SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 28
Baixar para ler offline
Instituto Federal de Educação Ciências e Tecnologia – IFCE – Sobral
Eixo de Controle e Processos Industriais
Curso: Tecnologia em Mecatrônica Industrial
Disciplina: Desenho Técnico e Mecânico

Projeção ortográfica

Prof. Edson Frota Pessoa
Introdução

Desenho técnico mecânico

A projeção ortográfica é uma forma de representar graficamente objetos tridimensionais em
superfícies planas, de modo a transmitir suas características com precisão e demonstrar sua
verdadeira grandeza.
Para entender como é feita a projeção ortográfica é preciso conhecer três elementos: o modelo,
o observador e o plano de projeção.

Modelo
É o objeto a ser representado em projeção ortográfica. Qualquer objeto pode ser tomado como
modelo: uma figura geométrica, um sólido geométrico, uma peça de máquina, etc.
Introdução

Desenho técnico mecânico

Modelo
geralmente é representado em posição que mostre a maior parte de seus elementos.
Quando o modelo faz parte de um conjunto mecânico, ele vem representado na posição que
ocupa no conjunto.

União de eixos (conjunto)

União de eixos (componentes)
Introdução
Observador
É a pessoa que vê, analisa, imagina ou desenha o modelo.
Para representar o modelo em projeção ortográfica,
cuidadosamente em várias posições.

Desenho técnico mecânico

o observador deve analisá-lo
Desenho técnico mecânico

Introdução

 Plano de projeção
É a superfície onde se projeta o modelo. A tela de cinema é um bom exemplo de plano de
projeção.

Em desenho técnico usamos dois planos básicos para representar as projeções de modelos: um
plano vertical e um plano horizontal que se cortam perpendicularmente.
Esses dois planos, perpendiculares entre si, dividem o espaço em quatro regiões chamadas
diedros.
SPVS
SPVI
SPHA
SPVP

semi-plano vertical superior
semi-plano vertical inferior
semi-plano horizontal anterior
semi-plano horizontal posterior
Diedros

Desenho técnico mecânico

 Diedros
Cada diedro é a região limitada por dois semi-planos perpendiculares entre si. Os diedros são
numerados no sentido anti-horário, isto é, no sentido contrário ao do movimento dos ponteiros do
relógio.

O método de representação de objetos em dois semi-planos perpendiculares entre si, criado por
Gaspar Monge, é também conhecido como método mongeano.
A maioria dos países que utilizam o método mongeano adotam a projeção ortográfica no 1o
diedro. No Brasil, a ABNT recomenda a representação no 1o diedro.
Entretanto, alguns países, como por exemplo os Estados Unidos e o Canadá, representam seus
desenhos técnicos no 3o diedro.
Desenho técnico mecânico

Diedros

O símbolo abaixo indica que o desenho técnico está representado no 1o diedro (aparece no
canto inferior direito da folha de papel dos desenhos técnicos, dentro da legenda).

1º diedro

3º diedro

Para simplificar o entendimento da projeção ortográfica passaremos a representar apenas o 1o
diedro
Projeção ortográfica

Desenho técnico mecânico

Projeção ortográfica do ponto
Imagine um plano vertical e um ponto A não pertencente a esse plano, observados na direção
indicada pela seta, como mostra a figura a seguir
Traçando uma perpendicular do ponto A até o plano, o ponto A1 - onde a perpendicular encontra
o plano - é a projeção do ponto A.
Projeção ortográfica

Desenho técnico mecânico

Projeção ortográfica do segmento de reta
Imagine um segmento de reta AB, paralelo a um plano vertical, observado na direção indicada
pela seta, como mostra a figura a seguir.
Traçando duas linhas projetantes a partir das extremidades do segmento, os pontos A e B
ficarão determinados, no plano vertical, pelos pontos A1 e B1. Unindo estes últimos pontos,
temos o segmento A1B1, que representa a projeção do segmento AB.

A projeção ortográfica de um segmento paralelo a um plano de projeção é sempre um
segmento que tem a mesma medida do segmento tomado como modelo.
Neste caso, a projeção ortográfica representa o modelo em verdadeira grandeza, ou seja,
sem deformação.
Projeção ortográfica

Desenho técnico mecânico

Projeção ortográfica do segmento de reta
Segmento de reta oblíquo em relação ao plano de projeção
Imagine um plano vertical e um segmento de reta AB, oblíquo em relação a esse plano.
Traçando as projetantes a partir das extremidades A e B, determinamos, no plano vertical, os
pontos A1 e B1. Unindo os pontos A1 e B1, obtemos o segmento A1B1, que representa a
projeção ortográfica do segmento AB.

O segmento A1B1 é menor que o segmento AB.
Isso ocorre porque a projeção de um segmento oblíquo a um plano de projeção é sempre um
segmento menor que o modelo.
Neste caso, a projeção ortográfica não representa a verdadeira grandeza do segmento que foi
usado como modelo.
Projeção ortográfica
Projeção ortográfica do segmento de reta
Quando o segmento AB é perpendicular ao
plano vertical, a projeção ortográfica de todos
os pontos do segmento é representada por um
único ponto.

projeção ortográfica de um retângulo plano
Quando a figura plana é paralela ao plano de
projeção sua projeção ortográfica é representada
em verdadeira grandeza.

Desenho técnico mecânico
Projeção ortográfica
projeção ortográfica de um retângulo oblíquo
Quando a figura plana é oblíqua ao plano de
projeção, sua projeção ortográfica não é
representada em verdadeira grandeza.

Pode acontecer, também, de a figura plana
ficar perpendicular ao plano de projeção.

Desenho técnico mecânico
Projeção ortográfica
projeção ortográfica de um modelo em três planos de projeção

Desenho técnico mecânico
Desenho técnico mecânico

Projeção ortográfica
Projeção ortográfica do prisma retangular no 1º diedro

Vista frontal

Vista Superior

Vista lateral

•a projeção do modelo no plano vertical dá origem à vista frontal;
•a projeção do modelo no plano horizontal dá origem à vista superior;
•a projeção do modelo no plano lateral dá origem à vista lateral esquerda.
Projeção ortográfica

Desenho técnico mecânico

Rebatimento dos planos de projeção

Em desenho técnico, as vistas devem ser mostradas em um único plano. Para tanto, usamos
um recurso que consiste no rebatimento dos planos de projeção horizontal e lateral.
Projeção ortográfica

Desenho técnico mecânico

Rebatimento dos planos de projeção

para rebater o plano horizontal,
imaginamos que ele sofre uma rotação
de 90º para baixo, em torno do eixo de
interseção com o plano vertical

para rebater o plano de projeção lateral
imaginamos que ele sofre uma rotação
de 90º, para a direita, em torno do eixo
de interseção com o plano vertical
Projeção ortográfica

Desenho técnico mecânico

Rebatimento dos planos de projeção
Planos rebatidos vistos de frente.

Em desenho técnico, não se representam as
linhas de interseção dos planos. Apenas os
contornos das projeções são mostrados. As linhas
projetantes auxiliares também são apagadas.

•a projeção A, representada no plano vertical, chama-se vista frontal;
•a projeção B, representada no plano horizontal, chama-se vista superior;
•a projeção C, que se encontra no plano lateral, chama-se vista lateral esquerda.
Projeção ortográfica

Desenho técnico mecânico

Perspectiva isométrica
Ao observar a representação de um modelo em perspectiva, você deverá ser capaz de imaginar
como são as vistas ortográficas do modelo.
Por outro lado, ao ver as vistas ortográficas de um modelo você deve ser capaz de identificar a
perspectiva que corresponde a estas vistas.
Projeção ortográfica

Desenho técnico mecânico

Perspectiva isométrica
Represente, à mão livre, as vistas frontal, superior e lateral das figuras abaixo:
Projeção ortográfica

Desenho técnico mecânico

Linha tracejada estreita
Dependendo da posição que o elemento ocupa no modelo, é necessário usar outro tipo de linha
para representá-lo.
Quando o elemento não é visível ao observador, ele deve ser representado pela linha para
arestas e contornos não visíveis, simbolizada por uma linha tracejada estreita.
Projeção ortográfica
Linha tracejada estreita

Desenho técnico mecânico
Projeção ortográfica
Linha tracejada estreita

Desenho técnico mecânico
Projeção ortográfica
Linha tracejada estreita

Desenho técnico mecânico
Desenho técnico mecânico

Projeção ortográfica

Projeção ortográfica de modelos com elementos paralelos e oblíquos

Vista frontal
todas as arestas visíveis são representadas em verdadeira
grandeza na vista frontal.
Desenho técnico mecânico

Projeção ortográfica

Projeção ortográfica de modelos com elementos paralelos e oblíquos

Vista superior
A face A do modelo é formada por um retângulo oblíquo ao
plano horizontal. Por essa razão, a projeção de A na vista
superior não aparece representada em verdadeira grandeza.
Desenho técnico mecânico

Projeção ortográfica

Projeção ortográfica de modelos com elementos paralelos e oblíquos
Vista lateral
A face A também ocupa uma posição oblíqua em relação ao
plano de projeção lateral. Assim sendo, a vista lateral
também não reproduz A em verdadeira grandeza.

O rebaixo e o chanfro estão localizados na mesma altura em relação à base do modelo. A
projeção da aresta do chanfro coincide com a projeção da aresta do rebaixo. Neste caso,
apenas a aresta visível é representada.
Projeção ortográfica

Desenho técnico mecânico

Projeção ortográfica de modelos com elementos paralelos e oblíquos
Represente, à mão livre, as vistas frontal, superior e lateral das figuras abaixo:
Projeção ortográfica

Desenho técnico mecânico

Projeção ortográfica de modelos com elementos paralelos e oblíquos
Represente, à mão livre, as vistas frontal, superior e lateral das figuras abaixo:

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Caderno exercícios desenho_tecnico
Caderno exercícios desenho_tecnicoCaderno exercícios desenho_tecnico
Caderno exercícios desenho_tecnico
MarceloJMF
 
Aula 10 sistemas de projeções ortogonais
Aula 10   sistemas de projeções ortogonaisAula 10   sistemas de projeções ortogonais
Aula 10 sistemas de projeções ortogonais
Alyne Silva Lima
 
Curso desenho técnico
Curso   desenho técnicoCurso   desenho técnico
Curso desenho técnico
Heromo
 
Aula 5 - Projeções Ortogonais
Aula 5 - Projeções OrtogonaisAula 5 - Projeções Ortogonais
Aula 5 - Projeções Ortogonais
Gutierry Prates
 
Projeções ortogonais
Projeções ortogonaisProjeções ortogonais
Projeções ortogonais
Ellen Assad
 
Fundamentos do desenho técnico
Fundamentos do desenho técnicoFundamentos do desenho técnico
Fundamentos do desenho técnico
leobispo28
 
Caderno exercícios desenho_tecnico 3
Caderno exercícios desenho_tecnico 3Caderno exercícios desenho_tecnico 3
Caderno exercícios desenho_tecnico 3
Heromo
 
DESENHO TECNICO CORTE
DESENHO TECNICO CORTEDESENHO TECNICO CORTE
DESENHO TECNICO CORTE
ordenaelbass
 
Desenho t+®cnico parte 2
Desenho t+®cnico parte 2Desenho t+®cnico parte 2
Desenho t+®cnico parte 2
Luciano Otavio
 
desenho aula 5
desenho aula 5desenho aula 5
desenho aula 5
bluesky659
 

Mais procurados (20)

Caderno exercícios desenho_tecnico
Caderno exercícios desenho_tecnicoCaderno exercícios desenho_tecnico
Caderno exercícios desenho_tecnico
 
Aula 10 sistemas de projeções ortogonais
Aula 10   sistemas de projeções ortogonaisAula 10   sistemas de projeções ortogonais
Aula 10 sistemas de projeções ortogonais
 
Curso desenho técnico
Curso   desenho técnicoCurso   desenho técnico
Curso desenho técnico
 
Aula 5 - Projeções Ortogonais
Aula 5 - Projeções OrtogonaisAula 5 - Projeções Ortogonais
Aula 5 - Projeções Ortogonais
 
Desenho técnico 1
Desenho técnico 1Desenho técnico 1
Desenho técnico 1
 
1.desenho projetivo e_perspectivas
1.desenho projetivo e_perspectivas1.desenho projetivo e_perspectivas
1.desenho projetivo e_perspectivas
 
DESENHO TÉCNICO MEIO CORTE
DESENHO TÉCNICO  MEIO CORTEDESENHO TÉCNICO  MEIO CORTE
DESENHO TÉCNICO MEIO CORTE
 
Projeções ortogonais
Projeções ortogonaisProjeções ortogonais
Projeções ortogonais
 
Fundamentos do desenho técnico
Fundamentos do desenho técnicoFundamentos do desenho técnico
Fundamentos do desenho técnico
 
DESENHO TÉCNICO CORTE PARCIAL
DESENHO TÉCNICO CORTE PARCIALDESENHO TÉCNICO CORTE PARCIAL
DESENHO TÉCNICO CORTE PARCIAL
 
Caderno exercícios desenho_tecnico 3
Caderno exercícios desenho_tecnico 3Caderno exercícios desenho_tecnico 3
Caderno exercícios desenho_tecnico 3
 
Apostila Rsolvida de desenho tecnico
Apostila Rsolvida de desenho tecnicoApostila Rsolvida de desenho tecnico
Apostila Rsolvida de desenho tecnico
 
DESENHO TECNICO CORTE
DESENHO TECNICO CORTEDESENHO TECNICO CORTE
DESENHO TECNICO CORTE
 
DESENHO TÉCNICO CORTE EM DESVIO
DESENHO TÉCNICO CORTE EM DESVIODESENHO TÉCNICO CORTE EM DESVIO
DESENHO TÉCNICO CORTE EM DESVIO
 
Desenho Geométrico e Técnico
Desenho Geométrico e TécnicoDesenho Geométrico e Técnico
Desenho Geométrico e Técnico
 
38083393 01-iniciacao-ao-desenho-tecnico-exercicios
38083393 01-iniciacao-ao-desenho-tecnico-exercicios38083393 01-iniciacao-ao-desenho-tecnico-exercicios
38083393 01-iniciacao-ao-desenho-tecnico-exercicios
 
Desenho t+®cnico parte 2
Desenho t+®cnico parte 2Desenho t+®cnico parte 2
Desenho t+®cnico parte 2
 
Desenho projetivo
Desenho projetivoDesenho projetivo
Desenho projetivo
 
desenho aula 5
desenho aula 5desenho aula 5
desenho aula 5
 
Interpretaçao de desenhos exercícios
Interpretaçao de desenhos   exercíciosInterpretaçao de desenhos   exercícios
Interpretaçao de desenhos exercícios
 

Semelhante a DESENHO TECNICO PROJEÇÃO ORTOGRAFICA

Aula 7 proj. ortografica b
Aula 7 proj. ortografica bAula 7 proj. ortografica b
Aula 7 proj. ortografica b
Lucas Barbosa
 
No desenho técnico, a perspectiva é uma técnica fundamental que permite repre...
No desenho técnico, a perspectiva é uma técnica fundamental que permite repre...No desenho técnico, a perspectiva é uma técnica fundamental que permite repre...
No desenho técnico, a perspectiva é uma técnica fundamental que permite repre...
2m Assessoria
 
No desenho técnico, a perspectiva é uma técnica fundamental que permite repre...
No desenho técnico, a perspectiva é uma técnica fundamental que permite repre...No desenho técnico, a perspectiva é uma técnica fundamental que permite repre...
No desenho técnico, a perspectiva é uma técnica fundamental que permite repre...
2m Assessoria
 
MAPA - DESENHO TÉCNICO -542023.pdf
MAPA - DESENHO TÉCNICO -542023.pdfMAPA - DESENHO TÉCNICO -542023.pdf
MAPA - DESENHO TÉCNICO -542023.pdf
2m Assessoria
 
Imagine-se como um arquiteto do mundo físico, traduzindo conceitos abstratos ...
Imagine-se como um arquiteto do mundo físico, traduzindo conceitos abstratos ...Imagine-se como um arquiteto do mundo físico, traduzindo conceitos abstratos ...
Imagine-se como um arquiteto do mundo físico, traduzindo conceitos abstratos ...
2m Assessoria
 
Antes de iniciarmos a jornada do desenho técnico, é importante compreender o ...
Antes de iniciarmos a jornada do desenho técnico, é importante compreender o ...Antes de iniciarmos a jornada do desenho técnico, é importante compreender o ...
Antes de iniciarmos a jornada do desenho técnico, é importante compreender o ...
2m Assessoria
 

Semelhante a DESENHO TECNICO PROJEÇÃO ORTOGRAFICA (20)

Projeção e vistas.pptx
Projeção e vistas.pptxProjeção e vistas.pptx
Projeção e vistas.pptx
 
Aula 7 proj. ortografica b
Aula 7 proj. ortografica bAula 7 proj. ortografica b
Aula 7 proj. ortografica b
 
Aula18
Aula18Aula18
Aula18
 
Aula 02
Aula 02Aula 02
Aula 02
 
Aula 2 - Projeções, vistas, diedros (2).pptx
Aula 2 - Projeções, vistas, diedros (2).pptxAula 2 - Projeções, vistas, diedros (2).pptx
Aula 2 - Projeções, vistas, diedros (2).pptx
 
Apostilacortesdimensionamento
ApostilacortesdimensionamentoApostilacortesdimensionamento
Apostilacortesdimensionamento
 
Desenho, metrologia e soldagem1a
Desenho, metrologia e soldagem1aDesenho, metrologia e soldagem1a
Desenho, metrologia e soldagem1a
 
Aula10
Aula10Aula10
Aula10
 
No desenho técnico, a perspectiva é uma técnica fundamental que permite repre...
No desenho técnico, a perspectiva é uma técnica fundamental que permite repre...No desenho técnico, a perspectiva é uma técnica fundamental que permite repre...
No desenho técnico, a perspectiva é uma técnica fundamental que permite repre...
 
No desenho técnico, a perspectiva é uma técnica fundamental que permite repre...
No desenho técnico, a perspectiva é uma técnica fundamental que permite repre...No desenho técnico, a perspectiva é uma técnica fundamental que permite repre...
No desenho técnico, a perspectiva é uma técnica fundamental que permite repre...
 
MAPA - DESENHO TÉCNICO -542023.pdf
MAPA - DESENHO TÉCNICO -542023.pdfMAPA - DESENHO TÉCNICO -542023.pdf
MAPA - DESENHO TÉCNICO -542023.pdf
 
Imagine-se como um arquiteto do mundo físico, traduzindo conceitos abstratos ...
Imagine-se como um arquiteto do mundo físico, traduzindo conceitos abstratos ...Imagine-se como um arquiteto do mundo físico, traduzindo conceitos abstratos ...
Imagine-se como um arquiteto do mundo físico, traduzindo conceitos abstratos ...
 
Antes de iniciarmos a jornada do desenho técnico, é importante compreender o ...
Antes de iniciarmos a jornada do desenho técnico, é importante compreender o ...Antes de iniciarmos a jornada do desenho técnico, é importante compreender o ...
Antes de iniciarmos a jornada do desenho técnico, é importante compreender o ...
 
MAPA - DESENHO TECNICO - 542023.pdf
MAPA - DESENHO TECNICO - 542023.pdfMAPA - DESENHO TECNICO - 542023.pdf
MAPA - DESENHO TECNICO - 542023.pdf
 
MAPA - DESENHO TECNICO.pdf
MAPA - DESENHO TECNICO.pdfMAPA - DESENHO TECNICO.pdf
MAPA - DESENHO TECNICO.pdf
 
MAPA - DESENHO TECNICO.pdf
MAPA - DESENHO TECNICO.pdfMAPA - DESENHO TECNICO.pdf
MAPA - DESENHO TECNICO.pdf
 
MAPA - DESENHO TECNICO - 542023.pdf
MAPA - DESENHO TECNICO - 542023.pdfMAPA - DESENHO TECNICO - 542023.pdf
MAPA - DESENHO TECNICO - 542023.pdf
 
MAPA - DESENHO TECNICO - 542023.pdf
MAPA - DESENHO TECNICO - 542023.pdfMAPA - DESENHO TECNICO - 542023.pdf
MAPA - DESENHO TECNICO - 542023.pdf
 
MAPA - DESENHO TECNICO.pdf
MAPA - DESENHO TECNICO.pdfMAPA - DESENHO TECNICO.pdf
MAPA - DESENHO TECNICO.pdf
 
MAPA - DESENHO TECNICO - 542023.pdf
MAPA - DESENHO TECNICO - 542023.pdfMAPA - DESENHO TECNICO - 542023.pdf
MAPA - DESENHO TECNICO - 542023.pdf
 

Mais de ordenaelbass

ELEMENTOS DE MÁQUINAS ELEMENTOS DE TRANSMISSÃO CABOS
ELEMENTOS DE MÁQUINAS ELEMENTOS DE TRANSMISSÃO CABOS ELEMENTOS DE MÁQUINAS ELEMENTOS DE TRANSMISSÃO CABOS
ELEMENTOS DE MÁQUINAS ELEMENTOS DE TRANSMISSÃO CABOS
ordenaelbass
 
CATÁLOGO DE RETENTORES
CATÁLOGO DE RETENTORESCATÁLOGO DE RETENTORES
CATÁLOGO DE RETENTORES
ordenaelbass
 
ELEMENTOS DE MAQUINAS ELEMENTOS DE TRANSMISSÃO introdução
ELEMENTOS DE MAQUINAS  ELEMENTOS DE TRANSMISSÃO introduçãoELEMENTOS DE MAQUINAS  ELEMENTOS DE TRANSMISSÃO introdução
ELEMENTOS DE MAQUINAS ELEMENTOS DE TRANSMISSÃO introdução
ordenaelbass
 
ELEMENTOS DE MAQUINAS Elementos de vedação gaxetas,retentores,o-rings,selos,etc
ELEMENTOS DE MAQUINAS Elementos de vedação gaxetas,retentores,o-rings,selos,etcELEMENTOS DE MAQUINAS Elementos de vedação gaxetas,retentores,o-rings,selos,etc
ELEMENTOS DE MAQUINAS Elementos de vedação gaxetas,retentores,o-rings,selos,etc
ordenaelbass
 
ELEMENTOS DE MAQUINAS ELEMENTOS ELÁSTICOS, MOLAS
ELEMENTOS DE MAQUINAS ELEMENTOS ELÁSTICOS, MOLASELEMENTOS DE MAQUINAS ELEMENTOS ELÁSTICOS, MOLAS
ELEMENTOS DE MAQUINAS ELEMENTOS ELÁSTICOS, MOLAS
ordenaelbass
 
Elementos de maquinas, pinos, contra-pinos, cavilhas, anel elástico
Elementos de maquinas, pinos, contra-pinos, cavilhas, anel elásticoElementos de maquinas, pinos, contra-pinos, cavilhas, anel elástico
Elementos de maquinas, pinos, contra-pinos, cavilhas, anel elástico
ordenaelbass
 
ELEMENTOS DE MAQUINAS ARRUELAS
ELEMENTOS DE MAQUINAS ARRUELASELEMENTOS DE MAQUINAS ARRUELAS
ELEMENTOS DE MAQUINAS ARRUELAS
ordenaelbass
 
ELEMENTOS DE MAQUINAS PARAFUSOS E PORCAS
ELEMENTOS DE MAQUINAS PARAFUSOS E PORCASELEMENTOS DE MAQUINAS PARAFUSOS E PORCAS
ELEMENTOS DE MAQUINAS PARAFUSOS E PORCAS
ordenaelbass
 
ELEMENTOS DE MAQUINAS REBITES
ELEMENTOS DE MAQUINAS REBITESELEMENTOS DE MAQUINAS REBITES
ELEMENTOS DE MAQUINAS REBITES
ordenaelbass
 
ELEMENTOS DE MAQUINAS INTRTODUÇÃO
ELEMENTOS DE MAQUINAS INTRTODUÇÃOELEMENTOS DE MAQUINAS INTRTODUÇÃO
ELEMENTOS DE MAQUINAS INTRTODUÇÃO
ordenaelbass
 
APRESENTAÇÃO ELEMENTOS DE MAQUINAS
APRESENTAÇÃO ELEMENTOS DE MAQUINASAPRESENTAÇÃO ELEMENTOS DE MAQUINAS
APRESENTAÇÃO ELEMENTOS DE MAQUINAS
ordenaelbass
 

Mais de ordenaelbass (18)

DESENHO TÉCNICO HACHURAS
DESENHO TÉCNICO HACHURASDESENHO TÉCNICO HACHURAS
DESENHO TÉCNICO HACHURAS
 
DESENHO TÉCNICO NORMAS E PADROES
DESENHO TÉCNICO NORMAS E PADROESDESENHO TÉCNICO NORMAS E PADROES
DESENHO TÉCNICO NORMAS E PADROES
 
APOSTILA SENAI 3 AJUSTAGEM USINAGEM
APOSTILA SENAI 3 AJUSTAGEM USINAGEMAPOSTILA SENAI 3 AJUSTAGEM USINAGEM
APOSTILA SENAI 3 AJUSTAGEM USINAGEM
 
APOSTILA SENAI 2 AJUSTAGEM USINAGEM
APOSTILA SENAI 2 AJUSTAGEM USINAGEM APOSTILA SENAI 2 AJUSTAGEM USINAGEM
APOSTILA SENAI 2 AJUSTAGEM USINAGEM
 
APOSOTILA SENAI 1
APOSOTILA SENAI 1APOSOTILA SENAI 1
APOSOTILA SENAI 1
 
ELEMENTOS DE MÁQUINAS ELEMENTOS DE TRANSMISSÃO CAMES
ELEMENTOS DE MÁQUINAS ELEMENTOS DE TRANSMISSÃO CAMESELEMENTOS DE MÁQUINAS ELEMENTOS DE TRANSMISSÃO CAMES
ELEMENTOS DE MÁQUINAS ELEMENTOS DE TRANSMISSÃO CAMES
 
ELEMENTOS DE MAQUINAS ELEMENTOS DE TRANSMISSÃO ACOPLAMENTOS
ELEMENTOS DE MAQUINAS ELEMENTOS DE TRANSMISSÃO ACOPLAMENTOS ELEMENTOS DE MAQUINAS ELEMENTOS DE TRANSMISSÃO ACOPLAMENTOS
ELEMENTOS DE MAQUINAS ELEMENTOS DE TRANSMISSÃO ACOPLAMENTOS
 
ELEMENTOS DE MÁQUINAS ELEMENTOS DE TRANSMISSÃO CABOS
ELEMENTOS DE MÁQUINAS ELEMENTOS DE TRANSMISSÃO CABOS ELEMENTOS DE MÁQUINAS ELEMENTOS DE TRANSMISSÃO CABOS
ELEMENTOS DE MÁQUINAS ELEMENTOS DE TRANSMISSÃO CABOS
 
CATÁLOGO DE RETENTORES
CATÁLOGO DE RETENTORESCATÁLOGO DE RETENTORES
CATÁLOGO DE RETENTORES
 
ELEMENTOS DE MAQUINAS ELEMENTOS DE TRANSMISSÃO introdução
ELEMENTOS DE MAQUINAS  ELEMENTOS DE TRANSMISSÃO introduçãoELEMENTOS DE MAQUINAS  ELEMENTOS DE TRANSMISSÃO introdução
ELEMENTOS DE MAQUINAS ELEMENTOS DE TRANSMISSÃO introdução
 
ELEMENTOS DE MAQUINAS Elementos de vedação gaxetas,retentores,o-rings,selos,etc
ELEMENTOS DE MAQUINAS Elementos de vedação gaxetas,retentores,o-rings,selos,etcELEMENTOS DE MAQUINAS Elementos de vedação gaxetas,retentores,o-rings,selos,etc
ELEMENTOS DE MAQUINAS Elementos de vedação gaxetas,retentores,o-rings,selos,etc
 
ELEMENTOS DE MAQUINAS ELEMENTOS ELÁSTICOS, MOLAS
ELEMENTOS DE MAQUINAS ELEMENTOS ELÁSTICOS, MOLASELEMENTOS DE MAQUINAS ELEMENTOS ELÁSTICOS, MOLAS
ELEMENTOS DE MAQUINAS ELEMENTOS ELÁSTICOS, MOLAS
 
Elementos de maquinas, pinos, contra-pinos, cavilhas, anel elástico
Elementos de maquinas, pinos, contra-pinos, cavilhas, anel elásticoElementos de maquinas, pinos, contra-pinos, cavilhas, anel elástico
Elementos de maquinas, pinos, contra-pinos, cavilhas, anel elástico
 
ELEMENTOS DE MAQUINAS ARRUELAS
ELEMENTOS DE MAQUINAS ARRUELASELEMENTOS DE MAQUINAS ARRUELAS
ELEMENTOS DE MAQUINAS ARRUELAS
 
ELEMENTOS DE MAQUINAS PARAFUSOS E PORCAS
ELEMENTOS DE MAQUINAS PARAFUSOS E PORCASELEMENTOS DE MAQUINAS PARAFUSOS E PORCAS
ELEMENTOS DE MAQUINAS PARAFUSOS E PORCAS
 
ELEMENTOS DE MAQUINAS REBITES
ELEMENTOS DE MAQUINAS REBITESELEMENTOS DE MAQUINAS REBITES
ELEMENTOS DE MAQUINAS REBITES
 
ELEMENTOS DE MAQUINAS INTRTODUÇÃO
ELEMENTOS DE MAQUINAS INTRTODUÇÃOELEMENTOS DE MAQUINAS INTRTODUÇÃO
ELEMENTOS DE MAQUINAS INTRTODUÇÃO
 
APRESENTAÇÃO ELEMENTOS DE MAQUINAS
APRESENTAÇÃO ELEMENTOS DE MAQUINASAPRESENTAÇÃO ELEMENTOS DE MAQUINAS
APRESENTAÇÃO ELEMENTOS DE MAQUINAS
 

Último

No processo de aprendizagem motora, a forma como o indivíduo processa as info...
No processo de aprendizagem motora, a forma como o indivíduo processa as info...No processo de aprendizagem motora, a forma como o indivíduo processa as info...
No processo de aprendizagem motora, a forma como o indivíduo processa as info...
azulassessoria9
 
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
azulassessoria9
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Eró Cunha
 
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
azulassessoria9
 

Último (20)

M0 Atendimento – Definição, Importância .pptx
M0 Atendimento – Definição, Importância .pptxM0 Atendimento – Definição, Importância .pptx
M0 Atendimento – Definição, Importância .pptx
 
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfMissa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
 
No processo de aprendizagem motora, a forma como o indivíduo processa as info...
No processo de aprendizagem motora, a forma como o indivíduo processa as info...No processo de aprendizagem motora, a forma como o indivíduo processa as info...
No processo de aprendizagem motora, a forma como o indivíduo processa as info...
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
 
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºanoCATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Cantos do fim do século
Sistema de Bibliotecas UCS  - Cantos do fim do séculoSistema de Bibliotecas UCS  - Cantos do fim do século
Sistema de Bibliotecas UCS - Cantos do fim do século
 
Novena de Pentecostes com textos de São João Eudes
Novena de Pentecostes com textos de São João EudesNovena de Pentecostes com textos de São João Eudes
Novena de Pentecostes com textos de São João Eudes
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptxRENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
 
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
 
13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................
 
Orações subordinadas substantivas- 9ano.pptx
Orações subordinadas substantivas- 9ano.pptxOrações subordinadas substantivas- 9ano.pptx
Orações subordinadas substantivas- 9ano.pptx
 
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOSINTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
 
O desenvolvimento é um conceito mais amplo, pode ter um contexto biológico ou...
O desenvolvimento é um conceito mais amplo, pode ter um contexto biológico ou...O desenvolvimento é um conceito mais amplo, pode ter um contexto biológico ou...
O desenvolvimento é um conceito mais amplo, pode ter um contexto biológico ou...
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 

DESENHO TECNICO PROJEÇÃO ORTOGRAFICA

  • 1. Instituto Federal de Educação Ciências e Tecnologia – IFCE – Sobral Eixo de Controle e Processos Industriais Curso: Tecnologia em Mecatrônica Industrial Disciplina: Desenho Técnico e Mecânico Projeção ortográfica Prof. Edson Frota Pessoa
  • 2. Introdução Desenho técnico mecânico A projeção ortográfica é uma forma de representar graficamente objetos tridimensionais em superfícies planas, de modo a transmitir suas características com precisão e demonstrar sua verdadeira grandeza. Para entender como é feita a projeção ortográfica é preciso conhecer três elementos: o modelo, o observador e o plano de projeção. Modelo É o objeto a ser representado em projeção ortográfica. Qualquer objeto pode ser tomado como modelo: uma figura geométrica, um sólido geométrico, uma peça de máquina, etc.
  • 3. Introdução Desenho técnico mecânico Modelo geralmente é representado em posição que mostre a maior parte de seus elementos. Quando o modelo faz parte de um conjunto mecânico, ele vem representado na posição que ocupa no conjunto. União de eixos (conjunto) União de eixos (componentes)
  • 4. Introdução Observador É a pessoa que vê, analisa, imagina ou desenha o modelo. Para representar o modelo em projeção ortográfica, cuidadosamente em várias posições. Desenho técnico mecânico o observador deve analisá-lo
  • 5. Desenho técnico mecânico Introdução  Plano de projeção É a superfície onde se projeta o modelo. A tela de cinema é um bom exemplo de plano de projeção. Em desenho técnico usamos dois planos básicos para representar as projeções de modelos: um plano vertical e um plano horizontal que se cortam perpendicularmente. Esses dois planos, perpendiculares entre si, dividem o espaço em quatro regiões chamadas diedros. SPVS SPVI SPHA SPVP semi-plano vertical superior semi-plano vertical inferior semi-plano horizontal anterior semi-plano horizontal posterior
  • 6. Diedros Desenho técnico mecânico  Diedros Cada diedro é a região limitada por dois semi-planos perpendiculares entre si. Os diedros são numerados no sentido anti-horário, isto é, no sentido contrário ao do movimento dos ponteiros do relógio. O método de representação de objetos em dois semi-planos perpendiculares entre si, criado por Gaspar Monge, é também conhecido como método mongeano. A maioria dos países que utilizam o método mongeano adotam a projeção ortográfica no 1o diedro. No Brasil, a ABNT recomenda a representação no 1o diedro. Entretanto, alguns países, como por exemplo os Estados Unidos e o Canadá, representam seus desenhos técnicos no 3o diedro.
  • 7. Desenho técnico mecânico Diedros O símbolo abaixo indica que o desenho técnico está representado no 1o diedro (aparece no canto inferior direito da folha de papel dos desenhos técnicos, dentro da legenda). 1º diedro 3º diedro Para simplificar o entendimento da projeção ortográfica passaremos a representar apenas o 1o diedro
  • 8. Projeção ortográfica Desenho técnico mecânico Projeção ortográfica do ponto Imagine um plano vertical e um ponto A não pertencente a esse plano, observados na direção indicada pela seta, como mostra a figura a seguir Traçando uma perpendicular do ponto A até o plano, o ponto A1 - onde a perpendicular encontra o plano - é a projeção do ponto A.
  • 9. Projeção ortográfica Desenho técnico mecânico Projeção ortográfica do segmento de reta Imagine um segmento de reta AB, paralelo a um plano vertical, observado na direção indicada pela seta, como mostra a figura a seguir. Traçando duas linhas projetantes a partir das extremidades do segmento, os pontos A e B ficarão determinados, no plano vertical, pelos pontos A1 e B1. Unindo estes últimos pontos, temos o segmento A1B1, que representa a projeção do segmento AB. A projeção ortográfica de um segmento paralelo a um plano de projeção é sempre um segmento que tem a mesma medida do segmento tomado como modelo. Neste caso, a projeção ortográfica representa o modelo em verdadeira grandeza, ou seja, sem deformação.
  • 10. Projeção ortográfica Desenho técnico mecânico Projeção ortográfica do segmento de reta Segmento de reta oblíquo em relação ao plano de projeção Imagine um plano vertical e um segmento de reta AB, oblíquo em relação a esse plano. Traçando as projetantes a partir das extremidades A e B, determinamos, no plano vertical, os pontos A1 e B1. Unindo os pontos A1 e B1, obtemos o segmento A1B1, que representa a projeção ortográfica do segmento AB. O segmento A1B1 é menor que o segmento AB. Isso ocorre porque a projeção de um segmento oblíquo a um plano de projeção é sempre um segmento menor que o modelo. Neste caso, a projeção ortográfica não representa a verdadeira grandeza do segmento que foi usado como modelo.
  • 11. Projeção ortográfica Projeção ortográfica do segmento de reta Quando o segmento AB é perpendicular ao plano vertical, a projeção ortográfica de todos os pontos do segmento é representada por um único ponto. projeção ortográfica de um retângulo plano Quando a figura plana é paralela ao plano de projeção sua projeção ortográfica é representada em verdadeira grandeza. Desenho técnico mecânico
  • 12. Projeção ortográfica projeção ortográfica de um retângulo oblíquo Quando a figura plana é oblíqua ao plano de projeção, sua projeção ortográfica não é representada em verdadeira grandeza. Pode acontecer, também, de a figura plana ficar perpendicular ao plano de projeção. Desenho técnico mecânico
  • 13. Projeção ortográfica projeção ortográfica de um modelo em três planos de projeção Desenho técnico mecânico
  • 14. Desenho técnico mecânico Projeção ortográfica Projeção ortográfica do prisma retangular no 1º diedro Vista frontal Vista Superior Vista lateral •a projeção do modelo no plano vertical dá origem à vista frontal; •a projeção do modelo no plano horizontal dá origem à vista superior; •a projeção do modelo no plano lateral dá origem à vista lateral esquerda.
  • 15. Projeção ortográfica Desenho técnico mecânico Rebatimento dos planos de projeção Em desenho técnico, as vistas devem ser mostradas em um único plano. Para tanto, usamos um recurso que consiste no rebatimento dos planos de projeção horizontal e lateral.
  • 16. Projeção ortográfica Desenho técnico mecânico Rebatimento dos planos de projeção para rebater o plano horizontal, imaginamos que ele sofre uma rotação de 90º para baixo, em torno do eixo de interseção com o plano vertical para rebater o plano de projeção lateral imaginamos que ele sofre uma rotação de 90º, para a direita, em torno do eixo de interseção com o plano vertical
  • 17. Projeção ortográfica Desenho técnico mecânico Rebatimento dos planos de projeção Planos rebatidos vistos de frente. Em desenho técnico, não se representam as linhas de interseção dos planos. Apenas os contornos das projeções são mostrados. As linhas projetantes auxiliares também são apagadas. •a projeção A, representada no plano vertical, chama-se vista frontal; •a projeção B, representada no plano horizontal, chama-se vista superior; •a projeção C, que se encontra no plano lateral, chama-se vista lateral esquerda.
  • 18. Projeção ortográfica Desenho técnico mecânico Perspectiva isométrica Ao observar a representação de um modelo em perspectiva, você deverá ser capaz de imaginar como são as vistas ortográficas do modelo. Por outro lado, ao ver as vistas ortográficas de um modelo você deve ser capaz de identificar a perspectiva que corresponde a estas vistas.
  • 19. Projeção ortográfica Desenho técnico mecânico Perspectiva isométrica Represente, à mão livre, as vistas frontal, superior e lateral das figuras abaixo:
  • 20. Projeção ortográfica Desenho técnico mecânico Linha tracejada estreita Dependendo da posição que o elemento ocupa no modelo, é necessário usar outro tipo de linha para representá-lo. Quando o elemento não é visível ao observador, ele deve ser representado pela linha para arestas e contornos não visíveis, simbolizada por uma linha tracejada estreita.
  • 21. Projeção ortográfica Linha tracejada estreita Desenho técnico mecânico
  • 22. Projeção ortográfica Linha tracejada estreita Desenho técnico mecânico
  • 23. Projeção ortográfica Linha tracejada estreita Desenho técnico mecânico
  • 24. Desenho técnico mecânico Projeção ortográfica Projeção ortográfica de modelos com elementos paralelos e oblíquos Vista frontal todas as arestas visíveis são representadas em verdadeira grandeza na vista frontal.
  • 25. Desenho técnico mecânico Projeção ortográfica Projeção ortográfica de modelos com elementos paralelos e oblíquos Vista superior A face A do modelo é formada por um retângulo oblíquo ao plano horizontal. Por essa razão, a projeção de A na vista superior não aparece representada em verdadeira grandeza.
  • 26. Desenho técnico mecânico Projeção ortográfica Projeção ortográfica de modelos com elementos paralelos e oblíquos Vista lateral A face A também ocupa uma posição oblíqua em relação ao plano de projeção lateral. Assim sendo, a vista lateral também não reproduz A em verdadeira grandeza. O rebaixo e o chanfro estão localizados na mesma altura em relação à base do modelo. A projeção da aresta do chanfro coincide com a projeção da aresta do rebaixo. Neste caso, apenas a aresta visível é representada.
  • 27. Projeção ortográfica Desenho técnico mecânico Projeção ortográfica de modelos com elementos paralelos e oblíquos Represente, à mão livre, as vistas frontal, superior e lateral das figuras abaixo:
  • 28. Projeção ortográfica Desenho técnico mecânico Projeção ortográfica de modelos com elementos paralelos e oblíquos Represente, à mão livre, as vistas frontal, superior e lateral das figuras abaixo: