SlideShare uma empresa Scribd logo
Degeneração macular relacionada à idade
O que é? A Degeneração Macular Relacionada a Idade (DMRI) é uma doença caracterizada pela deterioração da mácula do olho.  A mácula é a parte central e mais importante da retina, que permite a visão central e detalhada. Há dois tipos de DMRI: atrófica (seca) ou neovascular (úmida).
DMRI atrófica 80 a 90% de todos os casos de DMRI; Responsável por cerca de 10 a 20% de todos os casos em que há grande perda de visão;  Ocorre devido ao envelhecimento dos tecidos maculares.
DMRI neovascular ou excsudativa Representa apenas 10 a 20% dos casos da doença, mas é responsável por 80 a 90% dos casos de grandes perdas de visão.  Ocorre pela formação de novos vasos sanguíneos na região macula, que embaçam a visão central. O complexo ou lesão neovascular pode apresentar três componentes: 1 - membrana neovascular coroidal clássica (áreas bem delimitadas de hiperfluorescência precoce com vazamento intenso e uniforme tardio que geralmente obscurecem as margens da lesão); 2 – membrana neovascular coroidal oculta (deslocamento do epitélio pigmentário fibrovascular e/ou vazamento tardio de origem indeterminada); 3 - fatores associados (sangue espesso, hipofluorescência por bloqueio elevada, deslocamento do epitélio pigmentário seroso).
Sinais e sintomas A degeneração macular é uma doença silenciosa. No começo não causa coceira ou vermelhidão. Ela prejudica a visão central, sendo a visão periférica não é afetada. Forma atrófica (seca):  a diminuição da acuidade visual é lenta, assimétrica e a mácula tem manifestação pigmentar. Forma exsudativa (neovascular): é característica a metamorfopsia (distorção da imagem, um bastão reto que parece curvo ou ondulado), a diminuição da acuidade visual é súbita, na mácula se identifica descolamento seroso ou hemorrágico.
Diagnóstico O diagnóstico só é possível através de um exame chamado mapeamento da retina, feito com as pupilas dilatadas, realizado por um Oftalmologista, que identifica e localiza processos vasculares anormais. O oftalmologista pode detectar os primeiros sinais de Degeneração Macular durante uma consulta de rotina. Se, ao examinar a parte interna do olho, o oftalmologista notar indícios de degeneração macular, ele poderá realizar exames adicionais como angiofluoresceinografia,  retinografia, tomografia de coerência óptica (OCT) e, raramente, indocianinografia, ajudam no diagnóstico e no combate à evolução da doença.
Angiofluoresceinografia: É um exame que se utiliza de contraste endovenoso associado a registro fotográfico do fundo do olho para analisar a circulação e perfusão dos vasos da retina e coróide. Tomografia de coerência óptica: É um procedimento diagnóstico que utiliza uma luz para obter e criar uma imagem da retina e do disco óptico. ,[object Object]
Indocianinografia: É o exame de escolha no diagnóstico da vasculopatiapolipoidal da coróide, mas em alguns casos.,[object Object]
Repita este procedimento com o outro olho.,[object Object]
Diagnóstico precoce O exame periódico dos olhos por um oftalmologista deve fazer parte dos cuidados gerais da saúde para a detecção de problemas antes que se tornem sérios. Isso é essencialmente importante para quem tem história familiar de problemas retinianos.  Lembrar: Quanto mais  precoce o diagnóstico, mais eficiente pode ser o tratamento da degeneração macular.
Tratamento Até recentemente, as opções terapêuticas eram limitadas à fotocoagulação por laser ou observação, dependendo do tamanho dos vasos sub-retinianos anormais e a sua posição em relação à fóvea. Houve um grande aumento nas opções de tratamento, incluindo terapia fotodinâmica com a verteporfirina, radiação, termoterapia transpupilar, fotocoagulação de vaso nutridor, cirurgias de translocação macular, bem como novas terapias, ainda em estudo, com drogas antiangiogênicas e angiostáticas.
Aspectos bioquímicos O metabolismo normal da retina gera radicais livres, moléculas muito instáveis. Para se estabilizar, essas moléculas reagem com os tecidos oculares próximos, como a mácula.
Desta forma, pode-se dizer que a mácula é um tecido muito suscetível a sofrer estresse oxidativo, isto é, acúmulo de radicais livres decorrente de falhas no metabolismo do oxigênio, e que geralmente tem como consequência uma lesão tecidual.
Uma das formas naturais de se combater o estresse oxidativo, e prevenir a DMRI, é através dos antioxidantes. São exemplos: vitaminas C, E, betacaroteno e zinco.
Fatores de risco Outra causa possível da DMRI está relacionada a presença diminuída do gene complementar fator H por mutação, que ocorre mais comumente em fumantes. (Torres, Rogil, 2009);  A presença da mutação aumenta de três para sete vezes o risco de a degeneração da mácula surgir em pessoas com mais de 60 anos de idade. (Klen, Robert, 2005).
Tabagismo:diminui níveis plasmáticos de antioxidantes, afetando o metabolismo da retina. Além disso, está relacionado a aterosclerose de vasos, o que pode provocar uma neovascularização dos tecidos oculares; Hipertensão arterial sistêmica, hipercolesterolemia e obesidade: relacionadas a aterosclerose de vasos, ou seja, podem provocar uma neovascularização dos tecidos oculares.
Idade (acima de 40 anos); Sexo (mais elevado no sexo feminino); Luz solar (mais elevada em olhos claros); Doença cardíaca; Hereditariedade (histórico familiar).
Estudo realizado por Serracabassa e publicado nos Arquivos Brasileiros de Oftalmologia mostram a relação da DMRI com o estresse oxidativo. Pacientes com formas intermediárias da DMRI, com ingestão diária de vitaminas C, E, betacaroteno e óxido de zinco tiveram o risco de progressão da doença para formas graves diminuído em 25%.
Aspectos histológicos A degeneração macular relacionada à idade é uma doença ocular degenerativa caracterizada clinicamente, nas fases iniciais, por alterações do epitélio pigmentado da retina e presença de drusas, sem comprometimento clinicamente, na maioria dos casos, significante da função visual. Esse quadro se da até que ocorram formas centrais ou extensas de atrofia geográfica ou formação de neovascularização coroidiana, exsudação sub-retiniana e cicatriz fibrosa macular com baixa acentuada da visão.
A forma neovascular da DMRI é caracterizada por um crescimento de vasos sanguíneos no espaço sub-retiniano, denominada membrana neovascular sub-retiniana (MNSR). Esta MNSR estende-se anteriormente através de um defeito na membrana de Bruchpara o espaço abaixo do epitélio pigmentar da retina (EPR), e/ou da retina neurosensorial, levando ao acúmulo de líquido nesse espaço sub-retiniano, sangue, ou lipídios. Estes efeitos secundários da MNSR, adicionados à presença de um tecido cicatricial ou fibroso, ocasiona a perda da visão central.
Na forma exsudativa há o aparecimento de uma membrana neovascular sub-retiniana (MNSR), que altera a anatomia macular, incluindo a interface fotorreceptor-EPR, permitindo o extravasamento de soro e/ou sangue, e levando à perda irreversível dos fotorreceptores adjacentes, com conseqüente baixa de visão, geralmente mais rápida e acentuada do que a observada na forma seca. Na forma seca há uma lesão progressiva do EPR, membrana de Bruch (que separa o epitélio pigmentar da retina da coriocapilar) e coriocapilar, o que leva à atrofia secundária dos fotorreceptores e perda gradativa da Visão.
Referências bibliográficas Klen, Robert et. al. Complementfactor H polymorphism in age-related Macular Degeneration. Science Express. Nova York, 2005. Disponível em <http://www.sciencemag.org>. Serracarbassa, Pedro. Vitaminas e antioxidantes na degeneração macular relacionada à idade. Arquivos Brasileiros de Oftalmologia. São Paulo, 2006. Disponível em <http://www.abonet.com.br>. Singh, Rishi. Retinopatia: concentrando na degeneração macular relacionada com a idade e no edema de mácula. Disponível em <http://www.medcenter.com>. Torres, Rogil et. al. Fatores modificáveis da degeneração macular relacionada à idade. Arquivos Brasileiros de Oftalmologia. São Paulo, 2009. Disponível em <http://www.abonet.com.br>. http://www.cbo.com.br/site/index.php?mostra=7demaio_dmri Degeneração macular relacionada à idade:novas perspectivas - Márcio BittarNehemy
Grupo   Douglas Fernandes Gabriel Deveza Jéssica Oliveira João Guilherme Carvalhal Juliana Garcia Lívia Bernardez Luisa Menezes Luiza Jacomelli

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Olho
OlhoOlho
Glaucoma
GlaucomaGlaucoma
Glaucoma
hihdidushd
 
Enfisema Pulmonar
Enfisema PulmonarEnfisema Pulmonar
Enfisema Pulmonar
Nutricionista
 
Mal de alzheimer
Mal de alzheimerMal de alzheimer
Mal de alzheimer
Bruna M
 
Alzheimer ppt
Alzheimer pptAlzheimer ppt
Alzheimer ppt
Adrianne Mendonça
 
Doença de parkison
Doença de parkisonDoença de parkison
Doença de parkison
hihdidushd
 
Emergências oculares.pdf
Emergências oculares.pdfEmergências oculares.pdf
Emergências oculares.pdf
tuttitutti1
 
INSUFICIENCIA CARDÍACA CONGESTIVA
INSUFICIENCIA CARDÍACA CONGESTIVAINSUFICIENCIA CARDÍACA CONGESTIVA
INSUFICIENCIA CARDÍACA CONGESTIVA
Paulo Alambert
 
Alzheimer terapias complementares
Alzheimer terapias complementaresAlzheimer terapias complementares
Alzheimer terapias complementares
Luciana Mateus
 
Acidente vascular cerebral
Acidente vascular cerebralAcidente vascular cerebral
Acidente vascular cerebral
Universidade Federal Fluminense
 
Doença de Alzheimer: diagnóstico e tratamento
Doença de Alzheimer: diagnóstico e tratamentoDoença de Alzheimer: diagnóstico e tratamento
Doença de Alzheimer: diagnóstico e tratamento
adonems
 
Diabetic macula edema
Diabetic macula edemaDiabetic macula edema
Diabetic macula edema
Panit Cherdchu
 
Ataxia
AtaxiaAtaxia
Ataxia
lcviana
 
Catarata
CatarataCatarata
Catarata
FC Optico
 
TCE
TCETCE
Semiologia 10 dermatologia - semiologia dermatológica pdf
Semiologia 10   dermatologia - semiologia dermatológica pdfSemiologia 10   dermatologia - semiologia dermatológica pdf
Semiologia 10 dermatologia - semiologia dermatológica pdf
Jucie Vasconcelos
 
Doenças exantematicas na infancia
Doenças exantematicas na infanciaDoenças exantematicas na infancia
Doenças exantematicas na infancia
Leonardo Savassi
 
Diabetic retinopathy
Diabetic retinopathyDiabetic retinopathy
Diabetic retinopathy
Amr Mounir
 
Doença de Alzheimer
Doença de AlzheimerDoença de Alzheimer
Doença de Alzheimer
Dr. Rafael Higashi
 
GRAND ROUNDS : Anterior ischemic optic neuropathy with empty sella
GRAND ROUNDS : Anterior ischemic optic neuropathy with empty sellaGRAND ROUNDS : Anterior ischemic optic neuropathy with empty sella
GRAND ROUNDS : Anterior ischemic optic neuropathy with empty sella
Sumeet Agrawal
 

Mais procurados (20)

Olho
OlhoOlho
Olho
 
Glaucoma
GlaucomaGlaucoma
Glaucoma
 
Enfisema Pulmonar
Enfisema PulmonarEnfisema Pulmonar
Enfisema Pulmonar
 
Mal de alzheimer
Mal de alzheimerMal de alzheimer
Mal de alzheimer
 
Alzheimer ppt
Alzheimer pptAlzheimer ppt
Alzheimer ppt
 
Doença de parkison
Doença de parkisonDoença de parkison
Doença de parkison
 
Emergências oculares.pdf
Emergências oculares.pdfEmergências oculares.pdf
Emergências oculares.pdf
 
INSUFICIENCIA CARDÍACA CONGESTIVA
INSUFICIENCIA CARDÍACA CONGESTIVAINSUFICIENCIA CARDÍACA CONGESTIVA
INSUFICIENCIA CARDÍACA CONGESTIVA
 
Alzheimer terapias complementares
Alzheimer terapias complementaresAlzheimer terapias complementares
Alzheimer terapias complementares
 
Acidente vascular cerebral
Acidente vascular cerebralAcidente vascular cerebral
Acidente vascular cerebral
 
Doença de Alzheimer: diagnóstico e tratamento
Doença de Alzheimer: diagnóstico e tratamentoDoença de Alzheimer: diagnóstico e tratamento
Doença de Alzheimer: diagnóstico e tratamento
 
Diabetic macula edema
Diabetic macula edemaDiabetic macula edema
Diabetic macula edema
 
Ataxia
AtaxiaAtaxia
Ataxia
 
Catarata
CatarataCatarata
Catarata
 
TCE
TCETCE
TCE
 
Semiologia 10 dermatologia - semiologia dermatológica pdf
Semiologia 10   dermatologia - semiologia dermatológica pdfSemiologia 10   dermatologia - semiologia dermatológica pdf
Semiologia 10 dermatologia - semiologia dermatológica pdf
 
Doenças exantematicas na infancia
Doenças exantematicas na infanciaDoenças exantematicas na infancia
Doenças exantematicas na infancia
 
Diabetic retinopathy
Diabetic retinopathyDiabetic retinopathy
Diabetic retinopathy
 
Doença de Alzheimer
Doença de AlzheimerDoença de Alzheimer
Doença de Alzheimer
 
GRAND ROUNDS : Anterior ischemic optic neuropathy with empty sella
GRAND ROUNDS : Anterior ischemic optic neuropathy with empty sellaGRAND ROUNDS : Anterior ischemic optic neuropathy with empty sella
GRAND ROUNDS : Anterior ischemic optic neuropathy with empty sella
 

Destaque

A condescendência criminosa e a mácula à moralidade administrativa
A condescendência criminosa e a mácula à moralidade administrativaA condescendência criminosa e a mácula à moralidade administrativa
A condescendência criminosa e a mácula à moralidade administrativa
Ricardo Fatrin
 
Anatomia globo ocular
Anatomia globo ocularAnatomia globo ocular
Anatomia globo ocular
Daniela Tartarotti Conte
 
Análise preliminar degeneração macular relacionada a idade
Análise preliminar   degeneração macular relacionada a idadeAnálise preliminar   degeneração macular relacionada a idade
Análise preliminar degeneração macular relacionada a idade
Sandra Sanches
 
Dmri
DmriDmri
Dmri
FC Optico
 
Geronto alterações na visão
Geronto   alterações na visãoGeronto   alterações na visão
Geronto alterações na visão
Carla Roberta
 
Caso clínico: Toxicidade do azul brilhante em cirurgia de vitrectomia
Caso clínico: Toxicidade do azul brilhante em cirurgia de vitrectomiaCaso clínico: Toxicidade do azul brilhante em cirurgia de vitrectomia
Caso clínico: Toxicidade do azul brilhante em cirurgia de vitrectomia
Marcelo Hosoume
 
Relatório do 1º Período de A.p
Relatório do 1º Período de A.pRelatório do 1º Período de A.p
Relatório do 1º Período de A.p
sofiasavieira
 
Siadap
SiadapSiadap
Avaliação de Desempenho - Enfemeiros
Avaliação de Desempenho - EnfemeirosAvaliação de Desempenho - Enfemeiros
Avaliação de Desempenho - Enfemeiros
doutorenfermeiro
 
CSO Sirius
CSO SiriusCSO Sirius
CSO Sirius
Leandro Pereira
 
Nidek Al-scan
Nidek Al-scanNidek Al-scan
Nidek Al-scan
Leandro Pereira
 
A escolha da lio
A escolha da lioA escolha da lio
A escolha da lio
telmajusta
 
Nidek OPD-Scan III
Nidek OPD-Scan IIINidek OPD-Scan III
Nidek OPD-Scan III
Leandro Pereira
 
Ebook - Ceratocone
Ebook - CeratoconeEbook - Ceratocone
Ebook - Ceratocone
Ricardo Filippo
 
Avaliacao desempenho 24 11
Avaliacao desempenho 24 11Avaliacao desempenho 24 11
Avaliacao desempenho 24 11
Erica Camargo
 
Educação saúde idosos apresentação
Educação saúde idosos   apresentaçãoEducação saúde idosos   apresentação
Educação saúde idosos apresentação
fabio_freitas
 
Descolamento de Retina
Descolamento de Retina Descolamento de Retina
Descolamento de Retina
Diego Mascato
 
Trabeculectomia
TrabeculectomiaTrabeculectomia
Trabeculectomia
Jorge Marceillac
 
Degeneracion macular
Degeneracion macular Degeneracion macular
Degeneracion macular
Angeles Yahel Hernandez Vazquez
 
Papilografia - avaliação do nervo óptico
Papilografia - avaliação do nervo ópticoPapilografia - avaliação do nervo óptico
Papilografia - avaliação do nervo óptico
Pietro de Azevedo
 

Destaque (20)

A condescendência criminosa e a mácula à moralidade administrativa
A condescendência criminosa e a mácula à moralidade administrativaA condescendência criminosa e a mácula à moralidade administrativa
A condescendência criminosa e a mácula à moralidade administrativa
 
Anatomia globo ocular
Anatomia globo ocularAnatomia globo ocular
Anatomia globo ocular
 
Análise preliminar degeneração macular relacionada a idade
Análise preliminar   degeneração macular relacionada a idadeAnálise preliminar   degeneração macular relacionada a idade
Análise preliminar degeneração macular relacionada a idade
 
Dmri
DmriDmri
Dmri
 
Geronto alterações na visão
Geronto   alterações na visãoGeronto   alterações na visão
Geronto alterações na visão
 
Caso clínico: Toxicidade do azul brilhante em cirurgia de vitrectomia
Caso clínico: Toxicidade do azul brilhante em cirurgia de vitrectomiaCaso clínico: Toxicidade do azul brilhante em cirurgia de vitrectomia
Caso clínico: Toxicidade do azul brilhante em cirurgia de vitrectomia
 
Relatório do 1º Período de A.p
Relatório do 1º Período de A.pRelatório do 1º Período de A.p
Relatório do 1º Período de A.p
 
Siadap
SiadapSiadap
Siadap
 
Avaliação de Desempenho - Enfemeiros
Avaliação de Desempenho - EnfemeirosAvaliação de Desempenho - Enfemeiros
Avaliação de Desempenho - Enfemeiros
 
CSO Sirius
CSO SiriusCSO Sirius
CSO Sirius
 
Nidek Al-scan
Nidek Al-scanNidek Al-scan
Nidek Al-scan
 
A escolha da lio
A escolha da lioA escolha da lio
A escolha da lio
 
Nidek OPD-Scan III
Nidek OPD-Scan IIINidek OPD-Scan III
Nidek OPD-Scan III
 
Ebook - Ceratocone
Ebook - CeratoconeEbook - Ceratocone
Ebook - Ceratocone
 
Avaliacao desempenho 24 11
Avaliacao desempenho 24 11Avaliacao desempenho 24 11
Avaliacao desempenho 24 11
 
Educação saúde idosos apresentação
Educação saúde idosos   apresentaçãoEducação saúde idosos   apresentação
Educação saúde idosos apresentação
 
Descolamento de Retina
Descolamento de Retina Descolamento de Retina
Descolamento de Retina
 
Trabeculectomia
TrabeculectomiaTrabeculectomia
Trabeculectomia
 
Degeneracion macular
Degeneracion macular Degeneracion macular
Degeneracion macular
 
Papilografia - avaliação do nervo óptico
Papilografia - avaliação do nervo ópticoPapilografia - avaliação do nervo óptico
Papilografia - avaliação do nervo óptico
 

Semelhante a Degeneração Macular Relacionada à Idade

SíNdrome De Vogt Koyanagi Harada
SíNdrome De Vogt Koyanagi HaradaSíNdrome De Vogt Koyanagi Harada
SíNdrome De Vogt Koyanagi Harada
omarcobarros
 
Trabalho OFTALMOSCOPIA DIRETA.pdf
Trabalho OFTALMOSCOPIA DIRETA.pdfTrabalho OFTALMOSCOPIA DIRETA.pdf
Trabalho OFTALMOSCOPIA DIRETA.pdf
AnnyFrana2
 
Síndrome de Sturge-Weber
Síndrome de Sturge-WeberSíndrome de Sturge-Weber
Síndrome de Sturge-Weber
Floriza Gomide
 
Degeneração Macular seca relacionada à idade e Maculopatia miópica
Degeneração Macular seca relacionada à idade e Maculopatia miópicaDegeneração Macular seca relacionada à idade e Maculopatia miópica
Degeneração Macular seca relacionada à idade e Maculopatia miópica
Maykon Brasileiro
 
Doença oclusiva retiniana
Doença oclusiva retinianaDoença oclusiva retiniana
Doença oclusiva retiniana
Diego Mascato
 
Fundoscopia direta
Fundoscopia diretaFundoscopia direta
Fundoscopia direta
Daniela Tartarotti Conte
 
ORGÃOS E SENTIDOS.pdf
ORGÃOS E SENTIDOS.pdfORGÃOS E SENTIDOS.pdf
ORGÃOS E SENTIDOS.pdf
PriscilaSouza525134
 
Esclerodermia 3
Esclerodermia 3Esclerodermia 3
Esclerodermia 3
Yza Mariana
 
Curso 50
Curso 50Curso 50
Apresentação Drenatan
Apresentação DrenatanApresentação Drenatan
Apresentação Drenatan
Erlandi
 
Colagenoses
ColagenosesColagenoses
Colagenoses
janinemagalhaes
 
RETINOPATIA
RETINOPATIARETINOPATIA
RETINOPATIA
Pedagogo Santos
 
Esclerose sistêmica
Esclerose sistêmica Esclerose sistêmica
Esclerose sistêmica
Nay Ribeiro
 
Esclerodermia - Clínica Médica
Esclerodermia - Clínica MédicaEsclerodermia - Clínica Médica
Esclerodermia - Clínica Médica
Aillyn F. Bianchi, Faculdade de Medicina - UNIC
 
Olho e Visão
Olho e VisãoOlho e Visão
Olho e Visão
Yan Soares da Silvaa
 
Sle 2014
Sle 2014Sle 2014
Sle 2014
pauloalambert
 
Sle 2013
Sle 2013Sle 2013
Sle 2013
pauloalambert
 
Doenças do vitreo
Doenças do vitreoDoenças do vitreo
Doenças do vitreo
zambia56
 
Demencias potencialmente reversíveis.pptx
Demencias potencialmente reversíveis.pptxDemencias potencialmente reversíveis.pptx
Demencias potencialmente reversíveis.pptx
Josivane Marques
 
Condições oftálmicas e colírios
Condições oftálmicas e colíriosCondições oftálmicas e colírios
Condições oftálmicas e colírios
Cassyano Correr
 

Semelhante a Degeneração Macular Relacionada à Idade (20)

SíNdrome De Vogt Koyanagi Harada
SíNdrome De Vogt Koyanagi HaradaSíNdrome De Vogt Koyanagi Harada
SíNdrome De Vogt Koyanagi Harada
 
Trabalho OFTALMOSCOPIA DIRETA.pdf
Trabalho OFTALMOSCOPIA DIRETA.pdfTrabalho OFTALMOSCOPIA DIRETA.pdf
Trabalho OFTALMOSCOPIA DIRETA.pdf
 
Síndrome de Sturge-Weber
Síndrome de Sturge-WeberSíndrome de Sturge-Weber
Síndrome de Sturge-Weber
 
Degeneração Macular seca relacionada à idade e Maculopatia miópica
Degeneração Macular seca relacionada à idade e Maculopatia miópicaDegeneração Macular seca relacionada à idade e Maculopatia miópica
Degeneração Macular seca relacionada à idade e Maculopatia miópica
 
Doença oclusiva retiniana
Doença oclusiva retinianaDoença oclusiva retiniana
Doença oclusiva retiniana
 
Fundoscopia direta
Fundoscopia diretaFundoscopia direta
Fundoscopia direta
 
ORGÃOS E SENTIDOS.pdf
ORGÃOS E SENTIDOS.pdfORGÃOS E SENTIDOS.pdf
ORGÃOS E SENTIDOS.pdf
 
Esclerodermia 3
Esclerodermia 3Esclerodermia 3
Esclerodermia 3
 
Curso 50
Curso 50Curso 50
Curso 50
 
Apresentação Drenatan
Apresentação DrenatanApresentação Drenatan
Apresentação Drenatan
 
Colagenoses
ColagenosesColagenoses
Colagenoses
 
RETINOPATIA
RETINOPATIARETINOPATIA
RETINOPATIA
 
Esclerose sistêmica
Esclerose sistêmica Esclerose sistêmica
Esclerose sistêmica
 
Esclerodermia - Clínica Médica
Esclerodermia - Clínica MédicaEsclerodermia - Clínica Médica
Esclerodermia - Clínica Médica
 
Olho e Visão
Olho e VisãoOlho e Visão
Olho e Visão
 
Sle 2014
Sle 2014Sle 2014
Sle 2014
 
Sle 2013
Sle 2013Sle 2013
Sle 2013
 
Doenças do vitreo
Doenças do vitreoDoenças do vitreo
Doenças do vitreo
 
Demencias potencialmente reversíveis.pptx
Demencias potencialmente reversíveis.pptxDemencias potencialmente reversíveis.pptx
Demencias potencialmente reversíveis.pptx
 
Condições oftálmicas e colírios
Condições oftálmicas e colíriosCondições oftálmicas e colírios
Condições oftálmicas e colírios
 

Último

TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdfTOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
Momento da Informática
 
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdfCertificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
joaovmp3
 
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
Faga1939
 
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptxHistória da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
TomasSousa7
 
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas PráticasSegurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Danilo Pinotti
 
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdfEscola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Gabriel de Mattos Faustino
 
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptxLogica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Momento da Informática
 
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdfManual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 

Último (8)

TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdfTOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
 
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdfCertificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
 
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
 
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptxHistória da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
 
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas PráticasSegurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
 
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdfEscola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
 
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptxLogica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
 
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdfManual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
 

Degeneração Macular Relacionada à Idade

  • 2. O que é? A Degeneração Macular Relacionada a Idade (DMRI) é uma doença caracterizada pela deterioração da mácula do olho. A mácula é a parte central e mais importante da retina, que permite a visão central e detalhada. Há dois tipos de DMRI: atrófica (seca) ou neovascular (úmida).
  • 3. DMRI atrófica 80 a 90% de todos os casos de DMRI; Responsável por cerca de 10 a 20% de todos os casos em que há grande perda de visão; Ocorre devido ao envelhecimento dos tecidos maculares.
  • 4. DMRI neovascular ou excsudativa Representa apenas 10 a 20% dos casos da doença, mas é responsável por 80 a 90% dos casos de grandes perdas de visão. Ocorre pela formação de novos vasos sanguíneos na região macula, que embaçam a visão central. O complexo ou lesão neovascular pode apresentar três componentes: 1 - membrana neovascular coroidal clássica (áreas bem delimitadas de hiperfluorescência precoce com vazamento intenso e uniforme tardio que geralmente obscurecem as margens da lesão); 2 – membrana neovascular coroidal oculta (deslocamento do epitélio pigmentário fibrovascular e/ou vazamento tardio de origem indeterminada); 3 - fatores associados (sangue espesso, hipofluorescência por bloqueio elevada, deslocamento do epitélio pigmentário seroso).
  • 5. Sinais e sintomas A degeneração macular é uma doença silenciosa. No começo não causa coceira ou vermelhidão. Ela prejudica a visão central, sendo a visão periférica não é afetada. Forma atrófica (seca): a diminuição da acuidade visual é lenta, assimétrica e a mácula tem manifestação pigmentar. Forma exsudativa (neovascular): é característica a metamorfopsia (distorção da imagem, um bastão reto que parece curvo ou ondulado), a diminuição da acuidade visual é súbita, na mácula se identifica descolamento seroso ou hemorrágico.
  • 6. Diagnóstico O diagnóstico só é possível através de um exame chamado mapeamento da retina, feito com as pupilas dilatadas, realizado por um Oftalmologista, que identifica e localiza processos vasculares anormais. O oftalmologista pode detectar os primeiros sinais de Degeneração Macular durante uma consulta de rotina. Se, ao examinar a parte interna do olho, o oftalmologista notar indícios de degeneração macular, ele poderá realizar exames adicionais como angiofluoresceinografia, retinografia, tomografia de coerência óptica (OCT) e, raramente, indocianinografia, ajudam no diagnóstico e no combate à evolução da doença.
  • 7.
  • 8.
  • 9.
  • 10.
  • 11. Diagnóstico precoce O exame periódico dos olhos por um oftalmologista deve fazer parte dos cuidados gerais da saúde para a detecção de problemas antes que se tornem sérios. Isso é essencialmente importante para quem tem história familiar de problemas retinianos. Lembrar: Quanto mais precoce o diagnóstico, mais eficiente pode ser o tratamento da degeneração macular.
  • 12. Tratamento Até recentemente, as opções terapêuticas eram limitadas à fotocoagulação por laser ou observação, dependendo do tamanho dos vasos sub-retinianos anormais e a sua posição em relação à fóvea. Houve um grande aumento nas opções de tratamento, incluindo terapia fotodinâmica com a verteporfirina, radiação, termoterapia transpupilar, fotocoagulação de vaso nutridor, cirurgias de translocação macular, bem como novas terapias, ainda em estudo, com drogas antiangiogênicas e angiostáticas.
  • 13.
  • 14. Aspectos bioquímicos O metabolismo normal da retina gera radicais livres, moléculas muito instáveis. Para se estabilizar, essas moléculas reagem com os tecidos oculares próximos, como a mácula.
  • 15. Desta forma, pode-se dizer que a mácula é um tecido muito suscetível a sofrer estresse oxidativo, isto é, acúmulo de radicais livres decorrente de falhas no metabolismo do oxigênio, e que geralmente tem como consequência uma lesão tecidual.
  • 16. Uma das formas naturais de se combater o estresse oxidativo, e prevenir a DMRI, é através dos antioxidantes. São exemplos: vitaminas C, E, betacaroteno e zinco.
  • 17. Fatores de risco Outra causa possível da DMRI está relacionada a presença diminuída do gene complementar fator H por mutação, que ocorre mais comumente em fumantes. (Torres, Rogil, 2009); A presença da mutação aumenta de três para sete vezes o risco de a degeneração da mácula surgir em pessoas com mais de 60 anos de idade. (Klen, Robert, 2005).
  • 18. Tabagismo:diminui níveis plasmáticos de antioxidantes, afetando o metabolismo da retina. Além disso, está relacionado a aterosclerose de vasos, o que pode provocar uma neovascularização dos tecidos oculares; Hipertensão arterial sistêmica, hipercolesterolemia e obesidade: relacionadas a aterosclerose de vasos, ou seja, podem provocar uma neovascularização dos tecidos oculares.
  • 19. Idade (acima de 40 anos); Sexo (mais elevado no sexo feminino); Luz solar (mais elevada em olhos claros); Doença cardíaca; Hereditariedade (histórico familiar).
  • 20. Estudo realizado por Serracabassa e publicado nos Arquivos Brasileiros de Oftalmologia mostram a relação da DMRI com o estresse oxidativo. Pacientes com formas intermediárias da DMRI, com ingestão diária de vitaminas C, E, betacaroteno e óxido de zinco tiveram o risco de progressão da doença para formas graves diminuído em 25%.
  • 21. Aspectos histológicos A degeneração macular relacionada à idade é uma doença ocular degenerativa caracterizada clinicamente, nas fases iniciais, por alterações do epitélio pigmentado da retina e presença de drusas, sem comprometimento clinicamente, na maioria dos casos, significante da função visual. Esse quadro se da até que ocorram formas centrais ou extensas de atrofia geográfica ou formação de neovascularização coroidiana, exsudação sub-retiniana e cicatriz fibrosa macular com baixa acentuada da visão.
  • 22.
  • 23. A forma neovascular da DMRI é caracterizada por um crescimento de vasos sanguíneos no espaço sub-retiniano, denominada membrana neovascular sub-retiniana (MNSR). Esta MNSR estende-se anteriormente através de um defeito na membrana de Bruchpara o espaço abaixo do epitélio pigmentar da retina (EPR), e/ou da retina neurosensorial, levando ao acúmulo de líquido nesse espaço sub-retiniano, sangue, ou lipídios. Estes efeitos secundários da MNSR, adicionados à presença de um tecido cicatricial ou fibroso, ocasiona a perda da visão central.
  • 24. Na forma exsudativa há o aparecimento de uma membrana neovascular sub-retiniana (MNSR), que altera a anatomia macular, incluindo a interface fotorreceptor-EPR, permitindo o extravasamento de soro e/ou sangue, e levando à perda irreversível dos fotorreceptores adjacentes, com conseqüente baixa de visão, geralmente mais rápida e acentuada do que a observada na forma seca. Na forma seca há uma lesão progressiva do EPR, membrana de Bruch (que separa o epitélio pigmentar da retina da coriocapilar) e coriocapilar, o que leva à atrofia secundária dos fotorreceptores e perda gradativa da Visão.
  • 25.
  • 26. Referências bibliográficas Klen, Robert et. al. Complementfactor H polymorphism in age-related Macular Degeneration. Science Express. Nova York, 2005. Disponível em <http://www.sciencemag.org>. Serracarbassa, Pedro. Vitaminas e antioxidantes na degeneração macular relacionada à idade. Arquivos Brasileiros de Oftalmologia. São Paulo, 2006. Disponível em <http://www.abonet.com.br>. Singh, Rishi. Retinopatia: concentrando na degeneração macular relacionada com a idade e no edema de mácula. Disponível em <http://www.medcenter.com>. Torres, Rogil et. al. Fatores modificáveis da degeneração macular relacionada à idade. Arquivos Brasileiros de Oftalmologia. São Paulo, 2009. Disponível em <http://www.abonet.com.br>. http://www.cbo.com.br/site/index.php?mostra=7demaio_dmri Degeneração macular relacionada à idade:novas perspectivas - Márcio BittarNehemy
  • 27. Grupo Douglas Fernandes Gabriel Deveza Jéssica Oliveira João Guilherme Carvalhal Juliana Garcia Lívia Bernardez Luisa Menezes Luiza Jacomelli