SlideShare uma empresa Scribd logo
METODOS DE BARREIRA
Professora Marsia Christoff
Alunas: Ana Catarina, Katiuscia Izidro, Kimberly Casemiro e Michele Machado
Este grupo engloba vários dispositivos e produtos
químicos utilizados para impedir temporariamente o
acesso dos espermatozoides viáveis ao interior do útero e
a sua entrada nas trompas de Falópio em busca de um
óvulo para fecundar.
PRESERVATIVO FEMININO
Camisinha é um método
contraceptivo do tipo barreira. Feita
de látex ou poliuretano, impede a
ascensão dos espermatozoides ao
útero, prevenindo a gravidez
indesejada. Também é eficiente na
proteção contra doenças sexualmente
transmissíveis (DSTs), como AIDS e
HPV.
VANTAGENS
É um método controlado pela mulher (isso é bom porque a
mulher pode assumir o comando naquela discussão difícil mas
muito frequente sobre usar ou não o preservativo na hora H);
Apresenta dupla proteção: contra gravidez e contra doenças
sexualmente transmissíveis (contra as doenças chega a
proteger mais que a camisinha masculina porque abrange uma
área maior de contato genital);
Não apresenta hormônios (para quem não pode ou não quer
usar métodos hormonais);
Não apresenta contraindicações (isso mesmo, NENHUMA
contraindicação);
DESVANTAGENS
Faz barulho (portanto, capriche no lubrificante!);
Pode se movimentar com o entra e sai do pênis (isso é normal, mas se você sentir que o anel externo está sendo
puxado para dentro, segure-o ou coloque mais lubrificante);
Pode falhar (a taxa de falha é de 5 gravidezes em cada 100 mulheres que usam de forma correta, mas lembre-se
que todo método anticoncepcional pode falhar, alguns mais, outros menos, mas todos podem falhar);
Pode romper (mas esse risco é maior para a camisinha masculina e se isso acontecer você deverá tomar a pílula do
dia seguinte o mais rápido possível);
É mais cara que a camisinha masculina (mas ainda assim é um método anticoncepcional considerado barato).
PRESERVATIVO OU CONDOM
É uma cobertura de látex muito fina que deve ser colocada sobre o
pênis em ereção antes da penetração na vagina, durante o ato
sexual. O preservativo evita que o esperma atinja a vagina. Alguns
preservativos são cobertos por uma substância espermicida, que
ajuda a inativar os espermatozoides. É imprescindível que se utilize
sempre um preservativo novo a cada relação sexual, sendo que cada
um deve ser utilizado apenas uma vez. O índice de eficácia depende
da forma como é utilizado (60-80%). A prescrição médica não é
necessária.
VANTAGENS
 Protege contra as Doenças Sexualmente
Transmissíveis;
 É praticamente o único método
contraceptivo amplamente disponível para os
homens;
 Não requer supervisão médica;
 Preferido para relações esporádicas.
DESVANTAGENS
 Sua eficácia depende de como é utilizado;
 Pode se romper;
 Pode provocar irritações pelo atrito durante o coito;
 Tem efeito psicológico negativo sobre o ato sexual e/ou
diminuição da sensibilidade.
CONSERVAÇÃO DOS PRESERVATIVOS
Um dos principais motivos de falhas na utilização dos
preservativos consiste na sua deterioração devido a
inadequadas condições de conservação, o que favorece a
sua ruptura. Neste sentido, é extremamente importante
manter os preservativos num sítio fresco, já que tanto o
calor como a humidade podem deteriorá-los, evitando
levá-los durante muito tempo num bolso ou na carteira.
Por outro lado, antes de se utilizar o preservativo, deve-se
comprovar a data de validade impressa na embalagem,
deitando-o no lixo quando a mesma já tiver sido
ultrapassada.
DIAFRAGMA
É um anel flexível por uma borracha fina, que impede a entrada dos
espermatozoides no útero
COMO COLOCAR?
A mulher deve colocar dentro da vagina por
cerca de 15 a 30 minutos antes da relação e
retira-lo de 6 a 12 horas depois do ato sexual.
O índice de eficácia chega a 85%. Somente o médico ginecologista
poderá prescrever o diafragma, indicando o tamanho adequado para
cada usuária, após o exame ginecológico e verificação de
determinadas condições (por exemplo, medida do diâmetro vaginal) e
explicando como deve ser usado.
VANTAGENS
 Pode ser colocado várias horas antes do ato sexual;
 É útil quando as relações sexuais são esporádicas;
 Protege contra algumas doenças de transmissão sexual;
 Proporciona alguma proteção contra o câncer do colo
uterino;
 Pode ser usado no período pós-parto.
DESVANTAGENS
 Requer grande envolvimento e dedicação da usuária, especialmente em relação
às condições de higiene;
 Requer também treinamento específico da usuária, para que seja utilizado
corretamente;
 Exige ainda que a usuária tenha ou adquira certo conhecimento dos órgãos
genitais;
 Não protege contra a AIDS e as Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST).
DURAÇÃO
Deve-se mudar de diafragma, no máximo, de dois em
dois anos, mesmo que não pareça deteriorado, pois as
próprias dimensões dos genitais internos podem alterar-
se ao longo desse período de tempo, o que proporciona
uma falha do método. Pelo mesmo motivo, deve-se
igualmente proceder a uma alteração de diafragma após
o parto, aborto ou perda de peso significativo. Apenas
se deve selecionar o tamanho do novo diafragma, após
se deter- minar com precisão as dimensões do colo do
útero da utilizadora.
CÁPSULA
A cápsula é um pequeno dispositivo de borracha ou plástico duro com uma forma semelhante a
um dedal, a qual deve ser colocada no fundo da vagina à volta do colo do útero, onde é mantida
por um mecanismo de sucção, de modo a constituir uma barreira à passagem
dos espermatozoides para o interior do útero. Como existem cápsulas de diferentes tamanhos, o
médico deve comprovar o diâmetro do colo do útero da paciente, de modo a determinar,
consoante cada caso específico, a que proporcione um efeito de vácuo que permita, depois de ser
aplicada, a sua correta manutenção à volta do cérvix. Embora este mecanismo desempenhe o
mesmo papel que o diafragma, a sua utilização está recomendada para as mulheres que não
podem utilizar este último dispositivo devido à presença de defeitos anatómicos do útero, como
por exemplo a retroversão ou um prolapso, que dificultem a retenção do mesmo. Em relação à
eficácia contraceptiva, é semelhante em ambos os métodos.
ESPONJA VAGINAL
É uma esponja de poliuretano impregnada com
uma substância química, o que aumenta seu
efeito contraceptivo. Deve ser colocada na
profundidade da vagina para que cubra
completamente o colo do útero.
O índice de eficácia é de 85%. Não é necessária
prescrição médica, mas exige explicações
médicas iniciais e certo conhecimento dos
órgãos genitais.
VANTAGENS
•Proteção duradoura de até 24
horas;
•Não requer tempo de espera para o
início do efeito contraceptivo, depois
da colocação;
•É fácil de usar;
•Não requer a associação de outros
agentes espermicidas.
DESVANTAGENS
 Requer algum treinamento da usuária para
correta utilização, especialmente em relação à
colocação e retirada;
 Pode provocar lesões vaginais se não
permanecer no local adequado;
 Se for deixado por longo tempo, pode
causar odores desagradáveis;
 Não protege contra a AIDS e as Doenças
Sexualmente Transmissíveis (DST).
 Esponja contraceptiva
ESPERMICIDAS
São produtos que combinam uma substância
química espermicida com uma base de gel, creme, óvulos, espumas ou
comprimidos vaginais que se dissolvem na vagina para inativar os
espermatozoides.
O índice de eficácia chega a 63%. Não é necessária a prescrição
médica, mas requer esclarecimentos médicos mínimos.
VANTAGENS
 Fácil de usar;
 Protege contra algumas doenças de transmissão sexual
(DST);
 Úteis no caso de relações sexuais pouco frequentes;
 Aumentam a eficácia de outros métodos de barreira (por
exemplo, quando usado junto com preservativos).
DESVANTAGENS
 A aplicação pode ser incômoda para alguns casais;
 O efeito contraceptivo é de curta duração;
 Baixo índice de eficácia;
 Podem provocar irritações genitais;
 Não protegem contra a AIDS e as Doenças Sexualmente
Transmissíveis (DST).
QUEM PODE UTILIZAR
Qualquer pessoa sexualmente ativa
ONDE ENCONTRAR
 Farmácias e unidades básicas de saúde
CUIDADOS DE ENFERMAGEM
Ao procurar o serviço de saúde para realizar o planejamento familiar, a mulher, o homem ou o
casal pode não possuir conhecimento algum sobre os métodos contraceptivos disponíveis, pode
conhecê-los e ter o desejo de iniciar o uso de um método específico, ou, ainda, pode já fazer uso
de algum método sem (ou com) indicação de um profissional de saúde.
Em todos esses casos, é imprescindível que o enfermeiro realize uma minuciosa investigação a
fim de verificar se o usuário está apto a utilizar algum método contraceptivo e qual o método
que oferecerá maiores benefícios com menor ou nenhum risco á saúde. Isso considerando as
aspirações, angústias e dúvidas do usuário.
CUIDADOS DE ENFERMAGEM
Os principais aspectos que devem ser observados na primeira consulta de planejamento familiar se
referem à verificação de uma possível gravidez já instalada, se há contraindicação a algum método e se
existem condições que, embora não contraindiquem um método contraceptivo, exigem
acompanhamento mais frequente.
Essa avaliação não deve constituir, contudo, barreira ao acesso dos usuários à assistência no
planejamento familiar. Quando não for possível a realização de uma avaliação mais complexa e quando
não for identificada uma necessidade importante, os métodos anticoncepcionais podem ser oferecidos
com base na avaliação clínica.
Um dos aspectos mais importantes da avaliação da mulher consiste na verificação da existência de
gravidez já instalada. Para isso, não é necessário o teste de gravidez, pois, muitas vezes, este exame
apresenta-se dispendioso, adiando a utilização do método contraceptivo.
METODOS DE BARREIRA

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Planejamento familiar
Planejamento familiarPlanejamento familiar
Planejamento familiar
WAGNER OLIVEIRA
 
DST
DSTDST
Gravidez Na AdoslescêNcia E Violencia Sexual
Gravidez Na AdoslescêNcia E Violencia SexualGravidez Na AdoslescêNcia E Violencia Sexual
Gravidez Na AdoslescêNcia E Violencia Sexual
Érik Silva Oliveira
 
Doenças Sexualmente Transmissíveis
Doenças Sexualmente TransmissíveisDoenças Sexualmente Transmissíveis
Doenças Sexualmente Transmissíveis
lipe98
 
Saude da mulher
Saude da mulherSaude da mulher
Saude da mulher
TesisMaster
 
Aula 01 dst
Aula 01  dstAula 01  dst
Aula 01 dst
Alinebrauna Brauna
 
Outubro Rosa. É Preciso Falar Disso!
Outubro Rosa. É Preciso Falar Disso!Outubro Rosa. É Preciso Falar Disso!
Outubro Rosa. É Preciso Falar Disso!
Ministério Público de Santa Catarina
 
Metodos contraceptivos
Metodos contraceptivosMetodos contraceptivos
Metodos contraceptivos
Razvan Balaci
 
Metodos contraceptivos
Metodos contraceptivosMetodos contraceptivos
Metodos contraceptivos
César Milani
 
Métodos contraceptivos(barreiras)
Métodos contraceptivos(barreiras)Métodos contraceptivos(barreiras)
Métodos contraceptivos(barreiras)
ap3bmachado
 
Novembro azul
Novembro azulNovembro azul
IST´s (Infecções Sexualmente Transmissíveis)
IST´s (Infecções Sexualmente Transmissíveis)IST´s (Infecções Sexualmente Transmissíveis)
IST´s (Infecções Sexualmente Transmissíveis)
António Matias
 
Métodos contraceptivos diu
Métodos contraceptivos   diuMétodos contraceptivos   diu
Métodos contraceptivos diu
zeopas
 
Saúde da mulher slides
Saúde da mulher  slidesSaúde da mulher  slides
Saúde da mulher slides
Carlean Oliveira
 
Ist 01
Ist 01Ist 01
Apresentação metodos anticoncepcionais
Apresentação metodos anticoncepcionaisApresentação metodos anticoncepcionais
Apresentação metodos anticoncepcionais
joao11batista
 
04.leucorreias
04.leucorreias  04.leucorreias
04.leucorreias
Gloria Grazziotin
 
Gravidez na adolescência e métodos contraceptivos
Gravidez na adolescência e métodos contraceptivosGravidez na adolescência e métodos contraceptivos
Gravidez na adolescência e métodos contraceptivos
jessica sanielly
 
Dst aids para adolescentes
Dst   aids para adolescentesDst   aids para adolescentes
Dst aids para adolescentes
Alinebrauna Brauna
 
Gravidez na adolescência
Gravidez na adolescênciaGravidez na adolescência
Gravidez na adolescência
Soraya Filipa
 

Mais procurados (20)

Planejamento familiar
Planejamento familiarPlanejamento familiar
Planejamento familiar
 
DST
DSTDST
DST
 
Gravidez Na AdoslescêNcia E Violencia Sexual
Gravidez Na AdoslescêNcia E Violencia SexualGravidez Na AdoslescêNcia E Violencia Sexual
Gravidez Na AdoslescêNcia E Violencia Sexual
 
Doenças Sexualmente Transmissíveis
Doenças Sexualmente TransmissíveisDoenças Sexualmente Transmissíveis
Doenças Sexualmente Transmissíveis
 
Saude da mulher
Saude da mulherSaude da mulher
Saude da mulher
 
Aula 01 dst
Aula 01  dstAula 01  dst
Aula 01 dst
 
Outubro Rosa. É Preciso Falar Disso!
Outubro Rosa. É Preciso Falar Disso!Outubro Rosa. É Preciso Falar Disso!
Outubro Rosa. É Preciso Falar Disso!
 
Metodos contraceptivos
Metodos contraceptivosMetodos contraceptivos
Metodos contraceptivos
 
Metodos contraceptivos
Metodos contraceptivosMetodos contraceptivos
Metodos contraceptivos
 
Métodos contraceptivos(barreiras)
Métodos contraceptivos(barreiras)Métodos contraceptivos(barreiras)
Métodos contraceptivos(barreiras)
 
Novembro azul
Novembro azulNovembro azul
Novembro azul
 
IST´s (Infecções Sexualmente Transmissíveis)
IST´s (Infecções Sexualmente Transmissíveis)IST´s (Infecções Sexualmente Transmissíveis)
IST´s (Infecções Sexualmente Transmissíveis)
 
Métodos contraceptivos diu
Métodos contraceptivos   diuMétodos contraceptivos   diu
Métodos contraceptivos diu
 
Saúde da mulher slides
Saúde da mulher  slidesSaúde da mulher  slides
Saúde da mulher slides
 
Ist 01
Ist 01Ist 01
Ist 01
 
Apresentação metodos anticoncepcionais
Apresentação metodos anticoncepcionaisApresentação metodos anticoncepcionais
Apresentação metodos anticoncepcionais
 
04.leucorreias
04.leucorreias  04.leucorreias
04.leucorreias
 
Gravidez na adolescência e métodos contraceptivos
Gravidez na adolescência e métodos contraceptivosGravidez na adolescência e métodos contraceptivos
Gravidez na adolescência e métodos contraceptivos
 
Dst aids para adolescentes
Dst   aids para adolescentesDst   aids para adolescentes
Dst aids para adolescentes
 
Gravidez na adolescência
Gravidez na adolescênciaGravidez na adolescência
Gravidez na adolescência
 

Semelhante a METODOS DE BARREIRA

Métodos contraceptivos
Métodos contraceptivosMétodos contraceptivos
Métodos contraceptivos
PhoenixSportFitness
 
Métodos Físicos
Métodos FísicosMétodos Físicos
Métodos Físicos
DarkWolf
 
Métodos contraceptivos
Métodos contraceptivosMétodos contraceptivos
Métodos contraceptivos
Andrea Japoneza
 
Ciências métodos anticoncepcionais- karolayne e evellin n° 12 e 03
Ciências   métodos anticoncepcionais- karolayne e evellin n° 12 e 03Ciências   métodos anticoncepcionais- karolayne e evellin n° 12 e 03
Ciências métodos anticoncepcionais- karolayne e evellin n° 12 e 03
Rodrigo Exteca
 
Seminário métodos contraceptivos 8 ano
Seminário métodos contraceptivos 8 anoSeminário métodos contraceptivos 8 ano
Seminário métodos contraceptivos 8 ano
NTE RJ14/SEEDUC RJ
 
Os métodos contraceptivos
Os métodos contraceptivosOs métodos contraceptivos
Os métodos contraceptivos
Gravideznadolescencia
 
Contraceptivos
ContraceptivosContraceptivos
Contraceptivos
Eunice Palma
 
Métodos contraceptivos garantem o planejamento familiar
Métodos contraceptivos garantem o planejamento familiarMétodos contraceptivos garantem o planejamento familiar
Métodos contraceptivos garantem o planejamento familiar
Sirlane Pinheiro
 
Helena reis 333 novo apresenta+º+úo do microsoft power_point (2)
Helena reis 333 novo apresenta+º+úo do microsoft power_point (2)Helena reis 333 novo apresenta+º+úo do microsoft power_point (2)
Helena reis 333 novo apresenta+º+úo do microsoft power_point (2)
Angela Boucinha
 
Métodos contracetivos - Eduardo, José Luís, Filipe, Vitor
Métodos contracetivos - Eduardo, José Luís, Filipe, VitorMétodos contracetivos - Eduardo, José Luís, Filipe, Vitor
Métodos contracetivos - Eduardo, José Luís, Filipe, Vitor
jluis505
 
Mtodos contraceptivos
Mtodos contraceptivosMtodos contraceptivos
Mtodos contraceptivos
miguelpim
 
Métodos contraceptivos humanos
Métodos contraceptivos humanosMétodos contraceptivos humanos
Métodos contraceptivos humanos
Clécio Bubela
 
Espermicida E Diafragma
Espermicida E DiafragmaEspermicida E Diafragma
Espermicida E Diafragma
guest4fe7b8
 
Espermicida e diafragma
Espermicida e diafragmaEspermicida e diafragma
Espermicida e diafragma
esas8e
 
Espermicida e diafragma
Espermicida e diafragmaEspermicida e diafragma
Espermicida e diafragma
esas8e
 
Os Métodos Contraceptivos
Os Métodos ContraceptivosOs Métodos Contraceptivos
Os Métodos Contraceptivos
Gravideznadolescencia
 
Os métodos contraceptivos
Os métodos contraceptivosOs métodos contraceptivos
Os métodos contraceptivos
Gravideznadolescencia
 
Métodos contracetivos
Métodos contracetivosMétodos contracetivos
Métodos contracetivos
Tânia Reis
 
Sexualidade na adolescência
Sexualidade na adolescênciaSexualidade na adolescência
Sexualidade na adolescência
Ana Paula Silva
 
Métodos Contracetivos
Métodos ContracetivosMétodos Contracetivos
Métodos Contracetivos
Alexandra Pereira
 

Semelhante a METODOS DE BARREIRA (20)

Métodos contraceptivos
Métodos contraceptivosMétodos contraceptivos
Métodos contraceptivos
 
Métodos Físicos
Métodos FísicosMétodos Físicos
Métodos Físicos
 
Métodos contraceptivos
Métodos contraceptivosMétodos contraceptivos
Métodos contraceptivos
 
Ciências métodos anticoncepcionais- karolayne e evellin n° 12 e 03
Ciências   métodos anticoncepcionais- karolayne e evellin n° 12 e 03Ciências   métodos anticoncepcionais- karolayne e evellin n° 12 e 03
Ciências métodos anticoncepcionais- karolayne e evellin n° 12 e 03
 
Seminário métodos contraceptivos 8 ano
Seminário métodos contraceptivos 8 anoSeminário métodos contraceptivos 8 ano
Seminário métodos contraceptivos 8 ano
 
Os métodos contraceptivos
Os métodos contraceptivosOs métodos contraceptivos
Os métodos contraceptivos
 
Contraceptivos
ContraceptivosContraceptivos
Contraceptivos
 
Métodos contraceptivos garantem o planejamento familiar
Métodos contraceptivos garantem o planejamento familiarMétodos contraceptivos garantem o planejamento familiar
Métodos contraceptivos garantem o planejamento familiar
 
Helena reis 333 novo apresenta+º+úo do microsoft power_point (2)
Helena reis 333 novo apresenta+º+úo do microsoft power_point (2)Helena reis 333 novo apresenta+º+úo do microsoft power_point (2)
Helena reis 333 novo apresenta+º+úo do microsoft power_point (2)
 
Métodos contracetivos - Eduardo, José Luís, Filipe, Vitor
Métodos contracetivos - Eduardo, José Luís, Filipe, VitorMétodos contracetivos - Eduardo, José Luís, Filipe, Vitor
Métodos contracetivos - Eduardo, José Luís, Filipe, Vitor
 
Mtodos contraceptivos
Mtodos contraceptivosMtodos contraceptivos
Mtodos contraceptivos
 
Métodos contraceptivos humanos
Métodos contraceptivos humanosMétodos contraceptivos humanos
Métodos contraceptivos humanos
 
Espermicida E Diafragma
Espermicida E DiafragmaEspermicida E Diafragma
Espermicida E Diafragma
 
Espermicida e diafragma
Espermicida e diafragmaEspermicida e diafragma
Espermicida e diafragma
 
Espermicida e diafragma
Espermicida e diafragmaEspermicida e diafragma
Espermicida e diafragma
 
Os Métodos Contraceptivos
Os Métodos ContraceptivosOs Métodos Contraceptivos
Os Métodos Contraceptivos
 
Os métodos contraceptivos
Os métodos contraceptivosOs métodos contraceptivos
Os métodos contraceptivos
 
Métodos contracetivos
Métodos contracetivosMétodos contracetivos
Métodos contracetivos
 
Sexualidade na adolescência
Sexualidade na adolescênciaSexualidade na adolescência
Sexualidade na adolescência
 
Métodos Contracetivos
Métodos ContracetivosMétodos Contracetivos
Métodos Contracetivos
 

Último

Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
balmeida871
 
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagemAula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Jssica597589
 
Seminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamente
Seminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamenteSeminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamente
Seminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamente
LasAraujo12
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx
danielecarvalho75
 
tccemmodelodeslideparaparesentacaotcc2.pptx
tccemmodelodeslideparaparesentacaotcc2.pptxtccemmodelodeslideparaparesentacaotcc2.pptx
tccemmodelodeslideparaparesentacaotcc2.pptx
DvilaSoares1
 
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
NanandorMacosso
 
Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema TegumentarSeminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
PatrciaOliveiraPat
 
Tuberculose manual modulo 1 micobacterias
Tuberculose manual modulo 1 micobacteriasTuberculose manual modulo 1 micobacterias
Tuberculose manual modulo 1 micobacterias
CarolLopes74
 
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabiConferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
FabianeOlegario2
 

Último (9)

Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
 
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagemAula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
 
Seminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamente
Seminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamenteSeminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamente
Seminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamente
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx
 
tccemmodelodeslideparaparesentacaotcc2.pptx
tccemmodelodeslideparaparesentacaotcc2.pptxtccemmodelodeslideparaparesentacaotcc2.pptx
tccemmodelodeslideparaparesentacaotcc2.pptx
 
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
 
Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema TegumentarSeminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
 
Tuberculose manual modulo 1 micobacterias
Tuberculose manual modulo 1 micobacteriasTuberculose manual modulo 1 micobacterias
Tuberculose manual modulo 1 micobacterias
 
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabiConferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
 

METODOS DE BARREIRA

  • 1. METODOS DE BARREIRA Professora Marsia Christoff Alunas: Ana Catarina, Katiuscia Izidro, Kimberly Casemiro e Michele Machado
  • 2. Este grupo engloba vários dispositivos e produtos químicos utilizados para impedir temporariamente o acesso dos espermatozoides viáveis ao interior do útero e a sua entrada nas trompas de Falópio em busca de um óvulo para fecundar.
  • 3. PRESERVATIVO FEMININO Camisinha é um método contraceptivo do tipo barreira. Feita de látex ou poliuretano, impede a ascensão dos espermatozoides ao útero, prevenindo a gravidez indesejada. Também é eficiente na proteção contra doenças sexualmente transmissíveis (DSTs), como AIDS e HPV.
  • 4. VANTAGENS É um método controlado pela mulher (isso é bom porque a mulher pode assumir o comando naquela discussão difícil mas muito frequente sobre usar ou não o preservativo na hora H); Apresenta dupla proteção: contra gravidez e contra doenças sexualmente transmissíveis (contra as doenças chega a proteger mais que a camisinha masculina porque abrange uma área maior de contato genital); Não apresenta hormônios (para quem não pode ou não quer usar métodos hormonais); Não apresenta contraindicações (isso mesmo, NENHUMA contraindicação);
  • 5. DESVANTAGENS Faz barulho (portanto, capriche no lubrificante!); Pode se movimentar com o entra e sai do pênis (isso é normal, mas se você sentir que o anel externo está sendo puxado para dentro, segure-o ou coloque mais lubrificante); Pode falhar (a taxa de falha é de 5 gravidezes em cada 100 mulheres que usam de forma correta, mas lembre-se que todo método anticoncepcional pode falhar, alguns mais, outros menos, mas todos podem falhar); Pode romper (mas esse risco é maior para a camisinha masculina e se isso acontecer você deverá tomar a pílula do dia seguinte o mais rápido possível); É mais cara que a camisinha masculina (mas ainda assim é um método anticoncepcional considerado barato).
  • 6. PRESERVATIVO OU CONDOM É uma cobertura de látex muito fina que deve ser colocada sobre o pênis em ereção antes da penetração na vagina, durante o ato sexual. O preservativo evita que o esperma atinja a vagina. Alguns preservativos são cobertos por uma substância espermicida, que ajuda a inativar os espermatozoides. É imprescindível que se utilize sempre um preservativo novo a cada relação sexual, sendo que cada um deve ser utilizado apenas uma vez. O índice de eficácia depende da forma como é utilizado (60-80%). A prescrição médica não é necessária.
  • 7. VANTAGENS  Protege contra as Doenças Sexualmente Transmissíveis;  É praticamente o único método contraceptivo amplamente disponível para os homens;  Não requer supervisão médica;  Preferido para relações esporádicas.
  • 8. DESVANTAGENS  Sua eficácia depende de como é utilizado;  Pode se romper;  Pode provocar irritações pelo atrito durante o coito;  Tem efeito psicológico negativo sobre o ato sexual e/ou diminuição da sensibilidade.
  • 9. CONSERVAÇÃO DOS PRESERVATIVOS Um dos principais motivos de falhas na utilização dos preservativos consiste na sua deterioração devido a inadequadas condições de conservação, o que favorece a sua ruptura. Neste sentido, é extremamente importante manter os preservativos num sítio fresco, já que tanto o calor como a humidade podem deteriorá-los, evitando levá-los durante muito tempo num bolso ou na carteira. Por outro lado, antes de se utilizar o preservativo, deve-se comprovar a data de validade impressa na embalagem, deitando-o no lixo quando a mesma já tiver sido ultrapassada.
  • 10. DIAFRAGMA É um anel flexível por uma borracha fina, que impede a entrada dos espermatozoides no útero
  • 11. COMO COLOCAR? A mulher deve colocar dentro da vagina por cerca de 15 a 30 minutos antes da relação e retira-lo de 6 a 12 horas depois do ato sexual.
  • 12. O índice de eficácia chega a 85%. Somente o médico ginecologista poderá prescrever o diafragma, indicando o tamanho adequado para cada usuária, após o exame ginecológico e verificação de determinadas condições (por exemplo, medida do diâmetro vaginal) e explicando como deve ser usado.
  • 13. VANTAGENS  Pode ser colocado várias horas antes do ato sexual;  É útil quando as relações sexuais são esporádicas;  Protege contra algumas doenças de transmissão sexual;  Proporciona alguma proteção contra o câncer do colo uterino;  Pode ser usado no período pós-parto.
  • 14. DESVANTAGENS  Requer grande envolvimento e dedicação da usuária, especialmente em relação às condições de higiene;  Requer também treinamento específico da usuária, para que seja utilizado corretamente;  Exige ainda que a usuária tenha ou adquira certo conhecimento dos órgãos genitais;  Não protege contra a AIDS e as Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST).
  • 15. DURAÇÃO Deve-se mudar de diafragma, no máximo, de dois em dois anos, mesmo que não pareça deteriorado, pois as próprias dimensões dos genitais internos podem alterar- se ao longo desse período de tempo, o que proporciona uma falha do método. Pelo mesmo motivo, deve-se igualmente proceder a uma alteração de diafragma após o parto, aborto ou perda de peso significativo. Apenas se deve selecionar o tamanho do novo diafragma, após se deter- minar com precisão as dimensões do colo do útero da utilizadora.
  • 16. CÁPSULA A cápsula é um pequeno dispositivo de borracha ou plástico duro com uma forma semelhante a um dedal, a qual deve ser colocada no fundo da vagina à volta do colo do útero, onde é mantida por um mecanismo de sucção, de modo a constituir uma barreira à passagem dos espermatozoides para o interior do útero. Como existem cápsulas de diferentes tamanhos, o médico deve comprovar o diâmetro do colo do útero da paciente, de modo a determinar, consoante cada caso específico, a que proporcione um efeito de vácuo que permita, depois de ser aplicada, a sua correta manutenção à volta do cérvix. Embora este mecanismo desempenhe o mesmo papel que o diafragma, a sua utilização está recomendada para as mulheres que não podem utilizar este último dispositivo devido à presença de defeitos anatómicos do útero, como por exemplo a retroversão ou um prolapso, que dificultem a retenção do mesmo. Em relação à eficácia contraceptiva, é semelhante em ambos os métodos.
  • 17. ESPONJA VAGINAL É uma esponja de poliuretano impregnada com uma substância química, o que aumenta seu efeito contraceptivo. Deve ser colocada na profundidade da vagina para que cubra completamente o colo do útero. O índice de eficácia é de 85%. Não é necessária prescrição médica, mas exige explicações médicas iniciais e certo conhecimento dos órgãos genitais.
  • 18. VANTAGENS •Proteção duradoura de até 24 horas; •Não requer tempo de espera para o início do efeito contraceptivo, depois da colocação; •É fácil de usar; •Não requer a associação de outros agentes espermicidas.
  • 19. DESVANTAGENS  Requer algum treinamento da usuária para correta utilização, especialmente em relação à colocação e retirada;  Pode provocar lesões vaginais se não permanecer no local adequado;  Se for deixado por longo tempo, pode causar odores desagradáveis;  Não protege contra a AIDS e as Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST).  Esponja contraceptiva
  • 20. ESPERMICIDAS São produtos que combinam uma substância química espermicida com uma base de gel, creme, óvulos, espumas ou comprimidos vaginais que se dissolvem na vagina para inativar os espermatozoides. O índice de eficácia chega a 63%. Não é necessária a prescrição médica, mas requer esclarecimentos médicos mínimos.
  • 21. VANTAGENS  Fácil de usar;  Protege contra algumas doenças de transmissão sexual (DST);  Úteis no caso de relações sexuais pouco frequentes;  Aumentam a eficácia de outros métodos de barreira (por exemplo, quando usado junto com preservativos).
  • 22. DESVANTAGENS  A aplicação pode ser incômoda para alguns casais;  O efeito contraceptivo é de curta duração;  Baixo índice de eficácia;  Podem provocar irritações genitais;  Não protegem contra a AIDS e as Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST).
  • 23. QUEM PODE UTILIZAR Qualquer pessoa sexualmente ativa
  • 24. ONDE ENCONTRAR  Farmácias e unidades básicas de saúde
  • 25. CUIDADOS DE ENFERMAGEM Ao procurar o serviço de saúde para realizar o planejamento familiar, a mulher, o homem ou o casal pode não possuir conhecimento algum sobre os métodos contraceptivos disponíveis, pode conhecê-los e ter o desejo de iniciar o uso de um método específico, ou, ainda, pode já fazer uso de algum método sem (ou com) indicação de um profissional de saúde. Em todos esses casos, é imprescindível que o enfermeiro realize uma minuciosa investigação a fim de verificar se o usuário está apto a utilizar algum método contraceptivo e qual o método que oferecerá maiores benefícios com menor ou nenhum risco á saúde. Isso considerando as aspirações, angústias e dúvidas do usuário.
  • 26. CUIDADOS DE ENFERMAGEM Os principais aspectos que devem ser observados na primeira consulta de planejamento familiar se referem à verificação de uma possível gravidez já instalada, se há contraindicação a algum método e se existem condições que, embora não contraindiquem um método contraceptivo, exigem acompanhamento mais frequente. Essa avaliação não deve constituir, contudo, barreira ao acesso dos usuários à assistência no planejamento familiar. Quando não for possível a realização de uma avaliação mais complexa e quando não for identificada uma necessidade importante, os métodos anticoncepcionais podem ser oferecidos com base na avaliação clínica. Um dos aspectos mais importantes da avaliação da mulher consiste na verificação da existência de gravidez já instalada. Para isso, não é necessário o teste de gravidez, pois, muitas vezes, este exame apresenta-se dispendioso, adiando a utilização do método contraceptivo.