SlideShare uma empresa Scribd logo
ESTRUTURAS CELULARES
CONSTITUINTES BÁSICOS DA CÉLULA Membrana plasmática  Citoplasma Núcleo QUAIS SÃO OS ….
PAREDE CELULAR Quem possui ?   Organismos mais simples como os procariontes e vegetais
 
O que é e pra que serve: -  É uma estrutura rígida, composta de celulose, resistente e encontra-se fora da membrana plasmática -  Os organismos que a constituem não consegue mudar de forma -  Constituída de celulose nas células vegetais -  Reduz a perda de água
Quem tem? Membrana Plasmática Tanto organismos procariontes quanto eucariontes e célula vegetal
O que é e pra que serve? -  Estrutura de composição lipoprotéica ( um conjunto de  proteínas  e  lipídeos  e  está presente em todas as células -  Elasticidade  - Resistência mecânica  - Baixa tensão superficial  (não deixa afundar)  Devido as proteínas
-  Alta resistência elétrica -Alta permeabilidade às substâncias lipossolúveis  (não solúveis em H2O). Devido aos lipídios
Formada por uma dupla camada de fosfolipídios (fosfato associado a lipídios), bem como por  proteínas  espaçadas e que podem atravessar de um lado a outro da  membrana .  Algumas proteínas estão associadas a glicídios, formando as glicoproteínas (associação de proteína com glicídios - açucares- protege a célula sobre possíveis agressões, retém enzimas, constituindo o glicocálix)
Uma das extremidades é hidrofílica (polar) e portanto solúvel em meio aquoso A  membrana plasmática  contém e delimita o espaço da célula, mantém condições adequadas para que ocorram as reações  metabólicas necessárias seleciona o que entra e sai da célula,   ajuda a manter o formato celular,   Outra é hidrofóbica (apolar), conseqüentemente insolúvel em meio aquoso mas com afinidade para outros lipídios Funções
MOSAICO FLUÍDO  proposto por Singer e Nicholson
Hidrofílica = afinidade com a água Proteínas aderentes a face = extrínsecas   Proteínas mergulhadas =  intrínsecas Hidrofóbica = rejeição a água
1  indica a camada de fosfolipídios. 2  indica proteína responsável pelo transporte de certas substâncias que atravessam a membrana . 3 indica carboidrato que forma o glicocálix. 1 3 2
 
Especializações ou diferenciações da Membrana Plasmática Em algumas células, a  membrana plasmática  mostra modificações ligadas a uma especialização de função. Algumas dessas diferenciações são particularmente bem conhecidas nas células da superfície do intestino. Microvilosidades -  São dobras da  membrana plasmática , na superfície da célula voltada para a cavidade do intestino. Calcula-se que cada célula possui em média 2.500 microvilosidades. Como conseqüência de sua existência, há um aumento apreciável da superfície da  membrana  em contato com o alimento.  b) Desmossomos -  São regiões especializadas que ocorrem nas  membranas  adjacentes de duas células vizinhas. São espécies de presilhas que aumentam a adesão entre uma célula e a outra.   c) Interdigitações -  Como os desmossomos também têm um papel importante na coesão de células vizinhas. 
Os cílios e os flagelos são estruturas citoplasmáticas anexas à membrana plasmática das células, tendo origem a partir do prolongamento dos centríolos O comprimento é variado, sendo os cílios mais curtos e em maior quantidade na superfície da célula, enquanto os flagelos são mais longos e geralmente pouco numerosos.  A função desempenhada pelos cílios e os flagelos é basicamente locomotora, a exemplo dos organismos unicelulares protistas e espermatozóide.  Contudo, os cílios também estão presentes em tecidos do trato respiratório (na traquéia), onde realizam função de defesa (retenção e eliminação de partículas e microorganismos).  Cílios e Flagelos
CITOPLASMA O citoplasma das células eucarióticas aparece sem estrutura visível mesmo quando examinado ao microscópio eletrônico.  Corresponde ao meio interno da célula onde estão incluídas todas as suas estruturas.
Organelas Citoplasmáticas
NÚCLEO O  núcleo ocupa 10% do volume celular total. Controla todas as reações  que ocorrem na célula. FILAMENTOS DE CROMATINA NUCLEOPLASMA NUCLÉOLO INVÓLUCRO NUCLEAR
Carioteca : membrana dupla e porosa que envolve o Núcleo, permitindo a comunicação com o Citoplasma; Nucleoplasma : massa fluída limitada pela Carioteca que ocupa o interior do núcleo; Cromatina : material constituído por DNA (material genético). Responsável pelas CARACTERÍSTICAS HEREDITÁRIAS. Nucléolo : estrutura que produz proteínas.
Complexo de Golgi :
O Aparelho de Golgi é constituído por uma série de cisternas (reserva) dispostas paralelamente. Localiza-se  próximo do núcleo ou do centro da célula. A sua função está associada ao  armazenamento e descarte de substâncias.
Lisossomos
-  responsável pela  digestão celular  assim como a reciclagem de outras organelas e componentes celulares envelhecidos.
RETÍCULO ENDOPLASMÁTICO  O Retículo Endoplasmático com ribossomas associados é designado por Retículo Endoplasmático Rugoso (granular) e intervem na síntese proteica.  O Retículo Endoplasmático sem ribossomos é designado por Retículo Endoplasmático liso(agranular) e intervem na síntese de lipídios e hidratos de carbono.
Retículo Endoplasmático Liso
O  retículo endoplasmático liso ou agranular (REL) é formado por sistemas de túbulos cilíndricos e sem ribossomos aderidos a membrana.  Função: REL tem  como uma de suas funções,  a desintoxicação do organismo . Esse tipo de retículo é abundante principalmente em células do  fígado  e  pâncreas .
Retículo Endoplasmático Rugoso:
O Retículo Endoplasmático Rugoso (RER) é formado por sistemas de túbulos achatados e  ribossomos  aderidos a membrana o que lhe confere aspecto granular.  - Função:  Participa da  síntese de  proteínas , que serão enviadas para o exterior das  células . O reticulo endoplasmático é também chamado ergastoplasma
Ribossomo
É nos ribossomos que ocorre a síntese das proteínas. A síntese é feita através da união entre aminoácidos.
Centríolos
Organela não-membranosa, de formato cilíndrico encontrado aos pares. Ocorre em células animais e nos anterozóides das criptógamas (briófitas e pteridófitas)  Funções:  participa de divisão celular, origina cílios e flagelos
 
São responsáveis pela fotossíntese. É nestas estruturas que encontramos a CLOROFILA (pigmento verde).São encontrados em  células vegetais e outros organismos  fotossintetizadores , como as  algas  e alguns  protistas .
PLASTÍDIOS  Os plastídios estão presentes em todas as células vegetais vivas. Existem diferentes tipos de plastídios: Leucoplastos, Oleoplastos, Cromoplastos, Cloroplastos, Amiloplastos... Os Cromoplastos são um tipo de plastídio constituído por substâncias coloridas, que lhe conferem uma cor vermelha, amarela ou alaranjada.
Mitocôndria : Tod a a atividade celular requer energia, é através da mitocôndria que esta energia necessária às atividades das células será gerada.
E como obter esta energia?  O seu número varia entre as células, sendo proporcional à  atividade metabólica  de cada uma (quanto maior a necessidade de energia para realizar as atividades maior será o nº de mitocôndrias) Está presente em grande quantidade nas células do sistema nervoso, do coração, por exemplo,  pois apresentam maior gasto de energia  Elas são abastecidas pela célula que a hospeda  por substancias orgânicas como oxigênio e glicose as quais utiliza-se de oxigênio e glicose e os converte em energia ou ATP ( Adenosina Trifosfato), que devolve para a célula; através da respiração celular – realizada pelas mitocôndrias
 
A membrana externa é "lisa" e mais permeável que a membrana interna.  Há entre as duas membranas um espaço denominado espaço intermembranoso onde ocorrem muitas reações importantes do metabolismo celular.  A membrana interna é formada por pregas que se expandem no espaço intramitocondrial (matriz mitocondrial) denominadas cristas mitocondriais.  A matriz mitocondrial contém enzimas (relacionadas principalmente com o ciclo de Krebs), ribossomos e o DNA mitocondrial.  Nas cristas mitocondriais localizam-se as enzimas responsáveis pela cadeia respiratória - as proteínas transportadoras de elétrons e as ATP. (ATP -  Trifosfato de adenosina ,  adenosina trifosfato  ou simplesmente  ATP , é um  nucleotídeo  responsável pelo armazenamento de  energia  em suas  ligações químicas . A energia é armazenada nas ligações entre os fosfatos)   
Mas o que é  RESPIRAÇÃO CELULAR é o processo de conversão das ligações químicas de moléculas ricas em energia que poderão ser usada nos processos vitais.  Podem ser de dois tipos:  respiração anaeróbia (sem utilização de oxigênio também chamada de fermentação) e respiração Aeróbia (com utilização de oxigênio). A respiração celular é o processo de obtenção de energia mais utilizado pelos seres vivos. Na respiração, ocorre a libertação de  dióxido de carbono  e energia e o consumo de  oxigênio  e  glicose , ou outra substância orgânica. A organela responsável por essa respiração é a mitocôndria.  É a quebra da glicose mais o oxigênio sendo transformados em energia para a célula
Do ponto de vista da  fisiologia , o processo pelo qual um organismo vivo troca oxigênio e dióxido de carbono com o seu meio ambiente é chamado de  ventilação (inspirar e expirar);  respiração ocorre apenas na célula, operação executada pela mitocôndria. Do ponto de vista da  bioquímica , respiração celular é o processo de conversão das ligações químicas de moléculas ricas em energia que possa ser usada nos processos vitais. A respiração celular processa-se nas seguintes etapas:
ETAPAS DA RESPIRAÇÃO CELULAR 1ª etapa: Quebra da glicose que ocorre no citoplasma os carboidratos, lipídeos, principalmente a  glicose  e os ácidos graxos, são as principais substâncias quebradas para a respiração celular.  A glicose é quebrada no citosol em um processo chamado  glicólise , onde se forma duas moléculas de ácido pirúvico, liberando uma certa quantidade de energia (quatro moléculas de ATP – Adenosina trifosfato), produz duas moléculas de NADH 2  (NADH - Nicotinamida adenina dinucleotídeo) e consumindo oxigênio. C 6 H 12 O 6   2 C 3 H 4 O 3 (Glicose)  ( Á cido pir ú vico)
ácido pirúvico , é um  composto orgânico  contendo três átomos de  carbono  (C 3 H 4 O 3 ), originado ao fim da  glicólise  (quebra da glicose em glicólise sem O 2 .  Durante a glicólise, é transformada uma molécula de NAD+ (aceptor de elétrons) se convertendo em NADH (recebe elétrons) .
2a. etapa: Ciclo de Krebs ou ciclo do Ácido Cítrico O  ácido pirúvico entra na mitocôndria, e é convertido em  acetil-coenzima A  que então é metabolizada pelo  ciclo do ácido cítrico (ciclo de krebs). Nesta etapa, uma quantidade de energia é liberada, sendo uma pequena parte utilizada para converter três NAD+ em três NADH. No ciclo de Krebs , a acetil CoA sofre uma série de modificações que acaba produzindo ácido oxaloacético (oxalacetato) que então recomeça o ciclo. Essas reações liberam duas moléculas de CO 2  e produzem três moléculas de NADH e uma molécula de FADH 2  (FAD - dinucleótido de flavina e adenina)  
3a. etapa:  Cadeia Respiratória  Essa fase ocorre nas cristas mitocondriais.  Os hidrogênios retirados da glicose e presentes nas moléculas de FADH 2  e NADH 2  são transportados até o oxigênio, formando água. Dessa maneira, na cadeia respiratória. Depois de muitos cálculos..., podemos dizer que o processo  respiratório aeróbico pode, então, ser equacionado assim: C 6 H 12 O 6  + 6 O 2  ->  CO 2  + 6 H 2 O + 38 ATP (energia)
Organelas Função Parede celular Proteção e suporte. Núcleo Comanda a estrutura e a atividade das células. Ribossomos Síntese proteíca. Cloroplastos Realizam a fotossíntese. Mitocôndrias Respiração celular. Retículo Endoplasmático Síntese de proteínas, lipídios e hidratos de carbono Complexo de Golgi Secreção de enzimas e outras moléculas. Vacúolo armazenamento
Transporte Passivo Transporte Ativo Transportes Celulares
Transportes - A célula realiza dois tipos de transporte:  o passivo (que inclui a difusão e a osmose) e ativo que gasta energia no transporte de substâncias e determinadas. Transportes passivos: Difusão simples – é nada além do que a  troca de substâncias, entre o meio interno externo da célula. Isto é,  as moléculas de certa substâncias atravessam da região externa para interna ou o oposto, para que haja a mesma concentração desta substância em ambos os meios. Por meio desse processo que o oxigênio e o gás carbônico entram e saem da célula. Neste processo não há gasto de energia.
Osmose – é o nome dado ao movimento da  água  entre meios com  concentrações  diferentes de  solutos  . É um processo  físico -químico importante na sobrevivência das  células . A  água  movimenta-se sempre de um  meio hipotônico  (menos concentrado em soluto) para um  meio hipertônico  (mais concentrado em soluto) com o objetivo de se atingir a mesma concentração em ambos os meios. Meio Isotônico  é quando a  célula  e o meio estão em  isotonia , ou seja, a velocidade das substâncias que entram é igual a das substâncias que saem. Há um equilíbrio.  soluto são chamadas as substâncias aplicada para formar alguma mistura
Hemácias sofrem plasmólise (murcham)  Hemácia sofre hemólise (rompem)
Difusão facilitada – é quando as moléculas das substâncias  atravessam a membrana através da proteína, esse tipo de transporte ocorre com a glicose e com íons que por causa da sua carga tem dificuldade de atravessar as camadas lipídicas.
Transporte Ativo É a passagem de uma substância de um menos concentrado para um meio  mais concentrado ocorrendo gasto de energia. Este transporte ocorre através de proteínas especiais que mudam de forma para permitir a entrada e a saída das substâncias. Esta mudança  gasta energia, e esta energia é obtida através de moléculas obtidas pela respiração celular.
Transporte Ativo Endocitose e exocitose: moléculas orgânicas maiores não atravessam a membrana elas entram e saem da  célula pelos citados processos acima. O processo de entrada dessas partículas na célula é chamado de endocitose. O processo de saída dessas partículas recebe o nome de exocitose (ou clasmotose). Existem dois tipos de endocitose:  Fagocitose - a célula  "come" partículas insolúveis , neste processo  a célula  realiza o movimento psedopode , ou seja . falsos pés que envolvem a partícula até que a mesma já esteja no citoplasma.  No nosso organismo este processo serve para destruir corpos estranhos.
Pinocitose - esse processo ingere líquido, de forma mais simples, chamada invaginação da membrana, o seja, a membrana afunda envolvendo a substância depois a membrana estrangula-se na ponta, formando assim uma vesícula o citoplasma. Exocitose – é a eliminação de substâncias através das vesículas  que migram do citoplasma para a membrana onde se integram liberando o dejeto ou substância
A bomba de sódio  (também designada  bomba de sódio-potássio ,  Na + /K + -ATPase  ou  bomba Na + /K + ) é um  mecanismo  que se localiza na  membrana plasmática  de quase todas as  células  do corpo humano.  Em termos de funções fisiológicas, a bomba de sódio-potássio está ligada diretamente a processos de contração muscular e condução dos impulsos nervosos. Além disso, através desse tipo de transporte, a célula controla a entrada e saída de íons sódio e potássio, provocando, assim, a estabilidade do volume celular e a concentração de água no interior da célula.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Desenvolvimento Embrionário!
Desenvolvimento Embrionário!Desenvolvimento Embrionário!
Desenvolvimento Embrionário!
Rosalia Azambuja
 
Núcleo celular
Núcleo celularNúcleo celular
Núcleo celular
Gabriel Mendes de Almeida
 
Organelas CITOPLASMATICAS
Organelas CITOPLASMATICASOrganelas CITOPLASMATICAS
Organelas CITOPLASMATICAS
Adriano Antonholi
 
Núcleo celular
Núcleo celularNúcleo celular
Núcleo celular
MARCIAMP
 
Fluxo de energia e pirâmides ecológicas
Fluxo de energia e pirâmides ecológicasFluxo de energia e pirâmides ecológicas
Fluxo de energia e pirâmides ecológicas
Silvana Sanches
 
Célula eucarionte vegetal
Célula eucarionte vegetalCélula eucarionte vegetal
Célula eucarionte vegetal
Carlos Eduardo
 
Tecido nervoso
Tecido nervosoTecido nervoso
Tecido nervoso
Andreza Campos
 
Celula eucariotica
Celula eucariotica Celula eucariotica
Celula eucariotica
Adrianne Mendonça
 
Núcleo e divisão celular
Núcleo e divisão celularNúcleo e divisão celular
Núcleo e divisão celular
UERGS
 
Citologia
Citologia Citologia
Citologia
Mariinazorzi
 
Transporte de membrana
Transporte de membranaTransporte de membrana
Transporte de membrana
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Ecologia para 6º ano
Ecologia para 6º anoEcologia para 6º ano
Ecologia para 6º ano
Jéssica Lamblet
 
Aula 1 citologia - introdução
Aula 1 citologia - introduçãoAula 1 citologia - introdução
Aula 1 citologia - introdução
Amarildo César
 
Células
CélulasCélulas
Células
Renata Oliveira
 
Citoplasma e organelas
Citoplasma e organelasCitoplasma e organelas
Citoplasma e organelas
profatatiana
 
Organização dos organismos- Tecidos, órgãos e sistemas
Organização dos organismos- Tecidos, órgãos e sistemasOrganização dos organismos- Tecidos, órgãos e sistemas
Organização dos organismos- Tecidos, órgãos e sistemas
Carlos Priante
 
Protozoários e protozooses
Protozoários e protozoosesProtozoários e protozooses
Protozoários e protozooses
Guilherme Orlandi Goulart
 
Mapa mental embriologia
Mapa mental  embriologiaMapa mental  embriologia
Mapa mental embriologia
myllenagranja1
 
Plano de aula completo Citologia: Tipos e formas de células
Plano de aula completo Citologia: Tipos e formas de células Plano de aula completo Citologia: Tipos e formas de células
Plano de aula completo Citologia: Tipos e formas de células
João Monteiro
 
Reino Fungi
Reino FungiReino Fungi
Reino Fungi
emanuel
 

Mais procurados (20)

Desenvolvimento Embrionário!
Desenvolvimento Embrionário!Desenvolvimento Embrionário!
Desenvolvimento Embrionário!
 
Núcleo celular
Núcleo celularNúcleo celular
Núcleo celular
 
Organelas CITOPLASMATICAS
Organelas CITOPLASMATICASOrganelas CITOPLASMATICAS
Organelas CITOPLASMATICAS
 
Núcleo celular
Núcleo celularNúcleo celular
Núcleo celular
 
Fluxo de energia e pirâmides ecológicas
Fluxo de energia e pirâmides ecológicasFluxo de energia e pirâmides ecológicas
Fluxo de energia e pirâmides ecológicas
 
Célula eucarionte vegetal
Célula eucarionte vegetalCélula eucarionte vegetal
Célula eucarionte vegetal
 
Tecido nervoso
Tecido nervosoTecido nervoso
Tecido nervoso
 
Celula eucariotica
Celula eucariotica Celula eucariotica
Celula eucariotica
 
Núcleo e divisão celular
Núcleo e divisão celularNúcleo e divisão celular
Núcleo e divisão celular
 
Citologia
Citologia Citologia
Citologia
 
Transporte de membrana
Transporte de membranaTransporte de membrana
Transporte de membrana
 
Ecologia para 6º ano
Ecologia para 6º anoEcologia para 6º ano
Ecologia para 6º ano
 
Aula 1 citologia - introdução
Aula 1 citologia - introduçãoAula 1 citologia - introdução
Aula 1 citologia - introdução
 
Células
CélulasCélulas
Células
 
Citoplasma e organelas
Citoplasma e organelasCitoplasma e organelas
Citoplasma e organelas
 
Organização dos organismos- Tecidos, órgãos e sistemas
Organização dos organismos- Tecidos, órgãos e sistemasOrganização dos organismos- Tecidos, órgãos e sistemas
Organização dos organismos- Tecidos, órgãos e sistemas
 
Protozoários e protozooses
Protozoários e protozoosesProtozoários e protozooses
Protozoários e protozooses
 
Mapa mental embriologia
Mapa mental  embriologiaMapa mental  embriologia
Mapa mental embriologia
 
Plano de aula completo Citologia: Tipos e formas de células
Plano de aula completo Citologia: Tipos e formas de células Plano de aula completo Citologia: Tipos e formas de células
Plano de aula completo Citologia: Tipos e formas de células
 
Reino Fungi
Reino FungiReino Fungi
Reino Fungi
 

Destaque

Aula 2 noções gerais da estrutura e das funções celulares
Aula 2   noções gerais da estrutura e das funções celularesAula 2   noções gerais da estrutura e das funções celulares
Aula 2 noções gerais da estrutura e das funções celulares
fbtorraca
 
A Célula - Unidade básica da vida
A Célula - Unidade básica da vidaA Célula - Unidade básica da vida
A Célula - Unidade básica da vida
Catir
 
Aula biologia celular
Aula   biologia celularAula   biologia celular
Aula biologia celular
santhdalcin
 
Estrutura celular 1
Estrutura celular 1Estrutura celular 1
Estrutura celular 1
Adriele Santos
 
Células
CélulasCélulas
Células
Killer Max
 
A célula - unidade básica da vida
A célula - unidade básica da vidaA célula - unidade básica da vida
A célula - unidade básica da vida
Leonardo Alves
 
aula 1 - estrutura e fisiologia celular, clonagem, celulas tronco e transgênicos
aula 1 - estrutura e fisiologia celular, clonagem, celulas tronco e transgênicosaula 1 - estrutura e fisiologia celular, clonagem, celulas tronco e transgênicos
aula 1 - estrutura e fisiologia celular, clonagem, celulas tronco e transgênicos
Joandro Pandilha Santos
 
Célula animal e vegetal
Célula animal e vegetalCélula animal e vegetal
Célula animal e vegetal
00367p
 
A célula
A célulaA célula
A célula
catiacsantos
 
FunçõEs Celulares[1]
FunçõEs Celulares[1]FunçõEs Celulares[1]
FunçõEs Celulares[1]
guestdb5b7a
 
Introdução à biologia celular
Introdução à biologia celularIntrodução à biologia celular
Introdução à biologia celular
Alpha Colégio e Vestibulares
 
1ª aula biologia celular
1ª aula biologia celular1ª aula biologia celular
1ª aula biologia celular
Flávio Silva
 
Células ppt
Células   pptCélulas   ppt
Células ppt
Bruce Colombi
 
II. 1 As células
II. 1 As célulasII. 1 As células
II. 1 As células
Rebeca Vale
 
Membrana plasmática slides COMPLETO
Membrana plasmática slides COMPLETOMembrana plasmática slides COMPLETO
Membrana plasmática slides COMPLETO
Sheila Cassenotte
 
Bacteriologia: morfologia, estrutura celular
Bacteriologia: morfologia, estrutura celularBacteriologia: morfologia, estrutura celular
Bacteriologia: morfologia, estrutura celular
Déborah P. S. Saes
 
Introduçao biologia celular
Introduçao biologia celularIntroduçao biologia celular
Introduçao biologia celular
Pedro Lopes
 
7º ano - 1º bimestre - Celula animal vegetal
7º ano - 1º bimestre - Celula animal vegetal7º ano - 1º bimestre - Celula animal vegetal
7º ano - 1º bimestre - Celula animal vegetal
Carolina Suisso
 
Células procariontes e eucariontes
Células procariontes e eucariontesCélulas procariontes e eucariontes
Células procariontes e eucariontes
Naiiane Da Motta
 
A Célula
A CélulaA Célula
A Célula
guest7b65ee
 

Destaque (20)

Aula 2 noções gerais da estrutura e das funções celulares
Aula 2   noções gerais da estrutura e das funções celularesAula 2   noções gerais da estrutura e das funções celulares
Aula 2 noções gerais da estrutura e das funções celulares
 
A Célula - Unidade básica da vida
A Célula - Unidade básica da vidaA Célula - Unidade básica da vida
A Célula - Unidade básica da vida
 
Aula biologia celular
Aula   biologia celularAula   biologia celular
Aula biologia celular
 
Estrutura celular 1
Estrutura celular 1Estrutura celular 1
Estrutura celular 1
 
Células
CélulasCélulas
Células
 
A célula - unidade básica da vida
A célula - unidade básica da vidaA célula - unidade básica da vida
A célula - unidade básica da vida
 
aula 1 - estrutura e fisiologia celular, clonagem, celulas tronco e transgênicos
aula 1 - estrutura e fisiologia celular, clonagem, celulas tronco e transgênicosaula 1 - estrutura e fisiologia celular, clonagem, celulas tronco e transgênicos
aula 1 - estrutura e fisiologia celular, clonagem, celulas tronco e transgênicos
 
Célula animal e vegetal
Célula animal e vegetalCélula animal e vegetal
Célula animal e vegetal
 
A célula
A célulaA célula
A célula
 
FunçõEs Celulares[1]
FunçõEs Celulares[1]FunçõEs Celulares[1]
FunçõEs Celulares[1]
 
Introdução à biologia celular
Introdução à biologia celularIntrodução à biologia celular
Introdução à biologia celular
 
1ª aula biologia celular
1ª aula biologia celular1ª aula biologia celular
1ª aula biologia celular
 
Células ppt
Células   pptCélulas   ppt
Células ppt
 
II. 1 As células
II. 1 As célulasII. 1 As células
II. 1 As células
 
Membrana plasmática slides COMPLETO
Membrana plasmática slides COMPLETOMembrana plasmática slides COMPLETO
Membrana plasmática slides COMPLETO
 
Bacteriologia: morfologia, estrutura celular
Bacteriologia: morfologia, estrutura celularBacteriologia: morfologia, estrutura celular
Bacteriologia: morfologia, estrutura celular
 
Introduçao biologia celular
Introduçao biologia celularIntroduçao biologia celular
Introduçao biologia celular
 
7º ano - 1º bimestre - Celula animal vegetal
7º ano - 1º bimestre - Celula animal vegetal7º ano - 1º bimestre - Celula animal vegetal
7º ano - 1º bimestre - Celula animal vegetal
 
Células procariontes e eucariontes
Células procariontes e eucariontesCélulas procariontes e eucariontes
Células procariontes e eucariontes
 
A Célula
A CélulaA Célula
A Célula
 

Semelhante a Estruturas Celulares

Organelas avaliação ii
Organelas   avaliação iiOrganelas   avaliação ii
Organelas avaliação ii
Daniela Silveira
 
Organelas avaliação II
Organelas   avaliação IIOrganelas   avaliação II
Organelas avaliação II
Daniela Silveira
 
Organelas avaliação ii
Organelas   avaliação iiOrganelas   avaliação ii
Organelas avaliação ii
Daniela Silveira
 
Organelas avaliação II
Organelas   avaliação IIOrganelas   avaliação II
Organelas avaliação II
Daniela Silveira
 
Citologia i
Citologia iCitologia i
Citologia i
Alessandra Firmino
 
Biologia Celular
Biologia CelularBiologia Celular
Biologia Celular
jandesonbiologo
 
Explicação da Célula Vegetal
Explicação da Célula Vegetal Explicação da Célula Vegetal
Explicação da Célula Vegetal
flaviajulianee
 
Biologia citologia
Biologia   citologiaBiologia   citologia
Biologia citologia
Jeniffer Sfredo
 
Organelas
OrganelasOrganelas
Organelas
marcelo Ferreira
 
Aula04 citoplasma ou-hialoplasmacbm05012022
Aula04 citoplasma ou-hialoplasmacbm05012022Aula04 citoplasma ou-hialoplasmacbm05012022
Aula04 citoplasma ou-hialoplasmacbm05012022
SandroMendes25
 
Citologia - introdução e visão geral dos componentes celulares.pdf
Citologia - introdução e visão geral dos componentes celulares.pdfCitologia - introdução e visão geral dos componentes celulares.pdf
Citologia - introdução e visão geral dos componentes celulares.pdf
CristianaLealSabel
 
2.1
2.12.1
Célula 2
Célula 2Célula 2
Célula 2
Jac Costa
 
Biologia celular
Biologia celularBiologia celular
Biologia celular
Anderson Prestes
 
Resumo de Biologia de 10º ano
Resumo de Biologia de 10º anoResumo de Biologia de 10º ano
Resumo de Biologia de 10º ano
Renata Sofia
 
Biologia
BiologiaBiologia
Biologia
Karol Matiolli
 
O citoplasma
O citoplasmaO citoplasma
O citoplasma
mael007
 
Resumo morfologia de fanerógamas
Resumo morfologia de fanerógamasResumo morfologia de fanerógamas
Resumo morfologia de fanerógamas
José Teles Monteiro
 
Citoplasma 2
Citoplasma 2Citoplasma 2
Citoplasma 2
Marcilio Barbosa
 
Citoplasma
Citoplasma Citoplasma
Citoplasma
Chelzinho
 

Semelhante a Estruturas Celulares (20)

Organelas avaliação ii
Organelas   avaliação iiOrganelas   avaliação ii
Organelas avaliação ii
 
Organelas avaliação II
Organelas   avaliação IIOrganelas   avaliação II
Organelas avaliação II
 
Organelas avaliação ii
Organelas   avaliação iiOrganelas   avaliação ii
Organelas avaliação ii
 
Organelas avaliação II
Organelas   avaliação IIOrganelas   avaliação II
Organelas avaliação II
 
Citologia i
Citologia iCitologia i
Citologia i
 
Biologia Celular
Biologia CelularBiologia Celular
Biologia Celular
 
Explicação da Célula Vegetal
Explicação da Célula Vegetal Explicação da Célula Vegetal
Explicação da Célula Vegetal
 
Biologia citologia
Biologia   citologiaBiologia   citologia
Biologia citologia
 
Organelas
OrganelasOrganelas
Organelas
 
Aula04 citoplasma ou-hialoplasmacbm05012022
Aula04 citoplasma ou-hialoplasmacbm05012022Aula04 citoplasma ou-hialoplasmacbm05012022
Aula04 citoplasma ou-hialoplasmacbm05012022
 
Citologia - introdução e visão geral dos componentes celulares.pdf
Citologia - introdução e visão geral dos componentes celulares.pdfCitologia - introdução e visão geral dos componentes celulares.pdf
Citologia - introdução e visão geral dos componentes celulares.pdf
 
2.1
2.12.1
2.1
 
Célula 2
Célula 2Célula 2
Célula 2
 
Biologia celular
Biologia celularBiologia celular
Biologia celular
 
Resumo de Biologia de 10º ano
Resumo de Biologia de 10º anoResumo de Biologia de 10º ano
Resumo de Biologia de 10º ano
 
Biologia
BiologiaBiologia
Biologia
 
O citoplasma
O citoplasmaO citoplasma
O citoplasma
 
Resumo morfologia de fanerógamas
Resumo morfologia de fanerógamasResumo morfologia de fanerógamas
Resumo morfologia de fanerógamas
 
Citoplasma 2
Citoplasma 2Citoplasma 2
Citoplasma 2
 
Citoplasma
Citoplasma Citoplasma
Citoplasma
 

Mais de Daniela Silveira

Embriologia
Embriologia Embriologia
Embriologia
Daniela Silveira
 
Reprodução
ReproduçãoReprodução
Reprodução
Daniela Silveira
 
Reprodução
ReproduçãoReprodução
Reprodução
Daniela Silveira
 
Reprodução
ReproduçãoReprodução
Reprodução
Daniela Silveira
 
Sistema reprodutor feminino
Sistema reprodutor femininoSistema reprodutor feminino
Sistema reprodutor feminino
Daniela Silveira
 
Sistema reprodutor masculino
Sistema reprodutor masculinoSistema reprodutor masculino
Sistema reprodutor masculino
Daniela Silveira
 
Eu Amo Aulas de Biologia
Eu Amo Aulas de BiologiaEu Amo Aulas de Biologia
Eu Amo Aulas de Biologia
Daniela Silveira
 

Mais de Daniela Silveira (7)

Embriologia
Embriologia Embriologia
Embriologia
 
Reprodução
ReproduçãoReprodução
Reprodução
 
Reprodução
ReproduçãoReprodução
Reprodução
 
Reprodução
ReproduçãoReprodução
Reprodução
 
Sistema reprodutor feminino
Sistema reprodutor femininoSistema reprodutor feminino
Sistema reprodutor feminino
 
Sistema reprodutor masculino
Sistema reprodutor masculinoSistema reprodutor masculino
Sistema reprodutor masculino
 
Eu Amo Aulas de Biologia
Eu Amo Aulas de BiologiaEu Amo Aulas de Biologia
Eu Amo Aulas de Biologia
 

Último

Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
AngelicaCostaMeirele2
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 

Último (20)

Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 

Estruturas Celulares

  • 2. CONSTITUINTES BÁSICOS DA CÉLULA Membrana plasmática Citoplasma Núcleo QUAIS SÃO OS ….
  • 3. PAREDE CELULAR Quem possui ? Organismos mais simples como os procariontes e vegetais
  • 4.  
  • 5. O que é e pra que serve: - É uma estrutura rígida, composta de celulose, resistente e encontra-se fora da membrana plasmática - Os organismos que a constituem não consegue mudar de forma - Constituída de celulose nas células vegetais - Reduz a perda de água
  • 6. Quem tem? Membrana Plasmática Tanto organismos procariontes quanto eucariontes e célula vegetal
  • 7. O que é e pra que serve? - Estrutura de composição lipoprotéica ( um conjunto de proteínas e lipídeos e está presente em todas as células - Elasticidade - Resistência mecânica - Baixa tensão superficial (não deixa afundar) Devido as proteínas
  • 8. - Alta resistência elétrica -Alta permeabilidade às substâncias lipossolúveis (não solúveis em H2O). Devido aos lipídios
  • 9. Formada por uma dupla camada de fosfolipídios (fosfato associado a lipídios), bem como por proteínas espaçadas e que podem atravessar de um lado a outro da membrana . Algumas proteínas estão associadas a glicídios, formando as glicoproteínas (associação de proteína com glicídios - açucares- protege a célula sobre possíveis agressões, retém enzimas, constituindo o glicocálix)
  • 10. Uma das extremidades é hidrofílica (polar) e portanto solúvel em meio aquoso A membrana plasmática contém e delimita o espaço da célula, mantém condições adequadas para que ocorram as reações metabólicas necessárias seleciona o que entra e sai da célula,  ajuda a manter o formato celular,  Outra é hidrofóbica (apolar), conseqüentemente insolúvel em meio aquoso mas com afinidade para outros lipídios Funções
  • 11. MOSAICO FLUÍDO proposto por Singer e Nicholson
  • 12. Hidrofílica = afinidade com a água Proteínas aderentes a face = extrínsecas Proteínas mergulhadas = intrínsecas Hidrofóbica = rejeição a água
  • 13. 1 indica a camada de fosfolipídios. 2 indica proteína responsável pelo transporte de certas substâncias que atravessam a membrana . 3 indica carboidrato que forma o glicocálix. 1 3 2
  • 14.  
  • 15. Especializações ou diferenciações da Membrana Plasmática Em algumas células, a membrana plasmática mostra modificações ligadas a uma especialização de função. Algumas dessas diferenciações são particularmente bem conhecidas nas células da superfície do intestino. Microvilosidades - São dobras da membrana plasmática , na superfície da célula voltada para a cavidade do intestino. Calcula-se que cada célula possui em média 2.500 microvilosidades. Como conseqüência de sua existência, há um aumento apreciável da superfície da membrana em contato com o alimento. b) Desmossomos - São regiões especializadas que ocorrem nas membranas adjacentes de duas células vizinhas. São espécies de presilhas que aumentam a adesão entre uma célula e a outra.  c) Interdigitações - Como os desmossomos também têm um papel importante na coesão de células vizinhas. 
  • 16. Os cílios e os flagelos são estruturas citoplasmáticas anexas à membrana plasmática das células, tendo origem a partir do prolongamento dos centríolos O comprimento é variado, sendo os cílios mais curtos e em maior quantidade na superfície da célula, enquanto os flagelos são mais longos e geralmente pouco numerosos. A função desempenhada pelos cílios e os flagelos é basicamente locomotora, a exemplo dos organismos unicelulares protistas e espermatozóide. Contudo, os cílios também estão presentes em tecidos do trato respiratório (na traquéia), onde realizam função de defesa (retenção e eliminação de partículas e microorganismos). Cílios e Flagelos
  • 17. CITOPLASMA O citoplasma das células eucarióticas aparece sem estrutura visível mesmo quando examinado ao microscópio eletrônico. Corresponde ao meio interno da célula onde estão incluídas todas as suas estruturas.
  • 19. NÚCLEO O núcleo ocupa 10% do volume celular total. Controla todas as reações que ocorrem na célula. FILAMENTOS DE CROMATINA NUCLEOPLASMA NUCLÉOLO INVÓLUCRO NUCLEAR
  • 20. Carioteca : membrana dupla e porosa que envolve o Núcleo, permitindo a comunicação com o Citoplasma; Nucleoplasma : massa fluída limitada pela Carioteca que ocupa o interior do núcleo; Cromatina : material constituído por DNA (material genético). Responsável pelas CARACTERÍSTICAS HEREDITÁRIAS. Nucléolo : estrutura que produz proteínas.
  • 22. O Aparelho de Golgi é constituído por uma série de cisternas (reserva) dispostas paralelamente. Localiza-se próximo do núcleo ou do centro da célula. A sua função está associada ao armazenamento e descarte de substâncias.
  • 24. - responsável pela digestão celular assim como a reciclagem de outras organelas e componentes celulares envelhecidos.
  • 25. RETÍCULO ENDOPLASMÁTICO O Retículo Endoplasmático com ribossomas associados é designado por Retículo Endoplasmático Rugoso (granular) e intervem na síntese proteica. O Retículo Endoplasmático sem ribossomos é designado por Retículo Endoplasmático liso(agranular) e intervem na síntese de lipídios e hidratos de carbono.
  • 27. O retículo endoplasmático liso ou agranular (REL) é formado por sistemas de túbulos cilíndricos e sem ribossomos aderidos a membrana. Função: REL tem como uma de suas funções, a desintoxicação do organismo . Esse tipo de retículo é abundante principalmente em células do fígado e pâncreas .
  • 29. O Retículo Endoplasmático Rugoso (RER) é formado por sistemas de túbulos achatados e ribossomos aderidos a membrana o que lhe confere aspecto granular. - Função: Participa da síntese de proteínas , que serão enviadas para o exterior das células . O reticulo endoplasmático é também chamado ergastoplasma
  • 31. É nos ribossomos que ocorre a síntese das proteínas. A síntese é feita através da união entre aminoácidos.
  • 33. Organela não-membranosa, de formato cilíndrico encontrado aos pares. Ocorre em células animais e nos anterozóides das criptógamas (briófitas e pteridófitas) Funções: participa de divisão celular, origina cílios e flagelos
  • 34.  
  • 35. São responsáveis pela fotossíntese. É nestas estruturas que encontramos a CLOROFILA (pigmento verde).São encontrados em células vegetais e outros organismos fotossintetizadores , como as algas e alguns protistas .
  • 36. PLASTÍDIOS Os plastídios estão presentes em todas as células vegetais vivas. Existem diferentes tipos de plastídios: Leucoplastos, Oleoplastos, Cromoplastos, Cloroplastos, Amiloplastos... Os Cromoplastos são um tipo de plastídio constituído por substâncias coloridas, que lhe conferem uma cor vermelha, amarela ou alaranjada.
  • 37. Mitocôndria : Tod a a atividade celular requer energia, é através da mitocôndria que esta energia necessária às atividades das células será gerada.
  • 38. E como obter esta energia? O seu número varia entre as células, sendo proporcional à atividade metabólica de cada uma (quanto maior a necessidade de energia para realizar as atividades maior será o nº de mitocôndrias) Está presente em grande quantidade nas células do sistema nervoso, do coração, por exemplo, pois apresentam maior gasto de energia Elas são abastecidas pela célula que a hospeda por substancias orgânicas como oxigênio e glicose as quais utiliza-se de oxigênio e glicose e os converte em energia ou ATP ( Adenosina Trifosfato), que devolve para a célula; através da respiração celular – realizada pelas mitocôndrias
  • 39.  
  • 40. A membrana externa é "lisa" e mais permeável que a membrana interna. Há entre as duas membranas um espaço denominado espaço intermembranoso onde ocorrem muitas reações importantes do metabolismo celular. A membrana interna é formada por pregas que se expandem no espaço intramitocondrial (matriz mitocondrial) denominadas cristas mitocondriais. A matriz mitocondrial contém enzimas (relacionadas principalmente com o ciclo de Krebs), ribossomos e o DNA mitocondrial. Nas cristas mitocondriais localizam-se as enzimas responsáveis pela cadeia respiratória - as proteínas transportadoras de elétrons e as ATP. (ATP - Trifosfato de adenosina , adenosina trifosfato ou simplesmente ATP , é um nucleotídeo responsável pelo armazenamento de energia em suas ligações químicas . A energia é armazenada nas ligações entre os fosfatos)  
  • 41. Mas o que é RESPIRAÇÃO CELULAR é o processo de conversão das ligações químicas de moléculas ricas em energia que poderão ser usada nos processos vitais. Podem ser de dois tipos: respiração anaeróbia (sem utilização de oxigênio também chamada de fermentação) e respiração Aeróbia (com utilização de oxigênio). A respiração celular é o processo de obtenção de energia mais utilizado pelos seres vivos. Na respiração, ocorre a libertação de dióxido de carbono e energia e o consumo de oxigênio e glicose , ou outra substância orgânica. A organela responsável por essa respiração é a mitocôndria. É a quebra da glicose mais o oxigênio sendo transformados em energia para a célula
  • 42. Do ponto de vista da fisiologia , o processo pelo qual um organismo vivo troca oxigênio e dióxido de carbono com o seu meio ambiente é chamado de ventilação (inspirar e expirar); respiração ocorre apenas na célula, operação executada pela mitocôndria. Do ponto de vista da bioquímica , respiração celular é o processo de conversão das ligações químicas de moléculas ricas em energia que possa ser usada nos processos vitais. A respiração celular processa-se nas seguintes etapas:
  • 43. ETAPAS DA RESPIRAÇÃO CELULAR 1ª etapa: Quebra da glicose que ocorre no citoplasma os carboidratos, lipídeos, principalmente a glicose e os ácidos graxos, são as principais substâncias quebradas para a respiração celular. A glicose é quebrada no citosol em um processo chamado glicólise , onde se forma duas moléculas de ácido pirúvico, liberando uma certa quantidade de energia (quatro moléculas de ATP – Adenosina trifosfato), produz duas moléculas de NADH 2 (NADH - Nicotinamida adenina dinucleotídeo) e consumindo oxigênio. C 6 H 12 O 6  2 C 3 H 4 O 3 (Glicose) ( Á cido pir ú vico)
  • 44. ácido pirúvico , é um composto orgânico contendo três átomos de carbono (C 3 H 4 O 3 ), originado ao fim da glicólise (quebra da glicose em glicólise sem O 2 . Durante a glicólise, é transformada uma molécula de NAD+ (aceptor de elétrons) se convertendo em NADH (recebe elétrons) .
  • 45. 2a. etapa: Ciclo de Krebs ou ciclo do Ácido Cítrico O ácido pirúvico entra na mitocôndria, e é convertido em acetil-coenzima A que então é metabolizada pelo ciclo do ácido cítrico (ciclo de krebs). Nesta etapa, uma quantidade de energia é liberada, sendo uma pequena parte utilizada para converter três NAD+ em três NADH. No ciclo de Krebs , a acetil CoA sofre uma série de modificações que acaba produzindo ácido oxaloacético (oxalacetato) que então recomeça o ciclo. Essas reações liberam duas moléculas de CO 2 e produzem três moléculas de NADH e uma molécula de FADH 2 (FAD - dinucleótido de flavina e adenina)  
  • 46. 3a. etapa: Cadeia Respiratória  Essa fase ocorre nas cristas mitocondriais. Os hidrogênios retirados da glicose e presentes nas moléculas de FADH 2 e NADH 2 são transportados até o oxigênio, formando água. Dessa maneira, na cadeia respiratória. Depois de muitos cálculos..., podemos dizer que o processo respiratório aeróbico pode, então, ser equacionado assim: C 6 H 12 O 6 + 6 O 2 -> CO 2 + 6 H 2 O + 38 ATP (energia)
  • 47. Organelas Função Parede celular Proteção e suporte. Núcleo Comanda a estrutura e a atividade das células. Ribossomos Síntese proteíca. Cloroplastos Realizam a fotossíntese. Mitocôndrias Respiração celular. Retículo Endoplasmático Síntese de proteínas, lipídios e hidratos de carbono Complexo de Golgi Secreção de enzimas e outras moléculas. Vacúolo armazenamento
  • 48. Transporte Passivo Transporte Ativo Transportes Celulares
  • 49. Transportes - A célula realiza dois tipos de transporte: o passivo (que inclui a difusão e a osmose) e ativo que gasta energia no transporte de substâncias e determinadas. Transportes passivos: Difusão simples – é nada além do que a troca de substâncias, entre o meio interno externo da célula. Isto é, as moléculas de certa substâncias atravessam da região externa para interna ou o oposto, para que haja a mesma concentração desta substância em ambos os meios. Por meio desse processo que o oxigênio e o gás carbônico entram e saem da célula. Neste processo não há gasto de energia.
  • 50. Osmose – é o nome dado ao movimento da água entre meios com concentrações diferentes de solutos . É um processo físico -químico importante na sobrevivência das células . A água movimenta-se sempre de um meio hipotônico (menos concentrado em soluto) para um meio hipertônico (mais concentrado em soluto) com o objetivo de se atingir a mesma concentração em ambos os meios. Meio Isotônico é quando a célula e o meio estão em isotonia , ou seja, a velocidade das substâncias que entram é igual a das substâncias que saem. Há um equilíbrio. soluto são chamadas as substâncias aplicada para formar alguma mistura
  • 51. Hemácias sofrem plasmólise (murcham) Hemácia sofre hemólise (rompem)
  • 52. Difusão facilitada – é quando as moléculas das substâncias atravessam a membrana através da proteína, esse tipo de transporte ocorre com a glicose e com íons que por causa da sua carga tem dificuldade de atravessar as camadas lipídicas.
  • 53. Transporte Ativo É a passagem de uma substância de um menos concentrado para um meio mais concentrado ocorrendo gasto de energia. Este transporte ocorre através de proteínas especiais que mudam de forma para permitir a entrada e a saída das substâncias. Esta mudança gasta energia, e esta energia é obtida através de moléculas obtidas pela respiração celular.
  • 54. Transporte Ativo Endocitose e exocitose: moléculas orgânicas maiores não atravessam a membrana elas entram e saem da célula pelos citados processos acima. O processo de entrada dessas partículas na célula é chamado de endocitose. O processo de saída dessas partículas recebe o nome de exocitose (ou clasmotose). Existem dois tipos de endocitose: Fagocitose - a célula "come" partículas insolúveis , neste processo a célula realiza o movimento psedopode , ou seja . falsos pés que envolvem a partícula até que a mesma já esteja no citoplasma. No nosso organismo este processo serve para destruir corpos estranhos.
  • 55. Pinocitose - esse processo ingere líquido, de forma mais simples, chamada invaginação da membrana, o seja, a membrana afunda envolvendo a substância depois a membrana estrangula-se na ponta, formando assim uma vesícula o citoplasma. Exocitose – é a eliminação de substâncias através das vesículas que migram do citoplasma para a membrana onde se integram liberando o dejeto ou substância
  • 56. A bomba de sódio (também designada bomba de sódio-potássio , Na + /K + -ATPase ou bomba Na + /K + ) é um mecanismo que se localiza na membrana plasmática de quase todas as células do corpo humano. Em termos de funções fisiológicas, a bomba de sódio-potássio está ligada diretamente a processos de contração muscular e condução dos impulsos nervosos. Além disso, através desse tipo de transporte, a célula controla a entrada e saída de íons sódio e potássio, provocando, assim, a estabilidade do volume celular e a concentração de água no interior da célula.