SlideShare uma empresa Scribd logo
Reorganização do Espaço Regional:
Especialização e Diversificação Produtiva em Santa Catarina
Reorganização do Espaço Regional:
Especialização e Diversificação Produtiva
em Santa Catarina
Profa. Dra. Claudia Siebert – FURB
Reorganização do Espaço Regional:
Especialização e Diversificação Produtiva em Santa Catarina
conteudo
1. introdução
2. território e produção
3. distribuição espacial da atividade econômica no Brasil
4. Santa Catarina: organização da produção no território
5. considerações finais
O ato de produzir é igualmente o ato de produzir espaço.
Milton Santos (1986, p.118)
A organização do espaço é função da estrutura da produção.
Milton Santos (1979, p.289)
Reorganização do Espaço Regional:
Especialização e Diversificação Produtiva em Santa Catarina
1. introdução
Este artigo trata das relações entre espaço, sociedade e economia em Santa Catarina, em uma
tentativa de interpretação das transformações recentes na estrutura socioespacial do território.
Estas transformações caracterizam uma reorganização do espaço, decorrente do surgimento de
novos arranjos produtivos locais.
Santa Catarina apresenta um
ordenamento territorial
diferenciado dos demais
estados brasileiros, com uma
rede policêntrica de cidades de
porte médio.
Com área de 95.346 km2 e
população estimada pelo IBGE
de 6.118.743 habitantes em
2009, sua estrutura produtiva
tem sido tradicionalmente
caracterizada pela
especialização regional, com
setores econômicos
diferenciados predominando
em cada região.
Reorganização do Espaço Regional:
Especialização e Diversificação Produtiva em Santa Catarina
2. território e produção
A sociedade vive em constante mutação, e a produção, em cada lugar, é o motor do processo,
ao transformar as relações do todo e criar novas vinculações entre as áreas (Santos; Silveira,
2001, p.30). Isto é ainda mais verdadeiro em uma economia globalizada, pois o espaço
geográfico ganha novos contornos, novas características, novas definições. E, também, uma
nova importância, porque a eficácia das ações está estreitamente relacionada com a sua
localização. Os atores mais poderosos se reservam os melhores pedaços do território e deixam
o resto para os outros (SANTOS, 2000, p.79).
A fluidez da globalização, que parece contrair o espaço e o tempo em um mundo sem fronteiras,
não deve levar-nos à prematura conclusão de que o espaço perdeu importância e de que os
territórios devam ser esquecidos, pois, ao contrário, a globalização levou à reasserção das
tendências de aglomeração em diferentes partes do mundo (SCOTT, 2000, p.47; SCOTT;
STORPER, 2003, p.585).
O mundo não ficou plano, com condições homogêneas de concorrência, como previu Friedman
(2005), ao contrário, a atividade econômica e a riqueza parecem estar crescentemente
concentradas, se não em países específicos, em espaços específicos nestes países
(RODRÍGUEZ-POSE; CRESCENZI, 2009). Ou seja, o território ainda é palco e protagonista das
modernas relações de produção capitalista, e o desenvolvimento ainda ocorre de forma
concentrada e não difusa, contrariando a vertente globalista que acreditava na homogeneização
do espaço ou desterritorialização. Neste processo, o desenvolvimento geográfico desigual
perpetua-se.
Reorganização do Espaço Regional:
Especialização e Diversificação Produtiva em Santa Catarina
3. distribuição espacial da atividade econômica no Brasil
Até meados do século XX, havia uma forte concentração populacional e econômica no Sudeste,
especialmente em São Paulo, que resultou em grandes desigualdades econômicas e sociais
entre as regiões brasileiras. No entanto, a partir da segunda metade do século XX, essa
dinâmica regional começou a se alterar. A evolução nos sistemas de transporte e de
comunicação possibilitou uma integração econômica globalizada, no período em que se
desenvolveu o que Milton Santos denominou de meio técnico-científico-informacional (SANTOS;
SILVEIRA, 2001).
O crescimento das produções industrial,
agrícola e mineral, a expansão e melhoria da
infra-estrutura (transportes, energia elétrica,
telecomunicações), a mudança da capital
para Brasília, o acelerado processo de
urbanização e a criação do sistema de
incentivos ao desenvolvimento regional
acarretaram uma mudança no padrão
locacional das atividades econômicas, com
desconcentração industrial, expansão das
fronteiras agropecuária e mineral,
crescimento e desconcentração dos serviços
(REZENDE; TAFNER, 2005, p. 160).
Reorganização do Espaço Regional:
Especialização e Diversificação Produtiva em Santa Catarina
3. distribuição espacial da atividade econômica no Brasil
Na origem das mudanças apontadas estão transformações importantes ocorridas nos últimos
trinta anos na indústria e na agricultura brasileiras, em conjunto com a dinamização de setores
modernos da prestação de serviços. O resultado é um novo e diversificado mapa populacional,
social e produtivo do país, e, embora ainda fortemente concentrado no Sudeste e no Sul, o que
se observa é a formação de um grande número de áreas produtivas em várias partes do
território nacional, em setores diversificados, caracterizando um Brasil ao mesmo tempo
integrado e fragmentado.
O centro dinâmico da indústria brasileira
continua sendo São Paulo, mas houve
ampliação da área de localização industrial para
outros estados, em especial nos setores
intensivos de mão-de-obra: têxtil, fumo,
alimentícios e calçados. Apesar de aumentarem
as opções espaciais de localização, a
desconcentração industrial foi seletiva do ponto
de vista setorial, pois os setores
tecnologicamente mais complexos e/ou voltados
ao mercado com maior poder aquisitivo
continuaram concentrados em São Paulo e
estados vizinhos (POCHMANN, 2004, p.60),
mantendo-se o quadro nacional de
desenvolvimento desigual.
Reorganização do Espaço Regional:
Especialização e Diversificação Produtiva em Santa Catarina
4. Santa Catarina: organização da produção no território
Ocupação do Território Catarinense
séc.XVII e
XVIII
séc.XIX
séc.XX
séc.XX
séc.XX
séc.XX
fonte: http://bloggergeograficocp2.blogspot.com/2008/10/santa-catarina_19.html.
Santa Catarina apresenta
uma estrutura espacial da
atividade produtiva
diferenciada, caracterizada
pela especialização regional.
Esta estrutura espacial foi
formada, ao longo do tempo,
a partir de duas
condicionantes: o suporte
físico do território e seu
processo de colonização.
As características
morfológicas do território
catarinense separam o litoral
do interior pela barreira das
serras, e separam cada bacia
hidrográfica em uma região
isolada.
Sobre este suporte, a
colonização catarinense não
ocorreu de forma unificada,
mas com diferentes etnias
ocupando diferentes regiões
em períodos históricos
distintos
Reorganização do Espaço Regional:
Especialização e Diversificação Produtiva em Santa Catarina
4. Santa Catarina: organização da produção no território
Classificação Funcional das Cidades de Santa Catarina - 1970
fonte: SIEBERT, 1996, p.41, adaptado a partir de MAGNANINI, 1971.
Diversos autores
e estudos
abordaram a
especialização
produtiva
catarinense.
No final dos anos
1960, Singer
(1968, p.83)
afirmou que
Santa Catarina,
em vez de ser
unificada pelas
vias naturais,
era, antes,
dilacerada por
elas em regiões
independentes.
Reorganização do Espaço Regional:
Especialização e Diversificação Produtiva em Santa Catarina
4. Santa Catarina: organização da produção no território
Estratégia Territorial do PDRU - 1981
fonte: SANTA CATARINA, 1981.
Reorganização do Espaço Regional:
Especialização e Diversificação Produtiva em Santa Catarina
4. Santa Catarina: organização da produção no território
Complexos Econômicos Catarinenses – Década de 1990
fonte: GOULARTI FILHO, 2002, p.492.
Goularti Filho
(2002, p.378)
afirma que “uma
das
características
marcantes da
economia
catarinense é a
especialização
regional, sendo
que cada
microrregião é
especializada
num
determinado
segmento da
indústria, com
uma forte
inserção
nacional e
internacional, e,
em muitos
casos, líder na
produção
nacional”.
Reorganização do Espaço Regional:
Especialização e Diversificação Produtiva em Santa Catarina
4. Santa Catarina: organização da produção no território
Microrregiões Catarinenses e suas Especializações Produtivas
fonte: SANTA CATARINA, 2002, p.38.Santa Catarina, Oportunidades e Negócios
Reorganização do Espaço Regional:
Especialização e Diversificação Produtiva em Santa Catarina
4. Santa Catarina: organização da produção no território
Especialização Econômica de Santa Catarina
fonte: SIEBERT, 2006, p.14.
Reorganização do Espaço Regional:
Especialização e Diversificação Produtiva em Santa Catarina
4. Santa Catarina: organização da produção no território
Especialização Produtiva de Santa Catarina
fonte: FIESC, 2008, p.18.
Reorganização do Espaço Regional:
Especialização e Diversificação Produtiva em Santa Catarina
4. Santa Catarina: organização da produção no território
Quadro Comparativo dos Estudos sobre as Regiões Especializadas de Santa Catarina
Naval
Pesqueiro
TecnologiaTecnológico
TurismoTurismo
FruticulturaFruticultura
Plásticos
Materiais plásticos
Carvão
Madeira, Papel e
Celulose
Papel e CeluloseFlorestalPapel e CeluloseMadeira, Papel e
Celulose
Madeira
MobiliárioMobiliárioMobiliárioMoveleiroMobiliário
Eletro-metal-
mecânico
Metal mecânicaEletro Metal
Mecânica
Eletro metal
mecânica
Metal- mecânicoMetal- mecânico
Têxtil-VestuárioTêxtilTêxtil - VestuárioTêxtilTêxtil/ vestuárioTêxtil
CerâmicaCerâmicoMineralCerâmicoCerâmicoCerâmico
AlimentarAgroindústriaAgroindústriaAgroindústriaAgroindústriaAgroindústria
(9 regiões)(8 regiões)(8 regiões)(8 regiões)(6 regiões)(7 regiões)
FIESC, 2008SIEBERT, 2006SANTA
CATARINA, 2002
GOULART
FILHO, 2002
RAUD, 1999SANTA
CATARINA, 1990
elaboração: C. Siebert
Reorganização do Espaço Regional:
Especialização e Diversificação Produtiva em Santa Catarina
4. Santa Catarina: organização da produção no território
Indústrias de Santa Catarina com mais de 1000 funcionários – 2004
fonte: www.furb.br/observatorio
O Nordeste de Santa
Catarina era a região mais
diversificada em termos de
grandes indústrias, e esta
região e o Vale do Itajaí eram
as regiões que concentram o
maior número de grandes
empresas industriais.
no Oeste do Estado, as
agroindústrias eram as únicas
grandes empresas empregadoras
No Planalto Serrano, a Klabin,
no ramo de papel, era a única
grande empresa empregadora.
No Sul do Estado, a Eliane e a
Cecrisa, no ramo cerâmico
(minerais não-metálicos) eram as
únicas grandes empregadoras.
Na grande Florianópolis,
uma empresa do setor de
alimentos e uma empresa
do setor cerâmico eram as
grandes empregadoras.
No Vale do Itajaí, as
empresas têxteis eram as
grandes empregadoras.
Reorganização do Espaço Regional:
Especialização e Diversificação Produtiva em Santa Catarina
4. Santa Catarina: organização da produção no território
10.000 a 50.000
Empregos em Santa Catarina por Setor Econômico- 2006
1001.598.454Total
33531.464Setor terciário
641.018.117Setor secundário
348.873Setor primário
%EmpregosSetor
fonte: RAIS 2006
Setor primário
3%
Setor
secundário
64%
Setor terciário
33%
Municípios Catarinenses
com maior número de empregos no setor secundário - 2006
fonte: RAIS – 2006
1,0616.971Chapecó5
1,3621.691Brusque4
2,0332.440Jaraguá do Sul3
2,7343.588Blumenau2
3,7760.329Joinville1
% SCEmpregosMunicípioRanking
Municípios Catarinenses
com maior número de empregos no setor terciário - 2006
2,9346.909Itajaí5
3,2852.364São Jose4
3,8060.703Blumenau3
5,1181.757Joinville2
13,75219.762Florianópolis1
% SCEmpregosMunicípiosRanking
fonte: RAIS – 2006
Reorganização do Espaço Regional:
Especialização e Diversificação Produtiva em Santa Catarina
4. Santa Catarina: organização da produção no território
10.000 a 50.000
Municípios Catarinenses com maior número de empregos por setor econômico – 2006
fonte: SIEBERT; TENFEN, 2009.
As regiões de Santa
Catarina com maior
número de empregos
são a Grande
Florianópolis com
destaque para o setor
terciário, e a região
Nordeste / Vale do
Itajaí, com um razoável
equilíbrio entre os
setores secundário e
terciário.
Os empregos industriais
concentram-se no arco
entre Brusque –
Blumenau – Jaraguá do
Sul – São Bento do Sul
– Joinville.
Reorganização do Espaço Regional:
Especialização e Diversificação Produtiva em Santa Catarina
Têxtil
26%
Eletro-Metal-
mecânico,
21%
Madeira –
mobiliário
14%
Farmacêuticos
8%
Minerais não
metálicos
5%
Papel e Celulose
5%
Calçados
1%
Borracha, fumo,
couros, etc
2%
Alimentícios
(agroindústria)
18%
4. Santa Catarina: organização da produção no território
Empregos por Setores Industriais – SC - 2006
100531.464Total
1,166.195Calçados9
2,4713.122Borracha, fumo, couros, etc8
4,6724.813Papel e Celulose7
5,2427.860Minerais não metálicos6
7,6340.556Farmacêuticos5
13,9374.017Madeira – mobiliário4
18,0595.957Alimentícios (agroindústria)3
20,53109.126Eletro-Metal-mecânico,2
26,30139.818Têxtil1
% nº de empregos
industriais
Nº de empregosSetor IndustrialRanking
fonte: RAIS – 2006
Reorganização do Espaço Regional:
Especialização e Diversificação Produtiva em Santa Catarina
4. Santa Catarina: organização da produção no território
Empregos por Setor industrial em Santa Catarina – 2006
fonte: SIEBERT; TENFEN, 2009.
A distribuição espacial
dos empregos por
setor industrial nos
permite observar que
o arco que interliga
Joinville a Blumenau e
Florianópolis é a área
mais industrializada do
estado.
O Sul do estado
também apresenta um
cluster significativo de
empresas.
No restante do estado,
os empregos
industriais também
estão presentes, mas
de forma mais difusa e
rarefeita.
Reorganização do Espaço Regional:
Especialização e Diversificação Produtiva em Santa Catarina
0
100.000
200.000
300.000
400.000
500.000
600.000
1940 1950 1960 1970 1980 1991 2000 2010
Joinville
Florianópolis
Blumenau
São José
Lages
Criciúma
Itajaí
Chapecó
Jaraguá do Sul
Palhoça
Tubarão
População das Maiores Cidades de Santa Catarina 1940 - 2010
Reorganização do Espaço Regional:
Especialização e Diversificação Produtiva em Santa Catarina
5. considerações finais
O mapeamento dos dados permitiu realizar uma análise espacial atualizada da
especialização produtiva de Santa Catarina.
Foi comprovada a condição de região produtiva especializada no Oeste do
Estado, com a presença exclusiva da agroindústria como grande empregadora; e
na região Central do Estado, desde o Planalto Norte ao Planalto Serrano, com
a forte presença dos setores que têm na madeira sua matéria prima: mobiliário,
papel e celulose.
Nas demais regiões, o modelo monofuncional parece não mais abranger a
realidade atual, pois encontramos mais diversificação do que
especialização.
Concluímos, assim, que a distribuição espacial da atividade produtiva em Santa
Catarina está evoluindo de uma nítida especialização regional para uma
maior diversidade no Leste do Estado, que aparece claramente com uma
dinâmica produtiva multifuncional, repetindo o padrão litorâneo de
urbanização densificada de outros estados.
Reorganização do Espaço Regional:
Especialização e Diversificação Produtiva em Santa Catarina
Obrigado.
contatos:
Profa. Dra. Claudia Siebert
www.furb.br/observatorio
DAU: 47-3321-0273
csiebert.arq@gmail.com

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a 2011 Anpur csiebert Reorganização do Espaço Regional

A INSERÇÃO SUBORDINADA DO BRASIL NA DIVISÃO.pdf
A INSERÇÃO SUBORDINADA DO BRASIL NA DIVISÃO.pdfA INSERÇÃO SUBORDINADA DO BRASIL NA DIVISÃO.pdf
A INSERÇÃO SUBORDINADA DO BRASIL NA DIVISÃO.pdf
lucas bonato
 
Seminário nacional sobre reforma agrária e desenvolvimento sustentável
Seminário nacional sobre reforma agrária e desenvolvimento sustentávelSeminário nacional sobre reforma agrária e desenvolvimento sustentável
Seminário nacional sobre reforma agrária e desenvolvimento sustentável
Gustavo Loureiro
 
Logística e competitividade no circuito espacial produtivo do etanol no Brasil
Logística e competitividade no circuito espacial produtivo do etanol no BrasilLogística e competitividade no circuito espacial produtivo do etanol no Brasil
Logística e competitividade no circuito espacial produtivo do etanol no Brasil
alcscens
 
A DINÂMICA ECONÔMICA E A INSERÇÃO DE UBERLÂNDIA-MG NO PROCESSO PRODUTIVO POR...
A DINÂMICA ECONÔMICA E A INSERÇÃO  DE UBERLÂNDIA-MG NO PROCESSO PRODUTIVO POR...A DINÂMICA ECONÔMICA E A INSERÇÃO  DE UBERLÂNDIA-MG NO PROCESSO PRODUTIVO POR...
A DINÂMICA ECONÔMICA E A INSERÇÃO DE UBERLÂNDIA-MG NO PROCESSO PRODUTIVO POR...
Geisa Andrade
 
Limites para uma dinâmica endógena na economia baiana
Limites para uma dinâmica endógena na economia baianaLimites para uma dinâmica endógena na economia baiana
Limites para uma dinâmica endógena na economia baiana
Raphael Almeida
 
Setenta anos da agb
Setenta anos da agbSetenta anos da agb
Setenta anos da agb
blogarlete
 
4 Brasis e Meio Técnico Científico Informacional.pptx
4 Brasis e Meio Técnico Científico Informacional.pptx4 Brasis e Meio Técnico Científico Informacional.pptx
4 Brasis e Meio Técnico Científico Informacional.pptx
Marili Closs
 
Pochmann
PochmannPochmann
Análise cultura do kiwi
Análise cultura do kiwiAnálise cultura do kiwi
Análise cultura do kiwi
Tiago Fernando
 
A particularidade do quadro urbano do litoral catarinense no processo de urba...
A particularidade do quadro urbano do litoral catarinense no processo de urba...A particularidade do quadro urbano do litoral catarinense no processo de urba...
A particularidade do quadro urbano do litoral catarinense no processo de urba...
Gabrieldibernardi
 
O território brasileiro: do passado ao presente
O território brasileiro: do passado ao presenteO território brasileiro: do passado ao presente
O território brasileiro: do passado ao presente
Cadernizando
 
Unidade_2__GeoRural_ged_106.pptx
Unidade_2__GeoRural_ged_106.pptxUnidade_2__GeoRural_ged_106.pptx
Unidade_2__GeoRural_ged_106.pptx
RaimundoMarreirodeAl
 
THE BENEFITS EFFICIENT GOVERNANCE MECHANISMS TO ARTISAN CACHAÇA TERRITORIES: ...
THE BENEFITS EFFICIENT GOVERNANCE MECHANISMS TO ARTISAN CACHAÇA TERRITORIES: ...THE BENEFITS EFFICIENT GOVERNANCE MECHANISMS TO ARTISAN CACHAÇA TERRITORIES: ...
THE BENEFITS EFFICIENT GOVERNANCE MECHANISMS TO ARTISAN CACHAÇA TERRITORIES: ...
Gecca
 
O estado crítico da modernização uma análise a partir do turismo cearense
O estado crítico da modernização uma análise a partir do turismo cearenseO estado crítico da modernização uma análise a partir do turismo cearense
O estado crítico da modernização uma análise a partir do turismo cearense
Eider Cavalcante
 
URBANIZAÇÃO RECENTE NA REGIÃO NORDESTE: Dinâmica e Perfil da Rede Urbana.
URBANIZAÇÃO RECENTE NA REGIÃO NORDESTE: Dinâmica e Perfil da Rede Urbana.URBANIZAÇÃO RECENTE NA REGIÃO NORDESTE: Dinâmica e Perfil da Rede Urbana.
URBANIZAÇÃO RECENTE NA REGIÃO NORDESTE: Dinâmica e Perfil da Rede Urbana.
E. AQUINO
 
Economia aplicada a eng. civil
Economia aplicada a eng. civilEconomia aplicada a eng. civil
Economia aplicada a eng. civil
Bowman Guimaraes
 
Economia aplicada a eng. civil
Economia aplicada a eng. civilEconomia aplicada a eng. civil
Economia aplicada a eng. civil
Bowman Guimaraes
 
Economia aplicada a eng. civil
Economia aplicada a eng. civilEconomia aplicada a eng. civil
Economia aplicada a eng. civil
Bowman Guimaraes
 
G1 - 9º ano -Capitulo 1 e 2.pptx
G1 - 9º ano -Capitulo 1 e 2.pptxG1 - 9º ano -Capitulo 1 e 2.pptx
G1 - 9º ano -Capitulo 1 e 2.pptx
VladimirCajadodeCast
 
Estudos CACD Missão Diplomática - Geografia Aula 03 - Geografia Econômica
Estudos CACD Missão Diplomática - Geografia Aula 03 - Geografia EconômicaEstudos CACD Missão Diplomática - Geografia Aula 03 - Geografia Econômica
Estudos CACD Missão Diplomática - Geografia Aula 03 - Geografia Econômica
missaodiplomatica
 

Semelhante a 2011 Anpur csiebert Reorganização do Espaço Regional (20)

A INSERÇÃO SUBORDINADA DO BRASIL NA DIVISÃO.pdf
A INSERÇÃO SUBORDINADA DO BRASIL NA DIVISÃO.pdfA INSERÇÃO SUBORDINADA DO BRASIL NA DIVISÃO.pdf
A INSERÇÃO SUBORDINADA DO BRASIL NA DIVISÃO.pdf
 
Seminário nacional sobre reforma agrária e desenvolvimento sustentável
Seminário nacional sobre reforma agrária e desenvolvimento sustentávelSeminário nacional sobre reforma agrária e desenvolvimento sustentável
Seminário nacional sobre reforma agrária e desenvolvimento sustentável
 
Logística e competitividade no circuito espacial produtivo do etanol no Brasil
Logística e competitividade no circuito espacial produtivo do etanol no BrasilLogística e competitividade no circuito espacial produtivo do etanol no Brasil
Logística e competitividade no circuito espacial produtivo do etanol no Brasil
 
A DINÂMICA ECONÔMICA E A INSERÇÃO DE UBERLÂNDIA-MG NO PROCESSO PRODUTIVO POR...
A DINÂMICA ECONÔMICA E A INSERÇÃO  DE UBERLÂNDIA-MG NO PROCESSO PRODUTIVO POR...A DINÂMICA ECONÔMICA E A INSERÇÃO  DE UBERLÂNDIA-MG NO PROCESSO PRODUTIVO POR...
A DINÂMICA ECONÔMICA E A INSERÇÃO DE UBERLÂNDIA-MG NO PROCESSO PRODUTIVO POR...
 
Limites para uma dinâmica endógena na economia baiana
Limites para uma dinâmica endógena na economia baianaLimites para uma dinâmica endógena na economia baiana
Limites para uma dinâmica endógena na economia baiana
 
Setenta anos da agb
Setenta anos da agbSetenta anos da agb
Setenta anos da agb
 
4 Brasis e Meio Técnico Científico Informacional.pptx
4 Brasis e Meio Técnico Científico Informacional.pptx4 Brasis e Meio Técnico Científico Informacional.pptx
4 Brasis e Meio Técnico Científico Informacional.pptx
 
Pochmann
PochmannPochmann
Pochmann
 
Análise cultura do kiwi
Análise cultura do kiwiAnálise cultura do kiwi
Análise cultura do kiwi
 
A particularidade do quadro urbano do litoral catarinense no processo de urba...
A particularidade do quadro urbano do litoral catarinense no processo de urba...A particularidade do quadro urbano do litoral catarinense no processo de urba...
A particularidade do quadro urbano do litoral catarinense no processo de urba...
 
O território brasileiro: do passado ao presente
O território brasileiro: do passado ao presenteO território brasileiro: do passado ao presente
O território brasileiro: do passado ao presente
 
Unidade_2__GeoRural_ged_106.pptx
Unidade_2__GeoRural_ged_106.pptxUnidade_2__GeoRural_ged_106.pptx
Unidade_2__GeoRural_ged_106.pptx
 
THE BENEFITS EFFICIENT GOVERNANCE MECHANISMS TO ARTISAN CACHAÇA TERRITORIES: ...
THE BENEFITS EFFICIENT GOVERNANCE MECHANISMS TO ARTISAN CACHAÇA TERRITORIES: ...THE BENEFITS EFFICIENT GOVERNANCE MECHANISMS TO ARTISAN CACHAÇA TERRITORIES: ...
THE BENEFITS EFFICIENT GOVERNANCE MECHANISMS TO ARTISAN CACHAÇA TERRITORIES: ...
 
O estado crítico da modernização uma análise a partir do turismo cearense
O estado crítico da modernização uma análise a partir do turismo cearenseO estado crítico da modernização uma análise a partir do turismo cearense
O estado crítico da modernização uma análise a partir do turismo cearense
 
URBANIZAÇÃO RECENTE NA REGIÃO NORDESTE: Dinâmica e Perfil da Rede Urbana.
URBANIZAÇÃO RECENTE NA REGIÃO NORDESTE: Dinâmica e Perfil da Rede Urbana.URBANIZAÇÃO RECENTE NA REGIÃO NORDESTE: Dinâmica e Perfil da Rede Urbana.
URBANIZAÇÃO RECENTE NA REGIÃO NORDESTE: Dinâmica e Perfil da Rede Urbana.
 
Economia aplicada a eng. civil
Economia aplicada a eng. civilEconomia aplicada a eng. civil
Economia aplicada a eng. civil
 
Economia aplicada a eng. civil
Economia aplicada a eng. civilEconomia aplicada a eng. civil
Economia aplicada a eng. civil
 
Economia aplicada a eng. civil
Economia aplicada a eng. civilEconomia aplicada a eng. civil
Economia aplicada a eng. civil
 
G1 - 9º ano -Capitulo 1 e 2.pptx
G1 - 9º ano -Capitulo 1 e 2.pptxG1 - 9º ano -Capitulo 1 e 2.pptx
G1 - 9º ano -Capitulo 1 e 2.pptx
 
Estudos CACD Missão Diplomática - Geografia Aula 03 - Geografia Econômica
Estudos CACD Missão Diplomática - Geografia Aula 03 - Geografia EconômicaEstudos CACD Missão Diplomática - Geografia Aula 03 - Geografia Econômica
Estudos CACD Missão Diplomática - Geografia Aula 03 - Geografia Econômica
 

Mais de Claudia Siebert

2017 Audiencia PD Blumenau
2017 Audiencia PD Blumenau2017 Audiencia PD Blumenau
2017 Audiencia PD Blumenau
Claudia Siebert
 
2017 Mudanças Climáticas e Desastres Naturais em Santa Catarina
2017 Mudanças Climáticas e Desastres Naturais em Santa Catarina2017 Mudanças Climáticas e Desastres Naturais em Santa Catarina
2017 Mudanças Climáticas e Desastres Naturais em Santa Catarina
Claudia Siebert
 
2016 Gestão Urbana e Desastres Naturais - SC
2016 Gestão Urbana e Desastres Naturais - SC2016 Gestão Urbana e Desastres Naturais - SC
2016 Gestão Urbana e Desastres Naturais - SC
Claudia Siebert
 
2016 Resiliência Urbana
2016 Resiliência Urbana2016 Resiliência Urbana
2016 Resiliência Urbana
Claudia Siebert
 
2016 Regiões Metropolitanas e o Estatuto da Metrópole
2016 Regiões Metropolitanas e o Estatuto da Metrópole2016 Regiões Metropolitanas e o Estatuto da Metrópole
2016 Regiões Metropolitanas e o Estatuto da Metrópole
Claudia Siebert
 
2016 WPSC
2016 WPSC2016 WPSC
2016 WPSC
Claudia Siebert
 
2016 Conferência das Cidades
2016 Conferência das Cidades2016 Conferência das Cidades
2016 Conferência das Cidades
Claudia Siebert
 
2011 A Cidade e o Rio
2011 A Cidade e o Rio2011 A Cidade e o Rio
2011 A Cidade e o Rio
Claudia Siebert
 
2015 Planejamento Urbano de Blumenau
2015 Planejamento Urbano de Blumenau2015 Planejamento Urbano de Blumenau
2015 Planejamento Urbano de Blumenau
Claudia Siebert
 
2008 IV SIDR UNISC Descentralizacao SC
2008 IV SIDR UNISC Descentralizacao SC2008 IV SIDR UNISC Descentralizacao SC
2008 IV SIDR UNISC Descentralizacao SC
Claudia Siebert
 
2015 Anpur Má-adaptação
2015 Anpur Má-adaptação2015 Anpur Má-adaptação
2015 Anpur Má-adaptação
Claudia Siebert
 
2007 Neur PD Itajaí
2007 Neur PD Itajaí2007 Neur PD Itajaí
2007 Neur PD Itajaí
Claudia Siebert
 
2009 Anpur csiebert A Rede Urbana de Santa Catarina
2009 Anpur csiebert A Rede Urbana de Santa Catarina2009 Anpur csiebert A Rede Urbana de Santa Catarina
2009 Anpur csiebert A Rede Urbana de Santa Catarina
Claudia Siebert
 
2010 FNA csiebert Urbanizacao de Risco
2010 FNA csiebert Urbanizacao de Risco2010 FNA csiebert Urbanizacao de Risco
2010 FNA csiebert Urbanizacao de Risco
Claudia Siebert
 
2012 CTHAB csiebert Política Habitacional em Blumenau
2012 CTHAB csiebert Política Habitacional em Blumenau2012 CTHAB csiebert Política Habitacional em Blumenau
2012 CTHAB csiebert Política Habitacional em Blumenau
Claudia Siebert
 
2013 Anpur csiebert Mudanças Climáticas e Resiliência Urbana
2013 Anpur csiebert Mudanças Climáticas e Resiliência Urbana2013 Anpur csiebert Mudanças Climáticas e Resiliência Urbana
2013 Anpur csiebert Mudanças Climáticas e Resiliência Urbana
Claudia Siebert
 
2011 IPPUJ 20 anos Blumenau
2011 IPPUJ 20 anos Blumenau2011 IPPUJ 20 anos Blumenau
2011 IPPUJ 20 anos Blumenau
Claudia Siebert
 

Mais de Claudia Siebert (17)

2017 Audiencia PD Blumenau
2017 Audiencia PD Blumenau2017 Audiencia PD Blumenau
2017 Audiencia PD Blumenau
 
2017 Mudanças Climáticas e Desastres Naturais em Santa Catarina
2017 Mudanças Climáticas e Desastres Naturais em Santa Catarina2017 Mudanças Climáticas e Desastres Naturais em Santa Catarina
2017 Mudanças Climáticas e Desastres Naturais em Santa Catarina
 
2016 Gestão Urbana e Desastres Naturais - SC
2016 Gestão Urbana e Desastres Naturais - SC2016 Gestão Urbana e Desastres Naturais - SC
2016 Gestão Urbana e Desastres Naturais - SC
 
2016 Resiliência Urbana
2016 Resiliência Urbana2016 Resiliência Urbana
2016 Resiliência Urbana
 
2016 Regiões Metropolitanas e o Estatuto da Metrópole
2016 Regiões Metropolitanas e o Estatuto da Metrópole2016 Regiões Metropolitanas e o Estatuto da Metrópole
2016 Regiões Metropolitanas e o Estatuto da Metrópole
 
2016 WPSC
2016 WPSC2016 WPSC
2016 WPSC
 
2016 Conferência das Cidades
2016 Conferência das Cidades2016 Conferência das Cidades
2016 Conferência das Cidades
 
2011 A Cidade e o Rio
2011 A Cidade e o Rio2011 A Cidade e o Rio
2011 A Cidade e o Rio
 
2015 Planejamento Urbano de Blumenau
2015 Planejamento Urbano de Blumenau2015 Planejamento Urbano de Blumenau
2015 Planejamento Urbano de Blumenau
 
2008 IV SIDR UNISC Descentralizacao SC
2008 IV SIDR UNISC Descentralizacao SC2008 IV SIDR UNISC Descentralizacao SC
2008 IV SIDR UNISC Descentralizacao SC
 
2015 Anpur Má-adaptação
2015 Anpur Má-adaptação2015 Anpur Má-adaptação
2015 Anpur Má-adaptação
 
2007 Neur PD Itajaí
2007 Neur PD Itajaí2007 Neur PD Itajaí
2007 Neur PD Itajaí
 
2009 Anpur csiebert A Rede Urbana de Santa Catarina
2009 Anpur csiebert A Rede Urbana de Santa Catarina2009 Anpur csiebert A Rede Urbana de Santa Catarina
2009 Anpur csiebert A Rede Urbana de Santa Catarina
 
2010 FNA csiebert Urbanizacao de Risco
2010 FNA csiebert Urbanizacao de Risco2010 FNA csiebert Urbanizacao de Risco
2010 FNA csiebert Urbanizacao de Risco
 
2012 CTHAB csiebert Política Habitacional em Blumenau
2012 CTHAB csiebert Política Habitacional em Blumenau2012 CTHAB csiebert Política Habitacional em Blumenau
2012 CTHAB csiebert Política Habitacional em Blumenau
 
2013 Anpur csiebert Mudanças Climáticas e Resiliência Urbana
2013 Anpur csiebert Mudanças Climáticas e Resiliência Urbana2013 Anpur csiebert Mudanças Climáticas e Resiliência Urbana
2013 Anpur csiebert Mudanças Climáticas e Resiliência Urbana
 
2011 IPPUJ 20 anos Blumenau
2011 IPPUJ 20 anos Blumenau2011 IPPUJ 20 anos Blumenau
2011 IPPUJ 20 anos Blumenau
 

Último

Manejo de insetos-pragas sugadores .pptx
Manejo de insetos-pragas sugadores .pptxManejo de insetos-pragas sugadores .pptx
Manejo de insetos-pragas sugadores .pptx
Geagra UFG
 
Apostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdf
Apostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdfApostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdf
Apostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdf
Ademir36
 
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdfCIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
viictorrkk
 
Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdfMuro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
Marco Zero Conteúdo
 
Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdfMuro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
Marco Zero Conteúdo
 
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdfEconomia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
DeboraGomes73
 
Melhoramento animal genética e estatística
Melhoramento animal genética e estatísticaMelhoramento animal genética e estatística
Melhoramento animal genética e estatística
tyciavilela
 

Último (7)

Manejo de insetos-pragas sugadores .pptx
Manejo de insetos-pragas sugadores .pptxManejo de insetos-pragas sugadores .pptx
Manejo de insetos-pragas sugadores .pptx
 
Apostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdf
Apostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdfApostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdf
Apostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdf
 
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdfCIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
 
Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdfMuro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
 
Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdfMuro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
 
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdfEconomia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
 
Melhoramento animal genética e estatística
Melhoramento animal genética e estatísticaMelhoramento animal genética e estatística
Melhoramento animal genética e estatística
 

2011 Anpur csiebert Reorganização do Espaço Regional

  • 1. Reorganização do Espaço Regional: Especialização e Diversificação Produtiva em Santa Catarina Reorganização do Espaço Regional: Especialização e Diversificação Produtiva em Santa Catarina Profa. Dra. Claudia Siebert – FURB
  • 2. Reorganização do Espaço Regional: Especialização e Diversificação Produtiva em Santa Catarina conteudo 1. introdução 2. território e produção 3. distribuição espacial da atividade econômica no Brasil 4. Santa Catarina: organização da produção no território 5. considerações finais O ato de produzir é igualmente o ato de produzir espaço. Milton Santos (1986, p.118) A organização do espaço é função da estrutura da produção. Milton Santos (1979, p.289)
  • 3. Reorganização do Espaço Regional: Especialização e Diversificação Produtiva em Santa Catarina 1. introdução Este artigo trata das relações entre espaço, sociedade e economia em Santa Catarina, em uma tentativa de interpretação das transformações recentes na estrutura socioespacial do território. Estas transformações caracterizam uma reorganização do espaço, decorrente do surgimento de novos arranjos produtivos locais. Santa Catarina apresenta um ordenamento territorial diferenciado dos demais estados brasileiros, com uma rede policêntrica de cidades de porte médio. Com área de 95.346 km2 e população estimada pelo IBGE de 6.118.743 habitantes em 2009, sua estrutura produtiva tem sido tradicionalmente caracterizada pela especialização regional, com setores econômicos diferenciados predominando em cada região.
  • 4. Reorganização do Espaço Regional: Especialização e Diversificação Produtiva em Santa Catarina 2. território e produção A sociedade vive em constante mutação, e a produção, em cada lugar, é o motor do processo, ao transformar as relações do todo e criar novas vinculações entre as áreas (Santos; Silveira, 2001, p.30). Isto é ainda mais verdadeiro em uma economia globalizada, pois o espaço geográfico ganha novos contornos, novas características, novas definições. E, também, uma nova importância, porque a eficácia das ações está estreitamente relacionada com a sua localização. Os atores mais poderosos se reservam os melhores pedaços do território e deixam o resto para os outros (SANTOS, 2000, p.79). A fluidez da globalização, que parece contrair o espaço e o tempo em um mundo sem fronteiras, não deve levar-nos à prematura conclusão de que o espaço perdeu importância e de que os territórios devam ser esquecidos, pois, ao contrário, a globalização levou à reasserção das tendências de aglomeração em diferentes partes do mundo (SCOTT, 2000, p.47; SCOTT; STORPER, 2003, p.585). O mundo não ficou plano, com condições homogêneas de concorrência, como previu Friedman (2005), ao contrário, a atividade econômica e a riqueza parecem estar crescentemente concentradas, se não em países específicos, em espaços específicos nestes países (RODRÍGUEZ-POSE; CRESCENZI, 2009). Ou seja, o território ainda é palco e protagonista das modernas relações de produção capitalista, e o desenvolvimento ainda ocorre de forma concentrada e não difusa, contrariando a vertente globalista que acreditava na homogeneização do espaço ou desterritorialização. Neste processo, o desenvolvimento geográfico desigual perpetua-se.
  • 5. Reorganização do Espaço Regional: Especialização e Diversificação Produtiva em Santa Catarina 3. distribuição espacial da atividade econômica no Brasil Até meados do século XX, havia uma forte concentração populacional e econômica no Sudeste, especialmente em São Paulo, que resultou em grandes desigualdades econômicas e sociais entre as regiões brasileiras. No entanto, a partir da segunda metade do século XX, essa dinâmica regional começou a se alterar. A evolução nos sistemas de transporte e de comunicação possibilitou uma integração econômica globalizada, no período em que se desenvolveu o que Milton Santos denominou de meio técnico-científico-informacional (SANTOS; SILVEIRA, 2001). O crescimento das produções industrial, agrícola e mineral, a expansão e melhoria da infra-estrutura (transportes, energia elétrica, telecomunicações), a mudança da capital para Brasília, o acelerado processo de urbanização e a criação do sistema de incentivos ao desenvolvimento regional acarretaram uma mudança no padrão locacional das atividades econômicas, com desconcentração industrial, expansão das fronteiras agropecuária e mineral, crescimento e desconcentração dos serviços (REZENDE; TAFNER, 2005, p. 160).
  • 6. Reorganização do Espaço Regional: Especialização e Diversificação Produtiva em Santa Catarina 3. distribuição espacial da atividade econômica no Brasil Na origem das mudanças apontadas estão transformações importantes ocorridas nos últimos trinta anos na indústria e na agricultura brasileiras, em conjunto com a dinamização de setores modernos da prestação de serviços. O resultado é um novo e diversificado mapa populacional, social e produtivo do país, e, embora ainda fortemente concentrado no Sudeste e no Sul, o que se observa é a formação de um grande número de áreas produtivas em várias partes do território nacional, em setores diversificados, caracterizando um Brasil ao mesmo tempo integrado e fragmentado. O centro dinâmico da indústria brasileira continua sendo São Paulo, mas houve ampliação da área de localização industrial para outros estados, em especial nos setores intensivos de mão-de-obra: têxtil, fumo, alimentícios e calçados. Apesar de aumentarem as opções espaciais de localização, a desconcentração industrial foi seletiva do ponto de vista setorial, pois os setores tecnologicamente mais complexos e/ou voltados ao mercado com maior poder aquisitivo continuaram concentrados em São Paulo e estados vizinhos (POCHMANN, 2004, p.60), mantendo-se o quadro nacional de desenvolvimento desigual.
  • 7. Reorganização do Espaço Regional: Especialização e Diversificação Produtiva em Santa Catarina 4. Santa Catarina: organização da produção no território Ocupação do Território Catarinense séc.XVII e XVIII séc.XIX séc.XX séc.XX séc.XX séc.XX fonte: http://bloggergeograficocp2.blogspot.com/2008/10/santa-catarina_19.html. Santa Catarina apresenta uma estrutura espacial da atividade produtiva diferenciada, caracterizada pela especialização regional. Esta estrutura espacial foi formada, ao longo do tempo, a partir de duas condicionantes: o suporte físico do território e seu processo de colonização. As características morfológicas do território catarinense separam o litoral do interior pela barreira das serras, e separam cada bacia hidrográfica em uma região isolada. Sobre este suporte, a colonização catarinense não ocorreu de forma unificada, mas com diferentes etnias ocupando diferentes regiões em períodos históricos distintos
  • 8. Reorganização do Espaço Regional: Especialização e Diversificação Produtiva em Santa Catarina 4. Santa Catarina: organização da produção no território Classificação Funcional das Cidades de Santa Catarina - 1970 fonte: SIEBERT, 1996, p.41, adaptado a partir de MAGNANINI, 1971. Diversos autores e estudos abordaram a especialização produtiva catarinense. No final dos anos 1960, Singer (1968, p.83) afirmou que Santa Catarina, em vez de ser unificada pelas vias naturais, era, antes, dilacerada por elas em regiões independentes.
  • 9. Reorganização do Espaço Regional: Especialização e Diversificação Produtiva em Santa Catarina 4. Santa Catarina: organização da produção no território Estratégia Territorial do PDRU - 1981 fonte: SANTA CATARINA, 1981.
  • 10. Reorganização do Espaço Regional: Especialização e Diversificação Produtiva em Santa Catarina 4. Santa Catarina: organização da produção no território Complexos Econômicos Catarinenses – Década de 1990 fonte: GOULARTI FILHO, 2002, p.492. Goularti Filho (2002, p.378) afirma que “uma das características marcantes da economia catarinense é a especialização regional, sendo que cada microrregião é especializada num determinado segmento da indústria, com uma forte inserção nacional e internacional, e, em muitos casos, líder na produção nacional”.
  • 11. Reorganização do Espaço Regional: Especialização e Diversificação Produtiva em Santa Catarina 4. Santa Catarina: organização da produção no território Microrregiões Catarinenses e suas Especializações Produtivas fonte: SANTA CATARINA, 2002, p.38.Santa Catarina, Oportunidades e Negócios
  • 12. Reorganização do Espaço Regional: Especialização e Diversificação Produtiva em Santa Catarina 4. Santa Catarina: organização da produção no território Especialização Econômica de Santa Catarina fonte: SIEBERT, 2006, p.14.
  • 13. Reorganização do Espaço Regional: Especialização e Diversificação Produtiva em Santa Catarina 4. Santa Catarina: organização da produção no território Especialização Produtiva de Santa Catarina fonte: FIESC, 2008, p.18.
  • 14. Reorganização do Espaço Regional: Especialização e Diversificação Produtiva em Santa Catarina 4. Santa Catarina: organização da produção no território Quadro Comparativo dos Estudos sobre as Regiões Especializadas de Santa Catarina Naval Pesqueiro TecnologiaTecnológico TurismoTurismo FruticulturaFruticultura Plásticos Materiais plásticos Carvão Madeira, Papel e Celulose Papel e CeluloseFlorestalPapel e CeluloseMadeira, Papel e Celulose Madeira MobiliárioMobiliárioMobiliárioMoveleiroMobiliário Eletro-metal- mecânico Metal mecânicaEletro Metal Mecânica Eletro metal mecânica Metal- mecânicoMetal- mecânico Têxtil-VestuárioTêxtilTêxtil - VestuárioTêxtilTêxtil/ vestuárioTêxtil CerâmicaCerâmicoMineralCerâmicoCerâmicoCerâmico AlimentarAgroindústriaAgroindústriaAgroindústriaAgroindústriaAgroindústria (9 regiões)(8 regiões)(8 regiões)(8 regiões)(6 regiões)(7 regiões) FIESC, 2008SIEBERT, 2006SANTA CATARINA, 2002 GOULART FILHO, 2002 RAUD, 1999SANTA CATARINA, 1990 elaboração: C. Siebert
  • 15. Reorganização do Espaço Regional: Especialização e Diversificação Produtiva em Santa Catarina 4. Santa Catarina: organização da produção no território Indústrias de Santa Catarina com mais de 1000 funcionários – 2004 fonte: www.furb.br/observatorio O Nordeste de Santa Catarina era a região mais diversificada em termos de grandes indústrias, e esta região e o Vale do Itajaí eram as regiões que concentram o maior número de grandes empresas industriais. no Oeste do Estado, as agroindústrias eram as únicas grandes empresas empregadoras No Planalto Serrano, a Klabin, no ramo de papel, era a única grande empresa empregadora. No Sul do Estado, a Eliane e a Cecrisa, no ramo cerâmico (minerais não-metálicos) eram as únicas grandes empregadoras. Na grande Florianópolis, uma empresa do setor de alimentos e uma empresa do setor cerâmico eram as grandes empregadoras. No Vale do Itajaí, as empresas têxteis eram as grandes empregadoras.
  • 16. Reorganização do Espaço Regional: Especialização e Diversificação Produtiva em Santa Catarina 4. Santa Catarina: organização da produção no território 10.000 a 50.000 Empregos em Santa Catarina por Setor Econômico- 2006 1001.598.454Total 33531.464Setor terciário 641.018.117Setor secundário 348.873Setor primário %EmpregosSetor fonte: RAIS 2006 Setor primário 3% Setor secundário 64% Setor terciário 33% Municípios Catarinenses com maior número de empregos no setor secundário - 2006 fonte: RAIS – 2006 1,0616.971Chapecó5 1,3621.691Brusque4 2,0332.440Jaraguá do Sul3 2,7343.588Blumenau2 3,7760.329Joinville1 % SCEmpregosMunicípioRanking Municípios Catarinenses com maior número de empregos no setor terciário - 2006 2,9346.909Itajaí5 3,2852.364São Jose4 3,8060.703Blumenau3 5,1181.757Joinville2 13,75219.762Florianópolis1 % SCEmpregosMunicípiosRanking fonte: RAIS – 2006
  • 17. Reorganização do Espaço Regional: Especialização e Diversificação Produtiva em Santa Catarina 4. Santa Catarina: organização da produção no território 10.000 a 50.000 Municípios Catarinenses com maior número de empregos por setor econômico – 2006 fonte: SIEBERT; TENFEN, 2009. As regiões de Santa Catarina com maior número de empregos são a Grande Florianópolis com destaque para o setor terciário, e a região Nordeste / Vale do Itajaí, com um razoável equilíbrio entre os setores secundário e terciário. Os empregos industriais concentram-se no arco entre Brusque – Blumenau – Jaraguá do Sul – São Bento do Sul – Joinville.
  • 18. Reorganização do Espaço Regional: Especialização e Diversificação Produtiva em Santa Catarina Têxtil 26% Eletro-Metal- mecânico, 21% Madeira – mobiliário 14% Farmacêuticos 8% Minerais não metálicos 5% Papel e Celulose 5% Calçados 1% Borracha, fumo, couros, etc 2% Alimentícios (agroindústria) 18% 4. Santa Catarina: organização da produção no território Empregos por Setores Industriais – SC - 2006 100531.464Total 1,166.195Calçados9 2,4713.122Borracha, fumo, couros, etc8 4,6724.813Papel e Celulose7 5,2427.860Minerais não metálicos6 7,6340.556Farmacêuticos5 13,9374.017Madeira – mobiliário4 18,0595.957Alimentícios (agroindústria)3 20,53109.126Eletro-Metal-mecânico,2 26,30139.818Têxtil1 % nº de empregos industriais Nº de empregosSetor IndustrialRanking fonte: RAIS – 2006
  • 19. Reorganização do Espaço Regional: Especialização e Diversificação Produtiva em Santa Catarina 4. Santa Catarina: organização da produção no território Empregos por Setor industrial em Santa Catarina – 2006 fonte: SIEBERT; TENFEN, 2009. A distribuição espacial dos empregos por setor industrial nos permite observar que o arco que interliga Joinville a Blumenau e Florianópolis é a área mais industrializada do estado. O Sul do estado também apresenta um cluster significativo de empresas. No restante do estado, os empregos industriais também estão presentes, mas de forma mais difusa e rarefeita.
  • 20. Reorganização do Espaço Regional: Especialização e Diversificação Produtiva em Santa Catarina 0 100.000 200.000 300.000 400.000 500.000 600.000 1940 1950 1960 1970 1980 1991 2000 2010 Joinville Florianópolis Blumenau São José Lages Criciúma Itajaí Chapecó Jaraguá do Sul Palhoça Tubarão População das Maiores Cidades de Santa Catarina 1940 - 2010
  • 21. Reorganização do Espaço Regional: Especialização e Diversificação Produtiva em Santa Catarina 5. considerações finais O mapeamento dos dados permitiu realizar uma análise espacial atualizada da especialização produtiva de Santa Catarina. Foi comprovada a condição de região produtiva especializada no Oeste do Estado, com a presença exclusiva da agroindústria como grande empregadora; e na região Central do Estado, desde o Planalto Norte ao Planalto Serrano, com a forte presença dos setores que têm na madeira sua matéria prima: mobiliário, papel e celulose. Nas demais regiões, o modelo monofuncional parece não mais abranger a realidade atual, pois encontramos mais diversificação do que especialização. Concluímos, assim, que a distribuição espacial da atividade produtiva em Santa Catarina está evoluindo de uma nítida especialização regional para uma maior diversidade no Leste do Estado, que aparece claramente com uma dinâmica produtiva multifuncional, repetindo o padrão litorâneo de urbanização densificada de outros estados.
  • 22. Reorganização do Espaço Regional: Especialização e Diversificação Produtiva em Santa Catarina Obrigado. contatos: Profa. Dra. Claudia Siebert www.furb.br/observatorio DAU: 47-3321-0273 csiebert.arq@gmail.com