SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 21
Crateús/CE
ORAÇÕESORAÇÕES
SUBORDINADASSUBORDINADAS
ADVERBIAISADVERBIAIS
Disciplina: Português
Educador: Edson Alves
Orações Subordinadas Adverbiais
Para finalizar o estudo das orações
subordinadas, estudaremos as
orações subordinadas adverbiais. Elas
funcionam como adjunto adverbial,
ou seja, são orações que indicam a
existência de uma circunstância.
Oração subordinada adverbial
• É aquela que tem valor de um advérbio ( ou
de locução adverbial) e exerce, em relação ao
verbo da oração principal, a função de adjunto
adverbial.
• Ex: “Mandar um Claro Torpedo é como beijo
na boca. Quando você começa, não quer mais
parar”.
• “como dar beijo na boca”- comparação
• “quando você começa”- tempo
Para que servem as orações adverbiais?
• As orações adverbiais estabelecem relações
lógicas e coesivas importantes na construção
do sentido de um texto. Servem para inserir
noções de tempo, finalidade, condição,
concessão ou, ainda, para estabelecer
comparação, concomitância ou relações de
causa e consequência entre dois fatos.
Para que servem as orações adverbiais?
• Embora as orações adverbiais sejam comuns
na fala, alguns dos seus tipos aparecem mais
frequentemente em textos escritos de acordo
com a variedade padrão da língua e com certo
grau de elaboração de ideias.
1 - Causal
Funciona como adjunto adverbial de causa. Principais
conjunções: porque, porquanto, visto que, já que,
uma vez que, como, que.
Exemplos:
- Saímos rapidamente, visto que estava armando um
tremendo temporal.
- Como estava chovendo, não saímos de casa.
- Por ter chegado atrasada, não pôde entrar na
palestra.
Atenção
• Fazer a distinção entre uma oração coordenada
explicativa e uma oração subordinada adverbial
causal nem sempre é fácil, porque ambas podem ser
introduzidas pelas conjunções que e porque. Para
eliminar a dúvida, você deve fazer estas
considerações:
• 1 - A oração coordenada explicativa explica a razão
da afirmação feita na oração anterior:
Ex: O sol estava muito forte, porque as flores estão
murchas.
Atenção
• 2 - A oração subordinada adverbial causal tem o papel
de advérbio em relação à oração principal, isto é, indica
a causa do efeito expresso pelo verbo da oração
principal:
• Ex: Fomos ao passeio porque houve algumas
desistências.
• 3 - A oração coordenada explicativa é frequentemente
empregada depois de orações imperativas e
optativas :
• Ex: Não fique muito tempo diante do computador, que
a sua coluna pode sentir.
• Deus te guie, porque você merece!
Por causa que ou causa de?
• Na variedade padrão da língua, emprega-se a
locução por causa de.
• Em vez de, por exemplo, “Voltei para casa por
causa que ia chover”, a variedade padrão
recomenda outras construções, como “voltei
para casa porque ia chover”, “…uma vez que
ia chover”ou “…por causa da chuva”.
2 - Comparativa
Funciona como adjunto adverbial de comparação.
Geralmente, o verbo fica subentendido. É iniciada
por uma conjunção subordinativa comparativa. São
elas: (mais) ... que, (menos)... que, (tão)... quanto,
como.
Exemplos:
- Vinícius era mais esforçado que o irmão.
- Leal é tão esforçado como o irmão.
3 - Concessiva
Funciona como adjunto adverbial de concessão.
Principais conjunções: embora, conquanto, não
obstante, apesar de que, se bem que, mesmo que,
posto que, ainda que, em que pese.
Exemplos:
- Todos se retiraram, apesar de não terem terminado
a prova.
- Mesmo que ele tenha razão, posicionar-me-ei
contrário às suas ideias.
4 - Condicional
Funciona como adjunto adverbial de condição.
Conjunções: se, a menos que, desde que, caso,
contanto que. Também pode ser iniciada pela
preposição a, estando o verbo no infinitivo.
Exemplos:
- Você terá um futuro brilhante, desde que se esforce.
- Contanto que se esforce, conquistará aquela garota.
- A continuar agindo dessa maneira, tudo se dificultará.
-
5 - Conformativa 
   Funciona como adjunto adverbial de conformidade. 
Conjunções: como, conforme, segundo.
Exemplos:
- Pintamos sua casa, conforme havia pedido.
- Como combinamos ontem, eis os documentos. 
6 - Consecutiva  
 Funciona como adjunto adverbial de consequência. 
É iniciada pela conjunção subordinativa consecutiva que.
Na oração principal normalmente surge um advérbio
de intensidade tal, tanto, tamanho(a): (tão)... que,
(tanto)... que, (tamanho)... que.
Exemplos:
- Ele fala tão alto, que não precisa do microfone.
- Ele é de tamanha capacidade, que a todos encanta. 
7 - Temporal
   Funciona como adjunto adverbial de tempo. É iniciada 
por uma conjunção subordinativa temporal ou por uma 
locução  conjuntiva  subordinativa  temporal.  São  elas: 
quando, enquanto, sempre que, assim que, desde que,
logo que, mal. Também pode ser iniciada por ao,
estando o verbo no infinitivo.
Exemplos:
- Fico triste, sempre que os alunos chegam atrasados.
- Ao terminar essa discussão, sairemos daqui.
8 - Final
        Funciona  como  adjunto  adverbial  de  finalidade.  É 
iniciada por uma conjunção subordinativa final ou por 
uma locução conjuntiva subordinativa final. São elas: a
fim de que, para que, porque. Também pode ser
iniciada pela preposição para, estando o verbo no
infinitivo.
Exemplos:
- Aqui estamos para estudar.
- “Eu vim para que todos tenham vida.”
9 - Proporcional  
   Funciona como adjunto adverbial de proporção. É iniciada 
por uma locução conjuntiva subordinativa proporcional. 
São elas: à proporção que, à medida que, tanto mais.
Exemplo:
- À medida que o tempo passa, mais experientes
ficamos.
Encontra-SE a seguinte classificação 
para “porque” enquanto conjunção
 Dicionário da Língua Portuguesa (Verbo)
conj[unção] 1. Exprime causa, razão, POIS. Caí ~ tropecei numa pedra. Cheguei
atrasado ~ adormeci. 2. Introduz justificação de frase anterior, JÁ QUE, POIS 
QUE, UMA VEZ QUE. Ele está cá, ~ ainda há pouco o vi!Grande
 Dicionário da Língua Portuguesa e Dicionário da Língua Portuguesa 2009 —
Acordo Ortográfico (Porto Editora):
conj[unção] uma vez que; já que; como; por causa 
 De Priberam:
conj[unção] introduz uma oração causal: Ele ganhou as eleições porque fez uma
boa campanha.Dicionário Houaiss da Língua.
 Portuguesa (Círculo de Leitores/Temas e Debates/Objetiva):
conj[unção] coord[coordenativa] (…) 1 conj[unção] expl[i]c[ativa] liga duas 
orações coordenadas, numa das quais se explica ou se justifica a asserção 
contida na outra; pois, porquanto, que
http://livrodeestilo.blogs.sapo.pt/167867.html
EXEMPLOS DE ORAÇÕES SUBORDINADAS ADVERBIAIS
CAUSAIS
 Carla não foi à escola porque estava doente. = Como
estava doente não foi à escola.
 Não almoço, porque não tenho fome. = Como não tenho
fome, não almoço.
 O Vítor domina o vocabulário, porque lê muito. = Como o
Vítor lê muito, domina o vocabulário.
 Marta não comprou o vestido, porque era muito caro. =
Como o vestido era muito caro, Marta não o comprou.
 O menino caiu, porque ia distraído. = Como ia distraído, o
menino caiu.
 Aplaudiram o orador, porque o discurso foi brilhante. =
Como o discurso foi brilhantes, aplaudiram o orador.
Exemplos de orações coordenadas explicativas
 Sobe, que te quero mostrar uns livros. = Sobe, pois quero
mostrar-te uns livros.
 Come a sopa toda, que está muito boa. = Come a sopa toda,
pois está muito boa.
 Não tenhais medo, que o mundo não acaba agora. =
Não tenhais medo, pois o mundo não acaba agora.
 Manuel tem dinheiro, pois comprou um carro novo.
 O pai já está deitado, pois as luzes estão apagadas
• Pedro vai à praia porque está bom tempo.
• Pedro estuda pois tem boas notas.
• Não atravesse a rua, porque você pode ser
atropelado.
• Façam silêncio, que estou falando.
• Precisavam enterrar os mortos em outra
cidade porque não havia cemitério no local.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Conjunções exercícios de fixação
Conjunções   exercícios de fixaçãoConjunções   exercícios de fixação
Conjunções exercícios de fixaçãoSuellen87
 
Texto argumentativo exemplo
Texto argumentativo exemploTexto argumentativo exemplo
Texto argumentativo exemploFJDOliveira
 
Relações semânticas entre palavras
Relações semânticas entre palavrasRelações semânticas entre palavras
Relações semânticas entre palavrasSofia Antunes
 
8ª SéRie - Novo Slide Sobre Orações Subordinadas Substantivas.
8ª SéRie - Novo Slide Sobre Orações Subordinadas Substantivas.8ª SéRie - Novo Slide Sobre Orações Subordinadas Substantivas.
8ª SéRie - Novo Slide Sobre Orações Subordinadas Substantivas.Marcos Emídio
 
Texto argumentativo
Texto argumentativoTexto argumentativo
Texto argumentativoer.cabrinha
 
Aula 2 sujeito e predicado 7°ano_1°p
Aula 2 sujeito e predicado 7°ano_1°pAula 2 sujeito e predicado 7°ano_1°p
Aula 2 sujeito e predicado 7°ano_1°pViviane Oliveira
 
Gênero textual
Gênero textualGênero textual
Gênero textualthiagokrek
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagemValeria Nunes
 
Flexão e Conjugação de Verbos
Flexão e Conjugação de VerbosFlexão e Conjugação de Verbos
Flexão e Conjugação de VerbosKauana Manika
 
Oracoes Coordenadas
Oracoes CoordenadasOracoes Coordenadas
Oracoes Coordenadasguest7174ad
 

Mais procurados (20)

Conjunções exercícios de fixação
Conjunções   exercícios de fixaçãoConjunções   exercícios de fixação
Conjunções exercícios de fixação
 
Conjunções
ConjunçõesConjunções
Conjunções
 
Texto argumentativo exemplo
Texto argumentativo exemploTexto argumentativo exemplo
Texto argumentativo exemplo
 
Relações semânticas entre palavras
Relações semânticas entre palavrasRelações semânticas entre palavras
Relações semânticas entre palavras
 
8ª SéRie - Novo Slide Sobre Orações Subordinadas Substantivas.
8ª SéRie - Novo Slide Sobre Orações Subordinadas Substantivas.8ª SéRie - Novo Slide Sobre Orações Subordinadas Substantivas.
8ª SéRie - Novo Slide Sobre Orações Subordinadas Substantivas.
 
Texto argumentativo
Texto argumentativoTexto argumentativo
Texto argumentativo
 
Gênero notícia
Gênero notíciaGênero notícia
Gênero notícia
 
Aula 2 sujeito e predicado 7°ano_1°p
Aula 2 sujeito e predicado 7°ano_1°pAula 2 sujeito e predicado 7°ano_1°p
Aula 2 sujeito e predicado 7°ano_1°p
 
Gênero textual
Gênero textualGênero textual
Gênero textual
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
 
Flexão e Conjugação de Verbos
Flexão e Conjugação de VerbosFlexão e Conjugação de Verbos
Flexão e Conjugação de Verbos
 
Crase
CraseCrase
Crase
 
Orações subordinadas substantivas
Orações subordinadas substantivasOrações subordinadas substantivas
Orações subordinadas substantivas
 
Conto Fantástico
Conto FantásticoConto Fantástico
Conto Fantástico
 
Oracoes Coordenadas
Oracoes CoordenadasOracoes Coordenadas
Oracoes Coordenadas
 
Variedades linguísticas
Variedades linguísticasVariedades linguísticas
Variedades linguísticas
 
Poema visual 8º ano
Poema visual 8º anoPoema visual 8º ano
Poema visual 8º ano
 
Cordel
CordelCordel
Cordel
 
Anúncio publicitário
Anúncio publicitárioAnúncio publicitário
Anúncio publicitário
 

Semelhante a Orações Subordinadas Adverbiais

Semelhante a Orações Subordinadas Adverbiais (20)

Orações subordinadas adverbiais
Orações subordinadas adverbiaisOrações subordinadas adverbiais
Orações subordinadas adverbiais
 
Slides - oracoes-subordinadas-adverbiais.ppt
Slides - oracoes-subordinadas-adverbiais.pptSlides - oracoes-subordinadas-adverbiais.ppt
Slides - oracoes-subordinadas-adverbiais.ppt
 
Oracoes subordinadas-adverbiais
Oracoes subordinadas-adverbiaisOracoes subordinadas-adverbiais
Oracoes subordinadas-adverbiais
 
Frase Oração e Período.pptx
Frase Oração e Período.pptxFrase Oração e Período.pptx
Frase Oração e Período.pptx
 
Frase, oração e período - Orações coordenadas
Frase, oração e período  - Orações coordenadasFrase, oração e período  - Orações coordenadas
Frase, oração e período - Orações coordenadas
 
oracoes-subordinadas-adverbiais.ppt
oracoes-subordinadas-adverbiais.pptoracoes-subordinadas-adverbiais.ppt
oracoes-subordinadas-adverbiais.ppt
 
oracoes-subordinadas-adverbiais (3º ano).ppt
oracoes-subordinadas-adverbiais (3º ano).pptoracoes-subordinadas-adverbiais (3º ano).ppt
oracoes-subordinadas-adverbiais (3º ano).ppt
 
Coord sub
Coord sub Coord sub
Coord sub
 
Conjuncao
ConjuncaoConjuncao
Conjuncao
 
Orações Subordinadas
Orações SubordinadasOrações Subordinadas
Orações Subordinadas
 
Orações subordinadas adverbias
Orações subordinadas adverbiasOrações subordinadas adverbias
Orações subordinadas adverbias
 
Orações subordinadas adverbiais
Orações subordinadas adverbiaisOrações subordinadas adverbiais
Orações subordinadas adverbiais
 
Conjunções
ConjunçõesConjunções
Conjunções
 
LP - Classes de palavras - CONJUNÇÕES.pptx
LP - Classes de palavras - CONJUNÇÕES.pptxLP - Classes de palavras - CONJUNÇÕES.pptx
LP - Classes de palavras - CONJUNÇÕES.pptx
 
Conjuncao
ConjuncaoConjuncao
Conjuncao
 
8 ano
8 ano8 ano
8 ano
 
Conjuncoes2
Conjuncoes2Conjuncoes2
Conjuncoes2
 
Conjunção
ConjunçãoConjunção
Conjunção
 
Uso formal da língua
Uso formal da línguaUso formal da língua
Uso formal da língua
 
Conjunções
ConjunçõesConjunções
Conjunções
 

Mais de Edson Alves

Gênero editorial
Gênero editorialGênero editorial
Gênero editorialEdson Alves
 
Artigo de opnião
Artigo de opniãoArtigo de opnião
Artigo de opniãoEdson Alves
 
Ortografia c ç s ss x
Ortografia c ç s ss xOrtografia c ç s ss x
Ortografia c ç s ss xEdson Alves
 
Orientações de redação
Orientações de redaçãoOrientações de redação
Orientações de redaçãoEdson Alves
 
Estruturaeformaodaspalavras 110320151038-phpapp02
Estruturaeformaodaspalavras 110320151038-phpapp02Estruturaeformaodaspalavras 110320151038-phpapp02
Estruturaeformaodaspalavras 110320151038-phpapp02Edson Alves
 
Cronicas 1208643843442340-8
Cronicas 1208643843442340-8Cronicas 1208643843442340-8
Cronicas 1208643843442340-8Edson Alves
 
Concordância nominal
Concordância nominalConcordância nominal
Concordância nominalEdson Alves
 
Aula01 textodissertativo-argumentativo-estrutura-130529182019-phpapp02
Aula01 textodissertativo-argumentativo-estrutura-130529182019-phpapp02Aula01 textodissertativo-argumentativo-estrutura-130529182019-phpapp02
Aula01 textodissertativo-argumentativo-estrutura-130529182019-phpapp02Edson Alves
 
Aposto e vocativo
Aposto e vocativoAposto e vocativo
Aposto e vocativoEdson Alves
 
Figuras de sintaxe
Figuras de sintaxeFiguras de sintaxe
Figuras de sintaxeEdson Alves
 
Complemento nominal
Complemento nominalComplemento nominal
Complemento nominalEdson Alves
 
Adjetivos pátrios
Adjetivos pátriosAdjetivos pátrios
Adjetivos pátriosEdson Alves
 

Mais de Edson Alves (20)

Gênero editorial
Gênero editorialGênero editorial
Gênero editorial
 
Crase
CraseCrase
Crase
 
Regência
RegênciaRegência
Regência
 
Concordância
ConcordânciaConcordância
Concordância
 
Uso da vírgula
Uso da vírgulaUso da vírgula
Uso da vírgula
 
Artigo de opnião
Artigo de opniãoArtigo de opnião
Artigo de opnião
 
Concordância
ConcordânciaConcordância
Concordância
 
Ortografia c ç s ss x
Ortografia c ç s ss xOrtografia c ç s ss x
Ortografia c ç s ss x
 
Orientações de redação
Orientações de redaçãoOrientações de redação
Orientações de redação
 
Morfologia
MorfologiaMorfologia
Morfologia
 
Estruturaeformaodaspalavras 110320151038-phpapp02
Estruturaeformaodaspalavras 110320151038-phpapp02Estruturaeformaodaspalavras 110320151038-phpapp02
Estruturaeformaodaspalavras 110320151038-phpapp02
 
Dissertação
DissertaçãoDissertação
Dissertação
 
Cronicas 1208643843442340-8
Cronicas 1208643843442340-8Cronicas 1208643843442340-8
Cronicas 1208643843442340-8
 
Concordância nominal
Concordância nominalConcordância nominal
Concordância nominal
 
Aula01 textodissertativo-argumentativo-estrutura-130529182019-phpapp02
Aula01 textodissertativo-argumentativo-estrutura-130529182019-phpapp02Aula01 textodissertativo-argumentativo-estrutura-130529182019-phpapp02
Aula01 textodissertativo-argumentativo-estrutura-130529182019-phpapp02
 
Aposto e vocativo
Aposto e vocativoAposto e vocativo
Aposto e vocativo
 
Figuras de sintaxe
Figuras de sintaxeFiguras de sintaxe
Figuras de sintaxe
 
Vozes verbais
Vozes verbaisVozes verbais
Vozes verbais
 
Complemento nominal
Complemento nominalComplemento nominal
Complemento nominal
 
Adjetivos pátrios
Adjetivos pátriosAdjetivos pátrios
Adjetivos pátrios
 

Último

Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniCassio Meira Jr.
 
“Sobrou pra mim” - Conto de Ruth Rocha.pptx
“Sobrou pra mim” - Conto de Ruth Rocha.pptx“Sobrou pra mim” - Conto de Ruth Rocha.pptx
“Sobrou pra mim” - Conto de Ruth Rocha.pptxthaisamaral9365923
 
Slides 1 - O gênero textual entrevista.pptx
Slides 1 - O gênero textual entrevista.pptxSlides 1 - O gênero textual entrevista.pptx
Slides 1 - O gênero textual entrevista.pptxSilvana Silva
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
Slides Lição 5, CPAD, Os Inimigos do Cristão, 2Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 5, CPAD, Os Inimigos do Cristão, 2Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 5, CPAD, Os Inimigos do Cristão, 2Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 5, CPAD, Os Inimigos do Cristão, 2Tr24, Pr Henrique.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
E agora?! Já não avalio as atitudes e valores?
E agora?! Já não avalio as atitudes e valores?E agora?! Já não avalio as atitudes e valores?
E agora?! Já não avalio as atitudes e valores?Rosalina Simão Nunes
 
AD2 DIDÁTICA.KARINEROZA.SHAYANNE.BINC.ROBERTA.pptx
AD2 DIDÁTICA.KARINEROZA.SHAYANNE.BINC.ROBERTA.pptxAD2 DIDÁTICA.KARINEROZA.SHAYANNE.BINC.ROBERTA.pptx
AD2 DIDÁTICA.KARINEROZA.SHAYANNE.BINC.ROBERTA.pptxkarinedarozabatista
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOColégio Santa Teresinha
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalJacqueline Cerqueira
 
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBCRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBAline Santana
 
Governo Provisório Era Vargas 1930-1934 Brasil
Governo Provisório Era Vargas 1930-1934 BrasilGoverno Provisório Era Vargas 1930-1934 Brasil
Governo Provisório Era Vargas 1930-1934 Brasillucasp132400
 
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxfabiolalopesmartins1
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Mary Alvarenga
 

Último (20)

Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
 
“Sobrou pra mim” - Conto de Ruth Rocha.pptx
“Sobrou pra mim” - Conto de Ruth Rocha.pptx“Sobrou pra mim” - Conto de Ruth Rocha.pptx
“Sobrou pra mim” - Conto de Ruth Rocha.pptx
 
Slides 1 - O gênero textual entrevista.pptx
Slides 1 - O gênero textual entrevista.pptxSlides 1 - O gênero textual entrevista.pptx
Slides 1 - O gênero textual entrevista.pptx
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
Slides Lição 5, CPAD, Os Inimigos do Cristão, 2Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 5, CPAD, Os Inimigos do Cristão, 2Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 5, CPAD, Os Inimigos do Cristão, 2Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 5, CPAD, Os Inimigos do Cristão, 2Tr24, Pr Henrique.pptx
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
E agora?! Já não avalio as atitudes e valores?
E agora?! Já não avalio as atitudes e valores?E agora?! Já não avalio as atitudes e valores?
E agora?! Já não avalio as atitudes e valores?
 
AD2 DIDÁTICA.KARINEROZA.SHAYANNE.BINC.ROBERTA.pptx
AD2 DIDÁTICA.KARINEROZA.SHAYANNE.BINC.ROBERTA.pptxAD2 DIDÁTICA.KARINEROZA.SHAYANNE.BINC.ROBERTA.pptx
AD2 DIDÁTICA.KARINEROZA.SHAYANNE.BINC.ROBERTA.pptx
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
 
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBCRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
 
Governo Provisório Era Vargas 1930-1934 Brasil
Governo Provisório Era Vargas 1930-1934 BrasilGoverno Provisório Era Vargas 1930-1934 Brasil
Governo Provisório Era Vargas 1930-1934 Brasil
 
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
 
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
 

Orações Subordinadas Adverbiais

  • 2. Orações Subordinadas Adverbiais Para finalizar o estudo das orações subordinadas, estudaremos as orações subordinadas adverbiais. Elas funcionam como adjunto adverbial, ou seja, são orações que indicam a existência de uma circunstância.
  • 3. Oração subordinada adverbial • É aquela que tem valor de um advérbio ( ou de locução adverbial) e exerce, em relação ao verbo da oração principal, a função de adjunto adverbial. • Ex: “Mandar um Claro Torpedo é como beijo na boca. Quando você começa, não quer mais parar”. • “como dar beijo na boca”- comparação • “quando você começa”- tempo
  • 4. Para que servem as orações adverbiais? • As orações adverbiais estabelecem relações lógicas e coesivas importantes na construção do sentido de um texto. Servem para inserir noções de tempo, finalidade, condição, concessão ou, ainda, para estabelecer comparação, concomitância ou relações de causa e consequência entre dois fatos.
  • 5. Para que servem as orações adverbiais? • Embora as orações adverbiais sejam comuns na fala, alguns dos seus tipos aparecem mais frequentemente em textos escritos de acordo com a variedade padrão da língua e com certo grau de elaboração de ideias.
  • 6. 1 - Causal Funciona como adjunto adverbial de causa. Principais conjunções: porque, porquanto, visto que, já que, uma vez que, como, que. Exemplos: - Saímos rapidamente, visto que estava armando um tremendo temporal. - Como estava chovendo, não saímos de casa. - Por ter chegado atrasada, não pôde entrar na palestra.
  • 7. Atenção • Fazer a distinção entre uma oração coordenada explicativa e uma oração subordinada adverbial causal nem sempre é fácil, porque ambas podem ser introduzidas pelas conjunções que e porque. Para eliminar a dúvida, você deve fazer estas considerações: • 1 - A oração coordenada explicativa explica a razão da afirmação feita na oração anterior: Ex: O sol estava muito forte, porque as flores estão murchas.
  • 8. Atenção • 2 - A oração subordinada adverbial causal tem o papel de advérbio em relação à oração principal, isto é, indica a causa do efeito expresso pelo verbo da oração principal: • Ex: Fomos ao passeio porque houve algumas desistências. • 3 - A oração coordenada explicativa é frequentemente empregada depois de orações imperativas e optativas : • Ex: Não fique muito tempo diante do computador, que a sua coluna pode sentir. • Deus te guie, porque você merece!
  • 9. Por causa que ou causa de? • Na variedade padrão da língua, emprega-se a locução por causa de. • Em vez de, por exemplo, “Voltei para casa por causa que ia chover”, a variedade padrão recomenda outras construções, como “voltei para casa porque ia chover”, “…uma vez que ia chover”ou “…por causa da chuva”.
  • 10. 2 - Comparativa Funciona como adjunto adverbial de comparação. Geralmente, o verbo fica subentendido. É iniciada por uma conjunção subordinativa comparativa. São elas: (mais) ... que, (menos)... que, (tão)... quanto, como. Exemplos: - Vinícius era mais esforçado que o irmão. - Leal é tão esforçado como o irmão.
  • 11. 3 - Concessiva Funciona como adjunto adverbial de concessão. Principais conjunções: embora, conquanto, não obstante, apesar de que, se bem que, mesmo que, posto que, ainda que, em que pese. Exemplos: - Todos se retiraram, apesar de não terem terminado a prova. - Mesmo que ele tenha razão, posicionar-me-ei contrário às suas ideias.
  • 12. 4 - Condicional Funciona como adjunto adverbial de condição. Conjunções: se, a menos que, desde que, caso, contanto que. Também pode ser iniciada pela preposição a, estando o verbo no infinitivo. Exemplos: - Você terá um futuro brilhante, desde que se esforce. - Contanto que se esforce, conquistará aquela garota. - A continuar agindo dessa maneira, tudo se dificultará. -
  • 13. 5 - Conformativa     Funciona como adjunto adverbial de conformidade.  Conjunções: como, conforme, segundo. Exemplos: - Pintamos sua casa, conforme havia pedido. - Como combinamos ontem, eis os documentos. 
  • 14. 6 - Consecutiva    Funciona como adjunto adverbial de consequência.  É iniciada pela conjunção subordinativa consecutiva que. Na oração principal normalmente surge um advérbio de intensidade tal, tanto, tamanho(a): (tão)... que, (tanto)... que, (tamanho)... que. Exemplos: - Ele fala tão alto, que não precisa do microfone. - Ele é de tamanha capacidade, que a todos encanta. 
  • 15. 7 - Temporal    Funciona como adjunto adverbial de tempo. É iniciada  por uma conjunção subordinativa temporal ou por uma  locução  conjuntiva  subordinativa  temporal.  São  elas:  quando, enquanto, sempre que, assim que, desde que, logo que, mal. Também pode ser iniciada por ao, estando o verbo no infinitivo. Exemplos: - Fico triste, sempre que os alunos chegam atrasados. - Ao terminar essa discussão, sairemos daqui.
  • 16. 8 - Final         Funciona  como  adjunto  adverbial  de  finalidade.  É  iniciada por uma conjunção subordinativa final ou por  uma locução conjuntiva subordinativa final. São elas: a fim de que, para que, porque. Também pode ser iniciada pela preposição para, estando o verbo no infinitivo. Exemplos: - Aqui estamos para estudar. - “Eu vim para que todos tenham vida.”
  • 18. Encontra-SE a seguinte classificação  para “porque” enquanto conjunção  Dicionário da Língua Portuguesa (Verbo) conj[unção] 1. Exprime causa, razão, POIS. Caí ~ tropecei numa pedra. Cheguei atrasado ~ adormeci. 2. Introduz justificação de frase anterior, JÁ QUE, POIS  QUE, UMA VEZ QUE. Ele está cá, ~ ainda há pouco o vi!Grande  Dicionário da Língua Portuguesa e Dicionário da Língua Portuguesa 2009 — Acordo Ortográfico (Porto Editora): conj[unção] uma vez que; já que; como; por causa   De Priberam: conj[unção] introduz uma oração causal: Ele ganhou as eleições porque fez uma boa campanha.Dicionário Houaiss da Língua.  Portuguesa (Círculo de Leitores/Temas e Debates/Objetiva): conj[unção] coord[coordenativa] (…) 1 conj[unção] expl[i]c[ativa] liga duas  orações coordenadas, numa das quais se explica ou se justifica a asserção  contida na outra; pois, porquanto, que http://livrodeestilo.blogs.sapo.pt/167867.html
  • 19. EXEMPLOS DE ORAÇÕES SUBORDINADAS ADVERBIAIS CAUSAIS  Carla não foi à escola porque estava doente. = Como estava doente não foi à escola.  Não almoço, porque não tenho fome. = Como não tenho fome, não almoço.  O Vítor domina o vocabulário, porque lê muito. = Como o Vítor lê muito, domina o vocabulário.  Marta não comprou o vestido, porque era muito caro. = Como o vestido era muito caro, Marta não o comprou.  O menino caiu, porque ia distraído. = Como ia distraído, o menino caiu.  Aplaudiram o orador, porque o discurso foi brilhante. = Como o discurso foi brilhantes, aplaudiram o orador.
  • 20. Exemplos de orações coordenadas explicativas  Sobe, que te quero mostrar uns livros. = Sobe, pois quero mostrar-te uns livros.  Come a sopa toda, que está muito boa. = Come a sopa toda, pois está muito boa.  Não tenhais medo, que o mundo não acaba agora. = Não tenhais medo, pois o mundo não acaba agora.  Manuel tem dinheiro, pois comprou um carro novo.  O pai já está deitado, pois as luzes estão apagadas
  • 21. • Pedro vai à praia porque está bom tempo. • Pedro estuda pois tem boas notas. • Não atravesse a rua, porque você pode ser atropelado. • Façam silêncio, que estou falando. • Precisavam enterrar os mortos em outra cidade porque não havia cemitério no local.