SlideShare uma empresa Scribd logo
A hidrografia é o ramo da geografia física que estuda
as águas do planeta, abrangendo portanto rios, mares,
oceanos, lagos, geleiras, água do subsolo e da
atmosfera.
Os hidrógrafos são os profissionais que estudam a
hidrografia do planeta, analisam e catalogam as águas
navegáveis de todo o mundo, elaborando cartas e
mapas que mostram em detalhes a formação dos
canais, a profundidade das águas e a localização dos
canais, bancos de areia, correntes marítimas, etc
AS ÁGUAS E AS PAISAGENS TERRESTRES
As águas dos rios, lagos e oceanos atuam constantemente na
transformação das paisagens terrestres.
 Rios: são cursos de água que drenam a água de um ponto mais
alto do relevo, onde está sua nascente.
 Lagos: se formam em determinadas depressões da superfície
terrestre, podem ser naturais (existentes na natureza) ou
artificiais (construídos pelo homem).
 Foz: última parte do rio, podendo desaguar em outro rio.
 Leito: superfície do relevo que compõem o trajeto percorrido
pelo rio.
 Margem: área localizada ao lado do rio, ou seja, margem direita
e margem esquerda.
 Rio principal: rio com maior volume de água.
 Cachoeiras e saltos: ocorrem devido a quedas verticais e
variações repentinas.
 Nascente: local onde o rio inicia o seu curso.
 Geleiras: são imensas massas de gelo perene formadas pelo
congelamento de águas doces, podendo ser encontradas nas
regiões polares e em ares montanhosas.
 Afluente ou tributário: rio menor que deságua no rio
principal.
Drenagem do tipo exorreica, quando um rio nasce
no interior do continente e segue até desaguar no
mar. Já a drenagem do tipo endorreica é quando
um rio não atinge o mar, desembocando em um
lago, por exemplo. Esse curso de água pode ser
definido como o afloramento do lençol freático à
superfície, embora existam rios que são
concebidos a partir de derretimento de geleiras
ou provenientes das águas de lagos.
O estuário é uma zona alagada caracterizada como um
ambiente de transição, sendo o local onde o fluxo de
água dos rios encontra a água salgada do mar.
Em resumo, é a zona de transição entre o rio e o mar.
Os estuários correspondem a um ambiente salobro,
onde a água doce mistura-se com a água do mar. Essa
situação oferece condições únicas para o ambiente.
O estuário é sujeito a influência das marés, assim sofre
alterações constantes de temperatura e salinidade.
Uma outra característica importante é o fatos dos
estuários serem um dos ambientes mais produtivos do
planeta. Isso ocorre porque as águas carregam grande
quantidade de nutrientes e matéria orgânica.
Foz dos rios
A foz do rio é a região onde acaba o seu curso. Ela
pode ser dividida em dois tipos:
•Foz estuário: quando as águas dos rios desaguam
no mar ou oceano, através um único canal.
•Foz delta: quando as águas do rio desembocam no
mar ou oceano através de redes de canais.
DELTA
ESTUÁRIO
A HIDROGRAFIA BRASILEIRA
CARACTERÍSTICAS
BACIAS HIDROGRÁFICAS
BRASILEIRAS
BACIA AMAZÔNICA
 Maior bacia hidrográfica do planeta.
 Vertentes delimitadas pelos seguintes divisores de água: Cordilheira dos
Andes, Planalto Central e Planalto das Guianas.
 Afluentes dos dois lados (norte e sul) permite a dupla captação das
cheias de verão.
 Afluentes do Amazonas que nascem nos planaltos das Guianas e
Brasileiro possuem o maior potencial hidrelétrico disponível no Brasil.
 Amazonas totalmente navegável.
 Estando presente nos estados do Acre, Amapá, Amazonas, Roraima,
Rondônia, Mato Grosso e Pará.
BACIA DO TOCANTINS-ARAGUAIA
 Com 814 mil km² é a maior bacia fluvial
exclusivamente brasileira; nasce em Goiás.
 Compartilha sua foz com a do rio Amazonas, não
sendo mais seu afluente.
 No rio Tocantins está localizada a usina de Tucuruí, 2ª
maior hidrelétrica do Brasil.
BACIA DO SÃO FRANCISCO
 Rio S. Francisco nasce na Serra da Canastra em MG,
segue rumo sul-norte.
 Transporta grande volume de água pela região
semiárida.
 Contribuição histórica, pois permitiu a fixação de
população ribeirinha e a criação de várias cidades.
 Potencial hídrico aproveitado para irrigar os solos
férteis à sua margem. (Fruticultura)
 Potencial hidrelétrico, explorado pelas usinas de
Sobradinho (BA), Três Marias(MG), Paulo Afonso (AL)
entre outras.
 Afluentes temporários;
Transposição do Rio São Francisco
O Rio São Francisco é um dos rios mais importantes
do país, com mais de 2.000 km de trecho navegáveis.
A Transposição do Rio São Francisco é um projeto do
Governo Federal, que visa a criação de 600 km de canais
aproximadamente, com o intuito de abastecer diversas
regiões do nordeste do país que sofrem com o fenômeno da
seca.
Concebido em 1985, a obra do projeto está dividida em dois
grandes eixos para captação das águas: o Eixo Norte, na
cidade de Cabrobó e o Eixo Leste na cidade de Floresta.
O Bacia do Rio São Francisco tem uma enorme
importância econômica, social e cultural para a região,
uma vez que suas águas servem para abastecer e
fornecer energia para grande parte da população
circundante (cerca de 520 municípios), além de servir
de transporte e comunicação entre as cidades.
Vale lembrar que a Bacia do Rio São Francisco é formado
pelo Rio São Francisco e seus 158 afluentes, dos quais 90 são
rios perenes e 68 deles são rios temporários.
Bacia hidrográfica do Rio São
Francisco
PRINCIPAIS USO DO RIO
Aproveitamento hidrelétrico ;
Irrigação;
Navegação;
Suprimentos de água e pesca;
TRANSPOSIÇÃO DO SÃO
FRANCISCO
A transposição das águas do São Francisco é o maior
projeto de infraestrutura do Programa de Aceleração
do Crescimento (PAC), desenvolvido pelo presidente
Lula. Essa obra teve início em 2007, e visa a
construção de 720 mil metros de canais que irão
transferir de 1% a 3% das águas do São Francisco para
abastecer açudes e rios intermitentes (que
desaparecem nos períodos de seca) dos estados de
Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte e Ceará.
A “faraônica” obra de engenharia terá dois eixos: um
levará água de Cabrobó (PE) até o sertão de
Pernambuco, Ceará, Paraíba e Rio Grande do Norte. O
outro eixo proporcionará água para o sertão e o
agreste de Pernambuco e Paraíba, através de canais
construídos nas águas em Petrolina, Pernambuco.
Estima-se que serão gastos 7 bilhões de reais durante a
obra, que deverá ser finalizada em 2015. O governo
afirma que a transposição beneficiará mais de 12 milhões
de habitantes do semiárido nordestino, proporcionando
água para suprir as necessidades humanas e impulsionar
o desenvolvimento de atividades econômicas. No
entanto, muitos pesquisadores, inclusive o renomado
geógrafo Aziz Ab’Saber, afirmam que essa obra não
beneficiará esse número de pessoas, sendo os
pecuaristas os principais privilegiados com a
transposição do Velho Chico.
BACIA PLATINA
É formada pelas Bacias do Paraná, do Paraguai e
do Uruguai.
Características
A Bacia Platina é a segunda maior bacia hidrográfica do Brasil
(depois da Bacia Amazônica) e da América do Sul. Além
disso, é considerada uma das maiores bacias hidrográficas do
mundo em extensão e volume de água, com cerca de 3
milhões Km2, donde quase metade, cerca de 1,4 milhão Km2,
está localizada na região sul do território brasileiro.
Possui rios navegáveis com grande potencial hidrelétrico e
está localizada no sul da América do Sul. Além do Brasil, a
Bacia Platina está presente no Uruguai, Bolívia, Paraguai e
Argentina. Por isso, ela é um importante meio de
comunicação entre os países do Mercosul.
A principal usina hidrelétrica instalada na Bacia Platina
é a Usina Binacional de Itaipu no Rio Paraná, uma das
maiores do mundo, construída em parceria entre Brasil
e Paraguai. Além dela, muitas hidrelétricas fornecem
energia para as cidades circundantes, e muitos
trechos fluviais colaboram com a atividade econômica
pesqueira.
No entanto, é uma das bacias hidrográficas mais
ameaçadas do planeta devido a intensa atividade
humana, desde poluição dos rios, construção de
hidrovias, barragens, dentre outros.
BACIA DO PARANÁ
 Drena porção Centro-Sul do país.
 Rio principal: PARANÁ que nasce da confluência
entre o Paranaíba (MG/GO) e Grande (SP/MG).
 Rio Paraná e seus afluentes da margem esquerda
são rios de planalto.
 Alto potencial hidrelétrico ( maior produtora
hidrelétrica)
 Navegabilidade é muito pequena devido à
topografia.
 Necessidade de eclusas.
PRODUÇÃO HIDRELÉTRICA
BACIA DO PARANÁ
 Maior potência instalada.
 Infinidade de hidrelétricas:
1. Conjunto Urubupungá
2. Itaipu - Binacional
 Custo.
 Desastre ecológico
1-Complexo de Urubupunga é formado pelas usinas
de Jupiá, Ilha Solteira e Três Irmãos, que são banhadas
pelo Rio Paraná, operando com potência total de 4,6
milhões de quilowatts exercendo influência em área que se
estende pelos estados de São Paulo, Mato Grosso do
Sul, Minas Gerais e Goiás.
2-Itaipu é uma Usina Binacional, pois foi construída a partir
da Ata do Iguaçu, documento assinado em 22 de junho de
1966, por ministros do Brasil e do Paraguai, no qual os
dois países se comprometeram a estudar o
aproveitamento dos recursos hidráulicos presente entre os
dois países, que até então era motivo de disputa entre eles.
 Itaipu
 Porto Primavera
 Marimbondo
 Furnas
PRINCIPAIS USINAS HIDROELÉTRICAS
Integração dos estados MG, SP, MS, PR, SC
e GO;
Liga a região de Anhebi ( Sorocaba SP), até
Foz do Iguaçu.
Possibilita maior integração do Brasil com
os países do Mercosul.
HIDROVIA TIETÊ-PARANÁ
BACIA DO PARAGUAI
• Drena uma grande área de planície
• Países – Bolívia, Paraguai, Argentina e Brasil.
• O rio Paraguai nasce na chapada dos Perecis
(MT).
• Principais afluentes – rio Cuiabá, rio Taquarí e rio
Miranda.
• Principais atividades econômicas – pecuária
bovina, expansão da soja e escoamento do
manganês.
RIO DO URUGUAI
 O rio Uruguai é formado pela junção dos rios Canoas
(SC) e Pelotas (RS);
 Deságua no estuário da Prata;
 Alto curso – pequena produção de hidroeletricidade.
 Baixo curso – rizicultura de inundação (CULTIVO DE
ARROZ).
BACIAS HIDROGRÁFICAS DO RS
 3 grandes bacias hidrográficas: a Bacia do Uruguai,
a qual faz parte da Bacia do Rio da Prata e abrange
cerca de 57% da área total do Estado;
 a bacia do Guaíba com 30% do total
apresenta áreas de grande concentração industrial e
urbana
 Bacia Litorânea com 13% do total
Problemas Ambientais
 Resultantes na sua maioria, das formas de
apropriação e uso que a sociedade faz
Problemas Ambientais na bacia do
rio Uruguai
 Despejo de efluentes domésticos sem tratamento
 Despejo de efluentes agroindústrias
 Atividades mineradoras
 Assoreamento dos rios
 Contaminação do solo
 Processo intenso de arenização.
Problemas ambientais na Bacia
do Guaíba
 Despejo de efluentes domésticos e industriais.
 Poluição do ar por fontes fixas.
 Ocupação urbana em áreas de risco
 Transporte de cargas perigosas.
Problemas ambientais na Bacia
litorânea
 Despejo de efluentes no mar e em lagoas;
 Manejo inadequado de resíduos sólidos urbanos e
industrias;
 Ocupação urbana e atividades mineradora de areia
 Contaminação de agrotóxicos e insumos tóxicos

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Região sudeste slides1
Região sudeste slides1Região sudeste slides1
Região sudeste slides1
sandraanacletoandrade
 
Regiao Nordeste
Regiao NordesteRegiao Nordeste
Regiao Nordeste
Walquiria Dutra
 
Região sudeste slides
Região sudeste slidesRegião sudeste slides
Região sudeste slides
Ivone Rosa Sa
 
APRESENTAÇÃO SOBRE O BIOMA PANTANAL
APRESENTAÇÃO SOBRE O BIOMA PANTANALAPRESENTAÇÃO SOBRE O BIOMA PANTANAL
APRESENTAÇÃO SOBRE O BIOMA PANTANAL
Ceber Alves
 
Geografia da América do Sul
Geografia da América do SulGeografia da América do Sul
Geografia da América do Sul
Patrícia Éderson Dias
 
Região sul do Brasil
Região sul do BrasilRegião sul do Brasil
Região sul do Brasil
Nome Sobrenome
 
Região Sul
Região SulRegião Sul
Região Sul
Silmara Vedoveli
 
Nordeste
NordesteNordeste
Geografia Do Brasil RegiõEs
Geografia Do Brasil   RegiõEsGeografia Do Brasil   RegiõEs
Geografia Do Brasil RegiõEs
Mateus Silva
 
Hidrografia- Principais partes de um rio; Bacias Hidrográficas Brasileiras
Hidrografia- Principais partes de um rio; Bacias Hidrográficas BrasileirasHidrografia- Principais partes de um rio; Bacias Hidrográficas Brasileiras
Hidrografia- Principais partes de um rio; Bacias Hidrográficas Brasileiras
Saulo Lucena
 
Região Sudeste
Região SudesteRegião Sudeste
Região Sudeste
Silmara Vedoveli
 
TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO
TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCOTRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO
TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO
Conceição Fontolan
 
Modulo 14 - O Complexo Centro-Sul
Modulo 14 - O Complexo Centro-SulModulo 14 - O Complexo Centro-Sul
Modulo 14 - O Complexo Centro-Sul
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Climas do brasil
Climas do brasilClimas do brasil
Climas do brasil
karolpoa
 
7º ano unidade 5 - Região Norte
7º ano   unidade 5 - Região Norte7º ano   unidade 5 - Região Norte
7º ano unidade 5 - Região Norte
Christie Freitas
 
Hidrografia
HidrografiaHidrografia
Região Nordeste.
Região Nordeste.Região Nordeste.
Região Nordeste.
Camila Brito
 
Vegetação do brasil
Vegetação do brasilVegetação do brasil
Vegetação do brasil
João José Ferreira Tojal
 
Hidrosfera: as Águas Continentais
Hidrosfera: as Águas ContinentaisHidrosfera: as Águas Continentais
Hidrosfera: as Águas Continentais
Professora Verônica Santos
 
Bacia Hidrográfica
Bacia HidrográficaBacia Hidrográfica
Bacia Hidrográfica
Hidrologia UFC
 

Mais procurados (20)

Região sudeste slides1
Região sudeste slides1Região sudeste slides1
Região sudeste slides1
 
Regiao Nordeste
Regiao NordesteRegiao Nordeste
Regiao Nordeste
 
Região sudeste slides
Região sudeste slidesRegião sudeste slides
Região sudeste slides
 
APRESENTAÇÃO SOBRE O BIOMA PANTANAL
APRESENTAÇÃO SOBRE O BIOMA PANTANALAPRESENTAÇÃO SOBRE O BIOMA PANTANAL
APRESENTAÇÃO SOBRE O BIOMA PANTANAL
 
Geografia da América do Sul
Geografia da América do SulGeografia da América do Sul
Geografia da América do Sul
 
Região sul do Brasil
Região sul do BrasilRegião sul do Brasil
Região sul do Brasil
 
Região Sul
Região SulRegião Sul
Região Sul
 
Nordeste
NordesteNordeste
Nordeste
 
Geografia Do Brasil RegiõEs
Geografia Do Brasil   RegiõEsGeografia Do Brasil   RegiõEs
Geografia Do Brasil RegiõEs
 
Hidrografia- Principais partes de um rio; Bacias Hidrográficas Brasileiras
Hidrografia- Principais partes de um rio; Bacias Hidrográficas BrasileirasHidrografia- Principais partes de um rio; Bacias Hidrográficas Brasileiras
Hidrografia- Principais partes de um rio; Bacias Hidrográficas Brasileiras
 
Região Sudeste
Região SudesteRegião Sudeste
Região Sudeste
 
TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO
TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCOTRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO
TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO
 
Modulo 14 - O Complexo Centro-Sul
Modulo 14 - O Complexo Centro-SulModulo 14 - O Complexo Centro-Sul
Modulo 14 - O Complexo Centro-Sul
 
Climas do brasil
Climas do brasilClimas do brasil
Climas do brasil
 
7º ano unidade 5 - Região Norte
7º ano   unidade 5 - Região Norte7º ano   unidade 5 - Região Norte
7º ano unidade 5 - Região Norte
 
Hidrografia
HidrografiaHidrografia
Hidrografia
 
Região Nordeste.
Região Nordeste.Região Nordeste.
Região Nordeste.
 
Vegetação do brasil
Vegetação do brasilVegetação do brasil
Vegetação do brasil
 
Hidrosfera: as Águas Continentais
Hidrosfera: as Águas ContinentaisHidrosfera: as Águas Continentais
Hidrosfera: as Águas Continentais
 
Bacia Hidrográfica
Bacia HidrográficaBacia Hidrográfica
Bacia Hidrográfica
 

Semelhante a Hidrografia

Hidrografia geral e do Brasileira
Hidrografia geral e do Brasileira Hidrografia geral e do Brasileira
Hidrografia geral e do Brasileira
Artur Lara
 
Hidografia geral e do brasil
Hidografia geral e do brasilHidografia geral e do brasil
Hidografia geral e do brasil
geochp
 
Bacias hidrográficas brasileiras
Bacias hidrográficas brasileirasBacias hidrográficas brasileiras
Bacias hidrográficas brasileiras
Carlão Otavio
 
As grandes bacias hidrográficas brasileiras
As grandes bacias hidrográficas brasileirasAs grandes bacias hidrográficas brasileiras
As grandes bacias hidrográficas brasileiras
Raquel Avila
 
Bacias hidrograficas
Bacias hidrograficasBacias hidrograficas
Bacias hidrograficas
ERLANDIEGO
 
Hidrografia do brasil
Hidrografia do brasilHidrografia do brasil
Hidrografia do brasil
Colégio Nova Geração COC
 
Hidrografia e hidreletricas no brasil
Hidrografia e hidreletricas no brasilHidrografia e hidreletricas no brasil
Hidrografia e hidreletricas no brasil
Salageo Cristina
 
Bacias_hidrograficas. Água no mundo. Tipos de drenagens;
Bacias_hidrograficas. Água no mundo. Tipos de drenagens;Bacias_hidrograficas. Água no mundo. Tipos de drenagens;
Bacias_hidrograficas. Água no mundo. Tipos de drenagens;
MARIAAPARECIDAALVESD27
 
Hidrografia: a água no Planeta Terra - Estudo dos rios brasileiros e bacias h...
Hidrografia: a água no Planeta Terra - Estudo dos rios brasileiros e bacias h...Hidrografia: a água no Planeta Terra - Estudo dos rios brasileiros e bacias h...
Hidrografia: a água no Planeta Terra - Estudo dos rios brasileiros e bacias h...
Saulo Lucena
 
Bacia Hidrográfica do São Francisco
Bacia Hidrográfica do São FranciscoBacia Hidrográfica do São Francisco
Bacia Hidrográfica do São Francisco
Naira Delazari
 
1°ano Hidrografia.ppt
1°ano Hidrografia.ppt1°ano Hidrografia.ppt
1°ano Hidrografia.ppt
RosaCarvalho50
 
Bacias hidrográficas
Bacias hidrográficasBacias hidrográficas
Bacias hidrográficas
IPA Metodista
 
BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO URUGUAI
BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO URUGUAIBACIA HIDROGRÁFICA DO RIO URUGUAI
BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO URUGUAI
Conceição Fontolan
 
Modulo 10 - As águas no Brasil
Modulo 10 - As águas no BrasilModulo 10 - As águas no Brasil
Modulo 10 - As águas no Brasil
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Hidrografia no brasil
Hidrografia no brasilHidrografia no brasil
Hidrografia no brasil
Isabella Silva
 
Bacias Hidrográficas
Bacias HidrográficasBacias Hidrográficas
Bacias Hidrográficas
Stéfano Silveira
 
BACIAS HIDROGRÁFICAS - Geografia 2 - Ensino remoto
BACIAS HIDROGRÁFICAS - Geografia 2 - Ensino remotoBACIAS HIDROGRÁFICAS - Geografia 2 - Ensino remoto
BACIAS HIDROGRÁFICAS - Geografia 2 - Ensino remoto
sw4kfysgx7
 
A Bacia Amazônica
 A Bacia Amazônica A Bacia Amazônica
A Bacia Amazônica
Joemille Leal
 
Hidrografia brasileira
Hidrografia brasileiraHidrografia brasileira
Hidrografia brasileira
dela28
 
2 ano medio 2 bimestre modulo 38 a 40 2013
2 ano medio 2 bimestre modulo 38 a 40 20132 ano medio 2 bimestre modulo 38 a 40 2013
2 ano medio 2 bimestre modulo 38 a 40 2013
Priscila Martins
 

Semelhante a Hidrografia (20)

Hidrografia geral e do Brasileira
Hidrografia geral e do Brasileira Hidrografia geral e do Brasileira
Hidrografia geral e do Brasileira
 
Hidografia geral e do brasil
Hidografia geral e do brasilHidografia geral e do brasil
Hidografia geral e do brasil
 
Bacias hidrográficas brasileiras
Bacias hidrográficas brasileirasBacias hidrográficas brasileiras
Bacias hidrográficas brasileiras
 
As grandes bacias hidrográficas brasileiras
As grandes bacias hidrográficas brasileirasAs grandes bacias hidrográficas brasileiras
As grandes bacias hidrográficas brasileiras
 
Bacias hidrograficas
Bacias hidrograficasBacias hidrograficas
Bacias hidrograficas
 
Hidrografia do brasil
Hidrografia do brasilHidrografia do brasil
Hidrografia do brasil
 
Hidrografia e hidreletricas no brasil
Hidrografia e hidreletricas no brasilHidrografia e hidreletricas no brasil
Hidrografia e hidreletricas no brasil
 
Bacias_hidrograficas. Água no mundo. Tipos de drenagens;
Bacias_hidrograficas. Água no mundo. Tipos de drenagens;Bacias_hidrograficas. Água no mundo. Tipos de drenagens;
Bacias_hidrograficas. Água no mundo. Tipos de drenagens;
 
Hidrografia: a água no Planeta Terra - Estudo dos rios brasileiros e bacias h...
Hidrografia: a água no Planeta Terra - Estudo dos rios brasileiros e bacias h...Hidrografia: a água no Planeta Terra - Estudo dos rios brasileiros e bacias h...
Hidrografia: a água no Planeta Terra - Estudo dos rios brasileiros e bacias h...
 
Bacia Hidrográfica do São Francisco
Bacia Hidrográfica do São FranciscoBacia Hidrográfica do São Francisco
Bacia Hidrográfica do São Francisco
 
1°ano Hidrografia.ppt
1°ano Hidrografia.ppt1°ano Hidrografia.ppt
1°ano Hidrografia.ppt
 
Bacias hidrográficas
Bacias hidrográficasBacias hidrográficas
Bacias hidrográficas
 
BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO URUGUAI
BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO URUGUAIBACIA HIDROGRÁFICA DO RIO URUGUAI
BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO URUGUAI
 
Modulo 10 - As águas no Brasil
Modulo 10 - As águas no BrasilModulo 10 - As águas no Brasil
Modulo 10 - As águas no Brasil
 
Hidrografia no brasil
Hidrografia no brasilHidrografia no brasil
Hidrografia no brasil
 
Bacias Hidrográficas
Bacias HidrográficasBacias Hidrográficas
Bacias Hidrográficas
 
BACIAS HIDROGRÁFICAS - Geografia 2 - Ensino remoto
BACIAS HIDROGRÁFICAS - Geografia 2 - Ensino remotoBACIAS HIDROGRÁFICAS - Geografia 2 - Ensino remoto
BACIAS HIDROGRÁFICAS - Geografia 2 - Ensino remoto
 
A Bacia Amazônica
 A Bacia Amazônica A Bacia Amazônica
A Bacia Amazônica
 
Hidrografia brasileira
Hidrografia brasileiraHidrografia brasileira
Hidrografia brasileira
 
2 ano medio 2 bimestre modulo 38 a 40 2013
2 ano medio 2 bimestre modulo 38 a 40 20132 ano medio 2 bimestre modulo 38 a 40 2013
2 ano medio 2 bimestre modulo 38 a 40 2013
 

Último

As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
TathyLopes1
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
FernandaOliveira758273
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
nunesly
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 

Último (20)

As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 

Hidrografia

  • 1.
  • 2. A hidrografia é o ramo da geografia física que estuda as águas do planeta, abrangendo portanto rios, mares, oceanos, lagos, geleiras, água do subsolo e da atmosfera. Os hidrógrafos são os profissionais que estudam a hidrografia do planeta, analisam e catalogam as águas navegáveis de todo o mundo, elaborando cartas e mapas que mostram em detalhes a formação dos canais, a profundidade das águas e a localização dos canais, bancos de areia, correntes marítimas, etc
  • 3. AS ÁGUAS E AS PAISAGENS TERRESTRES As águas dos rios, lagos e oceanos atuam constantemente na transformação das paisagens terrestres.  Rios: são cursos de água que drenam a água de um ponto mais alto do relevo, onde está sua nascente.  Lagos: se formam em determinadas depressões da superfície terrestre, podem ser naturais (existentes na natureza) ou artificiais (construídos pelo homem).
  • 4.  Foz: última parte do rio, podendo desaguar em outro rio.  Leito: superfície do relevo que compõem o trajeto percorrido pelo rio.  Margem: área localizada ao lado do rio, ou seja, margem direita e margem esquerda.  Rio principal: rio com maior volume de água.  Cachoeiras e saltos: ocorrem devido a quedas verticais e variações repentinas.
  • 5.  Nascente: local onde o rio inicia o seu curso.  Geleiras: são imensas massas de gelo perene formadas pelo congelamento de águas doces, podendo ser encontradas nas regiões polares e em ares montanhosas.  Afluente ou tributário: rio menor que deságua no rio principal.
  • 6.
  • 7.
  • 8. Drenagem do tipo exorreica, quando um rio nasce no interior do continente e segue até desaguar no mar. Já a drenagem do tipo endorreica é quando um rio não atinge o mar, desembocando em um lago, por exemplo. Esse curso de água pode ser definido como o afloramento do lençol freático à superfície, embora existam rios que são concebidos a partir de derretimento de geleiras ou provenientes das águas de lagos.
  • 9. O estuário é uma zona alagada caracterizada como um ambiente de transição, sendo o local onde o fluxo de água dos rios encontra a água salgada do mar. Em resumo, é a zona de transição entre o rio e o mar. Os estuários correspondem a um ambiente salobro, onde a água doce mistura-se com a água do mar. Essa situação oferece condições únicas para o ambiente. O estuário é sujeito a influência das marés, assim sofre alterações constantes de temperatura e salinidade. Uma outra característica importante é o fatos dos estuários serem um dos ambientes mais produtivos do planeta. Isso ocorre porque as águas carregam grande quantidade de nutrientes e matéria orgânica.
  • 10.
  • 11.
  • 12. Foz dos rios A foz do rio é a região onde acaba o seu curso. Ela pode ser dividida em dois tipos: •Foz estuário: quando as águas dos rios desaguam no mar ou oceano, através um único canal. •Foz delta: quando as águas do rio desembocam no mar ou oceano através de redes de canais.
  • 14.
  • 18. BACIA AMAZÔNICA  Maior bacia hidrográfica do planeta.  Vertentes delimitadas pelos seguintes divisores de água: Cordilheira dos Andes, Planalto Central e Planalto das Guianas.  Afluentes dos dois lados (norte e sul) permite a dupla captação das cheias de verão.  Afluentes do Amazonas que nascem nos planaltos das Guianas e Brasileiro possuem o maior potencial hidrelétrico disponível no Brasil.  Amazonas totalmente navegável.  Estando presente nos estados do Acre, Amapá, Amazonas, Roraima, Rondônia, Mato Grosso e Pará.
  • 19.
  • 21.  Com 814 mil km² é a maior bacia fluvial exclusivamente brasileira; nasce em Goiás.  Compartilha sua foz com a do rio Amazonas, não sendo mais seu afluente.  No rio Tocantins está localizada a usina de Tucuruí, 2ª maior hidrelétrica do Brasil.
  • 22. BACIA DO SÃO FRANCISCO  Rio S. Francisco nasce na Serra da Canastra em MG, segue rumo sul-norte.  Transporta grande volume de água pela região semiárida.  Contribuição histórica, pois permitiu a fixação de população ribeirinha e a criação de várias cidades.  Potencial hídrico aproveitado para irrigar os solos férteis à sua margem. (Fruticultura)  Potencial hidrelétrico, explorado pelas usinas de Sobradinho (BA), Três Marias(MG), Paulo Afonso (AL) entre outras.  Afluentes temporários;
  • 23. Transposição do Rio São Francisco O Rio São Francisco é um dos rios mais importantes do país, com mais de 2.000 km de trecho navegáveis. A Transposição do Rio São Francisco é um projeto do Governo Federal, que visa a criação de 600 km de canais aproximadamente, com o intuito de abastecer diversas regiões do nordeste do país que sofrem com o fenômeno da seca. Concebido em 1985, a obra do projeto está dividida em dois grandes eixos para captação das águas: o Eixo Norte, na cidade de Cabrobó e o Eixo Leste na cidade de Floresta.
  • 24. O Bacia do Rio São Francisco tem uma enorme importância econômica, social e cultural para a região, uma vez que suas águas servem para abastecer e fornecer energia para grande parte da população circundante (cerca de 520 municípios), além de servir de transporte e comunicação entre as cidades. Vale lembrar que a Bacia do Rio São Francisco é formado pelo Rio São Francisco e seus 158 afluentes, dos quais 90 são rios perenes e 68 deles são rios temporários.
  • 25.
  • 26. Bacia hidrográfica do Rio São Francisco
  • 27.
  • 28.
  • 29.
  • 30. PRINCIPAIS USO DO RIO Aproveitamento hidrelétrico ; Irrigação; Navegação; Suprimentos de água e pesca;
  • 32. A transposição das águas do São Francisco é o maior projeto de infraestrutura do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), desenvolvido pelo presidente Lula. Essa obra teve início em 2007, e visa a construção de 720 mil metros de canais que irão transferir de 1% a 3% das águas do São Francisco para abastecer açudes e rios intermitentes (que desaparecem nos períodos de seca) dos estados de Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte e Ceará.
  • 33. A “faraônica” obra de engenharia terá dois eixos: um levará água de Cabrobó (PE) até o sertão de Pernambuco, Ceará, Paraíba e Rio Grande do Norte. O outro eixo proporcionará água para o sertão e o agreste de Pernambuco e Paraíba, através de canais construídos nas águas em Petrolina, Pernambuco.
  • 34. Estima-se que serão gastos 7 bilhões de reais durante a obra, que deverá ser finalizada em 2015. O governo afirma que a transposição beneficiará mais de 12 milhões de habitantes do semiárido nordestino, proporcionando água para suprir as necessidades humanas e impulsionar o desenvolvimento de atividades econômicas. No entanto, muitos pesquisadores, inclusive o renomado geógrafo Aziz Ab’Saber, afirmam que essa obra não beneficiará esse número de pessoas, sendo os pecuaristas os principais privilegiados com a transposição do Velho Chico.
  • 35. BACIA PLATINA É formada pelas Bacias do Paraná, do Paraguai e do Uruguai.
  • 36. Características A Bacia Platina é a segunda maior bacia hidrográfica do Brasil (depois da Bacia Amazônica) e da América do Sul. Além disso, é considerada uma das maiores bacias hidrográficas do mundo em extensão e volume de água, com cerca de 3 milhões Km2, donde quase metade, cerca de 1,4 milhão Km2, está localizada na região sul do território brasileiro. Possui rios navegáveis com grande potencial hidrelétrico e está localizada no sul da América do Sul. Além do Brasil, a Bacia Platina está presente no Uruguai, Bolívia, Paraguai e Argentina. Por isso, ela é um importante meio de comunicação entre os países do Mercosul.
  • 37. A principal usina hidrelétrica instalada na Bacia Platina é a Usina Binacional de Itaipu no Rio Paraná, uma das maiores do mundo, construída em parceria entre Brasil e Paraguai. Além dela, muitas hidrelétricas fornecem energia para as cidades circundantes, e muitos trechos fluviais colaboram com a atividade econômica pesqueira. No entanto, é uma das bacias hidrográficas mais ameaçadas do planeta devido a intensa atividade humana, desde poluição dos rios, construção de hidrovias, barragens, dentre outros.
  • 38. BACIA DO PARANÁ  Drena porção Centro-Sul do país.  Rio principal: PARANÁ que nasce da confluência entre o Paranaíba (MG/GO) e Grande (SP/MG).  Rio Paraná e seus afluentes da margem esquerda são rios de planalto.  Alto potencial hidrelétrico ( maior produtora hidrelétrica)  Navegabilidade é muito pequena devido à topografia.  Necessidade de eclusas.
  • 39.
  • 40.
  • 41. PRODUÇÃO HIDRELÉTRICA BACIA DO PARANÁ  Maior potência instalada.  Infinidade de hidrelétricas: 1. Conjunto Urubupungá 2. Itaipu - Binacional  Custo.  Desastre ecológico
  • 42. 1-Complexo de Urubupunga é formado pelas usinas de Jupiá, Ilha Solteira e Três Irmãos, que são banhadas pelo Rio Paraná, operando com potência total de 4,6 milhões de quilowatts exercendo influência em área que se estende pelos estados de São Paulo, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais e Goiás. 2-Itaipu é uma Usina Binacional, pois foi construída a partir da Ata do Iguaçu, documento assinado em 22 de junho de 1966, por ministros do Brasil e do Paraguai, no qual os dois países se comprometeram a estudar o aproveitamento dos recursos hidráulicos presente entre os dois países, que até então era motivo de disputa entre eles.
  • 43.  Itaipu  Porto Primavera  Marimbondo  Furnas PRINCIPAIS USINAS HIDROELÉTRICAS
  • 44. Integração dos estados MG, SP, MS, PR, SC e GO; Liga a região de Anhebi ( Sorocaba SP), até Foz do Iguaçu. Possibilita maior integração do Brasil com os países do Mercosul. HIDROVIA TIETÊ-PARANÁ
  • 45. BACIA DO PARAGUAI • Drena uma grande área de planície • Países – Bolívia, Paraguai, Argentina e Brasil. • O rio Paraguai nasce na chapada dos Perecis (MT). • Principais afluentes – rio Cuiabá, rio Taquarí e rio Miranda. • Principais atividades econômicas – pecuária bovina, expansão da soja e escoamento do manganês.
  • 46. RIO DO URUGUAI  O rio Uruguai é formado pela junção dos rios Canoas (SC) e Pelotas (RS);  Deságua no estuário da Prata;  Alto curso – pequena produção de hidroeletricidade.  Baixo curso – rizicultura de inundação (CULTIVO DE ARROZ).
  • 47. BACIAS HIDROGRÁFICAS DO RS  3 grandes bacias hidrográficas: a Bacia do Uruguai, a qual faz parte da Bacia do Rio da Prata e abrange cerca de 57% da área total do Estado;  a bacia do Guaíba com 30% do total apresenta áreas de grande concentração industrial e urbana  Bacia Litorânea com 13% do total
  • 48.
  • 49. Problemas Ambientais  Resultantes na sua maioria, das formas de apropriação e uso que a sociedade faz
  • 50. Problemas Ambientais na bacia do rio Uruguai  Despejo de efluentes domésticos sem tratamento  Despejo de efluentes agroindústrias  Atividades mineradoras  Assoreamento dos rios  Contaminação do solo  Processo intenso de arenização.
  • 51. Problemas ambientais na Bacia do Guaíba  Despejo de efluentes domésticos e industriais.  Poluição do ar por fontes fixas.  Ocupação urbana em áreas de risco  Transporte de cargas perigosas.
  • 52. Problemas ambientais na Bacia litorânea  Despejo de efluentes no mar e em lagoas;  Manejo inadequado de resíduos sólidos urbanos e industrias;  Ocupação urbana e atividades mineradora de areia  Contaminação de agrotóxicos e insumos tóxicos