SlideShare uma empresa Scribd logo
Memorial do Convento - linguagem e estilo
O Autor: nota biográfica
José Saramago nasceu a 16 de novembro
de 1922, em Azinhaga, na Golegã, Alentejo.
Aos 12 anos foi viver para Lisboa onde
frequentou o ensino secundário, contudo não pôde
prosseguir os estudos devido a dificuldades
económicas. No entanto, concluiu o curso de
serralheiro mecânico.
Ao longo da sua vida desempenhou
inúmeras profissões, estando algumas destas
ligadas à escrita.
Este percurso de vida complexo só lhe
permite, a partir de 1976, dedicar-se
exclusivamente à carreira de escritor. Tendo-se
aventurado na poesia é no campo da prosa,
nomeadamente do romance, que se torna um dos
mais célebres escritores portugueses do nosso
século.
Como cidadão mostrou-se sempre
empenhado na luta contra os regimes vigentes e
participou ativamente na vida política.
Faleceu em Lanzarote, Espanha, a 18 de
junho de 2010.
Memorial do Convento - linguagem e estilo
Memorial do Convento - linguagem e estilo
Memorial do Convento - linguagem e estilo
Memorial do Convento - linguagem e estilo
Memorial do Convento - linguagem e estilo
O estatuto do narrador
O estatuto do narrador em Memorial de Convento
reveste-se de uma grande complexidade.
Sente-se a sua presença contínua e controladora ao
longo da narrativa.
O narrador faz do seu discurso, um instrumento para
expor o seu ponto de vista sobre o Mundo, ao mesmo tempo, as
personagens reforçam o ponto de vista do narrador.
O estatuto do narrador
Como declara Saramago: “eu não me vejo a usar um
narrador que seja ele próprio unilinear e que conte e narre
unilinearmente aquilo que, digamos, tem a dizer”
Estão presentes momentos em que a instância narrativa
passa da 3ª pessoa do singular para a 1ª do plural, verificando-
se deste modo uma cumplicidade e proximidade entre o
narrador e as personagens.
O estatuto do narrador
Em Memorial do Convento o narrador é
maioritariamente heterodiegético, quanto à presença, e
omnisciente, quanto à ciência/focalização.
No que respeita à sua posição, profere juízos de valor,
opiniões, comentários e divagações pelo que, neste caso, é
subjetivo.
“São pensamentos confusos que isto diriam se
pudessem ser postos por ordem, aparados de excrescências,
nem vale a pena perguntar, Em que estás a pensar, Sete-Sóis,
porque ele responderia, julgando dizer a verdade, Em nada, e
contudo já pensou tudo isto.”
Visão crítica
A representação satírica possibilita o encontro entre
diferentes linhas de forças, é utilizada como um meio para
escapar da perseguição e da opressão, o que resulta em
distintas formas de fazer transbordar o riso, o cómico, o
burlesco, a linguagem de baixo calão, o transformismo e outras
manifestações surgem no espaço tradicional satírico.
Visão crítica
A representação satírica possibilita o encontro
entre diferentes linhas de forças, é utilizada como
um meio para escapar da perseguição e da opressão,
o que resulta em distintas formas de fazer
transbordar o riso, o cómico, o burlesco, a linguagem
de baixo calão, o transformismo e outras
manifestações surgem no espaço tradicional satírico.
A narrativa
Nesta obra, Saramago propõe uma recriação histórica.
A estrutura da sua narrativa não se resume a descrever
e evocar o passado, mas sim a trabalhar cuidadosamente o
ponto de vista narrativo, problematizando, discutindo e
questionando os próprios elementos descritivos.
Coexistência
narração/descrição
Em Memorial do Convento, está presente a coexistência
narração/descrição, onde o narrador mistura a narração com a
descrição.
Em diversas situações, ocorre um discurso de
sobreposições narrativas com uma voz que tanto descreve com
desconstrói as situações, que domina os conhecimentos da
história como se sente limitado, que faz ponderações ou ironiza.
A descrição do auto-de-fé é um exemplo elucidativo da
postura irónica do narrador onde revela a sua discordância em
relação ao narrador através do humor que concede ao leitor o
espaço do julgamento inteligente, porque confia na sua
perspicácia.
Marcas essenciais da prosa
de Saramago• Tom simultaneamente cómico, trágico e épico;
• O emprego de exclamações e “apartes”;
• Ausência de pontuação convencional, sendo a vírgula o sinal de
pontuação de maior relevância, marcando as intervenções das
personagens, o ritmo e as pausas;
• A coexistência de segmentos narrativos e descritivos sem
delimitação clara;
• O uso subversivo da maiúscula no interior da frase;
• A presença constante de marcas de coloquialidade construídas
pela relação narrador/narratário;
• A mistura de discursos – discurso direto, indireto, indireto livre
e monólogo interior-que aponta para uma reminiscência de
tradição oral, em que o contador e ouvintes interagem.
Linguagem em “Memorial do
Convento”José Saramago recorre a diversas estratégias linguísticas na sua
obra, que a torna muito rica e caraterística deste autor:
◘ Ironia
◘ Recurso à intertextualidade
◘ Referências religiosas e bíblicas
◘ Discurso expressivo
◘ Discurso argumentativo
◘ Predomínio dos tempos verbais
◘ Uso subversivo da maiúscula
◘ Persuasão do leitor
◘ Riqueza da linguagem
◘ Pontuação
◘ Marcas da oralidade
◘ Mistura de discursos
◘ Registos de língua
Linguagem em “Memorial do
Convento”
Ironia:
“Que espere. Por enquanto, ainda el-rei está a preparar-se para a noite.
Despiram-no os camaristas, vestiram-no com o trajo da função e do estilo, passadas
as roupas de mão em mão tão reverentemente como relíquias de santas que
tivessem trespassado donzelas, e isto se passa na presença de outros criados e
pajens, este que abre o gavetão, aquele que afasta a cortina, um que levanta a luz,
outro que lhe modera o brilho, dois que não se movem, dois que imitam estes, mais
uns tantos que não se sabe o que fazem nem por que estão.”
Linguagem em “Memorial do
Convento”Discurso expressivo:
Hipérbato: “Vestem o rei e a rainha camisas compridas” (pág. 15)
Comparação: “Porém, agora, em sua casa, choram os olhos de Blimunda como duas fontes
de água (…) olhos como estes nunca se viram, claros de cinzento, ou verde, ou azul e às
vezes tornam-se negros noturnos ou brancos brilhantes como lascado carvão de pedra”
(pág. 55)
Metáfora: “A procissão é uma serpente enorme que não cabe direita ao Rossio e por isso
vai curvando e recurvando” (pág. 52)
Personificação e apóstrofe : “Lá fora ouvia-se o ramalhar das árvores, às vezes um grito de
ave noturna, bendita sejas tu, noite, que cobres e proteges o belo e o feio com a mesma
indiferente capa, noite antiquíssima e idêntica, vem” (pág. 184)
Linguagem em “Memorial do
Convento”
Discurso expressivo:
Paralelismo anafórico: “Passam velozmente sobre as obras do convento, mas desta
vez há quem os veja, gente que foge espavorida, gente que se ajoelha ao acaso, e
levanta as mãos implorativas de misericórdia, gente que atira pedras” (pág. 201)
Enumeração: “puseram-se a um lado as tábuas e os mastros para necessidades
menos reais, andaimes, por exemplo, ou tarimbas, ou beliches, ou mesa de comer,
ou rastos de tamancos e os panos, tafetás ou damascos, as velas dos navios, cada
um tornou ao seu natural, as pratas para o tesouro, os fidalgos para a fidalguice, o
órgão para outras solfas, e os cantores, os soldados a luzir semelhantes paradas, só
ficaram os arrábidos de olho alerta, e sobre a pedra cavada, cinco metros de pau
crucificado, a cruz” (pág. 136)
Linguagem em “Memorial do
Convento”Discurso expressivo:
Hipálage: “de coração manso e alegre vontade” (pág. 321)
Antítese: “A obra é longa, a vida é curta” (pág. 281)
Adjetivação: “Aqui vou blasfema, herética, temerária, amordaçada para que não me
ouçam as temeridades, as heresias e as blasfémias” (pág. 53)
Eufemismo: “que ele próprio poderá fechar os olhos para todo o sempre” (pág. 285)
Trocadilho: “o côncavo meu no teu convexo, no meu convexo o teu côncavo, é o mesmo
que homem e mulher, mulher e homem, terra somos na terra” (pág. 201)
Hipérbole: “à vista do mar de povo que enchia a praça”
Linguagem em “Memorial do
Convento”
Discurso argumentativo:
Jogo de palavras e conceitos: “Como se mostram variadas as obras das mãos do
homem, são de somas minhas, Fala das mãos, Falo das obras, tão cedo nascem logo
morrem, Fala das obras, Falo das mãos que seria delas se lhes faltasse a memória e
o papel em que as escrevo, Fala das mãos, Falo das obras” (pág. 165)
Linguagem em “Memorial do
Convento”
Registo de língua familiar e popular:
◘ Sentido irónico e crítico;
◘ Forma de tradução do estatuto social das personagens.
Referências religiosas e bíblicas:
◘ Episódio do auto-de-fé
Linguagem em “Memorial do
Convento”
Recurso à intertextualidade:
Memorial do Convento -
Capítulo XXII:
“Mas a este velho de
aspecto venerando”
Os Lusíadas, canto IV,
estância 94, episódio do
Velho do Restelo:
“Mas hum velho, de aspeito
venerando,/ Que ficava nas
praias, entre a gente (…)”
Linguagem em “Memorial do
Convento”
Predomínio dos tempos verbais:
◘ Uso frequente da forma verbal do futuro
◘ Uso do presente
Uso subversivo da maiúscula:
“Começara a vazante, o mestre da barca gritava que ia largar não tarda,
Está a maré boa, quem embarca para Lisboa (…)”
Linguagem em “Memorial do
Convento”
Persuasão do leitor:
“Grita o povinho furiosos impropérios aos condenados, guincham as
mulheres (…) alanzoam os frades” -> Sensação auditiva
Riqueza da linguagem:
◘ Capacidade de reinvenção da escrita;
◘ Tom de crónica histórica;
◘ Ironia que provoca e desperta o leitor;
◘ Reflexões e momentos de intimidade poética.
Linguagem em “Memorial do
Convento”
Pontuação:
◘ Discurso direto (diálogo): ausência de travessão e dois pontos;
◘ Substituição do ponto de interrogação e de outros pontos por vírgulas;
◘ Início de cada fala assinalado apenas pela maiúscula.
Marcas de oralidade:
Exemplo de provérbio reformulado por José Saramago: “Os homens não se
medem aos palmos”
“(…) metros é o que dizemos hoje, que então tudo se reduzia a palmos, afinal
continua a ser por eles que se medem os homens, os grandes e os pequenos, por
exemplo, mais alto é Baltasar Sete-Sóis que D. João V, e não foi rei, e Álvaro Diogo, não
sendo fraca figura, é pedreiro de obra grossa.” (pág. 132)
Trabalho realizado por:
Ana Patrícia Pires
Filipa Fonseca
Pedro Milhano
12º A

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto CaeiroO heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto Caeiro
guest155834
 
Baltasar e Blimunda
Baltasar e Blimunda Baltasar e Blimunda
Baltasar e Blimunda
Ana Cristina Matias
 
Simbologia de Memorial do Convento
Simbologia de Memorial do ConventoSimbologia de Memorial do Convento
Simbologia de Memorial do Convento
Rui Couto
 
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/PoéticoFernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Alexandra Canané
 
Memorial do convento
Memorial do conventoMemorial do convento
Memorial do convento
João Pedro Rodrigues
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
ameliapadrao
 
ComemD. João I in Mensagem, de Fernando Pessoa
ComemD. João I in  Mensagem, de Fernando Pessoa ComemD. João I in  Mensagem, de Fernando Pessoa
ComemD. João I in Mensagem, de Fernando Pessoa
Ana Cristina Matias
 
Miguel Torga - Poemas
Miguel Torga - PoemasMiguel Torga - Poemas
Miguel Torga - Poemas
Ana Tapadas
 
Fernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-OrtónimoFernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-Ortónimo
Margarida Rodrigues
 
Capítulo i
Capítulo iCapítulo i
Capítulo i
Helena Coutinho
 
Memorial- Análise por Capítulos
Memorial- Análise por CapítulosMemorial- Análise por Capítulos
Memorial- Análise por Capítulos
Rui Matos
 
Mensagem Fernando Pessoa
Mensagem   Fernando PessoaMensagem   Fernando Pessoa
Mensagem Fernando Pessoa
guest0f0d8
 
A "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. PessoaA "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. Pessoa
Dina Baptista
 
Características poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo ReisCaracterísticas poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo Reis
Dina Baptista
 
Alberto caeiro biografia e caracteristicas
Alberto caeiro biografia e caracteristicasAlberto caeiro biografia e caracteristicas
Alberto caeiro biografia e caracteristicas
Anabela Fernandes
 
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimocaracterísticas temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
Dina Baptista
 
Autopsicografia e Isto
Autopsicografia e IstoAutopsicografia e Isto
Autopsicografia e Isto
Paula Oliveira Cruz
 
Mensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
Mensagem - D. Sebastião Rei de PortugalMensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
Mensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
Maria Teixiera
 
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando PessoaResumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Raffaella Ergün
 
Sebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
Sebastianismo: Os Lusíadas & MensagemSebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
Sebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
Inesa M
 

Mais procurados (20)

O heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto CaeiroO heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto Caeiro
 
Baltasar e Blimunda
Baltasar e Blimunda Baltasar e Blimunda
Baltasar e Blimunda
 
Simbologia de Memorial do Convento
Simbologia de Memorial do ConventoSimbologia de Memorial do Convento
Simbologia de Memorial do Convento
 
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/PoéticoFernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
 
Memorial do convento
Memorial do conventoMemorial do convento
Memorial do convento
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
 
ComemD. João I in Mensagem, de Fernando Pessoa
ComemD. João I in  Mensagem, de Fernando Pessoa ComemD. João I in  Mensagem, de Fernando Pessoa
ComemD. João I in Mensagem, de Fernando Pessoa
 
Miguel Torga - Poemas
Miguel Torga - PoemasMiguel Torga - Poemas
Miguel Torga - Poemas
 
Fernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-OrtónimoFernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-Ortónimo
 
Capítulo i
Capítulo iCapítulo i
Capítulo i
 
Memorial- Análise por Capítulos
Memorial- Análise por CapítulosMemorial- Análise por Capítulos
Memorial- Análise por Capítulos
 
Mensagem Fernando Pessoa
Mensagem   Fernando PessoaMensagem   Fernando Pessoa
Mensagem Fernando Pessoa
 
A "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. PessoaA "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. Pessoa
 
Características poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo ReisCaracterísticas poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo Reis
 
Alberto caeiro biografia e caracteristicas
Alberto caeiro biografia e caracteristicasAlberto caeiro biografia e caracteristicas
Alberto caeiro biografia e caracteristicas
 
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimocaracterísticas temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
 
Autopsicografia e Isto
Autopsicografia e IstoAutopsicografia e Isto
Autopsicografia e Isto
 
Mensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
Mensagem - D. Sebastião Rei de PortugalMensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
Mensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
 
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando PessoaResumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
 
Sebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
Sebastianismo: Os Lusíadas & MensagemSebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
Sebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
 

Destaque

Memorial Do Convento
Memorial Do ConventoMemorial Do Convento
Memorial Do Convento
ESVieira do Minho
 
Memorial do convento - Personagens
Memorial do convento - PersonagensMemorial do convento - Personagens
Memorial do convento - Personagens
MiguelavRodrigues
 
Memorial convento- José Saramago
Memorial convento- José SaramagoMemorial convento- José Saramago
Memorial convento- José Saramago
becresforte
 
Memorial do Convento
Memorial do ConventoMemorial do Convento
Memorial do Convento
guest304ad9
 
Aulas digitais memorial do convento
Aulas digitais memorial do conventoAulas digitais memorial do convento
Aulas digitais memorial do convento
Dulce Gomes
 
Capítulo XXII - MC
Capítulo XXII - MCCapítulo XXII - MC
Capítulo XXII - MC
12anogolega
 
Capítulo IV
Capítulo IVCapítulo IV
Capítulo IV
12anogolega
 
Memorial do convento capitulo xviii
Memorial do convento capitulo xviiiMemorial do convento capitulo xviii
Memorial do convento capitulo xviii
12anogolega
 
Memorial do Convento, de José Saramago II
Memorial do Convento, de José Saramago IIMemorial do Convento, de José Saramago II
Memorial do Convento, de José Saramago II
Dina Baptista
 
Captulo ii(memorial do convento)
Captulo ii(memorial do convento)Captulo ii(memorial do convento)
Captulo ii(memorial do convento)
12anogolega
 
Capítulo i power point(1)
Capítulo i   power point(1)Capítulo i   power point(1)
Capítulo i power point(1)
12anogolega
 
Portugues mc
Portugues mcPortugues mc
Portugues mc
12anogolega
 
Memorial do convento - o tempo
Memorial do convento - o tempoMemorial do convento - o tempo
Memorial do convento - o tempo
Carla Luís
 
Capítulo viii
Capítulo viiiCapítulo viii
Capítulo viii
12anogolega
 
Memorial do convento
Memorial do conventoMemorial do convento
Memorial do convento
12anogolega
 
Memorial do Convento: o tempo histórico
Memorial do Convento: o tempo históricoMemorial do Convento: o tempo histórico
Memorial do Convento: o tempo histórico
mariacel
 

Destaque (16)

Memorial Do Convento
Memorial Do ConventoMemorial Do Convento
Memorial Do Convento
 
Memorial do convento - Personagens
Memorial do convento - PersonagensMemorial do convento - Personagens
Memorial do convento - Personagens
 
Memorial convento- José Saramago
Memorial convento- José SaramagoMemorial convento- José Saramago
Memorial convento- José Saramago
 
Memorial do Convento
Memorial do ConventoMemorial do Convento
Memorial do Convento
 
Aulas digitais memorial do convento
Aulas digitais memorial do conventoAulas digitais memorial do convento
Aulas digitais memorial do convento
 
Capítulo XXII - MC
Capítulo XXII - MCCapítulo XXII - MC
Capítulo XXII - MC
 
Capítulo IV
Capítulo IVCapítulo IV
Capítulo IV
 
Memorial do convento capitulo xviii
Memorial do convento capitulo xviiiMemorial do convento capitulo xviii
Memorial do convento capitulo xviii
 
Memorial do Convento, de José Saramago II
Memorial do Convento, de José Saramago IIMemorial do Convento, de José Saramago II
Memorial do Convento, de José Saramago II
 
Captulo ii(memorial do convento)
Captulo ii(memorial do convento)Captulo ii(memorial do convento)
Captulo ii(memorial do convento)
 
Capítulo i power point(1)
Capítulo i   power point(1)Capítulo i   power point(1)
Capítulo i power point(1)
 
Portugues mc
Portugues mcPortugues mc
Portugues mc
 
Memorial do convento - o tempo
Memorial do convento - o tempoMemorial do convento - o tempo
Memorial do convento - o tempo
 
Capítulo viii
Capítulo viiiCapítulo viii
Capítulo viii
 
Memorial do convento
Memorial do conventoMemorial do convento
Memorial do convento
 
Memorial do Convento: o tempo histórico
Memorial do Convento: o tempo históricoMemorial do Convento: o tempo histórico
Memorial do Convento: o tempo histórico
 

Semelhante a Memorial do Convento - linguagem e estilo

Intertextualidade - explicação e formas de intertextualidade.
Intertextualidade - explicação e formas de intertextualidade.Intertextualidade - explicação e formas de intertextualidade.
Intertextualidade - explicação e formas de intertextualidade.
JMTCS
 
Em intertextualidade
Em intertextualidadeEm intertextualidade
Em intertextualidade
Eduardo Aparecido Ambrozeto
 
Linguística textual - Intertextualidade
Linguística textual - IntertextualidadeLinguística textual - Intertextualidade
Linguística textual - Intertextualidade
Catarina Castro
 
Literatura Nos Vestibulares Do Rs
Literatura Nos Vestibulares Do RsLiteratura Nos Vestibulares Do Rs
Literatura Nos Vestibulares Do Rs
Edir Alonso
 
Os Maias(1)
Os Maias(1)Os Maias(1)
Os Maias(1)
emilia1966
 
Os Maias(1)
Os Maias(1)Os Maias(1)
Os Maias(1)
Ferreira09
 
Literatura
LiteraturaLiteratura
Topicos em literatura
Topicos em literaturaTopicos em literatura
Topicos em literatura
Valeria Nunes
 
Navio Negreiro Castro Alves
Navio Negreiro   Castro AlvesNavio Negreiro   Castro Alves
Navio Negreiro Castro Alves
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Análise Bêbado - Cruz e Sousa
Análise Bêbado - Cruz e SousaAnálise Bêbado - Cruz e Sousa
Análise Bêbado - Cruz e Sousa
Francielle Alves
 
Literatura.pdf
Literatura.pdfLiteratura.pdf
Literatura.pdf
JohnJeffersonAlves1
 
Revisional de estilos de época 13, segunda geração do modernismo brasileiro
Revisional de estilos de época 13, segunda geração do modernismo brasileiroRevisional de estilos de época 13, segunda geração do modernismo brasileiro
Revisional de estilos de época 13, segunda geração do modernismo brasileiro
ma.no.el.ne.ves
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
Francis Paula
 
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana SofiaCesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Joana Azevedo
 
Sagarana - Guimarães Rosa
Sagarana - Guimarães RosaSagarana - Guimarães Rosa
Sagarana - Guimarães Rosa
vestibular
 
Crítica ao livro «Reflexões à Boca de Cena / Onstage Reflections» de João Ric...
Crítica ao livro «Reflexões à Boca de Cena / Onstage Reflections» de João Ric...Crítica ao livro «Reflexões à Boca de Cena / Onstage Reflections» de João Ric...
Crítica ao livro «Reflexões à Boca de Cena / Onstage Reflections» de João Ric...
Madga Silva
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 101-101 r
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 101-101 rApresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 101-101 r
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 101-101 r
luisprista
 
03i2pdf
03i2pdf03i2pdf
03i2pdf
Jhow Almeida
 
Análise dos contos de Sagarana, de João Guimarães Rosa
Análise dos contos de Sagarana, de João Guimarães RosaAnálise dos contos de Sagarana, de João Guimarães Rosa
Análise dos contos de Sagarana, de João Guimarães Rosa
jasonrplima
 
01. intertextualidade pre
01. intertextualidade pre01. intertextualidade pre
01. intertextualidade pre
literatura_prefederal
 

Semelhante a Memorial do Convento - linguagem e estilo (20)

Intertextualidade - explicação e formas de intertextualidade.
Intertextualidade - explicação e formas de intertextualidade.Intertextualidade - explicação e formas de intertextualidade.
Intertextualidade - explicação e formas de intertextualidade.
 
Em intertextualidade
Em intertextualidadeEm intertextualidade
Em intertextualidade
 
Linguística textual - Intertextualidade
Linguística textual - IntertextualidadeLinguística textual - Intertextualidade
Linguística textual - Intertextualidade
 
Literatura Nos Vestibulares Do Rs
Literatura Nos Vestibulares Do RsLiteratura Nos Vestibulares Do Rs
Literatura Nos Vestibulares Do Rs
 
Os Maias(1)
Os Maias(1)Os Maias(1)
Os Maias(1)
 
Os Maias(1)
Os Maias(1)Os Maias(1)
Os Maias(1)
 
Literatura
LiteraturaLiteratura
Literatura
 
Topicos em literatura
Topicos em literaturaTopicos em literatura
Topicos em literatura
 
Navio Negreiro Castro Alves
Navio Negreiro   Castro AlvesNavio Negreiro   Castro Alves
Navio Negreiro Castro Alves
 
Análise Bêbado - Cruz e Sousa
Análise Bêbado - Cruz e SousaAnálise Bêbado - Cruz e Sousa
Análise Bêbado - Cruz e Sousa
 
Literatura.pdf
Literatura.pdfLiteratura.pdf
Literatura.pdf
 
Revisional de estilos de época 13, segunda geração do modernismo brasileiro
Revisional de estilos de época 13, segunda geração do modernismo brasileiroRevisional de estilos de época 13, segunda geração do modernismo brasileiro
Revisional de estilos de época 13, segunda geração do modernismo brasileiro
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
 
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana SofiaCesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
 
Sagarana - Guimarães Rosa
Sagarana - Guimarães RosaSagarana - Guimarães Rosa
Sagarana - Guimarães Rosa
 
Crítica ao livro «Reflexões à Boca de Cena / Onstage Reflections» de João Ric...
Crítica ao livro «Reflexões à Boca de Cena / Onstage Reflections» de João Ric...Crítica ao livro «Reflexões à Boca de Cena / Onstage Reflections» de João Ric...
Crítica ao livro «Reflexões à Boca de Cena / Onstage Reflections» de João Ric...
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 101-101 r
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 101-101 rApresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 101-101 r
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 101-101 r
 
03i2pdf
03i2pdf03i2pdf
03i2pdf
 
Análise dos contos de Sagarana, de João Guimarães Rosa
Análise dos contos de Sagarana, de João Guimarães RosaAnálise dos contos de Sagarana, de João Guimarães Rosa
Análise dos contos de Sagarana, de João Guimarães Rosa
 
01. intertextualidade pre
01. intertextualidade pre01. intertextualidade pre
01. intertextualidade pre
 

Mais de FilipaFonseca

III Conferência Internacional de Promoção de Saúde de Sundvall
III Conferência Internacional de Promoção de Saúde de SundvallIII Conferência Internacional de Promoção de Saúde de Sundvall
III Conferência Internacional de Promoção de Saúde de Sundvall
FilipaFonseca
 
Trabalho de pesquisa SIDA biologia 12º ano
Trabalho de pesquisa SIDA biologia 12º anoTrabalho de pesquisa SIDA biologia 12º ano
Trabalho de pesquisa SIDA biologia 12º ano
FilipaFonseca
 
"Quinto Império" - Mensagem de Fernando Pessoa
"Quinto Império" - Mensagem de Fernando Pessoa"Quinto Império" - Mensagem de Fernando Pessoa
"Quinto Império" - Mensagem de Fernando Pessoa
FilipaFonseca
 
Psicologia B - As mulheres nas diferentes sociedades do Mundo
Psicologia B - As mulheres nas diferentes sociedades do Mundo Psicologia B - As mulheres nas diferentes sociedades do Mundo
Psicologia B - As mulheres nas diferentes sociedades do Mundo
FilipaFonseca
 
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
FilipaFonseca
 
Karl popper - Filosofia 11º ano
Karl popper - Filosofia 11º anoKarl popper - Filosofia 11º ano
Karl popper - Filosofia 11º ano
FilipaFonseca
 
Chuvas ácidas fq
Chuvas ácidas fqChuvas ácidas fq
Chuvas ácidas fq
FilipaFonseca
 
Obtenção de matéria pelos seres autotróficos biologia e geologia
Obtenção de matéria pelos seres autotróficos  biologia e geologiaObtenção de matéria pelos seres autotróficos  biologia e geologia
Obtenção de matéria pelos seres autotróficos biologia e geologia
FilipaFonseca
 
Al 1.2 química
Al 1.2   químicaAl 1.2   química
Al 1.2 química
FilipaFonseca
 
Hans christian oersted (1777-1851)
Hans christian oersted    (1777-1851)Hans christian oersted    (1777-1851)
Hans christian oersted (1777-1851)
FilipaFonseca
 
A mulher de negro (The Woman in Black) - livro
A mulher de negro (The Woman in Black) - livroA mulher de negro (The Woman in Black) - livro
A mulher de negro (The Woman in Black) - livro
FilipaFonseca
 
Queen
QueenQueen
Apresentação física e química elemento ouro
Apresentação física e química  elemento ouroApresentação física e química  elemento ouro
Apresentação física e química elemento ouro
FilipaFonseca
 
Ondas sísmicas power point
Ondas sísmicas power pointOndas sísmicas power point
Ondas sísmicas power point
FilipaFonseca
 

Mais de FilipaFonseca (14)

III Conferência Internacional de Promoção de Saúde de Sundvall
III Conferência Internacional de Promoção de Saúde de SundvallIII Conferência Internacional de Promoção de Saúde de Sundvall
III Conferência Internacional de Promoção de Saúde de Sundvall
 
Trabalho de pesquisa SIDA biologia 12º ano
Trabalho de pesquisa SIDA biologia 12º anoTrabalho de pesquisa SIDA biologia 12º ano
Trabalho de pesquisa SIDA biologia 12º ano
 
"Quinto Império" - Mensagem de Fernando Pessoa
"Quinto Império" - Mensagem de Fernando Pessoa"Quinto Império" - Mensagem de Fernando Pessoa
"Quinto Império" - Mensagem de Fernando Pessoa
 
Psicologia B - As mulheres nas diferentes sociedades do Mundo
Psicologia B - As mulheres nas diferentes sociedades do Mundo Psicologia B - As mulheres nas diferentes sociedades do Mundo
Psicologia B - As mulheres nas diferentes sociedades do Mundo
 
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
 
Karl popper - Filosofia 11º ano
Karl popper - Filosofia 11º anoKarl popper - Filosofia 11º ano
Karl popper - Filosofia 11º ano
 
Chuvas ácidas fq
Chuvas ácidas fqChuvas ácidas fq
Chuvas ácidas fq
 
Obtenção de matéria pelos seres autotróficos biologia e geologia
Obtenção de matéria pelos seres autotróficos  biologia e geologiaObtenção de matéria pelos seres autotróficos  biologia e geologia
Obtenção de matéria pelos seres autotróficos biologia e geologia
 
Al 1.2 química
Al 1.2   químicaAl 1.2   química
Al 1.2 química
 
Hans christian oersted (1777-1851)
Hans christian oersted    (1777-1851)Hans christian oersted    (1777-1851)
Hans christian oersted (1777-1851)
 
A mulher de negro (The Woman in Black) - livro
A mulher de negro (The Woman in Black) - livroA mulher de negro (The Woman in Black) - livro
A mulher de negro (The Woman in Black) - livro
 
Queen
QueenQueen
Queen
 
Apresentação física e química elemento ouro
Apresentação física e química  elemento ouroApresentação física e química  elemento ouro
Apresentação física e química elemento ouro
 
Ondas sísmicas power point
Ondas sísmicas power pointOndas sísmicas power point
Ondas sísmicas power point
 

Último

As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 

Último (20)

As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 

Memorial do Convento - linguagem e estilo

  • 2. O Autor: nota biográfica José Saramago nasceu a 16 de novembro de 1922, em Azinhaga, na Golegã, Alentejo. Aos 12 anos foi viver para Lisboa onde frequentou o ensino secundário, contudo não pôde prosseguir os estudos devido a dificuldades económicas. No entanto, concluiu o curso de serralheiro mecânico. Ao longo da sua vida desempenhou inúmeras profissões, estando algumas destas ligadas à escrita. Este percurso de vida complexo só lhe permite, a partir de 1976, dedicar-se exclusivamente à carreira de escritor. Tendo-se aventurado na poesia é no campo da prosa, nomeadamente do romance, que se torna um dos mais célebres escritores portugueses do nosso século. Como cidadão mostrou-se sempre empenhado na luta contra os regimes vigentes e participou ativamente na vida política. Faleceu em Lanzarote, Espanha, a 18 de junho de 2010.
  • 8. O estatuto do narrador O estatuto do narrador em Memorial de Convento reveste-se de uma grande complexidade. Sente-se a sua presença contínua e controladora ao longo da narrativa. O narrador faz do seu discurso, um instrumento para expor o seu ponto de vista sobre o Mundo, ao mesmo tempo, as personagens reforçam o ponto de vista do narrador.
  • 9. O estatuto do narrador Como declara Saramago: “eu não me vejo a usar um narrador que seja ele próprio unilinear e que conte e narre unilinearmente aquilo que, digamos, tem a dizer” Estão presentes momentos em que a instância narrativa passa da 3ª pessoa do singular para a 1ª do plural, verificando- se deste modo uma cumplicidade e proximidade entre o narrador e as personagens.
  • 10. O estatuto do narrador Em Memorial do Convento o narrador é maioritariamente heterodiegético, quanto à presença, e omnisciente, quanto à ciência/focalização. No que respeita à sua posição, profere juízos de valor, opiniões, comentários e divagações pelo que, neste caso, é subjetivo. “São pensamentos confusos que isto diriam se pudessem ser postos por ordem, aparados de excrescências, nem vale a pena perguntar, Em que estás a pensar, Sete-Sóis, porque ele responderia, julgando dizer a verdade, Em nada, e contudo já pensou tudo isto.”
  • 11. Visão crítica A representação satírica possibilita o encontro entre diferentes linhas de forças, é utilizada como um meio para escapar da perseguição e da opressão, o que resulta em distintas formas de fazer transbordar o riso, o cómico, o burlesco, a linguagem de baixo calão, o transformismo e outras manifestações surgem no espaço tradicional satírico.
  • 12. Visão crítica A representação satírica possibilita o encontro entre diferentes linhas de forças, é utilizada como um meio para escapar da perseguição e da opressão, o que resulta em distintas formas de fazer transbordar o riso, o cómico, o burlesco, a linguagem de baixo calão, o transformismo e outras manifestações surgem no espaço tradicional satírico.
  • 13. A narrativa Nesta obra, Saramago propõe uma recriação histórica. A estrutura da sua narrativa não se resume a descrever e evocar o passado, mas sim a trabalhar cuidadosamente o ponto de vista narrativo, problematizando, discutindo e questionando os próprios elementos descritivos.
  • 14. Coexistência narração/descrição Em Memorial do Convento, está presente a coexistência narração/descrição, onde o narrador mistura a narração com a descrição. Em diversas situações, ocorre um discurso de sobreposições narrativas com uma voz que tanto descreve com desconstrói as situações, que domina os conhecimentos da história como se sente limitado, que faz ponderações ou ironiza. A descrição do auto-de-fé é um exemplo elucidativo da postura irónica do narrador onde revela a sua discordância em relação ao narrador através do humor que concede ao leitor o espaço do julgamento inteligente, porque confia na sua perspicácia.
  • 15. Marcas essenciais da prosa de Saramago• Tom simultaneamente cómico, trágico e épico; • O emprego de exclamações e “apartes”; • Ausência de pontuação convencional, sendo a vírgula o sinal de pontuação de maior relevância, marcando as intervenções das personagens, o ritmo e as pausas; • A coexistência de segmentos narrativos e descritivos sem delimitação clara; • O uso subversivo da maiúscula no interior da frase; • A presença constante de marcas de coloquialidade construídas pela relação narrador/narratário; • A mistura de discursos – discurso direto, indireto, indireto livre e monólogo interior-que aponta para uma reminiscência de tradição oral, em que o contador e ouvintes interagem.
  • 16. Linguagem em “Memorial do Convento”José Saramago recorre a diversas estratégias linguísticas na sua obra, que a torna muito rica e caraterística deste autor: ◘ Ironia ◘ Recurso à intertextualidade ◘ Referências religiosas e bíblicas ◘ Discurso expressivo ◘ Discurso argumentativo ◘ Predomínio dos tempos verbais ◘ Uso subversivo da maiúscula ◘ Persuasão do leitor ◘ Riqueza da linguagem ◘ Pontuação ◘ Marcas da oralidade ◘ Mistura de discursos ◘ Registos de língua
  • 17. Linguagem em “Memorial do Convento” Ironia: “Que espere. Por enquanto, ainda el-rei está a preparar-se para a noite. Despiram-no os camaristas, vestiram-no com o trajo da função e do estilo, passadas as roupas de mão em mão tão reverentemente como relíquias de santas que tivessem trespassado donzelas, e isto se passa na presença de outros criados e pajens, este que abre o gavetão, aquele que afasta a cortina, um que levanta a luz, outro que lhe modera o brilho, dois que não se movem, dois que imitam estes, mais uns tantos que não se sabe o que fazem nem por que estão.”
  • 18. Linguagem em “Memorial do Convento”Discurso expressivo: Hipérbato: “Vestem o rei e a rainha camisas compridas” (pág. 15) Comparação: “Porém, agora, em sua casa, choram os olhos de Blimunda como duas fontes de água (…) olhos como estes nunca se viram, claros de cinzento, ou verde, ou azul e às vezes tornam-se negros noturnos ou brancos brilhantes como lascado carvão de pedra” (pág. 55) Metáfora: “A procissão é uma serpente enorme que não cabe direita ao Rossio e por isso vai curvando e recurvando” (pág. 52) Personificação e apóstrofe : “Lá fora ouvia-se o ramalhar das árvores, às vezes um grito de ave noturna, bendita sejas tu, noite, que cobres e proteges o belo e o feio com a mesma indiferente capa, noite antiquíssima e idêntica, vem” (pág. 184)
  • 19. Linguagem em “Memorial do Convento” Discurso expressivo: Paralelismo anafórico: “Passam velozmente sobre as obras do convento, mas desta vez há quem os veja, gente que foge espavorida, gente que se ajoelha ao acaso, e levanta as mãos implorativas de misericórdia, gente que atira pedras” (pág. 201) Enumeração: “puseram-se a um lado as tábuas e os mastros para necessidades menos reais, andaimes, por exemplo, ou tarimbas, ou beliches, ou mesa de comer, ou rastos de tamancos e os panos, tafetás ou damascos, as velas dos navios, cada um tornou ao seu natural, as pratas para o tesouro, os fidalgos para a fidalguice, o órgão para outras solfas, e os cantores, os soldados a luzir semelhantes paradas, só ficaram os arrábidos de olho alerta, e sobre a pedra cavada, cinco metros de pau crucificado, a cruz” (pág. 136)
  • 20. Linguagem em “Memorial do Convento”Discurso expressivo: Hipálage: “de coração manso e alegre vontade” (pág. 321) Antítese: “A obra é longa, a vida é curta” (pág. 281) Adjetivação: “Aqui vou blasfema, herética, temerária, amordaçada para que não me ouçam as temeridades, as heresias e as blasfémias” (pág. 53) Eufemismo: “que ele próprio poderá fechar os olhos para todo o sempre” (pág. 285) Trocadilho: “o côncavo meu no teu convexo, no meu convexo o teu côncavo, é o mesmo que homem e mulher, mulher e homem, terra somos na terra” (pág. 201) Hipérbole: “à vista do mar de povo que enchia a praça”
  • 21. Linguagem em “Memorial do Convento” Discurso argumentativo: Jogo de palavras e conceitos: “Como se mostram variadas as obras das mãos do homem, são de somas minhas, Fala das mãos, Falo das obras, tão cedo nascem logo morrem, Fala das obras, Falo das mãos que seria delas se lhes faltasse a memória e o papel em que as escrevo, Fala das mãos, Falo das obras” (pág. 165)
  • 22. Linguagem em “Memorial do Convento” Registo de língua familiar e popular: ◘ Sentido irónico e crítico; ◘ Forma de tradução do estatuto social das personagens. Referências religiosas e bíblicas: ◘ Episódio do auto-de-fé
  • 23. Linguagem em “Memorial do Convento” Recurso à intertextualidade: Memorial do Convento - Capítulo XXII: “Mas a este velho de aspecto venerando” Os Lusíadas, canto IV, estância 94, episódio do Velho do Restelo: “Mas hum velho, de aspeito venerando,/ Que ficava nas praias, entre a gente (…)”
  • 24. Linguagem em “Memorial do Convento” Predomínio dos tempos verbais: ◘ Uso frequente da forma verbal do futuro ◘ Uso do presente Uso subversivo da maiúscula: “Começara a vazante, o mestre da barca gritava que ia largar não tarda, Está a maré boa, quem embarca para Lisboa (…)”
  • 25. Linguagem em “Memorial do Convento” Persuasão do leitor: “Grita o povinho furiosos impropérios aos condenados, guincham as mulheres (…) alanzoam os frades” -> Sensação auditiva Riqueza da linguagem: ◘ Capacidade de reinvenção da escrita; ◘ Tom de crónica histórica; ◘ Ironia que provoca e desperta o leitor; ◘ Reflexões e momentos de intimidade poética.
  • 26. Linguagem em “Memorial do Convento” Pontuação: ◘ Discurso direto (diálogo): ausência de travessão e dois pontos; ◘ Substituição do ponto de interrogação e de outros pontos por vírgulas; ◘ Início de cada fala assinalado apenas pela maiúscula. Marcas de oralidade: Exemplo de provérbio reformulado por José Saramago: “Os homens não se medem aos palmos” “(…) metros é o que dizemos hoje, que então tudo se reduzia a palmos, afinal continua a ser por eles que se medem os homens, os grandes e os pequenos, por exemplo, mais alto é Baltasar Sete-Sóis que D. João V, e não foi rei, e Álvaro Diogo, não sendo fraca figura, é pedreiro de obra grossa.” (pág. 132)
  • 27. Trabalho realizado por: Ana Patrícia Pires Filipa Fonseca Pedro Milhano 12º A