SlideShare uma empresa Scribd logo
4º FÓRUM SOBRE MUDANÇAS
CLIMÁTICAS: NOVOS RUMOS

   MUDANÇA DO CLIMA E SEUS
 IMPACTOS EM ÁREAS E SETORES
  ESTRATÉGICOS PARA O BRASIL




                 Neilton Fidelis
                         FBMC
O Diferencial Brasil – Emissões de GEE




                                    Mundo


Brasil
O Diferencial Brasil – Matriz Energética



                                       Mundo




     Brasil
Produção e Uso da Energia: Emissões Antrópicas de GEE
     Participação do setor energético nas emissões totais




                                                            89,0




                                                                   Fonte: EPE, 2010
Produção e Uso da Energia: Emissões Antrópicas de GEE
               Intensidade das emissões do setor energético
                        (kgCO2-eq/103 US$ [2005])

                         953
                                                  890



                                     467

             220




                                                              Fonte: EPE, 2010
Produção e Uso da Energia: Emissões Antrópicas de GEE




Emissões per capita do setor energético (2005)
(tCO2-eq/hab




                                                        Fonte: EPE, 2010
O Diferencial Brasil – Consumo per capita
Energia Elétrica (kWh/hab)




         CNI, 2008
O Diferencial Brasil – Consumo per capita
      Energia Elétrica (kWh/hab)
   O Brasil apresenta um baixo consumo per capta de energia elétrica em
    relação aos países desenvolvidos, isto reflete um baixo nível de
    industrialização
   O Reino Unido apresenta consumo per capta mais que o dobro da média
    brasileira, (IEA, 2010)
   A diferença entre o consumo per capita Brasileiro e dos países
    desenvolvidos tende a se reduzir, fruto do avanço projetado em termos de
    desenvolvimento econômico.
   Entre 2006 e 2010, o aumento do consumo foi de 11,31%, quase duas vezes
    maior que o crescimento da população no período (EPE, 2011).
   Apesar do crescimento, o Consumo per capita no Brasil ainda permanece
    abaixo da média mundial.
O Diferencial Brasil – Emissões Históricas




             Ipea, 2012
O Diferencial Brasil – Emissões Históricas

   Mantido os padrões de crescimento econômico vivenciados nos países em
    desenvolvimento como Índia, China e Brasil a contribuição para o aumento
    da concentração acumulada de GEE poderá, em um curto período, igualar-
    se dos países desenvolvidos.
   Os países em desenvolvimento são atores de destaque na adoção de
    ações globais de mitigação
   Para que a curva de crescimento de emissões de GEE dos países em
    desenvolvimento não siga o padrão histórico de emissões dos países
    desenvolvidos estes países deveram adotar Ações Nacionais de Mitigação
   Ações Nacionalmente Apropriadas de Mitigação – NAMAS
   Em que base cada econômico deve conduzir seus compromissos de
    redução de emissões de GEE?
A Politica e Plano Nacional sobre Mudança do Clima

                 Contribuições dos Setores do FBMC


   O Brasil deve se comprometendo na redução das suas emissões, mas sem
    pôr em risco o desenvolvimento.
   Ações setoriais devem se constituir em vetores, capazes de impulsionar o
    desenvolvimento equilibrado dos setores aos quais se aplicam, e não
    representar barreiras concorrenciais para a indústria nacional.
    Evitar o estabelecimento de compromissos que resultem em elevação de
    tarifas.
   Adoção mecanismos de financiamento adicionais para implementação das
    ações voluntárias
A Politica e Plano Nacional sobre Mudança do Clima

                                 LEI Nº 12.187, 29/12/2009.
Institui a Política Nacional sobre Mudança do Clima
   I - à compatibilização do desenvolvimento econômico-social
    com a proteção do sistema climático;
   II - à redução das emissões antrópicas de gases de efeito
    estufa em relação às suas diferentes fontes
A Politica e Plano Nacional sobre Mudança do Clima


Art. 11. Os princípios, objetivos, diretrizes e instrumentos das
  políticas públicas e programas governamentais deverão
  compatibilizar-se com os princípios, objetivos, diretrizes e
  instrumentos desta Política Nacional sobre Mudança do Clima.
Parágrafo único. Decreto do Poder Executivo estabelecerá, em
  consonância com a Política Nacional sobre Mudança do Clima,
  os Planos setoriais de mitigação e de adaptação às mudanças
  climáticas visando à consolidação de uma economia de baixo
  consumo de carbono.
A Politica e Plano Nacional sobre Mudança do Clima


Art. 12. Para alcançar os objetivos da PNMC, o País
  adotará, como compromisso nacional voluntário,
  ações de mitigação das emissões de gases de efeito
  estufa, com vistas em reduzir entre 36,1% (trinta e
  seis inteiros e um décimo por cento) e 38,9% (trinta e
  oito inteiros e nove décimos por cento) suas emissões
  projetadas até 2020.
Metas Voluntárias de Mitigação de GEE
Plano Nacional sobre Mudança do Clima




    Objetivos
1   Desenvolvimento de baixo carbono
2   Energia Renovável
3   Biocombustíveis
4   Desmatamento
5   Cobertura Florestal
6   Vulnerabilidade e Adaptação
7   Pesquisa e Desenvolvimento
Plano Setorial Energia

 Estimulo a uma maior penetração de bicombustíveis – o etanol, em
substituição a gasolina, e o biodiesel em substituição ao óleo diesel mineral
(5% em volume);

 Manutenção da estratégia de expandir a oferta de energia elétrica com
base na energia hidráulica;

 Estimulo a uma maior penetração de outras fontes renováveis de
produção de energia elétrica, especialmente pequenas centrais
hidroelétricas, centrais eólicas e biomassa da cana;

 Estimulo a eficiência energética, em particular na área de energia
elétrica.


     17
Medidas mitigadoras de emissões de GEE
           contempladas no PDE
 Expansão da oferta
  de renováveis na          • Hidroelétricas de grande porte
produção de energia         • Outras renováveis
                              PCH, centrais eólicas; térmicas a biomassa da cana
     elétrica (*)


Expansão da oferta          • Etanol
  de combustíveis
                            • Biodiesel
líquidos renováveis



   Incremento da            • Energia elétrica
eficiência energética       • Combustíveis (indústria)

   (*) Não consideradas expansão nuclear (Angra III) e com a desativação de usinas
   termoelétricas a diesel , decorrente da interligação de sistemas isolados
Quantificação das medidas para atingir a meta de emissões
                   evitadas em 2020

   Expansão da oferta          •Expandir em 34 mil MW o parque hidroelétrico
     de renováveis na
                               •Expandir em mais de 20 mil MW o parque de
   produção de energia
                                fontes alternativas (10.800 MW em eólicas)
         elétrica (*)

                               •Oferta de mais de 77 bilhões de litros de etanol
   Expansão da oferta           em 2020 (ampliação de 54,4 bilhões de litros)
     de combustíveis           •Manter 5% de biodiesel na mistura do diesel
   líquidos renováveis          consumido (3,9 bilhões de litros em 2020)

                               • Manter e ampliar programas e iniciativas existentes de
     Incremento da               modo a reduzir, em 2020: 4,4% o consumo de energia
       eficiência                elétrica (geração de 7.600 MW hidroelétricos) e 5,2% o
       energética                consumo de combustíveis fósseis na indústria (194 mil
                                 bbl/dia)

      (*) Não consideradas emissões evitadas com geração nuclear (Angra III) e
      com a desativação de usinas a diesel (interligação de sistemas isolados)
Emissões evitadas em 2020
Valores considerados ajustados com base no
   inventário de emissões e no PDE 2020




                                  TOTAL
                                  234,0
                                   MtCO2
Plano Setoriais para agropecuária

Recuperação de Pastagens Degradadas:
Recuperar uma área de 15 milhões de hectares de pastagens degradadas por
meio do manejo adequado e adubação, o que corresponde à redução de 83 a
104 milhões t CO2 eq;
Integração lavoura-pecuária-floresta (iLPF):
aumentar a área com o sistema iLPF em 4 milhões de hectares, reduzindo de
18 a 22 milhões de t CO2 eq;
Sistema Plantio Direto (SPD):
ampliar a utilização do sistema de plantio direto na palha em 8 milhões de
hectares, correspondendo à redução 16 a 20 milhões de t CO2 eq; e,
Fixação Biológica de Nitrogênio (FBN): ampliar o uso da fixação biológica em
5,5 milhões de hectares, correspondendo à redução de 10 milhões de t CO2
eq.


     21
Plano Setoriais para agropecuária


Promover as ações de reflorestamento no país, expandindo a área com
Florestas Plantadas, atualmente, destinada à produção de fibras, madeira e
celulose em 3,0 milhões de hectares, passando de 6,0 milhões de hectares
para 9,0 milhões de hectares.

Ampliar o uso de tecnologias para tratamento de 4,4 milhões de m3 de
dejetos de animais para geração de energia e produção de composto
orgânico.




     22
Plano Setorial: Amazônia e Cerrado


1 – Monitoramento e Controle

 2 – Áreas Protegidas e Ordenamento Territorial

3 – Fomento a Atividades Sustentáveis

   23
Plano Setorial da Saúde para Mitigação e Adaptação à
                   Mudança do Clima

 Estruturar um padrão de práticas que incentivem a adoção de
mecanismos de redução de emissões de GEE e promovam medidas
de adaptação no sistema de saúde;

 Promover a redução da vulnerabilidades da população frente aos
impactos da mudança do clima;

 Estabelecer diretrizes e estratégias nacionais para adaptação do
SUS frente às mudanças do clima e para contribuir com a mitigação,
por meio da redução da emissão dos GEE) nos processos e serviços
de saúde.


    24
Plano Setorial de Mitigação e de Adaptação às
         Mudanças Climáticas na Mineração

 A mineração no Brasil é uma atividade com baixas emissões de
GEE. Em sua em sua grande maioria as operações são realizadas
em superfície e se beneficiam da matriz elétrica do país;

 O setor responde por cerca de 0,5 % das emissões nacionais;

 As principais ações de redução de emissões de GEE no setor
recaem na melhoria da eficiência energética no transporte e
processamento e na redução do consumo de combustíveis fósseis




   25
Plano Setorial de Transporte e de Mobilidade Urbana
        para Mitigação da Mudança do Clima
                                               TRANSPORTE DE CARGAS
 Promover a ampliação da infraestrutura de transporte de cargas;

 Estimular à maior utilização de modos de transporte mais eficiente;

                                    TRANSPORTE DE PASSAGEIROS
 Fomentar o aumento do uso de sistemas eficientes de transporte
público de passageiros.

 promover a melhoria do sistema de mobilidade urbana

 Ampliar a acessibilidade da população

 Promover a redução das emissões de gases de efeito estufa e locais


    26
Plano Setorial de Mitigação da Mudança Climática para a
Consolidação de uma Economia de Baixa Emissão de Carbono
               na Indústria de Transformação


 Desafio: Implementar para o setor uma política de redução
de GEE que seja também uma política de competitividade, de
forma a garantir o futuro da indústria no Brasil;

 Adoção de iniciativas que promovam a redução da
intensidade de carbono por unidade de produto;

 Promover a eficiência no uso de energia e de insumos.




   27
Fórum Brasileiro
de Mudanças Climáticas

                       Secretaria Executiva
     Instituto Virtual Internacional de Mudanças Globais - IVIG
         Anexo do Centro de Tecnologia - Ilha do Fundão
               Rio de Janeiro – RJ Cep – 21945-970
                     www.forumclima.org.br
                    neilton@ivig.coppe.ufrj.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

02 Nuno Batista - Adene
02 Nuno Batista - Adene02 Nuno Batista - Adene
02 Nuno Batista - Adene
Construção Sustentável
 
Viterbo Artigo Sinergia Entre Eolica E Petroleo
Viterbo   Artigo   Sinergia Entre Eolica E PetroleoViterbo   Artigo   Sinergia Entre Eolica E Petroleo
Viterbo Artigo Sinergia Entre Eolica E Petroleo
Jean Viterbo
 
Alexandre 14 30
Alexandre 14 30Alexandre 14 30
Alexandre 14 30
forumsustentar
 
A comin
A cominA comin
Laercio Manha
Laercio   ManhaLaercio   Manha
Laercio Manha
santofabio
 
Reflexões sobre os principais programas em Eficiência Energética
Reflexões sobre os principais programas em Eficiência EnergéticaReflexões sobre os principais programas em Eficiência Energética
Reflexões sobre os principais programas em Eficiência Energética
Denise Matos
 
"Projetos de Seqüestro de Carbono: Avanços e Expectativas para os próximos anos"
"Projetos de Seqüestro de Carbono: Avanços e Expectativas para os próximos anos""Projetos de Seqüestro de Carbono: Avanços e Expectativas para os próximos anos"
"Projetos de Seqüestro de Carbono: Avanços e Expectativas para os próximos anos"
Petrobras
 
Nuno Baptista - ADENE
Nuno Baptista - ADENENuno Baptista - ADENE
Nuno Baptista - ADENE
Construção Sustentável
 
Viterbo Sinergia Eolica E P&G Apresentacao
Viterbo   Sinergia Eolica E P&G   ApresentacaoViterbo   Sinergia Eolica E P&G   Apresentacao
Viterbo Sinergia Eolica E P&G Apresentacao
Jean Viterbo
 
Apresentação economia e desenvolvimento av
Apresentação economia e desenvolvimento   avApresentação economia e desenvolvimento   av
Apresentação economia e desenvolvimento av
Kelvin Oliveira
 
A importância do biogás na política energética do brasil
A importância do biogás na política energética do brasilA importância do biogás na política energética do brasil
A importância do biogás na política energética do brasil
Embaixada da República Federal da Alemanha no Brasil
 
energia - Os desafios para o crescimento econômico - Harry Schmelzer
energia - Os desafios para o crescimento econômico - Harry Schmelzerenergia - Os desafios para o crescimento econômico - Harry Schmelzer
energia - Os desafios para o crescimento econômico - Harry Schmelzer
ExpoGestão
 
3e
3e3e
O Programa de Eficiência Energética no Estado de São Paulo
O Programa de Eficiência Energética no Estado de São PauloO Programa de Eficiência Energética no Estado de São Paulo
O Programa de Eficiência Energética no Estado de São Paulo
slides-mci
 
Energias Do Futuro – Desafio do Presente
Energias Do Futuro – Desafio do PresenteEnergias Do Futuro – Desafio do Presente
Energias Do Futuro – Desafio do Presente
guestbe8e9
 
Oportunidades de avanços na matriz energética mato grossense
Oportunidades de avanços na matriz energética mato grossenseOportunidades de avanços na matriz energética mato grossense
Oportunidades de avanços na matriz energética mato grossense
Ivo Leandro Dorileo
 
O papel do biogás na política agropecuária
O papel do biogás na política agropecuáriaO papel do biogás na política agropecuária
O papel do biogás na política agropecuária
Embaixada da República Federal da Alemanha no Brasil
 
Pdf document (8845)
Pdf document (8845)Pdf document (8845)
Pdf document (8845)
Raimundo Casimiro Mpagua
 
Orlando Paraíba (Presidente da ENA - Agência de Energia e Ambiente da Arrábida)
Orlando Paraíba (Presidente da ENA - Agência de Energia e Ambiente da Arrábida) Orlando Paraíba (Presidente da ENA - Agência de Energia e Ambiente da Arrábida)
Orlando Paraíba (Presidente da ENA - Agência de Energia e Ambiente da Arrábida)
Construção Sustentável
 
Cogeração no Brasil
Cogeração no BrasilCogeração no Brasil
Cogeração no Brasil
Sulgás
 

Mais procurados (20)

02 Nuno Batista - Adene
02 Nuno Batista - Adene02 Nuno Batista - Adene
02 Nuno Batista - Adene
 
Viterbo Artigo Sinergia Entre Eolica E Petroleo
Viterbo   Artigo   Sinergia Entre Eolica E PetroleoViterbo   Artigo   Sinergia Entre Eolica E Petroleo
Viterbo Artigo Sinergia Entre Eolica E Petroleo
 
Alexandre 14 30
Alexandre 14 30Alexandre 14 30
Alexandre 14 30
 
A comin
A cominA comin
A comin
 
Laercio Manha
Laercio   ManhaLaercio   Manha
Laercio Manha
 
Reflexões sobre os principais programas em Eficiência Energética
Reflexões sobre os principais programas em Eficiência EnergéticaReflexões sobre os principais programas em Eficiência Energética
Reflexões sobre os principais programas em Eficiência Energética
 
"Projetos de Seqüestro de Carbono: Avanços e Expectativas para os próximos anos"
"Projetos de Seqüestro de Carbono: Avanços e Expectativas para os próximos anos""Projetos de Seqüestro de Carbono: Avanços e Expectativas para os próximos anos"
"Projetos de Seqüestro de Carbono: Avanços e Expectativas para os próximos anos"
 
Nuno Baptista - ADENE
Nuno Baptista - ADENENuno Baptista - ADENE
Nuno Baptista - ADENE
 
Viterbo Sinergia Eolica E P&G Apresentacao
Viterbo   Sinergia Eolica E P&G   ApresentacaoViterbo   Sinergia Eolica E P&G   Apresentacao
Viterbo Sinergia Eolica E P&G Apresentacao
 
Apresentação economia e desenvolvimento av
Apresentação economia e desenvolvimento   avApresentação economia e desenvolvimento   av
Apresentação economia e desenvolvimento av
 
A importância do biogás na política energética do brasil
A importância do biogás na política energética do brasilA importância do biogás na política energética do brasil
A importância do biogás na política energética do brasil
 
energia - Os desafios para o crescimento econômico - Harry Schmelzer
energia - Os desafios para o crescimento econômico - Harry Schmelzerenergia - Os desafios para o crescimento econômico - Harry Schmelzer
energia - Os desafios para o crescimento econômico - Harry Schmelzer
 
3e
3e3e
3e
 
O Programa de Eficiência Energética no Estado de São Paulo
O Programa de Eficiência Energética no Estado de São PauloO Programa de Eficiência Energética no Estado de São Paulo
O Programa de Eficiência Energética no Estado de São Paulo
 
Energias Do Futuro – Desafio do Presente
Energias Do Futuro – Desafio do PresenteEnergias Do Futuro – Desafio do Presente
Energias Do Futuro – Desafio do Presente
 
Oportunidades de avanços na matriz energética mato grossense
Oportunidades de avanços na matriz energética mato grossenseOportunidades de avanços na matriz energética mato grossense
Oportunidades de avanços na matriz energética mato grossense
 
O papel do biogás na política agropecuária
O papel do biogás na política agropecuáriaO papel do biogás na política agropecuária
O papel do biogás na política agropecuária
 
Pdf document (8845)
Pdf document (8845)Pdf document (8845)
Pdf document (8845)
 
Orlando Paraíba (Presidente da ENA - Agência de Energia e Ambiente da Arrábida)
Orlando Paraíba (Presidente da ENA - Agência de Energia e Ambiente da Arrábida) Orlando Paraíba (Presidente da ENA - Agência de Energia e Ambiente da Arrábida)
Orlando Paraíba (Presidente da ENA - Agência de Energia e Ambiente da Arrábida)
 
Cogeração no Brasil
Cogeração no BrasilCogeração no Brasil
Cogeração no Brasil
 

Destaque

Kuba ka singer
Kuba ka singerKuba ka singer
Kuba ka singer
Albernwood
 
TPPP
TPPPTPPP
Siti suwarti
Siti suwartiSiti suwarti
Siti suwarti
dwi ratna s
 
New Mobile App to Detect Bipolar Disorder
New Mobile App to Detect Bipolar DisorderNew Mobile App to Detect Bipolar Disorder
New Mobile App to Detect Bipolar Disorder
Robert Maynard
 
Hola
HolaHola
Hola
turnms
 
Lesiones personales
Lesiones personalesLesiones personales
Lesiones personales
Maria Elena Hernandez
 
Zero Waster's Meeting - ZWIA São Paulo
Zero Waster's Meeting - ZWIA São PauloZero Waster's Meeting - ZWIA São Paulo
Zero Waster's Meeting - ZWIA São Paulo
Mercado Ambiental
 
Holaaaaaa
HolaaaaaaHolaaaaaa
Holaaaaaa
Nycoleeee
 
Study Yoga in Rishikesh, India
Study Yoga in Rishikesh, IndiaStudy Yoga in Rishikesh, India
Study Yoga in Rishikesh, India
Apar Yoga
 
15098345 acknowledgement
15098345 acknowledgement15098345 acknowledgement
15098345 acknowledgement
punitpatil007
 
Autocad -dormitory
Autocad -dormitoryAutocad -dormitory
Autocad -dormitory
Zoey chan
 
Congresso osternack
Congresso osternackCongresso osternack
Congresso osternack
Rose Meardi
 
Candidatos con sentencias - SERVIR
Candidatos con sentencias - SERVIRCandidatos con sentencias - SERVIR
Candidatos con sentencias - SERVIR
Asociación Civil Transparencia
 
Cipta melodi
Cipta melodiCipta melodi
Cipta melodi
Diana Mawi
 
Ldpe sheets
Ldpe sheetsLdpe sheets
Ldpe sheets
KBK
 
Why do we learn drama worksheet
 Why do we learn drama worksheet Why do we learn drama worksheet
Why do we learn drama worksheet
Eric Mukira
 
Apresentacao midia ninja
Apresentacao midia ninjaApresentacao midia ninja
Apresentacao midia ninja
Daniella Portásio Borges
 

Destaque (20)

Ave verum corpus
Ave verum corpusAve verum corpus
Ave verum corpus
 
Hello cross word
Hello cross wordHello cross word
Hello cross word
 
Kuba ka singer
Kuba ka singerKuba ka singer
Kuba ka singer
 
TPPP
TPPPTPPP
TPPP
 
Siti suwarti
Siti suwartiSiti suwarti
Siti suwarti
 
New Mobile App to Detect Bipolar Disorder
New Mobile App to Detect Bipolar DisorderNew Mobile App to Detect Bipolar Disorder
New Mobile App to Detect Bipolar Disorder
 
Hola
HolaHola
Hola
 
Lesiones personales
Lesiones personalesLesiones personales
Lesiones personales
 
Zero Waster's Meeting - ZWIA São Paulo
Zero Waster's Meeting - ZWIA São PauloZero Waster's Meeting - ZWIA São Paulo
Zero Waster's Meeting - ZWIA São Paulo
 
Holaaaaaa
HolaaaaaaHolaaaaaa
Holaaaaaa
 
Study Yoga in Rishikesh, India
Study Yoga in Rishikesh, IndiaStudy Yoga in Rishikesh, India
Study Yoga in Rishikesh, India
 
15098345 acknowledgement
15098345 acknowledgement15098345 acknowledgement
15098345 acknowledgement
 
Autocad -dormitory
Autocad -dormitoryAutocad -dormitory
Autocad -dormitory
 
Congresso osternack
Congresso osternackCongresso osternack
Congresso osternack
 
Candidatos con sentencias - SERVIR
Candidatos con sentencias - SERVIRCandidatos con sentencias - SERVIR
Candidatos con sentencias - SERVIR
 
Cipta melodi
Cipta melodiCipta melodi
Cipta melodi
 
Ldpe sheets
Ldpe sheetsLdpe sheets
Ldpe sheets
 
Objetivos
Objetivos Objetivos
Objetivos
 
Why do we learn drama worksheet
 Why do we learn drama worksheet Why do we learn drama worksheet
Why do we learn drama worksheet
 
Apresentacao midia ninja
Apresentacao midia ninjaApresentacao midia ninja
Apresentacao midia ninja
 

Semelhante a Neilton fidelis 18 00

Alexandre 14 30
Alexandre 14 30Alexandre 14 30
Alexandre 14 30
forumsustentar
 
Capacidades e limitações brasileiras para redução de emissões GE
Capacidades e limitações brasileiras para redução de emissões GECapacidades e limitações brasileiras para redução de emissões GE
Capacidades e limitações brasileiras para redução de emissões GE
Gilberto De Martino Jannuzzi
 
12.2.11. #1 m_lopes et al
12.2.11. #1 m_lopes et al12.2.11. #1 m_lopes et al
IEA - Modelagem econômica para o estudo de políticas climáticas, biocombustív...
IEA - Modelagem econômica para o estudo de políticas climáticas, biocombustív...IEA - Modelagem econômica para o estudo de políticas climáticas, biocombustív...
IEA - Modelagem econômica para o estudo de políticas climáticas, biocombustív...
Instituto de Estudos Avançados - USP
 
0913478_2011_cap_2.pdf
0913478_2011_cap_2.pdf0913478_2011_cap_2.pdf
0913478_2011_cap_2.pdf
JooCarlosMidon
 
0913478_2011_cap_2.pdf
0913478_2011_cap_2.pdf0913478_2011_cap_2.pdf
0913478_2011_cap_2.pdf
JooCarlosMidon
 
Mudanças Climáticas: Impactos da Mudanças Climáticas no Nordeste Brasileiro
Mudanças Climáticas: Impactos da Mudanças Climáticas no Nordeste BrasileiroMudanças Climáticas: Impactos da Mudanças Climáticas no Nordeste Brasileiro
Mudanças Climáticas: Impactos da Mudanças Climáticas no Nordeste Brasileiro
Isabella Aragão Araújo
 
03 APA ICS Alexandre Fernandes ADENE 17 02 09.ppt
03 APA ICS Alexandre Fernandes ADENE 17 02 09.ppt03 APA ICS Alexandre Fernandes ADENE 17 02 09.ppt
03 APA ICS Alexandre Fernandes ADENE 17 02 09.ppt
ken.nunes
 
COMO O GOVERNO DO BRASIL PODERÁ TORNAR SUSTENTÁVEL O SETOR DE ENERGIA.pdf
COMO O GOVERNO DO BRASIL PODERÁ TORNAR SUSTENTÁVEL O SETOR DE ENERGIA.pdfCOMO O GOVERNO DO BRASIL PODERÁ TORNAR SUSTENTÁVEL O SETOR DE ENERGIA.pdf
COMO O GOVERNO DO BRASIL PODERÁ TORNAR SUSTENTÁVEL O SETOR DE ENERGIA.pdf
Faga1939
 
Alexandre Fernandes - ADENE
Alexandre Fernandes - ADENEAlexandre Fernandes - ADENE
Alexandre Fernandes - ADENE
ken.nunes
 
XIV CBE - MESA 1 - Emilio La Rovere - 23 out 2012
XIV CBE - MESA 1 -  Emilio La Rovere - 23 out 2012XIV CBE - MESA 1 -  Emilio La Rovere - 23 out 2012
XIV CBE - MESA 1 - Emilio La Rovere - 23 out 2012
CBE2012
 
Eficiência Energética
Eficiência EnergéticaEficiência Energética
Eficiência Energética
FMUC-Unit of Biophysics - IBILI
 
Guia para Eficiência Energética nas Edificações Públicas
Guia para Eficiência Energética nas Edificações PúblicasGuia para Eficiência Energética nas Edificações Públicas
Guia para Eficiência Energética nas Edificações Públicas
ascommme
 
O PAPEL DA ANEEL NA implementação das metas do ODS 7.pptx
O PAPEL DA ANEEL NA implementação das metas do ODS 7.pptxO PAPEL DA ANEEL NA implementação das metas do ODS 7.pptx
O PAPEL DA ANEEL NA implementação das metas do ODS 7.pptx
Antonio Carlos Baltazar
 
Perspectivas para o setor de petróleo e gás numa economia de baixo carbono
Perspectivas para o setor de petróleo e gás numa economia de baixo carbonoPerspectivas para o setor de petróleo e gás numa economia de baixo carbono
Perspectivas para o setor de petróleo e gás numa economia de baixo carbono
Sustentaí
 
Panorama de Biometano no setor brasileiro
Panorama de Biometano no setor brasileiroPanorama de Biometano no setor brasileiro
Panorama de Biometano no setor brasileiro
DayaneAmaralSilva
 
Resenha do Primeiro Relatório de Avaliação Nacional Volume 3. Mitigação à Mud...
Resenha do Primeiro Relatório de Avaliação Nacional Volume 3. Mitigação à Mud...Resenha do Primeiro Relatório de Avaliação Nacional Volume 3. Mitigação à Mud...
Resenha do Primeiro Relatório de Avaliação Nacional Volume 3. Mitigação à Mud...
Marcos
 
Contribuição da Eficiência Energética na Expansão da Oferta de Energia
Contribuição da Eficiência Energética na Expansão da Oferta de EnergiaContribuição da Eficiência Energética na Expansão da Oferta de Energia
Contribuição da Eficiência Energética na Expansão da Oferta de Energia
slides-mci
 
Apresentação da EDP no Brasil
Apresentação da EDP no BrasilApresentação da EDP no Brasil
Apresentação da EDP no Brasil
Ambiente Energia
 
Artigo cilca jim
Artigo cilca jimArtigo cilca jim
Artigo cilca jim
Jim Naturesa
 

Semelhante a Neilton fidelis 18 00 (20)

Alexandre 14 30
Alexandre 14 30Alexandre 14 30
Alexandre 14 30
 
Capacidades e limitações brasileiras para redução de emissões GE
Capacidades e limitações brasileiras para redução de emissões GECapacidades e limitações brasileiras para redução de emissões GE
Capacidades e limitações brasileiras para redução de emissões GE
 
12.2.11. #1 m_lopes et al
12.2.11. #1 m_lopes et al12.2.11. #1 m_lopes et al
12.2.11. #1 m_lopes et al
 
IEA - Modelagem econômica para o estudo de políticas climáticas, biocombustív...
IEA - Modelagem econômica para o estudo de políticas climáticas, biocombustív...IEA - Modelagem econômica para o estudo de políticas climáticas, biocombustív...
IEA - Modelagem econômica para o estudo de políticas climáticas, biocombustív...
 
0913478_2011_cap_2.pdf
0913478_2011_cap_2.pdf0913478_2011_cap_2.pdf
0913478_2011_cap_2.pdf
 
0913478_2011_cap_2.pdf
0913478_2011_cap_2.pdf0913478_2011_cap_2.pdf
0913478_2011_cap_2.pdf
 
Mudanças Climáticas: Impactos da Mudanças Climáticas no Nordeste Brasileiro
Mudanças Climáticas: Impactos da Mudanças Climáticas no Nordeste BrasileiroMudanças Climáticas: Impactos da Mudanças Climáticas no Nordeste Brasileiro
Mudanças Climáticas: Impactos da Mudanças Climáticas no Nordeste Brasileiro
 
03 APA ICS Alexandre Fernandes ADENE 17 02 09.ppt
03 APA ICS Alexandre Fernandes ADENE 17 02 09.ppt03 APA ICS Alexandre Fernandes ADENE 17 02 09.ppt
03 APA ICS Alexandre Fernandes ADENE 17 02 09.ppt
 
COMO O GOVERNO DO BRASIL PODERÁ TORNAR SUSTENTÁVEL O SETOR DE ENERGIA.pdf
COMO O GOVERNO DO BRASIL PODERÁ TORNAR SUSTENTÁVEL O SETOR DE ENERGIA.pdfCOMO O GOVERNO DO BRASIL PODERÁ TORNAR SUSTENTÁVEL O SETOR DE ENERGIA.pdf
COMO O GOVERNO DO BRASIL PODERÁ TORNAR SUSTENTÁVEL O SETOR DE ENERGIA.pdf
 
Alexandre Fernandes - ADENE
Alexandre Fernandes - ADENEAlexandre Fernandes - ADENE
Alexandre Fernandes - ADENE
 
XIV CBE - MESA 1 - Emilio La Rovere - 23 out 2012
XIV CBE - MESA 1 -  Emilio La Rovere - 23 out 2012XIV CBE - MESA 1 -  Emilio La Rovere - 23 out 2012
XIV CBE - MESA 1 - Emilio La Rovere - 23 out 2012
 
Eficiência Energética
Eficiência EnergéticaEficiência Energética
Eficiência Energética
 
Guia para Eficiência Energética nas Edificações Públicas
Guia para Eficiência Energética nas Edificações PúblicasGuia para Eficiência Energética nas Edificações Públicas
Guia para Eficiência Energética nas Edificações Públicas
 
O PAPEL DA ANEEL NA implementação das metas do ODS 7.pptx
O PAPEL DA ANEEL NA implementação das metas do ODS 7.pptxO PAPEL DA ANEEL NA implementação das metas do ODS 7.pptx
O PAPEL DA ANEEL NA implementação das metas do ODS 7.pptx
 
Perspectivas para o setor de petróleo e gás numa economia de baixo carbono
Perspectivas para o setor de petróleo e gás numa economia de baixo carbonoPerspectivas para o setor de petróleo e gás numa economia de baixo carbono
Perspectivas para o setor de petróleo e gás numa economia de baixo carbono
 
Panorama de Biometano no setor brasileiro
Panorama de Biometano no setor brasileiroPanorama de Biometano no setor brasileiro
Panorama de Biometano no setor brasileiro
 
Resenha do Primeiro Relatório de Avaliação Nacional Volume 3. Mitigação à Mud...
Resenha do Primeiro Relatório de Avaliação Nacional Volume 3. Mitigação à Mud...Resenha do Primeiro Relatório de Avaliação Nacional Volume 3. Mitigação à Mud...
Resenha do Primeiro Relatório de Avaliação Nacional Volume 3. Mitigação à Mud...
 
Contribuição da Eficiência Energética na Expansão da Oferta de Energia
Contribuição da Eficiência Energética na Expansão da Oferta de EnergiaContribuição da Eficiência Energética na Expansão da Oferta de Energia
Contribuição da Eficiência Energética na Expansão da Oferta de Energia
 
Apresentação da EDP no Brasil
Apresentação da EDP no BrasilApresentação da EDP no Brasil
Apresentação da EDP no Brasil
 
Artigo cilca jim
Artigo cilca jimArtigo cilca jim
Artigo cilca jim
 

Mais de forumsustentar

Minas Gerais e os Objetivos do Milênio - Ronaldo Pedron
Minas Gerais e os Objetivos do Milênio - Ronaldo PedronMinas Gerais e os Objetivos do Milênio - Ronaldo Pedron
Minas Gerais e os Objetivos do Milênio - Ronaldo Pedron
forumsustentar
 
PANGEA Capital - Equilíbrio em Estrategia Ambiental - Roberto Strumpf
PANGEA Capital - Equilíbrio em Estrategia Ambiental - Roberto Strumpf PANGEA Capital - Equilíbrio em Estrategia Ambiental - Roberto Strumpf
PANGEA Capital - Equilíbrio em Estrategia Ambiental - Roberto Strumpf
forumsustentar
 
Metas do Milênio - Fernanda Borger
Metas do Milênio - Fernanda BorgerMetas do Milênio - Fernanda Borger
Metas do Milênio - Fernanda Borger
forumsustentar
 
Sustentabilidade na Vereda - Izabela Barata
Sustentabilidade na Vereda - Izabela BarataSustentabilidade na Vereda - Izabela Barata
Sustentabilidade na Vereda - Izabela Barata
forumsustentar
 
Objetivos Globais de Desenvolvimento Sustentável - Claudio Boechat
Objetivos Globais de Desenvolvimento Sustentável - Claudio BoechatObjetivos Globais de Desenvolvimento Sustentável - Claudio Boechat
Objetivos Globais de Desenvolvimento Sustentável - Claudio Boechat
forumsustentar
 
ODM: Erradicar a extrema pobreza e a fome - Rogerio Ruchel
ODM: Erradicar a extrema pobreza e a fome - Rogerio Ruchel ODM: Erradicar a extrema pobreza e a fome - Rogerio Ruchel
ODM: Erradicar a extrema pobreza e a fome - Rogerio Ruchel
forumsustentar
 
Brasil, Brasis: Vetores de Transformação - Luciana Aguiar
Brasil, Brasis: Vetores de Transformação - Luciana Aguiar Brasil, Brasis: Vetores de Transformação - Luciana Aguiar
Brasil, Brasis: Vetores de Transformação - Luciana Aguiar
forumsustentar
 
Programa Dignidade - FDC - Izabela Mello
Programa Dignidade - FDC - Izabela Mello Programa Dignidade - FDC - Izabela Mello
Programa Dignidade - FDC - Izabela Mello
forumsustentar
 
Parceria entre Universidade do Kansas e Projeto Bichos do Pantanal - Chris Brown
Parceria entre Universidade do Kansas e Projeto Bichos do Pantanal - Chris BrownParceria entre Universidade do Kansas e Projeto Bichos do Pantanal - Chris Brown
Parceria entre Universidade do Kansas e Projeto Bichos do Pantanal - Chris Brown
forumsustentar
 
Objetivos do Milênio e do Desenvolvimento Sustentável - Cyrille Bellier
Objetivos do Milênio e do Desenvolvimento Sustentável - Cyrille BellierObjetivos do Milênio e do Desenvolvimento Sustentável - Cyrille Bellier
Objetivos do Milênio e do Desenvolvimento Sustentável - Cyrille Bellier
forumsustentar
 
Invepar - Claudia Jeunon
Invepar - Claudia Jeunon Invepar - Claudia Jeunon
Invepar - Claudia Jeunon
forumsustentar
 
Fundação Vale - Andreia Rabetim
Fundação Vale - Andreia Rabetim Fundação Vale - Andreia Rabetim
Fundação Vale - Andreia Rabetim
forumsustentar
 
OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: UMA AGENDA URGENTE E DE IMPORTANC...
OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL:  UMA AGENDA URGENTE E DE  IMPORTANC...OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL:  UMA AGENDA URGENTE E DE  IMPORTANC...
OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: UMA AGENDA URGENTE E DE IMPORTANC...
forumsustentar
 
Indicadores de Sustentabilidade em Agroecossistemas - ISA
Indicadores de Sustentabilidade em Agroecossistemas - ISA Indicadores de Sustentabilidade em Agroecossistemas - ISA
Indicadores de Sustentabilidade em Agroecossistemas - ISA
forumsustentar
 
Case: Projeto Bichos do Pantanal Bacia do alto Rio Paraguai - Claumir Muniz
Case: Projeto Bichos do Pantanal Bacia do alto Rio Paraguai - Claumir Muniz Case: Projeto Bichos do Pantanal Bacia do alto Rio Paraguai - Claumir Muniz
Case: Projeto Bichos do Pantanal Bacia do alto Rio Paraguai - Claumir Muniz
forumsustentar
 
O Rio Paraopeba e o programa HELP - Breno Carone
O Rio Paraopeba e o programa HELP - Breno Carone O Rio Paraopeba e o programa HELP - Breno Carone
O Rio Paraopeba e o programa HELP - Breno Carone
forumsustentar
 
SERVIÇOS AMBIENTAIS E A VALORAÇÃO DOS RECURSOS NATURAIS - Albano Araújo
SERVIÇOS AMBIENTAIS E A VALORAÇÃO DOS RECURSOS NATURAIS - Albano Araújo SERVIÇOS AMBIENTAIS E A VALORAÇÃO DOS RECURSOS NATURAIS - Albano Araújo
SERVIÇOS AMBIENTAIS E A VALORAÇÃO DOS RECURSOS NATURAIS - Albano Araújo
forumsustentar
 
Sustentabilidade Ambiental em Escolas Infantis
Sustentabilidade Ambiental em Escolas Infantis Sustentabilidade Ambiental em Escolas Infantis
Sustentabilidade Ambiental em Escolas Infantis
forumsustentar
 
PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO EM SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL - Weber Coutinho
PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO EM SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL - Weber Coutinho PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO EM SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL - Weber Coutinho
PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO EM SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL - Weber Coutinho
forumsustentar
 
A Energia Solar em Belo Horizonte Estudo de Caso: Aquecimento Solar e Geração...
A Energia Solar em Belo Horizonte Estudo de Caso: Aquecimento Solar e Geração...A Energia Solar em Belo Horizonte Estudo de Caso: Aquecimento Solar e Geração...
A Energia Solar em Belo Horizonte Estudo de Caso: Aquecimento Solar e Geração...
forumsustentar
 

Mais de forumsustentar (20)

Minas Gerais e os Objetivos do Milênio - Ronaldo Pedron
Minas Gerais e os Objetivos do Milênio - Ronaldo PedronMinas Gerais e os Objetivos do Milênio - Ronaldo Pedron
Minas Gerais e os Objetivos do Milênio - Ronaldo Pedron
 
PANGEA Capital - Equilíbrio em Estrategia Ambiental - Roberto Strumpf
PANGEA Capital - Equilíbrio em Estrategia Ambiental - Roberto Strumpf PANGEA Capital - Equilíbrio em Estrategia Ambiental - Roberto Strumpf
PANGEA Capital - Equilíbrio em Estrategia Ambiental - Roberto Strumpf
 
Metas do Milênio - Fernanda Borger
Metas do Milênio - Fernanda BorgerMetas do Milênio - Fernanda Borger
Metas do Milênio - Fernanda Borger
 
Sustentabilidade na Vereda - Izabela Barata
Sustentabilidade na Vereda - Izabela BarataSustentabilidade na Vereda - Izabela Barata
Sustentabilidade na Vereda - Izabela Barata
 
Objetivos Globais de Desenvolvimento Sustentável - Claudio Boechat
Objetivos Globais de Desenvolvimento Sustentável - Claudio BoechatObjetivos Globais de Desenvolvimento Sustentável - Claudio Boechat
Objetivos Globais de Desenvolvimento Sustentável - Claudio Boechat
 
ODM: Erradicar a extrema pobreza e a fome - Rogerio Ruchel
ODM: Erradicar a extrema pobreza e a fome - Rogerio Ruchel ODM: Erradicar a extrema pobreza e a fome - Rogerio Ruchel
ODM: Erradicar a extrema pobreza e a fome - Rogerio Ruchel
 
Brasil, Brasis: Vetores de Transformação - Luciana Aguiar
Brasil, Brasis: Vetores de Transformação - Luciana Aguiar Brasil, Brasis: Vetores de Transformação - Luciana Aguiar
Brasil, Brasis: Vetores de Transformação - Luciana Aguiar
 
Programa Dignidade - FDC - Izabela Mello
Programa Dignidade - FDC - Izabela Mello Programa Dignidade - FDC - Izabela Mello
Programa Dignidade - FDC - Izabela Mello
 
Parceria entre Universidade do Kansas e Projeto Bichos do Pantanal - Chris Brown
Parceria entre Universidade do Kansas e Projeto Bichos do Pantanal - Chris BrownParceria entre Universidade do Kansas e Projeto Bichos do Pantanal - Chris Brown
Parceria entre Universidade do Kansas e Projeto Bichos do Pantanal - Chris Brown
 
Objetivos do Milênio e do Desenvolvimento Sustentável - Cyrille Bellier
Objetivos do Milênio e do Desenvolvimento Sustentável - Cyrille BellierObjetivos do Milênio e do Desenvolvimento Sustentável - Cyrille Bellier
Objetivos do Milênio e do Desenvolvimento Sustentável - Cyrille Bellier
 
Invepar - Claudia Jeunon
Invepar - Claudia Jeunon Invepar - Claudia Jeunon
Invepar - Claudia Jeunon
 
Fundação Vale - Andreia Rabetim
Fundação Vale - Andreia Rabetim Fundação Vale - Andreia Rabetim
Fundação Vale - Andreia Rabetim
 
OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: UMA AGENDA URGENTE E DE IMPORTANC...
OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL:  UMA AGENDA URGENTE E DE  IMPORTANC...OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL:  UMA AGENDA URGENTE E DE  IMPORTANC...
OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: UMA AGENDA URGENTE E DE IMPORTANC...
 
Indicadores de Sustentabilidade em Agroecossistemas - ISA
Indicadores de Sustentabilidade em Agroecossistemas - ISA Indicadores de Sustentabilidade em Agroecossistemas - ISA
Indicadores de Sustentabilidade em Agroecossistemas - ISA
 
Case: Projeto Bichos do Pantanal Bacia do alto Rio Paraguai - Claumir Muniz
Case: Projeto Bichos do Pantanal Bacia do alto Rio Paraguai - Claumir Muniz Case: Projeto Bichos do Pantanal Bacia do alto Rio Paraguai - Claumir Muniz
Case: Projeto Bichos do Pantanal Bacia do alto Rio Paraguai - Claumir Muniz
 
O Rio Paraopeba e o programa HELP - Breno Carone
O Rio Paraopeba e o programa HELP - Breno Carone O Rio Paraopeba e o programa HELP - Breno Carone
O Rio Paraopeba e o programa HELP - Breno Carone
 
SERVIÇOS AMBIENTAIS E A VALORAÇÃO DOS RECURSOS NATURAIS - Albano Araújo
SERVIÇOS AMBIENTAIS E A VALORAÇÃO DOS RECURSOS NATURAIS - Albano Araújo SERVIÇOS AMBIENTAIS E A VALORAÇÃO DOS RECURSOS NATURAIS - Albano Araújo
SERVIÇOS AMBIENTAIS E A VALORAÇÃO DOS RECURSOS NATURAIS - Albano Araújo
 
Sustentabilidade Ambiental em Escolas Infantis
Sustentabilidade Ambiental em Escolas Infantis Sustentabilidade Ambiental em Escolas Infantis
Sustentabilidade Ambiental em Escolas Infantis
 
PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO EM SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL - Weber Coutinho
PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO EM SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL - Weber Coutinho PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO EM SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL - Weber Coutinho
PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO EM SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL - Weber Coutinho
 
A Energia Solar em Belo Horizonte Estudo de Caso: Aquecimento Solar e Geração...
A Energia Solar em Belo Horizonte Estudo de Caso: Aquecimento Solar e Geração...A Energia Solar em Belo Horizonte Estudo de Caso: Aquecimento Solar e Geração...
A Energia Solar em Belo Horizonte Estudo de Caso: Aquecimento Solar e Geração...
 

Neilton fidelis 18 00

  • 1. 4º FÓRUM SOBRE MUDANÇAS CLIMÁTICAS: NOVOS RUMOS MUDANÇA DO CLIMA E SEUS IMPACTOS EM ÁREAS E SETORES ESTRATÉGICOS PARA O BRASIL Neilton Fidelis FBMC
  • 2. O Diferencial Brasil – Emissões de GEE Mundo Brasil
  • 3. O Diferencial Brasil – Matriz Energética Mundo Brasil
  • 4. Produção e Uso da Energia: Emissões Antrópicas de GEE Participação do setor energético nas emissões totais 89,0 Fonte: EPE, 2010
  • 5. Produção e Uso da Energia: Emissões Antrópicas de GEE Intensidade das emissões do setor energético (kgCO2-eq/103 US$ [2005]) 953 890 467 220 Fonte: EPE, 2010
  • 6. Produção e Uso da Energia: Emissões Antrópicas de GEE Emissões per capita do setor energético (2005) (tCO2-eq/hab Fonte: EPE, 2010
  • 7. O Diferencial Brasil – Consumo per capita Energia Elétrica (kWh/hab) CNI, 2008
  • 8. O Diferencial Brasil – Consumo per capita Energia Elétrica (kWh/hab)  O Brasil apresenta um baixo consumo per capta de energia elétrica em relação aos países desenvolvidos, isto reflete um baixo nível de industrialização  O Reino Unido apresenta consumo per capta mais que o dobro da média brasileira, (IEA, 2010)  A diferença entre o consumo per capita Brasileiro e dos países desenvolvidos tende a se reduzir, fruto do avanço projetado em termos de desenvolvimento econômico.  Entre 2006 e 2010, o aumento do consumo foi de 11,31%, quase duas vezes maior que o crescimento da população no período (EPE, 2011).  Apesar do crescimento, o Consumo per capita no Brasil ainda permanece abaixo da média mundial.
  • 9. O Diferencial Brasil – Emissões Históricas Ipea, 2012
  • 10. O Diferencial Brasil – Emissões Históricas  Mantido os padrões de crescimento econômico vivenciados nos países em desenvolvimento como Índia, China e Brasil a contribuição para o aumento da concentração acumulada de GEE poderá, em um curto período, igualar- se dos países desenvolvidos.  Os países em desenvolvimento são atores de destaque na adoção de ações globais de mitigação  Para que a curva de crescimento de emissões de GEE dos países em desenvolvimento não siga o padrão histórico de emissões dos países desenvolvidos estes países deveram adotar Ações Nacionais de Mitigação  Ações Nacionalmente Apropriadas de Mitigação – NAMAS  Em que base cada econômico deve conduzir seus compromissos de redução de emissões de GEE?
  • 11. A Politica e Plano Nacional sobre Mudança do Clima Contribuições dos Setores do FBMC  O Brasil deve se comprometendo na redução das suas emissões, mas sem pôr em risco o desenvolvimento.  Ações setoriais devem se constituir em vetores, capazes de impulsionar o desenvolvimento equilibrado dos setores aos quais se aplicam, e não representar barreiras concorrenciais para a indústria nacional.  Evitar o estabelecimento de compromissos que resultem em elevação de tarifas.  Adoção mecanismos de financiamento adicionais para implementação das ações voluntárias
  • 12. A Politica e Plano Nacional sobre Mudança do Clima LEI Nº 12.187, 29/12/2009. Institui a Política Nacional sobre Mudança do Clima  I - à compatibilização do desenvolvimento econômico-social com a proteção do sistema climático;  II - à redução das emissões antrópicas de gases de efeito estufa em relação às suas diferentes fontes
  • 13. A Politica e Plano Nacional sobre Mudança do Clima Art. 11. Os princípios, objetivos, diretrizes e instrumentos das políticas públicas e programas governamentais deverão compatibilizar-se com os princípios, objetivos, diretrizes e instrumentos desta Política Nacional sobre Mudança do Clima. Parágrafo único. Decreto do Poder Executivo estabelecerá, em consonância com a Política Nacional sobre Mudança do Clima, os Planos setoriais de mitigação e de adaptação às mudanças climáticas visando à consolidação de uma economia de baixo consumo de carbono.
  • 14. A Politica e Plano Nacional sobre Mudança do Clima Art. 12. Para alcançar os objetivos da PNMC, o País adotará, como compromisso nacional voluntário, ações de mitigação das emissões de gases de efeito estufa, com vistas em reduzir entre 36,1% (trinta e seis inteiros e um décimo por cento) e 38,9% (trinta e oito inteiros e nove décimos por cento) suas emissões projetadas até 2020.
  • 15. Metas Voluntárias de Mitigação de GEE
  • 16. Plano Nacional sobre Mudança do Clima Objetivos 1 Desenvolvimento de baixo carbono 2 Energia Renovável 3 Biocombustíveis 4 Desmatamento 5 Cobertura Florestal 6 Vulnerabilidade e Adaptação 7 Pesquisa e Desenvolvimento
  • 17. Plano Setorial Energia  Estimulo a uma maior penetração de bicombustíveis – o etanol, em substituição a gasolina, e o biodiesel em substituição ao óleo diesel mineral (5% em volume);  Manutenção da estratégia de expandir a oferta de energia elétrica com base na energia hidráulica;  Estimulo a uma maior penetração de outras fontes renováveis de produção de energia elétrica, especialmente pequenas centrais hidroelétricas, centrais eólicas e biomassa da cana;  Estimulo a eficiência energética, em particular na área de energia elétrica. 17
  • 18. Medidas mitigadoras de emissões de GEE contempladas no PDE Expansão da oferta de renováveis na • Hidroelétricas de grande porte produção de energia • Outras renováveis PCH, centrais eólicas; térmicas a biomassa da cana elétrica (*) Expansão da oferta • Etanol de combustíveis • Biodiesel líquidos renováveis Incremento da • Energia elétrica eficiência energética • Combustíveis (indústria) (*) Não consideradas expansão nuclear (Angra III) e com a desativação de usinas termoelétricas a diesel , decorrente da interligação de sistemas isolados
  • 19. Quantificação das medidas para atingir a meta de emissões evitadas em 2020 Expansão da oferta •Expandir em 34 mil MW o parque hidroelétrico de renováveis na •Expandir em mais de 20 mil MW o parque de produção de energia fontes alternativas (10.800 MW em eólicas) elétrica (*) •Oferta de mais de 77 bilhões de litros de etanol Expansão da oferta em 2020 (ampliação de 54,4 bilhões de litros) de combustíveis •Manter 5% de biodiesel na mistura do diesel líquidos renováveis consumido (3,9 bilhões de litros em 2020) • Manter e ampliar programas e iniciativas existentes de Incremento da modo a reduzir, em 2020: 4,4% o consumo de energia eficiência elétrica (geração de 7.600 MW hidroelétricos) e 5,2% o energética consumo de combustíveis fósseis na indústria (194 mil bbl/dia) (*) Não consideradas emissões evitadas com geração nuclear (Angra III) e com a desativação de usinas a diesel (interligação de sistemas isolados)
  • 20. Emissões evitadas em 2020 Valores considerados ajustados com base no inventário de emissões e no PDE 2020 TOTAL 234,0 MtCO2
  • 21. Plano Setoriais para agropecuária Recuperação de Pastagens Degradadas: Recuperar uma área de 15 milhões de hectares de pastagens degradadas por meio do manejo adequado e adubação, o que corresponde à redução de 83 a 104 milhões t CO2 eq; Integração lavoura-pecuária-floresta (iLPF): aumentar a área com o sistema iLPF em 4 milhões de hectares, reduzindo de 18 a 22 milhões de t CO2 eq; Sistema Plantio Direto (SPD): ampliar a utilização do sistema de plantio direto na palha em 8 milhões de hectares, correspondendo à redução 16 a 20 milhões de t CO2 eq; e, Fixação Biológica de Nitrogênio (FBN): ampliar o uso da fixação biológica em 5,5 milhões de hectares, correspondendo à redução de 10 milhões de t CO2 eq. 21
  • 22. Plano Setoriais para agropecuária Promover as ações de reflorestamento no país, expandindo a área com Florestas Plantadas, atualmente, destinada à produção de fibras, madeira e celulose em 3,0 milhões de hectares, passando de 6,0 milhões de hectares para 9,0 milhões de hectares. Ampliar o uso de tecnologias para tratamento de 4,4 milhões de m3 de dejetos de animais para geração de energia e produção de composto orgânico. 22
  • 23. Plano Setorial: Amazônia e Cerrado 1 – Monitoramento e Controle 2 – Áreas Protegidas e Ordenamento Territorial 3 – Fomento a Atividades Sustentáveis 23
  • 24. Plano Setorial da Saúde para Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima  Estruturar um padrão de práticas que incentivem a adoção de mecanismos de redução de emissões de GEE e promovam medidas de adaptação no sistema de saúde;  Promover a redução da vulnerabilidades da população frente aos impactos da mudança do clima;  Estabelecer diretrizes e estratégias nacionais para adaptação do SUS frente às mudanças do clima e para contribuir com a mitigação, por meio da redução da emissão dos GEE) nos processos e serviços de saúde. 24
  • 25. Plano Setorial de Mitigação e de Adaptação às Mudanças Climáticas na Mineração  A mineração no Brasil é uma atividade com baixas emissões de GEE. Em sua em sua grande maioria as operações são realizadas em superfície e se beneficiam da matriz elétrica do país;  O setor responde por cerca de 0,5 % das emissões nacionais;  As principais ações de redução de emissões de GEE no setor recaem na melhoria da eficiência energética no transporte e processamento e na redução do consumo de combustíveis fósseis 25
  • 26. Plano Setorial de Transporte e de Mobilidade Urbana para Mitigação da Mudança do Clima TRANSPORTE DE CARGAS  Promover a ampliação da infraestrutura de transporte de cargas;  Estimular à maior utilização de modos de transporte mais eficiente; TRANSPORTE DE PASSAGEIROS  Fomentar o aumento do uso de sistemas eficientes de transporte público de passageiros.  promover a melhoria do sistema de mobilidade urbana  Ampliar a acessibilidade da população  Promover a redução das emissões de gases de efeito estufa e locais 26
  • 27. Plano Setorial de Mitigação da Mudança Climática para a Consolidação de uma Economia de Baixa Emissão de Carbono na Indústria de Transformação  Desafio: Implementar para o setor uma política de redução de GEE que seja também uma política de competitividade, de forma a garantir o futuro da indústria no Brasil;  Adoção de iniciativas que promovam a redução da intensidade de carbono por unidade de produto;  Promover a eficiência no uso de energia e de insumos. 27
  • 28. Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas Secretaria Executiva Instituto Virtual Internacional de Mudanças Globais - IVIG Anexo do Centro de Tecnologia - Ilha do Fundão Rio de Janeiro – RJ Cep – 21945-970 www.forumclima.org.br neilton@ivig.coppe.ufrj.br