SlideShare uma empresa Scribd logo
Grupo de Pesquisa Mídias,
Dados e Tecnologia
Professor: Marcelo Alves
Discente: Isabela Duarte
Pimentel
Counter Messaging Strategies
Case Study 5
Bateman & Jackson
Psychological Underpinnings of
Misinformation Countermeasures
Ziemer & Rothmund
“There is strong
evidence that truthful
communications
campaigns designed to
engage people on a
narrative and
psychological level
are more effective
than facts alone”
[p.43]
Conceito de contra estratégias
O que são? Campanhas de comunicação que visam
competir com a desinformação e substituir uma
história falsa por uma história verdadeira,
tanto em nível das narrativas, quanto em
aspectos psicológicos.
Dados: estudos comprovam que contra
estratégias funcionam melhor do que a mera
checagem dos fatos e refutação de notícias
falsas.
Linguagem da contra resposta precisa ter
empatia e evitar ‘repisar o erro’.
O campo dos contradiscursos
Disciplinas como a Psicologia Social, a
Ciência Política, a comunicação, a
publicidade e os estudos de mídia
investigaram questões relevantes para as
contra-mensagens.
Os campos que têm estado sujeitos à
desinformação persistente - como a saúde
pública e a ciência climática - também
dedicaram muita atenção às contra
mensagens nos últimos anos.
Os estudos baseados em inquéritos ou
experiências de laboratórios são comuns,
mas não refletem totalmente a reação das
audiências em contextos mais naturais.
Propósito
1. São implementadas com o objetivo
específico de combater a
desinformação;
2. Precisam ir além dos apelos
puramente racionais, como a
verificação de fatos;
3. Ao mudar o quadro narrativo em
torno de uma questão ou tema
específico, com táticas de
conteúdo concebido para ressoar, as
contra-mensagens têm como objetivo
tornar o público mais aberto aos
fatos e menos disposto a acatar
mensagens sensacionalistas.
Desafios
1. Tempo que se leva para produzir
checagem;
2. Mecanismos de distribuição e
segmentação da audiência;
3. Investimentos;
4. Uso de IA e tecnologias para
rotulagem de conteúdo (labeling
content).
Evidências
• Há fortes indícios de que as campanhas de
comunicação concebidas para envolver as
pessoas a nível narrativo e psicológico
são mais eficazes do que apenas os fatos.
• Ao entender os sentimentos e ideias mais
profundos que tornam as afirmações falsas
apelativas, as estratégias de contra
mensagem têm o potencial de cativar
públicos mais difíceis de se alcançar.
• No entanto, o sucesso depende da
interação complexa de diversos fatores.
Perspectiva granular
As melhores
campanhas de Counter
strategies utilizam
uma análise
cuidadosa da
audiência para
selecionar os
mensageiros, os
meios, os temas e os
estilos mais
ressonantes - mas
este é um processo
dispendioso, cujo
êxito é difícil de
mensurar!
Contra
mensagem
Mensagem
Mensageiros
/emissores
Estilo e tom
Meio
Meio móvel =
Perfis de
redes sociais
mais
Suscetíveis
Exemplos
• Recrutamento de médicos locais
como ‘porta-vozes’, com base na
premissa de que muitas pessoas
confiam mais nos seus médicos de
família do que nas autoridades
nacionais de Saúde;
• As campanhas de mensagens
públicas relacionadas com a
vacina também estabeleceram
parcerias com líderes religiosos
cristãos, judeus e muçulmanos
para chegar às comunidades
religiosas em Israel, no Reino
Unido e nos Estados Unidos.
Métricas e indicadores: dificuldade de avaliar
as contra estratégias
É bem difícil articular
conhecimentos e recursos para
avaliar o impacto do trabalho
para além da utilização de
métricas de envolvimento e
engajamento nas redes sociais.
Redução do alcance de um
conteúdo, em recorte temporal
pós-campanha, pode ser um
indicador de sucesso para
estratégias de contra resposta?
Estudos de caso
• Estudos sobre o ceticismo em relação às
alterações climáticas concluíram que as
mensagens mais eficazes para contrariar a
desinformação oferecem aos indivíduos a
sensação de que podem tomar medidas
significativas, em oposição às mensagens
que focam no erro e consideram o público
burro.
• Uma análise das mensagens sobre saúde
pública concluiu que alguns segmentos da
audiência eram mais movidos por apelos
para se protegerem a si próprios ou aos
seus entes queridos do que por apelos à
responsabilidade social.
O caso da Covid-19 e os influenciadores locais
• Estudos realizados nas zonas rurais dos
Estados Unidos revelaram que os amigos e
familiares, as organizações comunitárias,
os líderes religiosos e os profissionais
de saúde eram os mensageiros mais
eficazes na resposta aos boatos sobre a
COVID-19.
• Na Índia, os profissionais de saúde e os
pares foram considerados os mais dignos
de confiança.
• Constatou-se o poder dos influenciadores
locais e informais.
Conteúdo orgânico x
campanhas oficiais do
Governo
Conteúdos orgânicos
utilizados para refutar
as afirmações e
narrativas extremistas
parecem mais
persuasivos do que os
conteúdos criados pelo
governo. [ P.47]
Escalabilidade
• A contra mensagem enfrenta
desafios de implementação devido
à sua natureza frequentemente
reativa.
• São campanhas que surgem
frequentemente em resposta a um
reconhecimento tardio, quando as
narrativas de desinformação já
ganharam força e impacto em
múltiplas plataformas.
• O tempo, velocidade e
escalabilidade dessas respostas
são outros desafios.
Limitações
A necessidade de adaptar as contra-
mensagens a um público e a um
contexto específicos dificulta o
escalonamento.
Para atingir grandes audiências
pode ser necessário dividi-las em
subpopulações identificáveis, cada
uma das quais receberia então a sua
própria investigação,
desenvolvimento de mensagens e
estratégias novas ou mesmo
concorrentes.
Optar por uma campanha mais
genérica e em grande escala pode
comprometer grande parte da
especificidade associada a uma
Psychological
Underpinnings
of
Misinformation
Countermeasure
s
Escopo do trabalho • Revisão sistemática sobre as bases
psicológicas que sustentam a crença em
informações incorretas e as
intervenções desenvolvidas para
combater sua aceitação e disseminação.
• Com um total de 170 casos analisados,
estudo busca integrar duas linhas de
pesquisa frequentemente separadas: as
razões psicológicas para a
susceptibilidade à desinformação e o
desenvolvimento de intervenções
eficazes contra ela.
Teorias sobre susceptibilidade à desinformação
Há expansão rápida da
pesquisa em intervenções
contra desinformação,
impulsionada não apenas por
esforços acadêmicos, mas
também por iniciativas
governamentais, não
governamentais e da sociedade
civil.
No entanto, uma grande parte
das intervenções (77,2%) não
está vinculada a nenhuma
teoria básica sobre a
susceptibilidade à
desinformação, sugerindo uma
desconexão entre a pesquisa
aplicada e a teórica.
Fundamentos psicológicos da desinformação
• Tem havido um esforço acadêmico
substancial para (a) investigar os
fundamentos psicológicos e razão pela
qual os indivíduos acreditam em
desinformação, e (b) desenvolver
intervenções que dificultem a sua
aceitação e disseminação.
• No entanto, há uma falta de
integração sistemática destas duas
linhas de investigação.
• A análise de dados da pesquisa
mostrou que a suscetibilidade à
desinformação é psicologicamente
explicada: raciocínio clássico e
motivado.
Fundamentos psicológicos da desinformação
Grande parte da investigação sobre a
desinformação psicológica tem-se centrado
em duas questões:
O que é que e o que torna os indivíduos
susceptíveis à desinformação?
Que intervenções podem ser desenvolvidas
para ajudar os indivíduos aa identificar
corretamente a desinformação ou a alterar
as percepções erradas existentes?
Dois processos relacionados à desinformação
Dois processos psicológicos principais
que aumentam a vulnerabilidade à
desinformação:
1. o processamento superficial;
2. o processamento seletivo.
Os dois conceitos
• O processamento superficial, dentro do
contexto do raciocínio clássico,
refere-se à utilização de atalhos
cognitivos ou heurísticas para chegar
a conclusões, o que pode levar a uma
maior probabilidade de acreditar em
desinformação.
• Já o raciocínio motivado caracteriza-
se por um processamento seletivo de
informações, guiado por objetivos que
não estão diretamente relacionados à
precisão, como a defesa da identidade
ou a resistência a mudanças, tornando-
se uma causa significativa da
susceptibilidade à desinformação.
Teoria do raciocínio motivado
O raciocínio motivado é discutido como uma das
principais causas da suscetibilidade à
desinformação (Nyhan & Reifler, 2019; van Bavel
et al., 2021)
A teoria do raciocínio motivado postula que o
processamento de informações é seletivo, não
verdadeiramente convergente e impulsionado por
objetivos distintos e independentes da
motivação para a precisão (Kahan, 2015; Kunda,
1990).
O raciocínio motivado pode ser a consequência
da experiência de altos níveis de motivação de
defesa devido à dissonância cognitiva
cognitiva, resistência à mudança ou ameaça à
identidade (verJonas et al., 2014).
Desafio 1 – falta de conexão teórica
Três das quatro intervenções no nosso
conjunto de dados não estão ligadas ao
raciocínio clássico e motivado ou a
qualquer teoria para explicar o seu
efeito.
A categoria de intervenção melhor
fundamentada na teoria, a inoculação, liga
o seu mecanismo de intervenção à teoria da
inoculação, uma teoria proeminente da
investigação da persuasão (Ivanov et al.,
2015),
Desafio 2 – poucos estudos sobre
raciocínio motivado
Embora o raciocínio motivado seja considerado uma
causa importante causa da suscetibilidade à
desinformação na investigação básica(Altay et al.,
2023), quase não é abordado por pesquisas.
Desafio 3 –
Generalização de
resultados fora dos
Estados Unidos
É crucial examinar as intervenções de desinformação
com amostras culturalmente mais diversificadas, uma
vez que 71,0% dos estudos da nossa amostra foram
realizados com amostras dos EUA e apenas dois estudos
em países do Sul Global, nomeadamente a Indonésia e a
Índia (Guess et al., 2020).
Alerta Importante
É preciso ter em conta que a
desinformação não é um mal-estar
individual, mas sim implementada
num contexto cultural e político
específico, com diferentes normas,
tradições, regras e necessidades.
Desafio 4 – Limitação de faixas etárias
A maioria das pesquisas (76%) no nosso conjunto
de dados foi testada em populações adultas.
Uma vez que existem provas preliminares e
evidências sobre a vulnerabilidade específica
dos cidadãos mais velhos à desinformação (Shu
et al., 2018), precisamos de mais intervenções
para este grupo-alvo.
Desafio 5 – longevidade dos efeitos
Resultados indicam que apenas 8,3% das
intervenções examinam efeitos a longo
prazo.
Este fato não é problemático para as pesquisas
que são especificamente direcionadas para
efeitos a curto prazo, como as intervenções de
nudging.
A investigação futura precisa incluir testes de
acompanhamento para medir apara medir a
longevidade dos efeitos e para identificar
intervalos razoáveis para as sessões de reforço
com base na lógica teórica da pesquisa.
Desafio 6 - interdisciplinariedade
A interdisciplinaridade pode
levar a linhas de
investigação desconexas
A investigação sobre a
intervenção na desinformação
envolve principalmente
ciência da comunicação,
seguida da psicologia e da
ciência política.
Formas de intervenção mapeadas
A força do fact checking
As pesquisas mais estudadas são as de
verificação de fatos, representando 62,1%
do conjunto de dados, seguidas por
reforço, incentivos, inoculação e gestão
de identidade.
Além disso, a revisão aponta para várias
lacunas e desafios na pesquisa de
intervenções contra desinformação,
incluindo a falta de conexão teórica, a
limitada abordagem contra o raciocínio
motivado, a generalização limitada dos
resultados fora dos Estados Unidos, a
escassez de estudos voltados para grupos
etários além dos adultos, o conhecimento
limitado sobre a durabilidade dos efeitos
das intervenções e a potencial
fragmentação da pesquisa devido à
interdisciplinaridade.
Uso de gamificação
Das 11 pesquisas sobre inoculação
estratégica, oito são
gamificadas.
BadNewsé um jogo de inoculação,
que coloca jogadores no papel de
um troll da desinformação nas
redes sociais, que recolhe o
maior número possível de
seguidores aplicando estratégias
típicas de desinformação para
tornar as publicações
potencialmente virais
(por exemplo, Basol et al., 2020;
Roozenbeek& van der Linden,
2019).
Conclusões
Necessidade de um enfoque mais
integrado e fundamentado
teoricamente na pesquisa de
intervenções contra desinformação,
bem como a importância de
considerar as condições contextuais
e culturais específicas na
avaliação da eficácia das
intervenções.
Sugere-se que uma combinação de
diferentes intervenções, adaptadas
às necessidades narrativas e
psicológicas específicas do
público, pode ser a chave para
aumentar a resiliência contra a
desinformação.
Referências
Psychological Underpinnings of
Misinformation Countermeasures
Carolin-Theresa Ziemer & Tobias Rothmund
Counter Messages Strategy –
Bateman & Jackson
1.Jacob Davey, Henry Tuck, and Amarnath Amarasingam, “An Imprecise
Science: Assessing Interventions for the Prevention, Disengagement and
De-radicalisation of Left and Right-Wing Extremists,” Institute for Strategic
Dialogue, 2019, https://www.isdglobal.org/isd-publications/an-
imprecisescience-
assessing-interventions-for-the-prevention-disengagement-andde-
radicalisation-of-left-and-right-wing-extremists /.
2.Rachel Brown and Laura Livingston, “Counteracting Hate and Dangerous
Speech Online: Strategies and Considerations,” Toda Peace Institute,
March 2019, https://toda.org/assets/files/resources/policy-briefs/tpb-
34_brown-and-livingston_counteracting-hate-and-dangerous-speechonline.
pdf.
3. Benjamin J. Lee, “Informal Countermessaging: The Potential and Perils
of Informal Online Countermessaging,” Studies in Conflict & Terrorism
42 (2018): https://www.tandfonline.com/doi/full/10.1080/105761
0X.2018.1513697.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a How to Counter Scientific Disinformation ?

Puericultura em Angola
Puericultura em AngolaPuericultura em Angola
Educação e saúde (leonardo)
Educação e saúde (leonardo)Educação e saúde (leonardo)
Educação e saúde (leonardo)
Leonardo Savassi
 
Educação e saúde
Educação e saúde Educação e saúde
Educação e saúde
Leonardo Savassi
 
Os meios de comunicação social na prevenção da SIDA
Os meios de comunicação social na prevenção da SIDAOs meios de comunicação social na prevenção da SIDA
Os meios de comunicação social na prevenção da SIDA
Andreia_Amaro
 
livro_familia e violência.pdf
livro_familia e violência.pdflivro_familia e violência.pdf
livro_familia e violência.pdf
AndersonSouzaCapacit
 
Equidade no Acesso ao Conhecimento em Saúde
Equidade no Acesso ao Conhecimento em SaúdeEquidade no Acesso ao Conhecimento em Saúde
Equidade no Acesso ao Conhecimento em Saúde
http://bvsalud.org/
 
2016 1_ebm_base histórica e científica_3
2016 1_ebm_base histórica e científica_32016 1_ebm_base histórica e científica_3
2016 1_ebm_base histórica e científica_3
Flora Couto
 
Habilidades de comunicação de más notícias
Habilidades de comunicação de más notíciasHabilidades de comunicação de más notícias
Habilidades de comunicação de más notícias
Luís Fernando Tófoli
 
Bullying em sobrepeso
Bullying em sobrepesoBullying em sobrepeso
Bullying em sobrepeso
Van Der Häägen Brazil
 
avaliacao_riscos.pdf
avaliacao_riscos.pdfavaliacao_riscos.pdf
avaliacao_riscos.pdf
Tomaz13
 
Avaliacao Riscos
Avaliacao RiscosAvaliacao Riscos
Avaliacao Riscos
Ricardo Akerman
 
Avaliacao riscos
Avaliacao riscosAvaliacao riscos
Avaliacao riscos
Bittec Eletrônica
 
Argumentação
ArgumentaçãoArgumentação
Argumentação
Solange Mendes
 
Estratégias de Custo-Benefício Favorável...
Estratégias de Custo-Benefício Favorável...Estratégias de Custo-Benefício Favorável...
Estratégias de Custo-Benefício Favorável...
Leandro Menezes Lopes
 
SEXUALIDADE E AUMENTO DO VIH EM ADULTOS MAIS VELHOS
SEXUALIDADE E AUMENTO DO VIH EM ADULTOS MAIS VELHOSSEXUALIDADE E AUMENTO DO VIH EM ADULTOS MAIS VELHOS
SEXUALIDADE E AUMENTO DO VIH EM ADULTOS MAIS VELHOS
ISCSP
 
O papel da epidemiologia na organização das Redes de Atenção à Saúde
O papel da epidemiologia na organização das Redes de Atenção à SaúdeO papel da epidemiologia na organização das Redes de Atenção à Saúde
O papel da epidemiologia na organização das Redes de Atenção à Saúde
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Visão do campo da comunicação na lógica de Bourdieu
Visão do campo da comunicação na lógica de BourdieuVisão do campo da comunicação na lógica de Bourdieu
Visão do campo da comunicação na lógica de Bourdieu
Comunicação Integrada - Cursos e Soluções (Isabela Pimentel)
 
Pesquisa ação
Pesquisa açãoPesquisa ação
Pesquisa ação
José Roberto Sousa
 
Aula esp saude
Aula esp saudeAula esp saude
Aula esp saude
Jaime Freitas
 
ALEITAMENTO MATERNO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA / TCC
ALEITAMENTO MATERNO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA / TCC ALEITAMENTO MATERNO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA / TCC
ALEITAMENTO MATERNO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA / TCC
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 

Semelhante a How to Counter Scientific Disinformation ? (20)

Puericultura em Angola
Puericultura em AngolaPuericultura em Angola
Puericultura em Angola
 
Educação e saúde (leonardo)
Educação e saúde (leonardo)Educação e saúde (leonardo)
Educação e saúde (leonardo)
 
Educação e saúde
Educação e saúde Educação e saúde
Educação e saúde
 
Os meios de comunicação social na prevenção da SIDA
Os meios de comunicação social na prevenção da SIDAOs meios de comunicação social na prevenção da SIDA
Os meios de comunicação social na prevenção da SIDA
 
livro_familia e violência.pdf
livro_familia e violência.pdflivro_familia e violência.pdf
livro_familia e violência.pdf
 
Equidade no Acesso ao Conhecimento em Saúde
Equidade no Acesso ao Conhecimento em SaúdeEquidade no Acesso ao Conhecimento em Saúde
Equidade no Acesso ao Conhecimento em Saúde
 
2016 1_ebm_base histórica e científica_3
2016 1_ebm_base histórica e científica_32016 1_ebm_base histórica e científica_3
2016 1_ebm_base histórica e científica_3
 
Habilidades de comunicação de más notícias
Habilidades de comunicação de más notíciasHabilidades de comunicação de más notícias
Habilidades de comunicação de más notícias
 
Bullying em sobrepeso
Bullying em sobrepesoBullying em sobrepeso
Bullying em sobrepeso
 
avaliacao_riscos.pdf
avaliacao_riscos.pdfavaliacao_riscos.pdf
avaliacao_riscos.pdf
 
Avaliacao Riscos
Avaliacao RiscosAvaliacao Riscos
Avaliacao Riscos
 
Avaliacao riscos
Avaliacao riscosAvaliacao riscos
Avaliacao riscos
 
Argumentação
ArgumentaçãoArgumentação
Argumentação
 
Estratégias de Custo-Benefício Favorável...
Estratégias de Custo-Benefício Favorável...Estratégias de Custo-Benefício Favorável...
Estratégias de Custo-Benefício Favorável...
 
SEXUALIDADE E AUMENTO DO VIH EM ADULTOS MAIS VELHOS
SEXUALIDADE E AUMENTO DO VIH EM ADULTOS MAIS VELHOSSEXUALIDADE E AUMENTO DO VIH EM ADULTOS MAIS VELHOS
SEXUALIDADE E AUMENTO DO VIH EM ADULTOS MAIS VELHOS
 
O papel da epidemiologia na organização das Redes de Atenção à Saúde
O papel da epidemiologia na organização das Redes de Atenção à SaúdeO papel da epidemiologia na organização das Redes de Atenção à Saúde
O papel da epidemiologia na organização das Redes de Atenção à Saúde
 
Visão do campo da comunicação na lógica de Bourdieu
Visão do campo da comunicação na lógica de BourdieuVisão do campo da comunicação na lógica de Bourdieu
Visão do campo da comunicação na lógica de Bourdieu
 
Pesquisa ação
Pesquisa açãoPesquisa ação
Pesquisa ação
 
Aula esp saude
Aula esp saudeAula esp saude
Aula esp saude
 
ALEITAMENTO MATERNO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA / TCC
ALEITAMENTO MATERNO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA / TCC ALEITAMENTO MATERNO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA / TCC
ALEITAMENTO MATERNO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA / TCC
 

Mais de Comunicação Integrada - Cursos e Soluções (Isabela Pimentel)

Disinformation & Everyday Digital Labor- Analysis of Ong and Grohman Framework
Disinformation & Everyday Digital Labor- Analysis of Ong and Grohman FrameworkDisinformation & Everyday Digital Labor- Analysis of Ong and Grohman Framework
Disinformation & Everyday Digital Labor- Analysis of Ong and Grohman Framework
Comunicação Integrada - Cursos e Soluções (Isabela Pimentel)
 
Filosofia da Tecnologia e Estudos Culturais - As tecnologias não são neutras.
Filosofia da Tecnologia e Estudos Culturais - As tecnologias não são neutras.Filosofia da Tecnologia e Estudos Culturais - As tecnologias não são neutras.
Filosofia da Tecnologia e Estudos Culturais - As tecnologias não são neutras.
Comunicação Integrada - Cursos e Soluções (Isabela Pimentel)
 
Modelo de Plano de comunicação ágil
Modelo de Plano de comunicação ágilModelo de Plano de comunicação ágil
Case de Comunicação Integrada- Influenciadores do mercado literário
Case de Comunicação Integrada- Influenciadores do mercado literárioCase de Comunicação Integrada- Influenciadores do mercado literário
Case de Comunicação Integrada- Influenciadores do mercado literário
Comunicação Integrada - Cursos e Soluções (Isabela Pimentel)
 
Escopo da área de comunicação
Escopo da área de comunicaçãoEscopo da área de comunicação
Planejamento de Comunicaçção para Agências
Planejamento de Comunicaçção para AgênciasPlanejamento de Comunicaçção para Agências
Planejamento de Comunicaçção para Agências
Comunicação Integrada - Cursos e Soluções (Isabela Pimentel)
 
Como colocar o planejado na rotina?
Como colocar o planejado na rotina?Como colocar o planejado na rotina?
MODELO DE PLANO DE COMUNICAÇÃO PROJETO
MODELO DE PLANO DE COMUNICAÇÃO PROJETOMODELO DE PLANO DE COMUNICAÇÃO PROJETO
Plano de comunicação para um projeto - exemplo
Plano de comunicação para um projeto - exemploPlano de comunicação para um projeto - exemplo
Plano de comunicação para um projeto - exemplo
Comunicação Integrada - Cursos e Soluções (Isabela Pimentel)
 
Como desenvolver uma estratégia de comunicação para 2023?
Como desenvolver uma estratégia de comunicação para 2023?Como desenvolver uma estratégia de comunicação para 2023?
Como desenvolver uma estratégia de comunicação para 2023?
Comunicação Integrada - Cursos e Soluções (Isabela Pimentel)
 
Metodologia da Comunicação Integrada
Metodologia da Comunicação IntegradaMetodologia da Comunicação Integrada
Conheça o Grau de Integração da Comunicação
Conheça o Grau de Integração da ComunicaçãoConheça o Grau de Integração da Comunicação
Conheça o Grau de Integração da Comunicação
Comunicação Integrada - Cursos e Soluções (Isabela Pimentel)
 
Gestão da Comunicação Integrada
Gestão da Comunicação IntegradaGestão da Comunicação Integrada
Relatório de Tendências Spotfy 2022
Relatório de Tendências Spotfy 2022Relatório de Tendências Spotfy 2022
Modelo de Plano de Comunicação Integrada
Modelo de Plano de Comunicação IntegradaModelo de Plano de Comunicação Integrada
Modelo de Plano de Comunicação Integrada
Comunicação Integrada - Cursos e Soluções (Isabela Pimentel)
 
Modelo de Plano de Comunicação
Modelo de Plano de Comunicação Modelo de Plano de Comunicação
Dinâmica de Gestão de riscos, eventos críticos e crises
Dinâmica de Gestão de riscos, eventos críticos e crisesDinâmica de Gestão de riscos, eventos críticos e crises
Dinâmica de Gestão de riscos, eventos críticos e crises
Comunicação Integrada - Cursos e Soluções (Isabela Pimentel)
 
Mapa da Comunicação Integrada e Estratégica
Mapa da Comunicação Integrada e EstratégicaMapa da Comunicação Integrada e Estratégica
Mapa da Comunicação Integrada e Estratégica
Comunicação Integrada - Cursos e Soluções (Isabela Pimentel)
 
Pilares do conteúdo de sucesso
Pilares do conteúdo de sucessoPilares do conteúdo de sucesso
Modelo de Plano de Comunicação Integrada
Modelo de Plano de Comunicação IntegradaModelo de Plano de Comunicação Integrada
Modelo de Plano de Comunicação Integrada
Comunicação Integrada - Cursos e Soluções (Isabela Pimentel)
 

Mais de Comunicação Integrada - Cursos e Soluções (Isabela Pimentel) (20)

Disinformation & Everyday Digital Labor- Analysis of Ong and Grohman Framework
Disinformation & Everyday Digital Labor- Analysis of Ong and Grohman FrameworkDisinformation & Everyday Digital Labor- Analysis of Ong and Grohman Framework
Disinformation & Everyday Digital Labor- Analysis of Ong and Grohman Framework
 
Filosofia da Tecnologia e Estudos Culturais - As tecnologias não são neutras.
Filosofia da Tecnologia e Estudos Culturais - As tecnologias não são neutras.Filosofia da Tecnologia e Estudos Culturais - As tecnologias não são neutras.
Filosofia da Tecnologia e Estudos Culturais - As tecnologias não são neutras.
 
Modelo de Plano de comunicação ágil
Modelo de Plano de comunicação ágilModelo de Plano de comunicação ágil
Modelo de Plano de comunicação ágil
 
Case de Comunicação Integrada- Influenciadores do mercado literário
Case de Comunicação Integrada- Influenciadores do mercado literárioCase de Comunicação Integrada- Influenciadores do mercado literário
Case de Comunicação Integrada- Influenciadores do mercado literário
 
Escopo da área de comunicação
Escopo da área de comunicaçãoEscopo da área de comunicação
Escopo da área de comunicação
 
Planejamento de Comunicaçção para Agências
Planejamento de Comunicaçção para AgênciasPlanejamento de Comunicaçção para Agências
Planejamento de Comunicaçção para Agências
 
Como colocar o planejado na rotina?
Como colocar o planejado na rotina?Como colocar o planejado na rotina?
Como colocar o planejado na rotina?
 
MODELO DE PLANO DE COMUNICAÇÃO PROJETO
MODELO DE PLANO DE COMUNICAÇÃO PROJETOMODELO DE PLANO DE COMUNICAÇÃO PROJETO
MODELO DE PLANO DE COMUNICAÇÃO PROJETO
 
Plano de comunicação para um projeto - exemplo
Plano de comunicação para um projeto - exemploPlano de comunicação para um projeto - exemplo
Plano de comunicação para um projeto - exemplo
 
Como desenvolver uma estratégia de comunicação para 2023?
Como desenvolver uma estratégia de comunicação para 2023?Como desenvolver uma estratégia de comunicação para 2023?
Como desenvolver uma estratégia de comunicação para 2023?
 
Metodologia da Comunicação Integrada
Metodologia da Comunicação IntegradaMetodologia da Comunicação Integrada
Metodologia da Comunicação Integrada
 
Conheça o Grau de Integração da Comunicação
Conheça o Grau de Integração da ComunicaçãoConheça o Grau de Integração da Comunicação
Conheça o Grau de Integração da Comunicação
 
Gestão da Comunicação Integrada
Gestão da Comunicação IntegradaGestão da Comunicação Integrada
Gestão da Comunicação Integrada
 
Relatório de Tendências Spotfy 2022
Relatório de Tendências Spotfy 2022Relatório de Tendências Spotfy 2022
Relatório de Tendências Spotfy 2022
 
Modelo de Plano de Comunicação Integrada
Modelo de Plano de Comunicação IntegradaModelo de Plano de Comunicação Integrada
Modelo de Plano de Comunicação Integrada
 
Modelo de Plano de Comunicação
Modelo de Plano de Comunicação Modelo de Plano de Comunicação
Modelo de Plano de Comunicação
 
Dinâmica de Gestão de riscos, eventos críticos e crises
Dinâmica de Gestão de riscos, eventos críticos e crisesDinâmica de Gestão de riscos, eventos críticos e crises
Dinâmica de Gestão de riscos, eventos críticos e crises
 
Mapa da Comunicação Integrada e Estratégica
Mapa da Comunicação Integrada e EstratégicaMapa da Comunicação Integrada e Estratégica
Mapa da Comunicação Integrada e Estratégica
 
Pilares do conteúdo de sucesso
Pilares do conteúdo de sucessoPilares do conteúdo de sucesso
Pilares do conteúdo de sucesso
 
Modelo de Plano de Comunicação Integrada
Modelo de Plano de Comunicação IntegradaModelo de Plano de Comunicação Integrada
Modelo de Plano de Comunicação Integrada
 

Último

Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
jenneferbarbosa21
 
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.pptAula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
cleidianevieira7
 
Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
jenneferbarbosa21
 
2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
FlorAzaleia1
 
anatomia e fisiologia de peixes CRMVCP.
anatomia e fisiologia de peixes  CRMVCP.anatomia e fisiologia de peixes  CRMVCP.
anatomia e fisiologia de peixes CRMVCP.
FERNANDACAROLINEPONT
 
Grupo_3-Como_o_conhecimento_cientifico_e_construido_e_divulgado.pptx ________...
Grupo_3-Como_o_conhecimento_cientifico_e_construido_e_divulgado.pptx ________...Grupo_3-Como_o_conhecimento_cientifico_e_construido_e_divulgado.pptx ________...
Grupo_3-Como_o_conhecimento_cientifico_e_construido_e_divulgado.pptx ________...
MelissaSouza39
 
MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptxMÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
MnicaPereira739219
 
EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
jenneferbarbosa21
 

Último (8)

Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
 
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.pptAula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
 
Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
 
2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
 
anatomia e fisiologia de peixes CRMVCP.
anatomia e fisiologia de peixes  CRMVCP.anatomia e fisiologia de peixes  CRMVCP.
anatomia e fisiologia de peixes CRMVCP.
 
Grupo_3-Como_o_conhecimento_cientifico_e_construido_e_divulgado.pptx ________...
Grupo_3-Como_o_conhecimento_cientifico_e_construido_e_divulgado.pptx ________...Grupo_3-Como_o_conhecimento_cientifico_e_construido_e_divulgado.pptx ________...
Grupo_3-Como_o_conhecimento_cientifico_e_construido_e_divulgado.pptx ________...
 
MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptxMÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
 
EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
 

How to Counter Scientific Disinformation ?

  • 1. Grupo de Pesquisa Mídias, Dados e Tecnologia Professor: Marcelo Alves Discente: Isabela Duarte Pimentel Counter Messaging Strategies Case Study 5 Bateman & Jackson Psychological Underpinnings of Misinformation Countermeasures Ziemer & Rothmund
  • 2. “There is strong evidence that truthful communications campaigns designed to engage people on a narrative and psychological level are more effective than facts alone” [p.43]
  • 3. Conceito de contra estratégias O que são? Campanhas de comunicação que visam competir com a desinformação e substituir uma história falsa por uma história verdadeira, tanto em nível das narrativas, quanto em aspectos psicológicos. Dados: estudos comprovam que contra estratégias funcionam melhor do que a mera checagem dos fatos e refutação de notícias falsas. Linguagem da contra resposta precisa ter empatia e evitar ‘repisar o erro’.
  • 4. O campo dos contradiscursos Disciplinas como a Psicologia Social, a Ciência Política, a comunicação, a publicidade e os estudos de mídia investigaram questões relevantes para as contra-mensagens. Os campos que têm estado sujeitos à desinformação persistente - como a saúde pública e a ciência climática - também dedicaram muita atenção às contra mensagens nos últimos anos. Os estudos baseados em inquéritos ou experiências de laboratórios são comuns, mas não refletem totalmente a reação das audiências em contextos mais naturais.
  • 5. Propósito 1. São implementadas com o objetivo específico de combater a desinformação; 2. Precisam ir além dos apelos puramente racionais, como a verificação de fatos; 3. Ao mudar o quadro narrativo em torno de uma questão ou tema específico, com táticas de conteúdo concebido para ressoar, as contra-mensagens têm como objetivo tornar o público mais aberto aos fatos e menos disposto a acatar mensagens sensacionalistas.
  • 6. Desafios 1. Tempo que se leva para produzir checagem; 2. Mecanismos de distribuição e segmentação da audiência; 3. Investimentos; 4. Uso de IA e tecnologias para rotulagem de conteúdo (labeling content).
  • 7. Evidências • Há fortes indícios de que as campanhas de comunicação concebidas para envolver as pessoas a nível narrativo e psicológico são mais eficazes do que apenas os fatos. • Ao entender os sentimentos e ideias mais profundos que tornam as afirmações falsas apelativas, as estratégias de contra mensagem têm o potencial de cativar públicos mais difíceis de se alcançar. • No entanto, o sucesso depende da interação complexa de diversos fatores.
  • 8. Perspectiva granular As melhores campanhas de Counter strategies utilizam uma análise cuidadosa da audiência para selecionar os mensageiros, os meios, os temas e os estilos mais ressonantes - mas este é um processo dispendioso, cujo êxito é difícil de mensurar! Contra mensagem Mensagem Mensageiros /emissores Estilo e tom Meio Meio móvel = Perfis de redes sociais mais Suscetíveis
  • 9. Exemplos • Recrutamento de médicos locais como ‘porta-vozes’, com base na premissa de que muitas pessoas confiam mais nos seus médicos de família do que nas autoridades nacionais de Saúde; • As campanhas de mensagens públicas relacionadas com a vacina também estabeleceram parcerias com líderes religiosos cristãos, judeus e muçulmanos para chegar às comunidades religiosas em Israel, no Reino Unido e nos Estados Unidos.
  • 10. Métricas e indicadores: dificuldade de avaliar as contra estratégias É bem difícil articular conhecimentos e recursos para avaliar o impacto do trabalho para além da utilização de métricas de envolvimento e engajamento nas redes sociais. Redução do alcance de um conteúdo, em recorte temporal pós-campanha, pode ser um indicador de sucesso para estratégias de contra resposta?
  • 11. Estudos de caso • Estudos sobre o ceticismo em relação às alterações climáticas concluíram que as mensagens mais eficazes para contrariar a desinformação oferecem aos indivíduos a sensação de que podem tomar medidas significativas, em oposição às mensagens que focam no erro e consideram o público burro. • Uma análise das mensagens sobre saúde pública concluiu que alguns segmentos da audiência eram mais movidos por apelos para se protegerem a si próprios ou aos seus entes queridos do que por apelos à responsabilidade social.
  • 12. O caso da Covid-19 e os influenciadores locais • Estudos realizados nas zonas rurais dos Estados Unidos revelaram que os amigos e familiares, as organizações comunitárias, os líderes religiosos e os profissionais de saúde eram os mensageiros mais eficazes na resposta aos boatos sobre a COVID-19. • Na Índia, os profissionais de saúde e os pares foram considerados os mais dignos de confiança. • Constatou-se o poder dos influenciadores locais e informais.
  • 13. Conteúdo orgânico x campanhas oficiais do Governo Conteúdos orgânicos utilizados para refutar as afirmações e narrativas extremistas parecem mais persuasivos do que os conteúdos criados pelo governo. [ P.47]
  • 14. Escalabilidade • A contra mensagem enfrenta desafios de implementação devido à sua natureza frequentemente reativa. • São campanhas que surgem frequentemente em resposta a um reconhecimento tardio, quando as narrativas de desinformação já ganharam força e impacto em múltiplas plataformas. • O tempo, velocidade e escalabilidade dessas respostas são outros desafios.
  • 15. Limitações A necessidade de adaptar as contra- mensagens a um público e a um contexto específicos dificulta o escalonamento. Para atingir grandes audiências pode ser necessário dividi-las em subpopulações identificáveis, cada uma das quais receberia então a sua própria investigação, desenvolvimento de mensagens e estratégias novas ou mesmo concorrentes. Optar por uma campanha mais genérica e em grande escala pode comprometer grande parte da especificidade associada a uma
  • 17. Escopo do trabalho • Revisão sistemática sobre as bases psicológicas que sustentam a crença em informações incorretas e as intervenções desenvolvidas para combater sua aceitação e disseminação. • Com um total de 170 casos analisados, estudo busca integrar duas linhas de pesquisa frequentemente separadas: as razões psicológicas para a susceptibilidade à desinformação e o desenvolvimento de intervenções eficazes contra ela.
  • 18. Teorias sobre susceptibilidade à desinformação Há expansão rápida da pesquisa em intervenções contra desinformação, impulsionada não apenas por esforços acadêmicos, mas também por iniciativas governamentais, não governamentais e da sociedade civil. No entanto, uma grande parte das intervenções (77,2%) não está vinculada a nenhuma teoria básica sobre a susceptibilidade à desinformação, sugerindo uma desconexão entre a pesquisa aplicada e a teórica.
  • 19. Fundamentos psicológicos da desinformação • Tem havido um esforço acadêmico substancial para (a) investigar os fundamentos psicológicos e razão pela qual os indivíduos acreditam em desinformação, e (b) desenvolver intervenções que dificultem a sua aceitação e disseminação. • No entanto, há uma falta de integração sistemática destas duas linhas de investigação. • A análise de dados da pesquisa mostrou que a suscetibilidade à desinformação é psicologicamente explicada: raciocínio clássico e motivado.
  • 20. Fundamentos psicológicos da desinformação Grande parte da investigação sobre a desinformação psicológica tem-se centrado em duas questões: O que é que e o que torna os indivíduos susceptíveis à desinformação? Que intervenções podem ser desenvolvidas para ajudar os indivíduos aa identificar corretamente a desinformação ou a alterar as percepções erradas existentes?
  • 21. Dois processos relacionados à desinformação Dois processos psicológicos principais que aumentam a vulnerabilidade à desinformação: 1. o processamento superficial; 2. o processamento seletivo.
  • 22. Os dois conceitos • O processamento superficial, dentro do contexto do raciocínio clássico, refere-se à utilização de atalhos cognitivos ou heurísticas para chegar a conclusões, o que pode levar a uma maior probabilidade de acreditar em desinformação. • Já o raciocínio motivado caracteriza- se por um processamento seletivo de informações, guiado por objetivos que não estão diretamente relacionados à precisão, como a defesa da identidade ou a resistência a mudanças, tornando- se uma causa significativa da susceptibilidade à desinformação.
  • 23. Teoria do raciocínio motivado O raciocínio motivado é discutido como uma das principais causas da suscetibilidade à desinformação (Nyhan & Reifler, 2019; van Bavel et al., 2021) A teoria do raciocínio motivado postula que o processamento de informações é seletivo, não verdadeiramente convergente e impulsionado por objetivos distintos e independentes da motivação para a precisão (Kahan, 2015; Kunda, 1990). O raciocínio motivado pode ser a consequência da experiência de altos níveis de motivação de defesa devido à dissonância cognitiva cognitiva, resistência à mudança ou ameaça à identidade (verJonas et al., 2014).
  • 24. Desafio 1 – falta de conexão teórica Três das quatro intervenções no nosso conjunto de dados não estão ligadas ao raciocínio clássico e motivado ou a qualquer teoria para explicar o seu efeito. A categoria de intervenção melhor fundamentada na teoria, a inoculação, liga o seu mecanismo de intervenção à teoria da inoculação, uma teoria proeminente da investigação da persuasão (Ivanov et al., 2015),
  • 25. Desafio 2 – poucos estudos sobre raciocínio motivado Embora o raciocínio motivado seja considerado uma causa importante causa da suscetibilidade à desinformação na investigação básica(Altay et al., 2023), quase não é abordado por pesquisas. Desafio 3 – Generalização de resultados fora dos Estados Unidos É crucial examinar as intervenções de desinformação com amostras culturalmente mais diversificadas, uma vez que 71,0% dos estudos da nossa amostra foram realizados com amostras dos EUA e apenas dois estudos em países do Sul Global, nomeadamente a Indonésia e a Índia (Guess et al., 2020).
  • 26. Alerta Importante É preciso ter em conta que a desinformação não é um mal-estar individual, mas sim implementada num contexto cultural e político específico, com diferentes normas, tradições, regras e necessidades.
  • 27. Desafio 4 – Limitação de faixas etárias A maioria das pesquisas (76%) no nosso conjunto de dados foi testada em populações adultas. Uma vez que existem provas preliminares e evidências sobre a vulnerabilidade específica dos cidadãos mais velhos à desinformação (Shu et al., 2018), precisamos de mais intervenções para este grupo-alvo.
  • 28. Desafio 5 – longevidade dos efeitos Resultados indicam que apenas 8,3% das intervenções examinam efeitos a longo prazo. Este fato não é problemático para as pesquisas que são especificamente direcionadas para efeitos a curto prazo, como as intervenções de nudging. A investigação futura precisa incluir testes de acompanhamento para medir apara medir a longevidade dos efeitos e para identificar intervalos razoáveis para as sessões de reforço com base na lógica teórica da pesquisa.
  • 29. Desafio 6 - interdisciplinariedade A interdisciplinaridade pode levar a linhas de investigação desconexas A investigação sobre a intervenção na desinformação envolve principalmente ciência da comunicação, seguida da psicologia e da ciência política.
  • 31. A força do fact checking As pesquisas mais estudadas são as de verificação de fatos, representando 62,1% do conjunto de dados, seguidas por reforço, incentivos, inoculação e gestão de identidade. Além disso, a revisão aponta para várias lacunas e desafios na pesquisa de intervenções contra desinformação, incluindo a falta de conexão teórica, a limitada abordagem contra o raciocínio motivado, a generalização limitada dos resultados fora dos Estados Unidos, a escassez de estudos voltados para grupos etários além dos adultos, o conhecimento limitado sobre a durabilidade dos efeitos das intervenções e a potencial fragmentação da pesquisa devido à interdisciplinaridade.
  • 32. Uso de gamificação Das 11 pesquisas sobre inoculação estratégica, oito são gamificadas. BadNewsé um jogo de inoculação, que coloca jogadores no papel de um troll da desinformação nas redes sociais, que recolhe o maior número possível de seguidores aplicando estratégias típicas de desinformação para tornar as publicações potencialmente virais (por exemplo, Basol et al., 2020; Roozenbeek& van der Linden, 2019).
  • 33. Conclusões Necessidade de um enfoque mais integrado e fundamentado teoricamente na pesquisa de intervenções contra desinformação, bem como a importância de considerar as condições contextuais e culturais específicas na avaliação da eficácia das intervenções. Sugere-se que uma combinação de diferentes intervenções, adaptadas às necessidades narrativas e psicológicas específicas do público, pode ser a chave para aumentar a resiliência contra a desinformação.
  • 34. Referências Psychological Underpinnings of Misinformation Countermeasures Carolin-Theresa Ziemer & Tobias Rothmund Counter Messages Strategy – Bateman & Jackson 1.Jacob Davey, Henry Tuck, and Amarnath Amarasingam, “An Imprecise Science: Assessing Interventions for the Prevention, Disengagement and De-radicalisation of Left and Right-Wing Extremists,” Institute for Strategic Dialogue, 2019, https://www.isdglobal.org/isd-publications/an- imprecisescience- assessing-interventions-for-the-prevention-disengagement-andde- radicalisation-of-left-and-right-wing-extremists /. 2.Rachel Brown and Laura Livingston, “Counteracting Hate and Dangerous Speech Online: Strategies and Considerations,” Toda Peace Institute, March 2019, https://toda.org/assets/files/resources/policy-briefs/tpb- 34_brown-and-livingston_counteracting-hate-and-dangerous-speechonline. pdf. 3. Benjamin J. Lee, “Informal Countermessaging: The Potential and Perils of Informal Online Countermessaging,” Studies in Conflict & Terrorism 42 (2018): https://www.tandfonline.com/doi/full/10.1080/105761 0X.2018.1513697.