SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 12
Lódão-Bastardo O dia da floresta autóctone 23 de Novembro
Que importância tem a  floresta autóctone?  As florestas autóctones portuguesas são áreas de árvores de origem portuguesa.   As florestas autóctones estão mais adaptadas às condições de solo e clima do território, sendo mais resistentes a pragas, doenças e a períodos longos de seca e de chuvas intensas, em comparação com as espécies introduzidas, enquanto estas, como são originárias de outro país, são menos resistentes às mesmas condições. Sabias que o eucalipto é uma espécie introduzida? É verdade, o eucalipto é originário da Austrália.
3 As florestas autóctones ajudam a manter a fertilidade do espaço rural, o equilíbrio biológico das paisagens e a diversidade dos recursos genéticos. As florestas autóctones são componentes importantes no pastoreio de ovinos, na actividade apícola e no suporte aos cogumelos silvestres. As florestas autóctones são importantes locais de refúgio e reprodução para grande número de espécies animais autóctones (algumas delas em vias de extinção, como a Águia-Real, Águia de Bonelli, a Cegonha-negra,o Lobo Ibérico, o Lince ou ainda o esquilo e o coelho).
4 Porquê o Dia da Floresta Autóctone? O dia da floresta autóctone foi estabelecido para divulgar a importância da conservação das florestas naturais e a necessidade de as salvaguardar da destruição.
Algumas espécies de animais que vivem na floresta autóctone portuguesa...  Águia-Real Grifo Cegonha-Negra Águia de bonelli
6 Lobo Ibérico Javali Lince Ibérico Corço
Algumas árvores autóctones portuguesas... Castanheiro Azevinho
8 Pinheiro-manso Carvalho-negral Azinheira Sobreiro
9 Pinheiro-manso Amieiro Aveleira
10 O que se passa com a Floresta Autóctone Portuguesa? A floresta portuguesa é característica de um clima mediterrânico e, em tempos idos, era constituída em larga escala por espécies como o carvalho-alvarinho, o castanheiro, a azinheira, o sobreiro, o medronheiro, e a oliveira.  Da zona vegetal primitiva portuguesa resta apenas a mata do Solitário, na Arrábida.
11 As principais ameaças às florestas autóctones são: · Incêndios; · Pragas;· Doenças;· Invasão põe espécies não autóctones;· Cortes prematuros e desordenados;
Podes pesquisar mais sobre  as árvores autóctones portuguesas em: http://arvoresdeportugal.free.fr/index.htm 12 Devemos plantar estas espécies nos jardins e espaços verdes e para reflorestar as zonas queimadas pelos fogos para ficarem verdes e bonitas.  Pesquisa efectuada por Sandra Alves no âmbito no Plano de Actividades do CNAPA

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Áreas Protegidas em Portugal
Áreas Protegidas em PortugalÁreas Protegidas em Portugal
Áreas Protegidas em PortugalLeitorX
 
Ficha formativa de orações com correção
Ficha formativa de orações com correçãoFicha formativa de orações com correção
Ficha formativa de orações com correçãoRaquel Antunes
 
Paratextos 8º ano teste 3 com soluções
Paratextos 8º ano teste 3 com soluçõesParatextos 8º ano teste 3 com soluções
Paratextos 8º ano teste 3 com soluçõesZélia fernandes
 
Biodiversidade
BiodiversidadeBiodiversidade
BiodiversidadeMayjö .
 
O "Ulisses" de Maria Alberta Menéres: correção da ficha de avaliação sumativa
O "Ulisses" de Maria Alberta Menéres: correção da ficha de avaliação sumativaO "Ulisses" de Maria Alberta Menéres: correção da ficha de avaliação sumativa
O "Ulisses" de Maria Alberta Menéres: correção da ficha de avaliação sumativaGonçalo Silva
 
1 power-point 12º sistema imunitário-doenças e desequilíbrios [modo de compat...
1 power-point 12º sistema imunitário-doenças e desequilíbrios [modo de compat...1 power-point 12º sistema imunitário-doenças e desequilíbrios [modo de compat...
1 power-point 12º sistema imunitário-doenças e desequilíbrios [modo de compat...Cidalia Aguiar
 
Retrato físico e psicológico
Retrato físico e psicológico Retrato físico e psicológico
Retrato físico e psicológico João Manuel
 
Ficha formativa_ Recursos Expressivos (I)
Ficha formativa_ Recursos Expressivos (I)Ficha formativa_ Recursos Expressivos (I)
Ficha formativa_ Recursos Expressivos (I)Raquel Antunes
 
(2) património genético
(2) património genético(2) património genético
(2) património genéticoHugo Martins
 
áReas protegidas
áReas protegidasáReas protegidas
áReas protegidasPelo Siro
 
Bem estar animal
Bem estar animalBem estar animal
Bem estar animalAna Costa
 
Tipos de sujeito
Tipos de sujeitoTipos de sujeito
Tipos de sujeito5julho55
 

Mais procurados (20)

Áreas Protegidas em Portugal
Áreas Protegidas em PortugalÁreas Protegidas em Portugal
Áreas Protegidas em Portugal
 
Ficha formativa de orações com correção
Ficha formativa de orações com correçãoFicha formativa de orações com correção
Ficha formativa de orações com correção
 
Paratextos 8º ano teste 3 com soluções
Paratextos 8º ano teste 3 com soluçõesParatextos 8º ano teste 3 com soluções
Paratextos 8º ano teste 3 com soluções
 
Biodiversidade
BiodiversidadeBiodiversidade
Biodiversidade
 
O "Ulisses" de Maria Alberta Menéres: correção da ficha de avaliação sumativa
O "Ulisses" de Maria Alberta Menéres: correção da ficha de avaliação sumativaO "Ulisses" de Maria Alberta Menéres: correção da ficha de avaliação sumativa
O "Ulisses" de Maria Alberta Menéres: correção da ficha de avaliação sumativa
 
História de uma gaivota e do gato que a essinou a voar
História de uma gaivota e do gato que a essinou a voarHistória de uma gaivota e do gato que a essinou a voar
História de uma gaivota e do gato que a essinou a voar
 
1 power-point 12º sistema imunitário-doenças e desequilíbrios [modo de compat...
1 power-point 12º sistema imunitário-doenças e desequilíbrios [modo de compat...1 power-point 12º sistema imunitário-doenças e desequilíbrios [modo de compat...
1 power-point 12º sistema imunitário-doenças e desequilíbrios [modo de compat...
 
Retrato físico e psicológico
Retrato físico e psicológico Retrato físico e psicológico
Retrato físico e psicológico
 
As serras de portugal
As serras de portugalAs serras de portugal
As serras de portugal
 
Costumes e Tradições
Costumes e TradiçõesCostumes e Tradições
Costumes e Tradições
 
Ficha formativa_ Recursos Expressivos (I)
Ficha formativa_ Recursos Expressivos (I)Ficha formativa_ Recursos Expressivos (I)
Ficha formativa_ Recursos Expressivos (I)
 
B.i. das plantas final
B.i. das plantas   finalB.i. das plantas   final
B.i. das plantas final
 
Areas protegidas
Areas protegidasAreas protegidas
Areas protegidas
 
(2) património genético
(2) património genético(2) património genético
(2) património genético
 
áReas protegidas
áReas protegidasáReas protegidas
áReas protegidas
 
Bem estar animal
Bem estar animalBem estar animal
Bem estar animal
 
Tipos de sujeito
Tipos de sujeitoTipos de sujeito
Tipos de sujeito
 
Fada
FadaFada
Fada
 
Capitais paises de ue
Capitais paises de ueCapitais paises de ue
Capitais paises de ue
 
Ulisses
UlissesUlisses
Ulisses
 

Semelhante a Floresta autóctone

Criando Raízes
Criando RaízesCriando Raízes
Criando RaízesTurma8B
 
AULA - BIOMAS - PARTE 1 - MATERIAL COMPLEMENTAR.pdf
AULA - BIOMAS -  PARTE 1 - MATERIAL COMPLEMENTAR.pdfAULA - BIOMAS -  PARTE 1 - MATERIAL COMPLEMENTAR.pdf
AULA - BIOMAS - PARTE 1 - MATERIAL COMPLEMENTAR.pdfProfessorLucas2
 
Brochura floresta-autóctone-vf.compressed
Brochura floresta-autóctone-vf.compressedBrochura floresta-autóctone-vf.compressed
Brochura floresta-autóctone-vf.compressedbecastanheiradepera
 
parque natural do vale do guadiana
parque natural do vale do guadianaparque natural do vale do guadiana
parque natural do vale do guadianaAnaGomes40
 
Protecção e conservação da natureza e da biodiversidade
Protecção e conservação da natureza e da biodiversidadeProtecção e conservação da natureza e da biodiversidade
Protecção e conservação da natureza e da biodiversidadeRobert Szabo
 
I C N B J R A Biodiversidade1
I C N B  J R A  Biodiversidade1I C N B  J R A  Biodiversidade1
I C N B J R A Biodiversidade1SGC
 
Parque natural da serra de São Mamede
Parque natural da serra de São MamedeParque natural da serra de São Mamede
Parque natural da serra de São MamedeBiaa
 
Trbalho de ciencias pn
Trbalho de ciencias pnTrbalho de ciencias pn
Trbalho de ciencias pnAna Agostinho
 
Biologia mata atlântica
Biologia  mata atlânticaBiologia  mata atlântica
Biologia mata atlânticaLaura Azevedo
 
Conservação e recuperação de areas degradas
Conservação e recuperação de areas degradasConservação e recuperação de areas degradas
Conservação e recuperação de areas degradasUERGS
 
Biodiversidade
BiodiversidadeBiodiversidade
BiodiversidadeLuizBraz9
 
Ciencias5
Ciencias5Ciencias5
Ciencias5lks5
 
Ciencias5
Ciencias5Ciencias5
Ciencias5lks5
 
ProtecçãO E ConservaçãO Da Natureza
ProtecçãO E ConservaçãO Da NaturezaProtecçãO E ConservaçãO Da Natureza
ProtecçãO E ConservaçãO Da NaturezaSérgio Luiz
 
Biodiversidade
BiodiversidadeBiodiversidade
BiodiversidadeAnaClara3
 

Semelhante a Floresta autóctone (20)

Rom
RomRom
Rom
 
Criando Raízes
Criando RaízesCriando Raízes
Criando Raízes
 
AULA - BIOMAS - PARTE 1
AULA - BIOMAS -  PARTE 1AULA - BIOMAS -  PARTE 1
AULA - BIOMAS - PARTE 1
 
AULA - BIOMAS - PARTE 1 - MATERIAL COMPLEMENTAR.pdf
AULA - BIOMAS -  PARTE 1 - MATERIAL COMPLEMENTAR.pdfAULA - BIOMAS -  PARTE 1 - MATERIAL COMPLEMENTAR.pdf
AULA - BIOMAS - PARTE 1 - MATERIAL COMPLEMENTAR.pdf
 
Brochura floresta-autóctone-vf.compressed
Brochura floresta-autóctone-vf.compressedBrochura floresta-autóctone-vf.compressed
Brochura floresta-autóctone-vf.compressed
 
Floresta autóctone
Floresta autóctoneFloresta autóctone
Floresta autóctone
 
parque natural do vale do guadiana
parque natural do vale do guadianaparque natural do vale do guadiana
parque natural do vale do guadiana
 
Protecção e conservação da natureza e da biodiversidade
Protecção e conservação da natureza e da biodiversidadeProtecção e conservação da natureza e da biodiversidade
Protecção e conservação da natureza e da biodiversidade
 
I C N B J R A Biodiversidade1
I C N B  J R A  Biodiversidade1I C N B  J R A  Biodiversidade1
I C N B J R A Biodiversidade1
 
Parque natural da serra de São Mamede
Parque natural da serra de São MamedeParque natural da serra de São Mamede
Parque natural da serra de São Mamede
 
Trbalho de ciencias pn
Trbalho de ciencias pnTrbalho de ciencias pn
Trbalho de ciencias pn
 
Floresta autóctone
Floresta autóctoneFloresta autóctone
Floresta autóctone
 
Biologia mata atlântica
Biologia  mata atlânticaBiologia  mata atlântica
Biologia mata atlântica
 
Áreas Protegidas
Áreas ProtegidasÁreas Protegidas
Áreas Protegidas
 
Conservação e recuperação de areas degradas
Conservação e recuperação de areas degradasConservação e recuperação de areas degradas
Conservação e recuperação de areas degradas
 
Biodiversidade
BiodiversidadeBiodiversidade
Biodiversidade
 
Ciencias5
Ciencias5Ciencias5
Ciencias5
 
Ciencias5
Ciencias5Ciencias5
Ciencias5
 
ProtecçãO E ConservaçãO Da Natureza
ProtecçãO E ConservaçãO Da NaturezaProtecçãO E ConservaçãO Da Natureza
ProtecçãO E ConservaçãO Da Natureza
 
Biodiversidade
BiodiversidadeBiodiversidade
Biodiversidade
 

Mais de Sandra Alves

Bd ciclo agua_inag
Bd ciclo agua_inagBd ciclo agua_inag
Bd ciclo agua_inagSandra Alves
 
Seca adultos poupar_agua
Seca adultos poupar_aguaSeca adultos poupar_agua
Seca adultos poupar_aguaSandra Alves
 
Plantar árvores para curar a terra
Plantar árvores para curar a terraPlantar árvores para curar a terra
Plantar árvores para curar a terraSandra Alves
 
Jornal 3º período
Jornal 3º períodoJornal 3º período
Jornal 3º períodoSandra Alves
 
3 ¦ desafio- biblioteca
3 ¦ desafio- biblioteca3 ¦ desafio- biblioteca
3 ¦ desafio- bibliotecaSandra Alves
 
Jornal 2º período
Jornal 2º períodoJornal 2º período
Jornal 2º períodoSandra Alves
 
Desafio kate perry_solucoes
Desafio kate perry_solucoesDesafio kate perry_solucoes
Desafio kate perry_solucoesSandra Alves
 
Desafio semana da floresta
Desafio semana da  floresta Desafio semana da  floresta
Desafio semana da floresta Sandra Alves
 
O dia internacional da mulher desafio be
O dia internacional da mulher   desafio beO dia internacional da mulher   desafio be
O dia internacional da mulher desafio beSandra Alves
 
Manual do utilizador
Manual do utilizadorManual do utilizador
Manual do utilizadorSandra Alves
 
Regulamento interno da biblioteca escolar
Regulamento interno da biblioteca escolarRegulamento interno da biblioteca escolar
Regulamento interno da biblioteca escolarSandra Alves
 
Pesquisa na internet
Pesquisa na internetPesquisa na internet
Pesquisa na internetSandra Alves
 
O dia internacional da mulher
O dia internacional da mulher   O dia internacional da mulher
O dia internacional da mulher Sandra Alves
 
O dia internacional da mulher
O dia internacional da mulher  O dia internacional da mulher
O dia internacional da mulher Sandra Alves
 

Mais de Sandra Alves (20)

Agenda escolar
Agenda escolarAgenda escolar
Agenda escolar
 
Bd ciclo agua_inag
Bd ciclo agua_inagBd ciclo agua_inag
Bd ciclo agua_inag
 
Seca adultos poupar_agua
Seca adultos poupar_aguaSeca adultos poupar_agua
Seca adultos poupar_agua
 
Seca poupar agua
Seca poupar aguaSeca poupar agua
Seca poupar agua
 
Plano de acção
Plano de acçãoPlano de acção
Plano de acção
 
Plantar árvores para curar a terra
Plantar árvores para curar a terraPlantar árvores para curar a terra
Plantar árvores para curar a terra
 
Jornal 3º período
Jornal 3º períodoJornal 3º período
Jornal 3º período
 
f livro 2011
 f  livro 2011 f  livro 2011
f livro 2011
 
1 de maio
1 de maio1 de maio
1 de maio
 
3 ¦ desafio- biblioteca
3 ¦ desafio- biblioteca3 ¦ desafio- biblioteca
3 ¦ desafio- biblioteca
 
Desafio primavera
Desafio primaveraDesafio primavera
Desafio primavera
 
Jornal 2º período
Jornal 2º períodoJornal 2º período
Jornal 2º período
 
Desafio kate perry_solucoes
Desafio kate perry_solucoesDesafio kate perry_solucoes
Desafio kate perry_solucoes
 
Desafio semana da floresta
Desafio semana da  floresta Desafio semana da  floresta
Desafio semana da floresta
 
O dia internacional da mulher desafio be
O dia internacional da mulher   desafio beO dia internacional da mulher   desafio be
O dia internacional da mulher desafio be
 
Manual do utilizador
Manual do utilizadorManual do utilizador
Manual do utilizador
 
Regulamento interno da biblioteca escolar
Regulamento interno da biblioteca escolarRegulamento interno da biblioteca escolar
Regulamento interno da biblioteca escolar
 
Pesquisa na internet
Pesquisa na internetPesquisa na internet
Pesquisa na internet
 
O dia internacional da mulher
O dia internacional da mulher   O dia internacional da mulher
O dia internacional da mulher
 
O dia internacional da mulher
O dia internacional da mulher  O dia internacional da mulher
O dia internacional da mulher
 

Último

Regência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfRegência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfmirandadudu08
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesA Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesMary Alvarenga
 
Slides 1 - O gênero textual entrevista.pptx
Slides 1 - O gênero textual entrevista.pptxSlides 1 - O gênero textual entrevista.pptx
Slides 1 - O gênero textual entrevista.pptxSilvana Silva
 
Pedologia- Geografia - Geologia - aula_01.pptx
Pedologia- Geografia - Geologia - aula_01.pptxPedologia- Geografia - Geologia - aula_01.pptx
Pedologia- Geografia - Geologia - aula_01.pptxleandropereira983288
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.keislayyovera123
 
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Mary Alvarenga
 
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADOactivIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADOcarolinacespedes23
 
Slides Lição 5, CPAD, Os Inimigos do Cristão, 2Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 5, CPAD, Os Inimigos do Cristão, 2Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 5, CPAD, Os Inimigos do Cristão, 2Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 5, CPAD, Os Inimigos do Cristão, 2Tr24, Pr Henrique.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologiaAula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologiaaulasgege
 
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.Susana Stoffel
 
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxfabiolalopesmartins1
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 
AD2 DIDÁTICA.KARINEROZA.SHAYANNE.BINC.ROBERTA.pptx
AD2 DIDÁTICA.KARINEROZA.SHAYANNE.BINC.ROBERTA.pptxAD2 DIDÁTICA.KARINEROZA.SHAYANNE.BINC.ROBERTA.pptx
AD2 DIDÁTICA.KARINEROZA.SHAYANNE.BINC.ROBERTA.pptxkarinedarozabatista
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniCassio Meira Jr.
 

Último (20)

Regência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfRegência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdf
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesA Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
 
Slides 1 - O gênero textual entrevista.pptx
Slides 1 - O gênero textual entrevista.pptxSlides 1 - O gênero textual entrevista.pptx
Slides 1 - O gênero textual entrevista.pptx
 
Pedologia- Geografia - Geologia - aula_01.pptx
Pedologia- Geografia - Geologia - aula_01.pptxPedologia- Geografia - Geologia - aula_01.pptx
Pedologia- Geografia - Geologia - aula_01.pptx
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
 
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
 
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADOactivIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
 
Slides Lição 5, CPAD, Os Inimigos do Cristão, 2Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 5, CPAD, Os Inimigos do Cristão, 2Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 5, CPAD, Os Inimigos do Cristão, 2Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 5, CPAD, Os Inimigos do Cristão, 2Tr24, Pr Henrique.pptx
 
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologiaAula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
 
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
 
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
 
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 
AD2 DIDÁTICA.KARINEROZA.SHAYANNE.BINC.ROBERTA.pptx
AD2 DIDÁTICA.KARINEROZA.SHAYANNE.BINC.ROBERTA.pptxAD2 DIDÁTICA.KARINEROZA.SHAYANNE.BINC.ROBERTA.pptx
AD2 DIDÁTICA.KARINEROZA.SHAYANNE.BINC.ROBERTA.pptx
 
Em tempo de Quaresma .
Em tempo de Quaresma                            .Em tempo de Quaresma                            .
Em tempo de Quaresma .
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
 

Floresta autóctone

  • 1. Lódão-Bastardo O dia da floresta autóctone 23 de Novembro
  • 2. Que importância tem a floresta autóctone? As florestas autóctones portuguesas são áreas de árvores de origem portuguesa. As florestas autóctones estão mais adaptadas às condições de solo e clima do território, sendo mais resistentes a pragas, doenças e a períodos longos de seca e de chuvas intensas, em comparação com as espécies introduzidas, enquanto estas, como são originárias de outro país, são menos resistentes às mesmas condições. Sabias que o eucalipto é uma espécie introduzida? É verdade, o eucalipto é originário da Austrália.
  • 3. 3 As florestas autóctones ajudam a manter a fertilidade do espaço rural, o equilíbrio biológico das paisagens e a diversidade dos recursos genéticos. As florestas autóctones são componentes importantes no pastoreio de ovinos, na actividade apícola e no suporte aos cogumelos silvestres. As florestas autóctones são importantes locais de refúgio e reprodução para grande número de espécies animais autóctones (algumas delas em vias de extinção, como a Águia-Real, Águia de Bonelli, a Cegonha-negra,o Lobo Ibérico, o Lince ou ainda o esquilo e o coelho).
  • 4. 4 Porquê o Dia da Floresta Autóctone? O dia da floresta autóctone foi estabelecido para divulgar a importância da conservação das florestas naturais e a necessidade de as salvaguardar da destruição.
  • 5. Algumas espécies de animais que vivem na floresta autóctone portuguesa... Águia-Real Grifo Cegonha-Negra Águia de bonelli
  • 6. 6 Lobo Ibérico Javali Lince Ibérico Corço
  • 7. Algumas árvores autóctones portuguesas... Castanheiro Azevinho
  • 8. 8 Pinheiro-manso Carvalho-negral Azinheira Sobreiro
  • 10. 10 O que se passa com a Floresta Autóctone Portuguesa? A floresta portuguesa é característica de um clima mediterrânico e, em tempos idos, era constituída em larga escala por espécies como o carvalho-alvarinho, o castanheiro, a azinheira, o sobreiro, o medronheiro, e a oliveira. Da zona vegetal primitiva portuguesa resta apenas a mata do Solitário, na Arrábida.
  • 11. 11 As principais ameaças às florestas autóctones são: · Incêndios; · Pragas;· Doenças;· Invasão põe espécies não autóctones;· Cortes prematuros e desordenados;
  • 12. Podes pesquisar mais sobre as árvores autóctones portuguesas em: http://arvoresdeportugal.free.fr/index.htm 12 Devemos plantar estas espécies nos jardins e espaços verdes e para reflorestar as zonas queimadas pelos fogos para ficarem verdes e bonitas. Pesquisa efectuada por Sandra Alves no âmbito no Plano de Actividades do CNAPA