SlideShare uma empresa Scribd logo
Como redigir e preparar um
artigo científico
Pesquisa Científica
❑ “Processo formal e sistemático de desenvolvimento do método científico. O objetivo
fundamental da pesquisa é descobrir respostas para PROBLEMAS mediante o emprego de
procedimentos científicos”. (NBR 6022)
❑ Descobrir novos fatos ou dados, relações ou leis, em qualquer campo do conhecimento
ESTRUTURA DO ARTIGO
A escrita do artigo como TCC deve obedecer ao rigor científico, com
linguagem clara, concisa e objetiva, além de ser escrito em terceira pessoa
como os demais trabalhos de cunho científico. Sua estrutura deve seguir o
mesmo modelo de alguns elementos da Monografia como a capa, a folha de
rosto, a errata, a folha de aprovação, o resumo em língua vernácula e todos
os elementos pós-textuais, alterando-se apenas na ordem em que são
dispostos no trabalho. Com relação aos elementos textuais, devem ser
produzidos conforme exigência de escrita para artigos científicos.
No que se refere à quantidade de páginas, usa-se nos artigos para
este fim, no mínimo 15 e no máximo 20 laudas
capa
Proteção externa do trabalho que deve conter informações
indispensáveis à sua identificação. Deve obedecer à seguinte
ordem: Nome da Instituição e sigla (caixa alta, sem negrito);
Nome do curso (caixa alta, sem negrito); Nome completo do (a)
autor (a) (caixa alta, com negrito); Título da Monografia (caixa
alta, com negrito. Se houver subtítulo, este deve estar dividido por
dois pontos, em caixa baixa e sem negrito); Local (cidade) da
Instituição onde deve ser apresentada a Monografia (sem negrito);
Ano da produção (sem negrito).
Folha de rosto
Elemento obrigatório que apresenta uma cópia dos elementos da
capa, acrescido de uma nota explicativa com informações
complementares do trabalho. Deve apresentar as informações na
seguinte ordem: Nome do (a) autor (a) (caixa alta, com negrito);
Título (da mesma forma que está disposto na capa); Nota
explicativa mostrando a natureza do trabalho, a Instituição e o (a)
orientador (a) (transcrita em espaço simples, fonte 10, com recuo
8 cm da margem esquerda); Local (cidade) da Instituição onde
deve ser apresentada a Monografia (sem negrito); Ano da
produção (sem negrito).
Folha de aprovação
Elemento obrigatório a ser assinado no ato da defesa da
Monografia. Deve conter os seguintes elementos: Nome do (a)
autor (a) do trabalho; Título e subtítulo (se houver); Nota
explicativa mostrando a natureza do trabalho, a instituição e o (a)
orientador (a) (transcrita em espaço simples, fonte 10, com recuo
8 cm da margem esquerda); Data de aprovação; Nome dos
membros da banca examinadora seguido das respectivas
instituições da sua maior formação.
Resumo em língua vernaula
Elemento obrigatório, também chamado de resumo técnico-científico,
que consiste na apresentação dos pontos mais relevantes do corpo do
trabalho. Deve ser redigido em Português, oferecer uma visão clara e
rápida do conteúdo, ser feito em um único parágrafo, justificado nas
laterais, em terceira pessoa, utilizando-se fonte 12 e espaço 1,5
entrelinhas. O resumo deve apresentar, de forma concisa, o objeto de
estudo em, no máximo, três linhas, em seguida deverão ser expostos: o
objetivo principal, a metodologia (em caso de trabalho com pesquisa de
campo, expondo o tipo de estudo, o local e o período, amostra,
instrumento e análise de dados), os principais resultados e as
considerações finais ou conclusão. 32 O texto não deverá ultrapassar 500
palavras. A palavra “resumo” deve estar em caixa alta, centralizada e em
negrito. Abaixo do resumo, apresenta-se as “palavras-chave”, que são as
palavras mais representativas do trabalho, podendo identificá-lo mais
facilmente. São relacionadas de 3 a 5 palavras-chave em ordem
alfabética, separadas por ponto. Podem ser termos simples e/ou
compostos, ou expressões características. Utiliza-se a mesma fonte e
espaçamento do resumo. EXEMPLOS: Palavras-chave: Escola.
Professores. Livros. Keywords: School. Teachers. Books
O que é um Artigo Científico? “É parte de uma publicação com autoria
declarada, que apresenta e discute ideias, métodos, técnicas, processos e
resultados nas diversas áreas do conhecimento.” (NBR 6022)
REVISÃO DE LITERATURA
ESTUDO DE CASO
APLICAÇÃO DE UM
MODELO
ESTUDO COMPARADO
ESTUDO DOCUMENTAL
PARTE 1
Elementos
pré-textuais
PARTE 2
Elementos
textuais
PARTE 3
Elementos
Pós-textuais
1. Introdução
2. Desenvolvimento
3. Conclusão
1. Referências
2. Apêndice(s) (opcional)
3. Anexo(s) (opcional)
1. Título e subtítulo
(se houver)
2. Nome do autor
(autores)
3. Resumo na língua do
texto
4. Palavras-chave na
língua do texto
PARTE 1
Elementos
pré-textuais
Título
Não escreva o
título pensando
no especialista
da área
Foque na principal
conclusão de seu
estudo
Use palavras
de fácil
entendimento
Um termo não
entendido no título
pode ser motivo para o
leitor desistir do artigo
PARTE 1
Elementos
pré-textuais
Como ordenar os autores em um trabalho científico?
Primeiro autor vai ser considerado o principal do artigo. Ele é interpretado
como quem deu a maior contribuição para o trabalho e também quem
escreveu a maior parte dele.
A partir do segundo, a importância deles tende a diminuir conforme a
posição na lista. Com exceção do último autor, ele pode assumir uma
importância maior do que os citados acima dele. Orientadores geralmente
são colocados por último.
PARTE 1
Elementos
pré-textuais
Como elaborar um resumo?
• Apresente, mas não explique
• Corte palavras desnecessárias
• Verifique as informações
• Finalize com o começo
• Obs: Quem escreve desenvolve habilidades e
competências e quem lê também pode se apropriar do
saber. Escrever também está associado à leitura, quem lê
mais tem mais o que escrever, sabe mais e se comunica
melhor
Última dica: preste atenção
especial às palavras-chave.
Elas ajudam a categorizar a
produção acadêmica, como
se fossem tags de um post
num blog
Introdução
Método
Resultados
Discussão
Seção
Apresentação de informações sobre
o tema, a justificativa para a
investigação e o objetivo
Descrição do tipo de estudo, do
cenário da pesquisa, da amostra,
dos procedimentos e dos aspectos
éticos
Apresentação dos achados,
acompanhados da respectiva
análise estatística, se aplicável
Interpretação dos resultados,
comparações e conclusão
Conteúdo
De que trata o estudo? Por que a
investigação foi feita? O que se
sabia sobre o assunto?
Como o estudo foi realizado?
O que foi encontrado? Quais são os
fatos revelados pela investigação?
O que significam os achados
apresentados? O que este estudo
acrescenta ao que já se sabia sobre
o assunto?
Perguntas-chave
https://doi.org/10.1590/S0102-311X2006000100003
Vamos usar um artigo
como referência??
Introdução
Apresentação de informações sobre o
tema, a justificativa para a investigação e
o objetivo
De que trata o estudo? Por que a
investigação foi feita? O que se sabia
sobre o assunto?
No Brasil, nas últimas décadas, vem se ampliando o interesse em utilizar bancos de dados originados, de forma rotineira, pelos serviços de
saúde, como ferramenta na elaboração de políticas de saúde e no planejamento e gestão de serviços de saúde. Algumas condições
contribuíram para tal aproximação: (a) a implementação da descentralização das ações do setor saúde, definindo prioridades nos níveis
estaduais e municipais, desencadeada pelas Normas Operacionais de 1993 e 1996, e (b) a democratização do uso da informática no Brasil
imprimindo uma grande facilidade de acesso ao uso de informações geradas pelo sistema em todo território nacional. Somam-se a isso as
reconhecidas vantagens dos dados administrativos de saúde de disponibilizarem um grande volume de informações com reduzido tempo
entre a ocorrência do evento e seu registro, sem custos adicionais 1,2.
Entre os dados administrativos de saúde disponíveis no país, encontra-se o Sistema de Informação Hospitalar do Sistema Único de Saúde
(SIH/SUS), o único de abrangência nacional, que tem origem nas Autorizações de Internação Hospitalar (AIH), destinadas ao pagamento das
internações de hospitais públicos e privados conveniados ao SUS. Com as vantagens de fornecer informações diagnóstica, demográfica e
geográfica para cada internação hospitalar ampliaram a possibilidade de produção de conhecimento no campo da Saúde Coletiva 3. No ano de
2003, o sistema cobriu em torno de 12 milhões de internações em cerca de 6 mil unidades hospitalares distribuídas em todo o país
(http:www.datasus.gov.br/tabnet/ tabnet.htm, acessado em 29/Jun/2004).
Se por um lado o SIH/SUS é um dos sistemas de informações mais utilizadas entre os diversos níveis de gestão dos serviços de saúde, por
outro, o seu emprego está associado, sobretudo, ao repasse de recursos 4,5. Um passo importante para a ampliação das potencialidades
científicas e tecnológicas no âmbito dos serviços hospitalares é conhecer quem são os usuários da base do SIH/SUS, quais informações
procuram e como as utilizam.
O presente trabalho levanta a produção científica envolvendo aplicações dos dados do SIH/SUS na Saúde Coletiva com o propósito de
sintetizar as vantagens e limitações dessa base de dados para fins de análises de questões relevantes na área.
Método
Descrição do tipo de estudo, do cenário
da pesquisa, da amostra, dos
procedimentos e dos aspectos éticos
Como o estudo foi realizado?
Para a busca de artigos publicados em revistas científicas no período de 1984 a 2003, foram consultadas as bases de dados SciELO (Scientific
Electronic Library Online), MEDLINE e Biblioteca Virtual de Saúde Pública, sites de instituições que oferecem pós-graduação stricto sensu em
saúde pública para a busca de dissertações e teses e verificadas bibliografias de artigos identificados segundo as fontes mencionadas. Nas
buscas eletrônicas se empregaram os seguintes descritores: registros hospitalares, sistema, informação, morbidade e mortalidade hospitalar,
hospital, internação, avaliação de serviço de saúde.
Os trabalhos identificados foram classificados em cinco categorias com diferentes vertentes de análise. Duas delas eram referentes ao tipo de
dados e seu uso: (1) qualidade das informações do SIH/SUS; (2) estratégias para potencializar o uso das informações para a pesquisa, gestão
e atenção médico-hospitalar. As outras três compreendiam os campos de ação da Saúde Coletiva no âmbito dos serviços de saúde: (3)
descrição do padrão da morbidade-mortalidade hospitalar e da assistência médica prestada; (4) vigilância epidemiológica e validação de
outros sistemas de informação em saúde; (5) avaliação do desempenho da assistência hospitalar.
Resultados
Apresentação dos achados,
acompanhados da respectiva análise
estatística, se aplicável
O que foi encontrado? Quais são os fatos
revelados pela investigação?
Foram localizados 76 trabalhos no período estudado, estando 3,9%, 10,5%, 34,2%, 19,7% e 31,7% classificados, respectivamente, nas
categorias 1, 2, 3, 4 e 5. Do levantamento realizado, 1,3% das publicações foi oriunda da década de 80, 29,0% foram da década de 90 e só no
ano de 2000 ocorrem vinte publicações, relativas a 38,0% da década. A partir daí a produção diminuiu, encontrando-se apenas 12 textos no
ano de 2003.
Os artigos envolveram 141 profissionais vinculados a 18 instituições de ensino e pesquisa, sendo duas internacionais, e a 12 serviços de saúde
dos diversos níveis de gestão. Em 31 trabalhos houve parcerias entre instituições, que em 18 deles envolveu universidades e institutos de
pesquisa e os serviços de saúde. A origem institucional dos autores concentrou-se na Fundação Oswaldo Cruz (especialmente a Escola
Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca) e na Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo.
Sobre o tema foram desenvolvidas dez dissertações de mestrado, nove teses de doutorado que produziram 14 artigos científicos, que juntos
com mais 38 artigos foram aplicados em dez periódicos de circulação nacional, principalmente na revista Epidemiologia e Serviços de
Saúde do Ministério da Saúde. Desses, cinco artigos foram publicados em revistas pertencentes à área clínica. E apenas dois artigos foram
publicados em revista internacional. Os tipos restantes de publicações incluíram capítulos de livro, CD-ROM e relatórios.
Discussão
Interpretação dos resultados,
comparações e conclusão
O que significam os achados
apresentados? O que este estudo
acrescenta ao que já se sabia sobre o
assunto?
É importante destacar o crescimento da utilização dos dados do SIH/SUS na Saúde Coletiva em número, abrangência, diversidade de
conteúdos e complexidade de análise. Mesmo que um número expressivo de profissionais tenha se dedicado ao tema, as publicações foram
bastante concentradas geográfica e institucionalmente.
O predomínio das análises descrevendo padrões de morbidade das hospitalizações, de certa forma indica o caráter exploratório dos estudos.
A assistência médica às vítimas de causas externas foi o tema mais abordado, ainda que represente apenas 7,0% do total das internações pelo
SUS (http:www.datasus.gov.br/tabnet/ tabnet.htm, acessado em 29/Jun/2004). As principais motivações dos autores foram o predomínio
entre os jovens, ser passível de evitabilidade por medidas de prevenção, e o elevado custo.
Se por um lado há uma cobertura incompleta das internações hospitalares pelo SIH/ SUS e incertezas quanto à confiabilidade das informações
contidas no SIH/SUS, tornando controvertida sua contribuição na pesquisa, organização e avaliação da assistência médico-hospitalar, por
outro lado, a variedade de estudos referidos acima aliado a resultados que mostraram consistência interna e coerência com os conhecimentos
atuais, reforça a sua importância e a necessidade de entender os seus pontos fortes e fracos.
PARTE 3
Elementos
Pós-textuais
Referências bibliográficas – formatação de
acordo com a revista/ periódico
PARTE 3
Elementos
Pós-textuais
Anexo(s)
Documentos que não são do autor e que servem de fundamentação:
Estatísticas retiradas de fontes oficiais, questionários validados,
mapas, leis, figuras)
PARTE 3
Elementos
Pós-textuais
Apêndice(s)
Material adicional elaborado pelo autor a fim de complementar
sua argumentação (estatísticas, qustionáriose, suplementos)
Para um artigo bem escrito:
1. Decida o objetivo do artigo,
2. Escolha o periódico para o qual o artigo será encaminhado,
3. Tenha guias que facilitem a redação,
4. Escreva a estrutura do artigo,
5. Complemente o texto com as partes que lhe faltam,
6. Revise o texto diversas vezes
7. Certifique-se de que o artigo é metodologicamente correto,
8. Assegure-se de que não há falhas da redação,
9. Submeta o artigo para a publicação,
10.Lide adequadamente com editores e revisores
Um artigo é um documento científico. Ele não pode ser cópia de outro já
publicado (a menos que a revista aceite sabendo disso e mencionando este
fato no seu texto) e nem ser plágio, uma vez que este está sujeito às
penalidades do Direito Autoral brasileiro e mundial.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Como redigir e preparar um artigo científico.pptx

Normatização do TCC - Monografia
Normatização do TCC - MonografiaNormatização do TCC - Monografia
Normatização do TCC - Monografia
Grasiela Dourado
 
07 estruturas dos trabalhos científicos
07 estruturas dos trabalhos científicos07 estruturas dos trabalhos científicos
07 estruturas dos trabalhos científicos
Joao Balbi
 
Metodologia científica
Metodologia científicaMetodologia científica
Metodologia científica
Jose Ribamar
 
A prática da pesquisa científica
A prática da pesquisa científicaA prática da pesquisa científica
A prática da pesquisa científica
Bruno Gomes Dias
 
Estruturas de Projetos de Pesquisa Relatórios de Pesquisa e Artigos Científicos
Estruturas de Projetos de Pesquisa Relatórios de Pesquisa e Artigos CientíficosEstruturas de Projetos de Pesquisa Relatórios de Pesquisa e Artigos Científicos
Estruturas de Projetos de Pesquisa Relatórios de Pesquisa e Artigos Científicos
Herbert Santana
 
Disciplina metod cientifica aula 4
Disciplina metod cientifica aula 4Disciplina metod cientifica aula 4
Disciplina metod cientifica aula 4
Dércio Luiz Reis
 
Métodos e técnicas de pesquisa psicológica AULA SOBRE ARTIGO (1).pptx
Métodos e técnicas de pesquisa psicológica AULA SOBRE ARTIGO (1).pptxMétodos e técnicas de pesquisa psicológica AULA SOBRE ARTIGO (1).pptx
Métodos e técnicas de pesquisa psicológica AULA SOBRE ARTIGO (1).pptx
elionaylima2
 
ESCREVER UM ARTIGO CIENTIFICO PASSO-A-PASSO.pdf
ESCREVER UM ARTIGO CIENTIFICO PASSO-A-PASSO.pdfESCREVER UM ARTIGO CIENTIFICO PASSO-A-PASSO.pdf
ESCREVER UM ARTIGO CIENTIFICO PASSO-A-PASSO.pdf
REVISTA CIENTIFICA TCHIEZA
 
Transp ip
Transp ipTransp ip
Transp ip
UNICEP
 
Manual projeto de pesquisa(3)
Manual projeto de pesquisa(3)Manual projeto de pesquisa(3)
Manual projeto de pesquisa(3)
Dejane Silva Santana Andrade
 
PALESTRA UEM 28.11-PROJETO VALERIA GAL.ppt
PALESTRA UEM 28.11-PROJETO VALERIA GAL.pptPALESTRA UEM 28.11-PROJETO VALERIA GAL.ppt
PALESTRA UEM 28.11-PROJETO VALERIA GAL.ppt
PauloHenriqueMartins51
 
cieb-eodc
cieb-eodccieb-eodc
cieb-eodc
Vitor Gonçalves
 
Como elaborar um projeto
Como elaborar um projetoComo elaborar um projeto
Como elaborar um projeto
Evelise Faraco de Oliveira
 
Roteiro para revisão bibliográfica
Roteiro para revisão bibliográficaRoteiro para revisão bibliográfica
Roteiro para revisão bibliográfica
Carlos Alberto Monteiro
 
Modelo formatacao mestrado
Modelo formatacao mestradoModelo formatacao mestrado
Modelo formatacao mestrado
Carla Pimenta
 
Manual para a elaboração de um artigo cientifico
Manual para a elaboração de um artigo cientificoManual para a elaboração de um artigo cientifico
Manual para a elaboração de um artigo cientifico
Andre Luiz Ferrer Domenciano
 
SLIDE METODOLOGIA DE PESQUISA USP (1).pptx
SLIDE METODOLOGIA DE PESQUISA USP (1).pptxSLIDE METODOLOGIA DE PESQUISA USP (1).pptx
SLIDE METODOLOGIA DE PESQUISA USP (1).pptx
FABOLASOARESDOSREIS
 
Revisão Sistemática e Bases de Pesquisa
Revisão Sistemática e Bases de PesquisaRevisão Sistemática e Bases de Pesquisa
Revisão Sistemática e Bases de Pesquisa
Edson Oliveira Junior
 
Guia trabalho acadêmico
Guia trabalho acadêmicoGuia trabalho acadêmico
Guia trabalho acadêmico
Agassis Rodrigues
 
Aula 2 elaboração trabalhos científicos
Aula 2   elaboração trabalhos científicosAula 2   elaboração trabalhos científicos
Aula 2 elaboração trabalhos científicos
Rodrigo Abreu
 

Semelhante a Como redigir e preparar um artigo científico.pptx (20)

Normatização do TCC - Monografia
Normatização do TCC - MonografiaNormatização do TCC - Monografia
Normatização do TCC - Monografia
 
07 estruturas dos trabalhos científicos
07 estruturas dos trabalhos científicos07 estruturas dos trabalhos científicos
07 estruturas dos trabalhos científicos
 
Metodologia científica
Metodologia científicaMetodologia científica
Metodologia científica
 
A prática da pesquisa científica
A prática da pesquisa científicaA prática da pesquisa científica
A prática da pesquisa científica
 
Estruturas de Projetos de Pesquisa Relatórios de Pesquisa e Artigos Científicos
Estruturas de Projetos de Pesquisa Relatórios de Pesquisa e Artigos CientíficosEstruturas de Projetos de Pesquisa Relatórios de Pesquisa e Artigos Científicos
Estruturas de Projetos de Pesquisa Relatórios de Pesquisa e Artigos Científicos
 
Disciplina metod cientifica aula 4
Disciplina metod cientifica aula 4Disciplina metod cientifica aula 4
Disciplina metod cientifica aula 4
 
Métodos e técnicas de pesquisa psicológica AULA SOBRE ARTIGO (1).pptx
Métodos e técnicas de pesquisa psicológica AULA SOBRE ARTIGO (1).pptxMétodos e técnicas de pesquisa psicológica AULA SOBRE ARTIGO (1).pptx
Métodos e técnicas de pesquisa psicológica AULA SOBRE ARTIGO (1).pptx
 
ESCREVER UM ARTIGO CIENTIFICO PASSO-A-PASSO.pdf
ESCREVER UM ARTIGO CIENTIFICO PASSO-A-PASSO.pdfESCREVER UM ARTIGO CIENTIFICO PASSO-A-PASSO.pdf
ESCREVER UM ARTIGO CIENTIFICO PASSO-A-PASSO.pdf
 
Transp ip
Transp ipTransp ip
Transp ip
 
Manual projeto de pesquisa(3)
Manual projeto de pesquisa(3)Manual projeto de pesquisa(3)
Manual projeto de pesquisa(3)
 
PALESTRA UEM 28.11-PROJETO VALERIA GAL.ppt
PALESTRA UEM 28.11-PROJETO VALERIA GAL.pptPALESTRA UEM 28.11-PROJETO VALERIA GAL.ppt
PALESTRA UEM 28.11-PROJETO VALERIA GAL.ppt
 
cieb-eodc
cieb-eodccieb-eodc
cieb-eodc
 
Como elaborar um projeto
Como elaborar um projetoComo elaborar um projeto
Como elaborar um projeto
 
Roteiro para revisão bibliográfica
Roteiro para revisão bibliográficaRoteiro para revisão bibliográfica
Roteiro para revisão bibliográfica
 
Modelo formatacao mestrado
Modelo formatacao mestradoModelo formatacao mestrado
Modelo formatacao mestrado
 
Manual para a elaboração de um artigo cientifico
Manual para a elaboração de um artigo cientificoManual para a elaboração de um artigo cientifico
Manual para a elaboração de um artigo cientifico
 
SLIDE METODOLOGIA DE PESQUISA USP (1).pptx
SLIDE METODOLOGIA DE PESQUISA USP (1).pptxSLIDE METODOLOGIA DE PESQUISA USP (1).pptx
SLIDE METODOLOGIA DE PESQUISA USP (1).pptx
 
Revisão Sistemática e Bases de Pesquisa
Revisão Sistemática e Bases de PesquisaRevisão Sistemática e Bases de Pesquisa
Revisão Sistemática e Bases de Pesquisa
 
Guia trabalho acadêmico
Guia trabalho acadêmicoGuia trabalho acadêmico
Guia trabalho acadêmico
 
Aula 2 elaboração trabalhos científicos
Aula 2   elaboração trabalhos científicosAula 2   elaboração trabalhos científicos
Aula 2 elaboração trabalhos científicos
 

Último

cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
samucajaime015
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
erssstcontato
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 

Último (20)

cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 

Como redigir e preparar um artigo científico.pptx

  • 1. Como redigir e preparar um artigo científico
  • 2. Pesquisa Científica ❑ “Processo formal e sistemático de desenvolvimento do método científico. O objetivo fundamental da pesquisa é descobrir respostas para PROBLEMAS mediante o emprego de procedimentos científicos”. (NBR 6022) ❑ Descobrir novos fatos ou dados, relações ou leis, em qualquer campo do conhecimento
  • 3. ESTRUTURA DO ARTIGO A escrita do artigo como TCC deve obedecer ao rigor científico, com linguagem clara, concisa e objetiva, além de ser escrito em terceira pessoa como os demais trabalhos de cunho científico. Sua estrutura deve seguir o mesmo modelo de alguns elementos da Monografia como a capa, a folha de rosto, a errata, a folha de aprovação, o resumo em língua vernácula e todos os elementos pós-textuais, alterando-se apenas na ordem em que são dispostos no trabalho. Com relação aos elementos textuais, devem ser produzidos conforme exigência de escrita para artigos científicos. No que se refere à quantidade de páginas, usa-se nos artigos para este fim, no mínimo 15 e no máximo 20 laudas
  • 4. capa Proteção externa do trabalho que deve conter informações indispensáveis à sua identificação. Deve obedecer à seguinte ordem: Nome da Instituição e sigla (caixa alta, sem negrito); Nome do curso (caixa alta, sem negrito); Nome completo do (a) autor (a) (caixa alta, com negrito); Título da Monografia (caixa alta, com negrito. Se houver subtítulo, este deve estar dividido por dois pontos, em caixa baixa e sem negrito); Local (cidade) da Instituição onde deve ser apresentada a Monografia (sem negrito); Ano da produção (sem negrito).
  • 5. Folha de rosto Elemento obrigatório que apresenta uma cópia dos elementos da capa, acrescido de uma nota explicativa com informações complementares do trabalho. Deve apresentar as informações na seguinte ordem: Nome do (a) autor (a) (caixa alta, com negrito); Título (da mesma forma que está disposto na capa); Nota explicativa mostrando a natureza do trabalho, a Instituição e o (a) orientador (a) (transcrita em espaço simples, fonte 10, com recuo 8 cm da margem esquerda); Local (cidade) da Instituição onde deve ser apresentada a Monografia (sem negrito); Ano da produção (sem negrito).
  • 6. Folha de aprovação Elemento obrigatório a ser assinado no ato da defesa da Monografia. Deve conter os seguintes elementos: Nome do (a) autor (a) do trabalho; Título e subtítulo (se houver); Nota explicativa mostrando a natureza do trabalho, a instituição e o (a) orientador (a) (transcrita em espaço simples, fonte 10, com recuo 8 cm da margem esquerda); Data de aprovação; Nome dos membros da banca examinadora seguido das respectivas instituições da sua maior formação.
  • 7. Resumo em língua vernaula Elemento obrigatório, também chamado de resumo técnico-científico, que consiste na apresentação dos pontos mais relevantes do corpo do trabalho. Deve ser redigido em Português, oferecer uma visão clara e rápida do conteúdo, ser feito em um único parágrafo, justificado nas laterais, em terceira pessoa, utilizando-se fonte 12 e espaço 1,5 entrelinhas. O resumo deve apresentar, de forma concisa, o objeto de estudo em, no máximo, três linhas, em seguida deverão ser expostos: o objetivo principal, a metodologia (em caso de trabalho com pesquisa de campo, expondo o tipo de estudo, o local e o período, amostra, instrumento e análise de dados), os principais resultados e as considerações finais ou conclusão. 32 O texto não deverá ultrapassar 500 palavras. A palavra “resumo” deve estar em caixa alta, centralizada e em negrito. Abaixo do resumo, apresenta-se as “palavras-chave”, que são as palavras mais representativas do trabalho, podendo identificá-lo mais facilmente. São relacionadas de 3 a 5 palavras-chave em ordem alfabética, separadas por ponto. Podem ser termos simples e/ou compostos, ou expressões características. Utiliza-se a mesma fonte e espaçamento do resumo. EXEMPLOS: Palavras-chave: Escola. Professores. Livros. Keywords: School. Teachers. Books
  • 8. O que é um Artigo Científico? “É parte de uma publicação com autoria declarada, que apresenta e discute ideias, métodos, técnicas, processos e resultados nas diversas áreas do conhecimento.” (NBR 6022) REVISÃO DE LITERATURA ESTUDO DE CASO APLICAÇÃO DE UM MODELO ESTUDO COMPARADO ESTUDO DOCUMENTAL
  • 9. PARTE 1 Elementos pré-textuais PARTE 2 Elementos textuais PARTE 3 Elementos Pós-textuais 1. Introdução 2. Desenvolvimento 3. Conclusão 1. Referências 2. Apêndice(s) (opcional) 3. Anexo(s) (opcional) 1. Título e subtítulo (se houver) 2. Nome do autor (autores) 3. Resumo na língua do texto 4. Palavras-chave na língua do texto
  • 10. PARTE 1 Elementos pré-textuais Título Não escreva o título pensando no especialista da área Foque na principal conclusão de seu estudo Use palavras de fácil entendimento Um termo não entendido no título pode ser motivo para o leitor desistir do artigo
  • 11. PARTE 1 Elementos pré-textuais Como ordenar os autores em um trabalho científico? Primeiro autor vai ser considerado o principal do artigo. Ele é interpretado como quem deu a maior contribuição para o trabalho e também quem escreveu a maior parte dele. A partir do segundo, a importância deles tende a diminuir conforme a posição na lista. Com exceção do último autor, ele pode assumir uma importância maior do que os citados acima dele. Orientadores geralmente são colocados por último.
  • 12. PARTE 1 Elementos pré-textuais Como elaborar um resumo? • Apresente, mas não explique • Corte palavras desnecessárias • Verifique as informações • Finalize com o começo • Obs: Quem escreve desenvolve habilidades e competências e quem lê também pode se apropriar do saber. Escrever também está associado à leitura, quem lê mais tem mais o que escrever, sabe mais e se comunica melhor Última dica: preste atenção especial às palavras-chave. Elas ajudam a categorizar a produção acadêmica, como se fossem tags de um post num blog
  • 13. Introdução Método Resultados Discussão Seção Apresentação de informações sobre o tema, a justificativa para a investigação e o objetivo Descrição do tipo de estudo, do cenário da pesquisa, da amostra, dos procedimentos e dos aspectos éticos Apresentação dos achados, acompanhados da respectiva análise estatística, se aplicável Interpretação dos resultados, comparações e conclusão Conteúdo De que trata o estudo? Por que a investigação foi feita? O que se sabia sobre o assunto? Como o estudo foi realizado? O que foi encontrado? Quais são os fatos revelados pela investigação? O que significam os achados apresentados? O que este estudo acrescenta ao que já se sabia sobre o assunto? Perguntas-chave
  • 15. Introdução Apresentação de informações sobre o tema, a justificativa para a investigação e o objetivo De que trata o estudo? Por que a investigação foi feita? O que se sabia sobre o assunto? No Brasil, nas últimas décadas, vem se ampliando o interesse em utilizar bancos de dados originados, de forma rotineira, pelos serviços de saúde, como ferramenta na elaboração de políticas de saúde e no planejamento e gestão de serviços de saúde. Algumas condições contribuíram para tal aproximação: (a) a implementação da descentralização das ações do setor saúde, definindo prioridades nos níveis estaduais e municipais, desencadeada pelas Normas Operacionais de 1993 e 1996, e (b) a democratização do uso da informática no Brasil imprimindo uma grande facilidade de acesso ao uso de informações geradas pelo sistema em todo território nacional. Somam-se a isso as reconhecidas vantagens dos dados administrativos de saúde de disponibilizarem um grande volume de informações com reduzido tempo entre a ocorrência do evento e seu registro, sem custos adicionais 1,2. Entre os dados administrativos de saúde disponíveis no país, encontra-se o Sistema de Informação Hospitalar do Sistema Único de Saúde (SIH/SUS), o único de abrangência nacional, que tem origem nas Autorizações de Internação Hospitalar (AIH), destinadas ao pagamento das internações de hospitais públicos e privados conveniados ao SUS. Com as vantagens de fornecer informações diagnóstica, demográfica e geográfica para cada internação hospitalar ampliaram a possibilidade de produção de conhecimento no campo da Saúde Coletiva 3. No ano de 2003, o sistema cobriu em torno de 12 milhões de internações em cerca de 6 mil unidades hospitalares distribuídas em todo o país (http:www.datasus.gov.br/tabnet/ tabnet.htm, acessado em 29/Jun/2004). Se por um lado o SIH/SUS é um dos sistemas de informações mais utilizadas entre os diversos níveis de gestão dos serviços de saúde, por outro, o seu emprego está associado, sobretudo, ao repasse de recursos 4,5. Um passo importante para a ampliação das potencialidades científicas e tecnológicas no âmbito dos serviços hospitalares é conhecer quem são os usuários da base do SIH/SUS, quais informações procuram e como as utilizam. O presente trabalho levanta a produção científica envolvendo aplicações dos dados do SIH/SUS na Saúde Coletiva com o propósito de sintetizar as vantagens e limitações dessa base de dados para fins de análises de questões relevantes na área.
  • 16. Método Descrição do tipo de estudo, do cenário da pesquisa, da amostra, dos procedimentos e dos aspectos éticos Como o estudo foi realizado? Para a busca de artigos publicados em revistas científicas no período de 1984 a 2003, foram consultadas as bases de dados SciELO (Scientific Electronic Library Online), MEDLINE e Biblioteca Virtual de Saúde Pública, sites de instituições que oferecem pós-graduação stricto sensu em saúde pública para a busca de dissertações e teses e verificadas bibliografias de artigos identificados segundo as fontes mencionadas. Nas buscas eletrônicas se empregaram os seguintes descritores: registros hospitalares, sistema, informação, morbidade e mortalidade hospitalar, hospital, internação, avaliação de serviço de saúde. Os trabalhos identificados foram classificados em cinco categorias com diferentes vertentes de análise. Duas delas eram referentes ao tipo de dados e seu uso: (1) qualidade das informações do SIH/SUS; (2) estratégias para potencializar o uso das informações para a pesquisa, gestão e atenção médico-hospitalar. As outras três compreendiam os campos de ação da Saúde Coletiva no âmbito dos serviços de saúde: (3) descrição do padrão da morbidade-mortalidade hospitalar e da assistência médica prestada; (4) vigilância epidemiológica e validação de outros sistemas de informação em saúde; (5) avaliação do desempenho da assistência hospitalar.
  • 17. Resultados Apresentação dos achados, acompanhados da respectiva análise estatística, se aplicável O que foi encontrado? Quais são os fatos revelados pela investigação? Foram localizados 76 trabalhos no período estudado, estando 3,9%, 10,5%, 34,2%, 19,7% e 31,7% classificados, respectivamente, nas categorias 1, 2, 3, 4 e 5. Do levantamento realizado, 1,3% das publicações foi oriunda da década de 80, 29,0% foram da década de 90 e só no ano de 2000 ocorrem vinte publicações, relativas a 38,0% da década. A partir daí a produção diminuiu, encontrando-se apenas 12 textos no ano de 2003. Os artigos envolveram 141 profissionais vinculados a 18 instituições de ensino e pesquisa, sendo duas internacionais, e a 12 serviços de saúde dos diversos níveis de gestão. Em 31 trabalhos houve parcerias entre instituições, que em 18 deles envolveu universidades e institutos de pesquisa e os serviços de saúde. A origem institucional dos autores concentrou-se na Fundação Oswaldo Cruz (especialmente a Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca) e na Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo. Sobre o tema foram desenvolvidas dez dissertações de mestrado, nove teses de doutorado que produziram 14 artigos científicos, que juntos com mais 38 artigos foram aplicados em dez periódicos de circulação nacional, principalmente na revista Epidemiologia e Serviços de Saúde do Ministério da Saúde. Desses, cinco artigos foram publicados em revistas pertencentes à área clínica. E apenas dois artigos foram publicados em revista internacional. Os tipos restantes de publicações incluíram capítulos de livro, CD-ROM e relatórios.
  • 18. Discussão Interpretação dos resultados, comparações e conclusão O que significam os achados apresentados? O que este estudo acrescenta ao que já se sabia sobre o assunto? É importante destacar o crescimento da utilização dos dados do SIH/SUS na Saúde Coletiva em número, abrangência, diversidade de conteúdos e complexidade de análise. Mesmo que um número expressivo de profissionais tenha se dedicado ao tema, as publicações foram bastante concentradas geográfica e institucionalmente. O predomínio das análises descrevendo padrões de morbidade das hospitalizações, de certa forma indica o caráter exploratório dos estudos. A assistência médica às vítimas de causas externas foi o tema mais abordado, ainda que represente apenas 7,0% do total das internações pelo SUS (http:www.datasus.gov.br/tabnet/ tabnet.htm, acessado em 29/Jun/2004). As principais motivações dos autores foram o predomínio entre os jovens, ser passível de evitabilidade por medidas de prevenção, e o elevado custo. Se por um lado há uma cobertura incompleta das internações hospitalares pelo SIH/ SUS e incertezas quanto à confiabilidade das informações contidas no SIH/SUS, tornando controvertida sua contribuição na pesquisa, organização e avaliação da assistência médico-hospitalar, por outro lado, a variedade de estudos referidos acima aliado a resultados que mostraram consistência interna e coerência com os conhecimentos atuais, reforça a sua importância e a necessidade de entender os seus pontos fortes e fracos.
  • 19. PARTE 3 Elementos Pós-textuais Referências bibliográficas – formatação de acordo com a revista/ periódico
  • 20. PARTE 3 Elementos Pós-textuais Anexo(s) Documentos que não são do autor e que servem de fundamentação: Estatísticas retiradas de fontes oficiais, questionários validados, mapas, leis, figuras)
  • 21. PARTE 3 Elementos Pós-textuais Apêndice(s) Material adicional elaborado pelo autor a fim de complementar sua argumentação (estatísticas, qustionáriose, suplementos)
  • 22. Para um artigo bem escrito: 1. Decida o objetivo do artigo, 2. Escolha o periódico para o qual o artigo será encaminhado, 3. Tenha guias que facilitem a redação, 4. Escreva a estrutura do artigo, 5. Complemente o texto com as partes que lhe faltam, 6. Revise o texto diversas vezes 7. Certifique-se de que o artigo é metodologicamente correto, 8. Assegure-se de que não há falhas da redação, 9. Submeta o artigo para a publicação, 10.Lide adequadamente com editores e revisores
  • 23. Um artigo é um documento científico. Ele não pode ser cópia de outro já publicado (a menos que a revista aceite sabendo disso e mencionando este fato no seu texto) e nem ser plágio, uma vez que este está sujeito às penalidades do Direito Autoral brasileiro e mundial.