Agrupamento de Escolas do Vale de São Torcato <br />-2436664026723117050402672<br />Espécies Autóctones de Portugal<br />C...
Espécies autóctones de portugal
Espécies autóctones de portugal
Espécies autóctones de portugal
Espécies autóctones de portugal
Espécies autóctones de portugal
Espécies autóctones de portugal
Espécies autóctones de portugal
Espécies autóctones de portugal
Espécies autóctones de portugal
Espécies autóctones de portugal
Espécies autóctones de portugal
Espécies autóctones de portugal
Espécies autóctones de portugal
Espécies autóctones de portugal
Espécies autóctones de portugal
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Espécies autóctones de portugal

25.139 visualizações

Publicada em

0 comentários
6 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
25.139
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
366
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
299
Comentários
0
Gostaram
6
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Espécies autóctones de portugal

  1. 1. Agrupamento de Escolas do Vale de São Torcato <br />-2436664026723117050402672<br />Espécies Autóctones de Portugal<br />Curso de Educação e Formação de Jardinagem<br />Ano Lectivo 2010/2011<br />Índice<br />EspéciePáginaAlnus glutinosa ……………………………………………. 3Quercus ilex ………………………………………………..4Quercus pyrenaica ………………………………………..5Quercus faginea …………………………………………..6Quercus robur ……………………………………………..7Castanea sativa …………………………………………...8Prunus avium ………………………………………………9Fraxinus excelsior………………………………………….10Laurus nobilis ……………………………………………...11Arbutus unedo L……………………………………………12Olea europaea L…………………………………………... 13Pinus pinaster ……………………………………………..14Acer pseudoplatanus L……………………………………15Quercus suber ………………………………………….....16<br /> 29718002628900-4203702628900-420370-3429002971800-342900 <br />Nome científico: Alnus glutinosa<br />Nome vulgar: Amieiro <br />Descrição: É uma árvore que pode atingir até 35 m  e uma longevidade até 120 anos. Possui folhas redondas/ovadas, com 4 a 10 cm de comprimento. Os frutos são uma espécie de pinha, com 1 a 2 cm de comprimento.<br />Distribuição geográfica: Característica de regiões de clima temperado húmido. Em Portugal, o Amieiro pode ser encontrado em quase todo o território com prevalência na região norte e centro. <br />Utilização: A madeira do amieiro é muito resistente à água e utilizada frequentemente na construção de corpos de guitarras sólidas, das suas características acústicas. <br />-3429002757805300863027171653008630-457200-396240-457200<br />Nome científico: Quercus ilex<br />Nome vulgar: Azinheira<br />Descrição: Árvore de folhas persistentes, com 15-20 metros de altura. O tronco tem uma casca acinzentada ou parda. As folhas com cor verde-escura, brilhantes nas faces superiores e esbranquiçadas nas inferiores. O fruto da azinheira é a bolota.<br />Distribuição geográfica: Sul da Europa, existe espontaneamente em Portugal, principalmente no interior alentejano, explorada em montados, habitualmente em consociação com uma cultura agrícola ou pastagem. Encontra-se também em povoamentos mistos com sobreiro.<br />Utilização: Usada, principalmente, para produção de fruto, que serve de alimento para porcos denominados de montanheira. É também utilizada para produzir carvão, madeira e lenha (madeira com elevado poder calorífico). <br />2971800-228600-228600-228600<br />2978150212090-283210212090<br />Nome científico: Quercus pyrenaica<br />Nome vulgar: Carvalho negral<br />Descrição: É uma árvore de folha caduca, que pode atingir 25 metros de altura. A copa é irregular arredondada, mais ou menos alongada. O tronco é cinzento-escuro baço e gretado em placas. Tem grande capacidade regenerativa a partir da raiz pelo que forma manchas arbustivas muito densas.<br />Distribuição geográfica: Em Portugal é frequente no Norte e Centro. Dominante em matas de clima mediterrânico, relativamente chuvoso mas continental.<br />Utilização: Usado para a produção de madeira. Pode também ser explorado em talhadia para produzir ramos e folhagem para alimentar o gado. <br />-3657602514600297180025146002971800-114300-342900-457200<br />Nome científico: Quercus faginea<br />Nome vulgar: Carvalho Português <br />Descrição: Árvore de folhas persistentes, com 15-20 metros de altura. O tronco tem uma casca acinzentada ou parda. As folhas com cor verde-escura, brilhantes nas faces superiores e esbranquiçadas nas inferiores. O fruto do carvalho é a bolota.<br />Distribuição geográfica: Sul da Europa. Existe espontaneamente em Portugal, principalmente no interior alentejano, explorada em montados, habitualmente em consociação com uma cultura agrícola ou pastagem. Encontra-se também em povoamentos mistos com sobreiro.<br />Utilização: Usada, principalmente, para produção de fruto, que serve de alimento para porcos denominados de montanheira. É também utilizada para produzir carvão, madeira e lenha (madeira com elevado poder calorífico). <br />-228600-3429003086100-342900<br />3086100128270-228600128270<br />Nome científico: Quercus robur<br />Nome vulgar: Carvalho Roble ou Carvalho Alvarinho <br />Descrição: É uma árvore de folha caduca, com um porte majestoso, podendo ultrapassar os 40 metros de altura. O tronco tem um porte recto e uma casca muito espessa. As folhas são grandes, simples e alternas, de cor verde intensa, com as nervuras bem salientes na página inferior. O fruto é uma bolota.Distribuição geográfica: O Carvalho-roble é comum em toda a Europa, Norte de África e Ásia Ocidental. Em Portugal é espontâneo, sobretudo no Norte litoral.Utilização: A madeira do carvalho roble é muito dura, de grão fino e com anéis de crescimento muito bem demarcados. É bastante pesada e muito resistente à putrefacção, sendo recomendada para usos que envolvam água, nomeadamente a construção naval. Tem sido também usada em mobiliário, carpintaria, marcenaria e tanoaria.<br />2976245-353695-455930-353695<br />2964180125095-479425172720<br />Nome científico: Castanea sativa<br />Nome vulgar: Castanheiro, Castanheiro-comum, Castanheiro-vulgar e Reboleiro<br />Descrição: É uma árvore folha caduca. O desenvolvimento dos frutos dá-se no interior de um invólucro espinhoso - ouriço. <br />Distribuição geográfica: O Castanheiro europeu ocorre por toda a Europa do Sul (de Portugal). Em Portugal existe nas regiões Norte e Centro, incluindo a região de Portalegre.<br />Utilização: Produção de madeira de elevada qualidade, tiras para a cestaria e de fruto (castanhas).<br />2971800-457200-457200-457200<br />-45720067945300863059690<br />Nome científico: Prunus avium<br />Nome vulgar: Cerejeira brava<br />Descrição: Espécie de folha caduca, considerada de meia-luz, tolerando alguma sombra enquanto jovem e durante alguns anos. Pode atingir 20-25 metros de altura e possui um tronco direito e negro, formando gretas na base nas árvores mais idosas.<br />Distribuição geográfica: Em Portugal, localiza-se no Norte e nas montanhas da Beira Interior, encontrando o seu óptimo nas zonas onde a influência atlântica domina a mediterrânica.<br />Utilização: Muito procurada pela sua madeira que é bastante dura, forte, flexível e elástica, com aptidão para o uso em mobiliário, marchetaria, torneados, instrumentos musicais, folheados (de alto valor).<br /> <br />28536902843530-4610102843530-457200-2266952857500-226695<br />Nome científico: Fraxinus excelsior<br />Nome vulgar: Freixo europeu<br />Descrição: O Freixo é uma árvore caducifólia que pode alcançar os 20 metros de altura. O tronco é espesso e a casca lisa, é cinzenta clara, escurecendo ao envelhecer. As folhas são verdes pouco escuras, em forma de lança e dentadas na margem com cerca de 3 a 9 cm de comprimento e 2 a 3 cm de largura. <br />Distribuição geográfica: Em Portugal, habita cursos de água e forma bosques em alguns locais por todo o país, excepto o Noroeste. <br />Utilização: O Freixo é utilizado pela sua madeira e alimentação animal.<br />-7048571755292036524130-127635284734029203652847340 <br />Nome científico: Laurus nobilis L.<br />Nome vulgar: Loureiro<br />Descrição: Árvore de folha persistente geralmente com menos de 10 m de altura.<br />Distribuição geográfica: A nível nacional ocorre sobretudo na parte Oeste do Norte e Centro, em solos húmidos de locais sombrios sem geadas prolongadas.<br />Utilização: As suas folhas têm uso culinário e medicinal.<br />28943302971800-42037029718002894330-228600-457200-228600 <br />Nome científico: Arbutus unedo L.<br />Nome vulgar: Medronheiro<br />Descrição: Arbusto ou pequena árvore de folha persistente, com casca fendilhada, que pode alcançar 4-5 (7) m de altura. O medronheiro floresce no Outono ou no princípio do Inverno. As flores são pequenas e surgem em cachos compostos. Os frutos maturam no Outono adquirindo uma cor vermelha. <br />Distribuição geográfica: O medronheiro surge um pouco por todo o país desde o nível do mar até aos 800 m de altitude, associado aos bosques mistos de sobreiro e azinheira e matos xerófilos.<br />Utilização: Esta é uma árvore frutífera e ornamental. O medronho é muito utilizado para aguardente e compotas.<br />2971800-34290029718002743200-3429002743200-342900-342900 <br />Nome científico: Olea europaea L. <br />Nome vulgar: Oliveira Brava ou Zambujeiro <br />Descrição: Apresenta-se como um arbusto ou pequena árvore que pode atingir até 2,5 metros de altura. A folhagem coriácea, de margens mais ou menos enroladas, sendo verde-cinzentadas na página superior e esbranquiçadas na inferior. <br />Distribuição geográfica: Trata-se de uma espécie endémica da ilha da Madeira, característica do Zambujal. <br />Utilização: Os frutos só podem ser consumidos depois de processados, na forma de conserva ou de azeite. A produção de azeite ou de conserva depende da variedade. Rica em vitaminas A, B1, D e E. <br />29718002286000228600<br />29718001574800157480<br />Nome científico: Pinus pinaster<br />Nome vulgar: Pinheiro Bravo<br />Descrição: É uma árvore de folhas perenes, que pode atingir os 30 - 40 metros de altura. O tronco tem uma casca espessa, de cor castanha avermelhada, profundamente fissurada. As folhas são agulhas, emparelhadas, de cor verde-escura, rígidas e grossas. As pinhas são cónicas ovóides, simétricas ou quase, castanhas claras e polidas.<br />Distribuição geográfica: Região Mediterrânica e costas atlânticas de Portugal, Espanha e França. Introduzido na Bélgica, Reino Unido, Austrália, Nova Zelândia e África do Sul.<br />Utilização: Produção de madeira (para mobiliário, construção, painéis de partículas, etc.) e produção de resina. podendo <br />1524061595296799062230152402691130<br />247650429260<br />Nome científico: Acer pseudoplatanus L.<br />Nome vulgar: Plátano-bastardo<br />Descrição: Árvore caducifólia até 30 m de altura.<br />Distribuição geográfica: Surge espontaneamente na zona Noroeste, montanhas do centro e Serra de Sintra e vegeta até 1.500 m de altitude. É uma espécie de sombra ou meia sombra que requer solos frescos e tolera alguma poluição atmosférica.<br />Utilização: Produz madeira de boa qualidade e folhada que melhora as características do solo. <br />2910840-385445-213360-404495<br />-2924175424815<br />29527595885<br />Nome científico: Quercus suber<br />Nome vulgar: Sobreiro<br />Descrição: Árvore de folhas persistentes, com 15-20 metros de altura. Pode atingir, em casos extremos, os 25 m de altura. O tronco tem uma casca espessa e suberosa, vulgarmente designada por cortiça. As folhas com cor verde-escura, são brilhantes nas faces superiores e acinzentadas nas inferiores. O fruto do sobreiro é a bolota.<br />Distribuição geográfica: Sul da Europa e Norte de África. Em Portugal encontra-se distribuído por todo o país. É principalmente explorado em montado, onde os sobreiros existem quase sempre em associação com uma cultura agrícola ou uma pastagem.<br />Utilização: A sua principal utilização é a produção de cortiça, o único produto do qual Portugal é o primeiro produtor mundial. Os frutos (bolotas) servem também de alimento para porcos denominados de montanheira.Em virtude do seu elevado poder calorífico, a madeira é muito utilizada para a produção de lenha.A cortiça proporciona ao Sobreiro uma protecção contra o fogo que lhe permite, frequentemente, sobreviver a incêndios.<br />

×