SlideShare uma empresa Scribd logo
Doutorado em Comunicação Social
Tópicos Especiais em Comunicação e Experiência - 21 de Março de 2024
Cibercultura e Interações Digitais
Professora: Dra. Adriana Braga
Discente: Isabela Duarte Pimentel
Matrícula: 2412674
Comunicação, tecnologias e
a ilusão da neutralidade
Apresentação
• xxxxxxxx Com tantas ferramentas, acabamos perdendo a noção dos aspectos sociais,
culturais, políticos e econômicos das tecnologias que fazem parte da
‘vida moderna’ e caímos em uma visão instrumental.
Nesta breve apresentação, inspirada na Teoria Crítica da Tecnologia, de
Feenberg, vou apresentar como um ‘simples’ canal, como o telégrafo,
nos permite recontar as histórias que costumamos ouvir sobre a
neutralidade dos meios de comunicação e uma ótica voltada para o
fetichismo tecnológico.
Muito mais que ‘transmissão de sinais’, esse ‘meio de comunicação’,
associado a um contexto socioeconômico e político, alterou a vida de
indivíduos, populações, países, relações comerciais e a noção do tempo
. Todo canal envolve tecnologia e ideologia (J.W Carey)
Terminaremos essa viagem sobre tecnologia, visão integrada de contexto,
cultura e a comunicação como um ritual, debatendo as transformações que
a cidade trouxe, na ótica de George Simmel.
Imagem: Copilot - Bing
1.Os impactos do surgimento de um novo
canal são apenas tecnológicos?
2.Quando surge um novo ‘meio’, que
revoluções ocorrem nas mentes e nas cidades
(Simmel)?
3. Por qual razão ainda estudamos
Comunicação na lógica instrumentalista e do
fetichismo tecnológico?
4. Podemos falar de tecnologias neutras?
Questões norteadoras
Contexto histórico
O telégrafo pode parecer apenas
um objeto ou um meio de
comunicação, mas, vai além disso.
Ele e sua história nos contam
muito sobre a forma como ainda
encaramos os meios de comunicação
e as tecnologias atuais.
Vamos conhecer os estudos de
Carey sobre tecnologia e
ideologia.
Imagem: Mundo e Educação
Sobre o telégrafo
Telégrafo é um aparelho que era
utilizado para a comunicação em
partes do século XIX e do século
XX.
Esse equipamento utilizava a
energia elétrica para enviar
pulsos na corrente que eram
interpretados por meio de um
código que usava pontos e linhas.
O inventor desse meio de
comunicação e do código que era
usado no envio das mensagens foi o
professor Samuel Morse, em 1837.
Imagem: Mundo e Educação
Abordagem cultural da Comunicação em James Carey
• Sobre o autor: Carey nasceu em Providence, nos EUA, em
1934, e faleceu em maio de 2006. No início da sua carreira
foi professor na Universidade de Iowa, indo depois para a
Universidade de Illinois.
• Linha Teórica: A Perspectiva cultural / ritual de James W.
Carey é expoente dos estudos culturais críticos nos EUA,
para pensar a Comunicação.
• A partir de meados dos anos de 1960, integrou o movimento
de contestação à hegemonia dos modelos de estudo da
sociedade e da Comunicação inspirados pelos métodos das
ciências naturais, propondo uma abordagem cultural ou
ritual da Comunicação.
Duas visões de Carey sobre a comunicação
• Modelo transmissivo: foca na
passagem da informação do emissor
para o receptor. É um modelo bem
linear, matemático.
• Modelo Ritual: "comunicação é um
processo simbólico onde a
realidade é produzida, mantida,
reparada e transformada" (CAREY,
[1975] 1992a, p.23).
Imagem: Copilot - Bing
Contexto histórico do surgimento do telégrafo
O telégrafo tem sido objeto de estudos que tendem a
privilegiar, sobretudo, a história da tecnologia, o contexto
é deixado de lado.
James W. Carey, no seu ensaio “Technology and Ideology”,
propõe uma abordagem bem diferente e interessante.
As análises históricas tradicionais sobre o telégrafo tendiam
a se concentrarem na narrativa do dispositivo técnico e das
suas utilizações.
O Império do Sinal
• O telégrafo teria sido uma das condições para a
separação da comunicação do transporte (a pé,
cavalo ou por estradas), fornecendo uma
comunicação por meio de sinais, que ganha uma ar
de mistério e até mesmo crença.
• Além das questões econômicas, Carey traz outras
camadas em sua análise: por um lado, sobre o
universo simbólico, por outro, sobre o mundo
econômico.
Outras mudanças:
1. Linguagem escrita;
2. Velocidade na transmissão da informação;
3. Conexão comercial entre regiões;
4. Desenvolvimento econômico e surgimento de impérios.
Imagem: Copilot - Bing
Conexão entre tecnologia e ideologi
• Transmissão elétrica era
envolta em uma aura de
mistério, algo que
conectava material e
espiritual;
• Telégrafo representa
mistério do dualismo mente-
corpo e coloca foco de
energia vital no reino da
mente, no mundo imaterial.
Imagem: Copilot - Bing
Sistema nervoso x metáforas orgâ
“O telégrafo permitiu o desenvolvimento,
na metáfora favorita da época, de um
sistema nervoso social encefálico, onde
os sinais vitais estavam separados da
musculatura. Foram o telégrafo e a
ferrovia – a construção real e dolorosa
de um sistema integrado – que forneceram
a porta de entrada para as metáforas
orgânicas que dominaram o pensamento do
século XIX.” p.314
Imagem: Copilot - Bing
O ritmo telegráfico das mensagens
“Como as palavras eram caras no
telégrafo (...) não só a escrita
deveria ser condensada para
economizar dinheiro”. P.311
“O telégrafo alterou a escrita
literária - Levou a um jornalismo
sem o luxo de detalhes e
análises”. P.311
O telégrafo não só permitiu que as
mensagens fossem separadas do
movimento físico dos objetos; também
permitiu a comunicação para controlar
ativamente os processos físicos.
P.305
Além da tecnologia, telégrafo envolveu:
• Descontextualização dos mercados (trocas não
ocorrem mais pessoalmente);
• Fortalecimento de novos pólos comerciais;
• Os preços já não dependiam de fatores locais de
oferta e procura, mas se relacionavam às forças
nacionais e internacionais;
• Padronização dos horários locais (Standard time
zones);
• Alusão à perda da aura – Franklin (A obra de
arte na era da reprodutibilidade técnica, 1935);
• Mudança na concepção do tempo na vida real de
pessoas comuns.
O tempo mudou! A vida também!
Imagem 3 – criada com Copilot, AI do Bing, em 12/3/2024 – 18h35
“As concepções modernas de tempo estão tão
profundamente enraizadas na nossa consciência que a
cena do trabalhador, receber um relógio na
aposentadoria é grotesco e cômico. Ele recebe um
relógio quando a necessidade de contar as horas
termina. Ele recebe um relógio como homenagem por
ter aprendido a lição mais difícil do trabalhador:
saber as horas. O relógio coordenou a fábrica
industrial; a grade do tempo coordenou, através do
telégrafo, a nação industrial. O telégrafo, então,
não apenas alterou a relação entre comunicação e
transporte (...) também mudou as formas
fundamentais pelas quais a comunicação era
pensada”. P.323
Mesmo depois do telégrafo, ainda hoje
acreditamos em tecnologias neutras e
desenraizadas de uma sociedade, sua
história, contexto e cultural....
E para isso, precisamos pensar na
Filosofia da Tecnologia.
• Andrew Feenberg é um filósofo canadense
que se destaca principalmente por seu
filosofia da tecnologia e estudos de ciência,
sociedade (CTS).
• Ele nasceu em 1943 e é conhecido por suas
para a compreensão das interações entre
sociedade, bem como para o desenvolvimento da
crítica da tecnologia.
• Currículo: professor de Filosofia na Escola
Simon Fraser University, em Vancouver,
também é membro do programa de Mestrado em
Tecnologia e Sociedade.
• Destacou-se com a publicação de uma série de
ligados à filosofia da tecnologia, dentre os
technology (1999) e Transforming
Imagem: Simon Fraser University
A Filosofia da Tecnologia
Conferência pronunciada
para estudantes
universitários de Komaba
- Japão, em junho, 2003.
a racionalidade tecno cientifica se tornou uma nova cultura
“Na medida em que uma tal
sociedade é tecnológica em suas
bases, os assuntos que se levantam
neste questionamento maior
pertencem ao campo da filosofia da
tecnologia”. P.1
Imagem: Rabiscos da História
A filosofia
da
tecnologia
• Dilema dos tempos modernos -
ciência, ao invés de revelar as
essências no antigo sentido grego
do termo, responde à pergunta
sobre como funciona p.4
• Hoje ciência tem visão puramente
instrumental.
• Dizemos que a tecnologia é
neutra, significando que ela não
tem nenhuma preferência entre os
vários usos possíveis aos quais
pode ser aplicada. Esta é a
filosofia instrumentalista da
tecnologia, que é um tipo de
produto espontâneo de nossa
civilização.
Imagem: Rabiscos da História
Crise
epistêmica
• “Crise da civilização da
qual não parece haver
saída, pois sabemos como
chegar lá mas não sabemos
por que estamos indo e nem
mesmo para onde estamos
indo”
• “A filosofia da
tecnologia atual não se
constitiu como uma crítica
da modernidade”. (página 6)
Imagem: Rabiscos da História
Três Classificações da Tecnologia
Tecnologias autônomas: as tecnologias tem vida própria ou são humanamente
controláveis.
Instrumentalismo - Esta é a visão segundo a qual a tecnologia é
simplesmente uma ferramenta ou instrumento da espécie humana através do
qual satisfazemos nossas necessidades.
Determinismo histórico -Marx - o avanço tecnológico é a força motriz da
história. Os deterministas tecnológicos argumentam em geral que a tecnologia
utiliza o avanço do conhecimento do mundo natural para servir às
características universais da natureza humana.
Teorias sobre a
tecnologia
• “Substantivismo" foi escolhido para
descrever uma posição que atribui
valores substantivos à tecnologia, em
contraste com as visões do
instrumentalismo e do determinismo, que
vêm a tecnologia como intrinsecamente
neutra.
• Uso da tecnologia com valor -. O uso
da tecnologia para este ou aquele
propósito seria, por si só, uma escolha
específica de valor, e não apenas uma
forma mais eficiente de realizar algum
tipo de valor pré-existente. P.7
• Teoria Crítica da Tecnologia - A
teoria crítica da tecnologia sustenta
que os seres humanos não precisam
esperar um Deus para transformar a sua
sociedade tecnológica em um lugar melhor
para se viver. Vê na tecnologia uma
promessa para aumentar a liberdade. O
problema não está na tecnologia como
tal, mas em nosso fracasso até o momento
em criar instituições apropriadas ao
exercício do controle humano sobre ela.
p.9
Imagem: Rabiscos da História
Valores da tecnologia são
socialmente construídos
• De acordo com Teoria Crítica, os
valores incorporados na tecnologia
são socialmente especificados e não
são representados adequadamente por
abstrações .
• A tecnologia emoldura não apenas um
estilo de vida, mas muitos possíveis
estilos diferentes, cada um
refletindo diferentes escolhas de
design e diferentes extensões da
mediação tecnológica.
• As tecnologias não são instrumentos
neutros.
Simmel
• As grandes cidades e a vida do
espírito (1903)
• O fundamento psicológico da
cidade grande é intensificação da
vida nervosa = resulta da mudança
rápida e ininterrupta de
impressões interiores e
exteriores. P.1
• Mudanças de vida na grande cidade
- concentração de imagens em
mudança, o intervalo ríspido no
interior daquilo que se
compreende com um olhar, o
caráter inesperado das impressões
que se impõem. P.2
• Princípio Monetário /
Individualidade = trocas sem
conexão.
Imagem: Rabiscos da História
Sobre George Simmel
• Georg Simmel nasceu em Berlim, Alemanha,
no dia 1 de março de 1858.
• Foi o fundador da Sociologia das Formas
Sociais, tendo estudado as formas de
socialização ou das relações sociais.
Imagem: Ebiografia
Mudanças
• Separação entre os produtores, do
campo e quem consome seus produtos;
• Redução dos sentimentos e do
convívio, foco em trocas, cálculos –
afrouxamento das relações sociais;
• Talvez não haja nenhum fenômeno
anímico que seja reservado de modo
tão incondicional à cidade grande
como o caráter blasé. P.5
• Espírito objetivo sobre o espírito
subjetivo, isto é, tanto na linguagem
como no direito, tanto na técnica de
produção como na arte, tanto na
ciência como nos objetos do âmbito
doméstico encarna-se uma soma de
espírito, cujo crescimento diário é
acompanhado à distância cada vez
maior e de modo muito incompleto pelo
desenvolvimento espiritual dos
sujeitos. P.11
• A atrofia da cultura individual
mediante a hipertrofia da cultura
Imagem: Gazeta Filosófica
Referências
• Setubal, F. Intercom, Rev. Bras. Ciênc. Comun. 37
(1) • Jun 2014 • https://doi.org/10.1590/S1809-58442014000100002 Disponível em
https://www.scielo.br/j/interc/a/6nNFF5bGkHtGbBWSRV9rSTL/# Acesso em
15/3/2024
• Simmel, G. As grandes cidades e a vida do espírito. Mana. Rio de Janeiro, v. 11,
n. 2, pp. 557-591. Disponível em
https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/116682/mod_resource/content/1/Simmel%2
0-%20Grandes%20cidades.pdf Acesso em 12/03/2024
• FEENBERG, A. O que é a filosofia da tecnologia? In: NEDER, R. T. A teoria
crítica de Andrew Feenberg: racionalização democrática, poder e tecnologia. 2ª,
Brasília: Observatório do Movimento pela Tecnologia Social na América
Latina/CDS/UnB/Capes, 2013a. p. 49-66. Acesso em 12/03/2024
• Carey. J.w. Technology and Ideology: The Case of the Telegraph. Disponível em
http://blog.wbkolleg.unibe.ch/wp-content/uploads/Carey.pdf Acesso em 12/03/2024
• Mariconda, M. Entrevista com Andrew Feenberg. Disponível em
https://www.scielo.br/j/ss/a/gyKGFbbrNCpcyP97T6S77NL/?lang=pt Acesso em
15/03/2024.
Imagem: Gazeta Filosófica

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Filosofia da Tecnologia e Estudos Culturais - As tecnologias não são neutras.

Seminário "Ciência da Informação: objeto, problemas"
Seminário "Ciência da Informação: objeto, problemas"Seminário "Ciência da Informação: objeto, problemas"
Seminário "Ciência da Informação: objeto, problemas"
Solange Santana
 
Diversidadecibernetica
DiversidadeciberneticaDiversidadecibernetica
Diversidadecibernetica
Rafael Evangelista
 
apostilasociedadedainformaoeculturadigital-140106142103-phpapp01.pdf
apostilasociedadedainformaoeculturadigital-140106142103-phpapp01.pdfapostilasociedadedainformaoeculturadigital-140106142103-phpapp01.pdf
apostilasociedadedainformaoeculturadigital-140106142103-phpapp01.pdf
TÂMARA FRANCIELLE BR Tâmara Brito
 
comunicação em rede. e nós com isso
 comunicação em rede. e nós com isso comunicação em rede. e nós com isso
comunicação em rede. e nós com isso
Márcia Marques
 
O estudo do meio meio -Teoria da Comunicação McLuhan.pptx
O estudo do meio meio -Teoria da Comunicação McLuhan.pptxO estudo do meio meio -Teoria da Comunicação McLuhan.pptx
O estudo do meio meio -Teoria da Comunicação McLuhan.pptx
Silhooper
 
Artigo texto sobre . tecnologia texto.pdf
Artigo texto sobre . tecnologia texto.pdfArtigo texto sobre . tecnologia texto.pdf
Artigo texto sobre . tecnologia texto.pdf
laizeoliveira10
 
O impacto das novas tecnologias na sociedade
O impacto das novas tecnologias na sociedadeO impacto das novas tecnologias na sociedade
O impacto das novas tecnologias na sociedade
Celi Jandy Moraes Gomes
 
Cibervias
CiberviasCibervias
Cibervias
Maracy Guimaraes
 
LEVY, Pierre (1998) - Tecnologias da Inteligência
LEVY, Pierre (1998) - Tecnologias da InteligênciaLEVY, Pierre (1998) - Tecnologias da Inteligência
LEVY, Pierre (1998) - Tecnologias da Inteligência
Fabio Pedrazzi
 
Hermes cap. 1 - do cavalo de tróia ao wikileaks. os estilhaços do poder no ...
Hermes   cap. 1 - do cavalo de tróia ao wikileaks. os estilhaços do poder no ...Hermes   cap. 1 - do cavalo de tróia ao wikileaks. os estilhaços do poder no ...
Hermes cap. 1 - do cavalo de tróia ao wikileaks. os estilhaços do poder no ...
claudiocpaiva
 
Novas tecnologias, novos modos de viver
Novas tecnologias, novos modos de viverNovas tecnologias, novos modos de viver
Novas tecnologias, novos modos de viver
pricaevaristo
 
Comunicação e tecnologias - tensões e possibilidades 2015
Comunicação e tecnologias - tensões e possibilidades 2015Comunicação e tecnologias - tensões e possibilidades 2015
Comunicação e tecnologias - tensões e possibilidades 2015
Sebastião Squirra
 
Fluxos de ideias e informação
Fluxos de ideias e informaçãoFluxos de ideias e informação
Fluxos de ideias e informação
rdbtava
 
Tecnologia e educação
Tecnologia e educaçãoTecnologia e educação
Tecnologia e educação
richard_romancini
 
Arqueologia da mídia
Arqueologia da mídiaArqueologia da mídia
Arqueologia da mídia
Aline Corso
 
Filosofia da tecnologia, limites, e evolução tecnológica
Filosofia da tecnologia, limites, e evolução tecnológicaFilosofia da tecnologia, limites, e evolução tecnológica
Filosofia da tecnologia, limites, e evolução tecnológica
Ulysses Varela
 
Cenários e perspectivas da EaD no Brasil, por Wilsa Ramos (2013)
Cenários e perspectivas da EaD no Brasil, por Wilsa Ramos (2013)Cenários e perspectivas da EaD no Brasil, por Wilsa Ramos (2013)
Cenários e perspectivas da EaD no Brasil, por Wilsa Ramos (2013)
Wilsa Ramos
 
Ebook rsc
Ebook rscEbook rsc
TRUQUENOLOGIA – ELEMENTOS PARA SE PENSAR UMA TEORIA DA GAMBIARRA TECNOLÓGICA
TRUQUENOLOGIA – ELEMENTOS PARA SE PENSAR UMA TEORIA  DA   GAMBIARRA TECNOLÓGICATRUQUENOLOGIA – ELEMENTOS PARA SE PENSAR UMA TEORIA  DA   GAMBIARRA TECNOLÓGICA
TRUQUENOLOGIA – ELEMENTOS PARA SE PENSAR UMA TEORIA DA GAMBIARRA TECNOLÓGICA
marketinghacker
 
Truquenologia post it
Truquenologia post itTruquenologia post it
Truquenologia post it
hernani dimantas
 

Semelhante a Filosofia da Tecnologia e Estudos Culturais - As tecnologias não são neutras. (20)

Seminário "Ciência da Informação: objeto, problemas"
Seminário "Ciência da Informação: objeto, problemas"Seminário "Ciência da Informação: objeto, problemas"
Seminário "Ciência da Informação: objeto, problemas"
 
Diversidadecibernetica
DiversidadeciberneticaDiversidadecibernetica
Diversidadecibernetica
 
apostilasociedadedainformaoeculturadigital-140106142103-phpapp01.pdf
apostilasociedadedainformaoeculturadigital-140106142103-phpapp01.pdfapostilasociedadedainformaoeculturadigital-140106142103-phpapp01.pdf
apostilasociedadedainformaoeculturadigital-140106142103-phpapp01.pdf
 
comunicação em rede. e nós com isso
 comunicação em rede. e nós com isso comunicação em rede. e nós com isso
comunicação em rede. e nós com isso
 
O estudo do meio meio -Teoria da Comunicação McLuhan.pptx
O estudo do meio meio -Teoria da Comunicação McLuhan.pptxO estudo do meio meio -Teoria da Comunicação McLuhan.pptx
O estudo do meio meio -Teoria da Comunicação McLuhan.pptx
 
Artigo texto sobre . tecnologia texto.pdf
Artigo texto sobre . tecnologia texto.pdfArtigo texto sobre . tecnologia texto.pdf
Artigo texto sobre . tecnologia texto.pdf
 
O impacto das novas tecnologias na sociedade
O impacto das novas tecnologias na sociedadeO impacto das novas tecnologias na sociedade
O impacto das novas tecnologias na sociedade
 
Cibervias
CiberviasCibervias
Cibervias
 
LEVY, Pierre (1998) - Tecnologias da Inteligência
LEVY, Pierre (1998) - Tecnologias da InteligênciaLEVY, Pierre (1998) - Tecnologias da Inteligência
LEVY, Pierre (1998) - Tecnologias da Inteligência
 
Hermes cap. 1 - do cavalo de tróia ao wikileaks. os estilhaços do poder no ...
Hermes   cap. 1 - do cavalo de tróia ao wikileaks. os estilhaços do poder no ...Hermes   cap. 1 - do cavalo de tróia ao wikileaks. os estilhaços do poder no ...
Hermes cap. 1 - do cavalo de tróia ao wikileaks. os estilhaços do poder no ...
 
Novas tecnologias, novos modos de viver
Novas tecnologias, novos modos de viverNovas tecnologias, novos modos de viver
Novas tecnologias, novos modos de viver
 
Comunicação e tecnologias - tensões e possibilidades 2015
Comunicação e tecnologias - tensões e possibilidades 2015Comunicação e tecnologias - tensões e possibilidades 2015
Comunicação e tecnologias - tensões e possibilidades 2015
 
Fluxos de ideias e informação
Fluxos de ideias e informaçãoFluxos de ideias e informação
Fluxos de ideias e informação
 
Tecnologia e educação
Tecnologia e educaçãoTecnologia e educação
Tecnologia e educação
 
Arqueologia da mídia
Arqueologia da mídiaArqueologia da mídia
Arqueologia da mídia
 
Filosofia da tecnologia, limites, e evolução tecnológica
Filosofia da tecnologia, limites, e evolução tecnológicaFilosofia da tecnologia, limites, e evolução tecnológica
Filosofia da tecnologia, limites, e evolução tecnológica
 
Cenários e perspectivas da EaD no Brasil, por Wilsa Ramos (2013)
Cenários e perspectivas da EaD no Brasil, por Wilsa Ramos (2013)Cenários e perspectivas da EaD no Brasil, por Wilsa Ramos (2013)
Cenários e perspectivas da EaD no Brasil, por Wilsa Ramos (2013)
 
Ebook rsc
Ebook rscEbook rsc
Ebook rsc
 
TRUQUENOLOGIA – ELEMENTOS PARA SE PENSAR UMA TEORIA DA GAMBIARRA TECNOLÓGICA
TRUQUENOLOGIA – ELEMENTOS PARA SE PENSAR UMA TEORIA  DA   GAMBIARRA TECNOLÓGICATRUQUENOLOGIA – ELEMENTOS PARA SE PENSAR UMA TEORIA  DA   GAMBIARRA TECNOLÓGICA
TRUQUENOLOGIA – ELEMENTOS PARA SE PENSAR UMA TEORIA DA GAMBIARRA TECNOLÓGICA
 
Truquenologia post it
Truquenologia post itTruquenologia post it
Truquenologia post it
 

Mais de Comunicação Integrada - Cursos e Soluções (Isabela Pimentel)

Visão do campo da comunicação na lógica de Bourdieu
Visão do campo da comunicação na lógica de BourdieuVisão do campo da comunicação na lógica de Bourdieu
Visão do campo da comunicação na lógica de Bourdieu
Comunicação Integrada - Cursos e Soluções (Isabela Pimentel)
 
Disinformation & Everyday Digital Labor- Analysis of Ong and Grohman Framework
Disinformation & Everyday Digital Labor- Analysis of Ong and Grohman FrameworkDisinformation & Everyday Digital Labor- Analysis of Ong and Grohman Framework
Disinformation & Everyday Digital Labor- Analysis of Ong and Grohman Framework
Comunicação Integrada - Cursos e Soluções (Isabela Pimentel)
 
How to Counter Scientific Disinformation ?
How to Counter Scientific Disinformation ?How to Counter Scientific Disinformation ?
How to Counter Scientific Disinformation ?
Comunicação Integrada - Cursos e Soluções (Isabela Pimentel)
 
Modelo de Plano de comunicação ágil
Modelo de Plano de comunicação ágilModelo de Plano de comunicação ágil
Case de Comunicação Integrada- Influenciadores do mercado literário
Case de Comunicação Integrada- Influenciadores do mercado literárioCase de Comunicação Integrada- Influenciadores do mercado literário
Case de Comunicação Integrada- Influenciadores do mercado literário
Comunicação Integrada - Cursos e Soluções (Isabela Pimentel)
 
Escopo da área de comunicação
Escopo da área de comunicaçãoEscopo da área de comunicação
Planejamento de Comunicaçção para Agências
Planejamento de Comunicaçção para AgênciasPlanejamento de Comunicaçção para Agências
Planejamento de Comunicaçção para Agências
Comunicação Integrada - Cursos e Soluções (Isabela Pimentel)
 
Como colocar o planejado na rotina?
Como colocar o planejado na rotina?Como colocar o planejado na rotina?
MODELO DE PLANO DE COMUNICAÇÃO PROJETO
MODELO DE PLANO DE COMUNICAÇÃO PROJETOMODELO DE PLANO DE COMUNICAÇÃO PROJETO
Plano de comunicação para um projeto - exemplo
Plano de comunicação para um projeto - exemploPlano de comunicação para um projeto - exemplo
Plano de comunicação para um projeto - exemplo
Comunicação Integrada - Cursos e Soluções (Isabela Pimentel)
 
Como desenvolver uma estratégia de comunicação para 2023?
Como desenvolver uma estratégia de comunicação para 2023?Como desenvolver uma estratégia de comunicação para 2023?
Como desenvolver uma estratégia de comunicação para 2023?
Comunicação Integrada - Cursos e Soluções (Isabela Pimentel)
 
Metodologia da Comunicação Integrada
Metodologia da Comunicação IntegradaMetodologia da Comunicação Integrada
Conheça o Grau de Integração da Comunicação
Conheça o Grau de Integração da ComunicaçãoConheça o Grau de Integração da Comunicação
Conheça o Grau de Integração da Comunicação
Comunicação Integrada - Cursos e Soluções (Isabela Pimentel)
 
Gestão da Comunicação Integrada
Gestão da Comunicação IntegradaGestão da Comunicação Integrada
Relatório de Tendências Spotfy 2022
Relatório de Tendências Spotfy 2022Relatório de Tendências Spotfy 2022
Modelo de Plano de Comunicação Integrada
Modelo de Plano de Comunicação IntegradaModelo de Plano de Comunicação Integrada
Modelo de Plano de Comunicação Integrada
Comunicação Integrada - Cursos e Soluções (Isabela Pimentel)
 
Modelo de Plano de Comunicação
Modelo de Plano de Comunicação Modelo de Plano de Comunicação
Dinâmica de Gestão de riscos, eventos críticos e crises
Dinâmica de Gestão de riscos, eventos críticos e crisesDinâmica de Gestão de riscos, eventos críticos e crises
Dinâmica de Gestão de riscos, eventos críticos e crises
Comunicação Integrada - Cursos e Soluções (Isabela Pimentel)
 
Mapa da Comunicação Integrada e Estratégica
Mapa da Comunicação Integrada e EstratégicaMapa da Comunicação Integrada e Estratégica
Mapa da Comunicação Integrada e Estratégica
Comunicação Integrada - Cursos e Soluções (Isabela Pimentel)
 
Pilares do conteúdo de sucesso
Pilares do conteúdo de sucessoPilares do conteúdo de sucesso

Mais de Comunicação Integrada - Cursos e Soluções (Isabela Pimentel) (20)

Visão do campo da comunicação na lógica de Bourdieu
Visão do campo da comunicação na lógica de BourdieuVisão do campo da comunicação na lógica de Bourdieu
Visão do campo da comunicação na lógica de Bourdieu
 
Disinformation & Everyday Digital Labor- Analysis of Ong and Grohman Framework
Disinformation & Everyday Digital Labor- Analysis of Ong and Grohman FrameworkDisinformation & Everyday Digital Labor- Analysis of Ong and Grohman Framework
Disinformation & Everyday Digital Labor- Analysis of Ong and Grohman Framework
 
How to Counter Scientific Disinformation ?
How to Counter Scientific Disinformation ?How to Counter Scientific Disinformation ?
How to Counter Scientific Disinformation ?
 
Modelo de Plano de comunicação ágil
Modelo de Plano de comunicação ágilModelo de Plano de comunicação ágil
Modelo de Plano de comunicação ágil
 
Case de Comunicação Integrada- Influenciadores do mercado literário
Case de Comunicação Integrada- Influenciadores do mercado literárioCase de Comunicação Integrada- Influenciadores do mercado literário
Case de Comunicação Integrada- Influenciadores do mercado literário
 
Escopo da área de comunicação
Escopo da área de comunicaçãoEscopo da área de comunicação
Escopo da área de comunicação
 
Planejamento de Comunicaçção para Agências
Planejamento de Comunicaçção para AgênciasPlanejamento de Comunicaçção para Agências
Planejamento de Comunicaçção para Agências
 
Como colocar o planejado na rotina?
Como colocar o planejado na rotina?Como colocar o planejado na rotina?
Como colocar o planejado na rotina?
 
MODELO DE PLANO DE COMUNICAÇÃO PROJETO
MODELO DE PLANO DE COMUNICAÇÃO PROJETOMODELO DE PLANO DE COMUNICAÇÃO PROJETO
MODELO DE PLANO DE COMUNICAÇÃO PROJETO
 
Plano de comunicação para um projeto - exemplo
Plano de comunicação para um projeto - exemploPlano de comunicação para um projeto - exemplo
Plano de comunicação para um projeto - exemplo
 
Como desenvolver uma estratégia de comunicação para 2023?
Como desenvolver uma estratégia de comunicação para 2023?Como desenvolver uma estratégia de comunicação para 2023?
Como desenvolver uma estratégia de comunicação para 2023?
 
Metodologia da Comunicação Integrada
Metodologia da Comunicação IntegradaMetodologia da Comunicação Integrada
Metodologia da Comunicação Integrada
 
Conheça o Grau de Integração da Comunicação
Conheça o Grau de Integração da ComunicaçãoConheça o Grau de Integração da Comunicação
Conheça o Grau de Integração da Comunicação
 
Gestão da Comunicação Integrada
Gestão da Comunicação IntegradaGestão da Comunicação Integrada
Gestão da Comunicação Integrada
 
Relatório de Tendências Spotfy 2022
Relatório de Tendências Spotfy 2022Relatório de Tendências Spotfy 2022
Relatório de Tendências Spotfy 2022
 
Modelo de Plano de Comunicação Integrada
Modelo de Plano de Comunicação IntegradaModelo de Plano de Comunicação Integrada
Modelo de Plano de Comunicação Integrada
 
Modelo de Plano de Comunicação
Modelo de Plano de Comunicação Modelo de Plano de Comunicação
Modelo de Plano de Comunicação
 
Dinâmica de Gestão de riscos, eventos críticos e crises
Dinâmica de Gestão de riscos, eventos críticos e crisesDinâmica de Gestão de riscos, eventos críticos e crises
Dinâmica de Gestão de riscos, eventos críticos e crises
 
Mapa da Comunicação Integrada e Estratégica
Mapa da Comunicação Integrada e EstratégicaMapa da Comunicação Integrada e Estratégica
Mapa da Comunicação Integrada e Estratégica
 
Pilares do conteúdo de sucesso
Pilares do conteúdo de sucessoPilares do conteúdo de sucesso
Pilares do conteúdo de sucesso
 

Último

Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
ClaudiaMainoth
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Pedro Luis Moraes
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
SthafaniHussin1
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 

Último (20)

Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 

Filosofia da Tecnologia e Estudos Culturais - As tecnologias não são neutras.

  • 1. Doutorado em Comunicação Social Tópicos Especiais em Comunicação e Experiência - 21 de Março de 2024 Cibercultura e Interações Digitais Professora: Dra. Adriana Braga Discente: Isabela Duarte Pimentel Matrícula: 2412674 Comunicação, tecnologias e a ilusão da neutralidade
  • 2. Apresentação • xxxxxxxx Com tantas ferramentas, acabamos perdendo a noção dos aspectos sociais, culturais, políticos e econômicos das tecnologias que fazem parte da ‘vida moderna’ e caímos em uma visão instrumental. Nesta breve apresentação, inspirada na Teoria Crítica da Tecnologia, de Feenberg, vou apresentar como um ‘simples’ canal, como o telégrafo, nos permite recontar as histórias que costumamos ouvir sobre a neutralidade dos meios de comunicação e uma ótica voltada para o fetichismo tecnológico. Muito mais que ‘transmissão de sinais’, esse ‘meio de comunicação’, associado a um contexto socioeconômico e político, alterou a vida de indivíduos, populações, países, relações comerciais e a noção do tempo . Todo canal envolve tecnologia e ideologia (J.W Carey) Terminaremos essa viagem sobre tecnologia, visão integrada de contexto, cultura e a comunicação como um ritual, debatendo as transformações que a cidade trouxe, na ótica de George Simmel. Imagem: Copilot - Bing
  • 3. 1.Os impactos do surgimento de um novo canal são apenas tecnológicos? 2.Quando surge um novo ‘meio’, que revoluções ocorrem nas mentes e nas cidades (Simmel)? 3. Por qual razão ainda estudamos Comunicação na lógica instrumentalista e do fetichismo tecnológico? 4. Podemos falar de tecnologias neutras? Questões norteadoras
  • 4. Contexto histórico O telégrafo pode parecer apenas um objeto ou um meio de comunicação, mas, vai além disso. Ele e sua história nos contam muito sobre a forma como ainda encaramos os meios de comunicação e as tecnologias atuais. Vamos conhecer os estudos de Carey sobre tecnologia e ideologia. Imagem: Mundo e Educação
  • 5. Sobre o telégrafo Telégrafo é um aparelho que era utilizado para a comunicação em partes do século XIX e do século XX. Esse equipamento utilizava a energia elétrica para enviar pulsos na corrente que eram interpretados por meio de um código que usava pontos e linhas. O inventor desse meio de comunicação e do código que era usado no envio das mensagens foi o professor Samuel Morse, em 1837. Imagem: Mundo e Educação
  • 6. Abordagem cultural da Comunicação em James Carey • Sobre o autor: Carey nasceu em Providence, nos EUA, em 1934, e faleceu em maio de 2006. No início da sua carreira foi professor na Universidade de Iowa, indo depois para a Universidade de Illinois. • Linha Teórica: A Perspectiva cultural / ritual de James W. Carey é expoente dos estudos culturais críticos nos EUA, para pensar a Comunicação. • A partir de meados dos anos de 1960, integrou o movimento de contestação à hegemonia dos modelos de estudo da sociedade e da Comunicação inspirados pelos métodos das ciências naturais, propondo uma abordagem cultural ou ritual da Comunicação.
  • 7. Duas visões de Carey sobre a comunicação • Modelo transmissivo: foca na passagem da informação do emissor para o receptor. É um modelo bem linear, matemático. • Modelo Ritual: "comunicação é um processo simbólico onde a realidade é produzida, mantida, reparada e transformada" (CAREY, [1975] 1992a, p.23). Imagem: Copilot - Bing
  • 8. Contexto histórico do surgimento do telégrafo O telégrafo tem sido objeto de estudos que tendem a privilegiar, sobretudo, a história da tecnologia, o contexto é deixado de lado. James W. Carey, no seu ensaio “Technology and Ideology”, propõe uma abordagem bem diferente e interessante. As análises históricas tradicionais sobre o telégrafo tendiam a se concentrarem na narrativa do dispositivo técnico e das suas utilizações.
  • 9. O Império do Sinal • O telégrafo teria sido uma das condições para a separação da comunicação do transporte (a pé, cavalo ou por estradas), fornecendo uma comunicação por meio de sinais, que ganha uma ar de mistério e até mesmo crença. • Além das questões econômicas, Carey traz outras camadas em sua análise: por um lado, sobre o universo simbólico, por outro, sobre o mundo econômico. Outras mudanças: 1. Linguagem escrita; 2. Velocidade na transmissão da informação; 3. Conexão comercial entre regiões; 4. Desenvolvimento econômico e surgimento de impérios. Imagem: Copilot - Bing
  • 10. Conexão entre tecnologia e ideologi • Transmissão elétrica era envolta em uma aura de mistério, algo que conectava material e espiritual; • Telégrafo representa mistério do dualismo mente- corpo e coloca foco de energia vital no reino da mente, no mundo imaterial. Imagem: Copilot - Bing
  • 11. Sistema nervoso x metáforas orgâ “O telégrafo permitiu o desenvolvimento, na metáfora favorita da época, de um sistema nervoso social encefálico, onde os sinais vitais estavam separados da musculatura. Foram o telégrafo e a ferrovia – a construção real e dolorosa de um sistema integrado – que forneceram a porta de entrada para as metáforas orgânicas que dominaram o pensamento do século XIX.” p.314 Imagem: Copilot - Bing
  • 12. O ritmo telegráfico das mensagens “Como as palavras eram caras no telégrafo (...) não só a escrita deveria ser condensada para economizar dinheiro”. P.311 “O telégrafo alterou a escrita literária - Levou a um jornalismo sem o luxo de detalhes e análises”. P.311 O telégrafo não só permitiu que as mensagens fossem separadas do movimento físico dos objetos; também permitiu a comunicação para controlar ativamente os processos físicos. P.305
  • 13. Além da tecnologia, telégrafo envolveu: • Descontextualização dos mercados (trocas não ocorrem mais pessoalmente); • Fortalecimento de novos pólos comerciais; • Os preços já não dependiam de fatores locais de oferta e procura, mas se relacionavam às forças nacionais e internacionais; • Padronização dos horários locais (Standard time zones); • Alusão à perda da aura – Franklin (A obra de arte na era da reprodutibilidade técnica, 1935); • Mudança na concepção do tempo na vida real de pessoas comuns.
  • 14. O tempo mudou! A vida também! Imagem 3 – criada com Copilot, AI do Bing, em 12/3/2024 – 18h35 “As concepções modernas de tempo estão tão profundamente enraizadas na nossa consciência que a cena do trabalhador, receber um relógio na aposentadoria é grotesco e cômico. Ele recebe um relógio quando a necessidade de contar as horas termina. Ele recebe um relógio como homenagem por ter aprendido a lição mais difícil do trabalhador: saber as horas. O relógio coordenou a fábrica industrial; a grade do tempo coordenou, através do telégrafo, a nação industrial. O telégrafo, então, não apenas alterou a relação entre comunicação e transporte (...) também mudou as formas fundamentais pelas quais a comunicação era pensada”. P.323
  • 15. Mesmo depois do telégrafo, ainda hoje acreditamos em tecnologias neutras e desenraizadas de uma sociedade, sua história, contexto e cultural.... E para isso, precisamos pensar na Filosofia da Tecnologia.
  • 16. • Andrew Feenberg é um filósofo canadense que se destaca principalmente por seu filosofia da tecnologia e estudos de ciência, sociedade (CTS). • Ele nasceu em 1943 e é conhecido por suas para a compreensão das interações entre sociedade, bem como para o desenvolvimento da crítica da tecnologia. • Currículo: professor de Filosofia na Escola Simon Fraser University, em Vancouver, também é membro do programa de Mestrado em Tecnologia e Sociedade. • Destacou-se com a publicação de uma série de ligados à filosofia da tecnologia, dentre os technology (1999) e Transforming Imagem: Simon Fraser University
  • 17. A Filosofia da Tecnologia Conferência pronunciada para estudantes universitários de Komaba - Japão, em junho, 2003. a racionalidade tecno cientifica se tornou uma nova cultura “Na medida em que uma tal sociedade é tecnológica em suas bases, os assuntos que se levantam neste questionamento maior pertencem ao campo da filosofia da tecnologia”. P.1 Imagem: Rabiscos da História
  • 18. A filosofia da tecnologia • Dilema dos tempos modernos - ciência, ao invés de revelar as essências no antigo sentido grego do termo, responde à pergunta sobre como funciona p.4 • Hoje ciência tem visão puramente instrumental. • Dizemos que a tecnologia é neutra, significando que ela não tem nenhuma preferência entre os vários usos possíveis aos quais pode ser aplicada. Esta é a filosofia instrumentalista da tecnologia, que é um tipo de produto espontâneo de nossa civilização. Imagem: Rabiscos da História
  • 19. Crise epistêmica • “Crise da civilização da qual não parece haver saída, pois sabemos como chegar lá mas não sabemos por que estamos indo e nem mesmo para onde estamos indo” • “A filosofia da tecnologia atual não se constitiu como uma crítica da modernidade”. (página 6) Imagem: Rabiscos da História
  • 20. Três Classificações da Tecnologia Tecnologias autônomas: as tecnologias tem vida própria ou são humanamente controláveis. Instrumentalismo - Esta é a visão segundo a qual a tecnologia é simplesmente uma ferramenta ou instrumento da espécie humana através do qual satisfazemos nossas necessidades. Determinismo histórico -Marx - o avanço tecnológico é a força motriz da história. Os deterministas tecnológicos argumentam em geral que a tecnologia utiliza o avanço do conhecimento do mundo natural para servir às características universais da natureza humana.
  • 21. Teorias sobre a tecnologia • “Substantivismo" foi escolhido para descrever uma posição que atribui valores substantivos à tecnologia, em contraste com as visões do instrumentalismo e do determinismo, que vêm a tecnologia como intrinsecamente neutra. • Uso da tecnologia com valor -. O uso da tecnologia para este ou aquele propósito seria, por si só, uma escolha específica de valor, e não apenas uma forma mais eficiente de realizar algum tipo de valor pré-existente. P.7 • Teoria Crítica da Tecnologia - A teoria crítica da tecnologia sustenta que os seres humanos não precisam esperar um Deus para transformar a sua sociedade tecnológica em um lugar melhor para se viver. Vê na tecnologia uma promessa para aumentar a liberdade. O problema não está na tecnologia como tal, mas em nosso fracasso até o momento em criar instituições apropriadas ao exercício do controle humano sobre ela. p.9 Imagem: Rabiscos da História
  • 22. Valores da tecnologia são socialmente construídos • De acordo com Teoria Crítica, os valores incorporados na tecnologia são socialmente especificados e não são representados adequadamente por abstrações . • A tecnologia emoldura não apenas um estilo de vida, mas muitos possíveis estilos diferentes, cada um refletindo diferentes escolhas de design e diferentes extensões da mediação tecnológica. • As tecnologias não são instrumentos neutros.
  • 23. Simmel • As grandes cidades e a vida do espírito (1903) • O fundamento psicológico da cidade grande é intensificação da vida nervosa = resulta da mudança rápida e ininterrupta de impressões interiores e exteriores. P.1 • Mudanças de vida na grande cidade - concentração de imagens em mudança, o intervalo ríspido no interior daquilo que se compreende com um olhar, o caráter inesperado das impressões que se impõem. P.2 • Princípio Monetário / Individualidade = trocas sem conexão. Imagem: Rabiscos da História
  • 24. Sobre George Simmel • Georg Simmel nasceu em Berlim, Alemanha, no dia 1 de março de 1858. • Foi o fundador da Sociologia das Formas Sociais, tendo estudado as formas de socialização ou das relações sociais. Imagem: Ebiografia
  • 25. Mudanças • Separação entre os produtores, do campo e quem consome seus produtos; • Redução dos sentimentos e do convívio, foco em trocas, cálculos – afrouxamento das relações sociais; • Talvez não haja nenhum fenômeno anímico que seja reservado de modo tão incondicional à cidade grande como o caráter blasé. P.5 • Espírito objetivo sobre o espírito subjetivo, isto é, tanto na linguagem como no direito, tanto na técnica de produção como na arte, tanto na ciência como nos objetos do âmbito doméstico encarna-se uma soma de espírito, cujo crescimento diário é acompanhado à distância cada vez maior e de modo muito incompleto pelo desenvolvimento espiritual dos sujeitos. P.11 • A atrofia da cultura individual mediante a hipertrofia da cultura Imagem: Gazeta Filosófica
  • 26. Referências • Setubal, F. Intercom, Rev. Bras. Ciênc. Comun. 37 (1) • Jun 2014 • https://doi.org/10.1590/S1809-58442014000100002 Disponível em https://www.scielo.br/j/interc/a/6nNFF5bGkHtGbBWSRV9rSTL/# Acesso em 15/3/2024 • Simmel, G. As grandes cidades e a vida do espírito. Mana. Rio de Janeiro, v. 11, n. 2, pp. 557-591. Disponível em https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/116682/mod_resource/content/1/Simmel%2 0-%20Grandes%20cidades.pdf Acesso em 12/03/2024 • FEENBERG, A. O que é a filosofia da tecnologia? In: NEDER, R. T. A teoria crítica de Andrew Feenberg: racionalização democrática, poder e tecnologia. 2ª, Brasília: Observatório do Movimento pela Tecnologia Social na América Latina/CDS/UnB/Capes, 2013a. p. 49-66. Acesso em 12/03/2024 • Carey. J.w. Technology and Ideology: The Case of the Telegraph. Disponível em http://blog.wbkolleg.unibe.ch/wp-content/uploads/Carey.pdf Acesso em 12/03/2024 • Mariconda, M. Entrevista com Andrew Feenberg. Disponível em https://www.scielo.br/j/ss/a/gyKGFbbrNCpcyP97T6S77NL/?lang=pt Acesso em 15/03/2024. Imagem: Gazeta Filosófica