SlideShare uma empresa Scribd logo
 INCLUI DENTRE OUTROS:INCLUI DENTRE OUTROS:
ARANHASARANHAS
CARRAPATOSCARRAPATOS
OPILIÕESOPILIÕES
ESCORPIÕESESCORPIÕES
 COMPREENDE MAIS DE 60.000 ESPÉCIESCOMPREENDE MAIS DE 60.000 ESPÉCIES
 QUASE TODAS AS ESPÉCIES SÃO ANIMAISQUASE TODAS AS ESPÉCIES SÃO ANIMAIS
TERRESTRESTERRESTRES
ARACNÍDEOSARACNÍDEOS
ORDEM SCORPIONESORDEM SCORPIONES
 O ESCORPIÃO, TAMbÉM CONHECIDO POR LACRAU
 POSSUI PATAS fORMADAS POR váRIOS
SEgMENTOS)
 ExISTEM REgISTROS CIENTÍfICOS DA
ExISTêNCIA DOS ESCORPIÕES Há MAIS DE 400
MILHÕES DE ANOS.
 SEgUNDO PESQUISAS, fORAM ELES OS
PRIMEIROS ARTRóPODES A CONQUISTAR O
AMbIENTE TERRESTRE. NESTA ADAPTAçÃO,
LHES fOI MUITO úTIL A CARAPAçA DE QUITINA
QUE COMPÕE O SEU ExOESQUELETO E QUE EvITA
A EvAPORAçÃO ExCESSIvA.
ESPÉCIES DE ESCORPIÕESESPÉCIES DE ESCORPIÕES
 ExISTEM CERCA DE 1600 ESPÉCIES E
SUbESPÉCIES DISTRIbUÍDAS EM 116 gêNEROS
DIfERENTES EM TODO O MUNDO.
 NO bRASIL ExISTE CERCA DE 140 ESPÉCIES.
PORÉM, PESQUISAS RECENTES COMPROvAM A
ExISTENCIA DE UMA ExPÉCIE MUITO RARA.
 A gAMA DO TEMPO DE vIDA PARECE SITUAR-
SE ENTRE OS 4 A 25 ANOS, TENDO SIDO 25
ANOS O TEMPO DE vIDA MáxIMO REgISTADO
PARA A ESPÉCIE H. ARIzONENSIS.
CARACTERÍSTICAS DOS ESCORPIÕESCARACTERÍSTICAS DOS ESCORPIÕES
 O CORPO DOS ESCORPIÕES É DIvIDIDO EM:
 PROSOMO (CEfALOTóRAx): REgIÃO ANTERIOR, ONDE
SE ENCONTRAM OS OLHOS, QUELÍCERAS, PEDIPALPOS
TERMINADOS EM QUELAS (PINçAS) E PERNAS E OS
PENTES
 MESOSSOMO: REgIÃO LARgA DO CORPO, ONDE SE
ENCONTRAM AS AbERTURAS DOS PULMÕES E
OPÉRCULO gENITAL.
 METASSOMO: vULgARMENTE CONHECIDO COMO CAUDA,
ALI SE ENCONTRAM UMA ESTRUTURA CILÍNDRICA COM
UM ESPINHO NA PONTA, CHAMADA TELSON (O fERRÃO),
DUAS gLâNDULAS DE vENENO E O âNUS.
 ORDEM DOS 30 CM E CHEgAM A CAPTURAR ATÉ PEQUENOS
vERTEbRADOS(LAgARTOS, RÃS E ROEDORES)
HAbITAT DOS ESCORPIÕESHAbITAT DOS ESCORPIÕES
 vIvEM NAS PEDRAS, MADEIRAS E TRONCOS
PODRES
 ALgUNS ENTERRAM-SE NO SOLO úMIDO DA MATA,
OUTROS NA AREIA DO DESERTO, OUTROS AINDA
vIvEM EM bROMÉLIAS, QUE CRESCEM NO CHÃO OU
MESMO A gRANDES ALTURAS NAS áRvORES.
 OUTROS DÃO PREfERêNCIA àS PROxIMIDADES
DAS RESIDêNCIAS HUMANAS ONDE SE ESCONDEM
NO ENTULHO, EM MADEIRAS EMPILHADAS;
 É fREQüENTE APARECEREM jUNTO àS LINHAS DE
TREM, ESCONDENDO-SE SOb LAjES DOS TúMULOS.
Escorpião-negro (Androctonus crassicauda)
alimentação dos escorpiõesalimentação dos escorpiões
 são predadores de insetos, como
baratas, grilos, cupins, etc.
 alimentam-se também de aranhas e de
outros escorpiões.
 o escorpião segura a presa com a pinça
dos palpos, curva para frente o
metassoma e injeta o veneno com o
ferrão, paralisando a presa quase
imediatamente.
 a reprodução da grande maioria das
espécies é sexuada, exigindo a
intervenção de machos e fÊmeas, porém,
algumas espécies possuem reprodução
monÓica (também chamada
partenogÊnese), ou seja, não exige a
presença de machos.
 neste processo, Óvulos não fertilizados
dão origem a embriões vivos.
 na reprodução sexuada, tal como em
outras espécies, há uma dança nupcial
que antecede o acasalamento.
reprodução de escorpiõesreprodução de escorpiões
 o macho limpa o chão com os pentes e
deposita aí uma cápsula contendo
espermatozÓides (espermatÓforo). de
seguida, arrasta a fÊmea para cima dos
espermatozÓides a fim de que ela os
receba.
 os escorpiões são vivíparos, ou seja, não
põem ovos. podem gerar de 6 a 90
filhotes
reprodução de escorpiõesreprodução de escorpiões
 o ferrão do escorpião (chamado de telson),
além de servir para agarrar a presa, se
defender, e no acasalamento, inocula na
presa um veveno.
 ao dar a ferroada, o escorpião regula a
quantidade de veneno injetado através da
contração dos músculos da vesícula.
 alguns escorpiões não injetam veneno
algum quando cravam o ferrão.
 este veneno contém uma série de
substâncias cuja composição química não
está bem definida, porém contém
neurotoxinas, histaminas, seratonina,
enzimas, inibidores de enzimas, e outras.
veneno dos escorpiõesveneno dos escorpiões
 os escorpiões sÓ atacam o homem quando
se sentem acuados e em circunstância de
defesa. antes que um acidente com
escorpiões ocorra, devem-se tomar
algumas medidas básicas para evitar o
mesmo:
 sacudir e examinar calçados e roupas antes
de usar;
 manter limpos os locais prÓximos a
residÊncias evitando acúmulo de lixo,
entulhos e materiais de construção;
 manter o habitat familiar livre de baratas,
que são reconhecidas como um dos principais
alimentos dos escorpiões nos centros
urbanos.
 não colocar mãos e pés dentro de buracos,
montes de pedras ou lenhas, etc.
prevenção de acidentesprevenção de acidentes
Escorpionismo por espécie e macro-região.Escorpionismo por espécie e macro-região.
SVS- M. Saúde, Brasil, dados de 2002SVS- M. Saúde, Brasil, dados de 2002
Macro-região /Macro-região /
spsp
NorteNorte NordesteNordeste Centro-Centro-
OesteOeste
SudesteSudeste SulSul %%
NRNR 567567 67436743 969969 56775677 969969 66,466,4
Outra spOutra sp 1212 2424 2424 3030 2424 0,50,5
BotriurusBotriurus 1616 9191 99 6666 99 1,01,0
T stigmurusT stigmurus 1414 10481048 99 7878 99 5,45,4
T bahiensisT bahiensis 152152 236236 3535 575575 3535 4,94,9
T serrulatusT serrulatus 9696 14671467 104104 29742974 104104 21,921,9
Escorpionismo no Brasil.Escorpionismo no Brasil.
Série histórica, 1989-2006. SVS- M. SaúdeSérie histórica, 1989-2006. SVS- M. Saúde
0
10000
20000
30000
40000
50000
89 90 91 92 93 94 95 96 97 98 99 0 1 2 3 4 5 6
 O maiOr de tOdOs Os escOrpiões, em
cOmprimentO, é prOvavelmente O sul -
africanO HadOgenes trOglOdytes, cujOs
macHOs pOdem atingir até 21 cm.
 entre as espécies de pequenO
cOmprimentO, O menOr dOs escOrpiões
talvez seja O micrOtityus waeringi, que
mal cHega a 12 mm, quandO adultO
curiOsidades dOs escOrpiõescuriOsidades dOs escOrpiões
Tityus bahiensis
Tityus serrulatus
Tityus serrulatus
Tityus bahiensis
ESCORPIÃO
AMARELO
ESCORPIÃO
MARROM
Filo artrópodes  06   aracnideos - escorpião
Filo artrópodes  06   aracnideos - escorpião
Filo artrópodes  06   aracnideos - escorpião
Filo artrópodes  06   aracnideos - escorpião
Filo artrópodes  06   aracnideos - escorpião

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Introdução ao filo Artropoda e subfilo Chelicerata
Introdução ao filo Artropoda e subfilo ChelicerataIntrodução ao filo Artropoda e subfilo Chelicerata
Introdução ao filo Artropoda e subfilo Chelicerata
Filipe Augusto Gonçalves de Melo
 
Mastigophora
MastigophoraMastigophora
Cobras
CobrasCobras
Biologia e controle de serpentes peçonhentas
Biologia e controle de serpentes peçonhentasBiologia e controle de serpentes peçonhentas
Biologia e controle de serpentes peçonhentas
Astral Saúde Ambiental - Líder no controle de pragas
 
Quilópodes
QuilópodesQuilópodes
Quilópodes
Jonathan Araújo
 
Artrópodes: Aracnídeos
Artrópodes: AracnídeosArtrópodes: Aracnídeos
Artrópodes: Aracnídeos
alruschel
 
Apostila protozo+ürios floresta
Apostila protozo+ürios florestaApostila protozo+ürios floresta
Apostila protozo+ürios floresta
Universidade Federal Rural da Amazônia - UFRA
 
Cólera
CóleraCólera
Cólera
connect2009
 
Chelicerata
ChelicerataChelicerata
Chelicerata
Rafael Rodrigues
 
Origem, evolução e filogenia de Chordata e Craniata
Origem, evolução e filogenia de Chordata e CraniataOrigem, evolução e filogenia de Chordata e Craniata
Origem, evolução e filogenia de Chordata e Craniata
Guellity Marcel
 
Diptera - vet 145
Diptera - vet 145Diptera - vet 145
Carrapatos - Parasitologia
Carrapatos - ParasitologiaCarrapatos - Parasitologia
Carrapatos - Parasitologia
Janaina Alves
 
Forró
ForróForró
àcaros e Carrapatos
àcaros e Carrapatosàcaros e Carrapatos
àcaros e Carrapatos
Mayane Leite
 
Chelicerata seminário
Chelicerata   seminárioChelicerata   seminário
Chelicerata seminário
Maurício Coelho
 
Classe Gastropoda
Classe GastropodaClasse Gastropoda
Classe Gastropoda
Nathy Helena
 
Aula acaros ahid
Aula acaros ahidAula acaros ahid
Aula acaros ahid
Liziane Crippa
 
Malária apresentação
Malária apresentaçãoMalária apresentação
Malária apresentação
Thiago André
 
Insetos
InsetosInsetos
Aula chordados 2 peixes
Aula chordados 2 peixesAula chordados 2 peixes
Aula chordados 2 peixes
Felipe Carvalho
 

Mais procurados (20)

Introdução ao filo Artropoda e subfilo Chelicerata
Introdução ao filo Artropoda e subfilo ChelicerataIntrodução ao filo Artropoda e subfilo Chelicerata
Introdução ao filo Artropoda e subfilo Chelicerata
 
Mastigophora
MastigophoraMastigophora
Mastigophora
 
Cobras
CobrasCobras
Cobras
 
Biologia e controle de serpentes peçonhentas
Biologia e controle de serpentes peçonhentasBiologia e controle de serpentes peçonhentas
Biologia e controle de serpentes peçonhentas
 
Quilópodes
QuilópodesQuilópodes
Quilópodes
 
Artrópodes: Aracnídeos
Artrópodes: AracnídeosArtrópodes: Aracnídeos
Artrópodes: Aracnídeos
 
Apostila protozo+ürios floresta
Apostila protozo+ürios florestaApostila protozo+ürios floresta
Apostila protozo+ürios floresta
 
Cólera
CóleraCólera
Cólera
 
Chelicerata
ChelicerataChelicerata
Chelicerata
 
Origem, evolução e filogenia de Chordata e Craniata
Origem, evolução e filogenia de Chordata e CraniataOrigem, evolução e filogenia de Chordata e Craniata
Origem, evolução e filogenia de Chordata e Craniata
 
Diptera - vet 145
Diptera - vet 145Diptera - vet 145
Diptera - vet 145
 
Carrapatos - Parasitologia
Carrapatos - ParasitologiaCarrapatos - Parasitologia
Carrapatos - Parasitologia
 
Forró
ForróForró
Forró
 
àcaros e Carrapatos
àcaros e Carrapatosàcaros e Carrapatos
àcaros e Carrapatos
 
Chelicerata seminário
Chelicerata   seminárioChelicerata   seminário
Chelicerata seminário
 
Classe Gastropoda
Classe GastropodaClasse Gastropoda
Classe Gastropoda
 
Aula acaros ahid
Aula acaros ahidAula acaros ahid
Aula acaros ahid
 
Malária apresentação
Malária apresentaçãoMalária apresentação
Malária apresentação
 
Insetos
InsetosInsetos
Insetos
 
Aula chordados 2 peixes
Aula chordados 2 peixesAula chordados 2 peixes
Aula chordados 2 peixes
 

Destaque

Escorpiao..
Escorpiao..Escorpiao..
Escorpiao..
didiana1997
 
Parasitologia- Morfologia e Efeito Do veneno das Aranhas e Escorpião
Parasitologia- Morfologia e Efeito Do veneno das Aranhas e EscorpiãoParasitologia- Morfologia e Efeito Do veneno das Aranhas e Escorpião
Parasitologia- Morfologia e Efeito Do veneno das Aranhas e Escorpião
Elainny Gladys
 
Escorpiões
EscorpiõesEscorpiões
Escorpiões
Sílvia Bastos
 
Picadas de aracnideos
Picadas de aracnideosPicadas de aracnideos
Picadas de aracnideos
Emerson Silva
 
Biologia e controle de aranhas
Biologia e controle de aranhasBiologia e controle de aranhas
Biologia e controle de abelhas e vespas
Biologia e controle de abelhas e vespasBiologia e controle de abelhas e vespas
Biologia e controle de abelhas e vespas
Astral Saúde Ambiental - Líder no controle de pragas
 

Destaque (6)

Escorpiao..
Escorpiao..Escorpiao..
Escorpiao..
 
Parasitologia- Morfologia e Efeito Do veneno das Aranhas e Escorpião
Parasitologia- Morfologia e Efeito Do veneno das Aranhas e EscorpiãoParasitologia- Morfologia e Efeito Do veneno das Aranhas e Escorpião
Parasitologia- Morfologia e Efeito Do veneno das Aranhas e Escorpião
 
Escorpiões
EscorpiõesEscorpiões
Escorpiões
 
Picadas de aracnideos
Picadas de aracnideosPicadas de aracnideos
Picadas de aracnideos
 
Biologia e controle de aranhas
Biologia e controle de aranhasBiologia e controle de aranhas
Biologia e controle de aranhas
 
Biologia e controle de abelhas e vespas
Biologia e controle de abelhas e vespasBiologia e controle de abelhas e vespas
Biologia e controle de abelhas e vespas
 

Semelhante a Filo artrópodes 06 aracnideos - escorpião

ANIMAIS+PEÇONHENTOS+AULA.ppt
ANIMAIS+PEÇONHENTOS+AULA.pptANIMAIS+PEÇONHENTOS+AULA.ppt
ANIMAIS+PEÇONHENTOS+AULA.ppt
RicardoGomes411
 
Artropodes
ArtropodesArtropodes
Artropodes
Valentina Queiroz
 
Répteis - Biologia
Répteis - Biologia Répteis - Biologia
Ambiente terrestre i
Ambiente terrestre  iAmbiente terrestre  i
Ambiente terrestre i
Alpha Colégio e Vestibulares
 
RelaçõEs EcolóGicas Desarmonicas
RelaçõEs EcolóGicas DesarmonicasRelaçõEs EcolóGicas Desarmonicas
RelaçõEs EcolóGicas Desarmonicas
guest787ebb4
 
RelaçõEs EcolóGicas Desarmonicas
RelaçõEs EcolóGicas DesarmonicasRelaçõEs EcolóGicas Desarmonicas
RelaçõEs EcolóGicas Desarmonicas
SESI 422 - Americana
 
Dinossauros e fósseis vivos
Dinossauros e fósseis vivosDinossauros e fósseis vivos
Dinossauros e fósseis vivos
tiagolas2011
 
Repteis
RepteisRepteis
Répteis
 Répteis Répteis
Répteis
Edézio Miranda
 
Morcegos guilherme 5 e
Morcegos guilherme 5 eMorcegos guilherme 5 e
Morcegos guilherme 5 e
davidjpereira
 
Origem da vida e Evolução
Origem da vida e EvoluçãoOrigem da vida e Evolução
Origem da vida e Evolução
SESI 422 - Americana
 
Escorpiâo 3º A
Escorpiâo 3º AEscorpiâo 3º A
Escorpiâo 3º A
Maria Teresa Iannaco Grego
 
CIT - RS- Peçonhentos - Bombeiros
CIT - RS- Peçonhentos - BombeirosCIT - RS- Peçonhentos - Bombeiros
CIT - RS- Peçonhentos - Bombeiros
Deise
 
Conheça o escorpião
Conheça o escorpiãoConheça o escorpião
Conheça o escorpião
Gustavo Augusto
 
Aracnideos
AracnideosAracnideos
Corujas
CorujasCorujas
701
701701
701
Escola
 
Animais invertebrdos e vertebrados
Animais invertebrdos e vertebradosAnimais invertebrdos e vertebrados
Animais invertebrdos e vertebrados
SESI 422 - Americana
 
A evolucao do ser humano 6-ano
A evolucao do ser humano 6-anoA evolucao do ser humano 6-ano
A evolucao do ser humano 6-ano
Lucas Degiovani
 
Animais peçonhentos ofidismo
Animais peçonhentos ofidismoAnimais peçonhentos ofidismo
Animais peçonhentos ofidismo
Faculdade Integrada Tiradentes - FITS
 

Semelhante a Filo artrópodes 06 aracnideos - escorpião (20)

ANIMAIS+PEÇONHENTOS+AULA.ppt
ANIMAIS+PEÇONHENTOS+AULA.pptANIMAIS+PEÇONHENTOS+AULA.ppt
ANIMAIS+PEÇONHENTOS+AULA.ppt
 
Artropodes
ArtropodesArtropodes
Artropodes
 
Répteis - Biologia
Répteis - Biologia Répteis - Biologia
Répteis - Biologia
 
Ambiente terrestre i
Ambiente terrestre  iAmbiente terrestre  i
Ambiente terrestre i
 
RelaçõEs EcolóGicas Desarmonicas
RelaçõEs EcolóGicas DesarmonicasRelaçõEs EcolóGicas Desarmonicas
RelaçõEs EcolóGicas Desarmonicas
 
RelaçõEs EcolóGicas Desarmonicas
RelaçõEs EcolóGicas DesarmonicasRelaçõEs EcolóGicas Desarmonicas
RelaçõEs EcolóGicas Desarmonicas
 
Dinossauros e fósseis vivos
Dinossauros e fósseis vivosDinossauros e fósseis vivos
Dinossauros e fósseis vivos
 
Repteis
RepteisRepteis
Repteis
 
Répteis
 Répteis Répteis
Répteis
 
Morcegos guilherme 5 e
Morcegos guilherme 5 eMorcegos guilherme 5 e
Morcegos guilherme 5 e
 
Origem da vida e Evolução
Origem da vida e EvoluçãoOrigem da vida e Evolução
Origem da vida e Evolução
 
Escorpiâo 3º A
Escorpiâo 3º AEscorpiâo 3º A
Escorpiâo 3º A
 
CIT - RS- Peçonhentos - Bombeiros
CIT - RS- Peçonhentos - BombeirosCIT - RS- Peçonhentos - Bombeiros
CIT - RS- Peçonhentos - Bombeiros
 
Conheça o escorpião
Conheça o escorpiãoConheça o escorpião
Conheça o escorpião
 
Aracnideos
AracnideosAracnideos
Aracnideos
 
Corujas
CorujasCorujas
Corujas
 
701
701701
701
 
Animais invertebrdos e vertebrados
Animais invertebrdos e vertebradosAnimais invertebrdos e vertebrados
Animais invertebrdos e vertebrados
 
A evolucao do ser humano 6-ano
A evolucao do ser humano 6-anoA evolucao do ser humano 6-ano
A evolucao do ser humano 6-ano
 
Animais peçonhentos ofidismo
Animais peçonhentos ofidismoAnimais peçonhentos ofidismo
Animais peçonhentos ofidismo
 

Mais de prestao

Filo artrópodes 03 insetos - características e anatomia
Filo artrópodes 03   insetos - características e anatomiaFilo artrópodes 03   insetos - características e anatomia
Filo artrópodes 03 insetos - características e anatomia
prestao
 
Filo artrópodes 04 crustáceos - características e anatomia
Filo artrópodes 04   crustáceos - características e anatomiaFilo artrópodes 04   crustáceos - características e anatomia
Filo artrópodes 04 crustáceos - características e anatomia
prestao
 
Filo artrópodes 02 classificação
Filo artrópodes 02   classificaçãoFilo artrópodes 02   classificação
Filo artrópodes 02 classificação
prestao
 
Filo artrópodes 05 crustáceos - classificação
Filo artrópodes 05   crustáceos - classificaçãoFilo artrópodes 05   crustáceos - classificação
Filo artrópodes 05 crustáceos - classificação
prestao
 
Filo artrópodes 01 características e anatomia
Filo artrópodes 01   características e anatomiaFilo artrópodes 01   características e anatomia
Filo artrópodes 01 características e anatomia
prestao
 
Filo artrópodes 07 miríapodes
Filo artrópodes  07   miríapodesFilo artrópodes  07   miríapodes
Filo artrópodes 07 miríapodes
prestao
 
Filo artrópodes 06 aracnideos - características e aranhas
Filo artrópodes  06   aracnideos - características e aranhasFilo artrópodes  06   aracnideos - características e aranhas
Filo artrópodes 06 aracnideos - características e aranhas
prestao
 
Filo artrópodes 06 aracnideos - ácaros
Filo artrópodes  06   aracnideos - ácarosFilo artrópodes  06   aracnideos - ácaros
Filo artrópodes 06 aracnideos - ácarosprestao
 
Filo anelídeos 02 classificação - poliquetos e aquetos
Filo anelídeos 02   classificação - poliquetos e aquetosFilo anelídeos 02   classificação - poliquetos e aquetos
Filo anelídeos 02 classificação - poliquetos e aquetos
prestao
 
Filo anelídeos 01 características e anatomia
Filo anelídeos 01   características e anatomiaFilo anelídeos 01   características e anatomia
Filo anelídeos 01 características e anatomia
prestao
 
Filo anelídeos 02 classificação - oligoquetas
Filo anelídeos 02   classificação - oligoquetasFilo anelídeos 02   classificação - oligoquetas
Filo anelídeos 02 classificação - oligoquetas
prestao
 

Mais de prestao (11)

Filo artrópodes 03 insetos - características e anatomia
Filo artrópodes 03   insetos - características e anatomiaFilo artrópodes 03   insetos - características e anatomia
Filo artrópodes 03 insetos - características e anatomia
 
Filo artrópodes 04 crustáceos - características e anatomia
Filo artrópodes 04   crustáceos - características e anatomiaFilo artrópodes 04   crustáceos - características e anatomia
Filo artrópodes 04 crustáceos - características e anatomia
 
Filo artrópodes 02 classificação
Filo artrópodes 02   classificaçãoFilo artrópodes 02   classificação
Filo artrópodes 02 classificação
 
Filo artrópodes 05 crustáceos - classificação
Filo artrópodes 05   crustáceos - classificaçãoFilo artrópodes 05   crustáceos - classificação
Filo artrópodes 05 crustáceos - classificação
 
Filo artrópodes 01 características e anatomia
Filo artrópodes 01   características e anatomiaFilo artrópodes 01   características e anatomia
Filo artrópodes 01 características e anatomia
 
Filo artrópodes 07 miríapodes
Filo artrópodes  07   miríapodesFilo artrópodes  07   miríapodes
Filo artrópodes 07 miríapodes
 
Filo artrópodes 06 aracnideos - características e aranhas
Filo artrópodes  06   aracnideos - características e aranhasFilo artrópodes  06   aracnideos - características e aranhas
Filo artrópodes 06 aracnideos - características e aranhas
 
Filo artrópodes 06 aracnideos - ácaros
Filo artrópodes  06   aracnideos - ácarosFilo artrópodes  06   aracnideos - ácaros
Filo artrópodes 06 aracnideos - ácaros
 
Filo anelídeos 02 classificação - poliquetos e aquetos
Filo anelídeos 02   classificação - poliquetos e aquetosFilo anelídeos 02   classificação - poliquetos e aquetos
Filo anelídeos 02 classificação - poliquetos e aquetos
 
Filo anelídeos 01 características e anatomia
Filo anelídeos 01   características e anatomiaFilo anelídeos 01   características e anatomia
Filo anelídeos 01 características e anatomia
 
Filo anelídeos 02 classificação - oligoquetas
Filo anelídeos 02   classificação - oligoquetasFilo anelídeos 02   classificação - oligoquetas
Filo anelídeos 02 classificação - oligoquetas
 

Último

Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AntonioVieira539017
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
Suzy De Abreu Santana
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Centro Jacques Delors
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 

Último (20)

Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 

Filo artrópodes 06 aracnideos - escorpião

  • 1.
  • 2.  INCLUI DENTRE OUTROS:INCLUI DENTRE OUTROS: ARANHASARANHAS CARRAPATOSCARRAPATOS OPILIÕESOPILIÕES ESCORPIÕESESCORPIÕES  COMPREENDE MAIS DE 60.000 ESPÉCIESCOMPREENDE MAIS DE 60.000 ESPÉCIES  QUASE TODAS AS ESPÉCIES SÃO ANIMAISQUASE TODAS AS ESPÉCIES SÃO ANIMAIS TERRESTRESTERRESTRES ARACNÍDEOSARACNÍDEOS
  • 3.
  • 4. ORDEM SCORPIONESORDEM SCORPIONES  O ESCORPIÃO, TAMbÉM CONHECIDO POR LACRAU  POSSUI PATAS fORMADAS POR váRIOS SEgMENTOS)  ExISTEM REgISTROS CIENTÍfICOS DA ExISTêNCIA DOS ESCORPIÕES Há MAIS DE 400 MILHÕES DE ANOS.  SEgUNDO PESQUISAS, fORAM ELES OS PRIMEIROS ARTRóPODES A CONQUISTAR O AMbIENTE TERRESTRE. NESTA ADAPTAçÃO, LHES fOI MUITO úTIL A CARAPAçA DE QUITINA QUE COMPÕE O SEU ExOESQUELETO E QUE EvITA A EvAPORAçÃO ExCESSIvA.
  • 5. ESPÉCIES DE ESCORPIÕESESPÉCIES DE ESCORPIÕES  ExISTEM CERCA DE 1600 ESPÉCIES E SUbESPÉCIES DISTRIbUÍDAS EM 116 gêNEROS DIfERENTES EM TODO O MUNDO.  NO bRASIL ExISTE CERCA DE 140 ESPÉCIES. PORÉM, PESQUISAS RECENTES COMPROvAM A ExISTENCIA DE UMA ExPÉCIE MUITO RARA.  A gAMA DO TEMPO DE vIDA PARECE SITUAR- SE ENTRE OS 4 A 25 ANOS, TENDO SIDO 25 ANOS O TEMPO DE vIDA MáxIMO REgISTADO PARA A ESPÉCIE H. ARIzONENSIS.
  • 6. CARACTERÍSTICAS DOS ESCORPIÕESCARACTERÍSTICAS DOS ESCORPIÕES  O CORPO DOS ESCORPIÕES É DIvIDIDO EM:  PROSOMO (CEfALOTóRAx): REgIÃO ANTERIOR, ONDE SE ENCONTRAM OS OLHOS, QUELÍCERAS, PEDIPALPOS TERMINADOS EM QUELAS (PINçAS) E PERNAS E OS PENTES  MESOSSOMO: REgIÃO LARgA DO CORPO, ONDE SE ENCONTRAM AS AbERTURAS DOS PULMÕES E OPÉRCULO gENITAL.  METASSOMO: vULgARMENTE CONHECIDO COMO CAUDA, ALI SE ENCONTRAM UMA ESTRUTURA CILÍNDRICA COM UM ESPINHO NA PONTA, CHAMADA TELSON (O fERRÃO), DUAS gLâNDULAS DE vENENO E O âNUS.  ORDEM DOS 30 CM E CHEgAM A CAPTURAR ATÉ PEQUENOS vERTEbRADOS(LAgARTOS, RÃS E ROEDORES)
  • 7.
  • 8. HAbITAT DOS ESCORPIÕESHAbITAT DOS ESCORPIÕES  vIvEM NAS PEDRAS, MADEIRAS E TRONCOS PODRES  ALgUNS ENTERRAM-SE NO SOLO úMIDO DA MATA, OUTROS NA AREIA DO DESERTO, OUTROS AINDA vIvEM EM bROMÉLIAS, QUE CRESCEM NO CHÃO OU MESMO A gRANDES ALTURAS NAS áRvORES.  OUTROS DÃO PREfERêNCIA àS PROxIMIDADES DAS RESIDêNCIAS HUMANAS ONDE SE ESCONDEM NO ENTULHO, EM MADEIRAS EMPILHADAS;  É fREQüENTE APARECEREM jUNTO àS LINHAS DE TREM, ESCONDENDO-SE SOb LAjES DOS TúMULOS.
  • 10. alimentação dos escorpiõesalimentação dos escorpiões  são predadores de insetos, como baratas, grilos, cupins, etc.  alimentam-se também de aranhas e de outros escorpiões.  o escorpião segura a presa com a pinça dos palpos, curva para frente o metassoma e injeta o veneno com o ferrão, paralisando a presa quase imediatamente.
  • 11.  a reprodução da grande maioria das espécies é sexuada, exigindo a intervenção de machos e fÊmeas, porém, algumas espécies possuem reprodução monÓica (também chamada partenogÊnese), ou seja, não exige a presença de machos.  neste processo, Óvulos não fertilizados dão origem a embriões vivos.  na reprodução sexuada, tal como em outras espécies, há uma dança nupcial que antecede o acasalamento. reprodução de escorpiõesreprodução de escorpiões
  • 12.  o macho limpa o chão com os pentes e deposita aí uma cápsula contendo espermatozÓides (espermatÓforo). de seguida, arrasta a fÊmea para cima dos espermatozÓides a fim de que ela os receba.  os escorpiões são vivíparos, ou seja, não põem ovos. podem gerar de 6 a 90 filhotes reprodução de escorpiõesreprodução de escorpiões
  • 13.  o ferrão do escorpião (chamado de telson), além de servir para agarrar a presa, se defender, e no acasalamento, inocula na presa um veveno.  ao dar a ferroada, o escorpião regula a quantidade de veneno injetado através da contração dos músculos da vesícula.  alguns escorpiões não injetam veneno algum quando cravam o ferrão.  este veneno contém uma série de substâncias cuja composição química não está bem definida, porém contém neurotoxinas, histaminas, seratonina, enzimas, inibidores de enzimas, e outras. veneno dos escorpiõesveneno dos escorpiões
  • 14.
  • 15.  os escorpiões sÓ atacam o homem quando se sentem acuados e em circunstância de defesa. antes que um acidente com escorpiões ocorra, devem-se tomar algumas medidas básicas para evitar o mesmo:  sacudir e examinar calçados e roupas antes de usar;  manter limpos os locais prÓximos a residÊncias evitando acúmulo de lixo, entulhos e materiais de construção;  manter o habitat familiar livre de baratas, que são reconhecidas como um dos principais alimentos dos escorpiões nos centros urbanos.  não colocar mãos e pés dentro de buracos, montes de pedras ou lenhas, etc. prevenção de acidentesprevenção de acidentes
  • 16. Escorpionismo por espécie e macro-região.Escorpionismo por espécie e macro-região. SVS- M. Saúde, Brasil, dados de 2002SVS- M. Saúde, Brasil, dados de 2002 Macro-região /Macro-região / spsp NorteNorte NordesteNordeste Centro-Centro- OesteOeste SudesteSudeste SulSul %% NRNR 567567 67436743 969969 56775677 969969 66,466,4 Outra spOutra sp 1212 2424 2424 3030 2424 0,50,5 BotriurusBotriurus 1616 9191 99 6666 99 1,01,0 T stigmurusT stigmurus 1414 10481048 99 7878 99 5,45,4 T bahiensisT bahiensis 152152 236236 3535 575575 3535 4,94,9 T serrulatusT serrulatus 9696 14671467 104104 29742974 104104 21,921,9
  • 17. Escorpionismo no Brasil.Escorpionismo no Brasil. Série histórica, 1989-2006. SVS- M. SaúdeSérie histórica, 1989-2006. SVS- M. Saúde 0 10000 20000 30000 40000 50000 89 90 91 92 93 94 95 96 97 98 99 0 1 2 3 4 5 6
  • 18.
  • 19.
  • 20.  O maiOr de tOdOs Os escOrpiões, em cOmprimentO, é prOvavelmente O sul - africanO HadOgenes trOglOdytes, cujOs macHOs pOdem atingir até 21 cm.  entre as espécies de pequenO cOmprimentO, O menOr dOs escOrpiões talvez seja O micrOtityus waeringi, que mal cHega a 12 mm, quandO adultO curiOsidades dOs escOrpiõescuriOsidades dOs escOrpiões
  • 23.