SlideShare uma empresa Scribd logo
Biologia para Ciências
Ambientais
Código Genético, Controle das Atividades Celulares
Material Teórico
Responsável pelo Conteúdo:
Prof. Dr. Carlos Eduardo de Oliveira Garcia
Revisão Textual:
Profa. Ms. Selma Aparecida Cesarin
5
•	Introdução
•	Origem do primeiro DNA
•	Estrutura do DNA e do RNA
Fique atento às atividades propostas e aos prazos de realização e de entrega.
Não deixe de participar de nosso Fórum de Discussões! Queremos saber sua opinião a
respeito do tema levantado!
Convite à leitura: leia cada aula, faça anotações e, se necessário, pesquise outros materiais
além do que é fornecido.
Não acumule dúvidas! Participe, pergunte!
Força, coragem e determinação!
Nesta Unidade, daremos continuidade às informações que
ajudarão no entendimento de uma ciência desafiadora e básica,
a Biologia.
Abordaremos os conhecimentos científicos que envolvem a
compreensão dos conceitos da composição química dos seres
vivos, os principais processos celulares, a apresentação do
código genético e a síntese de proteínas.
Código Genético, Controle das
Atividades Celulares
•	Síntese Proteica
6
Unidade: Código Genético, Controle das Atividades Celulares
Contextualização
Com o avançar do século XXI, a implantação de processos sustentáveis em nossa sociedade
torna-se uma medida imprescindível e urgente.
Os avanços tecnológicos aliados aos avanços nos conhecimentos dos processos da área
biológica visam a minimizar os efeitos do crescimento acelerado da população, garantir a oferta de
alimentos, diminuir o grau de poluição gerado e assegurar a manutenção da qualidade ambiental.
Os estudos molecular e estrutural em nível celular; a relação entre o código genético e o controle
das atividades celulares são vitais para o entendimento dos processos que envolvem o funcionamento
do organismo, assim como o estudo das relações dos organismos com seu meio ambiente.
Os avanços nessa área de conhecimento, tais como o uso de microorganismos para a
biorremediação de áreas contaminadas, reciclagem de materiais, tratamento de água e esgoto,
entre outros, são de grande importância, não só podem garantir a sobrevivência dos seres vivos,
mas também a preservação dos ambientes naturais e o uso de seus recursos de forma sustentável.
7
Introdução
Em nossa conversa anterior, abordamos as principais diferenças entre os seres vivos e os não
vivos, e as moléculas fundamentais à manutenção da vida. 	 Daremos prosseguimento ao
estudo da vida, aprofundando alguns conceitos em nível celular e tratando de um dos principais
processos para permanência e difusão da vida: a síntese proteica.
É importante sempre termos em mente que embora os processos que veremos ocorram em
nível celular, eles estão completamente conectados a interações entre os indivíduos e possuem
uma linha cronológica, sendo possível acompanhar o resultado das interações com o ambiente
numa escala de tempo maior.
O que demonstra isso é que embora todos os seres vivos possuam um ancestral comum, um
mesmo ponto de partida, existe uma imensa diversidade de características e funções entre os
seres, representados pelos distintos materiais genéticos em cada espécie.
Assim, as escalas micro e macro se complementam, de modo que o entendimento completo
só se dá na totalidade, quando integramos os conhecimentos. Essa visão será importante não
só no estudo da vida, mas em todas as outras áreas de nosso Curso.
Origem do primeiro DNA
A origem dos ácidos nucleicos está intimamente relacionada ao estudo da origem da vida,
vez que todos os seres vivos possuem as informações necessárias à manutenção de suas vidas
nos polímeros DNA e RNA – a menor unidade de vida, a célula, já pressupõe a existência de
ácidos nucleicos.
Há grande controvérsia a respeito da ordem de acontecimentos, o que teria acontecido
primeiro: o aparecimento de moléculas mais complexas ou a capacidade de sintetizá-las?
Além disso, qual entre os polímeros essenciais à vida surgiu primeiro: proteínas, RNA ou DNA?
Atualmente, sugere-se que o primeiro polímero tenha sido o RNA, pois ele é capaz de armazenar
informações e ainda catalisar reações. E onde teria surgido a primeira molécula essencial à vida?
Segundo evidências, supõe-se que tenha sido em fontes hidrotermais no fundo do mar.
Hoje, sabemos que o indivíduo herda suas características pelo DNA. No processo de
reprodução há uma fusão entre uma célula sexual masculina e feminina que juntas unem partes
iguais de DNA para formar uma nova célula e, dessa célula, pelo processo de divisão celular,
forma-se um novo indivíduo da espécie.
A estrutura do DNA foi descoberta por Watson e Crick, em 1953, embora as evidências a
respeito da estrutura e papel do DNA já tivessem aparecido muito antes.
8
Unidade: Código Genético, Controle das Atividades Celulares
Dentre estudos precursores da descoberta dos ácidos nucleicos, podemos mencionar o de
Friederich Miescher, de 1868, quando ele isolou, de células do pus, uma substância contendo
fósforo e que consistia de uma porção acídica (que hoje conhecemos como DNA) e outra
básica, e a chamou de nucleína.
Embora tenha purificado parcialmente e estudado as propriedades dos ácidos nucleicos, só
se chegou à estrutura primária do DNA no final dos anos da década de 1940.
Considerando todos os dados disponíveis na época, Watson e Crick propuseram, em 1953,
um modelo tridimensional para o DNA, como mostra a figura a seguir.
Fonte: http://qnint.sbq.org.br/qni/visualizarTema.php?idTema=33.
Figura 1. Empregando as bases desenhadas em cartões, Watson percebeu como deveriam se
formar pontes de hidrogênio entre elas. Nesta figura, está ilustrada a primeira hipótese na qual
o número de pontes de hidrogênio entre C e G é de apenas duas. Posteriormente, verificaram a
possibilidade de se formarem três pontes entre C e G. Finalmente, após alguns refinamentos no
modelo, chegaram à proposta final da estrutura do DNA.
Estrutura do DNA e do RNA
Como já mencionado na Unidade anterior, os ácidos nucleicos (DNA e RNA) são biomoléculas
grandes, formadas por unidades monoméricas denominadas nucleotídeos, que podem ser
encontrados no interior dos núcleos de células eucariontes, “soltos” nas células procariontes e
no interior de alguns constituintes celulares ou organelas (mitocôndrias nas células animais e
vegetais e cloroplastos nas células vegetais).
9
Observe a figura a seguir.
Fonte: http://manualdojedi.wordpress.com/category/biologia-ii/.
Figura 2. Estrutura das células eucariontes e procariontes, sendo evidenciada a diferença da
localização dos ácidos nucleicos – no núcleo nas eucariontes e no citoplasma nas procariontes.
Os nucleotídeos possuem três componentes característicos:
1. Base nitrogenada;
2. Uma pentose (açúcar, monossacarídeo); e
3. Um fostato.
Observe esses componentes na figura a seguir.
10
Unidade: Código Genético, Controle das Atividades Celulares
Figura 3. Estrutura do DNA e do RNA. Fonte: http://www.sobiologia.com.br/conteudos/quimica_vida/quimica15.php.
As bases nitrogenadas são derivadas de dois compostos: as purinas e as pirimidinas. As bases
púricas são adenina e guanina e as pirimídicas são citosina, timina e uracila. A adenina, guanina e
citosina estão presentes tanto no DNA quanto no RNA, timina só ocorre no DNA e uracila no RNA.
Outra diferença entre o DNA e o RNA é pentose encontrada em cada um, sendo a desoxirribose
formadora do DNA e a ribose do RNA.
Os nucleotídeos são conectados por ligações fosfodiéster e assim o esqueleto do ácido
nucleico é a alternância de grupos fosfato e pentoses. No caso do DNA, do lado externo da
dupla hélice, ficam as pentoses e os fosfatos, carregados negativamente. Do lado interno, estão
as bases nitrogenadas perpendicularmente às fitas.
Dessa forma, a parte interna da dupla hélice não apresenta afinidade com a água (hidrofóbica)
e a parte externa apresenta afinidade com a água (hidrofílica).
A ligação entre as bases nitrogenadas, que é o que realmente faz o DNA estar numa dupla
hélice, é feita por pontes de hidrogênio e de maneira complementar. Isto quer dizer que quando
a base nitrogenada for a adenina numa fita, estará ligada a uma timina na outra fita, e quando
for citosina em uma, será guanina na outra.
Há ainda uma interação do tipo van der Waals e dipolo-dipolo entre as bases, e que promove
empilhamentos (como moedas empilhadas) que estabilizam ainda mais a molécula dos ácidos
nucleicos (DNA e RNA).
11
Esse empilhamento decorrente das características químicas das bases protege a molécula,
vez que reduz a absorção dos raios UV (esse mecanismo é importante, pois os ácidos nucleicos
apresentam forte absorção na faixa de comprimento de onda de 260nm) – essa redução na
absorção de raios UV por conta do empilhamento das bases é chamado de efeito hipocrômico.
A manutenção da molécula de DNA íntegra, em outras palavras, sua estabilidade, é importante
para que não haja distúrbios fisiológicos (alterações na estrutura química do DNA das células
pode causar um distúrbio cada vez mais comum e que pode levar à morte, o câncer). Mais
adiante, abordaremos os mecanismos celulares envolvidos nesse processo.
Além disso, a partir do carbono a que está ligado o grupo fosfato, pode-se definir duas
extremidades nos ácidos nucleicos, extremidade 5’ e 3’; por convenção, a estrutura de uma fita
simples de ácido nucleico é sempre escrita da extremidade 5’3’.
Figura 4. Estrutura primária da dupla hélice do DNA, sendo indicadas as ligações fosfodiéster
entre uma pentose e um grupo fosfato e entre bases nitrogenadas. http://www.ncbi.nlm.nih.
gov:80/books/bookres.fcgi/mga/ch2f2.gif. Fonte: http://www.biomol.org/historia/propduplahelice.shtml.
12
Unidade: Código Genético, Controle das Atividades Celulares
O segmento de DNA que possui informação para a síntese de uma proteína é chamado de
gene. A sequência de bases nitrogenadas contida em um gene formará um código (químico) de
sequência que determinará a sequência, o número e o tipo de aminoácidos das proteínas.
Os genes estão organizados sob a forma de cromossomos, um empacotamento do DNA.
O conjunto de todo os genes nos cromossomos em todas as células de um organismo é
chamado genoma.
Para termos ideia da quantidade de informação contida e o grau de compactação dos
cromossomos em cada célula humana, se pudéssemos esticar a fita de DNA, observaríamos
que todo o DNA lá contido possui extensão de 2m.
Figura 5. Graus de compactação do DNA mostrando, por fim, um cromossomo metafásico.
Fonte: http://www.ufv.br/dbg/genetica/cap1.htm.
Para abordarmos o processo de fabricação (síntese) de proteínas, precisamos lembrar que há
a participação do RNA e de organelas celulares denominadas ribossomos.
O RNA pode desempenhar diferentes funções e, de acordo com a função que desempenha
na célula e no processo de síntese de proteínas, pode ser denominado:
•	 RNA ribossômico (rRNA): pode ser componente estrutural dos ribossomos - organelas que
realizam a síntese proteica;
13
•	 RNA mensageiro (mRNA): carregador da informação de um ou mais genes até o ribossomo;
•	RNA transportador ou de transferência (tRNA): moléculas adaptadoras que traduzem
fielmente a informação química contida no mRNA, numa sequência de aminoácidos.
De certa forma, os tipos de RNAs exercem funções que desempenham papel intermediário
no processo de síntese de proteínas.
Já vimos que alguns fatores ambientais como os raios ultravioletas podem alterar a estrutura
dos ácidos nucleicos. Outros fatores importantes a considerar são a temperatura e o pH. Esses
fatores ambientais podem exercer papel importante na conformação da dupla hélice de DNA e
na estrutura de fita simples do RNA.
Em altas temperaturas e extremos de pH, as fitas se separam (desnaturam). Este processo
pode ser reversível (ou não), com as fitas reencontrando-se. Essa capacidade, sobretudo do DNA,
é utilizada experimentalmente como indicador de compartilhamento genético entre espécies,
podendo promover mudanças nas sequências de bases nitrogenadas de um determinado DNA.
Emgeral,esseprocessodealteraçãodoDNApodesergenericamentedenominadodemutação.
Em experimentos controlados em laboratórios, manipulando-se a alteração da temperatura ou
uma mudança brusca no pH, pode-se promover conjuntamente uma desnaturação da estrutura
do DNA em distintas espécies de organismos e, ao promover sua nova estrutura (retornando
aos níveis adequados de temperatura e pH), avalia-se quanto de duplas fitas híbridas foram
formadas, ou seja, avalia-se quantos genes são compartilhados entre os organismos.
No entanto, não são apenas distúrbios físico-químicos que causam a desnaturação do DNA.
Como veremos mais adiante, ela ocorre naturalmente nas células, pois é o primeiro passo para a
duplicação do material genético (replicação) e da síntese proteica (transcrição, que é a produção
de mRNA).
A degradação do DNA é feita por enzimas chamadas nucleases, que podem ser exonucleases
ou endonucleases. As primeiras começam a degradação a partir da extremidade da fita (dupla
ou simples), as segundas, a partir de seu interior.
O DNA é considerado o material genético. É a molécula que armazena as “receitas” das
estruturas (proteínas) que irão conferir as características morfológicas. É a molécula hereditária,
transferida dos pais para os filhos. Além disso, coordena processos celulares fundamentais:
•	 A duplicação ou replicação: processo de formação de uma nova molécula de DNA.
Esse processo antecede a formação de novas células;
•	 A transcrição: formação de uma sequência de mRNA a partir de uma sequência de
bases do DNA;
•	 A tradução: processo de síntese das proteínas.
14
Unidade: Código Genético, Controle das Atividades Celulares
Síntese Proteica
Já vimos que a relação entre estrutura e função é importante nas macromoléculas, sendo
especialmente evidente nas proteínas, as quais exibem uma extraordinária diversidade de
funções – costumamos utilizar o nome de efeito “chave-fechadura” para designar a característica
de uma forma física estar associada a uma determinada atividade ou função das proteínas.
Proteínas são os instrumentos moleculares pelos quais as informações genéticas são expressas
– manifestação das informações de funcionamento dos organismos, podendo determinar
características específicas dos indivíduos.
Todas as proteínas, das linhagens mais antigas até os organismos mais complexos, são polímeros
construídos com o mesmo conjunto de 20 aminoácidos. O número, o tipo e a sequência de
aminoácidos não só determinam a proteína em si, mas também dirige o enovelamento da molécula.
Portanto, irá interferir na sua função. Dessa forma, embora todas as proteínas sejam formadas por
aminoácidos, podemos diferenciá-las pelo número, tipo e sequência de aminoácidos presentes.
A partir da década de 1960, os pesquisadores conseguiram explicar o processo de síntese de
proteínas no interior das células vivas.
A síntese de proteínas é um processo complexo, chega a envolver muitas outras proteínas e
moléculas: quase 300 macromoléculas diferentes estão organizadas na estrutura tridimensional
do ribossomo para realizar a montagem passo a passo do peptídeo, seguindo a sequência
contida no mRNA.
Todo o gasto com a síntese de proteínas pode representar até 90% da energia química gasta
por uma célula para todas as reações biossintetizantes. Não obstante gaste muita energia e seja
complexa, a produção de proteínas é um processo rápido.
Essa síntese tem início no núcleo, a partir da transcrição do DNA (formação de uma sequência
de mRNA a partir de uma sequência de DNA).
Observe a figura a seguir.
Figura 6. Estruturas assumidas pelas proteínas. Sequência de aminoácidos é a estrutura primária;
ligações do tipo pontes de hidrogênio entre os aminoácidos conformam a proteína em helicoidal, que
é a estrutura secundária; sofrendo um enovelamento, dobras sobre si própria, a proteína assume a
estrutura terciária e quando duas ou mais cadeias peptídicas ligam-se e se enovelam, formam a estrutura
quaternária. Fonte: http://crentinho.wordpress.com/2009/03/06/as-proteinas/.
15
A sequência de bases nitrogenadas do DNA “carrega” informações bioquímicas para montar
as proteínas. Essas informações bioquímicas são conhecidas como “Código genético”.
A montagem da cadeia polipeptídica inicia-se no núcleo celular, com a formação de uma
molécula de mRNA e é realizada no citoplasma, mais precisamente em estruturas chamadas
ribossomos, nas quais os aminoácidos são captados.
Mas como é possível identificar as bases nitrogenadas que darão início à síntese de
proteínas? Qual sequência de bases nitrogenadas dá origem à sequência de aminoácidos, se
as bases estão contíguas?
Um conjunto de três bases do DNA denominado trinca corresponde a um determinado
aminoácido na proteína. No código genético, as quatro bases do DNA alinhadas três a três vão
formar um código de 64 trincas possíveis, onde 61 delas irão corresponder a aminoácidos.
Essa trinca de bases do DNA que designa um aminoácido é chamada de códon no mRNA.
Convém lembrar que são conhecidos somente 20 aminoácidos. Dessa forma, há mais de uma
trinca que codifica um mesmo aminoácido e por isso falamos que o código genético é degenerado.
As três trincas restantes serão utilizadas como pontuação, indicando o término da
codificação das proteínas. Da mesma forma que há códons para informar qual aminoácido
deve ser adicionado, há um códon de iniciação (sequência AUG que codifica o aminoácido
metionina) que indica o início da síntese da cadeia polipeptídica e códons de terminação
(sequências UAA, UAG e UGA).
O mRNA carrega a informação da sequência de aminoácidos a serem conectados e se liga
ao ribossomo (no caso dos eucariotos, o mRNA deixa o núcleo celular).
Cada três bases nitrogenadas codificam um aminoácido. Então, para uma proteína com 100
aminoácidos, é necessário mRNA com no mínimo 300 bases nitrogenadas.
Observe a figura a seguir.
Fonte: http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Transcri%C3%A7%C3%A3o_de_DNA.svg.
Figura 7. Ilustração da transcrição (produção de do mRNA a partir de uma sequência de DNA).
16
Unidade: Código Genético, Controle das Atividades Celulares
Um mesmo aminoácido pode ser codificado por diferentes códons e, em geral, a diferença
entre os códons para um mesmo aminoácido está no terceiro nucleotídeo. Ou seja, os dois
primeiros nucleotídeos são determinantes, e isto confere ao processo de tradução agilidade
sem perder fidelidade, porque ao ser mais fraca a ligação no terceiro nucleotídeo, mais fácil é a
dissociação do polipeptídeo do tRNA, que é a molécula que traduz a informação do mRNA em
aminoácidos (a molécula de tRNA é chamada anticódon, vez que é a sequência complementar
do códon, um contramolde).
O sentido do processo de tradução é na direção 5’3’ e esta fase de adição de aminoácidos é
chamada de alongamento. Ainda na fase de alongamento, o ribossomo desloca-se no sentido da
extremidade 3’ do mRNA, procedendo à tradução do próximo códon e ligação do aminoácido
(movimento chamado de translocação).
Depois de acrescidos todos os aminoácidos, o códon de terminação sinaliza o fim da síntese
proteica. Como nas outras etapas da síntese, há outras moléculas envolvidas que farão a
liberação do polipeptídeo do tRNA (fatores de liberação ou terminação).
Nem sempre as proteínas estão já em sua forma ativa ao deixarem o ribossomo e, portanto,
devem sofrer modificações pós-traducionais. Essas modificações podem envolver mudanças
químicas na cadeia peptídica de modo a modificar a interação entre os aminoácidos e
consequentemente sua estrutura ou ainda a adição de outros grupos de moléculas, como
açúcares, por exemplo.
Após estar funcional, a proteína é então direcionada para o local onde atuará (formas de
endereçamento das proteínas podem ser sequências peptídicas na porção aminoterminal das
proteínas, açúcares ligados a elas ou ainda sua própria estrutura tridimensional).
Podemos resumir a síntese proteica nas seguintes etapas:
I.	 Ativação dos aminoácidos: aminoácidos se ligam a tRNAs específicos no citoplasma;
II.	Iniciação: mRNA se liga ao ribossomo – na outra parte constituinte do ribossomo.
Pareamento com o códon AUG, de iniciação. Processo complexo, ligação a porções
específicas do ribossomo (fatores de iniciação);
III.	Alongamento da cadeia: fase de adição de cada aminoácido, sendo carregado por seu
tRNA e ligado à cadeia por uma ligação covalente;
IV.	Terminação e liberação: quando chega o códon de terminação é parado o processo de
alongamento, o mRNA é desconectado do ribossomo e o polipeptídeo liberado;
V.	Enrolamento e processamento: o polipeptídeo pode sofrer algumas modificações pós-
traducionais para chegar à sua forma funcional (enrolamento na sua conformação
tridimensional e/ou adição de grupos).
17
Veja a figura a seguir.
Fonte: http://viveromundohoje.blogspot.com.br/2009/11/traducao-do-mrna.html.
Figura 8. Síntese proteica a partir do momento em que o mRNA está conectado à subunidade
menor do ribossomo.
18
Unidade: Código Genético, Controle das Atividades Celulares
Material Complementar
Para aprofundar seus estudos, consulte e leia a atentamente o material presente nos seguintes links:
•	 http://www.ib.usp.br/sti/evosite/evo101/IIE2aOriginoflife.shtml
•	 http://www.ib.usp.br/sti/evosite/evo101/IIE2bDetailsoforigin.shtml
•	 http://www.ib.usp.br/sti/evosite/evo101/IIE2bStudyorigins.shtml
•	 http://docentes.esalq.usp.br/luagallo/aminoacidos%20e%20proteinas2012.htm
Assista, também, ao vídeo ilustrando a síntese proteica em célula eucariótica, disponível em:
•	 https://www.youtube.com/watch?v=P5fm3He_pds
19
Referências
ALBERTS, B. et al. Fundamentos da biologia celular. 3.ed. Porto Alegre: ArtMed, 2011.
AMABIS, J. M.; MARTHOGR. Biologia. v.1. 3.ed.São Paulo, Moderna, 2009.
LEHNINGER, A. L.; Nelson, D. L.; Cox, M. M. Princípios de bioquímica. 2.ed. São Paulo:
Sarvier, 1995.
ZAIA, D. A. M.; ZAIA, C. T. B. V. 2008. Algumas controvérsias sobre a origem da vida.
Química Nova, v. 31, n°. 6, p. 1599-602. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/qn/v31n6/
a54v31n6.pdf.
20
Unidade: Código Genético, Controle das Atividades Celulares
Anotações
www.cruzeirodosulvirtual.com.br
Campus Liberdade
Rua Galvão Bueno, 868
CEP 01506-000
São Paulo SP Brasil
Tel: (55 11) 3385-3000
Codigo genetico, controle das atividades celulares

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Carboidratos
CarboidratosCarboidratos
Carboidratos
barbara_carlini
 
1 resumo academico exemplo
1 resumo academico   exemplo1 resumo academico   exemplo
1 resumo academico exemplo
Fernanda Claro Dos Santos
 
Lista de exercícios alcanos
Lista de exercícios alcanosLista de exercícios alcanos
Lista de exercícios alcanos
Colegio CMC
 
QUÍMICA - 3ª SÉRIE - HABILIDADE DA BNCC - (EM13CNT203) D3
QUÍMICA - 3ª SÉRIE - HABILIDADE DA BNCC - (EM13CNT203) D3QUÍMICA - 3ª SÉRIE - HABILIDADE DA BNCC - (EM13CNT203) D3
QUÍMICA - 3ª SÉRIE - HABILIDADE DA BNCC - (EM13CNT203) D3
GernciadeProduodeMat
 
009 acucares 2011_2_013
009 acucares 2011_2_013009 acucares 2011_2_013
009 acucares 2011_2_013
Raul Tomé
 
Carboidratos
CarboidratosCarboidratos
Carboidratos
Lucas Roberto
 
Lista de exercícios hidrocarbonetos
Lista de exercícios   hidrocarbonetosLista de exercícios   hidrocarbonetos
Lista de exercícios hidrocarbonetos
Profª Alda Ernestina
 
As lutas-na-educacao-fisica-escolar
As lutas-na-educacao-fisica-escolarAs lutas-na-educacao-fisica-escolar
As lutas-na-educacao-fisica-escolar
Reginaldo Campos Jr
 
Oxi reducao
Oxi reducaoOxi reducao
Oxi reducao
Andreza Fontes
 
Hibridação sp sp2 e sp3
Hibridação sp sp2 e sp3Hibridação sp sp2 e sp3
Hibridação sp sp2 e sp3
Pedro Kangombe
 
O Microscópio Óptico
O Microscópio ÓpticoO Microscópio Óptico
O Microscópio Óptico
José Vitor Alves
 
Lipídios
LipídiosLipídios
Lipídios
emanuel
 
Ética e Cidadania 2º semestre - mackenzie 2012
Ética e Cidadania   2º semestre - mackenzie 2012Ética e Cidadania   2º semestre - mackenzie 2012
Ética e Cidadania 2º semestre - mackenzie 2012
Fábio Peres
 
Lista exercícios evolução e origem da vida
Lista exercícios evolução e origem da vidaLista exercícios evolução e origem da vida
Lista exercícios evolução e origem da vida
César Milani
 
Ácidos e Bases
Ácidos e BasesÁcidos e Bases
Ácidos e Bases
José Nunes da Silva Jr.
 
Simulado 09 (ciências 9º ano) blog do prof. warles
Simulado 09 (ciências 9º ano)   blog do prof. warlesSimulado 09 (ciências 9º ano)   blog do prof. warles
Simulado 09 (ciências 9º ano) blog do prof. warles
SOLANGEFERREIRADASIL5
 
Tabela periódica 9º ano
Tabela periódica 9º anoTabela periódica 9º ano
Tabela periódica 9º ano
Carlos Magno Braga
 
Estudo comparativo acido base
Estudo comparativo acido baseEstudo comparativo acido base
Estudo comparativo acido base
Carlos Kramer
 
Exercícios de química orgânica
Exercícios de química orgânicaExercícios de química orgânica
Exercícios de química orgânica
V
 
Carboidratos
CarboidratosCarboidratos
Carboidratos
Rondinelly Rodrigues
 

Mais procurados (20)

Carboidratos
CarboidratosCarboidratos
Carboidratos
 
1 resumo academico exemplo
1 resumo academico   exemplo1 resumo academico   exemplo
1 resumo academico exemplo
 
Lista de exercícios alcanos
Lista de exercícios alcanosLista de exercícios alcanos
Lista de exercícios alcanos
 
QUÍMICA - 3ª SÉRIE - HABILIDADE DA BNCC - (EM13CNT203) D3
QUÍMICA - 3ª SÉRIE - HABILIDADE DA BNCC - (EM13CNT203) D3QUÍMICA - 3ª SÉRIE - HABILIDADE DA BNCC - (EM13CNT203) D3
QUÍMICA - 3ª SÉRIE - HABILIDADE DA BNCC - (EM13CNT203) D3
 
009 acucares 2011_2_013
009 acucares 2011_2_013009 acucares 2011_2_013
009 acucares 2011_2_013
 
Carboidratos
CarboidratosCarboidratos
Carboidratos
 
Lista de exercícios hidrocarbonetos
Lista de exercícios   hidrocarbonetosLista de exercícios   hidrocarbonetos
Lista de exercícios hidrocarbonetos
 
As lutas-na-educacao-fisica-escolar
As lutas-na-educacao-fisica-escolarAs lutas-na-educacao-fisica-escolar
As lutas-na-educacao-fisica-escolar
 
Oxi reducao
Oxi reducaoOxi reducao
Oxi reducao
 
Hibridação sp sp2 e sp3
Hibridação sp sp2 e sp3Hibridação sp sp2 e sp3
Hibridação sp sp2 e sp3
 
O Microscópio Óptico
O Microscópio ÓpticoO Microscópio Óptico
O Microscópio Óptico
 
Lipídios
LipídiosLipídios
Lipídios
 
Ética e Cidadania 2º semestre - mackenzie 2012
Ética e Cidadania   2º semestre - mackenzie 2012Ética e Cidadania   2º semestre - mackenzie 2012
Ética e Cidadania 2º semestre - mackenzie 2012
 
Lista exercícios evolução e origem da vida
Lista exercícios evolução e origem da vidaLista exercícios evolução e origem da vida
Lista exercícios evolução e origem da vida
 
Ácidos e Bases
Ácidos e BasesÁcidos e Bases
Ácidos e Bases
 
Simulado 09 (ciências 9º ano) blog do prof. warles
Simulado 09 (ciências 9º ano)   blog do prof. warlesSimulado 09 (ciências 9º ano)   blog do prof. warles
Simulado 09 (ciências 9º ano) blog do prof. warles
 
Tabela periódica 9º ano
Tabela periódica 9º anoTabela periódica 9º ano
Tabela periódica 9º ano
 
Estudo comparativo acido base
Estudo comparativo acido baseEstudo comparativo acido base
Estudo comparativo acido base
 
Exercícios de química orgânica
Exercícios de química orgânicaExercícios de química orgânica
Exercícios de química orgânica
 
Carboidratos
CarboidratosCarboidratos
Carboidratos
 

Destaque

Dna desde a descoberta ppt
Dna desde  a descoberta pptDna desde  a descoberta ppt
Dna desde a descoberta ppt
Fernando Bação
 
DNA
DNADNA
Metabolismo de controle celular
Metabolismo de controle celularMetabolismo de controle celular
Metabolismo de controle celular
Thiago Benevides
 
Fronteiras da célula
Fronteiras da célulaFronteiras da célula
Fronteiras da célula
Carla Nascimento
 
Transporte através da membrana
Transporte através da membranaTransporte através da membrana
Transporte através da membrana
delanievov
 
Descoberta do dna - parte I
Descoberta do dna - parte IDescoberta do dna - parte I
Descoberta do dna - parte I
Ana Castro
 

Destaque (6)

Dna desde a descoberta ppt
Dna desde  a descoberta pptDna desde  a descoberta ppt
Dna desde a descoberta ppt
 
DNA
DNADNA
DNA
 
Metabolismo de controle celular
Metabolismo de controle celularMetabolismo de controle celular
Metabolismo de controle celular
 
Fronteiras da célula
Fronteiras da célulaFronteiras da célula
Fronteiras da célula
 
Transporte através da membrana
Transporte através da membranaTransporte através da membrana
Transporte através da membrana
 
Descoberta do dna - parte I
Descoberta do dna - parte IDescoberta do dna - parte I
Descoberta do dna - parte I
 

Semelhante a Codigo genetico, controle das atividades celulares

Crescimento e renovação celular
Crescimento e renovação celularCrescimento e renovação celular
Crescimento e renovação celular
Cecilferreira
 
Dna
DnaDna
(1) crescimento, renovação celular e reprodução
(1) crescimento, renovação celular e reprodução(1) crescimento, renovação celular e reprodução
(1) crescimento, renovação celular e reprodução
Hugo Martins
 
Dna.ppt
Dna.pptDna.ppt
Dna.ppt
RitaGoulartS
 
Ppt 3 Dna, Um PolíMero De NucleóTidos Em Dupla HéLice
Ppt 3   Dna, Um PolíMero De NucleóTidos Em Dupla HéLicePpt 3   Dna, Um PolíMero De NucleóTidos Em Dupla HéLice
Ppt 3 Dna, Um PolíMero De NucleóTidos Em Dupla HéLice
Nuno Correia
 
O mito de evolução química
O mito de evolução químicaO mito de evolução química
O mito de evolução química
GILMAR CARDOSO
 
Ácidos Nucleicos - resumão
Ácidos Nucleicos -   resumãoÁcidos Nucleicos -   resumão
Ácidos Nucleicos - resumão
Magali Feldmann
 
BIOLOGIA MOLECULAR 3ANO.pptx
BIOLOGIA MOLECULAR 3ANO.pptxBIOLOGIA MOLECULAR 3ANO.pptx
BIOLOGIA MOLECULAR 3ANO.pptx
EduardoBaena7
 
Ga aula 2_-_os_cromossomos
Ga aula 2_-_os_cromossomosGa aula 2_-_os_cromossomos
Ga aula 2_-_os_cromossomos
Cristiane Medeiros
 
áCidos nucleicos e síntese proteínas power point(2)
áCidos nucleicos e síntese proteínas   power point(2)áCidos nucleicos e síntese proteínas   power point(2)
áCidos nucleicos e síntese proteínas power point(2)
margaridabt
 
Recurso
RecursoRecurso
Recurso
Step Out
 
2o ano - O núcleo celular
2o ano - O núcleo celular2o ano - O núcleo celular
2o ano - O núcleo celular
SESI 422 - Americana
 
Biologia molecular
 Biologia molecular Biologia molecular
Biologia molecular
Delmária Marinho
 
O núcleo celular
O núcleo celularO núcleo celular
O núcleo celular
SESI 422 - Americana
 
Ácidos Nucléicos
Ácidos NucléicosÁcidos Nucléicos
Ácidos Nucléicos
BIOGERALDO
 
Bg 6 a estrutura da molécula de dna
Bg 6   a estrutura da molécula de dnaBg 6   a estrutura da molécula de dna
Bg 6 a estrutura da molécula de dna
Nuno Correia
 
Bg 6 a estrutura da molécula de dna
Bg 6   a estrutura da molécula de dnaBg 6   a estrutura da molécula de dna
Bg 6 a estrutura da molécula de dna
Nuno Correia
 
BG 6 - A estrutura da molécula de DNA
BG 6 - A estrutura da molécula de DNABG 6 - A estrutura da molécula de DNA
BG 6 - A estrutura da molécula de DNA
Isaura Mourão
 
Unid. 6 - GENÉTICA - Tema 1 - Bases da Genética - 9º ano.pptx
Unid. 6 - GENÉTICA - Tema 1 - Bases da Genética - 9º ano.pptxUnid. 6 - GENÉTICA - Tema 1 - Bases da Genética - 9º ano.pptx
Unid. 6 - GENÉTICA - Tema 1 - Bases da Genética - 9º ano.pptx
HellendosAnjos
 
DNA
DNADNA

Semelhante a Codigo genetico, controle das atividades celulares (20)

Crescimento e renovação celular
Crescimento e renovação celularCrescimento e renovação celular
Crescimento e renovação celular
 
Dna
DnaDna
Dna
 
(1) crescimento, renovação celular e reprodução
(1) crescimento, renovação celular e reprodução(1) crescimento, renovação celular e reprodução
(1) crescimento, renovação celular e reprodução
 
Dna.ppt
Dna.pptDna.ppt
Dna.ppt
 
Ppt 3 Dna, Um PolíMero De NucleóTidos Em Dupla HéLice
Ppt 3   Dna, Um PolíMero De NucleóTidos Em Dupla HéLicePpt 3   Dna, Um PolíMero De NucleóTidos Em Dupla HéLice
Ppt 3 Dna, Um PolíMero De NucleóTidos Em Dupla HéLice
 
O mito de evolução química
O mito de evolução químicaO mito de evolução química
O mito de evolução química
 
Ácidos Nucleicos - resumão
Ácidos Nucleicos -   resumãoÁcidos Nucleicos -   resumão
Ácidos Nucleicos - resumão
 
BIOLOGIA MOLECULAR 3ANO.pptx
BIOLOGIA MOLECULAR 3ANO.pptxBIOLOGIA MOLECULAR 3ANO.pptx
BIOLOGIA MOLECULAR 3ANO.pptx
 
Ga aula 2_-_os_cromossomos
Ga aula 2_-_os_cromossomosGa aula 2_-_os_cromossomos
Ga aula 2_-_os_cromossomos
 
áCidos nucleicos e síntese proteínas power point(2)
áCidos nucleicos e síntese proteínas   power point(2)áCidos nucleicos e síntese proteínas   power point(2)
áCidos nucleicos e síntese proteínas power point(2)
 
Recurso
RecursoRecurso
Recurso
 
2o ano - O núcleo celular
2o ano - O núcleo celular2o ano - O núcleo celular
2o ano - O núcleo celular
 
Biologia molecular
 Biologia molecular Biologia molecular
Biologia molecular
 
O núcleo celular
O núcleo celularO núcleo celular
O núcleo celular
 
Ácidos Nucléicos
Ácidos NucléicosÁcidos Nucléicos
Ácidos Nucléicos
 
Bg 6 a estrutura da molécula de dna
Bg 6   a estrutura da molécula de dnaBg 6   a estrutura da molécula de dna
Bg 6 a estrutura da molécula de dna
 
Bg 6 a estrutura da molécula de dna
Bg 6   a estrutura da molécula de dnaBg 6   a estrutura da molécula de dna
Bg 6 a estrutura da molécula de dna
 
BG 6 - A estrutura da molécula de DNA
BG 6 - A estrutura da molécula de DNABG 6 - A estrutura da molécula de DNA
BG 6 - A estrutura da molécula de DNA
 
Unid. 6 - GENÉTICA - Tema 1 - Bases da Genética - 9º ano.pptx
Unid. 6 - GENÉTICA - Tema 1 - Bases da Genética - 9º ano.pptxUnid. 6 - GENÉTICA - Tema 1 - Bases da Genética - 9º ano.pptx
Unid. 6 - GENÉTICA - Tema 1 - Bases da Genética - 9º ano.pptx
 
DNA
DNADNA
DNA
 

Último

1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
Suzy De Abreu Santana
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
DeuzinhaAzevedo
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptxapresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
JuliaMachado73
 

Último (20)

1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptxapresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
 

Codigo genetico, controle das atividades celulares

  • 2.
  • 3. Código Genético, Controle das Atividades Celulares Material Teórico Responsável pelo Conteúdo: Prof. Dr. Carlos Eduardo de Oliveira Garcia Revisão Textual: Profa. Ms. Selma Aparecida Cesarin
  • 4.
  • 5. 5 • Introdução • Origem do primeiro DNA • Estrutura do DNA e do RNA Fique atento às atividades propostas e aos prazos de realização e de entrega. Não deixe de participar de nosso Fórum de Discussões! Queremos saber sua opinião a respeito do tema levantado! Convite à leitura: leia cada aula, faça anotações e, se necessário, pesquise outros materiais além do que é fornecido. Não acumule dúvidas! Participe, pergunte! Força, coragem e determinação! Nesta Unidade, daremos continuidade às informações que ajudarão no entendimento de uma ciência desafiadora e básica, a Biologia. Abordaremos os conhecimentos científicos que envolvem a compreensão dos conceitos da composição química dos seres vivos, os principais processos celulares, a apresentação do código genético e a síntese de proteínas. Código Genético, Controle das Atividades Celulares • Síntese Proteica
  • 6. 6 Unidade: Código Genético, Controle das Atividades Celulares Contextualização Com o avançar do século XXI, a implantação de processos sustentáveis em nossa sociedade torna-se uma medida imprescindível e urgente. Os avanços tecnológicos aliados aos avanços nos conhecimentos dos processos da área biológica visam a minimizar os efeitos do crescimento acelerado da população, garantir a oferta de alimentos, diminuir o grau de poluição gerado e assegurar a manutenção da qualidade ambiental. Os estudos molecular e estrutural em nível celular; a relação entre o código genético e o controle das atividades celulares são vitais para o entendimento dos processos que envolvem o funcionamento do organismo, assim como o estudo das relações dos organismos com seu meio ambiente. Os avanços nessa área de conhecimento, tais como o uso de microorganismos para a biorremediação de áreas contaminadas, reciclagem de materiais, tratamento de água e esgoto, entre outros, são de grande importância, não só podem garantir a sobrevivência dos seres vivos, mas também a preservação dos ambientes naturais e o uso de seus recursos de forma sustentável.
  • 7. 7 Introdução Em nossa conversa anterior, abordamos as principais diferenças entre os seres vivos e os não vivos, e as moléculas fundamentais à manutenção da vida. Daremos prosseguimento ao estudo da vida, aprofundando alguns conceitos em nível celular e tratando de um dos principais processos para permanência e difusão da vida: a síntese proteica. É importante sempre termos em mente que embora os processos que veremos ocorram em nível celular, eles estão completamente conectados a interações entre os indivíduos e possuem uma linha cronológica, sendo possível acompanhar o resultado das interações com o ambiente numa escala de tempo maior. O que demonstra isso é que embora todos os seres vivos possuam um ancestral comum, um mesmo ponto de partida, existe uma imensa diversidade de características e funções entre os seres, representados pelos distintos materiais genéticos em cada espécie. Assim, as escalas micro e macro se complementam, de modo que o entendimento completo só se dá na totalidade, quando integramos os conhecimentos. Essa visão será importante não só no estudo da vida, mas em todas as outras áreas de nosso Curso. Origem do primeiro DNA A origem dos ácidos nucleicos está intimamente relacionada ao estudo da origem da vida, vez que todos os seres vivos possuem as informações necessárias à manutenção de suas vidas nos polímeros DNA e RNA – a menor unidade de vida, a célula, já pressupõe a existência de ácidos nucleicos. Há grande controvérsia a respeito da ordem de acontecimentos, o que teria acontecido primeiro: o aparecimento de moléculas mais complexas ou a capacidade de sintetizá-las? Além disso, qual entre os polímeros essenciais à vida surgiu primeiro: proteínas, RNA ou DNA? Atualmente, sugere-se que o primeiro polímero tenha sido o RNA, pois ele é capaz de armazenar informações e ainda catalisar reações. E onde teria surgido a primeira molécula essencial à vida? Segundo evidências, supõe-se que tenha sido em fontes hidrotermais no fundo do mar. Hoje, sabemos que o indivíduo herda suas características pelo DNA. No processo de reprodução há uma fusão entre uma célula sexual masculina e feminina que juntas unem partes iguais de DNA para formar uma nova célula e, dessa célula, pelo processo de divisão celular, forma-se um novo indivíduo da espécie. A estrutura do DNA foi descoberta por Watson e Crick, em 1953, embora as evidências a respeito da estrutura e papel do DNA já tivessem aparecido muito antes.
  • 8. 8 Unidade: Código Genético, Controle das Atividades Celulares Dentre estudos precursores da descoberta dos ácidos nucleicos, podemos mencionar o de Friederich Miescher, de 1868, quando ele isolou, de células do pus, uma substância contendo fósforo e que consistia de uma porção acídica (que hoje conhecemos como DNA) e outra básica, e a chamou de nucleína. Embora tenha purificado parcialmente e estudado as propriedades dos ácidos nucleicos, só se chegou à estrutura primária do DNA no final dos anos da década de 1940. Considerando todos os dados disponíveis na época, Watson e Crick propuseram, em 1953, um modelo tridimensional para o DNA, como mostra a figura a seguir. Fonte: http://qnint.sbq.org.br/qni/visualizarTema.php?idTema=33. Figura 1. Empregando as bases desenhadas em cartões, Watson percebeu como deveriam se formar pontes de hidrogênio entre elas. Nesta figura, está ilustrada a primeira hipótese na qual o número de pontes de hidrogênio entre C e G é de apenas duas. Posteriormente, verificaram a possibilidade de se formarem três pontes entre C e G. Finalmente, após alguns refinamentos no modelo, chegaram à proposta final da estrutura do DNA. Estrutura do DNA e do RNA Como já mencionado na Unidade anterior, os ácidos nucleicos (DNA e RNA) são biomoléculas grandes, formadas por unidades monoméricas denominadas nucleotídeos, que podem ser encontrados no interior dos núcleos de células eucariontes, “soltos” nas células procariontes e no interior de alguns constituintes celulares ou organelas (mitocôndrias nas células animais e vegetais e cloroplastos nas células vegetais).
  • 9. 9 Observe a figura a seguir. Fonte: http://manualdojedi.wordpress.com/category/biologia-ii/. Figura 2. Estrutura das células eucariontes e procariontes, sendo evidenciada a diferença da localização dos ácidos nucleicos – no núcleo nas eucariontes e no citoplasma nas procariontes. Os nucleotídeos possuem três componentes característicos: 1. Base nitrogenada; 2. Uma pentose (açúcar, monossacarídeo); e 3. Um fostato. Observe esses componentes na figura a seguir.
  • 10. 10 Unidade: Código Genético, Controle das Atividades Celulares Figura 3. Estrutura do DNA e do RNA. Fonte: http://www.sobiologia.com.br/conteudos/quimica_vida/quimica15.php. As bases nitrogenadas são derivadas de dois compostos: as purinas e as pirimidinas. As bases púricas são adenina e guanina e as pirimídicas são citosina, timina e uracila. A adenina, guanina e citosina estão presentes tanto no DNA quanto no RNA, timina só ocorre no DNA e uracila no RNA. Outra diferença entre o DNA e o RNA é pentose encontrada em cada um, sendo a desoxirribose formadora do DNA e a ribose do RNA. Os nucleotídeos são conectados por ligações fosfodiéster e assim o esqueleto do ácido nucleico é a alternância de grupos fosfato e pentoses. No caso do DNA, do lado externo da dupla hélice, ficam as pentoses e os fosfatos, carregados negativamente. Do lado interno, estão as bases nitrogenadas perpendicularmente às fitas. Dessa forma, a parte interna da dupla hélice não apresenta afinidade com a água (hidrofóbica) e a parte externa apresenta afinidade com a água (hidrofílica). A ligação entre as bases nitrogenadas, que é o que realmente faz o DNA estar numa dupla hélice, é feita por pontes de hidrogênio e de maneira complementar. Isto quer dizer que quando a base nitrogenada for a adenina numa fita, estará ligada a uma timina na outra fita, e quando for citosina em uma, será guanina na outra. Há ainda uma interação do tipo van der Waals e dipolo-dipolo entre as bases, e que promove empilhamentos (como moedas empilhadas) que estabilizam ainda mais a molécula dos ácidos nucleicos (DNA e RNA).
  • 11. 11 Esse empilhamento decorrente das características químicas das bases protege a molécula, vez que reduz a absorção dos raios UV (esse mecanismo é importante, pois os ácidos nucleicos apresentam forte absorção na faixa de comprimento de onda de 260nm) – essa redução na absorção de raios UV por conta do empilhamento das bases é chamado de efeito hipocrômico. A manutenção da molécula de DNA íntegra, em outras palavras, sua estabilidade, é importante para que não haja distúrbios fisiológicos (alterações na estrutura química do DNA das células pode causar um distúrbio cada vez mais comum e que pode levar à morte, o câncer). Mais adiante, abordaremos os mecanismos celulares envolvidos nesse processo. Além disso, a partir do carbono a que está ligado o grupo fosfato, pode-se definir duas extremidades nos ácidos nucleicos, extremidade 5’ e 3’; por convenção, a estrutura de uma fita simples de ácido nucleico é sempre escrita da extremidade 5’3’. Figura 4. Estrutura primária da dupla hélice do DNA, sendo indicadas as ligações fosfodiéster entre uma pentose e um grupo fosfato e entre bases nitrogenadas. http://www.ncbi.nlm.nih. gov:80/books/bookres.fcgi/mga/ch2f2.gif. Fonte: http://www.biomol.org/historia/propduplahelice.shtml.
  • 12. 12 Unidade: Código Genético, Controle das Atividades Celulares O segmento de DNA que possui informação para a síntese de uma proteína é chamado de gene. A sequência de bases nitrogenadas contida em um gene formará um código (químico) de sequência que determinará a sequência, o número e o tipo de aminoácidos das proteínas. Os genes estão organizados sob a forma de cromossomos, um empacotamento do DNA. O conjunto de todo os genes nos cromossomos em todas as células de um organismo é chamado genoma. Para termos ideia da quantidade de informação contida e o grau de compactação dos cromossomos em cada célula humana, se pudéssemos esticar a fita de DNA, observaríamos que todo o DNA lá contido possui extensão de 2m. Figura 5. Graus de compactação do DNA mostrando, por fim, um cromossomo metafásico. Fonte: http://www.ufv.br/dbg/genetica/cap1.htm. Para abordarmos o processo de fabricação (síntese) de proteínas, precisamos lembrar que há a participação do RNA e de organelas celulares denominadas ribossomos. O RNA pode desempenhar diferentes funções e, de acordo com a função que desempenha na célula e no processo de síntese de proteínas, pode ser denominado: • RNA ribossômico (rRNA): pode ser componente estrutural dos ribossomos - organelas que realizam a síntese proteica;
  • 13. 13 • RNA mensageiro (mRNA): carregador da informação de um ou mais genes até o ribossomo; • RNA transportador ou de transferência (tRNA): moléculas adaptadoras que traduzem fielmente a informação química contida no mRNA, numa sequência de aminoácidos. De certa forma, os tipos de RNAs exercem funções que desempenham papel intermediário no processo de síntese de proteínas. Já vimos que alguns fatores ambientais como os raios ultravioletas podem alterar a estrutura dos ácidos nucleicos. Outros fatores importantes a considerar são a temperatura e o pH. Esses fatores ambientais podem exercer papel importante na conformação da dupla hélice de DNA e na estrutura de fita simples do RNA. Em altas temperaturas e extremos de pH, as fitas se separam (desnaturam). Este processo pode ser reversível (ou não), com as fitas reencontrando-se. Essa capacidade, sobretudo do DNA, é utilizada experimentalmente como indicador de compartilhamento genético entre espécies, podendo promover mudanças nas sequências de bases nitrogenadas de um determinado DNA. Emgeral,esseprocessodealteraçãodoDNApodesergenericamentedenominadodemutação. Em experimentos controlados em laboratórios, manipulando-se a alteração da temperatura ou uma mudança brusca no pH, pode-se promover conjuntamente uma desnaturação da estrutura do DNA em distintas espécies de organismos e, ao promover sua nova estrutura (retornando aos níveis adequados de temperatura e pH), avalia-se quanto de duplas fitas híbridas foram formadas, ou seja, avalia-se quantos genes são compartilhados entre os organismos. No entanto, não são apenas distúrbios físico-químicos que causam a desnaturação do DNA. Como veremos mais adiante, ela ocorre naturalmente nas células, pois é o primeiro passo para a duplicação do material genético (replicação) e da síntese proteica (transcrição, que é a produção de mRNA). A degradação do DNA é feita por enzimas chamadas nucleases, que podem ser exonucleases ou endonucleases. As primeiras começam a degradação a partir da extremidade da fita (dupla ou simples), as segundas, a partir de seu interior. O DNA é considerado o material genético. É a molécula que armazena as “receitas” das estruturas (proteínas) que irão conferir as características morfológicas. É a molécula hereditária, transferida dos pais para os filhos. Além disso, coordena processos celulares fundamentais: • A duplicação ou replicação: processo de formação de uma nova molécula de DNA. Esse processo antecede a formação de novas células; • A transcrição: formação de uma sequência de mRNA a partir de uma sequência de bases do DNA; • A tradução: processo de síntese das proteínas.
  • 14. 14 Unidade: Código Genético, Controle das Atividades Celulares Síntese Proteica Já vimos que a relação entre estrutura e função é importante nas macromoléculas, sendo especialmente evidente nas proteínas, as quais exibem uma extraordinária diversidade de funções – costumamos utilizar o nome de efeito “chave-fechadura” para designar a característica de uma forma física estar associada a uma determinada atividade ou função das proteínas. Proteínas são os instrumentos moleculares pelos quais as informações genéticas são expressas – manifestação das informações de funcionamento dos organismos, podendo determinar características específicas dos indivíduos. Todas as proteínas, das linhagens mais antigas até os organismos mais complexos, são polímeros construídos com o mesmo conjunto de 20 aminoácidos. O número, o tipo e a sequência de aminoácidos não só determinam a proteína em si, mas também dirige o enovelamento da molécula. Portanto, irá interferir na sua função. Dessa forma, embora todas as proteínas sejam formadas por aminoácidos, podemos diferenciá-las pelo número, tipo e sequência de aminoácidos presentes. A partir da década de 1960, os pesquisadores conseguiram explicar o processo de síntese de proteínas no interior das células vivas. A síntese de proteínas é um processo complexo, chega a envolver muitas outras proteínas e moléculas: quase 300 macromoléculas diferentes estão organizadas na estrutura tridimensional do ribossomo para realizar a montagem passo a passo do peptídeo, seguindo a sequência contida no mRNA. Todo o gasto com a síntese de proteínas pode representar até 90% da energia química gasta por uma célula para todas as reações biossintetizantes. Não obstante gaste muita energia e seja complexa, a produção de proteínas é um processo rápido. Essa síntese tem início no núcleo, a partir da transcrição do DNA (formação de uma sequência de mRNA a partir de uma sequência de DNA). Observe a figura a seguir. Figura 6. Estruturas assumidas pelas proteínas. Sequência de aminoácidos é a estrutura primária; ligações do tipo pontes de hidrogênio entre os aminoácidos conformam a proteína em helicoidal, que é a estrutura secundária; sofrendo um enovelamento, dobras sobre si própria, a proteína assume a estrutura terciária e quando duas ou mais cadeias peptídicas ligam-se e se enovelam, formam a estrutura quaternária. Fonte: http://crentinho.wordpress.com/2009/03/06/as-proteinas/.
  • 15. 15 A sequência de bases nitrogenadas do DNA “carrega” informações bioquímicas para montar as proteínas. Essas informações bioquímicas são conhecidas como “Código genético”. A montagem da cadeia polipeptídica inicia-se no núcleo celular, com a formação de uma molécula de mRNA e é realizada no citoplasma, mais precisamente em estruturas chamadas ribossomos, nas quais os aminoácidos são captados. Mas como é possível identificar as bases nitrogenadas que darão início à síntese de proteínas? Qual sequência de bases nitrogenadas dá origem à sequência de aminoácidos, se as bases estão contíguas? Um conjunto de três bases do DNA denominado trinca corresponde a um determinado aminoácido na proteína. No código genético, as quatro bases do DNA alinhadas três a três vão formar um código de 64 trincas possíveis, onde 61 delas irão corresponder a aminoácidos. Essa trinca de bases do DNA que designa um aminoácido é chamada de códon no mRNA. Convém lembrar que são conhecidos somente 20 aminoácidos. Dessa forma, há mais de uma trinca que codifica um mesmo aminoácido e por isso falamos que o código genético é degenerado. As três trincas restantes serão utilizadas como pontuação, indicando o término da codificação das proteínas. Da mesma forma que há códons para informar qual aminoácido deve ser adicionado, há um códon de iniciação (sequência AUG que codifica o aminoácido metionina) que indica o início da síntese da cadeia polipeptídica e códons de terminação (sequências UAA, UAG e UGA). O mRNA carrega a informação da sequência de aminoácidos a serem conectados e se liga ao ribossomo (no caso dos eucariotos, o mRNA deixa o núcleo celular). Cada três bases nitrogenadas codificam um aminoácido. Então, para uma proteína com 100 aminoácidos, é necessário mRNA com no mínimo 300 bases nitrogenadas. Observe a figura a seguir. Fonte: http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Transcri%C3%A7%C3%A3o_de_DNA.svg. Figura 7. Ilustração da transcrição (produção de do mRNA a partir de uma sequência de DNA).
  • 16. 16 Unidade: Código Genético, Controle das Atividades Celulares Um mesmo aminoácido pode ser codificado por diferentes códons e, em geral, a diferença entre os códons para um mesmo aminoácido está no terceiro nucleotídeo. Ou seja, os dois primeiros nucleotídeos são determinantes, e isto confere ao processo de tradução agilidade sem perder fidelidade, porque ao ser mais fraca a ligação no terceiro nucleotídeo, mais fácil é a dissociação do polipeptídeo do tRNA, que é a molécula que traduz a informação do mRNA em aminoácidos (a molécula de tRNA é chamada anticódon, vez que é a sequência complementar do códon, um contramolde). O sentido do processo de tradução é na direção 5’3’ e esta fase de adição de aminoácidos é chamada de alongamento. Ainda na fase de alongamento, o ribossomo desloca-se no sentido da extremidade 3’ do mRNA, procedendo à tradução do próximo códon e ligação do aminoácido (movimento chamado de translocação). Depois de acrescidos todos os aminoácidos, o códon de terminação sinaliza o fim da síntese proteica. Como nas outras etapas da síntese, há outras moléculas envolvidas que farão a liberação do polipeptídeo do tRNA (fatores de liberação ou terminação). Nem sempre as proteínas estão já em sua forma ativa ao deixarem o ribossomo e, portanto, devem sofrer modificações pós-traducionais. Essas modificações podem envolver mudanças químicas na cadeia peptídica de modo a modificar a interação entre os aminoácidos e consequentemente sua estrutura ou ainda a adição de outros grupos de moléculas, como açúcares, por exemplo. Após estar funcional, a proteína é então direcionada para o local onde atuará (formas de endereçamento das proteínas podem ser sequências peptídicas na porção aminoterminal das proteínas, açúcares ligados a elas ou ainda sua própria estrutura tridimensional). Podemos resumir a síntese proteica nas seguintes etapas: I. Ativação dos aminoácidos: aminoácidos se ligam a tRNAs específicos no citoplasma; II. Iniciação: mRNA se liga ao ribossomo – na outra parte constituinte do ribossomo. Pareamento com o códon AUG, de iniciação. Processo complexo, ligação a porções específicas do ribossomo (fatores de iniciação); III. Alongamento da cadeia: fase de adição de cada aminoácido, sendo carregado por seu tRNA e ligado à cadeia por uma ligação covalente; IV. Terminação e liberação: quando chega o códon de terminação é parado o processo de alongamento, o mRNA é desconectado do ribossomo e o polipeptídeo liberado; V. Enrolamento e processamento: o polipeptídeo pode sofrer algumas modificações pós- traducionais para chegar à sua forma funcional (enrolamento na sua conformação tridimensional e/ou adição de grupos).
  • 17. 17 Veja a figura a seguir. Fonte: http://viveromundohoje.blogspot.com.br/2009/11/traducao-do-mrna.html. Figura 8. Síntese proteica a partir do momento em que o mRNA está conectado à subunidade menor do ribossomo.
  • 18. 18 Unidade: Código Genético, Controle das Atividades Celulares Material Complementar Para aprofundar seus estudos, consulte e leia a atentamente o material presente nos seguintes links: • http://www.ib.usp.br/sti/evosite/evo101/IIE2aOriginoflife.shtml • http://www.ib.usp.br/sti/evosite/evo101/IIE2bDetailsoforigin.shtml • http://www.ib.usp.br/sti/evosite/evo101/IIE2bStudyorigins.shtml • http://docentes.esalq.usp.br/luagallo/aminoacidos%20e%20proteinas2012.htm Assista, também, ao vídeo ilustrando a síntese proteica em célula eucariótica, disponível em: • https://www.youtube.com/watch?v=P5fm3He_pds
  • 19. 19 Referências ALBERTS, B. et al. Fundamentos da biologia celular. 3.ed. Porto Alegre: ArtMed, 2011. AMABIS, J. M.; MARTHOGR. Biologia. v.1. 3.ed.São Paulo, Moderna, 2009. LEHNINGER, A. L.; Nelson, D. L.; Cox, M. M. Princípios de bioquímica. 2.ed. São Paulo: Sarvier, 1995. ZAIA, D. A. M.; ZAIA, C. T. B. V. 2008. Algumas controvérsias sobre a origem da vida. Química Nova, v. 31, n°. 6, p. 1599-602. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/qn/v31n6/ a54v31n6.pdf.
  • 20. 20 Unidade: Código Genético, Controle das Atividades Celulares Anotações
  • 21. www.cruzeirodosulvirtual.com.br Campus Liberdade Rua Galvão Bueno, 868 CEP 01506-000 São Paulo SP Brasil Tel: (55 11) 3385-3000