SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 28
Baixar para ler offline
A
               ESTRUTURA
                DA TERRA



http://prof-paulo-geografia.blogspot.com.br/   Prof. Paulo
Camadas Terrestres, a Partir da Superfície:
 Crosta: (de 0 a 60 km) A crosta forma a maior parte da litosfera, tem
  uma extensão variável de acordo com a posição geográfica
 Manto: (de 60 a 2900 km) É composto por substâncias ricas em ferro e
  magnésio. Também apresenta características físicas diferentes da crosta.
  O material de que é composto o manto pode apresentar-se no estado
  sólido ou como uma pasta viscosa, em virtude das pressões elevadas
 Núcleo (de 2900 a 5100 km) Também chamado de Nife, Centrosfera
  Barisfera ou Metalosfera. O núcleo é dividido em duas partes: o
  núcleo sólido, interno e o núcleo líquido, que envolve o primeiro. O
  núcleo sólido é composto, segundo se acredita, primariamente por ferro
  e um pouco de níquel. Já o núcleo líquido é composto de ferro líquido e
  níquel líquido (a combinação é chamada NiFe), com traços de outros
  elementos.
Teoria da Deriva Continental
Segundo Alfred Wegener:
Há cerca de 300 milhões de anos os continentes
estiveram unidos numa única grande massa de
terra firme (supercontinente) que denominou de
Pangeia, rodeado por um único oceano – a
Pantalassa.
A Pangeia fragmentou-se dando origem a novos
continentes sujeitos a deformação e deriva que
ainda perdura.




                                    Alfred Wegener não soube explicar
                                    qual a causa do movimento dos
                                    continentes
O Que Fez Wegener Pensar na sua Teoria?

1. Razões Morfológicas: Coincidência dos
   litorais de África e América do sul.
  “Não encaixariam as costas de África e da
  América do Sul como duas peças de um puzzle se
  as aproximarmos, fechando o oceano Atlântico?”




                                          2.     Razões Geológicas: Segundo
                                               Wegener, existem “rochas antigas”
                                               que existem em África e na América
                                               do Sul, hoje separadas pelo Atlântico.
                                            Existe também continuidade entre as cadeias
                                            montanhosas da América (Apalaches) e da Europa
                                            (Caledoniana).
3. Razões Paleontológicas: Coincidência de fósseis de um e outro lado do Atlântico.
                                                             Lystrosaurus: réptil parecido com
                                                             um mamífero. Viveu no Triásico.


                                                                    Cynognathus: réptil
                                                                    parecido com um
                                                                    mamífero. Viveu no
                                                                    Triásico, media 1 m.


                                                                    Glossopteris:
                                                                    planta fóssil do
                                                                    Paleozoico.


                                                                    Mesosaurus: pequeno
                                                                    réptil fluvial do
                                                                    Carbónico e Pérmico.




                                  4. Razões Paleoclimáticas: Indícios da mesma
                                  glaciação em lugares muito distantes como
                                  África, América do Sul, Austrália, Índia e
                                  Antárctida.
Teoria da Tectônica de Placas
A teoria da Tectônica de Placas afirma que o planeta Terra é
dividido em várias placas tectônicas que se
movimentam, pois estão flutuando sobre o magma . Ao se
movimentarem, formam as montanhas mais recentes
(dobramentos modernos), fossas oceânicas, atividade
vulcânica, terremotos, cordilheiras meso-
oceânicas, tsunamis, etc.
Correntes de convecção
Teoria da Tectônica de Placas
•Integrada a partir de vários ramos das geociências (geofisica, geologia
histórica, paleogeografia, paleontologia)

• Inicialmente sugerida a partir da geologia e paleontologia

• Conceito que revolucionou as Geociências – década de 50

• Mapeamentos (sonares) e sondagens submarinas durante a Segunda
Guerra Mundial – relevo submarino e tipo de rochas

• Teoria da expansão do assoalho oceânico – Harry Hess (1962)

• A ascensão do material proveniente do manto ao atingir a superfície, se
movimentaria lateralmente provocando a afastamento continuo do
assoalho oceânico.
Placas Tectônicas


                    *
Tipos de Bordas de Placas

   Limites divergentes

   Limites convergentes ou destrutivos

   Limites transformantes ou conservativos
Construtiva ou divergente: quando duas placas estão se
  movendo separadamente uma da outra e em sentido
  contrário, a partir da cadeia meso-oceânica, onde nova
  crosta é formada;


                     Limite divergente
Destrutiva ou convergente: quando duas placas estão se
  movendo mutuamente uma em direção à outra. Fossas
  oceânicas são formadas, originando uma zona de
  subducção, onde a placa mais densa mergulha sob a outra
  para ser consumida no manto, e nova cadeia montanhosa é
  formada;
                                 Limite Convergente
                                 do tipo Oceano -Oceano




 Limite Convergente
 do tipo Oceano-Continente
Limite convergente
Continente–Continente
Conservativa: formada ao longo de uma falha
  transformante, onde o movimento relativo da placa é
  horizontal e paralelo ao seu limite, como, por exemplo, a
  falha de San Andreas, na Califórnia, onde o lado do Pacífico
  desloca-se para o norte, com relação ao bloco continental.




  Falha de San Andreas
Cinturão do Fogo
Estrutura Geológica do Território
           Brasileiro
   Estrutura geológica: embasamento rochoso que sustenta
               determinada forma de relevo.



 Geologia e geomorfologia reconhecem três domínios estruturais:
                plataformas ou crátons; bacias
   sedimentares e cadeias orogênicas ou cinturões orogênicos.



No Brasil, existem apenas as plataformas e as bacias sedimentares.
Cadeias Orogênicas ou Cinturões
                  Orogênicos.
                Montanhas: formadas pela ação de forças tectônicas



   Jovens: formadas em épocas             Velhas: formadas em eras mais remotas.
  geológicas recentes. Apresentam        Tendo sido afetadas pela erosão, apresentam
         maiores altitudes.                       altitudes mais moderadas.




     Montanhas jovens
    no Parque Nacional
Los Glaciares, na região
            patagônica
     (Argentina, 2000)
Crátons
•   Um Cráton pode ser definido com uma região geologicamente
    estável sobre a qual se assentam outras estruturas como bacias.
    Geralmente tem raízes profundas no manto da terra e têm formação em
    eras pré-cambrianas.Apresentam-se sob duas formas:
•   Quando expostos e submetidos aos agentes de erosão (água, oscilações de
    temperatura, vento etc.), chamam-se escudos ou escudos cristalinos.
•   Quando recobertos por formações sedimentares (rochas
    sedimentares), chamam-se plataformas cobertas ou embasamento
    cristalino.
Escudos Cristalinos
• Nos      escudos cristalinos encontramos reservas
    minerais metálicas e não metálicas.
•   Dois tipos de afloramentos:
•   32% do território brasileiro é constituído por
    formações arqueozóicas - embasamento cristalino.
•   4% é composto por formações proterozóicas ricas em
    minerais estratégicos.
•   Dois escudos principais: Guianas e Brasileiro.
Bacias sedimentares
As bacias sedimentares correspondem às depressões preenchidas com
detritos ou sedimentos carreados das áreas circunjacentes.
No Brasil existem bacias sedimentares de grande e de pequena extensão:
Bacias Sedimentares

• Importantes      reservas      de    hidrocarbonetos
  (petróleo, gás natural e carvão mineral).
• Dois grandes grupos no Brasil:
• Bacias de Grande Extensão: Amazônica, do Meio
  Norte, do Paraná, Sanfranciscana ou do São
  Francisco e a do Pantanal Matogrossense.
• Bacia de Pequena Extensão: do Recôncavo-
  Tucano, as costeiras e as de compartimento de
  planalto (Bacia Sedimentar de Curitiba).
Tipos de Rochas
De acordo com a sua génese (modo de formação) as rochas
podem ser classificadas em TRÊS grandes grupos:


• Resultam da         • Formam-se a partir de    • Formam-se a partir
  solidificação         outras no interior da      do desgaste de
  do magma, no          Terra, por vezes a         outras e à superfície
  interior ou à         profundidades              da Terra onde as
  superfície da         consideráveis, onde as     condições de
  Terra.                condições de pressão e     pressão e
                        temperatura são            temperatura são
                        elevadas.                  diminutas.

ROCHAS
MAGMÁTICAS                                       ROCHAS
                       ROCHAS                    SEDIMENTARES
                       METAMÓRFICAS
Basalto, granito, …                               Areias, calcário, …
                       Xisto, mármore, …
Rochas Magmáticas ou Ígneas
                                                               ignis = fogo


                    Mistura complexa de material rochoso fundido
                    (“derretido”); apresenta uma componente gasosa.


                    O magma pode ainda conter material sólido (se o ponto
                    de fusão desses materiais forem superiores à
                    temperatura desse magma)! Quando o magma ascende à
                    superfície durante uma erupção passa a designar-se por
                    lava (esta contém menor teor em gases).


ROCHAS INTRUSIVAS OU PLUTÓNICAS
 • Resultam do arrefecimento e solidificação do magma em profundidade.

ROCHAS EXTRUSIVAS OU VULCÂNICAS
 • Resultam do arrefecimento e solidificação do magma à superfície.
Rochas Metamórficas
 Quando uma rocha fica sujeita a pressões e temperaturas
elevadas, torna-se instável e sofrerá profundas transformações
    físicas e químicas (mas sempre com a manutenção do estado
                                sólido!!!!)




                  Metamorfismo
  Este processo pode ocorrer a profundidades
   variáveis na crosta da Terra e implica um
 rearranjo da forma e orientação dos minerais
 constituintes das rochas e, muitas vezes, a sua
  alteração! Podem formar-se novos minerais
               (recristalização)
                                                       Gnaisse
Rochas Sedimentares
      As Rochas Sedimentares são as mais
    comuns e são essencialmente formadas à
       superfície terrestre (baixas pressões e
       temperaturas) a partir de outras pré-
                    existentes.
     Os sedimentos são os precursores das
     rochas sedimentares e encontram-se na
        natureza sob a forma de pequenas
      partículas, como areias, fragmentos de
          carapaças de seres vivos, etc…



            Resultam do desgaste das rochas
Rochas Sedimentares
Fases de formação das rochas sedimentares
deposição de sedimentos)
SEDIMENTOGÉNESE
 (processo de formação e




                            Desgaste das rochas
                           (inclui fenómenos de meteorização e
                           erosão)
                            Transporte

                            Sedimentação

 Diagénese ou Litificação
(inclui fenómenos de compacção e
cimentação e permite converter sedimentos
soltos em rochas consolidadas)!
Ciclo das Rochas

Prgunts?
    s?
  ugsts?
 s
nsrs
rsus?
  http://prof-paulo-geografia.blogspot.com.br/

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Camadas da Terra
Camadas da TerraCamadas da Terra
Camadas da TerraIvaildo
 
Estrutura geológica e formas de relevo terrestre - atualizado
Estrutura geológica e formas de relevo terrestre - atualizadoEstrutura geológica e formas de relevo terrestre - atualizado
Estrutura geológica e formas de relevo terrestre - atualizadoJones Godinho
 
Atmosfera, tempo e fatores climáticos
Atmosfera, tempo e fatores climáticosAtmosfera, tempo e fatores climáticos
Atmosfera, tempo e fatores climáticosProfessor
 
Relevo agentes formadores e erosivos
Relevo agentes formadores e erosivosRelevo agentes formadores e erosivos
Relevo agentes formadores e erosivosProfessor
 
I.1 A origem do universo
I.1 A origem do universoI.1 A origem do universo
I.1 A origem do universoRebeca Vale
 
O relevo e as suas formas
O relevo e as suas formasO relevo e as suas formas
O relevo e as suas formasprofacacio
 
O universo e o Sistema Solar
O universo e o Sistema SolarO universo e o Sistema Solar
O universo e o Sistema SolarFURG
 
Tectonismo e Vulcanismo - 6º Ano (2018)
Tectonismo e Vulcanismo -  6º Ano (2018)Tectonismo e Vulcanismo -  6º Ano (2018)
Tectonismo e Vulcanismo - 6º Ano (2018)Nefer19
 
Movimentos das placas tectônicas
Movimentos das placas tectônicasMovimentos das placas tectônicas
Movimentos das placas tectônicasCadernizando
 

Mais procurados (20)

TERRA - Estrutura Geologica
TERRA - Estrutura GeologicaTERRA - Estrutura Geologica
TERRA - Estrutura Geologica
 
A estrutura da terra 6o ano
A estrutura da terra 6o anoA estrutura da terra 6o ano
A estrutura da terra 6o ano
 
O solo 6o ano
O solo 6o anoO solo 6o ano
O solo 6o ano
 
Camadas da Terra
Camadas da TerraCamadas da Terra
Camadas da Terra
 
Litosfera
LitosferaLitosfera
Litosfera
 
Atmosfera
AtmosferaAtmosfera
Atmosfera
 
Biomas
BiomasBiomas
Biomas
 
Estrutura geológica e formas de relevo terrestre - atualizado
Estrutura geológica e formas de relevo terrestre - atualizadoEstrutura geológica e formas de relevo terrestre - atualizado
Estrutura geológica e formas de relevo terrestre - atualizado
 
Atmosfera, tempo e fatores climáticos
Atmosfera, tempo e fatores climáticosAtmosfera, tempo e fatores climáticos
Atmosfera, tempo e fatores climáticos
 
Tectonica Placas
Tectonica PlacasTectonica Placas
Tectonica Placas
 
Hidrosfera 6º ano
Hidrosfera 6º anoHidrosfera 6º ano
Hidrosfera 6º ano
 
Projeçoes cartograficas
Projeçoes cartograficasProjeçoes cartograficas
Projeçoes cartograficas
 
Relevo agentes formadores e erosivos
Relevo agentes formadores e erosivosRelevo agentes formadores e erosivos
Relevo agentes formadores e erosivos
 
I.1 A origem do universo
I.1 A origem do universoI.1 A origem do universo
I.1 A origem do universo
 
Tipos de Rochas
Tipos de RochasTipos de Rochas
Tipos de Rochas
 
O relevo e as suas formas
O relevo e as suas formasO relevo e as suas formas
O relevo e as suas formas
 
O universo e o Sistema Solar
O universo e o Sistema SolarO universo e o Sistema Solar
O universo e o Sistema Solar
 
Tectonismo e Vulcanismo - 6º Ano (2018)
Tectonismo e Vulcanismo -  6º Ano (2018)Tectonismo e Vulcanismo -  6º Ano (2018)
Tectonismo e Vulcanismo - 6º Ano (2018)
 
Movimentos das placas tectônicas
Movimentos das placas tectônicasMovimentos das placas tectônicas
Movimentos das placas tectônicas
 
SISTEMA TERRESTRE
SISTEMA TERRESTRE SISTEMA TERRESTRE
SISTEMA TERRESTRE
 

Destaque (18)

Fuso
FusoFuso
Fuso
 
Coordenadas geográficas
Coordenadas geográficasCoordenadas geográficas
Coordenadas geográficas
 
Clima
ClimaClima
Clima
 
Hidrografia do brasil
Hidrografia do brasilHidrografia do brasil
Hidrografia do brasil
 
Qualidade de vida em numeros
Qualidade de vida em numerosQualidade de vida em numeros
Qualidade de vida em numeros
 
Escalas
EscalasEscalas
Escalas
 
Cartografia e poder
Cartografia e poderCartografia e poder
Cartografia e poder
 
Geologia geomorfologia e mineraçao no brasil
Geologia geomorfologia e mineraçao no brasilGeologia geomorfologia e mineraçao no brasil
Geologia geomorfologia e mineraçao no brasil
 
Populaçao mundial
Populaçao mundialPopulaçao mundial
Populaçao mundial
 
As grandes paisagens vegetais do brasil
As grandes paisagens vegetais  do brasilAs grandes paisagens vegetais  do brasil
As grandes paisagens vegetais do brasil
 
Populaçao brasileira
Populaçao brasileiraPopulaçao brasileira
Populaçao brasileira
 
Migraçoes
MigraçoesMigraçoes
Migraçoes
 
Regioes brasil
Regioes brasilRegioes brasil
Regioes brasil
 
Matrizes culturais – 2ª parte
Matrizes culturais – 2ª parteMatrizes culturais – 2ª parte
Matrizes culturais – 2ª parte
 
Guia ilustrado video criar
Guia ilustrado video criarGuia ilustrado video criar
Guia ilustrado video criar
 
Escalas cartogrficas 2
Escalas cartogrficas  2Escalas cartogrficas  2
Escalas cartogrficas 2
 
Cidades
CidadesCidades
Cidades
 
Formação do povo brasileiro - 7ª série
Formação do povo brasileiro - 7ª sérieFormação do povo brasileiro - 7ª série
Formação do povo brasileiro - 7ª série
 

Semelhante a A estrutura interna da Terra

Semelhante a A estrutura interna da Terra (20)

3 tectónica de placas
3   tectónica de placas3   tectónica de placas
3 tectónica de placas
 
Ifes aula 5-formação-geológica_da_terra
Ifes aula 5-formação-geológica_da_terraIfes aula 5-formação-geológica_da_terra
Ifes aula 5-formação-geológica_da_terra
 
Deriva continental e tectónica de placas
Deriva continental e tectónica de placasDeriva continental e tectónica de placas
Deriva continental e tectónica de placas
 
slide-geologia-501860.pdf
slide-geologia-501860.pdfslide-geologia-501860.pdf
slide-geologia-501860.pdf
 
Aula geomorfologia e geologia
Aula geomorfologia e geologiaAula geomorfologia e geologia
Aula geomorfologia e geologia
 
Estrutura geológica do Brasil
Estrutura geológica do BrasilEstrutura geológica do Brasil
Estrutura geológica do Brasil
 
Estruturas geologicas
Estruturas geologicasEstruturas geologicas
Estruturas geologicas
 
Teroria da deriva continental
Teroria da deriva continentalTeroria da deriva continental
Teroria da deriva continental
 
Teroria da deriva continental
Teroria da deriva continentalTeroria da deriva continental
Teroria da deriva continental
 
MaGeologia
MaGeologiaMaGeologia
MaGeologia
 
Estrutura geológica 2010
Estrutura geológica 2010Estrutura geológica 2010
Estrutura geológica 2010
 
Geologia e Rochas
Geologia e RochasGeologia e Rochas
Geologia e Rochas
 
Geologia
GeologiaGeologia
Geologia
 
Estrutura Interna da Terra
Estrutura Interna da TerraEstrutura Interna da Terra
Estrutura Interna da Terra
 
Crosta terrestre
Crosta terrestreCrosta terrestre
Crosta terrestre
 
Geomorfologia brasileira recursos minerais
Geomorfologia brasileira   recursos mineraisGeomorfologia brasileira   recursos minerais
Geomorfologia brasileira recursos minerais
 
Dinâmicas Internas do Planeta Terra
Dinâmicas Internas do Planeta TerraDinâmicas Internas do Planeta Terra
Dinâmicas Internas do Planeta Terra
 
Deriva continental
Deriva continentalDeriva continental
Deriva continental
 
Aula 2 tectonica placas
Aula 2 tectonica placasAula 2 tectonica placas
Aula 2 tectonica placas
 
7 a aula geo cpvem geologia-aula-2
7 a aula geo cpvem   geologia-aula-27 a aula geo cpvem   geologia-aula-2
7 a aula geo cpvem geologia-aula-2
 

Mais de Prof.Paulo/geografia (18)

MINERAÇÃO NO BRASIL
MINERAÇÃO NO BRASILMINERAÇÃO NO BRASIL
MINERAÇÃO NO BRASIL
 
ESTRUTURA GEOLÓGICA DO BRASIL
ESTRUTURA GEOLÓGICA DO BRASILESTRUTURA GEOLÓGICA DO BRASIL
ESTRUTURA GEOLÓGICA DO BRASIL
 
Estudo Orientado
Estudo OrientadoEstudo Orientado
Estudo Orientado
 
Mundo do Trabalho
Mundo do TrabalhoMundo do Trabalho
Mundo do Trabalho
 
Ética e Cidadania
Ética e CidadaniaÉtica e Cidadania
Ética e Cidadania
 
Aquecimento global
Aquecimento globalAquecimento global
Aquecimento global
 
Estrutura fundiaria no Brasil
Estrutura fundiaria no BrasilEstrutura fundiaria no Brasil
Estrutura fundiaria no Brasil
 
El nino
El ninoEl nino
El nino
 
Racismo xenofobia
Racismo xenofobiaRacismo xenofobia
Racismo xenofobia
 
Industrializao
IndustrializaoIndustrializao
Industrializao
 
oriente medio
oriente mediooriente medio
oriente medio
 
Oriente medio
Oriente medioOriente medio
Oriente medio
 
Energia
EnergiaEnergia
Energia
 
Tigres asiáticos
Tigres asiáticosTigres asiáticos
Tigres asiáticos
 
Japão
JapãoJapão
Japão
 
Aula jornal blog
Aula jornal blogAula jornal blog
Aula jornal blog
 
Aspectos naturais europa
Aspectos naturais europaAspectos naturais europa
Aspectos naturais europa
 
Clima e formaçoes vegetais
Clima e formaçoes vegetaisClima e formaçoes vegetais
Clima e formaçoes vegetais
 

A estrutura interna da Terra

  • 1. A ESTRUTURA DA TERRA http://prof-paulo-geografia.blogspot.com.br/ Prof. Paulo
  • 2. Camadas Terrestres, a Partir da Superfície:  Crosta: (de 0 a 60 km) A crosta forma a maior parte da litosfera, tem uma extensão variável de acordo com a posição geográfica  Manto: (de 60 a 2900 km) É composto por substâncias ricas em ferro e magnésio. Também apresenta características físicas diferentes da crosta. O material de que é composto o manto pode apresentar-se no estado sólido ou como uma pasta viscosa, em virtude das pressões elevadas  Núcleo (de 2900 a 5100 km) Também chamado de Nife, Centrosfera Barisfera ou Metalosfera. O núcleo é dividido em duas partes: o núcleo sólido, interno e o núcleo líquido, que envolve o primeiro. O núcleo sólido é composto, segundo se acredita, primariamente por ferro e um pouco de níquel. Já o núcleo líquido é composto de ferro líquido e níquel líquido (a combinação é chamada NiFe), com traços de outros elementos.
  • 3. Teoria da Deriva Continental Segundo Alfred Wegener: Há cerca de 300 milhões de anos os continentes estiveram unidos numa única grande massa de terra firme (supercontinente) que denominou de Pangeia, rodeado por um único oceano – a Pantalassa. A Pangeia fragmentou-se dando origem a novos continentes sujeitos a deformação e deriva que ainda perdura. Alfred Wegener não soube explicar qual a causa do movimento dos continentes
  • 4. O Que Fez Wegener Pensar na sua Teoria? 1. Razões Morfológicas: Coincidência dos litorais de África e América do sul. “Não encaixariam as costas de África e da América do Sul como duas peças de um puzzle se as aproximarmos, fechando o oceano Atlântico?” 2. Razões Geológicas: Segundo Wegener, existem “rochas antigas” que existem em África e na América do Sul, hoje separadas pelo Atlântico. Existe também continuidade entre as cadeias montanhosas da América (Apalaches) e da Europa (Caledoniana).
  • 5. 3. Razões Paleontológicas: Coincidência de fósseis de um e outro lado do Atlântico. Lystrosaurus: réptil parecido com um mamífero. Viveu no Triásico. Cynognathus: réptil parecido com um mamífero. Viveu no Triásico, media 1 m. Glossopteris: planta fóssil do Paleozoico. Mesosaurus: pequeno réptil fluvial do Carbónico e Pérmico. 4. Razões Paleoclimáticas: Indícios da mesma glaciação em lugares muito distantes como África, América do Sul, Austrália, Índia e Antárctida.
  • 6. Teoria da Tectônica de Placas A teoria da Tectônica de Placas afirma que o planeta Terra é dividido em várias placas tectônicas que se movimentam, pois estão flutuando sobre o magma . Ao se movimentarem, formam as montanhas mais recentes (dobramentos modernos), fossas oceânicas, atividade vulcânica, terremotos, cordilheiras meso- oceânicas, tsunamis, etc.
  • 8. Teoria da Tectônica de Placas •Integrada a partir de vários ramos das geociências (geofisica, geologia histórica, paleogeografia, paleontologia) • Inicialmente sugerida a partir da geologia e paleontologia • Conceito que revolucionou as Geociências – década de 50 • Mapeamentos (sonares) e sondagens submarinas durante a Segunda Guerra Mundial – relevo submarino e tipo de rochas • Teoria da expansão do assoalho oceânico – Harry Hess (1962) • A ascensão do material proveniente do manto ao atingir a superfície, se movimentaria lateralmente provocando a afastamento continuo do assoalho oceânico.
  • 10. Tipos de Bordas de Placas  Limites divergentes  Limites convergentes ou destrutivos  Limites transformantes ou conservativos
  • 11. Construtiva ou divergente: quando duas placas estão se movendo separadamente uma da outra e em sentido contrário, a partir da cadeia meso-oceânica, onde nova crosta é formada; Limite divergente
  • 12. Destrutiva ou convergente: quando duas placas estão se movendo mutuamente uma em direção à outra. Fossas oceânicas são formadas, originando uma zona de subducção, onde a placa mais densa mergulha sob a outra para ser consumida no manto, e nova cadeia montanhosa é formada; Limite Convergente do tipo Oceano -Oceano Limite Convergente do tipo Oceano-Continente
  • 14. Conservativa: formada ao longo de uma falha transformante, onde o movimento relativo da placa é horizontal e paralelo ao seu limite, como, por exemplo, a falha de San Andreas, na Califórnia, onde o lado do Pacífico desloca-se para o norte, com relação ao bloco continental. Falha de San Andreas
  • 16. Estrutura Geológica do Território Brasileiro Estrutura geológica: embasamento rochoso que sustenta determinada forma de relevo. Geologia e geomorfologia reconhecem três domínios estruturais: plataformas ou crátons; bacias sedimentares e cadeias orogênicas ou cinturões orogênicos. No Brasil, existem apenas as plataformas e as bacias sedimentares.
  • 17. Cadeias Orogênicas ou Cinturões Orogênicos. Montanhas: formadas pela ação de forças tectônicas Jovens: formadas em épocas Velhas: formadas em eras mais remotas. geológicas recentes. Apresentam Tendo sido afetadas pela erosão, apresentam maiores altitudes. altitudes mais moderadas. Montanhas jovens no Parque Nacional Los Glaciares, na região patagônica (Argentina, 2000)
  • 18. Crátons • Um Cráton pode ser definido com uma região geologicamente estável sobre a qual se assentam outras estruturas como bacias. Geralmente tem raízes profundas no manto da terra e têm formação em eras pré-cambrianas.Apresentam-se sob duas formas: • Quando expostos e submetidos aos agentes de erosão (água, oscilações de temperatura, vento etc.), chamam-se escudos ou escudos cristalinos. • Quando recobertos por formações sedimentares (rochas sedimentares), chamam-se plataformas cobertas ou embasamento cristalino.
  • 19. Escudos Cristalinos • Nos escudos cristalinos encontramos reservas minerais metálicas e não metálicas. • Dois tipos de afloramentos: • 32% do território brasileiro é constituído por formações arqueozóicas - embasamento cristalino. • 4% é composto por formações proterozóicas ricas em minerais estratégicos. • Dois escudos principais: Guianas e Brasileiro.
  • 20. Bacias sedimentares As bacias sedimentares correspondem às depressões preenchidas com detritos ou sedimentos carreados das áreas circunjacentes. No Brasil existem bacias sedimentares de grande e de pequena extensão:
  • 21. Bacias Sedimentares • Importantes reservas de hidrocarbonetos (petróleo, gás natural e carvão mineral). • Dois grandes grupos no Brasil: • Bacias de Grande Extensão: Amazônica, do Meio Norte, do Paraná, Sanfranciscana ou do São Francisco e a do Pantanal Matogrossense. • Bacia de Pequena Extensão: do Recôncavo- Tucano, as costeiras e as de compartimento de planalto (Bacia Sedimentar de Curitiba).
  • 22. Tipos de Rochas De acordo com a sua génese (modo de formação) as rochas podem ser classificadas em TRÊS grandes grupos: • Resultam da • Formam-se a partir de • Formam-se a partir solidificação outras no interior da do desgaste de do magma, no Terra, por vezes a outras e à superfície interior ou à profundidades da Terra onde as superfície da consideráveis, onde as condições de Terra. condições de pressão e pressão e temperatura são temperatura são elevadas. diminutas. ROCHAS MAGMÁTICAS ROCHAS ROCHAS SEDIMENTARES METAMÓRFICAS Basalto, granito, … Areias, calcário, … Xisto, mármore, …
  • 23. Rochas Magmáticas ou Ígneas ignis = fogo Mistura complexa de material rochoso fundido (“derretido”); apresenta uma componente gasosa. O magma pode ainda conter material sólido (se o ponto de fusão desses materiais forem superiores à temperatura desse magma)! Quando o magma ascende à superfície durante uma erupção passa a designar-se por lava (esta contém menor teor em gases). ROCHAS INTRUSIVAS OU PLUTÓNICAS • Resultam do arrefecimento e solidificação do magma em profundidade. ROCHAS EXTRUSIVAS OU VULCÂNICAS • Resultam do arrefecimento e solidificação do magma à superfície.
  • 24. Rochas Metamórficas Quando uma rocha fica sujeita a pressões e temperaturas elevadas, torna-se instável e sofrerá profundas transformações físicas e químicas (mas sempre com a manutenção do estado sólido!!!!) Metamorfismo Este processo pode ocorrer a profundidades variáveis na crosta da Terra e implica um rearranjo da forma e orientação dos minerais constituintes das rochas e, muitas vezes, a sua alteração! Podem formar-se novos minerais (recristalização) Gnaisse
  • 25. Rochas Sedimentares As Rochas Sedimentares são as mais comuns e são essencialmente formadas à superfície terrestre (baixas pressões e temperaturas) a partir de outras pré- existentes. Os sedimentos são os precursores das rochas sedimentares e encontram-se na natureza sob a forma de pequenas partículas, como areias, fragmentos de carapaças de seres vivos, etc… Resultam do desgaste das rochas
  • 26. Rochas Sedimentares Fases de formação das rochas sedimentares deposição de sedimentos) SEDIMENTOGÉNESE (processo de formação e  Desgaste das rochas (inclui fenómenos de meteorização e erosão)  Transporte  Sedimentação  Diagénese ou Litificação (inclui fenómenos de compacção e cimentação e permite converter sedimentos soltos em rochas consolidadas)!
  • 28.  Prgunts? s? ugsts? s nsrs rsus? http://prof-paulo-geografia.blogspot.com.br/