SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 2
Terceiro diálogo de Górgias: acontecimentos
                                        (até à cota 498ª)

Polo cai em contradição (momento de aporia) quando admite que o belo é assim denominado
quando é bom e útil e, por sua vez, o feio quando as coisas são más ou inúteis. Deste modo,
acaba por concordar com a ideia, que tão exaustivamente contradizia, de que “É preferível
sofrer uma injustiça do que cometê-la”.

Assim, Cálicles entra insultando Sócrates – assim começa a terceira parte do diálogo.
Consequentemente, Sócrates crítica Cálicles e os sofistas de se preocuparem apenas com o
superficial e a aparência (a toilette) e não saberem refutar uma teoria pois não têm uma teoria
própria (cota 481c). Em defesa, Cálicles acusa-o de ter manipulado Górgias e Polo a aceitarem
as suas ideias, o primeiro por fê-lo “por vergonha e em obediência aos hábitos estabelecidos”
e o segundo “porque se envergonhou de exprimir o seu pensamento”. Por conseguinte,
entram no discurso dois novos conceitos que, de acordo com Cálicles, são opostos: a natureza
– o instinto - e a convenção – o “politicamente correto”. Deste modo, Cálicles expõe que a
manipulação de Sócrates passa por se servir destes conceitos para fazer o seu “oponente” cair
em contradição – explica então que o erro de Polo foi concordar com a ideia de que o feio é
mau e inútil, quando mau e inútil se refere à natureza e, por sua vez, o feio refere-se à
convenção. Assim, Cálicles retoma a ideia de que “sofrer uma injustiça é pior de que cometê-
la”, expondo que “suportar uma injustiça não é atitude própria de um homem, mas de um
escravo” (discurso de Cálicles, cota 483a – 484b) e que sofrer uma injustiça é
consideravelmente pior no domínio da natureza, de modo que, por sua vez, cometê-la é
apenas pior no domínio da lei. No entanto, as leis foram criadas para proteger os mais fracos e
assustarem os mais fortes, que são aqueles com capacidade de se “superiorizarem” – neste
sentido, a ideia de Cálicles (puramente tirânica) é que a Democracia provém dos interesses
quase egoístas dos mais fracos que, sabendo que não têm possibilidade de serem superiores,
cortam aos mais fortes essa mesma possibilidade, criando um nível que não olha às
capacidades de cada um.

Além disso, aproveita para criticar Sócrates em relação à paixão que nutre pela filosofia,
declarando que esta é bela “na juventude”, mas, no caso de alguém com a idade dele,
“transforma-se numa autêntica calamidade”, é “ridícula”, e o individuo em questão “precisa é
de chicote”, pois perde o contacto com as experiências que o tornam uma pessoa “educada e
digna de consideração” – assim, pode-se notar novamente a importância da aparência que,
anteriormente, Sócrates criticara. Finalmente, termina o seu discurso incentivando-o a
“cultivar a arte dos negócios” e a ganhar alguma “reputação” na sociedade e na política.

A este ataque Sócrates responde com ironia, fazendo Cálicles parecer algo ridículo perante a
plateia. Pede-lhe para concordar com o método de diálogo que realizara com Górgias e com
Polo, no qual um pergunta e o outro simplesmente responde, sempre em falas curtas e
diretas. Finalmente, realça (ideia já anteriormente apresentada) que agradece que Cálicles
corrija os males da sua filosofia e do tema em questão, pois quer ser refutado de modo a
aprender com isso (note-se a humildade do “sábio”).
Sócrates pede então uma definição do conceito de forte. Chega-se então à conclusão que o
mais forte é necessariamente o mais poderoso e o melhor e que “as leis da maioria são as dos
mais poderosos”, de modo que são belas. No entanto, se as leis fossem ditadas pelos mais
poderosos, de acordo com os ideais de Cálicles, este não poderiam concordar em maioria que
o melhor é a igualdade e o pior é cometer a injustiça do que sofrê-la. Assim, Sócrates admite
que a maioria é mais poderosa que o individuo, mesmo que este seja mais forte.
Consequentemente, Cálicles mantém a sua defesa pessoal com insultos e críticas que saem da
linha de raciocínio do diálogo.

Chega-se à conclusão que um sábio é muito mais poderoso do que “os medíocres” e, deste
modo, deve governá-los. Por conseguinte, Cálicles explica que “os sábios” não são aqueles que
sabem mais sobre algum assunto, mas sim aqueles que além de sabedoria possuem um
trabalho na política, negócios ou algo mais elevado.

Além disso, entra no diálogo a teoria hedonista (indivíduos que primam o prazer e procuram
apenas o agradável) aquando da questão colocada por Sócrates: se Cálicles entende por
poderosos, melhores, mais fortes e sábios, aqueles que governam algo ou aqueles que se
governam a si mesmos. Deste modo, Cálicles conclui que todos os homens são hedonistas por
natureza, mas que apenas alguns têm poder para o ser na sua vida e, como esses não são a
maioria, os mais fracos tornam o hedonismo alvo de censura e vergonha.

No entanto, se primar o agradável e o prazer é o único meio de atingir a felicidade, então um
indivíduo que não tenha quaisquer paixões ou sonhos é totalmente feliz e, no entanto, a sua
vida será desprezível. Assim, segundo Sócrates, a vida hedonista é insatisfeita, dado que o
homem nunca está saciado, porque quererá sempre mais – a vida, segundo Sócrates, deve ser
levada pelo mínimo, pelo básico e os objetivos não devem ser tão elevados, mas sim
equilibrados.

Mais uma vez, ambos os personagens entram em desacordo, pois Sócrates tenta convencer
Cálicles de que a vida moderada é mais feliz que a vida do indivíduo intemperante, mas este
acredita que alguém moderado acaba por “deixar de sentir prazer e a sua vida (…) *torna-se]
semelhante à de uma pedra” (cota 494b), concluindo que o indivíduo intemperante é mais
feliz, pois busca a sua felicidade constantemente, sentido assim mais prazer.

Chega-se então à conclusão que o prazer e o bom são a mesma coisa, de modo que não
existirão prazeres maus, ideia de Cálicles que Sócrates tentará provar errada.

                                                                              Maria Rebelo, nº8

                                                                                          12ºB

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (14)

2.2 teoria do direito. jusnaturalismo. positivismo. ordens normativas
2.2 teoria do direito. jusnaturalismo. positivismo. ordens normativas2.2 teoria do direito. jusnaturalismo. positivismo. ordens normativas
2.2 teoria do direito. jusnaturalismo. positivismo. ordens normativas
 
Jusnaturalismo 3
Jusnaturalismo 3Jusnaturalismo 3
Jusnaturalismo 3
 
Voltaire
VoltaireVoltaire
Voltaire
 
90 platao em 90 minutos paul strathern
90 platao em 90 minutos   paul strathern90 platao em 90 minutos   paul strathern
90 platao em 90 minutos paul strathern
 
Resenha critica do fedro (caio grimberg)
Resenha critica do fedro (caio grimberg)Resenha critica do fedro (caio grimberg)
Resenha critica do fedro (caio grimberg)
 
Introdução ao estudo do direito aula 1
Introdução ao estudo do direito aula 1Introdução ao estudo do direito aula 1
Introdução ao estudo do direito aula 1
 
Política
PolíticaPolítica
Política
 
Sumulas de historia_web
Sumulas de historia_webSumulas de historia_web
Sumulas de historia_web
 
Espinosa
EspinosaEspinosa
Espinosa
 
Ptgv 07
Ptgv 07Ptgv 07
Ptgv 07
 
Nicolau Maquiavel
Nicolau MaquiavelNicolau Maquiavel
Nicolau Maquiavel
 
Comode fazer uma resenha critica
Comode fazer uma resenha criticaComode fazer uma resenha critica
Comode fazer uma resenha critica
 
Dois Tratados sobre o Governo - John Locke
Dois Tratados sobre o Governo - John LockeDois Tratados sobre o Governo - John Locke
Dois Tratados sobre o Governo - John Locke
 
Pilulas democraticas 3 Ciencia
Pilulas democraticas 3  CienciaPilulas democraticas 3  Ciencia
Pilulas democraticas 3 Ciencia
 

Destaque

O Realismo em Portugal - Word
O Realismo em Portugal - WordO Realismo em Portugal - Word
O Realismo em Portugal - Word
Maria Rebelo
 
História 12ºano - Resumos
História 12ºano - ResumosHistória 12ºano - Resumos
História 12ºano - Resumos
Maria Rebelo
 
O Turismo - As novas oportunidades para o espaço rural Geografia 11ºano
O Turismo - As novas oportunidades para o espaço rural Geografia 11ºanoO Turismo - As novas oportunidades para o espaço rural Geografia 11ºano
O Turismo - As novas oportunidades para o espaço rural Geografia 11ºano
Maria Rebelo
 
Resumos de história 5ºteste 12ºano
Resumos de história 5ºteste 12ºanoResumos de história 5ºteste 12ºano
Resumos de história 5ºteste 12ºano
Maria Rebelo
 
Resumos de História 12ºano - Preparação para exame
Resumos de História 12ºano - Preparação para exameResumos de História 12ºano - Preparação para exame
Resumos de História 12ºano - Preparação para exame
Maria Rebelo
 
Capacidades motoras - Educação Física 11ºano
Capacidades motoras - Educação Física 11ºanoCapacidades motoras - Educação Física 11ºano
Capacidades motoras - Educação Física 11ºano
Maria Rebelo
 

Destaque (17)

Montesquieu
MontesquieuMontesquieu
Montesquieu
 
O Realismo em Portugal - Word
O Realismo em Portugal - WordO Realismo em Portugal - Word
O Realismo em Portugal - Word
 
Dadaísmo
 Dadaísmo Dadaísmo
Dadaísmo
 
Curriculum vitae Adolfo Casais Monteiro
Curriculum vitae Adolfo Casais MonteiroCurriculum vitae Adolfo Casais Monteiro
Curriculum vitae Adolfo Casais Monteiro
 
Guia de apresentação guilherme de faria
Guia de apresentação guilherme de fariaGuia de apresentação guilherme de faria
Guia de apresentação guilherme de faria
 
História 12ºano - Resumos
História 12ºano - ResumosHistória 12ºano - Resumos
História 12ºano - Resumos
 
História guerra fria - conceitos
História   guerra fria - conceitosHistória   guerra fria - conceitos
História guerra fria - conceitos
 
O Turismo - As novas oportunidades para o espaço rural Geografia 11ºano
O Turismo - As novas oportunidades para o espaço rural Geografia 11ºanoO Turismo - As novas oportunidades para o espaço rural Geografia 11ºano
O Turismo - As novas oportunidades para o espaço rural Geografia 11ºano
 
Marcadores guilherme de faria
Marcadores guilherme de fariaMarcadores guilherme de faria
Marcadores guilherme de faria
 
Viajar! Perder Países! Fernando Pessoa
Viajar! Perder Países! Fernando PessoaViajar! Perder Países! Fernando Pessoa
Viajar! Perder Países! Fernando Pessoa
 
Resumos de História - 4ºteste 12ºano
Resumos de História - 4ºteste 12ºanoResumos de História - 4ºteste 12ºano
Resumos de História - 4ºteste 12ºano
 
Resumos de história 5ºteste 12ºano
Resumos de história 5ºteste 12ºanoResumos de história 5ºteste 12ºano
Resumos de história 5ºteste 12ºano
 
Resumo da I Parte, Encíclica Deus caritas est do Papa Bento XVI
Resumo da I Parte, Encíclica Deus caritas est do Papa Bento XVIResumo da I Parte, Encíclica Deus caritas est do Papa Bento XVI
Resumo da I Parte, Encíclica Deus caritas est do Papa Bento XVI
 
Resumos de História 12ºano - Preparação para exame
Resumos de História 12ºano - Preparação para exameResumos de História 12ºano - Preparação para exame
Resumos de História 12ºano - Preparação para exame
 
Os principais problemas sociodemográficos da população portuguesa
Os principais problemas sociodemográficos da população portuguesaOs principais problemas sociodemográficos da população portuguesa
Os principais problemas sociodemográficos da população portuguesa
 
As novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas ruraisAs novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas rurais
 
Capacidades motoras - Educação Física 11ºano
Capacidades motoras - Educação Física 11ºanoCapacidades motoras - Educação Física 11ºano
Capacidades motoras - Educação Física 11ºano
 

Semelhante a Terceiro diálogo de górgias, Platão

Diletica socratica
Diletica socraticaDiletica socratica
Diletica socratica
Karol Souza
 
AULA FILOSOFIA - SOFISTAS SÓCRATES E PLATÃO - .pptx
AULA FILOSOFIA - SOFISTAS SÓCRATES E PLATÃO - .pptxAULA FILOSOFIA - SOFISTAS SÓCRATES E PLATÃO - .pptx
AULA FILOSOFIA - SOFISTAS SÓCRATES E PLATÃO - .pptx
LuanaAssuno7
 
A questão do estado luciano gruppi (italia)
A questão do estado   luciano gruppi (italia)A questão do estado   luciano gruppi (italia)
A questão do estado luciano gruppi (italia)
Maressah Cunha
 
2. sócrates, sofistas, platão e aristóteles
2. sócrates, sofistas, platão e aristóteles2. sócrates, sofistas, platão e aristóteles
2. sócrates, sofistas, platão e aristóteles
Tiago Kestering Pereira
 
Coleção os pensadores (1987) sócrates - filosofia - fichamento
Coleção os pensadores (1987)   sócrates - filosofia - fichamentoColeção os pensadores (1987)   sócrates - filosofia - fichamento
Coleção os pensadores (1987) sócrates - filosofia - fichamento
Jorge Freitas
 
Consciência da ignorância em sócrtaes
Consciência da ignorância em sócrtaesConsciência da ignorância em sócrtaes
Consciência da ignorância em sócrtaes
mauriciocolenghifilho
 
filosofia-socrates.doc
 filosofia-socrates.doc filosofia-socrates.doc
filosofia-socrates.doc
Patty Nery
 
A dimensão política segundo platão e a crítica de ar istoteles
A dimensão política segundo platão e a crítica de ar istotelesA dimensão política segundo platão e a crítica de ar istoteles
A dimensão política segundo platão e a crítica de ar istoteles
Joao Carlos
 

Semelhante a Terceiro diálogo de górgias, Platão (20)

Diletica socratica
Diletica socraticaDiletica socratica
Diletica socratica
 
AULA FILOSOFIA - SOFISTAS SÓCRATES E PLATÃO - .pptx
AULA FILOSOFIA - SOFISTAS SÓCRATES E PLATÃO - .pptxAULA FILOSOFIA - SOFISTAS SÓCRATES E PLATÃO - .pptx
AULA FILOSOFIA - SOFISTAS SÓCRATES E PLATÃO - .pptx
 
A questão do estado luciano gruppi (italia)
A questão do estado   luciano gruppi (italia)A questão do estado   luciano gruppi (italia)
A questão do estado luciano gruppi (italia)
 
Avaliação de Filosofia - Platão e Aristóteles
Avaliação de Filosofia - Platão e AristótelesAvaliação de Filosofia - Platão e Aristóteles
Avaliação de Filosofia - Platão e Aristóteles
 
Filosofos
FilosofosFilosofos
Filosofos
 
2. sócrates, sofistas, platão e aristóteles
2. sócrates, sofistas, platão e aristóteles2. sócrates, sofistas, platão e aristóteles
2. sócrates, sofistas, platão e aristóteles
 
Segundo Tratado Sobre o Governo Civil - John Locke
Segundo Tratado Sobre o Governo Civil - John Locke Segundo Tratado Sobre o Governo Civil - John Locke
Segundo Tratado Sobre o Governo Civil - John Locke
 
Platão e a cidade ideal
Platão e a cidade idealPlatão e a cidade ideal
Platão e a cidade ideal
 
182 artigo ives gandra
182  artigo ives gandra182  artigo ives gandra
182 artigo ives gandra
 
Coleção os pensadores (1987) sócrates - filosofia - fichamento
Coleção os pensadores (1987)   sócrates - filosofia - fichamentoColeção os pensadores (1987)   sócrates - filosofia - fichamento
Coleção os pensadores (1987) sócrates - filosofia - fichamento
 
Sócrates, Platão e Aristóteles
Sócrates, Platão e AristótelesSócrates, Platão e Aristóteles
Sócrates, Platão e Aristóteles
 
Consciência da ignorância em sócrtaes
Consciência da ignorância em sócrtaesConsciência da ignorância em sócrtaes
Consciência da ignorância em sócrtaes
 
filosofia-socrates.doc
 filosofia-socrates.doc filosofia-socrates.doc
filosofia-socrates.doc
 
Ppt andrégualtieri terça_17hrs
Ppt andrégualtieri terça_17hrsPpt andrégualtieri terça_17hrs
Ppt andrégualtieri terça_17hrs
 
A dimensão política segundo platão e a crítica de ar istoteles
A dimensão política segundo platão e a crítica de ar istotelesA dimensão política segundo platão e a crítica de ar istoteles
A dimensão política segundo platão e a crítica de ar istoteles
 
Penas eternas e a aristocracia
Penas eternas e a aristocraciaPenas eternas e a aristocracia
Penas eternas e a aristocracia
 
O conhecimento na Grécia antiga
O conhecimento na Grécia antigaO conhecimento na Grécia antiga
O conhecimento na Grécia antiga
 
Aula 3 O ser humano como ser político - Prof. Noe Assunção
Aula 3   O ser humano como ser político - Prof. Noe AssunçãoAula 3   O ser humano como ser político - Prof. Noe Assunção
Aula 3 O ser humano como ser político - Prof. Noe Assunção
 
Filosofia política em Platão e Aristóteles
Filosofia política em Platão e AristótelesFilosofia política em Platão e Aristóteles
Filosofia política em Platão e Aristóteles
 
Aula 03 - Sócrates e o Nascimento da Filosofia
Aula 03 - Sócrates e o Nascimento da FilosofiaAula 03 - Sócrates e o Nascimento da Filosofia
Aula 03 - Sócrates e o Nascimento da Filosofia
 

Mais de Maria Rebelo

Viajar! Perder Países! Fernando Pessoa ortónimo, apresentação
Viajar! Perder Países! Fernando Pessoa ortónimo, apresentaçãoViajar! Perder Países! Fernando Pessoa ortónimo, apresentação
Viajar! Perder Países! Fernando Pessoa ortónimo, apresentação
Maria Rebelo
 
O Realismo em Portugal - Literatura Portuguesa
O Realismo em Portugal - Literatura PortuguesaO Realismo em Portugal - Literatura Portuguesa
O Realismo em Portugal - Literatura Portuguesa
Maria Rebelo
 
Cântigo Negro de José Régio (apresentação + biografia)
Cântigo Negro de José Régio (apresentação + biografia)Cântigo Negro de José Régio (apresentação + biografia)
Cântigo Negro de José Régio (apresentação + biografia)
Maria Rebelo
 
Trabalho Geografia 11ºano - Termas (Turismo)
Trabalho Geografia 11ºano - Termas (Turismo)Trabalho Geografia 11ºano - Termas (Turismo)
Trabalho Geografia 11ºano - Termas (Turismo)
Maria Rebelo
 

Mais de Maria Rebelo (13)

O Iluminismo - Contextualização Histórica
O Iluminismo - Contextualização HistóricaO Iluminismo - Contextualização Histórica
O Iluminismo - Contextualização Histórica
 
Resumos de História - 3ºteste 12ºano
Resumos de História - 3ºteste 12ºanoResumos de História - 3ºteste 12ºano
Resumos de História - 3ºteste 12ºano
 
Fundamentação da Metafísica dos Costumes - Immanuel Kant 2ª SECÇÃO
Fundamentação da Metafísica dos Costumes - Immanuel Kant 2ª SECÇÃOFundamentação da Metafísica dos Costumes - Immanuel Kant 2ª SECÇÃO
Fundamentação da Metafísica dos Costumes - Immanuel Kant 2ª SECÇÃO
 
Viajar! Perder Países! Fernando Pessoa ortónimo, apresentação
Viajar! Perder Países! Fernando Pessoa ortónimo, apresentaçãoViajar! Perder Países! Fernando Pessoa ortónimo, apresentação
Viajar! Perder Países! Fernando Pessoa ortónimo, apresentação
 
O romantismo
O romantismoO romantismo
O romantismo
 
O Realismo em Portugal - Literatura Portuguesa
O Realismo em Portugal - Literatura PortuguesaO Realismo em Portugal - Literatura Portuguesa
O Realismo em Portugal - Literatura Portuguesa
 
Cântigo Negro de José Régio (apresentação + biografia)
Cântigo Negro de José Régio (apresentação + biografia)Cântigo Negro de José Régio (apresentação + biografia)
Cântigo Negro de José Régio (apresentação + biografia)
 
Apresentação Bichos Miguel Torga
Apresentação Bichos Miguel TorgaApresentação Bichos Miguel Torga
Apresentação Bichos Miguel Torga
 
Poetas do modernismo Guilherme de Faria
Poetas do modernismo Guilherme de FariaPoetas do modernismo Guilherme de Faria
Poetas do modernismo Guilherme de Faria
 
O Realismo em Portugal
O Realismo em PortugalO Realismo em Portugal
O Realismo em Portugal
 
Charles de Montesquieu - O Espírito das Leis + Biografia
Charles de Montesquieu - O Espírito das Leis + BiografiaCharles de Montesquieu - O Espírito das Leis + Biografia
Charles de Montesquieu - O Espírito das Leis + Biografia
 
Trabalho Geografia 11ºano - Termas (Turismo)
Trabalho Geografia 11ºano - Termas (Turismo)Trabalho Geografia 11ºano - Termas (Turismo)
Trabalho Geografia 11ºano - Termas (Turismo)
 
Contos, vergilio ferreira
Contos, vergilio ferreiraContos, vergilio ferreira
Contos, vergilio ferreira
 

Terceiro diálogo de górgias, Platão

  • 1. Terceiro diálogo de Górgias: acontecimentos (até à cota 498ª) Polo cai em contradição (momento de aporia) quando admite que o belo é assim denominado quando é bom e útil e, por sua vez, o feio quando as coisas são más ou inúteis. Deste modo, acaba por concordar com a ideia, que tão exaustivamente contradizia, de que “É preferível sofrer uma injustiça do que cometê-la”. Assim, Cálicles entra insultando Sócrates – assim começa a terceira parte do diálogo. Consequentemente, Sócrates crítica Cálicles e os sofistas de se preocuparem apenas com o superficial e a aparência (a toilette) e não saberem refutar uma teoria pois não têm uma teoria própria (cota 481c). Em defesa, Cálicles acusa-o de ter manipulado Górgias e Polo a aceitarem as suas ideias, o primeiro por fê-lo “por vergonha e em obediência aos hábitos estabelecidos” e o segundo “porque se envergonhou de exprimir o seu pensamento”. Por conseguinte, entram no discurso dois novos conceitos que, de acordo com Cálicles, são opostos: a natureza – o instinto - e a convenção – o “politicamente correto”. Deste modo, Cálicles expõe que a manipulação de Sócrates passa por se servir destes conceitos para fazer o seu “oponente” cair em contradição – explica então que o erro de Polo foi concordar com a ideia de que o feio é mau e inútil, quando mau e inútil se refere à natureza e, por sua vez, o feio refere-se à convenção. Assim, Cálicles retoma a ideia de que “sofrer uma injustiça é pior de que cometê- la”, expondo que “suportar uma injustiça não é atitude própria de um homem, mas de um escravo” (discurso de Cálicles, cota 483a – 484b) e que sofrer uma injustiça é consideravelmente pior no domínio da natureza, de modo que, por sua vez, cometê-la é apenas pior no domínio da lei. No entanto, as leis foram criadas para proteger os mais fracos e assustarem os mais fortes, que são aqueles com capacidade de se “superiorizarem” – neste sentido, a ideia de Cálicles (puramente tirânica) é que a Democracia provém dos interesses quase egoístas dos mais fracos que, sabendo que não têm possibilidade de serem superiores, cortam aos mais fortes essa mesma possibilidade, criando um nível que não olha às capacidades de cada um. Além disso, aproveita para criticar Sócrates em relação à paixão que nutre pela filosofia, declarando que esta é bela “na juventude”, mas, no caso de alguém com a idade dele, “transforma-se numa autêntica calamidade”, é “ridícula”, e o individuo em questão “precisa é de chicote”, pois perde o contacto com as experiências que o tornam uma pessoa “educada e digna de consideração” – assim, pode-se notar novamente a importância da aparência que, anteriormente, Sócrates criticara. Finalmente, termina o seu discurso incentivando-o a “cultivar a arte dos negócios” e a ganhar alguma “reputação” na sociedade e na política. A este ataque Sócrates responde com ironia, fazendo Cálicles parecer algo ridículo perante a plateia. Pede-lhe para concordar com o método de diálogo que realizara com Górgias e com Polo, no qual um pergunta e o outro simplesmente responde, sempre em falas curtas e diretas. Finalmente, realça (ideia já anteriormente apresentada) que agradece que Cálicles corrija os males da sua filosofia e do tema em questão, pois quer ser refutado de modo a aprender com isso (note-se a humildade do “sábio”).
  • 2. Sócrates pede então uma definição do conceito de forte. Chega-se então à conclusão que o mais forte é necessariamente o mais poderoso e o melhor e que “as leis da maioria são as dos mais poderosos”, de modo que são belas. No entanto, se as leis fossem ditadas pelos mais poderosos, de acordo com os ideais de Cálicles, este não poderiam concordar em maioria que o melhor é a igualdade e o pior é cometer a injustiça do que sofrê-la. Assim, Sócrates admite que a maioria é mais poderosa que o individuo, mesmo que este seja mais forte. Consequentemente, Cálicles mantém a sua defesa pessoal com insultos e críticas que saem da linha de raciocínio do diálogo. Chega-se à conclusão que um sábio é muito mais poderoso do que “os medíocres” e, deste modo, deve governá-los. Por conseguinte, Cálicles explica que “os sábios” não são aqueles que sabem mais sobre algum assunto, mas sim aqueles que além de sabedoria possuem um trabalho na política, negócios ou algo mais elevado. Além disso, entra no diálogo a teoria hedonista (indivíduos que primam o prazer e procuram apenas o agradável) aquando da questão colocada por Sócrates: se Cálicles entende por poderosos, melhores, mais fortes e sábios, aqueles que governam algo ou aqueles que se governam a si mesmos. Deste modo, Cálicles conclui que todos os homens são hedonistas por natureza, mas que apenas alguns têm poder para o ser na sua vida e, como esses não são a maioria, os mais fracos tornam o hedonismo alvo de censura e vergonha. No entanto, se primar o agradável e o prazer é o único meio de atingir a felicidade, então um indivíduo que não tenha quaisquer paixões ou sonhos é totalmente feliz e, no entanto, a sua vida será desprezível. Assim, segundo Sócrates, a vida hedonista é insatisfeita, dado que o homem nunca está saciado, porque quererá sempre mais – a vida, segundo Sócrates, deve ser levada pelo mínimo, pelo básico e os objetivos não devem ser tão elevados, mas sim equilibrados. Mais uma vez, ambos os personagens entram em desacordo, pois Sócrates tenta convencer Cálicles de que a vida moderada é mais feliz que a vida do indivíduo intemperante, mas este acredita que alguém moderado acaba por “deixar de sentir prazer e a sua vida (…) *torna-se] semelhante à de uma pedra” (cota 494b), concluindo que o indivíduo intemperante é mais feliz, pois busca a sua felicidade constantemente, sentido assim mais prazer. Chega-se então à conclusão que o prazer e o bom são a mesma coisa, de modo que não existirão prazeres maus, ideia de Cálicles que Sócrates tentará provar errada. Maria Rebelo, nº8 12ºB