SlideShare uma empresa Scribd logo
Doenças Exantemáticas Leonardo C M Savassi   Pediatria Oitavo Período MEDICINA
Objetivos de Hoje Discutir as doenças obrigatoriamente exantemáticas:  Diagnóstico Tratamento Profilaxia e cuidados
Doenças Exantemáticas Exantema : é uma mancha cutânea de cunho vascular, causado por afecções infecciosas, alérgicas, tóxicas ou físicas, podendo se manifestar como mácula, pápula, vesícula, pústula, crosta ou sufusão hemorrágica.  Enantema : basicamente é a manifestação do exantema na mucosa Erupção de coloração avermelhada. Ocorre em febres eruptivas e de doenças infecciosas e localiza-se nas mucosas da boca, faringe, mucosas genitais ou anais.
Doenças Exantemáticas Mecanismos de erupção cutânea:  Invasão e multiplicação direta na própria pele (varicela);  Ação de toxinas (escarlatina); Ação imunoalérgica com expressão na pele (ex: viroses exantemáticas, urticária); Lesão vascular (ex: meningococcemia, Kawasakii).
Doenças Exantemáticas Anamnese: Idade, Etnia,  Febre (início, curva, duração, evolução até erupção); Sinais e sintomas associados Características do exantema (tipo, início, direção) Antecedentes de infecção e exantemas; Imunização prévia; Dados epidemiológicos; Uso de medicamentos
Doenças Exantemáticas Exame físico: Antes, durante e após o período exantemático; Boa luminosidade/ luz natural  Características morfológicas  Características topográficas  Características evolutivas  Presença de hepatoesplenomegalia Presença de adenopatias  Estado geral.
Doenças exantemáticas  mais comuns
Varicela Agente causal: Vírus Incubação: 14 -6 dias (10-20 dias) Prodrômico: 1-2 dias, oligossintomático Direção: centrípeta* Febre: moderada ou ausente. Exantema: pápulo-vesico-crostoso (tudo ao mesmo tempo) Importante: prurido
Varicela Fonte: Arquivo pessoal
Varicela Profilaxia: vacina Dose única (a partir dos 12 meses) ou 2x adultos Não SUS, exceto CRIE: imunodeficientes, cuidadores, HIV (+), profissional de saúde Tratamento: anti-histamínicos (S/N), permanganato de potássio (*), pasta d’água ( *) Notificação: Surtos – a critério do município
Sarampo Agente causal: Vírus Incubação:10-12 dias Prodrômico:  3-5 dias, ITEs , fotofobia, febre.  Direção: cranio-caudal Febre: alta Exantema: exantema morbiliforme generalizado   evolui para acastanhado 4º dia.  Importante:  Sinais catarrais Manchas de Koplik Erradicado em 2003 Casos isolados/  nova campanha vacinal
Sarampo Fonte:  www.guarulhosweb.com.br  (campanha) Fonte: www.clictribuna.com.br
Sarampo Fonte: CMAJ Fonte: Medscape
Sarampo Profilaxia: vacina Triviral (MMR) com um ano.  Reforço aos cinco anos.  Tratamento:  sintomáticos Notificação compulsória e investigação epidemiológica imediata.
Rubéola  Agente causal: Vírus Incubação:  2-3 semanas Prodrômico:  2-3 dias: febre, astenia, adenopatia. Direção: descendente Febre: f ebrícula (38º C) Exantema:  maculopapular de cor rósea (rubeoliforme), início retroauricular, desaparace em 3 dias, confluente.  Importante: adenopatia  retroauricular, cervical e occipital
Rubéola  Fonte: SVS/MS Fonte: Wikipedia
Rubéola Profilaxia: vacina Triviral (MMR) com um ano.  Reforço aos cinco anos.  Tratamento:  sintomático Notificação compulsória e investigação obrigatória.
Escarlatina
Escarlatina Fonte: Escola Paulista de Medicina Fonte: Clínica Dermatologica de Nantes Fonte: www.esmas.com
Escarlatina Profilaxia: não há Tratamento:  Penicilina oral ou macrolídeo.  Notificação: NÃO
Urticária Agente causal: imunológico/ alérgico Incubação: variável Prodrômico: não há. Febre: ausente (*). Exantema:  5 padrões reação cutânea a drogas: (1) exantema maculo-papular (95%);  (2) Urticariforme, (placas, confluente, elevado); (3) farmacodermias fixas (eritema fixo) qualquer lugar, reaparecem mesma localização, se droga é readministrada; (4) reações de fotosensibilidade e (5) reações doença-do-soro- like  (febre, prurido, urticária, artralgia 1-3 sem. após a exposição resolve com suspensão uso  Importante:  prurido,  história medicamentosa
Urticária Fonte: Arquivo pessoal
Urticária  Importante (2):  duas classes de reação: tipo A, relacionada a farmacologia do medicamento, não dose dependente (chamada “alergia verdadeira”);  tipo B, não dose dependente, relacionada a hipersensibilidade idiossincrática à droga Profilaxia: não há (teste alérgico) Tratamento: anti-histamínicos, corticóide Notificação: NÃO
Doença de Kawasaki Agente causal: indeterminado. É uma  vasculite sistêmica aguda, que pode evoluir para dilatação (aneurismas), principalmente das coronárias  Exantema polimorfo do corpo, tronco, mãos e pés, sem vesículas ou crostas. Edema nos lábios, hiperemia  Além dos “critérios diagnósticos” (a seguir), podem ocorrer uveíte, piúria estéril, atralgia e artrite.  Na presença de alt. coronarianas e febre = alta suspeição.  Tratamento: dose única (alta) Ig intravenosa e AAS.
Doença de Kawasaki Critérios diagnósticos: febre e ao menos quatro:  Congestão ocular bilateral; Alterações orais: ressecamento e vermelhidão, língua em framboesa, enantema s/ aftas, edema. Alterações das extremidades: Eritema palmar e plantar, edema indurado no estágio inicial. Descamação dedos no estágio de convalecença. Exantema Adenopatia não supurativa cervical com linfonodos  >  1,5 cm, habitualmente unilateral no início da doença c/ linfonodos geralmente fixos.
 
Exantema súbito Agente causal: herpesvírus 6 Incubação: 7-17 dias Prodrômico: febre 3-5 dias Direção: tronco - membros - face. Febre: lisa com o surgimento do exantema Exantema:  maculo-papular tronco -> face e  membros, durante 2 a 3 dias. Acomete crianças de 6 meses a 3 anos. Convulsões febris em até 10% da população.
Exantema súbito Profilaxia:  Medidas gerais de higiene: lavar as mãos com freqüência, cobrir a boca ao tossir. Tratamento: Sintomático (controle especialmente da febre).  Notificação: NÃO Importante:  A característica da lise da febre com  o surgimento do exantema, que por  sua vez tem disseminação e  localização (nas faces de extensão  de membros) típicas.
Eritema infeccioso Agente causal: Parvovírus B19. Incubação: 5-10 dias Prodrômico:  até 10 dias com sintomas gripais, que pode se extender por até 10 dias  Febre: ausente Exantema: em três etapas, (1) mancha vermelha na bochecha tipo celulite/ erisipela, seguida de (2) pápulas em membros e tronco, seguidas de desaparecimento do centro (aspecto rendilhado) e (3) reaparecimento.
Eritema infeccioso Profilaxia:  Não há.  Tratamento:  Sintomático (analgésicos e anti-inflamatórios). Transfusão intravenosa c-globulina no sangue e pode ser indicada em indivíduos imunocomprometidos ou em casos complicados por anemia aplástica Notificação: NÃO Importante:  mancha na bochecha simula um  tapa. A direção do exantema é a  base do diagnóstico.  freqüência inverno e primavera,  mais comum meninos 6 -10 anos
Síndrome mão-pé-boca (SMPB)  Agente causal:  Coxsackie, enterovírus, picornavírus Incubação  3-7 dias Período prodômico  12-36 h. Febre baixa, mal estar, tosse, anorexia, dor abdominal e oral. Febre precede e acompanha o exantema. Enantema ulcerativo em palato, língua e mucosa -  máculas e pápulas, curto estágio vesicular, úlcera amarelo/ cinza. Língua pode ficar vermelha e edemaciada, dor afeta a ingestão oral. Some em 5-7 d.  Exantema maculopapular, vesículas cinza, logo após lesões orais, mãos > pés, laterais dedos e superfícies dorsais > palmas e plantas. Evolui para crostas, some 5-10 d. s/ cicatrizes.
Síndrome mão-pé-boca (SMPB) Importante: lesões e a localização das manifestações são características (mãos, pés e boca) definem o diagnóstico. Profilaxia:  Medidas gerais de higiene: lavar as mãos, que evita a disseminação do vírus. Não há necessidade de isolamento  Tratamento:  sintomático: alívio da dor (lesões orais). estudo: aciclovir oral dentro de 1-2 dias após o início das lesões da mucosa e da pele Notificação: NÃO
Para casa...
Obrigado! Leonardo C M Savassi [email_address] http://sites.google.com/site/leosavassi

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Asma Brônquica
Asma BrônquicaAsma Brônquica
Asma Brônquica
Cassyano Correr
 
Escabiose (sarna)
Escabiose (sarna)Escabiose (sarna)
Escabiose (sarna)
Brendha Soares
 
Doenças exantemáticas nessa
Doenças exantemáticas  nessaDoenças exantemáticas  nessa
Doenças exantemáticas nessa
Vanessa Boeira
 
PES 3.4 Faringite
PES 3.4 FaringitePES 3.4 Faringite
PES 3.4 Faringite
Farmacêutico Digital
 
Apresentação pneumonia
Apresentação pneumoniaApresentação pneumonia
Apresentação pneumonia
Laboratório Sérgio Franco
 
Pneumonia
PneumoniaPneumonia
Slide Seminário Hanseníase
Slide Seminário HanseníaseSlide Seminário Hanseníase
Slide Seminário Hanseníase
Nathy Oliveira
 
Sarampo
Sarampo Sarampo
Sarampo
Gabriela Bruno
 
Doenças prevalentes
Doenças prevalentesDoenças prevalentes
Doenças prevalentes
Rodrigo Abreu
 
Sarna
SarnaSarna
Varíola, rubéola, sarampo e caxumba
Varíola, rubéola, sarampo e caxumbaVaríola, rubéola, sarampo e caxumba
Varíola, rubéola, sarampo e caxumba
Silmara da Rocha Moura
 
Asma
AsmaAsma
Saúde coletiva - Caxumba (Parotidite infecciosa)
Saúde coletiva - Caxumba (Parotidite infecciosa)Saúde coletiva - Caxumba (Parotidite infecciosa)
Saúde coletiva - Caxumba (Parotidite infecciosa)
Adriana Bonadia dos Santos
 
Assistência de enfermagem às infecções respiratórias agudas.
Assistência de enfermagem às infecções respiratórias agudas.Assistência de enfermagem às infecções respiratórias agudas.
Assistência de enfermagem às infecções respiratórias agudas.
Cleiton Ribeiro Alves
 
Asma (Pediatria)
Asma (Pediatria)Asma (Pediatria)
Asma (Pediatria)
Lorena de Assis
 
Pse hanseniase
Pse hanseniasePse hanseniase
Pse hanseniase
SMEdeItabaianinha
 
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadja
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadjaPrograma nacional de imunizacao pni-aula-nadja
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadja
Nadja Salgueiro
 
Hanseniase
HanseniaseHanseniase
Hanseniase
Natália Rodrigues
 
Escarlatina aula
Escarlatina aulaEscarlatina aula
Escarlatina aula
José Victor Rabelo
 

Mais procurados (20)

Asma Brônquica
Asma BrônquicaAsma Brônquica
Asma Brônquica
 
Slide sarampo
Slide sarampoSlide sarampo
Slide sarampo
 
Escabiose (sarna)
Escabiose (sarna)Escabiose (sarna)
Escabiose (sarna)
 
Doenças exantemáticas nessa
Doenças exantemáticas  nessaDoenças exantemáticas  nessa
Doenças exantemáticas nessa
 
PES 3.4 Faringite
PES 3.4 FaringitePES 3.4 Faringite
PES 3.4 Faringite
 
Apresentação pneumonia
Apresentação pneumoniaApresentação pneumonia
Apresentação pneumonia
 
Pneumonia
PneumoniaPneumonia
Pneumonia
 
Slide Seminário Hanseníase
Slide Seminário HanseníaseSlide Seminário Hanseníase
Slide Seminário Hanseníase
 
Sarampo
Sarampo Sarampo
Sarampo
 
Doenças prevalentes
Doenças prevalentesDoenças prevalentes
Doenças prevalentes
 
Sarna
SarnaSarna
Sarna
 
Varíola, rubéola, sarampo e caxumba
Varíola, rubéola, sarampo e caxumbaVaríola, rubéola, sarampo e caxumba
Varíola, rubéola, sarampo e caxumba
 
Asma
AsmaAsma
Asma
 
Saúde coletiva - Caxumba (Parotidite infecciosa)
Saúde coletiva - Caxumba (Parotidite infecciosa)Saúde coletiva - Caxumba (Parotidite infecciosa)
Saúde coletiva - Caxumba (Parotidite infecciosa)
 
Assistência de enfermagem às infecções respiratórias agudas.
Assistência de enfermagem às infecções respiratórias agudas.Assistência de enfermagem às infecções respiratórias agudas.
Assistência de enfermagem às infecções respiratórias agudas.
 
Asma (Pediatria)
Asma (Pediatria)Asma (Pediatria)
Asma (Pediatria)
 
Pse hanseniase
Pse hanseniasePse hanseniase
Pse hanseniase
 
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadja
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadjaPrograma nacional de imunizacao pni-aula-nadja
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadja
 
Hanseniase
HanseniaseHanseniase
Hanseniase
 
Escarlatina aula
Escarlatina aulaEscarlatina aula
Escarlatina aula
 

Destaque

Fluxograma para diagnóstico das doenças exantemáticas na infância - Prof. Robson
Fluxograma para diagnóstico das doenças exantemáticas na infância - Prof. RobsonFluxograma para diagnóstico das doenças exantemáticas na infância - Prof. Robson
Fluxograma para diagnóstico das doenças exantemáticas na infância - Prof. Robson
Professor Robson
 
Doenças frequentes da infancia - pediatria
Doenças frequentes da infancia - pediatriaDoenças frequentes da infancia - pediatria
Doenças frequentes da infancia - pediatria
Gabriel Jefferson Oliveira
 
Doenças exantemáticas
Doenças exantemáticasDoenças exantemáticas
Doenças exantemáticas
João Silva
 
U. 21 - Cuidados na Saúde Infantil - Sintomas de Doença
U. 21 - Cuidados na Saúde Infantil -  Sintomas de Doença U. 21 - Cuidados na Saúde Infantil -  Sintomas de Doença
U. 21 - Cuidados na Saúde Infantil - Sintomas de Doença
I.Braz Slideshares
 
Doenças exantemáticas e dermatites na escola
Doenças exantemáticas e dermatites na escolaDoenças exantemáticas e dermatites na escola
Doenças exantemáticas e dermatites na escola
Thiago Augusto Maciel
 
Enfermedades exantemáticas
Enfermedades exantemáticasEnfermedades exantemáticas
Enfermedades exantemáticas
Pablo María Peralta Lorca
 
Folder das Doenças Exantemáticas
Folder das Doenças ExantemáticasFolder das Doenças Exantemáticas
Folder das Doenças Exantemáticas
Professor Robson
 
1º curso de doenças exantemáticas
1º curso de doenças exantemáticas1º curso de doenças exantemáticas
1º curso de doenças exantemáticas
Luciano Rodrigues
 
MORBIDADE E MORTALIDADE
MORBIDADE E MORTALIDADEMORBIDADE E MORTALIDADE
MORBIDADE E MORTALIDADE
Ana Carolina Costa
 
Resumo doenças exantemáticas
Resumo doenças exantemáticasResumo doenças exantemáticas
Resumo doenças exantemáticas
Lívia Zadra
 
Trabalho de saude infantil
Trabalho de saude infantilTrabalho de saude infantil
Trabalho de saude infantil
MiriamSantos123
 
SAÚDE DA CRIANÇA E A SAÚDE DA FAMÍLIA DOENÇAS PREVALENTES NA INFÂNCIA
SAÚDE DA CRIANÇA E A SAÚDE DA FAMÍLIA DOENÇAS PREVALENTES NA INFÂNCIASAÚDE DA CRIANÇA E A SAÚDE DA FAMÍLIA DOENÇAS PREVALENTES NA INFÂNCIA
SAÚDE DA CRIANÇA E A SAÚDE DA FAMÍLIA DOENÇAS PREVALENTES NA INFÂNCIA
Centro Universitário Ages
 
Doenças comuns em crianças.
Doenças comuns em crianças.Doenças comuns em crianças.
Doenças comuns em crianças.
Cintia da Cruz Silva
 
Enfermedades exantemáticas virales
Enfermedades exantemáticas viralesEnfermedades exantemáticas virales
Enfermedades exantemáticas virales
Carlos Salgado Camarena
 
Eritema infeccioso
Eritema infecciosoEritema infeccioso
Eritema infeccioso
Luis H
 
Eritema Infeccioso Y Roseola Infantil
Eritema Infeccioso Y Roseola InfantilEritema Infeccioso Y Roseola Infantil
Eritema Infeccioso Y Roseola Infantil
Carlos Posso
 
Exantemas en pediatría
Exantemas en pediatríaExantemas en pediatría
Exantemas en pediatría
cosasdelpac
 
Manifestações orais de doenças sistêmicas
Manifestações orais de doenças sistêmicasManifestações orais de doenças sistêmicas
Manifestações orais de doenças sistêmicas
Oyara Mello
 
(2012-11-22)Enfermedades exantematicas mas frecuentes en Pediatria (ppt)
(2012-11-22)Enfermedades exantematicas mas frecuentes en Pediatria (ppt)(2012-11-22)Enfermedades exantematicas mas frecuentes en Pediatria (ppt)
(2012-11-22)Enfermedades exantematicas mas frecuentes en Pediatria (ppt)
UDMAFyC SECTOR ZARAGOZA II
 
Enfermedades exantematicas
Enfermedades exantematicasEnfermedades exantematicas
Enfermedades exantematicas
Centro de salud Torre Ramona
 

Destaque (20)

Fluxograma para diagnóstico das doenças exantemáticas na infância - Prof. Robson
Fluxograma para diagnóstico das doenças exantemáticas na infância - Prof. RobsonFluxograma para diagnóstico das doenças exantemáticas na infância - Prof. Robson
Fluxograma para diagnóstico das doenças exantemáticas na infância - Prof. Robson
 
Doenças frequentes da infancia - pediatria
Doenças frequentes da infancia - pediatriaDoenças frequentes da infancia - pediatria
Doenças frequentes da infancia - pediatria
 
Doenças exantemáticas
Doenças exantemáticasDoenças exantemáticas
Doenças exantemáticas
 
U. 21 - Cuidados na Saúde Infantil - Sintomas de Doença
U. 21 - Cuidados na Saúde Infantil -  Sintomas de Doença U. 21 - Cuidados na Saúde Infantil -  Sintomas de Doença
U. 21 - Cuidados na Saúde Infantil - Sintomas de Doença
 
Doenças exantemáticas e dermatites na escola
Doenças exantemáticas e dermatites na escolaDoenças exantemáticas e dermatites na escola
Doenças exantemáticas e dermatites na escola
 
Enfermedades exantemáticas
Enfermedades exantemáticasEnfermedades exantemáticas
Enfermedades exantemáticas
 
Folder das Doenças Exantemáticas
Folder das Doenças ExantemáticasFolder das Doenças Exantemáticas
Folder das Doenças Exantemáticas
 
1º curso de doenças exantemáticas
1º curso de doenças exantemáticas1º curso de doenças exantemáticas
1º curso de doenças exantemáticas
 
MORBIDADE E MORTALIDADE
MORBIDADE E MORTALIDADEMORBIDADE E MORTALIDADE
MORBIDADE E MORTALIDADE
 
Resumo doenças exantemáticas
Resumo doenças exantemáticasResumo doenças exantemáticas
Resumo doenças exantemáticas
 
Trabalho de saude infantil
Trabalho de saude infantilTrabalho de saude infantil
Trabalho de saude infantil
 
SAÚDE DA CRIANÇA E A SAÚDE DA FAMÍLIA DOENÇAS PREVALENTES NA INFÂNCIA
SAÚDE DA CRIANÇA E A SAÚDE DA FAMÍLIA DOENÇAS PREVALENTES NA INFÂNCIASAÚDE DA CRIANÇA E A SAÚDE DA FAMÍLIA DOENÇAS PREVALENTES NA INFÂNCIA
SAÚDE DA CRIANÇA E A SAÚDE DA FAMÍLIA DOENÇAS PREVALENTES NA INFÂNCIA
 
Doenças comuns em crianças.
Doenças comuns em crianças.Doenças comuns em crianças.
Doenças comuns em crianças.
 
Enfermedades exantemáticas virales
Enfermedades exantemáticas viralesEnfermedades exantemáticas virales
Enfermedades exantemáticas virales
 
Eritema infeccioso
Eritema infecciosoEritema infeccioso
Eritema infeccioso
 
Eritema Infeccioso Y Roseola Infantil
Eritema Infeccioso Y Roseola InfantilEritema Infeccioso Y Roseola Infantil
Eritema Infeccioso Y Roseola Infantil
 
Exantemas en pediatría
Exantemas en pediatríaExantemas en pediatría
Exantemas en pediatría
 
Manifestações orais de doenças sistêmicas
Manifestações orais de doenças sistêmicasManifestações orais de doenças sistêmicas
Manifestações orais de doenças sistêmicas
 
(2012-11-22)Enfermedades exantematicas mas frecuentes en Pediatria (ppt)
(2012-11-22)Enfermedades exantematicas mas frecuentes en Pediatria (ppt)(2012-11-22)Enfermedades exantematicas mas frecuentes en Pediatria (ppt)
(2012-11-22)Enfermedades exantematicas mas frecuentes en Pediatria (ppt)
 
Enfermedades exantematicas
Enfermedades exantematicasEnfermedades exantematicas
Enfermedades exantematicas
 

Semelhante a 2011 02 doenças exantemáticas na infância

Caso clinico plect
Caso clinico  plectCaso clinico  plect
Caso clinico plect
Abian Maquera
 
Sindromes-Exantematicas.pdf
Sindromes-Exantematicas.pdfSindromes-Exantematicas.pdf
Sindromes-Exantematicas.pdf
menesesmariaclara7
 
Seminário Estomatologia - Infecções virais e Lesões Aftosas
Seminário Estomatologia - Infecções virais e Lesões AftosasSeminário Estomatologia - Infecções virais e Lesões Aftosas
Seminário Estomatologia - Infecções virais e Lesões Aftosas
Dario Hart
 
IVAS na infância
IVAS na infânciaIVAS na infância
IVAS na infância
blogped1
 
Doenças exantemáticas em pediatria
Doenças exantemáticas em pediatriaDoenças exantemáticas em pediatria
Doenças exantemáticas em pediatria
Vicktor Soares
 
Toxidermiasreaccoescutaneasafarmacos.ppt
Toxidermiasreaccoescutaneasafarmacos.pptToxidermiasreaccoescutaneasafarmacos.ppt
Toxidermiasreaccoescutaneasafarmacos.ppt
Alberto205764
 
Dengue
DengueDengue
Dengue
marioaugusto
 
tcc-e-learn
tcc-e-learntcc-e-learn
tcc-e-learn
maurohs
 
IST ESCS
IST ESCSIST ESCS
IST ESCS
Felipe Ribeiro
 
Eczema.PatologiasDermatologia.Resumida..ppt
Eczema.PatologiasDermatologia.Resumida..pptEczema.PatologiasDermatologia.Resumida..ppt
Eczema.PatologiasDermatologia.Resumida..ppt
Alberto205764
 
Eczema.Medicina.Geral.Nivel.Superior (1).ppt
Eczema.Medicina.Geral.Nivel.Superior (1).pptEczema.Medicina.Geral.Nivel.Superior (1).ppt
Eczema.Medicina.Geral.Nivel.Superior (1).ppt
Alberto205764
 
Palestra sobre Eritema- Filipe Gustavo pptx
Palestra sobre Eritema- Filipe  Gustavo pptxPalestra sobre Eritema- Filipe  Gustavo pptx
Palestra sobre Eritema- Filipe Gustavo pptx
Filipe Francisco
 
Amigdalite ppt
Amigdalite pptAmigdalite ppt
Amigdalite ppt
Marco Pires
 
Tutoria 3 varicela
Tutoria 3   varicelaTutoria 3   varicela
Tutoria 3 varicela
Camila Gonzaga
 
Sarampo
SarampoSarampo
Meningite na Infancia Pediatria Sanar Flix AULA
Meningite na Infancia Pediatria Sanar Flix AULAMeningite na Infancia Pediatria Sanar Flix AULA
Meningite na Infancia Pediatria Sanar Flix AULA
rafaelileus1
 
76211504 doencas-exantematicas
76211504 doencas-exantematicas76211504 doencas-exantematicas
76211504 doencas-exantematicas
Tiago Barbosa Brandão
 
Aula 3 -_doencas_infecciosas
Aula 3 -_doencas_infecciosasAula 3 -_doencas_infecciosas
Aula 3 -_doencas_infecciosas
Gustavo Henrique
 
Dermatoviroses e dermatozoonoses lucas
Dermatoviroses e dermatozoonoses  lucasDermatoviroses e dermatozoonoses  lucas
Dermatoviroses e dermatozoonoses lucas
Vereadorhenrique Macetao
 
Doencas infetocontagiosas
Doencas infetocontagiosasDoencas infetocontagiosas
Doencas infetocontagiosas
Valéria Teixeira
 

Semelhante a 2011 02 doenças exantemáticas na infância (20)

Caso clinico plect
Caso clinico  plectCaso clinico  plect
Caso clinico plect
 
Sindromes-Exantematicas.pdf
Sindromes-Exantematicas.pdfSindromes-Exantematicas.pdf
Sindromes-Exantematicas.pdf
 
Seminário Estomatologia - Infecções virais e Lesões Aftosas
Seminário Estomatologia - Infecções virais e Lesões AftosasSeminário Estomatologia - Infecções virais e Lesões Aftosas
Seminário Estomatologia - Infecções virais e Lesões Aftosas
 
IVAS na infância
IVAS na infânciaIVAS na infância
IVAS na infância
 
Doenças exantemáticas em pediatria
Doenças exantemáticas em pediatriaDoenças exantemáticas em pediatria
Doenças exantemáticas em pediatria
 
Toxidermiasreaccoescutaneasafarmacos.ppt
Toxidermiasreaccoescutaneasafarmacos.pptToxidermiasreaccoescutaneasafarmacos.ppt
Toxidermiasreaccoescutaneasafarmacos.ppt
 
Dengue
DengueDengue
Dengue
 
tcc-e-learn
tcc-e-learntcc-e-learn
tcc-e-learn
 
IST ESCS
IST ESCSIST ESCS
IST ESCS
 
Eczema.PatologiasDermatologia.Resumida..ppt
Eczema.PatologiasDermatologia.Resumida..pptEczema.PatologiasDermatologia.Resumida..ppt
Eczema.PatologiasDermatologia.Resumida..ppt
 
Eczema.Medicina.Geral.Nivel.Superior (1).ppt
Eczema.Medicina.Geral.Nivel.Superior (1).pptEczema.Medicina.Geral.Nivel.Superior (1).ppt
Eczema.Medicina.Geral.Nivel.Superior (1).ppt
 
Palestra sobre Eritema- Filipe Gustavo pptx
Palestra sobre Eritema- Filipe  Gustavo pptxPalestra sobre Eritema- Filipe  Gustavo pptx
Palestra sobre Eritema- Filipe Gustavo pptx
 
Amigdalite ppt
Amigdalite pptAmigdalite ppt
Amigdalite ppt
 
Tutoria 3 varicela
Tutoria 3   varicelaTutoria 3   varicela
Tutoria 3 varicela
 
Sarampo
SarampoSarampo
Sarampo
 
Meningite na Infancia Pediatria Sanar Flix AULA
Meningite na Infancia Pediatria Sanar Flix AULAMeningite na Infancia Pediatria Sanar Flix AULA
Meningite na Infancia Pediatria Sanar Flix AULA
 
76211504 doencas-exantematicas
76211504 doencas-exantematicas76211504 doencas-exantematicas
76211504 doencas-exantematicas
 
Aula 3 -_doencas_infecciosas
Aula 3 -_doencas_infecciosasAula 3 -_doencas_infecciosas
Aula 3 -_doencas_infecciosas
 
Dermatoviroses e dermatozoonoses lucas
Dermatoviroses e dermatozoonoses  lucasDermatoviroses e dermatozoonoses  lucas
Dermatoviroses e dermatozoonoses lucas
 
Doencas infetocontagiosas
Doencas infetocontagiosasDoencas infetocontagiosas
Doencas infetocontagiosas
 

Mais de Leonardo Savassi

Savassi LCM. Cuidados Paliativos e Atenção Domiciliar (LACP e Ubuntu 2023)
Savassi LCM. Cuidados Paliativos e Atenção Domiciliar (LACP e Ubuntu 2023)Savassi LCM. Cuidados Paliativos e Atenção Domiciliar (LACP e Ubuntu 2023)
Savassi LCM. Cuidados Paliativos e Atenção Domiciliar (LACP e Ubuntu 2023)
Leonardo Savassi
 
2021 "A importância da MFC para a Saúde Pública do país". UBUNTU Liga acadêmi...
2021 "A importância da MFC para a Saúde Pública do país". UBUNTU Liga acadêmi...2021 "A importância da MFC para a Saúde Pública do país". UBUNTU Liga acadêmi...
2021 "A importância da MFC para a Saúde Pública do país". UBUNTU Liga acadêmi...
Leonardo Savassi
 
2021 Medicina e Arte Liga Saude Espiritualidade.pptx
2021 Medicina e Arte Liga Saude Espiritualidade.pptx2021 Medicina e Arte Liga Saude Espiritualidade.pptx
2021 Medicina e Arte Liga Saude Espiritualidade.pptx
Leonardo Savassi
 
Ventilacao Mecanica Domiciliar - Especificidades da Criança
Ventilacao Mecanica Domiciliar - Especificidades da CriançaVentilacao Mecanica Domiciliar - Especificidades da Criança
Ventilacao Mecanica Domiciliar - Especificidades da Criança
Leonardo Savassi
 
Atencao Domiciliar e Vulnerabilidade - III Congresso MT de MFC
Atencao Domiciliar e Vulnerabilidade - III Congresso MT de MFCAtencao Domiciliar e Vulnerabilidade - III Congresso MT de MFC
Atencao Domiciliar e Vulnerabilidade - III Congresso MT de MFC
Leonardo Savassi
 
Aula Prevenção Quaternária - UFOP - Disciplina Medicina de Família e Comunidade
Aula Prevenção Quaternária - UFOP - Disciplina Medicina de Família e ComunidadeAula Prevenção Quaternária - UFOP - Disciplina Medicina de Família e Comunidade
Aula Prevenção Quaternária - UFOP - Disciplina Medicina de Família e Comunidade
Leonardo Savassi
 
Aula sobre conceitos básicos de rastreamento - UFOP - Disciplina MFC (MED195)
Aula sobre conceitos básicos de rastreamento - UFOP - Disciplina MFC (MED195)Aula sobre conceitos básicos de rastreamento - UFOP - Disciplina MFC (MED195)
Aula sobre conceitos básicos de rastreamento - UFOP - Disciplina MFC (MED195)
Leonardo Savassi
 
Facebook: estratégia pedagógica sobre evidências na disciplina “Medicina de F...
Facebook: estratégia pedagógica sobre evidências na disciplina “Medicina de F...Facebook: estratégia pedagógica sobre evidências na disciplina “Medicina de F...
Facebook: estratégia pedagógica sobre evidências na disciplina “Medicina de F...
Leonardo Savassi
 
Avaliação clínico-assistencial das Visitas Domiciliares por Profissionais da ...
Avaliação clínico-assistencial das Visitas Domiciliares por Profissionais da ...Avaliação clínico-assistencial das Visitas Domiciliares por Profissionais da ...
Avaliação clínico-assistencial das Visitas Domiciliares por Profissionais da ...
Leonardo Savassi
 
Análise das práticas de Acolhimento entre profissionais da Atenção Primária a...
Análise das práticas de Acolhimento entre profissionais da Atenção Primária a...Análise das práticas de Acolhimento entre profissionais da Atenção Primária a...
Análise das práticas de Acolhimento entre profissionais da Atenção Primária a...
Leonardo Savassi
 
2017 ufop rastreamento
2017 ufop rastreamento2017 ufop rastreamento
2017 ufop rastreamento
Leonardo Savassi
 
2017 2 aula tabagismo
2017 2 aula tabagismo2017 2 aula tabagismo
2017 2 aula tabagismo
Leonardo Savassi
 
2017 2 vd aula disciplina mfc ufop
2017   2 vd aula disciplina mfc ufop2017   2 vd aula disciplina mfc ufop
2017 2 vd aula disciplina mfc ufop
Leonardo Savassi
 
2017 2 ab fam 2 disciplina mfc ufop
2017   2 ab fam 2 disciplina mfc ufop2017   2 ab fam 2 disciplina mfc ufop
2017 2 ab fam 2 disciplina mfc ufop
Leonardo Savassi
 
14o CBMFC Curitiba-PR - Mesa AD na APS - Desafios
14o CBMFC Curitiba-PR - Mesa AD na APS - Desafios14o CBMFC Curitiba-PR - Mesa AD na APS - Desafios
14o CBMFC Curitiba-PR - Mesa AD na APS - Desafios
Leonardo Savassi
 
Princípios da aps slides selecionados
Princípios da aps slides selecionadosPrincípios da aps slides selecionados
Princípios da aps slides selecionados
Leonardo Savassi
 
Medicina Baseada em Evidências - Oficina UFOP buscando evidencias para subturmas
Medicina Baseada em Evidências - Oficina UFOP buscando evidencias para subturmasMedicina Baseada em Evidências - Oficina UFOP buscando evidencias para subturmas
Medicina Baseada em Evidências - Oficina UFOP buscando evidencias para subturmas
Leonardo Savassi
 
IAPS 3 UFMG Educação em saúde mudança de comportamento e habilidade de comuni...
IAPS 3 UFMG Educação em saúde mudança de comportamento e habilidade de comuni...IAPS 3 UFMG Educação em saúde mudança de comportamento e habilidade de comuni...
IAPS 3 UFMG Educação em saúde mudança de comportamento e habilidade de comuni...
Leonardo Savassi
 
Iaps 3 UFMG habilidade de comunicação na vd
Iaps 3 UFMG  habilidade de comunicação na vdIaps 3 UFMG  habilidade de comunicação na vd
Iaps 3 UFMG habilidade de comunicação na vd
Leonardo Savassi
 
Habilidade de comunicação para entrevistas
Habilidade de comunicação para entrevistasHabilidade de comunicação para entrevistas
Habilidade de comunicação para entrevistas
Leonardo Savassi
 

Mais de Leonardo Savassi (20)

Savassi LCM. Cuidados Paliativos e Atenção Domiciliar (LACP e Ubuntu 2023)
Savassi LCM. Cuidados Paliativos e Atenção Domiciliar (LACP e Ubuntu 2023)Savassi LCM. Cuidados Paliativos e Atenção Domiciliar (LACP e Ubuntu 2023)
Savassi LCM. Cuidados Paliativos e Atenção Domiciliar (LACP e Ubuntu 2023)
 
2021 "A importância da MFC para a Saúde Pública do país". UBUNTU Liga acadêmi...
2021 "A importância da MFC para a Saúde Pública do país". UBUNTU Liga acadêmi...2021 "A importância da MFC para a Saúde Pública do país". UBUNTU Liga acadêmi...
2021 "A importância da MFC para a Saúde Pública do país". UBUNTU Liga acadêmi...
 
2021 Medicina e Arte Liga Saude Espiritualidade.pptx
2021 Medicina e Arte Liga Saude Espiritualidade.pptx2021 Medicina e Arte Liga Saude Espiritualidade.pptx
2021 Medicina e Arte Liga Saude Espiritualidade.pptx
 
Ventilacao Mecanica Domiciliar - Especificidades da Criança
Ventilacao Mecanica Domiciliar - Especificidades da CriançaVentilacao Mecanica Domiciliar - Especificidades da Criança
Ventilacao Mecanica Domiciliar - Especificidades da Criança
 
Atencao Domiciliar e Vulnerabilidade - III Congresso MT de MFC
Atencao Domiciliar e Vulnerabilidade - III Congresso MT de MFCAtencao Domiciliar e Vulnerabilidade - III Congresso MT de MFC
Atencao Domiciliar e Vulnerabilidade - III Congresso MT de MFC
 
Aula Prevenção Quaternária - UFOP - Disciplina Medicina de Família e Comunidade
Aula Prevenção Quaternária - UFOP - Disciplina Medicina de Família e ComunidadeAula Prevenção Quaternária - UFOP - Disciplina Medicina de Família e Comunidade
Aula Prevenção Quaternária - UFOP - Disciplina Medicina de Família e Comunidade
 
Aula sobre conceitos básicos de rastreamento - UFOP - Disciplina MFC (MED195)
Aula sobre conceitos básicos de rastreamento - UFOP - Disciplina MFC (MED195)Aula sobre conceitos básicos de rastreamento - UFOP - Disciplina MFC (MED195)
Aula sobre conceitos básicos de rastreamento - UFOP - Disciplina MFC (MED195)
 
Facebook: estratégia pedagógica sobre evidências na disciplina “Medicina de F...
Facebook: estratégia pedagógica sobre evidências na disciplina “Medicina de F...Facebook: estratégia pedagógica sobre evidências na disciplina “Medicina de F...
Facebook: estratégia pedagógica sobre evidências na disciplina “Medicina de F...
 
Avaliação clínico-assistencial das Visitas Domiciliares por Profissionais da ...
Avaliação clínico-assistencial das Visitas Domiciliares por Profissionais da ...Avaliação clínico-assistencial das Visitas Domiciliares por Profissionais da ...
Avaliação clínico-assistencial das Visitas Domiciliares por Profissionais da ...
 
Análise das práticas de Acolhimento entre profissionais da Atenção Primária a...
Análise das práticas de Acolhimento entre profissionais da Atenção Primária a...Análise das práticas de Acolhimento entre profissionais da Atenção Primária a...
Análise das práticas de Acolhimento entre profissionais da Atenção Primária a...
 
2017 ufop rastreamento
2017 ufop rastreamento2017 ufop rastreamento
2017 ufop rastreamento
 
2017 2 aula tabagismo
2017 2 aula tabagismo2017 2 aula tabagismo
2017 2 aula tabagismo
 
2017 2 vd aula disciplina mfc ufop
2017   2 vd aula disciplina mfc ufop2017   2 vd aula disciplina mfc ufop
2017 2 vd aula disciplina mfc ufop
 
2017 2 ab fam 2 disciplina mfc ufop
2017   2 ab fam 2 disciplina mfc ufop2017   2 ab fam 2 disciplina mfc ufop
2017 2 ab fam 2 disciplina mfc ufop
 
14o CBMFC Curitiba-PR - Mesa AD na APS - Desafios
14o CBMFC Curitiba-PR - Mesa AD na APS - Desafios14o CBMFC Curitiba-PR - Mesa AD na APS - Desafios
14o CBMFC Curitiba-PR - Mesa AD na APS - Desafios
 
Princípios da aps slides selecionados
Princípios da aps slides selecionadosPrincípios da aps slides selecionados
Princípios da aps slides selecionados
 
Medicina Baseada em Evidências - Oficina UFOP buscando evidencias para subturmas
Medicina Baseada em Evidências - Oficina UFOP buscando evidencias para subturmasMedicina Baseada em Evidências - Oficina UFOP buscando evidencias para subturmas
Medicina Baseada em Evidências - Oficina UFOP buscando evidencias para subturmas
 
IAPS 3 UFMG Educação em saúde mudança de comportamento e habilidade de comuni...
IAPS 3 UFMG Educação em saúde mudança de comportamento e habilidade de comuni...IAPS 3 UFMG Educação em saúde mudança de comportamento e habilidade de comuni...
IAPS 3 UFMG Educação em saúde mudança de comportamento e habilidade de comuni...
 
Iaps 3 UFMG habilidade de comunicação na vd
Iaps 3 UFMG  habilidade de comunicação na vdIaps 3 UFMG  habilidade de comunicação na vd
Iaps 3 UFMG habilidade de comunicação na vd
 
Habilidade de comunicação para entrevistas
Habilidade de comunicação para entrevistasHabilidade de comunicação para entrevistas
Habilidade de comunicação para entrevistas
 

2011 02 doenças exantemáticas na infância

  • 1. Doenças Exantemáticas Leonardo C M Savassi Pediatria Oitavo Período MEDICINA
  • 2. Objetivos de Hoje Discutir as doenças obrigatoriamente exantemáticas: Diagnóstico Tratamento Profilaxia e cuidados
  • 3. Doenças Exantemáticas Exantema : é uma mancha cutânea de cunho vascular, causado por afecções infecciosas, alérgicas, tóxicas ou físicas, podendo se manifestar como mácula, pápula, vesícula, pústula, crosta ou sufusão hemorrágica. Enantema : basicamente é a manifestação do exantema na mucosa Erupção de coloração avermelhada. Ocorre em febres eruptivas e de doenças infecciosas e localiza-se nas mucosas da boca, faringe, mucosas genitais ou anais.
  • 4. Doenças Exantemáticas Mecanismos de erupção cutânea: Invasão e multiplicação direta na própria pele (varicela); Ação de toxinas (escarlatina); Ação imunoalérgica com expressão na pele (ex: viroses exantemáticas, urticária); Lesão vascular (ex: meningococcemia, Kawasakii).
  • 5. Doenças Exantemáticas Anamnese: Idade, Etnia, Febre (início, curva, duração, evolução até erupção); Sinais e sintomas associados Características do exantema (tipo, início, direção) Antecedentes de infecção e exantemas; Imunização prévia; Dados epidemiológicos; Uso de medicamentos
  • 6. Doenças Exantemáticas Exame físico: Antes, durante e após o período exantemático; Boa luminosidade/ luz natural Características morfológicas Características topográficas Características evolutivas Presença de hepatoesplenomegalia Presença de adenopatias Estado geral.
  • 8. Varicela Agente causal: Vírus Incubação: 14 -6 dias (10-20 dias) Prodrômico: 1-2 dias, oligossintomático Direção: centrípeta* Febre: moderada ou ausente. Exantema: pápulo-vesico-crostoso (tudo ao mesmo tempo) Importante: prurido
  • 10. Varicela Profilaxia: vacina Dose única (a partir dos 12 meses) ou 2x adultos Não SUS, exceto CRIE: imunodeficientes, cuidadores, HIV (+), profissional de saúde Tratamento: anti-histamínicos (S/N), permanganato de potássio (*), pasta d’água ( *) Notificação: Surtos – a critério do município
  • 11. Sarampo Agente causal: Vírus Incubação:10-12 dias Prodrômico: 3-5 dias, ITEs , fotofobia, febre. Direção: cranio-caudal Febre: alta Exantema: exantema morbiliforme generalizado evolui para acastanhado 4º dia. Importante: Sinais catarrais Manchas de Koplik Erradicado em 2003 Casos isolados/ nova campanha vacinal
  • 12. Sarampo Fonte: www.guarulhosweb.com.br (campanha) Fonte: www.clictribuna.com.br
  • 13. Sarampo Fonte: CMAJ Fonte: Medscape
  • 14. Sarampo Profilaxia: vacina Triviral (MMR) com um ano. Reforço aos cinco anos. Tratamento: sintomáticos Notificação compulsória e investigação epidemiológica imediata.
  • 15. Rubéola Agente causal: Vírus Incubação: 2-3 semanas Prodrômico: 2-3 dias: febre, astenia, adenopatia. Direção: descendente Febre: f ebrícula (38º C) Exantema: maculopapular de cor rósea (rubeoliforme), início retroauricular, desaparace em 3 dias, confluente. Importante: adenopatia retroauricular, cervical e occipital
  • 16. Rubéola Fonte: SVS/MS Fonte: Wikipedia
  • 17. Rubéola Profilaxia: vacina Triviral (MMR) com um ano. Reforço aos cinco anos. Tratamento: sintomático Notificação compulsória e investigação obrigatória.
  • 19. Escarlatina Fonte: Escola Paulista de Medicina Fonte: Clínica Dermatologica de Nantes Fonte: www.esmas.com
  • 20. Escarlatina Profilaxia: não há Tratamento: Penicilina oral ou macrolídeo. Notificação: NÃO
  • 21. Urticária Agente causal: imunológico/ alérgico Incubação: variável Prodrômico: não há. Febre: ausente (*). Exantema: 5 padrões reação cutânea a drogas: (1) exantema maculo-papular (95%); (2) Urticariforme, (placas, confluente, elevado); (3) farmacodermias fixas (eritema fixo) qualquer lugar, reaparecem mesma localização, se droga é readministrada; (4) reações de fotosensibilidade e (5) reações doença-do-soro- like (febre, prurido, urticária, artralgia 1-3 sem. após a exposição resolve com suspensão uso Importante: prurido, história medicamentosa
  • 23. Urticária Importante (2): duas classes de reação: tipo A, relacionada a farmacologia do medicamento, não dose dependente (chamada “alergia verdadeira”); tipo B, não dose dependente, relacionada a hipersensibilidade idiossincrática à droga Profilaxia: não há (teste alérgico) Tratamento: anti-histamínicos, corticóide Notificação: NÃO
  • 24. Doença de Kawasaki Agente causal: indeterminado. É uma vasculite sistêmica aguda, que pode evoluir para dilatação (aneurismas), principalmente das coronárias Exantema polimorfo do corpo, tronco, mãos e pés, sem vesículas ou crostas. Edema nos lábios, hiperemia Além dos “critérios diagnósticos” (a seguir), podem ocorrer uveíte, piúria estéril, atralgia e artrite. Na presença de alt. coronarianas e febre = alta suspeição. Tratamento: dose única (alta) Ig intravenosa e AAS.
  • 25. Doença de Kawasaki Critérios diagnósticos: febre e ao menos quatro: Congestão ocular bilateral; Alterações orais: ressecamento e vermelhidão, língua em framboesa, enantema s/ aftas, edema. Alterações das extremidades: Eritema palmar e plantar, edema indurado no estágio inicial. Descamação dedos no estágio de convalecença. Exantema Adenopatia não supurativa cervical com linfonodos > 1,5 cm, habitualmente unilateral no início da doença c/ linfonodos geralmente fixos.
  • 26.  
  • 27. Exantema súbito Agente causal: herpesvírus 6 Incubação: 7-17 dias Prodrômico: febre 3-5 dias Direção: tronco - membros - face. Febre: lisa com o surgimento do exantema Exantema: maculo-papular tronco -> face e membros, durante 2 a 3 dias. Acomete crianças de 6 meses a 3 anos. Convulsões febris em até 10% da população.
  • 28. Exantema súbito Profilaxia: Medidas gerais de higiene: lavar as mãos com freqüência, cobrir a boca ao tossir. Tratamento: Sintomático (controle especialmente da febre). Notificação: NÃO Importante: A característica da lise da febre com o surgimento do exantema, que por sua vez tem disseminação e localização (nas faces de extensão de membros) típicas.
  • 29. Eritema infeccioso Agente causal: Parvovírus B19. Incubação: 5-10 dias Prodrômico: até 10 dias com sintomas gripais, que pode se extender por até 10 dias Febre: ausente Exantema: em três etapas, (1) mancha vermelha na bochecha tipo celulite/ erisipela, seguida de (2) pápulas em membros e tronco, seguidas de desaparecimento do centro (aspecto rendilhado) e (3) reaparecimento.
  • 30. Eritema infeccioso Profilaxia: Não há. Tratamento: Sintomático (analgésicos e anti-inflamatórios). Transfusão intravenosa c-globulina no sangue e pode ser indicada em indivíduos imunocomprometidos ou em casos complicados por anemia aplástica Notificação: NÃO Importante: mancha na bochecha simula um tapa. A direção do exantema é a base do diagnóstico. freqüência inverno e primavera, mais comum meninos 6 -10 anos
  • 31. Síndrome mão-pé-boca (SMPB) Agente causal: Coxsackie, enterovírus, picornavírus Incubação 3-7 dias Período prodômico 12-36 h. Febre baixa, mal estar, tosse, anorexia, dor abdominal e oral. Febre precede e acompanha o exantema. Enantema ulcerativo em palato, língua e mucosa - máculas e pápulas, curto estágio vesicular, úlcera amarelo/ cinza. Língua pode ficar vermelha e edemaciada, dor afeta a ingestão oral. Some em 5-7 d. Exantema maculopapular, vesículas cinza, logo após lesões orais, mãos > pés, laterais dedos e superfícies dorsais > palmas e plantas. Evolui para crostas, some 5-10 d. s/ cicatrizes.
  • 32. Síndrome mão-pé-boca (SMPB) Importante: lesões e a localização das manifestações são características (mãos, pés e boca) definem o diagnóstico. Profilaxia: Medidas gerais de higiene: lavar as mãos, que evita a disseminação do vírus. Não há necessidade de isolamento Tratamento: sintomático: alívio da dor (lesões orais). estudo: aciclovir oral dentro de 1-2 dias após o início das lesões da mucosa e da pele Notificação: NÃO
  • 34. Obrigado! Leonardo C M Savassi [email_address] http://sites.google.com/site/leosavassi