SlideShare uma empresa Scribd logo
. 39
Apropriação cultural da diferença sexual
Os diferentes sistemas de gênero – masculino e feminino – e de formas de
operar nas relações sociais de poder entre homens e mulheres são decorrência
da cultura, e não de diferenças naturais instaladas nos corpos de homens e
mulheres. Não faltam exemplos demonstrativos de que a hierarquia de gê-
nero, em diferentes contextos sociais, é em favor do masculino. De onde vêm
as afirmações de que as mulheres são mais sensíveis e menos capazes para o
comando? A idéia de “inferioridade” feminina foi e é socialmente construída
pelos próprios homens e pelas mulheres ao longo da história.
Para as ciências sociais e humanas, o conceito de gênero se refere à construção
social do sexo anatômico. Ele foi criado para distinguir a dimensão biológica
da dimensão social, baseando-se no raciocínio de que há machos e fêmeas
na espécie humana, no entanto, a maneira de ser homem e de ser mulher
é realizada pela cultura. Assim, gênero significa que homens e mulheres são
produtos da realidade social e não decorrência da anatomia de seus corpos.
Por exemplo, o fato de as mulheres, em razão da reprodução, serem tidas como
mais próximas da natureza, tem sido apropriado por diferentes culturas como
símbolo de sua fragilidade ou de sujeição à ordem natural, que as destinaria
sempre à maternidade.
Para as ciências sociais
e humanas, o conceito
de gênero se refere à
construção social do sexo
anatômico. (...) gênero
significa que homens e
mulheres são produtos
da realidade social e não
decorrência da anatomia
de seus corpos.
-
Conceito de Gênero
. 40
É comum encontrar em reportagens que comparam a posição
de homens e mulheres no mercado de trabalho as desigualda-
des existentes:
Grande parte dos postos de direção ocupados por homens
(como no próprio sistema escolar).
Significativas diferenças salariais entre homens e mulheres.
Maior concentração de homens em áreas como engenharia,
informática, enquanto as mulheres se concentram em ativida-
des de ensino e cuidado.
À primeira vista, pode parecer que as escolhas ou os modos de
inserção no mundo do trabalho sejam reflexo de preferências
naturais, aptidões natas, capacidades e desempenhos distintos
entrehomensemulheres.Noentanto,seobservarmoscomaten-
ção, veremos que a distribuição de homens e mulheres no mer-
cado de trabalho e as desigualdades decorrentes podem ser so-
cialmente compreendidas e atribuídas às assimetrias de gênero.
O modo como homens e mulheres se comportam em socieda-
de corresponde a um intenso aprendizado sociocultural que
nos ensina a agir conforme as prescrições de cada gênero. Há
uma expectativa social em relação à maneira como homens e
mulheres devem andar, falar, sentar, mostrar seu corpo, brincar, dançar, namorar, cuidar do
outro, amar etc. Conforme o gênero, também há modos específicos de trabalhar, gerenciar ou-
tras pessoas,ensinar,dirigir o carro,gastar o dinheiro,ingerir bebidas,dentre outras atividades.
Todos nós, em algum momento da vida, já nos inquietamos para tentar compreender o por-
quê de tantas desigualdades entre homens e mulheres, expressas nas mais diversas situações.
É comum atribuí-las a características que estariam no corpo ou na mente de cada um. Essa
busca por causas biológicas ou psíquicas para explicar as diferenças entre homens e mulheres,
masculino e feminino, tem sido recorrente nas ciências biológicas. É freqüente encontrar nos
jornais e nas revistas explicações científicas baseadas no funcionamento do cérebro ou dos
hormônios, que seria distinto em cada sexo. Tais explicações encobrem o longo processo de
socialização que nos tornou humanos/as e encobrem, também, o processo de socialização que
divide os indivíduos em gêneros distintos.
Vejamos o que dizem os PCN, for-
mulados pelo MEC para o 3º e 4º
ciclos do Ensino Fundamental no
tópico que discute essa temática:
“O conceito de gênero diz respeito
ao conjunto das representações so-
ciais e culturais construídas a par-
tir da diferença biológica dos se-
xos. Enquanto o sexo diz respeito
ao atributo anatômico, no concei-
to de gênero toma-se o desenvol-
vimento das noções de ‘masculi-
no’ e ‘feminino’ como construção
social. O uso desse conceito per-
mite abandonar a explicação da
natureza como a responsável pela
grande diferença existente entre
os comportamentos e os lugares
ocupados por homens e mulheres
na sociedade. Essa diferença histo-
ricamente tem privilegiado os ho-
mens, na medida em que a socie-
dade não tem oferecido as mesmas
oportunidades de inserção social
e exercício de cidadania a homens
e mulheres. Mesmo com a grande
transformação dos costumes e dos
valores que vêm ocorrendo nas
últimas décadas, ainda persistem
muitas discriminações, por vezes
encobertas, relacionadas ao gêne-
ro”(p.321-322).
. 41
Nosensocomum,asdiferençasdegênerosãointerpretadascomosefossemnaturais,determina-
daspeloscorpos.Aocontrário,asciênciassociaispostulamqueessasdiferençassãosocialmente
construídas. Isto significa dizer que não há um padrão universal para comportamentos sexual
oudegêneroquesejaconsideradonormal,certo,superiorou,apriori,omelhor.Somosnós,ho-
mens e mulheres,pertencentes a distintas sociedades,a diversos tempos históricos e a contextos
culturais que estabelecemos modos específicos de classificação e de convivência social. Assim,
o conceito de gênero pode nos ajudar a ter um olhar mais atento para determinados processos
que consolidam diferenças de valor entre o masculino e o feminino, gerando desigualdades.
Um pouco de história
As questões de gênero refletem o modo como diferentes povos, em diversos períodos histó-
ricos, classificam as atividades de trabalho na esfera pública e privada, os atributos pessoais e
os encargos destinados a homens e a mulheres no campo da religião, da política, do lazer, da
educação, dos cuidados com saúde, da sexualidade etc.
O conceito de gênero, hoje em dia corrente nas páginas de jornal e nos textos que orientam
as políticas públicas, nasceu de um diálogo entre o movimento feminista e suas teóricas e
as pesquisadoras de diversas disciplinas – história, sociologia, antropologia, ciência política,
demografia, entre outras.
Uma figura emblemática desse movimento de idéias é a filósofa Simone de Beauvoir, que em
1949 escreveu o livro O Segundo Sexo. Ele daria um novo impulso à reflexão sobre as desigual-
dades entre homens e mulheres nas sociedades modernas acerca do porquê do feminino e das
mulheres serem concebidos dentro de um sistema de relações de poder que tendia a inferio-
rizá-los. É dela a famosa frase “não se nasce mulher, torna-se
mulher”. Com esta formulação, ela buscava descartar qualquer
determinação “natural” da conduta feminina.
O movimento feminista não começou com esta escritora;
houve em diversos momentos históricos anteriores iniciati-
vas políticas de mulheres buscando alterar uma posição su-
balterna na sociedade, a ponto de alguns estudiosos conside-
rarem a existência de múltiplos movimentos feministas. Um
desses exemplos são as chamadas sufragistas, que lutavam
no início do século passado para que as mulheres tivessem
o mesmo direito de votar que era concedido aos homens.
A luta pelo sufrágio feminino. Veja como a conquista do direi-
Simone de Beauvoir (Paris, 9 de
janeiro de 1908 – Paris, 14 de abril
de 1986) foi escritora,filósofa exis-
tencialista e feminista francesa.
Ela escrevia romances e monogra-
fias sobre filosofia, política, socie-
dade, além de ensaios e biografias;
escreveu sua autobiografia. Entre
seus ensaios críticos, cabe desta-
car O Segundo Sexo (1949), uma
profunda análise sobre o papel das
mulheres na sociedade; A velhice
(1970), sobre o processo de enve-
lhecimento, no qual teceu críticas
apaixonadas sobre a atitude da so-
ciedade para com os anciãos.
. 42
to ao voto para as mulheres variou mui-
to entre as diferentes sociedades:
A crítica e a luta pela mudança dessa
situação caracterizaram o movimento
social das mulheres, que apresenta dife-
rentes vertentes, assim como o próprio
conceito de gênero, em evolução através
de variadas abordagens, cada vez mais
sofisticadas.
O conceito de gênero, como vimos, foi elaborado para evidenciar que o sexo anatômico não
é o elemento definidor das condutas da espécie humana. As culturas criam padrões que estão
associados a corpos que se distinguem por seu aparato genital e que, através do contato se-
xual, podem gerar outros seres: isto é a reprodução humana. Observe como se entrelaçam o
sexo, a sexualidade – aqui a heterossexual – e o gênero. Estas dimensões se cruzam, mas uma
dimensão não decorre da outra! Ter um corpo feminino não significa que a mulher dese-
je realizar-se como mãe. Corpos designados como masculinos podem expressar gestos tidos
como femininos em determinado contexto social, e podem também ter contatos sexuais com
outros corpos sinalizando uma sexualidade que contraria a expectativa dominante de que o
“normal” é o encontro sexual entre homem e mulher.
Desde 1964, o psiquiatra norte-americano Robert Stoller vem desenvolvendo estudos so-
bre masculinidade, feminilidade e a questão da identidade de gênero, criando um pon-
to de partida para o estudo mais sistemático do travestismo. Este é um dos fenômenos da
não-conformidade com as exigências sociais de “coerência” entre o sexo anatômico, a indu-
mentária e o gestual supostamente referente ao sexo oposto. As travestis – pessoas cujo gê-
nero e identidade social são opostos ao do seu sexo biológico e que vivem cotidianamente
como pessoas do seu gênero de escolha – elaboram identidades que não devem ser entendi-
das como “cópias de mulheres”, mas como uma forma alternativa de identidades de gênero.
Entre as muitas autoras importantes para o desenvolvimento do conceito de gênero, destaca-
se a antropóloga norte-americana Gayle Rubin, que em 1975 defendeu a idéia da existência
de um sistema sexo-gênero em todas as sociedades. Outra contribuição importante e muito
conhecida no Brasil é o texto Gênero: uma categoria útil de análise histórica, de Joan Scott.
Esta publicação contribuiu para que pesquisadores da área de ciências humanas reconheces-
sem a importância das relações sociais que se estabelecem com base nas diferenças percebidas
entre homens e mulheres. Há também uma significativa produção científica realizada por
pesquisadoras francesas, dentre as quais se destacam Christine Delphy e Danièle Kergoat, que
Ano de Conquista do
Voto Feminino País
1917
1918
1919
1928
1932
1945
1973
URSS, com a Revolução
Alemanha
EUA
In glaterra
Brasil
França, Itália, Japão
Suíça
As travestis
(...) elaboram
identidades
que não devem
ser entendidas
como “cópias de
mulheres”, mas
como uma forma
alternativa de
identidades de
gênero.
. 43
elaboraram o tema “divisão sexual do trabalho doméstico”. A
primeira desenvolveu a teoria de que, em decorrência das re-
lações de gênero que naturalizam as atividades de cuidado, os
homens e os maridos exploram suas esposas e companheiras
ao se beneficiarem do trabalho doméstico gratuito. De fato,
não são apenas os homens próximos, mas a sociedade como
um todo que não reconhece ser o trabalho doméstico gerador
de riqueza, uma vez que a garantia de atendimento das ne-
cessidades de alimentação, repouso e conforto possibilitam a
dedicação ao trabalho externo e à produção.
Para uma história da análise sobre
a divisão sexual do trabalho do-
méstico, veja os artigos:
BRUSCHINI, Cristina de. “Tra-
balho Doméstico: inatividade
econômica ou trabalho não-re-
munerado”. In: ARAÚJO, Clara;
PICANÇO, Felícia e SCALO, Celi.
Novas conciliações e antigas ten-
sões? Gênero, família e trabalho
em perspectiva comparada. São
Paulo: Edusc, 2008.
HIRATA, Helena; KERGOAT, Da-
niele. “Novas configurações da
Divisão Sexual do Trabalho”. Ca-
dernos de Pesquisa da Fundação
Carlos Chagas, vol. 37, no 132,
págs. 595-609, set.-dez. 2007.
Consulte ainda no web site do
CLAM a entrevista do sociólogo
sueco Göran Therborn – “Re-
lações de poder entre os sexos”.
http://www.clam.org.br/pu-
blique/cgi/cgilua.exe/sys/start.
htm?infoid=3672&sid=7
Glossário
Assimetrias de gênero: Desigualdades de oportunidades, condições e direitos entre homens e mulheres, gerando uma hierar-
quia de gênero.
Gênero: Conceito formulado nos anos 1970 com profunda influência do pensamento feminista. Ele foi criado para distinguir a
dimensão biológica da dimensão social, baseando-se no raciocínio de que há machos e fêmeas na espécie humana, no entanto,
a maneira de ser homem e de ser mulher é realizada pela cultura. Assim, gênero significa que homens e mulheres são produtos
da realidade social e não decorrência da anatomia de seus corpos.
Identidade de Gênero: Diz respeito à percepção subjetiva de ser masculino ou feminino, conforme os atributos, os comporta-
mentos e os papéis convencionalmente estabelecidos para homens e mulheres.
Movimento Feminista: Movimento social e político de defesa de direitos iguais para mulheres e homens, tanto no âmbito da
legislação (plano normativo e jurídico), quanto no plano da formulação de políticas públicas que ofereçam serviços e progra-
mas sociais de apoio a mulheres.
Travesti: Pessoa que nasce do sexo masculino ou feminino, mas que tem sua identidade de gênero oposta ao seu sexo biológico,
assumindo papéis de gênero diferentes daquele imposto pela sociedade. Muitas travestis modificam seus corpos através de
hormonioterapias, aplicações de silicone e/ou cirurgias plásticas, porém vale ressaltar que isso não é regra para todas (Definição
adotada pela Conferência Nacional LGBT em 2008).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O aprendizado de gênero: socialização na família e na escola.
O aprendizado de gênero: socialização na família e na escola.O aprendizado de gênero: socialização na família e na escola.
O aprendizado de gênero: socialização na família e na escola.
Fábio Fernandes
 
Relações de gênero e história das mulheres na
Relações de gênero e história das mulheres naRelações de gênero e história das mulheres na
Relações de gênero e história das mulheres na
Natália Barros
 
Educação, raça e gênero.
Educação, raça e gênero.Educação, raça e gênero.
Educação, raça e gênero.
Fábio Fernandes
 
O uso da fala e as interações com a professora e com o professor.
O uso da fala e as interações com a professora e com o professor.O uso da fala e as interações com a professora e com o professor.
O uso da fala e as interações com a professora e com o professor.
Fábio Fernandes
 
Educação, diferença, diversidade e desigualdade.
Educação, diferença, diversidade e desigualdade.Educação, diferença, diversidade e desigualdade.
Educação, diferença, diversidade e desigualdade.
Fábio Fernandes
 
Os jogos e as brincadeiras no pátio.
Os jogos e as brincadeiras no pátio.Os jogos e as brincadeiras no pátio.
Os jogos e as brincadeiras no pátio.
Fábio Fernandes
 
Do combate ao racismo à promoção da igualdade étnico racial.
Do combate ao racismo à promoção da igualdade étnico racial.Do combate ao racismo à promoção da igualdade étnico racial.
Do combate ao racismo à promoção da igualdade étnico racial.
Fábio Fernandes
 
A Educação e a Diversidade Sexual e de Gênero: a academia e o senso comum
A Educação e a Diversidade Sexual e de Gênero: a academia e o senso comumA Educação e a Diversidade Sexual e de Gênero: a academia e o senso comum
A Educação e a Diversidade Sexual e de Gênero: a academia e o senso comum
Daniel Tavares
 
A linguagem não-sexista.
A linguagem não-sexista.A linguagem não-sexista.
A linguagem não-sexista.
Fábio Fernandes
 
O conceito de gênero e as relações de gêneros
O conceito de gênero e as relações de gênerosO conceito de gênero e as relações de gêneros
O conceito de gênero e as relações de gêneros
YanMBM
 
Diferentes, mas não desiguais! Viva a diferença.
Diferentes, mas não desiguais! Viva a diferença.Diferentes, mas não desiguais! Viva a diferença.
Diferentes, mas não desiguais! Viva a diferença.
Fábio Fernandes
 
GÊNERO E O PROCESSO SAÚDE-DOENÇA
GÊNERO E O PROCESSO SAÚDE-DOENÇAGÊNERO E O PROCESSO SAÚDE-DOENÇA
GÊNERO E O PROCESSO SAÚDE-DOENÇA
Rodrigo Abreu
 
Gênero e trangênero
Gênero e trangêneroGênero e trangênero
Gênero e trangênero
Pedro Neves
 
Orientações sobre identidade_de_gênero__conceitos_e_termos_-_2ª_edição (1)
Orientações sobre identidade_de_gênero__conceitos_e_termos_-_2ª_edição (1)Orientações sobre identidade_de_gênero__conceitos_e_termos_-_2ª_edição (1)
Orientações sobre identidade_de_gênero__conceitos_e_termos_-_2ª_edição (1)
Monica Francisco
 
O uso da fala e as interações com a professora e com o professor.
O uso da fala e as interações com a professora e com o professor.O uso da fala e as interações com a professora e com o professor.
O uso da fala e as interações com a professora e com o professor.
Fábio Fernandes
 
Genero e sexualidade - Aula Completa de Sociologia
Genero e sexualidade - Aula Completa de SociologiaGenero e sexualidade - Aula Completa de Sociologia
Genero e sexualidade - Aula Completa de Sociologia
Saulo Lucena
 
Sexualidade juvenil, direitos e diversidade sexual.
Sexualidade juvenil, direitos e diversidade sexual.Sexualidade juvenil, direitos e diversidade sexual.
Sexualidade juvenil, direitos e diversidade sexual.
Fábio Fernandes
 
Os jogos e as brincadeiras no pátio.
Os jogos e as brincadeiras no pátio.Os jogos e as brincadeiras no pátio.
Os jogos e as brincadeiras no pátio.
Fábio Fernandes
 
Orientação sexual e a identidade de gênero.
Orientação sexual e a identidade de gênero.Orientação sexual e a identidade de gênero.
Orientação sexual e a identidade de gênero.
Fábio Fernandes
 
O aprendizado de gênero, socialização na família e na escola.
O aprendizado de gênero, socialização na família e na escola.O aprendizado de gênero, socialização na família e na escola.
O aprendizado de gênero, socialização na família e na escola.
Fábio Fernandes
 

Mais procurados (20)

O aprendizado de gênero: socialização na família e na escola.
O aprendizado de gênero: socialização na família e na escola.O aprendizado de gênero: socialização na família e na escola.
O aprendizado de gênero: socialização na família e na escola.
 
Relações de gênero e história das mulheres na
Relações de gênero e história das mulheres naRelações de gênero e história das mulheres na
Relações de gênero e história das mulheres na
 
Educação, raça e gênero.
Educação, raça e gênero.Educação, raça e gênero.
Educação, raça e gênero.
 
O uso da fala e as interações com a professora e com o professor.
O uso da fala e as interações com a professora e com o professor.O uso da fala e as interações com a professora e com o professor.
O uso da fala e as interações com a professora e com o professor.
 
Educação, diferença, diversidade e desigualdade.
Educação, diferença, diversidade e desigualdade.Educação, diferença, diversidade e desigualdade.
Educação, diferença, diversidade e desigualdade.
 
Os jogos e as brincadeiras no pátio.
Os jogos e as brincadeiras no pátio.Os jogos e as brincadeiras no pátio.
Os jogos e as brincadeiras no pátio.
 
Do combate ao racismo à promoção da igualdade étnico racial.
Do combate ao racismo à promoção da igualdade étnico racial.Do combate ao racismo à promoção da igualdade étnico racial.
Do combate ao racismo à promoção da igualdade étnico racial.
 
A Educação e a Diversidade Sexual e de Gênero: a academia e o senso comum
A Educação e a Diversidade Sexual e de Gênero: a academia e o senso comumA Educação e a Diversidade Sexual e de Gênero: a academia e o senso comum
A Educação e a Diversidade Sexual e de Gênero: a academia e o senso comum
 
A linguagem não-sexista.
A linguagem não-sexista.A linguagem não-sexista.
A linguagem não-sexista.
 
O conceito de gênero e as relações de gêneros
O conceito de gênero e as relações de gênerosO conceito de gênero e as relações de gêneros
O conceito de gênero e as relações de gêneros
 
Diferentes, mas não desiguais! Viva a diferença.
Diferentes, mas não desiguais! Viva a diferença.Diferentes, mas não desiguais! Viva a diferença.
Diferentes, mas não desiguais! Viva a diferença.
 
GÊNERO E O PROCESSO SAÚDE-DOENÇA
GÊNERO E O PROCESSO SAÚDE-DOENÇAGÊNERO E O PROCESSO SAÚDE-DOENÇA
GÊNERO E O PROCESSO SAÚDE-DOENÇA
 
Gênero e trangênero
Gênero e trangêneroGênero e trangênero
Gênero e trangênero
 
Orientações sobre identidade_de_gênero__conceitos_e_termos_-_2ª_edição (1)
Orientações sobre identidade_de_gênero__conceitos_e_termos_-_2ª_edição (1)Orientações sobre identidade_de_gênero__conceitos_e_termos_-_2ª_edição (1)
Orientações sobre identidade_de_gênero__conceitos_e_termos_-_2ª_edição (1)
 
O uso da fala e as interações com a professora e com o professor.
O uso da fala e as interações com a professora e com o professor.O uso da fala e as interações com a professora e com o professor.
O uso da fala e as interações com a professora e com o professor.
 
Genero e sexualidade - Aula Completa de Sociologia
Genero e sexualidade - Aula Completa de SociologiaGenero e sexualidade - Aula Completa de Sociologia
Genero e sexualidade - Aula Completa de Sociologia
 
Sexualidade juvenil, direitos e diversidade sexual.
Sexualidade juvenil, direitos e diversidade sexual.Sexualidade juvenil, direitos e diversidade sexual.
Sexualidade juvenil, direitos e diversidade sexual.
 
Os jogos e as brincadeiras no pátio.
Os jogos e as brincadeiras no pátio.Os jogos e as brincadeiras no pátio.
Os jogos e as brincadeiras no pátio.
 
Orientação sexual e a identidade de gênero.
Orientação sexual e a identidade de gênero.Orientação sexual e a identidade de gênero.
Orientação sexual e a identidade de gênero.
 
O aprendizado de gênero, socialização na família e na escola.
O aprendizado de gênero, socialização na família e na escola.O aprendizado de gênero, socialização na família e na escola.
O aprendizado de gênero, socialização na família e na escola.
 

Semelhante a Conceito de gênero.

GÊNERO NA TEORIA SOCIAL Papéis, interações e instituições.
GÊNERO NA TEORIA SOCIAL Papéis, interações e instituições.GÊNERO NA TEORIA SOCIAL Papéis, interações e instituições.
GÊNERO NA TEORIA SOCIAL Papéis, interações e instituições.
Juliana Anacleto
 
Sociologia Gênero e Saúde
Sociologia Gênero e Saúde Sociologia Gênero e Saúde
Sociologia Gênero e Saúde
Cláudia Hellena Ribeiro
 
Cultura e sexualidade resumo
Cultura e sexualidade resumoCultura e sexualidade resumo
Cultura e sexualidade resumo
Tradicao Viva
 
O que é sexo
O que é sexoO que é sexo
O que é sexo
Carmem Rocha
 
RELAÇÕES DE GÊNERO: FONTES, METODOLOGIAS E POTENCIALIDADES DE PESQUISA EM HIS...
RELAÇÕES DE GÊNERO: FONTES, METODOLOGIAS E POTENCIALIDADES DE PESQUISA EM HIS...RELAÇÕES DE GÊNERO: FONTES, METODOLOGIAS E POTENCIALIDADES DE PESQUISA EM HIS...
RELAÇÕES DE GÊNERO: FONTES, METODOLOGIAS E POTENCIALIDADES DE PESQUISA EM HIS...
Fábio Fernandes
 
Um olhar sobre gênero e identidade
Um olhar sobre gênero e identidadeUm olhar sobre gênero e identidade
Um olhar sobre gênero e identidade
pibiduergsmontenegro
 
9704 3
9704 39704 3
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
Relações de genero e divers sexual
Relações de genero e divers sexualRelações de genero e divers sexual
Relações de genero e divers sexual
Flávia Cunha Lima
 
Genero
GeneroGenero
Genero
GeneroGenero
Genero
Milbrasil
 
Gênero.ppt
Gênero.pptGênero.ppt
Gênero.ppt
Eraldo Carlos
 
A desigualdade entre os sexos face à evolução da legislação
A desigualdade entre os sexos face à evolução da legislaçãoA desigualdade entre os sexos face à evolução da legislação
A desigualdade entre os sexos face à evolução da legislação
Sirlene Guimarães
 
A Mulher na Teledramaturgia Mexicana: Representações no Visível e Invisível
A Mulher na Teledramaturgia Mexicana: Representações no Visível e InvisívelA Mulher na Teledramaturgia Mexicana: Representações no Visível e Invisível
A Mulher na Teledramaturgia Mexicana: Representações no Visível e Invisível
Phillipe Xavier
 
Transfeminismo: Teoria e Práticas
Transfeminismo: Teoria e PráticasTransfeminismo: Teoria e Práticas
Transfeminismo: Teoria e Práticas
Henrique Caproni
 
Lamas, 1999 os conflitos e desafios do novo paradgma
Lamas, 1999   os conflitos e desafios do novo paradgmaLamas, 1999   os conflitos e desafios do novo paradgma
Lamas, 1999 os conflitos e desafios do novo paradgma
Florêncio M. Costa Jr
 
Genero
GeneroGenero
Genero
Joe Álefe
 
Aula 6 adolescência e relações de gênero
Aula 6   adolescência e relações de gêneroAula 6   adolescência e relações de gênero
Aula 6 adolescência e relações de gênero
ariadnemonitoria
 
Gênero
GêneroGênero
Questões de Gênero.pdf
Questões de Gênero.pdfQuestões de Gênero.pdf
Questões de Gênero.pdf
MillaGoncalves1
 

Semelhante a Conceito de gênero. (20)

GÊNERO NA TEORIA SOCIAL Papéis, interações e instituições.
GÊNERO NA TEORIA SOCIAL Papéis, interações e instituições.GÊNERO NA TEORIA SOCIAL Papéis, interações e instituições.
GÊNERO NA TEORIA SOCIAL Papéis, interações e instituições.
 
Sociologia Gênero e Saúde
Sociologia Gênero e Saúde Sociologia Gênero e Saúde
Sociologia Gênero e Saúde
 
Cultura e sexualidade resumo
Cultura e sexualidade resumoCultura e sexualidade resumo
Cultura e sexualidade resumo
 
O que é sexo
O que é sexoO que é sexo
O que é sexo
 
RELAÇÕES DE GÊNERO: FONTES, METODOLOGIAS E POTENCIALIDADES DE PESQUISA EM HIS...
RELAÇÕES DE GÊNERO: FONTES, METODOLOGIAS E POTENCIALIDADES DE PESQUISA EM HIS...RELAÇÕES DE GÊNERO: FONTES, METODOLOGIAS E POTENCIALIDADES DE PESQUISA EM HIS...
RELAÇÕES DE GÊNERO: FONTES, METODOLOGIAS E POTENCIALIDADES DE PESQUISA EM HIS...
 
Um olhar sobre gênero e identidade
Um olhar sobre gênero e identidadeUm olhar sobre gênero e identidade
Um olhar sobre gênero e identidade
 
9704 3
9704 39704 3
9704 3
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
Relações de genero e divers sexual
Relações de genero e divers sexualRelações de genero e divers sexual
Relações de genero e divers sexual
 
Genero
GeneroGenero
Genero
 
Genero
GeneroGenero
Genero
 
Gênero.ppt
Gênero.pptGênero.ppt
Gênero.ppt
 
A desigualdade entre os sexos face à evolução da legislação
A desigualdade entre os sexos face à evolução da legislaçãoA desigualdade entre os sexos face à evolução da legislação
A desigualdade entre os sexos face à evolução da legislação
 
A Mulher na Teledramaturgia Mexicana: Representações no Visível e Invisível
A Mulher na Teledramaturgia Mexicana: Representações no Visível e InvisívelA Mulher na Teledramaturgia Mexicana: Representações no Visível e Invisível
A Mulher na Teledramaturgia Mexicana: Representações no Visível e Invisível
 
Transfeminismo: Teoria e Práticas
Transfeminismo: Teoria e PráticasTransfeminismo: Teoria e Práticas
Transfeminismo: Teoria e Práticas
 
Lamas, 1999 os conflitos e desafios do novo paradgma
Lamas, 1999   os conflitos e desafios do novo paradgmaLamas, 1999   os conflitos e desafios do novo paradgma
Lamas, 1999 os conflitos e desafios do novo paradgma
 
Genero
GeneroGenero
Genero
 
Aula 6 adolescência e relações de gênero
Aula 6   adolescência e relações de gêneroAula 6   adolescência e relações de gênero
Aula 6 adolescência e relações de gênero
 
Gênero
GêneroGênero
Gênero
 
Questões de Gênero.pdf
Questões de Gênero.pdfQuestões de Gênero.pdf
Questões de Gênero.pdf
 

Mais de Fábio Fernandes

Regulamento da Primeira Divisão 2018
Regulamento da Primeira Divisão 2018Regulamento da Primeira Divisão 2018
Regulamento da Primeira Divisão 2018
Fábio Fernandes
 
Tabela do Campeonato Paraibano da Primeira Divisão 2018
Tabela do Campeonato Paraibano da Primeira Divisão 2018Tabela do Campeonato Paraibano da Primeira Divisão 2018
Tabela do Campeonato Paraibano da Primeira Divisão 2018
Fábio Fernandes
 
Contabilidade jan a jun 2017
Contabilidade jan a jun 2017Contabilidade jan a jun 2017
Contabilidade jan a jun 2017
Fábio Fernandes
 
CONVOCAÇÃO à Categoria da Saúde Privada da Paraíba
CONVOCAÇÃO à Categoria da Saúde Privada da ParaíbaCONVOCAÇÃO à Categoria da Saúde Privada da Paraíba
CONVOCAÇÃO à Categoria da Saúde Privada da Paraíba
Fábio Fernandes
 
Ofício encaminhado ao Vereador Helton Renê
Ofício encaminhado ao Vereador Helton RenêOfício encaminhado ao Vereador Helton Renê
Ofício encaminhado ao Vereador Helton Renê
Fábio Fernandes
 
CBF - Regulamento Geral das Competições 2017
CBF - Regulamento Geral das Competições 2017CBF - Regulamento Geral das Competições 2017
CBF - Regulamento Geral das Competições 2017
Fábio Fernandes
 
Tabela Copa do Nordeste 2017
Tabela Copa do Nordeste 2017Tabela Copa do Nordeste 2017
Tabela Copa do Nordeste 2017
Fábio Fernandes
 
Tabela do Paraibano 2017
Tabela do Paraibano 2017Tabela do Paraibano 2017
Tabela do Paraibano 2017
Fábio Fernandes
 
Regulamento Paraibano 2017
Regulamento Paraibano 2017Regulamento Paraibano 2017
Regulamento Paraibano 2017
Fábio Fernandes
 
Súmula do Jogo Botafogo-PB x Fortaleza-CE
Súmula do Jogo Botafogo-PB x Fortaleza-CESúmula do Jogo Botafogo-PB x Fortaleza-CE
Súmula do Jogo Botafogo-PB x Fortaleza-CE
Fábio Fernandes
 
Súmula do Jogo ASA-AL x Botafogo-PB
Súmula do Jogo ASA-AL x Botafogo-PBSúmula do Jogo ASA-AL x Botafogo-PB
Súmula do Jogo ASA-AL x Botafogo-PB
Fábio Fernandes
 
Súmula do Jogo Palmeiras-SP x Botafogo-PB
Súmula do Jogo Palmeiras-SP x Botafogo-PBSúmula do Jogo Palmeiras-SP x Botafogo-PB
Súmula do Jogo Palmeiras-SP x Botafogo-PB
Fábio Fernandes
 
Súmula do Jogo Botafogo-PB 2x1 Confiança-SE
Súmula do Jogo Botafogo-PB 2x1 Confiança-SESúmula do Jogo Botafogo-PB 2x1 Confiança-SE
Súmula do Jogo Botafogo-PB 2x1 Confiança-SE
Fábio Fernandes
 
Súmula do Jogo Botafogo-PB 1x2 América-RN
Súmula do Jogo Botafogo-PB 1x2 América-RNSúmula do Jogo Botafogo-PB 1x2 América-RN
Súmula do Jogo Botafogo-PB 1x2 América-RN
Fábio Fernandes
 
Súmula do Jogo Botafogo-PB 2x0 América-RN
Súmula do Jogo Botafogo-PB 2x0 América-RNSúmula do Jogo Botafogo-PB 2x0 América-RN
Súmula do Jogo Botafogo-PB 2x0 América-RN
Fábio Fernandes
 
Súmula do Jogo Botafogo-PB 2x0 Remo-PA
Súmula do Jogo Botafogo-PB 2x0 Remo-PASúmula do Jogo Botafogo-PB 2x0 Remo-PA
Súmula do Jogo Botafogo-PB 2x0 Remo-PA
Fábio Fernandes
 
Súmula do Jogo Botafogo-PB 2x0 Salgueiro-PE
Súmula do Jogo Botafogo-PB 2x0 Salgueiro-PESúmula do Jogo Botafogo-PB 2x0 Salgueiro-PE
Súmula do Jogo Botafogo-PB 2x0 Salgueiro-PE
Fábio Fernandes
 
Súmula do Jogo Ceará-CE 0x0 Botafogo-PB
Súmula do Jogo Ceará-CE 0x0 Botafogo-PBSúmula do Jogo Ceará-CE 0x0 Botafogo-PB
Súmula do Jogo Ceará-CE 0x0 Botafogo-PB
Fábio Fernandes
 
Súmula do Jogo Fortaleza-CE 1x0 Botafogo-PB
Súmula do Jogo Fortaleza-CE 1x0 Botafogo-PBSúmula do Jogo Fortaleza-CE 1x0 Botafogo-PB
Súmula do Jogo Fortaleza-CE 1x0 Botafogo-PB
Fábio Fernandes
 
Súmula do Jogo Botafogo-PB 3x0 Ceará-CE
Súmula do Jogo Botafogo-PB 3x0 Ceará-CESúmula do Jogo Botafogo-PB 3x0 Ceará-CE
Súmula do Jogo Botafogo-PB 3x0 Ceará-CE
Fábio Fernandes
 

Mais de Fábio Fernandes (20)

Regulamento da Primeira Divisão 2018
Regulamento da Primeira Divisão 2018Regulamento da Primeira Divisão 2018
Regulamento da Primeira Divisão 2018
 
Tabela do Campeonato Paraibano da Primeira Divisão 2018
Tabela do Campeonato Paraibano da Primeira Divisão 2018Tabela do Campeonato Paraibano da Primeira Divisão 2018
Tabela do Campeonato Paraibano da Primeira Divisão 2018
 
Contabilidade jan a jun 2017
Contabilidade jan a jun 2017Contabilidade jan a jun 2017
Contabilidade jan a jun 2017
 
CONVOCAÇÃO à Categoria da Saúde Privada da Paraíba
CONVOCAÇÃO à Categoria da Saúde Privada da ParaíbaCONVOCAÇÃO à Categoria da Saúde Privada da Paraíba
CONVOCAÇÃO à Categoria da Saúde Privada da Paraíba
 
Ofício encaminhado ao Vereador Helton Renê
Ofício encaminhado ao Vereador Helton RenêOfício encaminhado ao Vereador Helton Renê
Ofício encaminhado ao Vereador Helton Renê
 
CBF - Regulamento Geral das Competições 2017
CBF - Regulamento Geral das Competições 2017CBF - Regulamento Geral das Competições 2017
CBF - Regulamento Geral das Competições 2017
 
Tabela Copa do Nordeste 2017
Tabela Copa do Nordeste 2017Tabela Copa do Nordeste 2017
Tabela Copa do Nordeste 2017
 
Tabela do Paraibano 2017
Tabela do Paraibano 2017Tabela do Paraibano 2017
Tabela do Paraibano 2017
 
Regulamento Paraibano 2017
Regulamento Paraibano 2017Regulamento Paraibano 2017
Regulamento Paraibano 2017
 
Súmula do Jogo Botafogo-PB x Fortaleza-CE
Súmula do Jogo Botafogo-PB x Fortaleza-CESúmula do Jogo Botafogo-PB x Fortaleza-CE
Súmula do Jogo Botafogo-PB x Fortaleza-CE
 
Súmula do Jogo ASA-AL x Botafogo-PB
Súmula do Jogo ASA-AL x Botafogo-PBSúmula do Jogo ASA-AL x Botafogo-PB
Súmula do Jogo ASA-AL x Botafogo-PB
 
Súmula do Jogo Palmeiras-SP x Botafogo-PB
Súmula do Jogo Palmeiras-SP x Botafogo-PBSúmula do Jogo Palmeiras-SP x Botafogo-PB
Súmula do Jogo Palmeiras-SP x Botafogo-PB
 
Súmula do Jogo Botafogo-PB 2x1 Confiança-SE
Súmula do Jogo Botafogo-PB 2x1 Confiança-SESúmula do Jogo Botafogo-PB 2x1 Confiança-SE
Súmula do Jogo Botafogo-PB 2x1 Confiança-SE
 
Súmula do Jogo Botafogo-PB 1x2 América-RN
Súmula do Jogo Botafogo-PB 1x2 América-RNSúmula do Jogo Botafogo-PB 1x2 América-RN
Súmula do Jogo Botafogo-PB 1x2 América-RN
 
Súmula do Jogo Botafogo-PB 2x0 América-RN
Súmula do Jogo Botafogo-PB 2x0 América-RNSúmula do Jogo Botafogo-PB 2x0 América-RN
Súmula do Jogo Botafogo-PB 2x0 América-RN
 
Súmula do Jogo Botafogo-PB 2x0 Remo-PA
Súmula do Jogo Botafogo-PB 2x0 Remo-PASúmula do Jogo Botafogo-PB 2x0 Remo-PA
Súmula do Jogo Botafogo-PB 2x0 Remo-PA
 
Súmula do Jogo Botafogo-PB 2x0 Salgueiro-PE
Súmula do Jogo Botafogo-PB 2x0 Salgueiro-PESúmula do Jogo Botafogo-PB 2x0 Salgueiro-PE
Súmula do Jogo Botafogo-PB 2x0 Salgueiro-PE
 
Súmula do Jogo Ceará-CE 0x0 Botafogo-PB
Súmula do Jogo Ceará-CE 0x0 Botafogo-PBSúmula do Jogo Ceará-CE 0x0 Botafogo-PB
Súmula do Jogo Ceará-CE 0x0 Botafogo-PB
 
Súmula do Jogo Fortaleza-CE 1x0 Botafogo-PB
Súmula do Jogo Fortaleza-CE 1x0 Botafogo-PBSúmula do Jogo Fortaleza-CE 1x0 Botafogo-PB
Súmula do Jogo Fortaleza-CE 1x0 Botafogo-PB
 
Súmula do Jogo Botafogo-PB 3x0 Ceará-CE
Súmula do Jogo Botafogo-PB 3x0 Ceará-CESúmula do Jogo Botafogo-PB 3x0 Ceará-CE
Súmula do Jogo Botafogo-PB 3x0 Ceará-CE
 

Último

APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
ProfessoraSilmaraArg
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Miguel Delamontagne
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 

Conceito de gênero.

  • 1. . 39 Apropriação cultural da diferença sexual Os diferentes sistemas de gênero – masculino e feminino – e de formas de operar nas relações sociais de poder entre homens e mulheres são decorrência da cultura, e não de diferenças naturais instaladas nos corpos de homens e mulheres. Não faltam exemplos demonstrativos de que a hierarquia de gê- nero, em diferentes contextos sociais, é em favor do masculino. De onde vêm as afirmações de que as mulheres são mais sensíveis e menos capazes para o comando? A idéia de “inferioridade” feminina foi e é socialmente construída pelos próprios homens e pelas mulheres ao longo da história. Para as ciências sociais e humanas, o conceito de gênero se refere à construção social do sexo anatômico. Ele foi criado para distinguir a dimensão biológica da dimensão social, baseando-se no raciocínio de que há machos e fêmeas na espécie humana, no entanto, a maneira de ser homem e de ser mulher é realizada pela cultura. Assim, gênero significa que homens e mulheres são produtos da realidade social e não decorrência da anatomia de seus corpos. Por exemplo, o fato de as mulheres, em razão da reprodução, serem tidas como mais próximas da natureza, tem sido apropriado por diferentes culturas como símbolo de sua fragilidade ou de sujeição à ordem natural, que as destinaria sempre à maternidade. Para as ciências sociais e humanas, o conceito de gênero se refere à construção social do sexo anatômico. (...) gênero significa que homens e mulheres são produtos da realidade social e não decorrência da anatomia de seus corpos. - Conceito de Gênero
  • 2. . 40 É comum encontrar em reportagens que comparam a posição de homens e mulheres no mercado de trabalho as desigualda- des existentes: Grande parte dos postos de direção ocupados por homens (como no próprio sistema escolar). Significativas diferenças salariais entre homens e mulheres. Maior concentração de homens em áreas como engenharia, informática, enquanto as mulheres se concentram em ativida- des de ensino e cuidado. À primeira vista, pode parecer que as escolhas ou os modos de inserção no mundo do trabalho sejam reflexo de preferências naturais, aptidões natas, capacidades e desempenhos distintos entrehomensemulheres.Noentanto,seobservarmoscomaten- ção, veremos que a distribuição de homens e mulheres no mer- cado de trabalho e as desigualdades decorrentes podem ser so- cialmente compreendidas e atribuídas às assimetrias de gênero. O modo como homens e mulheres se comportam em socieda- de corresponde a um intenso aprendizado sociocultural que nos ensina a agir conforme as prescrições de cada gênero. Há uma expectativa social em relação à maneira como homens e mulheres devem andar, falar, sentar, mostrar seu corpo, brincar, dançar, namorar, cuidar do outro, amar etc. Conforme o gênero, também há modos específicos de trabalhar, gerenciar ou- tras pessoas,ensinar,dirigir o carro,gastar o dinheiro,ingerir bebidas,dentre outras atividades. Todos nós, em algum momento da vida, já nos inquietamos para tentar compreender o por- quê de tantas desigualdades entre homens e mulheres, expressas nas mais diversas situações. É comum atribuí-las a características que estariam no corpo ou na mente de cada um. Essa busca por causas biológicas ou psíquicas para explicar as diferenças entre homens e mulheres, masculino e feminino, tem sido recorrente nas ciências biológicas. É freqüente encontrar nos jornais e nas revistas explicações científicas baseadas no funcionamento do cérebro ou dos hormônios, que seria distinto em cada sexo. Tais explicações encobrem o longo processo de socialização que nos tornou humanos/as e encobrem, também, o processo de socialização que divide os indivíduos em gêneros distintos. Vejamos o que dizem os PCN, for- mulados pelo MEC para o 3º e 4º ciclos do Ensino Fundamental no tópico que discute essa temática: “O conceito de gênero diz respeito ao conjunto das representações so- ciais e culturais construídas a par- tir da diferença biológica dos se- xos. Enquanto o sexo diz respeito ao atributo anatômico, no concei- to de gênero toma-se o desenvol- vimento das noções de ‘masculi- no’ e ‘feminino’ como construção social. O uso desse conceito per- mite abandonar a explicação da natureza como a responsável pela grande diferença existente entre os comportamentos e os lugares ocupados por homens e mulheres na sociedade. Essa diferença histo- ricamente tem privilegiado os ho- mens, na medida em que a socie- dade não tem oferecido as mesmas oportunidades de inserção social e exercício de cidadania a homens e mulheres. Mesmo com a grande transformação dos costumes e dos valores que vêm ocorrendo nas últimas décadas, ainda persistem muitas discriminações, por vezes encobertas, relacionadas ao gêne- ro”(p.321-322).
  • 3. . 41 Nosensocomum,asdiferençasdegênerosãointerpretadascomosefossemnaturais,determina- daspeloscorpos.Aocontrário,asciênciassociaispostulamqueessasdiferençassãosocialmente construídas. Isto significa dizer que não há um padrão universal para comportamentos sexual oudegêneroquesejaconsideradonormal,certo,superiorou,apriori,omelhor.Somosnós,ho- mens e mulheres,pertencentes a distintas sociedades,a diversos tempos históricos e a contextos culturais que estabelecemos modos específicos de classificação e de convivência social. Assim, o conceito de gênero pode nos ajudar a ter um olhar mais atento para determinados processos que consolidam diferenças de valor entre o masculino e o feminino, gerando desigualdades. Um pouco de história As questões de gênero refletem o modo como diferentes povos, em diversos períodos histó- ricos, classificam as atividades de trabalho na esfera pública e privada, os atributos pessoais e os encargos destinados a homens e a mulheres no campo da religião, da política, do lazer, da educação, dos cuidados com saúde, da sexualidade etc. O conceito de gênero, hoje em dia corrente nas páginas de jornal e nos textos que orientam as políticas públicas, nasceu de um diálogo entre o movimento feminista e suas teóricas e as pesquisadoras de diversas disciplinas – história, sociologia, antropologia, ciência política, demografia, entre outras. Uma figura emblemática desse movimento de idéias é a filósofa Simone de Beauvoir, que em 1949 escreveu o livro O Segundo Sexo. Ele daria um novo impulso à reflexão sobre as desigual- dades entre homens e mulheres nas sociedades modernas acerca do porquê do feminino e das mulheres serem concebidos dentro de um sistema de relações de poder que tendia a inferio- rizá-los. É dela a famosa frase “não se nasce mulher, torna-se mulher”. Com esta formulação, ela buscava descartar qualquer determinação “natural” da conduta feminina. O movimento feminista não começou com esta escritora; houve em diversos momentos históricos anteriores iniciati- vas políticas de mulheres buscando alterar uma posição su- balterna na sociedade, a ponto de alguns estudiosos conside- rarem a existência de múltiplos movimentos feministas. Um desses exemplos são as chamadas sufragistas, que lutavam no início do século passado para que as mulheres tivessem o mesmo direito de votar que era concedido aos homens. A luta pelo sufrágio feminino. Veja como a conquista do direi- Simone de Beauvoir (Paris, 9 de janeiro de 1908 – Paris, 14 de abril de 1986) foi escritora,filósofa exis- tencialista e feminista francesa. Ela escrevia romances e monogra- fias sobre filosofia, política, socie- dade, além de ensaios e biografias; escreveu sua autobiografia. Entre seus ensaios críticos, cabe desta- car O Segundo Sexo (1949), uma profunda análise sobre o papel das mulheres na sociedade; A velhice (1970), sobre o processo de enve- lhecimento, no qual teceu críticas apaixonadas sobre a atitude da so- ciedade para com os anciãos.
  • 4. . 42 to ao voto para as mulheres variou mui- to entre as diferentes sociedades: A crítica e a luta pela mudança dessa situação caracterizaram o movimento social das mulheres, que apresenta dife- rentes vertentes, assim como o próprio conceito de gênero, em evolução através de variadas abordagens, cada vez mais sofisticadas. O conceito de gênero, como vimos, foi elaborado para evidenciar que o sexo anatômico não é o elemento definidor das condutas da espécie humana. As culturas criam padrões que estão associados a corpos que se distinguem por seu aparato genital e que, através do contato se- xual, podem gerar outros seres: isto é a reprodução humana. Observe como se entrelaçam o sexo, a sexualidade – aqui a heterossexual – e o gênero. Estas dimensões se cruzam, mas uma dimensão não decorre da outra! Ter um corpo feminino não significa que a mulher dese- je realizar-se como mãe. Corpos designados como masculinos podem expressar gestos tidos como femininos em determinado contexto social, e podem também ter contatos sexuais com outros corpos sinalizando uma sexualidade que contraria a expectativa dominante de que o “normal” é o encontro sexual entre homem e mulher. Desde 1964, o psiquiatra norte-americano Robert Stoller vem desenvolvendo estudos so- bre masculinidade, feminilidade e a questão da identidade de gênero, criando um pon- to de partida para o estudo mais sistemático do travestismo. Este é um dos fenômenos da não-conformidade com as exigências sociais de “coerência” entre o sexo anatômico, a indu- mentária e o gestual supostamente referente ao sexo oposto. As travestis – pessoas cujo gê- nero e identidade social são opostos ao do seu sexo biológico e que vivem cotidianamente como pessoas do seu gênero de escolha – elaboram identidades que não devem ser entendi- das como “cópias de mulheres”, mas como uma forma alternativa de identidades de gênero. Entre as muitas autoras importantes para o desenvolvimento do conceito de gênero, destaca- se a antropóloga norte-americana Gayle Rubin, que em 1975 defendeu a idéia da existência de um sistema sexo-gênero em todas as sociedades. Outra contribuição importante e muito conhecida no Brasil é o texto Gênero: uma categoria útil de análise histórica, de Joan Scott. Esta publicação contribuiu para que pesquisadores da área de ciências humanas reconheces- sem a importância das relações sociais que se estabelecem com base nas diferenças percebidas entre homens e mulheres. Há também uma significativa produção científica realizada por pesquisadoras francesas, dentre as quais se destacam Christine Delphy e Danièle Kergoat, que Ano de Conquista do Voto Feminino País 1917 1918 1919 1928 1932 1945 1973 URSS, com a Revolução Alemanha EUA In glaterra Brasil França, Itália, Japão Suíça As travestis (...) elaboram identidades que não devem ser entendidas como “cópias de mulheres”, mas como uma forma alternativa de identidades de gênero.
  • 5. . 43 elaboraram o tema “divisão sexual do trabalho doméstico”. A primeira desenvolveu a teoria de que, em decorrência das re- lações de gênero que naturalizam as atividades de cuidado, os homens e os maridos exploram suas esposas e companheiras ao se beneficiarem do trabalho doméstico gratuito. De fato, não são apenas os homens próximos, mas a sociedade como um todo que não reconhece ser o trabalho doméstico gerador de riqueza, uma vez que a garantia de atendimento das ne- cessidades de alimentação, repouso e conforto possibilitam a dedicação ao trabalho externo e à produção. Para uma história da análise sobre a divisão sexual do trabalho do- méstico, veja os artigos: BRUSCHINI, Cristina de. “Tra- balho Doméstico: inatividade econômica ou trabalho não-re- munerado”. In: ARAÚJO, Clara; PICANÇO, Felícia e SCALO, Celi. Novas conciliações e antigas ten- sões? Gênero, família e trabalho em perspectiva comparada. São Paulo: Edusc, 2008. HIRATA, Helena; KERGOAT, Da- niele. “Novas configurações da Divisão Sexual do Trabalho”. Ca- dernos de Pesquisa da Fundação Carlos Chagas, vol. 37, no 132, págs. 595-609, set.-dez. 2007. Consulte ainda no web site do CLAM a entrevista do sociólogo sueco Göran Therborn – “Re- lações de poder entre os sexos”. http://www.clam.org.br/pu- blique/cgi/cgilua.exe/sys/start. htm?infoid=3672&sid=7 Glossário Assimetrias de gênero: Desigualdades de oportunidades, condições e direitos entre homens e mulheres, gerando uma hierar- quia de gênero. Gênero: Conceito formulado nos anos 1970 com profunda influência do pensamento feminista. Ele foi criado para distinguir a dimensão biológica da dimensão social, baseando-se no raciocínio de que há machos e fêmeas na espécie humana, no entanto, a maneira de ser homem e de ser mulher é realizada pela cultura. Assim, gênero significa que homens e mulheres são produtos da realidade social e não decorrência da anatomia de seus corpos. Identidade de Gênero: Diz respeito à percepção subjetiva de ser masculino ou feminino, conforme os atributos, os comporta- mentos e os papéis convencionalmente estabelecidos para homens e mulheres. Movimento Feminista: Movimento social e político de defesa de direitos iguais para mulheres e homens, tanto no âmbito da legislação (plano normativo e jurídico), quanto no plano da formulação de políticas públicas que ofereçam serviços e progra- mas sociais de apoio a mulheres. Travesti: Pessoa que nasce do sexo masculino ou feminino, mas que tem sua identidade de gênero oposta ao seu sexo biológico, assumindo papéis de gênero diferentes daquele imposto pela sociedade. Muitas travestis modificam seus corpos através de hormonioterapias, aplicações de silicone e/ou cirurgias plásticas, porém vale ressaltar que isso não é regra para todas (Definição adotada pela Conferência Nacional LGBT em 2008).