SlideShare uma empresa Scribd logo
PROJETO
COORDENADOR DE PAIS
ELABORADO POR:
NIVALDO NOGUEIRA DE ÁVILA
CORUMBÁ / MS
JANEIRO/2014
ÍNDICE
APRESENTAÇÃO / DESCRIÇÃO
JUSTIFICATIVA
OBJETIVO
OBJETIVO GERAL
OBJETIVOS ESPECÍFICOS
METAS A ATINGIR
PÚBLICO ALVO
ETAPAS DE EXECUÇÃO/BASE METODOLÓGICA E
OPERACIONAL/ESTRATÉGIA DE AÇÃO
ATIVIDADES FORMAÇÃO E/RETORNO DE INTERESSE PÚBLICO
AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS
CRONOGRAMA
ORÇAMENTO
BIBLIOGRAFIA
A família é a CÉLULA MATER, DA SOCIEDADE, isto é: é a célula mãe da sociedade. Se a
sociedade está doente, é porque a célula mãe tem gerado indivíduos doentes. É preciso cuidar
das famílias. É preciso dar orientação aos pais, para que estes eduquem seus filhos com
sabedoria.
APRESENTAÇÃO / DESCRIÇÃO
O PROJETO DENOMINADO DE COORDENADOR DE PAIS, tem por finalidade
propor a implantação de Coordenadores de Pais nas Escolas da Rede Municipal de
Ensino de Corumbá para atender exclusivamente Alunos e seus respectivos pais ou
responsáveis.
O programa Coordenadores de Pais visa aproximar a família da escola e a escola da
família; diminuir a evasão e a repetência; e construir um clima mais harmonioso no
interior de cada unidade educacional - que seja favorável ao aprendizado e ao
desenvolvimento de cada aluno. Há um consenso dentro e fora do Brasil sobre a
importância da participação dos pais na vida escolar dos filhos. Ao mesmo tempo,
várias pesquisas amplamente difundidas no Brasil têm reportado que os pais de
famílias pobres parecem dar pouca importância à qualidade da educação pública dos
filhos.
A função de Coordenador de Pais deve necessariamente ser exercida por um
profissional da educação, graduado em Pedagogia e preferencialmente com formação
também na área de Bacharel ou Licenciatura em Teologia, ou Serviço Social, ou
Psicologia.
O Coordenador de pais precisa ser escolhido, dentre os professores da REME, a partir
de uma seleção criteriosa e rigorosa, levando em conta não só a formação acadêmica,
mas também o perfil.
Como perfil podemos elencar algumas características essenciais e necessárias
ao Coordenador de pais:
 Ser formado em Pedagogia;
 Ter também, preferencialmente formação na área de Bacharel ou Licenciatura
em Teologia, ou Serviço Social, ou Psicologia;
 Ser responsável no cumprimento de horário das atividades;
 Ter capacidade e responsabilidade para lidar com a autonomia;
 Ter conduta moral e ética ilibada;
 Ter valores familiares sólidos;
 Saber ser ouvinte;
 Ter interesse por estudos e leituras relacionados à família, educação de filhos,
relacionamentos familiares, etc;
 Ter conhecimento e domínio do ECA e LEI MARIA DA PENHA;
 Ser comunicativo, ter boa oratória;
 Possuir sensibilidade;
 Atitudes práticas para intensificar a participação de pais nas reuniões da
escola;
 Disponibilidade de horário, inclusive aos sábados ou domingos e período
noturno para fazer visitas nas residências dos alunos;
 Capacidade e disposição para:
• elaborar relatórios, gráficos dos atendimentos na escola e nas
residências dos alunos;
• fazer registros das visitas às famílias;
• Elaborar e realizar palestras para pais;
• Elaborar e fazer palestras para alunos;
 Estar alinhado com a política social, educacional e assistencial do
executivo municipal.
A implantação de Coordenadores de Pais nas Escolas da Rede Municipal de Ensino
de Corumbá podem trazer imensuráveis benefícios educacionais, políticos e sociais.
JUSTIFICATIVA
A implantação do Coordenador de Pais nas Escolas da Rede Municipal de Ensino de
Corumbá é de fundamental importância pelos seguintes motivos:
 Há a necessidade de apoio sistêmico para alavancar o ensino e aprendizagem
nas escolas mais vulneráveis e o Coordenador de pais poderá dar este apoio
sistêmico;
 O Coordenador de Pais promoverá a aproximação família-escola, como uma
área técnica e específica de políticas públicas;
 Importância de articular estratégias sistêmicas de aproximação família-escola
com outras políticas públicas;
 O trabalho do Coordenador de Pais visa estimular a instalação de um
ambiente escolar favorável ao aprendizado, com foco na qualidade das
relações professor-aluno e aluno-aluno;
 O trabalho do Coordenador de Pais visa fortalecer e apoiar a liderança da
gestão escolar;
 O Coordenador de Pais trabalhará para uma maior aproximação e parceria
das escolas com pais e comunidades;
 O Coordenador de Pais atuando junto ao aluno individualmente ou
coletivamente poderá através de conversas informais ou formais e/ou
palestras, trabalhar a auto estima do mesmo, levando-o a ter uma perspectiva
de futuro;
 O Coordenador de Pais trabalhando junto aos alunos, nas Escolas da REME
poderá atuar preventivamente diminuindo a violência entre eles, criando uma
consciência da não violência, de respeito pelo outro;
 O Coordenador de Pais trabalhando junto aos Pais dos alunos das Escolas da
REME poderá atuar preventivamente no combate e minimização da violência
doméstica, através de realização de palestras a pais, através da realização de
aconselhamento do casal, sendo isso de fundamental importância, pois
contribui para o desenvolvimento saudável e equilibrado da criança, bem como
contribui para o aprendizado dela, pois a criança reflete na Escola o clima
emocional de seu lar;
OBJETIVOS
OBJETIVO GERAL
Implantar e desenvolver o cargo/função de Coordenador de Pais nas ESCOLAS DA
REME do Município de Corumbá-MS, visando um melhor aprendizado por parte do
aluno, criar uma cultura de não violência nos mesmos e atuar junto às famílias dos
alunos.
OBJETIVOS ESPECÍFICOS
 Promover a integração entre Escola e família, Escola e Comunidade;
 Atuar junto aos alunos, de forma a minimizar e até erradicar a evasão e a
repetência;
 Promover ações com os alunos, tais como conversas individuais e palestras
visando minimizar ou erradicar a violência na escola, criando uma cultura da
não violência na escola;
 Auxiliar o professor no seu trabalho com os alunos em sala de aula;
 Promover com os pais dos alunos, palestras sobre educação, ética, moral,
papel dos pais, cidadania, etc;
 Promover visitas domiciliares às casas dos alunos
 Promover atendimento individualizado e acompanhamento a alunos com
problemas de indisciplina em sala de aula;
 Promover atendimento e acompanhamento individualizado a alunos com
índice elevado de faltas na escola;
 Promover atendimento individualizado a alunos em defasagem série/idade;
 Promover atendimento individualizado a Pais de alunos com problemas de
indisciplina, excesso de faltas na escola, etc;
METAS A ATINGIR
Através de um trabalho efetivo de acompanhamento do aluno e de sua família:
 Erradicar ou ao menos minimizar a evasão e a repetência;
 Melhorar o índice de aprendizado;
 Erradicar ou minimizar a violência na escola e no entorno dela;
 Erradicar ou minimizar a violência doméstica nas famílias dos alunos;
 Criar uma cultura e uma consciência de não violência;
PÚBLICO ALVO
Alunos da REME, Pais dos alunos/ e ou responsáveis, professores da REME, etc.
ETAPAS DE EXECUÇÃO/BASE METODOLÓGICA E OPERACIONAL/ESTRATÉGIA
DE AÇÃO
PRIMEIRO SEMESTRE
Nº Atividades Início Fim
01 Realização de palestras com alunos
02 Realização de palestras com Pais
03 Encontro com professores
04 Visitas nos domicílios dos alunos
SEGUNDO SEMESTRE
Nº Atividades Início Fim
01 Realização de palestras com alunos
02 Realização de palestras com Pais
03 Encontro com professores
04 Visitas nos domicílios dos alunos
*Datas aproximadas
ATIVIDADES FORMAÇÃO E/RETORNO DE INTERESSE PÚBLICO
 Os Professores COORDENADORES DE PAIS receberão Curso de
capacitação oferecido pela ESCOLA DE GOVERNO, conforme um calendário
anual elaborado preliminarmente. O Curso deverá ser ministrado por Professor
com formação em Pedagogia ou outra licenciatura, ainda preferencialmente
com Curso de Teologia ou Serviço Social; ainda deverá ser promovido
encontros bimestrais para fins orientação e avaliação do trabalho desenvolvido
pelo Coordenador de pais;
 O retorno de interesse público é incalculável e de grande dimensão
socioeducativa, pois o trabalho do Coordenador de pais poderá minimizar a
violência doméstica, pois o mesmo estará atuando junto às famílias, realizando
palestras e conscientizando os pais dos alunos sobre os benefícios de viver em
paz, em harmonia e em união; ainda o trabalho do coordenador de pais
trabalhando junto aos pais poderá ser um agente propagador daquilo que
interessa à gestão pública municipal; o trabalho efetivo do Coordenador de pais
poderá também levar à diminuição da evasão e da repetência escolar, bem
como minimizar a violência na escola e no entorno dela e também elevar o
IDEB, pois o Coordenador de Pais atuará também visando o desenvolvimento
integral do aluno, inclusive seu aprendizado.
AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS
A avaliação dos resultados deverá ser medido com base na observação da mudança
do comportamento dos alunos, na análise do índice de aprendizagem dos alunos, com
base nas entrevistas realizadas com profesores, gestores e com as famílias dos
alunos.
CRONOGRAMA
CRONOGRAMA DE ATIVIDADE ANUAL
Janeiro
Férias
escolares
Fevereiro
*Reunião geral
com pais;
*Reunião geral
com alunos;
*Palestras a pais;
Março
*Atendimento
individual a
alunos com
dificuldade de
aprendizagem e
problemas
comportamentais
;
*Visitas
domiciliares, pré
agendadas;
Palestras para
alunos;
Abril
*Reunião com
pais por turma;
*Reunião com
alunos por turma;
*Atendimento
individual a
alunos com
dificuldade de
aprendizagem e
problemas
comportamentais
;
*Visitas
domiciliares;
Maio
*Atendimento
individual a
alunos com
dificuldade de
aprendizagem e
problemas
comportamentais
;
*Visitas
domiciliares, pré
agendadas;
Palestra para a
mãe;
Junho
Reunião geral
com pais;
*Reunião geral
com alunos;
*Visitas
domiciliares;
*Atendimento
individual a pais
de alunos com
dificuldade de
aprendizagem e
problemas
comportamentais;
Julho
Férias
escolares
Agosto
Reunião geral
com pais e
alunos;
*Atendimento
individual a pais
de alunos com
dificuldade de
aprendizagem e
problemas
comportamentais
;
*Palestra para o
pai;
Setembro
*Visitas
domiciliares, pré
agendadas;
*Atendimento
individual a
alunos com
dificuldade de
aprendizagem e
problemas
comportamentais
;
*Reunião com
pais por turma;
*Reunião com
alunos por turma;
Outubro
*Reunião com
pais por turma;
*Palestra para o
casal de pais;
Atendimento
individual a
alunos com
dificuldade de
aprendizagem e
problemas
comportamentais
;
Visitas
domiciliares, pré
agendadas;
Novembro
Atendimento
individual a
alunos com
dificuldade de
aprendizagem e
problemas
comportamentais
;
Reunião geral
com pais e
alunos;
Visitas
domiciliares, pré
agendadas;
Dezembro
Reunião geral de
avaliação do
desempenho
escolar, com pais
e alunos;
*Reunião
avaliativa, com
alunos, por
turma;
*Reunião
avaliativa, com
professores e
gestores;
ORÇAMENTO
01 Salário *R$ 3.700,00(*Média)
02 Dedicação exclusiva R$ 500,00
03 Auxílio Combustivel R$ 200,00
TOTAL R$ 4.400,00
*Professor com graduação e Pós graduação
BIBLIOGRAFIA
ARIES, Philippe. História Social da Criança e da Família. Rio de Janeiro, Editora
Zahar, 1978.
BILAC, E. D. Convergências e divergências nas estruturas familiares no
Brasil. Ciências Sociais Hoje. São Paulo: Vértice, 1991, p. 70-94.
BOURDIEU, Pierre. A Dominação Masculina. Ed. Bertrand Brasil, 1999.
CARVALHO, Maria do Carmo B. O Lugar da Família na Política Social. In:
CARVALHO, M. C. B. A Família Contemporânea em Debate. São Paulo: IEE/PUC -
SP e Fapesp, 1995.
COSTA, Jurandir F. Violência e Psicanálise. 2° ed. Rio de Janeiro: Graal, 1986.
FREIRE, Paulo. Educação: Sonho possível. In: BRANDÃO, Carlos R. (org). O
educador: vida e morte. 2 ed. Rio de Janeiro: Graal, 1982.
GARCIA, Edinês Maria Sormani. Direito de Família: Princípio da Dignidade da
Pessoa Humana. São Paulo: LED.
LÔBO, Paulo. Famílias. São Paulo: Saraiva.
ORSOLON, Luzia A. M. O coordenador/formador como um dos agentes de
transformação da/na escola. In: ALMEIDA, Laurinda R.; PLACCO, Vera M. N. S.
(Orgs). O coordenador pedagógico e o espaço de mudança. São Paulo: Loyola,
2003.
PLACCO, Vera M. N. S.; ALMEIDA, Laurinda R. (Orgs) O coordenador pedagógico e
o cotidiano da escola. São Paulo: Loyola, 2003.
SPOSATI, Aldaíza, FLEURY, Sônia e FALCÃO. Os Direitos dos (des)assistidos
Sociais. São Paulo: Cortez, 1991.
TELLES, V. da S. A pobreza como condição de vida. Família, trabalho e direitos
entre as classes trabalhadoras urbanas. São Paulo em Perspectiva, 4(2): 37-45,
abr./jun. 1990.
VASCONCELLOS, Celso S. Coordenação do trabalho pedagógico: do projeto
político pedagógico ao cotidiano da sala de aula. 7 ed São Paulo: Libertad, 2006.
Projeto elaborado por: Nivaldo Nogueira de Ávila
Professor, Pedagogo, Teólogo e Pós Graduado em Mídias na Educação
Chefe do Núcleo de Qualificação e Formação da EGOV-Corumbá/MS
Corumbá/MS, 31 de janeiro de 2014.
ARIES, Philippe. História Social da Criança e da Família. Rio de Janeiro, Editora
Zahar, 1978.
BILAC, E. D. Convergências e divergências nas estruturas familiares no
Brasil. Ciências Sociais Hoje. São Paulo: Vértice, 1991, p. 70-94.
BOURDIEU, Pierre. A Dominação Masculina. Ed. Bertrand Brasil, 1999.
CARVALHO, Maria do Carmo B. O Lugar da Família na Política Social. In:
CARVALHO, M. C. B. A Família Contemporânea em Debate. São Paulo: IEE/PUC -
SP e Fapesp, 1995.
COSTA, Jurandir F. Violência e Psicanálise. 2° ed. Rio de Janeiro: Graal, 1986.
FREIRE, Paulo. Educação: Sonho possível. In: BRANDÃO, Carlos R. (org). O
educador: vida e morte. 2 ed. Rio de Janeiro: Graal, 1982.
GARCIA, Edinês Maria Sormani. Direito de Família: Princípio da Dignidade da
Pessoa Humana. São Paulo: LED.
LÔBO, Paulo. Famílias. São Paulo: Saraiva.
ORSOLON, Luzia A. M. O coordenador/formador como um dos agentes de
transformação da/na escola. In: ALMEIDA, Laurinda R.; PLACCO, Vera M. N. S.
(Orgs). O coordenador pedagógico e o espaço de mudança. São Paulo: Loyola,
2003.
PLACCO, Vera M. N. S.; ALMEIDA, Laurinda R. (Orgs) O coordenador pedagógico e
o cotidiano da escola. São Paulo: Loyola, 2003.
SPOSATI, Aldaíza, FLEURY, Sônia e FALCÃO. Os Direitos dos (des)assistidos
Sociais. São Paulo: Cortez, 1991.
TELLES, V. da S. A pobreza como condição de vida. Família, trabalho e direitos
entre as classes trabalhadoras urbanas. São Paulo em Perspectiva, 4(2): 37-45,
abr./jun. 1990.
VASCONCELLOS, Celso S. Coordenação do trabalho pedagógico: do projeto
político pedagógico ao cotidiano da sala de aula. 7 ed São Paulo: Libertad, 2006.
Projeto elaborado por: Nivaldo Nogueira de Ávila
Professor, Pedagogo, Teólogo e Pós Graduado em Mídias na Educação
Chefe do Núcleo de Qualificação e Formação da EGOV-Corumbá/MS
Corumbá/MS, 31 de janeiro de 2014.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Proposta Pedagógica 2014
Proposta Pedagógica 2014Proposta Pedagógica 2014
Proposta Pedagógica 2014
eemarquesdesaovicente
 
Projeto de externsão a comunidade
Projeto de externsão a comunidadeProjeto de externsão a comunidade
Projeto de externsão a comunidade
Ana Amelia Duarte
 
Plano de gestão escolar 2016
Plano de gestão escolar 2016Plano de gestão escolar 2016
Plano de gestão escolar 2016
Wilma Almeida Souza Ribeiro
 
Proposta pedagógica 2011
Proposta pedagógica 2011Proposta pedagógica 2011
Proposta pedagógica 2011
cef08sobradinho dois
 
Slide plano de intervençao social ok
Slide plano de intervençao social okSlide plano de intervençao social ok
Slide plano de intervençao social ok
Fátima Squarcio
 
Orientação educacional slide 2
Orientação educacional   slide 2Orientação educacional   slide 2
Orientação educacional slide 2
estudosacademicospedag
 
Comunidade Escolar e Pais, parceiros na aprendizagem
Comunidade Escolar e Pais, parceiros na aprendizagemComunidade Escolar e Pais, parceiros na aprendizagem
Comunidade Escolar e Pais, parceiros na aprendizagem
celiaregiane
 
REUNIÃO PEDAGÓGICA ADMINISTRATIVA PARA ELABORAÇÃO DO NOVO PPP(PROJETO POLÍTIC...
REUNIÃO PEDAGÓGICA ADMINISTRATIVA PARA ELABORAÇÃO DO NOVO PPP(PROJETO POLÍTIC...REUNIÃO PEDAGÓGICA ADMINISTRATIVA PARA ELABORAÇÃO DO NOVO PPP(PROJETO POLÍTIC...
REUNIÃO PEDAGÓGICA ADMINISTRATIVA PARA ELABORAÇÃO DO NOVO PPP(PROJETO POLÍTIC...
Antônio Fernandes
 
Plano de Gestão Escolar 2014 e 2015
Plano de Gestão Escolar 2014 e 2015Plano de Gestão Escolar 2014 e 2015
Plano de Gestão Escolar 2014 e 2015
Ana Paula Silva
 
Janete projeto do coordenador
Janete projeto do coordenadorJanete projeto do coordenador
Janete projeto do coordenador
Nethy Marques
 
Apresentação do projeto
Apresentação do projetoApresentação do projeto
Apresentação do projeto
Eliana Santos
 
Família x Escola
Família x EscolaFamília x Escola
Família x Escola
estercotrim
 
Projeto Político Pedagógico - Prof. Amábile
Projeto Político Pedagógico - Prof. AmábileProjeto Político Pedagógico - Prof. Amábile
Projeto Político Pedagógico - Prof. Amábile
Carmina Monteiro
 
Projeto familia na escola
Projeto familia na escolaProjeto familia na escola
Projeto familia na escola
Eduardojr-professor
 
Proposta pedagogica ensino fundamental 2012
Proposta pedagogica  ensino fundamental 2012Proposta pedagogica  ensino fundamental 2012
Proposta pedagogica ensino fundamental 2012
kauezinhoproducao
 
PPP - SLIDES DE APRESENTAÇÃO PARA A COMUNIDADE
PPP - SLIDES DE APRESENTAÇÃO PARA A COMUNIDADEPPP - SLIDES DE APRESENTAÇÃO PARA A COMUNIDADE
PPP - SLIDES DE APRESENTAÇÃO PARA A COMUNIDADE
QUEDMA SILVA
 
Gaaf ppt
Gaaf pptGaaf ppt
Gaaf ppt
PESES
 
Extensão a comunidade
Extensão a comunidadeExtensão a comunidade
Extensão a comunidade
Paulo Wanderson
 
Gaaf ppt
Gaaf pptGaaf ppt
Gaaf ppt
PESES
 
Orientação Educacional
Orientação EducacionalOrientação Educacional
Orientação Educacional
tanialins
 

Mais procurados (20)

Proposta Pedagógica 2014
Proposta Pedagógica 2014Proposta Pedagógica 2014
Proposta Pedagógica 2014
 
Projeto de externsão a comunidade
Projeto de externsão a comunidadeProjeto de externsão a comunidade
Projeto de externsão a comunidade
 
Plano de gestão escolar 2016
Plano de gestão escolar 2016Plano de gestão escolar 2016
Plano de gestão escolar 2016
 
Proposta pedagógica 2011
Proposta pedagógica 2011Proposta pedagógica 2011
Proposta pedagógica 2011
 
Slide plano de intervençao social ok
Slide plano de intervençao social okSlide plano de intervençao social ok
Slide plano de intervençao social ok
 
Orientação educacional slide 2
Orientação educacional   slide 2Orientação educacional   slide 2
Orientação educacional slide 2
 
Comunidade Escolar e Pais, parceiros na aprendizagem
Comunidade Escolar e Pais, parceiros na aprendizagemComunidade Escolar e Pais, parceiros na aprendizagem
Comunidade Escolar e Pais, parceiros na aprendizagem
 
REUNIÃO PEDAGÓGICA ADMINISTRATIVA PARA ELABORAÇÃO DO NOVO PPP(PROJETO POLÍTIC...
REUNIÃO PEDAGÓGICA ADMINISTRATIVA PARA ELABORAÇÃO DO NOVO PPP(PROJETO POLÍTIC...REUNIÃO PEDAGÓGICA ADMINISTRATIVA PARA ELABORAÇÃO DO NOVO PPP(PROJETO POLÍTIC...
REUNIÃO PEDAGÓGICA ADMINISTRATIVA PARA ELABORAÇÃO DO NOVO PPP(PROJETO POLÍTIC...
 
Plano de Gestão Escolar 2014 e 2015
Plano de Gestão Escolar 2014 e 2015Plano de Gestão Escolar 2014 e 2015
Plano de Gestão Escolar 2014 e 2015
 
Janete projeto do coordenador
Janete projeto do coordenadorJanete projeto do coordenador
Janete projeto do coordenador
 
Apresentação do projeto
Apresentação do projetoApresentação do projeto
Apresentação do projeto
 
Família x Escola
Família x EscolaFamília x Escola
Família x Escola
 
Projeto Político Pedagógico - Prof. Amábile
Projeto Político Pedagógico - Prof. AmábileProjeto Político Pedagógico - Prof. Amábile
Projeto Político Pedagógico - Prof. Amábile
 
Projeto familia na escola
Projeto familia na escolaProjeto familia na escola
Projeto familia na escola
 
Proposta pedagogica ensino fundamental 2012
Proposta pedagogica  ensino fundamental 2012Proposta pedagogica  ensino fundamental 2012
Proposta pedagogica ensino fundamental 2012
 
PPP - SLIDES DE APRESENTAÇÃO PARA A COMUNIDADE
PPP - SLIDES DE APRESENTAÇÃO PARA A COMUNIDADEPPP - SLIDES DE APRESENTAÇÃO PARA A COMUNIDADE
PPP - SLIDES DE APRESENTAÇÃO PARA A COMUNIDADE
 
Gaaf ppt
Gaaf pptGaaf ppt
Gaaf ppt
 
Extensão a comunidade
Extensão a comunidadeExtensão a comunidade
Extensão a comunidade
 
Gaaf ppt
Gaaf pptGaaf ppt
Gaaf ppt
 
Orientação Educacional
Orientação EducacionalOrientação Educacional
Orientação Educacional
 

Semelhante a Projeto de implantação de Coordenador de pais

Projeto hope crer ser-09052015
Projeto hope crer ser-09052015Projeto hope crer ser-09052015
Projeto hope crer ser-09052015
HopeWWBrazil
 
83539926 proposta-coordenacao
83539926 proposta-coordenacao83539926 proposta-coordenacao
83539926 proposta-coordenacao
Eduardo Lopes
 
PLANO DE AÇÃO TÉCNICA.docx
PLANO DE AÇÃO TÉCNICA.docxPLANO DE AÇÃO TÉCNICA.docx
PLANO DE AÇÃO TÉCNICA.docx
ElaineFontoura
 
Sala ppp
Sala pppSala ppp
Sala ppp
ryldonjohnson
 
Plano Anual de Ação da Orientação Escolar
Plano Anual de Ação da Orientação Escolar Plano Anual de Ação da Orientação Escolar
Plano Anual de Ação da Orientação Escolar
LOCIMAR MASSALAI
 
INFORMAÇÕES GERAIS 2018 - Educação Infantil
INFORMAÇÕES GERAIS 2018 -  Educação InfantilINFORMAÇÕES GERAIS 2018 -  Educação Infantil
INFORMAÇÕES GERAIS 2018 - Educação Infantil
Nayara Alves
 
PSICOLOGIA ESCOLAR
PSICOLOGIA ESCOLARPSICOLOGIA ESCOLAR
PSICOLOGIA ESCOLAR
Cassia Dias
 
Orientações Gerais da Educação Infantil
Orientações Gerais da Educação InfantilOrientações Gerais da Educação Infantil
Orientações Gerais da Educação Infantil
Nayara Alves
 
COORDENADORES DE PAIS
COORDENADORES DE PAISCOORDENADORES DE PAIS
COORDENADORES DE PAIS
Wany Goes Dias
 
DISCALCULIA NO ENSINO MÉDIO: DAS CONDIÇÕES DE CONTORNAR O DISTÚRBIO - Relatório
DISCALCULIA NO ENSINO MÉDIO: DAS CONDIÇÕES DE CONTORNAR O DISTÚRBIO - Relatório DISCALCULIA NO ENSINO MÉDIO: DAS CONDIÇÕES DE CONTORNAR O DISTÚRBIO - Relatório
DISCALCULIA NO ENSINO MÉDIO: DAS CONDIÇÕES DE CONTORNAR O DISTÚRBIO - Relatório
Elisângela Feitosa
 
Programa Saúde na Escola
Programa Saúde na EscolaPrograma Saúde na Escola
Programa Saúde na Escola
Dorlin
 
Serviço social no contexto educativo
Serviço social no  contexto educativoServiço social no  contexto educativo
Serviço social no contexto educativo
Lisandra Rego
 
ATIVIDADES-COMPLEMENTARES-DA-EDUCACAO-ESPECIAL-COM-ALTERACAO.pdf
ATIVIDADES-COMPLEMENTARES-DA-EDUCACAO-ESPECIAL-COM-ALTERACAO.pdfATIVIDADES-COMPLEMENTARES-DA-EDUCACAO-ESPECIAL-COM-ALTERACAO.pdf
ATIVIDADES-COMPLEMENTARES-DA-EDUCACAO-ESPECIAL-COM-ALTERACAO.pdf
EscEstPadreJosdeAnch
 
Apresentação da américa
Apresentação da américaApresentação da américa
Apresentação da américa
Edvania Ferreira
 
Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015
Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015
Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015
jeffcezanne
 
Atps projeto de extensao_a_comunidade
Atps projeto de extensao_a_comunidadeAtps projeto de extensao_a_comunidade
Atps projeto de extensao_a_comunidade
mkbariotto
 
o espaço escolar na atualidade
o espaço escolar na atualidadeo espaço escolar na atualidade
o espaço escolar na atualidade
Rhaykaisa
 
A família e a Aprendizagem dos Filhos.pptx
A família e a Aprendizagem dos Filhos.pptxA família e a Aprendizagem dos Filhos.pptx
A família e a Aprendizagem dos Filhos.pptx
mickellesousa2
 
Projeto escola de pais 2014 1
Projeto escola de pais 2014 1Projeto escola de pais 2014 1
Projeto escola de pais 2014 1
escolaprofmariaelzasena
 
A orientaçao educacional e a família do aluno
A orientaçao educacional e a família do alunoA orientaçao educacional e a família do aluno
A orientaçao educacional e a família do aluno
irene gomes da silva
 

Semelhante a Projeto de implantação de Coordenador de pais (20)

Projeto hope crer ser-09052015
Projeto hope crer ser-09052015Projeto hope crer ser-09052015
Projeto hope crer ser-09052015
 
83539926 proposta-coordenacao
83539926 proposta-coordenacao83539926 proposta-coordenacao
83539926 proposta-coordenacao
 
PLANO DE AÇÃO TÉCNICA.docx
PLANO DE AÇÃO TÉCNICA.docxPLANO DE AÇÃO TÉCNICA.docx
PLANO DE AÇÃO TÉCNICA.docx
 
Sala ppp
Sala pppSala ppp
Sala ppp
 
Plano Anual de Ação da Orientação Escolar
Plano Anual de Ação da Orientação Escolar Plano Anual de Ação da Orientação Escolar
Plano Anual de Ação da Orientação Escolar
 
INFORMAÇÕES GERAIS 2018 - Educação Infantil
INFORMAÇÕES GERAIS 2018 -  Educação InfantilINFORMAÇÕES GERAIS 2018 -  Educação Infantil
INFORMAÇÕES GERAIS 2018 - Educação Infantil
 
PSICOLOGIA ESCOLAR
PSICOLOGIA ESCOLARPSICOLOGIA ESCOLAR
PSICOLOGIA ESCOLAR
 
Orientações Gerais da Educação Infantil
Orientações Gerais da Educação InfantilOrientações Gerais da Educação Infantil
Orientações Gerais da Educação Infantil
 
COORDENADORES DE PAIS
COORDENADORES DE PAISCOORDENADORES DE PAIS
COORDENADORES DE PAIS
 
DISCALCULIA NO ENSINO MÉDIO: DAS CONDIÇÕES DE CONTORNAR O DISTÚRBIO - Relatório
DISCALCULIA NO ENSINO MÉDIO: DAS CONDIÇÕES DE CONTORNAR O DISTÚRBIO - Relatório DISCALCULIA NO ENSINO MÉDIO: DAS CONDIÇÕES DE CONTORNAR O DISTÚRBIO - Relatório
DISCALCULIA NO ENSINO MÉDIO: DAS CONDIÇÕES DE CONTORNAR O DISTÚRBIO - Relatório
 
Programa Saúde na Escola
Programa Saúde na EscolaPrograma Saúde na Escola
Programa Saúde na Escola
 
Serviço social no contexto educativo
Serviço social no  contexto educativoServiço social no  contexto educativo
Serviço social no contexto educativo
 
ATIVIDADES-COMPLEMENTARES-DA-EDUCACAO-ESPECIAL-COM-ALTERACAO.pdf
ATIVIDADES-COMPLEMENTARES-DA-EDUCACAO-ESPECIAL-COM-ALTERACAO.pdfATIVIDADES-COMPLEMENTARES-DA-EDUCACAO-ESPECIAL-COM-ALTERACAO.pdf
ATIVIDADES-COMPLEMENTARES-DA-EDUCACAO-ESPECIAL-COM-ALTERACAO.pdf
 
Apresentação da américa
Apresentação da américaApresentação da américa
Apresentação da américa
 
Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015
Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015
Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015
 
Atps projeto de extensao_a_comunidade
Atps projeto de extensao_a_comunidadeAtps projeto de extensao_a_comunidade
Atps projeto de extensao_a_comunidade
 
o espaço escolar na atualidade
o espaço escolar na atualidadeo espaço escolar na atualidade
o espaço escolar na atualidade
 
A família e a Aprendizagem dos Filhos.pptx
A família e a Aprendizagem dos Filhos.pptxA família e a Aprendizagem dos Filhos.pptx
A família e a Aprendizagem dos Filhos.pptx
 
Projeto escola de pais 2014 1
Projeto escola de pais 2014 1Projeto escola de pais 2014 1
Projeto escola de pais 2014 1
 
A orientaçao educacional e a família do aluno
A orientaçao educacional e a família do alunoA orientaçao educacional e a família do aluno
A orientaçao educacional e a família do aluno
 

Último

escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 

Último (20)

escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 

Projeto de implantação de Coordenador de pais

  • 1. PROJETO COORDENADOR DE PAIS ELABORADO POR: NIVALDO NOGUEIRA DE ÁVILA CORUMBÁ / MS JANEIRO/2014
  • 2. ÍNDICE APRESENTAÇÃO / DESCRIÇÃO JUSTIFICATIVA OBJETIVO OBJETIVO GERAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS METAS A ATINGIR PÚBLICO ALVO ETAPAS DE EXECUÇÃO/BASE METODOLÓGICA E OPERACIONAL/ESTRATÉGIA DE AÇÃO ATIVIDADES FORMAÇÃO E/RETORNO DE INTERESSE PÚBLICO AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS CRONOGRAMA ORÇAMENTO BIBLIOGRAFIA A família é a CÉLULA MATER, DA SOCIEDADE, isto é: é a célula mãe da sociedade. Se a sociedade está doente, é porque a célula mãe tem gerado indivíduos doentes. É preciso cuidar das famílias. É preciso dar orientação aos pais, para que estes eduquem seus filhos com sabedoria.
  • 3. APRESENTAÇÃO / DESCRIÇÃO O PROJETO DENOMINADO DE COORDENADOR DE PAIS, tem por finalidade propor a implantação de Coordenadores de Pais nas Escolas da Rede Municipal de Ensino de Corumbá para atender exclusivamente Alunos e seus respectivos pais ou responsáveis. O programa Coordenadores de Pais visa aproximar a família da escola e a escola da família; diminuir a evasão e a repetência; e construir um clima mais harmonioso no interior de cada unidade educacional - que seja favorável ao aprendizado e ao desenvolvimento de cada aluno. Há um consenso dentro e fora do Brasil sobre a importância da participação dos pais na vida escolar dos filhos. Ao mesmo tempo, várias pesquisas amplamente difundidas no Brasil têm reportado que os pais de famílias pobres parecem dar pouca importância à qualidade da educação pública dos filhos. A função de Coordenador de Pais deve necessariamente ser exercida por um profissional da educação, graduado em Pedagogia e preferencialmente com formação também na área de Bacharel ou Licenciatura em Teologia, ou Serviço Social, ou Psicologia. O Coordenador de pais precisa ser escolhido, dentre os professores da REME, a partir de uma seleção criteriosa e rigorosa, levando em conta não só a formação acadêmica, mas também o perfil. Como perfil podemos elencar algumas características essenciais e necessárias ao Coordenador de pais:  Ser formado em Pedagogia;  Ter também, preferencialmente formação na área de Bacharel ou Licenciatura em Teologia, ou Serviço Social, ou Psicologia;  Ser responsável no cumprimento de horário das atividades;  Ter capacidade e responsabilidade para lidar com a autonomia;  Ter conduta moral e ética ilibada;  Ter valores familiares sólidos;  Saber ser ouvinte;  Ter interesse por estudos e leituras relacionados à família, educação de filhos, relacionamentos familiares, etc;  Ter conhecimento e domínio do ECA e LEI MARIA DA PENHA;  Ser comunicativo, ter boa oratória;
  • 4.  Possuir sensibilidade;  Atitudes práticas para intensificar a participação de pais nas reuniões da escola;  Disponibilidade de horário, inclusive aos sábados ou domingos e período noturno para fazer visitas nas residências dos alunos;  Capacidade e disposição para: • elaborar relatórios, gráficos dos atendimentos na escola e nas residências dos alunos; • fazer registros das visitas às famílias; • Elaborar e realizar palestras para pais; • Elaborar e fazer palestras para alunos;  Estar alinhado com a política social, educacional e assistencial do executivo municipal. A implantação de Coordenadores de Pais nas Escolas da Rede Municipal de Ensino de Corumbá podem trazer imensuráveis benefícios educacionais, políticos e sociais. JUSTIFICATIVA A implantação do Coordenador de Pais nas Escolas da Rede Municipal de Ensino de Corumbá é de fundamental importância pelos seguintes motivos:  Há a necessidade de apoio sistêmico para alavancar o ensino e aprendizagem nas escolas mais vulneráveis e o Coordenador de pais poderá dar este apoio sistêmico;  O Coordenador de Pais promoverá a aproximação família-escola, como uma área técnica e específica de políticas públicas;  Importância de articular estratégias sistêmicas de aproximação família-escola com outras políticas públicas;  O trabalho do Coordenador de Pais visa estimular a instalação de um ambiente escolar favorável ao aprendizado, com foco na qualidade das relações professor-aluno e aluno-aluno;  O trabalho do Coordenador de Pais visa fortalecer e apoiar a liderança da gestão escolar;
  • 5.  O Coordenador de Pais trabalhará para uma maior aproximação e parceria das escolas com pais e comunidades;  O Coordenador de Pais atuando junto ao aluno individualmente ou coletivamente poderá através de conversas informais ou formais e/ou palestras, trabalhar a auto estima do mesmo, levando-o a ter uma perspectiva de futuro;  O Coordenador de Pais trabalhando junto aos alunos, nas Escolas da REME poderá atuar preventivamente diminuindo a violência entre eles, criando uma consciência da não violência, de respeito pelo outro;  O Coordenador de Pais trabalhando junto aos Pais dos alunos das Escolas da REME poderá atuar preventivamente no combate e minimização da violência doméstica, através de realização de palestras a pais, através da realização de aconselhamento do casal, sendo isso de fundamental importância, pois contribui para o desenvolvimento saudável e equilibrado da criança, bem como contribui para o aprendizado dela, pois a criança reflete na Escola o clima emocional de seu lar; OBJETIVOS OBJETIVO GERAL Implantar e desenvolver o cargo/função de Coordenador de Pais nas ESCOLAS DA REME do Município de Corumbá-MS, visando um melhor aprendizado por parte do aluno, criar uma cultura de não violência nos mesmos e atuar junto às famílias dos alunos. OBJETIVOS ESPECÍFICOS  Promover a integração entre Escola e família, Escola e Comunidade;  Atuar junto aos alunos, de forma a minimizar e até erradicar a evasão e a repetência;  Promover ações com os alunos, tais como conversas individuais e palestras visando minimizar ou erradicar a violência na escola, criando uma cultura da não violência na escola;  Auxiliar o professor no seu trabalho com os alunos em sala de aula;  Promover com os pais dos alunos, palestras sobre educação, ética, moral, papel dos pais, cidadania, etc;
  • 6.  Promover visitas domiciliares às casas dos alunos  Promover atendimento individualizado e acompanhamento a alunos com problemas de indisciplina em sala de aula;  Promover atendimento e acompanhamento individualizado a alunos com índice elevado de faltas na escola;  Promover atendimento individualizado a alunos em defasagem série/idade;  Promover atendimento individualizado a Pais de alunos com problemas de indisciplina, excesso de faltas na escola, etc; METAS A ATINGIR Através de um trabalho efetivo de acompanhamento do aluno e de sua família:  Erradicar ou ao menos minimizar a evasão e a repetência;  Melhorar o índice de aprendizado;  Erradicar ou minimizar a violência na escola e no entorno dela;  Erradicar ou minimizar a violência doméstica nas famílias dos alunos;  Criar uma cultura e uma consciência de não violência; PÚBLICO ALVO Alunos da REME, Pais dos alunos/ e ou responsáveis, professores da REME, etc. ETAPAS DE EXECUÇÃO/BASE METODOLÓGICA E OPERACIONAL/ESTRATÉGIA DE AÇÃO PRIMEIRO SEMESTRE Nº Atividades Início Fim 01 Realização de palestras com alunos 02 Realização de palestras com Pais 03 Encontro com professores 04 Visitas nos domicílios dos alunos
  • 7. SEGUNDO SEMESTRE Nº Atividades Início Fim 01 Realização de palestras com alunos 02 Realização de palestras com Pais 03 Encontro com professores 04 Visitas nos domicílios dos alunos *Datas aproximadas ATIVIDADES FORMAÇÃO E/RETORNO DE INTERESSE PÚBLICO  Os Professores COORDENADORES DE PAIS receberão Curso de capacitação oferecido pela ESCOLA DE GOVERNO, conforme um calendário anual elaborado preliminarmente. O Curso deverá ser ministrado por Professor com formação em Pedagogia ou outra licenciatura, ainda preferencialmente com Curso de Teologia ou Serviço Social; ainda deverá ser promovido encontros bimestrais para fins orientação e avaliação do trabalho desenvolvido pelo Coordenador de pais;  O retorno de interesse público é incalculável e de grande dimensão socioeducativa, pois o trabalho do Coordenador de pais poderá minimizar a violência doméstica, pois o mesmo estará atuando junto às famílias, realizando palestras e conscientizando os pais dos alunos sobre os benefícios de viver em paz, em harmonia e em união; ainda o trabalho do coordenador de pais trabalhando junto aos pais poderá ser um agente propagador daquilo que interessa à gestão pública municipal; o trabalho efetivo do Coordenador de pais poderá também levar à diminuição da evasão e da repetência escolar, bem como minimizar a violência na escola e no entorno dela e também elevar o IDEB, pois o Coordenador de Pais atuará também visando o desenvolvimento integral do aluno, inclusive seu aprendizado. AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS A avaliação dos resultados deverá ser medido com base na observação da mudança do comportamento dos alunos, na análise do índice de aprendizagem dos alunos, com base nas entrevistas realizadas com profesores, gestores e com as famílias dos alunos. CRONOGRAMA
  • 8. CRONOGRAMA DE ATIVIDADE ANUAL Janeiro Férias escolares Fevereiro *Reunião geral com pais; *Reunião geral com alunos; *Palestras a pais; Março *Atendimento individual a alunos com dificuldade de aprendizagem e problemas comportamentais ; *Visitas domiciliares, pré agendadas; Palestras para alunos; Abril *Reunião com pais por turma; *Reunião com alunos por turma; *Atendimento individual a alunos com dificuldade de aprendizagem e problemas comportamentais ; *Visitas domiciliares; Maio *Atendimento individual a alunos com dificuldade de aprendizagem e problemas comportamentais ; *Visitas domiciliares, pré agendadas; Palestra para a mãe; Junho Reunião geral com pais; *Reunião geral com alunos; *Visitas domiciliares; *Atendimento individual a pais de alunos com dificuldade de aprendizagem e problemas comportamentais; Julho Férias escolares Agosto Reunião geral com pais e alunos; *Atendimento individual a pais de alunos com dificuldade de aprendizagem e problemas comportamentais ; *Palestra para o pai; Setembro *Visitas domiciliares, pré agendadas; *Atendimento individual a alunos com dificuldade de aprendizagem e problemas comportamentais ; *Reunião com pais por turma; *Reunião com alunos por turma; Outubro *Reunião com pais por turma; *Palestra para o casal de pais; Atendimento individual a alunos com dificuldade de aprendizagem e problemas comportamentais ; Visitas domiciliares, pré agendadas; Novembro Atendimento individual a alunos com dificuldade de aprendizagem e problemas comportamentais ; Reunião geral com pais e alunos; Visitas domiciliares, pré agendadas; Dezembro Reunião geral de avaliação do desempenho escolar, com pais e alunos; *Reunião avaliativa, com alunos, por turma; *Reunião avaliativa, com professores e gestores; ORÇAMENTO 01 Salário *R$ 3.700,00(*Média) 02 Dedicação exclusiva R$ 500,00 03 Auxílio Combustivel R$ 200,00 TOTAL R$ 4.400,00 *Professor com graduação e Pós graduação BIBLIOGRAFIA
  • 9. ARIES, Philippe. História Social da Criança e da Família. Rio de Janeiro, Editora Zahar, 1978. BILAC, E. D. Convergências e divergências nas estruturas familiares no Brasil. Ciências Sociais Hoje. São Paulo: Vértice, 1991, p. 70-94. BOURDIEU, Pierre. A Dominação Masculina. Ed. Bertrand Brasil, 1999. CARVALHO, Maria do Carmo B. O Lugar da Família na Política Social. In: CARVALHO, M. C. B. A Família Contemporânea em Debate. São Paulo: IEE/PUC - SP e Fapesp, 1995. COSTA, Jurandir F. Violência e Psicanálise. 2° ed. Rio de Janeiro: Graal, 1986. FREIRE, Paulo. Educação: Sonho possível. In: BRANDÃO, Carlos R. (org). O educador: vida e morte. 2 ed. Rio de Janeiro: Graal, 1982. GARCIA, Edinês Maria Sormani. Direito de Família: Princípio da Dignidade da Pessoa Humana. São Paulo: LED. LÔBO, Paulo. Famílias. São Paulo: Saraiva. ORSOLON, Luzia A. M. O coordenador/formador como um dos agentes de transformação da/na escola. In: ALMEIDA, Laurinda R.; PLACCO, Vera M. N. S. (Orgs). O coordenador pedagógico e o espaço de mudança. São Paulo: Loyola, 2003. PLACCO, Vera M. N. S.; ALMEIDA, Laurinda R. (Orgs) O coordenador pedagógico e o cotidiano da escola. São Paulo: Loyola, 2003. SPOSATI, Aldaíza, FLEURY, Sônia e FALCÃO. Os Direitos dos (des)assistidos Sociais. São Paulo: Cortez, 1991. TELLES, V. da S. A pobreza como condição de vida. Família, trabalho e direitos entre as classes trabalhadoras urbanas. São Paulo em Perspectiva, 4(2): 37-45, abr./jun. 1990. VASCONCELLOS, Celso S. Coordenação do trabalho pedagógico: do projeto político pedagógico ao cotidiano da sala de aula. 7 ed São Paulo: Libertad, 2006. Projeto elaborado por: Nivaldo Nogueira de Ávila Professor, Pedagogo, Teólogo e Pós Graduado em Mídias na Educação Chefe do Núcleo de Qualificação e Formação da EGOV-Corumbá/MS Corumbá/MS, 31 de janeiro de 2014.
  • 10. ARIES, Philippe. História Social da Criança e da Família. Rio de Janeiro, Editora Zahar, 1978. BILAC, E. D. Convergências e divergências nas estruturas familiares no Brasil. Ciências Sociais Hoje. São Paulo: Vértice, 1991, p. 70-94. BOURDIEU, Pierre. A Dominação Masculina. Ed. Bertrand Brasil, 1999. CARVALHO, Maria do Carmo B. O Lugar da Família na Política Social. In: CARVALHO, M. C. B. A Família Contemporânea em Debate. São Paulo: IEE/PUC - SP e Fapesp, 1995. COSTA, Jurandir F. Violência e Psicanálise. 2° ed. Rio de Janeiro: Graal, 1986. FREIRE, Paulo. Educação: Sonho possível. In: BRANDÃO, Carlos R. (org). O educador: vida e morte. 2 ed. Rio de Janeiro: Graal, 1982. GARCIA, Edinês Maria Sormani. Direito de Família: Princípio da Dignidade da Pessoa Humana. São Paulo: LED. LÔBO, Paulo. Famílias. São Paulo: Saraiva. ORSOLON, Luzia A. M. O coordenador/formador como um dos agentes de transformação da/na escola. In: ALMEIDA, Laurinda R.; PLACCO, Vera M. N. S. (Orgs). O coordenador pedagógico e o espaço de mudança. São Paulo: Loyola, 2003. PLACCO, Vera M. N. S.; ALMEIDA, Laurinda R. (Orgs) O coordenador pedagógico e o cotidiano da escola. São Paulo: Loyola, 2003. SPOSATI, Aldaíza, FLEURY, Sônia e FALCÃO. Os Direitos dos (des)assistidos Sociais. São Paulo: Cortez, 1991. TELLES, V. da S. A pobreza como condição de vida. Família, trabalho e direitos entre as classes trabalhadoras urbanas. São Paulo em Perspectiva, 4(2): 37-45, abr./jun. 1990. VASCONCELLOS, Celso S. Coordenação do trabalho pedagógico: do projeto político pedagógico ao cotidiano da sala de aula. 7 ed São Paulo: Libertad, 2006. Projeto elaborado por: Nivaldo Nogueira de Ávila Professor, Pedagogo, Teólogo e Pós Graduado em Mídias na Educação Chefe do Núcleo de Qualificação e Formação da EGOV-Corumbá/MS Corumbá/MS, 31 de janeiro de 2014.