SlideShare uma empresa Scribd logo
ESTUDO COMPARATIVO DA NORMA BRASILEIRA DE
DESCRIÇÃO ARQUIVÍSTICA (NOBRADE) E O FORMATO DE
ENTRADA MARC 21:
contribuição para a descrição e automação
de arquivos com base em
padrões biblioteconômicos
Daniel Ribeiro dos Santos
Bibliotecário/Documentalista – UFF
Maria José Veloso da Costa Santos
Professora - UFRJ
A DESCRIÇÃO DA INFORMAÇÃO:
origens e princípios
•Atividade que evoluiu ao longo de muitos séculos
•Remonta a Antiguidade e está historicamente associada à
elaboração de catálogos.

Catálogo da Biblioteca de Nínive - século VII a.C.

Pinakes, organizado por Calimacus de Sirene, na Biblioteca
de Alexandria – c.a. 260 a.C-240 a.C.
A DESCRIÇÃO DA INFORMAÇÃO:
origens e princípios
•Bibliotheca Universalis – publicada por Conrad Gesner, em
1534 - dividida em 4 partes - arrolam, alfabeticamente, c. a. de
1800 autores e títulos, produzidos nos primeiros anos da
imprensa na Europa, além de uma taxonomia dos saberes da
época e Índice remissivo. (BRADFORD, 1961)
•Catalogue of English Printed Books - publicado pelo bibliógrafo
inglês, Andrew Maunsell, em 1595 - conjunto de regras para
descrição - definição da entrada de autores pessoais pelo
sobrenome e títulos uniformes para a Bíblia.
A DESCRIÇÃO DA INFORMAÇÃO:
origens e princípios

Os Catálogos
•São instrumentos importantes para recuperação, acesso e
organização da informação e coleções em unidades de informação.
•São “[...] um meio de comunicação, que veicula mensagens sobre
os registros do conhecimento, de um ou vários acervos, reais ou
ciberespaciais [...] reunindo os registros do conhecimento por
semelhanças, para os usuários desses acervos”
(MEY; SILVEIRA, 2009, p. 12).
A DESCRIÇÃO DOCUMENTAL EM
ARQUIVOS
“Conjunto de procedimentos que, a partir de elementos formais
e de conteúdo, permitem a identificação de documentos e a
elaboração de instrumentos de pesquisa”. (CAMARGO;
BELLOTTO, 1996, p. 23).
Catálogos de bibliotecas e Instrumentos de pesquisa
de arquivos permitem de forma mais direta aos usuários,
rastrear e localizar a informação e a documentação pertinentes.
RECUPERAÇÃO DA INFORMAÇÃO
A DESCRIÇÃO DOCUMENTAL EM ARQUIVOS:
Norma Brasileira de Descrição Arquivística
NOBRADE
•Norma nacional que preconiza padrões para a descrição
documental nos arquivos brasileiros, publicada em 2006, pelo
Conselho Nacional de Arquivos.
•Baseada na International Standard Archival Description
(ISAD) (General) (G) - publicada pelo
International Council on Archives
•Utilizada preferencialmente na descrição de documentos da
fase permanente, sem restrições de uso quanto ao suporte ou
gênero dos documentos.
A DESCRIÇÃO DOCUMENTAL EM ARQUIVOS:
NOBRADE - Estrutura
•8 áreas com 28 elementos de descrição e 6 níveis de descrição

1. Identificação
2. Contextualização
3. Conteúdo e Estrutura
4. Condições de Acesso e Uso
5. Fontes Relacionadas
6. Notas
7. Controle da descrição
8. Pontos de Acesso e Indexação de Assuntos.
A DESCRIÇÃO DOCUMENTAL EM ARQUIVOS:
NOBRADE - Estrutura
Acervo da Entidade Custodiadora (nível 0)
Fundo ou Coleção (nível 1)
Seção (nível 2)
Série (nível 3)
Dossiê ou Processo (nível 4)
Item Documental (nível 5)

•Admite níveis intermediários de descrição
como sexta possibilidade.
A DESCRIÇÃO DOCUMENTAL EM ARQUIVOS:
NOBRADE - Estrutura
Diagrama de Níveis de Descrição

Fonte: NOBRADE, 1996.
A DESCRIÇÃO DOCUMENTAL
EM BIBLIOTECAS:
o formato MARC 21
MAchine Readeable Cataloging
•Padrão aberto, mundialmente usado para codificação de
registros bibliográficos;
•Concebido nos anos de 1960 como um método de conversão de
fichas da Library of Congress (LC) para um formato legível por
máquina, para possibilitar o intercâmbio de registros
entre bibliotecas;
•Durante as décadas de 60, 70 e parte dos 80, o formato foi usado
para troca eletrônica entre computadores de grande porte, e gerar
fichas catalográficas impressas para unidades de informação.
(MODESTO, 2007).
A DESCRIÇÃO DOCUMENTAL
EM BIBLIOTECAS:
o formato MARC 21
MAchine Readeable Cataloging

•Possibilita sua implementação, intercâmbio e migração
por meio de computadores, favorecendo o
compartilhamento de registros e o fortalecimento de
bases de dados cooperativas.
A DESCRIÇÃO DOCUMENTAL
EM BIBLIOTECAS:
o formato MARC 21
Uso do formato MARC 21, não prescinde da utilização de
padrões específicos para:
•Determinação de pontos de Acesso principal e secundários de
um item;
•Descrição;
•Classificação;
•Pontos de acesso de assuntos;
•Número de localização.

Código de Catalogação; Sistema de Classificação e
Vocabulário Controlado
DIFERENÇA PRINCIPAL ENTRE A
DESCRIÇÃO EM BIBLIOTECAS E
A DESCRIÇÃO ARQUIVÍSTICA
•Descrição em bibliotecas
Representação de itens documentais individualmente,
sem estabelecer relações entre eles
Descrição em arquivos
Representação de conjuntos documentais, de forma
sintética, das características físicas e informacionais do
conjunto.
A PESQUISA
OBJETIVO DA PESQUISA
Comparar a Norma Brasileira de Descrição
Arquivística (NOBRADE) e o Formato MARC 21,
para identificar a compatibilidade entre os dois
padrões para a descrição de documentos e
fundos de arquivo.
METODOLOGIA
Método comparativo de pesquisa, que permite perceber
semelhanças e diferenças, construir modelos e tipologias e
identificar continuidades e descontinuidades
(SCHNEIDER; SCHMIDT, 1998)
Procedimentos
•Seleção dos campos MARC 21 com possível correlação com os
elementos de descrição da NOBRADE.

•Confronto dos campos MARC selecionados com os elementos de
descrição previstos na NOBRADE, gerando quadros comparativos.
AMOSTRA
•28 elementos de descrição da NOBRADE
•19 campos do Formato MARC 21
•Total de elementos
comparados: 47

analisados

e
Áreas e elementos da descrição segundo a
NOBRADE
Áreas da Descrição

1 Área de identificação

2 Área de contextualização

3 Área de conteúdo e estrutura

4 Área de condições de acesso e uso

Elementos e Campos da Descrição
1.1 Código de Referência
1.2 Título
1.3 Data(s)
1.4 Nível de descrição
1.5 Dimensão e suporte
2.1 Nome(s) do(s) produtor(es)
2.2 História administrativa/Biografia
2.3 História arquivística
2.4 Procedência
3.1 Âmbito e conteúdo
3.2 Avaliação, eliminação e temporalidade
3.3 Incorporações
3.4 Sistema de arranjo
4.1 Condições de acesso
4.2 Condições de reprodução
4.3 Idioma
4.4 Características físicas e requisitos técnicos
4.5 Instrumentos de pesquisa
Continua...
Áreas e elementos da descrição segundo a
NOBRADE

5 Área de fontes relacionadas

6 Área de Notas

7 Área de controle da descrição
8 Área de pontos de acesso e
indexação de assuntos

Continuação...
5.1 Existência e localização dos originais
5.2 Existência e localização de cópias
5.3 Unidades de descrição relacionadas
5.4 Nota sobre publicação
6.1 Notas sobre conservação
6.2 Notas gerais
7.1 Nota do arquivista
7.2 Regras ou convenções
7.3 Data(s) da(s) descrição(ões)
8.1 Pontos de acesso e indexação de assuntos
Campos do Formato MARC 21
Bibliográfico
Líder

351 Organização e arranjo dos materiais

001 Número de controle

355 Controle de classificação de segurança

003 Identificador do número de controle

500 Nota geral

005 Data e hora da última intervenção

505 Nota de conteúdo

008 Campos fixos de dados – Todos os materiais

506 Nota de acesso restrito

040 Fonte da catalogação

520 Nota de resumo

041 Código do idioma

544 Nota de localização de materiais de arquivo

044 Código do país da empresa de publicação ou
produção

545 Nota biográfica ou histórica

045 Código de período cronológico

556 Nota de informação sobre documentação

084 Outro número de classificação

561 Nota de histórico de procedência

090 Números de chamada local

565 Nota de características de arquivo

100, 110, 111 - Entrada principal

584 Nota de acumulação e frequência de uso

245 Título

600,610,611, 650 e 651 - Assuntos

300 Descrição física

842 Designação textual de forma física

546 Nota de idioma

852 Localização/Número de chamada
Comparação entre os elementos de descrição da
NOBRADE e o Formato MARC 21
////= Campo não correspondente no MARC21

Elementos de Descrição Segundo a
NOBRADE

Campos MARC Próximos ou
Equivalentes

1.1 Código de Referência

084 Outro número de classificação,
ou 090 Número de chamada.

1.2 Título

245 Título

1.3 Data(s)

260 Publicação (subcampo c – data)

1.4 Nível de descrição
1.5 Dimensão e suporte

//////
300 Descrição física

2.1 Nome(s) do(s) produtor(es)

100,110,111 Autoria e/ou 508 Nota
de crédito de produção/criação

2.2 História
administrativa/Biografia
2.3 História arquivística
2.4 Procedência
3.1 Âmbito e conteúdo
3.2 Avaliação, eliminação e
temporalidade

545 Nota biográfica ou histórica
545 Nota biográfica ou histórica
561 Nota de histórico de
procedência
505 Nota de conteúdo
505 Nota de conteúdo
Continua...
Comparação entre os elementos de descrição da NOBRADE e
o Formato MARC 21
Elementos de Descrição Segundo a
NOBRADE
3.3 Incorporações

Campos MARC Próximos ou Equivalentes
Continuação...

505 Nota de conteúdo ou geral.

3.4 Sistema de arranjo

351 Organização e arranjo dos materiais

4.1 Condições de acesso

506 Nota de acesso restrito
845 Nota termos reguladores de uso e
reprodução
546 Nota de idioma

4.2 Condições de reprodução
4.3 Idioma
4.4 Características físicas e
requisitos técnicos

842 Designação textual de forma física

4.5 Instrumentos de pesquisa

581 Nota de publicações sobre materiais
descritos

5.1 Existência e localização dos
originais

535 Nota de localização dos
originais/duplicatas e
852 Localização/Número de chamada

5.2 Existência e localização de
cópias

535 Nota de localização dos originais/
duplicatas
852 Localização/Número de chamada
Continua...
////= Campo não correspondente no MARC21

Comparação entre os elementos de descrição da
NOBRADE e o Formato MARC 21
Elementos de Descrição Segundo a
NOBRADE

Campos MARC Próximos ou
Equivalentes
Continuação....

5.3 Unidades de descrição
relacionadas

///////

5.4 Nota sobre publicação

581 Nota de publicações sobre
materiais descritos

6.1 Notas sobre conservação

500 Nota geral

6.2 Notas gerais

500 Nota geral

7.1 Nota do arquivista

520 Nota de resumo

7.2 Regras ou convenções

520 Nota de resumo

7.3 Data(s) da(s) descrição(ões)

005 Data e hora da última intervenção

8.1 Pontos de acesso e indexação de 600,610,611, 650 e 651 Assuntos;
assuntos
700, 710, 711 Entradas secundárias
Campos Específicos Para
Descrição de Documentos de
Arquivo no MARC 21
845 (Nota termos reguladores de uso e reprodução);
545 (Nota biográfica ou histórica);
561 (Nota de histórico de procedência).
351 (Organização e arranjo dos materiais);
533 (Nota de reprodução);
535 (Nota de localização dos originais/duplicatas).
Problemas Identificados
•Baixa compatibilidade do elemento de
descrição "data" da NOBRADE com o
formato MARC 21.
•Necessidade
de
agrupamento
simultâneo de determinados campos da
NOBRADE em um mesmo campo MARC.
•Dificuldade de realizar a descrição
multinível (fundo, seção, série, subsérie,
dossiê/processo e item documental) em
um mesmo registro MARC 21,
mostrando as relações entre os níveis.
SOLUÇÃO PROPOSTA PARA A
DESCRIÇÃO MULTINÍVEL
•Base Minerva/UFRJ
Utilização do campo de analíticas,
representado por LKR ou campo 773.
Um exemplo do uso desta solução
encontra-se na descrição das séries,
subséries, etc do Fundo José Feio da
Seção de Memória e Arquivo do Museu
Nacional/UFRJ.
ESTUDO COMPARATIVO DA NORMA BRASILEIRA DE DESCRIÇÃO ARQUIVÍSTICA (NOBRADE) E O FORMATO DE ENTRADA MARC 21: contribuição para a descrição e automação  de arquivos com base em  padrões biblioteconômicos
REFLEXÕES FINAIS
•O objetivo principal do presente estudo foi, por meio da
comparação de dois padrões, um para descrição em
bibliotecas e o outro para a descrição em arquivos (NOBRADE
e MARC21) detectar se a utilização do formato MARC 21 se
adequa para a automação de documentos de arquivo – os
objetivos foram cumpridos.
•Os resultados obtidos mostraram que o formato MARC 21
adequa-se para a descrição arquivística - não em total
conformidade com os padrões e elementos de descrição
previstos na NOBRADE.
•MARC21 e NOBRADE podem se compatibilizar desde que
sejam flexibilizados e que sejam observadas suas
respectivas limitações.
•Pesquisas adicionais devem ser realizadas para a
complementação dessa contribuição
REFERÊNCIAS
AMAN, Mohammed. El legado de Alejandro Magno: la antigua biblioteca de Alejandría.
La Tadeo, Bogotá, n. 65, p. 30-37, 1. sem. 2001.
BARBOSA, Alice Príncipe. Novos rumos da catalogação. Organização, revisão e
atualização de Elza Lima e Silva Maia. Rio de Janeiro: BNG/Brasilart, 1978. 246 p.
BATTLES, Matthew. A conturbada história das bibliotecas. São Paulo: Planeta do Brasil,
2003.
BELLOTTO, Heloísa Liberalli. Arquivos permanentes: tratamento documental. 4. ed. Rio
de Janeiro: Fundação Getulio Vargas, 2006.
BOTÃO, Antonio Victor Rodrigues. Recuperação da informação digital: a Norma
Brasileira de Descrição Arquivística (NOBRADE) na descrição de material imagético.
2011. 91 f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) – Universidade Federal do
Rio de Janeiro, Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia, Programa de
Pós-Graduação em Ciência da Informação, Rio de Janeiro, 2011.

BRADFORD, Samuel Clement. Documentação. Tradução M. E. de Mello e Cunha. Rio de
Janeiro: Fundo de Cultura, 1961. 292 p.
REFERÊNCIAS
CAMARGO, Ana Maria de Almeida; BELLOTTO, Heloísa Liberalli. (Coord.). Dicionário de
terminologia arquivística. Colaboração: Aparecida Sales Linares Botani et al. São Paulo:
Associação dos Arquivistas Brasileiros, Núcleo Regional de São Paulo, 1996. 142 p.
CAMPELLO, Bernadete. Introdução ao controle bibliográfico. 2. ed. Brasília: Briquet de
Lemos/Livros, 2006.
CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS. NOBRADE: norma brasileira de descrição
arquivística. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2006. 123 p. FERREIRA, Margarida M.
MARC 21: formato condensado para dados bibliográficos. Marília: UNESP, 2000. 286 p.
FLOWER, Derek Adie. Biblioteca de Alexandria: as histórias da maior biblioteca da
Antiguidade. São Paulo: Nova Alexandria, 2010. 215 p.
FONSECA, Maria Odila. Arquivologia e ciência da informação. Rio de Janeiro: FGV, 2005.
121 p.

MEY, Eliane Serrão Alves; SILVEIRA, Naira Christofoletti. Catalogação no plural. Brasília:
Briquet de Lemos/Livros, 2009. 217p.
MODESTO, Fernando. O acervo da biblioteca está redondo, deixe-o em forma com o
MARC. Info Home, [São Paulo], abr. 2007. Disponível em:
<http://www.ofaj.com.br/colunas conteudo.php?cod=294>. Acesso em: 29 mar. 2013.
REFERÊNCIAS
SANTOS, Maria José Veloso da Costa. A representação da informação em arquivos:
viabilidade de uso dos padrões utilizados na biblioteconomia. Acervo, Rio de Janeiro, v.
20, n. 1/2, p. 57-66, jan./dez. 2007.
SCHELLENBERG, T. R. Arquivos modernos: princípios e técnicas. 6. ed. Rio de Janeiro:
FGV, 2006.
SCHNEIDER, S.; SCHMIDT, C.J. O uso do método comparativo nas Ciências Sociais.
Cadernos de Sociologia, v.9, p.49-87, 1998.
SOUZA, Brisa Pozzi de; FUJITA, Mariângela Spotti Lopes. Do catálogo impresso ao online: algumas considerações e desafios para o bibliotecário. Revista ACB:
Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v. 17, n. 1, p. 59-75, jan./jun. 2012.
Disponível em:
<http://revistaacb.emnuvens.com.br/racb/article/viewFile/822/pdf_71>. Acesso em:
31 mar. 2013.

ZAFALON, Zaira Regina. Formato MARC 21 bibliográfico: estudo e aplicações para
livros, folhetos, folhas impressas e manuscritos. São Carlos: EDUFSCar, 2011. 112 p.
ZAHER, Célia Ribeiro; GOMES, Hagar Espanha. Da Bibliografia à Ciência da Informação:
um histórico e uma posição. Ci. Inf., Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, p. 5-7, 1972.
OBRIGADO!!!
Maria José Veloso da Costa Santos
Bibliotecária aposentada – UFRJ
Professora - Curso de Biblioteconomia e Gestão de Unidades de
Informação
Faculdade de Administração e Ciências Contábeis/UFRJ
msantos1402@gmail.com
Daniel Ribeiro dos Santos
Bibliotecário/Documentalista – Especialista em Políticas de
Informação e Organização do Conhecimento
Biblioteca do Instituto Biomédico/UFF
danielrdossantos@yahoo.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Classificação Decimal Universal (aula completa)
Classificação Decimal Universal (aula completa)Classificação Decimal Universal (aula completa)
Classificação Decimal Universal (aula completa)
Raquel Prado Leite de Sousa
 
Conservação de Acervos Bibliográficos SiBUCS
Conservação de Acervos Bibliográficos SiBUCSConservação de Acervos Bibliográficos SiBUCS
Conservação de Acervos Bibliográficos SiBUCS
Biblioteca UCS
 
Aula 4 Descrição Arquivística - Principios de Classificação e Quadro de Arranjo
Aula 4 Descrição Arquivística - Principios de Classificação e Quadro de ArranjoAula 4 Descrição Arquivística - Principios de Classificação e Quadro de Arranjo
Aula 4 Descrição Arquivística - Principios de Classificação e Quadro de Arranjo
Charlley Luz
 
Serviço processo referencia
Serviço processo referencia Serviço processo referencia
Serviço processo referencia
Célia Dias
 
A catalogação em +/- 60 minutos
A catalogação em +/- 60 minutosA catalogação em +/- 60 minutos
A catalogação em +/- 60 minutos
Ana Carolina Simionato
 
Descrição Arquivística: os princípios da descrição de acervos. Aula 2 2013 II...
Descrição Arquivística: os princípios da descrição de acervos. Aula 2 2013 II...Descrição Arquivística: os princípios da descrição de acervos. Aula 2 2013 II...
Descrição Arquivística: os princípios da descrição de acervos. Aula 2 2013 II...
Charlley Luz
 
Obras de referência
Obras de referênciaObras de referência
Obras de referência
Célia Dias
 
Slide - apresentação seminário conservação preventiva
Slide - apresentação seminário conservação preventivaSlide - apresentação seminário conservação preventiva
Slide - apresentação seminário conservação preventiva
AlexSalustino
 
Introdução à Biblioteconomia para Bibliotecas Escolares
Introdução à Biblioteconomia para Bibliotecas EscolaresIntrodução à Biblioteconomia para Bibliotecas Escolares
Introdução à Biblioteconomia para Bibliotecas Escolares
Carlos Pinheiro
 
Glossário de Biblioteconomia
Glossário de BiblioteconomiaGlossário de Biblioteconomia
Glossário de Biblioteconomia
Rodrigo Rocha
 
Aula 3 2013 - DESCRIÇÃO ARQUIVÍSTICA 0 GESTÃO ARQUIVÍSTICA FESP-SP
Aula 3 2013 - DESCRIÇÃO ARQUIVÍSTICA 0 GESTÃO ARQUIVÍSTICA FESP-SPAula 3 2013 - DESCRIÇÃO ARQUIVÍSTICA 0 GESTÃO ARQUIVÍSTICA FESP-SP
Aula 3 2013 - DESCRIÇÃO ARQUIVÍSTICA 0 GESTÃO ARQUIVÍSTICA FESP-SP
Charlley Luz
 
Classificação e Catalogação em Bibliotecas
Classificação e Catalogação em BibliotecasClassificação e Catalogação em Bibliotecas
Classificação e Catalogação em Bibliotecas
Lygia Canelas
 
Introduction to Cataloging and Classification
Introduction to Cataloging and ClassificationIntroduction to Cataloging and Classification
Introduction to Cataloging and Classification
Ime Amor Mortel
 
Rede Bibliodata
Rede BibliodataRede Bibliodata
Rede Bibliodata
Klicia Mendonca
 
Aula 5 - Descrição Arquivística 2013
Aula 5 - Descrição Arquivística 2013Aula 5 - Descrição Arquivística 2013
Aula 5 - Descrição Arquivística 2013
Charlley Luz
 
Serviço de Referência
Serviço de ReferênciaServiço de Referência
Serviço de Referência
ROSANGELAGOMES44
 
MARC 21
MARC 21MARC 21
MARC 21
UNESP
 
Aula 1 Descrição Arquivística 2013
Aula 1 Descrição Arquivística 2013Aula 1 Descrição Arquivística 2013
Aula 1 Descrição Arquivística 2013
Charlley Luz
 
2 Desenvolvimento de coleções: política
2 Desenvolvimento de coleções: política2 Desenvolvimento de coleções: política
2 Desenvolvimento de coleções: política
Leticia Strehl
 
Introduction to subject cataloguing
Introduction to subject cataloguingIntroduction to subject cataloguing
Introduction to subject cataloguing
Liah Shonhe
 

Mais procurados (20)

Classificação Decimal Universal (aula completa)
Classificação Decimal Universal (aula completa)Classificação Decimal Universal (aula completa)
Classificação Decimal Universal (aula completa)
 
Conservação de Acervos Bibliográficos SiBUCS
Conservação de Acervos Bibliográficos SiBUCSConservação de Acervos Bibliográficos SiBUCS
Conservação de Acervos Bibliográficos SiBUCS
 
Aula 4 Descrição Arquivística - Principios de Classificação e Quadro de Arranjo
Aula 4 Descrição Arquivística - Principios de Classificação e Quadro de ArranjoAula 4 Descrição Arquivística - Principios de Classificação e Quadro de Arranjo
Aula 4 Descrição Arquivística - Principios de Classificação e Quadro de Arranjo
 
Serviço processo referencia
Serviço processo referencia Serviço processo referencia
Serviço processo referencia
 
A catalogação em +/- 60 minutos
A catalogação em +/- 60 minutosA catalogação em +/- 60 minutos
A catalogação em +/- 60 minutos
 
Descrição Arquivística: os princípios da descrição de acervos. Aula 2 2013 II...
Descrição Arquivística: os princípios da descrição de acervos. Aula 2 2013 II...Descrição Arquivística: os princípios da descrição de acervos. Aula 2 2013 II...
Descrição Arquivística: os princípios da descrição de acervos. Aula 2 2013 II...
 
Obras de referência
Obras de referênciaObras de referência
Obras de referência
 
Slide - apresentação seminário conservação preventiva
Slide - apresentação seminário conservação preventivaSlide - apresentação seminário conservação preventiva
Slide - apresentação seminário conservação preventiva
 
Introdução à Biblioteconomia para Bibliotecas Escolares
Introdução à Biblioteconomia para Bibliotecas EscolaresIntrodução à Biblioteconomia para Bibliotecas Escolares
Introdução à Biblioteconomia para Bibliotecas Escolares
 
Glossário de Biblioteconomia
Glossário de BiblioteconomiaGlossário de Biblioteconomia
Glossário de Biblioteconomia
 
Aula 3 2013 - DESCRIÇÃO ARQUIVÍSTICA 0 GESTÃO ARQUIVÍSTICA FESP-SP
Aula 3 2013 - DESCRIÇÃO ARQUIVÍSTICA 0 GESTÃO ARQUIVÍSTICA FESP-SPAula 3 2013 - DESCRIÇÃO ARQUIVÍSTICA 0 GESTÃO ARQUIVÍSTICA FESP-SP
Aula 3 2013 - DESCRIÇÃO ARQUIVÍSTICA 0 GESTÃO ARQUIVÍSTICA FESP-SP
 
Classificação e Catalogação em Bibliotecas
Classificação e Catalogação em BibliotecasClassificação e Catalogação em Bibliotecas
Classificação e Catalogação em Bibliotecas
 
Introduction to Cataloging and Classification
Introduction to Cataloging and ClassificationIntroduction to Cataloging and Classification
Introduction to Cataloging and Classification
 
Rede Bibliodata
Rede BibliodataRede Bibliodata
Rede Bibliodata
 
Aula 5 - Descrição Arquivística 2013
Aula 5 - Descrição Arquivística 2013Aula 5 - Descrição Arquivística 2013
Aula 5 - Descrição Arquivística 2013
 
Serviço de Referência
Serviço de ReferênciaServiço de Referência
Serviço de Referência
 
MARC 21
MARC 21MARC 21
MARC 21
 
Aula 1 Descrição Arquivística 2013
Aula 1 Descrição Arquivística 2013Aula 1 Descrição Arquivística 2013
Aula 1 Descrição Arquivística 2013
 
2 Desenvolvimento de coleções: política
2 Desenvolvimento de coleções: política2 Desenvolvimento de coleções: política
2 Desenvolvimento de coleções: política
 
Introduction to subject cataloguing
Introduction to subject cataloguingIntroduction to subject cataloguing
Introduction to subject cataloguing
 

Destaque

Indexação De Livros
Indexação De LivrosIndexação De Livros
Indexação De Livros
Camila Ribeiro
 
AULA classificação facetada
AULA classificação facetadaAULA classificação facetada
AULA classificação facetada
Humberto Silva
 
Ciência da Informação: histórico e delimitação do campo
Ciência da Informação: histórico e delimitação do campoCiência da Informação: histórico e delimitação do campo
Ciência da Informação: histórico e delimitação do campo
Giseli Adornato de Aguiar
 
Analise Documental-AI1-1ºano
Analise Documental-AI1-1ºanoAnalise Documental-AI1-1ºano
Analise Documental-AI1-1ºano
CTDI Grupo5
 
Principios tecnicas de_indexacao[1]
Principios tecnicas de_indexacao[1]Principios tecnicas de_indexacao[1]
Principios tecnicas de_indexacao[1]
UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ
 
Elab2010
Elab2010Elab2010
Elab2010
cibeleac
 
Tratamento documental fátima rocha
Tratamento documental   fátima rochaTratamento documental   fátima rocha
Tratamento documental fátima rocha
Isabel Mendinhos
 
Sistemas de classificação bibliográfica [perspectivas da biblioteconomia cont...
Sistemas de classificação bibliográfica [perspectivas da biblioteconomia cont...Sistemas de classificação bibliográfica [perspectivas da biblioteconomia cont...
Sistemas de classificação bibliográfica [perspectivas da biblioteconomia cont...
Daniel Ribeiro dos Santos
 
Pesquisa qualitativa
Pesquisa qualitativaPesquisa qualitativa
Pesquisa qualitativa
Cristiana Campos
 
Preparatório Santa Biblioteconomia - Foco UFF e Aeronáutica - Aula 2
Preparatório Santa Biblioteconomia - Foco UFF e Aeronáutica - Aula 2Preparatório Santa Biblioteconomia - Foco UFF e Aeronáutica - Aula 2
Preparatório Santa Biblioteconomia - Foco UFF e Aeronáutica - Aula 2
Thalita Gama
 
Análise de conteúdo documental: a recuperação da informação.
Análise de conteúdo documental: a recuperação da informação.Análise de conteúdo documental: a recuperação da informação.
Análise de conteúdo documental: a recuperação da informação.
Pedro Abreu Peixoto
 
Marc 21
Marc 21Marc 21
Marc 21
Soumen Mondal
 
A árvore Generosa
  A árvore Generosa  A árvore Generosa
A árvore Generosa
Fátima Lares Correia
 

Destaque (13)

Indexação De Livros
Indexação De LivrosIndexação De Livros
Indexação De Livros
 
AULA classificação facetada
AULA classificação facetadaAULA classificação facetada
AULA classificação facetada
 
Ciência da Informação: histórico e delimitação do campo
Ciência da Informação: histórico e delimitação do campoCiência da Informação: histórico e delimitação do campo
Ciência da Informação: histórico e delimitação do campo
 
Analise Documental-AI1-1ºano
Analise Documental-AI1-1ºanoAnalise Documental-AI1-1ºano
Analise Documental-AI1-1ºano
 
Principios tecnicas de_indexacao[1]
Principios tecnicas de_indexacao[1]Principios tecnicas de_indexacao[1]
Principios tecnicas de_indexacao[1]
 
Elab2010
Elab2010Elab2010
Elab2010
 
Tratamento documental fátima rocha
Tratamento documental   fátima rochaTratamento documental   fátima rocha
Tratamento documental fátima rocha
 
Sistemas de classificação bibliográfica [perspectivas da biblioteconomia cont...
Sistemas de classificação bibliográfica [perspectivas da biblioteconomia cont...Sistemas de classificação bibliográfica [perspectivas da biblioteconomia cont...
Sistemas de classificação bibliográfica [perspectivas da biblioteconomia cont...
 
Pesquisa qualitativa
Pesquisa qualitativaPesquisa qualitativa
Pesquisa qualitativa
 
Preparatório Santa Biblioteconomia - Foco UFF e Aeronáutica - Aula 2
Preparatório Santa Biblioteconomia - Foco UFF e Aeronáutica - Aula 2Preparatório Santa Biblioteconomia - Foco UFF e Aeronáutica - Aula 2
Preparatório Santa Biblioteconomia - Foco UFF e Aeronáutica - Aula 2
 
Análise de conteúdo documental: a recuperação da informação.
Análise de conteúdo documental: a recuperação da informação.Análise de conteúdo documental: a recuperação da informação.
Análise de conteúdo documental: a recuperação da informação.
 
Marc 21
Marc 21Marc 21
Marc 21
 
A árvore Generosa
  A árvore Generosa  A árvore Generosa
A árvore Generosa
 

Semelhante a ESTUDO COMPARATIVO DA NORMA BRASILEIRA DE DESCRIÇÃO ARQUIVÍSTICA (NOBRADE) E O FORMATO DE ENTRADA MARC 21: contribuição para a descrição e automação de arquivos com base em padrões biblioteconômicos

semanadearquivosbn_2018.pptx
semanadearquivosbn_2018.pptxsemanadearquivosbn_2018.pptx
semanadearquivosbn_2018.pptx
MariaFernandaNogueir8
 
Questões e conteúdos do IFCE 2016 [Cargo Bibliotecário-Documentalista]
Questões e conteúdos do IFCE 2016 [Cargo Bibliotecário-Documentalista]Questões e conteúdos do IFCE 2016 [Cargo Bibliotecário-Documentalista]
Questões e conteúdos do IFCE 2016 [Cargo Bibliotecário-Documentalista]
notas_sobre_biblioteconomia
 
MARC21.pdf.pdf
MARC21.pdf.pdfMARC21.pdf.pdf
MARC21.pdf.pdf
Claudinei Assis
 
Falando sobre RDA: O que é e o que podemos esperar do novo código de catalogação
Falando sobre RDA: O que é e o que podemos esperar do novo código de catalogaçãoFalando sobre RDA: O que é e o que podemos esperar do novo código de catalogação
Falando sobre RDA: O que é e o que podemos esperar do novo código de catalogação
Fabrício Silva Assumpção
 
Resource Description and Access (RDA): introdução e desafios do novo código d...
Resource Description and Access (RDA): introdução e desafios do novo código d...Resource Description and Access (RDA): introdução e desafios do novo código d...
Resource Description and Access (RDA): introdução e desafios do novo código d...
Fabrício Silva Assumpção
 
RDA como novo código de catalogação
RDA como novo código de catalogaçãoRDA como novo código de catalogação
RDA como novo código de catalogação
Marcelo Votto
 
Conversão de registros: um modelo baseado em folhas de estilo XSLT
Conversão de registros: um modelo baseado em folhas de estilo XSLTConversão de registros: um modelo baseado em folhas de estilo XSLT
Conversão de registros: um modelo baseado em folhas de estilo XSLT
Fabrício Silva Assumpção
 
Caderno%20 bib%20 %20representa%c3%a7%c3%a3o%20descritiva
Caderno%20 bib%20 %20representa%c3%a7%c3%a3o%20descritivaCaderno%20 bib%20 %20representa%c3%a7%c3%a3o%20descritiva
Caderno%20 bib%20 %20representa%c3%a7%c3%a3o%20descritiva
Emenson Da Silva
 
Caderno%20 bib%20 %20representa%c3%a7%c3%a3o%20descritiva
Caderno%20 bib%20 %20representa%c3%a7%c3%a3o%20descritivaCaderno%20 bib%20 %20representa%c3%a7%c3%a3o%20descritiva
Caderno%20 bib%20 %20representa%c3%a7%c3%a3o%20descritiva
Emenson Da Silva
 
Arquivista.org conarq-nobrade-norma brasileira-de_descrição_arquivística
Arquivista.org conarq-nobrade-norma brasileira-de_descrição_arquivísticaArquivista.org conarq-nobrade-norma brasileira-de_descrição_arquivística
Arquivista.org conarq-nobrade-norma brasileira-de_descrição_arquivística
Universidade Estadual de Londrina
 
RDA - Resource Description and Access (UFC, Fortaleza, 24 out 2014)
RDA - Resource Description and Access (UFC, Fortaleza, 24 out 2014)RDA - Resource Description and Access (UFC, Fortaleza, 24 out 2014)
RDA - Resource Description and Access (UFC, Fortaleza, 24 out 2014)
Fabrício Silva Assumpção
 
Tecnologias aplicadas à catalogação: a utilização de folhas de estilo XSLT na...
Tecnologias aplicadas à catalogação: a utilização de folhas de estilo XSLT na...Tecnologias aplicadas à catalogação: a utilização de folhas de estilo XSLT na...
Tecnologias aplicadas à catalogação: a utilização de folhas de estilo XSLT na...
Fabrício Silva Assumpção
 
RDA: introdução e panorama atual (XII Encontro Nacional dos Usuários da Rede ...
RDA: introdução e panorama atual (XII Encontro Nacional dos Usuários da Rede ...RDA: introdução e panorama atual (XII Encontro Nacional dos Usuários da Rede ...
RDA: introdução e panorama atual (XII Encontro Nacional dos Usuários da Rede ...
Fabrício Silva Assumpção
 
Rdi
RdiRdi
Rdi
lulinha
 
Organização do acervo fotográfico da biblioteca escolar Sebastião Neto Campos
Organização do acervo fotográfico da biblioteca escolar Sebastião Neto CamposOrganização do acervo fotográfico da biblioteca escolar Sebastião Neto Campos
Organização do acervo fotográfico da biblioteca escolar Sebastião Neto Campos
Vanessa Biff
 
Bases de Dados, Metadados e Formatos de intercâmbio de dados
Bases de Dados, Metadados e Formatos de intercâmbio de dadosBases de Dados, Metadados e Formatos de intercâmbio de dados
Bases de Dados, Metadados e Formatos de intercâmbio de dados
Priscyla Patrício
 
Representação Descritiva - RD - Catálogos e Bases de dados
Representação Descritiva - RD - Catálogos e Bases de dados Representação Descritiva - RD - Catálogos e Bases de dados
Representação Descritiva - RD - Catálogos e Bases de dados
Priscila Campos
 
Novas tecnologias versus Velhos Padrões
Novas tecnologias versus Velhos PadrõesNovas tecnologias versus Velhos Padrões
Novas tecnologias versus Velhos Padrões
Dôra Nogueira
 
(3 de 6) Capacitação para rede BVS e LILACS: Criação de Documentos Monográfi...
(3 de 6) Capacitação para rede BVS e LILACS: Criação de  Documentos Monográfi...(3 de 6) Capacitação para rede BVS e LILACS: Criação de  Documentos Monográfi...
(3 de 6) Capacitação para rede BVS e LILACS: Criação de Documentos Monográfi...
http://bvsalud.org/
 
RDA
RDARDA
RDA
UNESP
 

Semelhante a ESTUDO COMPARATIVO DA NORMA BRASILEIRA DE DESCRIÇÃO ARQUIVÍSTICA (NOBRADE) E O FORMATO DE ENTRADA MARC 21: contribuição para a descrição e automação de arquivos com base em padrões biblioteconômicos (20)

semanadearquivosbn_2018.pptx
semanadearquivosbn_2018.pptxsemanadearquivosbn_2018.pptx
semanadearquivosbn_2018.pptx
 
Questões e conteúdos do IFCE 2016 [Cargo Bibliotecário-Documentalista]
Questões e conteúdos do IFCE 2016 [Cargo Bibliotecário-Documentalista]Questões e conteúdos do IFCE 2016 [Cargo Bibliotecário-Documentalista]
Questões e conteúdos do IFCE 2016 [Cargo Bibliotecário-Documentalista]
 
MARC21.pdf.pdf
MARC21.pdf.pdfMARC21.pdf.pdf
MARC21.pdf.pdf
 
Falando sobre RDA: O que é e o que podemos esperar do novo código de catalogação
Falando sobre RDA: O que é e o que podemos esperar do novo código de catalogaçãoFalando sobre RDA: O que é e o que podemos esperar do novo código de catalogação
Falando sobre RDA: O que é e o que podemos esperar do novo código de catalogação
 
Resource Description and Access (RDA): introdução e desafios do novo código d...
Resource Description and Access (RDA): introdução e desafios do novo código d...Resource Description and Access (RDA): introdução e desafios do novo código d...
Resource Description and Access (RDA): introdução e desafios do novo código d...
 
RDA como novo código de catalogação
RDA como novo código de catalogaçãoRDA como novo código de catalogação
RDA como novo código de catalogação
 
Conversão de registros: um modelo baseado em folhas de estilo XSLT
Conversão de registros: um modelo baseado em folhas de estilo XSLTConversão de registros: um modelo baseado em folhas de estilo XSLT
Conversão de registros: um modelo baseado em folhas de estilo XSLT
 
Caderno%20 bib%20 %20representa%c3%a7%c3%a3o%20descritiva
Caderno%20 bib%20 %20representa%c3%a7%c3%a3o%20descritivaCaderno%20 bib%20 %20representa%c3%a7%c3%a3o%20descritiva
Caderno%20 bib%20 %20representa%c3%a7%c3%a3o%20descritiva
 
Caderno%20 bib%20 %20representa%c3%a7%c3%a3o%20descritiva
Caderno%20 bib%20 %20representa%c3%a7%c3%a3o%20descritivaCaderno%20 bib%20 %20representa%c3%a7%c3%a3o%20descritiva
Caderno%20 bib%20 %20representa%c3%a7%c3%a3o%20descritiva
 
Arquivista.org conarq-nobrade-norma brasileira-de_descrição_arquivística
Arquivista.org conarq-nobrade-norma brasileira-de_descrição_arquivísticaArquivista.org conarq-nobrade-norma brasileira-de_descrição_arquivística
Arquivista.org conarq-nobrade-norma brasileira-de_descrição_arquivística
 
RDA - Resource Description and Access (UFC, Fortaleza, 24 out 2014)
RDA - Resource Description and Access (UFC, Fortaleza, 24 out 2014)RDA - Resource Description and Access (UFC, Fortaleza, 24 out 2014)
RDA - Resource Description and Access (UFC, Fortaleza, 24 out 2014)
 
Tecnologias aplicadas à catalogação: a utilização de folhas de estilo XSLT na...
Tecnologias aplicadas à catalogação: a utilização de folhas de estilo XSLT na...Tecnologias aplicadas à catalogação: a utilização de folhas de estilo XSLT na...
Tecnologias aplicadas à catalogação: a utilização de folhas de estilo XSLT na...
 
RDA: introdução e panorama atual (XII Encontro Nacional dos Usuários da Rede ...
RDA: introdução e panorama atual (XII Encontro Nacional dos Usuários da Rede ...RDA: introdução e panorama atual (XII Encontro Nacional dos Usuários da Rede ...
RDA: introdução e panorama atual (XII Encontro Nacional dos Usuários da Rede ...
 
Rdi
RdiRdi
Rdi
 
Organização do acervo fotográfico da biblioteca escolar Sebastião Neto Campos
Organização do acervo fotográfico da biblioteca escolar Sebastião Neto CamposOrganização do acervo fotográfico da biblioteca escolar Sebastião Neto Campos
Organização do acervo fotográfico da biblioteca escolar Sebastião Neto Campos
 
Bases de Dados, Metadados e Formatos de intercâmbio de dados
Bases de Dados, Metadados e Formatos de intercâmbio de dadosBases de Dados, Metadados e Formatos de intercâmbio de dados
Bases de Dados, Metadados e Formatos de intercâmbio de dados
 
Representação Descritiva - RD - Catálogos e Bases de dados
Representação Descritiva - RD - Catálogos e Bases de dados Representação Descritiva - RD - Catálogos e Bases de dados
Representação Descritiva - RD - Catálogos e Bases de dados
 
Novas tecnologias versus Velhos Padrões
Novas tecnologias versus Velhos PadrõesNovas tecnologias versus Velhos Padrões
Novas tecnologias versus Velhos Padrões
 
(3 de 6) Capacitação para rede BVS e LILACS: Criação de Documentos Monográfi...
(3 de 6) Capacitação para rede BVS e LILACS: Criação de  Documentos Monográfi...(3 de 6) Capacitação para rede BVS e LILACS: Criação de  Documentos Monográfi...
(3 de 6) Capacitação para rede BVS e LILACS: Criação de Documentos Monográfi...
 
RDA
RDARDA
RDA
 

ESTUDO COMPARATIVO DA NORMA BRASILEIRA DE DESCRIÇÃO ARQUIVÍSTICA (NOBRADE) E O FORMATO DE ENTRADA MARC 21: contribuição para a descrição e automação de arquivos com base em padrões biblioteconômicos

  • 1. ESTUDO COMPARATIVO DA NORMA BRASILEIRA DE DESCRIÇÃO ARQUIVÍSTICA (NOBRADE) E O FORMATO DE ENTRADA MARC 21: contribuição para a descrição e automação de arquivos com base em padrões biblioteconômicos Daniel Ribeiro dos Santos Bibliotecário/Documentalista – UFF Maria José Veloso da Costa Santos Professora - UFRJ
  • 2. A DESCRIÇÃO DA INFORMAÇÃO: origens e princípios •Atividade que evoluiu ao longo de muitos séculos •Remonta a Antiguidade e está historicamente associada à elaboração de catálogos. Catálogo da Biblioteca de Nínive - século VII a.C. Pinakes, organizado por Calimacus de Sirene, na Biblioteca de Alexandria – c.a. 260 a.C-240 a.C.
  • 3. A DESCRIÇÃO DA INFORMAÇÃO: origens e princípios •Bibliotheca Universalis – publicada por Conrad Gesner, em 1534 - dividida em 4 partes - arrolam, alfabeticamente, c. a. de 1800 autores e títulos, produzidos nos primeiros anos da imprensa na Europa, além de uma taxonomia dos saberes da época e Índice remissivo. (BRADFORD, 1961) •Catalogue of English Printed Books - publicado pelo bibliógrafo inglês, Andrew Maunsell, em 1595 - conjunto de regras para descrição - definição da entrada de autores pessoais pelo sobrenome e títulos uniformes para a Bíblia.
  • 4. A DESCRIÇÃO DA INFORMAÇÃO: origens e princípios Os Catálogos •São instrumentos importantes para recuperação, acesso e organização da informação e coleções em unidades de informação. •São “[...] um meio de comunicação, que veicula mensagens sobre os registros do conhecimento, de um ou vários acervos, reais ou ciberespaciais [...] reunindo os registros do conhecimento por semelhanças, para os usuários desses acervos” (MEY; SILVEIRA, 2009, p. 12).
  • 5. A DESCRIÇÃO DOCUMENTAL EM ARQUIVOS “Conjunto de procedimentos que, a partir de elementos formais e de conteúdo, permitem a identificação de documentos e a elaboração de instrumentos de pesquisa”. (CAMARGO; BELLOTTO, 1996, p. 23). Catálogos de bibliotecas e Instrumentos de pesquisa de arquivos permitem de forma mais direta aos usuários, rastrear e localizar a informação e a documentação pertinentes. RECUPERAÇÃO DA INFORMAÇÃO
  • 6. A DESCRIÇÃO DOCUMENTAL EM ARQUIVOS: Norma Brasileira de Descrição Arquivística NOBRADE •Norma nacional que preconiza padrões para a descrição documental nos arquivos brasileiros, publicada em 2006, pelo Conselho Nacional de Arquivos. •Baseada na International Standard Archival Description (ISAD) (General) (G) - publicada pelo International Council on Archives •Utilizada preferencialmente na descrição de documentos da fase permanente, sem restrições de uso quanto ao suporte ou gênero dos documentos.
  • 7. A DESCRIÇÃO DOCUMENTAL EM ARQUIVOS: NOBRADE - Estrutura •8 áreas com 28 elementos de descrição e 6 níveis de descrição 1. Identificação 2. Contextualização 3. Conteúdo e Estrutura 4. Condições de Acesso e Uso 5. Fontes Relacionadas 6. Notas 7. Controle da descrição 8. Pontos de Acesso e Indexação de Assuntos.
  • 8. A DESCRIÇÃO DOCUMENTAL EM ARQUIVOS: NOBRADE - Estrutura Acervo da Entidade Custodiadora (nível 0) Fundo ou Coleção (nível 1) Seção (nível 2) Série (nível 3) Dossiê ou Processo (nível 4) Item Documental (nível 5) •Admite níveis intermediários de descrição como sexta possibilidade.
  • 9. A DESCRIÇÃO DOCUMENTAL EM ARQUIVOS: NOBRADE - Estrutura Diagrama de Níveis de Descrição Fonte: NOBRADE, 1996.
  • 10. A DESCRIÇÃO DOCUMENTAL EM BIBLIOTECAS: o formato MARC 21 MAchine Readeable Cataloging •Padrão aberto, mundialmente usado para codificação de registros bibliográficos; •Concebido nos anos de 1960 como um método de conversão de fichas da Library of Congress (LC) para um formato legível por máquina, para possibilitar o intercâmbio de registros entre bibliotecas; •Durante as décadas de 60, 70 e parte dos 80, o formato foi usado para troca eletrônica entre computadores de grande porte, e gerar fichas catalográficas impressas para unidades de informação. (MODESTO, 2007).
  • 11. A DESCRIÇÃO DOCUMENTAL EM BIBLIOTECAS: o formato MARC 21 MAchine Readeable Cataloging •Possibilita sua implementação, intercâmbio e migração por meio de computadores, favorecendo o compartilhamento de registros e o fortalecimento de bases de dados cooperativas.
  • 12. A DESCRIÇÃO DOCUMENTAL EM BIBLIOTECAS: o formato MARC 21 Uso do formato MARC 21, não prescinde da utilização de padrões específicos para: •Determinação de pontos de Acesso principal e secundários de um item; •Descrição; •Classificação; •Pontos de acesso de assuntos; •Número de localização. Código de Catalogação; Sistema de Classificação e Vocabulário Controlado
  • 13. DIFERENÇA PRINCIPAL ENTRE A DESCRIÇÃO EM BIBLIOTECAS E A DESCRIÇÃO ARQUIVÍSTICA •Descrição em bibliotecas Representação de itens documentais individualmente, sem estabelecer relações entre eles Descrição em arquivos Representação de conjuntos documentais, de forma sintética, das características físicas e informacionais do conjunto.
  • 15. OBJETIVO DA PESQUISA Comparar a Norma Brasileira de Descrição Arquivística (NOBRADE) e o Formato MARC 21, para identificar a compatibilidade entre os dois padrões para a descrição de documentos e fundos de arquivo.
  • 16. METODOLOGIA Método comparativo de pesquisa, que permite perceber semelhanças e diferenças, construir modelos e tipologias e identificar continuidades e descontinuidades (SCHNEIDER; SCHMIDT, 1998) Procedimentos •Seleção dos campos MARC 21 com possível correlação com os elementos de descrição da NOBRADE. •Confronto dos campos MARC selecionados com os elementos de descrição previstos na NOBRADE, gerando quadros comparativos.
  • 17. AMOSTRA •28 elementos de descrição da NOBRADE •19 campos do Formato MARC 21 •Total de elementos comparados: 47 analisados e
  • 18. Áreas e elementos da descrição segundo a NOBRADE Áreas da Descrição 1 Área de identificação 2 Área de contextualização 3 Área de conteúdo e estrutura 4 Área de condições de acesso e uso Elementos e Campos da Descrição 1.1 Código de Referência 1.2 Título 1.3 Data(s) 1.4 Nível de descrição 1.5 Dimensão e suporte 2.1 Nome(s) do(s) produtor(es) 2.2 História administrativa/Biografia 2.3 História arquivística 2.4 Procedência 3.1 Âmbito e conteúdo 3.2 Avaliação, eliminação e temporalidade 3.3 Incorporações 3.4 Sistema de arranjo 4.1 Condições de acesso 4.2 Condições de reprodução 4.3 Idioma 4.4 Características físicas e requisitos técnicos 4.5 Instrumentos de pesquisa Continua...
  • 19. Áreas e elementos da descrição segundo a NOBRADE 5 Área de fontes relacionadas 6 Área de Notas 7 Área de controle da descrição 8 Área de pontos de acesso e indexação de assuntos Continuação... 5.1 Existência e localização dos originais 5.2 Existência e localização de cópias 5.3 Unidades de descrição relacionadas 5.4 Nota sobre publicação 6.1 Notas sobre conservação 6.2 Notas gerais 7.1 Nota do arquivista 7.2 Regras ou convenções 7.3 Data(s) da(s) descrição(ões) 8.1 Pontos de acesso e indexação de assuntos
  • 20. Campos do Formato MARC 21 Bibliográfico
  • 21. Líder 351 Organização e arranjo dos materiais 001 Número de controle 355 Controle de classificação de segurança 003 Identificador do número de controle 500 Nota geral 005 Data e hora da última intervenção 505 Nota de conteúdo 008 Campos fixos de dados – Todos os materiais 506 Nota de acesso restrito 040 Fonte da catalogação 520 Nota de resumo 041 Código do idioma 544 Nota de localização de materiais de arquivo 044 Código do país da empresa de publicação ou produção 545 Nota biográfica ou histórica 045 Código de período cronológico 556 Nota de informação sobre documentação 084 Outro número de classificação 561 Nota de histórico de procedência 090 Números de chamada local 565 Nota de características de arquivo 100, 110, 111 - Entrada principal 584 Nota de acumulação e frequência de uso 245 Título 600,610,611, 650 e 651 - Assuntos 300 Descrição física 842 Designação textual de forma física 546 Nota de idioma 852 Localização/Número de chamada
  • 22. Comparação entre os elementos de descrição da NOBRADE e o Formato MARC 21 ////= Campo não correspondente no MARC21 Elementos de Descrição Segundo a NOBRADE Campos MARC Próximos ou Equivalentes 1.1 Código de Referência 084 Outro número de classificação, ou 090 Número de chamada. 1.2 Título 245 Título 1.3 Data(s) 260 Publicação (subcampo c – data) 1.4 Nível de descrição 1.5 Dimensão e suporte ////// 300 Descrição física 2.1 Nome(s) do(s) produtor(es) 100,110,111 Autoria e/ou 508 Nota de crédito de produção/criação 2.2 História administrativa/Biografia 2.3 História arquivística 2.4 Procedência 3.1 Âmbito e conteúdo 3.2 Avaliação, eliminação e temporalidade 545 Nota biográfica ou histórica 545 Nota biográfica ou histórica 561 Nota de histórico de procedência 505 Nota de conteúdo 505 Nota de conteúdo Continua...
  • 23. Comparação entre os elementos de descrição da NOBRADE e o Formato MARC 21 Elementos de Descrição Segundo a NOBRADE 3.3 Incorporações Campos MARC Próximos ou Equivalentes Continuação... 505 Nota de conteúdo ou geral. 3.4 Sistema de arranjo 351 Organização e arranjo dos materiais 4.1 Condições de acesso 506 Nota de acesso restrito 845 Nota termos reguladores de uso e reprodução 546 Nota de idioma 4.2 Condições de reprodução 4.3 Idioma 4.4 Características físicas e requisitos técnicos 842 Designação textual de forma física 4.5 Instrumentos de pesquisa 581 Nota de publicações sobre materiais descritos 5.1 Existência e localização dos originais 535 Nota de localização dos originais/duplicatas e 852 Localização/Número de chamada 5.2 Existência e localização de cópias 535 Nota de localização dos originais/ duplicatas 852 Localização/Número de chamada Continua...
  • 24. ////= Campo não correspondente no MARC21 Comparação entre os elementos de descrição da NOBRADE e o Formato MARC 21 Elementos de Descrição Segundo a NOBRADE Campos MARC Próximos ou Equivalentes Continuação.... 5.3 Unidades de descrição relacionadas /////// 5.4 Nota sobre publicação 581 Nota de publicações sobre materiais descritos 6.1 Notas sobre conservação 500 Nota geral 6.2 Notas gerais 500 Nota geral 7.1 Nota do arquivista 520 Nota de resumo 7.2 Regras ou convenções 520 Nota de resumo 7.3 Data(s) da(s) descrição(ões) 005 Data e hora da última intervenção 8.1 Pontos de acesso e indexação de 600,610,611, 650 e 651 Assuntos; assuntos 700, 710, 711 Entradas secundárias
  • 25. Campos Específicos Para Descrição de Documentos de Arquivo no MARC 21 845 (Nota termos reguladores de uso e reprodução); 545 (Nota biográfica ou histórica); 561 (Nota de histórico de procedência). 351 (Organização e arranjo dos materiais); 533 (Nota de reprodução); 535 (Nota de localização dos originais/duplicatas).
  • 26. Problemas Identificados •Baixa compatibilidade do elemento de descrição "data" da NOBRADE com o formato MARC 21. •Necessidade de agrupamento simultâneo de determinados campos da NOBRADE em um mesmo campo MARC. •Dificuldade de realizar a descrição multinível (fundo, seção, série, subsérie, dossiê/processo e item documental) em um mesmo registro MARC 21, mostrando as relações entre os níveis.
  • 27. SOLUÇÃO PROPOSTA PARA A DESCRIÇÃO MULTINÍVEL •Base Minerva/UFRJ Utilização do campo de analíticas, representado por LKR ou campo 773. Um exemplo do uso desta solução encontra-se na descrição das séries, subséries, etc do Fundo José Feio da Seção de Memória e Arquivo do Museu Nacional/UFRJ.
  • 29. REFLEXÕES FINAIS •O objetivo principal do presente estudo foi, por meio da comparação de dois padrões, um para descrição em bibliotecas e o outro para a descrição em arquivos (NOBRADE e MARC21) detectar se a utilização do formato MARC 21 se adequa para a automação de documentos de arquivo – os objetivos foram cumpridos. •Os resultados obtidos mostraram que o formato MARC 21 adequa-se para a descrição arquivística - não em total conformidade com os padrões e elementos de descrição previstos na NOBRADE. •MARC21 e NOBRADE podem se compatibilizar desde que sejam flexibilizados e que sejam observadas suas respectivas limitações. •Pesquisas adicionais devem ser realizadas para a complementação dessa contribuição
  • 30. REFERÊNCIAS AMAN, Mohammed. El legado de Alejandro Magno: la antigua biblioteca de Alejandría. La Tadeo, Bogotá, n. 65, p. 30-37, 1. sem. 2001. BARBOSA, Alice Príncipe. Novos rumos da catalogação. Organização, revisão e atualização de Elza Lima e Silva Maia. Rio de Janeiro: BNG/Brasilart, 1978. 246 p. BATTLES, Matthew. A conturbada história das bibliotecas. São Paulo: Planeta do Brasil, 2003. BELLOTTO, Heloísa Liberalli. Arquivos permanentes: tratamento documental. 4. ed. Rio de Janeiro: Fundação Getulio Vargas, 2006. BOTÃO, Antonio Victor Rodrigues. Recuperação da informação digital: a Norma Brasileira de Descrição Arquivística (NOBRADE) na descrição de material imagético. 2011. 91 f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia, Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação, Rio de Janeiro, 2011. BRADFORD, Samuel Clement. Documentação. Tradução M. E. de Mello e Cunha. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1961. 292 p.
  • 31. REFERÊNCIAS CAMARGO, Ana Maria de Almeida; BELLOTTO, Heloísa Liberalli. (Coord.). Dicionário de terminologia arquivística. Colaboração: Aparecida Sales Linares Botani et al. São Paulo: Associação dos Arquivistas Brasileiros, Núcleo Regional de São Paulo, 1996. 142 p. CAMPELLO, Bernadete. Introdução ao controle bibliográfico. 2. ed. Brasília: Briquet de Lemos/Livros, 2006. CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS. NOBRADE: norma brasileira de descrição arquivística. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2006. 123 p. FERREIRA, Margarida M. MARC 21: formato condensado para dados bibliográficos. Marília: UNESP, 2000. 286 p. FLOWER, Derek Adie. Biblioteca de Alexandria: as histórias da maior biblioteca da Antiguidade. São Paulo: Nova Alexandria, 2010. 215 p. FONSECA, Maria Odila. Arquivologia e ciência da informação. Rio de Janeiro: FGV, 2005. 121 p. MEY, Eliane Serrão Alves; SILVEIRA, Naira Christofoletti. Catalogação no plural. Brasília: Briquet de Lemos/Livros, 2009. 217p. MODESTO, Fernando. O acervo da biblioteca está redondo, deixe-o em forma com o MARC. Info Home, [São Paulo], abr. 2007. Disponível em: <http://www.ofaj.com.br/colunas conteudo.php?cod=294>. Acesso em: 29 mar. 2013.
  • 32. REFERÊNCIAS SANTOS, Maria José Veloso da Costa. A representação da informação em arquivos: viabilidade de uso dos padrões utilizados na biblioteconomia. Acervo, Rio de Janeiro, v. 20, n. 1/2, p. 57-66, jan./dez. 2007. SCHELLENBERG, T. R. Arquivos modernos: princípios e técnicas. 6. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2006. SCHNEIDER, S.; SCHMIDT, C.J. O uso do método comparativo nas Ciências Sociais. Cadernos de Sociologia, v.9, p.49-87, 1998. SOUZA, Brisa Pozzi de; FUJITA, Mariângela Spotti Lopes. Do catálogo impresso ao online: algumas considerações e desafios para o bibliotecário. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v. 17, n. 1, p. 59-75, jan./jun. 2012. Disponível em: <http://revistaacb.emnuvens.com.br/racb/article/viewFile/822/pdf_71>. Acesso em: 31 mar. 2013. ZAFALON, Zaira Regina. Formato MARC 21 bibliográfico: estudo e aplicações para livros, folhetos, folhas impressas e manuscritos. São Carlos: EDUFSCar, 2011. 112 p. ZAHER, Célia Ribeiro; GOMES, Hagar Espanha. Da Bibliografia à Ciência da Informação: um histórico e uma posição. Ci. Inf., Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, p. 5-7, 1972.
  • 33. OBRIGADO!!! Maria José Veloso da Costa Santos Bibliotecária aposentada – UFRJ Professora - Curso de Biblioteconomia e Gestão de Unidades de Informação Faculdade de Administração e Ciências Contábeis/UFRJ msantos1402@gmail.com Daniel Ribeiro dos Santos Bibliotecário/Documentalista – Especialista em Políticas de Informação e Organização do Conhecimento Biblioteca do Instituto Biomédico/UFF danielrdossantos@yahoo.com.br

Notas do Editor

  1. Este modelo pode ser usado como arquivo de partida para apresentar materiais de treinamento em um cenário em grupo.SeçõesClique com o botão direito em um slide para adicionar seções. Seções podem ajudar a organizar slides ou a facilitar a colaboração entre vários autores.AnotaçõesUse a seção Anotações para anotações da apresentação ou para fornecer detalhes adicionais ao público. Exiba essas anotações no Modo de Exibição de Apresentação durante a sua apresentação. Considere o tamanho da fonte (importante para acessibilidade, visibilidade, gravação em vídeo e produção online)Cores coordenadas Preste atenção especial aos gráficos, tabelas e caixas de texto. Leve em consideração que os participantes irão imprimir em preto-e-branco ou escala de cinza. Execute uma impressão de teste para ter certeza de que as suas cores irão funcionar quando forem impressas em preto-e-branco puros e escala de cinza.Elementos gráficos, tabelas e gráficosMantenha a simplicidade: se possível, use estilos e cores consistentes e não confusos.Rotule todos os gráficos e tabelas.
  2. Forneça uma breve visão geral da apresentação. Descreva o foco principal da apresentação e por que ela é importante.Introduza cada um dos principais tópicos.Para fornecer um roteiro para o público, você pode repita este slide de Visão Geral por toda a apresentação, realçando o tópico específico que você discutirá em seguida.
  3. Forneça uma breve visão geral da apresentação. Descreva o foco principal da apresentação e por que ela é importante.Introduza cada um dos principais tópicos.Para fornecer um roteiro para o público, você pode repita este slide de Visão Geral por toda a apresentação, realçando o tópico específico que você discutirá em seguida.
  4. Use um cabeçalho de seção para cada um dos tópicos, para que a transição seja evidente ao público.
  5. Forneça uma breve visão geral da apresentação. Descreva o foco principal da apresentação e por que ela é importante.Introduza cada um dos principais tópicos.Para fornecer um roteiro para o público, você pode repita este slide de Visão Geral por toda a apresentação, realçando o tópico específico que você discutirá em seguida.
  6. Forneça uma breve visão geral da apresentação. Descreva o foco principal da apresentação e por que ela é importante.Introduza cada um dos principais tópicos.Para fornecer um roteiro para o público, você pode repita este slide de Visão Geral por toda a apresentação, realçando o tópico específico que você discutirá em seguida.
  7. Forneça uma breve visão geral da apresentação. Descreva o foco principal da apresentação e por que ela é importante.Introduza cada um dos principais tópicos.Para fornecer um roteiro para o público, você pode repita este slide de Visão Geral por toda a apresentação, realçando o tópico específico que você discutirá em seguida.
  8. Forneça uma breve visão geral da apresentação. Descreva o foco principal da apresentação e por que ela é importante.Introduza cada um dos principais tópicos.Para fornecer um roteiro para o público, você pode repita este slide de Visão Geral por toda a apresentação, realçando o tópico específico que você discutirá em seguida.
  9. Forneça uma breve visão geral da apresentação. Descreva o foco principal da apresentação e por que ela é importante.Introduza cada um dos principais tópicos.Para fornecer um roteiro para o público, você pode repita este slide de Visão Geral por toda a apresentação, realçando o tópico específico que você discutirá em seguida.
  10. Esta é outra opção para um slide de Visão Geral usando transições.
  11. Esta é outra opção para um slide de Visão Geral usando transições.
  12. Esta é outra opção para um slide de Visão Geral usando transições.
  13. Forneça uma breve visão geral da apresentação. Descreva o foco principal da apresentação e por que ela é importante.Introduza cada um dos principais tópicos.Para fornecer um roteiro para o público, você pode repita este slide de Visão Geral por toda a apresentação, realçando o tópico específico que você discutirá em seguida.
  14. Use um cabeçalho de seção para cada um dos tópicos, para que a transição seja evidente ao público.
  15. Esta é outra opção para um slide de Visão Geral usando transições.
  16. Esta é outra opção para um slide de Visão Geral usando transições.
  17. Forneça uma breve visão geral da apresentação. Descreva o foco principal da apresentação e por que ela é importante.Introduza cada um dos principais tópicos.Para fornecer um roteiro para o público, você pode repita este slide de Visão Geral por toda a apresentação, realçando o tópico específico que você discutirá em seguida.
  18. Adicione slides a cada seção de tópico conforme necessário, incluindo slides com tabelas, gráficos e imagens. Consulte a próxima seção para obter um exemplo tabela, gráfico, imagem e layouts de vídeo.
  19. Resuma. Torne seu texto o mais breve possível para manter um tamanho de fonte maior.
  20. Resuma. Torne seu texto o mais breve possível para manter um tamanho de fonte maior.
  21. Resuma. Torne seu texto o mais breve possível para manter um tamanho de fonte maior.
  22. Resuma. Torne seu texto o mais breve possível para manter um tamanho de fonte maior.