SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 21
REGA POR
ASPERSÃO
REGA POR ASPERSÃO
A rega por aspersão é um processo pelo qual a água é
distribuída às plantas por meio de tubagem sobre pressão,
fazendo-se normalmente a aplicação por pulverização dessa
mesma água em pequenas gotículas à saída das mesmas
através de emissores (aspersores).
REGA POR ASPERSÃO
História
A aspersão em agricultura desenvolveu-se lentamente, para pomares,
viveiros e horticultura intensiva.
• Nos anos 30 aparecem os aspersores de impacto e os tubos em aço leve
• Nos anos 50 surgiram novos aspersores, tubos de alumínio e sistemas
de bombagem eficiente.
• Nos anos 60 aparecem as rampas pivotantes ou sistemas pivot
Os sistemas de rega por aspersão podem ser divididos em
sistemas estacionários ou sistemas móveis.
Sistemas de rega
por aspersão
Canhão de rega
Rampa pivotante
Rampa de deslocamento frontal
Fixos
Estacionários
Semi-Fixos
Móveis
Sistemas de
rega por
aspersão
Sistemas de rega por aspersão estacionários fixos
Diferentes sistemas de rega por aspersão
Sistemas de rega por aspersão estacionários semi-fixos
Diferentes sistemas de rega por aspersão
Sistemas de rega por aspersão móveis. Canhão de rega
Diferentes sistemas de rega por aspersão
Sistemas de rega por aspersão móveis.
Rampas pivotantes
Diferentes sistemas de rega por aspersão
Adaptabilidade da rega
por aspersão
A rega por aspersão é apropriada para a maior parte das culturas e é
adaptável a quase todos os solos regáveis.
Vantagens em relação à rega por gravidade:
a) Adaptabilidade: caudais pequenos mas contínuos, solos de textura
ligeira e perfis não uniformes, terrenos ondulados;
b) Poupança de mão de obra;
c) Usos especiais, tais como humificação do ambiente, proteção
contra geadas, rega de complemento, ajuda a germinação;
d) Economia da água, quando o sistema é bem escolhido para a cultura,
o solo, o terreno, e esteja bem dimensionado.
Adaptabilidade da rega
por aspersão
Apresenta desvantagens e limitações:
a) Custos elevados, seja de investimento comparando com sistemas de
rega por superfície, seja de exploração;
b) Limitações relativas à distribuição da água, necessidade de
construção de reservatórios de água;
c) Limitações em relação a qualidade da água, aguas salinas pode
diminuir a produção;
d) Limitações ambientais, em ambientes de baixa humidade relativa e
vento forte apresenta elevadas perdas;
e) Limitações quando ao dimensionamento, terreno muito irregulares;
f) Problemas de salinidade.
Componentes básicos dos sistemas de rega por aspersão
Existem muitos tipos de rega por aspersão em função das características de
solo e de culturas. No entanto, todos os sistemas têm em comum os
seguintes componentes básicos:
i) Bomba, acionada por um motor de combustão ou elétrico, necessária
para elevar a água da sua origem ao reservatório;
ii) Conduta principal, é um tubo que conduz a água da bomba, às
condutas secundárias ou directamente às rampas;
iii) Rampas,transportar água desde a conduta principal até aos aspersores;
iv) Aspersores, equipamentos que aplicam água sobre o solo e à cultura
em pequenas gotas.
Bomba
São máquinas hidráulicas, que transformam a energia de um sistema
mecânico em hidráulica. Fornece a energia necessária, para que a água
saia nos aspersores com a pressão desejada.
É acionada por um motor de combustão ou eléctrico.
Condutas e rampas
A tubagem, é o conjunto dos tubos que constituem o sistema de rega. Tem
como função a condução da água desde a sua origem até aos emissores.
Os materiais utilizados são:
• Alumínio;
• Betão;
• Ferro;
• Policloreto de vinilo (PVC);
• Polietileno (PE).
Da análise dimensional pode deduzir-se que os escoamentos em pressão
em condutas circulares, rectilíneas, são regidas por uma equação do tipo:
Perdas de carga continuas
L = comprimento
D = diâmetro
V = velocidade média do escoamento
factor de resistência, que depende do número de Reynolds (Re ) e
da rugosidade ( )
 é um parâmetro que depende da aspereza do material que constitui as
paredes do tubo (resistência ao escoamento) e denomina-se rugosidade
absoluta, determinada em base a experimentação
Condutas e rampas
Condutas e rampas
Regime laminar
Sempre que as asperezas da parede são menores que a espessurado
filme laminar, a natureza das paredes não influi na turbulência e diz-se
que o escoamento se dá em tubo liso, isto é, um tubo em que o fator
de resistência, depende apenas do número de Reynolds.
Condutas e rampas
• acentuando a turbulência e aumentando a perda de energia.
Considera-se então
Regime turbulento rugoso
• que o escoamento se dá em tubo rugoso.
Regime turbulento
Quando as asperezas da parede, entram na zona turbulenta do
movimento
Condutas e rampas
Regime turbulento
As fórmulas empíricas, foram estabelecidas para condições específicas
de experimentação e só devem ser aplicadas no mesmo contexto
Aspersores
Equipamento que aplica água sobre o solo. A parte mais importante do
sistema de rega por aspersão determinando a uniformidade e eficiência.
Diferenciam-se:
de impato ou rotativos: de spray:
Aspersores
Cada aspersores é caracterizado por:
• Pressão de funcionamento
• Caudal
• Diâmetro do círculo molhado (Dw) ou alcance (Rw)
Cada aspersor pode ser utilizado para diferentes
combinações de P – q. Os catalogos indicam as
melhores combinações de P –q- dw
q  K Hx
CURVA DE VAZÃO DO ASPERSOR
Alcance é a distância entre o
aspersor e a circunferência
exterior do circulo molhado
Aspersores
Taxa de aplicação ou pluviometría do aspersor
Efeito da pressão da água no padrão de humedecimento:
Pressão demasiado alta: Elevado número de gotas de
pequeno tamanho que provoca uma diminuição do a
alcance.
Aspersores
Pressão correcta
Pressão demasiado baixa: O jato de água à saída do
aspersor não se fraciona, e como tal, a produção de gotas de
maior diâmetro, é muito superior às de pequenodiâmetro.
Aspersores
Pluviometria horária
É a quantidade de água que os aspersores fornecem por unidade
de tempo (mm h-1). Principal condicionante na escolha do
aspersor.
Depende de:
 Características de infiltração do solo;
 Declive do terreno;
 Características do coberto vegetal;
 Espaçamento e disposição dos aspersores;
Os valores de espaçamento fornecidos pelos catálogos nunca
consideram o efeito do vento e da evaporação

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Diâmetro econômico da tubulação para irrigação
Diâmetro econômico da tubulação para irrigaçãoDiâmetro econômico da tubulação para irrigação
Diâmetro econômico da tubulação para irrigaçãoJoão Aureliano C. Silva
 
Cap6 adutoras
Cap6 adutorasCap6 adutoras
Cap6 adutorasdcaldeira
 

Mais procurados (20)

II.4.3
II.4.3II.4.3
II.4.3
 
09 11 2021 auditoria da rega localizada
09 11 2021 auditoria da rega localizada09 11 2021 auditoria da rega localizada
09 11 2021 auditoria da rega localizada
 
bombom
bombombombom
bombom
 
folhagem
folhagemfolhagem
folhagem
 
localizada
localizadalocalizada
localizada
 
Ii.2 técnicas de medicao do caudal e volume
Ii.2 técnicas de medicao do caudal e volumeIi.2 técnicas de medicao do caudal e volume
Ii.2 técnicas de medicao do caudal e volume
 
classes
classesclasses
classes
 
localizada
localizadalocalizada
localizada
 
avaliacaoii
avaliacaoiiavaliacaoii
avaliacaoii
 
3 curvas de rendimento de grupos de bombagem 2021
3   curvas de rendimento de grupos de bombagem 20213   curvas de rendimento de grupos de bombagem 2021
3 curvas de rendimento de grupos de bombagem 2021
 
Adutoras
AdutorasAdutoras
Adutoras
 
4 seleção de bombas e defeitos 2021
4   seleção de bombas e defeitos 20214   seleção de bombas e defeitos 2021
4 seleção de bombas e defeitos 2021
 
filtracao
filtracaofiltracao
filtracao
 
II.4.1
II.4.1II.4.1
II.4.1
 
II.4.4
II.4.4 II.4.4
II.4.4
 
Captação e Adutoras
Captação e AdutorasCaptação e Adutoras
Captação e Adutoras
 
Diâmetro econômico da tubulação para irrigação
Diâmetro econômico da tubulação para irrigaçãoDiâmetro econômico da tubulação para irrigação
Diâmetro econômico da tubulação para irrigação
 
Metodologia avaliacao de rega de pivot 2021-10
Metodologia avaliacao de rega de pivot  2021-10Metodologia avaliacao de rega de pivot  2021-10
Metodologia avaliacao de rega de pivot 2021-10
 
filtracao
filtracaofiltracao
filtracao
 
Cap6 adutoras
Cap6 adutorasCap6 adutoras
Cap6 adutoras
 

Semelhante a erva

Abastecimento de água Eberson.pptx
Abastecimento de água Eberson.pptxAbastecimento de água Eberson.pptx
Abastecimento de água Eberson.pptxFernandoBonifcio3
 
Trabalho de Sistema de Abastecimento de Água
Trabalho de Sistema de Abastecimento de ÁguaTrabalho de Sistema de Abastecimento de Água
Trabalho de Sistema de Abastecimento de ÁguaGabriela Almeida
 
Manual de esgotamento sanitário
Manual de esgotamento sanitárioManual de esgotamento sanitário
Manual de esgotamento sanitárioRafael Zivickovict
 
Drenagem Urbana 01_85.pdf
Drenagem Urbana 01_85.pdfDrenagem Urbana 01_85.pdf
Drenagem Urbana 01_85.pdfMariaPenido4
 
formaodesistemasderega-120926173106-phpapp02 (2018_08_06 12_40_28 UTC).ppt
formaodesistemasderega-120926173106-phpapp02 (2018_08_06 12_40_28 UTC).pptformaodesistemasderega-120926173106-phpapp02 (2018_08_06 12_40_28 UTC).ppt
formaodesistemasderega-120926173106-phpapp02 (2018_08_06 12_40_28 UTC).pptJosDuartePetit
 
Aula 4 - Sistemas de Esgotamento Sanitário - Parte 2.pdf
Aula 4 - Sistemas de Esgotamento Sanitário - Parte 2.pdfAula 4 - Sistemas de Esgotamento Sanitário - Parte 2.pdf
Aula 4 - Sistemas de Esgotamento Sanitário - Parte 2.pdfMuriloJacob2
 
Esgotos pluv
Esgotos pluvEsgotos pluv
Esgotos pluvmsguimas
 
Rede coletora de esgoto: Conceitos e Dimensionamento
Rede coletora de esgoto: Conceitos e DimensionamentoRede coletora de esgoto: Conceitos e Dimensionamento
Rede coletora de esgoto: Conceitos e DimensionamentoMateus Dezotti
 
Apresentacao FIDirrigação e drenagem 2.pdf
Apresentacao FIDirrigação e drenagem 2.pdfApresentacao FIDirrigação e drenagem 2.pdf
Apresentacao FIDirrigação e drenagem 2.pdfCRISTIANNE BURGO MORAES
 
Aspersores tipos e_classificacao
Aspersores tipos e_classificacaoAspersores tipos e_classificacao
Aspersores tipos e_classificacaorelopes10
 

Semelhante a erva (20)

Encanador
EncanadorEncanador
Encanador
 
Aula de Irrigacao 3 - 4 Bimestre
Aula de Irrigacao 3 - 4 BimestreAula de Irrigacao 3 - 4 Bimestre
Aula de Irrigacao 3 - 4 Bimestre
 
Abastecimento de água Eberson.pptx
Abastecimento de água Eberson.pptxAbastecimento de água Eberson.pptx
Abastecimento de água Eberson.pptx
 
Trabalho de Sistema de Abastecimento de Água
Trabalho de Sistema de Abastecimento de ÁguaTrabalho de Sistema de Abastecimento de Água
Trabalho de Sistema de Abastecimento de Água
 
Manual de esgotamento sanitário
Manual de esgotamento sanitárioManual de esgotamento sanitário
Manual de esgotamento sanitário
 
Drenagem Urbana 01_85.pdf
Drenagem Urbana 01_85.pdfDrenagem Urbana 01_85.pdf
Drenagem Urbana 01_85.pdf
 
Drenagem urbana
Drenagem urbanaDrenagem urbana
Drenagem urbana
 
formaodesistemasderega-120926173106-phpapp02 (2018_08_06 12_40_28 UTC).ppt
formaodesistemasderega-120926173106-phpapp02 (2018_08_06 12_40_28 UTC).pptformaodesistemasderega-120926173106-phpapp02 (2018_08_06 12_40_28 UTC).ppt
formaodesistemasderega-120926173106-phpapp02 (2018_08_06 12_40_28 UTC).ppt
 
Aula 4 - Sistemas de Esgotamento Sanitário - Parte 2.pdf
Aula 4 - Sistemas de Esgotamento Sanitário - Parte 2.pdfAula 4 - Sistemas de Esgotamento Sanitário - Parte 2.pdf
Aula 4 - Sistemas de Esgotamento Sanitário - Parte 2.pdf
 
Esgotos pluv
Esgotos pluvEsgotos pluv
Esgotos pluv
 
Irrigacao paisagismo
Irrigacao paisagismoIrrigacao paisagismo
Irrigacao paisagismo
 
Rede coletora de esgoto: Conceitos e Dimensionamento
Rede coletora de esgoto: Conceitos e DimensionamentoRede coletora de esgoto: Conceitos e Dimensionamento
Rede coletora de esgoto: Conceitos e Dimensionamento
 
Aspersores1
Aspersores1Aspersores1
Aspersores1
 
Apresentacao FIDirrigação e drenagem 2.pdf
Apresentacao FIDirrigação e drenagem 2.pdfApresentacao FIDirrigação e drenagem 2.pdf
Apresentacao FIDirrigação e drenagem 2.pdf
 
Tema II.pptx
Tema II.pptxTema II.pptx
Tema II.pptx
 
Taa 2
Taa 2Taa 2
Taa 2
 
Pronatec aula 3
Pronatec aula 3Pronatec aula 3
Pronatec aula 3
 
Taa 6
Taa 6Taa 6
Taa 6
 
Hidrometria
HidrometriaHidrometria
Hidrometria
 
Aspersores tipos e_classificacao
Aspersores tipos e_classificacaoAspersores tipos e_classificacao
Aspersores tipos e_classificacao
 

Mais de Consultua Ensino e Formação Profissional, Lda

Mais de Consultua Ensino e Formação Profissional, Lda (18)

Mviii cots intervenção tecnico-pedagógica do formador
Mviii cots intervenção tecnico-pedagógica do formadorMviii cots intervenção tecnico-pedagógica do formador
Mviii cots intervenção tecnico-pedagógica do formador
 
Mviii cots intervenção tecnico-pedagógica do formador
Mviii cots intervenção tecnico-pedagógica do formadorMviii cots intervenção tecnico-pedagógica do formador
Mviii cots intervenção tecnico-pedagógica do formador
 
4 produtos fitofarmaceuticos
4 produtos fitofarmaceuticos4 produtos fitofarmaceuticos
4 produtos fitofarmaceuticos
 
Introd
IntrodIntrod
Introd
 
Modulo i pf
Modulo i  pfModulo i  pf
Modulo i pf
 
Manual acolhimento
Manual acolhimentoManual acolhimento
Manual acolhimento
 
Ii.4
Ii.4Ii.4
Ii.4
 
Ii.3
Ii.3Ii.3
Ii.3
 
Mi 4 parte ii_01-mpb-2021
Mi 4 parte ii_01-mpb-2021Mi 4 parte ii_01-mpb-2021
Mi 4 parte ii_01-mpb-2021
 
apresentacao_curso_MPB_FNF
apresentacao_curso_MPB_FNFapresentacao_curso_MPB_FNF
apresentacao_curso_MPB_FNF
 
Manual acolhimento
Manual acolhimentoManual acolhimento
Manual acolhimento
 
Metodologia avaliacao de rega de aspersão 2021-11
Metodologia avaliacao de rega de aspersão   2021-11Metodologia avaliacao de rega de aspersão   2021-11
Metodologia avaliacao de rega de aspersão 2021-11
 
09 11 2021 auditoria da rega localizada
09 11 2021 auditoria da rega localizada09 11 2021 auditoria da rega localizada
09 11 2021 auditoria da rega localizada
 
Ii.3 tecnicas de medicao de pressao apresentação 2021
Ii.3 tecnicas de medicao de pressao apresentação 2021Ii.3 tecnicas de medicao de pressao apresentação 2021
Ii.3 tecnicas de medicao de pressao apresentação 2021
 
Avaliação da rega localizada
Avaliação da rega localizadaAvaliação da rega localizada
Avaliação da rega localizada
 
Grupos de bombagens 2021
Grupos de bombagens 2021Grupos de bombagens 2021
Grupos de bombagens 2021
 
Apresentacao curso mpb_poise
Apresentacao curso mpb_poiseApresentacao curso mpb_poise
Apresentacao curso mpb_poise
 
Mod vi fitofarmalogogia
Mod vi fitofarmalogogiaMod vi fitofarmalogogia
Mod vi fitofarmalogogia
 

Último

5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptxnelsontobontrujillo
 
Teatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioTeatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioWyngDaFelyzitahLamba
 
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da provaESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da provaANNAPAULAAIRESDESOUZ
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresAna Isabel Correia
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxCarolineWaitman
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...LuizHenriquedeAlmeid6
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024azulassessoria9
 
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfMissa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfFbioFerreira207918
 
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!Centro Jacques Delors
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Centro Jacques Delors
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...Eró Cunha
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024azulassessoria9
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfprofesfrancleite
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...WelitaDiaz1
 
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaApresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaCentro Jacques Delors
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfManuais Formação
 
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptxRENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptxAntonioVieira539017
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfGisellySobral
 

Último (20)

5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
Teatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioTeatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundario
 
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da provaESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
 
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfMissa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
 
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
 
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaApresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptxRENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 

erva

  • 2. REGA POR ASPERSÃO A rega por aspersão é um processo pelo qual a água é distribuída às plantas por meio de tubagem sobre pressão, fazendo-se normalmente a aplicação por pulverização dessa mesma água em pequenas gotículas à saída das mesmas através de emissores (aspersores).
  • 3. REGA POR ASPERSÃO História A aspersão em agricultura desenvolveu-se lentamente, para pomares, viveiros e horticultura intensiva. • Nos anos 30 aparecem os aspersores de impacto e os tubos em aço leve • Nos anos 50 surgiram novos aspersores, tubos de alumínio e sistemas de bombagem eficiente. • Nos anos 60 aparecem as rampas pivotantes ou sistemas pivot Os sistemas de rega por aspersão podem ser divididos em sistemas estacionários ou sistemas móveis.
  • 4. Sistemas de rega por aspersão Canhão de rega Rampa pivotante Rampa de deslocamento frontal Fixos Estacionários Semi-Fixos Móveis Sistemas de rega por aspersão
  • 5. Sistemas de rega por aspersão estacionários fixos Diferentes sistemas de rega por aspersão
  • 6. Sistemas de rega por aspersão estacionários semi-fixos Diferentes sistemas de rega por aspersão
  • 7. Sistemas de rega por aspersão móveis. Canhão de rega Diferentes sistemas de rega por aspersão
  • 8. Sistemas de rega por aspersão móveis. Rampas pivotantes Diferentes sistemas de rega por aspersão
  • 9. Adaptabilidade da rega por aspersão A rega por aspersão é apropriada para a maior parte das culturas e é adaptável a quase todos os solos regáveis. Vantagens em relação à rega por gravidade: a) Adaptabilidade: caudais pequenos mas contínuos, solos de textura ligeira e perfis não uniformes, terrenos ondulados; b) Poupança de mão de obra; c) Usos especiais, tais como humificação do ambiente, proteção contra geadas, rega de complemento, ajuda a germinação; d) Economia da água, quando o sistema é bem escolhido para a cultura, o solo, o terreno, e esteja bem dimensionado.
  • 10. Adaptabilidade da rega por aspersão Apresenta desvantagens e limitações: a) Custos elevados, seja de investimento comparando com sistemas de rega por superfície, seja de exploração; b) Limitações relativas à distribuição da água, necessidade de construção de reservatórios de água; c) Limitações em relação a qualidade da água, aguas salinas pode diminuir a produção; d) Limitações ambientais, em ambientes de baixa humidade relativa e vento forte apresenta elevadas perdas; e) Limitações quando ao dimensionamento, terreno muito irregulares; f) Problemas de salinidade.
  • 11. Componentes básicos dos sistemas de rega por aspersão Existem muitos tipos de rega por aspersão em função das características de solo e de culturas. No entanto, todos os sistemas têm em comum os seguintes componentes básicos: i) Bomba, acionada por um motor de combustão ou elétrico, necessária para elevar a água da sua origem ao reservatório; ii) Conduta principal, é um tubo que conduz a água da bomba, às condutas secundárias ou directamente às rampas; iii) Rampas,transportar água desde a conduta principal até aos aspersores; iv) Aspersores, equipamentos que aplicam água sobre o solo e à cultura em pequenas gotas.
  • 12. Bomba São máquinas hidráulicas, que transformam a energia de um sistema mecânico em hidráulica. Fornece a energia necessária, para que a água saia nos aspersores com a pressão desejada. É acionada por um motor de combustão ou eléctrico. Condutas e rampas A tubagem, é o conjunto dos tubos que constituem o sistema de rega. Tem como função a condução da água desde a sua origem até aos emissores. Os materiais utilizados são: • Alumínio; • Betão; • Ferro; • Policloreto de vinilo (PVC); • Polietileno (PE).
  • 13. Da análise dimensional pode deduzir-se que os escoamentos em pressão em condutas circulares, rectilíneas, são regidas por uma equação do tipo: Perdas de carga continuas L = comprimento D = diâmetro V = velocidade média do escoamento factor de resistência, que depende do número de Reynolds (Re ) e da rugosidade ( )  é um parâmetro que depende da aspereza do material que constitui as paredes do tubo (resistência ao escoamento) e denomina-se rugosidade absoluta, determinada em base a experimentação Condutas e rampas
  • 14. Condutas e rampas Regime laminar Sempre que as asperezas da parede são menores que a espessurado filme laminar, a natureza das paredes não influi na turbulência e diz-se que o escoamento se dá em tubo liso, isto é, um tubo em que o fator de resistência, depende apenas do número de Reynolds.
  • 15. Condutas e rampas • acentuando a turbulência e aumentando a perda de energia. Considera-se então Regime turbulento rugoso • que o escoamento se dá em tubo rugoso. Regime turbulento Quando as asperezas da parede, entram na zona turbulenta do movimento
  • 16. Condutas e rampas Regime turbulento As fórmulas empíricas, foram estabelecidas para condições específicas de experimentação e só devem ser aplicadas no mesmo contexto
  • 17. Aspersores Equipamento que aplica água sobre o solo. A parte mais importante do sistema de rega por aspersão determinando a uniformidade e eficiência. Diferenciam-se: de impato ou rotativos: de spray:
  • 18. Aspersores Cada aspersores é caracterizado por: • Pressão de funcionamento • Caudal • Diâmetro do círculo molhado (Dw) ou alcance (Rw) Cada aspersor pode ser utilizado para diferentes combinações de P – q. Os catalogos indicam as melhores combinações de P –q- dw q  K Hx CURVA DE VAZÃO DO ASPERSOR Alcance é a distância entre o aspersor e a circunferência exterior do circulo molhado
  • 19. Aspersores Taxa de aplicação ou pluviometría do aspersor
  • 20. Efeito da pressão da água no padrão de humedecimento: Pressão demasiado alta: Elevado número de gotas de pequeno tamanho que provoca uma diminuição do a alcance. Aspersores Pressão correcta Pressão demasiado baixa: O jato de água à saída do aspersor não se fraciona, e como tal, a produção de gotas de maior diâmetro, é muito superior às de pequenodiâmetro.
  • 21. Aspersores Pluviometria horária É a quantidade de água que os aspersores fornecem por unidade de tempo (mm h-1). Principal condicionante na escolha do aspersor. Depende de:  Características de infiltração do solo;  Declive do terreno;  Características do coberto vegetal;  Espaçamento e disposição dos aspersores; Os valores de espaçamento fornecidos pelos catálogos nunca consideram o efeito do vento e da evaporação