SlideShare uma empresa Scribd logo
Economia Empresarial

             Unidade II – Demanda e Oferta


Milton Henrique do Couto Neto
     miltonh@terra.com.br
Produtor   Mercado   Consumidor

            Oferta




           Demanda
Demanda
• É uma relação que dá a quantidade de um
  bem ou serviço que os compradores estariam
  dispostos e seriam capazes de adquirir a
  diferentes preços.
                                      Quantidade
                        Preço
                                     Demandada
                         (R$)
                                 (milhões por semana)
                        10,00            50
                        8,00             100
                        6,00             200
                        4,00             400
Curva da Demanda
                    10,00
Preço P (R$ por maçã)




                        8,00

                        6,00

                        4,00


                        2,00




                               50 100     200                  400
                               Quantidade Q (milhões de maçãs por semana)
Oferta
• É uma relação que dá a quantidade de um
  bem ou serviço que os vendedores estariam
  dispostos e seriam capazes de produzir a
  diferentes preços.

                        Preço    Quantidade Ofertada
                         (R$)    (milhões por semana)
                        10,00            260
                        8,00             240
                        6,00             200
                        4,00             150
Curva da Oferta
                    10,00
Preço P (R$ por maçã)




                        8,00

                        6,00

                        4,00


                        2,00




                               50 100     200                  400
                               Quantidade Q (milhões de maçãs por semana)
Lei da Demanda e Lei da Oferta
• Mantendo-se todos os demais fatores
  constantes, à medida que o preço
  diminui, a quantidade demandada
  aumenta.

     Caeteris paribus

• Mantendo-se todos os demais fatores
  constantes, à medida que o preço
  diminui, a quantidade ofertada diminui.
Preço de
Equilíbrio                                   Equilíbrio
                                           Excedente
                             10,00

                                                          Curva da Oferta
         Preço P (R$ por maçã)


                                 8,00

                                 6,00                    Ponto de Equilíbrio
                                                                       Curva da Demanda
                                                         Escassez
                                 4,00


                                 2,00

Quantidade
    de
 Equilíbrio                             50 100     200                  400
                                        Quantidade Q (milhões de maçãs por semana)
Equilíbrio
                                              Pressão
           Quantidade Quantidade Excedente
 Preço                                        sobre o
           Demandada Ofertada ou Escassez
                                               Preço
                                 Excedente
R$ 10,00      50         260                   Queda
                                   + 210
                                 Excedente
R$ 8,00       100        240                   Queda
                                   + 140
                                 Equilíbrio
R$ 6,00       200        200                  Equilíbrio
                                     0
                                 Escassez
R$ 4,00       400        150                    Alta
                                   - 250
Preço R$ 5,00
                                                      Enquanto os consumidores demandam de 300 milhões
                                                      de maçãs, os produtores não se animam e à esse preço
                    10,00                             produzem apenas 190 milhões.
                                                      Isso levará a uma escassez de 110 milhões de maçãs.
Preço P (R$ por maçã)




                                                      Com a falta de maçãs os consumidores aceitarão pagar
                        8,00                          mais caro para satisfazer a vontade.
                                                      Com os consumidores pagando mais caro pela maçã, os
                                                      produtores se animarão a produzir mais e a oferta
                        6,00                          aumentará.
                          5,00
                        4,00


                        2,00
                                              190       300


                                 50 100     200                  400
                                 Quantidade Q (milhões de maçãs por semana)
Preço R$ 8,00
                                                         Enquanto os consumidores demandam de 100 milhões
                                                         de maçãs, os produtores se animam e à esse preço
                    10,00                                produzem 240 milhões.
                                                         Isso levará a um excesso de 140 milhões de maçãs.
Preço P (R$ por maçã)




                                                         Com a sobra de maçãs os produtores aceitarão vender
                        8,00                             mais barato para baixarem os estoques.
                                                         Com os produtores vendendo mais barato as maçãs, os
                                                         consumidores se animarão a comprar em mais
                        6,00                             quantidade e a demanda aumentará.
                          5,00
                        4,00


                        2,00
                                       100         240


                                 50 100      200                    400
                                 Quantidade Q (milhões de maçãs por semana)
Deslocadores da Demanda

          A      A’
Preço P




                      B           B’


                                       C   C’




                          Quantidade Q
Deslocadores da Demanda
• Renda
  – Quando a renda aumenta os consumidores
    consomem mais.
          Bem superior!
          Ex.: Filet Mignon
  – Quando a renda aumenta os consumidores
    consomem menos.
          Bem inferior!
          Ex.: Feijão e arroz
Deslocadores da Demanda
• Preços de Bens Relacionados
  – Quando o aumento no preço de um produto
    aumenta a demanda por outro produto.
         Bens substitutos!
         Ex.: Carne de boi e de frango
  – Quando o aumento no preço de um produto
    diminui a demanda por outro produto.
          Bens complementares!
          Ex.: Feijão e arroz
Deslocadores da Demanda
• Gostos e Preferências do Consumidor
  – O tempo vai passando e os gostos mudam...
Deslocadores da Demanda
• Número de compradores
  – Um aumento no número de compradores em um
    mercado aumenta a demanda.
  – Por outro lado, uma diminuição no número de
    compradores num mercado, diminui a demanda.
Deslocadores da Demanda
• Expectativas quanto a renda e preços no
  futuro
  – Expectativas de preços mais altos no futuro
    podem nos induzir a comprar agora.
  – Expectativas de rendas mais altas no futuro
    podem induzir os consumidores a gastar mais.
Deslocadores da Demanda
• Outros
  – Condições climáticas
     • Se começar a chover, a demanda por guarda-chuvas
       crescerá imediatamente.

  – Influência
     • Se uma determinada celebridade começar a usar chapéu,
       a demanda crescerá imediatamente.

  – Legislação
     • Se o governo aumentar os impostos sobre o carro novo, a
       demanda de veículos usados crescerá imediatamente.
IMPORTANTE
                                                   Variação na
     Variação na
      Demanda                É diferente de        Quantidade
                                                   Demandada
Preço P




                                         Preço P
                     A’
          A
                                                   A
                                                           A’



              Quantidade Q                             Quantidade Q
Deslocadores da Oferta
                      A             A’


                  B            B’
Preço P




            C             C’




                Quantidade Q
Deslocadores da Oferta
• Custo dos Insumos
  – Com a redução do custo dos insumos, é possível
    produzir com o mesmo preço, obtendo um lucro
    maior, o que incentiva aos produtores
    aumentarem a oferta de produtos.
Deslocadores da Oferta
• Tecnologia
  – Com a melhoria da tecnologia , é possível produzir
    com a um custo menor o que incentiva aos
    produtores aumentarem a oferta de produtos.
Deslocadores da Oferta
• Condições Climáticas
  – Este fator é especialmente importante para a
    produção agrícola.
  – Devido a mudanças climáticas a produção agrícola
    pode aumentar (aumento da safra) ou diminuir
    (redução da safra).
Deslocadores da Oferta
• Preços de Bens Relacionados
  – Quando o aumento no preço de um produto
    aumenta a oferta de outro produto.
         Bens complementares na produção!
         Ex.: Carne de boi e couro
  – Quando o aumento no preço de um produto
    diminui a oferta de outro produto.
          Bens substitutos na produção!
          Ex.: milho e trigo
Deslocadores da Oferta
• Número de vendedores
  – Quanto maior for o número de ofertantes no
    mercado, maior será a oferta de mercado.
  – Quanto menor for o número de ofertantes no
    mercado, menor será a oferta de mercado.
Deslocadores da Oferta
• Expectativas quanto a preços no futuro
  – Expectativas de preços mais altos no futuro
    podem nos induzir a não ofertar agora.
IMPORTANTE
                                                Variação na
  Variação na
    Oferta               É diferente de         Quantidade
                                                 Ofertada


          A        A’
Preço P




                                                 A




                                      Preço P
                                                A’




          Quantidade Q
                                                 Quantidade Q
Variações no Ponto de Equilíbrio
                            Efeito sobre o   Efeito sobre a
Variação da   Variação da
                               Preço de      Quantidade de
  Oferta       Demanda
                              Equilíbrio       Equilíbrio

 Aumenta       Diminui         Diminui             ?

 Diminui       Aumenta        Aumenta              ?

 Aumenta       Aumenta            ?            Aumenta

 Diminui       Diminui            ?             Diminui
Voltando a Lei da Demanda
• Mantendo-se todos os demais fatores
  constantes, à medida que o preço diminui, a
  quantidade demandada aumenta.


                       Mas, quanto???


      Quantas unidades adicionais serão compradas?

    Elasticidade Preço da Demanda
Exemplo




                                        Preço P
Preço P




          ∆P                                      ∆P




                    ∆Q                             ∆Q


               Quantidade Q                             Quantidade Q

  Uma pequena alteração no preço   Uma pequena alteração no preço
  fez com que houvesse uma         fez com que houvesse uma
  grande alteração na quantidade   pequena alteração na
  demandada.                       quantidade demandada.

               Demanda                            Demanda
                Elástica                          Inelástica
Elasticidade Preço da Demanda
     ∆Q / Q                Se ED > 1  Demanda
ED =                       Elástica
     ∆P / P                Se ED < 1  Demanda
                           Inelástica

ED= Coeficiente de Elasticidade Preço da Demanda
∆Q = Variação na Quantidade Demandada
Q = Quantidade Originalmente Demandada
∆P = Variação no Preço
P = Preço Original
Tipos de Elasticidade da Demanda


                                            Elástica
                                            ED > 1
Preço P




                                        Unitária
                    Inelástica          ED = 1
                    ED < 1



                             Quantidade Q
Elasticidades Preços da Demanda
  Produto ou Serviço               ED      Produto ou Serviço            ED
           Moradia                 0,01            Gasolina              0,60
    Eletricidade (consumo
                                   0,13              Leite               0,63
          doméstico)
           Alimento                0,15        Eletrodomésticos          0,63
 Ingressos para jogos da liga
                                   0,23            Cinemas               0,87
    principal de beisebol
     Serviços Telefônicos          0,26             Cerveja              0,90
            Açúcar                 0,30            Calçados              0,91
       Serviços Médicos            0,31      Veículos automotores        1,14
             Ovos                  0,32              Carne               1,27
                                          Porcelana, artigos de vidro,
Serviços de Assistência Jurídica   0,37                                  1,54
                                                   talheres
   Conserto de Automóveis          0,40   Refeições em Restaurantes      2,27
           Vestuário               0,49   Carne de cordeiro e carneiro   2,65
Casos Extremos


                                Demanda
                                Perfeitamente
Preço P




                                Elástica
          Demanda
          Perfeitamente
          Inelástica

                 Quantidade Q
Receita Total




                                         Preço P
Preço P




                            RT = P x Q

            Quantidade Q                              Quantidade Q

            Demanda                                Demanda
             Elástica                              Inelástica
       Uma redução no preço              Uma redução no preço
      aumenta a Receita Total            diminui a Receita Total
          Muito Sensível                   Pouco Sensível
Elasticidade Preço x Receita Total
                               Impacto na    Impacto na
Coeficiente de    Tipo de     Receita com o Receita com a
 Elasticidade    Demanda       Aumento do    Redução do
                                   Preço         Preço
    ED > 1        Elástica        Diminui      Aumenta
    ED = 1        Unitária      Inalterada    Inalterada
    ED < 1       Inelástica      Aumenta        Diminui

Se a mudança no preço ocasiona uma variação na direção
oposta na receita total, então a demanda é elástica.
                                           elástica

Se a mudança no preço ocasiona uma variação na mesma
direção na receita total, então a demanda é inelástica.
                                            inelástica
Fatores que Afetam a
        Elasticidade da Demanda
• Substitutabilidade
   – Quanto maior o número de substitutos, maior é
     elasticidade da demanda.
• Proporção de Renda
   – Quanto maior o preço de um bem em relação a renda dos
     indivíduos, maior a elasticidade da demanda.
• Bens Supérfluos versus Bens Necessários
   – A demanda por bens necessários tende a ser inelástica.
• Tempo
   – Quanto maior o tempo em consideração, maior será a
     elasticidade da demanda verificada.
Voltando a Lei da Oferta
• Mantendo-se todos os demais fatores
  constantes, à medida que o preço diminui, a
  quantidade ofertada diminui.


                 Mas, quanto???


     Quantas unidades a menos de serão produzidas?

    Elasticidade Preço da Oferta
Exemplo
Preço P




                                     Preço P
          ∆P                                   ∆P


                    ∆Q                                 ∆Q

               Quantidade Q                         Quantidade Q
Uma pequena alteração no preço     Uma pequena alteração no preço
fez com que houvesse uma           fez com que houvesse uma
grande alteração na quantidade     pequena alteração na
ofertada.                          quantidade ofertada.

           Demanda                             Demanda
            Elástica                           Inelástica
Elasticidade Preço da Oferta
     ∆Q / Q                 Se ES > 1  Oferta

ES =                        Elástica

     ∆P / P                 Se ES < 1  Oferta
                            Inelástica

ES= Coeficiente de Elasticidade Preço da Oferta
∆Q = Variação na Quantidade Ofertada
Q = Quantidade Originalmente Ofertada
∆P = Variação no Preço
P = Preço Original
Fatores que Afetam a
           Elasticidade da Oferta
• Custo e Possibilidade de Estocar
   – Quanto maior o custo de estocagem, menor é a
     elasticidade de oferta.
• Características do Processo de Produção
   – Quanto mais facilmente se deslocam recursos para a
     produção de outro bem, maior a elasticidade da oferta.
• Tempo
   – Quanto maior o tempo em consideração, maior será a
     elasticidade da oferta verificada.
Principal Determinante da
     Elasticidade Preço da Oferta
        T–E–M–P–O
• A resposta de um produtor ao aumento do
  preço de determinado produto depende da
  sua capacidade de deslocar recursos da
  produção de outros bens.

  Quanto maior for o tempo, maior será a “transferência de recursos”.
  Portanto devemos esperar uma resposta maior – e, desse modo, maior
  elasticidade de oferta – quanto mais a empresa tiver de se ajustar a uma
  variação de preços.
Elasticidade da Oferta
               Período de Mercado
                      Sm      Imediatamente após a variação da
                              demanda, não há como suprir o
                              mercado com mais produtos e
          Pm                  portanto a curva da oferta é
                              perfeitamente inelástica.
Preço P




          P0
                                             D2

                                        D1
                      Q0
                       Quantidade Q
Elasticidade da Oferta
                          Curto Prazo
                                      SS
                                       Após um curto prazo de tempo, a
                                       empresa está se adequando a nova
          PS                           demanda, produzindo em maior
                                       quantidade.
Preço P




          P0
                                                   D2
               Pm > PS
                         Q0      QS           D1

                              Quantidade Q
Elasticidade da Oferta
                      Longo Prazo
                                                  SL

                                              Após um longo prazo de
                                              tempo, a empresa já se
          PL
Preço P




                                              adequou a nova demanda,
                                              produzindo em quantidade
          P0                                  suficiente.

                                                    D2
           Pm > PS > PL
                          Q0          QL       D1

                               Quantidade Q
Elasticidade Cruzada da Demanda
• Qual a sensibilidade da quantidade
  demandada de um produto X a uma variação
  no preço de um segundo produto Y?

         ∆QX / QX
E XY   =
          ∆PY / PY
             EXY= Coeficiente de Elasticidade Cruzada da Demanda
             ∆QX = Variação na Quantidade Demandada do Produto X
             QX = Quantidade Originalmente Demandada do Produto X
             ∆PY = Variação no Preço do Produto Y
             PY = Preço Original do Produto Y
Elasticidade Cruzada da Demanda
EXY maior

   • Bens Substitutos
       – Se a elasticidade cruzada da demanda é positiva, ou seja, a
         quantidade demandada de X se move na mesma direção que
         uma variação no preço de Y, então X e Y são Bens
         Substitutos.
   • Bens Independentes
       – Uma elasticidade cruzada próxima ou igual a zero sugere que
         os bens X e Y são Bens Independentes.
   • Bens Complementares
       – Quando a elasticidade cruzada é negativa, ou seja, o
          aumento no preço de X diminui a demanda por Y, então X e Y
EXY menor são Bens Complementares.
Elasticidade Renda da Demanda
• Mede o grau em que os consumidores
  respondem a uma variação em sua renda,
  comprando mais ou menos de um
  determinado bem.
     ∆QX / QX
Ei =
      ∆R / R
              Ei = Coeficiente de Elasticidade Renda da Demanda
              ∆QX = Variação na Quantidade Demandada do Produto X
              QX = Quantidade Originalmente Demandada do Produto X
              ∆R = Variação na Renda do Consumidor
              R = Renda Original do Consumidor
Elasticidade Renda da Demanda
• Bens Superiores ou Normais
  – Quando a Renda aumenta, aumenta também a
    demanda por esses produtos.

     Ei > 0

• Bens Inferiores
  – Quando a Renda aumenta, diminui a demanda por
    esses produtos.
     Ei < 0
Utilidade Marginal
 • Utilidade Marginal é a satisfação que um
   indivíduo recebe pelo consumo de uma
   unidade adicional de um bem ou serviço.
                                             Utilidade
Exemplo: Aulas de Tênis                      Marginal
1ª aula – Tudo é novidade. Depois de
treinar eu ficaria louco para fazer outras
coisas;
2ª aula – Seria um prazer considerável,
mas não tanto como a 1ª aula;
3ª aula – O meu apetite por tênis está
diminuindo aos poucos;                                                  ...
Etc....
                                                         1ª 2ª 3ª 4ª   ...    Qtd.
Utilidade
                       Utilidade Marginal
Marginal
                                                    1ª aula R$ 20,00
                                                    2ª aula R$ 17,00
                                   Quantificando
                                                    3ª aula R$ 13,00
                                                    4ª aula R$ 10,00
                             ...
            1ª 2ª 3ª 4ª     ...        Qtd.



  Acima de R$ 20,00 Não faria aulas de tênis
       R$ 20,00               1 aula
       R$ 17,00              2 aulas               DEMANDA
       R$ 13,00              3 aulas               DE UM BEM
       R$ 10,00              4 aulas
Equilíbrio do Consumidor
 • Se todas as aulas fossem dadas a R$ 15,00
   cada, quantas aulas seriam assistidas?
Aulas     Valorização    Custo            Resultado                  Situação
1ª aula    R$ 20,00     R$ 15,00   R$ 20 – R$ 15 = R$ 5,00       Assistiria a aula
2ª aula    R$ 17,00     R$ 15,00   R$ 17 – R$ 15 = R$ 2,00       Assistiria a aula
3ª aula    R$ 13,00     R$ 15,00   R$ 13 – R$ 15 = - R$ 2,00   NÃO assistiria a aula
4ª aula    R$ 10,00     R$ 15,00   R$ 10 – R$ 15 = - R$ 5,00   NÃO assistiria a aula



       EQUILÍBRIO                         O equilíbrio do consumidor envolve
                                          compras crescentes de um bem até
   Valorização = Custo                    que sua utilidade marginal caia
         R$ 15,00                         exatamente ao nível de seu preço.
Excedente do Consumidor
       Utilidade
       Marginal              Excedente do
                              Consumidor

     R$ 20,00

     R$ 17,00
                                            R$ 15,00
     R$ 13,00
     R$ 10,00



                                            ...

                   1ª   2ª    3ª    4ª       ...       Qtd.

O excedente do consumidor é o benefício líquido que um consumidor ganha
por ser capaz de comprar um bem. É a diferença entre o montante máximo
que o consumidor estaria disposto a pagar e o que ele efetivamente paga.
Excedente do Consumidor
      Utilidade
      Marginal              Excedente do
                             Consumidor
   R$ 20,00

   R$ 17,00
                                        R$ 15,00
   R$ 13,00
   R$ 10,00



Dispêndio
 Efetivo

                  1ª   2ª   3ª     4ª              Qtd.
Lei da Utilidade Marginal
                   Decrescente
Utilidade
 Total                           Quanto maior for o estoque de um bem
                                 nas mãos de um consumidor, menor
                                 será a importância que ele atribuirá a
                                 uma nova unidade desse bem.

                Utilidade        A satisfação do indivíduo tende
                Marginal
                                 gradativamente à saciedade, por que a
                                 cada nova repetição, o grau de
                                 intensidade é menor.


                                 Imagine um indivíduo com sede. O 1º
                                 copo d´água lhe dará uma enorme
                    Quantidade   satisfação. O 2º copo lhe dará menos
                     do bem X    satisfação que o 1º. O 3º copo menos do
                                 que o 2º, etc.
Tabela de Indiferença
• É uma listagem de combinações possíveis entre dois
  bens , feitas de maneira tal que, para o consumidor,
  é indiferente qualquer combinação, pois a utilidade
  que lhes propiciam é a mesma.         Mesma
                                         Satisfação

         q1          q2                         Função Utilidade
     Chocolates     Balas
                                                      U = f(q1,q2)
        10           50
         9           54             q1

         8           60
         7           70
         6           85                                 U
                                                             q2
                                   0
Taxa Marginal de Substituição
• É a variação necessária da quantidade de um bem
  que compensa a variação da quantidade de outro
  bem, para que se mantenha constante o nível de
  satisfação ou de utilidade do consumidor.
    Função Utilidade          Se q1 aumenta, q2 diminui;
                              Se q1 diminui, q2 aumenta.
      U = f(q1,q2)



                             ∆q1
                       TMS =
                             ∆q2
Voltando ao Exemplo Numérico


    q1        q2
                     ∆q1   ∆q2        TMS
Chocolates   Balas
   10         50      -     -           -
    9         54     -1    +4    (-1/4) = -0,250
    8         60     -1    +6    (-1/6) = -0,167
    7         70     -1    +10   (-1/10)= -0,100
    6         85     -1    +15   (-1/15)= -0,067
Curva de Indiferença
q1



             Satisfação
                              Indiferente
                          U
     Insatisfação
                                q2
 0
q1      Curvas de Indiferença
                                                           Mapa de
                                                          Indiferença

                                                 U3
                                            U2
                                       U1
                                                         q2
       0

• As curvas de indiferença são:
   – Decrescentes da esquerda para a direita;
   – Convexas com relação à origem dos eixos;
   – Nunca se cruzam nem se tangenciam. Ou seja, por um ponto só é possível
     passar uma única curva de indiferença.
Suco de Uva
              Substitutos Perfeitos
          3

         2

         1

                       U3
                   U2
                  U1
                                                      q2
          0                 1   2   3
                                        Suco de Laranja

   • Neste caso tanto faz consumir um produto ou outro.
   • Eu aceito substituir um copo de suco de laranja por
     um copo de suco de uva.
Pé direito
                 Complementos Perfeitos


                                U3

                                U2

                                U1
                                                     q2
             0
                                       Pé esquerdo

    • Um sapato esquerdo só aumentará a sua satisfação se você
      puder obter mais um sapato direito.
    • Eu não abro mão de nenhum sapato direito para ter um
      sapato esquerdo.
Linha de Preços
• Mostra as várias opções de uma família com
  uma dada renda monetária e enfrentando um
  dado conjunto de preços.
 Curvas de Indiferença              O que se QUER comprar


   Linhas de Preços                 O que se PODE comprar




                         Preço do bem Q1             Preço do bem Q2


                                            Renda
Considere uma família com renda de R$ 1.000,00, escolhendo entre o produto
Q1 e Q2, cujos preços são P1=R$ 10,00 e P2=R$ 20,00:


   q1         P1       Total1       q2         P2       Total2     TOTAL
   100       10,00    1.000,00      0        20,00        0        1.000,00
   90        10,00     900,00       5        20,00      100,00     1.000,00
   80        10,00     800,00       10       20,00      200,00     1.000,00
   20        10,00     200,00       40       20,00      800,00     1.000,00
   10        10,00     100,00       45       20,00      900,00     1.000,00
    0        10,00       0          50       20,00     1.000,00    1.000,00
        q1

                      A Linha de Preço é sempre uma linha reta;
 100
                      A Linha de Preço é sempre inclinada negativamente;
                      As Linhas de Preços que representam diferentes
                     orçamentos são sempre linhas paralelas.

                         q2
             50
Restrição Orçamentária
q1




                   Fora do
                  Orçamento



      Dentro do
      Oçamento                q2
 0
Equilíbrio do Consumidor
q1             Os consumidores maximizam sua
               satisfação ou utilidade movendo-se ao
               longo de sua linha de orçamento até a
               mais alta curva de indiferença atingível.
               Isto é atingido no ponto de tangência A.
           A



                                      U3
                    B
                                 U2
                        C
                            U1
                                           q2
 0
Efeito – Renda
q1


            Com o aumento da renda, consome-se
            mais de ambos os produtos Q1 e Q2.




                            U3

                       U2
                  U1
                                   q2
 0     r1   r2    r3
Efeito – Preço
q1

              Com a diminuição do preço de um produto
              (q2), consome-se mais desse produto,
              mesmo que a renda tenha se mantido
              constante.




                                U3

                           U2
                      U1
                                                    q2
 0   r1       r2                             r3
Vestuário
            Solução de Canto
    q1

                    O consumidor não deseja consumir
                    nada em vestuário. Se ele pudesse
                    abrir mão de mais vestuário por
                    alimentação, certamente abriria.




                                        q2
     0              U1     U2      U3
                            Alimentação
Externalidades de Rede
• A demanda exercida por uma pessoa também
  depende das demandas exercidas pelos outros
  consumidores.
  – Externalidade de Rede Positiva
     • Ocorre um aumento da quantidade demandada de uma
       mercadoria por um consumidor típico, em decorrência do
       crescimento da quantidade de aquisições feitas por outros
       consumidores;
  – Externalidade de Rede Negativa
     • Ocorre uma diminuição da quantidade demandada de uma
       mercadoria por um consumidor típico, em decorrência do
       crescimento da quantidade de aquisições feitas por outros
       consumidores.
Efeito Imitação
Preço
                                     As pessoas achavam que só 20 pessoas
      D20    D40        D60    D80   haviam consumido o produto => D20.

                                     Quando acharam que 40 pessoas haviam
                                     consumido o produto, a demanda
                                     aumentou para D40 e assim por diante.

                                             Curva de Demanda
                                                do Mercado

                                                          Exemplos:
                                                          •Brinquedos.
                                                          •Roupas,
                                                          •CD´s,
                                                          •etc.
0       20         40           60     80 Quantidade
    Externalidade Positiva: Eu compro por que tem mais gente comprando.
D2
                      Efeito Esnobação
Preço
                                 As pessoas achavam que só 2 pessoas
         D4                      haviam consumido o produto => D2.

                                 Quando acharam que 4 pessoas haviam
        D6
                                 consumido o produto, a demanda
                                 diminuiu para D4 e assim por diante.

    D8                                          Curva de Demanda
                                                   do Mercado


                                                     Exemplos:
                                                     •Coleções.
                                                     •Peças exclusivas,
                                                     •Roupas sob medida,
                                                     •etc.
0             2   4   6 8               Quantidade
 Externalidade Negativa: Eu compro por que tem pouca gente comprando.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A Demanda e a Oferta
A Demanda e a OfertaA Demanda e a Oferta
A Demanda e a Oferta
Fernando Kerchner
 
Economia aula 7 - a macroeconomia keynesiana
Economia   aula 7 - a macroeconomia keynesianaEconomia   aula 7 - a macroeconomia keynesiana
Economia aula 7 - a macroeconomia keynesiana
Felipe Leo
 
Respostas Mankiw - Capítulo 13 (Superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 13 (Superior)Respostas Mankiw - Capítulo 13 (Superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 13 (Superior)
Luciano Pires
 
Aula inicial economia
Aula inicial economiaAula inicial economia
Aula inicial economia
COTIDIANO CIVIL
 
Fundamentos de economia
Fundamentos de economiaFundamentos de economia
Fundamentos de economia
Luciano Pires
 
Respostas mankiw - capítulo 4 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 4 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 4 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 4 (superior)
Luciano Pires
 
SLIDES DE MACROECONOMIA (AULA 2)
SLIDES DE MACROECONOMIA (AULA 2) SLIDES DE MACROECONOMIA (AULA 2)
SLIDES DE MACROECONOMIA (AULA 2)
Kelly Ariane Buás Bráz
 
Aula3 demanda e_oferta
Aula3 demanda e_ofertaAula3 demanda e_oferta
Aula3 demanda e_oferta
Emerson Alves
 
Introdução à Economia - Conceitos
Introdução à Economia - ConceitosIntrodução à Economia - Conceitos
Introdução à Economia - Conceitos
Celso Ricardo Salazar Valentim
 
Slides aula 3_economia-1
Slides aula 3_economia-1Slides aula 3_economia-1
Slides aula 3_economia-1
Cátia Pascoal
 
Aula 2 conceitos oferta e demanda - copy
Aula 2 conceitos  oferta e demanda - copyAula 2 conceitos  oferta e demanda - copy
Aula 2 conceitos oferta e demanda - copy
Ivaristo Americo
 
04 Introdução à Microeconomia
04   Introdução à Microeconomia04   Introdução à Microeconomia
04 Introdução à Microeconomia
Ricardo Barbosa
 
Aula 3
Aula 3Aula 3
Custos de Produção
Custos de ProduçãoCustos de Produção
Custos de Produção
Luciano Pires
 
Respostas mankiw - capítulo 6 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 6 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 6 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 6 (superior)
Luciano Pires
 
As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)
As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)
As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)
Luciano Pires
 
Aula 3 elasticidade
Aula 3   elasticidadeAula 3   elasticidade
Aula 3 elasticidade
Mitsubishi Motors Brasil
 
Aula 6 monopólio
Aula 6   monopólioAula 6   monopólio
Aula 6 monopólio
Mitsubishi Motors Brasil
 
Funcionamento do mercado: demanda e oferta
Funcionamento do mercado: demanda e ofertaFuncionamento do mercado: demanda e oferta
Funcionamento do mercado: demanda e oferta
Arnoldo Schmidt Neto
 
Elasticidade
ElasticidadeElasticidade
Elasticidade
isaacsales253
 

Mais procurados (20)

A Demanda e a Oferta
A Demanda e a OfertaA Demanda e a Oferta
A Demanda e a Oferta
 
Economia aula 7 - a macroeconomia keynesiana
Economia   aula 7 - a macroeconomia keynesianaEconomia   aula 7 - a macroeconomia keynesiana
Economia aula 7 - a macroeconomia keynesiana
 
Respostas Mankiw - Capítulo 13 (Superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 13 (Superior)Respostas Mankiw - Capítulo 13 (Superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 13 (Superior)
 
Aula inicial economia
Aula inicial economiaAula inicial economia
Aula inicial economia
 
Fundamentos de economia
Fundamentos de economiaFundamentos de economia
Fundamentos de economia
 
Respostas mankiw - capítulo 4 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 4 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 4 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 4 (superior)
 
SLIDES DE MACROECONOMIA (AULA 2)
SLIDES DE MACROECONOMIA (AULA 2) SLIDES DE MACROECONOMIA (AULA 2)
SLIDES DE MACROECONOMIA (AULA 2)
 
Aula3 demanda e_oferta
Aula3 demanda e_ofertaAula3 demanda e_oferta
Aula3 demanda e_oferta
 
Introdução à Economia - Conceitos
Introdução à Economia - ConceitosIntrodução à Economia - Conceitos
Introdução à Economia - Conceitos
 
Slides aula 3_economia-1
Slides aula 3_economia-1Slides aula 3_economia-1
Slides aula 3_economia-1
 
Aula 2 conceitos oferta e demanda - copy
Aula 2 conceitos  oferta e demanda - copyAula 2 conceitos  oferta e demanda - copy
Aula 2 conceitos oferta e demanda - copy
 
04 Introdução à Microeconomia
04   Introdução à Microeconomia04   Introdução à Microeconomia
04 Introdução à Microeconomia
 
Aula 3
Aula 3Aula 3
Aula 3
 
Custos de Produção
Custos de ProduçãoCustos de Produção
Custos de Produção
 
Respostas mankiw - capítulo 6 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 6 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 6 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 6 (superior)
 
As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)
As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)
As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)
 
Aula 3 elasticidade
Aula 3   elasticidadeAula 3   elasticidade
Aula 3 elasticidade
 
Aula 6 monopólio
Aula 6   monopólioAula 6   monopólio
Aula 6 monopólio
 
Funcionamento do mercado: demanda e oferta
Funcionamento do mercado: demanda e ofertaFuncionamento do mercado: demanda e oferta
Funcionamento do mercado: demanda e oferta
 
Elasticidade
ElasticidadeElasticidade
Elasticidade
 

Mais de Milton Henrique do Couto Neto

A implantação de uma Central de Monitoramento como inteligência, numa empresa...
A implantação de uma Central de Monitoramento como inteligência, numa empresa...A implantação de uma Central de Monitoramento como inteligência, numa empresa...
A implantação de uma Central de Monitoramento como inteligência, numa empresa...
Milton Henrique do Couto Neto
 
Aula Pós - Instrumentos de Renda Fixa, Variável e Derivativos
Aula Pós - Instrumentos de Renda Fixa, Variável e DerivativosAula Pós - Instrumentos de Renda Fixa, Variável e Derivativos
Aula Pós - Instrumentos de Renda Fixa, Variável e Derivativos
Milton Henrique do Couto Neto
 
Gestão Ambiental 08 - eia e rima
Gestão Ambiental 08 - eia e rimaGestão Ambiental 08 - eia e rima
Gestão Ambiental 08 - eia e rima
Milton Henrique do Couto Neto
 
Gestão Ambiental 07 - produção limpa
Gestão Ambiental 07 -  produção limpaGestão Ambiental 07 -  produção limpa
Gestão Ambiental 07 - produção limpa
Milton Henrique do Couto Neto
 
Gestão Ambiental 06 - emissão zero
Gestão Ambiental 06 -  emissão zeroGestão Ambiental 06 -  emissão zero
Gestão Ambiental 06 - emissão zero
Milton Henrique do Couto Neto
 
Gestão Ambiental 05 - politica nacional para resíduos sólidos e reciclagem
Gestão Ambiental 05 -  politica nacional para resíduos sólidos e reciclagemGestão Ambiental 05 -  politica nacional para resíduos sólidos e reciclagem
Gestão Ambiental 05 - politica nacional para resíduos sólidos e reciclagem
Milton Henrique do Couto Neto
 
Gestão Ambiental 04 - gerenciamento de resíduos sólidos
Gestão Ambiental 04 -  gerenciamento de resíduos sólidosGestão Ambiental 04 -  gerenciamento de resíduos sólidos
Gestão Ambiental 04 - gerenciamento de resíduos sólidos
Milton Henrique do Couto Neto
 
Gestão Ambiental 03 - a sustentabilidade no microambiente
Gestão Ambiental 03 -  a sustentabilidade no microambienteGestão Ambiental 03 -  a sustentabilidade no microambiente
Gestão Ambiental 03 - a sustentabilidade no microambiente
Milton Henrique do Couto Neto
 
Gestão Ambiental 02 - impactos no macroambiente
Gestão Ambiental 02 -  impactos no macroambienteGestão Ambiental 02 -  impactos no macroambiente
Gestão Ambiental 02 - impactos no macroambiente
Milton Henrique do Couto Neto
 
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e SustentabilidadeGestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
Milton Henrique do Couto Neto
 
Análise das Demonstrações Financeiras
Análise das Demonstrações FinanceirasAnálise das Demonstrações Financeiras
Análise das Demonstrações Financeiras
Milton Henrique do Couto Neto
 
Pesquisa de Marketing - UFES (Curso de Verão)
Pesquisa de Marketing - UFES (Curso de Verão)Pesquisa de Marketing - UFES (Curso de Verão)
Pesquisa de Marketing - UFES (Curso de Verão)
Milton Henrique do Couto Neto
 
Questões ENADE - Administração Financeira
Questões ENADE - Administração FinanceiraQuestões ENADE - Administração Financeira
Questões ENADE - Administração Financeira
Milton Henrique do Couto Neto
 
Pós - Matemática Financeira
Pós - Matemática FinanceiraPós - Matemática Financeira
Pós - Matemática Financeira
Milton Henrique do Couto Neto
 
Politicas e Modelos de Financiamento
Politicas e Modelos de FinanciamentoPoliticas e Modelos de Financiamento
Politicas e Modelos de Financiamento
Milton Henrique do Couto Neto
 
Análise da criação, manutenção e exclusão das redes de relacionamentos (netwo...
Análise da criação, manutenção e exclusão das redes de relacionamentos (netwo...Análise da criação, manutenção e exclusão das redes de relacionamentos (netwo...
Análise da criação, manutenção e exclusão das redes de relacionamentos (netwo...
Milton Henrique do Couto Neto
 
Avaliação de Empresas e Gestão de Investimentos
Avaliação de Empresas e Gestão de InvestimentosAvaliação de Empresas e Gestão de Investimentos
Avaliação de Empresas e Gestão de Investimentos
Milton Henrique do Couto Neto
 
Desenvolvimento Sustentável
Desenvolvimento SustentávelDesenvolvimento Sustentável
Desenvolvimento Sustentável
Milton Henrique do Couto Neto
 
60 Exercícios Resolvidos de Administração Financeira para Concursos
60 Exercícios Resolvidos de Administração Financeira para Concursos60 Exercícios Resolvidos de Administração Financeira para Concursos
60 Exercícios Resolvidos de Administração Financeira para Concursos
Milton Henrique do Couto Neto
 
Gestão de Tesouraria
Gestão de TesourariaGestão de Tesouraria
Gestão de Tesouraria
Milton Henrique do Couto Neto
 

Mais de Milton Henrique do Couto Neto (20)

A implantação de uma Central de Monitoramento como inteligência, numa empresa...
A implantação de uma Central de Monitoramento como inteligência, numa empresa...A implantação de uma Central de Monitoramento como inteligência, numa empresa...
A implantação de uma Central de Monitoramento como inteligência, numa empresa...
 
Aula Pós - Instrumentos de Renda Fixa, Variável e Derivativos
Aula Pós - Instrumentos de Renda Fixa, Variável e DerivativosAula Pós - Instrumentos de Renda Fixa, Variável e Derivativos
Aula Pós - Instrumentos de Renda Fixa, Variável e Derivativos
 
Gestão Ambiental 08 - eia e rima
Gestão Ambiental 08 - eia e rimaGestão Ambiental 08 - eia e rima
Gestão Ambiental 08 - eia e rima
 
Gestão Ambiental 07 - produção limpa
Gestão Ambiental 07 -  produção limpaGestão Ambiental 07 -  produção limpa
Gestão Ambiental 07 - produção limpa
 
Gestão Ambiental 06 - emissão zero
Gestão Ambiental 06 -  emissão zeroGestão Ambiental 06 -  emissão zero
Gestão Ambiental 06 - emissão zero
 
Gestão Ambiental 05 - politica nacional para resíduos sólidos e reciclagem
Gestão Ambiental 05 -  politica nacional para resíduos sólidos e reciclagemGestão Ambiental 05 -  politica nacional para resíduos sólidos e reciclagem
Gestão Ambiental 05 - politica nacional para resíduos sólidos e reciclagem
 
Gestão Ambiental 04 - gerenciamento de resíduos sólidos
Gestão Ambiental 04 -  gerenciamento de resíduos sólidosGestão Ambiental 04 -  gerenciamento de resíduos sólidos
Gestão Ambiental 04 - gerenciamento de resíduos sólidos
 
Gestão Ambiental 03 - a sustentabilidade no microambiente
Gestão Ambiental 03 -  a sustentabilidade no microambienteGestão Ambiental 03 -  a sustentabilidade no microambiente
Gestão Ambiental 03 - a sustentabilidade no microambiente
 
Gestão Ambiental 02 - impactos no macroambiente
Gestão Ambiental 02 -  impactos no macroambienteGestão Ambiental 02 -  impactos no macroambiente
Gestão Ambiental 02 - impactos no macroambiente
 
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e SustentabilidadeGestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
 
Análise das Demonstrações Financeiras
Análise das Demonstrações FinanceirasAnálise das Demonstrações Financeiras
Análise das Demonstrações Financeiras
 
Pesquisa de Marketing - UFES (Curso de Verão)
Pesquisa de Marketing - UFES (Curso de Verão)Pesquisa de Marketing - UFES (Curso de Verão)
Pesquisa de Marketing - UFES (Curso de Verão)
 
Questões ENADE - Administração Financeira
Questões ENADE - Administração FinanceiraQuestões ENADE - Administração Financeira
Questões ENADE - Administração Financeira
 
Pós - Matemática Financeira
Pós - Matemática FinanceiraPós - Matemática Financeira
Pós - Matemática Financeira
 
Politicas e Modelos de Financiamento
Politicas e Modelos de FinanciamentoPoliticas e Modelos de Financiamento
Politicas e Modelos de Financiamento
 
Análise da criação, manutenção e exclusão das redes de relacionamentos (netwo...
Análise da criação, manutenção e exclusão das redes de relacionamentos (netwo...Análise da criação, manutenção e exclusão das redes de relacionamentos (netwo...
Análise da criação, manutenção e exclusão das redes de relacionamentos (netwo...
 
Avaliação de Empresas e Gestão de Investimentos
Avaliação de Empresas e Gestão de InvestimentosAvaliação de Empresas e Gestão de Investimentos
Avaliação de Empresas e Gestão de Investimentos
 
Desenvolvimento Sustentável
Desenvolvimento SustentávelDesenvolvimento Sustentável
Desenvolvimento Sustentável
 
60 Exercícios Resolvidos de Administração Financeira para Concursos
60 Exercícios Resolvidos de Administração Financeira para Concursos60 Exercícios Resolvidos de Administração Financeira para Concursos
60 Exercícios Resolvidos de Administração Financeira para Concursos
 
Gestão de Tesouraria
Gestão de TesourariaGestão de Tesouraria
Gestão de Tesouraria
 

Último

Introduction to EFFECTUATION concepts and applications
Introduction to EFFECTUATION concepts and applicationsIntroduction to EFFECTUATION concepts and applications
Introduction to EFFECTUATION concepts and applications
João de Paula Ribeiro Neto
 
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCCEstudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Paulo Emerson Pereira
 
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMETRESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
rihabkorbi24
 
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
Paulo Emerson Pereira
 
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
InsttLcioEvangelista
 
Foi por amor.pptx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
Foi por amor.pptx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxFoi por amor.pptx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
Foi por amor.pptx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
lindalva da cruz
 

Último (6)

Introduction to EFFECTUATION concepts and applications
Introduction to EFFECTUATION concepts and applicationsIntroduction to EFFECTUATION concepts and applications
Introduction to EFFECTUATION concepts and applications
 
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCCEstudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
 
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMETRESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
 
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
 
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
 
Foi por amor.pptx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
Foi por amor.pptx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxFoi por amor.pptx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
Foi por amor.pptx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
 

Demanda e oferta 2011_01

  • 1. Economia Empresarial Unidade II – Demanda e Oferta Milton Henrique do Couto Neto miltonh@terra.com.br
  • 2. Produtor Mercado Consumidor Oferta Demanda
  • 3. Demanda • É uma relação que dá a quantidade de um bem ou serviço que os compradores estariam dispostos e seriam capazes de adquirir a diferentes preços. Quantidade Preço Demandada (R$) (milhões por semana) 10,00 50 8,00 100 6,00 200 4,00 400
  • 4. Curva da Demanda 10,00 Preço P (R$ por maçã) 8,00 6,00 4,00 2,00 50 100 200 400 Quantidade Q (milhões de maçãs por semana)
  • 5. Oferta • É uma relação que dá a quantidade de um bem ou serviço que os vendedores estariam dispostos e seriam capazes de produzir a diferentes preços. Preço Quantidade Ofertada (R$) (milhões por semana) 10,00 260 8,00 240 6,00 200 4,00 150
  • 6. Curva da Oferta 10,00 Preço P (R$ por maçã) 8,00 6,00 4,00 2,00 50 100 200 400 Quantidade Q (milhões de maçãs por semana)
  • 7. Lei da Demanda e Lei da Oferta • Mantendo-se todos os demais fatores constantes, à medida que o preço diminui, a quantidade demandada aumenta. Caeteris paribus • Mantendo-se todos os demais fatores constantes, à medida que o preço diminui, a quantidade ofertada diminui.
  • 8. Preço de Equilíbrio Equilíbrio Excedente 10,00 Curva da Oferta Preço P (R$ por maçã) 8,00 6,00 Ponto de Equilíbrio Curva da Demanda Escassez 4,00 2,00 Quantidade de Equilíbrio 50 100 200 400 Quantidade Q (milhões de maçãs por semana)
  • 9. Equilíbrio Pressão Quantidade Quantidade Excedente Preço sobre o Demandada Ofertada ou Escassez Preço Excedente R$ 10,00 50 260 Queda + 210 Excedente R$ 8,00 100 240 Queda + 140 Equilíbrio R$ 6,00 200 200 Equilíbrio 0 Escassez R$ 4,00 400 150 Alta - 250
  • 10. Preço R$ 5,00 Enquanto os consumidores demandam de 300 milhões de maçãs, os produtores não se animam e à esse preço 10,00 produzem apenas 190 milhões. Isso levará a uma escassez de 110 milhões de maçãs. Preço P (R$ por maçã) Com a falta de maçãs os consumidores aceitarão pagar 8,00 mais caro para satisfazer a vontade. Com os consumidores pagando mais caro pela maçã, os produtores se animarão a produzir mais e a oferta 6,00 aumentará. 5,00 4,00 2,00 190 300 50 100 200 400 Quantidade Q (milhões de maçãs por semana)
  • 11. Preço R$ 8,00 Enquanto os consumidores demandam de 100 milhões de maçãs, os produtores se animam e à esse preço 10,00 produzem 240 milhões. Isso levará a um excesso de 140 milhões de maçãs. Preço P (R$ por maçã) Com a sobra de maçãs os produtores aceitarão vender 8,00 mais barato para baixarem os estoques. Com os produtores vendendo mais barato as maçãs, os consumidores se animarão a comprar em mais 6,00 quantidade e a demanda aumentará. 5,00 4,00 2,00 100 240 50 100 200 400 Quantidade Q (milhões de maçãs por semana)
  • 12. Deslocadores da Demanda A A’ Preço P B B’ C C’ Quantidade Q
  • 13. Deslocadores da Demanda • Renda – Quando a renda aumenta os consumidores consomem mais. Bem superior! Ex.: Filet Mignon – Quando a renda aumenta os consumidores consomem menos. Bem inferior! Ex.: Feijão e arroz
  • 14. Deslocadores da Demanda • Preços de Bens Relacionados – Quando o aumento no preço de um produto aumenta a demanda por outro produto. Bens substitutos! Ex.: Carne de boi e de frango – Quando o aumento no preço de um produto diminui a demanda por outro produto. Bens complementares! Ex.: Feijão e arroz
  • 15. Deslocadores da Demanda • Gostos e Preferências do Consumidor – O tempo vai passando e os gostos mudam...
  • 16. Deslocadores da Demanda • Número de compradores – Um aumento no número de compradores em um mercado aumenta a demanda. – Por outro lado, uma diminuição no número de compradores num mercado, diminui a demanda.
  • 17. Deslocadores da Demanda • Expectativas quanto a renda e preços no futuro – Expectativas de preços mais altos no futuro podem nos induzir a comprar agora. – Expectativas de rendas mais altas no futuro podem induzir os consumidores a gastar mais.
  • 18. Deslocadores da Demanda • Outros – Condições climáticas • Se começar a chover, a demanda por guarda-chuvas crescerá imediatamente. – Influência • Se uma determinada celebridade começar a usar chapéu, a demanda crescerá imediatamente. – Legislação • Se o governo aumentar os impostos sobre o carro novo, a demanda de veículos usados crescerá imediatamente.
  • 19. IMPORTANTE Variação na Variação na Demanda É diferente de Quantidade Demandada Preço P Preço P A’ A A A’ Quantidade Q Quantidade Q
  • 20. Deslocadores da Oferta A A’ B B’ Preço P C C’ Quantidade Q
  • 21. Deslocadores da Oferta • Custo dos Insumos – Com a redução do custo dos insumos, é possível produzir com o mesmo preço, obtendo um lucro maior, o que incentiva aos produtores aumentarem a oferta de produtos.
  • 22. Deslocadores da Oferta • Tecnologia – Com a melhoria da tecnologia , é possível produzir com a um custo menor o que incentiva aos produtores aumentarem a oferta de produtos.
  • 23. Deslocadores da Oferta • Condições Climáticas – Este fator é especialmente importante para a produção agrícola. – Devido a mudanças climáticas a produção agrícola pode aumentar (aumento da safra) ou diminuir (redução da safra).
  • 24. Deslocadores da Oferta • Preços de Bens Relacionados – Quando o aumento no preço de um produto aumenta a oferta de outro produto. Bens complementares na produção! Ex.: Carne de boi e couro – Quando o aumento no preço de um produto diminui a oferta de outro produto. Bens substitutos na produção! Ex.: milho e trigo
  • 25. Deslocadores da Oferta • Número de vendedores – Quanto maior for o número de ofertantes no mercado, maior será a oferta de mercado. – Quanto menor for o número de ofertantes no mercado, menor será a oferta de mercado.
  • 26. Deslocadores da Oferta • Expectativas quanto a preços no futuro – Expectativas de preços mais altos no futuro podem nos induzir a não ofertar agora.
  • 27. IMPORTANTE Variação na Variação na Oferta É diferente de Quantidade Ofertada A A’ Preço P A Preço P A’ Quantidade Q Quantidade Q
  • 28. Variações no Ponto de Equilíbrio Efeito sobre o Efeito sobre a Variação da Variação da Preço de Quantidade de Oferta Demanda Equilíbrio Equilíbrio Aumenta Diminui Diminui ? Diminui Aumenta Aumenta ? Aumenta Aumenta ? Aumenta Diminui Diminui ? Diminui
  • 29. Voltando a Lei da Demanda • Mantendo-se todos os demais fatores constantes, à medida que o preço diminui, a quantidade demandada aumenta. Mas, quanto??? Quantas unidades adicionais serão compradas? Elasticidade Preço da Demanda
  • 30. Exemplo Preço P Preço P ∆P ∆P ∆Q ∆Q Quantidade Q Quantidade Q Uma pequena alteração no preço Uma pequena alteração no preço fez com que houvesse uma fez com que houvesse uma grande alteração na quantidade pequena alteração na demandada. quantidade demandada. Demanda Demanda Elástica Inelástica
  • 31. Elasticidade Preço da Demanda ∆Q / Q Se ED > 1  Demanda ED = Elástica ∆P / P Se ED < 1  Demanda Inelástica ED= Coeficiente de Elasticidade Preço da Demanda ∆Q = Variação na Quantidade Demandada Q = Quantidade Originalmente Demandada ∆P = Variação no Preço P = Preço Original
  • 32. Tipos de Elasticidade da Demanda Elástica ED > 1 Preço P Unitária Inelástica ED = 1 ED < 1 Quantidade Q
  • 33. Elasticidades Preços da Demanda Produto ou Serviço ED Produto ou Serviço ED Moradia 0,01 Gasolina 0,60 Eletricidade (consumo 0,13 Leite 0,63 doméstico) Alimento 0,15 Eletrodomésticos 0,63 Ingressos para jogos da liga 0,23 Cinemas 0,87 principal de beisebol Serviços Telefônicos 0,26 Cerveja 0,90 Açúcar 0,30 Calçados 0,91 Serviços Médicos 0,31 Veículos automotores 1,14 Ovos 0,32 Carne 1,27 Porcelana, artigos de vidro, Serviços de Assistência Jurídica 0,37 1,54 talheres Conserto de Automóveis 0,40 Refeições em Restaurantes 2,27 Vestuário 0,49 Carne de cordeiro e carneiro 2,65
  • 34. Casos Extremos Demanda Perfeitamente Preço P Elástica Demanda Perfeitamente Inelástica Quantidade Q
  • 35. Receita Total Preço P Preço P RT = P x Q Quantidade Q Quantidade Q Demanda Demanda Elástica Inelástica Uma redução no preço Uma redução no preço aumenta a Receita Total diminui a Receita Total Muito Sensível Pouco Sensível
  • 36. Elasticidade Preço x Receita Total Impacto na Impacto na Coeficiente de Tipo de Receita com o Receita com a Elasticidade Demanda Aumento do Redução do Preço Preço ED > 1 Elástica Diminui Aumenta ED = 1 Unitária Inalterada Inalterada ED < 1 Inelástica Aumenta Diminui Se a mudança no preço ocasiona uma variação na direção oposta na receita total, então a demanda é elástica. elástica Se a mudança no preço ocasiona uma variação na mesma direção na receita total, então a demanda é inelástica. inelástica
  • 37. Fatores que Afetam a Elasticidade da Demanda • Substitutabilidade – Quanto maior o número de substitutos, maior é elasticidade da demanda. • Proporção de Renda – Quanto maior o preço de um bem em relação a renda dos indivíduos, maior a elasticidade da demanda. • Bens Supérfluos versus Bens Necessários – A demanda por bens necessários tende a ser inelástica. • Tempo – Quanto maior o tempo em consideração, maior será a elasticidade da demanda verificada.
  • 38. Voltando a Lei da Oferta • Mantendo-se todos os demais fatores constantes, à medida que o preço diminui, a quantidade ofertada diminui. Mas, quanto??? Quantas unidades a menos de serão produzidas? Elasticidade Preço da Oferta
  • 39. Exemplo Preço P Preço P ∆P ∆P ∆Q ∆Q Quantidade Q Quantidade Q Uma pequena alteração no preço Uma pequena alteração no preço fez com que houvesse uma fez com que houvesse uma grande alteração na quantidade pequena alteração na ofertada. quantidade ofertada. Demanda Demanda Elástica Inelástica
  • 40. Elasticidade Preço da Oferta ∆Q / Q Se ES > 1  Oferta ES = Elástica ∆P / P Se ES < 1  Oferta Inelástica ES= Coeficiente de Elasticidade Preço da Oferta ∆Q = Variação na Quantidade Ofertada Q = Quantidade Originalmente Ofertada ∆P = Variação no Preço P = Preço Original
  • 41. Fatores que Afetam a Elasticidade da Oferta • Custo e Possibilidade de Estocar – Quanto maior o custo de estocagem, menor é a elasticidade de oferta. • Características do Processo de Produção – Quanto mais facilmente se deslocam recursos para a produção de outro bem, maior a elasticidade da oferta. • Tempo – Quanto maior o tempo em consideração, maior será a elasticidade da oferta verificada.
  • 42. Principal Determinante da Elasticidade Preço da Oferta T–E–M–P–O • A resposta de um produtor ao aumento do preço de determinado produto depende da sua capacidade de deslocar recursos da produção de outros bens. Quanto maior for o tempo, maior será a “transferência de recursos”. Portanto devemos esperar uma resposta maior – e, desse modo, maior elasticidade de oferta – quanto mais a empresa tiver de se ajustar a uma variação de preços.
  • 43. Elasticidade da Oferta Período de Mercado Sm Imediatamente após a variação da demanda, não há como suprir o mercado com mais produtos e Pm portanto a curva da oferta é perfeitamente inelástica. Preço P P0 D2 D1 Q0 Quantidade Q
  • 44. Elasticidade da Oferta Curto Prazo SS Após um curto prazo de tempo, a empresa está se adequando a nova PS demanda, produzindo em maior quantidade. Preço P P0 D2 Pm > PS Q0 QS D1 Quantidade Q
  • 45. Elasticidade da Oferta Longo Prazo SL Após um longo prazo de tempo, a empresa já se PL Preço P adequou a nova demanda, produzindo em quantidade P0 suficiente. D2 Pm > PS > PL Q0 QL D1 Quantidade Q
  • 46. Elasticidade Cruzada da Demanda • Qual a sensibilidade da quantidade demandada de um produto X a uma variação no preço de um segundo produto Y? ∆QX / QX E XY = ∆PY / PY EXY= Coeficiente de Elasticidade Cruzada da Demanda ∆QX = Variação na Quantidade Demandada do Produto X QX = Quantidade Originalmente Demandada do Produto X ∆PY = Variação no Preço do Produto Y PY = Preço Original do Produto Y
  • 47. Elasticidade Cruzada da Demanda EXY maior • Bens Substitutos – Se a elasticidade cruzada da demanda é positiva, ou seja, a quantidade demandada de X se move na mesma direção que uma variação no preço de Y, então X e Y são Bens Substitutos. • Bens Independentes – Uma elasticidade cruzada próxima ou igual a zero sugere que os bens X e Y são Bens Independentes. • Bens Complementares – Quando a elasticidade cruzada é negativa, ou seja, o aumento no preço de X diminui a demanda por Y, então X e Y EXY menor são Bens Complementares.
  • 48. Elasticidade Renda da Demanda • Mede o grau em que os consumidores respondem a uma variação em sua renda, comprando mais ou menos de um determinado bem. ∆QX / QX Ei = ∆R / R Ei = Coeficiente de Elasticidade Renda da Demanda ∆QX = Variação na Quantidade Demandada do Produto X QX = Quantidade Originalmente Demandada do Produto X ∆R = Variação na Renda do Consumidor R = Renda Original do Consumidor
  • 49. Elasticidade Renda da Demanda • Bens Superiores ou Normais – Quando a Renda aumenta, aumenta também a demanda por esses produtos. Ei > 0 • Bens Inferiores – Quando a Renda aumenta, diminui a demanda por esses produtos. Ei < 0
  • 50. Utilidade Marginal • Utilidade Marginal é a satisfação que um indivíduo recebe pelo consumo de uma unidade adicional de um bem ou serviço. Utilidade Exemplo: Aulas de Tênis Marginal 1ª aula – Tudo é novidade. Depois de treinar eu ficaria louco para fazer outras coisas; 2ª aula – Seria um prazer considerável, mas não tanto como a 1ª aula; 3ª aula – O meu apetite por tênis está diminuindo aos poucos; ... Etc.... 1ª 2ª 3ª 4ª ... Qtd.
  • 51. Utilidade Utilidade Marginal Marginal 1ª aula R$ 20,00 2ª aula R$ 17,00 Quantificando 3ª aula R$ 13,00 4ª aula R$ 10,00 ... 1ª 2ª 3ª 4ª ... Qtd. Acima de R$ 20,00 Não faria aulas de tênis R$ 20,00 1 aula R$ 17,00 2 aulas DEMANDA R$ 13,00 3 aulas DE UM BEM R$ 10,00 4 aulas
  • 52. Equilíbrio do Consumidor • Se todas as aulas fossem dadas a R$ 15,00 cada, quantas aulas seriam assistidas? Aulas Valorização Custo Resultado Situação 1ª aula R$ 20,00 R$ 15,00 R$ 20 – R$ 15 = R$ 5,00 Assistiria a aula 2ª aula R$ 17,00 R$ 15,00 R$ 17 – R$ 15 = R$ 2,00 Assistiria a aula 3ª aula R$ 13,00 R$ 15,00 R$ 13 – R$ 15 = - R$ 2,00 NÃO assistiria a aula 4ª aula R$ 10,00 R$ 15,00 R$ 10 – R$ 15 = - R$ 5,00 NÃO assistiria a aula EQUILÍBRIO O equilíbrio do consumidor envolve compras crescentes de um bem até Valorização = Custo que sua utilidade marginal caia R$ 15,00 exatamente ao nível de seu preço.
  • 53. Excedente do Consumidor Utilidade Marginal Excedente do Consumidor R$ 20,00 R$ 17,00 R$ 15,00 R$ 13,00 R$ 10,00 ... 1ª 2ª 3ª 4ª ... Qtd. O excedente do consumidor é o benefício líquido que um consumidor ganha por ser capaz de comprar um bem. É a diferença entre o montante máximo que o consumidor estaria disposto a pagar e o que ele efetivamente paga.
  • 54. Excedente do Consumidor Utilidade Marginal Excedente do Consumidor R$ 20,00 R$ 17,00 R$ 15,00 R$ 13,00 R$ 10,00 Dispêndio Efetivo 1ª 2ª 3ª 4ª Qtd.
  • 55. Lei da Utilidade Marginal Decrescente Utilidade Total Quanto maior for o estoque de um bem nas mãos de um consumidor, menor será a importância que ele atribuirá a uma nova unidade desse bem. Utilidade A satisfação do indivíduo tende Marginal gradativamente à saciedade, por que a cada nova repetição, o grau de intensidade é menor. Imagine um indivíduo com sede. O 1º copo d´água lhe dará uma enorme Quantidade satisfação. O 2º copo lhe dará menos do bem X satisfação que o 1º. O 3º copo menos do que o 2º, etc.
  • 56. Tabela de Indiferença • É uma listagem de combinações possíveis entre dois bens , feitas de maneira tal que, para o consumidor, é indiferente qualquer combinação, pois a utilidade que lhes propiciam é a mesma. Mesma Satisfação q1 q2 Função Utilidade Chocolates Balas U = f(q1,q2) 10 50 9 54 q1 8 60 7 70 6 85 U q2 0
  • 57. Taxa Marginal de Substituição • É a variação necessária da quantidade de um bem que compensa a variação da quantidade de outro bem, para que se mantenha constante o nível de satisfação ou de utilidade do consumidor. Função Utilidade Se q1 aumenta, q2 diminui; Se q1 diminui, q2 aumenta. U = f(q1,q2) ∆q1 TMS = ∆q2
  • 58. Voltando ao Exemplo Numérico q1 q2 ∆q1 ∆q2 TMS Chocolates Balas 10 50 - - - 9 54 -1 +4 (-1/4) = -0,250 8 60 -1 +6 (-1/6) = -0,167 7 70 -1 +10 (-1/10)= -0,100 6 85 -1 +15 (-1/15)= -0,067
  • 59. Curva de Indiferença q1 Satisfação Indiferente U Insatisfação q2 0
  • 60. q1 Curvas de Indiferença Mapa de Indiferença U3 U2 U1 q2 0 • As curvas de indiferença são: – Decrescentes da esquerda para a direita; – Convexas com relação à origem dos eixos; – Nunca se cruzam nem se tangenciam. Ou seja, por um ponto só é possível passar uma única curva de indiferença.
  • 61. Suco de Uva Substitutos Perfeitos 3 2 1 U3 U2 U1 q2 0 1 2 3 Suco de Laranja • Neste caso tanto faz consumir um produto ou outro. • Eu aceito substituir um copo de suco de laranja por um copo de suco de uva.
  • 62. Pé direito Complementos Perfeitos U3 U2 U1 q2 0 Pé esquerdo • Um sapato esquerdo só aumentará a sua satisfação se você puder obter mais um sapato direito. • Eu não abro mão de nenhum sapato direito para ter um sapato esquerdo.
  • 63. Linha de Preços • Mostra as várias opções de uma família com uma dada renda monetária e enfrentando um dado conjunto de preços. Curvas de Indiferença O que se QUER comprar Linhas de Preços O que se PODE comprar Preço do bem Q1 Preço do bem Q2 Renda
  • 64. Considere uma família com renda de R$ 1.000,00, escolhendo entre o produto Q1 e Q2, cujos preços são P1=R$ 10,00 e P2=R$ 20,00: q1 P1 Total1 q2 P2 Total2 TOTAL 100 10,00 1.000,00 0 20,00 0 1.000,00 90 10,00 900,00 5 20,00 100,00 1.000,00 80 10,00 800,00 10 20,00 200,00 1.000,00 20 10,00 200,00 40 20,00 800,00 1.000,00 10 10,00 100,00 45 20,00 900,00 1.000,00 0 10,00 0 50 20,00 1.000,00 1.000,00 q1  A Linha de Preço é sempre uma linha reta; 100  A Linha de Preço é sempre inclinada negativamente;  As Linhas de Preços que representam diferentes orçamentos são sempre linhas paralelas. q2 50
  • 65. Restrição Orçamentária q1 Fora do Orçamento Dentro do Oçamento q2 0
  • 66. Equilíbrio do Consumidor q1 Os consumidores maximizam sua satisfação ou utilidade movendo-se ao longo de sua linha de orçamento até a mais alta curva de indiferença atingível. Isto é atingido no ponto de tangência A. A U3 B U2 C U1 q2 0
  • 67. Efeito – Renda q1 Com o aumento da renda, consome-se mais de ambos os produtos Q1 e Q2. U3 U2 U1 q2 0 r1 r2 r3
  • 68. Efeito – Preço q1 Com a diminuição do preço de um produto (q2), consome-se mais desse produto, mesmo que a renda tenha se mantido constante. U3 U2 U1 q2 0 r1 r2 r3
  • 69. Vestuário Solução de Canto q1 O consumidor não deseja consumir nada em vestuário. Se ele pudesse abrir mão de mais vestuário por alimentação, certamente abriria. q2 0 U1 U2 U3 Alimentação
  • 70. Externalidades de Rede • A demanda exercida por uma pessoa também depende das demandas exercidas pelos outros consumidores. – Externalidade de Rede Positiva • Ocorre um aumento da quantidade demandada de uma mercadoria por um consumidor típico, em decorrência do crescimento da quantidade de aquisições feitas por outros consumidores; – Externalidade de Rede Negativa • Ocorre uma diminuição da quantidade demandada de uma mercadoria por um consumidor típico, em decorrência do crescimento da quantidade de aquisições feitas por outros consumidores.
  • 71. Efeito Imitação Preço As pessoas achavam que só 20 pessoas D20 D40 D60 D80 haviam consumido o produto => D20. Quando acharam que 40 pessoas haviam consumido o produto, a demanda aumentou para D40 e assim por diante. Curva de Demanda do Mercado Exemplos: •Brinquedos. •Roupas, •CD´s, •etc. 0 20 40 60 80 Quantidade Externalidade Positiva: Eu compro por que tem mais gente comprando.
  • 72. D2 Efeito Esnobação Preço As pessoas achavam que só 2 pessoas D4 haviam consumido o produto => D2. Quando acharam que 4 pessoas haviam D6 consumido o produto, a demanda diminuiu para D4 e assim por diante. D8 Curva de Demanda do Mercado Exemplos: •Coleções. •Peças exclusivas, •Roupas sob medida, •etc. 0 2 4 6 8 Quantidade Externalidade Negativa: Eu compro por que tem pouca gente comprando.