SlideShare uma empresa Scribd logo
Saúde Animal
104 DBO maio 2017
Guerra conjunta à
mosca-dos-estábulos
Com a colaboração de produtores e usina, em cinco meses projeto pioneiro
reduz população da praga em 40% nas áreas monitoradas.
Renato Villela
N
os últimos anos, surtos de mosca-dos-estábulos
(Stomoxys calcitrans), inseto hematófago que
traz incômodo aos animais e prejuízo aos pro-
dutores, têm se tornado cada vez mais frequentes no País,
mas o que pouca gente sabe é que a pesquisa já obtém
resultados satisfatórios no controle da praga. Para avançar
em escala, porém, é fundamental que os agentes envol-
vidos _ pecuaristas e usinas sucroalcooleiras (apontadas
injustamente como as únicas responsáveis pelo proble-
ma) _ trabalhem em conjunto, ao invés de dedicar-se a
jogos de acusações contraproducentes. Uma experiência
inédita neste sentido está sendo conduzida no município
de Campo Florido, MG, nos arredores da Usina Coruri-
pe, onde ficam dois confinamentos e 46 loteamentos que
se dedicam principalmente à produção leiteira. Adotando
técnicas modernas de monitoramento, armadilhas sim-
ples e aplicação racional de inseticidas, eles conseguiram
reduzir a população da mosca nessa área em 40%, no cur-
to período de cinco meses.
O trabalho está sendo coordenado pela bióloga Ta-
ciany Ferreira, responsável técnica da empresa sul-ma-
to-grossense Volare Consultoria Ambiental, e cuja tese
de doutorado desenvolvida na Universidade Federal de
Mato Grosso do Sul em parceria com a Embrapa Gado
de Corte foi dedicada à Stomoxys calcitrans. De 2013 a
2016, Taciany monitorou 51.000 ha de canaviais de uma
usina local, além de três propriedades pecuárias adjacen-
tes. Com o know how adquirido sobre a mosca, ela pro-
curou várias empresas para difundir as tecnologias tes-
tadas em seu doutorado, mas apenas o Grupo Coruripe,
com sede no município homônimo do Estado de Ala­
goas, abriu-lhe as portas. A empresa buscava soluções
para o problema, muito em função de conflitos com pro-
dutores de um assentamento próximo à sua unidade de
Campo Florido, MG, que chegaram a fazer um protesto
em outubro de 2015 por causa da mosca, fechando a es-
trada de acesso à usina. Hoje, a Coruripe é a primeira e
(até o momento) a única usina do País a combater Stomo-
xys calcitrans utilizando informações técnico-científicas
levantadas pela pesquisa.
Quebrando paradigmas
A estratégia de combate adotada por Taciany se ba-
seia na dinâmica populaciional da mosca, que não é uma
“praga nova” disseminada pelas usinas sucroalcooleiras
como se pensa (veja quadro). Como o próprio nome su-
gere, ela sempre esteve presente em currais e leiterias,
À esquerda, armadilha com cola para monitoramento
da mosca. À direita, as biólogas Adrieli e Taciany, da
Volare, com a armadilha para controle populacional.
Fotos:RenatoVillela
maio 2017 DBO 105
alimentando-se do sangue dos animais e reproduzindo-
-se nos restos de matéria orgânica, mas em população
baixa, incapaz de causar maiores transtornos. O cenário
se modificou a partir do momento em que novas unida-
des produtoras de açúcar e álcool passaram a se instalar
perto das fazendas de gado, o que pode ser facilmente
constatado pela origem das reclamações. “Onde tem usi-
na, mas nenhuma atividade pecuária próxima, os surtos
não acontecem. Onde tem pecuária sem usinas por perto,
também não. Quando os dois estão juntos, temos proble-
ma”, afirma Taciany.
A bióloga explica que as duas atividades favorecem
o ciclo biológico da mosca, que precisa de alimento (san-
gue) para sobreviver e local de postura (substrato orgâ-
nico) para se reproduzir. É na complementariedade e na
proximidade desses fatores que está a origem dos surtos.
Funciona assim: do final de dezembro ao início de abril,
período em que as usinas não estão moendo cana, as mos-
cas sobrevivem nas fazendas, com uma população que
Taciany classifica de “basal”, ou seja, indivíduos em pe-
quena quantidade, porém permanente. A partir de abril,
o cenário muda. Começa a produção de açúcar e ­álcool,
assim como a de subprodutos orgânicos desse processo.
Para cada litro de álcool, por exemplo, são obtidos de 11
a 14 litros de vinhaça, que é distribuída como fertilizan-
te na lavoura, sobre a palhada resicual do corte mecânico
da cana. Para cada tonelada dessa matéria-prima moída,
também são produzidos de 20 a 30 kg de torta de filtro,
que fica amontoada em leiras no pátio da usina, para de-
pois ser aplicada como adubo nos sulcos de plantio. A
oferta abundante desses substratos produz odores volá-
teis capazes de atrair a mosca-dos-estábulos, que começa
a migrar das fazendas adjacentes para as áreas da usina e
as lavouras de cana.
Apopulação de Stomoxys calcitrans nas propriedades
começa a aumentar após cinco semanas do início da safra
de cana-de-açúcar para, logo em seguida, incidir em ex-
plosões populacionais (surtos), conforme Taciany e sua
equipe constataram. A bióloga explica que esse período é
o tempo suficiente para que a primeira geração de moscas
chegue até a usina, deposite os ovos no terreno fértil de
material orgânico e dê origem à segunda geração, já mui-
to mais numerosa. Os surtos, portanto, têm início em me-
ados de maio/junho, durante o final do outono, normal-
mente seco, o que talvez cause estranheza. Teoricamente,
como se sabe, o aumento populacional dos insetos é es-
perado para o período quente e chuvoso do ano. No caso
da mosca-dos-estábulos, no entanto, a proliferação se dá
de modo diferente. “O inverno na maior parte do País não
é tão rigoroso e a vinhaça funciona como chuva artificial,
mantendo a umidade do substrato para a mosca se repro-
duzir”, explica a bióloga.
Monitoramento e controle
Não há, portanto, “vilões” nessa trama. Tanto as usi-
nas sucroalcooleiras quanto as propriedades pecuárias
têm sua parcela de responsabilidade sobre a ocorrência
de surtos e evitá-los depende de todos os envolvidos.
“Nos municípios onde há conflito, o combate à mosca
não funciona bem, mas naqueles em que existe parceria
entre produtores e usinas, o controle dos surtos tem se
mostrado bastante efetivo”, afirma Paulo Henrique Duar-
te Calçado, pesquisador da Embrapa Gado de Corte, que
juntamente com o colega Antônio Thadeu Medeiros de
Barros, está à frente das pesquisas sobre a praga conduzi-
das na instituição. É com um dos pés na conscientização
e outro na transferência de tecnologia que Taciany vai a
campo validar tanto o que desenvolveu em sua tese de
doutorado quanto o que está sendo continuamente pes-
quisado no laboratório da Embrapa.
Praga é antiga
Os surtos da mosca não são novi-
dade. Desde a década de 1970, exis-
tem relatos de aumento da população
do inseto associada à produção alco-
oleira. O que é recente é a intensidade
e a frequência com que passaram a se
suceder. No final da última década, as
primeiras reclamações por parte dos
produtores ecoaram no Mato Grosso,
Mato Grosso do Sul, Goiás, Minas Ge-
rais e São Paulo, não por coincidência
os Estados com a maior concentra-
ção de unidades produtoras de açú-
car e álcool do País.
Há duas explicações para a pro-
liferação da praga nessas circunstân-
cias. Em 1978, um decreto de lei proi-
biu o descarte de vinhaça em cursos
d`água. O líquido, subproduto orgâni-
co da produção de álcool, começou a
ser lançado nos canaviais como fertili-
zante, uma vez que é rico em nutrien-
tes, principalmente o potássio. Vinte
anos mais tarde, a queima da cana-
-de-açúcar, outra prática poluidora,
passou a ser banida da maioria dos
Estados. As medidas solucionaram
um problema ambiental, mas catali-
saram o crescimento desenfreado da
mosca. A combinação da palhada de
cana-de-açúcar e da vinhaça criou
um ambiente propício para sua proli-
feração.
Canais que levam vinhaça
ao canavial
1. Na entressafra da
cana (dezembro ao
final de abril), pequena
população de moscas
sobrevive na fazenda.
2. Na safra da cana, a
partir do final de abril,
as moscas migram da
fazenda para a usina.
3. Na usina, as
moscas depositam
seus ovos nas
tortas de filtro. Nas
lavouras, a reprodução
acontece na palhada
da cana irrigada com
vinhaça.
4. Explosão dos surtos
O ciclo
da infestação
Saúde Animal
A primeira etapa desse processo é monitorar a po-
pulação da mosca ao longo do ano. Antes de começar o
trabalho para valer em Campo Florido, em junho do ano
passado, Taciany treinou funcionários da usina Coruripe
ligados às atividades de fertirrigação, tratos culturais e
meio ambiente, mais associados à rotina do campo, para
realizar essa tarefa. A equipe roda semanalmente toda a
usina, preenchendo um check list criado pela bióloga e
que deve ser entregue a cada 15 dias. É com base nesses
relatórios que são tomadas as medidas de controle, que
consistem basicamente no combate aos insetos adultos
e na remoção ou destinação adequada de substratos or-
gânicos que possam servir de criatórios para as larvas da
mosca, trabalho que é feito simultaneamente na usina e
nas propriedades pecuárias adjacentes.
Para controlar o inseto, são utilizadas duas armadi-
lhas: uma de monitoramento e outra de redução popula-
cional. A primeira é um cilindro equilátero feita de fibra
de vidro transparente, que reflete a luz solar em um com-
primento de onda atrativo para as moscas, e cuja super-
fície é recoberta por uma película de plástico contendo
cola entomológica específica para capturá-las (veja foto
da pág. 104). O cilindro fica preso a uma estaca de ma-
deira a 1 m do solo e é colocado sempre em pontos estra-
tégicos, como áreas de transição entre a usina e as pro-
priedades. A película plástica é recolhida semanalmente
pela equipe de Taciany para contagem das moscas.
A outra armadilha (de redução populacional) é uma
bandeira quadrangular (1 m x 1m), confeccionada em
tecido de algodão, metade azul, metade preto, cores
que mais atraem os insetos, segundo pesquisas feitas
nos Estados Unidos. Essa bandeira é impregnada com
inseticida contendo um atrativo sexual, que a mosca
suga e morre. A quantidade de armadilhas, sua dispo-
sição no local e a dosagem do inseticida dependem do
nível de infestação. Não existe receita. Tanto as armadi-
lhas quanto o inseticida estão sendo fornecidos gratui-
tamente pela usina aos produtores, que ficam responsá-
veis pela aplicação.
Resultados animadores
No início, o trabalho enfrentou dificuldades. “Havia
muita desconfiança por parte dos produtores, que acha-
vam que estávamos entrando nas propriedades para de-
fender a usina”, lembra Adrieli Fasolo, outra bióloga da
Volare. Ronaldo César da Silva, supervisor de produção
agrícola da Coruripe, também precisou lidar com pro-
dutores ressabiados. “Não acreditavam muito no nosso
trabalho”, diz ele. A percepção e a receptividade, no en-
tanto, mudaram bastante à medida que a infestação dimi-
nuiu. “Hoje os produtores fazem questão de nos mostrar
que as armadilhas estão funcionando, que os animais es-
tão mais tranquilos. É muito gratificante, tanto para eles
quanto para nós”, diz Adrieli.
No confinamento da Fazenda Santa Albertina, que
fica a 3 km da usina, a aflição dos animais durante os sur-
tos já começa a ficar para trás. Em 2015, o confinamento,
destinado a matrizes Nelore PO, teve prejuízo por conta
do ataque das moscas. “Os animais corriam em círculos,
se esfregavam uns nos outros, na tentativa desesperada
de se livrar das moscas, emagreciam no cocho. Foi desa-
nimador”, lembra o gerente Pedro Felipe da Silva Rosa.
Após quase um ano de trabalho em conjunto com a usina
e com suporte técnico da Volare, a realidade é outra. “Es-
tamos satisfeitos porque a infestação diminuiu muito”,
conta Rosa. Para evitar a formação de criatórios, ele retira
as sobras de volumoso ao redor dos cochos, que, mistu-
radas às fezes dos animais, favorecem o desenvolvimento
das larvas do inseto. Também recolhe o esterco para seca-
gem e compostagem. Para reduzir a população de adultos,
Rosa utiliza 50 bandeiras de captura, dispostas em pontos
estratégicos ao redor do confinamento.
Quem também está empenhada em cumprir seu pa-
pel no controle da mosca é Dona Zuleica de Lourdes Fe-
liciano Souza, proprietária da Estância Nossa Senhora
Aparecida, um dos 46 lotes de assentamento que estão
sendo monitorados. A produtora conhece bem os danos
causados pelo apetite voraz da Stomoxys calcitrans. “As
vacas até pulavam quando a gente as colocava na orde-
Pedro Felipe da Silva Rosa, gerente da Fazenda Santa Albertina,
elimina resíduos de volumosos para evitar criatórios da mosca.
Dona Zuleica, da Estância Nossa Senhora Aparecida, feliz com o
resultado do trabalho financiado pela usina: “Foi uma bênção”.
106 DBO maio 2017
nha, porque a mosca não dava sossego”, conta ela. Além
de cimentar o piso do local onde tira leite, antes lama-
cento quando chovia, dona Zuleica, como é conhecida,
divide com o marido, Irones Alves de Souza, a tarefa de
não deixar acumular matéria orgânica perto dos cochos e
aplicar o inseticida nas bandeiras utilizadas para a redu-
ção populacional da mosca.
Sobre o resultado do trabalho, a proprietária sinteti-
za a seu modo: “Foi uma benção”. Com a franqueza que
a caracteriza, dona Zuleica não poupa nem os vizinhos
quando percebe alguma negligência nas ações de contro-
le. “Pergunto: cadê as bandeiras? Por que você não co-
locou o inseticida do jeito que as meninas orientaram?”.
O questionamento, quase em tom de intimação, encontra
respaldo na analogia que Paulo Cançado, pesquisador da
Embrapa Gado de Corte, costuma fazer. “A mosca-dos-
-estábulos é igual ao mosquito da dengue. Não adianta
você eliminar os criatórios na sua casa se o seu vizinho
tem uma piscina abandonada cheia de larvas do inseto”.
Foco na entressafra
Nas usinas, o trabalho é mais complexo. Os canais de
vinhaça, que levam o líquido até as lavouras, devem ser
monitorados semanalmente durante a safra para verificar
se há necessidade de manejo para eliminação de possí-
veis focos de reprodução da praga, o que pode ser feito
de duas formas: removendo-se o acúmulo de borra, que
se deposita no fundo do canal após sua utilização e, uma
vez úmida, serve de postura para a mosca; ou enchendo-
-se o canal novamente com vinhaça e/ou água residual,
estratégia que mata as larvas “afogadas”. Nos canaviais,
recomenda-se a realização de subsolagem antes da aplica-
ção da vinhaça. No pátio da usina, a tarefa é manejar ade-
quadamente a torta de filtro, subproduto ainda mais atra-
tivo para a mosca do que a palha e a vinhaça, revolvendo
por completo o substrato para favorecer a compostagem e
evitar que a umidade se acumule na “base” da leira.
A despeito de se preconizar que os métodos de con-
trole da mosca-dos-estábulos, tanto nas usinas quanto nas
fazendas, sejam adotados ao longo do ano, a intensidade e
o foco das ações variam de acordo com a sazonalidade da
produção canavieira. Assim, durante a safra, o combate à
mosca se concentra principalmente nas usinas. Quando
a cana não está sendo cortada, é a vez do produtor fazer
a sua parte. “O trabalho preventivo começa na entressa-
fra, eliminando os criatórios da mosca para reduzir ao má-
ximo a população basal que posteriormente migrará das
fazendas à usina para se reproduzir”, explica Taciany. A
bióloga lembra, entretanto, que, por não estar sendo inco-
modado pela mosca durante esse período, o produtor ten-
de a afrouxar as medidas de combate, o que é um grave
erro. “São as ações feitas na entressafra que vão impedir a
explosão da população de insetos quando a usina retomar
as atividades de moagem da cana. Quando acontece o sur-
to, fica muito mais difícil evitar prejuízos”.
Nem os pesquisadores da Embrapa nem Taciany re-
comendam aplicar produtos nos animais para controle da
mosca-dos-estábulos. Métodos tradicionais, como brin-
cos mosquicidas ou produtos pour on, muito usados para
combater a Haematobia irritans (mosca-dos-chifres) têm
baixa eficácia contra a praga, que prefere os membros in-
feriores do bovino para o repasto sanguíneo, dificultando
assim a ação desses medicamentos. A falta de produtos
com eficácia comprovada torna difícil o combate à mos-
ca-dos-estábulos em animais mantidos a pasto, onde o
problema é menos intenso, em razão da quantidade me-
nor de resíduos orgânicos gerados. “Colocar as bandei-
ras em grandes áreas é inviável economicamente para o
produtor. Ainda não dispomos de informações técnicas
que nos permitam proteger esses animais a campo, mas
acredito que as medidas já tomadas aliviam o problema
de um modo geral”, diz. A pesquisa não para. Enquanto
a Embrapa testa a eficiência de larvicidas para aplicação
na lavoura, Taciany avalia junto aos órgãos ambientais
competentes a possibilidade do uso da queima profiláti-
ca - em pontos estratégicos - da palhada da cana. “Quere-
mos saber se essa medida trará impacto positivo comple-
mentar ao que já está sendo feito”.  n
Ronaldo César da Silva, supervisor de produção da Coruripe,
mostra resíduos de ração onde a mosca costuma se reproduzir
A leira de torta de filtro deve ser manejada de forma a não haver
acúmulo de umidade em sua base, onde o inseto se prolifera.
Saúde Animal
108 DBO maio 2017

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

2011年度 新3年生向け
2011年度 新3年生向け2011年度 新3年生向け
2011年度 新3年生向け
Yuki Takahashi
 
A bruxa e o caldeirão
A  bruxa e o caldeirãoA  bruxa e o caldeirão
A bruxa e o caldeirão
Pamela Nunes
 
A estrela de laura
A estrela de lauraA estrela de laura
A estrela de laura
Vera Pereira
 
A rua do marcelo
A rua do marceloA rua do marcelo
A rua do marcelo
Aprender Mais Vitoria
 
Spark Streaming と Spark GraphX を使用したTwitter解析による レコメンドサービス例
Spark Streaming と Spark GraphX を使用したTwitter解析による レコメンドサービス例Spark Streaming と Spark GraphX を使用したTwitter解析による レコメンドサービス例
Spark Streaming と Spark GraphX を使用したTwitter解析による レコメンドサービス例
Junichi Noda
 

Mais procurados (7)

Vamos fazer amigos
Vamos fazer amigosVamos fazer amigos
Vamos fazer amigos
 
2011年度 新3年生向け
2011年度 新3年生向け2011年度 新3年生向け
2011年度 新3年生向け
 
A bruxa e o caldeirão
A  bruxa e o caldeirãoA  bruxa e o caldeirão
A bruxa e o caldeirão
 
A estrela de laura
A estrela de lauraA estrela de laura
A estrela de laura
 
A rua do marcelo
A rua do marceloA rua do marcelo
A rua do marcelo
 
Spark Streaming と Spark GraphX を使用したTwitter解析による レコメンドサービス例
Spark Streaming と Spark GraphX を使用したTwitter解析による レコメンドサービス例Spark Streaming と Spark GraphX を使用したTwitter解析による レコメンドサービス例
Spark Streaming と Spark GraphX を使用したTwitter解析による レコメンドサービス例
 
Tio lobo
Tio loboTio lobo
Tio lobo
 

Semelhante a Guerra conjunta à mosca dos-estábulos

Jornal Valor Econômico APTA - Banana
Jornal Valor Econômico APTA - BananaJornal Valor Econômico APTA - Banana
Jornal Valor Econômico APTA - Banana
Agricultura Sao Paulo
 
Os danos dos agrotóxicos ao meio ambiente
Os danos dos agrotóxicos ao meio ambienteOs danos dos agrotóxicos ao meio ambiente
Os danos dos agrotóxicos ao meio ambiente
Sergio Adreliane
 
O envenenamento das abelhas
O envenenamento das abelhasO envenenamento das abelhas
O envenenamento das abelhas
João Siqueira da Mata
 
CANA-DE-AÇÚCAR-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁRIA E S...
CANA-DE-AÇÚCAR-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁRIA E S...CANA-DE-AÇÚCAR-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁRIA E S...
CANA-DE-AÇÚCAR-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁRIA E S...
Antonio Inácio Ferraz
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA-AGROTÓXICO.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA-AGROTÓXICO.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA-AGROTÓXICO.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA-AGROTÓXICO.
ANTONIO INACIO FERRAZ
 
broca em cana de açúcar-antonio inacio ferraz é técnico em eletronica/agropec...
broca em cana de açúcar-antonio inacio ferraz é técnico em eletronica/agropec...broca em cana de açúcar-antonio inacio ferraz é técnico em eletronica/agropec...
broca em cana de açúcar-antonio inacio ferraz é técnico em eletronica/agropec...
Antonio Inácio Ferraz
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ
 
Aplicações das radiações à Agroindústria - Conteúdo vinculado ao blog ht...
Aplicações das radiações à Agroindústria - Conteúdo vinculado ao blog      ht...Aplicações das radiações à Agroindústria - Conteúdo vinculado ao blog      ht...
Aplicações das radiações à Agroindústria - Conteúdo vinculado ao blog ht...
Rodrigo Penna
 
MONOGRAFIA EM CANA-DE-AÇÚCAR-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AG...
MONOGRAFIA EM CANA-DE-AÇÚCAR-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AG...MONOGRAFIA EM CANA-DE-AÇÚCAR-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AG...
MONOGRAFIA EM CANA-DE-AÇÚCAR-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AG...
Antonio Inácio Ferraz
 
Tristeza
TristezaTristeza
Tristeza
Renato Villela
 
AGRISSÊNIOR NOTÍCIAS Nº 539 an 01 setembro_2015.ok
AGRISSÊNIOR NOTÍCIAS Nº 539 an 01 setembro_2015.okAGRISSÊNIOR NOTÍCIAS Nº 539 an 01 setembro_2015.ok
AGRISSÊNIOR NOTÍCIAS Nº 539 an 01 setembro_2015.ok
Roberto Rabat Chame
 
Paraiso dos agrotóxicos
Paraiso dos agrotóxicosParaiso dos agrotóxicos
Paraiso dos agrotóxicos
João Siqueira da Mata
 
Ciencia hoje-Agrotoxicos
Ciencia hoje-AgrotoxicosCiencia hoje-Agrotoxicos
Ciencia hoje-Agrotoxicos
Centro De Ambientais
 
Coleção Saber na Prática - Vol. 4, Diversificação Produtiva
Coleção Saber na Prática - Vol. 4, Diversificação ProdutivaColeção Saber na Prática - Vol. 4, Diversificação Produtiva
Coleção Saber na Prática - Vol. 4, Diversificação Produtiva
Cepagro
 
Cresce a procura por planta que seria predadora do mosquito
Cresce a procura por planta que seria predadora do mosquitoCresce a procura por planta que seria predadora do mosquito
Cresce a procura por planta que seria predadora do mosquito
Agricultura Sao Paulo
 
Falta de polinizadores e a necessidade de reinventar-se tecnologicamente.
Falta de polinizadores e a necessidade de reinventar-se tecnologicamente.Falta de polinizadores e a necessidade de reinventar-se tecnologicamente.
Falta de polinizadores e a necessidade de reinventar-se tecnologicamente.
Sandro Marques Solidario
 
Vem ai o sistema sao francisco
Vem ai o sistema sao franciscoVem ai o sistema sao francisco
Vem ai o sistema sao francisco
Renato Villela
 
MANEJO DO BICUDO NO ALGODOEIRO E ALTERNATIVAS DE CONTROLE
MANEJO DO BICUDO NO ALGODOEIRO E ALTERNATIVAS DE CONTROLEMANEJO DO BICUDO NO ALGODOEIRO E ALTERNATIVAS DE CONTROLE
MANEJO DO BICUDO NO ALGODOEIRO E ALTERNATIVAS DE CONTROLE
Geagra UFG
 
Catedrais que propagam o conhecimento
Catedrais que propagam o conhecimentoCatedrais que propagam o conhecimento
Catedrais que propagam o conhecimento
Fundacao Chapadao
 
Análise dos possíveis impactos da produção do algodão no meio ambiente e soci...
Análise dos possíveis impactos da produção do algodão no meio ambiente e soci...Análise dos possíveis impactos da produção do algodão no meio ambiente e soci...
Análise dos possíveis impactos da produção do algodão no meio ambiente e soci...
Larissa Kaneko
 

Semelhante a Guerra conjunta à mosca dos-estábulos (20)

Jornal Valor Econômico APTA - Banana
Jornal Valor Econômico APTA - BananaJornal Valor Econômico APTA - Banana
Jornal Valor Econômico APTA - Banana
 
Os danos dos agrotóxicos ao meio ambiente
Os danos dos agrotóxicos ao meio ambienteOs danos dos agrotóxicos ao meio ambiente
Os danos dos agrotóxicos ao meio ambiente
 
O envenenamento das abelhas
O envenenamento das abelhasO envenenamento das abelhas
O envenenamento das abelhas
 
CANA-DE-AÇÚCAR-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁRIA E S...
CANA-DE-AÇÚCAR-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁRIA E S...CANA-DE-AÇÚCAR-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁRIA E S...
CANA-DE-AÇÚCAR-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁRIA E S...
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA-AGROTÓXICO.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA-AGROTÓXICO.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA-AGROTÓXICO.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA-AGROTÓXICO.
 
broca em cana de açúcar-antonio inacio ferraz é técnico em eletronica/agropec...
broca em cana de açúcar-antonio inacio ferraz é técnico em eletronica/agropec...broca em cana de açúcar-antonio inacio ferraz é técnico em eletronica/agropec...
broca em cana de açúcar-antonio inacio ferraz é técnico em eletronica/agropec...
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
 
Aplicações das radiações à Agroindústria - Conteúdo vinculado ao blog ht...
Aplicações das radiações à Agroindústria - Conteúdo vinculado ao blog      ht...Aplicações das radiações à Agroindústria - Conteúdo vinculado ao blog      ht...
Aplicações das radiações à Agroindústria - Conteúdo vinculado ao blog ht...
 
MONOGRAFIA EM CANA-DE-AÇÚCAR-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AG...
MONOGRAFIA EM CANA-DE-AÇÚCAR-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AG...MONOGRAFIA EM CANA-DE-AÇÚCAR-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AG...
MONOGRAFIA EM CANA-DE-AÇÚCAR-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AG...
 
Tristeza
TristezaTristeza
Tristeza
 
AGRISSÊNIOR NOTÍCIAS Nº 539 an 01 setembro_2015.ok
AGRISSÊNIOR NOTÍCIAS Nº 539 an 01 setembro_2015.okAGRISSÊNIOR NOTÍCIAS Nº 539 an 01 setembro_2015.ok
AGRISSÊNIOR NOTÍCIAS Nº 539 an 01 setembro_2015.ok
 
Paraiso dos agrotóxicos
Paraiso dos agrotóxicosParaiso dos agrotóxicos
Paraiso dos agrotóxicos
 
Ciencia hoje-Agrotoxicos
Ciencia hoje-AgrotoxicosCiencia hoje-Agrotoxicos
Ciencia hoje-Agrotoxicos
 
Coleção Saber na Prática - Vol. 4, Diversificação Produtiva
Coleção Saber na Prática - Vol. 4, Diversificação ProdutivaColeção Saber na Prática - Vol. 4, Diversificação Produtiva
Coleção Saber na Prática - Vol. 4, Diversificação Produtiva
 
Cresce a procura por planta que seria predadora do mosquito
Cresce a procura por planta que seria predadora do mosquitoCresce a procura por planta que seria predadora do mosquito
Cresce a procura por planta que seria predadora do mosquito
 
Falta de polinizadores e a necessidade de reinventar-se tecnologicamente.
Falta de polinizadores e a necessidade de reinventar-se tecnologicamente.Falta de polinizadores e a necessidade de reinventar-se tecnologicamente.
Falta de polinizadores e a necessidade de reinventar-se tecnologicamente.
 
Vem ai o sistema sao francisco
Vem ai o sistema sao franciscoVem ai o sistema sao francisco
Vem ai o sistema sao francisco
 
MANEJO DO BICUDO NO ALGODOEIRO E ALTERNATIVAS DE CONTROLE
MANEJO DO BICUDO NO ALGODOEIRO E ALTERNATIVAS DE CONTROLEMANEJO DO BICUDO NO ALGODOEIRO E ALTERNATIVAS DE CONTROLE
MANEJO DO BICUDO NO ALGODOEIRO E ALTERNATIVAS DE CONTROLE
 
Catedrais que propagam o conhecimento
Catedrais que propagam o conhecimentoCatedrais que propagam o conhecimento
Catedrais que propagam o conhecimento
 
Análise dos possíveis impactos da produção do algodão no meio ambiente e soci...
Análise dos possíveis impactos da produção do algodão no meio ambiente e soci...Análise dos possíveis impactos da produção do algodão no meio ambiente e soci...
Análise dos possíveis impactos da produção do algodão no meio ambiente e soci...
 

Mais de Renato Villela

Controle certeiro f2
Controle certeiro f2Controle certeiro f2
Controle certeiro f2
Renato Villela
 
Mulheres agronegocio
Mulheres agronegocio Mulheres agronegocio
Mulheres agronegocio
Renato Villela
 
Controle certeiro f1
Controle certeiro f1Controle certeiro f1
Controle certeiro f1
Renato Villela
 
Professor iveraldo
Professor iveraldoProfessor iveraldo
Professor iveraldo
Renato Villela
 
Coccidiose
CoccidioseCoccidiose
Coccidiose
Renato Villela
 
Forum inovacao saudeanimal
Forum inovacao saudeanimalForum inovacao saudeanimal
Forum inovacao saudeanimal
Renato Villela
 
Rotacionado
RotacionadoRotacionado
Rotacionado
Renato Villela
 
Energia eletrica bombeamento
Energia eletrica bombeamentoEnergia eletrica bombeamento
Energia eletrica bombeamento
Renato Villela
 
Cure o umbigo
Cure o umbigoCure o umbigo
Cure o umbigo
Renato Villela
 
Muito alem da ilp
Muito alem da ilpMuito alem da ilp
Muito alem da ilp
Renato Villela
 
Pg 34
Pg 34Pg 34
Balanço
BalançoBalanço
Balanço
Renato Villela
 
Cigarrinha
CigarrinhaCigarrinha
Cigarrinha
Renato Villela
 
Bvd linkedin
Bvd linkedinBvd linkedin
Bvd linkedin
Renato Villela
 
Bvd linkedin
Bvd linkedinBvd linkedin
Bvd linkedin
Renato Villela
 
Especial confinamento cerca elétrica
Especial confinamento cerca elétricaEspecial confinamento cerca elétrica
Especial confinamento cerca elétrica
Renato Villela
 
Higiene para evitar abscessos
Higiene para evitar abscessosHigiene para evitar abscessos
Higiene para evitar abscessos
Renato Villela
 
Mosca dos chifres
Mosca dos chifresMosca dos chifres
Mosca dos chifres
Renato Villela
 
Aftosa julho
Aftosa julhoAftosa julho
Aftosa julho
Renato Villela
 
Dbo vacinacao pdf
Dbo vacinacao pdfDbo vacinacao pdf
Dbo vacinacao pdf
Renato Villela
 

Mais de Renato Villela (20)

Controle certeiro f2
Controle certeiro f2Controle certeiro f2
Controle certeiro f2
 
Mulheres agronegocio
Mulheres agronegocio Mulheres agronegocio
Mulheres agronegocio
 
Controle certeiro f1
Controle certeiro f1Controle certeiro f1
Controle certeiro f1
 
Professor iveraldo
Professor iveraldoProfessor iveraldo
Professor iveraldo
 
Coccidiose
CoccidioseCoccidiose
Coccidiose
 
Forum inovacao saudeanimal
Forum inovacao saudeanimalForum inovacao saudeanimal
Forum inovacao saudeanimal
 
Rotacionado
RotacionadoRotacionado
Rotacionado
 
Energia eletrica bombeamento
Energia eletrica bombeamentoEnergia eletrica bombeamento
Energia eletrica bombeamento
 
Cure o umbigo
Cure o umbigoCure o umbigo
Cure o umbigo
 
Muito alem da ilp
Muito alem da ilpMuito alem da ilp
Muito alem da ilp
 
Pg 34
Pg 34Pg 34
Pg 34
 
Balanço
BalançoBalanço
Balanço
 
Cigarrinha
CigarrinhaCigarrinha
Cigarrinha
 
Bvd linkedin
Bvd linkedinBvd linkedin
Bvd linkedin
 
Bvd linkedin
Bvd linkedinBvd linkedin
Bvd linkedin
 
Especial confinamento cerca elétrica
Especial confinamento cerca elétricaEspecial confinamento cerca elétrica
Especial confinamento cerca elétrica
 
Higiene para evitar abscessos
Higiene para evitar abscessosHigiene para evitar abscessos
Higiene para evitar abscessos
 
Mosca dos chifres
Mosca dos chifresMosca dos chifres
Mosca dos chifres
 
Aftosa julho
Aftosa julhoAftosa julho
Aftosa julho
 
Dbo vacinacao pdf
Dbo vacinacao pdfDbo vacinacao pdf
Dbo vacinacao pdf
 

Guerra conjunta à mosca dos-estábulos

  • 1. Saúde Animal 104 DBO maio 2017 Guerra conjunta à mosca-dos-estábulos Com a colaboração de produtores e usina, em cinco meses projeto pioneiro reduz população da praga em 40% nas áreas monitoradas. Renato Villela N os últimos anos, surtos de mosca-dos-estábulos (Stomoxys calcitrans), inseto hematófago que traz incômodo aos animais e prejuízo aos pro- dutores, têm se tornado cada vez mais frequentes no País, mas o que pouca gente sabe é que a pesquisa já obtém resultados satisfatórios no controle da praga. Para avançar em escala, porém, é fundamental que os agentes envol- vidos _ pecuaristas e usinas sucroalcooleiras (apontadas injustamente como as únicas responsáveis pelo proble- ma) _ trabalhem em conjunto, ao invés de dedicar-se a jogos de acusações contraproducentes. Uma experiência inédita neste sentido está sendo conduzida no município de Campo Florido, MG, nos arredores da Usina Coruri- pe, onde ficam dois confinamentos e 46 loteamentos que se dedicam principalmente à produção leiteira. Adotando técnicas modernas de monitoramento, armadilhas sim- ples e aplicação racional de inseticidas, eles conseguiram reduzir a população da mosca nessa área em 40%, no cur- to período de cinco meses. O trabalho está sendo coordenado pela bióloga Ta- ciany Ferreira, responsável técnica da empresa sul-ma- to-grossense Volare Consultoria Ambiental, e cuja tese de doutorado desenvolvida na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul em parceria com a Embrapa Gado de Corte foi dedicada à Stomoxys calcitrans. De 2013 a 2016, Taciany monitorou 51.000 ha de canaviais de uma usina local, além de três propriedades pecuárias adjacen- tes. Com o know how adquirido sobre a mosca, ela pro- curou várias empresas para difundir as tecnologias tes- tadas em seu doutorado, mas apenas o Grupo Coruripe, com sede no município homônimo do Estado de Ala­ goas, abriu-lhe as portas. A empresa buscava soluções para o problema, muito em função de conflitos com pro- dutores de um assentamento próximo à sua unidade de Campo Florido, MG, que chegaram a fazer um protesto em outubro de 2015 por causa da mosca, fechando a es- trada de acesso à usina. Hoje, a Coruripe é a primeira e (até o momento) a única usina do País a combater Stomo- xys calcitrans utilizando informações técnico-científicas levantadas pela pesquisa. Quebrando paradigmas A estratégia de combate adotada por Taciany se ba- seia na dinâmica populaciional da mosca, que não é uma “praga nova” disseminada pelas usinas sucroalcooleiras como se pensa (veja quadro). Como o próprio nome su- gere, ela sempre esteve presente em currais e leiterias, À esquerda, armadilha com cola para monitoramento da mosca. À direita, as biólogas Adrieli e Taciany, da Volare, com a armadilha para controle populacional. Fotos:RenatoVillela
  • 2. maio 2017 DBO 105 alimentando-se do sangue dos animais e reproduzindo- -se nos restos de matéria orgânica, mas em população baixa, incapaz de causar maiores transtornos. O cenário se modificou a partir do momento em que novas unida- des produtoras de açúcar e álcool passaram a se instalar perto das fazendas de gado, o que pode ser facilmente constatado pela origem das reclamações. “Onde tem usi- na, mas nenhuma atividade pecuária próxima, os surtos não acontecem. Onde tem pecuária sem usinas por perto, também não. Quando os dois estão juntos, temos proble- ma”, afirma Taciany. A bióloga explica que as duas atividades favorecem o ciclo biológico da mosca, que precisa de alimento (san- gue) para sobreviver e local de postura (substrato orgâ- nico) para se reproduzir. É na complementariedade e na proximidade desses fatores que está a origem dos surtos. Funciona assim: do final de dezembro ao início de abril, período em que as usinas não estão moendo cana, as mos- cas sobrevivem nas fazendas, com uma população que Taciany classifica de “basal”, ou seja, indivíduos em pe- quena quantidade, porém permanente. A partir de abril, o cenário muda. Começa a produção de açúcar e ­álcool, assim como a de subprodutos orgânicos desse processo. Para cada litro de álcool, por exemplo, são obtidos de 11 a 14 litros de vinhaça, que é distribuída como fertilizan- te na lavoura, sobre a palhada resicual do corte mecânico da cana. Para cada tonelada dessa matéria-prima moída, também são produzidos de 20 a 30 kg de torta de filtro, que fica amontoada em leiras no pátio da usina, para de- pois ser aplicada como adubo nos sulcos de plantio. A oferta abundante desses substratos produz odores volá- teis capazes de atrair a mosca-dos-estábulos, que começa a migrar das fazendas adjacentes para as áreas da usina e as lavouras de cana. Apopulação de Stomoxys calcitrans nas propriedades começa a aumentar após cinco semanas do início da safra de cana-de-açúcar para, logo em seguida, incidir em ex- plosões populacionais (surtos), conforme Taciany e sua equipe constataram. A bióloga explica que esse período é o tempo suficiente para que a primeira geração de moscas chegue até a usina, deposite os ovos no terreno fértil de material orgânico e dê origem à segunda geração, já mui- to mais numerosa. Os surtos, portanto, têm início em me- ados de maio/junho, durante o final do outono, normal- mente seco, o que talvez cause estranheza. Teoricamente, como se sabe, o aumento populacional dos insetos é es- perado para o período quente e chuvoso do ano. No caso da mosca-dos-estábulos, no entanto, a proliferação se dá de modo diferente. “O inverno na maior parte do País não é tão rigoroso e a vinhaça funciona como chuva artificial, mantendo a umidade do substrato para a mosca se repro- duzir”, explica a bióloga. Monitoramento e controle Não há, portanto, “vilões” nessa trama. Tanto as usi- nas sucroalcooleiras quanto as propriedades pecuárias têm sua parcela de responsabilidade sobre a ocorrência de surtos e evitá-los depende de todos os envolvidos. “Nos municípios onde há conflito, o combate à mosca não funciona bem, mas naqueles em que existe parceria entre produtores e usinas, o controle dos surtos tem se mostrado bastante efetivo”, afirma Paulo Henrique Duar- te Calçado, pesquisador da Embrapa Gado de Corte, que juntamente com o colega Antônio Thadeu Medeiros de Barros, está à frente das pesquisas sobre a praga conduzi- das na instituição. É com um dos pés na conscientização e outro na transferência de tecnologia que Taciany vai a campo validar tanto o que desenvolveu em sua tese de doutorado quanto o que está sendo continuamente pes- quisado no laboratório da Embrapa. Praga é antiga Os surtos da mosca não são novi- dade. Desde a década de 1970, exis- tem relatos de aumento da população do inseto associada à produção alco- oleira. O que é recente é a intensidade e a frequência com que passaram a se suceder. No final da última década, as primeiras reclamações por parte dos produtores ecoaram no Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás, Minas Ge- rais e São Paulo, não por coincidência os Estados com a maior concentra- ção de unidades produtoras de açú- car e álcool do País. Há duas explicações para a pro- liferação da praga nessas circunstân- cias. Em 1978, um decreto de lei proi- biu o descarte de vinhaça em cursos d`água. O líquido, subproduto orgâni- co da produção de álcool, começou a ser lançado nos canaviais como fertili- zante, uma vez que é rico em nutrien- tes, principalmente o potássio. Vinte anos mais tarde, a queima da cana- -de-açúcar, outra prática poluidora, passou a ser banida da maioria dos Estados. As medidas solucionaram um problema ambiental, mas catali- saram o crescimento desenfreado da mosca. A combinação da palhada de cana-de-açúcar e da vinhaça criou um ambiente propício para sua proli- feração. Canais que levam vinhaça ao canavial 1. Na entressafra da cana (dezembro ao final de abril), pequena população de moscas sobrevive na fazenda. 2. Na safra da cana, a partir do final de abril, as moscas migram da fazenda para a usina. 3. Na usina, as moscas depositam seus ovos nas tortas de filtro. Nas lavouras, a reprodução acontece na palhada da cana irrigada com vinhaça. 4. Explosão dos surtos O ciclo da infestação
  • 3. Saúde Animal A primeira etapa desse processo é monitorar a po- pulação da mosca ao longo do ano. Antes de começar o trabalho para valer em Campo Florido, em junho do ano passado, Taciany treinou funcionários da usina Coruripe ligados às atividades de fertirrigação, tratos culturais e meio ambiente, mais associados à rotina do campo, para realizar essa tarefa. A equipe roda semanalmente toda a usina, preenchendo um check list criado pela bióloga e que deve ser entregue a cada 15 dias. É com base nesses relatórios que são tomadas as medidas de controle, que consistem basicamente no combate aos insetos adultos e na remoção ou destinação adequada de substratos or- gânicos que possam servir de criatórios para as larvas da mosca, trabalho que é feito simultaneamente na usina e nas propriedades pecuárias adjacentes. Para controlar o inseto, são utilizadas duas armadi- lhas: uma de monitoramento e outra de redução popula- cional. A primeira é um cilindro equilátero feita de fibra de vidro transparente, que reflete a luz solar em um com- primento de onda atrativo para as moscas, e cuja super- fície é recoberta por uma película de plástico contendo cola entomológica específica para capturá-las (veja foto da pág. 104). O cilindro fica preso a uma estaca de ma- deira a 1 m do solo e é colocado sempre em pontos estra- tégicos, como áreas de transição entre a usina e as pro- priedades. A película plástica é recolhida semanalmente pela equipe de Taciany para contagem das moscas. A outra armadilha (de redução populacional) é uma bandeira quadrangular (1 m x 1m), confeccionada em tecido de algodão, metade azul, metade preto, cores que mais atraem os insetos, segundo pesquisas feitas nos Estados Unidos. Essa bandeira é impregnada com inseticida contendo um atrativo sexual, que a mosca suga e morre. A quantidade de armadilhas, sua dispo- sição no local e a dosagem do inseticida dependem do nível de infestação. Não existe receita. Tanto as armadi- lhas quanto o inseticida estão sendo fornecidos gratui- tamente pela usina aos produtores, que ficam responsá- veis pela aplicação. Resultados animadores No início, o trabalho enfrentou dificuldades. “Havia muita desconfiança por parte dos produtores, que acha- vam que estávamos entrando nas propriedades para de- fender a usina”, lembra Adrieli Fasolo, outra bióloga da Volare. Ronaldo César da Silva, supervisor de produção agrícola da Coruripe, também precisou lidar com pro- dutores ressabiados. “Não acreditavam muito no nosso trabalho”, diz ele. A percepção e a receptividade, no en- tanto, mudaram bastante à medida que a infestação dimi- nuiu. “Hoje os produtores fazem questão de nos mostrar que as armadilhas estão funcionando, que os animais es- tão mais tranquilos. É muito gratificante, tanto para eles quanto para nós”, diz Adrieli. No confinamento da Fazenda Santa Albertina, que fica a 3 km da usina, a aflição dos animais durante os sur- tos já começa a ficar para trás. Em 2015, o confinamento, destinado a matrizes Nelore PO, teve prejuízo por conta do ataque das moscas. “Os animais corriam em círculos, se esfregavam uns nos outros, na tentativa desesperada de se livrar das moscas, emagreciam no cocho. Foi desa- nimador”, lembra o gerente Pedro Felipe da Silva Rosa. Após quase um ano de trabalho em conjunto com a usina e com suporte técnico da Volare, a realidade é outra. “Es- tamos satisfeitos porque a infestação diminuiu muito”, conta Rosa. Para evitar a formação de criatórios, ele retira as sobras de volumoso ao redor dos cochos, que, mistu- radas às fezes dos animais, favorecem o desenvolvimento das larvas do inseto. Também recolhe o esterco para seca- gem e compostagem. Para reduzir a população de adultos, Rosa utiliza 50 bandeiras de captura, dispostas em pontos estratégicos ao redor do confinamento. Quem também está empenhada em cumprir seu pa- pel no controle da mosca é Dona Zuleica de Lourdes Fe- liciano Souza, proprietária da Estância Nossa Senhora Aparecida, um dos 46 lotes de assentamento que estão sendo monitorados. A produtora conhece bem os danos causados pelo apetite voraz da Stomoxys calcitrans. “As vacas até pulavam quando a gente as colocava na orde- Pedro Felipe da Silva Rosa, gerente da Fazenda Santa Albertina, elimina resíduos de volumosos para evitar criatórios da mosca. Dona Zuleica, da Estância Nossa Senhora Aparecida, feliz com o resultado do trabalho financiado pela usina: “Foi uma bênção”. 106 DBO maio 2017
  • 4. nha, porque a mosca não dava sossego”, conta ela. Além de cimentar o piso do local onde tira leite, antes lama- cento quando chovia, dona Zuleica, como é conhecida, divide com o marido, Irones Alves de Souza, a tarefa de não deixar acumular matéria orgânica perto dos cochos e aplicar o inseticida nas bandeiras utilizadas para a redu- ção populacional da mosca. Sobre o resultado do trabalho, a proprietária sinteti- za a seu modo: “Foi uma benção”. Com a franqueza que a caracteriza, dona Zuleica não poupa nem os vizinhos quando percebe alguma negligência nas ações de contro- le. “Pergunto: cadê as bandeiras? Por que você não co- locou o inseticida do jeito que as meninas orientaram?”. O questionamento, quase em tom de intimação, encontra respaldo na analogia que Paulo Cançado, pesquisador da Embrapa Gado de Corte, costuma fazer. “A mosca-dos- -estábulos é igual ao mosquito da dengue. Não adianta você eliminar os criatórios na sua casa se o seu vizinho tem uma piscina abandonada cheia de larvas do inseto”. Foco na entressafra Nas usinas, o trabalho é mais complexo. Os canais de vinhaça, que levam o líquido até as lavouras, devem ser monitorados semanalmente durante a safra para verificar se há necessidade de manejo para eliminação de possí- veis focos de reprodução da praga, o que pode ser feito de duas formas: removendo-se o acúmulo de borra, que se deposita no fundo do canal após sua utilização e, uma vez úmida, serve de postura para a mosca; ou enchendo- -se o canal novamente com vinhaça e/ou água residual, estratégia que mata as larvas “afogadas”. Nos canaviais, recomenda-se a realização de subsolagem antes da aplica- ção da vinhaça. No pátio da usina, a tarefa é manejar ade- quadamente a torta de filtro, subproduto ainda mais atra- tivo para a mosca do que a palha e a vinhaça, revolvendo por completo o substrato para favorecer a compostagem e evitar que a umidade se acumule na “base” da leira. A despeito de se preconizar que os métodos de con- trole da mosca-dos-estábulos, tanto nas usinas quanto nas fazendas, sejam adotados ao longo do ano, a intensidade e o foco das ações variam de acordo com a sazonalidade da produção canavieira. Assim, durante a safra, o combate à mosca se concentra principalmente nas usinas. Quando a cana não está sendo cortada, é a vez do produtor fazer a sua parte. “O trabalho preventivo começa na entressa- fra, eliminando os criatórios da mosca para reduzir ao má- ximo a população basal que posteriormente migrará das fazendas à usina para se reproduzir”, explica Taciany. A bióloga lembra, entretanto, que, por não estar sendo inco- modado pela mosca durante esse período, o produtor ten- de a afrouxar as medidas de combate, o que é um grave erro. “São as ações feitas na entressafra que vão impedir a explosão da população de insetos quando a usina retomar as atividades de moagem da cana. Quando acontece o sur- to, fica muito mais difícil evitar prejuízos”. Nem os pesquisadores da Embrapa nem Taciany re- comendam aplicar produtos nos animais para controle da mosca-dos-estábulos. Métodos tradicionais, como brin- cos mosquicidas ou produtos pour on, muito usados para combater a Haematobia irritans (mosca-dos-chifres) têm baixa eficácia contra a praga, que prefere os membros in- feriores do bovino para o repasto sanguíneo, dificultando assim a ação desses medicamentos. A falta de produtos com eficácia comprovada torna difícil o combate à mos- ca-dos-estábulos em animais mantidos a pasto, onde o problema é menos intenso, em razão da quantidade me- nor de resíduos orgânicos gerados. “Colocar as bandei- ras em grandes áreas é inviável economicamente para o produtor. Ainda não dispomos de informações técnicas que nos permitam proteger esses animais a campo, mas acredito que as medidas já tomadas aliviam o problema de um modo geral”, diz. A pesquisa não para. Enquanto a Embrapa testa a eficiência de larvicidas para aplicação na lavoura, Taciany avalia junto aos órgãos ambientais competentes a possibilidade do uso da queima profiláti- ca - em pontos estratégicos - da palhada da cana. “Quere- mos saber se essa medida trará impacto positivo comple- mentar ao que já está sendo feito”. n Ronaldo César da Silva, supervisor de produção da Coruripe, mostra resíduos de ração onde a mosca costuma se reproduzir A leira de torta de filtro deve ser manejada de forma a não haver acúmulo de umidade em sua base, onde o inseto se prolifera. Saúde Animal 108 DBO maio 2017