SlideShare uma empresa Scribd logo
GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Diretoria de Vigilância Epidemiológica Cobertura Vacinal com Boas Práticas de Vacinação e Perfil das Salas de Vacinas dos Municípios da 8ª. DIRES (Públicas e Privadas)
GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Diretoria de Vigilância Epidemiológica É o conjunto de técnicas e rotinas pertinentes à vacinação que compreendem: Organização Manutenção da Sala de Vacinação Equipamentos  Vacinação  Notificação de Eventos Adversos Pós-Vacinais Registro em Cartões-Controle  Cartão de Vacinação Envio dos Dados  Informações  Gestão   Conservação dos Imunobiológicos  Gerenciamento de Resíduos Sólidos
GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Diretoria de Vigilância Epidemiológica A Lei Orgânica da Saúde nº.8.080, de 19 de setembro de 1990, conceitua a Vigilância Epidemiológica: o conjunto de ações que proporciona o conhecimento, a detecção ou prevenção de qualquer mudança nos fatores determinantes e condicionantes de saúde individual ou coletiva  com a finalidade de recomendar e adotar as medidas de prevenção e controle das doenças ou agravos. 
GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Diretoria de Vigilância Epidemiológica O Sistema de AvaliaçãodoPNI,possibilita a avaliação do Programa, em todas as instâncias: por faixa etária  por imunobiológico  emitindo relatórios de:      doses aplicadas                cobertura vacinal     taxa de abandono                                                                                                               homogeneidade de cobertura por Município ferramentas para validação dos dados coletados, mediante a verificação sistemática da integração das bases de dados.   
GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Diretoria de Vigilância Epidemiológica ,[object Object],[object Object]
GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Diretoria de Vigilância Epidemiológica Destacamos a Portaria nº3.252, de 22 de dezembro de 2009: Seção IV – Das Competências dos Municípios: I - promoção, proteção e recuperação da saúde da população;
IMUNOBIOLÓGICOS GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Diretoria de Vigilância Epidemiológica São produtos termolábeis, isto é, se deterioram depois de determinado tempo quando expostos a temperaturas inadequadas (inativação dos componentes imunogênicos). O manuseio inadequado, equipamentos com defeito ou falta de energia elétrica podem interromper o processo de refrigeração, comprometendo a potência e eficácia dos imunobiológicos.
GOVERNO DO ESTADO DA BAHIASecretaria da Saúde do Estado da BahiaDiretoria de Vigilância Epidemiológica ,[object Object],1- Manual de Procedimentos para Vacinação (em reformulação) 2- Manual de Normas de Vacinação (em reformulação) 3- Rede de Frio 4- Vigilância de Eventos Adversos Pós-Vacinação 5- Centro de Referência de Imunobiológicos Especiais  6- Calendário Oficial de Vacinação do Ministério da Saúde       afixado em local visível (www.saude.gov/svs  - Publicações – Imunizações)
GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Diretoria de Vigilância Epidemiológica REDE DE FRIO ,[object Object],armazenamento, conservação, manipulação, distribuição e transporte dos imunobiológicos   do PNI.
Rede de Frio GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Diretoria de Vigilância Epidemiológica Objetivo:  assegurar que todos os imunobiológicos mantenham suas características iniciais, para conferir imunidade
GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Diretoria de Vigilância Epidemiológica
Cobertura vacinal com boas práticas de vacinação e perfil das salas de vacinas dos municípios

Mais conteúdo relacionado

Destaque

História das Vacinas
História das VacinasHistória das Vacinas
História das Vacinas
Gabriela Bruno
 
dtp
dtp dtp
Guiadevacinas
GuiadevacinasGuiadevacinas
Guiadevacinas
suzana8000
 
DTP assignment
DTP assignmentDTP assignment
DTP assignment
Beth Sockman
 
Ict in publishing ca
Ict in publishing caIct in publishing ca
Ict in publishing ca
MISY
 
Dtp Basics And Design Rules
Dtp Basics And Design RulesDtp Basics And Design Rules
Dtp Basics And Design Rules
Sutinder Mann
 
Desk top publishing
Desk top publishingDesk top publishing
Boas práticas de manejo na Vacinação
Boas práticas de manejo na VacinaçãoBoas práticas de manejo na Vacinação
Boas práticas de manejo na Vacinação
Portal Canal Rural
 
Aina power point
Aina power pointAina power point
Aina power point
izzamarimayor
 
Conservação e técnicas de aplicação de vacinas
Conservação e técnicas de aplicação de vacinasConservação e técnicas de aplicação de vacinas
Conservação e técnicas de aplicação de vacinas
Maria Aparecida Bonfim
 

Destaque (10)

História das Vacinas
História das VacinasHistória das Vacinas
História das Vacinas
 
dtp
dtp dtp
dtp
 
Guiadevacinas
GuiadevacinasGuiadevacinas
Guiadevacinas
 
DTP assignment
DTP assignmentDTP assignment
DTP assignment
 
Ict in publishing ca
Ict in publishing caIct in publishing ca
Ict in publishing ca
 
Dtp Basics And Design Rules
Dtp Basics And Design RulesDtp Basics And Design Rules
Dtp Basics And Design Rules
 
Desk top publishing
Desk top publishingDesk top publishing
Desk top publishing
 
Boas práticas de manejo na Vacinação
Boas práticas de manejo na VacinaçãoBoas práticas de manejo na Vacinação
Boas práticas de manejo na Vacinação
 
Aina power point
Aina power pointAina power point
Aina power point
 
Conservação e técnicas de aplicação de vacinas
Conservação e técnicas de aplicação de vacinasConservação e técnicas de aplicação de vacinas
Conservação e técnicas de aplicação de vacinas
 

Semelhante a Cobertura vacinal com boas práticas de vacinação e perfil das salas de vacinas dos municípios

PNI - Programa Nacional de ImunizaçõEs.pptx
PNI - Programa Nacional de ImunizaçõEs.pptxPNI - Programa Nacional de ImunizaçõEs.pptx
PNI - Programa Nacional de ImunizaçõEs.pptx
taliso
 
2018.2.manual_procedimentos_vacinacao publicado 2014.pdf
2018.2.manual_procedimentos_vacinacao publicado 2014.pdf2018.2.manual_procedimentos_vacinacao publicado 2014.pdf
2018.2.manual_procedimentos_vacinacao publicado 2014.pdf
LETICIABARROSCAMARGO
 
2018.2.manual_procedimentos_vacinacao publicado 2014.pdf
2018.2.manual_procedimentos_vacinacao publicado 2014.pdf2018.2.manual_procedimentos_vacinacao publicado 2014.pdf
2018.2.manual_procedimentos_vacinacao publicado 2014.pdf
LETICIABARROSCAMARGO
 
Manual procedimentos vacinacao
Manual procedimentos vacinacaoManual procedimentos vacinacao
Manual procedimentos vacinacao
mariojosepereiraneto1
 
2018.2.manual_procedimentos_vacinacao publicado 2014.pdf
2018.2.manual_procedimentos_vacinacao publicado 2014.pdf2018.2.manual_procedimentos_vacinacao publicado 2014.pdf
2018.2.manual_procedimentos_vacinacao publicado 2014.pdf
LETICIABARROSCAMARGO
 
2018.2.manual_procedimentos_vacinacao publicado 2014.pdf
2018.2.manual_procedimentos_vacinacao publicado 2014.pdf2018.2.manual_procedimentos_vacinacao publicado 2014.pdf
2018.2.manual_procedimentos_vacinacao publicado 2014.pdf
LETICIABARROSCAMARGO
 
RDC nº 216 de Setembro de 2004.pdf
RDC nº 216 de Setembro de 2004.pdfRDC nº 216 de Setembro de 2004.pdf
RDC nº 216 de Setembro de 2004.pdf
wagnerdelimagoncalve
 
Apresentação+portaria+3252 09
Apresentação+portaria+3252 09Apresentação+portaria+3252 09
Apresentação+portaria+3252 09
enfagilcimara
 
Manual de normas e procedimentos de vacinacao_2014
Manual de normas e procedimentos de vacinacao_2014Manual de normas e procedimentos de vacinacao_2014
Manual de normas e procedimentos de vacinacao_2014
Ismael Costa
 
Manual de normas e procedimentos para vacinação 2014
Manual de normas e procedimentos para vacinação 2014Manual de normas e procedimentos para vacinação 2014
Manual de normas e procedimentos para vacinação 2014
José Ripardo
 
Manual procedimentos 2014 (2)
Manual procedimentos 2014 (2)Manual procedimentos 2014 (2)
Manual procedimentos 2014 (2)
Carina Araki de Freitas
 
Portaria nº 1.378, de 9 de julho de 2013
Portaria nº 1.378, de 9 de julho de 2013Portaria nº 1.378, de 9 de julho de 2013
Portaria nº 1.378, de 9 de julho de 2013
cmspg
 
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mag...
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mag...Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mag...
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mag...
Proqualis
 
Erro de Imunização: um evento adverso evitável
Erro de Imunização: um evento adverso evitávelErro de Imunização: um evento adverso evitável
Resolução anvisa 216
Resolução anvisa  216Resolução anvisa  216
Resolução anvisa 216
Evailson Santos
 
Vigilância sanitária: Proteção e Defesa da Saúde
Vigilância sanitária: Proteção e Defesa da SaúdeVigilância sanitária: Proteção e Defesa da Saúde
Vigilância sanitária: Proteção e Defesa da Saúde
Aillyn F. Bianchi, Faculdade de Medicina - UNIC
 
Manual de..procedimentos vacinas
Manual de..procedimentos vacinasManual de..procedimentos vacinas
Manual de..procedimentos vacinas
Rosimeire Areias
 
Rdc anvisa 49 13
Rdc anvisa 49 13Rdc anvisa 49 13
Rdc anvisa 49 13
visa-campos
 
Eventos Adversos Pós-vacinação
Eventos Adversos Pós-vacinaçãoEventos Adversos Pós-vacinação
Manual doencas transmitidas_por_alimentos_pdf
Manual doencas transmitidas_por_alimentos_pdfManual doencas transmitidas_por_alimentos_pdf
Manual doencas transmitidas_por_alimentos_pdf
Lidiane Martins
 

Semelhante a Cobertura vacinal com boas práticas de vacinação e perfil das salas de vacinas dos municípios (20)

PNI - Programa Nacional de ImunizaçõEs.pptx
PNI - Programa Nacional de ImunizaçõEs.pptxPNI - Programa Nacional de ImunizaçõEs.pptx
PNI - Programa Nacional de ImunizaçõEs.pptx
 
2018.2.manual_procedimentos_vacinacao publicado 2014.pdf
2018.2.manual_procedimentos_vacinacao publicado 2014.pdf2018.2.manual_procedimentos_vacinacao publicado 2014.pdf
2018.2.manual_procedimentos_vacinacao publicado 2014.pdf
 
2018.2.manual_procedimentos_vacinacao publicado 2014.pdf
2018.2.manual_procedimentos_vacinacao publicado 2014.pdf2018.2.manual_procedimentos_vacinacao publicado 2014.pdf
2018.2.manual_procedimentos_vacinacao publicado 2014.pdf
 
Manual procedimentos vacinacao
Manual procedimentos vacinacaoManual procedimentos vacinacao
Manual procedimentos vacinacao
 
2018.2.manual_procedimentos_vacinacao publicado 2014.pdf
2018.2.manual_procedimentos_vacinacao publicado 2014.pdf2018.2.manual_procedimentos_vacinacao publicado 2014.pdf
2018.2.manual_procedimentos_vacinacao publicado 2014.pdf
 
2018.2.manual_procedimentos_vacinacao publicado 2014.pdf
2018.2.manual_procedimentos_vacinacao publicado 2014.pdf2018.2.manual_procedimentos_vacinacao publicado 2014.pdf
2018.2.manual_procedimentos_vacinacao publicado 2014.pdf
 
RDC nº 216 de Setembro de 2004.pdf
RDC nº 216 de Setembro de 2004.pdfRDC nº 216 de Setembro de 2004.pdf
RDC nº 216 de Setembro de 2004.pdf
 
Apresentação+portaria+3252 09
Apresentação+portaria+3252 09Apresentação+portaria+3252 09
Apresentação+portaria+3252 09
 
Manual de normas e procedimentos de vacinacao_2014
Manual de normas e procedimentos de vacinacao_2014Manual de normas e procedimentos de vacinacao_2014
Manual de normas e procedimentos de vacinacao_2014
 
Manual de normas e procedimentos para vacinação 2014
Manual de normas e procedimentos para vacinação 2014Manual de normas e procedimentos para vacinação 2014
Manual de normas e procedimentos para vacinação 2014
 
Manual procedimentos 2014 (2)
Manual procedimentos 2014 (2)Manual procedimentos 2014 (2)
Manual procedimentos 2014 (2)
 
Portaria nº 1.378, de 9 de julho de 2013
Portaria nº 1.378, de 9 de julho de 2013Portaria nº 1.378, de 9 de julho de 2013
Portaria nº 1.378, de 9 de julho de 2013
 
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mag...
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mag...Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mag...
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mag...
 
Erro de Imunização: um evento adverso evitável
Erro de Imunização: um evento adverso evitávelErro de Imunização: um evento adverso evitável
Erro de Imunização: um evento adverso evitável
 
Resolução anvisa 216
Resolução anvisa  216Resolução anvisa  216
Resolução anvisa 216
 
Vigilância sanitária: Proteção e Defesa da Saúde
Vigilância sanitária: Proteção e Defesa da SaúdeVigilância sanitária: Proteção e Defesa da Saúde
Vigilância sanitária: Proteção e Defesa da Saúde
 
Manual de..procedimentos vacinas
Manual de..procedimentos vacinasManual de..procedimentos vacinas
Manual de..procedimentos vacinas
 
Rdc anvisa 49 13
Rdc anvisa 49 13Rdc anvisa 49 13
Rdc anvisa 49 13
 
Eventos Adversos Pós-vacinação
Eventos Adversos Pós-vacinaçãoEventos Adversos Pós-vacinação
Eventos Adversos Pós-vacinação
 
Manual doencas transmitidas_por_alimentos_pdf
Manual doencas transmitidas_por_alimentos_pdfManual doencas transmitidas_por_alimentos_pdf
Manual doencas transmitidas_por_alimentos_pdf
 

Mais de Lucas Matos

Seminario nasf revisado 25 03-13
Seminario nasf revisado 25 03-13Seminario nasf revisado 25 03-13
Seminario nasf revisado 25 03-13
Lucas Matos
 
Seminario nasf revisado 25 03-13
Seminario nasf revisado 25 03-13Seminario nasf revisado 25 03-13
Seminario nasf revisado 25 03-13
Lucas Matos
 
Apresentação videoconfeência ciclo de oficinas
Apresentação videoconfeência ciclo de oficinasApresentação videoconfeência ciclo de oficinas
Apresentação videoconfeência ciclo de oficinas
Lucas Matos
 
Indicadores viep 1° semestre 2011 cms
Indicadores viep 1° semestre 2011 cmsIndicadores viep 1° semestre 2011 cms
Indicadores viep 1° semestre 2011 cms
Lucas Matos
 
Mundo novo cartografia
Mundo novo cartografiaMundo novo cartografia
Mundo novo cartografia
Lucas Matos
 
Programa de imunização
Programa de imunizaçãoPrograma de imunização
Programa de imunização
Lucas Matos
 
Projeto linhas de cuidado
Projeto linhas de cuidadoProjeto linhas de cuidado
Projeto linhas de cuidado
Lucas Matos
 
Rede materno infantil - Rede Cegonha Bahia
Rede materno infantil - Rede Cegonha BahiaRede materno infantil - Rede Cegonha Bahia
Rede materno infantil - Rede Cegonha Bahia
Lucas Matos
 
Ldb 9394 - 20 de Dezembro 1996 - Lucas Matos e Souza - IFBA 2009
Ldb 9394 - 20 de Dezembro 1996 - Lucas Matos e Souza - IFBA 2009Ldb 9394 - 20 de Dezembro 1996 - Lucas Matos e Souza - IFBA 2009
Ldb 9394 - 20 de Dezembro 1996 - Lucas Matos e Souza - IFBA 2009
Lucas Matos
 
Correntes Matematicas Formalismo
Correntes Matematicas   FormalismoCorrentes Matematicas   Formalismo
Correntes Matematicas Formalismo
Lucas Matos
 

Mais de Lucas Matos (10)

Seminario nasf revisado 25 03-13
Seminario nasf revisado 25 03-13Seminario nasf revisado 25 03-13
Seminario nasf revisado 25 03-13
 
Seminario nasf revisado 25 03-13
Seminario nasf revisado 25 03-13Seminario nasf revisado 25 03-13
Seminario nasf revisado 25 03-13
 
Apresentação videoconfeência ciclo de oficinas
Apresentação videoconfeência ciclo de oficinasApresentação videoconfeência ciclo de oficinas
Apresentação videoconfeência ciclo de oficinas
 
Indicadores viep 1° semestre 2011 cms
Indicadores viep 1° semestre 2011 cmsIndicadores viep 1° semestre 2011 cms
Indicadores viep 1° semestre 2011 cms
 
Mundo novo cartografia
Mundo novo cartografiaMundo novo cartografia
Mundo novo cartografia
 
Programa de imunização
Programa de imunizaçãoPrograma de imunização
Programa de imunização
 
Projeto linhas de cuidado
Projeto linhas de cuidadoProjeto linhas de cuidado
Projeto linhas de cuidado
 
Rede materno infantil - Rede Cegonha Bahia
Rede materno infantil - Rede Cegonha BahiaRede materno infantil - Rede Cegonha Bahia
Rede materno infantil - Rede Cegonha Bahia
 
Ldb 9394 - 20 de Dezembro 1996 - Lucas Matos e Souza - IFBA 2009
Ldb 9394 - 20 de Dezembro 1996 - Lucas Matos e Souza - IFBA 2009Ldb 9394 - 20 de Dezembro 1996 - Lucas Matos e Souza - IFBA 2009
Ldb 9394 - 20 de Dezembro 1996 - Lucas Matos e Souza - IFBA 2009
 
Correntes Matematicas Formalismo
Correntes Matematicas   FormalismoCorrentes Matematicas   Formalismo
Correntes Matematicas Formalismo
 

Cobertura vacinal com boas práticas de vacinação e perfil das salas de vacinas dos municípios

  • 1. GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Diretoria de Vigilância Epidemiológica Cobertura Vacinal com Boas Práticas de Vacinação e Perfil das Salas de Vacinas dos Municípios da 8ª. DIRES (Públicas e Privadas)
  • 2. GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Diretoria de Vigilância Epidemiológica É o conjunto de técnicas e rotinas pertinentes à vacinação que compreendem: Organização Manutenção da Sala de Vacinação Equipamentos Vacinação Notificação de Eventos Adversos Pós-Vacinais Registro em Cartões-Controle Cartão de Vacinação Envio dos Dados Informações Gestão Conservação dos Imunobiológicos Gerenciamento de Resíduos Sólidos
  • 3. GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Diretoria de Vigilância Epidemiológica A Lei Orgânica da Saúde nº.8.080, de 19 de setembro de 1990, conceitua a Vigilância Epidemiológica: o conjunto de ações que proporciona o conhecimento, a detecção ou prevenção de qualquer mudança nos fatores determinantes e condicionantes de saúde individual ou coletiva com a finalidade de recomendar e adotar as medidas de prevenção e controle das doenças ou agravos. 
  • 4. GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Diretoria de Vigilância Epidemiológica O Sistema de AvaliaçãodoPNI,possibilita a avaliação do Programa, em todas as instâncias: por faixa etária por imunobiológico emitindo relatórios de: doses aplicadas cobertura vacinal taxa de abandono homogeneidade de cobertura por Município ferramentas para validação dos dados coletados, mediante a verificação sistemática da integração das bases de dados.   
  • 5.
  • 6. GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Diretoria de Vigilância Epidemiológica Destacamos a Portaria nº3.252, de 22 de dezembro de 2009: Seção IV – Das Competências dos Municípios: I - promoção, proteção e recuperação da saúde da população;
  • 7. IMUNOBIOLÓGICOS GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Diretoria de Vigilância Epidemiológica São produtos termolábeis, isto é, se deterioram depois de determinado tempo quando expostos a temperaturas inadequadas (inativação dos componentes imunogênicos). O manuseio inadequado, equipamentos com defeito ou falta de energia elétrica podem interromper o processo de refrigeração, comprometendo a potência e eficácia dos imunobiológicos.
  • 8.
  • 9.
  • 10. Rede de Frio GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Diretoria de Vigilância Epidemiológica Objetivo: assegurar que todos os imunobiológicos mantenham suas características iniciais, para conferir imunidade
  • 11. GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Diretoria de Vigilância Epidemiológica