SlideShare uma empresa Scribd logo
1
Desenvolvimento
de Software (2011)
Especialização em Projeto e Desenvolvimento de Sistemas
PhD Vagner Figueredo de Santana
2
Objetivo da disciplina
 Desenvolver software básico (em Java)
 Utilizando boas práticas de programação
3
Conteúdo programático
 Implementação de conceitos de
Orientação a Objetos (OO)
 Desenvolvimento de soluções
computacionais stand-alone (em Java)
4
Avaliação
 Um projeto
 Grupo de até 4 pessoas
 Conceitos possíveis: A, B, C e R
 Compõem o conceito
 Apresentação
 Código
 Enviar projeto por email até a data de
apresentação
5
Avaliação - Apresentação
 Tempo (25 min. no máximo)
 Utilização dos termos de OO discutidos
 Clareza e didática da apresentação
 Legibilidade
 Carga de trabalho dos componentes do
grupo
6
Avaliação - Código
 Estrutura/modelagem/arquitetura do trabalho
 Clareza, legibilidade do código e
documentação
 Manipulação de exceções
 Interface de usuário
 Carga de trabalho dos componentes do grupo
7
Introdução
 A linguagem que utilizamos influencia a
maneira como vemos o mundo
 A linguagem de programação usada para
resolver um problema vai influenciar na
solução usada
8
Introdução
 Orientação a Objetos (OO) também é um
paradigma de programação
 ... mas o que é paradigma?
9
Paradigma de programação
 Conceitualizar:
 ... o que significa computar
 ... construção e organização de tarefas
 ... como tarefas são executadas por um
computador
10
Programação Orientada a Objetos
 O que é uma linguagem de programação
orientada a objetos?
11
Programação Orientada a Objetos
 É mais do que incluir coisas em uma
linguagem de programação
 POO é uma forma de pensar em como
decompor problemas e resolvê-los
computacionalmente
 ... mas POO é melhor que as outras?
12
Um pouco de história
 Conjectura/Hipótese de Alonzo Church, 1960s
 Qualquer função computável pode ser processada
por uma Máquina de Turing
 Prova de Böhm, 1966
 Uma Máquina de Turing pode ser emulada por
qualquer linguagem de programação que conte, no
mínimo, com um condicional (e.g., if) e um laço
(e.g., for)
13
Por quê POO?
 POO facilita a resolução de problemas e
gerenciamento de grandes projetos de
software
 Escala bem
 Tem foco na reutilização de componentes
 É baseada em uma metáfora (Qual?)
 ... mas POO não é mágica
14
Objeto
 Conta com:
 Dados (i.e., attributos)
 Operações (i.e., métodos)
 Tudo é objeto!
 Atributos: “Memória” dos objetos e também são
objetos
 Métodos: Algoritmos ou conjunto de operações para
uma dada requisição
15
Classe
 Categoria que representa um grupo de
objetos similares
16
Instância
 Objeto que representa uma classe
 Um exemplar da classe
17
Programas que
seguem OO são:
 Organizados como objetos que interagem
entre si
 Cada um oferecendo um conjunto de
métodos para outros objetos
 Usando solicitações para que objetos
alterem seus próprios dados
18
Tríade
 Herança
 Organização em que atributos e métodos são
automaticamente disponibilizadas para qualquer
descendente
 Em outras palavras: agrupa invariantes
 Encapsulamento
 Proteção dos atributos e métodos
 Polimorfismo
 Existência de um nome (e.g., métodos, classes) e
vários significados (i.e., funcionalidades)
19
Em suma...
 Não pergunte o que pode fazer com
suas estruturas de dados
 Pergunte o que suas estruturas de
dados pode fazer para você
20
Abstração em OO
 Suprimir/esconder propositalmente
detalhes de um processo para destacar
outros detalhes.
 ... mas como encontrar o nível certo de
abstração?
21
Abstração em OO
 Como gerar novos tipos?
 Composição:
 Combinar tipos primitivo e/ou customizados para
criar outros tipos de dados customizados
 Tipos de dados abstratos
22
Exemplos em código
23
Java – Classe
class People{
private String name;
public People(String n){
setName(n);
}
public String getName(){
return name;
}
public void setName(String n){
name=n;
}
24
Java – Herança
class Employee extends People{
private Double salary;
...
public Double getSalary(){
return salary;
}
public void setSalary(Double s){
salary=s;
}
}
25
Java – Polimorfismo
class FreeLancer extends Employee{
private Double hoursPerMonth;
private Double salaryPerHour;
... // Setters & getters
public void setSalary(Double h, Double s){
salary=h*s;
}
public void setSalary(String s){
try{
String[] temp=s.split("/");
salary=Double.parseDouble(temp[0])*
Double.parseDouble(temp[1]);
}
...
26
Exercício pra entregar
 Proposta de projeto
 Indicar
 Classes
 Atributos
 Métodos
 Herança
 Encapsulamento
 Polimorfismo
27
Exemplo
 Vamos trabalhar na modelagem de um
jogo conhecido usando OO
 Sugestões
 Banco Imobiliário
 Mario Kart
 Truco
 Bilhar
 ...
28
Java – Visão geral da sintaxe
 { } delimitam grupos de comandos
 ; finaliza comando
 // comentário de linha
 /* */ comentário de bloco
29
Java – Visão geral da sintaxe
 Operadores
 ==, !=, <=, >=, <, >
 +, -,*, /, %
30
Java – Tipos
 Alguns tipos primitivos
 int
 long
 boolean
 double
 char
31
Java – Tipos
 Alguns objetos
 Integer
 Boolean
 Double
 String
32
Java – Arrays
 Sequência de valores de tamanho fixo
 Pode ser de tipos primitivos ou objetos
 int[ ] values;
 String[ ] description;
 Para criar arrays
 description = new String[10] ;
 Operações
 description[0] == “Testing 1, 2, 3” ; // atribui
 System.out.println( description[0] ); // recupera
33
Interface
 Não pode ser instanciada
 Define os métodos que as subclasses
devem implementar
 Não contém implementação
34
Classe Abstrata
 Também não pode ser instanciada
 Mas pode conter implementação de
métodos
 Para serem instanciadas as subclasses
devem sobrescrever os métodos
abstrados
35
Herança múltipla
 Em Java a herança múltipla pode ser
implementada combinando interfaces
 Herança de implementação apenas pode
ocorrer de uma classe
36
Java – Tipagem estática
 Dinâmico
 Conhecido ou feito
enquanto o programa roda
 Estático
 Conhecido ou feito
antes do programa rodar
 Dar preferência ao estático ajuda a
identificar bugs mais rapidamente
37
Polimorfismo
Overloading
 Sobrecarga
 Métodos sobrecarregados têm o mesmo
nome
 Mas diferentes argumentos
 Seja pelo tipo ou pelo número de
argumentos
38
Polimorfismo
Overloading
public void setSalary(Double s){
salary = s;
}
public void setSalary(Double h, Double s)
{
salary = h * s ;
}
public void setSalary(String s){
try{ salary = Double.parseDouble( s );}
catch( NumberFormatException nfe ){...}
}
39
Polimorfismo
Overriding
 Sobrescrita
 Um novo corpo é dado para método
herdado
 Para chamar a implementação da
superclasse basta utiliza
 super.nomeDoMétodo( ... );
40
Polimorfismo
Overloading vs. Overriding
 Não confunda Overloading ...
 Métodos na mesma classe com mesmo
nome, mas com argumentos diferentes
 ... com Overriding
 Métodos implementados na superclasse e na
sua subclasse, com mesmos nome e
argumentos
 Uma forma de evitar overriding é usar final
41
Campos e métodos estáticos
 Ao declarar campos/métodos como
estáticos eles são associados à classe e
não ao objeto
 Ele tem um valor apenas para todo o
programa
 Constantes normalmente usam static e
final
 public static final PI = 3.14159;
42
Criando pacotes
 Basta utilizar a palavra package antes da
definição da classe
// No arquivo Card.java
package
br.mackenzie.pds2011.monopoly.model;
abstract class Card{
...
43
Utilizando pacotes
 Organizam classes
 java.net.URL
 No código, basta inserir no início
 import java.net.URL;
 No sistema de arquivos, os pacotes são diretórios
 Seguem estrutura inversa de domínio
 br.com.[domínio].[aplicação].[componente].[Classe]
 br.com.exemplo.monopoly.model.Card
44
Exceções
 São condições anormais de retorno de
um método
 Exceções também são objetos
45
Exceções
 try – Conta com os comandos, então se há um
problema, o fluxo vai para a sequência de
catch
 catch – “Pega” a exceção, então é possível
fazer algo pra solucionar o problema
 finally – Sempre é executado ao final do
bloco; normalmente para liberação de recursos
46
Exceções
 Funcionamento básico
 try executa código que pode disparar um exceção
 Se uma exceção ocorre, então o fluxo do programa
é desviado e um tratador (catch) é procurado
 Note que tudo do bloco try expira
 O primeiro tratador (catch) adequado (em que o
parâmetro combinar com a exceção) é executado
 Então o fluxo de execução é desviado para o finally
47
Exceções
...
public String exemplo(){
...
try{ ... }
catch( [exceção mais específica] e1 ){ ... }
catch( [exceção menos específica] e2 ){ ... }
finally{ ... }
}
...
48
Disparando exceções
 O comando throw dispara uma exceção
 Quando ocorre em um método, em vez de retornar
um valor, uma exceção é disparada
 Se uma exceção não é listada no comando throws, o
compilador indica que deve ser capturada com
try/catch ou declarada (throws)
 Se seu método chamar métodos que disparam
(throws) exceções, elas devem ser capturadas ou
disparadas no seu método
 Requisito catch-or-declare
49
Disparando exceções
...
public String exemplo2()
throws TipoDeExeção1, TipoDeExceção2{
...
// caso específico
throw new TipoDeExceção1();
...
// outro caso específico
throw new TipoDeExceção2();
}
...
50
Type Casting
 Muda o tipo do objeto declarado em
tempo de execução, mas não afeta o tipo
do objeto em si
 É diferente de coerção de tipos primitivos
 Coerção produz um valor diferente em tempo
de execução
 (int)0.5 resulta no valor 0
51
Generics
 Em alguns casos, definir tipos de objetos no
código pode reduzir as possibilidades de reuso
 Generics possibilita parametrizar tipos
 Deixa o código mais estável
 Possibilita verificações de tipos em tempo de
compilação
 Muito usado em Collections como List e Map
 Note que não funciona com tipos primitivos
52
Generics
public class Box {
private Object object;
public void add(Object object) {
this.object = object;
}
public Object get() {
return object;
}
}
Fonte: Oracle – The Java Tutorials – Learning the Java Language
53
Generics
public class BoxDemo1 {
public static void main(String[] args) {
// ONLY place Integer objects
//into this box!
Box integerBox = new Box();
integerBox.add(new Integer(10));
Integer someInteger =
(Integer)integerBox.get();
System.out.println(someInteger);
}
}
Fonte: Oracle – The Java Tutorials – Learning the Java Language
54
Generics
public class BoxDemo1 {
public static void main(String[] args) {
// ONLY place Integer objects
//into this box!
Box integerBox = new Box();
integerBox.add(“10”);
Integer someInteger =
(Integer)integerBox.get();
System.out.println(someInteger);
}
}
Fonte: Oracle – The Java Tutorials – Learning the Java Language
55
Generics
public class Box<T> {
private T t; // T stands for "Type“
public void add(T t) {
this.t = t;
}
public T get() {
return t;
}
}
Fonte: Oracle – The Java Tutorials – Learning the Java Language
56
Generics
public class BoxDemo3 {
public static void main(String[] args) {
Box<Integer> integerBox =
new Box<Integer>();
integerBox.add(new Integer(10));
// no cast!
Integer someInteger = integerBox.get();
System.out.println(someInteger);
}
}
Fonte: Oracle – The Java Tutorials – Learning the Java Language
57
Generics
 Pode ter mais de um identificador, mas
devem ser diferentes
 Exemplos:
 List<T>
 Box<T>
 HashMap<K,V>
 List<Box<T>>
 List<Box<HashMap<K,V>>>
58
Generics
 Convenções de nomenclatura:
 E - Element (usado em Collections)
 K - Key
 N - Number
 T - Type
 V - Value
59
Generics
 Há casos em que desejamos restringir os tipos
passados como parâmetro
 Nesses casos podemos usar bounded type
parameters
 Exemplo: Box<T extends Number>;
 Note que extends aqui se refere tanto a
classes quanto a interfaces
 Para indicar a implementação de interfaces
basta concatenar usando &
 Exemplo: Box<T extends Number & MyInterface>
60
Generics
 Relembrando o exemplo do Banco
Imobiliário
61
Generics
// Declaração sem Generics
Private HashMap cards;
...
// Caso 1 – Propenso a erros
Card c = cards.get( “Copacabana” ) ;
...
// Caso 2 – Pouco elegante
Card c =
(Card)cards.get( “Copacabana” ) ;
...
62
Generics
// Declaração com Generics!
private HashMap <String,
T extends Card> cards;
...
// Caso 3 – Elegante e evita erros
Card c = cards.get( “Copacabana” ) ;
...
63
Concorrência
 Onde encontramos tarefas concorrentes?
 Java foi projetado para suportar
concorrência
 Em programação concorrente temos duas
unidades básicas de execução:
 Processos
 Threads
 Note que concorrência é possível mesmo
em sistemas com um processador
64
Processos e threads
 Processo
 Ambiente auto contido de execução
 Conta com seu espaço em memória
 Thread
 Existe dentro do processo
 Compartilha recursos do processo
 Eficiente, mas comunicação é complexa
 Toda aplicação tem ao menos uma thread
65
Threads
 Uma das formas de criar uma aplicação
concorrente é controlar
 Criação e gerenciamento de threads
 Instanciação de threads para tarefas
assíncronas
 A aplicação que cria uma thread precisa
fornecer o código que vai rodar na thread
66
Threads
 Duas formas de instanciar threads:
 Runnable object
 A interface Runnable define o método que deve
ter o código a ser executado na thread – run
 O objeto Runnable é passado para o construtor
da Thread
67
Threads
public class HelloRunnable implements Runnable {
public void run() {
System.out.println("Hello from a thread!");
}
public static void main(String args[]) {
(new Thread(new HelloRunnable())).start();
}
}
68
Threads
 Duas formas de instanciar threads:
 Estender a classe Thread
 Thread implementa Runnable
 Ao estender a classe Thread, basta fornecer a
implementação do método run()
69
Threads
public class HelloThread extends Thread {
public void run() {
System.out.println("Hello from a thread!");
}
public static void main(String args[]) {
(new HelloThread()).start();
}
}
70
Threads
 Toda thread tem uma prioridade entre
 Thread.MIN_PRIORITY
 Thread.MAX_PRIORITY
 Cada nova thread herda a prioridade do
objeto que a criou
 O rodízio de execução entre as threads
pode ocorrer com ou sem fracionamento
de tempo (i.e., que usam quantum)
71
Escalonamento de threads
72
Ciclo de vida da thread
73
Como controlar concorrência
em métodos?
 Métodos sincronizados
 Threads chamando o mesmo método ficam
bloqueadas até que a execução seja
terminada
 Para tornar um método sincronizado, basta
adicionar sinchronized
 ...
public synchronized int getX(){
return x ;
}
...
74
Exercício
 Discutam em grupo como resolveriam o
problema de concorrência ao usar o
padrão GoF Singleton
 Identifique no projeto locais em que
threads poderiam ser utilizadaS
75
Referências
 Java: Como programar – Deitel e Deitel
 The Java Tutorials - Learning the Java
Language
http://download.oracle.com/javase/tutorial/java/
TOC.html
 MIT Open Course – Elements of Software
Construction
http://ocw.mit.edu/courses/electrical-
engineering-and-computer-science/6-005-
elements-of-software-construction-fall-2008/
 Oracle Java Tutorials – Concurrency
http://docs.oracle.com/javase/tutorial/essential/
concurrency/index.html

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Java2
Java2Java2
5. Atribuições especiais; Arrays; Tipos de ciclos; Classes-pacote – Fundament...
5. Atribuições especiais; Arrays; Tipos de ciclos; Classes-pacote – Fundament...5. Atribuições especiais; Arrays; Tipos de ciclos; Classes-pacote – Fundament...
5. Atribuições especiais; Arrays; Tipos de ciclos; Classes-pacote – Fundament...
Manuel Menezes de Sequeira
 
13. Polimorfismo de subtipos; Análise, desenho e implementação – Fundamentos ...
13. Polimorfismo de subtipos; Análise, desenho e implementação – Fundamentos ...13. Polimorfismo de subtipos; Análise, desenho e implementação – Fundamentos ...
13. Polimorfismo de subtipos; Análise, desenho e implementação – Fundamentos ...
Manuel Menezes de Sequeira
 
Refatoração
RefatoraçãoRefatoração
Refatoração
Gerson Borges
 
Java7
Java7Java7
Curso de Java (Parte 4)
Curso de Java (Parte 4)Curso de Java (Parte 4)
Curso de Java (Parte 4)
Mario Sergio
 
Curso de Java (Parte 3)
 Curso de Java (Parte 3) Curso de Java (Parte 3)
Curso de Java (Parte 3)
Mario Sergio
 
Aula 1 | Introdução a C++
Aula 1 | Introdução a C++Aula 1 | Introdução a C++
Aula 1 | Introdução a C++
Henry Raúl González Brito
 
OOP (in portuguese)
OOP (in portuguese)OOP (in portuguese)
OOP (in portuguese)
Bruno Pedro
 
3. Funções/repórteres e listas em Snap!; Utilização de variáveis – Fundamento...
3. Funções/repórteres e listas em Snap!; Utilização de variáveis – Fundamento...3. Funções/repórteres e listas em Snap!; Utilização de variáveis – Fundamento...
3. Funções/repórteres e listas em Snap!; Utilização de variáveis – Fundamento...
Manuel Menezes de Sequeira
 
Programando em python classes
Programando em python   classesProgramando em python   classes
Programando em python classes
samuelthiago
 
12. Paradigmas da programação; Programação orientada por objectos; Pacotes – ...
12. Paradigmas da programação; Programação orientada por objectos; Pacotes – ...12. Paradigmas da programação; Programação orientada por objectos; Pacotes – ...
12. Paradigmas da programação; Programação orientada por objectos; Pacotes – ...
Manuel Menezes de Sequeira
 
Aula Prolog 01
Aula Prolog 01Aula Prolog 01
Aula Prolog 01
Fabio Moura Pereira
 
4º Aula do Grupo de estudos sobre funções
4º Aula do Grupo de estudos sobre funções4º Aula do Grupo de estudos sobre funções
4º Aula do Grupo de estudos sobre funções
Fellyph Cintra
 
M2ti - Python Brasil
M2ti - Python BrasilM2ti - Python Brasil
M2ti - Python Brasil
Rodrigo Hübner
 
4. Introdução à linguagem de programação Java – Fundamentos de Programação
4. Introdução à linguagem de programação Java – Fundamentos de Programação4. Introdução à linguagem de programação Java – Fundamentos de Programação
4. Introdução à linguagem de programação Java – Fundamentos de Programação
Manuel Menezes de Sequeira
 
Series lab
Series labSeries lab
Aula5
Aula5Aula5
Aula5
fkimura
 
Java aprendendo linguagem.ppt
Java aprendendo linguagem.pptJava aprendendo linguagem.ppt
Java aprendendo linguagem.ppt
Emerson Cardoso
 
Curso de OO com C# - Parte 02 - Introdução ao C#
Curso de OO com C# - Parte 02 - Introdução ao C#Curso de OO com C# - Parte 02 - Introdução ao C#
Curso de OO com C# - Parte 02 - Introdução ao C#
Leonardo Melo Santos
 

Mais procurados (20)

Java2
Java2Java2
Java2
 
5. Atribuições especiais; Arrays; Tipos de ciclos; Classes-pacote – Fundament...
5. Atribuições especiais; Arrays; Tipos de ciclos; Classes-pacote – Fundament...5. Atribuições especiais; Arrays; Tipos de ciclos; Classes-pacote – Fundament...
5. Atribuições especiais; Arrays; Tipos de ciclos; Classes-pacote – Fundament...
 
13. Polimorfismo de subtipos; Análise, desenho e implementação – Fundamentos ...
13. Polimorfismo de subtipos; Análise, desenho e implementação – Fundamentos ...13. Polimorfismo de subtipos; Análise, desenho e implementação – Fundamentos ...
13. Polimorfismo de subtipos; Análise, desenho e implementação – Fundamentos ...
 
Refatoração
RefatoraçãoRefatoração
Refatoração
 
Java7
Java7Java7
Java7
 
Curso de Java (Parte 4)
Curso de Java (Parte 4)Curso de Java (Parte 4)
Curso de Java (Parte 4)
 
Curso de Java (Parte 3)
 Curso de Java (Parte 3) Curso de Java (Parte 3)
Curso de Java (Parte 3)
 
Aula 1 | Introdução a C++
Aula 1 | Introdução a C++Aula 1 | Introdução a C++
Aula 1 | Introdução a C++
 
OOP (in portuguese)
OOP (in portuguese)OOP (in portuguese)
OOP (in portuguese)
 
3. Funções/repórteres e listas em Snap!; Utilização de variáveis – Fundamento...
3. Funções/repórteres e listas em Snap!; Utilização de variáveis – Fundamento...3. Funções/repórteres e listas em Snap!; Utilização de variáveis – Fundamento...
3. Funções/repórteres e listas em Snap!; Utilização de variáveis – Fundamento...
 
Programando em python classes
Programando em python   classesProgramando em python   classes
Programando em python classes
 
12. Paradigmas da programação; Programação orientada por objectos; Pacotes – ...
12. Paradigmas da programação; Programação orientada por objectos; Pacotes – ...12. Paradigmas da programação; Programação orientada por objectos; Pacotes – ...
12. Paradigmas da programação; Programação orientada por objectos; Pacotes – ...
 
Aula Prolog 01
Aula Prolog 01Aula Prolog 01
Aula Prolog 01
 
4º Aula do Grupo de estudos sobre funções
4º Aula do Grupo de estudos sobre funções4º Aula do Grupo de estudos sobre funções
4º Aula do Grupo de estudos sobre funções
 
M2ti - Python Brasil
M2ti - Python BrasilM2ti - Python Brasil
M2ti - Python Brasil
 
4. Introdução à linguagem de programação Java – Fundamentos de Programação
4. Introdução à linguagem de programação Java – Fundamentos de Programação4. Introdução à linguagem de programação Java – Fundamentos de Programação
4. Introdução à linguagem de programação Java – Fundamentos de Programação
 
Series lab
Series labSeries lab
Series lab
 
Aula5
Aula5Aula5
Aula5
 
Java aprendendo linguagem.ppt
Java aprendendo linguagem.pptJava aprendendo linguagem.ppt
Java aprendendo linguagem.ppt
 
Curso de OO com C# - Parte 02 - Introdução ao C#
Curso de OO com C# - Parte 02 - Introdução ao C#Curso de OO com C# - Parte 02 - Introdução ao C#
Curso de OO com C# - Parte 02 - Introdução ao C#
 

Semelhante a Desenvolvimento de Software

Programação Defensiva
Programação DefensivaProgramação Defensiva
Programação Defensiva
Glaucio Scheibel
 
Excecoes
ExcecoesExcecoes
Excecoes
EMSNEWS
 
Minicurso Ruby on Rails Dextra
Minicurso Ruby on Rails DextraMinicurso Ruby on Rails Dextra
Minicurso Ruby on Rails Dextra
Dextra
 
Guia Rápido de Referência Java
Guia Rápido de Referência JavaGuia Rápido de Referência Java
Guia Rápido de Referência Java
Mario Jorge Pereira
 
Programação Orientada á Objeto - Paradigmas e Implementação
Programação Orientada á Objeto - Paradigmas e ImplementaçãoProgramação Orientada á Objeto - Paradigmas e Implementação
Programação Orientada á Objeto - Paradigmas e Implementação
Evandro Júnior
 
Linguagens Poo
Linguagens PooLinguagens Poo
Linguagens Poo
Infogenius
 
Curso Java Básico - Aula 03
Curso Java Básico - Aula 03Curso Java Básico - Aula 03
Curso Java Básico - Aula 03
Natanael Fonseca
 
Action script1 apresentação2
Action script1 apresentação2Action script1 apresentação2
Action script1 apresentação2
Jorge Louro
 
POO - Unidade 1 (complementar) - Introdução a Java e UML (versão draft 01)
POO -  Unidade 1 (complementar) - Introdução a Java e UML (versão draft 01)POO -  Unidade 1 (complementar) - Introdução a Java e UML (versão draft 01)
POO - Unidade 1 (complementar) - Introdução a Java e UML (versão draft 01)
Marcello Thiry
 
Paradigma orientado a objetos - Caso de Estudo C++
Paradigma orientado a objetos - Caso de Estudo C++Paradigma orientado a objetos - Caso de Estudo C++
Paradigma orientado a objetos - Caso de Estudo C++
Sérgio Souza Costa
 
Java e orientação a objetos - aula 01
Java e orientação a objetos - aula 01Java e orientação a objetos - aula 01
Java e orientação a objetos - aula 01
John Godoi
 
Lambda Expressions
Lambda ExpressionsLambda Expressions
Lambda Expressions
Charles Fortes
 
TDD (Resumo)
TDD (Resumo)TDD (Resumo)
TDD (Resumo)
Denis Ferrari
 
Aula 1 - Linguagem III
Aula 1 - Linguagem IIIAula 1 - Linguagem III
Aula 1 - Linguagem III
Juliano Weber
 
Logica Algoritmo 02 Algoritmo
Logica Algoritmo 02 AlgoritmoLogica Algoritmo 02 Algoritmo
Logica Algoritmo 02 Algoritmo
Regis Magalhães
 
Fundamentos da Programação PHP OO - Aula 2
Fundamentos da Programação PHP OO - Aula 2Fundamentos da Programação PHP OO - Aula 2
Fundamentos da Programação PHP OO - Aula 2
Thyago Maia
 
String
StringString
Programação orientada a objetos – III
Programação orientada a objetos – IIIProgramação orientada a objetos – III
Programação orientada a objetos – III
Gabriel Faustino
 
Java básico - Módulo 08 - Introdução à programação orientada à objetos oo - c...
Java básico - Módulo 08 - Introdução à programação orientada à objetos oo - c...Java básico - Módulo 08 - Introdução à programação orientada à objetos oo - c...
Java básico - Módulo 08 - Introdução à programação orientada à objetos oo - c...
Professor Samuel Ribeiro
 
SCJA
SCJASCJA

Semelhante a Desenvolvimento de Software (20)

Programação Defensiva
Programação DefensivaProgramação Defensiva
Programação Defensiva
 
Excecoes
ExcecoesExcecoes
Excecoes
 
Minicurso Ruby on Rails Dextra
Minicurso Ruby on Rails DextraMinicurso Ruby on Rails Dextra
Minicurso Ruby on Rails Dextra
 
Guia Rápido de Referência Java
Guia Rápido de Referência JavaGuia Rápido de Referência Java
Guia Rápido de Referência Java
 
Programação Orientada á Objeto - Paradigmas e Implementação
Programação Orientada á Objeto - Paradigmas e ImplementaçãoProgramação Orientada á Objeto - Paradigmas e Implementação
Programação Orientada á Objeto - Paradigmas e Implementação
 
Linguagens Poo
Linguagens PooLinguagens Poo
Linguagens Poo
 
Curso Java Básico - Aula 03
Curso Java Básico - Aula 03Curso Java Básico - Aula 03
Curso Java Básico - Aula 03
 
Action script1 apresentação2
Action script1 apresentação2Action script1 apresentação2
Action script1 apresentação2
 
POO - Unidade 1 (complementar) - Introdução a Java e UML (versão draft 01)
POO -  Unidade 1 (complementar) - Introdução a Java e UML (versão draft 01)POO -  Unidade 1 (complementar) - Introdução a Java e UML (versão draft 01)
POO - Unidade 1 (complementar) - Introdução a Java e UML (versão draft 01)
 
Paradigma orientado a objetos - Caso de Estudo C++
Paradigma orientado a objetos - Caso de Estudo C++Paradigma orientado a objetos - Caso de Estudo C++
Paradigma orientado a objetos - Caso de Estudo C++
 
Java e orientação a objetos - aula 01
Java e orientação a objetos - aula 01Java e orientação a objetos - aula 01
Java e orientação a objetos - aula 01
 
Lambda Expressions
Lambda ExpressionsLambda Expressions
Lambda Expressions
 
TDD (Resumo)
TDD (Resumo)TDD (Resumo)
TDD (Resumo)
 
Aula 1 - Linguagem III
Aula 1 - Linguagem IIIAula 1 - Linguagem III
Aula 1 - Linguagem III
 
Logica Algoritmo 02 Algoritmo
Logica Algoritmo 02 AlgoritmoLogica Algoritmo 02 Algoritmo
Logica Algoritmo 02 Algoritmo
 
Fundamentos da Programação PHP OO - Aula 2
Fundamentos da Programação PHP OO - Aula 2Fundamentos da Programação PHP OO - Aula 2
Fundamentos da Programação PHP OO - Aula 2
 
String
StringString
String
 
Programação orientada a objetos – III
Programação orientada a objetos – IIIProgramação orientada a objetos – III
Programação orientada a objetos – III
 
Java básico - Módulo 08 - Introdução à programação orientada à objetos oo - c...
Java básico - Módulo 08 - Introdução à programação orientada à objetos oo - c...Java básico - Módulo 08 - Introdução à programação orientada à objetos oo - c...
Java básico - Módulo 08 - Introdução à programação orientada à objetos oo - c...
 
SCJA
SCJASCJA
SCJA
 

Mais de Vagner Santana

Introdução à Engenharia de Requisitos e RUP
Introdução à Engenharia de Requisitos e RUPIntrodução à Engenharia de Requisitos e RUP
Introdução à Engenharia de Requisitos e RUP
Vagner Santana
 
MCPL2013 - Social network analyses in organizations: challenges and approache...
MCPL2013 - Social network analyses in organizations: challenges and approache...MCPL2013 - Social network analyses in organizations: challenges and approache...
MCPL2013 - Social network analyses in organizations: challenges and approache...
Vagner Santana
 
W4A2013 - Firefixia: An Accessibility Web Browser Customization Toolbar for P...
W4A2013 - Firefixia: An Accessibility Web Browser Customization Toolbar for P...W4A2013 - Firefixia: An Accessibility Web Browser Customization Toolbar for P...
W4A2013 - Firefixia: An Accessibility Web Browser Customization Toolbar for P...
Vagner Santana
 
W4A2013 - Web Accessibility Snapshot: An Effort to Reveal Coding Guidelines C...
W4A2013 - Web Accessibility Snapshot: An Effort to Reveal Coding Guidelines C...W4A2013 - Web Accessibility Snapshot: An Effort to Reveal Coding Guidelines C...
W4A2013 - Web Accessibility Snapshot: An Effort to Reveal Coding Guidelines C...
Vagner Santana
 
WWW/Internet 2011 - A Framework for Web 2.0 Secure Widgets
WWW/Internet 2011 - A Framework for Web 2.0 Secure WidgetsWWW/Internet 2011 - A Framework for Web 2.0 Secure Widgets
WWW/Internet 2011 - A Framework for Web 2.0 Secure Widgets
Vagner Santana
 
IHC 2010 - Bringing Users of a Digital Divide Context to Website Evaluation U...
IHC 2010 - Bringing Users of a Digital Divide Context to Website Evaluation U...IHC 2010 - Bringing Users of a Digital Divide Context to Website Evaluation U...
IHC 2010 - Bringing Users of a Digital Divide Context to Website Evaluation U...
Vagner Santana
 
IHC 2010 - Competição de avaliação
IHC 2010 - Competição de avaliaçãoIHC 2010 - Competição de avaliação
IHC 2010 - Competição de avaliação
Vagner Santana
 
Acessibilidade web
Acessibilidade webAcessibilidade web
Acessibilidade web
Vagner Santana
 
SEMISH 2009 - Redes Sociais Online
SEMISH 2009 - Redes Sociais OnlineSEMISH 2009 - Redes Sociais Online
SEMISH 2009 - Redes Sociais Online
Vagner Santana
 
ICEIS 2012 - VISUALIZING USER INTERFACE EVENTS: Event Stream Summarization th...
ICEIS 2012 - VISUALIZING USER INTERFACE EVENTS: Event Stream Summarization th...ICEIS 2012 - VISUALIZING USER INTERFACE EVENTS: Event Stream Summarization th...
ICEIS 2012 - VISUALIZING USER INTERFACE EVENTS: Event Stream Summarization th...
Vagner Santana
 
Padrões de Projeto
Padrões de ProjetoPadrões de Projeto
Padrões de Projeto
Vagner Santana
 
Padrões Arquiteturais de Sistemas
Padrões Arquiteturais de SistemasPadrões Arquiteturais de Sistemas
Padrões Arquiteturais de Sistemas
Vagner Santana
 
W4A 2012 - Vagner Santana
W4A 2012 - Vagner SantanaW4A 2012 - Vagner Santana
W4A 2012 - Vagner Santana
Vagner Santana
 

Mais de Vagner Santana (13)

Introdução à Engenharia de Requisitos e RUP
Introdução à Engenharia de Requisitos e RUPIntrodução à Engenharia de Requisitos e RUP
Introdução à Engenharia de Requisitos e RUP
 
MCPL2013 - Social network analyses in organizations: challenges and approache...
MCPL2013 - Social network analyses in organizations: challenges and approache...MCPL2013 - Social network analyses in organizations: challenges and approache...
MCPL2013 - Social network analyses in organizations: challenges and approache...
 
W4A2013 - Firefixia: An Accessibility Web Browser Customization Toolbar for P...
W4A2013 - Firefixia: An Accessibility Web Browser Customization Toolbar for P...W4A2013 - Firefixia: An Accessibility Web Browser Customization Toolbar for P...
W4A2013 - Firefixia: An Accessibility Web Browser Customization Toolbar for P...
 
W4A2013 - Web Accessibility Snapshot: An Effort to Reveal Coding Guidelines C...
W4A2013 - Web Accessibility Snapshot: An Effort to Reveal Coding Guidelines C...W4A2013 - Web Accessibility Snapshot: An Effort to Reveal Coding Guidelines C...
W4A2013 - Web Accessibility Snapshot: An Effort to Reveal Coding Guidelines C...
 
WWW/Internet 2011 - A Framework for Web 2.0 Secure Widgets
WWW/Internet 2011 - A Framework for Web 2.0 Secure WidgetsWWW/Internet 2011 - A Framework for Web 2.0 Secure Widgets
WWW/Internet 2011 - A Framework for Web 2.0 Secure Widgets
 
IHC 2010 - Bringing Users of a Digital Divide Context to Website Evaluation U...
IHC 2010 - Bringing Users of a Digital Divide Context to Website Evaluation U...IHC 2010 - Bringing Users of a Digital Divide Context to Website Evaluation U...
IHC 2010 - Bringing Users of a Digital Divide Context to Website Evaluation U...
 
IHC 2010 - Competição de avaliação
IHC 2010 - Competição de avaliaçãoIHC 2010 - Competição de avaliação
IHC 2010 - Competição de avaliação
 
Acessibilidade web
Acessibilidade webAcessibilidade web
Acessibilidade web
 
SEMISH 2009 - Redes Sociais Online
SEMISH 2009 - Redes Sociais OnlineSEMISH 2009 - Redes Sociais Online
SEMISH 2009 - Redes Sociais Online
 
ICEIS 2012 - VISUALIZING USER INTERFACE EVENTS: Event Stream Summarization th...
ICEIS 2012 - VISUALIZING USER INTERFACE EVENTS: Event Stream Summarization th...ICEIS 2012 - VISUALIZING USER INTERFACE EVENTS: Event Stream Summarization th...
ICEIS 2012 - VISUALIZING USER INTERFACE EVENTS: Event Stream Summarization th...
 
Padrões de Projeto
Padrões de ProjetoPadrões de Projeto
Padrões de Projeto
 
Padrões Arquiteturais de Sistemas
Padrões Arquiteturais de SistemasPadrões Arquiteturais de Sistemas
Padrões Arquiteturais de Sistemas
 
W4A 2012 - Vagner Santana
W4A 2012 - Vagner SantanaW4A 2012 - Vagner Santana
W4A 2012 - Vagner Santana
 

Último

Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Falcão Brasil
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
Maria das Graças Machado Rodrigues
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
ProfessoraSilmaraArg
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
luggio9854
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 

Desenvolvimento de Software

  • 1. 1 Desenvolvimento de Software (2011) Especialização em Projeto e Desenvolvimento de Sistemas PhD Vagner Figueredo de Santana
  • 2. 2 Objetivo da disciplina  Desenvolver software básico (em Java)  Utilizando boas práticas de programação
  • 3. 3 Conteúdo programático  Implementação de conceitos de Orientação a Objetos (OO)  Desenvolvimento de soluções computacionais stand-alone (em Java)
  • 4. 4 Avaliação  Um projeto  Grupo de até 4 pessoas  Conceitos possíveis: A, B, C e R  Compõem o conceito  Apresentação  Código  Enviar projeto por email até a data de apresentação
  • 5. 5 Avaliação - Apresentação  Tempo (25 min. no máximo)  Utilização dos termos de OO discutidos  Clareza e didática da apresentação  Legibilidade  Carga de trabalho dos componentes do grupo
  • 6. 6 Avaliação - Código  Estrutura/modelagem/arquitetura do trabalho  Clareza, legibilidade do código e documentação  Manipulação de exceções  Interface de usuário  Carga de trabalho dos componentes do grupo
  • 7. 7 Introdução  A linguagem que utilizamos influencia a maneira como vemos o mundo  A linguagem de programação usada para resolver um problema vai influenciar na solução usada
  • 8. 8 Introdução  Orientação a Objetos (OO) também é um paradigma de programação  ... mas o que é paradigma?
  • 9. 9 Paradigma de programação  Conceitualizar:  ... o que significa computar  ... construção e organização de tarefas  ... como tarefas são executadas por um computador
  • 10. 10 Programação Orientada a Objetos  O que é uma linguagem de programação orientada a objetos?
  • 11. 11 Programação Orientada a Objetos  É mais do que incluir coisas em uma linguagem de programação  POO é uma forma de pensar em como decompor problemas e resolvê-los computacionalmente  ... mas POO é melhor que as outras?
  • 12. 12 Um pouco de história  Conjectura/Hipótese de Alonzo Church, 1960s  Qualquer função computável pode ser processada por uma Máquina de Turing  Prova de Böhm, 1966  Uma Máquina de Turing pode ser emulada por qualquer linguagem de programação que conte, no mínimo, com um condicional (e.g., if) e um laço (e.g., for)
  • 13. 13 Por quê POO?  POO facilita a resolução de problemas e gerenciamento de grandes projetos de software  Escala bem  Tem foco na reutilização de componentes  É baseada em uma metáfora (Qual?)  ... mas POO não é mágica
  • 14. 14 Objeto  Conta com:  Dados (i.e., attributos)  Operações (i.e., métodos)  Tudo é objeto!  Atributos: “Memória” dos objetos e também são objetos  Métodos: Algoritmos ou conjunto de operações para uma dada requisição
  • 15. 15 Classe  Categoria que representa um grupo de objetos similares
  • 16. 16 Instância  Objeto que representa uma classe  Um exemplar da classe
  • 17. 17 Programas que seguem OO são:  Organizados como objetos que interagem entre si  Cada um oferecendo um conjunto de métodos para outros objetos  Usando solicitações para que objetos alterem seus próprios dados
  • 18. 18 Tríade  Herança  Organização em que atributos e métodos são automaticamente disponibilizadas para qualquer descendente  Em outras palavras: agrupa invariantes  Encapsulamento  Proteção dos atributos e métodos  Polimorfismo  Existência de um nome (e.g., métodos, classes) e vários significados (i.e., funcionalidades)
  • 19. 19 Em suma...  Não pergunte o que pode fazer com suas estruturas de dados  Pergunte o que suas estruturas de dados pode fazer para você
  • 20. 20 Abstração em OO  Suprimir/esconder propositalmente detalhes de um processo para destacar outros detalhes.  ... mas como encontrar o nível certo de abstração?
  • 21. 21 Abstração em OO  Como gerar novos tipos?  Composição:  Combinar tipos primitivo e/ou customizados para criar outros tipos de dados customizados  Tipos de dados abstratos
  • 23. 23 Java – Classe class People{ private String name; public People(String n){ setName(n); } public String getName(){ return name; } public void setName(String n){ name=n; }
  • 24. 24 Java – Herança class Employee extends People{ private Double salary; ... public Double getSalary(){ return salary; } public void setSalary(Double s){ salary=s; } }
  • 25. 25 Java – Polimorfismo class FreeLancer extends Employee{ private Double hoursPerMonth; private Double salaryPerHour; ... // Setters & getters public void setSalary(Double h, Double s){ salary=h*s; } public void setSalary(String s){ try{ String[] temp=s.split("/"); salary=Double.parseDouble(temp[0])* Double.parseDouble(temp[1]); } ...
  • 26. 26 Exercício pra entregar  Proposta de projeto  Indicar  Classes  Atributos  Métodos  Herança  Encapsulamento  Polimorfismo
  • 27. 27 Exemplo  Vamos trabalhar na modelagem de um jogo conhecido usando OO  Sugestões  Banco Imobiliário  Mario Kart  Truco  Bilhar  ...
  • 28. 28 Java – Visão geral da sintaxe  { } delimitam grupos de comandos  ; finaliza comando  // comentário de linha  /* */ comentário de bloco
  • 29. 29 Java – Visão geral da sintaxe  Operadores  ==, !=, <=, >=, <, >  +, -,*, /, %
  • 30. 30 Java – Tipos  Alguns tipos primitivos  int  long  boolean  double  char
  • 31. 31 Java – Tipos  Alguns objetos  Integer  Boolean  Double  String
  • 32. 32 Java – Arrays  Sequência de valores de tamanho fixo  Pode ser de tipos primitivos ou objetos  int[ ] values;  String[ ] description;  Para criar arrays  description = new String[10] ;  Operações  description[0] == “Testing 1, 2, 3” ; // atribui  System.out.println( description[0] ); // recupera
  • 33. 33 Interface  Não pode ser instanciada  Define os métodos que as subclasses devem implementar  Não contém implementação
  • 34. 34 Classe Abstrata  Também não pode ser instanciada  Mas pode conter implementação de métodos  Para serem instanciadas as subclasses devem sobrescrever os métodos abstrados
  • 35. 35 Herança múltipla  Em Java a herança múltipla pode ser implementada combinando interfaces  Herança de implementação apenas pode ocorrer de uma classe
  • 36. 36 Java – Tipagem estática  Dinâmico  Conhecido ou feito enquanto o programa roda  Estático  Conhecido ou feito antes do programa rodar  Dar preferência ao estático ajuda a identificar bugs mais rapidamente
  • 37. 37 Polimorfismo Overloading  Sobrecarga  Métodos sobrecarregados têm o mesmo nome  Mas diferentes argumentos  Seja pelo tipo ou pelo número de argumentos
  • 38. 38 Polimorfismo Overloading public void setSalary(Double s){ salary = s; } public void setSalary(Double h, Double s) { salary = h * s ; } public void setSalary(String s){ try{ salary = Double.parseDouble( s );} catch( NumberFormatException nfe ){...} }
  • 39. 39 Polimorfismo Overriding  Sobrescrita  Um novo corpo é dado para método herdado  Para chamar a implementação da superclasse basta utiliza  super.nomeDoMétodo( ... );
  • 40. 40 Polimorfismo Overloading vs. Overriding  Não confunda Overloading ...  Métodos na mesma classe com mesmo nome, mas com argumentos diferentes  ... com Overriding  Métodos implementados na superclasse e na sua subclasse, com mesmos nome e argumentos  Uma forma de evitar overriding é usar final
  • 41. 41 Campos e métodos estáticos  Ao declarar campos/métodos como estáticos eles são associados à classe e não ao objeto  Ele tem um valor apenas para todo o programa  Constantes normalmente usam static e final  public static final PI = 3.14159;
  • 42. 42 Criando pacotes  Basta utilizar a palavra package antes da definição da classe // No arquivo Card.java package br.mackenzie.pds2011.monopoly.model; abstract class Card{ ...
  • 43. 43 Utilizando pacotes  Organizam classes  java.net.URL  No código, basta inserir no início  import java.net.URL;  No sistema de arquivos, os pacotes são diretórios  Seguem estrutura inversa de domínio  br.com.[domínio].[aplicação].[componente].[Classe]  br.com.exemplo.monopoly.model.Card
  • 44. 44 Exceções  São condições anormais de retorno de um método  Exceções também são objetos
  • 45. 45 Exceções  try – Conta com os comandos, então se há um problema, o fluxo vai para a sequência de catch  catch – “Pega” a exceção, então é possível fazer algo pra solucionar o problema  finally – Sempre é executado ao final do bloco; normalmente para liberação de recursos
  • 46. 46 Exceções  Funcionamento básico  try executa código que pode disparar um exceção  Se uma exceção ocorre, então o fluxo do programa é desviado e um tratador (catch) é procurado  Note que tudo do bloco try expira  O primeiro tratador (catch) adequado (em que o parâmetro combinar com a exceção) é executado  Então o fluxo de execução é desviado para o finally
  • 47. 47 Exceções ... public String exemplo(){ ... try{ ... } catch( [exceção mais específica] e1 ){ ... } catch( [exceção menos específica] e2 ){ ... } finally{ ... } } ...
  • 48. 48 Disparando exceções  O comando throw dispara uma exceção  Quando ocorre em um método, em vez de retornar um valor, uma exceção é disparada  Se uma exceção não é listada no comando throws, o compilador indica que deve ser capturada com try/catch ou declarada (throws)  Se seu método chamar métodos que disparam (throws) exceções, elas devem ser capturadas ou disparadas no seu método  Requisito catch-or-declare
  • 49. 49 Disparando exceções ... public String exemplo2() throws TipoDeExeção1, TipoDeExceção2{ ... // caso específico throw new TipoDeExceção1(); ... // outro caso específico throw new TipoDeExceção2(); } ...
  • 50. 50 Type Casting  Muda o tipo do objeto declarado em tempo de execução, mas não afeta o tipo do objeto em si  É diferente de coerção de tipos primitivos  Coerção produz um valor diferente em tempo de execução  (int)0.5 resulta no valor 0
  • 51. 51 Generics  Em alguns casos, definir tipos de objetos no código pode reduzir as possibilidades de reuso  Generics possibilita parametrizar tipos  Deixa o código mais estável  Possibilita verificações de tipos em tempo de compilação  Muito usado em Collections como List e Map  Note que não funciona com tipos primitivos
  • 52. 52 Generics public class Box { private Object object; public void add(Object object) { this.object = object; } public Object get() { return object; } } Fonte: Oracle – The Java Tutorials – Learning the Java Language
  • 53. 53 Generics public class BoxDemo1 { public static void main(String[] args) { // ONLY place Integer objects //into this box! Box integerBox = new Box(); integerBox.add(new Integer(10)); Integer someInteger = (Integer)integerBox.get(); System.out.println(someInteger); } } Fonte: Oracle – The Java Tutorials – Learning the Java Language
  • 54. 54 Generics public class BoxDemo1 { public static void main(String[] args) { // ONLY place Integer objects //into this box! Box integerBox = new Box(); integerBox.add(“10”); Integer someInteger = (Integer)integerBox.get(); System.out.println(someInteger); } } Fonte: Oracle – The Java Tutorials – Learning the Java Language
  • 55. 55 Generics public class Box<T> { private T t; // T stands for "Type“ public void add(T t) { this.t = t; } public T get() { return t; } } Fonte: Oracle – The Java Tutorials – Learning the Java Language
  • 56. 56 Generics public class BoxDemo3 { public static void main(String[] args) { Box<Integer> integerBox = new Box<Integer>(); integerBox.add(new Integer(10)); // no cast! Integer someInteger = integerBox.get(); System.out.println(someInteger); } } Fonte: Oracle – The Java Tutorials – Learning the Java Language
  • 57. 57 Generics  Pode ter mais de um identificador, mas devem ser diferentes  Exemplos:  List<T>  Box<T>  HashMap<K,V>  List<Box<T>>  List<Box<HashMap<K,V>>>
  • 58. 58 Generics  Convenções de nomenclatura:  E - Element (usado em Collections)  K - Key  N - Number  T - Type  V - Value
  • 59. 59 Generics  Há casos em que desejamos restringir os tipos passados como parâmetro  Nesses casos podemos usar bounded type parameters  Exemplo: Box<T extends Number>;  Note que extends aqui se refere tanto a classes quanto a interfaces  Para indicar a implementação de interfaces basta concatenar usando &  Exemplo: Box<T extends Number & MyInterface>
  • 60. 60 Generics  Relembrando o exemplo do Banco Imobiliário
  • 61. 61 Generics // Declaração sem Generics Private HashMap cards; ... // Caso 1 – Propenso a erros Card c = cards.get( “Copacabana” ) ; ... // Caso 2 – Pouco elegante Card c = (Card)cards.get( “Copacabana” ) ; ...
  • 62. 62 Generics // Declaração com Generics! private HashMap <String, T extends Card> cards; ... // Caso 3 – Elegante e evita erros Card c = cards.get( “Copacabana” ) ; ...
  • 63. 63 Concorrência  Onde encontramos tarefas concorrentes?  Java foi projetado para suportar concorrência  Em programação concorrente temos duas unidades básicas de execução:  Processos  Threads  Note que concorrência é possível mesmo em sistemas com um processador
  • 64. 64 Processos e threads  Processo  Ambiente auto contido de execução  Conta com seu espaço em memória  Thread  Existe dentro do processo  Compartilha recursos do processo  Eficiente, mas comunicação é complexa  Toda aplicação tem ao menos uma thread
  • 65. 65 Threads  Uma das formas de criar uma aplicação concorrente é controlar  Criação e gerenciamento de threads  Instanciação de threads para tarefas assíncronas  A aplicação que cria uma thread precisa fornecer o código que vai rodar na thread
  • 66. 66 Threads  Duas formas de instanciar threads:  Runnable object  A interface Runnable define o método que deve ter o código a ser executado na thread – run  O objeto Runnable é passado para o construtor da Thread
  • 67. 67 Threads public class HelloRunnable implements Runnable { public void run() { System.out.println("Hello from a thread!"); } public static void main(String args[]) { (new Thread(new HelloRunnable())).start(); } }
  • 68. 68 Threads  Duas formas de instanciar threads:  Estender a classe Thread  Thread implementa Runnable  Ao estender a classe Thread, basta fornecer a implementação do método run()
  • 69. 69 Threads public class HelloThread extends Thread { public void run() { System.out.println("Hello from a thread!"); } public static void main(String args[]) { (new HelloThread()).start(); } }
  • 70. 70 Threads  Toda thread tem uma prioridade entre  Thread.MIN_PRIORITY  Thread.MAX_PRIORITY  Cada nova thread herda a prioridade do objeto que a criou  O rodízio de execução entre as threads pode ocorrer com ou sem fracionamento de tempo (i.e., que usam quantum)
  • 72. 72 Ciclo de vida da thread
  • 73. 73 Como controlar concorrência em métodos?  Métodos sincronizados  Threads chamando o mesmo método ficam bloqueadas até que a execução seja terminada  Para tornar um método sincronizado, basta adicionar sinchronized  ... public synchronized int getX(){ return x ; } ...
  • 74. 74 Exercício  Discutam em grupo como resolveriam o problema de concorrência ao usar o padrão GoF Singleton  Identifique no projeto locais em que threads poderiam ser utilizadaS
  • 75. 75 Referências  Java: Como programar – Deitel e Deitel  The Java Tutorials - Learning the Java Language http://download.oracle.com/javase/tutorial/java/ TOC.html  MIT Open Course – Elements of Software Construction http://ocw.mit.edu/courses/electrical- engineering-and-computer-science/6-005- elements-of-software-construction-fall-2008/  Oracle Java Tutorials – Concurrency http://docs.oracle.com/javase/tutorial/essential/ concurrency/index.html