SlideShare uma empresa Scribd logo
24/04/2011




CONCEITO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA
                                                      Eng. Osório de Brito - INEE




                 DEFINIÇÃO
   Atender uma mesma carga, elétrica ou de outra
    natureza, consumindo menos combustível ou
    consumindo menor quantidade de eletricidade;
    significa, pois:


    AUMENTAR A PRODUTIVIDADE DA
     EMPRESA NO QUE SE RELACIONA
      COM OS GASTOS COM ENERGIA
                       INEE - Instituto Nacional de
                          Eficiência Energética




                 DEFINIÇÃO
 Seja G o gasto com a energia para atender o
  consumo de uma determinada empresa.
 Sejam F o custo da energia referente à G e T o
  valor da tarifa vigente no instante do
  faturamento pela supridora.
 Logo: F = G x T

A empresa decide, então, eficientizar as suas
  instalações:

                     INEE - Instituto Nacional de
                        Eficiência Energética




                                                                                            1
24/04/2011




                DEFINIÇÃO
 Findo o trabalho eficientizador, obtém-se
  novos valores para G (G1) e para F (F1) sendo
  G1 menor que G e o mesmo acorrendo com F
  (F1menor que F).
 A economia (E) obtida será E = F1 – F.

Logo: para, para o suprimento de uma mesma
     carga, a empresa economizou um valor
                     igual a E
                   INEE - Instituto Nacional de
                      Eficiência Energética




     COMO EFICIENTIZAR UMA
           EMPRESA
                 Duas opções:
 Desenvolver por conta própria;

 Desenvolver contratando uma ESCO.

ESCO = Empresa de Conservação de Energia
  (o seu negócio, é exatamente, a
  racionalização do uso da energia, a
  responsável pela obtenção da economia E)

                   INEE - Instituto Nacional de
                      Eficiência Energética




     EFICIENTIZAR POR CONTA
            PRÓPRIA
   1ª Etapa: Realizar o diagnóstico energético
    visando: identificar e mensurar as economias
    possíveis; mensurar os investimentos; e
    verificar a viabilidade econômica.
   2ª Etapa: Desenvolver o projeto em seus
    diversos níveis de detalhamento até a
    realização do Projeto Executivo.
   3ª Etapa: Contratar o Executante do trabalho
    tomando por base o Projeto Executivo.
                   INEE - Instituto Nacional de
                      Eficiência Energética




                                                           2
24/04/2011




       COMPARAÇÃO COM O
      TRABALHO DE UMA ESCO
   Todas estas Etapas descritas anteriormente
    serão, necessariamente, desenvolvidas pela
    ESCO que só aceitará o trabalho eficientizador
    se:
    for constatada a viabilidade
    econômica do empreendimento.

                    INEE - Instituto Nacional de
                       Eficiência Energética




      COMO TRABALHA UMA
             ESCO
A ESCO remunera-se com a economia por ela
 obtida o que significa dizer que ela assume o
 risco referente ao seu trabalho e se utiliza de
 um contrato denominado “Contrato de
 Performance”. Em outras palavras:
A empresa contratante pode não por a mão no
 seu bolso: a ESCO assume todo o trabalho,
 investe e toma financiamentos, se for o caso.

                    INEE - Instituto Nacional de
                       Eficiência Energética




      COMO TRABALHA UMA
             ESCO
Para remunerar-se, a ESCO absorve toda ou parte da
  economia obtida e a empresa contratante, dependendo
  do contrato firmado:
 Mantém pagando o que gastava, antes da intervenção
  da ESCO, pelo uso da energia e a ESCO retém a
  economia gerada pelo seu trabalho; ou
 Paga uma parcela menor do que gastava antes da
  intervenção da ESCO pela energia.


                    INEE - Instituto Nacional de
                       Eficiência Energética




                                                                3
24/04/2011




      COMO TRABALHA UMA
             ESCO
    ESTE É UM CONTRATO NO QUAL O
      CONTRATANTE, ALÉM DE NADA
     PAGAR PELO SERVIÇO REALIZADO,
    PODE, DEPENDENDO DO ESCOPO DO
     TRABALHO A SER DESENVOLVIDO,
    ATÉ, ANTECIPADAMENTE, REALIZAR
        UMA ECONOMIA NO USO DA
                ENERGIA.

                     INEE - Instituto Nacional de
                        Eficiência Energética




NECESSIDADE DE MEDIÇÕES E
  DE EVENTUAIS AJUSTES
 Não existe um “eficientômetro” para medir a
                   economia E:
- Urge, pois, medir antes do trabalho
  eficientizador e medir após o seu término:
- a fim de mensurar se a economia pretendida
  de fato ocorreu.
  Esta mensuração só poderá ser feita por
  uma entidade neutra desligada tanto do
  Contratante quanto da ESCO.
                     INEE - Instituto Nacional de
                        Eficiência Energética




EXEMPLOS DE CONDIÇÕES DE
      CONTORNO
   Em uma industria: aumento, para mais ou para
    menos, na produção final da contratante;
   Em um prédio comercial, com um sistema de ar
    condicionado para conforto: um aumento ou uma
    diminuição na temperatura ambiente.
   Caberá à entidade neutra responsável pela
    medição medir, também, as condições ex-pós de
    contorno, verifica-las e corrigir as alterações
    decorrentes de sua ocorrência.

                     INEE - Instituto Nacional de
                        Eficiência Energética




                                                              4
24/04/2011




      COMO TRABALHA UMA
             ESCO
Um contrato desta natureza exige, necessariamente:
 Uma medição, por entidade neutra, das condições ex-
  antes do uso da energia e, também, as chamadas
  “condições de contorno”.
 As “condições de contorno” são aquelas que a ESCO
  as considerará constantes e que, se alteradas, no
  momento das medições ex-pós (feitas após a
  intervenção da ESCO), serão passíveis de uma
  correção para evitar que influenciem, para mais ou
  para menos, a economia obtida.


                     INEE - Instituto Nacional de
                        Eficiência Energética




       PARTICIPAÇÃO DE UMA
         ENTIDADE NEUTRA
     Esta entidade não é uma ESCO; sua função,
     normalmente, atém-se a uma das duas alternativas
                  infra-descritas ou a ambas:
   Realiza o chamado M&V (Medição e Verificação) –
                 medições ex-antes e ex-pós.
   Auxilia a empresa contratante a escolher a ESCO e a
        fiscalizar o seu trabalho com o fito de evitar
       problemas em sua execução (a ESCO “entra e
      participa” do processo operacional da empresa
     contratante, fato que pode provocar desavenças e
                         discussões).
                     INEE - Instituto Nacional de
                        Eficiência Energética




               ARBITRAGEM

      A melhor forma de resolver desavenças,
      eventualmente não contornáveis no plano
      administrativo, é estabelecer o uso de uma
      arbitragem a fim de evitar longas disputas
         judiciais capazes de frear ou mesmo
    inviabilizar a realização de um trabalho desta
                        natureza.

                     INEE - Instituto Nacional de
                        Eficiência Energética




                                                                  5
24/04/2011




    PERFIL ATUAL DAS ESCO’S
     NO HEMISFÉRIO NORTE

     Há três níveis concorrendo nos mercados
     europeus, norte-americanos e canadenses:
 Grandes ESCO’s ligadas às concessionárias de
  energia elétrica e de gás ou a grupos financeiros.
 Médias, independentes, antigas consultoras ou
                      instaladoras.
 Pequenas, atuando, como ESCO’s, em campos
  restritos de trabalho, isoladamente ou como sub-
 contratadas das ESCO’s maiores e mantendo suas
                 atividades anteriores.
                      INEE - Instituto Nacional de
                         Eficiência Energética




        PERFIL DAS ESCO’S
          BRASILEIRAS
   O país possui poucas ESCO’s na acepção do
    termo: são consultoras ou instaladoras que
    vem realizando limitadas tarefas a risco.
   O mercado brasileiro, com a entrada do gás
    e com a exigência de maior competitividade
    (redução de custos de produção), apresenta
    grandes perspectivas.


                      INEE - Instituto Nacional de
                         Eficiência Energética




                COGERAÇÃO
   Uma possibilidade de eficientizar uma instalação que
    use concomitantemente energia elétrica e térmica é a
    cogeração.

    COGERAÇÃO = GERAÇÃO DE ENERGIAS
       TÉRMICA E ELÉTRICA, AO LADO DA
    CARGA A ATENDER, A PARTIR DA QUEIMA
       DE GÁS NATURAL OU DE RESÍDUOS
      INDUSTRIAIS OU DE BIOMASSA, COM
        EFICIÊNCIAS SUPERIORES A 75 %.

                      INEE - Instituto Nacional de
                         Eficiência Energética




                                                                   6
24/04/2011




          EXEMPLOS DE RESÍDUOS
            COMBUSTÍVEIS
   Na indústria: resíduos de papel (industria papeleira ou
    gráfica); de madeira (industria moveleira); gases
    residuais da indústria siderúrgica ou de algumas
    metalúrgicas.
   Na agro-indústria: biomassa resultante da produção
    de açucar e/ou de alcool; casca de arroz; casca de
    côco.
   Na queima do gás proveniente do lixo urbano ou do
    tratamento do esgoto sanitário.

                      INEE - Instituto Nacional de
                         Eficiência Energética




A OPÇÃO PELA COGERAÇÃO
   Não se altera o conceito - a ESCO investe e assume
    todo o risco do empreendimento: o contratante pode
    não precisar pôr a mão no seu bolso.
   Instalada a unidade cogeradora, a ESCO lhe
    fornecerá as energias que precisa, até completar a
    sua remuneração, e, se de interesse do contratante,
    poderá operar esta unidade por um tempo
    determinado em contrato.


                      INEE - Instituto Nacional de
                         Eficiência Energética




    EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E
         MEIO AMBIENTE
        UMA CORRELAÇÃO POSITIVA:

   No Hemisfério Norte observou-se que os
    projetos de eficientização energética
    reduziram as emissões de CO2.
   Hoje, os países deste Hemisfério incentivam
    a eficiência energética

                      INEE - Instituto Nacional de
                         Eficiência Energética




                                                                      7
24/04/2011




        8

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Ctc m1 a_v2_t
Ctc m1 a_v2_tCtc m1 a_v2_t
Ctc m1 a_v2_t
confidencial
 
M6 eficiência energética
M6   eficiência energéticaM6   eficiência energética
M6 eficiência energética
confidencial
 
Estratégias criativas de sustentabilidade
Estratégias criativas de sustentabilidadeEstratégias criativas de sustentabilidade
Estratégias criativas de sustentabilidade
senaimais
 
Vitek Consultoria e PdMA - Sucesso em Análise de Motores Elétricos
Vitek Consultoria e PdMA - Sucesso em Análise de Motores ElétricosVitek Consultoria e PdMA - Sucesso em Análise de Motores Elétricos
Vitek Consultoria e PdMA - Sucesso em Análise de Motores Elétricos
Luiz Gustavo Alves Lamounier
 
Ctc m1 b_v1_t
Ctc m1 b_v1_tCtc m1 b_v1_t
Ctc m1 b_v1_t
confidencial
 
Apostila de instalação e manutenção de motores elétricos weg
Apostila de instalação e manutenção de motores elétricos wegApostila de instalação e manutenção de motores elétricos weg
Apostila de instalação e manutenção de motores elétricos weg
Claudio Arkan
 

Destaque (6)

Ctc m1 a_v2_t
Ctc m1 a_v2_tCtc m1 a_v2_t
Ctc m1 a_v2_t
 
M6 eficiência energética
M6   eficiência energéticaM6   eficiência energética
M6 eficiência energética
 
Estratégias criativas de sustentabilidade
Estratégias criativas de sustentabilidadeEstratégias criativas de sustentabilidade
Estratégias criativas de sustentabilidade
 
Vitek Consultoria e PdMA - Sucesso em Análise de Motores Elétricos
Vitek Consultoria e PdMA - Sucesso em Análise de Motores ElétricosVitek Consultoria e PdMA - Sucesso em Análise de Motores Elétricos
Vitek Consultoria e PdMA - Sucesso em Análise de Motores Elétricos
 
Ctc m1 b_v1_t
Ctc m1 b_v1_tCtc m1 b_v1_t
Ctc m1 b_v1_t
 
Apostila de instalação e manutenção de motores elétricos weg
Apostila de instalação e manutenção de motores elétricos wegApostila de instalação e manutenção de motores elétricos weg
Apostila de instalação e manutenção de motores elétricos weg
 

Semelhante a Conceito Eficiência Energética

Contrato de performance
Contrato de performanceContrato de performance
Contrato de performance
Ambiente Energia
 
Programa Eficiência Energética
Programa Eficiência EnergéticaPrograma Eficiência Energética
Programa Eficiência Energética
InformaGroup
 
Energy Performance Contracts in Portuguese Public Administration
Energy Performance Contracts in Portuguese Public AdministrationEnergy Performance Contracts in Portuguese Public Administration
Energy Performance Contracts in Portuguese Public Administration
tiaguini
 
Workshop EE 2014 - 04. Marcelo Sigoli - A Visão da Abesco Sobre Eficiência ...
Workshop EE 2014 - 04. Marcelo Sigoli - A Visão da Abesco Sobre Eficiência ...Workshop EE 2014 - 04. Marcelo Sigoli - A Visão da Abesco Sobre Eficiência ...
Workshop EE 2014 - 04. Marcelo Sigoli - A Visão da Abesco Sobre Eficiência ...
CPFL Energia
 
Dinis Rodrigues - ADENE
Dinis Rodrigues - ADENEDinis Rodrigues - ADENE
Dinis Rodrigues - ADENE
Construção Sustentável
 
Ebook_2_-_Como_funciona_a_energia_solar_fotovoltaica_para_empresas.pptx
Ebook_2_-_Como_funciona_a_energia_solar_fotovoltaica_para_empresas.pptxEbook_2_-_Como_funciona_a_energia_solar_fotovoltaica_para_empresas.pptx
Ebook_2_-_Como_funciona_a_energia_solar_fotovoltaica_para_empresas.pptx
FrancieledeLiberoEsp
 
Perguntas e respostas
Perguntas e respostasPerguntas e respostas
Perguntas e respostas
Eduardo Novaes de Andrade
 
17.ago ruby 14.00_painel m&v_unifei
17.ago ruby 14.00_painel m&v_unifei17.ago ruby 14.00_painel m&v_unifei
17.ago ruby 14.00_painel m&v_unifei
itgfiles
 
Dinis Rodrigues - ADENE
Dinis Rodrigues - ADENEDinis Rodrigues - ADENE
Dinis Rodrigues - ADENE
Construção Sustentável
 
Paulo Nogueira - ADENE
Paulo Nogueira - ADENEPaulo Nogueira - ADENE
Paulo Nogueira - ADENE
Construção Sustentável
 
Arquitetura Industrial Sustentavel
Arquitetura Industrial SustentavelArquitetura Industrial Sustentavel
Arquitetura Industrial Sustentavel
Miguel Fabregues
 
Newsletter CLT Março 2012
Newsletter CLT Março 2012Newsletter CLT Março 2012
Newsletter CLT Março 2012
CLT Valuebased Services
 
Painel 3 – Desempenho Energético Operacional em Edificações
Painel 3 – Desempenho Energético Operacional em EdificaçõesPainel 3 – Desempenho Energético Operacional em Edificações
Painel 3 – Desempenho Energético Operacional em Edificações
UKinBrazilNetwork
 
Celpe
CelpeCelpe
Aeca group corporativa extendida (pt)
Aeca group corporativa extendida (pt)Aeca group corporativa extendida (pt)
Aeca group corporativa extendida (pt)
Aeca group
 
SAT_V2 (Versão Portuguesa)
SAT_V2 (Versão Portuguesa)SAT_V2 (Versão Portuguesa)
SAT_V2 (Versão Portuguesa)
CITEVE
 
Workshop EE 2014 - 01. Sérgio Valdir Bajay - O Cenário de Eficiência Energe...
Workshop EE 2014 - 01. Sérgio Valdir Bajay - O Cenário de Eficiência Energe...Workshop EE 2014 - 01. Sérgio Valdir Bajay - O Cenário de Eficiência Energe...
Workshop EE 2014 - 01. Sérgio Valdir Bajay - O Cenário de Eficiência Energe...
CPFL Energia
 
O QUE É EFICIÊNCIA ENERGÉTICA A utilização racional de energia, que consiste ...
O QUE É EFICIÊNCIA ENERGÉTICA A utilização racional de energia, que consiste ...O QUE É EFICIÊNCIA ENERGÉTICA A utilização racional de energia, que consiste ...
O QUE É EFICIÊNCIA ENERGÉTICA A utilização racional de energia, que consiste ...
Gregriomarcosmassina
 
SGS Energia
SGS EnergiaSGS Energia
SGS Energia
SGS Portugal
 
Alberto Tavares - ADENE
Alberto Tavares - ADENEAlberto Tavares - ADENE
Alberto Tavares - ADENE
Construção Sustentável
 

Semelhante a Conceito Eficiência Energética (20)

Contrato de performance
Contrato de performanceContrato de performance
Contrato de performance
 
Programa Eficiência Energética
Programa Eficiência EnergéticaPrograma Eficiência Energética
Programa Eficiência Energética
 
Energy Performance Contracts in Portuguese Public Administration
Energy Performance Contracts in Portuguese Public AdministrationEnergy Performance Contracts in Portuguese Public Administration
Energy Performance Contracts in Portuguese Public Administration
 
Workshop EE 2014 - 04. Marcelo Sigoli - A Visão da Abesco Sobre Eficiência ...
Workshop EE 2014 - 04. Marcelo Sigoli - A Visão da Abesco Sobre Eficiência ...Workshop EE 2014 - 04. Marcelo Sigoli - A Visão da Abesco Sobre Eficiência ...
Workshop EE 2014 - 04. Marcelo Sigoli - A Visão da Abesco Sobre Eficiência ...
 
Dinis Rodrigues - ADENE
Dinis Rodrigues - ADENEDinis Rodrigues - ADENE
Dinis Rodrigues - ADENE
 
Ebook_2_-_Como_funciona_a_energia_solar_fotovoltaica_para_empresas.pptx
Ebook_2_-_Como_funciona_a_energia_solar_fotovoltaica_para_empresas.pptxEbook_2_-_Como_funciona_a_energia_solar_fotovoltaica_para_empresas.pptx
Ebook_2_-_Como_funciona_a_energia_solar_fotovoltaica_para_empresas.pptx
 
Perguntas e respostas
Perguntas e respostasPerguntas e respostas
Perguntas e respostas
 
17.ago ruby 14.00_painel m&v_unifei
17.ago ruby 14.00_painel m&v_unifei17.ago ruby 14.00_painel m&v_unifei
17.ago ruby 14.00_painel m&v_unifei
 
Dinis Rodrigues - ADENE
Dinis Rodrigues - ADENEDinis Rodrigues - ADENE
Dinis Rodrigues - ADENE
 
Paulo Nogueira - ADENE
Paulo Nogueira - ADENEPaulo Nogueira - ADENE
Paulo Nogueira - ADENE
 
Arquitetura Industrial Sustentavel
Arquitetura Industrial SustentavelArquitetura Industrial Sustentavel
Arquitetura Industrial Sustentavel
 
Newsletter CLT Março 2012
Newsletter CLT Março 2012Newsletter CLT Março 2012
Newsletter CLT Março 2012
 
Painel 3 – Desempenho Energético Operacional em Edificações
Painel 3 – Desempenho Energético Operacional em EdificaçõesPainel 3 – Desempenho Energético Operacional em Edificações
Painel 3 – Desempenho Energético Operacional em Edificações
 
Celpe
CelpeCelpe
Celpe
 
Aeca group corporativa extendida (pt)
Aeca group corporativa extendida (pt)Aeca group corporativa extendida (pt)
Aeca group corporativa extendida (pt)
 
SAT_V2 (Versão Portuguesa)
SAT_V2 (Versão Portuguesa)SAT_V2 (Versão Portuguesa)
SAT_V2 (Versão Portuguesa)
 
Workshop EE 2014 - 01. Sérgio Valdir Bajay - O Cenário de Eficiência Energe...
Workshop EE 2014 - 01. Sérgio Valdir Bajay - O Cenário de Eficiência Energe...Workshop EE 2014 - 01. Sérgio Valdir Bajay - O Cenário de Eficiência Energe...
Workshop EE 2014 - 01. Sérgio Valdir Bajay - O Cenário de Eficiência Energe...
 
O QUE É EFICIÊNCIA ENERGÉTICA A utilização racional de energia, que consiste ...
O QUE É EFICIÊNCIA ENERGÉTICA A utilização racional de energia, que consiste ...O QUE É EFICIÊNCIA ENERGÉTICA A utilização racional de energia, que consiste ...
O QUE É EFICIÊNCIA ENERGÉTICA A utilização racional de energia, que consiste ...
 
SGS Energia
SGS EnergiaSGS Energia
SGS Energia
 
Alberto Tavares - ADENE
Alberto Tavares - ADENEAlberto Tavares - ADENE
Alberto Tavares - ADENE
 

Mais de Ambiente Energia

Universidade Corporativa CPFL Energia
Universidade Corporativa CPFL EnergiaUniversidade Corporativa CPFL Energia
Universidade Corporativa CPFL Energia
Ambiente Energia
 
Educação Corporativa e Capacitação de Eletricistas no Setor Elétrico
Educação Corporativa e Capacitação de Eletricistas no Setor ElétricoEducação Corporativa e Capacitação de Eletricistas no Setor Elétrico
Educação Corporativa e Capacitação de Eletricistas no Setor Elétrico
Ambiente Energia
 
Panorama do setor de Energia: visão acadêmica e de mercado – FEI
Panorama do setor de Energia: visão acadêmica e de mercado – FEIPanorama do setor de Energia: visão acadêmica e de mercado – FEI
Panorama do setor de Energia: visão acadêmica e de mercado – FEI
Ambiente Energia
 
Um Trabalho pela Capacitação Profissional – Funcoge
Um Trabalho pela Capacitação Profissional – FuncogeUm Trabalho pela Capacitação Profissional – Funcoge
Um Trabalho pela Capacitação Profissional – Funcoge
Ambiente Energia
 
Alstom University
Alstom UniversityAlstom University
Alstom University
Ambiente Energia
 
Educação Corporativa e Gestão do Conhecimento – UniverCemig
Educação Corporativa e Gestão do Conhecimento – UniverCemigEducação Corporativa e Gestão do Conhecimento – UniverCemig
Educação Corporativa e Gestão do Conhecimento – UniverCemig
Ambiente Energia
 
Educação Corporativa do Sistema Eletrobras – a Unise
Educação Corporativa do Sistema Eletrobras – a UniseEducação Corporativa do Sistema Eletrobras – a Unise
Educação Corporativa do Sistema Eletrobras – a Unise
Ambiente Energia
 
Os Desafios para a Capacitação profissional no Setor de Energia Elétrica – El...
Os Desafios para a Capacitação profissional no Setor de Energia Elétrica – El...Os Desafios para a Capacitação profissional no Setor de Energia Elétrica – El...
Os Desafios para a Capacitação profissional no Setor de Energia Elétrica – El...
Ambiente Energia
 
Capacitação e Desenvolvimento – Aneel
Capacitação e Desenvolvimento – AneelCapacitação e Desenvolvimento – Aneel
Capacitação e Desenvolvimento – Aneel
Ambiente Energia
 
A Construção da Universidade Corporativa – Rede Energia
A Construção da Universidade Corporativa – Rede EnergiaA Construção da Universidade Corporativa – Rede Energia
A Construção da Universidade Corporativa – Rede Energia
Ambiente Energia
 
Arbitragem
ArbitragemArbitragem
Arbitragem
Ambiente Energia
 
Exemplos
ExemplosExemplos
Aplicação dos métodos de medição e verificação para projetos de eficiência en...
Aplicação dos métodos de medição e verificação para projetos de eficiência en...Aplicação dos métodos de medição e verificação para projetos de eficiência en...
Aplicação dos métodos de medição e verificação para projetos de eficiência en...
Ambiente Energia
 
Medição e Verificação para projetos de Eficiência Energética - Introdução
Medição e Verificação para projetos de Eficiência Energética - IntroduçãoMedição e Verificação para projetos de Eficiência Energética - Introdução
Medição e Verificação para projetos de Eficiência Energética - Introdução
Ambiente Energia
 
O mercado atual da PCHs e suas perspectivas
O mercado atual da PCHs  e suas perspectivasO mercado atual da PCHs  e suas perspectivas
O mercado atual da PCHs e suas perspectivas
Ambiente Energia
 
O mercado atual da PCHs e suas perspectivas
O mercado atual da PCHs  e suas perspectivasO mercado atual da PCHs  e suas perspectivas
O mercado atual da PCHs e suas perspectivas
Ambiente Energia
 
Energia Solar Fotovoltaica
Energia Solar FotovoltaicaEnergia Solar Fotovoltaica
Energia Solar Fotovoltaica
Ambiente Energia
 
Mudanças Climáticas e Impactos nas Metrópoles
Mudanças Climáticas e Impactos nas Metrópoles Mudanças Climáticas e Impactos nas Metrópoles
Mudanças Climáticas e Impactos nas Metrópoles
Ambiente Energia
 
Programa de Gestao Corporativa de Mudancas Climaticas
Programa de Gestao Corporativa de Mudancas ClimaticasPrograma de Gestao Corporativa de Mudancas Climaticas
Programa de Gestao Corporativa de Mudancas Climaticas
Ambiente Energia
 
Gestão Estratégica de Mudanças Climáticas na Vale
Gestão Estratégica de Mudanças Climáticas na ValeGestão Estratégica de Mudanças Climáticas na Vale
Gestão Estratégica de Mudanças Climáticas na Vale
Ambiente Energia
 

Mais de Ambiente Energia (20)

Universidade Corporativa CPFL Energia
Universidade Corporativa CPFL EnergiaUniversidade Corporativa CPFL Energia
Universidade Corporativa CPFL Energia
 
Educação Corporativa e Capacitação de Eletricistas no Setor Elétrico
Educação Corporativa e Capacitação de Eletricistas no Setor ElétricoEducação Corporativa e Capacitação de Eletricistas no Setor Elétrico
Educação Corporativa e Capacitação de Eletricistas no Setor Elétrico
 
Panorama do setor de Energia: visão acadêmica e de mercado – FEI
Panorama do setor de Energia: visão acadêmica e de mercado – FEIPanorama do setor de Energia: visão acadêmica e de mercado – FEI
Panorama do setor de Energia: visão acadêmica e de mercado – FEI
 
Um Trabalho pela Capacitação Profissional – Funcoge
Um Trabalho pela Capacitação Profissional – FuncogeUm Trabalho pela Capacitação Profissional – Funcoge
Um Trabalho pela Capacitação Profissional – Funcoge
 
Alstom University
Alstom UniversityAlstom University
Alstom University
 
Educação Corporativa e Gestão do Conhecimento – UniverCemig
Educação Corporativa e Gestão do Conhecimento – UniverCemigEducação Corporativa e Gestão do Conhecimento – UniverCemig
Educação Corporativa e Gestão do Conhecimento – UniverCemig
 
Educação Corporativa do Sistema Eletrobras – a Unise
Educação Corporativa do Sistema Eletrobras – a UniseEducação Corporativa do Sistema Eletrobras – a Unise
Educação Corporativa do Sistema Eletrobras – a Unise
 
Os Desafios para a Capacitação profissional no Setor de Energia Elétrica – El...
Os Desafios para a Capacitação profissional no Setor de Energia Elétrica – El...Os Desafios para a Capacitação profissional no Setor de Energia Elétrica – El...
Os Desafios para a Capacitação profissional no Setor de Energia Elétrica – El...
 
Capacitação e Desenvolvimento – Aneel
Capacitação e Desenvolvimento – AneelCapacitação e Desenvolvimento – Aneel
Capacitação e Desenvolvimento – Aneel
 
A Construção da Universidade Corporativa – Rede Energia
A Construção da Universidade Corporativa – Rede EnergiaA Construção da Universidade Corporativa – Rede Energia
A Construção da Universidade Corporativa – Rede Energia
 
Arbitragem
ArbitragemArbitragem
Arbitragem
 
Exemplos
ExemplosExemplos
Exemplos
 
Aplicação dos métodos de medição e verificação para projetos de eficiência en...
Aplicação dos métodos de medição e verificação para projetos de eficiência en...Aplicação dos métodos de medição e verificação para projetos de eficiência en...
Aplicação dos métodos de medição e verificação para projetos de eficiência en...
 
Medição e Verificação para projetos de Eficiência Energética - Introdução
Medição e Verificação para projetos de Eficiência Energética - IntroduçãoMedição e Verificação para projetos de Eficiência Energética - Introdução
Medição e Verificação para projetos de Eficiência Energética - Introdução
 
O mercado atual da PCHs e suas perspectivas
O mercado atual da PCHs  e suas perspectivasO mercado atual da PCHs  e suas perspectivas
O mercado atual da PCHs e suas perspectivas
 
O mercado atual da PCHs e suas perspectivas
O mercado atual da PCHs  e suas perspectivasO mercado atual da PCHs  e suas perspectivas
O mercado atual da PCHs e suas perspectivas
 
Energia Solar Fotovoltaica
Energia Solar FotovoltaicaEnergia Solar Fotovoltaica
Energia Solar Fotovoltaica
 
Mudanças Climáticas e Impactos nas Metrópoles
Mudanças Climáticas e Impactos nas Metrópoles Mudanças Climáticas e Impactos nas Metrópoles
Mudanças Climáticas e Impactos nas Metrópoles
 
Programa de Gestao Corporativa de Mudancas Climaticas
Programa de Gestao Corporativa de Mudancas ClimaticasPrograma de Gestao Corporativa de Mudancas Climaticas
Programa de Gestao Corporativa de Mudancas Climaticas
 
Gestão Estratégica de Mudanças Climáticas na Vale
Gestão Estratégica de Mudanças Climáticas na ValeGestão Estratégica de Mudanças Climáticas na Vale
Gestão Estratégica de Mudanças Climáticas na Vale
 

Conceito Eficiência Energética

  • 1. 24/04/2011 CONCEITO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Eng. Osório de Brito - INEE DEFINIÇÃO  Atender uma mesma carga, elétrica ou de outra natureza, consumindo menos combustível ou consumindo menor quantidade de eletricidade; significa, pois: AUMENTAR A PRODUTIVIDADE DA EMPRESA NO QUE SE RELACIONA COM OS GASTOS COM ENERGIA INEE - Instituto Nacional de Eficiência Energética DEFINIÇÃO  Seja G o gasto com a energia para atender o consumo de uma determinada empresa.  Sejam F o custo da energia referente à G e T o valor da tarifa vigente no instante do faturamento pela supridora.  Logo: F = G x T A empresa decide, então, eficientizar as suas instalações: INEE - Instituto Nacional de Eficiência Energética 1
  • 2. 24/04/2011 DEFINIÇÃO  Findo o trabalho eficientizador, obtém-se novos valores para G (G1) e para F (F1) sendo G1 menor que G e o mesmo acorrendo com F (F1menor que F).  A economia (E) obtida será E = F1 – F. Logo: para, para o suprimento de uma mesma carga, a empresa economizou um valor igual a E INEE - Instituto Nacional de Eficiência Energética COMO EFICIENTIZAR UMA EMPRESA Duas opções:  Desenvolver por conta própria;  Desenvolver contratando uma ESCO. ESCO = Empresa de Conservação de Energia (o seu negócio, é exatamente, a racionalização do uso da energia, a responsável pela obtenção da economia E) INEE - Instituto Nacional de Eficiência Energética EFICIENTIZAR POR CONTA PRÓPRIA  1ª Etapa: Realizar o diagnóstico energético visando: identificar e mensurar as economias possíveis; mensurar os investimentos; e verificar a viabilidade econômica.  2ª Etapa: Desenvolver o projeto em seus diversos níveis de detalhamento até a realização do Projeto Executivo.  3ª Etapa: Contratar o Executante do trabalho tomando por base o Projeto Executivo. INEE - Instituto Nacional de Eficiência Energética 2
  • 3. 24/04/2011 COMPARAÇÃO COM O TRABALHO DE UMA ESCO  Todas estas Etapas descritas anteriormente serão, necessariamente, desenvolvidas pela ESCO que só aceitará o trabalho eficientizador se: for constatada a viabilidade econômica do empreendimento. INEE - Instituto Nacional de Eficiência Energética COMO TRABALHA UMA ESCO A ESCO remunera-se com a economia por ela obtida o que significa dizer que ela assume o risco referente ao seu trabalho e se utiliza de um contrato denominado “Contrato de Performance”. Em outras palavras: A empresa contratante pode não por a mão no seu bolso: a ESCO assume todo o trabalho, investe e toma financiamentos, se for o caso. INEE - Instituto Nacional de Eficiência Energética COMO TRABALHA UMA ESCO Para remunerar-se, a ESCO absorve toda ou parte da economia obtida e a empresa contratante, dependendo do contrato firmado:  Mantém pagando o que gastava, antes da intervenção da ESCO, pelo uso da energia e a ESCO retém a economia gerada pelo seu trabalho; ou  Paga uma parcela menor do que gastava antes da intervenção da ESCO pela energia. INEE - Instituto Nacional de Eficiência Energética 3
  • 4. 24/04/2011 COMO TRABALHA UMA ESCO ESTE É UM CONTRATO NO QUAL O CONTRATANTE, ALÉM DE NADA PAGAR PELO SERVIÇO REALIZADO, PODE, DEPENDENDO DO ESCOPO DO TRABALHO A SER DESENVOLVIDO, ATÉ, ANTECIPADAMENTE, REALIZAR UMA ECONOMIA NO USO DA ENERGIA. INEE - Instituto Nacional de Eficiência Energética NECESSIDADE DE MEDIÇÕES E DE EVENTUAIS AJUSTES Não existe um “eficientômetro” para medir a economia E: - Urge, pois, medir antes do trabalho eficientizador e medir após o seu término: - a fim de mensurar se a economia pretendida de fato ocorreu. Esta mensuração só poderá ser feita por uma entidade neutra desligada tanto do Contratante quanto da ESCO. INEE - Instituto Nacional de Eficiência Energética EXEMPLOS DE CONDIÇÕES DE CONTORNO  Em uma industria: aumento, para mais ou para menos, na produção final da contratante;  Em um prédio comercial, com um sistema de ar condicionado para conforto: um aumento ou uma diminuição na temperatura ambiente.  Caberá à entidade neutra responsável pela medição medir, também, as condições ex-pós de contorno, verifica-las e corrigir as alterações decorrentes de sua ocorrência. INEE - Instituto Nacional de Eficiência Energética 4
  • 5. 24/04/2011 COMO TRABALHA UMA ESCO Um contrato desta natureza exige, necessariamente:  Uma medição, por entidade neutra, das condições ex- antes do uso da energia e, também, as chamadas “condições de contorno”.  As “condições de contorno” são aquelas que a ESCO as considerará constantes e que, se alteradas, no momento das medições ex-pós (feitas após a intervenção da ESCO), serão passíveis de uma correção para evitar que influenciem, para mais ou para menos, a economia obtida. INEE - Instituto Nacional de Eficiência Energética PARTICIPAÇÃO DE UMA ENTIDADE NEUTRA Esta entidade não é uma ESCO; sua função, normalmente, atém-se a uma das duas alternativas infra-descritas ou a ambas:  Realiza o chamado M&V (Medição e Verificação) – medições ex-antes e ex-pós.  Auxilia a empresa contratante a escolher a ESCO e a fiscalizar o seu trabalho com o fito de evitar problemas em sua execução (a ESCO “entra e participa” do processo operacional da empresa contratante, fato que pode provocar desavenças e discussões). INEE - Instituto Nacional de Eficiência Energética ARBITRAGEM A melhor forma de resolver desavenças, eventualmente não contornáveis no plano administrativo, é estabelecer o uso de uma arbitragem a fim de evitar longas disputas judiciais capazes de frear ou mesmo inviabilizar a realização de um trabalho desta natureza. INEE - Instituto Nacional de Eficiência Energética 5
  • 6. 24/04/2011 PERFIL ATUAL DAS ESCO’S NO HEMISFÉRIO NORTE Há três níveis concorrendo nos mercados europeus, norte-americanos e canadenses:  Grandes ESCO’s ligadas às concessionárias de energia elétrica e de gás ou a grupos financeiros.  Médias, independentes, antigas consultoras ou instaladoras.  Pequenas, atuando, como ESCO’s, em campos restritos de trabalho, isoladamente ou como sub- contratadas das ESCO’s maiores e mantendo suas atividades anteriores. INEE - Instituto Nacional de Eficiência Energética PERFIL DAS ESCO’S BRASILEIRAS  O país possui poucas ESCO’s na acepção do termo: são consultoras ou instaladoras que vem realizando limitadas tarefas a risco.  O mercado brasileiro, com a entrada do gás e com a exigência de maior competitividade (redução de custos de produção), apresenta grandes perspectivas. INEE - Instituto Nacional de Eficiência Energética COGERAÇÃO  Uma possibilidade de eficientizar uma instalação que use concomitantemente energia elétrica e térmica é a cogeração. COGERAÇÃO = GERAÇÃO DE ENERGIAS TÉRMICA E ELÉTRICA, AO LADO DA CARGA A ATENDER, A PARTIR DA QUEIMA DE GÁS NATURAL OU DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS OU DE BIOMASSA, COM EFICIÊNCIAS SUPERIORES A 75 %. INEE - Instituto Nacional de Eficiência Energética 6
  • 7. 24/04/2011 EXEMPLOS DE RESÍDUOS COMBUSTÍVEIS  Na indústria: resíduos de papel (industria papeleira ou gráfica); de madeira (industria moveleira); gases residuais da indústria siderúrgica ou de algumas metalúrgicas.  Na agro-indústria: biomassa resultante da produção de açucar e/ou de alcool; casca de arroz; casca de côco.  Na queima do gás proveniente do lixo urbano ou do tratamento do esgoto sanitário. INEE - Instituto Nacional de Eficiência Energética A OPÇÃO PELA COGERAÇÃO  Não se altera o conceito - a ESCO investe e assume todo o risco do empreendimento: o contratante pode não precisar pôr a mão no seu bolso.  Instalada a unidade cogeradora, a ESCO lhe fornecerá as energias que precisa, até completar a sua remuneração, e, se de interesse do contratante, poderá operar esta unidade por um tempo determinado em contrato. INEE - Instituto Nacional de Eficiência Energética EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E MEIO AMBIENTE UMA CORRELAÇÃO POSITIVA:  No Hemisfério Norte observou-se que os projetos de eficientização energética reduziram as emissões de CO2.  Hoje, os países deste Hemisfério incentivam a eficiência energética INEE - Instituto Nacional de Eficiência Energética 7