SlideShare uma empresa Scribd logo
A Pesquisa em Engenharia deA Pesquisa em Engenharia de
Produção na UniversidadeProdução na Universidade
Empreendedora – UmaEmpreendedora – Uma
Proposta Metodológica noProposta Metodológica no
Modelo da Hélice TrípliceModelo da Hélice Tríplice
ENEGEP – 2006/FORTALEZA
Clique aqui para acessar o artigoClique aqui para acessar o artigo
ObjetivoObjetivo
Apresentar uma proposta metodológica para a
elaboração de projetos de pesquisa em
engenharia de produção, no âmbito de uma
universidade empreendedora, em que co-
atuam universidade, empresa e governo,
tendo o modelo teórico da hélice tríplice como
marco referencial dos projetos a serem
formulados, e como contextualização a
legislação brasileira de C&T&I.
O modelo da Hélice Tríplice
Criado por
Henry Etzkowitz e
Loet Leydesdorff
Para descrever a sinergia dos atores do
desenvolvimento:
Universidade Empresa Governo
A proposta do modelo
• Universidades – Formar agentes
multiplicadores das ações de inovação e
mudança.
• Governos – Contribuir com a criação,
aperfeiçoamento e consolidação das
políticas públicas de desenvolvimento.
• Empresas – Integrar, com base na
responsabilidade social, os projetos de
desenvolvimento, como parceiras dos
outros dois atores.
Racionalidade Instrumental
Técnica
Racionalidade Substantiva
Valores
Responsabilidade Social das
Empresas
• Responsabilidade Econômica
• Responsabilidade Legal
• Responsabilidade Ética
• Responsabilidade Filantrópica
• Responsabilidade Ecológica
Responsabilidade Econômica
• A primeira responsabilidade social
da empresa é econômica por
natureza.
Responsabilidade Legal
• As empresas devem cumprir com
suas obrigações de acordo com o
arcabouço legal existente.
Responsabilidade Ética
• Refere-se à expectativa de que as
empresas, dentro do contexto em
que se inserem, tenham um
comportamento apropriado como
agentes sociais.
Responsabilidade Filantrópica
• Reflete o desejo comum de que as
empresas estejam ativamente
envolvidas no melhoria do
ambiente social.
Responsabilidade Ecológica
• Refere-se ao desenvolvimento
sustentável, de modo a atender as
necessidades da geração presente
sem comprometer as
possibilidades das gerações futuras
de atender as suas necessidades.
SociedadeSociedade
IndustrialIndustrial
SociedadeSociedade
do Conhecimentodo Conhecimento
• O surgimento das universidades no séculoO surgimento das universidades no século
1212
• A pesquisa incorporada como atividadeA pesquisa incorporada como atividade
acadêmica no século 19 –acadêmica no século 19 – a primeiraa primeira
revolução acadêmicarevolução acadêmica;;
• A extensão incorporada no século 20,A extensão incorporada no século 20,
como fator de desenvolvimento econômicocomo fator de desenvolvimento econômico
e social –e social – segunda revolução acadêmicasegunda revolução acadêmica..
TERRA, B. ,2006TERRA, B. ,2006
O Contexto Legal BrasileiroO Contexto Legal Brasileiro
de C&T&Ide C&T&I
Induz a pesquisa acadêmica,
principalmente na área de
conhecimento das engenharias,
estabelecida pelo Conselho Nacional de
Desenvolvimento Científico e
Tecnológico - CNPq, a um modelo
empreendedor, cujos resultados
tangíveis devem ser aplicados nas
regiões onde as universidades estão
instaladas.
Mapeamento das leisMapeamento das leis indutorasindutoras
da mudança no panoramada mudança no panorama
brasileiro da pesquisabrasileiro da pesquisa
Leis que criaram os fundos setoriais;
A nova lei de informática;
A lei de biossegurança;
A chamada lei do bem;
A lei de inovação e seus respectivos
regulamentos;
O Fundo Nacional de Desenvolvimento
Científico e Tecnológico – FNDCT;
A Política Industrial, Tecnológica e de
Comércio Exterior - PITCE.
A Constituição de 1988A Constituição de 1988
Incentiva a formação de recursos
humanos nas áreas de ciência, pesquisa
e tecnologia, com condições especiais
de trabalho.
Apóia as empresas que investem em
pesquisa, facultando aos Estados e ao
Distrito Federal vincular parcela de sua
receita orçamentária a entidades
públicas de fomento ao ensino e à
pesquisa científica e tecnológica.
Anos 90Anos 90
Incentivos fiscais previstos nas Leis:
Lei 8010/90 e Lei 8032/90 que dispõem sobre
importação de bens destinados à pesquisa
científica e tecnológica.
Lei 8248/91 e Portaria 265 de 23 de novembro
de 1993 dispõem sobre a capacitação e
competitividade do setor de informática.
Lei 8661/93, estimula investimentos
empresariais em P&D tecnológico, visando o
aumento do grau de competitividade das
empresas industriais e agropecuárias
brasileiras, mediante uma estrutura
permanente de gestão tecnológica.
Modernização da legislaçãoModernização da legislação
de proteção da propriedadede proteção da propriedade
intelectualintelectual
Lei de Engenharia Genética (1995)
Lei de Propriedade Industrial (1996)
Lei de Cultivares (1997)
Leis de Programa de Computador e Direitos
Autorais (1998).
FundosFundos
SetoriaisSetoriais
Marco legal da C&T&I no Brasil.
Estabelece novo padrão de estímulo ao
fortalecimento do sistema nacional de inovação.
O objetivo é garantir a estabilidade de recursos
para a área e criar um novo modelo de gestão,
com a participação de vários segmentos sociais,
além de promover maior sinergia entre as
universidades, centros de pesquisa, o setor
produtivo e os governos locais.
Fundos Setoriais
Petróleo e Gás Natural -
CT/PETRO (1997)
Energia Elétrica - CT/ENERG
(2000)
Recursos Hídricos -
CT/HIDRO (2000)
Transportes -
CT/TRANSPORTE (2000)
Mineração -
CT/MINERAL(2000)
Espacial -
CT/ESPACIAL(2000)
Tecnologia da Informação -
CT/INFO (2001)
Infra-Estrutura - CT/INFRA
(2001)
Saúde - CT/SAUDE (2001)
Agro negócio - CT/AGRO
(2001)
Verde-Amarelo – FVA
(2001)
Biotecnologia -
CT/BIOTEC(2001)
Setor Aeronáutico -
CT/AERO(2001)
Telecomunicações –
FUNTTEL(2001)
Transporte Aquaviário e
Construção Naval
CT/AQUAVIÁRIO (2004)
Fundo Setorial da Amazônia
- CT/AMAZONIA (2004)
Fundos SetoriaisFundos Setoriais
Fundo Verde-Amarelo – FVA
Voltado à interação universidade-empresa
CT-Infra
Destinado a apoiar a melhoria da infra-
estrutura das instituições de C&T
Nova Lei de InformáticaNova Lei de Informática
10.176, de 11 de janeiro de 2001
Favorece, por meio de incentivos fiscais, os
produtores de bens e serviços de informática e
automação, isto é, quem investe em pesquisa.
Lei de InovaçãoLei de Inovação
Lei 10.973, de 2 de dezembro de 2004
Facilita a interação entre as universidades,
instituições de pesquisa e o setor produtivo,
estimulando o desenvolvimento de produtos e
processos inovadores pelas empresas
brasileiras.
Lei da BiossegurançaLei da Biossegurança
Lei 11.105, estabelece normas de
segurança e mecanismos de fiscalização
de atividades que envolvam pesquisas
em organismos geneticamente
modificados – OGM e seus derivados;
cria o Conselho Nacional de
Biossegurança – CNBS; reestrutura a
Comissão Técnica Nacional de
Biossegurança – CTNBIO.
Lei do BemLei do Bem
A Lei 11.196/2005 estimula as exportações,
através da redução de impostos e incentivo à
pesquisa.
O objetivo central é o estímulo à P&D&I,
encorajando o emprego na área e induzindo à
criação de micro e pequenas empresas
formadas por pesquisadores.
A lei admite a figura do inventor
independente, mas o benefício fiscal favorece
em particular à pessoa jurídica, sobretudo
àquela voltada exclusivamente para o trabalho
em P&D&I.
FNDCT-Fundo Nacional deFNDCT-Fundo Nacional de
Desenvolvimento Científico eDesenvolvimento Científico e
TecnológicoTecnológico
Estimula a inovação e promove o desenvolvimento
científico e tecnológico, com vistas a assegurar a
melhoria de vida da sociedade, sua segurança, a
competitividade e o desenvolvimento econômico e
social do país, para dar apoio financeiro aos
programas e projetos prioritários de desenvolvimento
científico e tecnológico nacionais.
Todos os recursos dos fundos setoriais, única fonte
de dinheiro estável para ciência e tecnologia prevista
em lei hoje no País, estão alocados dentro do
FNDCT.
PITCEPITCE -- Política Industrial,Política Industrial,
Tecnológica e de ComércioTecnológica e de Comércio
ExteriorExterior
Visa ao aumento da eficiência econômica e do
desenvolvimento e difusão de tecnologias com maior
potencial de indução do nível de atividade e de
competição no comércio internacional. Articula-se
com os investimentos planejados para a infra-
estrutura e com os projetos de promoção do
desenvolvimento regional.
Proposta MetodológicaProposta Metodológica
para a Pesquisa empara a Pesquisa em
Engenharia de ProduçãoEngenharia de Produção
no Modelo da Héliceno Modelo da Hélice
TrípliceTríplice
UniversidadesUniversidades
a) que a hélice tríplice esteja presente na
arquitetura dos projetos de pesquisa, de forma
a criar e consolidar redes de desenvolvimento
nas regiões;
b) que na definição das políticas institucionais de
produção de conhecimento, os indicadores
priorizem o aumento da participação das
empresas como atores pró-ativos do
desenvolvimento regional;
c) que as estratégias de desenvolvimento e
planos de ações das áreas de pesquisa tenham
claros seus objetivos econômicos e sociais;
d) que a universidade se utilize da metodologia
científica da pesquisa e atue como participante
pró-ativa na coleta, análise e interpretação dos
dados obtidos através de programas de pós-
graduação, utilizando-os como balizadores em
ações de desenvolvimento;
e) que o pesquisador tenha uma postura em
busca da aplicabilidade dos resultados da
pesquisa;
f) que a produção acadêmica, além de estar
direcionada para publicações, englobe cada
vez mais, resultados tangíveis, inovadores,
capazes de promover o desenvolvimento
econômico e social;
g) que os projetos de pesquisa encararem o
desemprego como uma questão a ser
considerada no âmbito acadêmico, utilizando-o
como forma de definição de projetos
pedagógicos adequados às necessidades de
formação de competências para o trabalho;
h) que os projetos de pesquisa ajustem o nível
de conhecimento transferido aos alunos ao
nível das competências demandas pelo setor
produtivo e às necessidades educacionais da
região;
i) que as universidades ensinem aos estudantes
as técnicas das atitudes empreendedoras;
j) que se estreite a relação da universidade com
pequenas e micro empresas através de ações
de pesquisa, com vistas ao desenvolvimento
profissional;
k) que o ensino do empreendedorismo seja
ajustado às tendências regionais;
l) que o ensino de negócios em todas as áreas
de conhecimento possa encorajar start-ups e
empresas spin-out;
m) que as incubadoras de empresas e de
cooperativas e outras estruturas
organizacionais internas da universidade
empreendedora favoreçam a modernização e a
inovação tecnológica empresarial;
n) que os projetos de pesquisa favoreçam o
envolvimento do corpo docente e discente com
atores internos e externos à universidade, em
projetos cooperativos.
EmpresasEmpresas
a) que se utilizem das vantagens da legislação
para alavancar na sociedade seus produtos
inovadores provenientes de projetos de
pesquisa cooperativa;
b) que busquem na interação com a
universidade o desenvolvimento econômico.
GovernosGovernos
a) que continuem aperfeiçoando seu aparato
legal, de forma a concentrar investimentos
em propostas de estímulo à pesquisa, que
contemplem a aplicação dos resultados no
desenvolvimento regional e local;
b) que estabeleçam políticas públicas de forma
a promover incentivos para as empresas que
desenvolvem pesquisa em conjunto com as
universidades de suas regiões.
Entendemos que os segmentos menosEntendemos que os segmentos menos
favorecidos da sociedade brasileira esperam,favorecidos da sociedade brasileira esperam,
das universidades, gestos e atos de produçãodas universidades, gestos e atos de produção
de conhecimento suscetível de ser acolhido emde conhecimento suscetível de ser acolhido em
estratégias de desenvolvimento, que envolvamestratégias de desenvolvimento, que envolvam
eficiência e eficácia para os programaseficiência e eficácia para os programas
governamentais, e possam, de fato, promovergovernamentais, e possam, de fato, promover
o bem-estar das comunidades locais eo bem-estar das comunidades locais e
regionais por meio de ações marcadas peloregionais por meio de ações marcadas pelo
empreendedorismo cívico, socialmenteempreendedorismo cívico, socialmente
responsáveisresponsáveis.
Os autores
Carlos Alberto Figueiredo da Silva
http://www.carlosfigueiredo.org/
ca.figueiredo@yahoo.com.br
(21)93283350

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Hélice Tríplice e Gestão do Esporte - I Fórum Internacional de Gestão do Espo...
Hélice Tríplice e Gestão do Esporte - I Fórum Internacional de Gestão do Espo...Hélice Tríplice e Gestão do Esporte - I Fórum Internacional de Gestão do Espo...
Hélice Tríplice e Gestão do Esporte - I Fórum Internacional de Gestão do Espo...
Universidade Salgado de Oliveira
 
Tensão entre as racionalidades substantiva e instrumental na gestão de ecovilas
Tensão entre as racionalidades substantiva e instrumental na gestão de ecovilasTensão entre as racionalidades substantiva e instrumental na gestão de ecovilas
Tensão entre as racionalidades substantiva e instrumental na gestão de ecovilas
Gabriel Siqueira
 
Arquivologia
ArquivologiaArquivologia
Carta de Macapá
Carta de MacapáCarta de Macapá
Carta de Macapá
servicosocial
 
Engenharia de Produção Mecânica - FMU
Engenharia de Produção Mecânica - FMUEngenharia de Produção Mecânica - FMU
Engenharia de Produção Mecânica - FMU
FMU - Oficial
 
Relatório de Acompanhamento do Comércio Exterior da Bahia - Novembro 2011
Relatório de Acompanhamento do Comércio Exterior da Bahia - Novembro 2011Relatório de Acompanhamento do Comércio Exterior da Bahia - Novembro 2011
Relatório de Acompanhamento do Comércio Exterior da Bahia - Novembro 2011
Sistema FIEB
 
Secretários do Recife
Secretários do RecifeSecretários do Recife
Secretários do Recife
Portal NE10
 
Libro resumenes lacame 2014
Libro resumenes lacame 2014Libro resumenes lacame 2014
Libro resumenes lacame 2014
Fabian Mauricio Vargas Fontalvo
 
Laboratorio de Escrita Criativa
Laboratorio de Escrita CriativaLaboratorio de Escrita Criativa
Laboratorio de Escrita Criativa
Grupo Treinar
 
Passo a passo para a Conferência de Meio Ambiente na Escola + Educomunicação
Passo a passo para a Conferência de Meio Ambiente na Escola + EducomunicaçãoPasso a passo para a Conferência de Meio Ambiente na Escola + Educomunicação
Passo a passo para a Conferência de Meio Ambiente na Escola + Educomunicação
INSTITUTO GENS
 
Rede de Computadores - Conceito
Rede de Computadores - ConceitoRede de Computadores - Conceito
Rede de Computadores - Conceito
Giulliana Marialva
 
Apostila SENAI
Apostila SENAIApostila SENAI
Apostila SENAI
Cristiano Alves
 
Edital - Concurso museologia ufg
Edital - Concurso museologia   ufgEdital - Concurso museologia   ufg
Edital - Concurso museologia ufg
arqmuseus
 
Revista de-quimica
Revista de-quimicaRevista de-quimica
Revista de-quimica
afermartins
 
Bahia final
Bahia finalBahia final
Bahia final
hbilinha
 
A utilização da tecnologia da informação na gestão de planos de saúde
 A utilização da tecnologia da informação na gestão de planos de saúde A utilização da tecnologia da informação na gestão de planos de saúde
A utilização da tecnologia da informação na gestão de planos de saúde
Pedro Alexandre Cabral
 
Sopa de letras cuencas del Amazonas
Sopa de letras cuencas del AmazonasSopa de letras cuencas del Amazonas
Sopa de letras cuencas del Amazonas
NORMITAMON
 
Robótica y nanotecnología natalia
Robótica y nanotecnología  nataliaRobótica y nanotecnología  natalia
Robótica y nanotecnología natalia
Natalia Anzasoy Erazo
 
Legalização de documentos belo horizonte
Legalização de documentos  belo horizonteLegalização de documentos  belo horizonte
Legalização de documentos belo horizonte
juramentado02
 
Infancia e comunicacao
Infancia e comunicacaoInfancia e comunicacao
Infancia e comunicacao
Cristiane Parente de Sá Barreto
 

Destaque (20)

Hélice Tríplice e Gestão do Esporte - I Fórum Internacional de Gestão do Espo...
Hélice Tríplice e Gestão do Esporte - I Fórum Internacional de Gestão do Espo...Hélice Tríplice e Gestão do Esporte - I Fórum Internacional de Gestão do Espo...
Hélice Tríplice e Gestão do Esporte - I Fórum Internacional de Gestão do Espo...
 
Tensão entre as racionalidades substantiva e instrumental na gestão de ecovilas
Tensão entre as racionalidades substantiva e instrumental na gestão de ecovilasTensão entre as racionalidades substantiva e instrumental na gestão de ecovilas
Tensão entre as racionalidades substantiva e instrumental na gestão de ecovilas
 
Arquivologia
ArquivologiaArquivologia
Arquivologia
 
Carta de Macapá
Carta de MacapáCarta de Macapá
Carta de Macapá
 
Engenharia de Produção Mecânica - FMU
Engenharia de Produção Mecânica - FMUEngenharia de Produção Mecânica - FMU
Engenharia de Produção Mecânica - FMU
 
Relatório de Acompanhamento do Comércio Exterior da Bahia - Novembro 2011
Relatório de Acompanhamento do Comércio Exterior da Bahia - Novembro 2011Relatório de Acompanhamento do Comércio Exterior da Bahia - Novembro 2011
Relatório de Acompanhamento do Comércio Exterior da Bahia - Novembro 2011
 
Secretários do Recife
Secretários do RecifeSecretários do Recife
Secretários do Recife
 
Libro resumenes lacame 2014
Libro resumenes lacame 2014Libro resumenes lacame 2014
Libro resumenes lacame 2014
 
Laboratorio de Escrita Criativa
Laboratorio de Escrita CriativaLaboratorio de Escrita Criativa
Laboratorio de Escrita Criativa
 
Passo a passo para a Conferência de Meio Ambiente na Escola + Educomunicação
Passo a passo para a Conferência de Meio Ambiente na Escola + EducomunicaçãoPasso a passo para a Conferência de Meio Ambiente na Escola + Educomunicação
Passo a passo para a Conferência de Meio Ambiente na Escola + Educomunicação
 
Rede de Computadores - Conceito
Rede de Computadores - ConceitoRede de Computadores - Conceito
Rede de Computadores - Conceito
 
Apostila SENAI
Apostila SENAIApostila SENAI
Apostila SENAI
 
Edital - Concurso museologia ufg
Edital - Concurso museologia   ufgEdital - Concurso museologia   ufg
Edital - Concurso museologia ufg
 
Revista de-quimica
Revista de-quimicaRevista de-quimica
Revista de-quimica
 
Bahia final
Bahia finalBahia final
Bahia final
 
A utilização da tecnologia da informação na gestão de planos de saúde
 A utilização da tecnologia da informação na gestão de planos de saúde A utilização da tecnologia da informação na gestão de planos de saúde
A utilização da tecnologia da informação na gestão de planos de saúde
 
Sopa de letras cuencas del Amazonas
Sopa de letras cuencas del AmazonasSopa de letras cuencas del Amazonas
Sopa de letras cuencas del Amazonas
 
Robótica y nanotecnología natalia
Robótica y nanotecnología  nataliaRobótica y nanotecnología  natalia
Robótica y nanotecnología natalia
 
Legalização de documentos belo horizonte
Legalização de documentos  belo horizonteLegalização de documentos  belo horizonte
Legalização de documentos belo horizonte
 
Infancia e comunicacao
Infancia e comunicacaoInfancia e comunicacao
Infancia e comunicacao
 

Semelhante a A Pesquisa em Engenharia de Produção na Universidade: Uma Proposta Metodológica no Modelo da Hélice

Brasiltec 10 05
Brasiltec 10 05Brasiltec 10 05
Brasiltec 10 05
kleber.torres
 
INOVA UPS 2011_Carlos Alberto
INOVA UPS 2011_Carlos AlbertoINOVA UPS 2011_Carlos Alberto
INOVA UPS 2011_Carlos Alberto
NIT Rio
 
Estratégia nacional de ciência, tecnologia e inovação 2016-2019
Estratégia nacional de ciência, tecnologia e inovação 2016-2019Estratégia nacional de ciência, tecnologia e inovação 2016-2019
Estratégia nacional de ciência, tecnologia e inovação 2016-2019
Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações
 
Interação Universidade, Empresa e Governo
Interação Universidade, Empresa e GovernoInteração Universidade, Empresa e Governo
Interação Universidade, Empresa e Governo
Roberto Moschetta
 
TECNOPUC
TECNOPUC TECNOPUC
KraftGreen
KraftGreen KraftGreen
Cultura para Inovação
Cultura para InovaçãoCultura para Inovação
Cultura para Inovação
Roberto C. S. Pacheco
 
20080311.Sucesu BenefíCios Da Lei Catarinense De InovaçãO Para O Setor Empres...
20080311.Sucesu BenefíCios Da Lei Catarinense De InovaçãO Para O Setor Empres...20080311.Sucesu BenefíCios Da Lei Catarinense De InovaçãO Para O Setor Empres...
20080311.Sucesu BenefíCios Da Lei Catarinense De InovaçãO Para O Setor Empres...
guest5555c1
 
Secretaria de Ciencia, Tecnologia e Ensino Superior de Minas Gerais
Secretaria de Ciencia, Tecnologia e Ensino Superior de Minas GeraisSecretaria de Ciencia, Tecnologia e Ensino Superior de Minas Gerais
Secretaria de Ciencia, Tecnologia e Ensino Superior de Minas Gerais
Fabricio Martins
 
Palestra Básica. Secretaria De Ciencia, Tecnologia E Ensino Superior De Minas...
Palestra Básica. Secretaria De Ciencia, Tecnologia E Ensino Superior De Minas...Palestra Básica. Secretaria De Ciencia, Tecnologia E Ensino Superior De Minas...
Palestra Básica. Secretaria De Ciencia, Tecnologia E Ensino Superior De Minas...
Fabricio Martins
 
O conhecimento tecnológico e a gestão do conhecimento
O conhecimento tecnológico e a gestão do conhecimentoO conhecimento tecnológico e a gestão do conhecimento
O conhecimento tecnológico e a gestão do conhecimento
Roberto C. S. Pacheco
 
PRECITYE- BRASIL
PRECITYE- BRASIL PRECITYE- BRASIL
PRECITYE- BRASIL
Esteban Campero
 
Políticas públicas de fomento a ciência, tecnologia e inovação direcionadas p...
Políticas públicas de fomento a ciência, tecnologia e inovação direcionadas p...Políticas públicas de fomento a ciência, tecnologia e inovação direcionadas p...
Políticas públicas de fomento a ciência, tecnologia e inovação direcionadas p...
Diogo Librelon
 
Consortium for research and innovation in aerospace in Quebec, Canada – a ref...
Consortium for research and innovation in aerospace in Quebec, Canada – a ref...Consortium for research and innovation in aerospace in Quebec, Canada – a ref...
Consortium for research and innovation in aerospace in Quebec, Canada – a ref...
Fabiano Armellini
 
2019-12-03-16-00 IncoDay 2019 - Apresentacao BSRIA 2020 Draft .pdf
2019-12-03-16-00 IncoDay 2019 - Apresentacao BSRIA 2020 Draft .pdf2019-12-03-16-00 IncoDay 2019 - Apresentacao BSRIA 2020 Draft .pdf
2019-12-03-16-00 IncoDay 2019 - Apresentacao BSRIA 2020 Draft .pdf
DanielSieses
 
Caderno valor 08_11_2012
Caderno valor 08_11_2012Caderno valor 08_11_2012
Caderno valor 08_11_2012
José Roberto Durço
 
Inovação e Criatividade para a Gestão e Vivência Empresarial
Inovação e Criatividade para a Gestão e Vivência EmpresarialInovação e Criatividade para a Gestão e Vivência Empresarial
Inovação e Criatividade para a Gestão e Vivência Empresarial
Antônio Diomário de Queiroz
 
Caderno de Inovação 17
Caderno de Inovação 17 Caderno de Inovação 17
Caderno de Inovação 17
FGV-EAESP
 
Fórum de Inovação | Inovação e mudanças - Número 17
Fórum de Inovação | Inovação e mudanças - Número 17Fórum de Inovação | Inovação e mudanças - Número 17
Fórum de Inovação | Inovação e mudanças - Número 17
FGV | Fundação Getulio Vargas
 
Projeto de p&d&i parceiros, fomento e gerenciamento
Projeto de p&d&i parceiros, fomento e gerenciamentoProjeto de p&d&i parceiros, fomento e gerenciamento
Projeto de p&d&i parceiros, fomento e gerenciamento
Lychnoflora Pesquisa e Desenvolvimento em Produtos Naturais
 

Semelhante a A Pesquisa em Engenharia de Produção na Universidade: Uma Proposta Metodológica no Modelo da Hélice (20)

Brasiltec 10 05
Brasiltec 10 05Brasiltec 10 05
Brasiltec 10 05
 
INOVA UPS 2011_Carlos Alberto
INOVA UPS 2011_Carlos AlbertoINOVA UPS 2011_Carlos Alberto
INOVA UPS 2011_Carlos Alberto
 
Estratégia nacional de ciência, tecnologia e inovação 2016-2019
Estratégia nacional de ciência, tecnologia e inovação 2016-2019Estratégia nacional de ciência, tecnologia e inovação 2016-2019
Estratégia nacional de ciência, tecnologia e inovação 2016-2019
 
Interação Universidade, Empresa e Governo
Interação Universidade, Empresa e GovernoInteração Universidade, Empresa e Governo
Interação Universidade, Empresa e Governo
 
TECNOPUC
TECNOPUC TECNOPUC
TECNOPUC
 
KraftGreen
KraftGreen KraftGreen
KraftGreen
 
Cultura para Inovação
Cultura para InovaçãoCultura para Inovação
Cultura para Inovação
 
20080311.Sucesu BenefíCios Da Lei Catarinense De InovaçãO Para O Setor Empres...
20080311.Sucesu BenefíCios Da Lei Catarinense De InovaçãO Para O Setor Empres...20080311.Sucesu BenefíCios Da Lei Catarinense De InovaçãO Para O Setor Empres...
20080311.Sucesu BenefíCios Da Lei Catarinense De InovaçãO Para O Setor Empres...
 
Secretaria de Ciencia, Tecnologia e Ensino Superior de Minas Gerais
Secretaria de Ciencia, Tecnologia e Ensino Superior de Minas GeraisSecretaria de Ciencia, Tecnologia e Ensino Superior de Minas Gerais
Secretaria de Ciencia, Tecnologia e Ensino Superior de Minas Gerais
 
Palestra Básica. Secretaria De Ciencia, Tecnologia E Ensino Superior De Minas...
Palestra Básica. Secretaria De Ciencia, Tecnologia E Ensino Superior De Minas...Palestra Básica. Secretaria De Ciencia, Tecnologia E Ensino Superior De Minas...
Palestra Básica. Secretaria De Ciencia, Tecnologia E Ensino Superior De Minas...
 
O conhecimento tecnológico e a gestão do conhecimento
O conhecimento tecnológico e a gestão do conhecimentoO conhecimento tecnológico e a gestão do conhecimento
O conhecimento tecnológico e a gestão do conhecimento
 
PRECITYE- BRASIL
PRECITYE- BRASIL PRECITYE- BRASIL
PRECITYE- BRASIL
 
Políticas públicas de fomento a ciência, tecnologia e inovação direcionadas p...
Políticas públicas de fomento a ciência, tecnologia e inovação direcionadas p...Políticas públicas de fomento a ciência, tecnologia e inovação direcionadas p...
Políticas públicas de fomento a ciência, tecnologia e inovação direcionadas p...
 
Consortium for research and innovation in aerospace in Quebec, Canada – a ref...
Consortium for research and innovation in aerospace in Quebec, Canada – a ref...Consortium for research and innovation in aerospace in Quebec, Canada – a ref...
Consortium for research and innovation in aerospace in Quebec, Canada – a ref...
 
2019-12-03-16-00 IncoDay 2019 - Apresentacao BSRIA 2020 Draft .pdf
2019-12-03-16-00 IncoDay 2019 - Apresentacao BSRIA 2020 Draft .pdf2019-12-03-16-00 IncoDay 2019 - Apresentacao BSRIA 2020 Draft .pdf
2019-12-03-16-00 IncoDay 2019 - Apresentacao BSRIA 2020 Draft .pdf
 
Caderno valor 08_11_2012
Caderno valor 08_11_2012Caderno valor 08_11_2012
Caderno valor 08_11_2012
 
Inovação e Criatividade para a Gestão e Vivência Empresarial
Inovação e Criatividade para a Gestão e Vivência EmpresarialInovação e Criatividade para a Gestão e Vivência Empresarial
Inovação e Criatividade para a Gestão e Vivência Empresarial
 
Caderno de Inovação 17
Caderno de Inovação 17 Caderno de Inovação 17
Caderno de Inovação 17
 
Fórum de Inovação | Inovação e mudanças - Número 17
Fórum de Inovação | Inovação e mudanças - Número 17Fórum de Inovação | Inovação e mudanças - Número 17
Fórum de Inovação | Inovação e mudanças - Número 17
 
Projeto de p&d&i parceiros, fomento e gerenciamento
Projeto de p&d&i parceiros, fomento e gerenciamentoProjeto de p&d&i parceiros, fomento e gerenciamento
Projeto de p&d&i parceiros, fomento e gerenciamento
 

Mais de Universidade Salgado de Oliveira

Sociedade inclusiva Carlos Alberto Figueiredo da Silva
Sociedade inclusiva Carlos Alberto Figueiredo da SilvaSociedade inclusiva Carlos Alberto Figueiredo da Silva
Sociedade inclusiva Carlos Alberto Figueiredo da Silva
Universidade Salgado de Oliveira
 
Desenvolvimento organizacional
Desenvolvimento organizacionalDesenvolvimento organizacional
Desenvolvimento organizacional
Universidade Salgado de Oliveira
 
Sociedade inclusiva
Sociedade inclusivaSociedade inclusiva
7ª missão técnica semesp alemanha
7ª missão técnica semesp alemanha7ª missão técnica semesp alemanha
7ª missão técnica semesp alemanha
Universidade Salgado de Oliveira
 
Canvas Universidade do Porto 2015
Canvas Universidade do Porto 2015Canvas Universidade do Porto 2015
Canvas Universidade do Porto 2015
Universidade Salgado de Oliveira
 
Canvas Universidade do Porto
Canvas Universidade do PortoCanvas Universidade do Porto
Canvas Universidade do Porto
Universidade Salgado de Oliveira
 
Relações entre Canvas, Hélice tríplice, Porter e SWOT
Relações entre Canvas, Hélice tríplice, Porter e SWOTRelações entre Canvas, Hélice tríplice, Porter e SWOT
Relações entre Canvas, Hélice tríplice, Porter e SWOT
Universidade Salgado de Oliveira
 
Avaliar unisuam
Avaliar unisuamAvaliar unisuam
Resumo Babson College 2013
Resumo Babson College 2013Resumo Babson College 2013
Resumo Babson College 2013
Universidade Salgado de Oliveira
 
Racismo e Xenofobia no Futebol
Racismo e Xenofobia no FutebolRacismo e Xenofobia no Futebol
Racismo e Xenofobia no Futebol
Universidade Salgado de Oliveira
 
10 anos de educação física
10 anos de educação física10 anos de educação física
10 anos de educação física
Universidade Salgado de Oliveira
 
Racismo no futebol 03 maio 2007
Racismo no futebol 03 maio 2007Racismo no futebol 03 maio 2007
Racismo no futebol 03 maio 2007
Universidade Salgado de Oliveira
 
O argumento da hélice tríplice 2a parte
O argumento da hélice tríplice 2a parteO argumento da hélice tríplice 2a parte
O argumento da hélice tríplice 2a parte
Universidade Salgado de Oliveira
 
O argumento da hélice tríplice aula 1a parte
O argumento da hélice tríplice aula 1a parteO argumento da hélice tríplice aula 1a parte
O argumento da hélice tríplice aula 1a parte
Universidade Salgado de Oliveira
 
O novum trivium e a carreira pública
O novum trivium e a carreira públicaO novum trivium e a carreira pública
O novum trivium e a carreira pública
Universidade Salgado de Oliveira
 
A atividade física como ferramenta para a inclusão
A atividade física como ferramenta para a inclusãoA atividade física como ferramenta para a inclusão
A atividade física como ferramenta para a inclusão
Universidade Salgado de Oliveira
 
I fórum internacional de políticas públicas para o esporte: o argumento da hé...
I fórum internacional de políticas públicas para o esporte: o argumento da hé...I fórum internacional de políticas públicas para o esporte: o argumento da hé...
I fórum internacional de políticas públicas para o esporte: o argumento da hé...
Universidade Salgado de Oliveira
 
Palestra gestão do esporte 2010.2 2 - Hélice Tríplice
Palestra gestão do esporte 2010.2 2 - Hélice TríplicePalestra gestão do esporte 2010.2 2 - Hélice Tríplice
Palestra gestão do esporte 2010.2 2 - Hélice Tríplice
Universidade Salgado de Oliveira
 
Trajetória histórica da didática
Trajetória histórica da didáticaTrajetória histórica da didática
Trajetória histórica da didática
Universidade Salgado de Oliveira
 
Conhecimento e Complexidade
Conhecimento e ComplexidadeConhecimento e Complexidade
Conhecimento e Complexidade
Universidade Salgado de Oliveira
 

Mais de Universidade Salgado de Oliveira (20)

Sociedade inclusiva Carlos Alberto Figueiredo da Silva
Sociedade inclusiva Carlos Alberto Figueiredo da SilvaSociedade inclusiva Carlos Alberto Figueiredo da Silva
Sociedade inclusiva Carlos Alberto Figueiredo da Silva
 
Desenvolvimento organizacional
Desenvolvimento organizacionalDesenvolvimento organizacional
Desenvolvimento organizacional
 
Sociedade inclusiva
Sociedade inclusivaSociedade inclusiva
Sociedade inclusiva
 
7ª missão técnica semesp alemanha
7ª missão técnica semesp alemanha7ª missão técnica semesp alemanha
7ª missão técnica semesp alemanha
 
Canvas Universidade do Porto 2015
Canvas Universidade do Porto 2015Canvas Universidade do Porto 2015
Canvas Universidade do Porto 2015
 
Canvas Universidade do Porto
Canvas Universidade do PortoCanvas Universidade do Porto
Canvas Universidade do Porto
 
Relações entre Canvas, Hélice tríplice, Porter e SWOT
Relações entre Canvas, Hélice tríplice, Porter e SWOTRelações entre Canvas, Hélice tríplice, Porter e SWOT
Relações entre Canvas, Hélice tríplice, Porter e SWOT
 
Avaliar unisuam
Avaliar unisuamAvaliar unisuam
Avaliar unisuam
 
Resumo Babson College 2013
Resumo Babson College 2013Resumo Babson College 2013
Resumo Babson College 2013
 
Racismo e Xenofobia no Futebol
Racismo e Xenofobia no FutebolRacismo e Xenofobia no Futebol
Racismo e Xenofobia no Futebol
 
10 anos de educação física
10 anos de educação física10 anos de educação física
10 anos de educação física
 
Racismo no futebol 03 maio 2007
Racismo no futebol 03 maio 2007Racismo no futebol 03 maio 2007
Racismo no futebol 03 maio 2007
 
O argumento da hélice tríplice 2a parte
O argumento da hélice tríplice 2a parteO argumento da hélice tríplice 2a parte
O argumento da hélice tríplice 2a parte
 
O argumento da hélice tríplice aula 1a parte
O argumento da hélice tríplice aula 1a parteO argumento da hélice tríplice aula 1a parte
O argumento da hélice tríplice aula 1a parte
 
O novum trivium e a carreira pública
O novum trivium e a carreira públicaO novum trivium e a carreira pública
O novum trivium e a carreira pública
 
A atividade física como ferramenta para a inclusão
A atividade física como ferramenta para a inclusãoA atividade física como ferramenta para a inclusão
A atividade física como ferramenta para a inclusão
 
I fórum internacional de políticas públicas para o esporte: o argumento da hé...
I fórum internacional de políticas públicas para o esporte: o argumento da hé...I fórum internacional de políticas públicas para o esporte: o argumento da hé...
I fórum internacional de políticas públicas para o esporte: o argumento da hé...
 
Palestra gestão do esporte 2010.2 2 - Hélice Tríplice
Palestra gestão do esporte 2010.2 2 - Hélice TríplicePalestra gestão do esporte 2010.2 2 - Hélice Tríplice
Palestra gestão do esporte 2010.2 2 - Hélice Tríplice
 
Trajetória histórica da didática
Trajetória histórica da didáticaTrajetória histórica da didática
Trajetória histórica da didática
 
Conhecimento e Complexidade
Conhecimento e ComplexidadeConhecimento e Complexidade
Conhecimento e Complexidade
 

Último

O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 

Último (20)

O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 

A Pesquisa em Engenharia de Produção na Universidade: Uma Proposta Metodológica no Modelo da Hélice

  • 1. A Pesquisa em Engenharia deA Pesquisa em Engenharia de Produção na UniversidadeProdução na Universidade Empreendedora – UmaEmpreendedora – Uma Proposta Metodológica noProposta Metodológica no Modelo da Hélice TrípliceModelo da Hélice Tríplice ENEGEP – 2006/FORTALEZA Clique aqui para acessar o artigoClique aqui para acessar o artigo
  • 2. ObjetivoObjetivo Apresentar uma proposta metodológica para a elaboração de projetos de pesquisa em engenharia de produção, no âmbito de uma universidade empreendedora, em que co- atuam universidade, empresa e governo, tendo o modelo teórico da hélice tríplice como marco referencial dos projetos a serem formulados, e como contextualização a legislação brasileira de C&T&I.
  • 3. O modelo da Hélice Tríplice Criado por Henry Etzkowitz e Loet Leydesdorff Para descrever a sinergia dos atores do desenvolvimento: Universidade Empresa Governo
  • 4. A proposta do modelo • Universidades – Formar agentes multiplicadores das ações de inovação e mudança. • Governos – Contribuir com a criação, aperfeiçoamento e consolidação das políticas públicas de desenvolvimento. • Empresas – Integrar, com base na responsabilidade social, os projetos de desenvolvimento, como parceiras dos outros dois atores.
  • 6. Responsabilidade Social das Empresas • Responsabilidade Econômica • Responsabilidade Legal • Responsabilidade Ética • Responsabilidade Filantrópica • Responsabilidade Ecológica
  • 7. Responsabilidade Econômica • A primeira responsabilidade social da empresa é econômica por natureza.
  • 8. Responsabilidade Legal • As empresas devem cumprir com suas obrigações de acordo com o arcabouço legal existente.
  • 9. Responsabilidade Ética • Refere-se à expectativa de que as empresas, dentro do contexto em que se inserem, tenham um comportamento apropriado como agentes sociais.
  • 10. Responsabilidade Filantrópica • Reflete o desejo comum de que as empresas estejam ativamente envolvidas no melhoria do ambiente social.
  • 11. Responsabilidade Ecológica • Refere-se ao desenvolvimento sustentável, de modo a atender as necessidades da geração presente sem comprometer as possibilidades das gerações futuras de atender as suas necessidades.
  • 13. • O surgimento das universidades no séculoO surgimento das universidades no século 1212 • A pesquisa incorporada como atividadeA pesquisa incorporada como atividade acadêmica no século 19 –acadêmica no século 19 – a primeiraa primeira revolução acadêmicarevolução acadêmica;; • A extensão incorporada no século 20,A extensão incorporada no século 20, como fator de desenvolvimento econômicocomo fator de desenvolvimento econômico e social –e social – segunda revolução acadêmicasegunda revolução acadêmica.. TERRA, B. ,2006TERRA, B. ,2006
  • 14. O Contexto Legal BrasileiroO Contexto Legal Brasileiro de C&T&Ide C&T&I Induz a pesquisa acadêmica, principalmente na área de conhecimento das engenharias, estabelecida pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - CNPq, a um modelo empreendedor, cujos resultados tangíveis devem ser aplicados nas regiões onde as universidades estão instaladas.
  • 15. Mapeamento das leisMapeamento das leis indutorasindutoras da mudança no panoramada mudança no panorama brasileiro da pesquisabrasileiro da pesquisa Leis que criaram os fundos setoriais; A nova lei de informática; A lei de biossegurança; A chamada lei do bem; A lei de inovação e seus respectivos regulamentos; O Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico – FNDCT; A Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior - PITCE.
  • 16. A Constituição de 1988A Constituição de 1988 Incentiva a formação de recursos humanos nas áreas de ciência, pesquisa e tecnologia, com condições especiais de trabalho. Apóia as empresas que investem em pesquisa, facultando aos Estados e ao Distrito Federal vincular parcela de sua receita orçamentária a entidades públicas de fomento ao ensino e à pesquisa científica e tecnológica.
  • 17. Anos 90Anos 90 Incentivos fiscais previstos nas Leis: Lei 8010/90 e Lei 8032/90 que dispõem sobre importação de bens destinados à pesquisa científica e tecnológica. Lei 8248/91 e Portaria 265 de 23 de novembro de 1993 dispõem sobre a capacitação e competitividade do setor de informática. Lei 8661/93, estimula investimentos empresariais em P&D tecnológico, visando o aumento do grau de competitividade das empresas industriais e agropecuárias brasileiras, mediante uma estrutura permanente de gestão tecnológica.
  • 18. Modernização da legislaçãoModernização da legislação de proteção da propriedadede proteção da propriedade intelectualintelectual Lei de Engenharia Genética (1995) Lei de Propriedade Industrial (1996) Lei de Cultivares (1997) Leis de Programa de Computador e Direitos Autorais (1998).
  • 19. FundosFundos SetoriaisSetoriais Marco legal da C&T&I no Brasil. Estabelece novo padrão de estímulo ao fortalecimento do sistema nacional de inovação. O objetivo é garantir a estabilidade de recursos para a área e criar um novo modelo de gestão, com a participação de vários segmentos sociais, além de promover maior sinergia entre as universidades, centros de pesquisa, o setor produtivo e os governos locais.
  • 20. Fundos Setoriais Petróleo e Gás Natural - CT/PETRO (1997) Energia Elétrica - CT/ENERG (2000) Recursos Hídricos - CT/HIDRO (2000) Transportes - CT/TRANSPORTE (2000) Mineração - CT/MINERAL(2000) Espacial - CT/ESPACIAL(2000) Tecnologia da Informação - CT/INFO (2001) Infra-Estrutura - CT/INFRA (2001) Saúde - CT/SAUDE (2001) Agro negócio - CT/AGRO (2001) Verde-Amarelo – FVA (2001) Biotecnologia - CT/BIOTEC(2001) Setor Aeronáutico - CT/AERO(2001) Telecomunicações – FUNTTEL(2001) Transporte Aquaviário e Construção Naval CT/AQUAVIÁRIO (2004) Fundo Setorial da Amazônia - CT/AMAZONIA (2004)
  • 21. Fundos SetoriaisFundos Setoriais Fundo Verde-Amarelo – FVA Voltado à interação universidade-empresa CT-Infra Destinado a apoiar a melhoria da infra- estrutura das instituições de C&T
  • 22. Nova Lei de InformáticaNova Lei de Informática 10.176, de 11 de janeiro de 2001 Favorece, por meio de incentivos fiscais, os produtores de bens e serviços de informática e automação, isto é, quem investe em pesquisa.
  • 23. Lei de InovaçãoLei de Inovação Lei 10.973, de 2 de dezembro de 2004 Facilita a interação entre as universidades, instituições de pesquisa e o setor produtivo, estimulando o desenvolvimento de produtos e processos inovadores pelas empresas brasileiras.
  • 24. Lei da BiossegurançaLei da Biossegurança Lei 11.105, estabelece normas de segurança e mecanismos de fiscalização de atividades que envolvam pesquisas em organismos geneticamente modificados – OGM e seus derivados; cria o Conselho Nacional de Biossegurança – CNBS; reestrutura a Comissão Técnica Nacional de Biossegurança – CTNBIO.
  • 25. Lei do BemLei do Bem A Lei 11.196/2005 estimula as exportações, através da redução de impostos e incentivo à pesquisa. O objetivo central é o estímulo à P&D&I, encorajando o emprego na área e induzindo à criação de micro e pequenas empresas formadas por pesquisadores. A lei admite a figura do inventor independente, mas o benefício fiscal favorece em particular à pessoa jurídica, sobretudo àquela voltada exclusivamente para o trabalho em P&D&I.
  • 26. FNDCT-Fundo Nacional deFNDCT-Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico eDesenvolvimento Científico e TecnológicoTecnológico Estimula a inovação e promove o desenvolvimento científico e tecnológico, com vistas a assegurar a melhoria de vida da sociedade, sua segurança, a competitividade e o desenvolvimento econômico e social do país, para dar apoio financeiro aos programas e projetos prioritários de desenvolvimento científico e tecnológico nacionais. Todos os recursos dos fundos setoriais, única fonte de dinheiro estável para ciência e tecnologia prevista em lei hoje no País, estão alocados dentro do FNDCT.
  • 27. PITCEPITCE -- Política Industrial,Política Industrial, Tecnológica e de ComércioTecnológica e de Comércio ExteriorExterior Visa ao aumento da eficiência econômica e do desenvolvimento e difusão de tecnologias com maior potencial de indução do nível de atividade e de competição no comércio internacional. Articula-se com os investimentos planejados para a infra- estrutura e com os projetos de promoção do desenvolvimento regional.
  • 28. Proposta MetodológicaProposta Metodológica para a Pesquisa empara a Pesquisa em Engenharia de ProduçãoEngenharia de Produção no Modelo da Héliceno Modelo da Hélice TrípliceTríplice
  • 29. UniversidadesUniversidades a) que a hélice tríplice esteja presente na arquitetura dos projetos de pesquisa, de forma a criar e consolidar redes de desenvolvimento nas regiões; b) que na definição das políticas institucionais de produção de conhecimento, os indicadores priorizem o aumento da participação das empresas como atores pró-ativos do desenvolvimento regional; c) que as estratégias de desenvolvimento e planos de ações das áreas de pesquisa tenham claros seus objetivos econômicos e sociais;
  • 30. d) que a universidade se utilize da metodologia científica da pesquisa e atue como participante pró-ativa na coleta, análise e interpretação dos dados obtidos através de programas de pós- graduação, utilizando-os como balizadores em ações de desenvolvimento; e) que o pesquisador tenha uma postura em busca da aplicabilidade dos resultados da pesquisa; f) que a produção acadêmica, além de estar direcionada para publicações, englobe cada vez mais, resultados tangíveis, inovadores, capazes de promover o desenvolvimento econômico e social;
  • 31. g) que os projetos de pesquisa encararem o desemprego como uma questão a ser considerada no âmbito acadêmico, utilizando-o como forma de definição de projetos pedagógicos adequados às necessidades de formação de competências para o trabalho; h) que os projetos de pesquisa ajustem o nível de conhecimento transferido aos alunos ao nível das competências demandas pelo setor produtivo e às necessidades educacionais da região; i) que as universidades ensinem aos estudantes as técnicas das atitudes empreendedoras; j) que se estreite a relação da universidade com pequenas e micro empresas através de ações de pesquisa, com vistas ao desenvolvimento profissional;
  • 32. k) que o ensino do empreendedorismo seja ajustado às tendências regionais; l) que o ensino de negócios em todas as áreas de conhecimento possa encorajar start-ups e empresas spin-out; m) que as incubadoras de empresas e de cooperativas e outras estruturas organizacionais internas da universidade empreendedora favoreçam a modernização e a inovação tecnológica empresarial; n) que os projetos de pesquisa favoreçam o envolvimento do corpo docente e discente com atores internos e externos à universidade, em projetos cooperativos.
  • 33. EmpresasEmpresas a) que se utilizem das vantagens da legislação para alavancar na sociedade seus produtos inovadores provenientes de projetos de pesquisa cooperativa; b) que busquem na interação com a universidade o desenvolvimento econômico.
  • 34. GovernosGovernos a) que continuem aperfeiçoando seu aparato legal, de forma a concentrar investimentos em propostas de estímulo à pesquisa, que contemplem a aplicação dos resultados no desenvolvimento regional e local; b) que estabeleçam políticas públicas de forma a promover incentivos para as empresas que desenvolvem pesquisa em conjunto com as universidades de suas regiões.
  • 35. Entendemos que os segmentos menosEntendemos que os segmentos menos favorecidos da sociedade brasileira esperam,favorecidos da sociedade brasileira esperam, das universidades, gestos e atos de produçãodas universidades, gestos e atos de produção de conhecimento suscetível de ser acolhido emde conhecimento suscetível de ser acolhido em estratégias de desenvolvimento, que envolvamestratégias de desenvolvimento, que envolvam eficiência e eficácia para os programaseficiência e eficácia para os programas governamentais, e possam, de fato, promovergovernamentais, e possam, de fato, promover o bem-estar das comunidades locais eo bem-estar das comunidades locais e regionais por meio de ações marcadas peloregionais por meio de ações marcadas pelo empreendedorismo cívico, socialmenteempreendedorismo cívico, socialmente responsáveisresponsáveis. Os autores
  • 36. Carlos Alberto Figueiredo da Silva http://www.carlosfigueiredo.org/ ca.figueiredo@yahoo.com.br (21)93283350