SlideShare uma empresa Scribd logo
O NASF foi criado através da Portaria
Ministerial nº 154 de 24 de janeiro de 2008.
Porto Seguro foi contemplado com o NASF
em Outubro de 2008
CONSTITUIÇÃO E ORGANIZAÇÃO
DO NASF
REABILITAÇÃO: Fisioterapeuta
PEDIATRIA: Pediatra
GINECOLOGIA: Ginecologista
NUTRIÇÃO: Nutricionista
SERVIÇO SOCIAL: Assistente social
ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA: Farmacêutico
SAÚDE MENTAL: Psicólogo
Baseado nas Diretrizes da Portaria 154/2008 do Ministério da Saúde
2008 a 2009
CONSTITUIÇÃO E ORGANIZAÇÃO
DO NASF
REABILITAÇÃO: Fisioterapeuta
NUTRIÇÃO: Nutricionista
SERVIÇO SOCIAL: Assistente Social
ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA: Farmacêutico
SAÚDE MENTAL: Psicólogo
Baseado nas Diretrizes da Portaria 154/2008 do Ministério da Saúde
2010 a 2012
ATENÇÃO BÁSICA
26 Unidades de Saúde
24 Unidades de Saúde da Família
33 Equipes de Saúde da Família
05 Equipes EACS
23 Equipes de Saúde Bucal
03 Equipes de Saúde Indígena
04 equipes do Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF)
OBS: Atualmente 90% do Município é coberto pelo NASF
ÁREA GEOGRÁFICA DE ATUAÇÃO TOTAL DE UNIDADES, EQUIPES
E FUNCIONÁRIOS
POPULAÇÃO ESTIMADA
NASF - I
CENTRO
06 Unidades
10 Equipes
Aproximadamente 163 servidores
34.167
NASF - II
BAIANÃO
06 Unidades
09 Equipes
Aproximadamente 160 servidores
38.769
NASF - III
ARRAIAL
07 Unidades
11 Equipes
Aproximadamente 132 servidores
23.181
NASF - IV
RURAL
06 Unidades
08 Equipes
4 Assentamentos
Aproximadamente 101 servidores
14.564
TERRITÓRIOS DE ATUAÇÃO
MEDIDAS QUE CONTRIBUIRIAM
PARA MAIOR ÊXITO DO NASF
 Ter referência das categorias que compõem o NASF e que a mesma atenda
a demanda do município;
 Selecionar profissionais que tenham perfil para atuar no NASF;
 Aplicar a verba destinada ao NASF exclusivamente ao programa;
 Sala própria com infraestrutura por NASF.
PLANEJAMENTO DO NASF
PRIMEIRO MOMENTO :
 Apresentar a equipe e a proposta do NASF por ESF
 Iniciar as atividades priorizando a Equipe de Saúde da Família através de
uma escuta de qualidade .
 Participar ou resgatar as reuniões semanais da ESF
SEGUNDO MOMENTO :
 Apresentar a proposta do NASF para os atores sociais do território e do
Município .
DETERMINANTES POSITIVOS
 Estratégia de manutenção do acolhimento e fortalecimento do vínculo
com as Equipes de Saúde da Família ;
 Consolidação da parceria entre NASF, ESF e forte apoio por parte dos
ACS;
 Utilização de instrumento de registro das atividades realizadas criado pelo
NASF;
 Parceria e acolhida dos aparatos sociais da comunidade (Escolas, Igrejas ,
Associações e Projetos Sociais);
 Implantação de grupos em consonância com a Política Nacional e com o Pacto
de Gestão;
 Empenho e dedicação dos profissionais do NASF, que produz os materiais
com equipamentos particulares e em casa.
DETERMINANTES NEGATIVOS
 Espaço físico precário da maioria das unidades;
 Ausência de material didático para as capacitações realizadas;
 Falta de um cronograma de atividades da Atenção Básica;
 Falha de comunicação entre os setores da SMS;
 Distância entre as unidades;
DETERMINANTES NEGATIVOS
 Demora do retorno quanto as solicitações referentes a aquisição de gêneros
alimentícios;
 Falta de uma sede própria;
 Rotatividade dos profissionais da Saúde;
 Ausência do retorno quanto a medida para resolver a questão do deslocamento
dos profissionais às USF;
 Suspensão do incentivo salarial.
PROMOÇÃO DA SAÚDE
Não é de responsabilidade exclusiva do setor de
saúde, sendo necessária uma atuação
intersetorial e interdisciplinar.
Multiprofissional
Interdisciplinar Transdisciplinar
INTERDISCIPLINARIDADE
Assistência
ao Usuário
Educação
Permanente
Atenção Domiciliar
Atenção Individual
Atividade Coletiva
Reuniões
Articulação entre educação e
trabalho no SUS
Eixos de Trabalho que norteiam o NASF
METODOLOGIA
REUNIÕES
 Com as Equipes da Saúde da Família;
 Por NASF;
 Com os Profissionais das Equipes dos NASF’s e por categoria – Mensal;
 Com a Atenção Básica/CDRH/Diretores/SMS – Trimestral.
EIXOS ESTRUTURANTES
CAPACITAÇÕES E EDUCAÇÃO
PERMANENTE
 Cuidado com o cuidador;
 Cuidados básicos com os medicamentos;
 Tuberculose e hanseníase;
 Alimentação X Patologia;
 Saúde mental;
 Correção postural;
 Acidente vascular cerebral.
CAPACITAÇÃO
E
EDUCAÇÃO
PERMANENTE
 Bolsa Família;
 Capacitação para os ACS sobre a atuação do Assistente Social conforme
as variadas políticas públicas do município ( NASF / CRAS );
 Benefício previdenciário e assistencial;
 Ação estratégica para implementação do programa de sulfato ferroso,
ácido fólico e vitamina A;
 Grupo de estudo permanente nas USF.
CAPACITAÇÕES E EDUCAÇÃO
PERMANENTE
CAPACITAÇÃO
E
EDUCAÇÃO
PERMANENTE
 Políticas Públicas;
 Caminhada contra a violência e pela paz;
 Caminhada com Hiperdia e monitoramento fisioterápico;
 Academia de saúde com ESF, ACS e população;
 Sala de espera com temas relacionados ao calendário do Ministério da Saúde
e programas de saúde ;
 Capacitação dos auxiliares das farmácias;
CAPACITAÇÕES E EDUCAÇÃO
PERMANENTE
CAPACITAÇÃO
E
EDUCAÇÃO
PERMANENTE
DROGAS NA ADOLESCÊNCIA
AÇÃO EXITOSA - NASF ARRAIAL
CAPACITAÇÃO
E EDUCAÇÃO
PERMANENTE
ATENDIMENTO EM GRUPO PARA A
POPULAÇÃO
 Grupo permanente de gestante;
 Grupo permanente de Hiperdia;
 Elaboração de projeto terapêutico singular (PTS);
 Palestra sobre sexualidade;
 Bolsa Família;
 Grupo de planejamento familiar. ATENDIMENTO EM
GRUPO PARA A
POPULAÇÃO
AÇÃO EXITOSA – NASF CENTRO
MUTIRÃO HIPERDIA
Cadastramento dos usuários no
programa HIPERDIA da área do
PACS MIRAPORTO.
ATENDIMENTO EM
GRUPO PARA A
POPULAÇÃO
Ação realizada para o planejamento familiar, preparatória para esterilização
definitiva (atividade permanente).
Público alcançado de 2010 À 2011 : 50 pessoas realizaram a cirurgia, sendo 45
mulheres e 05 homens. Redução em 60% do índice de gravidez e aumento em
50% no número de exame preventivo.
Público alcançado em 2012: 55 pessoas realizaram a cirurgia, sendo 48 mulheres
e 07 homens.
ATENDIMENTO EM
GRUPO PARA A
POPULAÇÃO
AÇÃO EXITOSA – NASF BAIANÃO
AÇÃO EXITOSA - NASF RURAL
AÇÃO INTERDISCIPLINAR EM ASSENTAMENTOS
ATENDIMENTO EM
GRUPO PARA A
POPULAÇÃO
AÇÃO EXITOSA - NASF RURAL
AÇÃO INTERDISCIPLINAR EM ASSENTAMENTOS
ATENDIMENTO EM
GRUPO PARA A
POPULAÇÃO
MOTIVACIONAL
 Ação comemorativa ao dia dos Agentes Comunitários de Saúde (ACS);
 Encerramento do ano com apresentação de oficinas realizadas pelas equipes:
Atuação do NASF aos olhos da equipe;
 Relacionamento interpessoal com as equipes e entre os servidores das
equipes;
 Confecção e entrega de cartão de natal a todos os membros das equipes de
saúde, aos NASFs e Secretaria Municipal de Saúde;
 Ação comemorativa ao dia do enfermeiro;
 Festa de São João com participação dos idosos da comunidade;
MOTIVACIONAL
AÇÃO EXITOSA – NASF BAIANÃO
ACOLHIMENTO PEDAGÓGICO
 Fórum de Debates : higiene e sua intersetorialidade;
 Caminhada intersetorial de sensibilização sobre higiene;
 Busca ativa de medicamentos com prazo de validade expirados, mal
acondicionados e sem orientação adequada;
 Questionário realizados pela ESF no boqueirão acerca do destino do lixo,
coleta e responsabilidade dos moradores;
 Orientação sobre noções básicas de higiene e o perigo do foco de dengue;
 Co- gestão - Acolhimento pedagógico.
MOTIVACIONAL
ACOLHIMENTO PEDAGÓGICO
MOTIVACIONAL
FORTALECIMENTO NASF E REDE SOCIAL
 Palestra para grupo de gestantes (CRAS);
 Palestra sobre planejamento familiar para pais;
 Palestra sobre educação doméstica;
 Palestras nas escolas sobre sexualidade;
 Participação no projeto Sementinha (Alimentação alternativa);
 Proposta de intervenção educacional para os educadores;
 Palestra sobre alimentação saudável (Gibi do Fome Zero);
 Palestra sobre auto cuidado para mães de alunos;
 Mini-Seminário: Violência na infância e adolescência;.
FORTALECIMENTO
NASF E
REDE SOCIAL
AÇÃO EXITOSA – NASF CENTRO
AÇÃO PSE : Colégio Municipal Pd.José de
Anchieta.
REALIZADO : Antropometria, Aferição de PA ,
Triagem de Acuidade Visual e atividades Educativas
sobre Promoção à Saúde em 100% dos alunos
matriculados.
FORTALECIMENTO
NASF E
REDE SOCIAL
AÇÃO EXITOSA – NASF RURAL
Pindorama
FORTALECIMENTO
NASF E
REDE SOCIAL
AÇÃO EXITOSA –NASF RURAL
Pindorama
FORTALECIMENTO
NASF E
REDE SOCIAL
AÇÃO EXITOSA - NASF ARRAIAL
ENFRENTAMENTO DE ABUSO E EXPLORAÇAO SEXUAL
FORTALECIMENTO
NASF E
REDE SOCIAL
PROJETO TERAPÊUTICO SINGULAR
PROJETO
TERAPÊUTICO
SINGULAR
Após visita domiciliar ou consulta individualizada e/ou consulta interdisciplinar, a
equipe do NASF junto com a Equipe de Saúde da Família avaliam a realização do
Projeto Terapêutico Singular (PTS) e sua inicialização;
"O PTS é um conjunto de propostas de condutas terapêuticas articuladas, para
um sujeito individual ou coletivo, resultado da discussão coletiva de uma equipe
interdisciplinar, com apoio matricial, se necessário."
Cinco momentos:
Diagnóstico;
Definição de metas;
Divisão de responsabilidades;
Monitoramento;
Reavaliação.
ATIVIDADE INDIVIDUAL
POR CATEGORIA / VISITA
DOMICILIAR
ATIVIDADE
INDIVIDUAL
POR CATEGORIA /
VISITA DOMICILIAR
 Agente Comunitário de Saúde visita a família, identifica a demanda e informa
ao enfermeiro;
 O enfermeiro (ESF) avalia a necessidade de atendimento ou visita
domiciliar de outros profissionais e/ou NASF;
 O atendimento se faz por categoria ou pela equipe dependendo
da necessidade com orientação ao usuário e a família;
 De acordo com a necessidade, o NASF encaminha para devidas providências
ou inicia PTS(ação conjunta:ESF/NASF/ Referência / Rede Social, dentre
outros).
SUGESTÕES E NECESSIDADES
 Retorno das reuniões mensais que eram agendadas pela Atenção Básica
com todos os NASF do município para troca de experiência e fortalecimento
da proposta de trabalho;
 Focar maior integração de médicos, odontólogos e enfermeiros às ações
dos NASF;
 Manter a divulgação do NASF para a comunidade como uma estratégia
fortalecedora da Atenção Básica e, por conseguinte da Secretaria de Saúde
do Município;
 Elaboração de um projeto de educação permanente, coordenado pelo
CDRH/ NEPS, para estudo teórico de temas transversais e estudo de caso
para todos os membros do NASF do município com encontros mensais no
auditório da SMS, visando à capacitação e o fortalecimento do programa.
 Verba para lanche nas capacitações;
 Cota de xerox;
 Jalecos para identificação dos profissionais e do programa;
 Materiais para oficinas;
 Máquina fotográfica / Filmadora;
 Aparelho de Data Show;
 Notebook ;
 Aparelho de som portátil;
 Caixa de Som Amplificada/ Microfone.
AQUISIÇÃO DE MATERIAIS PARA
MELHOR QUALIFICAÇÃO DO TRABALHO
FORMAS DE REGISTROS DAS
AÇÕES DESENVOLVIDAS:
 Boletim de Produção Ambulatorial - BPA;
 Livro Ata;
 Relatório trimestral;
 Boletim de produção;
 PMA2.
ATIVIDADE UBSF1 UBSF2 UBSF3 UBSF4 UBSF5 UBSF6
Treinamento/Capacitação com Equipe
PSF
Reunião (Equipe PSF)
Articulação Espaço/Comunidade
Atendimento em grupo
Atendimento Individual
Supervisão de Dispensário de
medicamentos
Visita Domiciliar
Projeto Terapêutico Singular
Demandas específicas da Assistência
Farmacêutica
Reunião / Treinamento SMS
Articulação / Intersetorial
Reunião Equipe NASF
MOMENTO DE REFLEXÃO
 O NASF está atuando como apoio à saúde da família ou
apoio institucional à atenção básica?
 Trabalhamos (NASF) em rede com a Atenção Básica?
 Quanto e com que frequência a Atenção Básica escuta as equipes dos
NASFs?
 Quanto a Atenção Básica atende as necessidades do território, considerando
a experiência dos NASFs?
“O desejo é a chave para a motivação, mas
é a determinação e compromisso de uma
busca incessante de seu objetivo, um
comprometimento com a excelência, que
lhe permitirá alcançar o sucesso que você
procura.”
(Mario Andretti, um dos maiores
pilotos dos EUA de todos os tempos,
campeão mundial de Fórmula 1 em 1978).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Nasf orientações
Nasf orientaçõesNasf orientações
Nasf orientações
Bruna Rodrigues
 
psf
psfpsf
6. novas legislações port nova pnab
6. novas legislações port nova pnab6. novas legislações port nova pnab
6. novas legislações port nova pnab
Leonardo Savassi
 
Texto 1 pnab
Texto 1   pnabTexto 1   pnab
Texto 1 pnab
comunidadedepraticas
 
Programa de Saúde da Família (PSF
Programa de Saúde da Família (PSFPrograma de Saúde da Família (PSF
Programa de Saúde da Família (PSF
Faculdade União das Américas
 
Apresentação do trabalho26
Apresentação do trabalho26Apresentação do trabalho26
Apresentação do trabalho26
Geovana26
 
Saúde Mental e Estratégia de Saúde da Família: interfaces
Saúde Mental e Estratégia de Saúde da Família: interfacesSaúde Mental e Estratégia de Saúde da Família: interfaces
Saúde Mental e Estratégia de Saúde da Família: interfaces
Alexandre Simoes
 
Programa saúde da familia psf
Programa saúde da familia psfPrograma saúde da familia psf
Programa saúde da familia psf
Alessandro Meireles de Almeida
 
Mapa - territorialização e Papel do TVS
Mapa - territorialização e Papel do TVSMapa - territorialização e Papel do TVS
Mapa - territorialização e Papel do TVS
feraps
 
Diretrizes do nasf
Diretrizes do nasfDiretrizes do nasf
Diretrizes do nasf
Inês Paim Dos Santos
 
Portaria 2.436 21 de setembro 2017 nova pnab
Portaria 2.436 21 de setembro 2017 nova pnabPortaria 2.436 21 de setembro 2017 nova pnab
Portaria 2.436 21 de setembro 2017 nova pnab
Nadja Salgueiro
 
Apresentacao politicanacional atencaoprimaria
Apresentacao politicanacional atencaoprimariaApresentacao politicanacional atencaoprimaria
Apresentacao politicanacional atencaoprimaria
Marcos Nery
 
Caderno nasf 39 2014
Caderno nasf 39   2014Caderno nasf 39   2014
Caderno nasf 39 2014
ivone guedes borges
 
Atencao basica-psf (1)
Atencao basica-psf (1)Atencao basica-psf (1)
Atencao basica-psf (1)
Eduardo Júnior
 
Educação em saúde na Estratégia saúde da Família.
Educação em saúde na Estratégia saúde da Família.Educação em saúde na Estratégia saúde da Família.
Educação em saúde na Estratégia saúde da Família.
Guilherme Maria
 
Aula 5 perfil dos agentes comunitários de saúde
Aula 5   perfil dos agentes comunitários de saúdeAula 5   perfil dos agentes comunitários de saúde
Aula 5 perfil dos agentes comunitários de saúde
Alinebrauna Brauna
 
As Unidades de Saúde Familiar (USF) : organização, funcionamento e modelos de...
As Unidades de Saúde Familiar (USF) : organização, funcionamento e modelos de...As Unidades de Saúde Familiar (USF) : organização, funcionamento e modelos de...
As Unidades de Saúde Familiar (USF) : organização, funcionamento e modelos de...
COLUFRAS
 
Conteúdo_teórico_MODULO_3_Bioética_e_Atribuições
Conteúdo_teórico_MODULO_3_Bioética_e_AtribuiçõesConteúdo_teórico_MODULO_3_Bioética_e_Atribuições
Conteúdo_teórico_MODULO_3_Bioética_e_Atribuições
aagapesantamarcelina
 
Nasf - Núcleo de Apoio à Família
Nasf - Núcleo de Apoio à FamíliaNasf - Núcleo de Apoio à Família
Nasf - Núcleo de Apoio à Família
Abrato-SC
 
Atenção primaria barbara stenphild
Atenção primaria barbara stenphildAtenção primaria barbara stenphild
Atenção primaria barbara stenphild
Luiz Andrade
 

Mais procurados (20)

Nasf orientações
Nasf orientaçõesNasf orientações
Nasf orientações
 
psf
psfpsf
psf
 
6. novas legislações port nova pnab
6. novas legislações port nova pnab6. novas legislações port nova pnab
6. novas legislações port nova pnab
 
Texto 1 pnab
Texto 1   pnabTexto 1   pnab
Texto 1 pnab
 
Programa de Saúde da Família (PSF
Programa de Saúde da Família (PSFPrograma de Saúde da Família (PSF
Programa de Saúde da Família (PSF
 
Apresentação do trabalho26
Apresentação do trabalho26Apresentação do trabalho26
Apresentação do trabalho26
 
Saúde Mental e Estratégia de Saúde da Família: interfaces
Saúde Mental e Estratégia de Saúde da Família: interfacesSaúde Mental e Estratégia de Saúde da Família: interfaces
Saúde Mental e Estratégia de Saúde da Família: interfaces
 
Programa saúde da familia psf
Programa saúde da familia psfPrograma saúde da familia psf
Programa saúde da familia psf
 
Mapa - territorialização e Papel do TVS
Mapa - territorialização e Papel do TVSMapa - territorialização e Papel do TVS
Mapa - territorialização e Papel do TVS
 
Diretrizes do nasf
Diretrizes do nasfDiretrizes do nasf
Diretrizes do nasf
 
Portaria 2.436 21 de setembro 2017 nova pnab
Portaria 2.436 21 de setembro 2017 nova pnabPortaria 2.436 21 de setembro 2017 nova pnab
Portaria 2.436 21 de setembro 2017 nova pnab
 
Apresentacao politicanacional atencaoprimaria
Apresentacao politicanacional atencaoprimariaApresentacao politicanacional atencaoprimaria
Apresentacao politicanacional atencaoprimaria
 
Caderno nasf 39 2014
Caderno nasf 39   2014Caderno nasf 39   2014
Caderno nasf 39 2014
 
Atencao basica-psf (1)
Atencao basica-psf (1)Atencao basica-psf (1)
Atencao basica-psf (1)
 
Educação em saúde na Estratégia saúde da Família.
Educação em saúde na Estratégia saúde da Família.Educação em saúde na Estratégia saúde da Família.
Educação em saúde na Estratégia saúde da Família.
 
Aula 5 perfil dos agentes comunitários de saúde
Aula 5   perfil dos agentes comunitários de saúdeAula 5   perfil dos agentes comunitários de saúde
Aula 5 perfil dos agentes comunitários de saúde
 
As Unidades de Saúde Familiar (USF) : organização, funcionamento e modelos de...
As Unidades de Saúde Familiar (USF) : organização, funcionamento e modelos de...As Unidades de Saúde Familiar (USF) : organização, funcionamento e modelos de...
As Unidades de Saúde Familiar (USF) : organização, funcionamento e modelos de...
 
Conteúdo_teórico_MODULO_3_Bioética_e_Atribuições
Conteúdo_teórico_MODULO_3_Bioética_e_AtribuiçõesConteúdo_teórico_MODULO_3_Bioética_e_Atribuições
Conteúdo_teórico_MODULO_3_Bioética_e_Atribuições
 
Nasf - Núcleo de Apoio à Família
Nasf - Núcleo de Apoio à FamíliaNasf - Núcleo de Apoio à Família
Nasf - Núcleo de Apoio à Família
 
Atenção primaria barbara stenphild
Atenção primaria barbara stenphildAtenção primaria barbara stenphild
Atenção primaria barbara stenphild
 

Destaque

Slides apoio matricial
Slides apoio matricialSlides apoio matricial
Slides apoio matricial
Paula Oliveira
 
Oficina qualificação NASF
Oficina qualificação NASFOficina qualificação NASF
Oficina qualificação NASF
nasfsorriso
 
A Importância da Atuação do Nutricionista na Atenção Básica
A Importância da Atuação do Nutricionista na Atenção BásicaA Importância da Atuação do Nutricionista na Atenção Básica
A Importância da Atuação do Nutricionista na Atenção Básica
Luis Dantas
 
Apresentação atenção básica esf
Apresentação atenção básica   esfApresentação atenção básica   esf
Apresentação atenção básica esf
jorge luiz dos santos de souza
 
Apresentação saude mental 1
Apresentação saude mental 1Apresentação saude mental 1
Apresentação saude mental 1
Alinebrauna Brauna
 
CAB NASF
CAB NASFCAB NASF
CAB NASF
monicarochag
 
Atualizações nasf 2011
Atualizações nasf 2011Atualizações nasf 2011
Atualizações nasf 2011
gerenciaeq
 
Sergio_Redes_Atencao
Sergio_Redes_AtencaoSergio_Redes_Atencao
Sergio_Redes_Atencao
comunidadedepraticas
 
Jose_Clemente_PTS
Jose_Clemente_PTSJose_Clemente_PTS
Jose_Clemente_PTS
comunidadedepraticas
 
Jose_Clemente_Aconselhamento
Jose_Clemente_AconselhamentoJose_Clemente_Aconselhamento
Jose_Clemente_Aconselhamento
comunidadedepraticas
 
Saude da familia
Saude da familiaSaude da familia
Saude da familia
karensuelen
 
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Luis Dantas
 
New 2011 Ford Ranger XLT
New 2011 Ford Ranger XLTNew 2011 Ford Ranger XLT
New 2011 Ford Ranger XLT
Hennessy Ford Stores
 
Apresentação - Menos Peso e Mais Saúde
Apresentação - Menos Peso e Mais SaúdeApresentação - Menos Peso e Mais Saúde
Apresentação - Menos Peso e Mais Saúde
Centro de Desenvolvimento, Ensino e Pesquisa em Saúde - CEDEPS
 
Vcomesp janete coimbra
Vcomesp janete coimbraVcomesp janete coimbra
Vcomesp janete coimbra
jorge luiz dos santos de souza
 
Diretrizes do nasf
Diretrizes do nasfDiretrizes do nasf
Diretrizes do nasf
danielpontesbraga
 
Oficina qualificacaonasf
Oficina qualificacaonasfOficina qualificacaonasf
Oficina qualificacaonasf
Elizete Pereira Nunes
 
Matriciamento
MatriciamentoMatriciamento
Matriciamento
petsmufrn
 
Criança - Ciências
Criança - CiênciasCriança - Ciências
Criança - Ciências
Rayra Santos
 
O teatro e a psicologia
O teatro e a psicologiaO teatro e a psicologia
O teatro e a psicologia
mosca0204
 

Destaque (20)

Slides apoio matricial
Slides apoio matricialSlides apoio matricial
Slides apoio matricial
 
Oficina qualificação NASF
Oficina qualificação NASFOficina qualificação NASF
Oficina qualificação NASF
 
A Importância da Atuação do Nutricionista na Atenção Básica
A Importância da Atuação do Nutricionista na Atenção BásicaA Importância da Atuação do Nutricionista na Atenção Básica
A Importância da Atuação do Nutricionista na Atenção Básica
 
Apresentação atenção básica esf
Apresentação atenção básica   esfApresentação atenção básica   esf
Apresentação atenção básica esf
 
Apresentação saude mental 1
Apresentação saude mental 1Apresentação saude mental 1
Apresentação saude mental 1
 
CAB NASF
CAB NASFCAB NASF
CAB NASF
 
Atualizações nasf 2011
Atualizações nasf 2011Atualizações nasf 2011
Atualizações nasf 2011
 
Sergio_Redes_Atencao
Sergio_Redes_AtencaoSergio_Redes_Atencao
Sergio_Redes_Atencao
 
Jose_Clemente_PTS
Jose_Clemente_PTSJose_Clemente_PTS
Jose_Clemente_PTS
 
Jose_Clemente_Aconselhamento
Jose_Clemente_AconselhamentoJose_Clemente_Aconselhamento
Jose_Clemente_Aconselhamento
 
Saude da familia
Saude da familiaSaude da familia
Saude da familia
 
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
 
New 2011 Ford Ranger XLT
New 2011 Ford Ranger XLTNew 2011 Ford Ranger XLT
New 2011 Ford Ranger XLT
 
Apresentação - Menos Peso e Mais Saúde
Apresentação - Menos Peso e Mais SaúdeApresentação - Menos Peso e Mais Saúde
Apresentação - Menos Peso e Mais Saúde
 
Vcomesp janete coimbra
Vcomesp janete coimbraVcomesp janete coimbra
Vcomesp janete coimbra
 
Diretrizes do nasf
Diretrizes do nasfDiretrizes do nasf
Diretrizes do nasf
 
Oficina qualificacaonasf
Oficina qualificacaonasfOficina qualificacaonasf
Oficina qualificacaonasf
 
Matriciamento
MatriciamentoMatriciamento
Matriciamento
 
Criança - Ciências
Criança - CiênciasCriança - Ciências
Criança - Ciências
 
O teatro e a psicologia
O teatro e a psicologiaO teatro e a psicologia
O teatro e a psicologia
 

Semelhante a Seminario nasf revisado 25 03-13

PROJETO TERAPÊUTICO SINGULAR
PROJETO TERAPÊUTICO SINGULARPROJETO TERAPÊUTICO SINGULAR
PROJETO TERAPÊUTICO SINGULAR
Portal da Inovação em Saúde
 
PANORAMA DAS AÇÕES DE MONITORAMENTO DAS CRIANÇAS COM SÍNDROME CONGÊNITA DO ZI...
PANORAMA DAS AÇÕES DE MONITORAMENTO DAS CRIANÇAS COM SÍNDROME CONGÊNITA DO ZI...PANORAMA DAS AÇÕES DE MONITORAMENTO DAS CRIANÇAS COM SÍNDROME CONGÊNITA DO ZI...
PANORAMA DAS AÇÕES DE MONITORAMENTO DAS CRIANÇAS COM SÍNDROME CONGÊNITA DO ZI...
Portal da Inovação em Saúde
 
ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMILIA.pptx
ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMILIA.pptxESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMILIA.pptx
ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMILIA.pptx
ELIZANEGGOIS
 
Serviços
ServiçosServiços
Apresentação1.pptx
Apresentação1.pptxApresentação1.pptx
Apresentação1.pptx
ELIZANEGGOIS
 
Aula 14 - SAUDE COLETIVA - Programa Saúde da Família.pdf
Aula 14 - SAUDE COLETIVA -  Programa Saúde da Família.pdfAula 14 - SAUDE COLETIVA -  Programa Saúde da Família.pdf
Aula 14 - SAUDE COLETIVA - Programa Saúde da Família.pdf
Giza Carla Nitz
 
Seminário saúde coletiva enfermagem 8º período
Seminário saúde coletiva enfermagem 8º períodoSeminário saúde coletiva enfermagem 8º período
Seminário saúde coletiva enfermagem 8º período
Laíz Coutinho
 
AULA 2 - PNAB.pptx
AULA 2 - PNAB.pptxAULA 2 - PNAB.pptx
AULA 2 - PNAB.pptx
CarlaAlves362153
 
A EXPERIÊNCIA DE RECIFE Intervenção e integração dos serviços de atenção à sa...
A EXPERIÊNCIA DE RECIFE Intervenção e integração dos serviços de atenção à sa...A EXPERIÊNCIA DE RECIFE Intervenção e integração dos serviços de atenção à sa...
A EXPERIÊNCIA DE RECIFE Intervenção e integração dos serviços de atenção à sa...
Portal da Inovação em Saúde
 
Seminário Saúde Mental na Atenção Básica: "Vínculos e Diálogos Necessários" -...
Seminário Saúde Mental na Atenção Básica: "Vínculos e Diálogos Necessários" -...Seminário Saúde Mental na Atenção Básica: "Vínculos e Diálogos Necessários" -...
Seminário Saúde Mental na Atenção Básica: "Vínculos e Diálogos Necessários" -...
Centro de Desenvolvimento, Ensino e Pesquisa em Saúde - CEDEPS
 
Apresentacao deborah maio.2011[1]
Apresentacao deborah maio.2011[1]Apresentacao deborah maio.2011[1]
Apresentacao deborah maio.2011[1]
Simone Everton
 
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
pnaiscgeral-190714221230 (2).pdf
pnaiscgeral-190714221230 (2).pdfpnaiscgeral-190714221230 (2).pdf
pnaiscgeral-190714221230 (2).pdf
TaisdeJesusSantos
 
Ciclo i 02
Ciclo i 02Ciclo i 02
Ciclo i 02
Rodrigo Abreu
 
Fisioterapia na Atenção Básica.pptx
Fisioterapia na Atenção Básica.pptxFisioterapia na Atenção Básica.pptx
Fisioterapia na Atenção Básica.pptx
KarolineRossi1
 
Entrevista com Kátia Souto, do MS, sobre a PNSIPN
Entrevista com Kátia Souto, do MS, sobre a PNSIPNEntrevista com Kátia Souto, do MS, sobre a PNSIPN
Entrevista com Kátia Souto, do MS, sobre a PNSIPN
Portal DSS Nordeste
 
Pnsipn ms
Pnsipn msPnsipn ms
Pnsipn ms
Emidia Felipe
 
Trabalho sobre o Programa de Saúde da Família
Trabalho sobre o Programa de Saúde da FamíliaTrabalho sobre o Programa de Saúde da Família
Trabalho sobre o Programa de Saúde da Família
Faculdade União das Américas
 
Construindo um protocolo único para uma atenção integral à primeira infância ...
Construindo um protocolo único para uma atenção integral à primeira infância ...Construindo um protocolo único para uma atenção integral à primeira infância ...
Construindo um protocolo único para uma atenção integral à primeira infância ...
SAE - Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República
 
Crianças com síndrome congênita associada à infecção pelo vírus Zika – Alagoas
Crianças com síndrome congênita associada à infecção pelo vírus Zika – AlagoasCrianças com síndrome congênita associada à infecção pelo vírus Zika – Alagoas
Crianças com síndrome congênita associada à infecção pelo vírus Zika – Alagoas
Portal da Inovação em Saúde
 

Semelhante a Seminario nasf revisado 25 03-13 (20)

PROJETO TERAPÊUTICO SINGULAR
PROJETO TERAPÊUTICO SINGULARPROJETO TERAPÊUTICO SINGULAR
PROJETO TERAPÊUTICO SINGULAR
 
PANORAMA DAS AÇÕES DE MONITORAMENTO DAS CRIANÇAS COM SÍNDROME CONGÊNITA DO ZI...
PANORAMA DAS AÇÕES DE MONITORAMENTO DAS CRIANÇAS COM SÍNDROME CONGÊNITA DO ZI...PANORAMA DAS AÇÕES DE MONITORAMENTO DAS CRIANÇAS COM SÍNDROME CONGÊNITA DO ZI...
PANORAMA DAS AÇÕES DE MONITORAMENTO DAS CRIANÇAS COM SÍNDROME CONGÊNITA DO ZI...
 
ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMILIA.pptx
ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMILIA.pptxESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMILIA.pptx
ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMILIA.pptx
 
Serviços
ServiçosServiços
Serviços
 
Apresentação1.pptx
Apresentação1.pptxApresentação1.pptx
Apresentação1.pptx
 
Aula 14 - SAUDE COLETIVA - Programa Saúde da Família.pdf
Aula 14 - SAUDE COLETIVA -  Programa Saúde da Família.pdfAula 14 - SAUDE COLETIVA -  Programa Saúde da Família.pdf
Aula 14 - SAUDE COLETIVA - Programa Saúde da Família.pdf
 
Seminário saúde coletiva enfermagem 8º período
Seminário saúde coletiva enfermagem 8º períodoSeminário saúde coletiva enfermagem 8º período
Seminário saúde coletiva enfermagem 8º período
 
AULA 2 - PNAB.pptx
AULA 2 - PNAB.pptxAULA 2 - PNAB.pptx
AULA 2 - PNAB.pptx
 
A EXPERIÊNCIA DE RECIFE Intervenção e integração dos serviços de atenção à sa...
A EXPERIÊNCIA DE RECIFE Intervenção e integração dos serviços de atenção à sa...A EXPERIÊNCIA DE RECIFE Intervenção e integração dos serviços de atenção à sa...
A EXPERIÊNCIA DE RECIFE Intervenção e integração dos serviços de atenção à sa...
 
Seminário Saúde Mental na Atenção Básica: "Vínculos e Diálogos Necessários" -...
Seminário Saúde Mental na Atenção Básica: "Vínculos e Diálogos Necessários" -...Seminário Saúde Mental na Atenção Básica: "Vínculos e Diálogos Necessários" -...
Seminário Saúde Mental na Atenção Básica: "Vínculos e Diálogos Necessários" -...
 
Apresentacao deborah maio.2011[1]
Apresentacao deborah maio.2011[1]Apresentacao deborah maio.2011[1]
Apresentacao deborah maio.2011[1]
 
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
 
pnaiscgeral-190714221230 (2).pdf
pnaiscgeral-190714221230 (2).pdfpnaiscgeral-190714221230 (2).pdf
pnaiscgeral-190714221230 (2).pdf
 
Ciclo i 02
Ciclo i 02Ciclo i 02
Ciclo i 02
 
Fisioterapia na Atenção Básica.pptx
Fisioterapia na Atenção Básica.pptxFisioterapia na Atenção Básica.pptx
Fisioterapia na Atenção Básica.pptx
 
Entrevista com Kátia Souto, do MS, sobre a PNSIPN
Entrevista com Kátia Souto, do MS, sobre a PNSIPNEntrevista com Kátia Souto, do MS, sobre a PNSIPN
Entrevista com Kátia Souto, do MS, sobre a PNSIPN
 
Pnsipn ms
Pnsipn msPnsipn ms
Pnsipn ms
 
Trabalho sobre o Programa de Saúde da Família
Trabalho sobre o Programa de Saúde da FamíliaTrabalho sobre o Programa de Saúde da Família
Trabalho sobre o Programa de Saúde da Família
 
Construindo um protocolo único para uma atenção integral à primeira infância ...
Construindo um protocolo único para uma atenção integral à primeira infância ...Construindo um protocolo único para uma atenção integral à primeira infância ...
Construindo um protocolo único para uma atenção integral à primeira infância ...
 
Crianças com síndrome congênita associada à infecção pelo vírus Zika – Alagoas
Crianças com síndrome congênita associada à infecção pelo vírus Zika – AlagoasCrianças com síndrome congênita associada à infecção pelo vírus Zika – Alagoas
Crianças com síndrome congênita associada à infecção pelo vírus Zika – Alagoas
 

Mais de Lucas Matos

Seminario nasf revisado 25 03-13
Seminario nasf revisado 25 03-13Seminario nasf revisado 25 03-13
Seminario nasf revisado 25 03-13
Lucas Matos
 
Apresentação videoconfeência ciclo de oficinas
Apresentação videoconfeência ciclo de oficinasApresentação videoconfeência ciclo de oficinas
Apresentação videoconfeência ciclo de oficinas
Lucas Matos
 
Indicadores viep 1° semestre 2011 cms
Indicadores viep 1° semestre 2011 cmsIndicadores viep 1° semestre 2011 cms
Indicadores viep 1° semestre 2011 cms
Lucas Matos
 
Mundo novo cartografia
Mundo novo cartografiaMundo novo cartografia
Mundo novo cartografia
Lucas Matos
 
Programa de imunização
Programa de imunizaçãoPrograma de imunização
Programa de imunização
Lucas Matos
 
Projeto linhas de cuidado
Projeto linhas de cuidadoProjeto linhas de cuidado
Projeto linhas de cuidado
Lucas Matos
 
Cobertura vacinal com boas práticas de vacinação e perfil das salas de vacina...
Cobertura vacinal com boas práticas de vacinação e perfil das salas de vacina...Cobertura vacinal com boas práticas de vacinação e perfil das salas de vacina...
Cobertura vacinal com boas práticas de vacinação e perfil das salas de vacina...
Lucas Matos
 
Rede materno infantil - Rede Cegonha Bahia
Rede materno infantil - Rede Cegonha BahiaRede materno infantil - Rede Cegonha Bahia
Rede materno infantil - Rede Cegonha Bahia
Lucas Matos
 
Ldb 9394 - 20 de Dezembro 1996 - Lucas Matos e Souza - IFBA 2009
Ldb 9394 - 20 de Dezembro 1996 - Lucas Matos e Souza - IFBA 2009Ldb 9394 - 20 de Dezembro 1996 - Lucas Matos e Souza - IFBA 2009
Ldb 9394 - 20 de Dezembro 1996 - Lucas Matos e Souza - IFBA 2009
Lucas Matos
 
Correntes Matematicas Formalismo
Correntes Matematicas   FormalismoCorrentes Matematicas   Formalismo
Correntes Matematicas Formalismo
Lucas Matos
 

Mais de Lucas Matos (10)

Seminario nasf revisado 25 03-13
Seminario nasf revisado 25 03-13Seminario nasf revisado 25 03-13
Seminario nasf revisado 25 03-13
 
Apresentação videoconfeência ciclo de oficinas
Apresentação videoconfeência ciclo de oficinasApresentação videoconfeência ciclo de oficinas
Apresentação videoconfeência ciclo de oficinas
 
Indicadores viep 1° semestre 2011 cms
Indicadores viep 1° semestre 2011 cmsIndicadores viep 1° semestre 2011 cms
Indicadores viep 1° semestre 2011 cms
 
Mundo novo cartografia
Mundo novo cartografiaMundo novo cartografia
Mundo novo cartografia
 
Programa de imunização
Programa de imunizaçãoPrograma de imunização
Programa de imunização
 
Projeto linhas de cuidado
Projeto linhas de cuidadoProjeto linhas de cuidado
Projeto linhas de cuidado
 
Cobertura vacinal com boas práticas de vacinação e perfil das salas de vacina...
Cobertura vacinal com boas práticas de vacinação e perfil das salas de vacina...Cobertura vacinal com boas práticas de vacinação e perfil das salas de vacina...
Cobertura vacinal com boas práticas de vacinação e perfil das salas de vacina...
 
Rede materno infantil - Rede Cegonha Bahia
Rede materno infantil - Rede Cegonha BahiaRede materno infantil - Rede Cegonha Bahia
Rede materno infantil - Rede Cegonha Bahia
 
Ldb 9394 - 20 de Dezembro 1996 - Lucas Matos e Souza - IFBA 2009
Ldb 9394 - 20 de Dezembro 1996 - Lucas Matos e Souza - IFBA 2009Ldb 9394 - 20 de Dezembro 1996 - Lucas Matos e Souza - IFBA 2009
Ldb 9394 - 20 de Dezembro 1996 - Lucas Matos e Souza - IFBA 2009
 
Correntes Matematicas Formalismo
Correntes Matematicas   FormalismoCorrentes Matematicas   Formalismo
Correntes Matematicas Formalismo
 

Seminario nasf revisado 25 03-13

  • 1.
  • 2. O NASF foi criado através da Portaria Ministerial nº 154 de 24 de janeiro de 2008. Porto Seguro foi contemplado com o NASF em Outubro de 2008
  • 3. CONSTITUIÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO NASF REABILITAÇÃO: Fisioterapeuta PEDIATRIA: Pediatra GINECOLOGIA: Ginecologista NUTRIÇÃO: Nutricionista SERVIÇO SOCIAL: Assistente social ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA: Farmacêutico SAÚDE MENTAL: Psicólogo Baseado nas Diretrizes da Portaria 154/2008 do Ministério da Saúde 2008 a 2009
  • 4. CONSTITUIÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO NASF REABILITAÇÃO: Fisioterapeuta NUTRIÇÃO: Nutricionista SERVIÇO SOCIAL: Assistente Social ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA: Farmacêutico SAÚDE MENTAL: Psicólogo Baseado nas Diretrizes da Portaria 154/2008 do Ministério da Saúde 2010 a 2012
  • 5. ATENÇÃO BÁSICA 26 Unidades de Saúde 24 Unidades de Saúde da Família 33 Equipes de Saúde da Família 05 Equipes EACS 23 Equipes de Saúde Bucal 03 Equipes de Saúde Indígena 04 equipes do Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF) OBS: Atualmente 90% do Município é coberto pelo NASF
  • 6. ÁREA GEOGRÁFICA DE ATUAÇÃO TOTAL DE UNIDADES, EQUIPES E FUNCIONÁRIOS POPULAÇÃO ESTIMADA NASF - I CENTRO 06 Unidades 10 Equipes Aproximadamente 163 servidores 34.167 NASF - II BAIANÃO 06 Unidades 09 Equipes Aproximadamente 160 servidores 38.769 NASF - III ARRAIAL 07 Unidades 11 Equipes Aproximadamente 132 servidores 23.181 NASF - IV RURAL 06 Unidades 08 Equipes 4 Assentamentos Aproximadamente 101 servidores 14.564 TERRITÓRIOS DE ATUAÇÃO
  • 7. MEDIDAS QUE CONTRIBUIRIAM PARA MAIOR ÊXITO DO NASF  Ter referência das categorias que compõem o NASF e que a mesma atenda a demanda do município;  Selecionar profissionais que tenham perfil para atuar no NASF;  Aplicar a verba destinada ao NASF exclusivamente ao programa;  Sala própria com infraestrutura por NASF.
  • 8. PLANEJAMENTO DO NASF PRIMEIRO MOMENTO :  Apresentar a equipe e a proposta do NASF por ESF  Iniciar as atividades priorizando a Equipe de Saúde da Família através de uma escuta de qualidade .  Participar ou resgatar as reuniões semanais da ESF SEGUNDO MOMENTO :  Apresentar a proposta do NASF para os atores sociais do território e do Município .
  • 9. DETERMINANTES POSITIVOS  Estratégia de manutenção do acolhimento e fortalecimento do vínculo com as Equipes de Saúde da Família ;  Consolidação da parceria entre NASF, ESF e forte apoio por parte dos ACS;  Utilização de instrumento de registro das atividades realizadas criado pelo NASF;  Parceria e acolhida dos aparatos sociais da comunidade (Escolas, Igrejas , Associações e Projetos Sociais);  Implantação de grupos em consonância com a Política Nacional e com o Pacto de Gestão;  Empenho e dedicação dos profissionais do NASF, que produz os materiais com equipamentos particulares e em casa.
  • 10. DETERMINANTES NEGATIVOS  Espaço físico precário da maioria das unidades;  Ausência de material didático para as capacitações realizadas;  Falta de um cronograma de atividades da Atenção Básica;  Falha de comunicação entre os setores da SMS;  Distância entre as unidades;
  • 11. DETERMINANTES NEGATIVOS  Demora do retorno quanto as solicitações referentes a aquisição de gêneros alimentícios;  Falta de uma sede própria;  Rotatividade dos profissionais da Saúde;  Ausência do retorno quanto a medida para resolver a questão do deslocamento dos profissionais às USF;  Suspensão do incentivo salarial.
  • 12. PROMOÇÃO DA SAÚDE Não é de responsabilidade exclusiva do setor de saúde, sendo necessária uma atuação intersetorial e interdisciplinar.
  • 14. Assistência ao Usuário Educação Permanente Atenção Domiciliar Atenção Individual Atividade Coletiva Reuniões Articulação entre educação e trabalho no SUS Eixos de Trabalho que norteiam o NASF METODOLOGIA
  • 15. REUNIÕES  Com as Equipes da Saúde da Família;  Por NASF;  Com os Profissionais das Equipes dos NASF’s e por categoria – Mensal;  Com a Atenção Básica/CDRH/Diretores/SMS – Trimestral.
  • 17. CAPACITAÇÕES E EDUCAÇÃO PERMANENTE  Cuidado com o cuidador;  Cuidados básicos com os medicamentos;  Tuberculose e hanseníase;  Alimentação X Patologia;  Saúde mental;  Correção postural;  Acidente vascular cerebral. CAPACITAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE
  • 18.  Bolsa Família;  Capacitação para os ACS sobre a atuação do Assistente Social conforme as variadas políticas públicas do município ( NASF / CRAS );  Benefício previdenciário e assistencial;  Ação estratégica para implementação do programa de sulfato ferroso, ácido fólico e vitamina A;  Grupo de estudo permanente nas USF. CAPACITAÇÕES E EDUCAÇÃO PERMANENTE CAPACITAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE
  • 19.  Políticas Públicas;  Caminhada contra a violência e pela paz;  Caminhada com Hiperdia e monitoramento fisioterápico;  Academia de saúde com ESF, ACS e população;  Sala de espera com temas relacionados ao calendário do Ministério da Saúde e programas de saúde ;  Capacitação dos auxiliares das farmácias; CAPACITAÇÕES E EDUCAÇÃO PERMANENTE CAPACITAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE
  • 20. DROGAS NA ADOLESCÊNCIA AÇÃO EXITOSA - NASF ARRAIAL CAPACITAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE
  • 21. ATENDIMENTO EM GRUPO PARA A POPULAÇÃO  Grupo permanente de gestante;  Grupo permanente de Hiperdia;  Elaboração de projeto terapêutico singular (PTS);  Palestra sobre sexualidade;  Bolsa Família;  Grupo de planejamento familiar. ATENDIMENTO EM GRUPO PARA A POPULAÇÃO
  • 22. AÇÃO EXITOSA – NASF CENTRO MUTIRÃO HIPERDIA Cadastramento dos usuários no programa HIPERDIA da área do PACS MIRAPORTO. ATENDIMENTO EM GRUPO PARA A POPULAÇÃO
  • 23. Ação realizada para o planejamento familiar, preparatória para esterilização definitiva (atividade permanente). Público alcançado de 2010 À 2011 : 50 pessoas realizaram a cirurgia, sendo 45 mulheres e 05 homens. Redução em 60% do índice de gravidez e aumento em 50% no número de exame preventivo. Público alcançado em 2012: 55 pessoas realizaram a cirurgia, sendo 48 mulheres e 07 homens. ATENDIMENTO EM GRUPO PARA A POPULAÇÃO AÇÃO EXITOSA – NASF BAIANÃO
  • 24. AÇÃO EXITOSA - NASF RURAL AÇÃO INTERDISCIPLINAR EM ASSENTAMENTOS ATENDIMENTO EM GRUPO PARA A POPULAÇÃO
  • 25. AÇÃO EXITOSA - NASF RURAL AÇÃO INTERDISCIPLINAR EM ASSENTAMENTOS ATENDIMENTO EM GRUPO PARA A POPULAÇÃO
  • 26. MOTIVACIONAL  Ação comemorativa ao dia dos Agentes Comunitários de Saúde (ACS);  Encerramento do ano com apresentação de oficinas realizadas pelas equipes: Atuação do NASF aos olhos da equipe;  Relacionamento interpessoal com as equipes e entre os servidores das equipes;  Confecção e entrega de cartão de natal a todos os membros das equipes de saúde, aos NASFs e Secretaria Municipal de Saúde;  Ação comemorativa ao dia do enfermeiro;  Festa de São João com participação dos idosos da comunidade; MOTIVACIONAL
  • 27. AÇÃO EXITOSA – NASF BAIANÃO ACOLHIMENTO PEDAGÓGICO  Fórum de Debates : higiene e sua intersetorialidade;  Caminhada intersetorial de sensibilização sobre higiene;  Busca ativa de medicamentos com prazo de validade expirados, mal acondicionados e sem orientação adequada;  Questionário realizados pela ESF no boqueirão acerca do destino do lixo, coleta e responsabilidade dos moradores;  Orientação sobre noções básicas de higiene e o perigo do foco de dengue;  Co- gestão - Acolhimento pedagógico. MOTIVACIONAL
  • 29. FORTALECIMENTO NASF E REDE SOCIAL  Palestra para grupo de gestantes (CRAS);  Palestra sobre planejamento familiar para pais;  Palestra sobre educação doméstica;  Palestras nas escolas sobre sexualidade;  Participação no projeto Sementinha (Alimentação alternativa);  Proposta de intervenção educacional para os educadores;  Palestra sobre alimentação saudável (Gibi do Fome Zero);  Palestra sobre auto cuidado para mães de alunos;  Mini-Seminário: Violência na infância e adolescência;. FORTALECIMENTO NASF E REDE SOCIAL
  • 30. AÇÃO EXITOSA – NASF CENTRO AÇÃO PSE : Colégio Municipal Pd.José de Anchieta. REALIZADO : Antropometria, Aferição de PA , Triagem de Acuidade Visual e atividades Educativas sobre Promoção à Saúde em 100% dos alunos matriculados. FORTALECIMENTO NASF E REDE SOCIAL
  • 31. AÇÃO EXITOSA – NASF RURAL Pindorama FORTALECIMENTO NASF E REDE SOCIAL
  • 32. AÇÃO EXITOSA –NASF RURAL Pindorama FORTALECIMENTO NASF E REDE SOCIAL
  • 33. AÇÃO EXITOSA - NASF ARRAIAL ENFRENTAMENTO DE ABUSO E EXPLORAÇAO SEXUAL FORTALECIMENTO NASF E REDE SOCIAL
  • 34. PROJETO TERAPÊUTICO SINGULAR PROJETO TERAPÊUTICO SINGULAR Após visita domiciliar ou consulta individualizada e/ou consulta interdisciplinar, a equipe do NASF junto com a Equipe de Saúde da Família avaliam a realização do Projeto Terapêutico Singular (PTS) e sua inicialização; "O PTS é um conjunto de propostas de condutas terapêuticas articuladas, para um sujeito individual ou coletivo, resultado da discussão coletiva de uma equipe interdisciplinar, com apoio matricial, se necessário." Cinco momentos: Diagnóstico; Definição de metas; Divisão de responsabilidades; Monitoramento; Reavaliação.
  • 35. ATIVIDADE INDIVIDUAL POR CATEGORIA / VISITA DOMICILIAR ATIVIDADE INDIVIDUAL POR CATEGORIA / VISITA DOMICILIAR  Agente Comunitário de Saúde visita a família, identifica a demanda e informa ao enfermeiro;  O enfermeiro (ESF) avalia a necessidade de atendimento ou visita domiciliar de outros profissionais e/ou NASF;  O atendimento se faz por categoria ou pela equipe dependendo da necessidade com orientação ao usuário e a família;  De acordo com a necessidade, o NASF encaminha para devidas providências ou inicia PTS(ação conjunta:ESF/NASF/ Referência / Rede Social, dentre outros).
  • 36. SUGESTÕES E NECESSIDADES  Retorno das reuniões mensais que eram agendadas pela Atenção Básica com todos os NASF do município para troca de experiência e fortalecimento da proposta de trabalho;  Focar maior integração de médicos, odontólogos e enfermeiros às ações dos NASF;  Manter a divulgação do NASF para a comunidade como uma estratégia fortalecedora da Atenção Básica e, por conseguinte da Secretaria de Saúde do Município;  Elaboração de um projeto de educação permanente, coordenado pelo CDRH/ NEPS, para estudo teórico de temas transversais e estudo de caso para todos os membros do NASF do município com encontros mensais no auditório da SMS, visando à capacitação e o fortalecimento do programa.
  • 37.  Verba para lanche nas capacitações;  Cota de xerox;  Jalecos para identificação dos profissionais e do programa;  Materiais para oficinas;  Máquina fotográfica / Filmadora;  Aparelho de Data Show;  Notebook ;  Aparelho de som portátil;  Caixa de Som Amplificada/ Microfone. AQUISIÇÃO DE MATERIAIS PARA MELHOR QUALIFICAÇÃO DO TRABALHO
  • 38. FORMAS DE REGISTROS DAS AÇÕES DESENVOLVIDAS:  Boletim de Produção Ambulatorial - BPA;  Livro Ata;  Relatório trimestral;  Boletim de produção;  PMA2.
  • 39. ATIVIDADE UBSF1 UBSF2 UBSF3 UBSF4 UBSF5 UBSF6 Treinamento/Capacitação com Equipe PSF Reunião (Equipe PSF) Articulação Espaço/Comunidade Atendimento em grupo Atendimento Individual Supervisão de Dispensário de medicamentos Visita Domiciliar Projeto Terapêutico Singular Demandas específicas da Assistência Farmacêutica Reunião / Treinamento SMS Articulação / Intersetorial Reunião Equipe NASF
  • 40. MOMENTO DE REFLEXÃO  O NASF está atuando como apoio à saúde da família ou apoio institucional à atenção básica?  Trabalhamos (NASF) em rede com a Atenção Básica?  Quanto e com que frequência a Atenção Básica escuta as equipes dos NASFs?  Quanto a Atenção Básica atende as necessidades do território, considerando a experiência dos NASFs?
  • 41. “O desejo é a chave para a motivação, mas é a determinação e compromisso de uma busca incessante de seu objetivo, um comprometimento com a excelência, que lhe permitirá alcançar o sucesso que você procura.” (Mario Andretti, um dos maiores pilotos dos EUA de todos os tempos, campeão mundial de Fórmula 1 em 1978).