SlideShare uma empresa Scribd logo
Nº 59 - Julho / Setembro de 2016
b o l e t i m d a F R A T E R N I T A S M O V I M E N T O
EncontrodeFormação 2
Cartas/Tesouraria 3
Celibatodos padres:simounão,eisaquestão 4
Testemunho/Breves 5
EcosdoEncontrodeViseu 6-7
"Tudo como dantes, Quartel-general em Abrantes" 8
CartaaoPapaeaoEpiscopadoCatólico 8-9
InMemoriam...FernandoRodriguesRibeiro
VidasdaVIDAdeFernandoRibeiro 11-10
Omeutestemunho 12-10
P
enso que todos nos
recordamos de um slogan
do Instituto de Socorros a
Náufragos que dizia isto: "Há mar e
mar, há ir e voltar!" Consoante as
nossas idades assim os ecos e a
profundidade que aquelas palavras
deixaram em nós.
Têm a ver com as férias, esse
tempo e esse espaço tão essenciais
ao nosso entendimento como
pessoas à descoberta constante da
vida e do seu sentido ao jeito de
Jesus Cristo.
São, por isso, preciosas, para
partilharmos com aqueles que mais
amamos e mais nos amam; um
S.O.S. (Save Our Souls) no sentido
original anglo-saxónico da
expressão.
"Salva as nossas almas!" Trata-se
daquele grito que, em nós, sempre
teima em fazer-se ouvir no código
morse que acompanha a nossa
caminhada terrena.
A
gratidão presente é aquela
atitude que podemos cultivar
(sem custos para o utilizador)
em todos os momentos, sobretudo
em férias. É, ou pode ser, uma
tensão libertadora entre o passado
e o futuro, tal como as ondas que se
transformam em espuma ao
rebentarem na praia.
Aproveitando esta última "onda" de
gratidão, louvo o sucesso do
Encontro Regional de Viseu. A todos
quantos organizaram, acolheram e
participaram o meu (e o nosso como
Direcção) bem hajam.
Precisamos de mais e melhor
Fraternidade na medida das nossas
possibilidades; e necessitamos
igualmente agradecer o caminho que
temos feito! Bem hajam, uma vez
mais! A todos!
E
a nossa caminhada continua.
No próximo mês de Outubro,
iremos ter o nosso Encontro
de Formação em Gaia, nos
Redentoristas, tendo como leme,
digo, lema "Os Ministérios", hoje tão
precisados de reflexão e de acção
renovadas em Comunidades que se
desejam profundamente em
caminho de amadurecimento
iluminado pelo Evangelho.
Boas férias e/ou bom trabalho!
Abraços e beijinhos
Luís Carlos, Ana Marta
e Simão Pedro
ENCONTRO DE FORMAÇÃO
Data: 14 a 16 de Outubro de 2016
Local: Seminário de Cristo-Rei – Vila Nova de Gaia
Tema: Os Ministérios
Orientador: Padre RUI SANTIAGO, CSSR
Inscrições: Secretariado da Fraternitas até ao dia 30 de Setembro
Depois das férias, no início de Setembro, seguirá informação mais pormenorizada sobre esta im-
portante actividade, para a qual te pedimos reserves já espaço na tua agenda e no teu coração.
Essasinformações referir-se-ão apreços (custos de inscrição e de estadia), programa do Encontro,
indicações dechegada eoutrosconsiderados indispensáveis.
Contandocom todos,pedimosofavordetambém iremdivulgandoe motivandopara estainiciativa
donossoMovimento.

TESOURARIA
Pagamento de quotas
Qualquerassunto referente aquotas,ouque envolva qualquer
pagamento, deve ser endereçado para oTesoureiro:
JoséAlvesRodrigues
Rua CampinhoVerde, 15 = 4505-249FIÃESVFR
Telf: 220815 616 / Tlmv: 966 404 997
Conta para depósitosou transferências bancárias:
NIB003300004521842666005(MillenniumBCP)
 Meu caro Amigo Alberto,
Paz e Bem!
Antes de mais, muito
OBRIGADO.
Acabo de abrir e ler, de uma
ponta à outra, o ESPIRAL que
gentilmente me enviaste e onde
revejo a tua mão. Bem-hajas.
Aqui pulsa, mesmo, a vossa
VIDA! E é o melhor que posso
dizer, penso eu. Pois um boletim
destes interessa, principalmente,
como elo, ponte, mesa, lareira,
aliança, fonte... onde se possam
REencontrar em cada passo para
manter vivas as referências
mútuas e comuns. E também
rio, jardim, galeria, montra das
vossas realizações e dos vossos
sonhos sempre inacabados.
Já se nota A TERNURA DOS 20
— o que, no vosso caso, bem
pode corresponder à dos 40, pois
tantos anos de esperança, luta e
persistência merecem ser
contados a dobrar.
Eu, que aprecio os símbolos e os
gestos, mais que as palavras,
É um livro de cânticos para a
Liturgia
(missa).
Todos os
92 cânti-
cos são
originais.
Há um
bónus de 2
cânticos
numa folha solta (Credo -
profissão de fé baptismal e o o
"cântico baptismal")! Tem,
além disso, o CD.
Está o nosso Olindo Marques
de parabéns!
Resumindo: Cantate, Laudate!
2.ª Edição revista e aumentada
+ CD com melodias lineares
92 + 2 à parte
83-84 páginas
Preço: Livro+CD+portes: 10€
(dez euros)
e-mail de contacto do Autor:
olimarques@gmail.com
"Esta é a minha esposa, N." e
acrescentoucomumsorriso:"Souum
homemdesorte,nãosou?"Eudisse-lhe:
"Claroqueé."Quandofuiparacasae
medepareicomasituação,pensei:"Mas
estremeci com a "ternurinha" da
estola dobrada ao ombro —
deles e delas. Mas, como gosto
muito mais das obras e da vida,
fico à espera de que um dia as
possam desdobrar e com elas
cubram, de novo, os dois
ombros que já transportaram
muitas ovelhas perdidas, cruzes
e molhos de espigas.
Junto-me aos Associados nº 1:
Ámen! Aleluia!
OBRImorGADO
Caro Osório de Castro
Pela presente, agradeço o envio
do nº 58 do Espiral, que também
acabo de receber em suporte de
papel.
Cordialmente.
Bispo António Montes
Muchas gracias por vuestro
envío.
Un abrazo.
Ramón Alario Sánchez
(conclusão da pág. 9)
Carta ao Papa e ao Episcopado queraio?Pelosimplesfactodenãoter
nascidoondeelenasceu,elepôdecasar
e eu não." Foi neste momentoque a
vocação sacerdotal é uma vocação
dentro de outra que não implica
necessariamenteterdeexistir:avocação
aocelibato.
h) Por fim, quereria saber se
efectivamenteháapossibilidadedo
documentoserretrovertidoparaoutras
línguas, no sentido de levarmos o
documentoaoâmbitointernacionale
trabalharmosemuníssonocomoutros
sacerdotesforadoPaís.
Despeço-mepedindoaDeusque,através
deJesus,possamosvivercomalegria
renovadaestaPáscoadaRessurreição.
UmabraçofraternoemCristoSenhor.
2ªedição
Cantate, Laudate!
"Porque é que os padres não se
podem casar?" Esta é uma
interrogação tão velha quanto a
existência dos próprios padres.
Durante os primeiros tempos do
Cristianismo, muitas comuni-
dadeseramlideradasporhomens
casados, a quem era pedido que
fossem "irrepreensíveis, esposos
de uma única mulher, e seus
filhos deveriam ter fé e não ser
acusados de maus costumes ou
desobediência",conformedizSão
Paulo a Tito na carta que lhe es-
creveu. Sabemos ainda pela Bí-
bliaque Pedrotinhaumasogra,e
séculosmais tarde surgiramrela-
tosdeumafilha.Eseriadeimagi-
narquemuitos dosqueseguiram
Jesus, por terem sido chamados
em idade mais avançada, já
tivessem família constituída. No
entanto, a Bíblia também não
refere, em qualquer lugar, que
essas famíliasacompanharam os
Apóstolos. "Se Pedro tivesse le-
vado a esposa para Roma, se vi-
vessem como marido e mulher,
numa família muito cristã, como
é que a tradição ia esquecer o
nome da esposa de Pedro? E o
mesmoparaosoutrosApóstolos",
questiona D. Nuno Brás, bispo
auxiliar de Lisboa e membro da
ComissãoEpiscopaldaEducação
Cristã e Doutrina da Fé.
Apesar de a disciplina ser antiga
ederemontaraostemposdeJesus
Cristo, também Ele celibatário,o
facto é que ao longo da História
da Igreja muitos têm pedido para
que esta se altere, e muitos a têm
defendido com unhas e dentes.
Maisrecentemente,umcongresso
do Movimento pelo Celibato
Opcional (MOCEOP), uma
organização espanhola que
congrega muitos sacerdotes que
pediram dispensa do voto de
celibato e casaram, voltou a
insistir nestaquestão.
Luís Salgueiro, presidente da
Fraternitas,umaorganizaçãoque,
emPortugal,congregasacerdotes
quepediramdispensa,estevepre-
sente no congresso e explica que
oquesepretendeéum"amadure-
cimento"dascomunidadeseuma
"abertura da Igreja a novas
realidades, fruto dos sinais dos
tempos"."Adisciplinaqueexiste
deve ser tomada na sua devida
consideração. É um elemento
importante,masnãoéfundamen-
tal, porque se a disciplina não
ajudar a que o núcleo evangélico
sejaconhecido,adisciplinatorna-
-se obstáculo, mais uma barreira
do que uma ponte", diz este
responsável, também ele um
sacerdotequepediuadispensado
voto decelibato e se casou,man-
tendonoentantoumavidacomuni-
tária e de participação na paró-
quia.
D. Nuno Brás discorda e aponta
outrosmotivosparajustificaresta
nova tentativa de alteração da
disciplina do celibato. O prelado
falade uma"hipervalorização da
dimensão sexual na nossa vida".
"A publicidade, a música, os fil-
mes, as notícias, tudo hiper-
valorizaadimensãosexual.Oque
é perigoso, porque se está a
hipervalorizarumadimensãoque,
sendoimportanteeessencial,não
é tudo. Nós reduzimos tudo na
vidaàeconomiaeaosexo.Assim
comopareceimpossívelquepes-
soas ofereçam parte da sua vida
voluntariamentesemganharnada,
há quem ache impossível uma
pessoa ser celibatária, porque "é
impossível resistir" a esta
dimensão sexual. Mas é impor-
tante percebermos que assim
comohágentequefazverdadeiro
voluntariado,tambémháquemfaz
verdadeiro celibato", explica,
acrescentandoque"lamenta"que
alguns antigos sacerdotes que
pediram a dispensa tenham estes
"motivos de batalha", que
caracteriza como "autojustifi-
cações pessoais de pessoas que
foramordenadasequeaumdado
momento pediram a dispensa do
celibato".
CELIBATO DOS PADRES:
SIM OU NÃO, EIS A QUESTÃO
Desde o início da História da Igreja que o celibato dos religiosos tem sido disciplina aceite, embora
criticada. O facto de ser disciplina e não doutrina abre a porta à reflexão sobrea real necessidade do voto
decelibatonaordenaçãosacerdo-
tal. O tema é polémico, e as
opiniõesdividem-se.
O texto aqui apresentado, e que concluirá no próximo Espiral,
foi retirado, com a devida vénia, do site da Família Cristã, de
01.06.2016 [http://familiacrista.paulus.pt/celibato-sim-ou-nao-eis-
a-questao], da autoria do jornalista Ricardo Perna.

Sou a Cláudia, para muitos conhecida como Nené.
Para mim, o meu pai é simplesmente PAI; para os alunos é o professor Sampaio; para muitos, o padre
Sampaio.
Quandomeperguntam
como é ser filha de um
padrecasado, respondo que
é óptimo!Acho que o meu
pai deve ter sido um padre
com vocação para tal, que
dava resposta atodos os
seusfiéisqueconsiderava
filhos. Tê-lo agora só para
nósémaravilhoso!
E como ele diz, os
sacramentos são para
sempre;porisso não
existem ex-padres, mas sim
padrescasados.Poder
partilharistocomoutros
padres casados na FRATERNITAS foi um bem, não só para o meu pai, como para toda a família!Assim foi
com muito gosto que celebrámos os 25 anos de casados dos meus pais em Fátima, num retiro da
FRATERNITAS em2002(como otempo passa...)!
Depois disso, já casei e sou agora mãe de 5 crianças!
TESTEMUNHO
NASCIMENTO (I):AMa-
ria Inês, neta do casal Valente,
Higino e Maria Emília (Associ-
ados nº 46), a residirem em
Ansião, nasceuno dia30deSe-
tembrode2015!Asboasnotíci-
asparece demorarema chegar...
e, por isso, só agora podemos
partilharo felizacontecimento.
Parabénsaospaiseavós,emui-
tasfelicidadesparaapequenita!
NASCIMENTO (II): ACe-
lesteSampaio(Associadanº30),
redobrou de alegria com o nas-
cimento de mais uma neta: a
b r e v e s . . . MariaClara,filhadoGuilberto,
bem nosso conhecido, e da Ra-
quel(Quelinha), no passado dia
2 de Junho!E confidenciou-nos
que são os netos (Vicente de 4
anos e, agora, a Clara de 2 me-
ses), que lhe dão alegria e von-
tade de viver.
Osnossossincerosparabénsaos
paiseavós, com votosdeventu-
rosofuturo!
EM PROVAÇÃO (I): O Gil
(Associado nº 80) já regressou
acasa,apósuminternamentode
uma semana no CHUC (Centro
Hospital e Universitário de
Coimbra).
Votosdesegurarecuperação.
EMPROVAÇÃO (II):Esea
doençavaiminandoasforçasfí-
sicasdemuitosdosnossosasso-
ciados, não é menos certo que
Cireneus, mesmo fisicamente
afastados, não desistem de tor-
nar-se presentes, em amparo
ainda que vocal, que as teleco-
municaçõespermitem.
Tambémanossaoraçãonãofal-
ta.
Quea forçadoDeusMisericor-
diosoeoSeuEspítodeAmornos
tragam ânimo eforça para car-
regaracruzdecadadia,nacon-
figuração comJesusCristo.

página oficial na Internet: http://fraternitasmovimento.blogspot.com NIF: 504 602 136 IBAN: PT50 0033 0000 4521 8426 660 05 fraternitasmovim
Foi uma verdadeira expe-
riência de Igreja doméstica,
aquela que ocorreu a nove de
Julho, emViseu.
O espaço, na casa da Eduarda
e do Luís Cunha, não poderia ter
sido mais indicado à circunstân-
cia.O acolhimento dosanfitriões
foi primoroso, contribuindo para
avigorar o clima fraterno, que se
respiroudurantetodooencontro.
AosmembrosdeViseujuntaram-
-seaquelesqueprovinhamdasdio-
cesesdeCoimbra,deLamego,do
Porto e deVila Real.
A eclesialidade do encontro
adquiriu uma maior visibilidade
com a presença do bispo
diocesano D. Ilídio Leandro,
Convocados por Viseu para
uma experiência Fraternitas.
renovaçãodaDiocese,assentena
participação dos leigos e na
valorizaçãoderecursoshumanos,
que têm estado desaproveitados.
Manifestouumacomunhãomuito
forte connosco e uma genuína
proximidade,quenossensibilizou
muito.
Aconvocatóriadoencontroera
iluminadaporduastranscriçõesda
Exortação Apostólica Amoris
Laetitia,quedeveriamenquadrar
a nossa reflexão: "Diz São João
Paulo II que os textos bíblicos
"não oferecem motivo para
sustentarnema"inferioridade"do
matrimónio, nem a "superiori-
dade" da virgindade ou do
celibato"(A.L.,159);"Ocelibato
corre o risco de ser uma cómoda
solidão, que dá liberdade para se
moverautonomamente,mudarde
local,tarefaeopção,dispordoseu
própriodinheiro,convivercomas
mais variadas pessoas segundo a
atracçãodomomento.Nestecaso,
sobressai o testemunho das
sobretudopelomodocomoesteve
presente: sem qualquer pressa,
semqualquerdistância,desejando
mais ouvir do que falar, numa
atitudegenuinamenteacolhedora.
Acompanhou-nos durante toda a
manhã,semquererfazerqualquer
uma daquelas institucionais
intervenções de circunstância,
habituais nos membros da
hierarquia,emPortugal.Partilhou
assuaspreocupaçõescomareno-
vação da Diocese,nocontextoda
progressiva carestia de presbí-
teros. Referiu-se ao trabalho que
culminou com a aprovação das
Constituições Sinodais, uma
verdadeira carta magna dos
princípios que norteiam a
Num momento de reflexão (vista parcial dos participantes).
fotode©AntónioRegadas
mento@gmail.com página oficial na Internet: http://fraternitasmovimento.blogspot.com NIF: 504 602 136 IBAN: PT50 0033 0000 4521 8426 660 05
pessoas casadas". (Ibid,162).
A elas não se referiu o bispo,
masoseuconteúdoestevemagni-
ficamentepresentenotestemunho
do casal Glóriae Carlos Reis, as-
sente na sua profunda convicção
de que "a única vocação do Ho-
mem é ser Fecundo e ser Feliz".
O Carlos confirmou-nos nesta
verdade insofismável: "querseja
ordenado ou não, quer case, ou
O momento da partilha da refeição.
não,quersejadispensadodovoto
decelibatoounão,aVOCAÇÃO
PRIMEIRAdeTODO o Cristão,
qualquer que seja o seu "estado"
tem a ver com a sua condição de
Baptizado. Eu pedi a dispensa
dessevotodecelibato…Mas,não
risqueidaminhavidaomeuSIM,
QUERO!,dado15anosantes".A
Glória, por sua vez, acrescentou
queosdoissesentem"convocados
a assentar a vida num QUERO!
Que é sempre o mesmo -
QUERO AMAR! A dois. Sim!
Mas… também a muitos! Como
esposos e como pais de filhos do
sangue e da adopção".
O contributo da Glória e do
Carlos fez suscitar um animado
debateentretodos,atéirmospara
o almoço, requintadamente pre-
parado pela Eduarda e pela
Lucília,nummagníficoespaçodo
jardim exterior. O D. Ilídio asso-
ciou-se também a este momento
departilha,numaatitude descon-
traída de verdadeira confraterni-
zação,quemuitonossensibilizou.
A parte de tarde foi dedicada
ao balanço do encontro e às
informações,dadassobretudopela
indefectívelfidelidadedaUrtélia,
sobre a situação de outros
membros,queseviramimpedidos
de estar presentes, sobretudo por
causadopeso dosseuslimites de
saúde.
As intervenções foram unâ-
nimes em considerar que estes
espaços são momentos defecun-
didade,que poderão consolidara
consciênciadepertençaaoMovi-
mento e revigoraro nossodesejo
de mútua ajuda e de correspon-
sabilidadeno seio daIgreja.
Manuel António Ribeiro
(Associado Nº 42)
OEncontronojornaldiocesanoNotíciasdaBeira
- no número 4950, de 7 de Julho, na página 4, foi transcrito o convite para
este Encontro dirigido aos possíveis participantes;
- no número 4951, de 14 de Julho, na página 3, Diocese, sob o título
“Encontro de Padres Dispensados”, apresentava-se o seu resumo.
Os nossos agradecimentos.

fotode©AntónioRegadas
fotode©AntónioRegadas
Parece que está tudo na
mesma, mas não está!... Como
são diferentes os tempos de hoje
(2016) e os que vivemos há 20,
30 ou mais anos. O tema "padres
casados" é encarado de forma
diferente. Não estamos sós nem
isolados!
A confirmá-lo, um e-mailque foi
recebido na caixa do correio
electrónico da Direcção da
Fraternitas, no passado dia 22 de
Março.
Esta missiva gerou troca de
correspondência electrónica en-
tre mim, como membro da
Direcção, e o autor da mensagem
e do texto que a acompanhava,
cuja identidade se ignora. Mas
este facto (anonimato do autor)
"TUDO COMO DANTES, QUARTEL-GENERAL EM ABRANTES"

De:mysteriumcrucis@hotmail.com
Para:direcao.fraternitas@gmai.com
Assunto: CartaAbertaao SantoPadree
aoEpiscopadoCatólico
22deMarçode2016
CarosmembrosdaAssociação
Fraternitas,
Nãopossodeixardevostransmitiravós
eàsvossasfamíliasumapalavramuito
amigaecheiadeamizadenoSenhor
MortoeRessuscitado.Quemvoses-
creve, ésacerdotecatólicoaexercer
funções.
Opresentedocumentoquevoséenviado,
foielaboradoapensaremvósenovosso
combate.Permiti-medizerquevóséque
soisautenticamentecorajosos.Sois-lo
porque, sabendo de todas as conse-
quênciasqueadviriamdavossaopção,
fostes corajosos paramesmo assim,
seguiremfrenteefazerperceberque
maisfortedoquetudo,éoamorque
sentis quer a Deus quer às vossas
famílias. Um bem-haja pela vossa
coragem.
não retira, no meu entender,
nenhum valor ao seu conteúdo.
Para que os associados que
não estiveram no Encontro de
Fátima possam conhecer e
aprofundar este assunto,
transcrevo, a seguir, as principais
peças da troca de mensagens
havida.
Quanto ao texto de que se fala
("Carta aberta ao Papa Francisco
e ao Episcopado Católico"), basta
que no-lo peçam e envia-lo-emos
aos interessados. O custo é de
4,00€ (quatro euros) para
pagamento de despesas de
duplicação e envio do documento
via CTT.
Este tempo que se aproxima,
de férias, de descontracção, pode
ser uma boa oportunidade para
reflectirmos um pouco mais sobre
esta situação na Igreja que
amamos: o vínculo criado entre a
vocação ao ministério ordenado
e o celibato, ou, dito de outra
forma, a incompatibilidade entre a
vocação ao matrimónio e a
vocação ao presbiterado. O meu
saudoso confrade e iminente
moralista, Bernhard Häring, ainda
acrescenta a questão da "exclu-
sividade masculina" no serviço
presbiteral. Veja-se, por exemplo,
o texto daquele autor: "Vocações
Ministeriais: prognósticos para o
futuro"
(in: https://docs.google.com/file/d/
0Bz4WkxIIWaxDTHhJT3M4ODFWLVk/
edit).
Omesmodocumentoquevoséenviado,
seráexpedidoparaRoma.Alguémtem
dedarumpassoemfrenteecombatera
letargiaquesesenteanteapresentesitua-
ção.Esta"CartaAberta"abordaaproble-
máticadoCelibatosobdiversosprismas,
entreeles,algunselementosdecarácter
Teológico,SacramentaleMoralnovos,
queatéagoranãoseviramserutilizados
comoargumentaçãoparaapresentarno-
vosrumosàIgrejasobreestetematão
actual.Existemváriosantagonismos—
comoireisperceber—emtodaasituação
eaformacomofoiabordadaaolongo
destestempos.
Ledeodocumentocomatenção,creio
quevaleráapena.
Noentanto,peçoavossacolaboração
paraoseguinte:
a)Oraçãoparaqueodocumentopossa
efectivamentechegaràsmãosdoSanto
Padre;
b)Compreendoquenãoqueiraisirpara
a"frentedebatalha",comotal,pedimos
apenasquenosajudeisnaretroversão
dodocumentoparaoutraslínguasde
formapara que possa chegaro mais
possívelaosmembrosdoepiscopadodo
mundointeiro,istoé,criaranecessidade
delevarestetemaàmesadosprelados
e,subsequentementedoSantoPadre.
c)Quealgunspossamacrescentaroque
foi otestemunho dasua cruz,do seu
sofrimento.Aindaquesejamtestemunhos
apresentadosdeformaanónima,serão
importantes,paraque,efectivamenteo
Santo Padre possa compreender o
sofrimentohumanopordetrásdo"pedir
dispensa".
d)Creioqueteremos,destemodo,eainda
duranteoPontificadodoPapaFrancisco,
motivosparanãodeixarqueoassunto
"morranapraia"esepossadebaterde
formaséria,frontal e sem tabus esta
questão,demodoaqueaIgreja—queé
edeverásersempreMãe—possaolhar
paraosofrimentodosseusfilhos.
Aindaqueeunãomeidentifique,crede-
-meunidoavós.SouSacerdoteCatólico
comovósenadamedariamaisalegria
queveralgunsdosseusmelhoresfilhos
poderemdenovosubiraoaltar,coma

alegria renovada, para celebrar a
Eucaristia.
Peçonoentanto,sigilo,deformaaque
nãopossahavercontratempos neste
processo,peçomuitaoraçãoe,neste
tempodaPaixãodoSenhorquecele-
bremosoautênticoAmorDivinoqueo
Senhortemportodosnós,Amoresseque
setraduzdemuitasmaneirasemodos.
QueDeusvosabençoe.

De:osoriocast@gmail.com
Para:mysteriumcrucis@hotmail.com
24deMarçode2016
Boanoite,IrmãoPresbítero!
Saúdeepaz!
Nãopretendo(pelomenosporagorae
enquantoonãoqueirarevelar)saberem
concretocomquemestouadialogar.Mas
omaisimportanteéasubstância,enão
osacidentes...
Estou a escrever-lhe porque, como
membro da Fraternitas e da actual
Direcção,tomeiconhecimentodotexto
que nos enviou. Sou também o
responsável pela edição do boletim
Espiral.
Parajá,apenasqueriasaberoseguinte:
porquê só agora no-lo enviou, se o
mesmodatadeJaneirode2015(dia13),
istoé,passadomaisdeumano?
Depois,comooconsiderosérioecom
muita substância, entendo que o
deveríamosdivulgarentreosAssociados
da FRATERNITAS, mas, como também
pedesigilo...
Agradeçonoscomuniqueoquepreten-
deeoquepodemosfazer.
Embreve(de29deAbrila1deMaio)
teremoso nossoEncontro Nacional
(anual)emFátima.Poderiaserinteres-
santequequisesseparticipar...Maslá
iriaoseusigiloquantoàsuaidentidade...
Ficoaaguardarnotíciassuas.
Umgrandeefraternoabraço
AlbertoOsório

De:mysteriumcrucis@hotmail.com
Para:osoriocast@gmail.com
25deMarçode2016
BoasnoitescaroIrmãono
Presbiterado,
Em primeiro lugar peço sinceras
desculpas,dadoolapsodetempoentrea
datadescritanodocumentoeadatado
envio.Defactoháumlapso.Existemno
entanto,váriosfactores:
a)Primeirocorrespondeaofactodeque
foiessaaalturaemqueodocumento
começouaserredigido.Eentretrabalhos
pastoraise situações devida,houve
algumasalturasemqueodocumento
esteveemstand-byenãoavançou.
b)Segundo,correspondetambémao
tempodeoração.Estedocumentofoi
muito"rezado",ponderadoereflectido.
Surgiunumaalturaconturbadapara
alguns sacerdotes da Diocesea que
pertenço,eque,nasuasituação,come-
ceiadebruçar-meseriamentesobreo
tema.Entreessessacerdotes,estáomeu
antigoPárocoquepediudispensaeque
foidostaissacerdotesquenuncamais
quissaberdaIgreja.Recentemente,sou-
betambémdasituaçãodaqueleDiácono
deVilaRealquepediudispensaedetudo
oqueorapazsofreu.Foiissoqueme
animouaavançar.
c)Terceiro,osigiloprende-secomofacto
dasrepercussõesquepossamsurgira
nívelde"FraternidadeSacerdotal"na
minhaDiocese.ExistemSacerdotesque
até pensam um pouco como eu mas
preferemmanter-secalados.Noentanto,
osentidodosigiloprende-secomofacto
detambém—econfesso—salvaguar-
dar-meumpouco.Oobjectivoeraque
conjugássemosomaiornúmeroneces-
sáriode Presbíteros— sejados que
pediramdispensasejadosqueainda
exercemfunções—paralevarmos,por
umlado,oEpiscopadoareflectirepor
outro,oSantoPadre—queestáaberto
aodiálogosobreotema—anãodeixar
cairomesmotemanoesquecimento.
Nestaaltura,entreossacerdotesque
subscrevessem,euestarialá,comoum
irmãoentreirmãosquesou,dandoapoio
naquilo que fosse possível e que a
HumanaFragilitaspermita.Comoé
deixadotransparecernodocumento,
pretende-se que este seja um grito
comumenãoapenasmeu.
d)Peçodesculpaspeloavançadodahora
naminharesposta,masaadoraçãoao
SantíssimonaminhaParóquiaterminou
hábocado.MissadaCeiadoSenhorea
seguir os diversos movimentos da
Paróquiativeramumtempodeadoração.
e) O sigilo não se prendequanto ao
documentoemsi,masoanonimato(pelo
menos por agora) quanto a quem o
escreveu.Édifícilparamim,enquanto
Padrenovoeabalbuciarosprimeiros
passosnoMinistério,conseguirassumir
decarascomaquestão.Porisso,esa-
bendoqueodocumentoreflectemesmo
aquiloqueoutrosnãotêmacoragemnem
depôrno papel,mas quepensam da
mesmaforma,acabaporserummote,
ummotordearranqueparaqueaquestão
sejalevadaparaamesmaereflectida
porquemdedireito.Porisso,daminha
parte,teriatodoogostoqueodocumento
pudesseserpublicadonasuatotalidade
ou em parte, como vos aprouver da
melhorformaenissodeixoamaiordas
liberdades.
f)QuantoaoencontroemFátima,teria
todoogostodeestarpresente,mas—e
creia-mequeassimé,carocolega—os
trabalhospastoraisnãomepermitirão
estarpresente.Noentanto,nãoinvalida
queumdia,nãopossamo-nosencontrar
falandopessoalmente.Mascomodisse,
nessaalturado"campeonato"écompli-
cado,poisnãotenhoquemmesubstitua.
g)Umdia,umsacerdotegreco-católico
veiocelebrarumcasamentoemlíngua
inglesanaminhaparóquia.Eucumpri-
mentei-oapresentando-mecomoPároco.
Elevinhaacompanhadodeumasenhora.
Vinhaidentificadocomclergyman.Ele
disse-me:"Olá,eusouoPadreN.evenho
celebrarocasamento deN.eN." Eu
disse-lhe:"Olá,eusouoPadreN.esouo
Párocodaqui."Depoiseledisse-me:
(conclui na pág. 3)
Eu posso dizer que os meus
três filhos e todas as outras
crianças viram um filme pela
primeira vez nas suas vidas
mostrado pelo nosso padre, na
sacristia da Igreja Paroquial, no
fimdacatequesesemanal.Istoera
um luxo,não paratodas as crian-
ças desse tempo, mas, para os
meninos de cá. Outro miminho
para as nossas crianças, propor-
cionado por ele, foram as excur-
sões. Isso era algo que assustava
algunspais(deixaremascrianças
viajarem sozinhas) sem as suas
companhias,masojeitodopadre
Fernando para convencer os pais
mais medrosos surtia os seus
efeitos eentãoasnossas crianças
tinhamumdiadiferenteviajando
numautocarroondemuitosnunca
se tinham sentado. Convidou
depois os miúdos e miúdas para
formaremumgrupodeescuteiros
e tudo estava a correr muito bem
até ao dia em que os pais foram
chamados a comprarem as
respectivas fardas e então como
eram já bastante dispendiosas
para as posses da maioria dos
pais,acabouassimesseseusonho
que tinha tudo para dar certo -
eramossinaisdostemposdifíceis
quese viviam então.
Quandosoubequetinhahavido
uma Banda em Vila Nova do
Ceiraenãoseiporquerazãotinha
"morrido"háalguns anos, tentou
e conseguiu ressuscitá-la e então
foiummovimentoacarinhadopor
muitosetrabalhadoporalgunsque
em pouco tempo conseguiram
fazeroprimeiroconcertonoAdro
e com essa linda apresentação aí
começou um novo ciclo de vida
danossaBandaqueaindamexee
movimenta muitas crianças,
jovense menos jovens levando o
bomnomedanossaterraporesse
país fora e também fora do país.
E o nosso Adro? A sala de
visitas de que devemos ter muito
orgulho, foi beneficiado coma
força e boa vontade em alindar
esse espaço e ao ser empedrado,
arborizado, com bancos estrate-
gicamente posicionados, lá está
como marca desse senhor que
muitotrabalhouparaqueestater-
ra, que nem era a sua, ficasse
maisacolhedora.
Aoconhecerocaminhopedo-
nalparaSaçõeseaocimodasbar-
reirasnãohavendoproteçãoalgu-
ma,tornavaocaminhomuitoperi-
goso, conseguiu que em poucos
diasfosse colocadauma vedação
em madeira e assim tornar mais
segura a passagem por ali, único
caminho nesse recuado tempo.
E deixei para o fim o jornal O
VARZEENSE.Todosconhecemoseu
nascimento,sonho tornado reali-
dade por trabalho e persistência
donossoentãopároco.Sonhoque
até hoje continua a levar notícias
do nosso concelho notícias do
nosso concelho por esse mundo
fora.
ABanda,OVARZEENSE,oAdro
e tudo o que descrevi e algumas
coisasquenãomelembrei,perpe-
tuamnamemóriadosVarzeenses
esse grande homem que caiu en-
tre nós e de nós fez parte
importante. Ele foi um elo nesta
engrenagem e nunca deverá ser
esquecido.
(…)
NOTA: O Fernando foi um dos
convidadosdehonradoJantarque
assinalouos50 anos destejornal,
em Março de 2013,na sequência
daatribuiçãodaMedalhadeOuro
do Município de Góis ao Jornal
(deliberaçãoporunanimidade).
IV
Eagora,manoFernandoRibeiro,
quese PASSOU…
Agora,sirvo-medassuaspalavras
exaradas neste seu (vosso) mais
querido Jornal, em Janeiro de
1998, num artigo sobre o
passamento de um amigo vosso
(Dionísio Antunes Fernandes) a
que intitulou "Voltou à terra que
lhe serviu de berço", porque este
últimoparágrafoassenta-lhe"que
nemumaluva":
Bem merece um epitáfio que
sintetizeovalordedonspessoais
que o guindaram e fizeram dele
sempre um Homem (…).
Ámen!
Agora?!... Que o Senhor o tenha
em Sua glória!
Coimbra, 14 de Julho de 2016
Urtélia Silva
(Associada Nº 70)
Vidas da VIDA
(conclusão da pág. 11) (conclusão da pág. 12)
hospitais,àsvezesosdoisaomes-
motempo.Esabemosigualmente
que tudo isso acontece devido às
limitaçõesdecorrentesdafinitude
da naturezahumana.No entanto,
aceitar isso mesmo com toda a
naturalidade supõe uma fé
esclarecida. Neste contexto, é
possível aceitar em paz a dor
causada pela separação daquela
pessoaquefoianossacompanhia
completiva.
João Simão
Azurva,Aveiro
(Associado Nº 3)
O MEU TESTEMUNHO


(conclui na pág. 10)
Vamos até ao Alto de Santa
Clara, em Coimbra, à residência
do Fernando e da Maria Natália.
O Fernando foi um grande
artista da tela e da palavra... Os
quadros porsipintados aóleoe a
aguarela são muitos.Apintura a
óleonãofoimaisintensivadevido
a problemas de alergias com as
tintas.Masaobralavradanopapel
nãoémenosconsiderável—poe-
mas e mais poemas de muitos
anos a colegas, a alunos, a ami-
gos, ao ambiente, a vivências do
quotidiano,predominandocontudo
as quadras soltas à sua "Talita"
(que deixava à mesa, à beira dos
pratos,quandoohoráriodasaulas
nãopermitiacomeremjuntos),ar-
tigos para o seu Jornal O VAR-
ZEENSE, etc, etc.
Dos quadrosnãopossodeixar
registo.Detendo-mecomdossiês
seusenummarimensodepapéis,
selecioneiapenas algunspoemas
eapontamentos,e,finalmente,do
arquivo póstumo da MariaNatá-
Vidas da VIDA de Fernando Ribeiro
lia, a quem muito agradeço, dois
artigos doseu querido Jornal.
I
UmaquadranaqualidadedePro-
fessor, de Maria de Fátima M.
Santos(8ºB),16-11-1982.
Quandoháamigos,
hálealdade.
PeloProfessordePortuguês,
temosmuitaAmizade.
II
Quadras à "Talita" em dias
diferentes:
Eufaço ascoisastodas
Mesmo que tunão me peças.
Assim,já não teincomodas:
Mudeiáguasàs"cabeças"(*).
(*) - de bacalhau
Tudo eu gostodefazer:
— Se há coisa que me console
Équandopensocomer
Ir à "Zé"comprar pão mole.
Paraolanchedamenina,
Um petiscosem igual:
Laranjadecascafina
EbolosdoLouriçal.
III
FernandoR.Ribeirona
imprensa regionalista- O
VARZEENSE,Junhode2016
O VARZEENSE é um quinzenário
católicoregionalistadeVilaNova
do Ceira, concelho de Góis,
distritodeCoimbra.
Eis alguns excertos de artigos aí
publicados.
Dia 15dejunho,pg.1:
Faleceu o Fundador d´ O
VARZEENSE":
[…] Fernando R. Ribeiro foi
pároco em Vila Nova do Ceira,
nasdécadas de 60 e 70eainda no
iníciodos anos80,localonde era
estimado e querido dapopulação
que ainda hoje o recorda com
muito carinho, tanto pela obra
deixada como pela sua inefável
personalidade.FundouoJornalO
VARZEENSE em março de 1963,
mantendoocargodediretordeste
regionalaté setembro de 1983.
(…) Foram muitos os que
integraram as cerimónias de
"despedida"emanifestaramoseu
carinho,amizadeesolidariedade.
Dia 30dejunho,pg.6:
"CoisaseLoisas deVilaNovado
Ceira",porMaria da Graça:
[…]OprofessorFernando,na
sua passagem por Vila Nova do
Ceira, para onde veio em 1962
para nos paroquiar cheio de
sonhos, além do ministério que
lhefoiconfiado,começouatentar
perceberoqueseriapossívelfazer
porestaterraquesendopobremais
o era nessa época.
Viajávamos de carro com um padre. Numa localidade ele entrou
numa curva completamente fora de mão e foi imediatamente
mandado parar por uma brigada de trânsito.
— O senhor reparou que fez a curva toda fora de mão? —
inquiriu um agente.
— Distraí-me a olhar para os senhores, peço desculpa —
justificou-se o padre.
— Bom, então nós perdoamos a multa e o senhor padre perdoa-
-nos os nossos pecados — propôs o agente.
— Está bem — concordou o padre. Mas os senhores ficam a
ganhar, pois a multa é só uma e os vossos pecados são muitos!
(texto de um amigo sobre um episódio enquanto Pároco)
Rua Dr. Sá Carneiro, 182 - 1º Dtº
3700-254 S. JOÃO DA MADEIRA
e-mail: espiral.fraternitas@gmail.com
boletim de
f r a t e r n i t a s m o v i m e n t o
Responsável: Alberto Osório deCastro
Nº 59 - Julho/Setembro de 2016
(conclui na pág. 10)
In Memoriam...
FERNANDO RODRIGUES
1927 - 2016
7 de Junho
RIBEIRO
O Fernando foi meu condiscípulo nos
SemináriosdeCoimbra.
Encontrámo-nos, pela primeira vez, no
SemináriodaFigueiradaFoz,emOutubrode1940.
Ele provinha da região sudeste da diocese de
Coimbra,enquantoeusouoriundodaregiãonoroeste
damesmadiocese.Eletinhaumfeitioextrovertido,
brincalhão, bem em contraste com o meu, que é
poucocomunicativo,sossegado.Talvezporissonos
tenhamos entendidosempre bem.
Eletinhaumacapacidadenotávelparadetectar
oridículodassituações,oquelheconferiaoestatuto
de facilmente resolver os problemas complicados
que sempre aparecem quando se lida com os
paroquianos. Do que eu percebi da sua actuação
como pároco, ele era muito afável, mas firme e
rigoroso. Sabia rir, mas sabia também manter
respeito.
Perdi-o de vista quando ingressei na
Universidade de Coimbra para o domínio das
CiênciasQuímicas,umaactividademuitoexigente.
Encontrámo-nos mais tarde, já no decorrer dos
trabalhos conducentes à fundação da nossa
Associação Fraternitas Movimento, quando ele
apareceu já casado com a Natália. A partir daí
mantivemossempreo contacto.Todasasvezes que
passávamos por Coimbra íamos estar com eles na
sua casa de Santa Clara. Também eles eram
presençafrequentenasreuniõesdanossaFraternitas.
O Fernando tinha um dom especial para lidar
com situações sérias e difíceis fazendo salientar o
lado cómico das circunstâncias, o que desarmava
os outros. No entanto, o que devia ser, tinha de o
ser.
Quando nos encontrávamos, ele costumava
dizer: "Assim vive o lisonjeiro à custa de quem o
atende". Lembras-te? Claro que me lembrava:
referia-se a um episódio que ocorreu no seminário
daFigueiradaFoz,logonoprimeiroano.Malsoava
acampainhaparaorecreiotodaamaltasaíaacorrer
para os baloiços. Quando uma vez o Fernando se
atrasou,aochegarjánãotinhabaloiço.Entãoolhou
para longe e diz-me: Ó Simão, estão a chamar por
ti acolá ao pé do portão. Desci rápido e fui lá ver,
mas não havia lá ninguém. Quando voltei estava
ele muito divertido no baloiço. Então saiu-me da
bocaaquelafrase,dafábula"OCorvoea Raposa",
que tínhamos acabado de analisar na aula de
Português.
Mencionoestahistóriabanal,semqualquerin-
teresse, apenas para salientar que somos todos
diferentes na apreciação que fazemos dos factos
concretos do dia-a-dia e na forma como a eles
reagirmos. É por isso que a colaboração de cada
um de nós para a concretização de um projecto
comum éabsolutamente essencial,porque éúnica.
Sem ela, alguma coisa iria faltar.
As crises por que passam as instituições e as
pessoasdevemsempreserlidascomoumconvitea
que nelas vejamos oportunidades, a não
desaproveitar,parairmoslendoasformascorrectas
de purificação e de um crescimento sólido.
Não posso deixar de ter uma palavra especial
para a Natália, a esposa do Fernando. Eles
formavam um casal amoroso. Notava-se bem
quando convivíamos com eles. Lá na casa deles
criava-se sempre um ambiente tão agradável que
nem dávamos conta de que o
tempo passava.
Naturalmentetambémhouve
doenças, internamentos em
O MEU TESTEMUNHO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Espiral 69
Espiral 69Espiral 69
Espiral 21 22
Espiral 21 22Espiral 21 22
Espiral 21 22
Fraternitas Movimento
 
Espiral 29
Espiral 29Espiral 29
Espiral 39 40
Espiral 39 40Espiral 39 40
Espiral 39 40
Fraternitas Movimento
 
Espiral 17
Espiral 17Espiral 17
Espiral 70
Espiral 70Espiral 70
Espiral 52
Espiral 52Espiral 52
Espiral 33
Espiral 33Espiral 33
Espiral 13 14
Espiral 13 14Espiral 13 14
Espiral 13 14
Fraternitas Movimento
 
Espiral 25
Espiral 25Espiral 25
Espiral 32
Espiral 32Espiral 32
Espiral 10
Espiral 10Espiral 10
Espiral 49
Espiral 49Espiral 49
Espiral 24
Espiral 24Espiral 24
Espiral 57
Espiral 57Espiral 57
Espiral 56
Espiral 56Espiral 56
Espiral 28
Espiral 28Espiral 28
Espiral 47
Espiral 47Espiral 47
Espiral 61
Espiral 61Espiral 61
Espiral 42
Espiral 42Espiral 42

Mais procurados (20)

Espiral 69
Espiral 69Espiral 69
Espiral 69
 
Espiral 21 22
Espiral 21 22Espiral 21 22
Espiral 21 22
 
Espiral 29
Espiral 29Espiral 29
Espiral 29
 
Espiral 39 40
Espiral 39 40Espiral 39 40
Espiral 39 40
 
Espiral 17
Espiral 17Espiral 17
Espiral 17
 
Espiral 70
Espiral 70Espiral 70
Espiral 70
 
Espiral 52
Espiral 52Espiral 52
Espiral 52
 
Espiral 33
Espiral 33Espiral 33
Espiral 33
 
Espiral 13 14
Espiral 13 14Espiral 13 14
Espiral 13 14
 
Espiral 25
Espiral 25Espiral 25
Espiral 25
 
Espiral 32
Espiral 32Espiral 32
Espiral 32
 
Espiral 10
Espiral 10Espiral 10
Espiral 10
 
Espiral 49
Espiral 49Espiral 49
Espiral 49
 
Espiral 24
Espiral 24Espiral 24
Espiral 24
 
Espiral 57
Espiral 57Espiral 57
Espiral 57
 
Espiral 56
Espiral 56Espiral 56
Espiral 56
 
Espiral 28
Espiral 28Espiral 28
Espiral 28
 
Espiral 47
Espiral 47Espiral 47
Espiral 47
 
Espiral 61
Espiral 61Espiral 61
Espiral 61
 
Espiral 42
Espiral 42Espiral 42
Espiral 42
 

Destaque

Espiral 27
Espiral 27Espiral 27
Espiral 16
Espiral 16Espiral 16
Espiral 44
Espiral 44Espiral 44
Espiral 55
Espiral 55Espiral 55
Espiral 53
Espiral 53Espiral 53
Espiral 38
Espiral 38Espiral 38
Espiral 15
Espiral 15Espiral 15
Espiral 20
Espiral 20Espiral 20
Espiral 48
Espiral 48Espiral 48
Espiral 54
Espiral 54Espiral 54
Espiral 31
Espiral 31Espiral 31
Espiral 30
Espiral 30Espiral 30
Espiral 60
Espiral 60Espiral 60
Espiral 43
Espiral 43Espiral 43
Espiral 46
Espiral 46Espiral 46

Destaque (15)

Espiral 27
Espiral 27Espiral 27
Espiral 27
 
Espiral 16
Espiral 16Espiral 16
Espiral 16
 
Espiral 44
Espiral 44Espiral 44
Espiral 44
 
Espiral 55
Espiral 55Espiral 55
Espiral 55
 
Espiral 53
Espiral 53Espiral 53
Espiral 53
 
Espiral 38
Espiral 38Espiral 38
Espiral 38
 
Espiral 15
Espiral 15Espiral 15
Espiral 15
 
Espiral 20
Espiral 20Espiral 20
Espiral 20
 
Espiral 48
Espiral 48Espiral 48
Espiral 48
 
Espiral 54
Espiral 54Espiral 54
Espiral 54
 
Espiral 31
Espiral 31Espiral 31
Espiral 31
 
Espiral 30
Espiral 30Espiral 30
Espiral 30
 
Espiral 60
Espiral 60Espiral 60
Espiral 60
 
Espiral 43
Espiral 43Espiral 43
Espiral 43
 
Espiral 46
Espiral 46Espiral 46
Espiral 46
 

Semelhante a Espiral 59

Jornal das CEBs - diocese de São José dos Campos - SP
Jornal  das CEBs - diocese de São José dos Campos - SPJornal  das CEBs - diocese de São José dos Campos - SP
Jornal das CEBs - diocese de São José dos Campos - SP
Bernadetecebs .
 
Espiral 67
Espiral 67Espiral 67
Jornal dezembro 2017
Jornal dezembro 2017Jornal dezembro 2017
Jornal dezembro 2017
Luca Bueno
 
Folha Dominical - 03.06.2012 Nº 427
Folha Dominical - 03.06.2012 Nº 427Folha Dominical - 03.06.2012 Nº 427
Folha Dominical - 03.06.2012 Nº 427
Comunidades Vivas
 
Folha Dominical - 01.03.15 Nº 558
Folha Dominical - 01.03.15 Nº 558Folha Dominical - 01.03.15 Nº 558
Folha Dominical - 01.03.15 Nº 558
Comunidades Vivas
 
Quaresma2013
Quaresma2013Quaresma2013
Quaresma2013
Nuno Bessa
 
Jornal novembro 2017
Jornal novembro 2017Jornal novembro 2017
Jornal novembro 2017
Luca Bueno
 
Jornal aliança nº 179 setembro 2014
Jornal aliança nº 179 setembro 2014Jornal aliança nº 179 setembro 2014
Jornal aliança nº 179 setembro 2014
mcj2013
 
Folha Dominical - 21.02.10 Nº310
Folha Dominical - 21.02.10 Nº310Folha Dominical - 21.02.10 Nº310
Folha Dominical - 21.02.10 Nº310
Comunidades Vivas
 
Voz da Paróquia - Outubro 2010
Voz da Paróquia - Outubro 2010Voz da Paróquia - Outubro 2010
Voz da Paróquia - Outubro 2010
jesmioma
 
Voz da Paróquia - Outubro 2010
Voz da Paróquia - Outubro 2010Voz da Paróquia - Outubro 2010
Voz da Paróquia - Outubro 2010
Fernando Chapeiro
 
Folha Dominical - 28.02.10 Nº311
Folha Dominical - 28.02.10 Nº311Folha Dominical - 28.02.10 Nº311
Folha Dominical - 28.02.10 Nº311
Comunidades Vivas
 
Folha Dominical - 20.01.13 Nº 457
Folha Dominical - 20.01.13 Nº 457Folha Dominical - 20.01.13 Nº 457
Folha Dominical - 20.01.13 Nº 457
Comunidades Vivas
 
Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Fevere...
Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Fevere...Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Fevere...
Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Fevere...
ParoquiaDeSaoPedro
 
Jornal março
Jornal marçoJornal março
Jornal março
saojosepascom
 
Sagrada Notícias Online - 18° Edição
Sagrada Notícias Online - 18° EdiçãoSagrada Notícias Online - 18° Edição
Sagrada Notícias Online - 18° Edição
Liliane Jornalista
 
Folha Dominical - 14.10.18 Nº 738
Folha Dominical - 14.10.18 Nº 738Folha Dominical - 14.10.18 Nº 738
Folha Dominical - 14.10.18 Nº 738
Comunidades Vivas
 
Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Junho ...
Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Junho ...Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Junho ...
Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Junho ...
ParoquiaDeSaoPedro
 
Jornal "Raios de Luz" Novembro
Jornal "Raios de Luz" NovembroJornal "Raios de Luz" Novembro
Jornal "Raios de Luz" Novembro
JMVSobreiro
 
Folha Dominical 01.03.09 Nº263
Folha Dominical   01.03.09  Nº263Folha Dominical   01.03.09  Nº263
Folha Dominical 01.03.09 Nº263
Comunidades Vivas
 

Semelhante a Espiral 59 (20)

Jornal das CEBs - diocese de São José dos Campos - SP
Jornal  das CEBs - diocese de São José dos Campos - SPJornal  das CEBs - diocese de São José dos Campos - SP
Jornal das CEBs - diocese de São José dos Campos - SP
 
Espiral 67
Espiral 67Espiral 67
Espiral 67
 
Jornal dezembro 2017
Jornal dezembro 2017Jornal dezembro 2017
Jornal dezembro 2017
 
Folha Dominical - 03.06.2012 Nº 427
Folha Dominical - 03.06.2012 Nº 427Folha Dominical - 03.06.2012 Nº 427
Folha Dominical - 03.06.2012 Nº 427
 
Folha Dominical - 01.03.15 Nº 558
Folha Dominical - 01.03.15 Nº 558Folha Dominical - 01.03.15 Nº 558
Folha Dominical - 01.03.15 Nº 558
 
Quaresma2013
Quaresma2013Quaresma2013
Quaresma2013
 
Jornal novembro 2017
Jornal novembro 2017Jornal novembro 2017
Jornal novembro 2017
 
Jornal aliança nº 179 setembro 2014
Jornal aliança nº 179 setembro 2014Jornal aliança nº 179 setembro 2014
Jornal aliança nº 179 setembro 2014
 
Folha Dominical - 21.02.10 Nº310
Folha Dominical - 21.02.10 Nº310Folha Dominical - 21.02.10 Nº310
Folha Dominical - 21.02.10 Nº310
 
Voz da Paróquia - Outubro 2010
Voz da Paróquia - Outubro 2010Voz da Paróquia - Outubro 2010
Voz da Paróquia - Outubro 2010
 
Voz da Paróquia - Outubro 2010
Voz da Paróquia - Outubro 2010Voz da Paróquia - Outubro 2010
Voz da Paróquia - Outubro 2010
 
Folha Dominical - 28.02.10 Nº311
Folha Dominical - 28.02.10 Nº311Folha Dominical - 28.02.10 Nº311
Folha Dominical - 28.02.10 Nº311
 
Folha Dominical - 20.01.13 Nº 457
Folha Dominical - 20.01.13 Nº 457Folha Dominical - 20.01.13 Nº 457
Folha Dominical - 20.01.13 Nº 457
 
Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Fevere...
Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Fevere...Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Fevere...
Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Fevere...
 
Jornal março
Jornal marçoJornal março
Jornal março
 
Sagrada Notícias Online - 18° Edição
Sagrada Notícias Online - 18° EdiçãoSagrada Notícias Online - 18° Edição
Sagrada Notícias Online - 18° Edição
 
Folha Dominical - 14.10.18 Nº 738
Folha Dominical - 14.10.18 Nº 738Folha Dominical - 14.10.18 Nº 738
Folha Dominical - 14.10.18 Nº 738
 
Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Junho ...
Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Junho ...Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Junho ...
Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Junho ...
 
Jornal "Raios de Luz" Novembro
Jornal "Raios de Luz" NovembroJornal "Raios de Luz" Novembro
Jornal "Raios de Luz" Novembro
 
Folha Dominical 01.03.09 Nº263
Folha Dominical   01.03.09  Nº263Folha Dominical   01.03.09  Nº263
Folha Dominical 01.03.09 Nº263
 

Mais de Fraternitas Movimento

Boletim Espiral número 74, de abril de 2024
Boletim Espiral número 74, de abril de 2024Boletim Espiral número 74, de abril de 2024
Boletim Espiral número 74, de abril de 2024
Fraternitas Movimento
 
catequeses do Papa Francisco sobre a oração.pdf
catequeses do Papa Francisco sobre a oração.pdfcatequeses do Papa Francisco sobre a oração.pdf
catequeses do Papa Francisco sobre a oração.pdf
Fraternitas Movimento
 
Sínodo-dos-Bispos-outubro.pdf
Sínodo-dos-Bispos-outubro.pdfSínodo-dos-Bispos-outubro.pdf
Sínodo-dos-Bispos-outubro.pdf
Fraternitas Movimento
 
POR_Carta_aos_Bispos_Sinodo.pdf
POR_Carta_aos_Bispos_Sinodo.pdfPOR_Carta_aos_Bispos_Sinodo.pdf
POR_Carta_aos_Bispos_Sinodo.pdf
Fraternitas Movimento
 
Espiral 73.pdf
Espiral 73.pdfEspiral 73.pdf
Espiral 73.pdf
Fraternitas Movimento
 
Aportacion Moceop al Sinodo de la sinodalidad.pdf
Aportacion Moceop al Sinodo de la sinodalidad.pdfAportacion Moceop al Sinodo de la sinodalidad.pdf
Aportacion Moceop al Sinodo de la sinodalidad.pdf
Fraternitas Movimento
 
espiral 48.pdf
espiral 48.pdfespiral 48.pdf
espiral 48.pdf
Fraternitas Movimento
 
Espiral 9.pdf
Espiral 9.pdfEspiral 9.pdf
Espiral 9.pdf
Fraternitas Movimento
 
Espiral 8.pdf
Espiral 8.pdfEspiral 8.pdf
Espiral 8.pdf
Fraternitas Movimento
 
Espiral 7.pdf
Espiral 7.pdfEspiral 7.pdf
Espiral 7.pdf
Fraternitas Movimento
 
Espiral 6.pdf
Espiral 6.pdfEspiral 6.pdf
Espiral 6.pdf
Fraternitas Movimento
 
Espiral 5.pdf
Espiral 5.pdfEspiral 5.pdf
Espiral 5.pdf
Fraternitas Movimento
 
Espiral 4.pdf
Espiral 4.pdfEspiral 4.pdf
Espiral 4.pdf
Fraternitas Movimento
 
espiral 3.pdf
espiral 3.pdfespiral 3.pdf
espiral 3.pdf
Fraternitas Movimento
 
espiral 2.pdf
espiral 2.pdfespiral 2.pdf
espiral 2.pdf
Fraternitas Movimento
 
Espiral 1.pdf
Espiral 1.pdfEspiral 1.pdf
Espiral 1.pdf
Fraternitas Movimento
 
Espiral 72.pdf
Espiral 72.pdfEspiral 72.pdf
Espiral 72.pdf
Fraternitas Movimento
 
220083 lettera ai_sacerdoti_portoghese
220083 lettera ai_sacerdoti_portoghese220083 lettera ai_sacerdoti_portoghese
220083 lettera ai_sacerdoti_portoghese
Fraternitas Movimento
 
Rezar o Pai-Nosso em família
Rezar o Pai-Nosso em famíliaRezar o Pai-Nosso em família
Rezar o Pai-Nosso em família
Fraternitas Movimento
 
Historias de mulheres negras na Biblia
Historias de mulheres negras na BibliaHistorias de mulheres negras na Biblia
Historias de mulheres negras na Biblia
Fraternitas Movimento
 

Mais de Fraternitas Movimento (20)

Boletim Espiral número 74, de abril de 2024
Boletim Espiral número 74, de abril de 2024Boletim Espiral número 74, de abril de 2024
Boletim Espiral número 74, de abril de 2024
 
catequeses do Papa Francisco sobre a oração.pdf
catequeses do Papa Francisco sobre a oração.pdfcatequeses do Papa Francisco sobre a oração.pdf
catequeses do Papa Francisco sobre a oração.pdf
 
Sínodo-dos-Bispos-outubro.pdf
Sínodo-dos-Bispos-outubro.pdfSínodo-dos-Bispos-outubro.pdf
Sínodo-dos-Bispos-outubro.pdf
 
POR_Carta_aos_Bispos_Sinodo.pdf
POR_Carta_aos_Bispos_Sinodo.pdfPOR_Carta_aos_Bispos_Sinodo.pdf
POR_Carta_aos_Bispos_Sinodo.pdf
 
Espiral 73.pdf
Espiral 73.pdfEspiral 73.pdf
Espiral 73.pdf
 
Aportacion Moceop al Sinodo de la sinodalidad.pdf
Aportacion Moceop al Sinodo de la sinodalidad.pdfAportacion Moceop al Sinodo de la sinodalidad.pdf
Aportacion Moceop al Sinodo de la sinodalidad.pdf
 
espiral 48.pdf
espiral 48.pdfespiral 48.pdf
espiral 48.pdf
 
Espiral 9.pdf
Espiral 9.pdfEspiral 9.pdf
Espiral 9.pdf
 
Espiral 8.pdf
Espiral 8.pdfEspiral 8.pdf
Espiral 8.pdf
 
Espiral 7.pdf
Espiral 7.pdfEspiral 7.pdf
Espiral 7.pdf
 
Espiral 6.pdf
Espiral 6.pdfEspiral 6.pdf
Espiral 6.pdf
 
Espiral 5.pdf
Espiral 5.pdfEspiral 5.pdf
Espiral 5.pdf
 
Espiral 4.pdf
Espiral 4.pdfEspiral 4.pdf
Espiral 4.pdf
 
espiral 3.pdf
espiral 3.pdfespiral 3.pdf
espiral 3.pdf
 
espiral 2.pdf
espiral 2.pdfespiral 2.pdf
espiral 2.pdf
 
Espiral 1.pdf
Espiral 1.pdfEspiral 1.pdf
Espiral 1.pdf
 
Espiral 72.pdf
Espiral 72.pdfEspiral 72.pdf
Espiral 72.pdf
 
220083 lettera ai_sacerdoti_portoghese
220083 lettera ai_sacerdoti_portoghese220083 lettera ai_sacerdoti_portoghese
220083 lettera ai_sacerdoti_portoghese
 
Rezar o Pai-Nosso em família
Rezar o Pai-Nosso em famíliaRezar o Pai-Nosso em família
Rezar o Pai-Nosso em família
 
Historias de mulheres negras na Biblia
Historias de mulheres negras na BibliaHistorias de mulheres negras na Biblia
Historias de mulheres negras na Biblia
 

Último

9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
PIB Penha
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Ricardo Azevedo
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
PIB Penha
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
PIB Penha
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Celso Napoleon
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
Rogério Augusto Ayres de Araujo
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
PIB Penha
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Celso Napoleon
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
AlailzaSoares1
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
CleideTeles3
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
marcusviniciussabino1
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
Nilson Almeida
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
PIB Penha
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
PIB Penha
 

Último (15)

9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
 

Espiral 59

  • 1. Nº 59 - Julho / Setembro de 2016 b o l e t i m d a F R A T E R N I T A S M O V I M E N T O EncontrodeFormação 2 Cartas/Tesouraria 3 Celibatodos padres:simounão,eisaquestão 4 Testemunho/Breves 5 EcosdoEncontrodeViseu 6-7 "Tudo como dantes, Quartel-general em Abrantes" 8 CartaaoPapaeaoEpiscopadoCatólico 8-9 InMemoriam...FernandoRodriguesRibeiro VidasdaVIDAdeFernandoRibeiro 11-10 Omeutestemunho 12-10 P enso que todos nos recordamos de um slogan do Instituto de Socorros a Náufragos que dizia isto: "Há mar e mar, há ir e voltar!" Consoante as nossas idades assim os ecos e a profundidade que aquelas palavras deixaram em nós. Têm a ver com as férias, esse tempo e esse espaço tão essenciais ao nosso entendimento como pessoas à descoberta constante da vida e do seu sentido ao jeito de Jesus Cristo. São, por isso, preciosas, para partilharmos com aqueles que mais amamos e mais nos amam; um S.O.S. (Save Our Souls) no sentido original anglo-saxónico da expressão. "Salva as nossas almas!" Trata-se daquele grito que, em nós, sempre teima em fazer-se ouvir no código morse que acompanha a nossa caminhada terrena. A gratidão presente é aquela atitude que podemos cultivar (sem custos para o utilizador) em todos os momentos, sobretudo em férias. É, ou pode ser, uma tensão libertadora entre o passado e o futuro, tal como as ondas que se transformam em espuma ao
  • 2. rebentarem na praia. Aproveitando esta última "onda" de gratidão, louvo o sucesso do Encontro Regional de Viseu. A todos quantos organizaram, acolheram e participaram o meu (e o nosso como Direcção) bem hajam. Precisamos de mais e melhor Fraternidade na medida das nossas possibilidades; e necessitamos igualmente agradecer o caminho que temos feito! Bem hajam, uma vez mais! A todos! E a nossa caminhada continua. No próximo mês de Outubro, iremos ter o nosso Encontro de Formação em Gaia, nos Redentoristas, tendo como leme, digo, lema "Os Ministérios", hoje tão precisados de reflexão e de acção renovadas em Comunidades que se desejam profundamente em caminho de amadurecimento iluminado pelo Evangelho. Boas férias e/ou bom trabalho! Abraços e beijinhos Luís Carlos, Ana Marta e Simão Pedro ENCONTRO DE FORMAÇÃO Data: 14 a 16 de Outubro de 2016 Local: Seminário de Cristo-Rei – Vila Nova de Gaia Tema: Os Ministérios Orientador: Padre RUI SANTIAGO, CSSR Inscrições: Secretariado da Fraternitas até ao dia 30 de Setembro Depois das férias, no início de Setembro, seguirá informação mais pormenorizada sobre esta im- portante actividade, para a qual te pedimos reserves já espaço na tua agenda e no teu coração. Essasinformações referir-se-ão apreços (custos de inscrição e de estadia), programa do Encontro, indicações dechegada eoutrosconsiderados indispensáveis. Contandocom todos,pedimosofavordetambém iremdivulgandoe motivandopara estainiciativa donossoMovimento. 
  • 3. TESOURARIA Pagamento de quotas Qualquerassunto referente aquotas,ouque envolva qualquer pagamento, deve ser endereçado para oTesoureiro: JoséAlvesRodrigues Rua CampinhoVerde, 15 = 4505-249FIÃESVFR Telf: 220815 616 / Tlmv: 966 404 997 Conta para depósitosou transferências bancárias: NIB003300004521842666005(MillenniumBCP)  Meu caro Amigo Alberto, Paz e Bem! Antes de mais, muito OBRIGADO. Acabo de abrir e ler, de uma ponta à outra, o ESPIRAL que gentilmente me enviaste e onde revejo a tua mão. Bem-hajas. Aqui pulsa, mesmo, a vossa VIDA! E é o melhor que posso dizer, penso eu. Pois um boletim destes interessa, principalmente, como elo, ponte, mesa, lareira, aliança, fonte... onde se possam REencontrar em cada passo para manter vivas as referências mútuas e comuns. E também rio, jardim, galeria, montra das vossas realizações e dos vossos sonhos sempre inacabados. Já se nota A TERNURA DOS 20 — o que, no vosso caso, bem pode corresponder à dos 40, pois tantos anos de esperança, luta e persistência merecem ser contados a dobrar. Eu, que aprecio os símbolos e os gestos, mais que as palavras, É um livro de cânticos para a Liturgia (missa). Todos os 92 cânti- cos são originais. Há um bónus de 2 cânticos numa folha solta (Credo - profissão de fé baptismal e o o "cântico baptismal")! Tem, além disso, o CD. Está o nosso Olindo Marques de parabéns! Resumindo: Cantate, Laudate! 2.ª Edição revista e aumentada + CD com melodias lineares 92 + 2 à parte 83-84 páginas Preço: Livro+CD+portes: 10€ (dez euros) e-mail de contacto do Autor: olimarques@gmail.com "Esta é a minha esposa, N." e acrescentoucomumsorriso:"Souum homemdesorte,nãosou?"Eudisse-lhe: "Claroqueé."Quandofuiparacasae medepareicomasituação,pensei:"Mas estremeci com a "ternurinha" da estola dobrada ao ombro — deles e delas. Mas, como gosto muito mais das obras e da vida, fico à espera de que um dia as possam desdobrar e com elas cubram, de novo, os dois ombros que já transportaram muitas ovelhas perdidas, cruzes e molhos de espigas. Junto-me aos Associados nº 1: Ámen! Aleluia! OBRImorGADO Caro Osório de Castro Pela presente, agradeço o envio do nº 58 do Espiral, que também acabo de receber em suporte de papel. Cordialmente. Bispo António Montes Muchas gracias por vuestro envío. Un abrazo. Ramón Alario Sánchez (conclusão da pág. 9) Carta ao Papa e ao Episcopado queraio?Pelosimplesfactodenãoter nascidoondeelenasceu,elepôdecasar e eu não." Foi neste momentoque a vocação sacerdotal é uma vocação dentro de outra que não implica necessariamenteterdeexistir:avocação aocelibato. h) Por fim, quereria saber se efectivamenteháapossibilidadedo documentoserretrovertidoparaoutras línguas, no sentido de levarmos o documentoaoâmbitointernacionale trabalharmosemuníssonocomoutros sacerdotesforadoPaís. Despeço-mepedindoaDeusque,através deJesus,possamosvivercomalegria renovadaestaPáscoadaRessurreição. UmabraçofraternoemCristoSenhor. 2ªedição Cantate, Laudate!
  • 4. "Porque é que os padres não se podem casar?" Esta é uma interrogação tão velha quanto a existência dos próprios padres. Durante os primeiros tempos do Cristianismo, muitas comuni- dadeseramlideradasporhomens casados, a quem era pedido que fossem "irrepreensíveis, esposos de uma única mulher, e seus filhos deveriam ter fé e não ser acusados de maus costumes ou desobediência",conformedizSão Paulo a Tito na carta que lhe es- creveu. Sabemos ainda pela Bí- bliaque Pedrotinhaumasogra,e séculosmais tarde surgiramrela- tosdeumafilha.Eseriadeimagi- narquemuitos dosqueseguiram Jesus, por terem sido chamados em idade mais avançada, já tivessem família constituída. No entanto, a Bíblia também não refere, em qualquer lugar, que essas famíliasacompanharam os Apóstolos. "Se Pedro tivesse le- vado a esposa para Roma, se vi- vessem como marido e mulher, numa família muito cristã, como é que a tradição ia esquecer o nome da esposa de Pedro? E o mesmoparaosoutrosApóstolos", questiona D. Nuno Brás, bispo auxiliar de Lisboa e membro da ComissãoEpiscopaldaEducação Cristã e Doutrina da Fé. Apesar de a disciplina ser antiga ederemontaraostemposdeJesus Cristo, também Ele celibatário,o facto é que ao longo da História da Igreja muitos têm pedido para que esta se altere, e muitos a têm defendido com unhas e dentes. Maisrecentemente,umcongresso do Movimento pelo Celibato Opcional (MOCEOP), uma organização espanhola que congrega muitos sacerdotes que pediram dispensa do voto de celibato e casaram, voltou a insistir nestaquestão. Luís Salgueiro, presidente da Fraternitas,umaorganizaçãoque, emPortugal,congregasacerdotes quepediramdispensa,estevepre- sente no congresso e explica que oquesepretendeéum"amadure- cimento"dascomunidadeseuma "abertura da Igreja a novas realidades, fruto dos sinais dos tempos"."Adisciplinaqueexiste deve ser tomada na sua devida consideração. É um elemento importante,masnãoéfundamen- tal, porque se a disciplina não ajudar a que o núcleo evangélico sejaconhecido,adisciplinatorna- -se obstáculo, mais uma barreira do que uma ponte", diz este responsável, também ele um sacerdotequepediuadispensado voto decelibato e se casou,man- tendonoentantoumavidacomuni- tária e de participação na paró- quia. D. Nuno Brás discorda e aponta outrosmotivosparajustificaresta nova tentativa de alteração da disciplina do celibato. O prelado falade uma"hipervalorização da dimensão sexual na nossa vida". "A publicidade, a música, os fil- mes, as notícias, tudo hiper- valorizaadimensãosexual.Oque é perigoso, porque se está a hipervalorizarumadimensãoque, sendoimportanteeessencial,não é tudo. Nós reduzimos tudo na vidaàeconomiaeaosexo.Assim comopareceimpossívelquepes- soas ofereçam parte da sua vida voluntariamentesemganharnada, há quem ache impossível uma pessoa ser celibatária, porque "é impossível resistir" a esta dimensão sexual. Mas é impor- tante percebermos que assim comohágentequefazverdadeiro voluntariado,tambémháquemfaz verdadeiro celibato", explica, acrescentandoque"lamenta"que alguns antigos sacerdotes que pediram a dispensa tenham estes "motivos de batalha", que caracteriza como "autojustifi- cações pessoais de pessoas que foramordenadasequeaumdado momento pediram a dispensa do celibato". CELIBATO DOS PADRES: SIM OU NÃO, EIS A QUESTÃO Desde o início da História da Igreja que o celibato dos religiosos tem sido disciplina aceite, embora criticada. O facto de ser disciplina e não doutrina abre a porta à reflexão sobrea real necessidade do voto decelibatonaordenaçãosacerdo- tal. O tema é polémico, e as opiniõesdividem-se. O texto aqui apresentado, e que concluirá no próximo Espiral, foi retirado, com a devida vénia, do site da Família Cristã, de 01.06.2016 [http://familiacrista.paulus.pt/celibato-sim-ou-nao-eis- a-questao], da autoria do jornalista Ricardo Perna. 
  • 5. Sou a Cláudia, para muitos conhecida como Nené. Para mim, o meu pai é simplesmente PAI; para os alunos é o professor Sampaio; para muitos, o padre Sampaio. Quandomeperguntam como é ser filha de um padrecasado, respondo que é óptimo!Acho que o meu pai deve ter sido um padre com vocação para tal, que dava resposta atodos os seusfiéisqueconsiderava filhos. Tê-lo agora só para nósémaravilhoso! E como ele diz, os sacramentos são para sempre;porisso não existem ex-padres, mas sim padrescasados.Poder partilharistocomoutros padres casados na FRATERNITAS foi um bem, não só para o meu pai, como para toda a família!Assim foi com muito gosto que celebrámos os 25 anos de casados dos meus pais em Fátima, num retiro da FRATERNITAS em2002(como otempo passa...)! Depois disso, já casei e sou agora mãe de 5 crianças! TESTEMUNHO NASCIMENTO (I):AMa- ria Inês, neta do casal Valente, Higino e Maria Emília (Associ- ados nº 46), a residirem em Ansião, nasceuno dia30deSe- tembrode2015!Asboasnotíci- asparece demorarema chegar... e, por isso, só agora podemos partilharo felizacontecimento. Parabénsaospaiseavós,emui- tasfelicidadesparaapequenita! NASCIMENTO (II): ACe- lesteSampaio(Associadanº30), redobrou de alegria com o nas- cimento de mais uma neta: a b r e v e s . . . MariaClara,filhadoGuilberto, bem nosso conhecido, e da Ra- quel(Quelinha), no passado dia 2 de Junho!E confidenciou-nos que são os netos (Vicente de 4 anos e, agora, a Clara de 2 me- ses), que lhe dão alegria e von- tade de viver. Osnossossincerosparabénsaos paiseavós, com votosdeventu- rosofuturo! EM PROVAÇÃO (I): O Gil (Associado nº 80) já regressou acasa,apósuminternamentode uma semana no CHUC (Centro Hospital e Universitário de Coimbra). Votosdesegurarecuperação. EMPROVAÇÃO (II):Esea doençavaiminandoasforçasfí- sicasdemuitosdosnossosasso- ciados, não é menos certo que Cireneus, mesmo fisicamente afastados, não desistem de tor- nar-se presentes, em amparo ainda que vocal, que as teleco- municaçõespermitem. Tambémanossaoraçãonãofal- ta. Quea forçadoDeusMisericor- diosoeoSeuEspítodeAmornos tragam ânimo eforça para car- regaracruzdecadadia,nacon- figuração comJesusCristo. 
  • 6. página oficial na Internet: http://fraternitasmovimento.blogspot.com NIF: 504 602 136 IBAN: PT50 0033 0000 4521 8426 660 05 fraternitasmovim Foi uma verdadeira expe- riência de Igreja doméstica, aquela que ocorreu a nove de Julho, emViseu. O espaço, na casa da Eduarda e do Luís Cunha, não poderia ter sido mais indicado à circunstân- cia.O acolhimento dosanfitriões foi primoroso, contribuindo para avigorar o clima fraterno, que se respiroudurantetodooencontro. AosmembrosdeViseujuntaram- -seaquelesqueprovinhamdasdio- cesesdeCoimbra,deLamego,do Porto e deVila Real. A eclesialidade do encontro adquiriu uma maior visibilidade com a presença do bispo diocesano D. Ilídio Leandro, Convocados por Viseu para uma experiência Fraternitas. renovaçãodaDiocese,assentena participação dos leigos e na valorizaçãoderecursoshumanos, que têm estado desaproveitados. Manifestouumacomunhãomuito forte connosco e uma genuína proximidade,quenossensibilizou muito. Aconvocatóriadoencontroera iluminadaporduastranscriçõesda Exortação Apostólica Amoris Laetitia,quedeveriamenquadrar a nossa reflexão: "Diz São João Paulo II que os textos bíblicos "não oferecem motivo para sustentarnema"inferioridade"do matrimónio, nem a "superiori- dade" da virgindade ou do celibato"(A.L.,159);"Ocelibato corre o risco de ser uma cómoda solidão, que dá liberdade para se moverautonomamente,mudarde local,tarefaeopção,dispordoseu própriodinheiro,convivercomas mais variadas pessoas segundo a atracçãodomomento.Nestecaso, sobressai o testemunho das sobretudopelomodocomoesteve presente: sem qualquer pressa, semqualquerdistância,desejando mais ouvir do que falar, numa atitudegenuinamenteacolhedora. Acompanhou-nos durante toda a manhã,semquererfazerqualquer uma daquelas institucionais intervenções de circunstância, habituais nos membros da hierarquia,emPortugal.Partilhou assuaspreocupaçõescomareno- vação da Diocese,nocontextoda progressiva carestia de presbí- teros. Referiu-se ao trabalho que culminou com a aprovação das Constituições Sinodais, uma verdadeira carta magna dos princípios que norteiam a Num momento de reflexão (vista parcial dos participantes). fotode©AntónioRegadas
  • 7. mento@gmail.com página oficial na Internet: http://fraternitasmovimento.blogspot.com NIF: 504 602 136 IBAN: PT50 0033 0000 4521 8426 660 05 pessoas casadas". (Ibid,162). A elas não se referiu o bispo, masoseuconteúdoestevemagni- ficamentepresentenotestemunho do casal Glóriae Carlos Reis, as- sente na sua profunda convicção de que "a única vocação do Ho- mem é ser Fecundo e ser Feliz". O Carlos confirmou-nos nesta verdade insofismável: "querseja ordenado ou não, quer case, ou O momento da partilha da refeição. não,quersejadispensadodovoto decelibatoounão,aVOCAÇÃO PRIMEIRAdeTODO o Cristão, qualquer que seja o seu "estado" tem a ver com a sua condição de Baptizado. Eu pedi a dispensa dessevotodecelibato…Mas,não risqueidaminhavidaomeuSIM, QUERO!,dado15anosantes".A Glória, por sua vez, acrescentou queosdoissesentem"convocados a assentar a vida num QUERO! Que é sempre o mesmo - QUERO AMAR! A dois. Sim! Mas… também a muitos! Como esposos e como pais de filhos do sangue e da adopção". O contributo da Glória e do Carlos fez suscitar um animado debateentretodos,atéirmospara o almoço, requintadamente pre- parado pela Eduarda e pela Lucília,nummagníficoespaçodo jardim exterior. O D. Ilídio asso- ciou-se também a este momento departilha,numaatitude descon- traída de verdadeira confraterni- zação,quemuitonossensibilizou. A parte de tarde foi dedicada ao balanço do encontro e às informações,dadassobretudopela indefectívelfidelidadedaUrtélia, sobre a situação de outros membros,queseviramimpedidos de estar presentes, sobretudo por causadopeso dosseuslimites de saúde. As intervenções foram unâ- nimes em considerar que estes espaços são momentos defecun- didade,que poderão consolidara consciênciadepertençaaoMovi- mento e revigoraro nossodesejo de mútua ajuda e de correspon- sabilidadeno seio daIgreja. Manuel António Ribeiro (Associado Nº 42) OEncontronojornaldiocesanoNotíciasdaBeira - no número 4950, de 7 de Julho, na página 4, foi transcrito o convite para este Encontro dirigido aos possíveis participantes; - no número 4951, de 14 de Julho, na página 3, Diocese, sob o título “Encontro de Padres Dispensados”, apresentava-se o seu resumo. Os nossos agradecimentos.  fotode©AntónioRegadas fotode©AntónioRegadas
  • 8. Parece que está tudo na mesma, mas não está!... Como são diferentes os tempos de hoje (2016) e os que vivemos há 20, 30 ou mais anos. O tema "padres casados" é encarado de forma diferente. Não estamos sós nem isolados! A confirmá-lo, um e-mailque foi recebido na caixa do correio electrónico da Direcção da Fraternitas, no passado dia 22 de Março. Esta missiva gerou troca de correspondência electrónica en- tre mim, como membro da Direcção, e o autor da mensagem e do texto que a acompanhava, cuja identidade se ignora. Mas este facto (anonimato do autor) "TUDO COMO DANTES, QUARTEL-GENERAL EM ABRANTES"  De:mysteriumcrucis@hotmail.com Para:direcao.fraternitas@gmai.com Assunto: CartaAbertaao SantoPadree aoEpiscopadoCatólico 22deMarçode2016 CarosmembrosdaAssociação Fraternitas, Nãopossodeixardevostransmitiravós eàsvossasfamíliasumapalavramuito amigaecheiadeamizadenoSenhor MortoeRessuscitado.Quemvoses- creve, ésacerdotecatólicoaexercer funções. Opresentedocumentoquevoséenviado, foielaboradoapensaremvósenovosso combate.Permiti-medizerquevóséque soisautenticamentecorajosos.Sois-lo porque, sabendo de todas as conse- quênciasqueadviriamdavossaopção, fostes corajosos paramesmo assim, seguiremfrenteefazerperceberque maisfortedoquetudo,éoamorque sentis quer a Deus quer às vossas famílias. Um bem-haja pela vossa coragem. não retira, no meu entender, nenhum valor ao seu conteúdo. Para que os associados que não estiveram no Encontro de Fátima possam conhecer e aprofundar este assunto, transcrevo, a seguir, as principais peças da troca de mensagens havida. Quanto ao texto de que se fala ("Carta aberta ao Papa Francisco e ao Episcopado Católico"), basta que no-lo peçam e envia-lo-emos aos interessados. O custo é de 4,00€ (quatro euros) para pagamento de despesas de duplicação e envio do documento via CTT. Este tempo que se aproxima, de férias, de descontracção, pode ser uma boa oportunidade para reflectirmos um pouco mais sobre esta situação na Igreja que amamos: o vínculo criado entre a vocação ao ministério ordenado e o celibato, ou, dito de outra forma, a incompatibilidade entre a vocação ao matrimónio e a vocação ao presbiterado. O meu saudoso confrade e iminente moralista, Bernhard Häring, ainda acrescenta a questão da "exclu- sividade masculina" no serviço presbiteral. Veja-se, por exemplo, o texto daquele autor: "Vocações Ministeriais: prognósticos para o futuro" (in: https://docs.google.com/file/d/ 0Bz4WkxIIWaxDTHhJT3M4ODFWLVk/ edit). Omesmodocumentoquevoséenviado, seráexpedidoparaRoma.Alguémtem dedarumpassoemfrenteecombatera letargiaquesesenteanteapresentesitua- ção.Esta"CartaAberta"abordaaproble- máticadoCelibatosobdiversosprismas, entreeles,algunselementosdecarácter Teológico,SacramentaleMoralnovos, queatéagoranãoseviramserutilizados comoargumentaçãoparaapresentarno- vosrumosàIgrejasobreestetematão actual.Existemváriosantagonismos— comoireisperceber—emtodaasituação eaformacomofoiabordadaaolongo destestempos. Ledeodocumentocomatenção,creio quevaleráapena. Noentanto,peçoavossacolaboração paraoseguinte: a)Oraçãoparaqueodocumentopossa efectivamentechegaràsmãosdoSanto Padre; b)Compreendoquenãoqueiraisirpara a"frentedebatalha",comotal,pedimos apenasquenosajudeisnaretroversão dodocumentoparaoutraslínguasde formapara que possa chegaro mais possívelaosmembrosdoepiscopadodo mundointeiro,istoé,criaranecessidade delevarestetemaàmesadosprelados e,subsequentementedoSantoPadre. c)Quealgunspossamacrescentaroque foi otestemunho dasua cruz,do seu sofrimento.Aindaquesejamtestemunhos apresentadosdeformaanónima,serão importantes,paraque,efectivamenteo Santo Padre possa compreender o sofrimentohumanopordetrásdo"pedir dispensa". d)Creioqueteremos,destemodo,eainda duranteoPontificadodoPapaFrancisco, motivosparanãodeixarqueoassunto "morranapraia"esepossadebaterde formaséria,frontal e sem tabus esta questão,demodoaqueaIgreja—queé edeverásersempreMãe—possaolhar paraosofrimentodosseusfilhos. Aindaqueeunãomeidentifique,crede- -meunidoavós.SouSacerdoteCatólico comovósenadamedariamaisalegria queveralgunsdosseusmelhoresfilhos poderemdenovosubiraoaltar,coma 
  • 9. alegria renovada, para celebrar a Eucaristia. Peçonoentanto,sigilo,deformaaque nãopossahavercontratempos neste processo,peçomuitaoraçãoe,neste tempodaPaixãodoSenhorquecele- bremosoautênticoAmorDivinoqueo Senhortemportodosnós,Amoresseque setraduzdemuitasmaneirasemodos. QueDeusvosabençoe.  De:osoriocast@gmail.com Para:mysteriumcrucis@hotmail.com 24deMarçode2016 Boanoite,IrmãoPresbítero! Saúdeepaz! Nãopretendo(pelomenosporagorae enquantoonãoqueirarevelar)saberem concretocomquemestouadialogar.Mas omaisimportanteéasubstância,enão osacidentes... Estou a escrever-lhe porque, como membro da Fraternitas e da actual Direcção,tomeiconhecimentodotexto que nos enviou. Sou também o responsável pela edição do boletim Espiral. Parajá,apenasqueriasaberoseguinte: porquê só agora no-lo enviou, se o mesmodatadeJaneirode2015(dia13), istoé,passadomaisdeumano? Depois,comooconsiderosérioecom muita substância, entendo que o deveríamosdivulgarentreosAssociados da FRATERNITAS, mas, como também pedesigilo... Agradeçonoscomuniqueoquepreten- deeoquepodemosfazer. Embreve(de29deAbrila1deMaio) teremoso nossoEncontro Nacional (anual)emFátima.Poderiaserinteres- santequequisesseparticipar...Maslá iriaoseusigiloquantoàsuaidentidade... Ficoaaguardarnotíciassuas. Umgrandeefraternoabraço AlbertoOsório  De:mysteriumcrucis@hotmail.com Para:osoriocast@gmail.com 25deMarçode2016 BoasnoitescaroIrmãono Presbiterado, Em primeiro lugar peço sinceras desculpas,dadoolapsodetempoentrea datadescritanodocumentoeadatado envio.Defactoháumlapso.Existemno entanto,váriosfactores: a)Primeirocorrespondeaofactodeque foiessaaalturaemqueodocumento começouaserredigido.Eentretrabalhos pastoraise situações devida,houve algumasalturasemqueodocumento esteveemstand-byenãoavançou. b)Segundo,correspondetambémao tempodeoração.Estedocumentofoi muito"rezado",ponderadoereflectido. Surgiunumaalturaconturbadapara alguns sacerdotes da Diocesea que pertenço,eque,nasuasituação,come- ceiadebruçar-meseriamentesobreo tema.Entreessessacerdotes,estáomeu antigoPárocoquepediudispensaeque foidostaissacerdotesquenuncamais quissaberdaIgreja.Recentemente,sou- betambémdasituaçãodaqueleDiácono deVilaRealquepediudispensaedetudo oqueorapazsofreu.Foiissoqueme animouaavançar. c)Terceiro,osigiloprende-secomofacto dasrepercussõesquepossamsurgira nívelde"FraternidadeSacerdotal"na minhaDiocese.ExistemSacerdotesque até pensam um pouco como eu mas preferemmanter-secalados.Noentanto, osentidodosigiloprende-secomofacto detambém—econfesso—salvaguar- dar-meumpouco.Oobjectivoeraque conjugássemosomaiornúmeroneces- sáriode Presbíteros— sejados que pediramdispensasejadosqueainda exercemfunções—paralevarmos,por umlado,oEpiscopadoareflectirepor outro,oSantoPadre—queestáaberto aodiálogosobreotema—anãodeixar cairomesmotemanoesquecimento. Nestaaltura,entreossacerdotesque subscrevessem,euestarialá,comoum irmãoentreirmãosquesou,dandoapoio naquilo que fosse possível e que a HumanaFragilitaspermita.Comoé deixadotransparecernodocumento, pretende-se que este seja um grito comumenãoapenasmeu. d)Peçodesculpaspeloavançadodahora naminharesposta,masaadoraçãoao SantíssimonaminhaParóquiaterminou hábocado.MissadaCeiadoSenhorea seguir os diversos movimentos da Paróquiativeramumtempodeadoração. e) O sigilo não se prendequanto ao documentoemsi,masoanonimato(pelo menos por agora) quanto a quem o escreveu.Édifícilparamim,enquanto Padrenovoeabalbuciarosprimeiros passosnoMinistério,conseguirassumir decarascomaquestão.Porisso,esa- bendoqueodocumentoreflectemesmo aquiloqueoutrosnãotêmacoragemnem depôrno papel,mas quepensam da mesmaforma,acabaporserummote, ummotordearranqueparaqueaquestão sejalevadaparaamesmaereflectida porquemdedireito.Porisso,daminha parte,teriatodoogostoqueodocumento pudesseserpublicadonasuatotalidade ou em parte, como vos aprouver da melhorformaenissodeixoamaiordas liberdades. f)QuantoaoencontroemFátima,teria todoogostodeestarpresente,mas—e creia-mequeassimé,carocolega—os trabalhospastoraisnãomepermitirão estarpresente.Noentanto,nãoinvalida queumdia,nãopossamo-nosencontrar falandopessoalmente.Mascomodisse, nessaalturado"campeonato"écompli- cado,poisnãotenhoquemmesubstitua. g)Umdia,umsacerdotegreco-católico veiocelebrarumcasamentoemlíngua inglesanaminhaparóquia.Eucumpri- mentei-oapresentando-mecomoPároco. Elevinhaacompanhadodeumasenhora. Vinhaidentificadocomclergyman.Ele disse-me:"Olá,eusouoPadreN.evenho celebrarocasamento deN.eN." Eu disse-lhe:"Olá,eusouoPadreN.esouo Párocodaqui."Depoiseledisse-me: (conclui na pág. 3)
  • 10. Eu posso dizer que os meus três filhos e todas as outras crianças viram um filme pela primeira vez nas suas vidas mostrado pelo nosso padre, na sacristia da Igreja Paroquial, no fimdacatequesesemanal.Istoera um luxo,não paratodas as crian- ças desse tempo, mas, para os meninos de cá. Outro miminho para as nossas crianças, propor- cionado por ele, foram as excur- sões. Isso era algo que assustava algunspais(deixaremascrianças viajarem sozinhas) sem as suas companhias,masojeitodopadre Fernando para convencer os pais mais medrosos surtia os seus efeitos eentãoasnossas crianças tinhamumdiadiferenteviajando numautocarroondemuitosnunca se tinham sentado. Convidou depois os miúdos e miúdas para formaremumgrupodeescuteiros e tudo estava a correr muito bem até ao dia em que os pais foram chamados a comprarem as respectivas fardas e então como eram já bastante dispendiosas para as posses da maioria dos pais,acabouassimesseseusonho que tinha tudo para dar certo - eramossinaisdostemposdifíceis quese viviam então. Quandosoubequetinhahavido uma Banda em Vila Nova do Ceiraenãoseiporquerazãotinha "morrido"háalguns anos, tentou e conseguiu ressuscitá-la e então foiummovimentoacarinhadopor muitosetrabalhadoporalgunsque em pouco tempo conseguiram fazeroprimeiroconcertonoAdro e com essa linda apresentação aí começou um novo ciclo de vida danossaBandaqueaindamexee movimenta muitas crianças, jovense menos jovens levando o bomnomedanossaterraporesse país fora e também fora do país. E o nosso Adro? A sala de visitas de que devemos ter muito orgulho, foi beneficiado coma força e boa vontade em alindar esse espaço e ao ser empedrado, arborizado, com bancos estrate- gicamente posicionados, lá está como marca desse senhor que muitotrabalhouparaqueestater- ra, que nem era a sua, ficasse maisacolhedora. Aoconhecerocaminhopedo- nalparaSaçõeseaocimodasbar- reirasnãohavendoproteçãoalgu- ma,tornavaocaminhomuitoperi- goso, conseguiu que em poucos diasfosse colocadauma vedação em madeira e assim tornar mais segura a passagem por ali, único caminho nesse recuado tempo. E deixei para o fim o jornal O VARZEENSE.Todosconhecemoseu nascimento,sonho tornado reali- dade por trabalho e persistência donossoentãopároco.Sonhoque até hoje continua a levar notícias do nosso concelho notícias do nosso concelho por esse mundo fora. ABanda,OVARZEENSE,oAdro e tudo o que descrevi e algumas coisasquenãomelembrei,perpe- tuamnamemóriadosVarzeenses esse grande homem que caiu en- tre nós e de nós fez parte importante. Ele foi um elo nesta engrenagem e nunca deverá ser esquecido. (…) NOTA: O Fernando foi um dos convidadosdehonradoJantarque assinalouos50 anos destejornal, em Março de 2013,na sequência daatribuiçãodaMedalhadeOuro do Município de Góis ao Jornal (deliberaçãoporunanimidade). IV Eagora,manoFernandoRibeiro, quese PASSOU… Agora,sirvo-medassuaspalavras exaradas neste seu (vosso) mais querido Jornal, em Janeiro de 1998, num artigo sobre o passamento de um amigo vosso (Dionísio Antunes Fernandes) a que intitulou "Voltou à terra que lhe serviu de berço", porque este últimoparágrafoassenta-lhe"que nemumaluva": Bem merece um epitáfio que sintetizeovalordedonspessoais que o guindaram e fizeram dele sempre um Homem (…). Ámen! Agora?!... Que o Senhor o tenha em Sua glória! Coimbra, 14 de Julho de 2016 Urtélia Silva (Associada Nº 70) Vidas da VIDA (conclusão da pág. 11) (conclusão da pág. 12) hospitais,àsvezesosdoisaomes- motempo.Esabemosigualmente que tudo isso acontece devido às limitaçõesdecorrentesdafinitude da naturezahumana.No entanto, aceitar isso mesmo com toda a naturalidade supõe uma fé esclarecida. Neste contexto, é possível aceitar em paz a dor causada pela separação daquela pessoaquefoianossacompanhia completiva. João Simão Azurva,Aveiro (Associado Nº 3) O MEU TESTEMUNHO  
  • 11. (conclui na pág. 10) Vamos até ao Alto de Santa Clara, em Coimbra, à residência do Fernando e da Maria Natália. O Fernando foi um grande artista da tela e da palavra... Os quadros porsipintados aóleoe a aguarela são muitos.Apintura a óleonãofoimaisintensivadevido a problemas de alergias com as tintas.Masaobralavradanopapel nãoémenosconsiderável—poe- mas e mais poemas de muitos anos a colegas, a alunos, a ami- gos, ao ambiente, a vivências do quotidiano,predominandocontudo as quadras soltas à sua "Talita" (que deixava à mesa, à beira dos pratos,quandoohoráriodasaulas nãopermitiacomeremjuntos),ar- tigos para o seu Jornal O VAR- ZEENSE, etc, etc. Dos quadrosnãopossodeixar registo.Detendo-mecomdossiês seusenummarimensodepapéis, selecioneiapenas algunspoemas eapontamentos,e,finalmente,do arquivo póstumo da MariaNatá- Vidas da VIDA de Fernando Ribeiro lia, a quem muito agradeço, dois artigos doseu querido Jornal. I UmaquadranaqualidadedePro- fessor, de Maria de Fátima M. Santos(8ºB),16-11-1982. Quandoháamigos, hálealdade. PeloProfessordePortuguês, temosmuitaAmizade. II Quadras à "Talita" em dias diferentes: Eufaço ascoisastodas Mesmo que tunão me peças. Assim,já não teincomodas: Mudeiáguasàs"cabeças"(*). (*) - de bacalhau Tudo eu gostodefazer: — Se há coisa que me console Équandopensocomer Ir à "Zé"comprar pão mole. Paraolanchedamenina, Um petiscosem igual: Laranjadecascafina EbolosdoLouriçal. III FernandoR.Ribeirona imprensa regionalista- O VARZEENSE,Junhode2016 O VARZEENSE é um quinzenário católicoregionalistadeVilaNova do Ceira, concelho de Góis, distritodeCoimbra. Eis alguns excertos de artigos aí publicados. Dia 15dejunho,pg.1: Faleceu o Fundador d´ O VARZEENSE": […] Fernando R. Ribeiro foi pároco em Vila Nova do Ceira, nasdécadas de 60 e 70eainda no iníciodos anos80,localonde era estimado e querido dapopulação que ainda hoje o recorda com muito carinho, tanto pela obra deixada como pela sua inefável personalidade.FundouoJornalO VARZEENSE em março de 1963, mantendoocargodediretordeste regionalaté setembro de 1983. (…) Foram muitos os que integraram as cerimónias de "despedida"emanifestaramoseu carinho,amizadeesolidariedade. Dia 30dejunho,pg.6: "CoisaseLoisas deVilaNovado Ceira",porMaria da Graça: […]OprofessorFernando,na sua passagem por Vila Nova do Ceira, para onde veio em 1962 para nos paroquiar cheio de sonhos, além do ministério que lhefoiconfiado,começouatentar perceberoqueseriapossívelfazer porestaterraquesendopobremais o era nessa época. Viajávamos de carro com um padre. Numa localidade ele entrou numa curva completamente fora de mão e foi imediatamente mandado parar por uma brigada de trânsito. — O senhor reparou que fez a curva toda fora de mão? — inquiriu um agente. — Distraí-me a olhar para os senhores, peço desculpa — justificou-se o padre. — Bom, então nós perdoamos a multa e o senhor padre perdoa- -nos os nossos pecados — propôs o agente. — Está bem — concordou o padre. Mas os senhores ficam a ganhar, pois a multa é só uma e os vossos pecados são muitos! (texto de um amigo sobre um episódio enquanto Pároco)
  • 12. Rua Dr. Sá Carneiro, 182 - 1º Dtº 3700-254 S. JOÃO DA MADEIRA e-mail: espiral.fraternitas@gmail.com boletim de f r a t e r n i t a s m o v i m e n t o Responsável: Alberto Osório deCastro Nº 59 - Julho/Setembro de 2016 (conclui na pág. 10) In Memoriam... FERNANDO RODRIGUES 1927 - 2016 7 de Junho RIBEIRO O Fernando foi meu condiscípulo nos SemináriosdeCoimbra. Encontrámo-nos, pela primeira vez, no SemináriodaFigueiradaFoz,emOutubrode1940. Ele provinha da região sudeste da diocese de Coimbra,enquantoeusouoriundodaregiãonoroeste damesmadiocese.Eletinhaumfeitioextrovertido, brincalhão, bem em contraste com o meu, que é poucocomunicativo,sossegado.Talvezporissonos tenhamos entendidosempre bem. Eletinhaumacapacidadenotávelparadetectar oridículodassituações,oquelheconferiaoestatuto de facilmente resolver os problemas complicados que sempre aparecem quando se lida com os paroquianos. Do que eu percebi da sua actuação como pároco, ele era muito afável, mas firme e rigoroso. Sabia rir, mas sabia também manter respeito. Perdi-o de vista quando ingressei na Universidade de Coimbra para o domínio das CiênciasQuímicas,umaactividademuitoexigente. Encontrámo-nos mais tarde, já no decorrer dos trabalhos conducentes à fundação da nossa Associação Fraternitas Movimento, quando ele apareceu já casado com a Natália. A partir daí mantivemossempreo contacto.Todasasvezes que passávamos por Coimbra íamos estar com eles na sua casa de Santa Clara. Também eles eram presençafrequentenasreuniõesdanossaFraternitas. O Fernando tinha um dom especial para lidar com situações sérias e difíceis fazendo salientar o lado cómico das circunstâncias, o que desarmava os outros. No entanto, o que devia ser, tinha de o ser. Quando nos encontrávamos, ele costumava dizer: "Assim vive o lisonjeiro à custa de quem o atende". Lembras-te? Claro que me lembrava: referia-se a um episódio que ocorreu no seminário daFigueiradaFoz,logonoprimeiroano.Malsoava acampainhaparaorecreiotodaamaltasaíaacorrer para os baloiços. Quando uma vez o Fernando se atrasou,aochegarjánãotinhabaloiço.Entãoolhou para longe e diz-me: Ó Simão, estão a chamar por ti acolá ao pé do portão. Desci rápido e fui lá ver, mas não havia lá ninguém. Quando voltei estava ele muito divertido no baloiço. Então saiu-me da bocaaquelafrase,dafábula"OCorvoea Raposa", que tínhamos acabado de analisar na aula de Português. Mencionoestahistóriabanal,semqualquerin- teresse, apenas para salientar que somos todos diferentes na apreciação que fazemos dos factos concretos do dia-a-dia e na forma como a eles reagirmos. É por isso que a colaboração de cada um de nós para a concretização de um projecto comum éabsolutamente essencial,porque éúnica. Sem ela, alguma coisa iria faltar. As crises por que passam as instituições e as pessoasdevemsempreserlidascomoumconvitea que nelas vejamos oportunidades, a não desaproveitar,parairmoslendoasformascorrectas de purificação e de um crescimento sólido. Não posso deixar de ter uma palavra especial para a Natália, a esposa do Fernando. Eles formavam um casal amoroso. Notava-se bem quando convivíamos com eles. Lá na casa deles criava-se sempre um ambiente tão agradável que nem dávamos conta de que o tempo passava. Naturalmentetambémhouve doenças, internamentos em O MEU TESTEMUNHO