SlideShare uma empresa Scribd logo
POLÍTICA HABITACIONAL EM BLUMENAU:
EVOLUÇÃO E SEGREGAÇÃO
POLÍTICA HABITACIONAL EM BLUMENAU:
EVOLUÇÃO E SEGREGAÇÃO
Profa. Dra. Claudia Siebert
Profa. MSc. Carla Cíntia Back
Acadêmica Sulana Tenfen
FURB - Universidade Regional de Blumenau
NEUR - Núcleo de Estudos Urbanos e Regionais
POLÍTICA HABITACIONAL EM BLUMENAU:
EVOLUÇÃO E SEGREGAÇÃO
Este artigo apresenta uma análise crítica sobre a evolução da política
habitacional de Blumenau-SC, discutindo seus avanços recentes e propondo
novas estratégias que colaborem para reduzir a segregação socioespacial.
Blumenau, com 309.011 habitantes em 2010, segundo o IBGE, é a cidade pólo
do Vale do Itajaí. Fundada em 1850 por imigrantes alemães, tem sua economia
baseada na indústria têxtil e na prestação de serviços à região.
Este estudo aborda desde as vilas operárias produzidas pelas empresas têxteis
para seus funcionários a partir de 1920, até os últimos conjuntos habitacionais do
Programa Minha Casa Minha Vida. Os dados apresentados são provenientes de
pesquisas do NEUR – Núcleo de Estudos Urbanos e Regionais da Universidade
Regional de Blumenau, e do PMHIS – Plano Municipal de Habitação de Interesse
Social
POLÍTICA HABITACIONAL EM BLUMENAU:
EVOLUÇÃO E SEGREGAÇÃO
FASES DA HABITAÇÃO SOCIAL
PRIMEIRA FASE: INICIATIVA PRIVADA
BRASIL BLUMENAU
Na primeira fase da habitação social no país, ainda no final do século XIX, a
iniciativa privada foi a responsável pela produção habitacional. Foi a época das
moradias de aluguel nas vilas operárias construídas pelas indústrias para atrair e
fixar a mão de obra.
Assim como no restante do país, também em Blumenau as empresas industriais
edificaram vilas operárias como forma de atrair e manter funcionários. Exemplo
disto são as casas para operários construídas, a partir de 1920, no entorno da
Empresa Industrial Garcia (Artex/Coteminas) e da Cia. Hering. O padrão de
localização, a menos de um quilômetro da fábrica, facilitava o deslocamento casa-
trabalho.
1
FASE
POLÍTICA HABITACIONAL EM BLUMENAU:
EVOLUÇÃO E SEGREGAÇÃO
FASES DA HABITAÇÃO SOCIAL
SEGUNDA FASE: ESTADO
BRASIL BLUMENAU
Na segunda fase da habitação social no Brasil, que foi dos anos 1930s a 1986, a
produção de habitação popular passou a ser responsabilidade do Estado, que
financiava a aquisição da casa própria pelo SFH – Sistema Financeiro de
Habitação. Nesta fase, o BNH – Banco Nacional de Habitação, criado em 1965,
financiou 4,5 milhões de unidades habitacionais, priorizando a quantidade e não a
qualidade, e em um padrão de urbanização periférico.
A segunda fase da habitação social, com o Estado financiando conjuntos
habitacionais, não foi muito expressiva em Blumenau, mas pode ser exemplificado
por um conjunto habitacional multifamiliar com 72 apartamentos na R. Amazonas,
bairro Garcia, financiado pelo BNH nos anos 1980s .
2
FASE
POLÍTICA HABITACIONAL EM BLUMENAU:
EVOLUÇÃO E SEGREGAÇÃO
FASES DA HABITAÇÃO SOCIAL
TERCEIRA FASE: AUTOCONSTRUÇÃO
BRASIL BLUMENAU
Com a extinção do BHN, em 1986, teve início a terceira fase da habitação social no país, na
qual a omissão do Estado e o desinteresse da iniciativa privada levaram a questão
habitacional a ser “resolvida” pela própria população, em forma de autoconstrução em
assentamentos precários. Isto resultou em um passivo a ser enfrentado de 16 milhões de
famílias residindo em moradias precárias, com 2,3 milhões de famílias residindo em favelas
em 1.837 municípios.
Em Blumenau, a fase de expansão da economia nos anos 1970 correspondeu também ao
crescimento da exclusão socioeconômica. Na fase de retração econômica, a partir de 1980,
o desemprego trouxe como consequência mais pressão de ocupações ilegais. Estima-se
que pelo menos seis mil famílias em Blumenau encontram-se em uma situação de
vulnerabilidade social e econômica, não conseguindo por seus próprios meios, resolver a
questão da moradia por meios legais.
3
FASE
POLÍTICA HABITACIONAL EM BLUMENAU:
EVOLUÇÃO E SEGREGAÇÃO
FASES DA HABITAÇÃO SOCIAL
QUARTA FASE: ESTADO
BRASIL BLUMENAU
Podemos considerar que uma quarta fase da habitação social no país teve início em
2000, com a inclusão, por meio da Emenda Constitucional 26/2000, do direito à
habitação na Constituição Federal. Em 2001, foi aprovado o Estatuto da Cidade, novo
marco legal da política urbana brasileira.
Ainda em 2001, foi criado o PAR – Programa de Arrendamento Residencial (Lei
Federal 10.188/2001). O Estado brasileiro, gradualmente, retomou a produção de
habitação social.
Em Blumenau, com recursos do PAR, foram construídos cinco conjuntos
habitacionais multifamiliares em Blumenau, totalizando 656 apartamentos.
4
FASE

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sociologia transformaçoes
Sociologia transformaçoesSociologia transformaçoes
Sociologia transformaçoes
flaviacorreia0
 
Welfare state
Welfare stateWelfare state
Welfare state
Rosane Domingues
 
Cenários da crise política no brasil
Cenários da crise política no brasilCenários da crise política no brasil
Cenários da crise política no brasil
Fernando Alcoforado
 
Conflito Social e Welfare State
Conflito Social e Welfare StateConflito Social e Welfare State
Conflito Social e Welfare State
Jhose Filho
 
Maricato, e. erradicar o analfabetismo urbanístico
Maricato, e. erradicar o analfabetismo urbanísticoMaricato, e. erradicar o analfabetismo urbanístico
Maricato, e. erradicar o analfabetismo urbanístico
Filipe Carvalho
 
As Origens Do Estado Do Bem Estar Social
As Origens Do Estado Do Bem Estar SocialAs Origens Do Estado Do Bem Estar Social
As Origens Do Estado Do Bem Estar Social
Marilia Coutinho
 
Simulado caixa
Simulado caixaSimulado caixa
Simulado caixa
DEBORA ALBUQUERQUE
 
Impactos sociais das políticas públicas Neoliberais e Pós-Neoliberais
Impactos sociais das políticas públicas Neoliberais e Pós-NeoliberaisImpactos sociais das políticas públicas Neoliberais e Pós-Neoliberais
Impactos sociais das políticas públicas Neoliberais e Pós-Neoliberais
labpoliticaspublicasparticipativas
 
Ideologia e trabalho
Ideologia e trabalhoIdeologia e trabalho
Ideologia e trabalho
Elisandra Santolin
 
A JUVENTUDE RURAL E O ESTATUTO DA JUVENTUDE
A JUVENTUDE RURAL E O ESTATUTO DA JUVENTUDEA JUVENTUDE RURAL E O ESTATUTO DA JUVENTUDE
A JUVENTUDE RURAL E O ESTATUTO DA JUVENTUDE
UFPB
 
Formação da questão social no brasil
Formação da questão social no brasilFormação da questão social no brasil
Formação da questão social no brasil
Arare Carvalho Júnior
 
Auditor fiscal prova_1
Auditor fiscal prova_1Auditor fiscal prova_1
Auditor fiscal prova_1
Daebul University
 
Segurança Social ...
Segurança Social ...Segurança Social ...
Segurança Social ...
Umberto Pacheco
 
A política de assistência social no contexto neoliberal desafios e contradi...
A política de assistência social no  contexto neoliberal desafios e  contradi...A política de assistência social no  contexto neoliberal desafios e  contradi...
A política de assistência social no contexto neoliberal desafios e contradi...
GILZEANE
 

Mais procurados (14)

Sociologia transformaçoes
Sociologia transformaçoesSociologia transformaçoes
Sociologia transformaçoes
 
Welfare state
Welfare stateWelfare state
Welfare state
 
Cenários da crise política no brasil
Cenários da crise política no brasilCenários da crise política no brasil
Cenários da crise política no brasil
 
Conflito Social e Welfare State
Conflito Social e Welfare StateConflito Social e Welfare State
Conflito Social e Welfare State
 
Maricato, e. erradicar o analfabetismo urbanístico
Maricato, e. erradicar o analfabetismo urbanísticoMaricato, e. erradicar o analfabetismo urbanístico
Maricato, e. erradicar o analfabetismo urbanístico
 
As Origens Do Estado Do Bem Estar Social
As Origens Do Estado Do Bem Estar SocialAs Origens Do Estado Do Bem Estar Social
As Origens Do Estado Do Bem Estar Social
 
Simulado caixa
Simulado caixaSimulado caixa
Simulado caixa
 
Impactos sociais das políticas públicas Neoliberais e Pós-Neoliberais
Impactos sociais das políticas públicas Neoliberais e Pós-NeoliberaisImpactos sociais das políticas públicas Neoliberais e Pós-Neoliberais
Impactos sociais das políticas públicas Neoliberais e Pós-Neoliberais
 
Ideologia e trabalho
Ideologia e trabalhoIdeologia e trabalho
Ideologia e trabalho
 
A JUVENTUDE RURAL E O ESTATUTO DA JUVENTUDE
A JUVENTUDE RURAL E O ESTATUTO DA JUVENTUDEA JUVENTUDE RURAL E O ESTATUTO DA JUVENTUDE
A JUVENTUDE RURAL E O ESTATUTO DA JUVENTUDE
 
Formação da questão social no brasil
Formação da questão social no brasilFormação da questão social no brasil
Formação da questão social no brasil
 
Auditor fiscal prova_1
Auditor fiscal prova_1Auditor fiscal prova_1
Auditor fiscal prova_1
 
Segurança Social ...
Segurança Social ...Segurança Social ...
Segurança Social ...
 
A política de assistência social no contexto neoliberal desafios e contradi...
A política de assistência social no  contexto neoliberal desafios e  contradi...A política de assistência social no  contexto neoliberal desafios e  contradi...
A política de assistência social no contexto neoliberal desafios e contradi...
 

Semelhante a 2012 CTHAB csiebert Política Habitacional em Blumenau

Compacto politica publica da habitação
Compacto politica publica da habitaçãoCompacto politica publica da habitação
Compacto politica publica da habitação
Johnny Maguera
 
Urbanização e industrialização no Brasil
Urbanização e industrialização no Brasil Urbanização e industrialização no Brasil
Urbanização e industrialização no Brasil
ELTONDASILVARODRIGUE
 
Brasil: paradoxos entre o crescimento econômico e a desigualdade social - [TC...
Brasil: paradoxos entre o crescimento econômico e a desigualdade social - [TC...Brasil: paradoxos entre o crescimento econômico e a desigualdade social - [TC...
Brasil: paradoxos entre o crescimento econômico e a desigualdade social - [TC...
Diógenes de Oliveira
 
Aspectos Do Brasil 1º Va
Aspectos Do Brasil 1º VaAspectos Do Brasil 1º Va
Aspectos Do Brasil 1º Va
ProfMario De Mori
 
Conjunto BNH Natingui
Conjunto BNH Natingui  Conjunto BNH Natingui
Conjunto BNH Natingui
Carlos Elson Cunha
 
O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASIL
O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASILO PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASIL
O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASIL
Anderson Silva
 
política social - fundamentos e história
política social - fundamentos e históriapolítica social - fundamentos e história
política social - fundamentos e história
Rafael Dionisio
 
Aspectos Do Brasil 1º Mb
Aspectos Do Brasil 1º MbAspectos Do Brasil 1º Mb
Aspectos Do Brasil 1º Mb
ProfMario De Mori
 
Politicas sociais aula 10
Politicas sociais aula 10Politicas sociais aula 10
Politicas sociais aula 10
J M
 
Urbanização no Brasil Gaby.pptx
Urbanização no Brasil Gaby.pptxUrbanização no Brasil Gaby.pptx
Urbanização no Brasil Gaby.pptx
GabriellyReis7
 
Conhecendo um pouco da história política do Brasil - Serviço Social no Brasil
 Conhecendo um pouco da história política do Brasil - Serviço Social no Brasil Conhecendo um pouco da história política do Brasil - Serviço Social no Brasil
Conhecendo um pouco da história política do Brasil - Serviço Social no Brasil
Rosane Domingues
 
Brasil: urbanização e principais problemas urbanos
Brasil: urbanização e principais problemas urbanosBrasil: urbanização e principais problemas urbanos
Brasil: urbanização e principais problemas urbanos
Deto - Geografia
 
Direito a moradia_no_brasil
Direito a moradia_no_brasilDireito a moradia_no_brasil
Direito a moradia_no_brasil
Dayane Lopes
 
A ausência de protagonismo do povo brasileiro na história do brasil
A ausência de protagonismo do povo brasileiro na história do brasilA ausência de protagonismo do povo brasileiro na história do brasil
A ausência de protagonismo do povo brasileiro na história do brasil
Fernando Alcoforado
 
Aspectos Do Brasil 1º Ma
Aspectos Do Brasil 1º MaAspectos Do Brasil 1º Ma
Aspectos Do Brasil 1º Ma
ProfMario De Mori
 
Resenha texto a crise de habitação
Resenha texto a crise de habitaçãoResenha texto a crise de habitação
Resenha texto a crise de habitação
ofwd
 
2011 IPPUJ 20 anos Blumenau
2011 IPPUJ 20 anos Blumenau2011 IPPUJ 20 anos Blumenau
2011 IPPUJ 20 anos Blumenau
Claudia Siebert
 
2012 07 20_17_20_14_eja_7_ce_geografia_unidades_3-4
2012 07 20_17_20_14_eja_7_ce_geografia_unidades_3-42012 07 20_17_20_14_eja_7_ce_geografia_unidades_3-4
2012 07 20_17_20_14_eja_7_ce_geografia_unidades_3-4
Edjania dos Anjos
 
A política social brasileira no século XXI
A política social brasileira  no século XXIA política social brasileira  no século XXI
A política social brasileira no século XXI
Janny Vitoriano
 
Urbanização do Rio de Janeiro
Urbanização do Rio de JaneiroUrbanização do Rio de Janeiro
Urbanização do Rio de Janeiro
Juan Da Silva Lemos
 

Semelhante a 2012 CTHAB csiebert Política Habitacional em Blumenau (20)

Compacto politica publica da habitação
Compacto politica publica da habitaçãoCompacto politica publica da habitação
Compacto politica publica da habitação
 
Urbanização e industrialização no Brasil
Urbanização e industrialização no Brasil Urbanização e industrialização no Brasil
Urbanização e industrialização no Brasil
 
Brasil: paradoxos entre o crescimento econômico e a desigualdade social - [TC...
Brasil: paradoxos entre o crescimento econômico e a desigualdade social - [TC...Brasil: paradoxos entre o crescimento econômico e a desigualdade social - [TC...
Brasil: paradoxos entre o crescimento econômico e a desigualdade social - [TC...
 
Aspectos Do Brasil 1º Va
Aspectos Do Brasil 1º VaAspectos Do Brasil 1º Va
Aspectos Do Brasil 1º Va
 
Conjunto BNH Natingui
Conjunto BNH Natingui  Conjunto BNH Natingui
Conjunto BNH Natingui
 
O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASIL
O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASILO PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASIL
O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASIL
 
política social - fundamentos e história
política social - fundamentos e históriapolítica social - fundamentos e história
política social - fundamentos e história
 
Aspectos Do Brasil 1º Mb
Aspectos Do Brasil 1º MbAspectos Do Brasil 1º Mb
Aspectos Do Brasil 1º Mb
 
Politicas sociais aula 10
Politicas sociais aula 10Politicas sociais aula 10
Politicas sociais aula 10
 
Urbanização no Brasil Gaby.pptx
Urbanização no Brasil Gaby.pptxUrbanização no Brasil Gaby.pptx
Urbanização no Brasil Gaby.pptx
 
Conhecendo um pouco da história política do Brasil - Serviço Social no Brasil
 Conhecendo um pouco da história política do Brasil - Serviço Social no Brasil Conhecendo um pouco da história política do Brasil - Serviço Social no Brasil
Conhecendo um pouco da história política do Brasil - Serviço Social no Brasil
 
Brasil: urbanização e principais problemas urbanos
Brasil: urbanização e principais problemas urbanosBrasil: urbanização e principais problemas urbanos
Brasil: urbanização e principais problemas urbanos
 
Direito a moradia_no_brasil
Direito a moradia_no_brasilDireito a moradia_no_brasil
Direito a moradia_no_brasil
 
A ausência de protagonismo do povo brasileiro na história do brasil
A ausência de protagonismo do povo brasileiro na história do brasilA ausência de protagonismo do povo brasileiro na história do brasil
A ausência de protagonismo do povo brasileiro na história do brasil
 
Aspectos Do Brasil 1º Ma
Aspectos Do Brasil 1º MaAspectos Do Brasil 1º Ma
Aspectos Do Brasil 1º Ma
 
Resenha texto a crise de habitação
Resenha texto a crise de habitaçãoResenha texto a crise de habitação
Resenha texto a crise de habitação
 
2011 IPPUJ 20 anos Blumenau
2011 IPPUJ 20 anos Blumenau2011 IPPUJ 20 anos Blumenau
2011 IPPUJ 20 anos Blumenau
 
2012 07 20_17_20_14_eja_7_ce_geografia_unidades_3-4
2012 07 20_17_20_14_eja_7_ce_geografia_unidades_3-42012 07 20_17_20_14_eja_7_ce_geografia_unidades_3-4
2012 07 20_17_20_14_eja_7_ce_geografia_unidades_3-4
 
A política social brasileira no século XXI
A política social brasileira  no século XXIA política social brasileira  no século XXI
A política social brasileira no século XXI
 
Urbanização do Rio de Janeiro
Urbanização do Rio de JaneiroUrbanização do Rio de Janeiro
Urbanização do Rio de Janeiro
 

Mais de Claudia Siebert

2017 Audiencia PD Blumenau
2017 Audiencia PD Blumenau2017 Audiencia PD Blumenau
2017 Audiencia PD Blumenau
Claudia Siebert
 
2017 Mudanças Climáticas e Desastres Naturais em Santa Catarina
2017 Mudanças Climáticas e Desastres Naturais em Santa Catarina2017 Mudanças Climáticas e Desastres Naturais em Santa Catarina
2017 Mudanças Climáticas e Desastres Naturais em Santa Catarina
Claudia Siebert
 
2016 Gestão Urbana e Desastres Naturais - SC
2016 Gestão Urbana e Desastres Naturais - SC2016 Gestão Urbana e Desastres Naturais - SC
2016 Gestão Urbana e Desastres Naturais - SC
Claudia Siebert
 
2016 Resiliência Urbana
2016 Resiliência Urbana2016 Resiliência Urbana
2016 Resiliência Urbana
Claudia Siebert
 
2016 Regiões Metropolitanas e o Estatuto da Metrópole
2016 Regiões Metropolitanas e o Estatuto da Metrópole2016 Regiões Metropolitanas e o Estatuto da Metrópole
2016 Regiões Metropolitanas e o Estatuto da Metrópole
Claudia Siebert
 
2016 WPSC
2016 WPSC2016 WPSC
2016 WPSC
Claudia Siebert
 
2016 Conferência das Cidades
2016 Conferência das Cidades2016 Conferência das Cidades
2016 Conferência das Cidades
Claudia Siebert
 
2011 A Cidade e o Rio
2011 A Cidade e o Rio2011 A Cidade e o Rio
2011 A Cidade e o Rio
Claudia Siebert
 
2015 Planejamento Urbano de Blumenau
2015 Planejamento Urbano de Blumenau2015 Planejamento Urbano de Blumenau
2015 Planejamento Urbano de Blumenau
Claudia Siebert
 
2008 IV SIDR UNISC Descentralizacao SC
2008 IV SIDR UNISC Descentralizacao SC2008 IV SIDR UNISC Descentralizacao SC
2008 IV SIDR UNISC Descentralizacao SC
Claudia Siebert
 
2015 Anpur Má-adaptação
2015 Anpur Má-adaptação2015 Anpur Má-adaptação
2015 Anpur Má-adaptação
Claudia Siebert
 
2007 Neur PD Itajaí
2007 Neur PD Itajaí2007 Neur PD Itajaí
2007 Neur PD Itajaí
Claudia Siebert
 
2009 Anpur csiebert A Rede Urbana de Santa Catarina
2009 Anpur csiebert A Rede Urbana de Santa Catarina2009 Anpur csiebert A Rede Urbana de Santa Catarina
2009 Anpur csiebert A Rede Urbana de Santa Catarina
Claudia Siebert
 
2011 Anpur csiebert Reorganização do Espaço Regional
2011 Anpur csiebert Reorganização do Espaço Regional2011 Anpur csiebert Reorganização do Espaço Regional
2011 Anpur csiebert Reorganização do Espaço Regional
Claudia Siebert
 
2010 FNA csiebert Urbanizacao de Risco
2010 FNA csiebert Urbanizacao de Risco2010 FNA csiebert Urbanizacao de Risco
2010 FNA csiebert Urbanizacao de Risco
Claudia Siebert
 
2013 Anpur csiebert Mudanças Climáticas e Resiliência Urbana
2013 Anpur csiebert Mudanças Climáticas e Resiliência Urbana2013 Anpur csiebert Mudanças Climáticas e Resiliência Urbana
2013 Anpur csiebert Mudanças Climáticas e Resiliência Urbana
Claudia Siebert
 

Mais de Claudia Siebert (16)

2017 Audiencia PD Blumenau
2017 Audiencia PD Blumenau2017 Audiencia PD Blumenau
2017 Audiencia PD Blumenau
 
2017 Mudanças Climáticas e Desastres Naturais em Santa Catarina
2017 Mudanças Climáticas e Desastres Naturais em Santa Catarina2017 Mudanças Climáticas e Desastres Naturais em Santa Catarina
2017 Mudanças Climáticas e Desastres Naturais em Santa Catarina
 
2016 Gestão Urbana e Desastres Naturais - SC
2016 Gestão Urbana e Desastres Naturais - SC2016 Gestão Urbana e Desastres Naturais - SC
2016 Gestão Urbana e Desastres Naturais - SC
 
2016 Resiliência Urbana
2016 Resiliência Urbana2016 Resiliência Urbana
2016 Resiliência Urbana
 
2016 Regiões Metropolitanas e o Estatuto da Metrópole
2016 Regiões Metropolitanas e o Estatuto da Metrópole2016 Regiões Metropolitanas e o Estatuto da Metrópole
2016 Regiões Metropolitanas e o Estatuto da Metrópole
 
2016 WPSC
2016 WPSC2016 WPSC
2016 WPSC
 
2016 Conferência das Cidades
2016 Conferência das Cidades2016 Conferência das Cidades
2016 Conferência das Cidades
 
2011 A Cidade e o Rio
2011 A Cidade e o Rio2011 A Cidade e o Rio
2011 A Cidade e o Rio
 
2015 Planejamento Urbano de Blumenau
2015 Planejamento Urbano de Blumenau2015 Planejamento Urbano de Blumenau
2015 Planejamento Urbano de Blumenau
 
2008 IV SIDR UNISC Descentralizacao SC
2008 IV SIDR UNISC Descentralizacao SC2008 IV SIDR UNISC Descentralizacao SC
2008 IV SIDR UNISC Descentralizacao SC
 
2015 Anpur Má-adaptação
2015 Anpur Má-adaptação2015 Anpur Má-adaptação
2015 Anpur Má-adaptação
 
2007 Neur PD Itajaí
2007 Neur PD Itajaí2007 Neur PD Itajaí
2007 Neur PD Itajaí
 
2009 Anpur csiebert A Rede Urbana de Santa Catarina
2009 Anpur csiebert A Rede Urbana de Santa Catarina2009 Anpur csiebert A Rede Urbana de Santa Catarina
2009 Anpur csiebert A Rede Urbana de Santa Catarina
 
2011 Anpur csiebert Reorganização do Espaço Regional
2011 Anpur csiebert Reorganização do Espaço Regional2011 Anpur csiebert Reorganização do Espaço Regional
2011 Anpur csiebert Reorganização do Espaço Regional
 
2010 FNA csiebert Urbanizacao de Risco
2010 FNA csiebert Urbanizacao de Risco2010 FNA csiebert Urbanizacao de Risco
2010 FNA csiebert Urbanizacao de Risco
 
2013 Anpur csiebert Mudanças Climáticas e Resiliência Urbana
2013 Anpur csiebert Mudanças Climáticas e Resiliência Urbana2013 Anpur csiebert Mudanças Climáticas e Resiliência Urbana
2013 Anpur csiebert Mudanças Climáticas e Resiliência Urbana
 

Último

Manejo de insetos-pragas sugadores .pptx
Manejo de insetos-pragas sugadores .pptxManejo de insetos-pragas sugadores .pptx
Manejo de insetos-pragas sugadores .pptx
Geagra UFG
 
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdfCIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
viictorrkk
 
Apostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdf
Apostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdfApostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdf
Apostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdf
Ademir36
 
Melhoramento animal genética e estatística
Melhoramento animal genética e estatísticaMelhoramento animal genética e estatística
Melhoramento animal genética e estatística
tyciavilela
 
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdfEconomia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
DeboraGomes73
 
Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdfMuro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
Marco Zero Conteúdo
 
Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdfMuro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
Marco Zero Conteúdo
 

Último (7)

Manejo de insetos-pragas sugadores .pptx
Manejo de insetos-pragas sugadores .pptxManejo de insetos-pragas sugadores .pptx
Manejo de insetos-pragas sugadores .pptx
 
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdfCIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
 
Apostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdf
Apostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdfApostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdf
Apostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdf
 
Melhoramento animal genética e estatística
Melhoramento animal genética e estatísticaMelhoramento animal genética e estatística
Melhoramento animal genética e estatística
 
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdfEconomia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
 
Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdfMuro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
 
Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdfMuro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
 

2012 CTHAB csiebert Política Habitacional em Blumenau

  • 1. POLÍTICA HABITACIONAL EM BLUMENAU: EVOLUÇÃO E SEGREGAÇÃO POLÍTICA HABITACIONAL EM BLUMENAU: EVOLUÇÃO E SEGREGAÇÃO Profa. Dra. Claudia Siebert Profa. MSc. Carla Cíntia Back Acadêmica Sulana Tenfen FURB - Universidade Regional de Blumenau NEUR - Núcleo de Estudos Urbanos e Regionais
  • 2. POLÍTICA HABITACIONAL EM BLUMENAU: EVOLUÇÃO E SEGREGAÇÃO Este artigo apresenta uma análise crítica sobre a evolução da política habitacional de Blumenau-SC, discutindo seus avanços recentes e propondo novas estratégias que colaborem para reduzir a segregação socioespacial. Blumenau, com 309.011 habitantes em 2010, segundo o IBGE, é a cidade pólo do Vale do Itajaí. Fundada em 1850 por imigrantes alemães, tem sua economia baseada na indústria têxtil e na prestação de serviços à região. Este estudo aborda desde as vilas operárias produzidas pelas empresas têxteis para seus funcionários a partir de 1920, até os últimos conjuntos habitacionais do Programa Minha Casa Minha Vida. Os dados apresentados são provenientes de pesquisas do NEUR – Núcleo de Estudos Urbanos e Regionais da Universidade Regional de Blumenau, e do PMHIS – Plano Municipal de Habitação de Interesse Social
  • 3. POLÍTICA HABITACIONAL EM BLUMENAU: EVOLUÇÃO E SEGREGAÇÃO FASES DA HABITAÇÃO SOCIAL PRIMEIRA FASE: INICIATIVA PRIVADA BRASIL BLUMENAU Na primeira fase da habitação social no país, ainda no final do século XIX, a iniciativa privada foi a responsável pela produção habitacional. Foi a época das moradias de aluguel nas vilas operárias construídas pelas indústrias para atrair e fixar a mão de obra. Assim como no restante do país, também em Blumenau as empresas industriais edificaram vilas operárias como forma de atrair e manter funcionários. Exemplo disto são as casas para operários construídas, a partir de 1920, no entorno da Empresa Industrial Garcia (Artex/Coteminas) e da Cia. Hering. O padrão de localização, a menos de um quilômetro da fábrica, facilitava o deslocamento casa- trabalho. 1 FASE
  • 4. POLÍTICA HABITACIONAL EM BLUMENAU: EVOLUÇÃO E SEGREGAÇÃO FASES DA HABITAÇÃO SOCIAL SEGUNDA FASE: ESTADO BRASIL BLUMENAU Na segunda fase da habitação social no Brasil, que foi dos anos 1930s a 1986, a produção de habitação popular passou a ser responsabilidade do Estado, que financiava a aquisição da casa própria pelo SFH – Sistema Financeiro de Habitação. Nesta fase, o BNH – Banco Nacional de Habitação, criado em 1965, financiou 4,5 milhões de unidades habitacionais, priorizando a quantidade e não a qualidade, e em um padrão de urbanização periférico. A segunda fase da habitação social, com o Estado financiando conjuntos habitacionais, não foi muito expressiva em Blumenau, mas pode ser exemplificado por um conjunto habitacional multifamiliar com 72 apartamentos na R. Amazonas, bairro Garcia, financiado pelo BNH nos anos 1980s . 2 FASE
  • 5. POLÍTICA HABITACIONAL EM BLUMENAU: EVOLUÇÃO E SEGREGAÇÃO FASES DA HABITAÇÃO SOCIAL TERCEIRA FASE: AUTOCONSTRUÇÃO BRASIL BLUMENAU Com a extinção do BHN, em 1986, teve início a terceira fase da habitação social no país, na qual a omissão do Estado e o desinteresse da iniciativa privada levaram a questão habitacional a ser “resolvida” pela própria população, em forma de autoconstrução em assentamentos precários. Isto resultou em um passivo a ser enfrentado de 16 milhões de famílias residindo em moradias precárias, com 2,3 milhões de famílias residindo em favelas em 1.837 municípios. Em Blumenau, a fase de expansão da economia nos anos 1970 correspondeu também ao crescimento da exclusão socioeconômica. Na fase de retração econômica, a partir de 1980, o desemprego trouxe como consequência mais pressão de ocupações ilegais. Estima-se que pelo menos seis mil famílias em Blumenau encontram-se em uma situação de vulnerabilidade social e econômica, não conseguindo por seus próprios meios, resolver a questão da moradia por meios legais. 3 FASE
  • 6. POLÍTICA HABITACIONAL EM BLUMENAU: EVOLUÇÃO E SEGREGAÇÃO FASES DA HABITAÇÃO SOCIAL QUARTA FASE: ESTADO BRASIL BLUMENAU Podemos considerar que uma quarta fase da habitação social no país teve início em 2000, com a inclusão, por meio da Emenda Constitucional 26/2000, do direito à habitação na Constituição Federal. Em 2001, foi aprovado o Estatuto da Cidade, novo marco legal da política urbana brasileira. Ainda em 2001, foi criado o PAR – Programa de Arrendamento Residencial (Lei Federal 10.188/2001). O Estado brasileiro, gradualmente, retomou a produção de habitação social. Em Blumenau, com recursos do PAR, foram construídos cinco conjuntos habitacionais multifamiliares em Blumenau, totalizando 656 apartamentos. 4 FASE