL: · Objetivo:
  • 12. − fundar uma colônia de exploração econômica. · Comandante: − Daniel de La Touche. · Ocupação: − fundação da povoação de São Luís (homenagem ao rei francês Luís XIII). · Expulsão: − os franceses são expulsos em 1615 pelas tropas portuguesas comandadas por Jerônimo de Albuquerque e Alexandre de Moura. 5. A OCUPAÇÃO PORTUGUESA DO LITORAL ACIMA DE PERNAMBUCO: · Quando os franceses foram expulsos do Rio de Janeiro, procuraram alojar-se no litoral acima de Pernambuco e foi da luta contra eles que iniciou o povoamento: − Paraíba: Filipéia de Nossa Senhora das Neves (1584) - João Pessoa. − Rio Grande do Norte: Forte dos Reis Magos (1599) - Natal. − Ceará: Forte de Nossa Senhora do Amparo (1613) - Fortaleza. − Pará: Forte do Presépio (1616) - Belém. AS INVASÕES HOLANDESAS 1. MOTIVOS: · a União das Monarquias Ibéricas (1580-1640): Portugal e suas colônias submetidos ao domínio espanhol - Juramento de Tomar (1581), feito por Filipe II da Espanha (respeito à particularismos portugueses, "asiento" - concessão da venda de escravos nas colônias espanholas da América à burguesia portuguesa); · os conflitos político-militares entre a Espanha e a Holanda: devido à separação da Holanda do domínio espanhol; · o Embargo Espanhol: proibição de quaisquer relações comerciais entre os holandeses e todas as áreas sob dominação espanhola. 2. REPERCUSSÕES DA UNIÃO DAS MONARQUIAS IBÉRICAS: · Brasil Filipino: − reforma da política fiscal: rigidez para evitar a corrupção e os desvios. − criação do Tribunal de Relação de Salvador: os colonos podiam apelar das sentenças - dinamizou a prática de justiça. − a colonização se expandiu no litoral ao norte de Pernambuco, chegando até o Amazonas: expansão oficial. − nova divisão política do Brasil (1621): criação do Estado do Maranhão (capitanias do Grão-Pará, Maranhão e Ceará). − invasões francesas: França Equinocial no Maranhão. − invasões holandesas: Bahia e Pernambuco. 3. OBJETIVOS: · romper o monopólio ibérico; · recuperar o comércio do açúcar; · controlar os centros produtores de açúcar; · estabelecer uma colônia de exploração econômica. 4. AS INVASÕES: · Os Holandeses na Bahia (1624-1625): − tentativa fracassada de conquista da Bahia (sede do Governo Geral do Estado do Brasil). − reação luso-brasileira, comandada pelo bispo D. Marcos Teixeira e por Matias de Albuquerque: guerrilhas. − as guerrilhas impediram o avanço holandês para o interior e, por isso, os holandeses só conquistaram a cidade de Salvador. − os holandeses são expulsos pelos colonos luso-brasileiros e pela esquadra luso-espanhola ("Jornada dos Vassalos"). · Os Holandeses em Pernambuco (1630-1654): − os holandeses se refizeram dos prejuízos da invasão da Bahia, saqueando navios que saíam do Brasil carregados de açúcar e aprisionando galeões espanhóis que saíam da América carregados de prata.
  • 13. − invasão e conquista de Pernambuco (maior centro açucareiro do Brasil, mas pouco guarnecido militarmente). − a resistência dos colonos, através de guerrilhas no interior, foi comandada por Matias de Albuquerque: impediram a imediata conquista holandesa de todo o Nordeste açucareiro. − o principal centro de resistência era o Arraial de Bom Jesus. − a “traição” de Calabar: este integrante das tropas de resistência passou para o lado holandês e indicou os focos (centros) de resistência dos colonos → os holandeses passam a ocupar áreas do litoral nordestino. − com a queda do Arraial do Bom Jesus (1635), os holandeses começam a efetivar a conquista do Nordeste. 5. CARACTERÍSTICAS DO DOMÍNIO HOLANDÊS: − as invasões tiveram um caráter exclusivamente mercantil: foram comandadas pela Companhia das Índias Ocidentais (WIC). − aliança com os senhores de engenho. − respeito às propriedades e à classe dominante colonial. − tolerância política e religiosa. − concessão de empréstimos aos senhores de engenho. 6. A ADMINISTRAÇÃO NASSOVIANA (1637-1644): · Conde João Maurício de Nassau: funcionário da WIC. − consolidou a dominação holandesa e o sistema produtor de açúcar. − criou facilidades de produção e comercialização do açúcar. − domínio do Nordeste brasileiro: do Maranhão até Sergipe. − criação da Câmara dos Escabinos: assembléia de representantes das várias câmaras municipais da região. − monopólio do mercado escravista: domínio de áreas portuguesas na África para garantir o fornecimento de escravos. − embelezamento e urbanização de Recife: pontes, palácios, jardins, pavimentação. − a vinda de intelectuais europeus: Franz Post, Piso, Marcgrave. 7. A INSURREIÇÃO PERNAMBUCANA (1645-1654): · a luta para expulsar os holandeses do Nordeste do Brasil. · motivos: + mudança da política colonial holandesa (WIC): − arrocho financeiro: aumento dos impostos, altos preços dos fretes e cobrança de pagamento dos empréstimos. − confisco de terras. * Nassau não concorda com esta política imposta pela WIC ao produtores brasileiros e pede demissão.
  • 14. · Líderes: André Vidal de Negreiros, João Fernandes Vieira, Henrique Dias (negro) e pelo índio Poti (Filipe Camarão). · Batalhas: Monte das Tabocas (1645), Guararapes (1648 e 1649) e Campina da Taborda (1654). 8. CONSEQUÊNCIAS DA EXPULSÃO: − Tratado de Haia (1661): a Holanda recebia uma indenização (dinheiro, açúcar, tabaco e sal), a restituição de sua artilharia e favores no comércio do açúcar. − o auxílio inglês a Portugal nas lutas contra os espanhóis (1640 - Restauração = D. João IV) e contra os holandeses e a consequente aliança entre as Coroas inglesa e portuguesa resultaram na dependência da nação lusitana e do Brasil ao capital inglês. − crise na empresa açucareira brasileira, devido à concorrência do açúcar produzido pelos holandeses nas Antilhas: crise econômica no Brasil e crise política e econômica (financeira) em Portugal (saiu economicamente arruinado do domínio espanhol). 9. CONSELHO ULTRAMARINO (1642): + reorganização da administração do Brasil para obter maiores recursos e para garantir o real controle sobre a colônia. − limitar os poderes da aristocracia latifundiária. − centralização política-administrativa. − limitava o poder das Câmaras Municipais e dos “homens bons”: submissão às autoridades metropolitanas. − os juízes passaram a ser nomeados diretamente pelo rei: juízes de fora. − em 1720, o governo português elevou a colônia a vice-reinado e os governadores passaram a ser titulados vice-reis: visava aumentar a centralização e o controle do Brasil. − criação de companhias privilegiadas de comércio para manter um controle mais rígido sobre a economia: Companhia Geral de Comércio do Brasil e Companhia de Comércio do Estado do Maranhão. A EXPANSÃO TERRITORIAL 1. DEFINIÇÃO: − processo de expansão da colonização para o interior do Brasil, ultrapassando os limites de Tordesilhas e ampliando o território brasileiro, realizado nos séculos XVII e XVIII. 2. CONTEXTO HISTÓRICO: − o período do domínio espanhol (1580-1640) foi marcado pela expansão da colonização para o interior, pela conquista do litoral setentrional norte, pela expansão bandeirante e pela ocupação das terras além da linha fixada pelo Tratado de Tordesilhas. − processou-se fundamentalmente de acordo com as necessidades econômicas da Colônia e de Portugal. 3. FATORES DA EXPANSÃO: − a expansão oficial: conquista militar do litoral setentrional e colonização do Amazonas; − a pecuária; − o bandeirismo; − a mineração; − os jesuítas: missões; − a Colônia do Sacramento (1680). 4. A EXPANSÃO OFICIAL: · Conquista do litoral setentrional (acima de Pernambuco): − através de tropas militares para expulsar os franceses e seus aliados indígenas que faziam entre si o escambo (pau-brasil, pimenta-nativa, algodão nativo). · Colonização do Amazonas: − através de tropas militares para expulsar os ingleses e holandeses, que exploravam as “drogas do sertão” (cacau, baunilha, guaraná, cravo, pimenta, castanhas, ervas aromáticas e medicinais), e de expedições exploradoras. 5. A PECUÁRIA: * responsável pela ocupação do sertão do Nordeste e do Sul. · Pecuária bovina no Nordeste: avanço do gado rumo ao sertão. − atividade econômica complementar: lavoura canavieira e mineração. − funções para o engenho: alimento, força de tração animal e meio de transporte.
  • 15. − inicialmente criado nos engenhos do litoral baiano e pernambucano, o gado penetrou para os sertões a partir do século XVII. * Motivos do deslocamento do gado do litoral para o interior: − crescente expansão da grande lavoura açucareira: o gado estragava as plantações de cana-de- açúcar; − necessidade de maior espaço para o plantio da cana: as terras deveriam ser usadas para o plantio de cana e não para pastagens; − importância econômica inferior da pecuária. * Ocupação do sertão nordestino: processo pecuarista de colonização e expansão do interior do Brasil. − Rio São Francisco: “Rio dos Currais” - nas suas margens, surgiram várias fazendas de gado. − a fazenda de gado exigia pouco capital e pouca mão-de-obra. − o trabalhador era geralmente livre: vaqueiro - recebiam um pequeno salário e um quarto das crias (após cinco anos de trabalho). − o fazendeiro e o vaqueiro mantinham um relacionamento amistoso e o vaqueiro, com o tempo, podia se tornar um fazendeiro (cabeças de gado que recebia e a abundância de terras). − muitas feiras e fazendas de gado deram origem a vários núcleos de povoamento: centros urbanos. − o gado realizou a integração de diferentes regiões econômicas. − atividade econômica voltada para o mercado interno. − abastecimento da região mineradora: séc. XVIII. − o couro: matéria-prima fundamental. − diversificação econômica: couro, leite, carne. · Pecuária no Sul: − atividade complementar a da mineração: séc. XVIII. − gado muar e bovino: vivendo em estado selvagem desde a destruição de missões jesuíticas pelas bandeiras no século XVII. − tropas de mula: abastecimento das regiões mineiras. − estâncias (fazendas): fundadas por paulistas. − produção de charque (carne-seca). − os peões boiadeiros viviam submetidos à rigidez da fiscalização dos capatazes e jamais teriam condições de montar sua própria fazenda. 6. BANDEIRISMO: · Conceito: − expedições que penetravam no interior com o objetivo de procurar riquezas (índios para serem escravizados e metais e pedras preciosas).
  • 16. · Centro irradiador das Bandeiras: − a Capitania de São Vicente. + Motivo: − a pobreza econômica da capitania, devido ao fracasso da lavoura de exportação e o seu isolamento político. · Ciclos: − Ouro de Lavagem; − Caça ao Índio; − Ouro de Mina; − Sertanismo de Contrato. * Ciclo do Ouro de Lavagem: − zona litorânea. − Curitiba: Heliodoro Eobanos - ouro de aluvião. − São Roque: Afonso Sardinha - ouro de aluvião. * Ciclo da Caça ao Índio ou de apresamento ou de preação: + Motivos: necessidade de mão-de-obra. − aumento da produtividade agrícola. − as invasões holandesas no Nordeste provocaram a dispersão dos escravos. − os holandeses dominaram áreas de fornecimento de escravos na África. + Características: − os paulistas passaram a apresar o índio para vendê-lo como escravo. − missões jesuíticas: Tape, Itatim e Guairá - os índios já estavam aculturados, catequizados. − bandeirantes: Antônio Raposo Tavares, Manuel Preto. − decadência: a partir da segunda metade do século XVII, devido à extinção da maioria das missões e a reconquista do monopólio do tráfico negreiro pelos portugueses após a expulsão do holandeses do Brasil e da África. * Ciclo do ouro e do diamante: + Motivos: − a decadência da economia açucareira; − o estímulo dado pela metrópole: financiamento, títulos e privilégios; − a decadência do apresamento do índio. + Características: − áreas de exploração (prospecção): Minas Gerais, Goiás e Mato Grosso. − bandeirantes: Fernão Dias Pais, Antonio Rodrigues Arzão (descobriu ouro em Cataguases em 1693: primeira notícia oficial de descoberta de jazida de ouro), Antonio Dias de Oliveira (Ouro Preto), Borba Gato (Sabará), Bernardo da Fonseca Lobo (diamantes no Arraial do Tijuco: Diamantina), Pascoal Moreira (Cuiabá) e Bartolomeu Bueno da Silva Filho (Goiás). + Monções:
  • 17. − expedições fluviais de abastecimento das longínquas e de difícil acesso regiões do Mato Grosso e Goiás; − os bandeirantes utilizavam os rios como caminhos naturais: pousadas e roças nas margens. * Ciclo do Sertanismo de Contrato: − Bandeiras contratadas por autoridades e senhores de fazendas, principalmente do Nordeste (BA e PE) para combaterem índios rebelados e negros dos quilombos. − bandeirante: Domingos Jorge Velho → destruição do Quilombo dos Palmares. 7. COLÔNIA DO SACRAMENTO (1680): − fundação de uma colônia portuguesa no estuário do rio da Prata, quase em frente a Buenos Aires. • Motivos: − a pecuária; − o comércio do couro; − o contrabando; − o interesse nas regiões mineradoras do Peru e Bolívia; − os interesses ingleses. • Reação Espanhola: − reação dos colonos de Buenos Aires e da Coroa Espanhola: invasões à Colônia do Sacramento, fundação dos Sete Povos das Missões (RS) e assinatura de tratados de limites. • Tratados de Limites e Formação de Fronteiras:
  • 18. * Tratado de Lisboa (1681): − a Espanha reconhecia a posse portuguesa da Colônia do Sacramento. * Tratado de Utrecht (1715): − a Espanha é obrigada, mais uma vez, a ceder a Colônia do Sacramento para Portugal. * Tratado de Madri (1750): − definia a posse, de direito e de fato, das terras efetivamente ocupadas por Portugal além dos limites de Tordesilhas. − não houve participação da Igreja. − princípio: uti possidetis, uta possideatis (quem possui de fato deve possuir de direito) → a terra pertence por direito a quem a ocupa → Alexandre de Gusmão. − a Espanha reconhecia a posse portuguesa de todas as terras efetivamente ocupadas por portugueses além da linha de Tordesilhas e cedia a Portugal a região dos Sete Povos das Missões. − Portugal devolveria à Espanha a Colônia do Sacramento. − por este tratado, o Brasil assumiu, praticamente, sua atual configuração geográfica. + Guerras Guaraníticas: 1750 - 1767 − revolta dos índios dos Sete Povos das Missões, liderados pelos jesuítas. − motivos: os jesuítas não concordavam com a entrega dos Sete Povos das Missões para os portugueses e os índios suspeitavam de uma possível ocupação de suas terras e da escravização. − repressão portuguesa: a população de Sete Povos das Missões foi chacinada pela tropas portuguesas; expulsão dos jesuítas das colônias portuguesas e de Portugal (1759). Destaque: cacique Sepé Tiaraju. * Tratado de El Pardo (1761): − anulava o Tratado de Madri e a Colônia do Sacramento voltava para Portugal. * Tratado de Santo Ildefonso (1777): − a Colônia do Sacramento e os Sete Povos das Missões foram devolvidos para a Espanha. * Tratado de Badajós (1801): − confirmava os limites estabelecidos pelo Tratado de Madri.
  • 19. A ECONOMIA MINERADORA (SÉC. XVIII) 1. CONTROLE ADMINISTRATIVO: • Regimento de 1702: − a mineração era rigidamente controlada pela metrópole: política fiscal e controle absoluto sobre a mineração. − a exploração era livre, mas os mineradores deveriam submeter-se às autoridades da Coroa e pagar os impostos. + Intendência das Minas: − órgão responsável pelo policiamento, fiscalização e direção da exploração das jazidas, além de funcionar como um tribunal, e de ser responsável pela cobrança dos impostos. − todas as minas pertenciam ao rei e o descobridor de uma jazida deveria comunicar à Intendência, caso contrário seria preso e julgado. − a mina, depois de descoberta, era dividida pela Intendência em lotes (datas): as duas primeiras datas eram escolhidas pelo descobridor da mina, a terceira data era reservada para a Coroa e depois leiloada e as demais datas eram distribuídas com os interessados que tivessem maior número de escravos. 2. TIPOS DE EXTRAÇÃO: • Faiscação (Faisqueira): − pequena extração: no leito dos rios e riachos. − garimpeiro: geralmente um trabalhador livre que trabalhava isoladamente. • Lavra (Jazidas): − mina: grande unidade de extração. − volume razoável de capital. − numerosa mão-de-obra escrava. 3. A EXTRAÇÃO DE DIAMANTES: − descobridor: o bandeirante Bernardo da Fonseca Lobo (1729). − local: Vale do rio Jequitinhonha → Arraial do Tijuco → Diamantina (MG). − Regimento dos Diamantes (1730). * Distrito Diamantino: rígida fiscalização + Tipos de Extração: − a Coroa concedia a particulares o direito de extração e estes pagariam taxas e impostos. − a Coroa passou a conceder o direito de extração a um único individuo: o contratador. − o monopólio régio sobre a extração: a região foi fechada e a circulação das pessoas era controlada.
  • 20. 4. OS IMPOSTOS: carga tributária onerosa e opressiva. • Quinto: 20% do ouro extraído. • Casas de Fundição (1719): − criadas com o objetivo de evitar o contrabando e a sonegação fiscal: facilitar a cobrança do quinto. − o ouro em pepita e em pó era fundido em barras timbradas com o selo real e quintadas. • capitação: 17g de ouro por escravo. • fintas: quotas anuais (100 arrobas). • derrama: cobrança complementar e violenta do imposto (quinto) atrasado. 5. DESTINO DO OURO BRASILEIRO: • Tratado de Methuen (1703): Tratado de Panos e Vinhos. − assinado entre Portugal e Inglaterra. − estipulava que Portugal teria vantagens alfandegárias na venda de vinhos para a Inglaterra e esta teria vantagens alfandegárias na venda de manufaturados para Portugal: grande desvantagem comercial para os portugueses. − grande parte do ouro brasileiro serviu para a Coroa pagar suas dívidas e cobrir os prejuízos da balança comercial deficitária. + Consequências: − Portugal tornou-se um país exclusivamente agrário; − o desenvolvimento manufatureiro foi prejudicado; − submissão de Portugal ao capital inglês. 6. A DECADÊNCIA DA MINERAÇÃO: • Fatores: − o esgotamento das jazidas: ouro de aluvião; − o baixo nível técnico; → a economia colonial entrou novamente em crise. 7. CONSEQUÊNCIAS: − crescimento demográfico; − desenvolvimento da vida urbana; − crescimento do comércio e do artesanato: mercado interno; − integração entre diferentes regiões do Brasil com a zona mineradora; − aparecimento de uma camada social média; − uma certa mobilidade social; − piores condições de vida e de trabalho para os negros escravos; − crescimento das atividades intelectuais e culturais: arquitetura, escultura, música religiosa, poesia, contato com as idéias iluministas → barroco → Tomás Antonio Gonzaga, Cláudio Manuel da Costa, Silva Alvarenga, Alvarenga Peixoto; − crescimento da mão-de-obra livre; − conflitos: Guerra dos Emboabas, Revolta de Filipe dos Santos, Inconfidência Mineira, quilombos (Rio das Mortes em Minas Gerais e o de Carlota no Mato Grosso). 8. A ÉPOCA POMBALINA (1750-1777): Despotismo Esclarecido − Marquês de Pombal: ministro do rei D. José I;
  • 21. − buscou salvar Portugal da dependência inglesa; − desejava anular os efeitos desastrosos do Tratado de Methuen para a economia portuguesa; − estimulou as manufaturas portuguesas; − proibiu a exportação de ouro; − combateu vigorosamente o contrabando; − criação da Companhia de Comércio do Grão-Pará e Maranhão e da Companhia de Comércio de Pernambuco: visava racionalizar a exploração da colônia para recompor a economia da metrópole → monopólio do comércio e da navegação; − centralismo e fortalecimento do Estado metropolitano: choque com parcela da nobreza e com a Companhia de Jesus; − expulsou os jesuítas (1759): acusava-os de constituírem um império em terras brasileiras; − escolas régias: professores leigos; − reforma na Universidade de Coimbra: ciências exatas, naturais e jurídicas; − transferência da capital do Estado do Brasil de Salvador para o Rio de Janeiro; − política colonial marcada pelos excessos e abusos: política fiscal rígida e opressiva; − instituiu a derrama. MOVIMENTOS NATIVISTAS (SÉC. XVII E XVIII) 1. DEFINIÇÃO: − reações ao domínio metropolitano nos séculos XVII e XVIII. 2. MOTIVOS: − a forma de exploração econômica pelo sistema colonial; − o crescimento demográfico colonial; − o opressivo sistema tributário metropolitano; − os monopólios; − a formação de grupos sociais que passam a protestar contra a exploração metropolitana. 3. CARACTERIZAÇÃO: − não havia consciência completa da exploração colonial e sim de alguns aspectos que prejudicavam a classe dominante colonial; − eram movimentos locais; − nunca levaram à contestação do pacto colonial como um todo; − nunca chegaram a formular um projeto de separação política e sempre buscaram, junto à metrópole, a legitimação para as suas medidas reivindicatórias; − eram movimentos reformistas. 4. OS MOVIMENTOS NATIVISTAS: • Revolta de Beckman (MA-1684): + Motivos: os abusos cometidos pelo opressivo monopólio exercido pela Companhia de Comércio do Maranhão, a falta de mão-de-obra negra, o impedimento de escravizar os índios, o choque dos colonos (fazendeiros) com os jesuítas (devido à escravização dos índios) e a concorrência (fazendeiros e jesuítas) na exploração das “drogas do sertão”. • Guerra dos Emboabas (MG-1709):
  • 22. + Motivos: a presença de forasteiros (emboabas) na região das minas, que passaram a controlar o comércio e a tornarem-se donos de minas, prejudicando os vicentinos, os primeiros descobridores das minas. • Guerra dos Mascates (PE-1710): + Motivos: choque de interesses entre a aristocracia rural de Olinda (decadente) e os comerciantes ou mascates de Recife (próspera e urbanizada) e a elevação desta a categoria de vila, separando-a de Olinda, além das dívidas dos senhores de engenho. • Revolta de Vila Rica ou de Filipe dos Santos (MG-1720): + Motivos: as Casas de Fundição, o aumento da exploração colonial e o monopólio dos reinóis sobre o comércio. 5. SIGNIFICADOS: + Estes movimentos serviram para: − demonstrar o descontentamento da classe proprietária no Brasil, prejudicada com a dominação portuguesa. − mostrar que os interesses da aristocracia rural eram bem diferentes dos interesses portugueses. − mostrar que o pacto colonial já não estava tão sólido. HISTÓRIA DA AMÉRICA CIVILIZAÇÕES PRÉ-COLOMBIANAS 1. Incas: - surgiram por volta do século XII, em função da reunião de povos sob o comando do grupo quíchua na região peruana de Cuzco. - poder político: o imperador (inca) era investido de autoridade religiosa e o Estado controlava a sociedade. - expansão imperial: os domínios do império estenderam-se do Equador ao norte do Chile. - cidades: Cuzco (capital do império) e Machu Pichu (planejamento e arquitetura sofisticados).
  • 23. - sociedade: servidão coletiva e hierarquizada (soberano, funcionários, sacerdotes e camponeses). - administração: o império era dividido em quatro territórios comandados pelos após (chefes); o cada território subdividia-se em wamanis (províncias) sob o comando de um kuiricuk (governador); o os curacas (funcionários hereditários) recolhiam os impostos; o os ayllus (aldeias) eram comandadas pelos curacas e pelos camayocs. - economia: o servidão coletiva; o as terras eram consideradas propriedade do imperador; o as aldeias pagavam impostos (mita: trabalho forçado dos aldeões – mitaios – na realização de obras públicas e outros serviços ao governo); o base agrária. 2. Maias: - localização: península mexicana de Iucatã, Guatemala, Belize e Honduras. - cidades-estados: Palenke, Tikal, Copan, El Tajin, Xochicalco, Colula. - poder político: era exercido por um poderoso Estado e sua burocracia (administração e cobrança de impostos). - sociedade: servidão coletiva (camponeses) e o predomínio social cabia a uma elite militar e sacerdotal de caráter hereditário. 3. Astecas: - império que se estendia desde o oeste mexicano até o sul da Guatemala. - capital: Mexihco – Tenochtitlán. - os povos dominados eram obrigados a pagar tributos. - organização política: centralização; império dividido em 38 províncias (império teocrático de regadio). - economia: agrária; a posse da terra era comunal; as aldeias (calpulli) pagavasm tributos ao Estado. - sociedade: nobres e sacerdotes, comerciantes e camponeses (servidão coletiva). A COLONIZAÇÃO ESPANHOLA NA AMÉRICA 1. JUSTIFICATIVA: - como pretexto para a exploração colonial, utilizou-se o argumento da necessidade de civilizar os povos americanos, por meio da cultura européia e da fé cristã. - acobertou-se a dominação dizimadora, justificando-a cmo um empreendimento comercial e de cristianização. 2. A CONQUISTA: - os conquistadores se utilizavam da pólvora e do cavalo , além de se valerem da fragiliade grupal das tribos, divididas em facções muitas vezes rivais. - Hernán Cortez: México (1520) - Francisco Pizarro e Diogo Almagro: Peru (1530) 3. EXPLORAÇÃO: - extração de prata e ouro (Bolívia, Peru e México); - agricultura, criação de animais de tração, como mulas, produção de tecidos (Chile e Argentina). 4. FORMAS DE TRABALHO COMPULSÓRIO: * a produção colonial foi organizada a partir da exploração da mão-de-obra indígena. - mita: os índios trabalhavam nas minas por um prazo determinado e sob um pagamneto irrisório; foi utilizado principalmente nas minas de prata de Potosí (Bolívia) e contribuiu para arruinar a estrutura comunitária indígena e exterminar a população nativa. - encomienda: exploração dos nativos como servos nos campos e nas minas; a exploração era justificada como um pagamento de tributos, feito pelos índios em forma de serviços, por receberem proteção e educação cristã. 5. SOCIEDADE: * organizada com base na exploração estabelecida pelo mercantilismo (hierárquica): - chapetones: espanhóis da metrópole que ocupavam altos postos militares e civis (justiça e admnistração); - clero; - criollos: espanhóis nascidos na América (aristocracia colonial – grandes proprietários e comerciantes) que, por constituírem a elite colonial, participavam das câmaras municipais (cidades mais importantes), denominadas cabildos (ou ayuntamientos). - mestiços; - índios; - escravos negros
  • 24. 6. ADMINISTRAÇÃO COLONIAL: * Conselho Real e Supremo das Índias: - controlador da colonização; - nomeação dos vice-reis; - fiscalização administrativa. * Casas de Contratação: - responsável pelos negócios e arrecadação de impostos. * Sistema de Porto Único: - refere-se às ligasções comerciais entre metrópole e colônia. - na América, os portos de saída das mercadorias eram Vera Cruz (México), Porto Belo (Panamá) e Cartagena (Colômbia). - na Espanha, a chegada era em Sevilha, depois Cádiz. * Divisões Administrativas: - Vice-reinados (4): importância econômica – Nova Espanha, Nova Granada, Peru e Prata, compostos de intendências governadas por alcaides. - Capitanias Gerais (4): áreas estratégicas – Cuba, Guatemala, Chile e Venezuela.
  • 25. COLONIZAÇÃO INGLESA NA AMÉRICA 1. Início: 1584, 1585 e 1587, com três expedições sob o comando de Walter Raleigh. - costa leste do atual EUA: Carolina do Norte e Virgínia (em homenagem à Elisabeth I). - não alcançaram o sucesso esperado: os insistentes ataques indígenas arruinaram essa primeira empresa colonizadora. 2. Edificação: só a partir de 1607 iniciou-se de forma definitiva e duradoura a colonização. - motivos: consolidação da atividade colonial inglesa, criação de companhias de comércio, excedente populacional, conflitos religiosos e políticos que estimularam a emigração de puritanos e quakers. 3. Treze Colônias: * Norte: colônias de povoamento ( New Hampshire, Massachusetts, Rhode Island, Connecticut, Nova Jersey, Delaware, Nova York e Pensilvânia). - economia autônoma, mercantil e manufatureira, não dependente da metrópole. - conhecida como Nova Inglaterra, devido ao clima e às condições naturias semelhantes aos da Europa.
  • 26. - colonizadores puritanos (peregrinos), vindos no navio Mayflower (1620): Massachusetts (cidade de Plymouth). - pequena e média propriedade agrícola: o trablhador era geralmente o próprio colono. - diversificação da produção: agricultura, comércio, manufaturas e construção naval. - relações comerciais com as Antilhas, áfrica e até com a Europa: comércios triangulares. - relativa autonomia econômica e política. - capitalização. * Sul: colônias de exploração (Maryland, Virgínia, Carolina do Norte, Carolina do Sul e Geórgia). - Virgínia: primeira colônia inglesa fundada na América. - economia agrícola: tabaco, índigo (anil), arroz e algodão. - produção para o mercado externo. - plantation: monocultura, grandes propriedades, mão-de-obra escrava. COLONIZAÇÃO FRANCESA NA AMÉRICA * CARACTERÍSTICAS: - iniciou-se efetivamente no século XVII. - ocupação do Norte da América: Canadá e faixa interior (dos Grandes Lagos ao México – Louisiana). - ocupação de algumas ilhas das Antilhas (principal: Haiti, foi cedida à França pela Espanha em 1697; no século XVIII, a região foi a mais próspera colônia francesa na América, graças à exportação de açúcar, cacau e café.) - Canadá: colonização baseada no extrativismo de madeiras, peles, na pesca e no comércio com os indígenas. COLONIZAÇÃO HOLANDESA NA AMÉRICA * CARACTERÍSTICAS: - criação da Companhia das Índias Ocidentais (1621): comércio e ocupação de áreas da América. - invasões ao Nordeste brasileiro (União Ibérica e prejuízo com a interrupção do comércio do açúcar). - ocupação de algumas ilhas nas Antilhas e Guiana (atual Suriname). - fundação de Nova Amsterdam, rebatizada de Nova York após a conquista inglesa (séc. XVIII).