SlideShare uma empresa Scribd logo
1
INTRODUÇÃO
O ouvido é o órgão responsável pela captação de vibrações no ar
(sons) e transformação desses, em impulsos nervosos que
o cérebro “codifica”. Além dessafunção, esteórgão também está relacionado
com o equilíbrio do corpo. Ele é dividido em três parte։ ouvido externo,
ouvido médio e ouvido interno.
2
DESENVOLVIMENTO
O ouvido é um órgão avançado e muito sensível do corpo humano. A
função do ouvido é transmitir e traduzir sons para o cérebro através das
seguintes partes: ouvido externo, ouvido médio e ouvido interno.
A tarefa principal do ouvido é detectar, transmitir e traduzir sons.
Outra função muito importante do ouvido é manter nosso senso deequilíbrio.
A melhor maneira para descrever a função do ouvido é fazer uma
descrição do caminho percorrido pelas ondas do som no ouvido. No video
você poderá ver a viagem de ondas sonoras através do ouvido.
O ouvido está dividido em três diferentes partes:
 Ouvido externo é a parte que recebe as ondas sonoras;
 Ouvido médio, onde há a transformação dessas ondas em vibrações
mecânicas que será transmitida para a próxima parte;
 Ouvido interno, onde as vibrações estimulam os receptores e sofrem
transdução para impulsos nervosos que vão alcançar o sistema
nervoso central, via nervo acústico.
OUVIDO EXTERNO
Ouvido externo é a porção exterior do ouvido, que capta o som e o
transmite por um canal ao ouvido médio. O ouvido externo é composto de
duas partes: O pavilhão auditivo, também conhecido como orelha e
o conduto auditivo externo. As partes que são vitais para o sentido auditivo
localizam-se alguns centímetros para dentro do esqueleto e da orelha. O
ouvido externo faz parte de três seções anatômicas ou partes distintas que
incluem ainda o ouvido médio e o ouvido interno.
A função principal do pavilhão auditivo é coletar sons, agindo como
um funil e direcionando o som para o conduto auditivo. Outra função é a
filtragem do som, processo este que ajuda a localizar a origem dos sons que
chegam ao indivíduo. Além disso, no caso dos humanos, o processo de
filtragem seleciona sons na faixa de frequência da voz humana facilitando o
entendimento.
Já o conduto auditivo externo tem a função de transmitir os sons captados
pela orelha para o tímpano além de servir de câmara
deressonância ampliando algumas frequências de sons.
3
OUVIDO MÉDIO
O ouvido médio é a porção interna do tímpano, e externo da cóclea,
ambos localizados no ouvido. O ouvido médio contém três ossículos, que
amplificam a vibração do tímpano comondas depressão no fluido do ouvido
interno. O espaço oco do ouvido médio é também chamado de caixa
timpânica. A trompa de Eustáquio se junta à caixa timpânica e a cavidade
nasal, permitindo equalizar o ouvido interno e a garganta com o aumento de
pressão.
O ouvido médio podeserchamada também de cavidade timpánica, por
causa da cavidade auditiva que ela apresenta, apresenta também as suas
paredes que as delimitam tais são: o tecto, o pavimento, a parede
lateral(timpánica), parede medial,e paredes posterior e anterior.
A função do ouvido médio é transferir eficientemente a energia sonora
do ar para o líquido contido dentro da cóclea.
OUVIDO INTERNO
O ouvido interno é composto pela cóclea e pelo aparato vestibular.
O último osso da cadeia ossicular, o estribo, está acoplado a uma fina
membrana chamada de janela oval. A janela oval é na realidade uma entrada
para a orelha interna, que contém o órgão da audição, a cóclea. Quando o
osso estribo move, a janela oval move com ele. No outro lado da janela oval
está a cóclea, um canal em forma de caracol preenchido por líquidos e,
quando as vibrações chegam à cóclea provenientes da orelha interna, são
transformadas em ondas de compressão que por sua vez ativam oórgão de
Corti que é responsável pela transformação das ondas de compressão em
impulsos nervosos que são enviados ao cérebropara serem interpretados.
O líquido (endolinfa) é agitado pelos movimentos da janela oval e,
dentro da cóclea, o órgão de Corti é formado por milhares
decélulas ciliadas que são colocadas em movimento toda vez que o líquido é
movimentado.
A estimulação destas células, porsuavez, causa impulsos elétricos que
são enviados para o cérebro. Os impulsos elétricos representam a quarta
mudança na mensagem sonora de uma energia para a outra: da
energia acústica das ondas sonoras entrando naorelha, para a energia elétrica
dos impulsos que viajam para o cérebro.
O ouvido interno também contém um órgão muito importante que está
na verdade conectado com a cóclea, mas que não contribui para o nosso
sentido da audição, o sistema vestibular, formado por três pequenos canais
4
semicirculares, que nos ajudam a manter oequilíbrio e auxiliar na visão já
que as rotações da mesma precisam ser compensadas para que possamos ter
uma visão clara sem ser borrada. É através dele que se pode saber, por
exemplo, quando se está com o corpo inclinado mesmo estando
de olhosvendados.
Problemas com os canais semicirculares podem resultar em sintomas
como a vertigem. A audição é um factor chave na manutenção de trocas
intelectuais, mas possivelmente ainda mais importante, a audição supre
o pano de fundo auditivo que dá o sentimento de participação e segurança.
DOENÇA DE OUVIDO
A dor de ouvido é um sintoma que surge, principalmente, após estar
muito tempo ao frio ou ao introduzir água ou objetos, como cotonetes e
palitos, no canal auditivo, que podem provocar uma infecção do ouvido ou
rompimento do tímpano. Porém, outras causas incluem problemas na
mandíbula ou crescimento de um dente, por exemplo.
Geralmente, a dor de ouvido é mais frequente em crianças, uma vez
que apresentam maiores chances de desenvolver infecções dentro do ouvido
ou canal auditivo.
Para tratar a dor de ouvido é recomendado consultar o
otorrinolaringologista, no caso do adulto, ou o pediatra, no caso dos bebês e
crianças, para iniciar o tratamento mais adequado.
As doenças do ouvido externo:
Afectam em princípio o canal auditivo. As três afecções mais
frequentes são a impetigem, o eczema e a obstrução. Esta última pode ser
causadaporum corpo estranho introduzido acidentalmente no ouvido oupor
um rolhão de cerúmen formado pela acumulação de cera endurecida. Por
vezes, para a extracção de um rolhão, toma-se necessária uma lavagem
médica do canal auditivo.
Causas
Um certo número de bactérias ou, raramente, de fungos pode causar
uma otite externa generalizada; a bactériaestafilococo costuma provocar
furúnculos. Algumas pessoas, como as que sofrem de alergias, psoríase,
eczema ou dermatite do couro cabeludo, são particularmente propensas a
contrair uma otite externa. As lesões provocadas no canal auditivo, quer ao
limpá-lo, quer por causa da entrada de água ou de substâncias irritativas
como a laca ou a tinta do cabelo, costumam conduzir à otite externa.
5
O canal auditivo limpa-se por si só, deslocando as células cutâneas
mortas desdeo tímpano até ao exterior, como se estivessem numa passadeira
rolante. O facto de tentar limpar o canal com pequenas zaragatoas,
interrompe este mecanismo de autolimpeza e pode empurrar a matéria
residual para o tímpano, onde se acumula. Os resíduos acumulados e a cera
tendem a reter a água que entra no canal quando a pessoase banha ou nada.
Como resultado final, a pele molhada e macia do canal auditivo contrai
infecções bacterianas ou fúngicas com mais facilidade.
Sintomas
Os sintomas da otite externa generalizada são comichão, dor e uma
secreção malcheirosa. Se o canal auditivo inchar ou se encher de pus e de
resíduos, a audição piora. Em geral, o canal ressente-se e dói se se puxar o
ouvido externo (orelha) ou se se exercer pressão sobre a prega de pele que
se encontra em frente ao canal. Quando se observa o interior do canal
auditivo através de um otoscópio (um instrumento para visualizar o canal e
o tímpano), vê-se que a pele do canal está vermelha, edemaciada e coberta
de pus e de resíduos.
Os furúnculos provocam muita dor. Quando rebentam, é possível que saia
do ouvido uma pequena quantidade de sangue e de pus.
Tratamento
Para tratar a otite externa generalizada, o médico primeiro elimina as
substâncias residuais infectadas que se encontram no canal por meio de
aspiração ou com pequenoas zaragatoas (varetas com ponta de algodão).
Uma vez limpo o canal auditivo, a audição costuma voltar à normalidade.
As doenças do ouvido médio:
Afectam o tímpano, a cadeia de ossículos, as paredes da caixa do
tímpano e a trompa de Eustáquio. As doenças infecciosas que podem causar
uma otite média são frequentes. A inflamação da trompa de Eustáquio, ou
catarro auricular, compreendea presençano ouvido médio deum líquido que
não pode defluir e exerce uma pressão dolorosa sobre o tímpano. Os
ossículos podem ser afectados pela otosclerose, uma espécie de anquilose
mecânica que diminui notavelmente a audição.
As infeções do ouvido médio são uma causa da perda de audição
moderada e reversível nas crianças e são também o principal motivo de
6
consultas de urgência em idade pediátrica. A sua gravidade pode chegar ao
ponto de provocar uma perfuração do tímpano, havendo ainda a
possibilidade de se propagar a áreas adjacentes, como por exemplo à zona
óssea situada atrás da orelha, isto é à mastóide. Os adultos também podem
apanhar infeções do ouvido médio, mas são as crianças, sobretudo as que
frequentam creches e jardins-de-infância quem corre um maior risco de
sofrer estas infecções.
Os sintomas mais comuns de uma infeção do ouvido médio são a dor
e as perturbações auditivas, nomeadamente uma redução transitória da
capacidade auditiva. No interior do ouvido médio está localizado um
conjunto de três ossos minúsculos (ossículos) que normalmente transferem
as vibrações sonoras desdeo tímpano para o ouvido interno, onde estas são
transformadas em impulsos nervosos que o cérebro descodifica e interpreta
na forma dediferentes sons. Nas pessoas quesofrem de otite média, todavia,
a inflamação e a infeção podem alterar por completo este processo. Outros
sintomas podem incluir febre, uma sensação de desconforto generalizado,
vómitos e diarreia nos bebés, tonturas, perda de equilíbrio e drenagem de
fluidos através do ouvido.
Diagnóstico
O seu médico colocará questões acerca das dores de ouvidos que o
afetam, se se verificou alguma saída de fluído pelo ouvido ou se há
ocorrência defebre. De seguida, examinará os ouvidos comum otoscópio —
um instrumento em forma de cone com uma pequena lanterna que permite
observar o canal auditivo e o tímpano. O médico estará atento a alguma
eventual vermelhidão ou inchaço do tímpano e verificará se este se move
quando envia ar sob pressão para o canal auditivo através do otoscópio (o
tímpano não apresentará qualquer movimento no caso de estar demasiado
7
rígido ouse houver fluído por trás dele). O seu médico poderá ainda requerer
a realização de um exame auditivo designado por audiograma para fazer o
despiste de possíveis problemas auditivos ou um outro teste conhecido por
timpanograma, que serve para medir o grau de movimento do tímpano
(normalmente após ter terminado o tratamento).
Tratamento
O tratamento a aplicar às infeções do ouvido médio dependerá da
gravidade dos sintomas e do microrganismo que estiver a causar a infeção.
Muitas infeções acabam por desaparecer por si próprias, e nestes casos a
única medicação necessária são analgésicos. Até cerca de 80% das otites
podem curar sem que seja necessário a utilização de antibióticos. Estes,
porém, são prescritos a qualquer criança abaixo dos dois anos de idade ou a
qualquer doente que apresente sintomas graves. Pode acontecer, por vezes,
que o médico receite antibióticos, pedindo contudo ao paciente ou à sua
família que aguarde 48 a 72 horas antes de iniciar a sua toma, na expectativa
de que os sintomas aliviem sem recurso a tais medicamentos.
As doenças do ouvido interno:
As afecções virais do vestíbulo e da cóclea comprometem seriamente
a audição, sem possibilidade de recuperação quando são afectadas as células
sensoriais. As perturbações vasculares do ouvido interno estão à origem de
vertigens, zumbidos, perturbações do equilíbrio e da síndroma de Méniere,
que se manifesta com estes sintomas. Também um tumor particular do nervo
auditivo, o neurinoma do nervo acústico, provoca a surdez.
8
Problemas no ouvido interno
Infecções do ouvido interno também são chamados de otite interna ou
labirintite. Estas infecções são normalmente o resultado de uma infecção em
outras partes do ENT (ouvido, nariz e garganta) na região, como os seios,
garganta, problemas no ouvido interno, etc., também podemsercausadas por
infecções virais ou fúngicas e pode acompanhar-se outra doenças como a
gripe, caxumba ou sarampo. Alguns outros problemas do ouvido interno são
a doença auto-imune da orelha interna, neuroma acústico, doença de
Ménière, ototoxicidade, fístulas perilinfa, vertigem associada à enxaqueca,
convulsões silenciosos, e alergias.
Sintomas
Os sintomas de distúrbios do ouvido interno pode variar em gravidade de
pessoa para pessoa, dependendo da condição subjacente. Alguns dos
sintomas gerais são tonturas, vômitos, náuseas, tonturas, dor que se sente
como a Roma dores de cabeça ao longo dos lados e templos, zumbido nos
ouvidos (zumbido) e perda auditiva podeser parcial ou totalmente. A perda
deaudição é muito comum, no caso deinfecções do ouvido interno. Zumbido
e outros sons, como pop, estertores ou pops também são muito comuns.
Diagnóstico e tratamento
Estes problemas podem ser diagnosticados com base em um teste de
audição, eletronistagmografia (ENG), ECOG, posturografia plataforma ou
teste, a cadeira de teste e imagens rotativas, como raios-X, tomografia
computadorizada e ressonância magnética.
Para a maioria dos problemas do ouvido interno, de baixo teor em sal,
recomenda-se que a dieta de cafeína. Você vê, os problemas do ouvido
interno e cafeína não se dão bem, porque a cafeína é um estimulante do
sistema nervoso central e seu consumo faz comque os sintomas do distúrbio
do ouvido interno (particularmente dor de cabeça e tontura), parecem ser
mais pronunciado. Portanto, recomenda-se que a cafeína, tanto quanto
possível, até que a condição está totalmente tratada é reduzida. O excesso de
açúcar na dieta também provoca tonturas. No caso de doença ou hidropsia
endolinfática Meniere, diuréticos são administrados para eliminar o excesso
de retenção de fluidos. Recomendamos uma dieta pobreem sal para resolver
os problemas de pressão arterial elevada e pressão arterial elevada é
susceptível de lhe dar uma dor de cabeça e tontura e fora de equilíbrio, e
quando se lida com os mesmos sintomas de infecção do ouvido interno, é
certamente don't quer mais deles!. Alguns medicamentos, tais como drogas
de benzodiazepina são úteis no tratamento de problemas do ouvido interno.
As injeções de Botox também são úteis para aliviar os sintomas de tinnitus.
9
A terapia vestibular é encontrado para ser eficaz em muitas pessoas com
estes problemas. No entanto, lembre-se que antes de tomar qualquer
tratamento, você deve consultar o seu médico.
A dor de ouvido pode ter várias causas, que, em alguns casos, podem ser
identificadas através dos sintomas e de quando surgem. Assim:
 Dor de ouvido e garganta: pode ser sinal de infecção do ouvido,
conhecida por otite, que pode-sealastrar para a garganta, provocando
febre acima de 38ºC, dor em forma de pontada e mau cheiro ao falar,
por exemplo. Nestes casos é recomendado consultar o médico para
inciar o tratamento com antibióticos;
 Dorde ouvido no avião:é, frequentemente, provocadapela diferença
de pressão que ocorre, principalmente, quando o avião está decolando
ou aterrissando. O que se pode fazer é mastigar chiclete ou bocejar
nesses momentos. Já no caso do bebê, dar uma mamadeira de água é
uma boa forma de aliviar a dor.
 Dor de ouvido e mandíbula: pode indicar problemas na articulação
damandíbula, como artrite oudeslocamento da articulação, que geram
piora da dor ao abrir a boca para bocejar ou mastigar, por exemplo.
Nestes casos pode-secolocar uma compressaquente junto do ouvido
e da articulação da mandíbula para aliviar a dor, mas é importante
consultar o otorrinolaringologista para iniciar o tratamento adequado;
 Dor de ouvido quando engole: pode ser sintoma de infecção na
garganta, como amigdalite ou tonsilite, que provoca dor também no
ouvido por ser um órgão próximo. Nestes casos é aconselhado
consultar o médico para iniciar o tratamento com anti-inflamatórios,
como Ibuprofeno, ou antibióticos, como a Amoxicilina.
Além destas causas, a dorde ouvido também podeser provocadapelo
crescimento dos dentes no bebê, nascimento dos dentes do siso no adulto ou
problemas nos dentes, como abcesso, cárie ou bruxismo, por exemplo.
Nestes casos é recomendado consultar o dentista para diagnosticar o
problema e inciar o tratamento adequado.
Causas da dor de ouvido podem incluir:
 Artrite da mandíbula;
 Infecção de ouvido aguda;
 Infecção de ouvido crônica;
 Lesão da orelha pormudanças de pressão (a partir de grandes
altitudes e outras causas);
10
 Objeto preso no ouvido ou cera de ouvido severamente impactada;
 Tímpano rompido ou perfurado;
 Infecção nos seios da face;
 Dor de garganta com dorreferida para os ouvidos;
 Síndromeda articulação temporomandibular;
 Infecção dentária.
Dor de ouvido em uma criança ou bebê pode ser devido à infecção, uma ou
mais das seguintes causas:
 Irritação do canal auditivo por cotonetes;
 Sabão ou shampoo ficar no ouvido.
Cuidados para as dores de ouvido
Os passos seguintes podem ajudar durante uma dor de ouvido:
 Bolsa de gelo ou toalha molhada aplicada ao ouvido externo por 20
minutos podereduzir a dor;
 Para as crianças com idade suficiente para mastigar goma de forma
segura, a mastigação podeajudar a aliviar a dor e a pressão de uma
infecção no ouvido;
 Se uma criança é desconfortáveldeitada, descansando em uma
posição vertical podeajudar a reduzir a pressão no ouvido médio;
 Gotas para os ouvidos são suaves e eficazes, desdeque o tímpano
não tenha se rompido;
 Analgésicos, como o paracetamol ou o ibuprofeno, podem
proporcionaralívio para as crianças e adultos com uma dor de
ouvido. Não dê aspirina para crianças;
 Você podealiviar a dor de ouvido causada pela rápida descendente
de grandes altitudes por engolir ou mascar goma.
Prevenção para as dores no ouvido
Evitar fumar perto de crianças ajuda na prevenção, já que o fumo foi
mostrado como responsável em provocar milhões de infecções do ouvido a
cada ano em crianças. Há como prevenir infecções do ouvido externo por
não colocarobjetos no ouvido e secar o ouvido após o banho ou a natação.
Tomando medidas para controlar alergias. Em particular, evitando os
gatilhos de alergia. Spray nasal com esteroides podem ajudar a reduzir
infecções de ouvido. No entanto, anti-histamínicos sedativos e
descongestionantes não impedem infecções de ouvido. O mais importante?
Só se medicar com autorização e indicação de seu médico.
11
CONCLUSÃO
Com base as pesquisas feitas conclui-se que as doenças de ouvido
podemsercausadas poruma obstrução datuba auditiva, o pequeno canalque
conecta a parte posterior interna do nariz com o ouvido médio. O ar no
ouvido médio está constantemente sendo absorvido por sua parede
membranosa, mas ele jamais é esvaziado enquanto a tuba auditiva
permanecer aberta e capaz de se reabastecer, durante o ato de engolir. Dessa
forma, a pressão do arem ambos os lados do tímpano permanece quase igual.
Porém, quando a tuba auditiva está obstruída, apressão no ouvido médio não
pode ser equalizada. O ar que já está ali é absorvido e, sem um novo
fornecimento, acontece um vácuo no ouvido médio, sugando o tímpano para
dentro e tensionando-o de modo doloroso.
Desde os bebês até as crianças e adultos, alguns cuidados auxiliam na
prevenção da doença.
 Quando ainda bebês, na hora de amamentar, não deixar a criança
inclinada entre os braços e o seio. Deite o bebê o mais próximo
possível do seio e curve-se a ele para que a criança possa mamar
sem ficar inclinada.
 Nas campanhas devacinação, não deixe de proteger o seu filho, pois
a doença também acontece após o fim de gripes e resfriados.
 Fumar aumenta o risco de infecção por conta das alterações de
proteção na garganta, então evite o consumo de tabaco e até meso
em casa, pois afumaça também causaprejuízos àsaúdede quem não
fuma, mas tem contato com a fumaça.
 Qualquer sintoma de anormalidade na saúde do seu filho, procure a
ajuda de médicos e especialistas.
 Nunca se automedique, isso podecausardanos àsaúdee não resolve
o problema. Procure sempre um médico.
 Proteja o ouvido no banho e também quando estiver em praia e
piscina
 Cuidados no uso do cotonete, pois pode tirar a proteção do canal
auditivo, a cera.
12
REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA
http://www.saudemedicina.com/otite-dor-de-ouvido-e-os-sintomas/
http://saude-info.info/os-sintomas-de-infeccao-de-ouvido-externos.html
http://sulla-salute.com/saude/otorrinolaringologia/os-sintomas-de-
problemas-no-ouvido-interno.php
http://www.institutobrasileirodosono.com.br/index.php?option=com_conte
nt&view=article&id=120&Itemid=194

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Doenças respiratórias
Doenças respiratóriasDoenças respiratórias
Doenças respiratórias
Caroline Magnabosco
 
Doenças do sistema respiratório
Doenças do sistema respiratórioDoenças do sistema respiratório
Doenças do sistema respiratório
Aroldo Gavioli
 
Doenca pulmonar obs_cronica_dpoc
Doenca pulmonar obs_cronica_dpocDoenca pulmonar obs_cronica_dpoc
Doenca pulmonar obs_cronica_dpoc
Jordan Gomes
 
Alergias
AlergiasAlergias
Alergias
araujo94
 
sono e repouso
sono e repousosono e repouso
sono e repouso
Sú Carreiro
 
Aterosclerose
AteroscleroseAterosclerose
Aterosclerose
Marina Sousa
 
Embolia pulmonar
Embolia pulmonarEmbolia pulmonar
Embolia pulmonar
Laboratório Sérgio Franco
 
Iot
IotIot
Doenças e distúrbios dos sistema respiratório
Doenças e distúrbios dos sistema respiratórioDoenças e distúrbios dos sistema respiratório
Doenças e distúrbios dos sistema respiratório
Ana Beatriz Cargnin
 
Sinais vitais
Sinais vitaisSinais vitais
Sinais vitais
Marcos Antonio
 
Asma
AsmaAsma
Doenças dos sistema respiratório
Doenças dos sistema respiratórioDoenças dos sistema respiratório
Doenças dos sistema respiratório
pibidmarilia
 
Clínica Médica l
Clínica Médica lClínica Médica l
Clínica Médica l
Paulo Alambert
 
Suporte Ventilatório/ Ventilação Mecânica Invasiva e Não Invasiva
Suporte Ventilatório/ Ventilação Mecânica Invasiva e Não InvasivaSuporte Ventilatório/ Ventilação Mecânica Invasiva e Não Invasiva
Suporte Ventilatório/ Ventilação Mecânica Invasiva e Não Invasiva
Joseir Saturnino
 
Afogamento
AfogamentoAfogamento
Afogamento
Wallace Silva
 
Fisiologia Humana 7 - Sistema Respiratório
Fisiologia Humana 7 - Sistema RespiratórioFisiologia Humana 7 - Sistema Respiratório
Fisiologia Humana 7 - Sistema Respiratório
Herbert Santana
 
Aula 12 doencas do sistema respiratorio
Aula 12  doencas do sistema respiratorioAula 12  doencas do sistema respiratorio
Aula 12 doencas do sistema respiratorio
Rogério Minini
 
Pneumonia
Pneumonia Pneumonia
Pneumonia
guiribeiro0210
 
PES 3.6 Rinite Alérgica
PES 3.6 Rinite AlérgicaPES 3.6 Rinite Alérgica
PES 3.6 Rinite Alérgica
Farmacêutico Digital
 
Asma
AsmaAsma

Mais procurados (20)

Doenças respiratórias
Doenças respiratóriasDoenças respiratórias
Doenças respiratórias
 
Doenças do sistema respiratório
Doenças do sistema respiratórioDoenças do sistema respiratório
Doenças do sistema respiratório
 
Doenca pulmonar obs_cronica_dpoc
Doenca pulmonar obs_cronica_dpocDoenca pulmonar obs_cronica_dpoc
Doenca pulmonar obs_cronica_dpoc
 
Alergias
AlergiasAlergias
Alergias
 
sono e repouso
sono e repousosono e repouso
sono e repouso
 
Aterosclerose
AteroscleroseAterosclerose
Aterosclerose
 
Embolia pulmonar
Embolia pulmonarEmbolia pulmonar
Embolia pulmonar
 
Iot
IotIot
Iot
 
Doenças e distúrbios dos sistema respiratório
Doenças e distúrbios dos sistema respiratórioDoenças e distúrbios dos sistema respiratório
Doenças e distúrbios dos sistema respiratório
 
Sinais vitais
Sinais vitaisSinais vitais
Sinais vitais
 
Asma
AsmaAsma
Asma
 
Doenças dos sistema respiratório
Doenças dos sistema respiratórioDoenças dos sistema respiratório
Doenças dos sistema respiratório
 
Clínica Médica l
Clínica Médica lClínica Médica l
Clínica Médica l
 
Suporte Ventilatório/ Ventilação Mecânica Invasiva e Não Invasiva
Suporte Ventilatório/ Ventilação Mecânica Invasiva e Não InvasivaSuporte Ventilatório/ Ventilação Mecânica Invasiva e Não Invasiva
Suporte Ventilatório/ Ventilação Mecânica Invasiva e Não Invasiva
 
Afogamento
AfogamentoAfogamento
Afogamento
 
Fisiologia Humana 7 - Sistema Respiratório
Fisiologia Humana 7 - Sistema RespiratórioFisiologia Humana 7 - Sistema Respiratório
Fisiologia Humana 7 - Sistema Respiratório
 
Aula 12 doencas do sistema respiratorio
Aula 12  doencas do sistema respiratorioAula 12  doencas do sistema respiratorio
Aula 12 doencas do sistema respiratorio
 
Pneumonia
Pneumonia Pneumonia
Pneumonia
 
PES 3.6 Rinite Alérgica
PES 3.6 Rinite AlérgicaPES 3.6 Rinite Alérgica
PES 3.6 Rinite Alérgica
 
Asma
AsmaAsma
Asma
 

Destaque

Parênquima
ParênquimaParênquima
Parênquima
Pedro Kangombe
 
Teclas de Funçao
Teclas de FunçaoTeclas de Funçao
Teclas de Funçao
Pedro Kangombe
 
Anoidetite
AnoidetiteAnoidetite
Anoidetite
Pedro Kangombe
 
Alimentação da vida
Alimentação da vidaAlimentação da vida
Alimentação da vida
Pedro Kangombe
 
Ámbito aúlico
Ámbito aúlico Ámbito aúlico
Ámbito aúlico
Adriana Dosal Dominguez
 
Amigladalite
AmigladaliteAmigladalite
Amigladalite
Pedro Kangombe
 
Handouts, study guides, and visuals
Handouts, study guides, and visualsHandouts, study guides, and visuals
Handouts, study guides, and visuals
cw8842
 
Final 01
Final 01 Final 01
Final 01
Zoona Jerral
 
3Com 20-0264-001
3Com 20-0264-0013Com 20-0264-001
3Com 20-0264-001
savomir
 
Como hacer bistec a caballo
Como hacer bistec a caballoComo hacer bistec a caballo
Como hacer bistec a caballo
milton monroy
 
A argentina e os investimentos das empresas portuguesas na américa do sul
A argentina e os investimentos das empresas portuguesas na américa do sulA argentina e os investimentos das empresas portuguesas na américa do sul
A argentina e os investimentos das empresas portuguesas na américa do sul
César Ferreira
 
Fundicion
FundicionFundicion
Fundicion
ramoncho99
 
Pro tuberculosis
Pro tuberculosisPro tuberculosis
Pro tuberculosis
Jorge Fonseca
 
Tema 11 bloque 7
Tema 11  bloque 7Tema 11  bloque 7
Tema 11 bloque 7
Maria Jose Fernandez
 
Planeacion camino a la escuela (1)
Planeacion   camino a la escuela (1)Planeacion   camino a la escuela (1)
Planeacion camino a la escuela (1)
leslymh
 
Zine vinte e poucos anos de sujeira
Zine   vinte e poucos anos de sujeiraZine   vinte e poucos anos de sujeira
Zine vinte e poucos anos de sujeira
Rodolfo Corrêa
 
Present Simple
Present Simple Present Simple
Present Simple
lgonzalezh89
 
Contabilidad ¿que es? ¿pa' que?
Contabilidad ¿que es? ¿pa' que?Contabilidad ¿que es? ¿pa' que?
Contabilidad ¿que es? ¿pa' que?
jose fontalvo
 
Ppt findrisk salamanca
Ppt findrisk salamancaPpt findrisk salamanca
Ppt findrisk salamanca
ximojuan35
 
Nueve reinas
Nueve reinasNueve reinas
Nueve reinas
Bernard Sanjuan
 

Destaque (20)

Parênquima
ParênquimaParênquima
Parênquima
 
Teclas de Funçao
Teclas de FunçaoTeclas de Funçao
Teclas de Funçao
 
Anoidetite
AnoidetiteAnoidetite
Anoidetite
 
Alimentação da vida
Alimentação da vidaAlimentação da vida
Alimentação da vida
 
Ámbito aúlico
Ámbito aúlico Ámbito aúlico
Ámbito aúlico
 
Amigladalite
AmigladaliteAmigladalite
Amigladalite
 
Handouts, study guides, and visuals
Handouts, study guides, and visualsHandouts, study guides, and visuals
Handouts, study guides, and visuals
 
Final 01
Final 01 Final 01
Final 01
 
3Com 20-0264-001
3Com 20-0264-0013Com 20-0264-001
3Com 20-0264-001
 
Como hacer bistec a caballo
Como hacer bistec a caballoComo hacer bistec a caballo
Como hacer bistec a caballo
 
A argentina e os investimentos das empresas portuguesas na américa do sul
A argentina e os investimentos das empresas portuguesas na américa do sulA argentina e os investimentos das empresas portuguesas na américa do sul
A argentina e os investimentos das empresas portuguesas na américa do sul
 
Fundicion
FundicionFundicion
Fundicion
 
Pro tuberculosis
Pro tuberculosisPro tuberculosis
Pro tuberculosis
 
Tema 11 bloque 7
Tema 11  bloque 7Tema 11  bloque 7
Tema 11 bloque 7
 
Planeacion camino a la escuela (1)
Planeacion   camino a la escuela (1)Planeacion   camino a la escuela (1)
Planeacion camino a la escuela (1)
 
Zine vinte e poucos anos de sujeira
Zine   vinte e poucos anos de sujeiraZine   vinte e poucos anos de sujeira
Zine vinte e poucos anos de sujeira
 
Present Simple
Present Simple Present Simple
Present Simple
 
Contabilidad ¿que es? ¿pa' que?
Contabilidad ¿que es? ¿pa' que?Contabilidad ¿que es? ¿pa' que?
Contabilidad ¿que es? ¿pa' que?
 
Ppt findrisk salamanca
Ppt findrisk salamancaPpt findrisk salamanca
Ppt findrisk salamanca
 
Nueve reinas
Nueve reinasNueve reinas
Nueve reinas
 

Semelhante a Higiene no ouvido

8 ano cap 12 audição
8 ano cap 12   audição8 ano cap 12   audição
8 ano cap 12 audição
Sarah Lemes
 
Curiosidades fisiológicas
Curiosidades fisiológicasCuriosidades fisiológicas
Curiosidades fisiológicas
Fabíola Barbosa
 
Audição
AudiçãoAudição
Audição
Cláudia Augusto
 
Disfunçõesvestibulares.ppt
 Disfunçõesvestibulares.ppt  Disfunçõesvestibulares.ppt
Disfunçõesvestibulares.ppt
hihdidushd
 
Órgão sensorial - Audição
Órgão sensorial - AudiçãoÓrgão sensorial - Audição
Órgão sensorial - Audição
Francisco Erivan
 
Sensacoes auditivas fisiologia humana.pptx
Sensacoes auditivas fisiologia humana.pptxSensacoes auditivas fisiologia humana.pptx
Sensacoes auditivas fisiologia humana.pptx
rosangelajose48canja
 
Situacao de aprendizagem modelo de orelha
Situacao de aprendizagem  modelo de orelhaSituacao de aprendizagem  modelo de orelha
Situacao de aprendizagem modelo de orelha
Zélia Aparecida Galvão
 
6660416 ruido1
6660416 ruido16660416 ruido1
6660416 ruido1
Tiago Ferreira
 
Sentido da audição
Sentido da audiçãoSentido da audição
Sentido da audição
Thayanny Simukaua
 
Saúde Auditiva
Saúde AuditivaSaúde Auditiva
Saúde Auditiva
andreleite41
 
+Texto+informativo+ +os+órgãos+dos+sentidos-13+cópias
+Texto+informativo+ +os+órgãos+dos+sentidos-13+cópias+Texto+informativo+ +os+órgãos+dos+sentidos-13+cópias
+Texto+informativo+ +os+órgãos+dos+sentidos-13+cópias
sibelems
 
Aula 10 - Biofísica.pdf
Aula 10 - Biofísica.pdfAula 10 - Biofísica.pdf
Aula 10 - Biofísica.pdf
Aurélio Pinheiro
 
Semiologia - otorrinolaringologia
Semiologia - otorrinolaringologiaSemiologia - otorrinolaringologia
Semiologia - otorrinolaringologia
Thaís Braga
 
Audição
AudiçãoAudição
Trabalho de c
Trabalho de cTrabalho de c
Trabalho de c
robertaoliva
 
Semiologia 09 otorrinolaringologia - propedêutica orl pdf
Semiologia 09   otorrinolaringologia - propedêutica orl pdfSemiologia 09   otorrinolaringologia - propedêutica orl pdf
Semiologia 09 otorrinolaringologia - propedêutica orl pdf
Jucie Vasconcelos
 
Cp perda auditiva
Cp perda auditivaCp perda auditiva
Cp perda auditiva
Cosmo Palasio
 
Biofísica da Audição
Biofísica da AudiçãoBiofísica da Audição
Biofísica da Audição
Gabriela Tiburcio
 
Sistema sensorial .. anatomia
Sistema sensorial   .. anatomiaSistema sensorial   .. anatomia
Sistema sensorial .. anatomia
Alenice Aliane
 
Órgãos dos Sentidos
Órgãos dos SentidosÓrgãos dos Sentidos
Órgãos dos Sentidos
Daniela José Arozi
 

Semelhante a Higiene no ouvido (20)

8 ano cap 12 audição
8 ano cap 12   audição8 ano cap 12   audição
8 ano cap 12 audição
 
Curiosidades fisiológicas
Curiosidades fisiológicasCuriosidades fisiológicas
Curiosidades fisiológicas
 
Audição
AudiçãoAudição
Audição
 
Disfunçõesvestibulares.ppt
 Disfunçõesvestibulares.ppt  Disfunçõesvestibulares.ppt
Disfunçõesvestibulares.ppt
 
Órgão sensorial - Audição
Órgão sensorial - AudiçãoÓrgão sensorial - Audição
Órgão sensorial - Audição
 
Sensacoes auditivas fisiologia humana.pptx
Sensacoes auditivas fisiologia humana.pptxSensacoes auditivas fisiologia humana.pptx
Sensacoes auditivas fisiologia humana.pptx
 
Situacao de aprendizagem modelo de orelha
Situacao de aprendizagem  modelo de orelhaSituacao de aprendizagem  modelo de orelha
Situacao de aprendizagem modelo de orelha
 
6660416 ruido1
6660416 ruido16660416 ruido1
6660416 ruido1
 
Sentido da audição
Sentido da audiçãoSentido da audição
Sentido da audição
 
Saúde Auditiva
Saúde AuditivaSaúde Auditiva
Saúde Auditiva
 
+Texto+informativo+ +os+órgãos+dos+sentidos-13+cópias
+Texto+informativo+ +os+órgãos+dos+sentidos-13+cópias+Texto+informativo+ +os+órgãos+dos+sentidos-13+cópias
+Texto+informativo+ +os+órgãos+dos+sentidos-13+cópias
 
Aula 10 - Biofísica.pdf
Aula 10 - Biofísica.pdfAula 10 - Biofísica.pdf
Aula 10 - Biofísica.pdf
 
Semiologia - otorrinolaringologia
Semiologia - otorrinolaringologiaSemiologia - otorrinolaringologia
Semiologia - otorrinolaringologia
 
Audição
AudiçãoAudição
Audição
 
Trabalho de c
Trabalho de cTrabalho de c
Trabalho de c
 
Semiologia 09 otorrinolaringologia - propedêutica orl pdf
Semiologia 09   otorrinolaringologia - propedêutica orl pdfSemiologia 09   otorrinolaringologia - propedêutica orl pdf
Semiologia 09 otorrinolaringologia - propedêutica orl pdf
 
Cp perda auditiva
Cp perda auditivaCp perda auditiva
Cp perda auditiva
 
Biofísica da Audição
Biofísica da AudiçãoBiofísica da Audição
Biofísica da Audição
 
Sistema sensorial .. anatomia
Sistema sensorial   .. anatomiaSistema sensorial   .. anatomia
Sistema sensorial .. anatomia
 
Órgãos dos Sentidos
Órgãos dos SentidosÓrgãos dos Sentidos
Órgãos dos Sentidos
 

Mais de Pedro Kangombe

Actuação do secretario nas organizações educacionais
Actuação do secretario nas organizações educacionais Actuação do secretario nas organizações educacionais
Actuação do secretario nas organizações educacionais
Pedro Kangombe
 
Inflação
InflaçãoInflação
Inflação
Pedro Kangombe
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
Pedro Kangombe
 
Continente Asiatico
Continente AsiaticoContinente Asiatico
Continente Asiatico
Pedro Kangombe
 
Antropologia bem feito
Antropologia bem feitoAntropologia bem feito
Antropologia bem feito
Pedro Kangombe
 
O que é o cosmocentrismo
O que é o cosmocentrismoO que é o cosmocentrismo
O que é o cosmocentrismo
Pedro Kangombe
 
A revolução inglesa
A revolução inglesaA revolução inglesa
A revolução inglesa
Pedro Kangombe
 
O insucesso escolar
O insucesso escolarO insucesso escolar
O insucesso escolar
Pedro Kangombe
 
A teoria sintética do Darwin
A teoria sintética do DarwinA teoria sintética do Darwin
A teoria sintética do Darwin
Pedro Kangombe
 
União africana
União africanaUnião africana
União africana
Pedro Kangombe
 
Briot ruffini matemático e médico estudou matemática e medicina na universida...
Briot ruffini matemático e médico estudou matemática e medicina na universida...Briot ruffini matemático e médico estudou matemática e medicina na universida...
Briot ruffini matemático e médico estudou matemática e medicina na universida...
Pedro Kangombe
 
O que é a saude
O que é a saudeO que é a saude
O que é a saude
Pedro Kangombe
 
A utilidade da água
A utilidade da águaA utilidade da água
A utilidade da água
Pedro Kangombe
 
Hibridação sp sp2 e sp3
Hibridação sp sp2 e sp3Hibridação sp sp2 e sp3
Hibridação sp sp2 e sp3
Pedro Kangombe
 
Estudo estatístico de produção e venda dos produtos agropecuários no período ...
Estudo estatístico de produção e venda dos produtos agropecuários no período ...Estudo estatístico de produção e venda dos produtos agropecuários no período ...
Estudo estatístico de produção e venda dos produtos agropecuários no período ...
Pedro Kangombe
 
O que são Valores, Principios, Leis, Normas e Regras
O que são Valores, Principios, Leis, Normas e RegrasO que são Valores, Principios, Leis, Normas e Regras
O que são Valores, Principios, Leis, Normas e Regras
Pedro Kangombe
 
Os ganhos de comboio
Os ganhos de comboio Os ganhos de comboio
Os ganhos de comboio
Pedro Kangombe
 
Estrutura organizacional e funções administrativas
Estrutura organizacional e funções administrativasEstrutura organizacional e funções administrativas
Estrutura organizacional e funções administrativas
Pedro Kangombe
 
A importância da flexibilidade
A importância da flexibilidadeA importância da flexibilidade
A importância da flexibilidade
Pedro Kangombe
 
MATERIAL DE APOIO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA ESTUDANTES.
MATERIAL DE APOIO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA ESTUDANTES.MATERIAL DE APOIO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA ESTUDANTES.
MATERIAL DE APOIO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA ESTUDANTES.
Pedro Kangombe
 

Mais de Pedro Kangombe (20)

Actuação do secretario nas organizações educacionais
Actuação do secretario nas organizações educacionais Actuação do secretario nas organizações educacionais
Actuação do secretario nas organizações educacionais
 
Inflação
InflaçãoInflação
Inflação
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Continente Asiatico
Continente AsiaticoContinente Asiatico
Continente Asiatico
 
Antropologia bem feito
Antropologia bem feitoAntropologia bem feito
Antropologia bem feito
 
O que é o cosmocentrismo
O que é o cosmocentrismoO que é o cosmocentrismo
O que é o cosmocentrismo
 
A revolução inglesa
A revolução inglesaA revolução inglesa
A revolução inglesa
 
O insucesso escolar
O insucesso escolarO insucesso escolar
O insucesso escolar
 
A teoria sintética do Darwin
A teoria sintética do DarwinA teoria sintética do Darwin
A teoria sintética do Darwin
 
União africana
União africanaUnião africana
União africana
 
Briot ruffini matemático e médico estudou matemática e medicina na universida...
Briot ruffini matemático e médico estudou matemática e medicina na universida...Briot ruffini matemático e médico estudou matemática e medicina na universida...
Briot ruffini matemático e médico estudou matemática e medicina na universida...
 
O que é a saude
O que é a saudeO que é a saude
O que é a saude
 
A utilidade da água
A utilidade da águaA utilidade da água
A utilidade da água
 
Hibridação sp sp2 e sp3
Hibridação sp sp2 e sp3Hibridação sp sp2 e sp3
Hibridação sp sp2 e sp3
 
Estudo estatístico de produção e venda dos produtos agropecuários no período ...
Estudo estatístico de produção e venda dos produtos agropecuários no período ...Estudo estatístico de produção e venda dos produtos agropecuários no período ...
Estudo estatístico de produção e venda dos produtos agropecuários no período ...
 
O que são Valores, Principios, Leis, Normas e Regras
O que são Valores, Principios, Leis, Normas e RegrasO que são Valores, Principios, Leis, Normas e Regras
O que são Valores, Principios, Leis, Normas e Regras
 
Os ganhos de comboio
Os ganhos de comboio Os ganhos de comboio
Os ganhos de comboio
 
Estrutura organizacional e funções administrativas
Estrutura organizacional e funções administrativasEstrutura organizacional e funções administrativas
Estrutura organizacional e funções administrativas
 
A importância da flexibilidade
A importância da flexibilidadeA importância da flexibilidade
A importância da flexibilidade
 
MATERIAL DE APOIO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA ESTUDANTES.
MATERIAL DE APOIO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA ESTUDANTES.MATERIAL DE APOIO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA ESTUDANTES.
MATERIAL DE APOIO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA ESTUDANTES.
 

Último

O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
WelberMerlinCardoso
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 

Último (20)

O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 

Higiene no ouvido

  • 1. 1 INTRODUÇÃO O ouvido é o órgão responsável pela captação de vibrações no ar (sons) e transformação desses, em impulsos nervosos que o cérebro “codifica”. Além dessafunção, esteórgão também está relacionado com o equilíbrio do corpo. Ele é dividido em três parte։ ouvido externo, ouvido médio e ouvido interno.
  • 2. 2 DESENVOLVIMENTO O ouvido é um órgão avançado e muito sensível do corpo humano. A função do ouvido é transmitir e traduzir sons para o cérebro através das seguintes partes: ouvido externo, ouvido médio e ouvido interno. A tarefa principal do ouvido é detectar, transmitir e traduzir sons. Outra função muito importante do ouvido é manter nosso senso deequilíbrio. A melhor maneira para descrever a função do ouvido é fazer uma descrição do caminho percorrido pelas ondas do som no ouvido. No video você poderá ver a viagem de ondas sonoras através do ouvido. O ouvido está dividido em três diferentes partes:  Ouvido externo é a parte que recebe as ondas sonoras;  Ouvido médio, onde há a transformação dessas ondas em vibrações mecânicas que será transmitida para a próxima parte;  Ouvido interno, onde as vibrações estimulam os receptores e sofrem transdução para impulsos nervosos que vão alcançar o sistema nervoso central, via nervo acústico. OUVIDO EXTERNO Ouvido externo é a porção exterior do ouvido, que capta o som e o transmite por um canal ao ouvido médio. O ouvido externo é composto de duas partes: O pavilhão auditivo, também conhecido como orelha e o conduto auditivo externo. As partes que são vitais para o sentido auditivo localizam-se alguns centímetros para dentro do esqueleto e da orelha. O ouvido externo faz parte de três seções anatômicas ou partes distintas que incluem ainda o ouvido médio e o ouvido interno. A função principal do pavilhão auditivo é coletar sons, agindo como um funil e direcionando o som para o conduto auditivo. Outra função é a filtragem do som, processo este que ajuda a localizar a origem dos sons que chegam ao indivíduo. Além disso, no caso dos humanos, o processo de filtragem seleciona sons na faixa de frequência da voz humana facilitando o entendimento. Já o conduto auditivo externo tem a função de transmitir os sons captados pela orelha para o tímpano além de servir de câmara deressonância ampliando algumas frequências de sons.
  • 3. 3 OUVIDO MÉDIO O ouvido médio é a porção interna do tímpano, e externo da cóclea, ambos localizados no ouvido. O ouvido médio contém três ossículos, que amplificam a vibração do tímpano comondas depressão no fluido do ouvido interno. O espaço oco do ouvido médio é também chamado de caixa timpânica. A trompa de Eustáquio se junta à caixa timpânica e a cavidade nasal, permitindo equalizar o ouvido interno e a garganta com o aumento de pressão. O ouvido médio podeserchamada também de cavidade timpánica, por causa da cavidade auditiva que ela apresenta, apresenta também as suas paredes que as delimitam tais são: o tecto, o pavimento, a parede lateral(timpánica), parede medial,e paredes posterior e anterior. A função do ouvido médio é transferir eficientemente a energia sonora do ar para o líquido contido dentro da cóclea. OUVIDO INTERNO O ouvido interno é composto pela cóclea e pelo aparato vestibular. O último osso da cadeia ossicular, o estribo, está acoplado a uma fina membrana chamada de janela oval. A janela oval é na realidade uma entrada para a orelha interna, que contém o órgão da audição, a cóclea. Quando o osso estribo move, a janela oval move com ele. No outro lado da janela oval está a cóclea, um canal em forma de caracol preenchido por líquidos e, quando as vibrações chegam à cóclea provenientes da orelha interna, são transformadas em ondas de compressão que por sua vez ativam oórgão de Corti que é responsável pela transformação das ondas de compressão em impulsos nervosos que são enviados ao cérebropara serem interpretados. O líquido (endolinfa) é agitado pelos movimentos da janela oval e, dentro da cóclea, o órgão de Corti é formado por milhares decélulas ciliadas que são colocadas em movimento toda vez que o líquido é movimentado. A estimulação destas células, porsuavez, causa impulsos elétricos que são enviados para o cérebro. Os impulsos elétricos representam a quarta mudança na mensagem sonora de uma energia para a outra: da energia acústica das ondas sonoras entrando naorelha, para a energia elétrica dos impulsos que viajam para o cérebro. O ouvido interno também contém um órgão muito importante que está na verdade conectado com a cóclea, mas que não contribui para o nosso sentido da audição, o sistema vestibular, formado por três pequenos canais
  • 4. 4 semicirculares, que nos ajudam a manter oequilíbrio e auxiliar na visão já que as rotações da mesma precisam ser compensadas para que possamos ter uma visão clara sem ser borrada. É através dele que se pode saber, por exemplo, quando se está com o corpo inclinado mesmo estando de olhosvendados. Problemas com os canais semicirculares podem resultar em sintomas como a vertigem. A audição é um factor chave na manutenção de trocas intelectuais, mas possivelmente ainda mais importante, a audição supre o pano de fundo auditivo que dá o sentimento de participação e segurança. DOENÇA DE OUVIDO A dor de ouvido é um sintoma que surge, principalmente, após estar muito tempo ao frio ou ao introduzir água ou objetos, como cotonetes e palitos, no canal auditivo, que podem provocar uma infecção do ouvido ou rompimento do tímpano. Porém, outras causas incluem problemas na mandíbula ou crescimento de um dente, por exemplo. Geralmente, a dor de ouvido é mais frequente em crianças, uma vez que apresentam maiores chances de desenvolver infecções dentro do ouvido ou canal auditivo. Para tratar a dor de ouvido é recomendado consultar o otorrinolaringologista, no caso do adulto, ou o pediatra, no caso dos bebês e crianças, para iniciar o tratamento mais adequado. As doenças do ouvido externo: Afectam em princípio o canal auditivo. As três afecções mais frequentes são a impetigem, o eczema e a obstrução. Esta última pode ser causadaporum corpo estranho introduzido acidentalmente no ouvido oupor um rolhão de cerúmen formado pela acumulação de cera endurecida. Por vezes, para a extracção de um rolhão, toma-se necessária uma lavagem médica do canal auditivo. Causas Um certo número de bactérias ou, raramente, de fungos pode causar uma otite externa generalizada; a bactériaestafilococo costuma provocar furúnculos. Algumas pessoas, como as que sofrem de alergias, psoríase, eczema ou dermatite do couro cabeludo, são particularmente propensas a contrair uma otite externa. As lesões provocadas no canal auditivo, quer ao limpá-lo, quer por causa da entrada de água ou de substâncias irritativas como a laca ou a tinta do cabelo, costumam conduzir à otite externa.
  • 5. 5 O canal auditivo limpa-se por si só, deslocando as células cutâneas mortas desdeo tímpano até ao exterior, como se estivessem numa passadeira rolante. O facto de tentar limpar o canal com pequenas zaragatoas, interrompe este mecanismo de autolimpeza e pode empurrar a matéria residual para o tímpano, onde se acumula. Os resíduos acumulados e a cera tendem a reter a água que entra no canal quando a pessoase banha ou nada. Como resultado final, a pele molhada e macia do canal auditivo contrai infecções bacterianas ou fúngicas com mais facilidade. Sintomas Os sintomas da otite externa generalizada são comichão, dor e uma secreção malcheirosa. Se o canal auditivo inchar ou se encher de pus e de resíduos, a audição piora. Em geral, o canal ressente-se e dói se se puxar o ouvido externo (orelha) ou se se exercer pressão sobre a prega de pele que se encontra em frente ao canal. Quando se observa o interior do canal auditivo através de um otoscópio (um instrumento para visualizar o canal e o tímpano), vê-se que a pele do canal está vermelha, edemaciada e coberta de pus e de resíduos. Os furúnculos provocam muita dor. Quando rebentam, é possível que saia do ouvido uma pequena quantidade de sangue e de pus. Tratamento Para tratar a otite externa generalizada, o médico primeiro elimina as substâncias residuais infectadas que se encontram no canal por meio de aspiração ou com pequenoas zaragatoas (varetas com ponta de algodão). Uma vez limpo o canal auditivo, a audição costuma voltar à normalidade. As doenças do ouvido médio: Afectam o tímpano, a cadeia de ossículos, as paredes da caixa do tímpano e a trompa de Eustáquio. As doenças infecciosas que podem causar uma otite média são frequentes. A inflamação da trompa de Eustáquio, ou catarro auricular, compreendea presençano ouvido médio deum líquido que não pode defluir e exerce uma pressão dolorosa sobre o tímpano. Os ossículos podem ser afectados pela otosclerose, uma espécie de anquilose mecânica que diminui notavelmente a audição. As infeções do ouvido médio são uma causa da perda de audição moderada e reversível nas crianças e são também o principal motivo de
  • 6. 6 consultas de urgência em idade pediátrica. A sua gravidade pode chegar ao ponto de provocar uma perfuração do tímpano, havendo ainda a possibilidade de se propagar a áreas adjacentes, como por exemplo à zona óssea situada atrás da orelha, isto é à mastóide. Os adultos também podem apanhar infeções do ouvido médio, mas são as crianças, sobretudo as que frequentam creches e jardins-de-infância quem corre um maior risco de sofrer estas infecções. Os sintomas mais comuns de uma infeção do ouvido médio são a dor e as perturbações auditivas, nomeadamente uma redução transitória da capacidade auditiva. No interior do ouvido médio está localizado um conjunto de três ossos minúsculos (ossículos) que normalmente transferem as vibrações sonoras desdeo tímpano para o ouvido interno, onde estas são transformadas em impulsos nervosos que o cérebro descodifica e interpreta na forma dediferentes sons. Nas pessoas quesofrem de otite média, todavia, a inflamação e a infeção podem alterar por completo este processo. Outros sintomas podem incluir febre, uma sensação de desconforto generalizado, vómitos e diarreia nos bebés, tonturas, perda de equilíbrio e drenagem de fluidos através do ouvido. Diagnóstico O seu médico colocará questões acerca das dores de ouvidos que o afetam, se se verificou alguma saída de fluído pelo ouvido ou se há ocorrência defebre. De seguida, examinará os ouvidos comum otoscópio — um instrumento em forma de cone com uma pequena lanterna que permite observar o canal auditivo e o tímpano. O médico estará atento a alguma eventual vermelhidão ou inchaço do tímpano e verificará se este se move quando envia ar sob pressão para o canal auditivo através do otoscópio (o tímpano não apresentará qualquer movimento no caso de estar demasiado
  • 7. 7 rígido ouse houver fluído por trás dele). O seu médico poderá ainda requerer a realização de um exame auditivo designado por audiograma para fazer o despiste de possíveis problemas auditivos ou um outro teste conhecido por timpanograma, que serve para medir o grau de movimento do tímpano (normalmente após ter terminado o tratamento). Tratamento O tratamento a aplicar às infeções do ouvido médio dependerá da gravidade dos sintomas e do microrganismo que estiver a causar a infeção. Muitas infeções acabam por desaparecer por si próprias, e nestes casos a única medicação necessária são analgésicos. Até cerca de 80% das otites podem curar sem que seja necessário a utilização de antibióticos. Estes, porém, são prescritos a qualquer criança abaixo dos dois anos de idade ou a qualquer doente que apresente sintomas graves. Pode acontecer, por vezes, que o médico receite antibióticos, pedindo contudo ao paciente ou à sua família que aguarde 48 a 72 horas antes de iniciar a sua toma, na expectativa de que os sintomas aliviem sem recurso a tais medicamentos. As doenças do ouvido interno: As afecções virais do vestíbulo e da cóclea comprometem seriamente a audição, sem possibilidade de recuperação quando são afectadas as células sensoriais. As perturbações vasculares do ouvido interno estão à origem de vertigens, zumbidos, perturbações do equilíbrio e da síndroma de Méniere, que se manifesta com estes sintomas. Também um tumor particular do nervo auditivo, o neurinoma do nervo acústico, provoca a surdez.
  • 8. 8 Problemas no ouvido interno Infecções do ouvido interno também são chamados de otite interna ou labirintite. Estas infecções são normalmente o resultado de uma infecção em outras partes do ENT (ouvido, nariz e garganta) na região, como os seios, garganta, problemas no ouvido interno, etc., também podemsercausadas por infecções virais ou fúngicas e pode acompanhar-se outra doenças como a gripe, caxumba ou sarampo. Alguns outros problemas do ouvido interno são a doença auto-imune da orelha interna, neuroma acústico, doença de Ménière, ototoxicidade, fístulas perilinfa, vertigem associada à enxaqueca, convulsões silenciosos, e alergias. Sintomas Os sintomas de distúrbios do ouvido interno pode variar em gravidade de pessoa para pessoa, dependendo da condição subjacente. Alguns dos sintomas gerais são tonturas, vômitos, náuseas, tonturas, dor que se sente como a Roma dores de cabeça ao longo dos lados e templos, zumbido nos ouvidos (zumbido) e perda auditiva podeser parcial ou totalmente. A perda deaudição é muito comum, no caso deinfecções do ouvido interno. Zumbido e outros sons, como pop, estertores ou pops também são muito comuns. Diagnóstico e tratamento Estes problemas podem ser diagnosticados com base em um teste de audição, eletronistagmografia (ENG), ECOG, posturografia plataforma ou teste, a cadeira de teste e imagens rotativas, como raios-X, tomografia computadorizada e ressonância magnética. Para a maioria dos problemas do ouvido interno, de baixo teor em sal, recomenda-se que a dieta de cafeína. Você vê, os problemas do ouvido interno e cafeína não se dão bem, porque a cafeína é um estimulante do sistema nervoso central e seu consumo faz comque os sintomas do distúrbio do ouvido interno (particularmente dor de cabeça e tontura), parecem ser mais pronunciado. Portanto, recomenda-se que a cafeína, tanto quanto possível, até que a condição está totalmente tratada é reduzida. O excesso de açúcar na dieta também provoca tonturas. No caso de doença ou hidropsia endolinfática Meniere, diuréticos são administrados para eliminar o excesso de retenção de fluidos. Recomendamos uma dieta pobreem sal para resolver os problemas de pressão arterial elevada e pressão arterial elevada é susceptível de lhe dar uma dor de cabeça e tontura e fora de equilíbrio, e quando se lida com os mesmos sintomas de infecção do ouvido interno, é certamente don't quer mais deles!. Alguns medicamentos, tais como drogas de benzodiazepina são úteis no tratamento de problemas do ouvido interno. As injeções de Botox também são úteis para aliviar os sintomas de tinnitus.
  • 9. 9 A terapia vestibular é encontrado para ser eficaz em muitas pessoas com estes problemas. No entanto, lembre-se que antes de tomar qualquer tratamento, você deve consultar o seu médico. A dor de ouvido pode ter várias causas, que, em alguns casos, podem ser identificadas através dos sintomas e de quando surgem. Assim:  Dor de ouvido e garganta: pode ser sinal de infecção do ouvido, conhecida por otite, que pode-sealastrar para a garganta, provocando febre acima de 38ºC, dor em forma de pontada e mau cheiro ao falar, por exemplo. Nestes casos é recomendado consultar o médico para inciar o tratamento com antibióticos;  Dorde ouvido no avião:é, frequentemente, provocadapela diferença de pressão que ocorre, principalmente, quando o avião está decolando ou aterrissando. O que se pode fazer é mastigar chiclete ou bocejar nesses momentos. Já no caso do bebê, dar uma mamadeira de água é uma boa forma de aliviar a dor.  Dor de ouvido e mandíbula: pode indicar problemas na articulação damandíbula, como artrite oudeslocamento da articulação, que geram piora da dor ao abrir a boca para bocejar ou mastigar, por exemplo. Nestes casos pode-secolocar uma compressaquente junto do ouvido e da articulação da mandíbula para aliviar a dor, mas é importante consultar o otorrinolaringologista para iniciar o tratamento adequado;  Dor de ouvido quando engole: pode ser sintoma de infecção na garganta, como amigdalite ou tonsilite, que provoca dor também no ouvido por ser um órgão próximo. Nestes casos é aconselhado consultar o médico para iniciar o tratamento com anti-inflamatórios, como Ibuprofeno, ou antibióticos, como a Amoxicilina. Além destas causas, a dorde ouvido também podeser provocadapelo crescimento dos dentes no bebê, nascimento dos dentes do siso no adulto ou problemas nos dentes, como abcesso, cárie ou bruxismo, por exemplo. Nestes casos é recomendado consultar o dentista para diagnosticar o problema e inciar o tratamento adequado. Causas da dor de ouvido podem incluir:  Artrite da mandíbula;  Infecção de ouvido aguda;  Infecção de ouvido crônica;  Lesão da orelha pormudanças de pressão (a partir de grandes altitudes e outras causas);
  • 10. 10  Objeto preso no ouvido ou cera de ouvido severamente impactada;  Tímpano rompido ou perfurado;  Infecção nos seios da face;  Dor de garganta com dorreferida para os ouvidos;  Síndromeda articulação temporomandibular;  Infecção dentária. Dor de ouvido em uma criança ou bebê pode ser devido à infecção, uma ou mais das seguintes causas:  Irritação do canal auditivo por cotonetes;  Sabão ou shampoo ficar no ouvido. Cuidados para as dores de ouvido Os passos seguintes podem ajudar durante uma dor de ouvido:  Bolsa de gelo ou toalha molhada aplicada ao ouvido externo por 20 minutos podereduzir a dor;  Para as crianças com idade suficiente para mastigar goma de forma segura, a mastigação podeajudar a aliviar a dor e a pressão de uma infecção no ouvido;  Se uma criança é desconfortáveldeitada, descansando em uma posição vertical podeajudar a reduzir a pressão no ouvido médio;  Gotas para os ouvidos são suaves e eficazes, desdeque o tímpano não tenha se rompido;  Analgésicos, como o paracetamol ou o ibuprofeno, podem proporcionaralívio para as crianças e adultos com uma dor de ouvido. Não dê aspirina para crianças;  Você podealiviar a dor de ouvido causada pela rápida descendente de grandes altitudes por engolir ou mascar goma. Prevenção para as dores no ouvido Evitar fumar perto de crianças ajuda na prevenção, já que o fumo foi mostrado como responsável em provocar milhões de infecções do ouvido a cada ano em crianças. Há como prevenir infecções do ouvido externo por não colocarobjetos no ouvido e secar o ouvido após o banho ou a natação. Tomando medidas para controlar alergias. Em particular, evitando os gatilhos de alergia. Spray nasal com esteroides podem ajudar a reduzir infecções de ouvido. No entanto, anti-histamínicos sedativos e descongestionantes não impedem infecções de ouvido. O mais importante? Só se medicar com autorização e indicação de seu médico.
  • 11. 11 CONCLUSÃO Com base as pesquisas feitas conclui-se que as doenças de ouvido podemsercausadas poruma obstrução datuba auditiva, o pequeno canalque conecta a parte posterior interna do nariz com o ouvido médio. O ar no ouvido médio está constantemente sendo absorvido por sua parede membranosa, mas ele jamais é esvaziado enquanto a tuba auditiva permanecer aberta e capaz de se reabastecer, durante o ato de engolir. Dessa forma, a pressão do arem ambos os lados do tímpano permanece quase igual. Porém, quando a tuba auditiva está obstruída, apressão no ouvido médio não pode ser equalizada. O ar que já está ali é absorvido e, sem um novo fornecimento, acontece um vácuo no ouvido médio, sugando o tímpano para dentro e tensionando-o de modo doloroso. Desde os bebês até as crianças e adultos, alguns cuidados auxiliam na prevenção da doença.  Quando ainda bebês, na hora de amamentar, não deixar a criança inclinada entre os braços e o seio. Deite o bebê o mais próximo possível do seio e curve-se a ele para que a criança possa mamar sem ficar inclinada.  Nas campanhas devacinação, não deixe de proteger o seu filho, pois a doença também acontece após o fim de gripes e resfriados.  Fumar aumenta o risco de infecção por conta das alterações de proteção na garganta, então evite o consumo de tabaco e até meso em casa, pois afumaça também causaprejuízos àsaúdede quem não fuma, mas tem contato com a fumaça.  Qualquer sintoma de anormalidade na saúde do seu filho, procure a ajuda de médicos e especialistas.  Nunca se automedique, isso podecausardanos àsaúdee não resolve o problema. Procure sempre um médico.  Proteja o ouvido no banho e também quando estiver em praia e piscina  Cuidados no uso do cotonete, pois pode tirar a proteção do canal auditivo, a cera.