SlideShare uma empresa Scribd logo
Aula 00
Engenharia Química p/ Concursos - Curso Regular 2017
Professor: Victor Augusto Sousa e Silva
00000000000 - DEMO
Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 1
ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS
TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS
Prof. Victor Augusto Aula 00
Aula 00 - Demonstrativa
SUMÁRIO PÁGINA
1. Apresentação 02
2. Processo e variáveis de processo 05
3. Materiais gasosos e líquidos 09
4. Equilíbrio de fases, uma introdução 17
5. Umidade absoluta e umidade relativa 25
6. Resolução de questões 29
7. Questões apresentadas na aula 38
8. Gabarito 45
00000000000
00000000000 - DEMO
Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 2
ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS
TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS
Prof. Victor Augusto Aula 00
1. APRESENTAÇÃO
Prezado(a) colega Engenheiro(a) Químico(a),
Seja bem-vindo a este curso de Engenharia Química para concursos.
O curso está focado nos principais concursos da nossa área, trazendo muitas
questões da Petrobras, Transpetro e outros dos nossos principais destinos.
O objetivo do curso é fornecer a você conhecimento de alto nível em todos os
domínios de Engenharia Química cobrados em concursos.
Convido você a olhar comigo um simples levantamento dos possíveis
destino de um Engenheiro Químico no mundo dos concursos. Dividi os
concursos por área para uma melhor ideia das possibilidades:
Energia e Petróleo
Orgão/Empresa Cargo Histórico de editais
Petrobras
Engenheiro de
Processamento
-
Técnicos
2012/2014
Transpetro
Engenheiro Júnior
-
Técnicos
2012
Petroquímica Suape
Engenheiro
-
Técnico
2011
Liquigás Distribuidora
SA
Técnico Químico 2011
EPE
Analista de Pesquisa
Energética
2010/2012/2014
ANP
Técnico em Regulação
de Petróleo e
Derivados, Álcool
Combustível e Gás
Natural
2015
Sergipe Gás S/A Engenheiro Químico 2016
00000000000
00000000000 - DEMO
Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 3
ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS
TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS
Prof. Victor Augusto Aula 00
Militares
Orgão/Empresa Cargo Histórico de editais
Marinha Engenheiro 2013/2014/2016
Companhias de Saneamento
Orgão/Empresa Cargo Histórico de editais
Sabesp Engenheiro 2013
Compesa (PE) Químico 2016
CAERN Engenheiro Químico 2010
Embasa (BA) Engenheiro Químico 2009
Perito Criminal
Orgão/Empresa Cargo Histórico de editais
Polícia Federal Perito Criminal 2013
Policia Científica PE Perito Criminal 2016
Polícia Civil DF Perito Criminal 2016
Polícia RJ Perito Criminal 2013
Polícia AL Perito Criminal 2013
Polícia CE Perito Criminal 2012
Polícia PB Perito Criminal 2009
Polícia GO Perito Criminal 2015
Polícia ES Perito Criminal 2011
Polícia AC Perito Criminal 2015
Polícia Científica PR Perito Criminal 2017
Polícia SP Perito Criminal 2013
IGP SC Perito Criminal 2008
Outros
Orgão/Empresa Cargo Histórico de editais
Suframa Engenheiro 2014
MP/SP
Analista Técnico
Científico
2015
00000000000
00000000000 - DEMO
Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 4
ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS
TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS
Prof. Victor Augusto Aula 00
Institutos Federais de
Educação, Ciência e
Tecnologia
Professor Diversos
Embrapa
Pesquisador-
Agroenergia
2009
Surpreso com esse número de oportunidades? Eu também fiquei quando
realizei essa pesquisa, pois, em geral, durante a faculdade temos a ideia de
que o único concurso possível para nós é o de Engenheiro da Petrobras. Com
-
Eu me chamo Victor Augusto e me graduei em Engenharia Química
pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) em 2014. Realizei
um ano de graduação sanduíche no INSA Toulouse, França no ano letivo 2012-
2013. Posteriormente, obtive mestrado na Universidade de Columbia (Nova
Iorque, EUA) em 2016. Obtive então o primeiro lugar no concurso da Polícia
Científica de Pernambuco (CESPE/2016) para o cargo de Perito Criminal.
Este material consiste de:
- curso escrito completo (em PDF), formado por 25 aulas explico todo o
conteúdo teórico que embasa a engenharia química, além de apresentar tantas
questões resolvidas quanto possível (em sua maioria da Cesgranrio).
- fórum de dúvidas, onde você pode entrar em contato direto conosco
quando julgar necessário.
Nesta aula introdutória veremos tópicos que dão embasamento para todo
o curso, os conceitos aqui descritos foram essencialmente extraídos do livro
Princípios dos processos químicos por Felder e Rousseau.
Agora vamos direto para o conteúdo. Vem comigo!
00000000000
00000000000 - DEMO
Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 5
ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS
TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS
Prof. Victor Augusto Aula 00
2. Processo e variáveis de processo
Um processo é qualquer operação ou série de operações através das
quais um objetivo particular é atingido (Felder, 2008). Podemos dizer que a
essência do objeto de estudo da Engenharia Química são os processos, estes
que causam transformações físicas ou químicas nas substâncias que compõem
a matéria prima para obtermos o produto desejado. O material que entra em
um processo é chamado de entrada ou alimentação do processo, e o
material que o deixa é a saída ou produto. Veja um diagrama de blocos bem
simples como exemplo:
O objetivo deste processo é separar o etanol e a água, observe que
alimentamos uma mistura das duas substancias e temos duas correntes de
saídas com nossos produtos refinados.
2.1. Massa e volume
A massa específica (mais conhecida como densidade) de uma
substância é a massa por unidade de volume da substância (kg/m3
,
g/cm3
). O volume específico de uma substância é o volume ocupado por
unidade de massa; é, portanto, o inverso da densidade. Vejamos suas
respectivas definições matemáticas:
Coluna
de
destilação
Etanol + água
Etanol
Água
00000000000
00000000000 - DEMO
Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 6
ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS
TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS
Prof. Victor Augusto Aula 00
2.2. Vazão
A maior parte dos processos envolve o movimento de material de um
ponto a outro. A taxa à qual o material é transportado através de uma
linha de processo é a vazão do material.
A vazão de uma corrente pode ser expressa como vazão mássica
(massa/tempo) ou como vazão volumétrica (volume/tempo). Suponhamos
que um fluido (gás ou líquido) flui através da tubulação cilíndrica mostrada a
seguir:
Se vazão mássica do fluido é 1
, então a cada segundo
quilogramas do fluido passam através da seção transversal. Se a vazão de um
fluido é , então a cada segundo metros cúbicos do fluido passam
através da seção transversal a cada segundo. Como é de se imaginar, a massa
de um fluido que atravessa essa seção está diretamente relacionada com o
volume deste fluido. A relação entre essas duas formas de se medir a vazão é
dada por:
Expressando as unidades:
Observa-se que a densidade relaciona essas duas quantidades. Ora,
nada mais natural, pois a densidade nos permite calcular a massa a partir do
volume e vice-versa. Digamos que água escoa por uma torneira a uma vazão
de 100 litros por minuto (L/min), sabemos que a densidade da água é de 1
1 As variáveis com um ponto ( são vazões e terão sempre tempo-1 em sua unidade; por exemplo, .
00000000000
00000000000 - DEMO
Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 7
ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS
TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS
Prof. Victor Augusto Aula 00
kg/L, logo 100 litros equivalem a 100 quilogramas de água. Portanto a vazão
mássica é de 100 quilogramas por minuto (kg/min).
2.3. Concentração e composição
Nos processos químicos é de suma importância o conhecimento das
propriedades físicas e químicas dos materiais que estamos lidando. Estas
propriedades dependem fortemente de sua composição. Vejamos então os
conceitos que nos permitem expressar a composição de uma mistura.
2.3.1. Peso molecular e número de mols
O peso atômico de um elemento é a massa de um átomo, medida
em unidade de massa atômica (u), que é definida como 1/12 da massa de
um átomo de carbono-12. Em provas de concurso sempre se observa que ou
eles fornecem a tabela periódica ou as massas dos elementos necessários são
fornecidas como dados da questão. O peso molecular de um composto é a
soma dos pesos atômicos dos átomos que constituem a molécula. Por
exemplo, o elemento nitrogênio (N) possui massa atômica igual a , logo a
molécula do gás nitrogênio (N2) possui massa molecular igual a .
Um mol de uma espécie é a quantidade desta espécie cuja massa, em
gramas, é numericamente igual ao seu peso molecular. Vejamos então o
exemplo da água (H2O), cujo peso molecular é 18u; logo, 1 mol de água pesará
18 gramas.
Um mol de qualquer espécie contém aproximadamente (o
número de Avogadro) moléculas, átomos, íons, etc.
00000000000
00000000000 - DEMO
Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 8
ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS
TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS
Prof. Victor Augusto Aula 00
Q1 (FCC 2014 Engenheiro Químico/SABESP)
O mol é a unidade de medida fundamental e amplamente utilizada no preparo
de soluções. Um mol representa:
(A) uma medida de densidade molecular.
(B) a unidade padrão de massa atômica de uma molécula ou átomo.
(C) o número de equivalentes-grama por litro nas condições ideais de
pressão e temperatura.
(D) a quantidade de matéria de um sistema que contém tantas entidades
elementares quantos são os átomos contidos em 0,012 quilograma de
carbono 12.
(E) uma relação entre massa e volume.
Resolução:
A questão exige simplesmente o conceito de mol. Como discutimos
anteriormente o carbono-12 foi adotado como referência e possui massa
atômica igual a 12 u, logo 1 mol conterá 12 gramas deste carbono (ou 0,012
gramas como descrito na questão). Reforçando: mol é uma grandeza que
mede a quantidade de matéria, além disso sua quantidade foi precisamente
descrita na assertiva D.
GABARITO: D
Se o peso molecular de uma substância é M, então existem M g/mol ou
M kg/kmol desta substância. Este valor M, em gramas por mol (g/mol), é
definido como massa molar e é numericamente igual ao peso molecular. Para
o mesmo exemplo da água temos que a massa molar dessa substância é igual
a 18 g/mol. Portanto, o conceito dessa grandeza é:
A massa molar corresponde à massa de um mol de entidades
elementares (átomos, moléculas, íons, etc)
00000000000
00000000000 - DEMO
Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 9
ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS
TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS
Prof. Victor Augusto Aula 00
Esse conceito é bem básico e v
na resolução de questões, pois em provas como a da Petrobras é certo que
você precisará fazer conversões de massa para número de mols (ou o
contrário).
Vamos a uma questão de prova bem simples que deve ser resolvida
tranquila e rapidamente para ganhar tempo:
Q2 (CESGRANRIO 2012 Engenheiro de Processamento
Júnior/Petrobras)
Uma solução aquosa contém bissulfito de sódio, a 316 g/L.
Quais são a quantidade em moles e a concentração em mol/L de bissulfito
de sódio em 2,5 litros dessa solução?
(A) 5 moles e 5 mol/L
(B) 5 moles e 2,5 mol/L
(C) 5 moles e 2 mol/L
(D) 2,5 moles e 5 mol/L
(E) 2,5 moles e 2 mol/L
Resolução:
Em primeiro lugar devemos saber a fórmula molecular do bissulfito de
sódio que é NaHSO3. Agora calculamos a sua massa molar com base nas
massas atômicas fornecidas com a questão:
Com esse dado podemos calcular a concentração em mol/L facilmente:
E o número total de moles na solução:
Dados:
Massa Atômica do Na = 23
Massa Atômica do S = 32
Massa Atômica do O = 16
00000000000
00000000000 - DEMO
Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 10
ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS
TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS
Prof. Victor Augusto Aula 00
Essa questão foi ANULADA pela Cesgranrio, causa estranheza pois era
muito simples. De toda forma, você pode perceber que com simples conceitos
você já pode acertar questões da prova para Engenheiro da Petrobras.
GABARITO: ANULADA
2.3.2. Frações molar e mássica
As correntes do processo ocasionalmente contêm apenas uma
substância, porém o mais comum é que consistam em misturas de líquidos e
gases, ou em soluções de um ou mais componentes em um solvente líquido.
Os seguintes termos podem ser usados para definir a composição de uma
mistura de substâncias que inclui a espécie A.
As frações são expressas numericamente por um numero de 0 a 1, ou
alternativamente em porcentagem, de 0% a 100%. Como é de se esperar, a
soma de todas as frações será sempre igual a 1 (ou 100%). Logo, se temos
uma mistura com n componentes:
ou
Fração mássica: ( )
Fração molar: ( )
00000000000
00000000000 - DEMO
Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 11
ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS
TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS
Prof. Victor Augusto Aula 00
2.3.3. Massa molar média
Em algumas questões é muito útil o conhecimento do peso molecular
médio. Um exemplo bastante abordado é o caso do ar. Como se trata de uma
mistura de gases, não existe, a princípio, uma massa molar que possa
relacionar a massa com o número de mols. Porém, fazendo uma média
ponderada das massas molares dos componentes do ar, chegamos a uma
massa molar média capaz de descrever bem essa mistura (o ar). Considere a
composição molar aproximada como 79% N2 e 21% O2.
Portanto, a massa molar média do ar é 29 g/mol. A depender da questão
você será exigido calcular este dado, em outras ela já é informada para
simplificação. Recapitulando: a ideia é bem simples, pense como uma média
ponderada das massas molares onde o peso é a própria fração MOLAR (quanto
maior o número de mols de um componente na mistura, maior a contribuição
da sua massa molar).
conceito:
Q3 (CESPE 2008 Engenheiro de Processamento/Petrobras)
Considerando que uma mistura gasosa contenha, em massa, 30% de
um gás A e 70% de um gás B, que a massa molar de A seja igual a 30 g/mol
e a de B, 210 g/mol, a massa molar média dessa mistura gasosa, em g/mol,
será igual a:
A) 50 B) 75 C) 100 D) 120 E) 156
Resolução:
O problema era o primeiro da prova e apesar de simples exige a
atenção. Veja que ele nos fornece a composição do gás em base MÁSSICA,
ou seja, não podemos usá-la para calcular diretamente a massa molar
00000000000
00000000000 - DEMO
Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 12
ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS
TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS
Prof. Victor Augusto Aula 00
média. Mas veja um simples artifício que soluciona o problema: considere
como base de cálculo 100 gramas de mistura, então teríamos 30 gramas de
A e 70 gramas de B. Agora calculamos o número de mols de cada um dos
gases:
Agora sim podemos calcular a fração molar:
Finalmente:
GABARITO: B
2.3.4. Concentração
A concentração mássica de um componente em uma mistura ou em
uma solução é a massa desse componente por unidade de volume da
mistura (g/cm3
, kg/L). A concentração molar de um componente é o
numero de moles por unidade de volume da mistura (mol/L, kmol/m3
,
etc).
00000000000
00000000000 - DEMO
Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 13
ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS
TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS
Prof. Victor Augusto Aula 00
Q4 (FCC 2014 Engenheiro Químico/SABESP) Desejando-se produzir
água potável na vazão de 100 m3.minuto-1, contendo uma concentração final
de cloro livre de 1,0 mg.L-1, a vazão necessária de uma solução de hipoclorito
de sódio com concentração de cloro livre igual a 50 g.L-1 para atingir esse
objetivo deve ser de:
(A) 20 105 L min 1.
(B) 20,0 L min 1.
(C)2,0 L min 1.
(D)500 L min 1.
(E) 5,0 L . min 1.
Resolução:
Na questão nos foi fornecido a vazão desejada e a concentração de
cloro nesta corrente produzida. Podemos então calcular o quanto de cloro
está fluindo, ou seja, qual a vazão mássica do cloro:
Agora sabemos que precisamos de uma quantidade de cloro suficiente
para atingir essa vazão de 100 gramas por minuto. Para tanto, precisamos
de referida solução concentrada de hipoclorito de sódio com a seguinte
vazão:
Concentração mássica:
Concentração molar:
00000000000
00000000000 - DEMO
Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 14
ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS
TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS
Prof. Victor Augusto Aula 00
GABARITO: C
3. Materiais gasosos e líquidos
Gases, líquidos e sólidos são todos feitos de átomos, moléculas e/ou íons,
mas o comportamento dessas partículas pode ser diferenciado nessas três
diferentes fases.
Veja uma figura bem simples que mostra as diferenças microscópicas
entre esses estados:
Perceba que as partículas de um:
Gás estão bem separadas com nenhum arranjo regular.
Líquido estão bem próximas, mas ainda sem um arranjo regular.
Sólido estão bem mais comprimidas e geralmente seguem um
padrão regular.
Gases são formados por um número muito grande de moléculas e suas
propriedades são consequência do comportamento dessas partículas. Quando,
por exemplo, fazemos uso de uma bomba de bicicleta, podemos ver que o ar
é compressível, isto é, que ele pode ser confinado em um volume menor do
que o volume original. A observação de que os gases são mais compressíveis
do que sólidos e líquidos sugere que existe muito espaço livre entre as
moléculas dos gases.
00000000000
00000000000 - DEMO
Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 15
ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS
TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS
Prof. Victor Augusto Aula 00
Os líquidos existem em consequência das forças intermoleculares. Essas
forças também determinam as suas propriedades físicas. Quando imaginamos
um líquido, podemos pensar em um conjunto de moléculas que trocam
constantemente de lugar com suas vizinhas.
Estudaremos gases e líquidos com maior profundidade ao longo do curso,
a função deste tópico bem introdutório é esclarecer alguns conceitos que serão
abordados a seguir. Para finalizar vou por aqui uma tabela com as principais
características destas fases e a explicação microscópica para tais:
Gás Líquido Sólido
Assume a forma e
volume do seu
recipiente
Partículas se movem
umas pelas outras
Assume parte da
forma do recipiente o
qual ocupa
Partículas se
movem/escorregam
umas pelas outras
Possui forma e
volume fixos
Partículas rígidas e
geralmente presas
dentro de um arranjo
cristalino
Compressível
Muito espaço livre
entre partículas
Baixa
compressibilidade
Pequeno espaço livre
entre partículas
Baixíssima
compressibilidade
Pequeno espaço livre
entre partículas
Flui facilmente
Partículas se movem
umas pelas outras
Flui facilmente
Partículas se
movem/escorregam
umas pelas outras
Não fluem
Partículas rígidas que
não se
movem/escorregam
umas pelas outras
3.1. Condições normais de temperatura e pressão (CNTP)
Se fixarmos uma temperatura e uma pressão podemos determinar o
volume ocupado por qualquer gás de comportamento ideal nessas condições.
Com o intuito de simplificar os cálculos de gases em condições atmosféricas
foram definidas as condições normais de temperatura e pressão (CNTP),
caracterizada pela condição experimental com temperatura de
273,15 K (0 °C) e pressão de 101 325 Pa (101,325 kPa = 1,01325 bar =
1 atm = 760 mmHg).
00000000000
00000000000 - DEMO
Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 16
ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS
TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS
Prof. Victor Augusto Aula 00
Qualquer gás ideal nas CNTP ocupara um volume molar igual a 22,4
L/mol. Ou seja: 1 mol de gás ideal ocupa 22,4L.
Q5 (CESGRANRIO 2012 Engenheiro de Processamento
Júnior/Petrobras)
Um reservatório, nas CNTP, contém 220 g de propano.
O volume, em litros, desse reservatório, e a massa, em gramas, de
metano que pode ser nele armazenado nas mesmas condições, ou seja, nas
CNTP, são, respectivamente,
(A) 56 e 40
(B) 56 e 80
(C) 112 e 40
(D) 112 e 80
(E) 220 e 110
Resolução:
Primeiro vamos calcular quantos mols correspondem a essa quantidade
de propano (C3H8):
Considerando que nas CNTP 1 mol ocupa 22,4 litros:
Já temos a primeira resposta para a questão. Como estamos admitindo
que o comportamento dos gases é ideal, 5 mols de qualquer substância
ocupam o mesmo volume, logo nos resta calcular quanto pesa 5 mols de
metano:
00000000000
00000000000 - DEMO
Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 17
ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS
TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS
Prof. Victor Augusto Aula 00
GABARITO: D
4. Equilíbrio de fases, uma introdução
4.1 Equilíbrio de fases de um componente puro
4.1.1. Diagramas de fase
Usualmente uma substância pura no equilíbrio existe inteiramente como
um sólido, um líquido ou um gás; mas a certas temperaturas e pressões, duas
ou mesmo três fases podem coexistir. Por exemplo, água pura é um vapor a
20°C e 3 mmHg e um líquido a 20°C e 760 mmHg, mas a 100°C e 760 mmHg
pode ser um vapor, um líquido ou uma mistura dos dois. Na particular
temperatura de 0,0098°C e pressão de 4,58 mmHg temos o ponto triplo da
água, no qual sólido, líquido e gás podem coexistir.
Expressamos graficamente as fases que uma substância pode assumir a
depender das variáveis do sistema através de diagramas de fase. O mais
comum de todos e o que trabalharemos neste tópico introdutório é o gráfico
pressão versus temperatura. Vejamos o diagrama de fases da água (Felder,
2008):
00000000000
00000000000 - DEMO
Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 18
ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS
TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS
Prof. Victor Augusto Aula 00
As fronteiras (linhas) entre duas fases representam pressões e
temperaturas nas quais duas fases podem existir. Por exemplo, a linha que vai
do até o representa as condições nas quais o
equilíbrio líquido-vapor existe, pois esta linha está exatamente entre as fases
líquido e vapor.
Conforme descreve Felder em seu livro, vários termos familiares podem
ser definidos em referência ao diagrama de fases:
1. Para cada coordenada (T, P) que se encontra sobre a curva de equilíbrio
líquido-vapor para uma determinada substância, P é a pressão de
vapor da substância a temperatura T, e T é o ponto de ebulição da
substância a pressão P.
2. O ponto de ebulição normal da substância é o ponto de ebulição para
P=1 atm.
3. O ponto de fusão ou ponto congelamento, à uma pressão P, é a
temperatura T da coordenada (T,P) que cai sobre a curva do equilíbrio
sólido-líquido.
4. O ponto de sublimação, à uma pressão P, é a temperatura T da
coordenada (T,P) que cai sobre a curva do equilíbrio sólido-vapor.
5. O ponto triplo é aquele no qual as fases sólida, líquida e vapor podem
coexistir.
00000000000
00000000000 - DEMO
Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 19
ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS
TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS
Prof. Victor Augusto Aula 00
6. O ponto crítico se localiza ao final da curva do equilíbrio líquido-vapor.
Se a temperatura e pressão forem maiores do que nesse ponto a
substância terá um comportamento denominado de supercrítico. Nele
não temos duas fases, mas sim apenas uma com comportamento misto
entre líquido e gás.
4.1.2. Pressão de vapor
A pressão de vapor de uma espécie pode ser entendida como uma
medida da volatilidade2
de uma substância. Para uma dada temperatura T,
quanto maior a pressão de vapor maior é a volatilidade da substância. Existem
muitos processos na indústria que utilizam a diferença de volatilidade (ou
pressão de vapor) das substâncias para separá-las. Um exemplo seria a
destilação.
Imaginamos então que é fundamental sabermos as pressões de vapor
das substâncias. Como elas são obtidas na prática? As mais conhecidas têm
valor tabelado, porém todas as outras precisam ser estimadas por meio de
correlações empíricas3
.
Entretanto há uma relação analítica para substâncias puras, a equação
de Clapeyron. Ela é capaz de relacionar , a pressão de vapor da substância
i, com T, a temperatura absoluta:
2 A volatilidade de uma espécie é o grau no qual a espécie tende a sair do estado líquido para o vapor, ou seja,
evaporar.
3 Isso acontece porque seria muito custoso obter esses dados experimentalmente. Correlações empíricas oferecem
confiança satisfatória para cálculos de engenharia.
Equação de Clapeyron:
00000000000
00000000000 - DEMO
Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 20
ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS
TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS
Prof. Victor Augusto Aula 00
Onde e são os volumes molares específicos (volume/mol) do gás e
do líquido, respectivamente. Já é o calor latente de vaporização, a
energia necessária para vaporizar 1 mol de líquido.
Q6 (CESGRANRIO 2010 Engenheiro de Processamento
Júnior/Petrobras)
Em relação à pressão de vapor de um líquido, é INCORRETO afirmar que
(A) A pressão de vapor de um líquido aumenta linearmente com o aumento
da temperatura.
(B) a curva de pressão de vapor relaciona pressão a temperatura, sendo que,
em qualquer ponto acima da curva, existem duas fases, líquido e vapor.
(C) a pressão de vapor pode ser estimada por meio de equações empíricas.
(D) a Equação de Clapeyron estabelece uma relação termodinâmica entre
pressão de vapor e entalpia de vaporização de uma substância pura.
(E) um líquido puro entra em ebulição, em dada temperatura, quando sua
pressão de vapor é igual à pressão à qual está submetido.
Resolução:
INCORRETA: pela equação de Clapeyron constatamos que a
dependência da pressão de vapor com a temperatura não é linear, logo a
afirmativa está errada e foi o gabarito preliminar da questão.
INCORRETA: quando estudamos o digrama de fases vimos que na
curva da pressão de vapor podem existir duas fases, mas acima dela temos
SOMENTE a fase líquida:
00000000000
00000000000 - DEMO
Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 21
ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS
TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS
Prof. Victor Augusto Aula 00
CORRETA: conforme afirmamos é comum o uso de equações
empíricas para estimações.
CORRETA: perfeitamente! Foi como observamos na definição da
equação.
CORRETA: exato. Digamos que temos água pura a 20°C e 1 atm (760
mmHg) e começamos a aumentar a temperatura, aumentando assim a sua
pressão de vapor também. No momento em que essa pressão de vapor
igualar a pressão externa teremos o início da ebulição, o que acontece a
100°C e 1 atm (760 mmHg).
No gráfico a seguir, isso seria equivalente a começar no ponto C e
aquecer até o ponto D
A questão foi posteriormente anulada, pois tanto (A) como (B) estão
incorretas, logo:
GABARITO: ANULADA
Vale o destaque para a equação empírica mais famosa e que cai em
provas de concurso: a equação de Antoine. Ela correlaciona muito bem
dados de pressão de vapor com a temperatura:
00000000000
00000000000 - DEMO
Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 22
ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS
TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS
Prof. Victor Augusto Aula 00
Os valores de A, B e C são tabelados de acordo com o componente.
Q7 (CESGRANRIO 2008 Engenheiro de Processamento
Júnior/Petrobras)
,
em que A = 2, B = 1.000, C = 200; T está em kelvin e P, em atmosfera, a
temperatura normal de ebulição dessa substância, em kelvins, será igual a
(A) 100 (B) 200 (C) 300 (D) 400 (E) 500
Resolução:
Questão de rápida resolução! Vamos só aplicar a equação e lembrar a
temperatura de ebulição é aquela que proporciona uma pressão de vapor
igual a pressão à qual a substância está submetida. O ponto de ebulição
normal é a temperatura de ebulição para P = 1 atm.
GABARITO: C
4.2. Sistemas gás-
É muito comum em processos industriais a transferência de água da fase
vapor para a fase líquida, tais como evaporação, secagem e umidificação.
Ou o contrário, com transferência da fase líquida para a fase sólida, como
condensação e desumidificação. Portanto o estudo desse sistema gás-
00000000000
00000000000 - DEMO
Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 23
ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS
TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS
Prof. Victor Augusto Aula 00
líquido no qual a água é um dos componentes é de fundamental importância e
corriqueiramente cobrado em concursos.
Vamos exemplificar para esclarecermos alguns conceitos: suponha que
temos uma garrafa cheia de água e vamos colocá-la em uma câmara que
inicialmente contém apenas ar seco, e que temperatura e pressão do sistema
são mantidas constantes a 75 °C e 760 mmHg (pressão atmosférica). No
parcial da água
é igual a 0 (
evaporar, ou seja, elas saem do líquido e migram para a fase gasosa. Agora
teremos , isto é: a pressão parcial da água é igual a fração molar
de água na fase vapor vezes a pressão total do sistema. Progressivamente a
mudança na composição das fases, de forma que se atinge o equilíbrio.
Dizemos então que a fase vapor está saturada com água esta fase contém
toda a água que pode manter na temperatura e pressão do sistema.
Chamamos de vapor saturado a água presente nessa fase gasosa.
Agora vamos á prática: muitas questões exigem que saibamos relacionar
a pressão de vapor da água ( com a sua composição na fase gasosa .
Como é de se esperar, quanto mais água tivermos na fase gasosa maior será
a pressão de vapor e a Lei de Raoult nos fornece essa relação:
Estudaremos melhor o equilíbrio líquido-vapor no tópico Termodinâmica,
mas é conveniente introduzir aqui este caso particular da lei Raoult no qual
temos apenas uma espécie capaz de condensar (existir na fase líquida), no
caso exemplificado essa espécie é a água:
Lei de Raoult, uma única espécie na fase líquida:
00000000000
00000000000 - DEMO
Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 24
ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS
TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS
Prof. Victor Augusto Aula 00
Q8 (CESGRANRIO 2006 Engenheiro de Processamento
Júnior/Petrobras) Ar e água líquida estão em equilíbrio em um recipiente
fechado a 75 o
C e 760 mmHg. Sabendo que a pressão de vapor da água (75
o
C e 760 mmHg) = 289 mmHg, a composição molar da fase gasosa é:
AR ÁGUA
(A) 24% 76%
(B) 38% 62%
(C) 50% 50%
(D) 62% 38%
(E) 76% 24%
Resolução:
Veja que o caso traz as mesmas condições que utilizamos como
exemplo (75 oC e 760 mmHg). O problema informa que ar e água estão em
equilíbrio, isto é: nessas condições a fase vapor está saturada com água.
Além disso informa que:
Como a água é o único componente na fase líquida podemos aplicar o
caso limite da Lei de Raoult que descrevemos anteriormente:
O complemento dessa fração é 0,62 (para atingirmos um total de 1,00
ou 100%). Logo:
00000000000
00000000000 - DEMO
Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 25
ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS
TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS
Prof. Victor Augusto Aula 00
GABARITO: D
5. Umidade absoluta e umidade relativa
O conceito de umidade faz parte do senso comum. O tempo pode estar
úmido, assim como o chão pode estar úmido. A ideia de que os objetos e as
substâncias possam conter mais ou menos água é natural. É esta a ideia de
umidade o quanto há de água em determinada substância ou material.
Com o ar não é diferente. O ar é uma mistura de gases e inclui
quantidades variáveis de água em estado de vapor. O ar seco, isento de água,
é composto por gases em porcentagens diversas: nitrogênio (N2)
aproximadamente 78% , seguido de oxigênio (O2) aproximadamente 21%
, e argônio (Ar) cerca de 1% , além de outros gases como dióxido de
carbono(CO2), neon (Ne), metano (CH4) em quantidades menores.
comporta-se na atmosfera. Por exemplo, ao passearmos à beira de um lago ou
de uma represa no fim da tarde, quando a temperatura baixou
repentinamente, normalmente nos deparamos com a neblina. Como se explica
esse fenômeno?
Com o nascer do sol e com o passar do dia, a temperatura tende a
aumentar e, ao fim do dia, diminuir. Este fato é bastante importante, pois a
quantidade de vapor de água que o ar pode conter aumenta com a
temperatura. Quanto maior a temperatura, maior a quantidade de água
possível no ar.
Mas há limites para essa quantidade. Há um ponto de saturação, ou seja,
a quant
temperatura. As unidades utilizadas são pressão relativa de vapor de água, em
s cúbicos de ar). De
00000000000
00000000000 - DEMO
Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 26
ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS
TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS
Prof. Victor Augusto Aula 00
qualquer modo elas demonstram o quanto de água o ar pode conter. Este valor
limite é chamado de Ponto de Orvalho (Dew Point, em inglês).
Para entendermos a situação da formação da neblina, vamos atribuir
valores ao exemplo acima. Imaginem um dia quente, com a temperatura
próxima do limite de saturação, do ponto de orvalho. A 30ºC o valor é cerca
de 30 g/m3. Agora imaginemos que a temperatura diminuísse em 5ºC, sendo
que para a temperatura de 25ºC o ponto de orvalho de 23 g/m3. A diferença
mais, ou seja, o ar não consegue retê-la. O vapor então se condensa em
minúsculas gotículas de água líquida que fica suspensa no ar formando a
neblina.
Para descrever o estado e a composição desse sistema ar-água adotamos
parâmetros como umidade absoluta e umidade relativa.
Há formas de medir a
quantidade de ar em um momento específico. Esse valor é a umidade absoluta
A umidade absoluta é definida como a razão da massa de vapor de
água (mágua) por quilograma de ar seco (mar seco):
Essa equação também pode ser expressa em termos da pressão parcial
da água:
Onde : pressão parcial do vapor de água
: peso molecular do vapor
: peso molecular médio do gás seco (livre do vapor de água)
00000000000
00000000000 - DEMO
Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 27
ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS
TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS
Prof. Victor Augusto Aula 00
Observe a diferença corresponde a pressão parcial do vapor seco.
mássica. Veja aqui a dedução desta equação:
mols total:
A umidade relativa é definida como a razão entre a quantidade de água
presente em uma determinada porção da atmosfera (pressão parcial de vapor
de água) e a quantidade total de vapor de água que a atmosfera pode suportar
em uma determinada temperatura (pressão de vapor da água nesta específica
temperatura).
A umidade relativa é expressa como fração (%) e é calculada da seguinte
maneira:
Onde : pressão parcial do vapor de água
: pressão de vapor na temperatura T
Por exemplo, uma umidade relativa de 50% significa que a pressão
parcial do vapor de água é igual a metade (5/10) da pressão de vapor da água
na temperatura especifica em que o sistema se encontra, ou seja, a quantidade
de vapor de água presente é igual a metade daquela que o ar consegue
suportar numa dada temperatura.
Vejamos como esse assunto já foi cobrado em provas anteriores:
Q9 (CESGRANRIO 2011 Engenheiro de Processamento /
00000000000
00000000000 - DEMO
Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 28
ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS
TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS
Prof. Victor Augusto Aula 00
Transpetro) Uma corrente de ar com umidade relativa igual a 60% entra em
um desumidificador, de onde sai com umidade relativa igual a 40%.
Se o desumidificador opera a pressão e temperatura constantes, a razão entre
na entrada é, aproximadamente, igual a
(A) 0,50 (B) 0,67 (C) 1,50 (D) 2,00 (E) 2,40
Resolução:
Se o desumidificador opera a pressão e temperatura constantes a
pressão de vapor da água na temperatura T será constante: = cnst.
São dados da questão:
Dividindo a segunda equação pela primeira:
GABARITO: B
00000000000
00000000000 - DEMO
Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 29
ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS
TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS
Prof. Victor Augusto Aula 00
6. RESOLUÇÃO DE QUESTÕES
Q10 (2014 - Professor IFRN) Uma amostra de 500 mL de uma solução aquosa
de ácido hipocloroso, cuja concentração é igual a 1,0 mol/L, contém, entre
outras espécies químicas,
A) 0,5 mol de moléculas de HClO.
B) 1 mol de moléculas de HClO.
C) (0,5 x) mol de moléculas de HClO e x mol de íons ClO
1
.
D) 0,5 mol de íons ClO
1
.
Resolução:
Com a concentração e o volume, calculamos o número de mols:
O ácido hipocloroso apresenta a fórmula molecular HClO e não é um
ácido forte, portanto pode-se afirmar que poucas moléculas se ionizam em
íons H+
e íons ClO
1
.
HClO H+
+ ClO
1
x mol de
íons ClO
1
e (0,5 x) mol de moléculas de HClO.
GABARITO: C
00000000000
00000000000 - DEMO
Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 30
ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS
TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS
Prof. Victor Augusto Aula 00
Q11 (CESGRANRIO 2014 Engenheiro de Processamento
Júnior/Petrobras) Uma solução líquida de n-butano e n-pentano é
adicionada a ácido acético, resultando em uma mistura líquida com massa
específica igual a 800 kg.m3
.
Admitindo comportamento ideal do sistema, a fração mássica de ácido
acético na mistura é, aproximadamente, de
(A)0,40 (B) 0,45 (C) 0,50 (D) 0,55 (E) 0,62
Dados: Massa específica do ácido acético: 1000 kg . m3
Massa específica da mistura n-butano + n-pentano: 600 kg . m3
Resolução:
Sabendo que o comportamento é de uma solução ideal, temos que o
volume final será a exata soma dos volumes individuais dos componentes da
mistura. Ou seja, em forma de equação:
Eliminando a massa total e multiplicando por 100 obtemos:
X 100
00000000000
00000000000 - DEMO
Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 31
ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS
TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS
Prof. Victor Augusto Aula 00
GABARITO: E
Q12 (CESGRANRIO 2014 Engenheiro de Processamento
Júnior/Petrobras) O limite mínimo de inflamabilidade de um gás
combustível é o teor mínimo do gás que forma uma mistura explosiva com o
ar. Para o metano, este valor consiste em 5% de metano em fração
volumétrica da mistura. Em uma sala de pesquisa, um cilindro de gás, em
base volumétrica com 50% de metano e 50% de uma mistura O2/N2 com
composição similar à do ar atmosférico, alimenta um reator a uma vazão de
2 mol . min 1. Em caso de vazamento da mistura para tal sala, admitindo
que tal sala esteja totalmente fechada e contenha inicialmente 1.800 mols
de ar atmosférico, o gás na sala atingirá o limite mínimo de inflamabilidade
em quantos minutos?
(A) 85 (B) 90 (C) 95 (D) 100 (E) 105
Resolução:
É fundamental notar que o limite de inflamabilidade e a composição do
cilindro de gás foram fornecidos em base volumétrica, isso já nos facilita,
pois não são necessárias conversões e podemos trabalhar nesta mesma
base.
Considerando que inicialmente temos 1800 mols de ar na sala e
adicionamos uma quantidade igual a 2X por minuto (onde X é o número de
mols de metano).
Numero de mols total na sala = 1800 + 2 X
Limite de inflamabilidade = 5% = 0,05
Por definição:
00000000000
00000000000 - DEMO
Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 32
ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS
TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS
Prof. Victor Augusto Aula 00
X = 100 mols de metano
Como 1 mol de metano é adicionado a cada 1 minuto, temos como
gabarito da questão o valor de 100 minutos.
GABARITO: D
Q13 (CESGRANRIO 2012 Engenheiro de
Processamento/Transpetro) Em um béquer, prepara-se uma solução
contendo 360 g de água, 184 g de etanol e 120 g de fosfato monobásico de
sódio (NaH2(PO4)).
A fração molar de NaH2(PO4) nessa solução é igual a
(A) 0,80 (B) 0,70 (C) 0,50 (D) 0,16 (E) 0,04
Dados: Massa molar do etanol = 46 g/mol
Massa molar da água = 18 g/mol
Massa molar do NaH
2
(PO
4
) = 120 g/mol
Resolução:
Observe que o enunciado da questão fornece a massa de cada
componente da solução e demanda a fração molar, portanto vamos primeiro
calcular o número de mols para cada um:
Agora podemos calcular a fração molar do NaH2
(PO4
):
00000000000
00000000000 - DEMO
Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 33
ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS
TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS
Prof. Victor Augusto Aula 00
GABARITO: E
Q14 (CESGRANRIO 2011 Engenheiro de
Processamento/Transpetro) No armazenamento de substâncias de
elavada pressão de vapor, existe o risco de ruptura do material dos tanques de
armazenamento e da dispersão de tais substâncias em estado gasoso no
ambiente. Em uma unidade, é necessário armazenar amônia condensada em
um tanque.
Uma forma de diminuir a pressão de vapor de amônia é
(A) aumentar a altura do tanque de armazenamento.
(B) injetar, dentro do tanque de armazenamento, um gás inerte e insolúvel na
fase líquida.
(C) instalar uma válvula para retirar amônia líquida do tanque, caso seja
detectado um aumento de pressão no seu interior.
(D) diminuir a área de contato entre as fases líquida e vapor no tanque de
armazenamento.
(E) diminuir a temperatura de armazenamento.
Resolução:
Lembre do conceito de pressão de vapor que descrevemos nessa aula:
ela pode ser entendida como uma medida da volatilidade. Assim, se
diminuirmos a temperatura vamos diminuir a quantidade de moléculas na
fase vapor e a volatilidade (diminuindo a pressão de vapor).
Alternativamente, avalie a equação de Antoine:
SOMENTE da temperatura
e da substância em questão (através dos parâmetros A, B e C). Logo todas
as outras alternativas são apenas distrações da resposta correta, a opção E.
GABARITO: E
00000000000
00000000000 - DEMO
Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 34
ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS
TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS
Prof. Victor Augusto Aula 00
Q15 (CESGRANRIO 2012 Engenheiro de Processamento /
Transpetro) Se, em um dia em Florianópolis a 18 °C, a umidade relativa
do ar é igual a 50%, então, a umidade absoluta em gramas de água por
quilogramas de ar seco é, aproximadamente, igual a
(A) 3 (B) 6 (C) 10
(D) 12 (E) 16
Resolução:
Na prova constava em anexo uma tabela de vapor de água, a qual
devimos consulta e obter a pressão de vapor da água a 18°C:
Usando a definição de umidade relativa:
Atente que a pressão total é a pressão atmosférica (P = 1atm) e que
a questão pede a umidade absoluta em gramas de água por quilogramas de
ar seco, portanto devemos atentar a estas unidades:
Porém o denominador (correspondente ao ar seco) deve ter unidade
de massa em quilogramas. Vamos também fazer aproximações que
facilitem nosso cálculo:
Dados:
Massa molar da água = 18 g/mol
Massa molar do ar = 29 g/mol
Tabela de vapor de água
00000000000
00000000000 - DEMO
Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 35
ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS
TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS
Prof. Victor Augusto Aula 00
Observando as alternativas, chegamos ao gabarito da questão.
GABARITO: B
Q16 (CESGRANRIO 2014 Engenheiro de Processamento
Júnior/Petrobras)
De acordo com o gráfico acima, a temperatura, em graus Celsius, de
uma corrente de ar na pressão atmosférica com umidade relativa de 40% e
3% de água em base volumétrica é de, aproximadamente,
(A) 35 (B) 36 (C) 37 (D) 38 (E) 40
Resolução:
Sabemos que UR = 40% e que a corrente tem 3% de ar em base
volumétrica. Considerando o comportamento dos gases como ideal, 3% em
base volumétrica seria também 3% em base molar, pois todas as moléculas
de gases possuem um mesmo volume molar (por exemplo, 22,4 L/mol mas
CNTPs). Como a corrente está em pressão atmosférica temos que a pressão
parcial é igual a:
Pela definição de umidade relativa:
00000000000
00000000000 - DEMO
Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 36
ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS
TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS
Prof. Victor Augusto Aula 00
Agora basta procurar no gráfico a temperatura correspondente a uma
pressão de vapor igual a 0,075 atm (no caso o valor 7,5, já que o eixo das
ordenadas está em uma escala multiplicada por 100).
Por fim chegamos a temperatura de 40°C
GABARITO: E
00000000000
00000000000 - DEMO
Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 37
ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS
TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS
Prof. Victor Augusto Aula 00
Espero que tenha gostado dessa nossa introdução à Engenharia Química
para concursos. Não hesite em falar comigo para discutir sobre qualquer
assunto e aguardo você na próxima aula!
Abraço,
Prof. Victor Augusto
Twitter: @augvictor
E-mail: victorses@outlook.com
00000000000
00000000000 - DEMO
Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 38
ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS
TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS
Prof. Victor Augusto Aula 00
Q1 (FCC 2014 Engenheiro Químico/SABESP)
O mol é a unidade de medida fundamental e amplamente utilizada no
preparo de soluções. Um mol representa:
(A) uma medida de densidade molecular.
(B) a unidade padrão de massa atômica de uma molécula ou átomo.
(C) o número de equivalentes-grama por litro nas condições ideais de
pressão e temperatura.
(D) a quantidade de matéria de um sistema que contém tantas entidades
elementares quantos são os átomos contidos em 0,012 quilograma de
carbono 12.
(E) uma relação entre massa e volume.
Q2 (CESGRANRIO 2012 Engenheiro de Processamento Júnior/Petrobras)
Uma solução aquosa contém bissulfito de sódio, a 316 g/L.
Quais são a quantidade em moles e a concentração em mol/L de bissulfito
de sódio em 2,5 litros dessa solução?
(A) 5 moles e 5 mol/L
(B) 5 moles e 2,5 mol/L
(C) 5 moles e 2 mol/L
(D) 2,5 moles e 5 mol/L
(E) 2,5 moles e 2 mol/L
Dados:
Massa Atômica do Na = 23
Massa Atômica do S = 32
Massa Atômica do O = 16
00000000000
00000000000 - DEMO
Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 39
ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS
TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS
Prof. Victor Augusto Aula 00
Q3 (CESPE 2008 Engenheiro de Processamento/Petrobras)
Considerando que uma mistura gasosa contenha, em massa, 30% de
um gás A e 70% de um gás B, que a massa molar de A seja igual a 30 g/mol
e a de B, 210 g/mol, a massa molar média dessa mistura gasosa, em g/mol,
será igual a:
A) 50 B) 75 C) 100 D) 120 E) 156
Q4 (FCC 2014 Engenheiro Químico/SABESP)
Desejando-se produzir água potável na vazão de 100 m3.minuto-1, contendo
uma concentração final de cloro livre de 1,0 mg.L-1, a vazão necessária de
uma solução de hipoclorito de sódio com concentração de cloro livre igual a
50 g.L-1 para atingir esse objetivo deve ser de:
(A) 20 105 L min 1.
(B) 20,0 L min 1.
(C)2,0 L min 1.
(D)500 L min 1.
(E) 5,0 L . min 1.
Q5 (CESGRANRIO 2012 Engenheiro de Processamento Júnior/Petrobras)
Um reservatório, nas CNTP, contém 220 g de propano.
O volume, em litros, desse reservatório, e a massa, em gramas, de
metano que pode ser nele armazenado nas mesmas condições, ou seja, nas
CNTP, são, respectivamente,
(A) 56 e 40
(B) 56 e 80
00000000000
00000000000 - DEMO
Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 40
ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS
TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS
Prof. Victor Augusto Aula 00
(C) 112 e 40
(D) 112 e 80
(E) 220 e 110
Q6 (CESGRANRIO 2010 Engenheiro de Processamento Júnior/Petrobras)
Em relação à pressão de vapor de um líquido, é INCORRETO afirmar que
(A) A pressão de vapor de um líquido aumenta linearmente com o aumento
da temperatura.
(B) a curva de pressão de vapor relaciona pressão a temperatura, sendo que,
em qualquer ponto acima da curva, existem duas fases, líquido e vapor.
(C) a pressão de vapor pode ser estimada por meio de equações empíricas.
(D) a Equação de Clapeyron estabelece uma relação termodinâmica entre
pressão de vapor e entalpia de vaporização de uma substância pura.
(E) um líquido puro entra em ebulição, em dada temperatura, quando sua
pressão de vapor é igual à pressão à qual está submetido.
Q7 (CESGRANRIO 2008 Engenheiro de Processamento Júnior/Petrobras)
,
em que A = 2, B = 1.000, C = 200; T está em kelvin e P, em atmosfera, a
temperatura normal de ebulição dessa substância, em kelvins, será igual a
(A) 100 (B) 200 (C) 300 (D) 400 (E) 500
Q8 (CESGRANRIO 2006 Engenheiro de Processamento
Júnior/Petrobras) Ar e água líquida estão em equilíbrio em um recipiente
fechado a 75 o
C e 760 mmHg. Sabendo que a pressão de vapor da água (75
o
C e 760 mmHg) = 289 mmHg, a composição molar da fase gasosa é:
00000000000
00000000000 - DEMO
Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 41
ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS
TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS
Prof. Victor Augusto Aula 00
AR ÁGUA
(A) 24% 76%
(B) 38% 62%
(C) 50% 50%
(D) 62% 38%
(E) 76% 24%
Q9 (CESGRANRIO 2011 Engenheiro de Processamento / Transpetro)
Uma corrente de ar com umidade relativa igual a 60% entra em um
desumidificador, de onde sai com umidade relativa igual a 40%.
Se o desumidificador opera a pressão e temperatura constantes, a razão entre
na entrada é, aproximadamente, igual a
(A) 0,50 (B) 0,67 (C) 1,50 (D) 2,00 (E) 2,40
Q10 (2014 - Professor IFRN)
Uma amostra de 500 mL de uma solução aquosa de ácido hipocloroso, cuja
concentração é igual a 1,0 mol/L, contém, entre outras espécies químicas,
A) 0,5 mol de moléculas de HClO.
B) 1 mol de moléculas de HClO.
C) (0,5 x) mol de moléculas de HClO e x mol de íons ClO
1
.
D) 0,5 mol de íons ClO
1
.
00000000000
00000000000 - DEMO
Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 42
ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS
TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS
Prof. Victor Augusto Aula 00
Q11 (CESGRANRIO 2014 Engenheiro de Processamento Júnior/Petrobras)
Uma solução líquida de n-butano e n-pentano é adicionada a ácido acético,
resultando em uma mistura líquida com massa específica igual a 800 kg.m3
.
Admitindo comportamento ideal do sistema, a fração mássica de ácido
acético na mistura é, aproximadamente, de
(A)0,40 (B) 0,45 (C) 0,50 (D) 0,55 (E) 0,62
Dados: Massa específica do ácido acético: 1000 kg . m3
Massa específica da mistura n-butano + n-pentano: 600 kg . m3
Q12 (CESGRANRIO 2014 Engenheiro de Processamento Júnior/Petrobras)
O limite mínimo de inflamabilidade de um gás combustível é o teor mínimo
do gás que forma uma mistura explosiva com o ar. Para o metano, este valor
consiste em 5% de metano em fração volumétrica da mistura. Em uma sala
de pesquisa, um cilindro de gás, em base volumétrica com 50% de metano
e 50% de uma mistura O2/N2 com composição similar à do ar atmosférico,
alimenta um reator a uma vazão de 2 mol . min 1. Em caso de vazamento
da mistura para tal sala, admitindo que tal sala esteja totalmente fechada e
contenha inicialmente 1.800 mols de ar atmosférico, o gás na sala atingirá o
limite mínimo de inflamabilidade em quantos minutos?
(A) 85 (B) 90 (C) 95 (D) 100 (E) 105
Q13 (CESGRANRIO 2012 Engenheiro de Processamento/Transpetro)
Em um béquer, prepara-se uma solução contendo 360 g de água, 184 g de
etanol e 120 g de fosfato monobásico de sódio (NaH2(PO4)).
A fração molar de NaH2(PO4) nessa solução é igual a
(A) 0,80 (B) 0,70 (C) 0,50 (D) 0,16 (E) 0,04
00000000000
00000000000 - DEMO
Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 43
ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS
TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS
Prof. Victor Augusto Aula 00
Dados: Massa molar do etanol = 46 g/mol
Massa molar da água = 18 g/mol
Massa molar do NaH
2
(PO
4
) = 120 g/mol
Q14 (CESGRANRIO 2011 Engenheiro de Processamento/Transpetro)
No armazenamento de substâncias de elavada pressão de vapor, existe o risco
de ruptura do material dos tanques de armazenamento e da dispersão de tais
substâncias em estado gasoso no ambiente. Em uma unidade, é necessário
armazenar amônia condensada em um tanque.
Uma forma de diminuir a pressão de vapor de amônia é
(A) aumentar a altura do tanque de armazenamento.
(B) injetar, dentro do tanque de armazenamento, um gás inerte e insolúvel na
fase líquida.
(C) instalar uma válvula para retirar amônia líquida do tanque, caso seja
detectado um aumento de pressão no seu interior.
(D) diminuir a área de contato entre as fases líquida e vapor no tanque de
armazenamento.
(E) diminuir a temperatura de armazenamento.
Q15 (CESGRANRIO 2012 Engenheiro de Processamento /
Transpetro)
Se, em um dia em Florianópolis a 18 °C, a umidade relativa do ar é igual a
50%, então, a umidade absoluta em gramas de água por quilogramas de ar
seco é, aproximadamente, igual a
(A) 3 (B) 6 (C) 10
(D) 12 (E) 16
Dados:
Massa molar da água = 18 g/mol
Massa molar do ar = 29 g/mol
00000000000
00000000000 - DEMO
Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 44
ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS
TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS
Prof. Victor Augusto Aula 00
Q16 (CESGRANRIO 2014 Engenheiro de Processamento
Júnior/Petrobras)
De acordo com o gráfico acima, a temperatura, em graus Celsius, de
uma corrente de ar na pressão atmosférica com umidade relativa de 40% e
3% de água em base volumétrica é de, aproximadamente,
(A) 35 (B) 36 (C) 37 (D) 38 (E) 40
00000000000
00000000000 - DEMO
Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 45
ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS
TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS
Prof. Victor Augusto Aula 00
01 D
02 ANULADA
03 B
04 C
05 D
06 ANULADA
07 C
08 D
09 B
10 C
11 E
12 D
13 E
14 E
15 B
16 E
00000000000
00000000000 - DEMO
Engenharia Química para Concursos

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Transferencia de massa livro
Transferencia de massa livroTransferencia de massa livro
Transferencia de massa livroLuciano Costa
 
Silva telles 10ª ed tubulações industriais- PETROQUIMICA
Silva telles 10ª ed   tubulações industriais- PETROQUIMICASilva telles 10ª ed   tubulações industriais- PETROQUIMICA
Silva telles 10ª ed tubulações industriais- PETROQUIMICACarlinhos .
 
Medidores de pressão
Medidores de pressãoMedidores de pressão
Medidores de pressãoDiogo_Cabral
 
Inspeção visual e ensaios NDT Estruturas de concreto_ COTEQ 2019
Inspeção visual e ensaios NDT Estruturas de concreto_ COTEQ 2019Inspeção visual e ensaios NDT Estruturas de concreto_ COTEQ 2019
Inspeção visual e ensaios NDT Estruturas de concreto_ COTEQ 2019Adriana de Araujo
 
02 - Betão armado-patologia e inspecção - COR.pdf
02 - Betão armado-patologia e inspecção - COR.pdf02 - Betão armado-patologia e inspecção - COR.pdf
02 - Betão armado-patologia e inspecção - COR.pdfAntnioJosMendesPedri
 
Aula 3 propriedades mecânicas dos materiais
Aula 3   propriedades mecânicas dos materiaisAula 3   propriedades mecânicas dos materiais
Aula 3 propriedades mecânicas dos materiaisLidiane Augusto
 
Processos%20 industriais%20inorg%e2nicos
Processos%20 industriais%20inorg%e2nicosProcessos%20 industriais%20inorg%e2nicos
Processos%20 industriais%20inorg%e2nicosLetícia Dutra
 
Aula 3 ensaios mecânicos e end - ensaio de compressão
Aula 3   ensaios mecânicos e end - ensaio de compressãoAula 3   ensaios mecânicos e end - ensaio de compressão
Aula 3 ensaios mecânicos e end - ensaio de compressãoAlex Leal
 

Mais procurados (20)

Transferencia de massa livro
Transferencia de massa livroTransferencia de massa livro
Transferencia de massa livro
 
5.operacoes unitarias slides
5.operacoes unitarias slides5.operacoes unitarias slides
5.operacoes unitarias slides
 
Caldeiras 1
Caldeiras 1Caldeiras 1
Caldeiras 1
 
Silva telles 10ª ed tubulações industriais- PETROQUIMICA
Silva telles 10ª ed   tubulações industriais- PETROQUIMICASilva telles 10ª ed   tubulações industriais- PETROQUIMICA
Silva telles 10ª ed tubulações industriais- PETROQUIMICA
 
Estrutura de aco pp
Estrutura de aco ppEstrutura de aco pp
Estrutura de aco pp
 
Polimeros Principais Propriedades
Polimeros Principais PropriedadesPolimeros Principais Propriedades
Polimeros Principais Propriedades
 
Cap1 parte i
Cap1 parte iCap1 parte i
Cap1 parte i
 
Lista 1 2 e 3 gabarito
Lista 1 2 e 3 gabaritoLista 1 2 e 3 gabarito
Lista 1 2 e 3 gabarito
 
Polimeros
PolimerosPolimeros
Polimeros
 
Termorrígidos
TermorrígidosTermorrígidos
Termorrígidos
 
Medidores de pressão
Medidores de pressãoMedidores de pressão
Medidores de pressão
 
Inspeção visual e ensaios NDT Estruturas de concreto_ COTEQ 2019
Inspeção visual e ensaios NDT Estruturas de concreto_ COTEQ 2019Inspeção visual e ensaios NDT Estruturas de concreto_ COTEQ 2019
Inspeção visual e ensaios NDT Estruturas de concreto_ COTEQ 2019
 
02 - Betão armado-patologia e inspecção - COR.pdf
02 - Betão armado-patologia e inspecção - COR.pdf02 - Betão armado-patologia e inspecção - COR.pdf
02 - Betão armado-patologia e inspecção - COR.pdf
 
Apostila para pintor industrial
Apostila para pintor industrialApostila para pintor industrial
Apostila para pintor industrial
 
Aula 3 propriedades mecânicas dos materiais
Aula 3   propriedades mecânicas dos materiaisAula 3   propriedades mecânicas dos materiais
Aula 3 propriedades mecânicas dos materiais
 
00 apresentação tubulações industriais
00 apresentação tubulações industriais00 apresentação tubulações industriais
00 apresentação tubulações industriais
 
PolíMeros - Prof Thaiza
PolíMeros - Prof ThaizaPolíMeros - Prof Thaiza
PolíMeros - Prof Thaiza
 
Processos%20 industriais%20inorg%e2nicos
Processos%20 industriais%20inorg%e2nicosProcessos%20 industriais%20inorg%e2nicos
Processos%20 industriais%20inorg%e2nicos
 
Aula 3 ensaios mecânicos e end - ensaio de compressão
Aula 3   ensaios mecânicos e end - ensaio de compressãoAula 3   ensaios mecânicos e end - ensaio de compressão
Aula 3 ensaios mecânicos e end - ensaio de compressão
 
Estruturas de aço_aula1
Estruturas de aço_aula1Estruturas de aço_aula1
Estruturas de aço_aula1
 

Destaque

Aula de Direito Penal Militar para Concurso MPU
Aula de Direito Penal Militar para Concurso MPUAula de Direito Penal Militar para Concurso MPU
Aula de Direito Penal Militar para Concurso MPUEstratégia Concursos
 
Aula Grátis de Português para Concurso MPU
Aula Grátis de Português para Concurso MPUAula Grátis de Português para Concurso MPU
Aula Grátis de Português para Concurso MPUEstratégia Concursos
 
Curso de Direito Administrativo para Concurso PRF 2017
Curso de Direito Administrativo para Concurso PRF 2017Curso de Direito Administrativo para Concurso PRF 2017
Curso de Direito Administrativo para Concurso PRF 2017Estratégia Concursos
 
Aula Grátis de Direito do Trabalho para MPU
Aula Grátis de Direito do Trabalho para MPUAula Grátis de Direito do Trabalho para MPU
Aula Grátis de Direito do Trabalho para MPUEstratégia Concursos
 
História e Aspectos Geoeconômicos do Rio Grande do Norte p/ Concurso MP-RN
História e Aspectos Geoeconômicos do Rio Grande do Norte p/ Concurso MP-RNHistória e Aspectos Geoeconômicos do Rio Grande do Norte p/ Concurso MP-RN
História e Aspectos Geoeconômicos do Rio Grande do Norte p/ Concurso MP-RNEstratégia Concursos
 
Resumo de Português para Concursos FCC,Cespe
Resumo de Português para Concursos FCC,CespeResumo de Português para Concursos FCC,Cespe
Resumo de Português para Concursos FCC,CespeEstratégia Concursos
 
Curso de Direitos Humanos para Concurso PRF 2017
Curso de Direitos Humanos para Concurso PRF 2017Curso de Direitos Humanos para Concurso PRF 2017
Curso de Direitos Humanos para Concurso PRF 2017Estratégia Concursos
 
Curso de Direito Processual Penal para Concurso PRF 2017
Curso de Direito Processual Penal para Concurso PRF 2017Curso de Direito Processual Penal para Concurso PRF 2017
Curso de Direito Processual Penal para Concurso PRF 2017Estratégia Concursos
 
Curso de Ética no Serviço Público para Concurso PRF 2017
Curso de Ética no Serviço Público para Concurso PRF 2017Curso de Ética no Serviço Público para Concurso PRF 2017
Curso de Ética no Serviço Público para Concurso PRF 2017Estratégia Concursos
 
Resumo de redação oficial
Resumo de redação oficialResumo de redação oficial
Resumo de redação oficialfelipe luccas
 
Resumo tcm rj Direito Constitucional
Resumo tcm rj Direito ConstitucionalResumo tcm rj Direito Constitucional
Resumo tcm rj Direito ConstitucionalNádia Santos
 
Curso de Português para Concurso PRF 2017
Curso de Português para Concurso PRF 2017Curso de Português para Concurso PRF 2017
Curso de Português para Concurso PRF 2017Estratégia Concursos
 
Atos de Ofício (Conforme novo CPC) p/ Concurso TJ-MG
Atos de Ofício (Conforme novo CPC) p/ Concurso TJ-MGAtos de Ofício (Conforme novo CPC) p/ Concurso TJ-MG
Atos de Ofício (Conforme novo CPC) p/ Concurso TJ-MGEstratégia Concursos
 
Direito Processual Penal p/ Concurso TJ-SP
Direito Processual Penal p/ Concurso TJ-SPDireito Processual Penal p/ Concurso TJ-SP
Direito Processual Penal p/ Concurso TJ-SPEstratégia Concursos
 
Curso de Matemática para Concurso PRF 2017
Curso de Matemática para Concurso PRF 2017Curso de Matemática para Concurso PRF 2017
Curso de Matemática para Concurso PRF 2017Estratégia Concursos
 
Curso de Física para ENEM 2016
Curso de Física para ENEM 2016Curso de Física para ENEM 2016
Curso de Física para ENEM 2016Estratégia ENEM
 
Curso de Química para ENEM 2016
Curso de Química para ENEM 2016Curso de Química para ENEM 2016
Curso de Química para ENEM 2016Estratégia ENEM
 
Prova comentada de Noções de Identificação p/ Papiloscopista GO
Prova comentada de Noções de Identificação p/ Papiloscopista GOProva comentada de Noções de Identificação p/ Papiloscopista GO
Prova comentada de Noções de Identificação p/ Papiloscopista GOEstratégia Concursos
 

Destaque (20)

Aula de Direito Penal Militar para Concurso MPU
Aula de Direito Penal Militar para Concurso MPUAula de Direito Penal Militar para Concurso MPU
Aula de Direito Penal Militar para Concurso MPU
 
Aula Grátis de Português para Concurso MPU
Aula Grátis de Português para Concurso MPUAula Grátis de Português para Concurso MPU
Aula Grátis de Português para Concurso MPU
 
Curso de Direito Administrativo para Concurso PRF 2017
Curso de Direito Administrativo para Concurso PRF 2017Curso de Direito Administrativo para Concurso PRF 2017
Curso de Direito Administrativo para Concurso PRF 2017
 
Aula Grátis de Direito do Trabalho para MPU
Aula Grátis de Direito do Trabalho para MPUAula Grátis de Direito do Trabalho para MPU
Aula Grátis de Direito do Trabalho para MPU
 
História e Aspectos Geoeconômicos do Rio Grande do Norte p/ Concurso MP-RN
História e Aspectos Geoeconômicos do Rio Grande do Norte p/ Concurso MP-RNHistória e Aspectos Geoeconômicos do Rio Grande do Norte p/ Concurso MP-RN
História e Aspectos Geoeconômicos do Rio Grande do Norte p/ Concurso MP-RN
 
Informática Básica para Concurso
Informática Básica para ConcursoInformática Básica para Concurso
Informática Básica para Concurso
 
Resumo de Português para Concursos FCC,Cespe
Resumo de Português para Concursos FCC,CespeResumo de Português para Concursos FCC,Cespe
Resumo de Português para Concursos FCC,Cespe
 
Curso de Direitos Humanos para Concurso PRF 2017
Curso de Direitos Humanos para Concurso PRF 2017Curso de Direitos Humanos para Concurso PRF 2017
Curso de Direitos Humanos para Concurso PRF 2017
 
Curso de Direito Processual Penal para Concurso PRF 2017
Curso de Direito Processual Penal para Concurso PRF 2017Curso de Direito Processual Penal para Concurso PRF 2017
Curso de Direito Processual Penal para Concurso PRF 2017
 
Curso de Ética no Serviço Público para Concurso PRF 2017
Curso de Ética no Serviço Público para Concurso PRF 2017Curso de Ética no Serviço Público para Concurso PRF 2017
Curso de Ética no Serviço Público para Concurso PRF 2017
 
Resumo de redação oficial
Resumo de redação oficialResumo de redação oficial
Resumo de redação oficial
 
Resumo tcm rj Direito Constitucional
Resumo tcm rj Direito ConstitucionalResumo tcm rj Direito Constitucional
Resumo tcm rj Direito Constitucional
 
Direito Penal para Concurso TJ-SP
Direito Penal para Concurso TJ-SPDireito Penal para Concurso TJ-SP
Direito Penal para Concurso TJ-SP
 
Curso de Português para Concurso PRF 2017
Curso de Português para Concurso PRF 2017Curso de Português para Concurso PRF 2017
Curso de Português para Concurso PRF 2017
 
Atos de Ofício (Conforme novo CPC) p/ Concurso TJ-MG
Atos de Ofício (Conforme novo CPC) p/ Concurso TJ-MGAtos de Ofício (Conforme novo CPC) p/ Concurso TJ-MG
Atos de Ofício (Conforme novo CPC) p/ Concurso TJ-MG
 
Direito Processual Penal p/ Concurso TJ-SP
Direito Processual Penal p/ Concurso TJ-SPDireito Processual Penal p/ Concurso TJ-SP
Direito Processual Penal p/ Concurso TJ-SP
 
Curso de Matemática para Concurso PRF 2017
Curso de Matemática para Concurso PRF 2017Curso de Matemática para Concurso PRF 2017
Curso de Matemática para Concurso PRF 2017
 
Curso de Física para ENEM 2016
Curso de Física para ENEM 2016Curso de Física para ENEM 2016
Curso de Física para ENEM 2016
 
Curso de Química para ENEM 2016
Curso de Química para ENEM 2016Curso de Química para ENEM 2016
Curso de Química para ENEM 2016
 
Prova comentada de Noções de Identificação p/ Papiloscopista GO
Prova comentada de Noções de Identificação p/ Papiloscopista GOProva comentada de Noções de Identificação p/ Papiloscopista GO
Prova comentada de Noções de Identificação p/ Papiloscopista GO
 

Semelhante a Engenharia Química para Concursos

Apostila processos industriais ipi1 ana paula
Apostila processos industriais ipi1 ana paulaApostila processos industriais ipi1 ana paula
Apostila processos industriais ipi1 ana paulazetec10
 
Curso de Química para Concurso Petrobras 2015
Curso de Química para Concurso Petrobras 2015Curso de Química para Concurso Petrobras 2015
Curso de Química para Concurso Petrobras 2015Estratégia Concursos
 
Processos industriais industria química
Processos industriais industria químicaProcessos industriais industria química
Processos industriais industria químicaJoao Manoel Ravasio
 
Aulao-ENEM-2018-Química.pdf
Aulao-ENEM-2018-Química.pdfAulao-ENEM-2018-Química.pdf
Aulao-ENEM-2018-Química.pdfRicardoBrunoFelix
 
Aulas práticas-de-química-ambiental alguns-experimentos-para-a-determinação-d...
Aulas práticas-de-química-ambiental alguns-experimentos-para-a-determinação-d...Aulas práticas-de-química-ambiental alguns-experimentos-para-a-determinação-d...
Aulas práticas-de-química-ambiental alguns-experimentos-para-a-determinação-d...Antonio Gadelha
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Química - Cálculo Estequimétrico (Parte 1)
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Química -  Cálculo Estequimétrico (Parte 1)www.AulasEnsinoMedio.com.br - Química -  Cálculo Estequimétrico (Parte 1)
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Química - Cálculo Estequimétrico (Parte 1)AulasEnsinoMedio
 
Teste avaliação Química 10_3
 Teste avaliação Química 10_3 Teste avaliação Química 10_3
Teste avaliação Química 10_3ana paula candeias
 
www.AulasParticularesApoio.Com - Química - Cálculo Estequiométrico (Parte 1)
www.AulasParticularesApoio.Com - Química -  Cálculo Estequiométrico (Parte 1)www.AulasParticularesApoio.Com - Química -  Cálculo Estequiométrico (Parte 1)
www.AulasParticularesApoio.Com - Química - Cálculo Estequiométrico (Parte 1)ApoioAulas ParticularesCom
 
Métodos numéricos aplicados à engenharia química
Métodos numéricos aplicados à engenharia químicaMétodos numéricos aplicados à engenharia química
Métodos numéricos aplicados à engenharia químicaDiego Silva
 
Quã­mica 2
Quã­mica 2Quã­mica 2
Quã­mica 2D3xter
 
Emi enem see ac química 2
Emi enem see ac química 2Emi enem see ac química 2
Emi enem see ac química 2Nuricel Aguilera
 

Semelhante a Engenharia Química para Concursos (20)

Apostila processos industriais ipi1 ana paula
Apostila processos industriais ipi1 ana paulaApostila processos industriais ipi1 ana paula
Apostila processos industriais ipi1 ana paula
 
Curso de Química para Concurso Petrobras 2015
Curso de Química para Concurso Petrobras 2015Curso de Química para Concurso Petrobras 2015
Curso de Química para Concurso Petrobras 2015
 
Processos industriais industria química
Processos industriais industria químicaProcessos industriais industria química
Processos industriais industria química
 
Curso de Química p/ Concurso ANP
Curso de Química p/ Concurso ANPCurso de Química p/ Concurso ANP
Curso de Química p/ Concurso ANP
 
Aulao-ENEM-2018-Química.pdf
Aulao-ENEM-2018-Química.pdfAulao-ENEM-2018-Química.pdf
Aulao-ENEM-2018-Química.pdf
 
Aulas práticas-de-química-ambiental alguns-experimentos-para-a-determinação-d...
Aulas práticas-de-química-ambiental alguns-experimentos-para-a-determinação-d...Aulas práticas-de-química-ambiental alguns-experimentos-para-a-determinação-d...
Aulas práticas-de-química-ambiental alguns-experimentos-para-a-determinação-d...
 
Estequiometria
EstequiometriaEstequiometria
Estequiometria
 
Quimica.pdf
Quimica.pdfQuimica.pdf
Quimica.pdf
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Química - Cálculo Estequimétrico (Parte 1)
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Química -  Cálculo Estequimétrico (Parte 1)www.AulasEnsinoMedio.com.br - Química -  Cálculo Estequimétrico (Parte 1)
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Química - Cálculo Estequimétrico (Parte 1)
 
Teste avaliação Química 10_3
 Teste avaliação Química 10_3 Teste avaliação Química 10_3
Teste avaliação Química 10_3
 
Apostila.pdftrans de calor
Apostila.pdftrans de calorApostila.pdftrans de calor
Apostila.pdftrans de calor
 
Apostila
ApostilaApostila
Apostila
 
E s t e q u i o m e t r i a relação de massa em solução
E s t e q u i o m e t r i a relação de massa em soluçãoE s t e q u i o m e t r i a relação de massa em solução
E s t e q u i o m e t r i a relação de massa em solução
 
fotometria de chama
fotometria de chamafotometria de chama
fotometria de chama
 
www.AulasParticularesApoio.Com - Química - Cálculo Estequiométrico (Parte 1)
www.AulasParticularesApoio.Com - Química -  Cálculo Estequiométrico (Parte 1)www.AulasParticularesApoio.Com - Química -  Cálculo Estequiométrico (Parte 1)
www.AulasParticularesApoio.Com - Química - Cálculo Estequiométrico (Parte 1)
 
HGTEO_Cap-1-_Aula1.pptx
HGTEO_Cap-1-_Aula1.pptxHGTEO_Cap-1-_Aula1.pptx
HGTEO_Cap-1-_Aula1.pptx
 
Apostila Matlab
Apostila MatlabApostila Matlab
Apostila Matlab
 
Métodos numéricos aplicados à engenharia química
Métodos numéricos aplicados à engenharia químicaMétodos numéricos aplicados à engenharia química
Métodos numéricos aplicados à engenharia química
 
Quã­mica 2
Quã­mica 2Quã­mica 2
Quã­mica 2
 
Emi enem see ac química 2
Emi enem see ac química 2Emi enem see ac química 2
Emi enem see ac química 2
 

Mais de Estratégia Concursos

Curso de Direito Administrativo para Concurso Polícia Federal
Curso de Direito Administrativo para Concurso Polícia FederalCurso de Direito Administrativo para Concurso Polícia Federal
Curso de Direito Administrativo para Concurso Polícia FederalEstratégia Concursos
 
Curso de Informática para Concurso Polícia Federal
Curso de Informática para Concurso Polícia FederalCurso de Informática para Concurso Polícia Federal
Curso de Informática para Concurso Polícia FederalEstratégia Concursos
 
Curso de Contabilidade para Concurso Polícia Federal
Curso de Contabilidade para Concurso Polícia FederalCurso de Contabilidade para Concurso Polícia Federal
Curso de Contabilidade para Concurso Polícia FederalEstratégia Concursos
 
Curso de Conhecimentos do DF para Concurso DPDF
Curso de Conhecimentos do DF para Concurso DPDFCurso de Conhecimentos do DF para Concurso DPDF
Curso de Conhecimentos do DF para Concurso DPDFEstratégia Concursos
 
Curso de Engenharia Florestal para Concursos
Curso de Engenharia Florestal para ConcursosCurso de Engenharia Florestal para Concursos
Curso de Engenharia Florestal para ConcursosEstratégia Concursos
 
Curso de Engenharia Elétrica para Concursos
Curso de Engenharia Elétrica para ConcursosCurso de Engenharia Elétrica para Concursos
Curso de Engenharia Elétrica para ConcursosEstratégia Concursos
 
Curso de Engenharia Ambiental para Concursos
Curso de Engenharia Ambiental para ConcursosCurso de Engenharia Ambiental para Concursos
Curso de Engenharia Ambiental para ConcursosEstratégia Concursos
 
Curso de Odontologia para Concursos 2020
Curso de Odontologia para Concursos 2020Curso de Odontologia para Concursos 2020
Curso de Odontologia para Concursos 2020Estratégia Concursos
 
Curso de Informática para Concurso PC-PR
Curso de Informática para Concurso PC-PRCurso de Informática para Concurso PC-PR
Curso de Informática para Concurso PC-PREstratégia Concursos
 
Curso de Português para Concurso TJ-RJ 2020
Curso de Português para Concurso TJ-RJ 2020Curso de Português para Concurso TJ-RJ 2020
Curso de Português para Concurso TJ-RJ 2020Estratégia Concursos
 
Curso de Legislação Especial para Concurso TJ-RJ
Curso de Legislação Especial para Concurso TJ-RJCurso de Legislação Especial para Concurso TJ-RJ
Curso de Legislação Especial para Concurso TJ-RJEstratégia Concursos
 
Curso de Direito Processual Civil para Concurso TJ-RJ
Curso de Direito Processual Civil para Concurso TJ-RJCurso de Direito Processual Civil para Concurso TJ-RJ
Curso de Direito Processual Civil para Concurso TJ-RJEstratégia Concursos
 
Direitos das Pessoas com Deficiência para Concurso TJ-RJ
Direitos das Pessoas com Deficiência para Concurso TJ-RJDireitos das Pessoas com Deficiência para Concurso TJ-RJ
Direitos das Pessoas com Deficiência para Concurso TJ-RJEstratégia Concursos
 
Prova SEFAZ AL Comentada - Questões Auditor Fiscal
Prova SEFAZ AL Comentada - Questões Auditor FiscalProva SEFAZ AL Comentada - Questões Auditor Fiscal
Prova SEFAZ AL Comentada - Questões Auditor FiscalEstratégia Concursos
 
Curso de Direitos Humanos para Concurso PCDF
Curso de Direitos Humanos para Concurso PCDF Curso de Direitos Humanos para Concurso PCDF
Curso de Direitos Humanos para Concurso PCDF Estratégia Concursos
 
Curso de Legislação Tributária para Concurso SEFAZ-AL
Curso de Legislação Tributária para Concurso SEFAZ-ALCurso de Legislação Tributária para Concurso SEFAZ-AL
Curso de Legislação Tributária para Concurso SEFAZ-ALEstratégia Concursos
 
Curso Administração Pública e Poder Judiciário para Concurso TJ-PA
Curso Administração Pública e Poder Judiciário para Concurso TJ-PACurso Administração Pública e Poder Judiciário para Concurso TJ-PA
Curso Administração Pública e Poder Judiciário para Concurso TJ-PAEstratégia Concursos
 
Curso de Lei Orgânica do DF para Concurso TCDF de Auditor
Curso de Lei Orgânica do DF para Concurso TCDF de AuditorCurso de Lei Orgânica do DF para Concurso TCDF de Auditor
Curso de Lei Orgânica do DF para Concurso TCDF de AuditorEstratégia Concursos
 

Mais de Estratégia Concursos (20)

Curso de Direito Administrativo para Concurso Polícia Federal
Curso de Direito Administrativo para Concurso Polícia FederalCurso de Direito Administrativo para Concurso Polícia Federal
Curso de Direito Administrativo para Concurso Polícia Federal
 
Curso de Informática para Concurso Polícia Federal
Curso de Informática para Concurso Polícia FederalCurso de Informática para Concurso Polícia Federal
Curso de Informática para Concurso Polícia Federal
 
Curso de Contabilidade para Concurso Polícia Federal
Curso de Contabilidade para Concurso Polícia FederalCurso de Contabilidade para Concurso Polícia Federal
Curso de Contabilidade para Concurso Polícia Federal
 
Curso de Conhecimentos do DF para Concurso DPDF
Curso de Conhecimentos do DF para Concurso DPDFCurso de Conhecimentos do DF para Concurso DPDF
Curso de Conhecimentos do DF para Concurso DPDF
 
Curso de Agronomia para Concursos
Curso de Agronomia para ConcursosCurso de Agronomia para Concursos
Curso de Agronomia para Concursos
 
Curso de Engenharia Florestal para Concursos
Curso de Engenharia Florestal para ConcursosCurso de Engenharia Florestal para Concursos
Curso de Engenharia Florestal para Concursos
 
Curso de Engenharia Elétrica para Concursos
Curso de Engenharia Elétrica para ConcursosCurso de Engenharia Elétrica para Concursos
Curso de Engenharia Elétrica para Concursos
 
Curso de Engenharia Ambiental para Concursos
Curso de Engenharia Ambiental para ConcursosCurso de Engenharia Ambiental para Concursos
Curso de Engenharia Ambiental para Concursos
 
Curso de Odontologia para Concursos 2020
Curso de Odontologia para Concursos 2020Curso de Odontologia para Concursos 2020
Curso de Odontologia para Concursos 2020
 
Curso de Informática para Concurso PC-PR
Curso de Informática para Concurso PC-PRCurso de Informática para Concurso PC-PR
Curso de Informática para Concurso PC-PR
 
Curso de Português para Concurso TJ-RJ 2020
Curso de Português para Concurso TJ-RJ 2020Curso de Português para Concurso TJ-RJ 2020
Curso de Português para Concurso TJ-RJ 2020
 
Curso de Legislação Especial para Concurso TJ-RJ
Curso de Legislação Especial para Concurso TJ-RJCurso de Legislação Especial para Concurso TJ-RJ
Curso de Legislação Especial para Concurso TJ-RJ
 
Curso de Direito Processual Civil para Concurso TJ-RJ
Curso de Direito Processual Civil para Concurso TJ-RJCurso de Direito Processual Civil para Concurso TJ-RJ
Curso de Direito Processual Civil para Concurso TJ-RJ
 
Direitos das Pessoas com Deficiência para Concurso TJ-RJ
Direitos das Pessoas com Deficiência para Concurso TJ-RJDireitos das Pessoas com Deficiência para Concurso TJ-RJ
Direitos das Pessoas com Deficiência para Concurso TJ-RJ
 
Prova SEFAZ AL Comentada - Questões Auditor Fiscal
Prova SEFAZ AL Comentada - Questões Auditor FiscalProva SEFAZ AL Comentada - Questões Auditor Fiscal
Prova SEFAZ AL Comentada - Questões Auditor Fiscal
 
Curso de Inglês para Concurso PCDF
Curso de Inglês para Concurso PCDFCurso de Inglês para Concurso PCDF
Curso de Inglês para Concurso PCDF
 
Curso de Direitos Humanos para Concurso PCDF
Curso de Direitos Humanos para Concurso PCDF Curso de Direitos Humanos para Concurso PCDF
Curso de Direitos Humanos para Concurso PCDF
 
Curso de Legislação Tributária para Concurso SEFAZ-AL
Curso de Legislação Tributária para Concurso SEFAZ-ALCurso de Legislação Tributária para Concurso SEFAZ-AL
Curso de Legislação Tributária para Concurso SEFAZ-AL
 
Curso Administração Pública e Poder Judiciário para Concurso TJ-PA
Curso Administração Pública e Poder Judiciário para Concurso TJ-PACurso Administração Pública e Poder Judiciário para Concurso TJ-PA
Curso Administração Pública e Poder Judiciário para Concurso TJ-PA
 
Curso de Lei Orgânica do DF para Concurso TCDF de Auditor
Curso de Lei Orgânica do DF para Concurso TCDF de AuditorCurso de Lei Orgânica do DF para Concurso TCDF de Auditor
Curso de Lei Orgânica do DF para Concurso TCDF de Auditor
 

Engenharia Química para Concursos

  • 1. Aula 00 Engenharia Química p/ Concursos - Curso Regular 2017 Professor: Victor Augusto Sousa e Silva 00000000000 - DEMO
  • 2. Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 1 ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS Prof. Victor Augusto Aula 00 Aula 00 - Demonstrativa SUMÁRIO PÁGINA 1. Apresentação 02 2. Processo e variáveis de processo 05 3. Materiais gasosos e líquidos 09 4. Equilíbrio de fases, uma introdução 17 5. Umidade absoluta e umidade relativa 25 6. Resolução de questões 29 7. Questões apresentadas na aula 38 8. Gabarito 45 00000000000 00000000000 - DEMO
  • 3. Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 2 ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS Prof. Victor Augusto Aula 00 1. APRESENTAÇÃO Prezado(a) colega Engenheiro(a) Químico(a), Seja bem-vindo a este curso de Engenharia Química para concursos. O curso está focado nos principais concursos da nossa área, trazendo muitas questões da Petrobras, Transpetro e outros dos nossos principais destinos. O objetivo do curso é fornecer a você conhecimento de alto nível em todos os domínios de Engenharia Química cobrados em concursos. Convido você a olhar comigo um simples levantamento dos possíveis destino de um Engenheiro Químico no mundo dos concursos. Dividi os concursos por área para uma melhor ideia das possibilidades: Energia e Petróleo Orgão/Empresa Cargo Histórico de editais Petrobras Engenheiro de Processamento - Técnicos 2012/2014 Transpetro Engenheiro Júnior - Técnicos 2012 Petroquímica Suape Engenheiro - Técnico 2011 Liquigás Distribuidora SA Técnico Químico 2011 EPE Analista de Pesquisa Energética 2010/2012/2014 ANP Técnico em Regulação de Petróleo e Derivados, Álcool Combustível e Gás Natural 2015 Sergipe Gás S/A Engenheiro Químico 2016 00000000000 00000000000 - DEMO
  • 4. Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 3 ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS Prof. Victor Augusto Aula 00 Militares Orgão/Empresa Cargo Histórico de editais Marinha Engenheiro 2013/2014/2016 Companhias de Saneamento Orgão/Empresa Cargo Histórico de editais Sabesp Engenheiro 2013 Compesa (PE) Químico 2016 CAERN Engenheiro Químico 2010 Embasa (BA) Engenheiro Químico 2009 Perito Criminal Orgão/Empresa Cargo Histórico de editais Polícia Federal Perito Criminal 2013 Policia Científica PE Perito Criminal 2016 Polícia Civil DF Perito Criminal 2016 Polícia RJ Perito Criminal 2013 Polícia AL Perito Criminal 2013 Polícia CE Perito Criminal 2012 Polícia PB Perito Criminal 2009 Polícia GO Perito Criminal 2015 Polícia ES Perito Criminal 2011 Polícia AC Perito Criminal 2015 Polícia Científica PR Perito Criminal 2017 Polícia SP Perito Criminal 2013 IGP SC Perito Criminal 2008 Outros Orgão/Empresa Cargo Histórico de editais Suframa Engenheiro 2014 MP/SP Analista Técnico Científico 2015 00000000000 00000000000 - DEMO
  • 5. Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 4 ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS Prof. Victor Augusto Aula 00 Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia Professor Diversos Embrapa Pesquisador- Agroenergia 2009 Surpreso com esse número de oportunidades? Eu também fiquei quando realizei essa pesquisa, pois, em geral, durante a faculdade temos a ideia de que o único concurso possível para nós é o de Engenheiro da Petrobras. Com - Eu me chamo Victor Augusto e me graduei em Engenharia Química pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) em 2014. Realizei um ano de graduação sanduíche no INSA Toulouse, França no ano letivo 2012- 2013. Posteriormente, obtive mestrado na Universidade de Columbia (Nova Iorque, EUA) em 2016. Obtive então o primeiro lugar no concurso da Polícia Científica de Pernambuco (CESPE/2016) para o cargo de Perito Criminal. Este material consiste de: - curso escrito completo (em PDF), formado por 25 aulas explico todo o conteúdo teórico que embasa a engenharia química, além de apresentar tantas questões resolvidas quanto possível (em sua maioria da Cesgranrio). - fórum de dúvidas, onde você pode entrar em contato direto conosco quando julgar necessário. Nesta aula introdutória veremos tópicos que dão embasamento para todo o curso, os conceitos aqui descritos foram essencialmente extraídos do livro Princípios dos processos químicos por Felder e Rousseau. Agora vamos direto para o conteúdo. Vem comigo! 00000000000 00000000000 - DEMO
  • 6. Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 5 ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS Prof. Victor Augusto Aula 00 2. Processo e variáveis de processo Um processo é qualquer operação ou série de operações através das quais um objetivo particular é atingido (Felder, 2008). Podemos dizer que a essência do objeto de estudo da Engenharia Química são os processos, estes que causam transformações físicas ou químicas nas substâncias que compõem a matéria prima para obtermos o produto desejado. O material que entra em um processo é chamado de entrada ou alimentação do processo, e o material que o deixa é a saída ou produto. Veja um diagrama de blocos bem simples como exemplo: O objetivo deste processo é separar o etanol e a água, observe que alimentamos uma mistura das duas substancias e temos duas correntes de saídas com nossos produtos refinados. 2.1. Massa e volume A massa específica (mais conhecida como densidade) de uma substância é a massa por unidade de volume da substância (kg/m3 , g/cm3 ). O volume específico de uma substância é o volume ocupado por unidade de massa; é, portanto, o inverso da densidade. Vejamos suas respectivas definições matemáticas: Coluna de destilação Etanol + água Etanol Água 00000000000 00000000000 - DEMO
  • 7. Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 6 ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS Prof. Victor Augusto Aula 00 2.2. Vazão A maior parte dos processos envolve o movimento de material de um ponto a outro. A taxa à qual o material é transportado através de uma linha de processo é a vazão do material. A vazão de uma corrente pode ser expressa como vazão mássica (massa/tempo) ou como vazão volumétrica (volume/tempo). Suponhamos que um fluido (gás ou líquido) flui através da tubulação cilíndrica mostrada a seguir: Se vazão mássica do fluido é 1 , então a cada segundo quilogramas do fluido passam através da seção transversal. Se a vazão de um fluido é , então a cada segundo metros cúbicos do fluido passam através da seção transversal a cada segundo. Como é de se imaginar, a massa de um fluido que atravessa essa seção está diretamente relacionada com o volume deste fluido. A relação entre essas duas formas de se medir a vazão é dada por: Expressando as unidades: Observa-se que a densidade relaciona essas duas quantidades. Ora, nada mais natural, pois a densidade nos permite calcular a massa a partir do volume e vice-versa. Digamos que água escoa por uma torneira a uma vazão de 100 litros por minuto (L/min), sabemos que a densidade da água é de 1 1 As variáveis com um ponto ( são vazões e terão sempre tempo-1 em sua unidade; por exemplo, . 00000000000 00000000000 - DEMO
  • 8. Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 7 ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS Prof. Victor Augusto Aula 00 kg/L, logo 100 litros equivalem a 100 quilogramas de água. Portanto a vazão mássica é de 100 quilogramas por minuto (kg/min). 2.3. Concentração e composição Nos processos químicos é de suma importância o conhecimento das propriedades físicas e químicas dos materiais que estamos lidando. Estas propriedades dependem fortemente de sua composição. Vejamos então os conceitos que nos permitem expressar a composição de uma mistura. 2.3.1. Peso molecular e número de mols O peso atômico de um elemento é a massa de um átomo, medida em unidade de massa atômica (u), que é definida como 1/12 da massa de um átomo de carbono-12. Em provas de concurso sempre se observa que ou eles fornecem a tabela periódica ou as massas dos elementos necessários são fornecidas como dados da questão. O peso molecular de um composto é a soma dos pesos atômicos dos átomos que constituem a molécula. Por exemplo, o elemento nitrogênio (N) possui massa atômica igual a , logo a molécula do gás nitrogênio (N2) possui massa molecular igual a . Um mol de uma espécie é a quantidade desta espécie cuja massa, em gramas, é numericamente igual ao seu peso molecular. Vejamos então o exemplo da água (H2O), cujo peso molecular é 18u; logo, 1 mol de água pesará 18 gramas. Um mol de qualquer espécie contém aproximadamente (o número de Avogadro) moléculas, átomos, íons, etc. 00000000000 00000000000 - DEMO
  • 9. Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 8 ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS Prof. Victor Augusto Aula 00 Q1 (FCC 2014 Engenheiro Químico/SABESP) O mol é a unidade de medida fundamental e amplamente utilizada no preparo de soluções. Um mol representa: (A) uma medida de densidade molecular. (B) a unidade padrão de massa atômica de uma molécula ou átomo. (C) o número de equivalentes-grama por litro nas condições ideais de pressão e temperatura. (D) a quantidade de matéria de um sistema que contém tantas entidades elementares quantos são os átomos contidos em 0,012 quilograma de carbono 12. (E) uma relação entre massa e volume. Resolução: A questão exige simplesmente o conceito de mol. Como discutimos anteriormente o carbono-12 foi adotado como referência e possui massa atômica igual a 12 u, logo 1 mol conterá 12 gramas deste carbono (ou 0,012 gramas como descrito na questão). Reforçando: mol é uma grandeza que mede a quantidade de matéria, além disso sua quantidade foi precisamente descrita na assertiva D. GABARITO: D Se o peso molecular de uma substância é M, então existem M g/mol ou M kg/kmol desta substância. Este valor M, em gramas por mol (g/mol), é definido como massa molar e é numericamente igual ao peso molecular. Para o mesmo exemplo da água temos que a massa molar dessa substância é igual a 18 g/mol. Portanto, o conceito dessa grandeza é: A massa molar corresponde à massa de um mol de entidades elementares (átomos, moléculas, íons, etc) 00000000000 00000000000 - DEMO
  • 10. Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 9 ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS Prof. Victor Augusto Aula 00 Esse conceito é bem básico e v na resolução de questões, pois em provas como a da Petrobras é certo que você precisará fazer conversões de massa para número de mols (ou o contrário). Vamos a uma questão de prova bem simples que deve ser resolvida tranquila e rapidamente para ganhar tempo: Q2 (CESGRANRIO 2012 Engenheiro de Processamento Júnior/Petrobras) Uma solução aquosa contém bissulfito de sódio, a 316 g/L. Quais são a quantidade em moles e a concentração em mol/L de bissulfito de sódio em 2,5 litros dessa solução? (A) 5 moles e 5 mol/L (B) 5 moles e 2,5 mol/L (C) 5 moles e 2 mol/L (D) 2,5 moles e 5 mol/L (E) 2,5 moles e 2 mol/L Resolução: Em primeiro lugar devemos saber a fórmula molecular do bissulfito de sódio que é NaHSO3. Agora calculamos a sua massa molar com base nas massas atômicas fornecidas com a questão: Com esse dado podemos calcular a concentração em mol/L facilmente: E o número total de moles na solução: Dados: Massa Atômica do Na = 23 Massa Atômica do S = 32 Massa Atômica do O = 16 00000000000 00000000000 - DEMO
  • 11. Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 10 ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS Prof. Victor Augusto Aula 00 Essa questão foi ANULADA pela Cesgranrio, causa estranheza pois era muito simples. De toda forma, você pode perceber que com simples conceitos você já pode acertar questões da prova para Engenheiro da Petrobras. GABARITO: ANULADA 2.3.2. Frações molar e mássica As correntes do processo ocasionalmente contêm apenas uma substância, porém o mais comum é que consistam em misturas de líquidos e gases, ou em soluções de um ou mais componentes em um solvente líquido. Os seguintes termos podem ser usados para definir a composição de uma mistura de substâncias que inclui a espécie A. As frações são expressas numericamente por um numero de 0 a 1, ou alternativamente em porcentagem, de 0% a 100%. Como é de se esperar, a soma de todas as frações será sempre igual a 1 (ou 100%). Logo, se temos uma mistura com n componentes: ou Fração mássica: ( ) Fração molar: ( ) 00000000000 00000000000 - DEMO
  • 12. Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 11 ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS Prof. Victor Augusto Aula 00 2.3.3. Massa molar média Em algumas questões é muito útil o conhecimento do peso molecular médio. Um exemplo bastante abordado é o caso do ar. Como se trata de uma mistura de gases, não existe, a princípio, uma massa molar que possa relacionar a massa com o número de mols. Porém, fazendo uma média ponderada das massas molares dos componentes do ar, chegamos a uma massa molar média capaz de descrever bem essa mistura (o ar). Considere a composição molar aproximada como 79% N2 e 21% O2. Portanto, a massa molar média do ar é 29 g/mol. A depender da questão você será exigido calcular este dado, em outras ela já é informada para simplificação. Recapitulando: a ideia é bem simples, pense como uma média ponderada das massas molares onde o peso é a própria fração MOLAR (quanto maior o número de mols de um componente na mistura, maior a contribuição da sua massa molar). conceito: Q3 (CESPE 2008 Engenheiro de Processamento/Petrobras) Considerando que uma mistura gasosa contenha, em massa, 30% de um gás A e 70% de um gás B, que a massa molar de A seja igual a 30 g/mol e a de B, 210 g/mol, a massa molar média dessa mistura gasosa, em g/mol, será igual a: A) 50 B) 75 C) 100 D) 120 E) 156 Resolução: O problema era o primeiro da prova e apesar de simples exige a atenção. Veja que ele nos fornece a composição do gás em base MÁSSICA, ou seja, não podemos usá-la para calcular diretamente a massa molar 00000000000 00000000000 - DEMO
  • 13. Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 12 ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS Prof. Victor Augusto Aula 00 média. Mas veja um simples artifício que soluciona o problema: considere como base de cálculo 100 gramas de mistura, então teríamos 30 gramas de A e 70 gramas de B. Agora calculamos o número de mols de cada um dos gases: Agora sim podemos calcular a fração molar: Finalmente: GABARITO: B 2.3.4. Concentração A concentração mássica de um componente em uma mistura ou em uma solução é a massa desse componente por unidade de volume da mistura (g/cm3 , kg/L). A concentração molar de um componente é o numero de moles por unidade de volume da mistura (mol/L, kmol/m3 , etc). 00000000000 00000000000 - DEMO
  • 14. Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 13 ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS Prof. Victor Augusto Aula 00 Q4 (FCC 2014 Engenheiro Químico/SABESP) Desejando-se produzir água potável na vazão de 100 m3.minuto-1, contendo uma concentração final de cloro livre de 1,0 mg.L-1, a vazão necessária de uma solução de hipoclorito de sódio com concentração de cloro livre igual a 50 g.L-1 para atingir esse objetivo deve ser de: (A) 20 105 L min 1. (B) 20,0 L min 1. (C)2,0 L min 1. (D)500 L min 1. (E) 5,0 L . min 1. Resolução: Na questão nos foi fornecido a vazão desejada e a concentração de cloro nesta corrente produzida. Podemos então calcular o quanto de cloro está fluindo, ou seja, qual a vazão mássica do cloro: Agora sabemos que precisamos de uma quantidade de cloro suficiente para atingir essa vazão de 100 gramas por minuto. Para tanto, precisamos de referida solução concentrada de hipoclorito de sódio com a seguinte vazão: Concentração mássica: Concentração molar: 00000000000 00000000000 - DEMO
  • 15. Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 14 ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS Prof. Victor Augusto Aula 00 GABARITO: C 3. Materiais gasosos e líquidos Gases, líquidos e sólidos são todos feitos de átomos, moléculas e/ou íons, mas o comportamento dessas partículas pode ser diferenciado nessas três diferentes fases. Veja uma figura bem simples que mostra as diferenças microscópicas entre esses estados: Perceba que as partículas de um: Gás estão bem separadas com nenhum arranjo regular. Líquido estão bem próximas, mas ainda sem um arranjo regular. Sólido estão bem mais comprimidas e geralmente seguem um padrão regular. Gases são formados por um número muito grande de moléculas e suas propriedades são consequência do comportamento dessas partículas. Quando, por exemplo, fazemos uso de uma bomba de bicicleta, podemos ver que o ar é compressível, isto é, que ele pode ser confinado em um volume menor do que o volume original. A observação de que os gases são mais compressíveis do que sólidos e líquidos sugere que existe muito espaço livre entre as moléculas dos gases. 00000000000 00000000000 - DEMO
  • 16. Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 15 ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS Prof. Victor Augusto Aula 00 Os líquidos existem em consequência das forças intermoleculares. Essas forças também determinam as suas propriedades físicas. Quando imaginamos um líquido, podemos pensar em um conjunto de moléculas que trocam constantemente de lugar com suas vizinhas. Estudaremos gases e líquidos com maior profundidade ao longo do curso, a função deste tópico bem introdutório é esclarecer alguns conceitos que serão abordados a seguir. Para finalizar vou por aqui uma tabela com as principais características destas fases e a explicação microscópica para tais: Gás Líquido Sólido Assume a forma e volume do seu recipiente Partículas se movem umas pelas outras Assume parte da forma do recipiente o qual ocupa Partículas se movem/escorregam umas pelas outras Possui forma e volume fixos Partículas rígidas e geralmente presas dentro de um arranjo cristalino Compressível Muito espaço livre entre partículas Baixa compressibilidade Pequeno espaço livre entre partículas Baixíssima compressibilidade Pequeno espaço livre entre partículas Flui facilmente Partículas se movem umas pelas outras Flui facilmente Partículas se movem/escorregam umas pelas outras Não fluem Partículas rígidas que não se movem/escorregam umas pelas outras 3.1. Condições normais de temperatura e pressão (CNTP) Se fixarmos uma temperatura e uma pressão podemos determinar o volume ocupado por qualquer gás de comportamento ideal nessas condições. Com o intuito de simplificar os cálculos de gases em condições atmosféricas foram definidas as condições normais de temperatura e pressão (CNTP), caracterizada pela condição experimental com temperatura de 273,15 K (0 °C) e pressão de 101 325 Pa (101,325 kPa = 1,01325 bar = 1 atm = 760 mmHg). 00000000000 00000000000 - DEMO
  • 17. Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 16 ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS Prof. Victor Augusto Aula 00 Qualquer gás ideal nas CNTP ocupara um volume molar igual a 22,4 L/mol. Ou seja: 1 mol de gás ideal ocupa 22,4L. Q5 (CESGRANRIO 2012 Engenheiro de Processamento Júnior/Petrobras) Um reservatório, nas CNTP, contém 220 g de propano. O volume, em litros, desse reservatório, e a massa, em gramas, de metano que pode ser nele armazenado nas mesmas condições, ou seja, nas CNTP, são, respectivamente, (A) 56 e 40 (B) 56 e 80 (C) 112 e 40 (D) 112 e 80 (E) 220 e 110 Resolução: Primeiro vamos calcular quantos mols correspondem a essa quantidade de propano (C3H8): Considerando que nas CNTP 1 mol ocupa 22,4 litros: Já temos a primeira resposta para a questão. Como estamos admitindo que o comportamento dos gases é ideal, 5 mols de qualquer substância ocupam o mesmo volume, logo nos resta calcular quanto pesa 5 mols de metano: 00000000000 00000000000 - DEMO
  • 18. Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 17 ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS Prof. Victor Augusto Aula 00 GABARITO: D 4. Equilíbrio de fases, uma introdução 4.1 Equilíbrio de fases de um componente puro 4.1.1. Diagramas de fase Usualmente uma substância pura no equilíbrio existe inteiramente como um sólido, um líquido ou um gás; mas a certas temperaturas e pressões, duas ou mesmo três fases podem coexistir. Por exemplo, água pura é um vapor a 20°C e 3 mmHg e um líquido a 20°C e 760 mmHg, mas a 100°C e 760 mmHg pode ser um vapor, um líquido ou uma mistura dos dois. Na particular temperatura de 0,0098°C e pressão de 4,58 mmHg temos o ponto triplo da água, no qual sólido, líquido e gás podem coexistir. Expressamos graficamente as fases que uma substância pode assumir a depender das variáveis do sistema através de diagramas de fase. O mais comum de todos e o que trabalharemos neste tópico introdutório é o gráfico pressão versus temperatura. Vejamos o diagrama de fases da água (Felder, 2008): 00000000000 00000000000 - DEMO
  • 19. Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 18 ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS Prof. Victor Augusto Aula 00 As fronteiras (linhas) entre duas fases representam pressões e temperaturas nas quais duas fases podem existir. Por exemplo, a linha que vai do até o representa as condições nas quais o equilíbrio líquido-vapor existe, pois esta linha está exatamente entre as fases líquido e vapor. Conforme descreve Felder em seu livro, vários termos familiares podem ser definidos em referência ao diagrama de fases: 1. Para cada coordenada (T, P) que se encontra sobre a curva de equilíbrio líquido-vapor para uma determinada substância, P é a pressão de vapor da substância a temperatura T, e T é o ponto de ebulição da substância a pressão P. 2. O ponto de ebulição normal da substância é o ponto de ebulição para P=1 atm. 3. O ponto de fusão ou ponto congelamento, à uma pressão P, é a temperatura T da coordenada (T,P) que cai sobre a curva do equilíbrio sólido-líquido. 4. O ponto de sublimação, à uma pressão P, é a temperatura T da coordenada (T,P) que cai sobre a curva do equilíbrio sólido-vapor. 5. O ponto triplo é aquele no qual as fases sólida, líquida e vapor podem coexistir. 00000000000 00000000000 - DEMO
  • 20. Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 19 ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS Prof. Victor Augusto Aula 00 6. O ponto crítico se localiza ao final da curva do equilíbrio líquido-vapor. Se a temperatura e pressão forem maiores do que nesse ponto a substância terá um comportamento denominado de supercrítico. Nele não temos duas fases, mas sim apenas uma com comportamento misto entre líquido e gás. 4.1.2. Pressão de vapor A pressão de vapor de uma espécie pode ser entendida como uma medida da volatilidade2 de uma substância. Para uma dada temperatura T, quanto maior a pressão de vapor maior é a volatilidade da substância. Existem muitos processos na indústria que utilizam a diferença de volatilidade (ou pressão de vapor) das substâncias para separá-las. Um exemplo seria a destilação. Imaginamos então que é fundamental sabermos as pressões de vapor das substâncias. Como elas são obtidas na prática? As mais conhecidas têm valor tabelado, porém todas as outras precisam ser estimadas por meio de correlações empíricas3 . Entretanto há uma relação analítica para substâncias puras, a equação de Clapeyron. Ela é capaz de relacionar , a pressão de vapor da substância i, com T, a temperatura absoluta: 2 A volatilidade de uma espécie é o grau no qual a espécie tende a sair do estado líquido para o vapor, ou seja, evaporar. 3 Isso acontece porque seria muito custoso obter esses dados experimentalmente. Correlações empíricas oferecem confiança satisfatória para cálculos de engenharia. Equação de Clapeyron: 00000000000 00000000000 - DEMO
  • 21. Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 20 ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS Prof. Victor Augusto Aula 00 Onde e são os volumes molares específicos (volume/mol) do gás e do líquido, respectivamente. Já é o calor latente de vaporização, a energia necessária para vaporizar 1 mol de líquido. Q6 (CESGRANRIO 2010 Engenheiro de Processamento Júnior/Petrobras) Em relação à pressão de vapor de um líquido, é INCORRETO afirmar que (A) A pressão de vapor de um líquido aumenta linearmente com o aumento da temperatura. (B) a curva de pressão de vapor relaciona pressão a temperatura, sendo que, em qualquer ponto acima da curva, existem duas fases, líquido e vapor. (C) a pressão de vapor pode ser estimada por meio de equações empíricas. (D) a Equação de Clapeyron estabelece uma relação termodinâmica entre pressão de vapor e entalpia de vaporização de uma substância pura. (E) um líquido puro entra em ebulição, em dada temperatura, quando sua pressão de vapor é igual à pressão à qual está submetido. Resolução: INCORRETA: pela equação de Clapeyron constatamos que a dependência da pressão de vapor com a temperatura não é linear, logo a afirmativa está errada e foi o gabarito preliminar da questão. INCORRETA: quando estudamos o digrama de fases vimos que na curva da pressão de vapor podem existir duas fases, mas acima dela temos SOMENTE a fase líquida: 00000000000 00000000000 - DEMO
  • 22. Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 21 ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS Prof. Victor Augusto Aula 00 CORRETA: conforme afirmamos é comum o uso de equações empíricas para estimações. CORRETA: perfeitamente! Foi como observamos na definição da equação. CORRETA: exato. Digamos que temos água pura a 20°C e 1 atm (760 mmHg) e começamos a aumentar a temperatura, aumentando assim a sua pressão de vapor também. No momento em que essa pressão de vapor igualar a pressão externa teremos o início da ebulição, o que acontece a 100°C e 1 atm (760 mmHg). No gráfico a seguir, isso seria equivalente a começar no ponto C e aquecer até o ponto D A questão foi posteriormente anulada, pois tanto (A) como (B) estão incorretas, logo: GABARITO: ANULADA Vale o destaque para a equação empírica mais famosa e que cai em provas de concurso: a equação de Antoine. Ela correlaciona muito bem dados de pressão de vapor com a temperatura: 00000000000 00000000000 - DEMO
  • 23. Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 22 ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS Prof. Victor Augusto Aula 00 Os valores de A, B e C são tabelados de acordo com o componente. Q7 (CESGRANRIO 2008 Engenheiro de Processamento Júnior/Petrobras) , em que A = 2, B = 1.000, C = 200; T está em kelvin e P, em atmosfera, a temperatura normal de ebulição dessa substância, em kelvins, será igual a (A) 100 (B) 200 (C) 300 (D) 400 (E) 500 Resolução: Questão de rápida resolução! Vamos só aplicar a equação e lembrar a temperatura de ebulição é aquela que proporciona uma pressão de vapor igual a pressão à qual a substância está submetida. O ponto de ebulição normal é a temperatura de ebulição para P = 1 atm. GABARITO: C 4.2. Sistemas gás- É muito comum em processos industriais a transferência de água da fase vapor para a fase líquida, tais como evaporação, secagem e umidificação. Ou o contrário, com transferência da fase líquida para a fase sólida, como condensação e desumidificação. Portanto o estudo desse sistema gás- 00000000000 00000000000 - DEMO
  • 24. Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 23 ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS Prof. Victor Augusto Aula 00 líquido no qual a água é um dos componentes é de fundamental importância e corriqueiramente cobrado em concursos. Vamos exemplificar para esclarecermos alguns conceitos: suponha que temos uma garrafa cheia de água e vamos colocá-la em uma câmara que inicialmente contém apenas ar seco, e que temperatura e pressão do sistema são mantidas constantes a 75 °C e 760 mmHg (pressão atmosférica). No parcial da água é igual a 0 ( evaporar, ou seja, elas saem do líquido e migram para a fase gasosa. Agora teremos , isto é: a pressão parcial da água é igual a fração molar de água na fase vapor vezes a pressão total do sistema. Progressivamente a mudança na composição das fases, de forma que se atinge o equilíbrio. Dizemos então que a fase vapor está saturada com água esta fase contém toda a água que pode manter na temperatura e pressão do sistema. Chamamos de vapor saturado a água presente nessa fase gasosa. Agora vamos á prática: muitas questões exigem que saibamos relacionar a pressão de vapor da água ( com a sua composição na fase gasosa . Como é de se esperar, quanto mais água tivermos na fase gasosa maior será a pressão de vapor e a Lei de Raoult nos fornece essa relação: Estudaremos melhor o equilíbrio líquido-vapor no tópico Termodinâmica, mas é conveniente introduzir aqui este caso particular da lei Raoult no qual temos apenas uma espécie capaz de condensar (existir na fase líquida), no caso exemplificado essa espécie é a água: Lei de Raoult, uma única espécie na fase líquida: 00000000000 00000000000 - DEMO
  • 25. Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 24 ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS Prof. Victor Augusto Aula 00 Q8 (CESGRANRIO 2006 Engenheiro de Processamento Júnior/Petrobras) Ar e água líquida estão em equilíbrio em um recipiente fechado a 75 o C e 760 mmHg. Sabendo que a pressão de vapor da água (75 o C e 760 mmHg) = 289 mmHg, a composição molar da fase gasosa é: AR ÁGUA (A) 24% 76% (B) 38% 62% (C) 50% 50% (D) 62% 38% (E) 76% 24% Resolução: Veja que o caso traz as mesmas condições que utilizamos como exemplo (75 oC e 760 mmHg). O problema informa que ar e água estão em equilíbrio, isto é: nessas condições a fase vapor está saturada com água. Além disso informa que: Como a água é o único componente na fase líquida podemos aplicar o caso limite da Lei de Raoult que descrevemos anteriormente: O complemento dessa fração é 0,62 (para atingirmos um total de 1,00 ou 100%). Logo: 00000000000 00000000000 - DEMO
  • 26. Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 25 ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS Prof. Victor Augusto Aula 00 GABARITO: D 5. Umidade absoluta e umidade relativa O conceito de umidade faz parte do senso comum. O tempo pode estar úmido, assim como o chão pode estar úmido. A ideia de que os objetos e as substâncias possam conter mais ou menos água é natural. É esta a ideia de umidade o quanto há de água em determinada substância ou material. Com o ar não é diferente. O ar é uma mistura de gases e inclui quantidades variáveis de água em estado de vapor. O ar seco, isento de água, é composto por gases em porcentagens diversas: nitrogênio (N2) aproximadamente 78% , seguido de oxigênio (O2) aproximadamente 21% , e argônio (Ar) cerca de 1% , além de outros gases como dióxido de carbono(CO2), neon (Ne), metano (CH4) em quantidades menores. comporta-se na atmosfera. Por exemplo, ao passearmos à beira de um lago ou de uma represa no fim da tarde, quando a temperatura baixou repentinamente, normalmente nos deparamos com a neblina. Como se explica esse fenômeno? Com o nascer do sol e com o passar do dia, a temperatura tende a aumentar e, ao fim do dia, diminuir. Este fato é bastante importante, pois a quantidade de vapor de água que o ar pode conter aumenta com a temperatura. Quanto maior a temperatura, maior a quantidade de água possível no ar. Mas há limites para essa quantidade. Há um ponto de saturação, ou seja, a quant temperatura. As unidades utilizadas são pressão relativa de vapor de água, em s cúbicos de ar). De 00000000000 00000000000 - DEMO
  • 27. Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 26 ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS Prof. Victor Augusto Aula 00 qualquer modo elas demonstram o quanto de água o ar pode conter. Este valor limite é chamado de Ponto de Orvalho (Dew Point, em inglês). Para entendermos a situação da formação da neblina, vamos atribuir valores ao exemplo acima. Imaginem um dia quente, com a temperatura próxima do limite de saturação, do ponto de orvalho. A 30ºC o valor é cerca de 30 g/m3. Agora imaginemos que a temperatura diminuísse em 5ºC, sendo que para a temperatura de 25ºC o ponto de orvalho de 23 g/m3. A diferença mais, ou seja, o ar não consegue retê-la. O vapor então se condensa em minúsculas gotículas de água líquida que fica suspensa no ar formando a neblina. Para descrever o estado e a composição desse sistema ar-água adotamos parâmetros como umidade absoluta e umidade relativa. Há formas de medir a quantidade de ar em um momento específico. Esse valor é a umidade absoluta A umidade absoluta é definida como a razão da massa de vapor de água (mágua) por quilograma de ar seco (mar seco): Essa equação também pode ser expressa em termos da pressão parcial da água: Onde : pressão parcial do vapor de água : peso molecular do vapor : peso molecular médio do gás seco (livre do vapor de água) 00000000000 00000000000 - DEMO
  • 28. Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 27 ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS Prof. Victor Augusto Aula 00 Observe a diferença corresponde a pressão parcial do vapor seco. mássica. Veja aqui a dedução desta equação: mols total: A umidade relativa é definida como a razão entre a quantidade de água presente em uma determinada porção da atmosfera (pressão parcial de vapor de água) e a quantidade total de vapor de água que a atmosfera pode suportar em uma determinada temperatura (pressão de vapor da água nesta específica temperatura). A umidade relativa é expressa como fração (%) e é calculada da seguinte maneira: Onde : pressão parcial do vapor de água : pressão de vapor na temperatura T Por exemplo, uma umidade relativa de 50% significa que a pressão parcial do vapor de água é igual a metade (5/10) da pressão de vapor da água na temperatura especifica em que o sistema se encontra, ou seja, a quantidade de vapor de água presente é igual a metade daquela que o ar consegue suportar numa dada temperatura. Vejamos como esse assunto já foi cobrado em provas anteriores: Q9 (CESGRANRIO 2011 Engenheiro de Processamento / 00000000000 00000000000 - DEMO
  • 29. Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 28 ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS Prof. Victor Augusto Aula 00 Transpetro) Uma corrente de ar com umidade relativa igual a 60% entra em um desumidificador, de onde sai com umidade relativa igual a 40%. Se o desumidificador opera a pressão e temperatura constantes, a razão entre na entrada é, aproximadamente, igual a (A) 0,50 (B) 0,67 (C) 1,50 (D) 2,00 (E) 2,40 Resolução: Se o desumidificador opera a pressão e temperatura constantes a pressão de vapor da água na temperatura T será constante: = cnst. São dados da questão: Dividindo a segunda equação pela primeira: GABARITO: B 00000000000 00000000000 - DEMO
  • 30. Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 29 ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS Prof. Victor Augusto Aula 00 6. RESOLUÇÃO DE QUESTÕES Q10 (2014 - Professor IFRN) Uma amostra de 500 mL de uma solução aquosa de ácido hipocloroso, cuja concentração é igual a 1,0 mol/L, contém, entre outras espécies químicas, A) 0,5 mol de moléculas de HClO. B) 1 mol de moléculas de HClO. C) (0,5 x) mol de moléculas de HClO e x mol de íons ClO 1 . D) 0,5 mol de íons ClO 1 . Resolução: Com a concentração e o volume, calculamos o número de mols: O ácido hipocloroso apresenta a fórmula molecular HClO e não é um ácido forte, portanto pode-se afirmar que poucas moléculas se ionizam em íons H+ e íons ClO 1 . HClO H+ + ClO 1 x mol de íons ClO 1 e (0,5 x) mol de moléculas de HClO. GABARITO: C 00000000000 00000000000 - DEMO
  • 31. Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 30 ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS Prof. Victor Augusto Aula 00 Q11 (CESGRANRIO 2014 Engenheiro de Processamento Júnior/Petrobras) Uma solução líquida de n-butano e n-pentano é adicionada a ácido acético, resultando em uma mistura líquida com massa específica igual a 800 kg.m3 . Admitindo comportamento ideal do sistema, a fração mássica de ácido acético na mistura é, aproximadamente, de (A)0,40 (B) 0,45 (C) 0,50 (D) 0,55 (E) 0,62 Dados: Massa específica do ácido acético: 1000 kg . m3 Massa específica da mistura n-butano + n-pentano: 600 kg . m3 Resolução: Sabendo que o comportamento é de uma solução ideal, temos que o volume final será a exata soma dos volumes individuais dos componentes da mistura. Ou seja, em forma de equação: Eliminando a massa total e multiplicando por 100 obtemos: X 100 00000000000 00000000000 - DEMO
  • 32. Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 31 ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS Prof. Victor Augusto Aula 00 GABARITO: E Q12 (CESGRANRIO 2014 Engenheiro de Processamento Júnior/Petrobras) O limite mínimo de inflamabilidade de um gás combustível é o teor mínimo do gás que forma uma mistura explosiva com o ar. Para o metano, este valor consiste em 5% de metano em fração volumétrica da mistura. Em uma sala de pesquisa, um cilindro de gás, em base volumétrica com 50% de metano e 50% de uma mistura O2/N2 com composição similar à do ar atmosférico, alimenta um reator a uma vazão de 2 mol . min 1. Em caso de vazamento da mistura para tal sala, admitindo que tal sala esteja totalmente fechada e contenha inicialmente 1.800 mols de ar atmosférico, o gás na sala atingirá o limite mínimo de inflamabilidade em quantos minutos? (A) 85 (B) 90 (C) 95 (D) 100 (E) 105 Resolução: É fundamental notar que o limite de inflamabilidade e a composição do cilindro de gás foram fornecidos em base volumétrica, isso já nos facilita, pois não são necessárias conversões e podemos trabalhar nesta mesma base. Considerando que inicialmente temos 1800 mols de ar na sala e adicionamos uma quantidade igual a 2X por minuto (onde X é o número de mols de metano). Numero de mols total na sala = 1800 + 2 X Limite de inflamabilidade = 5% = 0,05 Por definição: 00000000000 00000000000 - DEMO
  • 33. Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 32 ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS Prof. Victor Augusto Aula 00 X = 100 mols de metano Como 1 mol de metano é adicionado a cada 1 minuto, temos como gabarito da questão o valor de 100 minutos. GABARITO: D Q13 (CESGRANRIO 2012 Engenheiro de Processamento/Transpetro) Em um béquer, prepara-se uma solução contendo 360 g de água, 184 g de etanol e 120 g de fosfato monobásico de sódio (NaH2(PO4)). A fração molar de NaH2(PO4) nessa solução é igual a (A) 0,80 (B) 0,70 (C) 0,50 (D) 0,16 (E) 0,04 Dados: Massa molar do etanol = 46 g/mol Massa molar da água = 18 g/mol Massa molar do NaH 2 (PO 4 ) = 120 g/mol Resolução: Observe que o enunciado da questão fornece a massa de cada componente da solução e demanda a fração molar, portanto vamos primeiro calcular o número de mols para cada um: Agora podemos calcular a fração molar do NaH2 (PO4 ): 00000000000 00000000000 - DEMO
  • 34. Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 33 ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS Prof. Victor Augusto Aula 00 GABARITO: E Q14 (CESGRANRIO 2011 Engenheiro de Processamento/Transpetro) No armazenamento de substâncias de elavada pressão de vapor, existe o risco de ruptura do material dos tanques de armazenamento e da dispersão de tais substâncias em estado gasoso no ambiente. Em uma unidade, é necessário armazenar amônia condensada em um tanque. Uma forma de diminuir a pressão de vapor de amônia é (A) aumentar a altura do tanque de armazenamento. (B) injetar, dentro do tanque de armazenamento, um gás inerte e insolúvel na fase líquida. (C) instalar uma válvula para retirar amônia líquida do tanque, caso seja detectado um aumento de pressão no seu interior. (D) diminuir a área de contato entre as fases líquida e vapor no tanque de armazenamento. (E) diminuir a temperatura de armazenamento. Resolução: Lembre do conceito de pressão de vapor que descrevemos nessa aula: ela pode ser entendida como uma medida da volatilidade. Assim, se diminuirmos a temperatura vamos diminuir a quantidade de moléculas na fase vapor e a volatilidade (diminuindo a pressão de vapor). Alternativamente, avalie a equação de Antoine: SOMENTE da temperatura e da substância em questão (através dos parâmetros A, B e C). Logo todas as outras alternativas são apenas distrações da resposta correta, a opção E. GABARITO: E 00000000000 00000000000 - DEMO
  • 35. Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 34 ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS Prof. Victor Augusto Aula 00 Q15 (CESGRANRIO 2012 Engenheiro de Processamento / Transpetro) Se, em um dia em Florianópolis a 18 °C, a umidade relativa do ar é igual a 50%, então, a umidade absoluta em gramas de água por quilogramas de ar seco é, aproximadamente, igual a (A) 3 (B) 6 (C) 10 (D) 12 (E) 16 Resolução: Na prova constava em anexo uma tabela de vapor de água, a qual devimos consulta e obter a pressão de vapor da água a 18°C: Usando a definição de umidade relativa: Atente que a pressão total é a pressão atmosférica (P = 1atm) e que a questão pede a umidade absoluta em gramas de água por quilogramas de ar seco, portanto devemos atentar a estas unidades: Porém o denominador (correspondente ao ar seco) deve ter unidade de massa em quilogramas. Vamos também fazer aproximações que facilitem nosso cálculo: Dados: Massa molar da água = 18 g/mol Massa molar do ar = 29 g/mol Tabela de vapor de água 00000000000 00000000000 - DEMO
  • 36. Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 35 ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS Prof. Victor Augusto Aula 00 Observando as alternativas, chegamos ao gabarito da questão. GABARITO: B Q16 (CESGRANRIO 2014 Engenheiro de Processamento Júnior/Petrobras) De acordo com o gráfico acima, a temperatura, em graus Celsius, de uma corrente de ar na pressão atmosférica com umidade relativa de 40% e 3% de água em base volumétrica é de, aproximadamente, (A) 35 (B) 36 (C) 37 (D) 38 (E) 40 Resolução: Sabemos que UR = 40% e que a corrente tem 3% de ar em base volumétrica. Considerando o comportamento dos gases como ideal, 3% em base volumétrica seria também 3% em base molar, pois todas as moléculas de gases possuem um mesmo volume molar (por exemplo, 22,4 L/mol mas CNTPs). Como a corrente está em pressão atmosférica temos que a pressão parcial é igual a: Pela definição de umidade relativa: 00000000000 00000000000 - DEMO
  • 37. Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 36 ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS Prof. Victor Augusto Aula 00 Agora basta procurar no gráfico a temperatura correspondente a uma pressão de vapor igual a 0,075 atm (no caso o valor 7,5, já que o eixo das ordenadas está em uma escala multiplicada por 100). Por fim chegamos a temperatura de 40°C GABARITO: E 00000000000 00000000000 - DEMO
  • 38. Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 37 ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS Prof. Victor Augusto Aula 00 Espero que tenha gostado dessa nossa introdução à Engenharia Química para concursos. Não hesite em falar comigo para discutir sobre qualquer assunto e aguardo você na próxima aula! Abraço, Prof. Victor Augusto Twitter: @augvictor E-mail: victorses@outlook.com 00000000000 00000000000 - DEMO
  • 39. Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 38 ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS Prof. Victor Augusto Aula 00 Q1 (FCC 2014 Engenheiro Químico/SABESP) O mol é a unidade de medida fundamental e amplamente utilizada no preparo de soluções. Um mol representa: (A) uma medida de densidade molecular. (B) a unidade padrão de massa atômica de uma molécula ou átomo. (C) o número de equivalentes-grama por litro nas condições ideais de pressão e temperatura. (D) a quantidade de matéria de um sistema que contém tantas entidades elementares quantos são os átomos contidos em 0,012 quilograma de carbono 12. (E) uma relação entre massa e volume. Q2 (CESGRANRIO 2012 Engenheiro de Processamento Júnior/Petrobras) Uma solução aquosa contém bissulfito de sódio, a 316 g/L. Quais são a quantidade em moles e a concentração em mol/L de bissulfito de sódio em 2,5 litros dessa solução? (A) 5 moles e 5 mol/L (B) 5 moles e 2,5 mol/L (C) 5 moles e 2 mol/L (D) 2,5 moles e 5 mol/L (E) 2,5 moles e 2 mol/L Dados: Massa Atômica do Na = 23 Massa Atômica do S = 32 Massa Atômica do O = 16 00000000000 00000000000 - DEMO
  • 40. Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 39 ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS Prof. Victor Augusto Aula 00 Q3 (CESPE 2008 Engenheiro de Processamento/Petrobras) Considerando que uma mistura gasosa contenha, em massa, 30% de um gás A e 70% de um gás B, que a massa molar de A seja igual a 30 g/mol e a de B, 210 g/mol, a massa molar média dessa mistura gasosa, em g/mol, será igual a: A) 50 B) 75 C) 100 D) 120 E) 156 Q4 (FCC 2014 Engenheiro Químico/SABESP) Desejando-se produzir água potável na vazão de 100 m3.minuto-1, contendo uma concentração final de cloro livre de 1,0 mg.L-1, a vazão necessária de uma solução de hipoclorito de sódio com concentração de cloro livre igual a 50 g.L-1 para atingir esse objetivo deve ser de: (A) 20 105 L min 1. (B) 20,0 L min 1. (C)2,0 L min 1. (D)500 L min 1. (E) 5,0 L . min 1. Q5 (CESGRANRIO 2012 Engenheiro de Processamento Júnior/Petrobras) Um reservatório, nas CNTP, contém 220 g de propano. O volume, em litros, desse reservatório, e a massa, em gramas, de metano que pode ser nele armazenado nas mesmas condições, ou seja, nas CNTP, são, respectivamente, (A) 56 e 40 (B) 56 e 80 00000000000 00000000000 - DEMO
  • 41. Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 40 ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS Prof. Victor Augusto Aula 00 (C) 112 e 40 (D) 112 e 80 (E) 220 e 110 Q6 (CESGRANRIO 2010 Engenheiro de Processamento Júnior/Petrobras) Em relação à pressão de vapor de um líquido, é INCORRETO afirmar que (A) A pressão de vapor de um líquido aumenta linearmente com o aumento da temperatura. (B) a curva de pressão de vapor relaciona pressão a temperatura, sendo que, em qualquer ponto acima da curva, existem duas fases, líquido e vapor. (C) a pressão de vapor pode ser estimada por meio de equações empíricas. (D) a Equação de Clapeyron estabelece uma relação termodinâmica entre pressão de vapor e entalpia de vaporização de uma substância pura. (E) um líquido puro entra em ebulição, em dada temperatura, quando sua pressão de vapor é igual à pressão à qual está submetido. Q7 (CESGRANRIO 2008 Engenheiro de Processamento Júnior/Petrobras) , em que A = 2, B = 1.000, C = 200; T está em kelvin e P, em atmosfera, a temperatura normal de ebulição dessa substância, em kelvins, será igual a (A) 100 (B) 200 (C) 300 (D) 400 (E) 500 Q8 (CESGRANRIO 2006 Engenheiro de Processamento Júnior/Petrobras) Ar e água líquida estão em equilíbrio em um recipiente fechado a 75 o C e 760 mmHg. Sabendo que a pressão de vapor da água (75 o C e 760 mmHg) = 289 mmHg, a composição molar da fase gasosa é: 00000000000 00000000000 - DEMO
  • 42. Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 41 ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS Prof. Victor Augusto Aula 00 AR ÁGUA (A) 24% 76% (B) 38% 62% (C) 50% 50% (D) 62% 38% (E) 76% 24% Q9 (CESGRANRIO 2011 Engenheiro de Processamento / Transpetro) Uma corrente de ar com umidade relativa igual a 60% entra em um desumidificador, de onde sai com umidade relativa igual a 40%. Se o desumidificador opera a pressão e temperatura constantes, a razão entre na entrada é, aproximadamente, igual a (A) 0,50 (B) 0,67 (C) 1,50 (D) 2,00 (E) 2,40 Q10 (2014 - Professor IFRN) Uma amostra de 500 mL de uma solução aquosa de ácido hipocloroso, cuja concentração é igual a 1,0 mol/L, contém, entre outras espécies químicas, A) 0,5 mol de moléculas de HClO. B) 1 mol de moléculas de HClO. C) (0,5 x) mol de moléculas de HClO e x mol de íons ClO 1 . D) 0,5 mol de íons ClO 1 . 00000000000 00000000000 - DEMO
  • 43. Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 42 ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS Prof. Victor Augusto Aula 00 Q11 (CESGRANRIO 2014 Engenheiro de Processamento Júnior/Petrobras) Uma solução líquida de n-butano e n-pentano é adicionada a ácido acético, resultando em uma mistura líquida com massa específica igual a 800 kg.m3 . Admitindo comportamento ideal do sistema, a fração mássica de ácido acético na mistura é, aproximadamente, de (A)0,40 (B) 0,45 (C) 0,50 (D) 0,55 (E) 0,62 Dados: Massa específica do ácido acético: 1000 kg . m3 Massa específica da mistura n-butano + n-pentano: 600 kg . m3 Q12 (CESGRANRIO 2014 Engenheiro de Processamento Júnior/Petrobras) O limite mínimo de inflamabilidade de um gás combustível é o teor mínimo do gás que forma uma mistura explosiva com o ar. Para o metano, este valor consiste em 5% de metano em fração volumétrica da mistura. Em uma sala de pesquisa, um cilindro de gás, em base volumétrica com 50% de metano e 50% de uma mistura O2/N2 com composição similar à do ar atmosférico, alimenta um reator a uma vazão de 2 mol . min 1. Em caso de vazamento da mistura para tal sala, admitindo que tal sala esteja totalmente fechada e contenha inicialmente 1.800 mols de ar atmosférico, o gás na sala atingirá o limite mínimo de inflamabilidade em quantos minutos? (A) 85 (B) 90 (C) 95 (D) 100 (E) 105 Q13 (CESGRANRIO 2012 Engenheiro de Processamento/Transpetro) Em um béquer, prepara-se uma solução contendo 360 g de água, 184 g de etanol e 120 g de fosfato monobásico de sódio (NaH2(PO4)). A fração molar de NaH2(PO4) nessa solução é igual a (A) 0,80 (B) 0,70 (C) 0,50 (D) 0,16 (E) 0,04 00000000000 00000000000 - DEMO
  • 44. Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 43 ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS Prof. Victor Augusto Aula 00 Dados: Massa molar do etanol = 46 g/mol Massa molar da água = 18 g/mol Massa molar do NaH 2 (PO 4 ) = 120 g/mol Q14 (CESGRANRIO 2011 Engenheiro de Processamento/Transpetro) No armazenamento de substâncias de elavada pressão de vapor, existe o risco de ruptura do material dos tanques de armazenamento e da dispersão de tais substâncias em estado gasoso no ambiente. Em uma unidade, é necessário armazenar amônia condensada em um tanque. Uma forma de diminuir a pressão de vapor de amônia é (A) aumentar a altura do tanque de armazenamento. (B) injetar, dentro do tanque de armazenamento, um gás inerte e insolúvel na fase líquida. (C) instalar uma válvula para retirar amônia líquida do tanque, caso seja detectado um aumento de pressão no seu interior. (D) diminuir a área de contato entre as fases líquida e vapor no tanque de armazenamento. (E) diminuir a temperatura de armazenamento. Q15 (CESGRANRIO 2012 Engenheiro de Processamento / Transpetro) Se, em um dia em Florianópolis a 18 °C, a umidade relativa do ar é igual a 50%, então, a umidade absoluta em gramas de água por quilogramas de ar seco é, aproximadamente, igual a (A) 3 (B) 6 (C) 10 (D) 12 (E) 16 Dados: Massa molar da água = 18 g/mol Massa molar do ar = 29 g/mol 00000000000 00000000000 - DEMO
  • 45. Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 44 ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS Prof. Victor Augusto Aula 00 Q16 (CESGRANRIO 2014 Engenheiro de Processamento Júnior/Petrobras) De acordo com o gráfico acima, a temperatura, em graus Celsius, de uma corrente de ar na pressão atmosférica com umidade relativa de 40% e 3% de água em base volumétrica é de, aproximadamente, (A) 35 (B) 36 (C) 37 (D) 38 (E) 40 00000000000 00000000000 - DEMO
  • 46. Prof. Victor Augusto www.estrategiaconcursos.com.br 45 ENGENHARIA QUÍMICA PARA CONCURSOS TEORIA E QUESTÕES COMENTADAS Prof. Victor Augusto Aula 00 01 D 02 ANULADA 03 B 04 C 05 D 06 ANULADA 07 C 08 D 09 B 10 C 11 E 12 D 13 E 14 E 15 B 16 E 00000000000 00000000000 - DEMO