SlideShare uma empresa Scribd logo
•Ciências da Natureza e suas
Tecnologias
•Ensino Médio, 3ªSérie.
•Gravidez na Adolescência, DSTS e Métodos
Contraceptivos
BIOLOGIA 2015
DWEISON NUNES
E-mail: dnss.nunes@Hotmail.com
Gravidez na Adolescência
Gravidez na adolescência
oComo o próprio termo já define, consiste em uma gravidez precoce
em período de adolescência.
oApesar de que a Organização Mundial de Saúde considere a
adolescência como o período de dez a vinte anos na vida de um
indivíduo
oCada país especifica a idade em que seus cidadãos passam a ser
considerados adultos (a chamada maioridade legal) ainda podendo
ser influenciado localmente por fatores culturais.
oPeríodo dos “12 aos 20” anos
CHEIDA, Luiz Eduardo. Biologia integrada: Volume único. São Paulo: FTD, 2010.
Ciências da Natureza e suas Tecnologias
Ensino Médio, 3ªSérie
Adolescência
• A adolescência caracteriza-se por ser um período de
descoberta do mundo, dos grupos de amigos, de uma vida
social mais ampla.
• A adolescência é também uma fase em que a
personalidade da jovem está se formando e, por isso
instável. Hoje, os meninos e meninas entram na
adolescência cada vez mais cedo.
• Assim, a gravidez pode vir a interromper, na adolescente,
esse processo de desenvolvimento próprio da idade,
fazendo-a assumir responsabilidades e papéis de adulta
antes da hora.
• O prejuízo é duplo: nem adolescente plena, nem adulta
inteiramente capaz.
CHEIDA, Luiz Eduardo. Biologia integrada: Volume único. São Paulo: FTD, 2010.
Ciências da Natureza e suas Tecnologias
Ensino Médio, 3ªSérie
Gravidez na Adolescência
• O namorado, que antes era o tal príncipe encantado , fica assustado com
o excesso de responsabilidade e toma atitudes como negar a
paternidade e até sugerir o aborto.
A Gravidez precoce pode ser um grande complicador para a vida das
adolescentes, gerando problemas como:
• Nas mães: desnutrição, anemia, hipertensão especifica da gravidez,
trabalho de parto prematuro, infecções, etc.
• Nos bebês: baixo peso, prematuridade, risco de mortalidade maior que
dos filhos de mães mais velhas;
CHEIDA, Luiz Eduardo. Biologia integrada: Volume único. São Paulo: FTD, 2010.
Ciências da Natureza e suas Tecnologias
Ensino Médio, 3ªSérie
Dados a serem analisados
algumas causas para a ocorrência da gravidez precoce :
• O Pensamento mágico de que nada acontece com elas, mas apenas com
os outros .
• A Influências das amigas e da mídia.
• O MEDO de encarar a própria sexualidade, o que leva a não se prevenir,
deixando por conta do acaso a primeira relação sexual .
• O desconhecimento do uso de métodos contraceptivos.
• A falta de conhecimento do próprio corpo, o que pode explicar , em parte,
a não-utilização ou a utilização incorreta dos métodos contraceptivos.
• A falta de orientação médica para a escolha do melhor método
contraceptivo.
• O constrangimento em assumir o relacionamento sexual diante da família
e amigos .
Ciências da Natureza e suas Tecnologias
Ensino Médio, 3ªSérie
...Outras causas para a ocorrência da gravidez precoce :
• A vergonha de pedir ao namorado que use a camisinha durante a relação
sexual .
• A falta de condição financeira para comprar a camisinha ou pílula
• Desejo de testar a fertilidade (medo de ser infértil).
• Mitos em relação aos métodos e á sexualidade .
Observação: A Orientação do ginecologista na escolha do método é
imprescindível, pois ajuda a adolescente a entender melhor o método
escolhido, esclarecer as dúvidas e saber a quem recorrer em caso de novas
questões .
A melhor solução para evitar uma gravidez não planejada continua
sendo a prevenção .
CHEIDA, Luiz Eduardo. Biologia integrada: Volume único. São Paulo: FTD, 2010.
Ciências da Natureza e suas Tecnologias
Ensino Médio, 3ªSérie
Ciências da Natureza e suas Tecnologias
Ensino Médio, 3ªSérie
IBGE, Censo 2009. Disponível em:
http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2009/tabelas_pdf/t
otal_populacao_pernambuco.pdf. Retirado em 04/10/2011.
Gráficos
Ciências da Natureza e suas Tecnologias
Ensino Médio, 3ªSérie
DST’SDST’S
• “DOENÇAS SEXUALMEMTE TRANSMISSÍVEIS”;
• São doenças transmitidas por meio de relação sexual;
• Seja de homem com mulher, homem com homem ou mulher com
mulher;
• Sem o uso de camisinha com uma pessoa que esteja infectada;
• Geralmente se manifestam por meio de feridas, corrimentos, bolhas ou
verrugas, nos órgãos genitais podendo surgir também em outras partes
do corpo.
Disponível em: http://www.google.com.br/pdf. Retirado em 05/09/2011.
Ciências da Natureza e suas Tecnologias
Ensino Médio, 3ªSérie
OS PRINCIPAIS SINTOMAS DE DST‘S:OS PRINCIPAIS SINTOMAS DE DST‘S:
• Corrimentos abundantes amarelados ou esverdeados na vagina ou pênis
• Mau-cheiro no órgãos genitais
• Coceiras ou vermelhidão constantes na virilha, vagina, saco ou pênis
• Feridas na vagina, saco, pênis ou ânus
• verrugas na vagina, pênis, boca, saco ou ânus
• bolhas (vermelhidão) na virilha, vagina, saco ou pênis
• ardor ao urinar
• Dor durante as relações sexuais
Disponível em: http://www.google.com.br/pdf. Retirado em 05/09/2011.
Ciências da Natureza e suas Tecnologias
Ensino Médio, 3ªSérie
HISTÓRICOHISTÓRICO
• As doenças sexualmente transmissíveis, até pouco tempo eram
conhecidas como doenças venéreas. Venéreas por causa de uma
referência a deusa grega Vênus. A deusa do amor.
• As DSTs não escolhem idade, classe social, raça e condição financeira
para contaminar.Qualquer um pode se tornar uma vítima.
Disponível em: http://www.google.com.br/pdf. Retirado em 05/09/2011.
Ciências da Natureza e suas Tecnologias
Ensino Médio, 3ªSérie
POSSÍVEIS CAUSAS DO AUMENTO DE CASOS DAS DSTsPOSSÍVEIS CAUSAS DO AUMENTO DE CASOS DAS DSTs
• INÍCIO DA VIDA SEXUAL PREMATURA;
• AUMENTO DO NUMERO DE PARCEROS(AS)
SEXUAIS;
• DIFICULDADE EM USAR PRESERVATIVOS;
• FALTA DE INFORMAÇÃO QUANTO A
PRENVENÇÃO;
• VERGONHA E MEDO DE PROCURAR
ORIENTAÇÃO MÉDICA...
Ciências da Natureza e suas Tecnologias
Ensino Médio, 3ªSérie
DST´s MAIS COMUNSDST´s MAIS COMUNS
• Gonorréia;
• Sífilis ou Lues;
• Cancro Mole ou Bubão;
• Tricomoníase;
• Herpes Genital;
• Condiloma acuminado ou crista de galo;
• Cândidíase ou Flores Brancas;
• AIDS;
• Clamídia.
Ciências da Natureza e suas Tecnologias
Ensino Médio, 3ªSérie
GONORRÉIA SÍFILIS OU LUESGONORRÉIA SÍFILIS OU LUES
• É uma infecção
causada por uma
bactéria denominada
neisseria
gonorrhoeae;
• É uma infecção só da
uretra;
• Com dor e ardência ao
urinar;
• E com vários tipos de
corrimento
amarelados.
• Sinônimos: Cancro duro, cancro
sifilítico, Lues;
• Agente:Treponema pallidum;
• Complicações/Consequências
Aborto espontâneo, natimorto,
parto prematuro, baixo peso,
endometrite pós-parto. Infecções
Peri e neonatal. Sífilis Congênita.
Neurossífilis. Sífilis Cardiovascular.
Transmissão
Relação sexual (vaginal anal e oral),
transfusão de sangue contaminado,
transplacentária (a partir do quarto
mês de gestação).
Ciências da Natureza e suas Tecnologias
Ensino Médio, 3ªSérie
CANCRO MOLE TRICOMONÍASECANCRO MOLE TRICOMONÍASE
• Sinônimo: Bubão e cavalo;
• causada pela bactéria
Hemophilus Ducreyi;
• Afeta homens e mulheres;
• Caracteriza-se por feridas tipo
úlcera, semelhante a sífilis,
diferenciando-se desta por
apresentar geralmente lesões
múltiplas (pode ser única), por
serem dolorosas, de borda
irregular com contornos
avermelhados.
• É uma infecção dos genitais,
causada pelo Trichomonas
vaginalis.
• Pode não apresentar sintomas
algum ou aparecer na
mulher:como um corrimento
amarelo abundante com mau
cheiro, coceira na região vaginal,
dor abdominal e ardência ao
urinar.
• O homem raramente apresenta
ardência ao urinar ou um pouco
de secreção amarela saindo pelo
pênis.
• Sintomas: quando presentes
costumam aparecer em torno de
10 dias após a relação.
Ciências da Natureza e suas Tecnologias
Ensino Médio, 3ªSérie
Condiloma Acuminado Herpes GenitalCondiloma Acuminado Herpes Genital
• Sinônimo: "crista de galo“;
• Causada: Por um vírus (HPV -
Human Papilloma Virus);
• Caracterizada : Pelo crescimento
de uma lesão tipo verruga
(couve-flor) na região de contato
(pênis, vagina ou anus).
• A presença do vírus pode ser
assintomática: Principalmente na
mulher ou a lesão inicial pode ser
pequena e passar despercebida a
ambos os sexos.
• Causado por: Um vírus chamado
de "virus herpes simplex", tipo 2.
• O primeiro sintoma: É o
aparecimento de minúsculas
bolhas agrupadas (vesículas) ;
• Causa: Dor e ardência no local de
inoculação (contato). Com o
passar dos dias estas vesículas
vão se rompendo e liberando
pequena quantidade de líquido
os quais formarão crostas ao
secarem.
Ciências da Natureza e suas Tecnologias
Ensino Médio, 3ªSérie
AIDSAIDS
• (SÍNDROME DA IMONODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA);
• É uma manifestação clínica avançada de infecção pelo HIV (vírus da
imunodeficiência humana) ;
• Um retrovírus que ataca o sistema imunológico do ser humano.
Ciências da Natureza e suas Tecnologias
Ensino Médio, 3ªSérie
A Diferença entre estar infectado pelo HIV e ter SIDAA Diferença entre estar infectado pelo HIV e ter SIDA
(AIDS)(AIDS)
• Devemos ressaltar que ser portador do vírus HIV não significa estar com AIDS
(doente).
• Nós somos constantemente atacados por bactérias e vírus, porém temos um sistema
de células e barreiras de defesa. Estas células são chamadas de leucócitos (células
brancas ou glóbulos brancos) que atuam eliminando todo organismo estranho que
circule por nosso corpo.
• O vírus HIV reduz a resistência do nosso organismo exatamente por se instalarem
dentro dos glóbulos brancos tornando-os ineficientes e deixando-nos expostos a
infecções por vírus e bactérias oportunistas.
• "doente" com AIDS significa ser portador do vírus e ter infecções oportunistas como
pneumonias, infecções intestinais, etc. que podem por fim levar a morte.
Disponível em: http://www.google.com.br/pdf. Retirado em 05/09/2011.
Ciências da Natureza e suas Tecnologias
Ensino Médio, 3ªSérie
OBSERVAÇÕES:OBSERVAÇÕES:
TRATAMENTO?!TRATAMENTO?!
•AIDS: Infelizmente a medicina ainda não encontrou a cura para a AIDS.
•Hoje são medicamentos que fazem o controle do vírus. Estes medicamentos
melhoram a qualidade de vida do paciente, aumentando a sobrevida.
•DST’S: Apenas o médico (ginecologista, clínico geral ou urologista) tem
condições de fazer exames clínicos e de laboratório que podem avaliar qual a
medicação necessária para cada DST.
•Tomar remédios receitados por farmacêuticos e amigos podem apenas
“esconder” os sintomas e fazer com que a doença se torne mais resistente
dentro do corpo.
Disponível em: http://www.google.com.br/pdf. Retirado em 05/09/2011.
Ciências da Natureza e suas Tecnologias
Ensino Médio, 3ªSérie
MITOS E VERDADESMITOS E VERDADES
Anticoncepcionais
• A prevenção da gestação não planejada é fundamental, principalmente
para adolescentes e adultos jovens sexualmente ativos, que devem ser
orientados precocemente.
• Uma vez que a idade para início das relações sexuais está diminuindo cada
vez mais, enquanto estão aumentando o número de adolescentes
grávidas.
Métodos de contracepção
Disponível em: http://www.google.com.br/pdf. Retirado em 05/09/2011.
Ciências da Natureza e suas Tecnologias
Ensino Médio, 3ªSérie
Pílulas
• Deve-se começar no primeiro dia da menstruação que equivale ao primeiro
dia do ciclo e tomar durante os 21 dias (ou 22 dias) até o dia da pausa,
período de 7 dias (6 dias).
• Neste período você terá sua menstruação. Imediatamente após o 7º dia da
pausa (isto é, 8º dia do ciclo) comece a tomar a próxima cartela mesmo se
a sua menstruação não tenha acabado.
Vantagens:
• Eficiência de 99% na prevenção de uma gravidez.
• Nas minipílulas, os efeitos colaterais são praticamente inexistentes.
Desvantagens:
• O risco de um esquecimento é quase inevitável.
• Mulheres que usam pílulas nem sempre encorajam seus parceiros a
usarem camisinha, tornando-a assim mais exposta à doenças sexualmente
transmissíveis.
• Devido à mudança hormonal, algumas mulheres perdem o controle de seu
peso.
Ciências da Natureza e suas Tecnologias
Ensino Médio, 3ªSérie
Pílula pós-coito ou pílula do dia seguinte
• a anticoncepção de emergência é um uso alternativo de
contracepção hormonal oral (tomado antes de 72 horas após o
coito) evitando-se a gestação após uma relação sexual
desprotegida.
É importante esclarecer que essas não são pílulas de aborto e
não causam aborto, e elas não ajudarão se a mulher já estiver
grávida. Ela pode ajudar somente a prevenir a gravidez. Esta
medida tem causado vários efeitos colaterais e não deve ser
usada regularmente.
Disponível em: http://www.google.com.br/pdf. Retirado em 05/12/2010.
Ciências da Natureza e suas Tecnologias
Ensino Médio, 3ªSérie
Disponível em: http://www.google.com.br/pdf. Retirado em 05/09/2011.
Evra® (adesivo anticoncepcional): Foi lançado no Brasil em Março de 2003 .
O Evra é um adesivo anticoncepcional que deve ser colado na pele, em diversos
locais do corpo, permanecendo na posição durante uma semana.
• A maior vantagem é que a mulher não precisará tomar a pílula
todo dia e nem esquecerá.
• Outra é que os hormônios serão absorvidos diretamente pela
circulação evitando alguns efeitos colaterais desagradáveis da
pílula oral.
Ciências da Natureza e suas Tecnologias
Ensino Médio, 3ªSérie
Disponível em: http://www.google.com.br/pdf. Retirado em 05/09/2011.
Hormonais
• Nuvaring®: é um anel vaginal contendo hormônios femininos que é colocado na
vagina no 5º dia da menstruação, permanecendo nesta posição durante três
semanas.
• A maior vantagem é que a mulher não precisará tomar a pílula todo dia e nem
esquecerá.
• Outra é que os hormônios serão absorvidos diretamente pela circulação evitando
alguns efeitos colaterais desagradáveis da pílula oral.
Ciências da Natureza e suas Tecnologias
Ensino Médio, 3ªSérie
Implantados
O implante é um bastonete que libera progestagênio lentamente durante um período
prolongado podendo proporcionar contracepção por 3 a 5 anos após a
implantação subcutânea. A inserção do bastonete é bem simples e fácil, deve ser
colocado pelo seu médico.
Vantagens:
99,7% de eficiência.
Após a implantação você não tem que se preocupar com métodos anticoncepcionais
por até cinco anos.
Independente da cooperação de seu parceiro.
Diminui o sangramento vaginal.
Desvantagens:
É caro.
Ciclo menstrual irregular é comum nos primeiros seis meses.
Ao levantar o braço, o implante pode ser visto.
Sua remoção é mais difícil que sua implantação.
Não previne contra doenças sexualmente transmissíveis.
Disponível em: http://www.google.com.br/pdf. Retirado em 05/09/2011.
Ciências da Natureza e suas Tecnologias
Ensino Médio, 3ªSérie
Injetáveis
O injetável é uma injeção à base de hormônios femininos e
assim como a pílula é um método eficaz. Alguns injetáveis são
usados com aplicações mensais e outros, trimestrais.
Vantagens:
•É altamente eficiente, 99,7%.
•Você só precisa dele quatro vezes ao ano.
•O seu ciclo menstrual praticamente desaparece, sem sangue,
sem cólicas, sem tensão pré-menstrual.
Desvantagens:
•Aumento de peso é comum. Mas se você pratica esportes não
deve ser problema.
•Para engravidar pode levar até um ano após a última dose.
•Não protege contra doenças sexualmente transmissíveis.
Disponível em: http://www.google.com.br/pdf. Retirado em 05/09/2011.
Ciências da Natureza e suas Tecnologias
Ensino Médio, 3ªSérie
Tabelinha
• A tabelinha é conhecida também como método do
calendário, pois a mulher de acordo com o histórico
de suas menstruações, identifica o seu período fértil
através do mesmo.
Dias Férteis: Período em que há probabilidade da
mulher engravidar.
Esses dias são: Do 10º ao 18º dia, contados do 1º dia
em que iniciou um novo ciclo menstrual.
Dias não férteis: É o período em que há uma baixa
probabilidade de ocorrer a fecundação.
São eles: Do 1º ao 9º dia, e do 19º ao 28º dia.
Ciências da Natureza e suas Tecnologias
Ensino Médio, 3ªSérie
Disponível em: http://www.google.com.br/pdf. Retirado em 05/12/2010.
Métodos de Barreira
• Preservativo Masculino e Feminino.
• Estes métodos impedem a ascensão dos
espermatozoides ao útero, sendo
fundamentais na prevenção das DST e AIDS.
• A origem histórica da camisinha foi em
1500, quando o anatomista italiano
Gabrielle Fallopius inventou uma espécie de
"saco de linho" para proteger seus
pacientes da sífilis.
Ciências da Natureza e suas Tecnologias
Ensino Médio, 3ªSérie
• Informações gerais
• Tipo Esterilização onde são seccionados os ductos deferentes.
• Primeiro uso 1957.
• Taxas de falha (por ano)
• Uso perfeito 0.1%
• Uso
• Duração do efeito Permanente
• Reversibilidade possível, porém as taxas de sucesso baixam
substancialmente.
• Lembretes aos usuários Teste de eficiência adicional: requer 2 amostras
negativas de sêmen.
Vasectomia
Disponível em: http://www.google.com.br/pdf. Retirado em 05/09/2011.
Ciências da Natureza e suas Tecnologias
Ensino Médio, 3ªSérie
Demonstração
Ciências da Natureza e suas Tecnologias
Ensino Médio, 3ªSérie
Laqueadura
Esterilização cirúrgico e definitivo, realizado na mulher através da ligadura ou
corte das trompas impedindo, o encontro dos gametas masculino e
feminino.
Primeiro uso 1930
Informações gerais
• Tipo Esterilização
Taxas de falha (por ano)
• Uso perfeito 0.5%
Uso
• Duração do efeito é Permanente.
• Reversibilidade (Nunca).
• Revisões clínicas, (nenhuma).
Ciências da Natureza e suas Tecnologias
Ensino Médio, 3ªSérie
Disponível em: http://www.google.com.br/pdf. Retirado em 05/09/2011.
Dispositivo Intra-Uterino
• São artefatos de polietileno, aos quais podem ser adicionados
cobre ou hormônios, que são inseridos na cavidade uterina
exercendo sua função contraceptiva.
• Riscos frequentes:
• Sangramentos irregulares;
• Infecções uterinas,
• Índice de falha: 0,1 %
Ciências da Natureza e suas Tecnologias
Ensino Médio, 3ªSérie
Diafragma
• é um anel flexível, coberto por uma membrana de borracha fina, que a
mulher deve colocar na vagina, para cobrir o colo do útero
• Deve ser usado com espermicida. Recomenda-se introduzir de 15 a 30
minutos antes da relação sexual e retirar 6 a 8 horas após a última
relação sexual de penetração.
Ciências da Natureza e suas Tecnologias
Ensino Médio, 3ªSérie
Porcentagens de eficácia
 Muito eficientes  Eficientes
 Pouco eficientes
 Pílula
índice de falha 0,1%
 Pílula do dia seguinte
/Contracepção de emergência
índice de falha 5 a 20 %
 Espermaticida
índice de falha 20 %
 Injeção Anticoncepcional
índice de falha 0,1%
 Camisinha
índice de falha 8 a 20 %
 Método do muco
índice de falha 10 a 20 %
 DIU
índice de falha 0,1%
 Diafragma
índice de falha 8 a 20 %
 Tabelinha
índice de falha 10 a 20 %
 Vasectomia e Laqueadura
tubária
índice de falha 1%
 Camisinha feminina
índice de falha 8 a 20 %
 Coito Interrompido
índice de falha 15 a 20 %
 Não fazer sexo
índice de falha 0 %
 Anticoncepção de emergência
índice de falha 05 a 20 %
 Aborto
índice de falha 15 a 20 %
 Implante
índice de falha 0,0%
 Anel Vaginal
índice de falha 0,1%
 Adesivo anticoncepcional
índice de falha 0,1%
Porcentagens de eficácia
 Muito eficientes  Eficientes
 Pouco eficientes
 Pílula
índice de falha 0,1%
 Pílula do dia seguinte
/Contracepção de emergência
índice de falha 5 a 20 %
 Espermaticida
índice de falha 20 %
 Injeção Anticoncepcional
índice de falha 0,1%
 Camisinha
índice de falha 8 a 20 %
 Método do muco
índice de falha 10 a 20 %
 DIU
índice de falha 0,1%
 Diafragma
índice de falha 8 a 20 %
 Tabelinha
índice de falha 10 a 20 %
 Vasectomia e Laqueadura
tubária
índice de falha 1%
 Camisinha feminina
índice de falha 8 a 20 %
 Coito Interrompido
índice de falha 15 a 20 %
 Não fazer sexo
índice de falha 0 %
 Anticoncepção de emergência
índice de falha 05 a 20 %
 Aborto
índice de falha 15 a 20 %
 Implante
índice de falha 0,0%
 Anel Vaginal
índice de falha 0,1%
 Adesivo anticoncepcional
índice de falha 0,1%
Muito Obrigado!
Ciências da Natureza e suas
Tecnologias
Ensino Médio, 2ªSérie.
Gravidez na Adolescência, DSTS e Métodos
Contraceptivos

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

DST
DSTDST
Metodos contraceptivos spe
Metodos contraceptivos speMetodos contraceptivos spe
Metodos contraceptivos spe
Alinebrauna Brauna
 
Tipos de reprodução
Tipos de reproduçãoTipos de reprodução
Tipos de reprodução
URCA
 
Gravidez na adolescencia
Gravidez na adolescenciaGravidez na adolescencia
Gravidez na adolescencia
Alinebrauna Brauna
 
Infecções sexualmente transmissíveis
Infecções sexualmente transmissíveisInfecções sexualmente transmissíveis
Infecções sexualmente transmissíveis
Escola Básica e Secundária de Vizela - Infias
 
IST´s (Infecções Sexualmente Transmissíveis)
IST´s (Infecções Sexualmente Transmissíveis)IST´s (Infecções Sexualmente Transmissíveis)
IST´s (Infecções Sexualmente Transmissíveis)
António Matias
 
Metodos contraceptivos
Metodos contraceptivosMetodos contraceptivos
Metodos contraceptivos
César Milani
 
História das Doenças Negligenciadas
História das Doenças NegligenciadasHistória das Doenças Negligenciadas
História das Doenças Negligenciadas
Rilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Dst
DstDst
Dst
dapab
 
A adolescência e a puberdade
A adolescência e a puberdadeA adolescência e a puberdade
A adolescência e a puberdade
Espaço Emrc
 
Reprodução
ReproduçãoReprodução
Reprodução
Fatima Comiotto
 
Ds ts
Ds tsDs ts
Classificação dos Seres Vivos
Classificação dos Seres VivosClassificação dos Seres Vivos
Classificação dos Seres Vivos
Juliana Mendes
 
Dst 8º ano
Dst   8º anoDst   8º ano
Dst 8º ano
WANISE ALMEIDA
 
Classificação do reino plantae
Classificação do reino plantaeClassificação do reino plantae
Classificação do reino plantae
francisco sergio costa e souza
 
III.1 Adolescência
III.1 AdolescênciaIII.1 Adolescência
III.1 Adolescência
Rebeca Vale
 
O que acontece com o seu corpo
O que acontece com o seu corpoO que acontece com o seu corpo
O que acontece com o seu corpo
VaMartins
 
Reino Monera
Reino MoneraReino Monera
Reino Monera
profatatiana
 
Embriologia
Embriologia Embriologia
Embriologia
CristinaBrandao
 
Aula Classificação dos Seres Vivos
Aula Classificação dos Seres VivosAula Classificação dos Seres Vivos
Aula Classificação dos Seres Vivos
Plínio Gonçalves
 

Mais procurados (20)

DST
DSTDST
DST
 
Metodos contraceptivos spe
Metodos contraceptivos speMetodos contraceptivos spe
Metodos contraceptivos spe
 
Tipos de reprodução
Tipos de reproduçãoTipos de reprodução
Tipos de reprodução
 
Gravidez na adolescencia
Gravidez na adolescenciaGravidez na adolescencia
Gravidez na adolescencia
 
Infecções sexualmente transmissíveis
Infecções sexualmente transmissíveisInfecções sexualmente transmissíveis
Infecções sexualmente transmissíveis
 
IST´s (Infecções Sexualmente Transmissíveis)
IST´s (Infecções Sexualmente Transmissíveis)IST´s (Infecções Sexualmente Transmissíveis)
IST´s (Infecções Sexualmente Transmissíveis)
 
Metodos contraceptivos
Metodos contraceptivosMetodos contraceptivos
Metodos contraceptivos
 
História das Doenças Negligenciadas
História das Doenças NegligenciadasHistória das Doenças Negligenciadas
História das Doenças Negligenciadas
 
Dst
DstDst
Dst
 
A adolescência e a puberdade
A adolescência e a puberdadeA adolescência e a puberdade
A adolescência e a puberdade
 
Reprodução
ReproduçãoReprodução
Reprodução
 
Ds ts
Ds tsDs ts
Ds ts
 
Classificação dos Seres Vivos
Classificação dos Seres VivosClassificação dos Seres Vivos
Classificação dos Seres Vivos
 
Dst 8º ano
Dst   8º anoDst   8º ano
Dst 8º ano
 
Classificação do reino plantae
Classificação do reino plantaeClassificação do reino plantae
Classificação do reino plantae
 
III.1 Adolescência
III.1 AdolescênciaIII.1 Adolescência
III.1 Adolescência
 
O que acontece com o seu corpo
O que acontece com o seu corpoO que acontece com o seu corpo
O que acontece com o seu corpo
 
Reino Monera
Reino MoneraReino Monera
Reino Monera
 
Embriologia
Embriologia Embriologia
Embriologia
 
Aula Classificação dos Seres Vivos
Aula Classificação dos Seres VivosAula Classificação dos Seres Vivos
Aula Classificação dos Seres Vivos
 

Destaque

Palestra sexualidade, gravidez e dst s pronta
Palestra sexualidade, gravidez e dst s prontaPalestra sexualidade, gravidez e dst s pronta
Palestra sexualidade, gravidez e dst s pronta
Bianca Trajanoski
 
Slides gravidez adolescencia
Slides gravidez adolescenciaSlides gravidez adolescencia
Slides gravidez adolescencia
Antonio Junior Sousa Uchoa
 
Gravidez na Adolescência
Gravidez na AdolescênciaGravidez na Adolescência
Gravidez na Adolescência
LuisMagina
 
Dst apresentacao [salvo automaticamente]
Dst apresentacao [salvo automaticamente]Dst apresentacao [salvo automaticamente]
Dst apresentacao [salvo automaticamente]
paulinhavelten
 
Gravidez na adolescência
Gravidez na adolescênciaGravidez na adolescência
Gravidez na adolescência
Ana Paula Ribeiro de Oliveira
 
Gravidez na Adolescência
Gravidez na AdolescênciaGravidez na Adolescência
Gravidez na Adolescência
Michele Pó
 
Doenças Sexualmente Transmissiveis (DST)
Doenças Sexualmente Transmissiveis (DST)Doenças Sexualmente Transmissiveis (DST)
Doenças Sexualmente Transmissiveis (DST)
danimmiguelis
 
Obesidade CriançA E Adolescente
Obesidade CriançA E AdolescenteObesidade CriançA E Adolescente
Obesidade CriançA E Adolescente
hudsonjunior
 
Gravidez Na Adolescencia
Gravidez Na AdolescenciaGravidez Na Adolescencia
Gravidez Na Adolescencia
teresaebia
 
Dst pronto mesmo2
Dst pronto mesmo2Dst pronto mesmo2
Dst pronto mesmo2
'Alice Tinoco
 
DoençAs Sexualmente TransmissíVeis Power Poit
DoençAs Sexualmente TransmissíVeis Power PoitDoençAs Sexualmente TransmissíVeis Power Poit
DoençAs Sexualmente TransmissíVeis Power Poit
edsaude
 
Gravidez na adolescência
Gravidez na adolescênciaGravidez na adolescência
Gravidez na adolescência
Marcos Paulo
 
Orientações para fazer os trabalhos de dps
Orientações  para fazer os trabalhos de dpsOrientações  para fazer os trabalhos de dps
Orientações para fazer os trabalhos de dps
laisdorta
 
Doenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveisDoenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveis
Edvaldo S. Júnior
 
Bullying
BullyingBullying
Bullying
Paulo Alexandre
 
Slides bullyin ga
Slides bullyin gaSlides bullyin ga
Slides bullyin ga
Joao Ribeiro
 
Marcos gabrielo-8ºc-trabalho de sexualidade
Marcos gabrielo-8ºc-trabalho de sexualidadeMarcos gabrielo-8ºc-trabalho de sexualidade
Marcos gabrielo-8ºc-trabalho de sexualidade
oitavocprado
 
Obesidade infantil na adolescencia
Obesidade infantil na adolescenciaObesidade infantil na adolescencia
Obesidade infantil na adolescencia
herculeschacal
 
Gravidez na adolescencia influencia da internet
Gravidez na adolescencia influencia da internetGravidez na adolescencia influencia da internet
Gravidez na adolescencia influencia da internet
Hilma Santos
 
Folder hetero 30x10
Folder hetero 30x10Folder hetero 30x10
Folder hetero 30x10
newsevoce
 

Destaque (20)

Palestra sexualidade, gravidez e dst s pronta
Palestra sexualidade, gravidez e dst s prontaPalestra sexualidade, gravidez e dst s pronta
Palestra sexualidade, gravidez e dst s pronta
 
Slides gravidez adolescencia
Slides gravidez adolescenciaSlides gravidez adolescencia
Slides gravidez adolescencia
 
Gravidez na Adolescência
Gravidez na AdolescênciaGravidez na Adolescência
Gravidez na Adolescência
 
Dst apresentacao [salvo automaticamente]
Dst apresentacao [salvo automaticamente]Dst apresentacao [salvo automaticamente]
Dst apresentacao [salvo automaticamente]
 
Gravidez na adolescência
Gravidez na adolescênciaGravidez na adolescência
Gravidez na adolescência
 
Gravidez na Adolescência
Gravidez na AdolescênciaGravidez na Adolescência
Gravidez na Adolescência
 
Doenças Sexualmente Transmissiveis (DST)
Doenças Sexualmente Transmissiveis (DST)Doenças Sexualmente Transmissiveis (DST)
Doenças Sexualmente Transmissiveis (DST)
 
Obesidade CriançA E Adolescente
Obesidade CriançA E AdolescenteObesidade CriançA E Adolescente
Obesidade CriançA E Adolescente
 
Gravidez Na Adolescencia
Gravidez Na AdolescenciaGravidez Na Adolescencia
Gravidez Na Adolescencia
 
Dst pronto mesmo2
Dst pronto mesmo2Dst pronto mesmo2
Dst pronto mesmo2
 
DoençAs Sexualmente TransmissíVeis Power Poit
DoençAs Sexualmente TransmissíVeis Power PoitDoençAs Sexualmente TransmissíVeis Power Poit
DoençAs Sexualmente TransmissíVeis Power Poit
 
Gravidez na adolescência
Gravidez na adolescênciaGravidez na adolescência
Gravidez na adolescência
 
Orientações para fazer os trabalhos de dps
Orientações  para fazer os trabalhos de dpsOrientações  para fazer os trabalhos de dps
Orientações para fazer os trabalhos de dps
 
Doenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveisDoenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveis
 
Bullying
BullyingBullying
Bullying
 
Slides bullyin ga
Slides bullyin gaSlides bullyin ga
Slides bullyin ga
 
Marcos gabrielo-8ºc-trabalho de sexualidade
Marcos gabrielo-8ºc-trabalho de sexualidadeMarcos gabrielo-8ºc-trabalho de sexualidade
Marcos gabrielo-8ºc-trabalho de sexualidade
 
Obesidade infantil na adolescencia
Obesidade infantil na adolescenciaObesidade infantil na adolescencia
Obesidade infantil na adolescencia
 
Gravidez na adolescencia influencia da internet
Gravidez na adolescencia influencia da internetGravidez na adolescencia influencia da internet
Gravidez na adolescencia influencia da internet
 
Folder hetero 30x10
Folder hetero 30x10Folder hetero 30x10
Folder hetero 30x10
 

Semelhante a Gravidez na adolescência, DST´S e Métodos Contraceptivos

Dst/aids
Dst/aidsDst/aids
DST/AIDS NAS MULHERES
DST/AIDS NAS MULHERESDST/AIDS NAS MULHERES
DST/AIDS NAS MULHERES
Fernanda Marinho
 
Sexualidade na-adolescncia1-1232369927059987-2
Sexualidade na-adolescncia1-1232369927059987-2Sexualidade na-adolescncia1-1232369927059987-2
Sexualidade na-adolescncia1-1232369927059987-2
Sergio Gaio
 
Uma ApresentaçãO Completa Xd
Uma ApresentaçãO Completa XdUma ApresentaçãO Completa Xd
Uma ApresentaçãO Completa Xd
pedroines141520
 
Educação Sexual na Educação de Jovens e Adultos
Educação Sexual na Educação de Jovens e AdultosEducação Sexual na Educação de Jovens e Adultos
Educação Sexual na Educação de Jovens e Adultos
DriZB
 
Sexualidade Na Adolescência
Sexualidade Na AdolescênciaSexualidade Na Adolescência
Sexualidade Na Adolescência
Pedui
 
Trabalho cynira
Trabalho cyniraTrabalho cynira
Trabalho cynira
Wilson Alvee'z
 
Sexualidade na-adolescncia1-1232369927059987-2
Sexualidade na-adolescncia1-1232369927059987-2Sexualidade na-adolescncia1-1232369927059987-2
Sexualidade na-adolescncia1-1232369927059987-2
Elson Gomes
 
DST
DSTDST
7 ano c
7 ano c7 ano c
Sexualidade na-adolescncia1-1232369927059987-2-110129142016-phpapp02
Sexualidade na-adolescncia1-1232369927059987-2-110129142016-phpapp02Sexualidade na-adolescncia1-1232369927059987-2-110129142016-phpapp02
Sexualidade na-adolescncia1-1232369927059987-2-110129142016-phpapp02
Pelo Siro
 
Dst
Dst Dst
Sexualidade
SexualidadeSexualidade
Sexualidade
Maria João last
 
Sexualidade saudável
Sexualidade saudávelSexualidade saudável
Sexualidade saudável
tocha_turma9a
 
Gravidez na adolescência e doenças sexualmente transmissíveis
 Gravidez na adolescência e doenças sexualmente transmissíveis Gravidez na adolescência e doenças sexualmente transmissíveis
Gravidez na adolescência e doenças sexualmente transmissíveis
eduvania
 
Doenças Sexualmente Transmissíveis
Doenças Sexualmente TransmissíveisDoenças Sexualmente Transmissíveis
Doenças Sexualmente Transmissíveis
Michele Pó
 
Doenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveisDoenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveis
Marina
 
Dst para c.n.
Dst para c.n.Dst para c.n.
Dst para c.n.
Cláudia Bonifácio
 
Sexualidade daniela
Sexualidade danielaSexualidade daniela
Sexualidade daniela
sergiovendas
 
Sexualidade
SexualidadeSexualidade
Sexualidade
guest3754e7
 

Semelhante a Gravidez na adolescência, DST´S e Métodos Contraceptivos (20)

Dst/aids
Dst/aidsDst/aids
Dst/aids
 
DST/AIDS NAS MULHERES
DST/AIDS NAS MULHERESDST/AIDS NAS MULHERES
DST/AIDS NAS MULHERES
 
Sexualidade na-adolescncia1-1232369927059987-2
Sexualidade na-adolescncia1-1232369927059987-2Sexualidade na-adolescncia1-1232369927059987-2
Sexualidade na-adolescncia1-1232369927059987-2
 
Uma ApresentaçãO Completa Xd
Uma ApresentaçãO Completa XdUma ApresentaçãO Completa Xd
Uma ApresentaçãO Completa Xd
 
Educação Sexual na Educação de Jovens e Adultos
Educação Sexual na Educação de Jovens e AdultosEducação Sexual na Educação de Jovens e Adultos
Educação Sexual na Educação de Jovens e Adultos
 
Sexualidade Na Adolescência
Sexualidade Na AdolescênciaSexualidade Na Adolescência
Sexualidade Na Adolescência
 
Trabalho cynira
Trabalho cyniraTrabalho cynira
Trabalho cynira
 
Sexualidade na-adolescncia1-1232369927059987-2
Sexualidade na-adolescncia1-1232369927059987-2Sexualidade na-adolescncia1-1232369927059987-2
Sexualidade na-adolescncia1-1232369927059987-2
 
DST
DSTDST
DST
 
7 ano c
7 ano c7 ano c
7 ano c
 
Sexualidade na-adolescncia1-1232369927059987-2-110129142016-phpapp02
Sexualidade na-adolescncia1-1232369927059987-2-110129142016-phpapp02Sexualidade na-adolescncia1-1232369927059987-2-110129142016-phpapp02
Sexualidade na-adolescncia1-1232369927059987-2-110129142016-phpapp02
 
Dst
Dst Dst
Dst
 
Sexualidade
SexualidadeSexualidade
Sexualidade
 
Sexualidade saudável
Sexualidade saudávelSexualidade saudável
Sexualidade saudável
 
Gravidez na adolescência e doenças sexualmente transmissíveis
 Gravidez na adolescência e doenças sexualmente transmissíveis Gravidez na adolescência e doenças sexualmente transmissíveis
Gravidez na adolescência e doenças sexualmente transmissíveis
 
Doenças Sexualmente Transmissíveis
Doenças Sexualmente TransmissíveisDoenças Sexualmente Transmissíveis
Doenças Sexualmente Transmissíveis
 
Doenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveisDoenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveis
 
Dst para c.n.
Dst para c.n.Dst para c.n.
Dst para c.n.
 
Sexualidade daniela
Sexualidade danielaSexualidade daniela
Sexualidade daniela
 
Sexualidade
SexualidadeSexualidade
Sexualidade
 

Último

O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AntonioVieira539017
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 

Último (20)

O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 

Gravidez na adolescência, DST´S e Métodos Contraceptivos

  • 1. •Ciências da Natureza e suas Tecnologias •Ensino Médio, 3ªSérie. •Gravidez na Adolescência, DSTS e Métodos Contraceptivos BIOLOGIA 2015 DWEISON NUNES E-mail: dnss.nunes@Hotmail.com
  • 3. Gravidez na adolescência oComo o próprio termo já define, consiste em uma gravidez precoce em período de adolescência. oApesar de que a Organização Mundial de Saúde considere a adolescência como o período de dez a vinte anos na vida de um indivíduo oCada país especifica a idade em que seus cidadãos passam a ser considerados adultos (a chamada maioridade legal) ainda podendo ser influenciado localmente por fatores culturais. oPeríodo dos “12 aos 20” anos CHEIDA, Luiz Eduardo. Biologia integrada: Volume único. São Paulo: FTD, 2010. Ciências da Natureza e suas Tecnologias Ensino Médio, 3ªSérie
  • 4. Adolescência • A adolescência caracteriza-se por ser um período de descoberta do mundo, dos grupos de amigos, de uma vida social mais ampla. • A adolescência é também uma fase em que a personalidade da jovem está se formando e, por isso instável. Hoje, os meninos e meninas entram na adolescência cada vez mais cedo. • Assim, a gravidez pode vir a interromper, na adolescente, esse processo de desenvolvimento próprio da idade, fazendo-a assumir responsabilidades e papéis de adulta antes da hora. • O prejuízo é duplo: nem adolescente plena, nem adulta inteiramente capaz. CHEIDA, Luiz Eduardo. Biologia integrada: Volume único. São Paulo: FTD, 2010. Ciências da Natureza e suas Tecnologias Ensino Médio, 3ªSérie
  • 5. Gravidez na Adolescência • O namorado, que antes era o tal príncipe encantado , fica assustado com o excesso de responsabilidade e toma atitudes como negar a paternidade e até sugerir o aborto. A Gravidez precoce pode ser um grande complicador para a vida das adolescentes, gerando problemas como: • Nas mães: desnutrição, anemia, hipertensão especifica da gravidez, trabalho de parto prematuro, infecções, etc. • Nos bebês: baixo peso, prematuridade, risco de mortalidade maior que dos filhos de mães mais velhas; CHEIDA, Luiz Eduardo. Biologia integrada: Volume único. São Paulo: FTD, 2010. Ciências da Natureza e suas Tecnologias Ensino Médio, 3ªSérie
  • 6. Dados a serem analisados algumas causas para a ocorrência da gravidez precoce : • O Pensamento mágico de que nada acontece com elas, mas apenas com os outros . • A Influências das amigas e da mídia. • O MEDO de encarar a própria sexualidade, o que leva a não se prevenir, deixando por conta do acaso a primeira relação sexual . • O desconhecimento do uso de métodos contraceptivos. • A falta de conhecimento do próprio corpo, o que pode explicar , em parte, a não-utilização ou a utilização incorreta dos métodos contraceptivos. • A falta de orientação médica para a escolha do melhor método contraceptivo. • O constrangimento em assumir o relacionamento sexual diante da família e amigos . Ciências da Natureza e suas Tecnologias Ensino Médio, 3ªSérie
  • 7. ...Outras causas para a ocorrência da gravidez precoce : • A vergonha de pedir ao namorado que use a camisinha durante a relação sexual . • A falta de condição financeira para comprar a camisinha ou pílula • Desejo de testar a fertilidade (medo de ser infértil). • Mitos em relação aos métodos e á sexualidade . Observação: A Orientação do ginecologista na escolha do método é imprescindível, pois ajuda a adolescente a entender melhor o método escolhido, esclarecer as dúvidas e saber a quem recorrer em caso de novas questões . A melhor solução para evitar uma gravidez não planejada continua sendo a prevenção . CHEIDA, Luiz Eduardo. Biologia integrada: Volume único. São Paulo: FTD, 2010. Ciências da Natureza e suas Tecnologias Ensino Médio, 3ªSérie
  • 8. Ciências da Natureza e suas Tecnologias Ensino Médio, 3ªSérie IBGE, Censo 2009. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2009/tabelas_pdf/t otal_populacao_pernambuco.pdf. Retirado em 04/10/2011. Gráficos
  • 9. Ciências da Natureza e suas Tecnologias Ensino Médio, 3ªSérie
  • 10. DST’SDST’S • “DOENÇAS SEXUALMEMTE TRANSMISSÍVEIS”; • São doenças transmitidas por meio de relação sexual; • Seja de homem com mulher, homem com homem ou mulher com mulher; • Sem o uso de camisinha com uma pessoa que esteja infectada; • Geralmente se manifestam por meio de feridas, corrimentos, bolhas ou verrugas, nos órgãos genitais podendo surgir também em outras partes do corpo. Disponível em: http://www.google.com.br/pdf. Retirado em 05/09/2011. Ciências da Natureza e suas Tecnologias Ensino Médio, 3ªSérie
  • 11. OS PRINCIPAIS SINTOMAS DE DST‘S:OS PRINCIPAIS SINTOMAS DE DST‘S: • Corrimentos abundantes amarelados ou esverdeados na vagina ou pênis • Mau-cheiro no órgãos genitais • Coceiras ou vermelhidão constantes na virilha, vagina, saco ou pênis • Feridas na vagina, saco, pênis ou ânus • verrugas na vagina, pênis, boca, saco ou ânus • bolhas (vermelhidão) na virilha, vagina, saco ou pênis • ardor ao urinar • Dor durante as relações sexuais Disponível em: http://www.google.com.br/pdf. Retirado em 05/09/2011. Ciências da Natureza e suas Tecnologias Ensino Médio, 3ªSérie
  • 12. HISTÓRICOHISTÓRICO • As doenças sexualmente transmissíveis, até pouco tempo eram conhecidas como doenças venéreas. Venéreas por causa de uma referência a deusa grega Vênus. A deusa do amor. • As DSTs não escolhem idade, classe social, raça e condição financeira para contaminar.Qualquer um pode se tornar uma vítima. Disponível em: http://www.google.com.br/pdf. Retirado em 05/09/2011. Ciências da Natureza e suas Tecnologias Ensino Médio, 3ªSérie
  • 13. POSSÍVEIS CAUSAS DO AUMENTO DE CASOS DAS DSTsPOSSÍVEIS CAUSAS DO AUMENTO DE CASOS DAS DSTs • INÍCIO DA VIDA SEXUAL PREMATURA; • AUMENTO DO NUMERO DE PARCEROS(AS) SEXUAIS; • DIFICULDADE EM USAR PRESERVATIVOS; • FALTA DE INFORMAÇÃO QUANTO A PRENVENÇÃO; • VERGONHA E MEDO DE PROCURAR ORIENTAÇÃO MÉDICA... Ciências da Natureza e suas Tecnologias Ensino Médio, 3ªSérie
  • 14. DST´s MAIS COMUNSDST´s MAIS COMUNS • Gonorréia; • Sífilis ou Lues; • Cancro Mole ou Bubão; • Tricomoníase; • Herpes Genital; • Condiloma acuminado ou crista de galo; • Cândidíase ou Flores Brancas; • AIDS; • Clamídia. Ciências da Natureza e suas Tecnologias Ensino Médio, 3ªSérie
  • 15. GONORRÉIA SÍFILIS OU LUESGONORRÉIA SÍFILIS OU LUES • É uma infecção causada por uma bactéria denominada neisseria gonorrhoeae; • É uma infecção só da uretra; • Com dor e ardência ao urinar; • E com vários tipos de corrimento amarelados. • Sinônimos: Cancro duro, cancro sifilítico, Lues; • Agente:Treponema pallidum; • Complicações/Consequências Aborto espontâneo, natimorto, parto prematuro, baixo peso, endometrite pós-parto. Infecções Peri e neonatal. Sífilis Congênita. Neurossífilis. Sífilis Cardiovascular. Transmissão Relação sexual (vaginal anal e oral), transfusão de sangue contaminado, transplacentária (a partir do quarto mês de gestação). Ciências da Natureza e suas Tecnologias Ensino Médio, 3ªSérie
  • 16. CANCRO MOLE TRICOMONÍASECANCRO MOLE TRICOMONÍASE • Sinônimo: Bubão e cavalo; • causada pela bactéria Hemophilus Ducreyi; • Afeta homens e mulheres; • Caracteriza-se por feridas tipo úlcera, semelhante a sífilis, diferenciando-se desta por apresentar geralmente lesões múltiplas (pode ser única), por serem dolorosas, de borda irregular com contornos avermelhados. • É uma infecção dos genitais, causada pelo Trichomonas vaginalis. • Pode não apresentar sintomas algum ou aparecer na mulher:como um corrimento amarelo abundante com mau cheiro, coceira na região vaginal, dor abdominal e ardência ao urinar. • O homem raramente apresenta ardência ao urinar ou um pouco de secreção amarela saindo pelo pênis. • Sintomas: quando presentes costumam aparecer em torno de 10 dias após a relação. Ciências da Natureza e suas Tecnologias Ensino Médio, 3ªSérie
  • 17. Condiloma Acuminado Herpes GenitalCondiloma Acuminado Herpes Genital • Sinônimo: "crista de galo“; • Causada: Por um vírus (HPV - Human Papilloma Virus); • Caracterizada : Pelo crescimento de uma lesão tipo verruga (couve-flor) na região de contato (pênis, vagina ou anus). • A presença do vírus pode ser assintomática: Principalmente na mulher ou a lesão inicial pode ser pequena e passar despercebida a ambos os sexos. • Causado por: Um vírus chamado de "virus herpes simplex", tipo 2. • O primeiro sintoma: É o aparecimento de minúsculas bolhas agrupadas (vesículas) ; • Causa: Dor e ardência no local de inoculação (contato). Com o passar dos dias estas vesículas vão se rompendo e liberando pequena quantidade de líquido os quais formarão crostas ao secarem. Ciências da Natureza e suas Tecnologias Ensino Médio, 3ªSérie
  • 18. AIDSAIDS • (SÍNDROME DA IMONODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA); • É uma manifestação clínica avançada de infecção pelo HIV (vírus da imunodeficiência humana) ; • Um retrovírus que ataca o sistema imunológico do ser humano. Ciências da Natureza e suas Tecnologias Ensino Médio, 3ªSérie
  • 19. A Diferença entre estar infectado pelo HIV e ter SIDAA Diferença entre estar infectado pelo HIV e ter SIDA (AIDS)(AIDS) • Devemos ressaltar que ser portador do vírus HIV não significa estar com AIDS (doente). • Nós somos constantemente atacados por bactérias e vírus, porém temos um sistema de células e barreiras de defesa. Estas células são chamadas de leucócitos (células brancas ou glóbulos brancos) que atuam eliminando todo organismo estranho que circule por nosso corpo. • O vírus HIV reduz a resistência do nosso organismo exatamente por se instalarem dentro dos glóbulos brancos tornando-os ineficientes e deixando-nos expostos a infecções por vírus e bactérias oportunistas. • "doente" com AIDS significa ser portador do vírus e ter infecções oportunistas como pneumonias, infecções intestinais, etc. que podem por fim levar a morte. Disponível em: http://www.google.com.br/pdf. Retirado em 05/09/2011. Ciências da Natureza e suas Tecnologias Ensino Médio, 3ªSérie
  • 20. OBSERVAÇÕES:OBSERVAÇÕES: TRATAMENTO?!TRATAMENTO?! •AIDS: Infelizmente a medicina ainda não encontrou a cura para a AIDS. •Hoje são medicamentos que fazem o controle do vírus. Estes medicamentos melhoram a qualidade de vida do paciente, aumentando a sobrevida. •DST’S: Apenas o médico (ginecologista, clínico geral ou urologista) tem condições de fazer exames clínicos e de laboratório que podem avaliar qual a medicação necessária para cada DST. •Tomar remédios receitados por farmacêuticos e amigos podem apenas “esconder” os sintomas e fazer com que a doença se torne mais resistente dentro do corpo. Disponível em: http://www.google.com.br/pdf. Retirado em 05/09/2011. Ciências da Natureza e suas Tecnologias Ensino Médio, 3ªSérie
  • 21. MITOS E VERDADESMITOS E VERDADES
  • 23. • A prevenção da gestação não planejada é fundamental, principalmente para adolescentes e adultos jovens sexualmente ativos, que devem ser orientados precocemente. • Uma vez que a idade para início das relações sexuais está diminuindo cada vez mais, enquanto estão aumentando o número de adolescentes grávidas. Métodos de contracepção Disponível em: http://www.google.com.br/pdf. Retirado em 05/09/2011. Ciências da Natureza e suas Tecnologias Ensino Médio, 3ªSérie
  • 24. Pílulas • Deve-se começar no primeiro dia da menstruação que equivale ao primeiro dia do ciclo e tomar durante os 21 dias (ou 22 dias) até o dia da pausa, período de 7 dias (6 dias). • Neste período você terá sua menstruação. Imediatamente após o 7º dia da pausa (isto é, 8º dia do ciclo) comece a tomar a próxima cartela mesmo se a sua menstruação não tenha acabado. Vantagens: • Eficiência de 99% na prevenção de uma gravidez. • Nas minipílulas, os efeitos colaterais são praticamente inexistentes. Desvantagens: • O risco de um esquecimento é quase inevitável. • Mulheres que usam pílulas nem sempre encorajam seus parceiros a usarem camisinha, tornando-a assim mais exposta à doenças sexualmente transmissíveis. • Devido à mudança hormonal, algumas mulheres perdem o controle de seu peso. Ciências da Natureza e suas Tecnologias Ensino Médio, 3ªSérie
  • 25. Pílula pós-coito ou pílula do dia seguinte • a anticoncepção de emergência é um uso alternativo de contracepção hormonal oral (tomado antes de 72 horas após o coito) evitando-se a gestação após uma relação sexual desprotegida. É importante esclarecer que essas não são pílulas de aborto e não causam aborto, e elas não ajudarão se a mulher já estiver grávida. Ela pode ajudar somente a prevenir a gravidez. Esta medida tem causado vários efeitos colaterais e não deve ser usada regularmente. Disponível em: http://www.google.com.br/pdf. Retirado em 05/12/2010. Ciências da Natureza e suas Tecnologias Ensino Médio, 3ªSérie
  • 26. Disponível em: http://www.google.com.br/pdf. Retirado em 05/09/2011. Evra® (adesivo anticoncepcional): Foi lançado no Brasil em Março de 2003 . O Evra é um adesivo anticoncepcional que deve ser colado na pele, em diversos locais do corpo, permanecendo na posição durante uma semana. • A maior vantagem é que a mulher não precisará tomar a pílula todo dia e nem esquecerá. • Outra é que os hormônios serão absorvidos diretamente pela circulação evitando alguns efeitos colaterais desagradáveis da pílula oral. Ciências da Natureza e suas Tecnologias Ensino Médio, 3ªSérie
  • 27. Disponível em: http://www.google.com.br/pdf. Retirado em 05/09/2011. Hormonais • Nuvaring®: é um anel vaginal contendo hormônios femininos que é colocado na vagina no 5º dia da menstruação, permanecendo nesta posição durante três semanas. • A maior vantagem é que a mulher não precisará tomar a pílula todo dia e nem esquecerá. • Outra é que os hormônios serão absorvidos diretamente pela circulação evitando alguns efeitos colaterais desagradáveis da pílula oral. Ciências da Natureza e suas Tecnologias Ensino Médio, 3ªSérie
  • 28. Implantados O implante é um bastonete que libera progestagênio lentamente durante um período prolongado podendo proporcionar contracepção por 3 a 5 anos após a implantação subcutânea. A inserção do bastonete é bem simples e fácil, deve ser colocado pelo seu médico. Vantagens: 99,7% de eficiência. Após a implantação você não tem que se preocupar com métodos anticoncepcionais por até cinco anos. Independente da cooperação de seu parceiro. Diminui o sangramento vaginal. Desvantagens: É caro. Ciclo menstrual irregular é comum nos primeiros seis meses. Ao levantar o braço, o implante pode ser visto. Sua remoção é mais difícil que sua implantação. Não previne contra doenças sexualmente transmissíveis. Disponível em: http://www.google.com.br/pdf. Retirado em 05/09/2011. Ciências da Natureza e suas Tecnologias Ensino Médio, 3ªSérie
  • 29. Injetáveis O injetável é uma injeção à base de hormônios femininos e assim como a pílula é um método eficaz. Alguns injetáveis são usados com aplicações mensais e outros, trimestrais. Vantagens: •É altamente eficiente, 99,7%. •Você só precisa dele quatro vezes ao ano. •O seu ciclo menstrual praticamente desaparece, sem sangue, sem cólicas, sem tensão pré-menstrual. Desvantagens: •Aumento de peso é comum. Mas se você pratica esportes não deve ser problema. •Para engravidar pode levar até um ano após a última dose. •Não protege contra doenças sexualmente transmissíveis. Disponível em: http://www.google.com.br/pdf. Retirado em 05/09/2011. Ciências da Natureza e suas Tecnologias Ensino Médio, 3ªSérie
  • 30. Tabelinha • A tabelinha é conhecida também como método do calendário, pois a mulher de acordo com o histórico de suas menstruações, identifica o seu período fértil através do mesmo. Dias Férteis: Período em que há probabilidade da mulher engravidar. Esses dias são: Do 10º ao 18º dia, contados do 1º dia em que iniciou um novo ciclo menstrual. Dias não férteis: É o período em que há uma baixa probabilidade de ocorrer a fecundação. São eles: Do 1º ao 9º dia, e do 19º ao 28º dia. Ciências da Natureza e suas Tecnologias Ensino Médio, 3ªSérie
  • 31. Disponível em: http://www.google.com.br/pdf. Retirado em 05/12/2010. Métodos de Barreira • Preservativo Masculino e Feminino. • Estes métodos impedem a ascensão dos espermatozoides ao útero, sendo fundamentais na prevenção das DST e AIDS. • A origem histórica da camisinha foi em 1500, quando o anatomista italiano Gabrielle Fallopius inventou uma espécie de "saco de linho" para proteger seus pacientes da sífilis. Ciências da Natureza e suas Tecnologias Ensino Médio, 3ªSérie
  • 32. • Informações gerais • Tipo Esterilização onde são seccionados os ductos deferentes. • Primeiro uso 1957. • Taxas de falha (por ano) • Uso perfeito 0.1% • Uso • Duração do efeito Permanente • Reversibilidade possível, porém as taxas de sucesso baixam substancialmente. • Lembretes aos usuários Teste de eficiência adicional: requer 2 amostras negativas de sêmen. Vasectomia Disponível em: http://www.google.com.br/pdf. Retirado em 05/09/2011. Ciências da Natureza e suas Tecnologias Ensino Médio, 3ªSérie
  • 33. Demonstração Ciências da Natureza e suas Tecnologias Ensino Médio, 3ªSérie
  • 34. Laqueadura Esterilização cirúrgico e definitivo, realizado na mulher através da ligadura ou corte das trompas impedindo, o encontro dos gametas masculino e feminino. Primeiro uso 1930 Informações gerais • Tipo Esterilização Taxas de falha (por ano) • Uso perfeito 0.5% Uso • Duração do efeito é Permanente. • Reversibilidade (Nunca). • Revisões clínicas, (nenhuma). Ciências da Natureza e suas Tecnologias Ensino Médio, 3ªSérie
  • 35. Disponível em: http://www.google.com.br/pdf. Retirado em 05/09/2011. Dispositivo Intra-Uterino • São artefatos de polietileno, aos quais podem ser adicionados cobre ou hormônios, que são inseridos na cavidade uterina exercendo sua função contraceptiva. • Riscos frequentes: • Sangramentos irregulares; • Infecções uterinas, • Índice de falha: 0,1 % Ciências da Natureza e suas Tecnologias Ensino Médio, 3ªSérie
  • 36. Diafragma • é um anel flexível, coberto por uma membrana de borracha fina, que a mulher deve colocar na vagina, para cobrir o colo do útero • Deve ser usado com espermicida. Recomenda-se introduzir de 15 a 30 minutos antes da relação sexual e retirar 6 a 8 horas após a última relação sexual de penetração. Ciências da Natureza e suas Tecnologias Ensino Médio, 3ªSérie
  • 37. Porcentagens de eficácia  Muito eficientes  Eficientes  Pouco eficientes  Pílula índice de falha 0,1%  Pílula do dia seguinte /Contracepção de emergência índice de falha 5 a 20 %  Espermaticida índice de falha 20 %  Injeção Anticoncepcional índice de falha 0,1%  Camisinha índice de falha 8 a 20 %  Método do muco índice de falha 10 a 20 %  DIU índice de falha 0,1%  Diafragma índice de falha 8 a 20 %  Tabelinha índice de falha 10 a 20 %  Vasectomia e Laqueadura tubária índice de falha 1%  Camisinha feminina índice de falha 8 a 20 %  Coito Interrompido índice de falha 15 a 20 %  Não fazer sexo índice de falha 0 %  Anticoncepção de emergência índice de falha 05 a 20 %  Aborto índice de falha 15 a 20 %  Implante índice de falha 0,0%  Anel Vaginal índice de falha 0,1%  Adesivo anticoncepcional índice de falha 0,1%
  • 38. Porcentagens de eficácia  Muito eficientes  Eficientes  Pouco eficientes  Pílula índice de falha 0,1%  Pílula do dia seguinte /Contracepção de emergência índice de falha 5 a 20 %  Espermaticida índice de falha 20 %  Injeção Anticoncepcional índice de falha 0,1%  Camisinha índice de falha 8 a 20 %  Método do muco índice de falha 10 a 20 %  DIU índice de falha 0,1%  Diafragma índice de falha 8 a 20 %  Tabelinha índice de falha 10 a 20 %  Vasectomia e Laqueadura tubária índice de falha 1%  Camisinha feminina índice de falha 8 a 20 %  Coito Interrompido índice de falha 15 a 20 %  Não fazer sexo índice de falha 0 %  Anticoncepção de emergência índice de falha 05 a 20 %  Aborto índice de falha 15 a 20 %  Implante índice de falha 0,0%  Anel Vaginal índice de falha 0,1%  Adesivo anticoncepcional índice de falha 0,1% Muito Obrigado!
  • 39. Ciências da Natureza e suas Tecnologias Ensino Médio, 2ªSérie. Gravidez na Adolescência, DSTS e Métodos Contraceptivos