SlideShare uma empresa Scribd logo

Apresentação floresta autóctone

1
111110
1 de 28
Baixar para ler offline
DIA NACIONAL DA
FLORESTA
AUTÓCTONE
23 de Novembro de 2010
Escola EB 2,3/S de Arcozelo
Ano Lectivo 2010/2011
Uma floresta
autóctone é uma área
de árvores originárias
do próprio território.
Porquê o Dia da Floresta
Autóctone?
Foi criado para promover a divulgação da
importância da conservação das florestas
naturais, apresentando-se
simultaneamente como um dia mais
adaptado às condições climatéricas de
Portugal e Espanha para se proceder à
sementeira ou plantação de árvores,
alternativo ao Dia Mundial da Floresta, 21
de Março, que foi criado inicialmente para
os países do Norte da Europa.
Cerca de 30 % do território português é
ocupado por florestas, o que
representa uma mais-valia na:
- conservação da biodiversidade.
- na produção de oxigénio;
- na fixação do CO 2
– dióxido de carbono,
um gás com efeito de estufa;
- na protecção do solo e na protecção do
regime hídrico;
As florestas autóctones
portuguesas são
constituídas por
diferentes espécies de
árvores.
Azinheira

Recomendados

Floresta autóctone
Floresta autóctoneFloresta autóctone
Floresta autóctoneSandra Alves
 
Ficha formativa de orações com correção
Ficha formativa de orações com correçãoFicha formativa de orações com correção
Ficha formativa de orações com correçãoRaquel Antunes
 
Floresta em Portugal Continental
Floresta em Portugal ContinentalFloresta em Portugal Continental
Floresta em Portugal ContinentalIdalina Leite
 
Plantas em vias de extinção em portugal
Plantas em vias de extinção em portugalPlantas em vias de extinção em portugal
Plantas em vias de extinção em portugalRaúl Freitas
 
Gráficos termopluviométricos
Gráficos termopluviométricosGráficos termopluviométricos
Gráficos termopluviométricosTânia Baptista
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Os nomes comuns, próprios e colectivos
Os nomes comuns, próprios e colectivosOs nomes comuns, próprios e colectivos
Os nomes comuns, próprios e colectivosbecevadeira
 
A Revolução de 25 de Abril de 1974
A Revolução de 25 de Abril de 1974A Revolução de 25 de Abril de 1974
A Revolução de 25 de Abril de 1974Jorge Almeida
 
Desflorestação e desertificação
Desflorestação e desertificaçãoDesflorestação e desertificação
Desflorestação e desertificaçãoprofmoucho
 
246014340 tf-tests (para o 8º ano)
246014340 tf-tests (para o 8º ano)246014340 tf-tests (para o 8º ano)
246014340 tf-tests (para o 8º ano)SandraPedra71
 
Pronome em adjacencia_verbal
Pronome em adjacencia_verbalPronome em adjacencia_verbal
Pronome em adjacencia_verbalgracacruz
 
ASA_Livro_testes e Guiões leitura_6º.pdf
ASA_Livro_testes e Guiões leitura_6º.pdfASA_Livro_testes e Guiões leitura_6º.pdf
ASA_Livro_testes e Guiões leitura_6º.pdfClara César Pereira
 
Relações bióticas
Relações bióticasRelações bióticas
Relações bióticasmarisaoliv
 
Como fazer uma apresentação oral?
Como fazer uma apresentação oral?Como fazer uma apresentação oral?
Como fazer uma apresentação oral?becastanheiradepera
 
Incêndios. geografia2
Incêndios. geografia2Incêndios. geografia2
Incêndios. geografia2Mayjö .
 
As comunidades agropastoris- 5ºano- Prof .Alice
As comunidades agropastoris- 5ºano- Prof .AliceAs comunidades agropastoris- 5ºano- Prof .Alice
As comunidades agropastoris- 5ºano- Prof .Alicealicebernardo
 
As novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas ruraisAs novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas ruraisIlda Bicacro
 
Areal ficha de_avaliação_1_pessoa_ortónimo_e_correcção
Areal ficha de_avaliação_1_pessoa_ortónimo_e_correcçãoAreal ficha de_avaliação_1_pessoa_ortónimo_e_correcção
Areal ficha de_avaliação_1_pessoa_ortónimo_e_correcçãoCarla Ribeiro
 
A Viúva e o Papagaio - Joana Banha
A Viúva e o Papagaio - Joana BanhaA Viúva e o Papagaio - Joana Banha
A Viúva e o Papagaio - Joana BanhaBe Alvito
 
Desenvolvimento da silvicultura 11 4
Desenvolvimento da silvicultura 11 4Desenvolvimento da silvicultura 11 4
Desenvolvimento da silvicultura 11 4Joao Paulo Curto
 
Avalia 3 alfa_lp
Avalia 3 alfa_lpAvalia 3 alfa_lp
Avalia 3 alfa_lpflufy
 

Mais procurados (20)

Os nomes comuns, próprios e colectivos
Os nomes comuns, próprios e colectivosOs nomes comuns, próprios e colectivos
Os nomes comuns, próprios e colectivos
 
O Mostrengo
O MostrengoO Mostrengo
O Mostrengo
 
A Revolução de 25 de Abril de 1974
A Revolução de 25 de Abril de 1974A Revolução de 25 de Abril de 1974
A Revolução de 25 de Abril de 1974
 
Desflorestação e desertificação
Desflorestação e desertificaçãoDesflorestação e desertificação
Desflorestação e desertificação
 
246014340 tf-tests (para o 8º ano)
246014340 tf-tests (para o 8º ano)246014340 tf-tests (para o 8º ano)
246014340 tf-tests (para o 8º ano)
 
Pronome em adjacencia_verbal
Pronome em adjacencia_verbalPronome em adjacencia_verbal
Pronome em adjacencia_verbal
 
ASA_Livro_testes e Guiões leitura_6º.pdf
ASA_Livro_testes e Guiões leitura_6º.pdfASA_Livro_testes e Guiões leitura_6º.pdf
ASA_Livro_testes e Guiões leitura_6º.pdf
 
Relações bióticas
Relações bióticasRelações bióticas
Relações bióticas
 
O mundo em que vivi
O mundo em que viviO mundo em que vivi
O mundo em que vivi
 
Plantas invasoras em Portugal
Plantas invasoras em PortugalPlantas invasoras em Portugal
Plantas invasoras em Portugal
 
A métrica e a rima
A métrica e a rimaA métrica e a rima
A métrica e a rima
 
Como fazer uma apresentação oral?
Como fazer uma apresentação oral?Como fazer uma apresentação oral?
Como fazer uma apresentação oral?
 
Incêndios. geografia2
Incêndios. geografia2Incêndios. geografia2
Incêndios. geografia2
 
As comunidades agropastoris- 5ºano- Prof .Alice
As comunidades agropastoris- 5ºano- Prof .AliceAs comunidades agropastoris- 5ºano- Prof .Alice
As comunidades agropastoris- 5ºano- Prof .Alice
 
As novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas ruraisAs novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas rurais
 
Trabalho 25 de abril 2
Trabalho 25 de abril   2 Trabalho 25 de abril   2
Trabalho 25 de abril 2
 
Areal ficha de_avaliação_1_pessoa_ortónimo_e_correcção
Areal ficha de_avaliação_1_pessoa_ortónimo_e_correcçãoAreal ficha de_avaliação_1_pessoa_ortónimo_e_correcção
Areal ficha de_avaliação_1_pessoa_ortónimo_e_correcção
 
A Viúva e o Papagaio - Joana Banha
A Viúva e o Papagaio - Joana BanhaA Viúva e o Papagaio - Joana Banha
A Viúva e o Papagaio - Joana Banha
 
Desenvolvimento da silvicultura 11 4
Desenvolvimento da silvicultura 11 4Desenvolvimento da silvicultura 11 4
Desenvolvimento da silvicultura 11 4
 
Avalia 3 alfa_lp
Avalia 3 alfa_lpAvalia 3 alfa_lp
Avalia 3 alfa_lp
 

Destaque

Espécies autóctones de portugal
Espécies autóctones de portugalEspécies autóctones de portugal
Espécies autóctones de portugalRaúl Freitas
 
Powerpoint do dia mundial da floresta - Ana e Adriana 6.º I
Powerpoint do dia mundial da floresta - Ana e Adriana 6.º IPowerpoint do dia mundial da floresta - Ana e Adriana 6.º I
Powerpoint do dia mundial da floresta - Ana e Adriana 6.º ICoordTic
 
Dia Mundial da Floresta
Dia Mundial da FlorestaDia Mundial da Floresta
Dia Mundial da FlorestaCoordTic
 
A floresta
A florestaA floresta
A florestaCoordTic
 
A importância das florestas
A importância das florestasA importância das florestas
A importância das florestaselmachon
 
As Plantas, Folha E Flor
As Plantas, Folha E FlorAs Plantas, Folha E Flor
As Plantas, Folha E FlorTânia Reis
 
As Plantas, Raiz E Caule
As Plantas, Raiz E CauleAs Plantas, Raiz E Caule
As Plantas, Raiz E CauleTânia Reis
 

Destaque (10)

Espécies autóctones de portugal
Espécies autóctones de portugalEspécies autóctones de portugal
Espécies autóctones de portugal
 
A floresta
A florestaA floresta
A floresta
 
Powerpoint do dia mundial da floresta - Ana e Adriana 6.º I
Powerpoint do dia mundial da floresta - Ana e Adriana 6.º IPowerpoint do dia mundial da floresta - Ana e Adriana 6.º I
Powerpoint do dia mundial da floresta - Ana e Adriana 6.º I
 
Dia Mundial da Floresta
Dia Mundial da FlorestaDia Mundial da Floresta
Dia Mundial da Floresta
 
A floresta
A florestaA floresta
A floresta
 
A floresta
A florestaA floresta
A floresta
 
A importância das florestas
A importância das florestasA importância das florestas
A importância das florestas
 
As Plantas, Folha E Flor
As Plantas, Folha E FlorAs Plantas, Folha E Flor
As Plantas, Folha E Flor
 
As Plantas, Raiz E Caule
As Plantas, Raiz E CauleAs Plantas, Raiz E Caule
As Plantas, Raiz E Caule
 
Plantas
PlantasPlantas
Plantas
 

Semelhante a Apresentação floresta autóctone

A ciência do futuro
A ciência do futuroA ciência do futuro
A ciência do futuroClj Rosário
 
A ciência do futuro
A ciência do futuroA ciência do futuro
A ciência do futuroClj Rosário
 
Brochura floresta-autóctone-vf.compressed
Brochura floresta-autóctone-vf.compressedBrochura floresta-autóctone-vf.compressed
Brochura floresta-autóctone-vf.compressedbecastanheiradepera
 
A ProduçãO Florestal
A ProduçãO FlorestalA ProduçãO Florestal
A ProduçãO FlorestalMaria Adelaide
 
Áreas Protegidas de Portugal
Áreas Protegidas de PortugalÁreas Protegidas de Portugal
Áreas Protegidas de PortugalTatiana Losinska
 
ICNF-Arvores Indigenas-Edicao2021
ICNF-Arvores Indigenas-Edicao2021ICNF-Arvores Indigenas-Edicao2021
ICNF-Arvores Indigenas-Edicao2021João Soares
 
Desflorestação
Desflorestação   Desflorestação
Desflorestação CoordTic
 
Desafio semana da floresta
Desafio semana da  floresta Desafio semana da  floresta
Desafio semana da floresta Sandra Alves
 
Ciencias5
Ciencias5Ciencias5
Ciencias5lks5
 
Cassia ciencias
Cassia cienciasCassia ciencias
Cassia cienciaslks5
 
Modulo 3 ecossitemas florestais
Modulo 3 ecossitemas florestaisModulo 3 ecossitemas florestais
Modulo 3 ecossitemas florestaisAnt�nio Ferreira
 
Ciencias5
Ciencias5Ciencias5
Ciencias5lks5
 
Ciencias5
Ciencias5Ciencias5
Ciencias5lks5
 
Ambiente e Sociedade- As florestas
Ambiente e Sociedade- As florestasAmbiente e Sociedade- As florestas
Ambiente e Sociedade- As florestasRita Galrito
 
Desflorestação e florestas
Desflorestação e florestasDesflorestação e florestas
Desflorestação e florestasMarta Fernandes
 
Icnf especies indgenas_edicao2016-2
Icnf especies indgenas_edicao2016-2Icnf especies indgenas_edicao2016-2
Icnf especies indgenas_edicao2016-2Clarisse Ferreira
 
Floresta Portuguesa
Floresta PortuguesaFloresta Portuguesa
Floresta Portuguesapasseixas
 

Semelhante a Apresentação floresta autóctone (20)

Floresta autóctone
Floresta autóctoneFloresta autóctone
Floresta autóctone
 
A ciência do futuro
A ciência do futuroA ciência do futuro
A ciência do futuro
 
A ciência do fut
A ciência do futA ciência do fut
A ciência do fut
 
A ciência do futuro
A ciência do futuroA ciência do futuro
A ciência do futuro
 
Brochura floresta-autóctone-vf.compressed
Brochura floresta-autóctone-vf.compressedBrochura floresta-autóctone-vf.compressed
Brochura floresta-autóctone-vf.compressed
 
A ProduçãO Florestal
A ProduçãO FlorestalA ProduçãO Florestal
A ProduçãO Florestal
 
Áreas Protegidas de Portugal
Áreas Protegidas de PortugalÁreas Protegidas de Portugal
Áreas Protegidas de Portugal
 
ICNF-Arvores Indigenas-Edicao2021
ICNF-Arvores Indigenas-Edicao2021ICNF-Arvores Indigenas-Edicao2021
ICNF-Arvores Indigenas-Edicao2021
 
Desflorestação
Desflorestação   Desflorestação
Desflorestação
 
Desafio semana da floresta
Desafio semana da  floresta Desafio semana da  floresta
Desafio semana da floresta
 
Ciencias5
Ciencias5Ciencias5
Ciencias5
 
Cassia ciencias
Cassia cienciasCassia ciencias
Cassia ciencias
 
Floresta em portugal[1]
Floresta em portugal[1]Floresta em portugal[1]
Floresta em portugal[1]
 
Modulo 3 ecossitemas florestais
Modulo 3 ecossitemas florestaisModulo 3 ecossitemas florestais
Modulo 3 ecossitemas florestais
 
Ciencias5
Ciencias5Ciencias5
Ciencias5
 
Ciencias5
Ciencias5Ciencias5
Ciencias5
 
Ambiente e Sociedade- As florestas
Ambiente e Sociedade- As florestasAmbiente e Sociedade- As florestas
Ambiente e Sociedade- As florestas
 
Desflorestação e florestas
Desflorestação e florestasDesflorestação e florestas
Desflorestação e florestas
 
Icnf especies indgenas_edicao2016-2
Icnf especies indgenas_edicao2016-2Icnf especies indgenas_edicao2016-2
Icnf especies indgenas_edicao2016-2
 
Floresta Portuguesa
Floresta PortuguesaFloresta Portuguesa
Floresta Portuguesa
 

Último

1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;azulassessoriaacadem3
 
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...azulassessoriaacadem3
 
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...azulassessoriaacadem3
 
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...apoioacademicoead
 
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...azulassessoriaacadem3
 
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.Jean Carlos Nunes Paixão
 
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...azulassessoriaacadem3
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...excellenceeducaciona
 
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptxSlides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...excellenceeducaciona
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...azulassessoriaacadem3
 
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...azulassessoriaacadem3
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...azulassessoriaacadem3
 
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
004820000101011 (15).pdffdfdfddddddddddddddddddddddddddddddddddddRenandantas16
 
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...azulassessoriaacadem3
 
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...azulassessoriaacadem3
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...excellenceeducaciona
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...azulassessoriaacadem3
 
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdfAtividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdfRuannSolza
 

Último (20)

1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
 
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
 
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
 
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
 
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
 
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
 
Atividade sobre o anacronismo na HIstoria
Atividade sobre o anacronismo na HIstoriaAtividade sobre o anacronismo na HIstoria
Atividade sobre o anacronismo na HIstoria
 
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
 
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptxSlides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
 
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
 
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
 
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
 
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
 
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
 
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdfAtividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
 

Apresentação floresta autóctone