SlideShare uma empresa Scribd logo
ELABORAÇÃO DO INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GEE  do Sistema Eletrobras   Fórum sobre  Práticas   com  Inventários  de Emissões de  GEE   no Setor de  Energia 19 de Agosto de 2010 Rio de Janeiro
A ELETROBRAS E SUAS EMPRESAS
A ELETROBRAS E SUAS EMPRESAS CGTEE  geração termelétrica a carvão CHESF   geração hidrelétrica e termelétrica (gás e óleo diesel ) +  transmissão FURNAS   geração hidrelétrica e termelétrica (gás e óleo diesel) +  transmissão ELETRONORTE   geração hidrelétrica e termelétrica (óleo diesel) +  transmissão ELETRONUCLEAR   geração termonuclear  ELETROSUL  transmissão  +  geração hidrelétrica  AMAZONAS ENERGIA   geração hidrelétrica e termelétrica (óleo combustível  e diesel) +  distribuição ITAIPU  geração hidrelétrica Capacidade instalada   39.218 MW  ( com 7 mil MW de Itaipu )  = 37% do total do país  29 usinas hidrelétricas, 15 usinas termelétricas, 2 usinas nucleares  + de 59 mil km de LTs (cerca de 56% do total de LTs do Brasil)  237 subestações
Meio Ambiente  -  Base Organizacional Sub Comitê de Meio Ambiente da ELETROBRAS 10   Grupos de Trabalho  e 2 Comissões para discutir  e propor soluções para as questões socioambientais comuns  Grupo de Trabalho nº 3 –  GASES de EFEITO ESTUFA  (  GT3 ) Principais Atividades Elaborar e consolidar um  Inventário / ano  das emissões de GEEs das Empresas Eletrobras  Estudar as  metodologias  de cálculo existentes para uma adequada aplicação Acompanhar a  evolução  do estado da arte e debater os assuntos relacionados Dar  apoio  às atividades voltadas para a  sustentabilidade empresarial , prestando as informações necessárias (ISE Bovespa, DJSI, Rel. Sustentabilidade, Projeto IGS)
Elaboração de Inventários de GEE OBJETIVO  Quantificar / Conhecer as emissões de GEE do Sistema Eletrobras Para,  futuramente , p ossibilitar o estabelecimento de Metas de Redução REFERÊNCIA:  GHG Protocol  (World Resources institute e World Business Council for  Sustainable Development) GT 3 –  GASES de EFEITO ESTUFA
GT 3 –  GASES de EFEITO ESTUFA Produtos 1) edição 2005 – o 1º Inventário de GEE  - apenas UTEs  2) edição 2009 – Inventário de 2003 a 2008 - fontes fixas 3) edição 2010 – Inventário de 2009 - ampliação do escopo ... do GHG Protocol Escopo 1 - Emissões Diretas Escopo 2 - Emissões Indiretas por Consumo de Eletricidade Escopo 3 – Outras Emissões Indiretas
. Escopo 1: emissões diretas 1a)  Fontes Fixas :  geração de eletricidade, calor ou vapor resultantes da queima  de combustíveis em fontes estacionárias (caldeiras, motores, turbinas, etc.) 1b)  Fontes Móveis : queima de combustíveis para transporte de materiais,  produtos e empregados em veículos próprios ou controlados pela empresa  caminhões, trens,  navios, aviões, ônibus e carros) 1c)  Emissões Fugitivas : emissões fugitivas provenientes da utilização de SF6 OBS :  1d)   Processos Físicos e Químicos:   não se aplicam ao Setor Elétrico   (produção de cimento, alumínio, amônia, etc.) Escopo 2:   emissões indiretas 2a) Emissões provenientes da eletricidade adquirida e consumida da rede  Escopo 3: emissões indiretas 3) Outras Emissões Indiretas:  ainda não estão sendo abordadas Ex: viagens a trabalho realizadas pelos empregados, transporte dos empregados de casa ao trabalho, disposição de lixo, etc. Inventário de GEE Edição 2010 - Conteúdo
Inventário de GEE edição 2009   valores em Gg CO 2  e   Abrangência: de 2003 a 2008 Abordagem:  Controle Operacional ( GHG Protocol )  Metodologia: IPCC 2006  Conteúdo:  apenas  parte  do Escopo 1 - emissões diretas de fontes fixas (UTEs) Gases EE:  CO 2  CH 4   N 2 O Inventário de GEE edição 2010   valores em t CO 2  e Abrangência: ano 2009 Abordagem:  Controle Operacional ( GHG Protocol ) Metodologia: IPCC 2006  Conteúdo:  Escopo 1 - emissões diretas de fontes fixas (UTEs),  fontes móveis e  emissões fugitivas de SF6 Escopo 2 – emissões pela quantidade de energia adquirida da rede Gases EE:  CO 2  CH 4  N 2 O  SF 6 GT 3 –  GASES de EFEITO ESTUFA
Inventário de GEE edição 2009   (período 2003 a 2008) GT 3 –  GASES de EFEITO ESTUFA Obs: energia gerada exclusivamente por usinas termelétricas
GT 3 –  GASES de EFEITO ESTUFA
AGENDA para Inventário 2011 Aumento do conteúdo   ▬►   objetivo:  completar os Escopos 1 e 2 Fato relevante: criação de  Força Tarefa de Metodologia Escopo 1: emissões diretas   Fontes fixas : UTEs (ok); grupos geradores das SEs, consumo de GLP (cozinhas e laboratórios)  Fontes móveis : diferenciar os diversos combustíveis: gasolina, diesel / biodiesel, GLP, querosene aviação, álcool, GNV, óleos lubrificantes p/ motor de 2 tempos Emissões fugitivas : SF 6 , gás de refrigeração, extintores (gás consumido = recargas), Estações de Tratamento de Esgotos (ETEs) próprias (CH 4 ) TESTE   Áreas protegidas  com apoio das empresas –  fator positivo   (características dos biomas, taxas de crescimento das espécies nativas e plantadas, taxa de absorção de carbono...) GT 3 –  GASES de EFEITO ESTUFA
AGENDA para Inventário 2011 Escopo 2: emissões indiretas Energia adquirida da rede –  qualidade das informações Escopo 3: emissões indiretas   TESTE   para Viagens Aéreas Resultados do Inventário de GEE edição 2011 (ano base 2010) CDP – Carbon Disclosure Project 2011  DJSI – Dow Jones Sustentability Index  2011 RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE do Sistema Eletrobras 2011 Índice de Carbono Eficiente  - ICO2  ISE BOVESPA  2011 GT 3 –  GASES de EFEITO ESTUFA
GT 3 –  GASES de EFEITO ESTUFA Membros Titulares Maria Luiza Milazzo (coordenação)  ELETROBRAS Alexandre Mollica (coordenação adjunta)  CEPEL Luis Eduardo Piotrowicz  CGTEE Flávia Emília Cintra de Farias  CHESF Silviani Froehlich  ELETRONORTE Raimundo Moreira Lima Filho  ELETRONUCLEAR Marisa Bender  ELETROSUL João Soito  FURNAS Anderson Braga Mendes  ITAIPU BINACIONAL  Josefran Martins da Silva  AMAZONAS Energia   Membros Suplentes Anibal Rodrigues Ribeiro Silva  ELETROBRAS Ana Claudia Santana de Almeida  CHESF Ralph Kronemberger Lippi  ELETRONORTE Alessandra Kepinski  ELETRONUCLEAR Georgia Penna de Araujo  FURNAS Sávio de Jesus Cordeiro Martins  AMAZONAS Energia  Participação especial : Ricardo Felix  UFF/RJ Apoio Técnico : Frederico Monteiro Neves  ELETROBRAS
GT 3 –  GASES de EFEITO ESTUFA   reunião de 28 e 29 de julho de 2010 Ralph K. Lippi   Eletronorte Raimundo Moreira   Eletronuclear Alexandre Mollica Cepel Anderson Braga   Itaipu Maria Luiza Milazzo   Eletrobras Luis Piotrowicz   CGTEE Frederico Neves   Eletrobras João Soito   Furnas Marisa Bender   Eletrosul Ana Claudia  Almeida   Chesf
Departamento de Meio Ambiente – EGA Diretoria de Engenharia – DE ELETROBRAS Muito Obrigada! Maria Luiza Milazzo   [email_address] (21) 2514-5620
ABORDAGEM Segundo o  GHG Protocol , há duas abordagens possíveis para delimitar as responsabilidades de cada Corporação no que tange às emissões de GEE: abordagem de controle (control approach) ou   abordagem da divisão proporcional (equity share approach) O Sistema Eletrobrás optou por utilizar em seus inventários a  Abordagem de Controle Operacional Levantamento das atividades realizadas sob o controle operacional  das empresas que compõem o Sistema Eletrobras e que resultam em  emissões de gases de efeito estufa.  As emissões provenientes destas atividades são integralmente atribuídas às  empresas do Sistema. GT 3 –  GASES de EFEITO ESTUFA
apoio:

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Política Nacional de Mudanças Climáticas
Política Nacional de Mudanças ClimáticasPolítica Nacional de Mudanças Climáticas
Política Nacional de Mudanças Climáticas
FiespAmbiental
 
12.2.11. #1 m_lopes et al
12.2.11. #1 m_lopes et al12.2.11. #1 m_lopes et al
Análise da viabilidade de um sistema híbrido de energia renovável na ilha de ...
Análise da viabilidade de um sistema híbrido de energia renovável na ilha de ...Análise da viabilidade de um sistema híbrido de energia renovável na ilha de ...
Análise da viabilidade de um sistema híbrido de energia renovável na ilha de ...
Liliana Domingues
 
Orlando Paraíba (Presidente da ENA - Agência de Energia e Ambiente da Arrábida)
Orlando Paraíba (Presidente da ENA - Agência de Energia e Ambiente da Arrábida) Orlando Paraíba (Presidente da ENA - Agência de Energia e Ambiente da Arrábida)
Orlando Paraíba (Presidente da ENA - Agência de Energia e Ambiente da Arrábida)
Construção Sustentável
 
Procel (Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica) e Eletrobrás
Procel (Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica) e EletrobrásProcel (Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica) e Eletrobrás
Procel (Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica) e Eletrobrás
Ampla Energia S.A.
 
Guia orientações
Guia orientaçõesGuia orientações
Guia orientações
SerieDialogos
 
Benefícios da Cogeração para o Sistema Energético
Benefícios da Cogeração para o Sistema EnergéticoBenefícios da Cogeração para o Sistema Energético
Benefícios da Cogeração para o Sistema Energético
Sulgás
 
BIOTERA - INVENTÁRIO DE EMISSÃO DE GASES DE EFEITO ESTUFA
BIOTERA - INVENTÁRIO DE EMISSÃO DE GASES DE EFEITO ESTUFABIOTERA - INVENTÁRIO DE EMISSÃO DE GASES DE EFEITO ESTUFA
BIOTERA - INVENTÁRIO DE EMISSÃO DE GASES DE EFEITO ESTUFA
Biotera
 
Cogeração no Brasil
Cogeração no BrasilCogeração no Brasil
Cogeração no Brasil
Sulgás
 
Apresentação economia e desenvolvimento av
Apresentação economia e desenvolvimento   avApresentação economia e desenvolvimento   av
Apresentação economia e desenvolvimento av
Kelvin Oliveira
 
Neilton fidelis 18 00
Neilton  fidelis 18 00Neilton  fidelis 18 00
Neilton fidelis 18 00
forumsustentar
 
REA_2013_Final_30dezembro
REA_2013_Final_30dezembroREA_2013_Final_30dezembro
REA_2013_Final_30dezembro
António Alvarenga
 
Valor Económico Total do Montado GreenCorkork
Valor Económico Total do Montado GreenCorkorkValor Económico Total do Montado GreenCorkork
Valor Económico Total do Montado GreenCorkork
Nuno Gaspar de Oliveira
 
O que é cogeração: constituição, aplicações e benefícios
O que é cogeração: constituição, aplicações e benefíciosO que é cogeração: constituição, aplicações e benefícios
O que é cogeração: constituição, aplicações e benefícios
Sulgás
 
Panorama de negócios – energia (luiz alberto kuster)
Panorama de negócios – energia (luiz alberto kuster)Panorama de negócios – energia (luiz alberto kuster)
Panorama de negócios – energia (luiz alberto kuster)
TriunfoRi
 

Mais procurados (15)

Política Nacional de Mudanças Climáticas
Política Nacional de Mudanças ClimáticasPolítica Nacional de Mudanças Climáticas
Política Nacional de Mudanças Climáticas
 
12.2.11. #1 m_lopes et al
12.2.11. #1 m_lopes et al12.2.11. #1 m_lopes et al
12.2.11. #1 m_lopes et al
 
Análise da viabilidade de um sistema híbrido de energia renovável na ilha de ...
Análise da viabilidade de um sistema híbrido de energia renovável na ilha de ...Análise da viabilidade de um sistema híbrido de energia renovável na ilha de ...
Análise da viabilidade de um sistema híbrido de energia renovável na ilha de ...
 
Orlando Paraíba (Presidente da ENA - Agência de Energia e Ambiente da Arrábida)
Orlando Paraíba (Presidente da ENA - Agência de Energia e Ambiente da Arrábida) Orlando Paraíba (Presidente da ENA - Agência de Energia e Ambiente da Arrábida)
Orlando Paraíba (Presidente da ENA - Agência de Energia e Ambiente da Arrábida)
 
Procel (Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica) e Eletrobrás
Procel (Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica) e EletrobrásProcel (Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica) e Eletrobrás
Procel (Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica) e Eletrobrás
 
Guia orientações
Guia orientaçõesGuia orientações
Guia orientações
 
Benefícios da Cogeração para o Sistema Energético
Benefícios da Cogeração para o Sistema EnergéticoBenefícios da Cogeração para o Sistema Energético
Benefícios da Cogeração para o Sistema Energético
 
BIOTERA - INVENTÁRIO DE EMISSÃO DE GASES DE EFEITO ESTUFA
BIOTERA - INVENTÁRIO DE EMISSÃO DE GASES DE EFEITO ESTUFABIOTERA - INVENTÁRIO DE EMISSÃO DE GASES DE EFEITO ESTUFA
BIOTERA - INVENTÁRIO DE EMISSÃO DE GASES DE EFEITO ESTUFA
 
Cogeração no Brasil
Cogeração no BrasilCogeração no Brasil
Cogeração no Brasil
 
Apresentação economia e desenvolvimento av
Apresentação economia e desenvolvimento   avApresentação economia e desenvolvimento   av
Apresentação economia e desenvolvimento av
 
Neilton fidelis 18 00
Neilton  fidelis 18 00Neilton  fidelis 18 00
Neilton fidelis 18 00
 
REA_2013_Final_30dezembro
REA_2013_Final_30dezembroREA_2013_Final_30dezembro
REA_2013_Final_30dezembro
 
Valor Económico Total do Montado GreenCorkork
Valor Económico Total do Montado GreenCorkorkValor Económico Total do Montado GreenCorkork
Valor Económico Total do Montado GreenCorkork
 
O que é cogeração: constituição, aplicações e benefícios
O que é cogeração: constituição, aplicações e benefíciosO que é cogeração: constituição, aplicações e benefícios
O que é cogeração: constituição, aplicações e benefícios
 
Panorama de negócios – energia (luiz alberto kuster)
Panorama de negócios – energia (luiz alberto kuster)Panorama de negócios – energia (luiz alberto kuster)
Panorama de negócios – energia (luiz alberto kuster)
 

Semelhante a Elaboração do Inventário de Emissões de GEE do Sistema Eletrobras

17.ago ametista 15.30_418_chesf
17.ago ametista 15.30_418_chesf17.ago ametista 15.30_418_chesf
17.ago ametista 15.30_418_chesf
itgfiles
 
Volume ii -_sistema_nacional_de_relato
Volume ii -_sistema_nacional_de_relatoVolume ii -_sistema_nacional_de_relato
Volume ii -_sistema_nacional_de_relato
Marcelo Felipozzi
 
Experiência da Arcelor Mittal Brasil com Projetos de MDL
Experiência da Arcelor Mittal Brasil com Projetos de MDLExperiência da Arcelor Mittal Brasil com Projetos de MDL
Experiência da Arcelor Mittal Brasil com Projetos de MDL
Editora Fórum
 
ApresentaçãO VersãO Fim
ApresentaçãO VersãO FimApresentaçãO VersãO Fim
ApresentaçãO VersãO Fim
sousacs
 
Claudio guedes coelho
Claudio guedes coelhoClaudio guedes coelho
Claudio guedes coelho
LCA promo
 
Amb mdl 2011 guilherme 16 40
Amb mdl 2011 guilherme 16 40Amb mdl 2011 guilherme 16 40
Amb mdl 2011 guilherme 16 40
forumsustentar
 
Apresentação da EDP no Brasil
Apresentação da EDP no BrasilApresentação da EDP no Brasil
Apresentação da EDP no Brasil
Ambiente Energia
 
Hidrogênio
HidrogênioHidrogênio
Hidrogênio
Jim Naturesa
 
Energias Do Futuro – Desafio do Presente
Energias Do Futuro – Desafio do PresenteEnergias Do Futuro – Desafio do Presente
Energias Do Futuro – Desafio do Presente
guestbe8e9
 
Desafios e oportunidades para as energias renováveis no Brasil - Newton José ...
Desafios e oportunidades para as energias renováveis no Brasil - Newton José ...Desafios e oportunidades para as energias renováveis no Brasil - Newton José ...
Desafios e oportunidades para as energias renováveis no Brasil - Newton José ...
Fundação Fernando Henrique Cardoso
 
#Emissões: Inventário Nacional
#Emissões: Inventário Nacional#Emissões: Inventário Nacional
#Emissões: Inventário Nacional
Fiesp Federação das Indústrias do Estado de SP
 
Uso de uma rede neural artificial para previsão do volume de lodo gerado em e...
Uso de uma rede neural artificial para previsão do volume de lodo gerado em e...Uso de uma rede neural artificial para previsão do volume de lodo gerado em e...
Uso de uma rede neural artificial para previsão do volume de lodo gerado em e...
Lorival Smolski Chapuis
 
Apresentação ISEP TF
Apresentação ISEP TFApresentação ISEP TF
Apresentação ISEP TF
Green Campus
 
Eqao 13.03.21-gpmai
Eqao 13.03.21-gpmaiEqao 13.03.21-gpmai
Eqao 13.03.21-gpmai
Ricardo Esparta
 
Studies on sugarcane energy in Brazil.pptx
Studies on sugarcane energy in Brazil.pptxStudies on sugarcane energy in Brazil.pptx
Studies on sugarcane energy in Brazil.pptx
gusgrafon
 
Cenários de Mudanças Climáticas: Regionalização ("downscaling")
Cenários de Mudanças Climáticas: Regionalização ("downscaling")Cenários de Mudanças Climáticas: Regionalização ("downscaling")
Cenários de Mudanças Climáticas: Regionalização ("downscaling")
SAE - Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República
 
Atlas portugues 2013
Atlas portugues 2013Atlas portugues 2013
Atlas portugues 2013
patrick miola
 
Aviação e CO2 ppt
Aviação e CO2 pptAviação e CO2 ppt
Aviação e CO2 ppt
Luis Miguel Cruz
 
Sustentar 2011 24.08.2011
Sustentar 2011   24.08.2011Sustentar 2011   24.08.2011
Sustentar 2011 24.08.2011
forumsustentar
 
#Emissões: Inventários Corporativos
#Emissões: Inventários Corporativos#Emissões: Inventários Corporativos
#Emissões: Inventários Corporativos
Fiesp Federação das Indústrias do Estado de SP
 

Semelhante a Elaboração do Inventário de Emissões de GEE do Sistema Eletrobras (20)

17.ago ametista 15.30_418_chesf
17.ago ametista 15.30_418_chesf17.ago ametista 15.30_418_chesf
17.ago ametista 15.30_418_chesf
 
Volume ii -_sistema_nacional_de_relato
Volume ii -_sistema_nacional_de_relatoVolume ii -_sistema_nacional_de_relato
Volume ii -_sistema_nacional_de_relato
 
Experiência da Arcelor Mittal Brasil com Projetos de MDL
Experiência da Arcelor Mittal Brasil com Projetos de MDLExperiência da Arcelor Mittal Brasil com Projetos de MDL
Experiência da Arcelor Mittal Brasil com Projetos de MDL
 
ApresentaçãO VersãO Fim
ApresentaçãO VersãO FimApresentaçãO VersãO Fim
ApresentaçãO VersãO Fim
 
Claudio guedes coelho
Claudio guedes coelhoClaudio guedes coelho
Claudio guedes coelho
 
Amb mdl 2011 guilherme 16 40
Amb mdl 2011 guilherme 16 40Amb mdl 2011 guilherme 16 40
Amb mdl 2011 guilherme 16 40
 
Apresentação da EDP no Brasil
Apresentação da EDP no BrasilApresentação da EDP no Brasil
Apresentação da EDP no Brasil
 
Hidrogênio
HidrogênioHidrogênio
Hidrogênio
 
Energias Do Futuro – Desafio do Presente
Energias Do Futuro – Desafio do PresenteEnergias Do Futuro – Desafio do Presente
Energias Do Futuro – Desafio do Presente
 
Desafios e oportunidades para as energias renováveis no Brasil - Newton José ...
Desafios e oportunidades para as energias renováveis no Brasil - Newton José ...Desafios e oportunidades para as energias renováveis no Brasil - Newton José ...
Desafios e oportunidades para as energias renováveis no Brasil - Newton José ...
 
#Emissões: Inventário Nacional
#Emissões: Inventário Nacional#Emissões: Inventário Nacional
#Emissões: Inventário Nacional
 
Uso de uma rede neural artificial para previsão do volume de lodo gerado em e...
Uso de uma rede neural artificial para previsão do volume de lodo gerado em e...Uso de uma rede neural artificial para previsão do volume de lodo gerado em e...
Uso de uma rede neural artificial para previsão do volume de lodo gerado em e...
 
Apresentação ISEP TF
Apresentação ISEP TFApresentação ISEP TF
Apresentação ISEP TF
 
Eqao 13.03.21-gpmai
Eqao 13.03.21-gpmaiEqao 13.03.21-gpmai
Eqao 13.03.21-gpmai
 
Studies on sugarcane energy in Brazil.pptx
Studies on sugarcane energy in Brazil.pptxStudies on sugarcane energy in Brazil.pptx
Studies on sugarcane energy in Brazil.pptx
 
Cenários de Mudanças Climáticas: Regionalização ("downscaling")
Cenários de Mudanças Climáticas: Regionalização ("downscaling")Cenários de Mudanças Climáticas: Regionalização ("downscaling")
Cenários de Mudanças Climáticas: Regionalização ("downscaling")
 
Atlas portugues 2013
Atlas portugues 2013Atlas portugues 2013
Atlas portugues 2013
 
Aviação e CO2 ppt
Aviação e CO2 pptAviação e CO2 ppt
Aviação e CO2 ppt
 
Sustentar 2011 24.08.2011
Sustentar 2011   24.08.2011Sustentar 2011   24.08.2011
Sustentar 2011 24.08.2011
 
#Emissões: Inventários Corporativos
#Emissões: Inventários Corporativos#Emissões: Inventários Corporativos
#Emissões: Inventários Corporativos
 

Mais de Ambiente Energia

Universidade Corporativa CPFL Energia
Universidade Corporativa CPFL EnergiaUniversidade Corporativa CPFL Energia
Universidade Corporativa CPFL Energia
Ambiente Energia
 
Educação Corporativa e Capacitação de Eletricistas no Setor Elétrico
Educação Corporativa e Capacitação de Eletricistas no Setor ElétricoEducação Corporativa e Capacitação de Eletricistas no Setor Elétrico
Educação Corporativa e Capacitação de Eletricistas no Setor Elétrico
Ambiente Energia
 
Panorama do setor de Energia: visão acadêmica e de mercado – FEI
Panorama do setor de Energia: visão acadêmica e de mercado – FEIPanorama do setor de Energia: visão acadêmica e de mercado – FEI
Panorama do setor de Energia: visão acadêmica e de mercado – FEI
Ambiente Energia
 
Um Trabalho pela Capacitação Profissional – Funcoge
Um Trabalho pela Capacitação Profissional – FuncogeUm Trabalho pela Capacitação Profissional – Funcoge
Um Trabalho pela Capacitação Profissional – Funcoge
Ambiente Energia
 
Alstom University
Alstom UniversityAlstom University
Alstom University
Ambiente Energia
 
Educação Corporativa e Gestão do Conhecimento – UniverCemig
Educação Corporativa e Gestão do Conhecimento – UniverCemigEducação Corporativa e Gestão do Conhecimento – UniverCemig
Educação Corporativa e Gestão do Conhecimento – UniverCemig
Ambiente Energia
 
Educação Corporativa do Sistema Eletrobras – a Unise
Educação Corporativa do Sistema Eletrobras – a UniseEducação Corporativa do Sistema Eletrobras – a Unise
Educação Corporativa do Sistema Eletrobras – a Unise
Ambiente Energia
 
Os Desafios para a Capacitação profissional no Setor de Energia Elétrica – El...
Os Desafios para a Capacitação profissional no Setor de Energia Elétrica – El...Os Desafios para a Capacitação profissional no Setor de Energia Elétrica – El...
Os Desafios para a Capacitação profissional no Setor de Energia Elétrica – El...
Ambiente Energia
 
Capacitação e Desenvolvimento – Aneel
Capacitação e Desenvolvimento – AneelCapacitação e Desenvolvimento – Aneel
Capacitação e Desenvolvimento – Aneel
Ambiente Energia
 
A Construção da Universidade Corporativa – Rede Energia
A Construção da Universidade Corporativa – Rede EnergiaA Construção da Universidade Corporativa – Rede Energia
A Construção da Universidade Corporativa – Rede Energia
Ambiente Energia
 
Arbitragem
ArbitragemArbitragem
Arbitragem
Ambiente Energia
 
Exemplos
ExemplosExemplos
Contrato de performance
Contrato de performanceContrato de performance
Contrato de performance
Ambiente Energia
 
Conceito Eficiência Energética
Conceito Eficiência EnergéticaConceito Eficiência Energética
Conceito Eficiência Energética
Ambiente Energia
 
Aplicação dos métodos de medição e verificação para projetos de eficiência en...
Aplicação dos métodos de medição e verificação para projetos de eficiência en...Aplicação dos métodos de medição e verificação para projetos de eficiência en...
Aplicação dos métodos de medição e verificação para projetos de eficiência en...
Ambiente Energia
 
Medição e Verificação para projetos de Eficiência Energética - Introdução
Medição e Verificação para projetos de Eficiência Energética - IntroduçãoMedição e Verificação para projetos de Eficiência Energética - Introdução
Medição e Verificação para projetos de Eficiência Energética - Introdução
Ambiente Energia
 
O mercado atual da PCHs e suas perspectivas
O mercado atual da PCHs  e suas perspectivasO mercado atual da PCHs  e suas perspectivas
O mercado atual da PCHs e suas perspectivas
Ambiente Energia
 
O mercado atual da PCHs e suas perspectivas
O mercado atual da PCHs  e suas perspectivasO mercado atual da PCHs  e suas perspectivas
O mercado atual da PCHs e suas perspectivas
Ambiente Energia
 
Energia Solar Fotovoltaica
Energia Solar FotovoltaicaEnergia Solar Fotovoltaica
Energia Solar Fotovoltaica
Ambiente Energia
 
Mudanças Climáticas e Impactos nas Metrópoles
Mudanças Climáticas e Impactos nas Metrópoles Mudanças Climáticas e Impactos nas Metrópoles
Mudanças Climáticas e Impactos nas Metrópoles
Ambiente Energia
 

Mais de Ambiente Energia (20)

Universidade Corporativa CPFL Energia
Universidade Corporativa CPFL EnergiaUniversidade Corporativa CPFL Energia
Universidade Corporativa CPFL Energia
 
Educação Corporativa e Capacitação de Eletricistas no Setor Elétrico
Educação Corporativa e Capacitação de Eletricistas no Setor ElétricoEducação Corporativa e Capacitação de Eletricistas no Setor Elétrico
Educação Corporativa e Capacitação de Eletricistas no Setor Elétrico
 
Panorama do setor de Energia: visão acadêmica e de mercado – FEI
Panorama do setor de Energia: visão acadêmica e de mercado – FEIPanorama do setor de Energia: visão acadêmica e de mercado – FEI
Panorama do setor de Energia: visão acadêmica e de mercado – FEI
 
Um Trabalho pela Capacitação Profissional – Funcoge
Um Trabalho pela Capacitação Profissional – FuncogeUm Trabalho pela Capacitação Profissional – Funcoge
Um Trabalho pela Capacitação Profissional – Funcoge
 
Alstom University
Alstom UniversityAlstom University
Alstom University
 
Educação Corporativa e Gestão do Conhecimento – UniverCemig
Educação Corporativa e Gestão do Conhecimento – UniverCemigEducação Corporativa e Gestão do Conhecimento – UniverCemig
Educação Corporativa e Gestão do Conhecimento – UniverCemig
 
Educação Corporativa do Sistema Eletrobras – a Unise
Educação Corporativa do Sistema Eletrobras – a UniseEducação Corporativa do Sistema Eletrobras – a Unise
Educação Corporativa do Sistema Eletrobras – a Unise
 
Os Desafios para a Capacitação profissional no Setor de Energia Elétrica – El...
Os Desafios para a Capacitação profissional no Setor de Energia Elétrica – El...Os Desafios para a Capacitação profissional no Setor de Energia Elétrica – El...
Os Desafios para a Capacitação profissional no Setor de Energia Elétrica – El...
 
Capacitação e Desenvolvimento – Aneel
Capacitação e Desenvolvimento – AneelCapacitação e Desenvolvimento – Aneel
Capacitação e Desenvolvimento – Aneel
 
A Construção da Universidade Corporativa – Rede Energia
A Construção da Universidade Corporativa – Rede EnergiaA Construção da Universidade Corporativa – Rede Energia
A Construção da Universidade Corporativa – Rede Energia
 
Arbitragem
ArbitragemArbitragem
Arbitragem
 
Exemplos
ExemplosExemplos
Exemplos
 
Contrato de performance
Contrato de performanceContrato de performance
Contrato de performance
 
Conceito Eficiência Energética
Conceito Eficiência EnergéticaConceito Eficiência Energética
Conceito Eficiência Energética
 
Aplicação dos métodos de medição e verificação para projetos de eficiência en...
Aplicação dos métodos de medição e verificação para projetos de eficiência en...Aplicação dos métodos de medição e verificação para projetos de eficiência en...
Aplicação dos métodos de medição e verificação para projetos de eficiência en...
 
Medição e Verificação para projetos de Eficiência Energética - Introdução
Medição e Verificação para projetos de Eficiência Energética - IntroduçãoMedição e Verificação para projetos de Eficiência Energética - Introdução
Medição e Verificação para projetos de Eficiência Energética - Introdução
 
O mercado atual da PCHs e suas perspectivas
O mercado atual da PCHs  e suas perspectivasO mercado atual da PCHs  e suas perspectivas
O mercado atual da PCHs e suas perspectivas
 
O mercado atual da PCHs e suas perspectivas
O mercado atual da PCHs  e suas perspectivasO mercado atual da PCHs  e suas perspectivas
O mercado atual da PCHs e suas perspectivas
 
Energia Solar Fotovoltaica
Energia Solar FotovoltaicaEnergia Solar Fotovoltaica
Energia Solar Fotovoltaica
 
Mudanças Climáticas e Impactos nas Metrópoles
Mudanças Climáticas e Impactos nas Metrópoles Mudanças Climáticas e Impactos nas Metrópoles
Mudanças Climáticas e Impactos nas Metrópoles
 

Elaboração do Inventário de Emissões de GEE do Sistema Eletrobras

  • 1. ELABORAÇÃO DO INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GEE do Sistema Eletrobras Fórum sobre Práticas com Inventários de Emissões de GEE no Setor de Energia 19 de Agosto de 2010 Rio de Janeiro
  • 2. A ELETROBRAS E SUAS EMPRESAS
  • 3. A ELETROBRAS E SUAS EMPRESAS CGTEE geração termelétrica a carvão CHESF geração hidrelétrica e termelétrica (gás e óleo diesel ) + transmissão FURNAS geração hidrelétrica e termelétrica (gás e óleo diesel) + transmissão ELETRONORTE geração hidrelétrica e termelétrica (óleo diesel) + transmissão ELETRONUCLEAR geração termonuclear ELETROSUL transmissão + geração hidrelétrica AMAZONAS ENERGIA geração hidrelétrica e termelétrica (óleo combustível e diesel) + distribuição ITAIPU geração hidrelétrica Capacidade instalada 39.218 MW ( com 7 mil MW de Itaipu ) = 37% do total do país 29 usinas hidrelétricas, 15 usinas termelétricas, 2 usinas nucleares + de 59 mil km de LTs (cerca de 56% do total de LTs do Brasil) 237 subestações
  • 4. Meio Ambiente - Base Organizacional Sub Comitê de Meio Ambiente da ELETROBRAS 10 Grupos de Trabalho e 2 Comissões para discutir e propor soluções para as questões socioambientais comuns Grupo de Trabalho nº 3 – GASES de EFEITO ESTUFA ( GT3 ) Principais Atividades Elaborar e consolidar um Inventário / ano das emissões de GEEs das Empresas Eletrobras Estudar as metodologias de cálculo existentes para uma adequada aplicação Acompanhar a evolução do estado da arte e debater os assuntos relacionados Dar apoio às atividades voltadas para a sustentabilidade empresarial , prestando as informações necessárias (ISE Bovespa, DJSI, Rel. Sustentabilidade, Projeto IGS)
  • 5. Elaboração de Inventários de GEE OBJETIVO Quantificar / Conhecer as emissões de GEE do Sistema Eletrobras Para, futuramente , p ossibilitar o estabelecimento de Metas de Redução REFERÊNCIA: GHG Protocol (World Resources institute e World Business Council for Sustainable Development) GT 3 – GASES de EFEITO ESTUFA
  • 6. GT 3 – GASES de EFEITO ESTUFA Produtos 1) edição 2005 – o 1º Inventário de GEE - apenas UTEs 2) edição 2009 – Inventário de 2003 a 2008 - fontes fixas 3) edição 2010 – Inventário de 2009 - ampliação do escopo ... do GHG Protocol Escopo 1 - Emissões Diretas Escopo 2 - Emissões Indiretas por Consumo de Eletricidade Escopo 3 – Outras Emissões Indiretas
  • 7. . Escopo 1: emissões diretas 1a) Fontes Fixas : geração de eletricidade, calor ou vapor resultantes da queima de combustíveis em fontes estacionárias (caldeiras, motores, turbinas, etc.) 1b) Fontes Móveis : queima de combustíveis para transporte de materiais, produtos e empregados em veículos próprios ou controlados pela empresa caminhões, trens, navios, aviões, ônibus e carros) 1c) Emissões Fugitivas : emissões fugitivas provenientes da utilização de SF6 OBS : 1d) Processos Físicos e Químicos: não se aplicam ao Setor Elétrico (produção de cimento, alumínio, amônia, etc.) Escopo 2: emissões indiretas 2a) Emissões provenientes da eletricidade adquirida e consumida da rede Escopo 3: emissões indiretas 3) Outras Emissões Indiretas: ainda não estão sendo abordadas Ex: viagens a trabalho realizadas pelos empregados, transporte dos empregados de casa ao trabalho, disposição de lixo, etc. Inventário de GEE Edição 2010 - Conteúdo
  • 8. Inventário de GEE edição 2009 valores em Gg CO 2 e Abrangência: de 2003 a 2008 Abordagem: Controle Operacional ( GHG Protocol ) Metodologia: IPCC 2006 Conteúdo: apenas parte do Escopo 1 - emissões diretas de fontes fixas (UTEs) Gases EE: CO 2 CH 4 N 2 O Inventário de GEE edição 2010 valores em t CO 2 e Abrangência: ano 2009 Abordagem: Controle Operacional ( GHG Protocol ) Metodologia: IPCC 2006 Conteúdo: Escopo 1 - emissões diretas de fontes fixas (UTEs), fontes móveis e emissões fugitivas de SF6 Escopo 2 – emissões pela quantidade de energia adquirida da rede Gases EE: CO 2 CH 4 N 2 O SF 6 GT 3 – GASES de EFEITO ESTUFA
  • 9. Inventário de GEE edição 2009 (período 2003 a 2008) GT 3 – GASES de EFEITO ESTUFA Obs: energia gerada exclusivamente por usinas termelétricas
  • 10. GT 3 – GASES de EFEITO ESTUFA
  • 11. AGENDA para Inventário 2011 Aumento do conteúdo ▬► objetivo: completar os Escopos 1 e 2 Fato relevante: criação de Força Tarefa de Metodologia Escopo 1: emissões diretas Fontes fixas : UTEs (ok); grupos geradores das SEs, consumo de GLP (cozinhas e laboratórios) Fontes móveis : diferenciar os diversos combustíveis: gasolina, diesel / biodiesel, GLP, querosene aviação, álcool, GNV, óleos lubrificantes p/ motor de 2 tempos Emissões fugitivas : SF 6 , gás de refrigeração, extintores (gás consumido = recargas), Estações de Tratamento de Esgotos (ETEs) próprias (CH 4 ) TESTE Áreas protegidas com apoio das empresas – fator positivo (características dos biomas, taxas de crescimento das espécies nativas e plantadas, taxa de absorção de carbono...) GT 3 – GASES de EFEITO ESTUFA
  • 12. AGENDA para Inventário 2011 Escopo 2: emissões indiretas Energia adquirida da rede – qualidade das informações Escopo 3: emissões indiretas TESTE para Viagens Aéreas Resultados do Inventário de GEE edição 2011 (ano base 2010) CDP – Carbon Disclosure Project 2011 DJSI – Dow Jones Sustentability Index 2011 RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE do Sistema Eletrobras 2011 Índice de Carbono Eficiente - ICO2 ISE BOVESPA 2011 GT 3 – GASES de EFEITO ESTUFA
  • 13. GT 3 – GASES de EFEITO ESTUFA Membros Titulares Maria Luiza Milazzo (coordenação) ELETROBRAS Alexandre Mollica (coordenação adjunta) CEPEL Luis Eduardo Piotrowicz CGTEE Flávia Emília Cintra de Farias CHESF Silviani Froehlich ELETRONORTE Raimundo Moreira Lima Filho ELETRONUCLEAR Marisa Bender ELETROSUL João Soito FURNAS Anderson Braga Mendes ITAIPU BINACIONAL Josefran Martins da Silva AMAZONAS Energia Membros Suplentes Anibal Rodrigues Ribeiro Silva ELETROBRAS Ana Claudia Santana de Almeida CHESF Ralph Kronemberger Lippi ELETRONORTE Alessandra Kepinski ELETRONUCLEAR Georgia Penna de Araujo FURNAS Sávio de Jesus Cordeiro Martins AMAZONAS Energia Participação especial : Ricardo Felix UFF/RJ Apoio Técnico : Frederico Monteiro Neves ELETROBRAS
  • 14. GT 3 – GASES de EFEITO ESTUFA reunião de 28 e 29 de julho de 2010 Ralph K. Lippi Eletronorte Raimundo Moreira Eletronuclear Alexandre Mollica Cepel Anderson Braga Itaipu Maria Luiza Milazzo Eletrobras Luis Piotrowicz CGTEE Frederico Neves Eletrobras João Soito Furnas Marisa Bender Eletrosul Ana Claudia Almeida Chesf
  • 15. Departamento de Meio Ambiente – EGA Diretoria de Engenharia – DE ELETROBRAS Muito Obrigada! Maria Luiza Milazzo [email_address] (21) 2514-5620
  • 16. ABORDAGEM Segundo o GHG Protocol , há duas abordagens possíveis para delimitar as responsabilidades de cada Corporação no que tange às emissões de GEE: abordagem de controle (control approach) ou abordagem da divisão proporcional (equity share approach) O Sistema Eletrobrás optou por utilizar em seus inventários a Abordagem de Controle Operacional Levantamento das atividades realizadas sob o controle operacional das empresas que compõem o Sistema Eletrobras e que resultam em emissões de gases de efeito estufa. As emissões provenientes destas atividades são integralmente atribuídas às empresas do Sistema. GT 3 – GASES de EFEITO ESTUFA

Notas do Editor

  1. zdfhbxsdgnxsfgmn