SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 36
DISCIPLINA:HISTÓ
RIA
TEMA:GUERRA
FRIA
21:19
1
PROFESSOR:CARLOS OLIVEIRA
WWW.ENSINANDOHISTÓRIA57.BLO
GSPOT.COM
HISTÓRIA.
 GUERRA FRIA.
 A GUERRA FRIA E O
DESDOBRAMENTO DA SEGUNDA
GUERRA NO BRASIL.OS DIVERSOS
POPULISMOS,O MOVIMENTO
SINDICAL E A REORGANIZAÇÂO
DO ESTADO DE DIREITO.
21:19
2
PROFESSOR:CARLOS OLIVEIRA
I- INTRODUÇÃO: 21:19
3
PROFESSOR:CARLOS OLIVEIRA
 As bombas lançadas em Hiroshima e Nagasaki, pelos Estados Unidos, mostram o
poderio bélico norte-americano para as outras potências, principalmente para a
União Soviética.
 A divisão alemã em quatro zonas de influência coloca frente a frente a URSS e os
EUA, sendo que as duas potências são as que Têm maior ingerência dentro do
território alemão.
 Vê-se a partir de então o início de um confronto ideológico conhecido como Guerra
Fria. O qual se desdobrará em todo o planeta.
 O Brasil durante a II Guerra vive um contexto singular: tem um Estado autoritário,
pautado em preceitos nazi-fascistas, porém seu líder envia soldados ao combate na
guerra em favor dos aliados, contra o Eixo.
 E justamente por isso tem-se a contradição Do Estado Novo de Getúlio Vargas. Ao
passo que Vargas apóia a democracia liberal do Capitalismo, tal decisão mostra-se
como uma arma poderosa nas mãos de seus opositores que a usam para depô-lo do
governo no final de 1945, antes de se realizar o calendário eleitoral pensado por
Vargas para dezembro de 1945, no intuito de “redemocratizar” o Brasil.
21:19
4
PROFESSOR:CARLOS OLIVEIRA
 A noção de que o Estado era o provedor do bem-estar social através da
clarividência de seu chefe tinha sido inaugurada com Getúlio Vargas.
 A cooperação de classes em detrimento da “luta de classes” era a palavra de ordem.
Ou seja, a sociedade não deve se confrontar, sim cooperar entre si para promover o
desenvolvimento do Brasil, sendo que ao Estado coube o papel de mediador entre o
patrão e o empregado – lembremos do sindicalismo pelego.
 O operariado estava em franca expansão. As classes dominantes não poderiam
simplesmente ignorar tal fato, caso contrário as reivindicações sociais se mostraria
perigosas à manutenção dos privilégios das elites.
 Haja vista o populismo se apresenta como uma alternativa para satisfazer interesses
de ambas as classes – operariado e industrial, no sentido de que concede ao primeiro
as leis trabalhistas e garante ao segundo uma determinada segurança em sua
produção.
 A prática populista concorre para a inserção do proletariado no projeto
desenvolvimentista da nação. O trabalhador é mais um sócio-cooperado que
trabalha em prol da empreitada do crescimento nacional.
21:19
5PROFESSOR:CARLOS OLIVEIRA
 O getulismo exercia um fascínio e atração sobre os trabalhadores urbanos, fruto de
sua política paternalista.
 As classes trabalhadoras nacionais e os movimentos sindicais estavam
consideravelmente desarticulados desde o Estado Novo, fruto do atrelamento dos
sindicatos ao aparelho do Estado (peleguismo) e da inexistência legal dos sindicatos
e partidos do proletário (o PCB estava fechado).
 O “Pacto Populista” investe na despolitização do trabalhador, numa perspectiva
deste não buscar melhoras sociais para que os abastados não percam seus privilégios
de sempre. E com a classe trabalhadora despolitizada se torna fácil a desmobilização
de idéias como a igualdade social, a desconstrução do capitalismo; isto é, afasta-se o
“perigo vermelho”. O contexto vivido mundialmente é de guerra entre o socialismo
e o capitalismo.
21:19
6
PROFESSOR:CARLOS OLIVEIRA
21:19
7
TRABALHISMO- LEMBREMOS DO
SAMBA EXALTAÇÃO.
PROFESSOR:CARLOS OLIVEIRA
 II- “O Populismo em 11 facetas”:
 1- Representou uma forma sutil de dominação imposta sobre as sociedades latino
americanas no quadro histórico da Guerra Fria. Visava disfarçar as formas de
dominação política e econômica norte americana sobre o continente.
 2- O populismo brasileiro surge sob o comando de Vargas e os políticos a ele
associados desde 1930.
 3- Ao lado das medidas concretas desenvolveu-se a ideologia e a linguagem do
populismo: ao mesmo tempo em que os governantes atendem a uma parte das
reivindicações do proletário urbano, vão se elaborando as instituições e os símbolos
populistas.
 4- O populismo foi um movimento urbano, ocorreu onde pouco a pouco, formaliza-
se o mercado de trabalho no mundo urbano-industrial em expansão.
 5- Ao mesmo tempo as massas passam a desempenhar papéis políticos reais ainda
que secundário. Assim, pode-se afirmar que a entrada das massas no quadro das
estruturas de poder é legitimada por intermédio dos movimentos populistas.
21:19
8
PROFESSOR:CARLOS OLIVEIRA
6- Inicialmente, esse populismo é exclusivamente getulista. Depois, adquire outras
conotações. Queremismo, juscelinismo, janguismo e trabalhismo são algumas das
modulações do populismo brasileiro.
7- No conjunto, entretanto, trata-se de uma política de massas específica de uma etapa
de transformações econômicas, sociais e políticas no Brasil. Trata-se de um
movimento político, antes do que um partido político.
8- Corresponde a uma parte fundamental das manifestações políticas que se inserem
nas transformações verificadas nos setores industriais e, em menor escala, agrário.
Além disto, está em relação dinâmica com a urbanização da economia brasileira.
9- Mais ainda, o populismo está relacionado tanto com o consumo em massa como com
o aparecimento da cultura em massa. Em poucas palavras, o populismo brasileiro é
a forma política assumida pela sociedade de massa no país. (...)
10- Às vezes os seus líderes eram homens provenientes do povo, ou mesmo de grupos
políticos ou partidos de esquerda. Outras vezes, as lideranças eram propriamente
burguesas. Na maioria dos casos, os líderes burgueses dominavam o cenário
populista; controlavam os aparelhos burocráticos dos partidos e organizações
comprometidas com a política de massas.
21:19
9PROFESSOR:CARLOS OLIVEIRA
 11- Em geral eles eram os demagogos mais bem sucedidos junto às massas. Alguns
alcançaram a categoria de personalidades carismáticas.
 (Adaptado de Iann, Otávio. O colapso do populismo no Brasil. Rio de Janeiro.
Civilização brasileira, 1975).
21:19
10
PROFESSOR:CARLOS OLIVEIRA
III- A Classe Operária e o Populismo (1945-1964).
3.1- A Transição do Estado Novo para a “democracia”. (Que democracia?)
Em janeiro de 1945, Getúlio Vargas estabelece novas regras para a política nacional
permitindo a criação de partidos políticos e eleições diretas para dezembro do
mesmo ano.
Três foram os principais partidos criados então além da volta do PCB à cena política
(estava na ilegalidade):
A) A União Democrática Nacional (UDN) – partido elitista, ligado a burguesia nacional
favorável à abertura econômica; fazia oposição a Getúlio Vargas. Lançou o
brigadeiro Eduardo Gomes como candidato à Presidência da República.
B) O Partido Social Democrático (PSD) que era um partido que representava as
oligarquias agrárias, e a burocracia do Estado Novo, fiéis a Getúlio e apoiado depois
pelo PTB. Lançou o general Eurico Gaspar Dutra como candidato.
21:19
11
PROFESSOR:CARLOS OLIVEIRA
 C) O Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) – criado a partir da herança do
trabalhismo de Vargas.
 Nesse processo, O PCB, através de sua figura principal mostra um posicionamento,
no mínimo, contraditório, mas de acordo com o contexto é “conveniente” para o
partido: Luís Carlos Prestes apóia o movimento queremista, ampliando o debate
para “queremos uma constituinte com Getúlio”.
21:19
12PROFESSOR:CARLOS OLIVEIRA
21:19
13
PROFESSOR:CARLOS OLIVEIRA
 3.2- O crescimento do PCB.
 O crescimento da população urbana, ou melhor, do operariado, favorece o Partido
Comunista, pois tem seu público alvo aumentado.
 A luta pela criação de um movimento proletário no Brasil cresce a medida em que
há uma maior liberdade com a queda do Estado Novo. E isso favorece a atuação do
PCB que tenta aglutinar os trabalhadores da cidade em torno de suas bandeiras de
luta.
 Multiplicaram-se os núcleos do partido. No Rio de Janeiro existiam 500. Oito
jornais diários representativos do partido circulavam, sobretudo no meio operário.
Havia publicação de livros e textos de propaganda de cunho marxista.
 Yedo Fiúza, candidato a presidência pelo PCB obteve 10% dos votos: um total de
569.818 votos. Além da eleição de quinze representantes do PCB para o Congresso
Nacional.
21:19
14
PROFESSOR:CARLOS OLIVEIRA
 3.3- A reorganização do movimento sindical.
 O processo de redemocratização favorece o ressurgimento de organizações
sindicais:
 A) O Movimento da Unificação dos Trabalhadores tentava, por sua vez, reativar os
sindicatos com a realização de congressos em vários Estados.
 B) Em 1946, no Rio de Janeiro, foi criada a Confederação Geral dos Trabalhadores
do Brasil, com a participação de 2.400 delegados. No mesmo ano o PCB realizou a
sua Conferência Nacional, onde se estabeleceu a tática do partido para enfrentar o
governo Dutra e se cogitou a idéia de uma articulação num movimento frentista de
união nacional “capaz de lutar pela solução pacífica dos grandes problemas
nacionais, pela defesa enérgica e eficaz da democracia, pela revolução burguesa
democrática, agrária e antiimperialista” (Documentos de Luís Carlos Prestes, p- 62-
69).
 O discurso da revolução democrático burguesa entra em acordo com a idéia de
cooperação entre as classes.
21:19
15PROFESSOR:CARLOS OLIVEIRA
 Em 1946, é aprovada uma nova Constituição para o Brasil que revoga a constituição
do Estado Novo. A nova constituição denota uma prerrogativa liberal, no sentido
burguês.
 Lembremos que estamos discutindo um período em que a Guerra Fria já se
apresenta como divisor de águas no planeta. Sendo que a reorganização do
trabalhador logo é brecada pelo governo. Em 1947 há uma série de medidas que
contradizem o liberalismo da constituição, mas define bem o posicionamento do
governo brasileiro em relação à Guerra Fria:
 A) Em abril foi proibida a atividade da União da Juventude Comunista;
 B) Em maio dissolve-se a Confederação geral dos Trabalhadores do Brasil;
 C) O PCB é considerado ilegal.
 D) Uma onda de anticomunismo cresce de maneira avassaladora;
 E) O governo rompe com a união soviética;
 F) Cassam-se os mandatos de representantes do PCB.
21:19
16
PROFESSOR:CARLOS OLIVEIRA
21:19
17
PROFESSOR:CARLOS OLIVEIRA
 3.3- Vargas a e a classe trabalhadora.
 O governo Dutra (1946-1950) foi marcado por um forte alinhamento aos Estados
Unidos. Atuou no sentido de desenvolver o Estado burguês no Brasil. Através dessa
política (na qual se incentiva a iniciativa privada sem dar a devida importância ao
trabalhador) percebeu a organização do operariado que durante o período mostra sua
indignação através da greve:
21:19
18PROFESSOR:CARLOS OLIVEIRA
 Bota o retrato do velho outra vez/ Bota no mesmo lugar/ Que o sorriso do velhinho
faz a gente trabalhar/ E, à voz das urnas, voltou o retrato/ E voltou o velho:/ Getúlio
Vargas.
 Nas eleições de 1950, Getúlio Vargas se candidata pelo PTB, para disputar a
presidência da República contra Eduardo Gomes (UDN). Vargas alcança
aproximadamente 48% dos votos e se elege dessa vez diretamente para ser o
Presidente do Brasil.
 Em seu programa de governo Vargas institui o anti-imperialismo e faz do
nacionalismo sua base de sustentação ideológica. É óbvio, porém que Vargas não
rompe com a ordem capitalista internacional. Getúlio atua no sentido de fortalecer o
Estado, passando o controle da economia para o controle estatal, investindo
principalmente na indústria de base: energia, transporte, indústria petro-química.
Amplia Companhia Siderúrgica Nacional, emplaca a campanha “O Petróleo é
Nosso” para a criação da PETROBRÁS.
 No âmbito social, Vargas continua com sua política populista com sua idéia de
cooperação entre as classes: Vargas pouco depois de assumir o governo propõe o
aumento de 100% para o salário mínimo.
21:19
19PROFESSOR:CARLOS OLIVEIRA
 É fato que Getúlio não obteve o mesmo êxito com sua política populista se
comparada aos anos do Estado Novo. Vivia-se um contexto de liberdade
democrática em que não se podia repreender os movimentos de trabalhadores
através simplesmente do aparato policial. Além disso, a oposição a Vargas agora
tinha um alcance enorme no seio da população brasileira principalmente devido à
imprensa (que também não podia ser censurada sem qualquer motivo efetivo).
 Em relação à classe trabalhadora, que continuava se multiplicando e requerendo
seus direitos, a proposta de aumento em 100% no salário mínimo não foi suficiente,
até por que o aumento aprovado pelo congresso foi de 42%.
 Acerca da burguesia nacional Vargas não era bem quisto por defender a larga
presença do Estado na economia. Sendo que criou inimizade também com as
multinacionais quando da tentativa de controle das remessas de lucro.
 A oposição de Vargas, vista em enorme medida através do jornalista Carlos Lacerda,
partidário da UDN, não mediu esforços para tirá-lo do poder através de várias
acusações veiculadas na grande imprensa (por vezes até infundadas).
21:19
20
PROFESSOR:CARLOS OLIVEIRA
 Vargas via-se pressionado de todos os lados, até que um atentado contra Lacerda
chocou a opinião pública: Vargas então suicidou-se.
 “...Lutei contra a espoliação do Brasil. Lutei contra a espoliação do povo (...)
Serenamente dou o primeiro passo no caminho da eternidade e saio da vida para
entrar na História”. (trecho da carta testamento de Getúlio Vargas).
21:19
21PROFESSOR:CARLOS OLIVEIRA
21:19
22PROFESSOR:CARLOS OLIVEIRA
IV- Juscelino Kubitschek.
O suicídio de Vargas adiou o golpe militar por dez anos. Quem assume o poder no final
do ano de 1954 é o vice de Vargas Café Filho, o qual atua na perspectiva de
favorecer à UDN, permitindo a entrada de capital estrangeiro e reprimir o
movimento operário.
Para as eleições de 1955 saiu vitorioso o candidato do PSD - Juscelino Kubitschek, que
governa o país de 1956 a 1960.
Sem esquecer do contexto mundial, qual? Juscelino também toma partido pelo
capitalismo norte americano. O presidente continua com o desenvolvimento do
Estado burguês no Brasil. Porém agora a sustentação ideológica parte do
desenvolvimentismo sem a mesma preocupação a qual teve Vargas – proteger o
empresariado nacional, fortalecer a burguesia do país.
A principal bandeira de Juscelino era o seu Plano de Metas que pensava a
modernização do país. O Presidente da República pretendia desenvolver o “Brasil
50 anos em 5”. O maior ícone das metas de Juscelino foi, indubitavelmente, a
construção da capital federal – Brasília.
21:19
23PROFESSOR:CARLOS OLIVEIRA
21:19
24
PROFESSOR:CARLOS OLIVEIRA
 O Plano foi elaborado com 31 metas para os setores de energia, transportes,
alimentação, indústria de base, e educação.
 Alguns resultados:
21:19
25
PROFESSOR:CARLOS OLIVEIRA
 O presidente pé-de-valsa, como também era conhecido Juscelino é uma grande
estadista na medida em que se preocupou em desenvolver a nação. No entanto, tal
desenvolvimento se deu às custas do aumento da concentração de renda. Isto é, o
crescimento do PIB não representou o crescimento da renda per capita, até por que
os lucros dessa modernização, em sua maioria, pertenciam às empresas
multinacionais as quais os enviavam para suas respectivas sedes.
 Em meio ao clima de modernidade atentemos para o surgimento de um movimento
musical – a Bossa Nova, que defendia justamente essa maneira feliz de se enxergar
o Brasil, através das lentes das novidades de consumo, das possibilidades de
desenvolvimento para a nação.
21:19
26
PROFESSOR:CARLOS OLIVEIRA
“Se você disser que eu desafino, amor
Saiba que isso em mim provoca imensa dor
Só privilegiados tem ouvido igual ao seu
Eu possuo apenas o que Deus me deu
Se você insiste em classificar
Meu comportamento de antimusical
Eu mesmo mentindo devo argumentar
Que isto é Bossa Nova
Que isto é muito natural
O que você não sabe e nem sequer
pressente
É que os desafinados também têm um
coração
Fotografei você na minha Rolleyflex
Revelou-se a sua enorme ingratidão
Só não poderá falar assim do meu amor
Este é o maior que você pode encontrar, viu
Você com sua música esqueceu o principal
Que no peito dos desafinados
No fundo do peito bate calado
Que no peito dos desafinados
Também bate um coração.”
21:19
27
Tom Jobim e Newton Mendonça-
Desafinado, 1958:
PROFESSOR:CARLOS OLIVEIRA
V- Os precedentes do golpe.
As eleições de 1960 consagraram o candidato da UDN como vencedor, porém com o
vice da chapa adversária – João Goulart do PTB.
Sobre a política externa do Presidente Jânio Quadros é que pesam as forças
anticomunistas. Desenvolveu uma política independente mantendo relações de
amizade com a URSS, reconheceu a República Popular da China, condecorou Che
Guevara (ministro da economia de Cuba).
No entanto estamos lidando com mais um populista que mostrou seu populismo
através de política moralizante, contra a corrupção: “Varre, varre vassourinha/
Varre, varre a bandalheira/ Que o povo está cansado/ De sofrer desta maneira”
Algumas atitudes como Presidente provocam estranheza na população: proibiu as
brigas de galo, as corridas de cavalo nos dias úteis, a utilização de biquinis nas
praias.
Na prática, Jânio não realizou muita coisa, renunciou no primeiro ano de seu governo
alegando que “forças ocultas” o levaram a tomar tal decisão
21:19
28PROFESSOR:CARLOS OLIVEIRA
21:19
29
PROFESSOR:CARLOS OLIVEIRA
 Quando da renúncia de Jânio, Jango (João Goulart) teria que assumir a Presidência
Nacional. Porém estava em visita oficial à China e quando voltou assumiu mas não
governou: foi promulgado o parlamentarismo no Brasil, que seria desfeito em 1963
através de um plebiscito popular.
 A questão: as elites brasileiras receavam que Jango passasse a incentivar o
comunismo no Brasil. Por isso durante todo o período em que João Goulart foi o
presidente, houve a propaganda massiva contra o comunismo e contra o próprio
presidente. Tanto que finalmente, em 1964, instaura-se o golpe civil-militar.
 O debate a ser feito: Jango não era comunista, sim mais um populista que pensava
controlar as massas através da concessão de ganhos aos trabalhadores. Ganhos esses
que viriam através das suas “Reformas de Base”, que em suma pensava a reforma
urbana, a reforma agrária. Ou seja, tudo o que o capital sempre temeu – distribuição
de renda.
 As pressões tanto da burguesia nacional, quanto do capital externo levou a
sociedade brasileira a viver os anos da ditadura militar.
21:19
30
PROFESSOR:CARLOS OLIVEIRA
21:19
31
JANGO E O ANÚNCIO DAS REFORMAS.
PROFESSOR:CARLOS OLIVEIRA
21:19
32
O PÚBLICO DO COMÍCIO DAS REFORMAS.
PROFESSOR:CARLOS OLIVEIRA
 Logo após o anúncio das reformas há a contra-ofensiva das elites organizando a
“marcha da família com Deus pela liberdade”
21:19
33
 A 1º de abril de 1964 os militares, apoiados por setores da sociedade civil já
detinham o poder e iniciaram um processo de caça aos comunistas que vai resultar
logo em cerceamento das liberdades individuais e de grupo.
 A instauração de outra ditadura no Brasil mostra o quão frágil é a democracia no
país. Sendo que a própria noção de democracia burguesa apresenta a característica
da defesa de interesses classistas – normalmente interesses elitistas.
21:19
34
PROFESSOR:CARLOS OLIVEIRA
“Pra não dizer que não falei das flores”-
Geraldo Vandré – 1968.
Caminhando e cantando e seguindo a canção,
Somos todos iguais braços dados ou não,
Nas escolas, nas ruas, campos,
construções,
Caminhando e cantado e seguindo a
canção,
Vem, vamos embora que esperar não é
saber,
Quem sabe faz a hora, não espera
acontecer,
Pelos campos a fome em grandes
plantações,
Pelas ruas marchando indecisos cordões,
Ainda fazem da flor seu mais forte refrão,
E acreditam nas flores vencendo o canhão,
Vem, vamos embora que esperar não é
saber,
Quem sabe faz a hora, não espera
acontecer,
21:19
35
Há soldados armados, amados ou não,
Quase todos perdidos de armas na mão,
Nos quartéis lhes ensinam uma antiga lição:
De morrer pela pátria e viver sem razão,
Vem, vamos embora que esperar não é
saber,
Quem sabe faz a hora, não espera acontecer,
Nas escolas, nas ruas, campos, construções,
Somos todos soldados, armados ou não,
Caminhando e cantando e seguindo a
canção,
Somos todos iguais, braços dados ou não,
Os amores na mente, as flores no chão,
A certeza na frente, a história na mão,
Caminhando e cantando e seguindo a
canção,
Aprendendo e ensinando uma nova lição,
Vem, vamos embora que esperar não é
saber,
Quem sabe faz a hora, não espera acontecer,
PROFESSOR:CARLOS OLIVEIRA
 BLIOGRAFIA
 CASALECCHI, José Ênio. O Brasil de 1945 ao Golpe Militar. Editora
Contexto. São Paulo, 2002.
 LOPEZ, Luiz Roberto. Uma História do Brasil (República). Editora Contexto,
3ª edição. São Paulo, 2002.
21:19
36FIM
PROFESSOR:CARLOS OLIVEIRA
WWW.ENSINANDOHISTÓRIA57.BLO
GSPOT.COM

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Guia de estudo para o teste aos módulos 7 8 e 9
Guia de estudo para o teste aos módulos 7 8 e 9Guia de estudo para o teste aos módulos 7 8 e 9
Guia de estudo para o teste aos módulos 7 8 e 9
Laboratório de História
 
Apresentação Do autoritarismo à democracia
Apresentação Do autoritarismo à democraciaApresentação Do autoritarismo à democracia
Apresentação Do autoritarismo à democracia
Laboratório de História
 
Black bloc vândalos, anarquistas ou fascistas
Black bloc vândalos, anarquistas ou fascistasBlack bloc vândalos, anarquistas ou fascistas
Black bloc vândalos, anarquistas ou fascistas
Fernando Alcoforado
 
(12º ano lh2 3 1º t 2º p 2011-12)
(12º ano lh2 3 1º t 2º p 2011-12)(12º ano lh2 3 1º t 2º p 2011-12)
(12º ano lh2 3 1º t 2º p 2011-12)
Ana Cristina F
 
5º Bloco 4 Historia Do Partido No Brasil Julio Veloso
5º Bloco   4   Historia Do Partido No Brasil   Julio Veloso5º Bloco   4   Historia Do Partido No Brasil   Julio Veloso
5º Bloco 4 Historia Do Partido No Brasil Julio Veloso
Wladimir Crippa
 

Mais procurados (19)

Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 09 do Tomazi
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 09 do TomaziSlide livro Sociologia ensino médio capitulo 09 do Tomazi
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 09 do Tomazi
 
Guia de estudo para o teste aos módulos 7 8 e 9
Guia de estudo para o teste aos módulos 7 8 e 9Guia de estudo para o teste aos módulos 7 8 e 9
Guia de estudo para o teste aos módulos 7 8 e 9
 
O Q U E F A Z E M O S M I L I T A R E S E M I
O  Q U E  F A Z E M  O S  M I L I T A R E S    E M IO  Q U E  F A Z E M  O S  M I L I T A R E S    E M I
O Q U E F A Z E M O S M I L I T A R E S E M I
 
Revolução de 1930
Revolução de 1930Revolução de 1930
Revolução de 1930
 
Capítulo 14 - A Política no Brasil
Capítulo 14 - A Política no BrasilCapítulo 14 - A Política no Brasil
Capítulo 14 - A Política no Brasil
 
O quê que é isso ex companheiro lula
O quê que é isso ex companheiro lulaO quê que é isso ex companheiro lula
O quê que é isso ex companheiro lula
 
Apresentação Do autoritarismo à democracia
Apresentação Do autoritarismo à democraciaApresentação Do autoritarismo à democracia
Apresentação Do autoritarismo à democracia
 
a era vargas (1930-1937)
a era vargas (1930-1937)a era vargas (1930-1937)
a era vargas (1930-1937)
 
Repensando o estado novo
Repensando o estado novoRepensando o estado novo
Repensando o estado novo
 
Crise da República Velha
Crise da República VelhaCrise da República Velha
Crise da República Velha
 
Black bloc vândalos, anarquistas ou fascistas
Black bloc vândalos, anarquistas ou fascistasBlack bloc vândalos, anarquistas ou fascistas
Black bloc vândalos, anarquistas ou fascistas
 
A autocrítica que a esquerda precisa fazer
A autocrítica que a esquerda precisa fazerA autocrítica que a esquerda precisa fazer
A autocrítica que a esquerda precisa fazer
 
(12º ano lh2 3 1º t 2º p 2011-12)
(12º ano lh2 3 1º t 2º p 2011-12)(12º ano lh2 3 1º t 2º p 2011-12)
(12º ano lh2 3 1º t 2º p 2011-12)
 
Capítulo 12 - Globalização e Política
Capítulo 12 - Globalização e PolíticaCapítulo 12 - Globalização e Política
Capítulo 12 - Globalização e Política
 
Mídia na era vargas
Mídia na era vargasMídia na era vargas
Mídia na era vargas
 
Celso nono ano_historia_9ano_vargas atv 2-aula
Celso  nono ano_historia_9ano_vargas atv 2-aulaCelso  nono ano_historia_9ano_vargas atv 2-aula
Celso nono ano_historia_9ano_vargas atv 2-aula
 
5º Bloco 4 Historia Do Partido No Brasil Julio Veloso
5º Bloco   4   Historia Do Partido No Brasil   Julio Veloso5º Bloco   4   Historia Do Partido No Brasil   Julio Veloso
5º Bloco 4 Historia Do Partido No Brasil Julio Veloso
 
Caderno Diário 1ª República
Caderno Diário 1ª RepúblicaCaderno Diário 1ª República
Caderno Diário 1ª República
 
A ausência de protagonismo do povo brasileiro na história do brasil
A ausência de protagonismo do povo brasileiro na história do brasilA ausência de protagonismo do povo brasileiro na história do brasil
A ausência de protagonismo do povo brasileiro na história do brasil
 

Destaque (9)

Constitucionalización de los Partidos Políticos en América Latina
Constitucionalización de los Partidos Políticos en América LatinaConstitucionalización de los Partidos Políticos en América Latina
Constitucionalización de los Partidos Políticos en América Latina
 
Ensayos de república
Ensayos de repúblicaEnsayos de república
Ensayos de república
 
Nacionalismo y liberalismo
Nacionalismo y liberalismoNacionalismo y liberalismo
Nacionalismo y liberalismo
 
Dos propuestas de Nación
Dos propuestas de NaciónDos propuestas de Nación
Dos propuestas de Nación
 
Ideologías siglo xix
Ideologías siglo xixIdeologías siglo xix
Ideologías siglo xix
 
Partidos políticos en centroamérica
Partidos políticos en centroaméricaPartidos políticos en centroamérica
Partidos políticos en centroamérica
 
Diapositivas estudios lationoamericanos
Diapositivas estudios lationoamericanosDiapositivas estudios lationoamericanos
Diapositivas estudios lationoamericanos
 
Clase nº 6 procesos económicos sociales y políticos
Clase nº 6 procesos económicos sociales y políticosClase nº 6 procesos económicos sociales y políticos
Clase nº 6 procesos económicos sociales y políticos
 
Economia SIGLO XIX
Economia SIGLO XIXEconomia SIGLO XIX
Economia SIGLO XIX
 

Semelhante a Guerra fria

E.Municipal dr lauro chaves (a guerra fria)
E.Municipal dr lauro chaves (a guerra fria)E.Municipal dr lauro chaves (a guerra fria)
E.Municipal dr lauro chaves (a guerra fria)
Prof:Carlos Oliveira
 
O Populismo no Brasil
O Populismo no BrasilO Populismo no Brasil
O Populismo no Brasil
Doug Caesar
 
O Declínio Das Oligarquias (1914 30) Conclusão
O Declínio Das Oligarquias (1914 30) ConclusãoO Declínio Das Oligarquias (1914 30) Conclusão
O Declínio Das Oligarquias (1914 30) Conclusão
dayanbotelho2
 
Governo constitucional e estado novo
Governo constitucional e estado novoGoverno constitucional e estado novo
Governo constitucional e estado novo
Dilermando12
 
Brasil aula sobre o período vargas
Brasil aula sobre o período vargasBrasil aula sobre o período vargas
Brasil aula sobre o período vargas
proinfopccurso
 

Semelhante a Guerra fria (20)

E.Municipal dr lauro chaves (a guerra fria)
E.Municipal dr lauro chaves (a guerra fria)E.Municipal dr lauro chaves (a guerra fria)
E.Municipal dr lauro chaves (a guerra fria)
 
República Populista (1946-1964)
República Populista (1946-1964)República Populista (1946-1964)
República Populista (1946-1964)
 
Brasil a guerra interna entre os poderes a teoria do equilibrio
Brasil  a guerra interna entre os poderes  a teoria do equilibrioBrasil  a guerra interna entre os poderes  a teoria do equilibrio
Brasil a guerra interna entre os poderes a teoria do equilibrio
 
Período democrático 1946 a 1964 - História do Brasil
Período democrático 1946 a 1964 - História do BrasilPeríodo democrático 1946 a 1964 - História do Brasil
Período democrático 1946 a 1964 - História do Brasil
 
A Real Face do Regime Militar Brasileiro
A Real Face do Regime Militar BrasileiroA Real Face do Regime Militar Brasileiro
A Real Face do Regime Militar Brasileiro
 
Era Vargas - Estado Novo
Era Vargas - Estado NovoEra Vargas - Estado Novo
Era Vargas - Estado Novo
 
O Populismo no Brasil
O Populismo no BrasilO Populismo no Brasil
O Populismo no Brasil
 
Inconfidência n°263
Inconfidência n°263Inconfidência n°263
Inconfidência n°263
 
O Declínio Das Oligarquias (1914 30) Conclusão
O Declínio Das Oligarquias (1914 30) ConclusãoO Declínio Das Oligarquias (1914 30) Conclusão
O Declínio Das Oligarquias (1914 30) Conclusão
 
Era Vargas
Era VargasEra Vargas
Era Vargas
 
Teoria do equilíbrio a guerra interna entre os poderes
Teoria do equilíbrio  a guerra interna entre os poderesTeoria do equilíbrio  a guerra interna entre os poderes
Teoria do equilíbrio a guerra interna entre os poderes
 
Preseed 2014-revisão 23
Preseed 2014-revisão 23Preseed 2014-revisão 23
Preseed 2014-revisão 23
 
Brasil 1930 - 2010
Brasil 1930 - 2010Brasil 1930 - 2010
Brasil 1930 - 2010
 
Era vargas 2016
Era vargas 2016Era vargas 2016
Era vargas 2016
 
A era vargas
A era vargasA era vargas
A era vargas
 
Governo constitucional e estado novo
Governo constitucional e estado novoGoverno constitucional e estado novo
Governo constitucional e estado novo
 
Era vargas1
Era vargas1Era vargas1
Era vargas1
 
Era vargas1
Era vargas1Era vargas1
Era vargas1
 
Era Vargas: a construção de um Brasil novo
Era Vargas: a construção de um Brasil novoEra Vargas: a construção de um Brasil novo
Era Vargas: a construção de um Brasil novo
 
Brasil aula sobre o período vargas
Brasil aula sobre o período vargasBrasil aula sobre o período vargas
Brasil aula sobre o período vargas
 

Mais de Prof:Carlos Oliveira

Seculo xviii inglaterra absolutismo
Seculo xviii inglaterra absolutismoSeculo xviii inglaterra absolutismo
Seculo xviii inglaterra absolutismo
Prof:Carlos Oliveira
 
Como realizar trabalhos em power point
Como realizar trabalhos em power pointComo realizar trabalhos em power point
Como realizar trabalhos em power point
Prof:Carlos Oliveira
 
Transferencia da corte portuguesa para o brasil
Transferencia da corte portuguesa para o brasilTransferencia da corte portuguesa para o brasil
Transferencia da corte portuguesa para o brasil
Prof:Carlos Oliveira
 
Roma antiga ii(a história de romulo e remulo)
Roma antiga ii(a história de romulo e remulo)Roma antiga ii(a história de romulo e remulo)
Roma antiga ii(a história de romulo e remulo)
Prof:Carlos Oliveira
 
A administração na colonia portuguesa.
A administração na colonia portuguesa.A administração na colonia portuguesa.
A administração na colonia portuguesa.
Prof:Carlos Oliveira
 
2ª revolução(novas tecnologias)
2ª revolução(novas tecnologias)2ª revolução(novas tecnologias)
2ª revolução(novas tecnologias)
Prof:Carlos Oliveira
 
Segundaguerra 090828183604-phpapp02
Segundaguerra 090828183604-phpapp02Segundaguerra 090828183604-phpapp02
Segundaguerra 090828183604-phpapp02
Prof:Carlos Oliveira
 

Mais de Prof:Carlos Oliveira (20)

Guerra de sucessão
Guerra de sucessãoGuerra de sucessão
Guerra de sucessão
 
Seculo xviii inglaterra absolutismo
Seculo xviii inglaterra absolutismoSeculo xviii inglaterra absolutismo
Seculo xviii inglaterra absolutismo
 
Como realizar trabalhos em power point
Como realizar trabalhos em power pointComo realizar trabalhos em power point
Como realizar trabalhos em power point
 
Grecia antiga(modelo atenienses)
Grecia antiga(modelo atenienses)Grecia antiga(modelo atenienses)
Grecia antiga(modelo atenienses)
 
Transferencia da corte portuguesa para o brasil
Transferencia da corte portuguesa para o brasilTransferencia da corte portuguesa para o brasil
Transferencia da corte portuguesa para o brasil
 
Roma povoamento e localização
Roma povoamento e localizaçãoRoma povoamento e localização
Roma povoamento e localização
 
Roma antiga ii(a história de romulo e remulo)
Roma antiga ii(a história de romulo e remulo)Roma antiga ii(a história de romulo e remulo)
Roma antiga ii(a história de romulo e remulo)
 
Roma antiga.os gladiadores
Roma antiga.os gladiadoresRoma antiga.os gladiadores
Roma antiga.os gladiadores
 
Cultura romana
Cultura romanaCultura romana
Cultura romana
 
A america no seculo xix
A america no seculo xixA america no seculo xix
A america no seculo xix
 
A arquetetura do ferro
A arquetetura do ferroA arquetetura do ferro
A arquetetura do ferro
 
As cruzadas
As cruzadasAs cruzadas
As cruzadas
 
A administração na colonia portuguesa.
A administração na colonia portuguesa.A administração na colonia portuguesa.
A administração na colonia portuguesa.
 
A crise do papado
A crise do papadoA crise do papado
A crise do papado
 
A corrida espacial
A corrida espacialA corrida espacial
A corrida espacial
 
2ª revolução(novas tecnologias)
2ª revolução(novas tecnologias)2ª revolução(novas tecnologias)
2ª revolução(novas tecnologias)
 
Segundaguerra 090828183604-phpapp02
Segundaguerra 090828183604-phpapp02Segundaguerra 090828183604-phpapp02
Segundaguerra 090828183604-phpapp02
 
Como fazer uma apresentação
Como fazer uma apresentaçãoComo fazer uma apresentação
Como fazer uma apresentação
 
A sociedade medieval
A sociedade medievalA sociedade medieval
A sociedade medieval
 
Bullyng
BullyngBullyng
Bullyng
 

Último

O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 

Último (20)

O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxSismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persaConteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdfSistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 

Guerra fria

  • 2. HISTÓRIA.  GUERRA FRIA.  A GUERRA FRIA E O DESDOBRAMENTO DA SEGUNDA GUERRA NO BRASIL.OS DIVERSOS POPULISMOS,O MOVIMENTO SINDICAL E A REORGANIZAÇÂO DO ESTADO DE DIREITO. 21:19 2 PROFESSOR:CARLOS OLIVEIRA
  • 4.  As bombas lançadas em Hiroshima e Nagasaki, pelos Estados Unidos, mostram o poderio bélico norte-americano para as outras potências, principalmente para a União Soviética.  A divisão alemã em quatro zonas de influência coloca frente a frente a URSS e os EUA, sendo que as duas potências são as que Têm maior ingerência dentro do território alemão.  Vê-se a partir de então o início de um confronto ideológico conhecido como Guerra Fria. O qual se desdobrará em todo o planeta.  O Brasil durante a II Guerra vive um contexto singular: tem um Estado autoritário, pautado em preceitos nazi-fascistas, porém seu líder envia soldados ao combate na guerra em favor dos aliados, contra o Eixo.  E justamente por isso tem-se a contradição Do Estado Novo de Getúlio Vargas. Ao passo que Vargas apóia a democracia liberal do Capitalismo, tal decisão mostra-se como uma arma poderosa nas mãos de seus opositores que a usam para depô-lo do governo no final de 1945, antes de se realizar o calendário eleitoral pensado por Vargas para dezembro de 1945, no intuito de “redemocratizar” o Brasil. 21:19 4 PROFESSOR:CARLOS OLIVEIRA
  • 5.  A noção de que o Estado era o provedor do bem-estar social através da clarividência de seu chefe tinha sido inaugurada com Getúlio Vargas.  A cooperação de classes em detrimento da “luta de classes” era a palavra de ordem. Ou seja, a sociedade não deve se confrontar, sim cooperar entre si para promover o desenvolvimento do Brasil, sendo que ao Estado coube o papel de mediador entre o patrão e o empregado – lembremos do sindicalismo pelego.  O operariado estava em franca expansão. As classes dominantes não poderiam simplesmente ignorar tal fato, caso contrário as reivindicações sociais se mostraria perigosas à manutenção dos privilégios das elites.  Haja vista o populismo se apresenta como uma alternativa para satisfazer interesses de ambas as classes – operariado e industrial, no sentido de que concede ao primeiro as leis trabalhistas e garante ao segundo uma determinada segurança em sua produção.  A prática populista concorre para a inserção do proletariado no projeto desenvolvimentista da nação. O trabalhador é mais um sócio-cooperado que trabalha em prol da empreitada do crescimento nacional. 21:19 5PROFESSOR:CARLOS OLIVEIRA
  • 6.  O getulismo exercia um fascínio e atração sobre os trabalhadores urbanos, fruto de sua política paternalista.  As classes trabalhadoras nacionais e os movimentos sindicais estavam consideravelmente desarticulados desde o Estado Novo, fruto do atrelamento dos sindicatos ao aparelho do Estado (peleguismo) e da inexistência legal dos sindicatos e partidos do proletário (o PCB estava fechado).  O “Pacto Populista” investe na despolitização do trabalhador, numa perspectiva deste não buscar melhoras sociais para que os abastados não percam seus privilégios de sempre. E com a classe trabalhadora despolitizada se torna fácil a desmobilização de idéias como a igualdade social, a desconstrução do capitalismo; isto é, afasta-se o “perigo vermelho”. O contexto vivido mundialmente é de guerra entre o socialismo e o capitalismo. 21:19 6 PROFESSOR:CARLOS OLIVEIRA
  • 7. 21:19 7 TRABALHISMO- LEMBREMOS DO SAMBA EXALTAÇÃO. PROFESSOR:CARLOS OLIVEIRA
  • 8.  II- “O Populismo em 11 facetas”:  1- Representou uma forma sutil de dominação imposta sobre as sociedades latino americanas no quadro histórico da Guerra Fria. Visava disfarçar as formas de dominação política e econômica norte americana sobre o continente.  2- O populismo brasileiro surge sob o comando de Vargas e os políticos a ele associados desde 1930.  3- Ao lado das medidas concretas desenvolveu-se a ideologia e a linguagem do populismo: ao mesmo tempo em que os governantes atendem a uma parte das reivindicações do proletário urbano, vão se elaborando as instituições e os símbolos populistas.  4- O populismo foi um movimento urbano, ocorreu onde pouco a pouco, formaliza- se o mercado de trabalho no mundo urbano-industrial em expansão.  5- Ao mesmo tempo as massas passam a desempenhar papéis políticos reais ainda que secundário. Assim, pode-se afirmar que a entrada das massas no quadro das estruturas de poder é legitimada por intermédio dos movimentos populistas. 21:19 8 PROFESSOR:CARLOS OLIVEIRA
  • 9. 6- Inicialmente, esse populismo é exclusivamente getulista. Depois, adquire outras conotações. Queremismo, juscelinismo, janguismo e trabalhismo são algumas das modulações do populismo brasileiro. 7- No conjunto, entretanto, trata-se de uma política de massas específica de uma etapa de transformações econômicas, sociais e políticas no Brasil. Trata-se de um movimento político, antes do que um partido político. 8- Corresponde a uma parte fundamental das manifestações políticas que se inserem nas transformações verificadas nos setores industriais e, em menor escala, agrário. Além disto, está em relação dinâmica com a urbanização da economia brasileira. 9- Mais ainda, o populismo está relacionado tanto com o consumo em massa como com o aparecimento da cultura em massa. Em poucas palavras, o populismo brasileiro é a forma política assumida pela sociedade de massa no país. (...) 10- Às vezes os seus líderes eram homens provenientes do povo, ou mesmo de grupos políticos ou partidos de esquerda. Outras vezes, as lideranças eram propriamente burguesas. Na maioria dos casos, os líderes burgueses dominavam o cenário populista; controlavam os aparelhos burocráticos dos partidos e organizações comprometidas com a política de massas. 21:19 9PROFESSOR:CARLOS OLIVEIRA
  • 10.  11- Em geral eles eram os demagogos mais bem sucedidos junto às massas. Alguns alcançaram a categoria de personalidades carismáticas.  (Adaptado de Iann, Otávio. O colapso do populismo no Brasil. Rio de Janeiro. Civilização brasileira, 1975). 21:19 10 PROFESSOR:CARLOS OLIVEIRA
  • 11. III- A Classe Operária e o Populismo (1945-1964). 3.1- A Transição do Estado Novo para a “democracia”. (Que democracia?) Em janeiro de 1945, Getúlio Vargas estabelece novas regras para a política nacional permitindo a criação de partidos políticos e eleições diretas para dezembro do mesmo ano. Três foram os principais partidos criados então além da volta do PCB à cena política (estava na ilegalidade): A) A União Democrática Nacional (UDN) – partido elitista, ligado a burguesia nacional favorável à abertura econômica; fazia oposição a Getúlio Vargas. Lançou o brigadeiro Eduardo Gomes como candidato à Presidência da República. B) O Partido Social Democrático (PSD) que era um partido que representava as oligarquias agrárias, e a burocracia do Estado Novo, fiéis a Getúlio e apoiado depois pelo PTB. Lançou o general Eurico Gaspar Dutra como candidato. 21:19 11 PROFESSOR:CARLOS OLIVEIRA
  • 12.  C) O Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) – criado a partir da herança do trabalhismo de Vargas.  Nesse processo, O PCB, através de sua figura principal mostra um posicionamento, no mínimo, contraditório, mas de acordo com o contexto é “conveniente” para o partido: Luís Carlos Prestes apóia o movimento queremista, ampliando o debate para “queremos uma constituinte com Getúlio”. 21:19 12PROFESSOR:CARLOS OLIVEIRA
  • 14.  3.2- O crescimento do PCB.  O crescimento da população urbana, ou melhor, do operariado, favorece o Partido Comunista, pois tem seu público alvo aumentado.  A luta pela criação de um movimento proletário no Brasil cresce a medida em que há uma maior liberdade com a queda do Estado Novo. E isso favorece a atuação do PCB que tenta aglutinar os trabalhadores da cidade em torno de suas bandeiras de luta.  Multiplicaram-se os núcleos do partido. No Rio de Janeiro existiam 500. Oito jornais diários representativos do partido circulavam, sobretudo no meio operário. Havia publicação de livros e textos de propaganda de cunho marxista.  Yedo Fiúza, candidato a presidência pelo PCB obteve 10% dos votos: um total de 569.818 votos. Além da eleição de quinze representantes do PCB para o Congresso Nacional. 21:19 14 PROFESSOR:CARLOS OLIVEIRA
  • 15.  3.3- A reorganização do movimento sindical.  O processo de redemocratização favorece o ressurgimento de organizações sindicais:  A) O Movimento da Unificação dos Trabalhadores tentava, por sua vez, reativar os sindicatos com a realização de congressos em vários Estados.  B) Em 1946, no Rio de Janeiro, foi criada a Confederação Geral dos Trabalhadores do Brasil, com a participação de 2.400 delegados. No mesmo ano o PCB realizou a sua Conferência Nacional, onde se estabeleceu a tática do partido para enfrentar o governo Dutra e se cogitou a idéia de uma articulação num movimento frentista de união nacional “capaz de lutar pela solução pacífica dos grandes problemas nacionais, pela defesa enérgica e eficaz da democracia, pela revolução burguesa democrática, agrária e antiimperialista” (Documentos de Luís Carlos Prestes, p- 62- 69).  O discurso da revolução democrático burguesa entra em acordo com a idéia de cooperação entre as classes. 21:19 15PROFESSOR:CARLOS OLIVEIRA
  • 16.  Em 1946, é aprovada uma nova Constituição para o Brasil que revoga a constituição do Estado Novo. A nova constituição denota uma prerrogativa liberal, no sentido burguês.  Lembremos que estamos discutindo um período em que a Guerra Fria já se apresenta como divisor de águas no planeta. Sendo que a reorganização do trabalhador logo é brecada pelo governo. Em 1947 há uma série de medidas que contradizem o liberalismo da constituição, mas define bem o posicionamento do governo brasileiro em relação à Guerra Fria:  A) Em abril foi proibida a atividade da União da Juventude Comunista;  B) Em maio dissolve-se a Confederação geral dos Trabalhadores do Brasil;  C) O PCB é considerado ilegal.  D) Uma onda de anticomunismo cresce de maneira avassaladora;  E) O governo rompe com a união soviética;  F) Cassam-se os mandatos de representantes do PCB. 21:19 16 PROFESSOR:CARLOS OLIVEIRA
  • 18.  3.3- Vargas a e a classe trabalhadora.  O governo Dutra (1946-1950) foi marcado por um forte alinhamento aos Estados Unidos. Atuou no sentido de desenvolver o Estado burguês no Brasil. Através dessa política (na qual se incentiva a iniciativa privada sem dar a devida importância ao trabalhador) percebeu a organização do operariado que durante o período mostra sua indignação através da greve: 21:19 18PROFESSOR:CARLOS OLIVEIRA
  • 19.  Bota o retrato do velho outra vez/ Bota no mesmo lugar/ Que o sorriso do velhinho faz a gente trabalhar/ E, à voz das urnas, voltou o retrato/ E voltou o velho:/ Getúlio Vargas.  Nas eleições de 1950, Getúlio Vargas se candidata pelo PTB, para disputar a presidência da República contra Eduardo Gomes (UDN). Vargas alcança aproximadamente 48% dos votos e se elege dessa vez diretamente para ser o Presidente do Brasil.  Em seu programa de governo Vargas institui o anti-imperialismo e faz do nacionalismo sua base de sustentação ideológica. É óbvio, porém que Vargas não rompe com a ordem capitalista internacional. Getúlio atua no sentido de fortalecer o Estado, passando o controle da economia para o controle estatal, investindo principalmente na indústria de base: energia, transporte, indústria petro-química. Amplia Companhia Siderúrgica Nacional, emplaca a campanha “O Petróleo é Nosso” para a criação da PETROBRÁS.  No âmbito social, Vargas continua com sua política populista com sua idéia de cooperação entre as classes: Vargas pouco depois de assumir o governo propõe o aumento de 100% para o salário mínimo. 21:19 19PROFESSOR:CARLOS OLIVEIRA
  • 20.  É fato que Getúlio não obteve o mesmo êxito com sua política populista se comparada aos anos do Estado Novo. Vivia-se um contexto de liberdade democrática em que não se podia repreender os movimentos de trabalhadores através simplesmente do aparato policial. Além disso, a oposição a Vargas agora tinha um alcance enorme no seio da população brasileira principalmente devido à imprensa (que também não podia ser censurada sem qualquer motivo efetivo).  Em relação à classe trabalhadora, que continuava se multiplicando e requerendo seus direitos, a proposta de aumento em 100% no salário mínimo não foi suficiente, até por que o aumento aprovado pelo congresso foi de 42%.  Acerca da burguesia nacional Vargas não era bem quisto por defender a larga presença do Estado na economia. Sendo que criou inimizade também com as multinacionais quando da tentativa de controle das remessas de lucro.  A oposição de Vargas, vista em enorme medida através do jornalista Carlos Lacerda, partidário da UDN, não mediu esforços para tirá-lo do poder através de várias acusações veiculadas na grande imprensa (por vezes até infundadas). 21:19 20 PROFESSOR:CARLOS OLIVEIRA
  • 21.  Vargas via-se pressionado de todos os lados, até que um atentado contra Lacerda chocou a opinião pública: Vargas então suicidou-se.  “...Lutei contra a espoliação do Brasil. Lutei contra a espoliação do povo (...) Serenamente dou o primeiro passo no caminho da eternidade e saio da vida para entrar na História”. (trecho da carta testamento de Getúlio Vargas). 21:19 21PROFESSOR:CARLOS OLIVEIRA
  • 23. IV- Juscelino Kubitschek. O suicídio de Vargas adiou o golpe militar por dez anos. Quem assume o poder no final do ano de 1954 é o vice de Vargas Café Filho, o qual atua na perspectiva de favorecer à UDN, permitindo a entrada de capital estrangeiro e reprimir o movimento operário. Para as eleições de 1955 saiu vitorioso o candidato do PSD - Juscelino Kubitschek, que governa o país de 1956 a 1960. Sem esquecer do contexto mundial, qual? Juscelino também toma partido pelo capitalismo norte americano. O presidente continua com o desenvolvimento do Estado burguês no Brasil. Porém agora a sustentação ideológica parte do desenvolvimentismo sem a mesma preocupação a qual teve Vargas – proteger o empresariado nacional, fortalecer a burguesia do país. A principal bandeira de Juscelino era o seu Plano de Metas que pensava a modernização do país. O Presidente da República pretendia desenvolver o “Brasil 50 anos em 5”. O maior ícone das metas de Juscelino foi, indubitavelmente, a construção da capital federal – Brasília. 21:19 23PROFESSOR:CARLOS OLIVEIRA
  • 25.  O Plano foi elaborado com 31 metas para os setores de energia, transportes, alimentação, indústria de base, e educação.  Alguns resultados: 21:19 25 PROFESSOR:CARLOS OLIVEIRA
  • 26.  O presidente pé-de-valsa, como também era conhecido Juscelino é uma grande estadista na medida em que se preocupou em desenvolver a nação. No entanto, tal desenvolvimento se deu às custas do aumento da concentração de renda. Isto é, o crescimento do PIB não representou o crescimento da renda per capita, até por que os lucros dessa modernização, em sua maioria, pertenciam às empresas multinacionais as quais os enviavam para suas respectivas sedes.  Em meio ao clima de modernidade atentemos para o surgimento de um movimento musical – a Bossa Nova, que defendia justamente essa maneira feliz de se enxergar o Brasil, através das lentes das novidades de consumo, das possibilidades de desenvolvimento para a nação. 21:19 26 PROFESSOR:CARLOS OLIVEIRA
  • 27. “Se você disser que eu desafino, amor Saiba que isso em mim provoca imensa dor Só privilegiados tem ouvido igual ao seu Eu possuo apenas o que Deus me deu Se você insiste em classificar Meu comportamento de antimusical Eu mesmo mentindo devo argumentar Que isto é Bossa Nova Que isto é muito natural O que você não sabe e nem sequer pressente É que os desafinados também têm um coração Fotografei você na minha Rolleyflex Revelou-se a sua enorme ingratidão Só não poderá falar assim do meu amor Este é o maior que você pode encontrar, viu Você com sua música esqueceu o principal Que no peito dos desafinados No fundo do peito bate calado Que no peito dos desafinados Também bate um coração.” 21:19 27 Tom Jobim e Newton Mendonça- Desafinado, 1958: PROFESSOR:CARLOS OLIVEIRA
  • 28. V- Os precedentes do golpe. As eleições de 1960 consagraram o candidato da UDN como vencedor, porém com o vice da chapa adversária – João Goulart do PTB. Sobre a política externa do Presidente Jânio Quadros é que pesam as forças anticomunistas. Desenvolveu uma política independente mantendo relações de amizade com a URSS, reconheceu a República Popular da China, condecorou Che Guevara (ministro da economia de Cuba). No entanto estamos lidando com mais um populista que mostrou seu populismo através de política moralizante, contra a corrupção: “Varre, varre vassourinha/ Varre, varre a bandalheira/ Que o povo está cansado/ De sofrer desta maneira” Algumas atitudes como Presidente provocam estranheza na população: proibiu as brigas de galo, as corridas de cavalo nos dias úteis, a utilização de biquinis nas praias. Na prática, Jânio não realizou muita coisa, renunciou no primeiro ano de seu governo alegando que “forças ocultas” o levaram a tomar tal decisão 21:19 28PROFESSOR:CARLOS OLIVEIRA
  • 30.  Quando da renúncia de Jânio, Jango (João Goulart) teria que assumir a Presidência Nacional. Porém estava em visita oficial à China e quando voltou assumiu mas não governou: foi promulgado o parlamentarismo no Brasil, que seria desfeito em 1963 através de um plebiscito popular.  A questão: as elites brasileiras receavam que Jango passasse a incentivar o comunismo no Brasil. Por isso durante todo o período em que João Goulart foi o presidente, houve a propaganda massiva contra o comunismo e contra o próprio presidente. Tanto que finalmente, em 1964, instaura-se o golpe civil-militar.  O debate a ser feito: Jango não era comunista, sim mais um populista que pensava controlar as massas através da concessão de ganhos aos trabalhadores. Ganhos esses que viriam através das suas “Reformas de Base”, que em suma pensava a reforma urbana, a reforma agrária. Ou seja, tudo o que o capital sempre temeu – distribuição de renda.  As pressões tanto da burguesia nacional, quanto do capital externo levou a sociedade brasileira a viver os anos da ditadura militar. 21:19 30 PROFESSOR:CARLOS OLIVEIRA
  • 31. 21:19 31 JANGO E O ANÚNCIO DAS REFORMAS. PROFESSOR:CARLOS OLIVEIRA
  • 32. 21:19 32 O PÚBLICO DO COMÍCIO DAS REFORMAS. PROFESSOR:CARLOS OLIVEIRA
  • 33.  Logo após o anúncio das reformas há a contra-ofensiva das elites organizando a “marcha da família com Deus pela liberdade” 21:19 33
  • 34.  A 1º de abril de 1964 os militares, apoiados por setores da sociedade civil já detinham o poder e iniciaram um processo de caça aos comunistas que vai resultar logo em cerceamento das liberdades individuais e de grupo.  A instauração de outra ditadura no Brasil mostra o quão frágil é a democracia no país. Sendo que a própria noção de democracia burguesa apresenta a característica da defesa de interesses classistas – normalmente interesses elitistas. 21:19 34 PROFESSOR:CARLOS OLIVEIRA
  • 35. “Pra não dizer que não falei das flores”- Geraldo Vandré – 1968. Caminhando e cantando e seguindo a canção, Somos todos iguais braços dados ou não, Nas escolas, nas ruas, campos, construções, Caminhando e cantado e seguindo a canção, Vem, vamos embora que esperar não é saber, Quem sabe faz a hora, não espera acontecer, Pelos campos a fome em grandes plantações, Pelas ruas marchando indecisos cordões, Ainda fazem da flor seu mais forte refrão, E acreditam nas flores vencendo o canhão, Vem, vamos embora que esperar não é saber, Quem sabe faz a hora, não espera acontecer, 21:19 35 Há soldados armados, amados ou não, Quase todos perdidos de armas na mão, Nos quartéis lhes ensinam uma antiga lição: De morrer pela pátria e viver sem razão, Vem, vamos embora que esperar não é saber, Quem sabe faz a hora, não espera acontecer, Nas escolas, nas ruas, campos, construções, Somos todos soldados, armados ou não, Caminhando e cantando e seguindo a canção, Somos todos iguais, braços dados ou não, Os amores na mente, as flores no chão, A certeza na frente, a história na mão, Caminhando e cantando e seguindo a canção, Aprendendo e ensinando uma nova lição, Vem, vamos embora que esperar não é saber, Quem sabe faz a hora, não espera acontecer, PROFESSOR:CARLOS OLIVEIRA
  • 36.  BLIOGRAFIA  CASALECCHI, José Ênio. O Brasil de 1945 ao Golpe Militar. Editora Contexto. São Paulo, 2002.  LOPEZ, Luiz Roberto. Uma História do Brasil (República). Editora Contexto, 3ª edição. São Paulo, 2002. 21:19 36FIM PROFESSOR:CARLOS OLIVEIRA WWW.ENSINANDOHISTÓRIA57.BLO GSPOT.COM