SlideShare uma empresa Scribd logo
O Romantismo compôs-se de três fases: 
◦A chamada primeira geração, na qual os escritores se 
empenharam em redefinir a literatura como sendo 
genuinamente nacionalista, voltada para as origens 
indígenas e para as questões culturais, como língua, etnia, 
religião e tradições de uma forma geral.
O Romantismo compôs-se de três fases: 
◦A segunda geração baseou-se em uma arte totalmente 
voltada para o desapego a este nacionalismo e “mergulhou” 
em um exacerbado sentimentalismo e pessimismo doentio 
como forma de escapar da realidade e dos problemas que 
assolavam a sociedade na época.
O Romantismo compôs-se de três fases: 
◦ E, por último, a terceira geração que foi aquela mais voltada 
para o “social”, muito difundido pelo poeta Castro Alves com 
sua obra “Navio Negreiro”, a qual faz alusão à época da 
escravidão aqui no Brasil. Os poetas pertencentes a esta 
geração foram muito influenciados pela figura do pássaro 
Condor, simbolizando a liberdade de uma forma geral. 
.
Segunda Geração ou Mal do século 
◦E para falarmos mais especificamente sobre a segunda geração, 
é de fundamental importância sabermos que os autores nela 
consagrados sofreram influências do poeta inglês Lord Byron, 
autor de uma criação poética agressiva contra a sociedade e 
que a figura do poeta confundia-se com a de seus heróis – 
melancólicos - misteriosos e sombrios. 
.
Segunda Geração ou Mal do século 
◦Também conhecida como Mal do século, a segunda geração 
romântica foi caracterizada pelo extremo subjetivismo, onde o 
culto ao “eu” revelava um extremo egocentrismo que culminava 
com o sentimento de morte, dúvida e obscuridade.
Segunda Geração ou Mal do século 
◦As principais figuras artísticas que se destacaram neste período 
foram: 
◦Álvares de Azevedo 
◦ Junqueira Freire, 
◦ Casimiro de Abreu 
◦ Fagundes Varela
Segunda Geração ou Mal do século 
◦ Todos estes poetas não conseguiram atingir a plenitude de sua 
juventude, pois morreram precocemente atingidos pelas patologias 
advindas do modo de vida que levavam. Devido ao pessimismo já 
mencionado anteriormente, eles preferiam os lugares escuros, sombrios, 
úmidos para se estabelecerem, e ainda eram boêmios noturnos assíduos 
e tinham a bebida como foco principal, uma vez que esta funcionava com 
válvula de escape para os mesmos.
Segunda Geração ou Mal do século 
◦ A temática pregada por eles baseava-se no sonho, no devaneio, o amor 
era aquele platônico, a mulher era vista como uma figura inatingível, 
impalpável, vista mais no plano espiritual do que no material.
Álvares de Azevedo (1831-1852) 21 Anos 
Álvares de Azevedo nasceu em São Paulo em 1831 e 
faleceu, vítima da tuberculose, em 1852.
Uma poesia de Álvares de Azevedo 
◦ Soneto 
Pálida, à luz da lâmpada sombria, 
Sobre o leito de flores reclinada, 
Como a lua por noite embalsamada, 
Entre as nuvens do amor ela dormia! 
Era a virgem do mar! Na escuma fria 
Pela maré das águas embalada! 
Era um anjo entre nuvens d'alvorada 
Que em sonhos se banhava e se 
esquecia! 
Era mais bela! O seio palpitando... 
Negros olhos as pálpebras abrindo... 
Formas nuas no leito resvalando... 
Não te rias de mim, meu anjo lindo! 
Por ti - as noites eu velei chorando, 
Por ti - nos sonhos morrerei sorrindo! 
(...)
Casimiro de Abreu (1839-1860) 21 Anos 
Casimiro de Abreu nasceu em Capivary (RJ) em 1839. 
Faleceu na cidade de Nova Friburgo no ano de 1860.
Uma poesia de Casimiro de Abreu 
Meus oito anos 
Oh que saudades que tenho 
Da aurora da minha vida, 
Da minha infância querida 
Que os anos não trazem mais 
Que amor, que sonhos, que flores, 
Naquelas tardes fagueiras, 
A sombra das bananeiras, 
Debaixo dos laranjais. 
Como são belos os dias 
Do despontar da existência 
Respira a alma inocência, 
Como perfume a flor; 
O mar é lago sereno, 
O céu um manto azulado, 
O mundo um sonho dourado, 
A vida um hino de amor! 
(...)
Fagundes Varela (1841-1875) 34 Anos 
Luis Nicolau Fagundes Varela nasceu em Rio Claro 
(RJ). Escreveu uma das mais belas poesias da 
literatura brasileira em homenagem ao filho morto. 
Casimiro de Abreu nasceu em Capivary (RJ) em 1839. 
Faleceu na cidade de Nova Friburgo no ano de 1860.
Uma poesia de Fagundes Varela 
Cântico do calvário 
à memória de meu filho morto a 11 de 
dezembro de 1863 
Eras na vida a pomba predileta 
Que sobre um mar de angústias conduzia 
O ramo da esperança. Eras a estrela 
Que entre as névoas do inverno cintilava 
Apontando o caminho ao pegureiro. 
Eras a messe de um dourado estio. 
Eras o idílio de um amor sublime. 
Eras a glória, a inspiração, a pátria, 
O porvir de teu pai! - Ah! no entanto, 
Pomba, - varou-te a flecha do destino! 
Astro, - engoliu-te o temporal do norte! 
Teto, - caíste!- Crença, já não vives! 
Correi, correi, oh! lágrimas saudosas, 
Legado acerbo da ventura extinta, 
Dúbios archotes que a tremer clareiam 
A lousa fria de um sonhar que é morto! 
(...)
Junqueira Freire (1832-1855) 23 Anos 
Junqueira Freire nasceu e faleceu em Salvador 
(BA). Monge beneditino, sacerdote e poeta, Freire 
é autor de uma série de poemas acerca dos 
sofrimentos da vida religiosa. 
Junqueira Freire nasceu e faleceu em Salvador (BA). Monge 
beneditino, sacerdote e poeta, Freire é autor de uma série de 
poemas acerca dos sofrimentos da vida religiosa.
Uma poesia de Junqueira Freire 
Louco 
(Hora de Delírio) 
Não, não é louco. O espírito somente 
É que quebrou-lhe um elo da matéria. 
Pensa melhor que vós, pensa mais livre, 
Aproxima-se mais à essência etérea. 
Achou pequeno o cérebro que o tinha: 
Suas idéias não cabiam nele; 
Seu corpo é que lutou contra sua alma, 
E nessa luta foi vencido aquele, 
Foi uma repulsão de dois contrários: 
Foi um duelo, na verdade, insano: 
Foi um choque de agentes poderosos: 
Foi o divino a combater com o humano. 
Agora está mais livre. Algum atilho 
Soltou-se-lhe o nó da inteligência; 
Quebrou-se o anel dessa prisão de carne, 
Entrou agora em sua própria essência. 
Agora é mais espírito que corpo: 
Agora é mais um ente lá de cima; 
É mais, é mais que um homem vão de barro: 
É um anjo de Deus, que Deus anima. 
Agora, sim - o espírito mais livre 
Pode subir às regiões supernas: 
Pode, ao descer, anunciar aos homens 
As palavras de Deus, também eternas. 
E vós, almas terrenas, que a matéria 
Os sufocou ou reduziu a pouco, 
Não lhe entendeis, por isso, as frases santas. 
E zombando o chamais, portanto: - um louco! 
Não, não é louco. O espírito somente 
É que quebrou-lhe um elo da matéria. 
Pensa melhor que vós, pensa mais livre. 
Aproxima-se mais à essência etérea.
Alguns Artistas do Ultrarromantismo
Referências 
Brasil Escola 
http://www.brasilescola.com/literatura/a-segunda-geracao-romantismo. 
htm 
Wikípédia – Romantismo no Brasil 
http://pt.wikipedia.org/wiki/Romantismo_no_Brasil
Componentes do Grupo 
Richard Lincont 
Daniel Bello 
Vitor Alexandre 
Matheus Menezes

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Romantismo no brasil segunda geração
Romantismo no brasil   segunda geraçãoRomantismo no brasil   segunda geração
Romantismo no brasil segunda geração
Vilmar Vilaça
 
3ª geração do romantismo no brasil
3ª geração do romantismo no brasil3ª geração do romantismo no brasil
3ª geração do romantismo no brasil
GabrielaLimaPereira
 
O Romantismo
O RomantismoO Romantismo
O Romantismo
Ronaldo Mesquita
 
Simbolismo autores
Simbolismo   autoresSimbolismo   autores
Simbolismo autores
Karin Cristine
 
Romantismo 2a geracao
Romantismo 2a geracaoRomantismo 2a geracao
Romantismo 2a geracao
Cláudia Heloísa
 
Romantismo poesia - 3ª geração
Romantismo   poesia - 3ª geraçãoRomantismo   poesia - 3ª geração
Romantismo poesia - 3ª geração
Luciene Gomes
 
Alvares de azevedo
Alvares de azevedoAlvares de azevedo
Alvares de azevedo
Johnata Qaz Amorim
 
A Geração De 45 - Prof. Kelly Mendes - Literatura
A Geração De 45 - Prof. Kelly Mendes - LiteraturaA Geração De 45 - Prof. Kelly Mendes - Literatura
A Geração De 45 - Prof. Kelly Mendes - Literatura
Hadassa Castro
 
Revisão poesia romântica brasileira
Revisão poesia romântica brasileiraRevisão poesia romântica brasileira
Revisão poesia romântica brasileira
Seduc/AM
 
Aps 1 2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo (1)
Aps 1   2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo (1)Aps 1   2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo (1)
Aps 1 2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo (1)
juliannecarvalho
 
Literatura
LiteraturaLiteratura
Literatura
CrisBiagio
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Isabella Silva
 
Lira dos vinte anos (3)marco 2º b
Lira dos vinte anos (3)marco 2º bLira dos vinte anos (3)marco 2º b
Lira dos vinte anos (3)marco 2º b
teresakashino
 
Modernismo de 45
Modernismo de 45Modernismo de 45
Modernismo de 45
Andre Guerra
 
Adélia Prado
Adélia PradoAdélia Prado
Adélia Prado
Ana Batista
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Cynthia Funchal
 
Romantismo slide
Romantismo   slideRomantismo   slide
Romantismo slide
Alexandre Costa
 
Modernismo poesia - 2.a fase - Ose
Modernismo   poesia - 2.a fase - OseModernismo   poesia - 2.a fase - Ose
Modernismo poesia - 2.a fase - Ose
André Damázio
 

Mais procurados (18)

Romantismo no brasil segunda geração
Romantismo no brasil   segunda geraçãoRomantismo no brasil   segunda geração
Romantismo no brasil segunda geração
 
3ª geração do romantismo no brasil
3ª geração do romantismo no brasil3ª geração do romantismo no brasil
3ª geração do romantismo no brasil
 
O Romantismo
O RomantismoO Romantismo
O Romantismo
 
Simbolismo autores
Simbolismo   autoresSimbolismo   autores
Simbolismo autores
 
Romantismo 2a geracao
Romantismo 2a geracaoRomantismo 2a geracao
Romantismo 2a geracao
 
Romantismo poesia - 3ª geração
Romantismo   poesia - 3ª geraçãoRomantismo   poesia - 3ª geração
Romantismo poesia - 3ª geração
 
Alvares de azevedo
Alvares de azevedoAlvares de azevedo
Alvares de azevedo
 
A Geração De 45 - Prof. Kelly Mendes - Literatura
A Geração De 45 - Prof. Kelly Mendes - LiteraturaA Geração De 45 - Prof. Kelly Mendes - Literatura
A Geração De 45 - Prof. Kelly Mendes - Literatura
 
Revisão poesia romântica brasileira
Revisão poesia romântica brasileiraRevisão poesia romântica brasileira
Revisão poesia romântica brasileira
 
Aps 1 2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo (1)
Aps 1   2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo (1)Aps 1   2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo (1)
Aps 1 2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo (1)
 
Literatura
LiteraturaLiteratura
Literatura
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Lira dos vinte anos (3)marco 2º b
Lira dos vinte anos (3)marco 2º bLira dos vinte anos (3)marco 2º b
Lira dos vinte anos (3)marco 2º b
 
Modernismo de 45
Modernismo de 45Modernismo de 45
Modernismo de 45
 
Adélia Prado
Adélia PradoAdélia Prado
Adélia Prado
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo slide
Romantismo   slideRomantismo   slide
Romantismo slide
 
Modernismo poesia - 2.a fase - Ose
Modernismo   poesia - 2.a fase - OseModernismo   poesia - 2.a fase - Ose
Modernismo poesia - 2.a fase - Ose
 

Destaque

A Segunda GeraçãO Do Romantismo
A Segunda GeraçãO Do RomantismoA Segunda GeraçãO Do Romantismo
A Segunda GeraçãO Do Romantismo
Gabriel Luck
 
Ultrarromantismo uma introdução
Ultrarromantismo uma introduçãoUltrarromantismo uma introdução
Ultrarromantismo uma introdução
Samara Silva
 
O romantismo da segunda geração
O romantismo da segunda geraçãoO romantismo da segunda geração
O romantismo da segunda geração
Antonio Minharro
 
Ultra-Romantismo - II Forum de Filosofia da Juventude - Colégio Sapiens - Fo...
Ultra-Romantismo -  II Forum de Filosofia da Juventude - Colégio Sapiens - Fo...Ultra-Romantismo -  II Forum de Filosofia da Juventude - Colégio Sapiens - Fo...
Ultra-Romantismo - II Forum de Filosofia da Juventude - Colégio Sapiens - Fo...
Coruja Sapiens
 
Romantismo brasileiro 2_gera_o
Romantismo brasileiro 2_gera_oRomantismo brasileiro 2_gera_o
Romantismo brasileiro 2_gera_o
caioalbarello
 
Slides Romantismo
Slides RomantismoSlides Romantismo
Slides Romantismo
mix1981
 
Ultrarromantismo
UltrarromantismoUltrarromantismo
Ultrarromantismo
Pedro Klein Garcia
 
Segunda geração romântica
Segunda geração românticaSegunda geração romântica
Segunda geração romântica
Lucas Adryel
 
O romantismo em Portugal (Romanticism in Portugal)
O romantismo em Portugal (Romanticism in Portugal)O romantismo em Portugal (Romanticism in Portugal)
O romantismo em Portugal (Romanticism in Portugal)
Isabelle Ribeiro
 
Romantismo contexto histórico e características
Romantismo   contexto histórico e característicasRomantismo   contexto histórico e características
Romantismo contexto histórico e características
VIVIAN TROMBINI
 
Romantismo
Romantismo Romantismo
Romantismo
Carlito Corando
 
Humanismo02
Humanismo02Humanismo02
Humanismo02
Daniele Bertollo
 
Humanistas
HumanistasHumanistas
Humanismo01
Humanismo01Humanismo01
Humanismo01
Daniele Bertollo
 
Renascimento europeu
Renascimento europeuRenascimento europeu
Renascimento europeu
Leonardo de Oliveira
 
Quinhentismo-Humanismo
Quinhentismo-HumanismoQuinhentismo-Humanismo
Quinhentismo-Humanismo
Adriel Henrique
 
Humanismo 1 slides 20.03.2014
Humanismo 1 slides 20.03.2014Humanismo 1 slides 20.03.2014
Humanismo 1 slides 20.03.2014
PrSergio Silva
 
Toda a Literatura
Toda a LiteraturaToda a Literatura
Toda a Literatura
Hildalene Pinheiro
 
Escolas literárias-enem
Escolas literárias-enemEscolas literárias-enem
Escolas literárias-enem
Maria Cristina Almeida
 
Romantismo 2.0
Romantismo 2.0Romantismo 2.0
Romantismo 2.0
José Ricardo Lima
 

Destaque (20)

A Segunda GeraçãO Do Romantismo
A Segunda GeraçãO Do RomantismoA Segunda GeraçãO Do Romantismo
A Segunda GeraçãO Do Romantismo
 
Ultrarromantismo uma introdução
Ultrarromantismo uma introduçãoUltrarromantismo uma introdução
Ultrarromantismo uma introdução
 
O romantismo da segunda geração
O romantismo da segunda geraçãoO romantismo da segunda geração
O romantismo da segunda geração
 
Ultra-Romantismo - II Forum de Filosofia da Juventude - Colégio Sapiens - Fo...
Ultra-Romantismo -  II Forum de Filosofia da Juventude - Colégio Sapiens - Fo...Ultra-Romantismo -  II Forum de Filosofia da Juventude - Colégio Sapiens - Fo...
Ultra-Romantismo - II Forum de Filosofia da Juventude - Colégio Sapiens - Fo...
 
Romantismo brasileiro 2_gera_o
Romantismo brasileiro 2_gera_oRomantismo brasileiro 2_gera_o
Romantismo brasileiro 2_gera_o
 
Slides Romantismo
Slides RomantismoSlides Romantismo
Slides Romantismo
 
Ultrarromantismo
UltrarromantismoUltrarromantismo
Ultrarromantismo
 
Segunda geração romântica
Segunda geração românticaSegunda geração romântica
Segunda geração romântica
 
O romantismo em Portugal (Romanticism in Portugal)
O romantismo em Portugal (Romanticism in Portugal)O romantismo em Portugal (Romanticism in Portugal)
O romantismo em Portugal (Romanticism in Portugal)
 
Romantismo contexto histórico e características
Romantismo   contexto histórico e característicasRomantismo   contexto histórico e características
Romantismo contexto histórico e características
 
Romantismo
Romantismo Romantismo
Romantismo
 
Humanismo02
Humanismo02Humanismo02
Humanismo02
 
Humanistas
HumanistasHumanistas
Humanistas
 
Humanismo01
Humanismo01Humanismo01
Humanismo01
 
Renascimento europeu
Renascimento europeuRenascimento europeu
Renascimento europeu
 
Quinhentismo-Humanismo
Quinhentismo-HumanismoQuinhentismo-Humanismo
Quinhentismo-Humanismo
 
Humanismo 1 slides 20.03.2014
Humanismo 1 slides 20.03.2014Humanismo 1 slides 20.03.2014
Humanismo 1 slides 20.03.2014
 
Toda a Literatura
Toda a LiteraturaToda a Literatura
Toda a Literatura
 
Escolas literárias-enem
Escolas literárias-enemEscolas literárias-enem
Escolas literárias-enem
 
Romantismo 2.0
Romantismo 2.0Romantismo 2.0
Romantismo 2.0
 

Semelhante a Slide segunda gerção do Romantismo- Ultrarromantismo

Romantismo
Romantismo Romantismo
Romantismo
CrisBiagio
 
Romantismo 2014
Romantismo 2014Romantismo 2014
Romantismo 2014
CrisBiagio
 
Romantismo no brasil
Romantismo no brasilRomantismo no brasil
Romantismo no brasil
Eduardo Carvalho
 
Romantismo.ppt
Romantismo.pptRomantismo.ppt
Romantismo.ppt
RildeniceSantos
 
Romantismo.ppt
Romantismo.pptRomantismo.ppt
Romantismo.ppt
RildeniceSantos
 
Segunda Geração do Romantismo Brasileiro
Segunda Geração do Romantismo BrasileiroSegunda Geração do Romantismo Brasileiro
Segunda Geração do Romantismo Brasileiro
ExpeditoCarneiro3
 
Romantismo no brasil
Romantismo no brasilRomantismo no brasil
Romantismo no brasil
niltonrafachine
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Natalia Salgado
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Natalia Salgado
 
Castro Alves
Castro AlvesCastro Alves
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Dior FG
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Dior FG
 
Espumas flutuantes
Espumas flutuantesEspumas flutuantes
Espumas flutuantes
victoriaevangelista
 
Espumas flutuantes, de castro alves
Espumas flutuantes, de castro alvesEspumas flutuantes, de castro alves
Espumas flutuantes, de castro alves
ma.no.el.ne.ves
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Romantismo
 Romantismo Romantismo
Romantismo
Bárbara Hellen
 
AULA UCPEL2.pptx
AULA UCPEL2.pptxAULA UCPEL2.pptx
AULA UCPEL2.pptx
PabloGabrielKdabra
 
O romantismo no brasil poesia
O romantismo no brasil   poesiaO romantismo no brasil   poesia
O romantismo no brasil poesia
ISJ
 
O romantismo no brasil poesia
O romantismo no brasil   poesiaO romantismo no brasil   poesia
O romantismo no brasil poesia
guest5e4f04
 
Navio Negreiro Castro Alves
Navio Negreiro   Castro AlvesNavio Negreiro   Castro Alves
Navio Negreiro Castro Alves
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 

Semelhante a Slide segunda gerção do Romantismo- Ultrarromantismo (20)

Romantismo
Romantismo Romantismo
Romantismo
 
Romantismo 2014
Romantismo 2014Romantismo 2014
Romantismo 2014
 
Romantismo no brasil
Romantismo no brasilRomantismo no brasil
Romantismo no brasil
 
Romantismo.ppt
Romantismo.pptRomantismo.ppt
Romantismo.ppt
 
Romantismo.ppt
Romantismo.pptRomantismo.ppt
Romantismo.ppt
 
Segunda Geração do Romantismo Brasileiro
Segunda Geração do Romantismo BrasileiroSegunda Geração do Romantismo Brasileiro
Segunda Geração do Romantismo Brasileiro
 
Romantismo no brasil
Romantismo no brasilRomantismo no brasil
Romantismo no brasil
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Castro Alves
Castro AlvesCastro Alves
Castro Alves
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Espumas flutuantes
Espumas flutuantesEspumas flutuantes
Espumas flutuantes
 
Espumas flutuantes, de castro alves
Espumas flutuantes, de castro alvesEspumas flutuantes, de castro alves
Espumas flutuantes, de castro alves
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Romantismo
 Romantismo Romantismo
Romantismo
 
AULA UCPEL2.pptx
AULA UCPEL2.pptxAULA UCPEL2.pptx
AULA UCPEL2.pptx
 
O romantismo no brasil poesia
O romantismo no brasil   poesiaO romantismo no brasil   poesia
O romantismo no brasil poesia
 
O romantismo no brasil poesia
O romantismo no brasil   poesiaO romantismo no brasil   poesia
O romantismo no brasil poesia
 
Navio Negreiro Castro Alves
Navio Negreiro   Castro AlvesNavio Negreiro   Castro Alves
Navio Negreiro Castro Alves
 

Último

Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
samucajaime015
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
erssstcontato
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
FernandaOliveira758273
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
TathyLopes1
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 

Slide segunda gerção do Romantismo- Ultrarromantismo

  • 1. O Romantismo compôs-se de três fases: ◦A chamada primeira geração, na qual os escritores se empenharam em redefinir a literatura como sendo genuinamente nacionalista, voltada para as origens indígenas e para as questões culturais, como língua, etnia, religião e tradições de uma forma geral.
  • 2. O Romantismo compôs-se de três fases: ◦A segunda geração baseou-se em uma arte totalmente voltada para o desapego a este nacionalismo e “mergulhou” em um exacerbado sentimentalismo e pessimismo doentio como forma de escapar da realidade e dos problemas que assolavam a sociedade na época.
  • 3. O Romantismo compôs-se de três fases: ◦ E, por último, a terceira geração que foi aquela mais voltada para o “social”, muito difundido pelo poeta Castro Alves com sua obra “Navio Negreiro”, a qual faz alusão à época da escravidão aqui no Brasil. Os poetas pertencentes a esta geração foram muito influenciados pela figura do pássaro Condor, simbolizando a liberdade de uma forma geral. .
  • 4. Segunda Geração ou Mal do século ◦E para falarmos mais especificamente sobre a segunda geração, é de fundamental importância sabermos que os autores nela consagrados sofreram influências do poeta inglês Lord Byron, autor de uma criação poética agressiva contra a sociedade e que a figura do poeta confundia-se com a de seus heróis – melancólicos - misteriosos e sombrios. .
  • 5. Segunda Geração ou Mal do século ◦Também conhecida como Mal do século, a segunda geração romântica foi caracterizada pelo extremo subjetivismo, onde o culto ao “eu” revelava um extremo egocentrismo que culminava com o sentimento de morte, dúvida e obscuridade.
  • 6. Segunda Geração ou Mal do século ◦As principais figuras artísticas que se destacaram neste período foram: ◦Álvares de Azevedo ◦ Junqueira Freire, ◦ Casimiro de Abreu ◦ Fagundes Varela
  • 7. Segunda Geração ou Mal do século ◦ Todos estes poetas não conseguiram atingir a plenitude de sua juventude, pois morreram precocemente atingidos pelas patologias advindas do modo de vida que levavam. Devido ao pessimismo já mencionado anteriormente, eles preferiam os lugares escuros, sombrios, úmidos para se estabelecerem, e ainda eram boêmios noturnos assíduos e tinham a bebida como foco principal, uma vez que esta funcionava com válvula de escape para os mesmos.
  • 8. Segunda Geração ou Mal do século ◦ A temática pregada por eles baseava-se no sonho, no devaneio, o amor era aquele platônico, a mulher era vista como uma figura inatingível, impalpável, vista mais no plano espiritual do que no material.
  • 9. Álvares de Azevedo (1831-1852) 21 Anos Álvares de Azevedo nasceu em São Paulo em 1831 e faleceu, vítima da tuberculose, em 1852.
  • 10. Uma poesia de Álvares de Azevedo ◦ Soneto Pálida, à luz da lâmpada sombria, Sobre o leito de flores reclinada, Como a lua por noite embalsamada, Entre as nuvens do amor ela dormia! Era a virgem do mar! Na escuma fria Pela maré das águas embalada! Era um anjo entre nuvens d'alvorada Que em sonhos se banhava e se esquecia! Era mais bela! O seio palpitando... Negros olhos as pálpebras abrindo... Formas nuas no leito resvalando... Não te rias de mim, meu anjo lindo! Por ti - as noites eu velei chorando, Por ti - nos sonhos morrerei sorrindo! (...)
  • 11. Casimiro de Abreu (1839-1860) 21 Anos Casimiro de Abreu nasceu em Capivary (RJ) em 1839. Faleceu na cidade de Nova Friburgo no ano de 1860.
  • 12. Uma poesia de Casimiro de Abreu Meus oito anos Oh que saudades que tenho Da aurora da minha vida, Da minha infância querida Que os anos não trazem mais Que amor, que sonhos, que flores, Naquelas tardes fagueiras, A sombra das bananeiras, Debaixo dos laranjais. Como são belos os dias Do despontar da existência Respira a alma inocência, Como perfume a flor; O mar é lago sereno, O céu um manto azulado, O mundo um sonho dourado, A vida um hino de amor! (...)
  • 13. Fagundes Varela (1841-1875) 34 Anos Luis Nicolau Fagundes Varela nasceu em Rio Claro (RJ). Escreveu uma das mais belas poesias da literatura brasileira em homenagem ao filho morto. Casimiro de Abreu nasceu em Capivary (RJ) em 1839. Faleceu na cidade de Nova Friburgo no ano de 1860.
  • 14. Uma poesia de Fagundes Varela Cântico do calvário à memória de meu filho morto a 11 de dezembro de 1863 Eras na vida a pomba predileta Que sobre um mar de angústias conduzia O ramo da esperança. Eras a estrela Que entre as névoas do inverno cintilava Apontando o caminho ao pegureiro. Eras a messe de um dourado estio. Eras o idílio de um amor sublime. Eras a glória, a inspiração, a pátria, O porvir de teu pai! - Ah! no entanto, Pomba, - varou-te a flecha do destino! Astro, - engoliu-te o temporal do norte! Teto, - caíste!- Crença, já não vives! Correi, correi, oh! lágrimas saudosas, Legado acerbo da ventura extinta, Dúbios archotes que a tremer clareiam A lousa fria de um sonhar que é morto! (...)
  • 15. Junqueira Freire (1832-1855) 23 Anos Junqueira Freire nasceu e faleceu em Salvador (BA). Monge beneditino, sacerdote e poeta, Freire é autor de uma série de poemas acerca dos sofrimentos da vida religiosa. Junqueira Freire nasceu e faleceu em Salvador (BA). Monge beneditino, sacerdote e poeta, Freire é autor de uma série de poemas acerca dos sofrimentos da vida religiosa.
  • 16. Uma poesia de Junqueira Freire Louco (Hora de Delírio) Não, não é louco. O espírito somente É que quebrou-lhe um elo da matéria. Pensa melhor que vós, pensa mais livre, Aproxima-se mais à essência etérea. Achou pequeno o cérebro que o tinha: Suas idéias não cabiam nele; Seu corpo é que lutou contra sua alma, E nessa luta foi vencido aquele, Foi uma repulsão de dois contrários: Foi um duelo, na verdade, insano: Foi um choque de agentes poderosos: Foi o divino a combater com o humano. Agora está mais livre. Algum atilho Soltou-se-lhe o nó da inteligência; Quebrou-se o anel dessa prisão de carne, Entrou agora em sua própria essência. Agora é mais espírito que corpo: Agora é mais um ente lá de cima; É mais, é mais que um homem vão de barro: É um anjo de Deus, que Deus anima. Agora, sim - o espírito mais livre Pode subir às regiões supernas: Pode, ao descer, anunciar aos homens As palavras de Deus, também eternas. E vós, almas terrenas, que a matéria Os sufocou ou reduziu a pouco, Não lhe entendeis, por isso, as frases santas. E zombando o chamais, portanto: - um louco! Não, não é louco. O espírito somente É que quebrou-lhe um elo da matéria. Pensa melhor que vós, pensa mais livre. Aproxima-se mais à essência etérea.
  • 17. Alguns Artistas do Ultrarromantismo
  • 18. Referências Brasil Escola http://www.brasilescola.com/literatura/a-segunda-geracao-romantismo. htm Wikípédia – Romantismo no Brasil http://pt.wikipedia.org/wiki/Romantismo_no_Brasil
  • 19. Componentes do Grupo Richard Lincont Daniel Bello Vitor Alexandre Matheus Menezes