SlideShare uma empresa Scribd logo
Civilizações da África Antiga
A África é considerada o
grande berço da
humanidade, já que de lá
têm origem nossos
ancestrais mais remotos.
Nesse continente se desenvolveu
uma das civilizações mais antigas
e ricas que conhecemos, o Egito.
Civilizações da África Antiga
O Continente Africano
A África possui mais de
50 países e centenas de
etnias. A diversidade
cultural é a marca
desse continente.
África subsaariana – Angola, Congo,
Quênia, África do Sul e demais
países do continente.
África do norte – Formado por
Marrocos, Tunísia, Argélia,
Líbia e Egito.
África do norte
Deserto do Saara
África subsaariana
Deserto do Saara – Maior
deserto do mundo, com mais de
7 milhões de quilômetros
quadrados). Atravessa dez países
e divide o continente em duas
partes distintas.
As “Duas Áfricas”
A comunicação entre as duas Áfricas só foi possível
porque alguns seres humanos se adaptaram ao
deserto: vida nômade, uso do camelo e localização dos
oásis.
A grande motivação foi o comércio,
mas também proporcionou grande
intercâmbio cultural.
Tuaregue de grupo nômade da região sudeste da Líbia, no oásis do lago
Umm al Maa.
Os tuaregues são um grupo nômade que mantém suas tradições nos
dias atuais.
As “Duas Áfricas”
O norte da África foi o berço da
civilização egípcia e sua
ocupação ocorreu de
maneira fácil em razão da
proximidade com o mar
Mediterrâneo.
Já a África subsaariana, com
áreas de mata fechada, pouca
fertilidade nos solos e grande
número de doenças
transmitidas por insetos, teve
uma ocupação mais difícil.
Reinos da África – Séculos VII a.C. - XV d.C
Mercadorias como ouro, prata, ferro e
marfim entravam e saíam de Cartago
através de um grande porto em
formato circular, com espaço para mais
de duzentas embarcações de guerra.
Cidade-Estado fundada
pelos fenícios no século VIII
a.C. na atual região da
Tunísia, foi uma das maiores
potências militares e
comerciais do Mediterrâneo.
Cartago
No século III a.C., os romanos passaram a disputar a hegemonia do
Mediterrâneo com os cartagineses, o que culminou em diversos
conflitos travados entre 246 a.C. e 146 a.C., as Guerras Púnicas.
Com a vitória de Roma, Cartago foi destruída, anexada ao Império
Romano e os sobreviventes tornaram-se escravos.
Cartago
Os noks cultivavam produtos como
inhame, abóbora, dendê e sorgo;
dominavam a metalurgia do ferro,
que usavam para produzir utensílios
e adornos; e confeccionavam
esculturas em terracota.
Por volta do século IX a.C. a civilização nok
começou a se formar, ocupando áreas onde
atualmente se encontram países como
Nigéria, Níger, Mali e Costa do Marfim.
A Civilização Nok
A civilização nok desapareceu por volta de 200 d.C., e alguns
historiadores acreditam que ela tenha sido a precursora da cultura
ioruba, que se desenvolveu na mesma região séculos mais tarde.
A Civilização Nok
A Núbia era uma região desértica cortada pelo Rio
Nilo, localizada entre a 1ª e a 6ª catarata desse rio, ao
sul do Egito e a norte do atual Sudão.
Na Antiguidade, foi onde floresceu a mais antiga
civilização negra da África.
Por volta do século IX a.C., se instalou na região um
Estado centralizado, o Reino de Kush, que recebia
influências do Egito, desde a escrita hieroglífica à
organização social e política. Napata e Meroé foram as
principais cidades núbias.
O Reino de Kush
Por volta de 770 a.C., os cuxitas dominaram o
Egito, fundando a dinastia dos faraós negros.
O Reino de Kush
Os faraós cuxitas tinham o costume de usar uma coroa com duas
serpentes, que simbolizava o poder sobre dois reinos: Egito e
Quando, em 657 a.C., o Egito foi
invadido pelos assírios, os cuxitas
foram obrigados a retornar para
Napata que, por sua vez, foi invadida
também pelos assírios, em 591 a.C.,
o que obrigou o Reino de Kush a se
concentrar em Meroé, construindo
uma nova fase da história cuxita,
mais isolados do Egito, o período
meroítico.
O Reino de Kush
Meroé também era um importante centro comercial e, em pouco tempo, se tornou um
grande centro produtor de objetos de ferro do continente africano.
Nesse período, os cuxitas desenvolveram escrita própria, a meroíta, formada de 23
caracteres, escritos da esquerda para a direita, com as palavras separadas entre si por
dois ou três pontos.
O Reino de Kush começou a entrar em decadência nos primeiros séculos da Era Cristã,
segundo os historiadores, por problemas causados pelo corte indiscriminado de árvores
para alimentar os fornos de fundição de ferro.
No século IV a.C., o território de Kush foi invadido e conquistado pelo Reino de Axum.
O Reino de Kush
O intenso comércio na região possibilitou que a população local entrasse em
contato com a escrita e que suas aldeias se desenvolvessem e se tornassem
cidades, dentre as quais podemos destacar Axum e Adúlis.
Os primeiros habitantes que chegaram à
região (hoje ocupada por países como
Somália, Etiópia, Eritreia e Djibuti) vieram
do sul da península Arábica, por volta do
século VII a.C.
A Civilização de Axum
A rica atividade comercial axumita possibilitou que sua civilização se
expandisse, dominando territórios da península Arábica e do Reino de
Kush, além de outras áreas vizinhas.
No século II a.C., Adúlis tinha um dos portos mais movimentados do
mar Vermelho, enquanto Axum, localizada no interior, se consolidava
como um importante centro comercial.
A Civilização de Axum
Até a metade do século IV, a população axumita era politeísta, porém,
com a conversão do rei Ezana ao cristianismo, o Reino de Axum se
tornou o primeiro reino cristão do continente africano – ainda hoje a
Etiópia é um país cristão.
O território de Axum foi
invadido e dominado pelos
muçulmanos no século VII.
Campo de estelas, monumentos religiosos ou
funerários, na cidade de Axum, atual Etiópia. Na
entrada do campo está a estela do rei Ezana (centro),
primeiro rei a se converter ao cristianismo (cerca do
ano 300 da Era Cristã).
A Civilização de Axum
Diz a lenda que ela teria ouvido
falar na sabedoria de Salomão, rei
de Judá, e feito uma viagem até
Jerusalém para conhecê-lo.
Da união dos dois teria nascido
Menelik e tido início uma
dinastia de reis etíopes que
governou até o século XX.
O Reino de Axum guarda uma das mais ricas histórias do continente
africano: a de Makeda, a rainha de Sabá. Famosa por sua beleza, a rainha
teria sido uma das governantes dos axumitas.
Afresco (pintura mural) etíope representando a viagem da rainha de
Sabá para encontrar o rei Salomão em Jerusalém.
A Rainha de Sabá
Referências
Projeto Teláris: História / Gislane Campos de Azevedo,
Reinaldo Seriacopi. – 1ª Edição – São Paulo: Ática, 2012.
www.professoredley.com.br
Imagens diversas do buscador Bing

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

1 história, cultura, patrimônio e tempo
1   história, cultura, patrimônio e tempo1   história, cultura, patrimônio e tempo
1 história, cultura, patrimônio e tempo
Marilia Pimentel
 
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasil
Douglas Barraqui
 
História Cultural dos Povos Africanos
História Cultural dos Povos AfricanosHistória Cultural dos Povos Africanos
História Cultural dos Povos Africanos
Isaquel Silva
 
Slide reinos africanos
Slide reinos africanosSlide reinos africanos
Slide reinos africanos
Isabel Aguiar
 
Escravidão / Resistência
Escravidão / ResistênciaEscravidão / Resistência
Escravidão / Resistência
Joemille Leal
 
Egito Antigo
Egito AntigoEgito Antigo
Egito Antigo
Douglas Barraqui
 
Egito Antigo - 6º Ano (2018)
Egito Antigo - 6º Ano (2018)Egito Antigo - 6º Ano (2018)
Egito Antigo - 6º Ano (2018)
Nefer19
 
Egito slide
Egito slideEgito slide
Egito slide
Isabel Aguiar
 
Povos nativos da América.
Povos nativos da América.Povos nativos da América.
Povos nativos da América.
Camila Brito
 
1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas
1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas
1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas
Daniel Alves Bronstrup
 
A Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados NacionaisA Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados Nacionais
Douglas Barraqui
 
Escravidão no Brasil
Escravidão no BrasilEscravidão no Brasil
Escravidão no Brasil
bastianbe
 
A Civilização Grega - 6º Ano (2016)
A Civilização Grega - 6º Ano (2016)A Civilização Grega - 6º Ano (2016)
A Civilização Grega - 6º Ano (2016)
Nefer19
 
1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia
Daniel Alves Bronstrup
 
Proclamação da república
Proclamação da repúblicaProclamação da república
Proclamação da república
Fabiana Tonsis
 
Capítulo 4 - África Antiga: egito e núbia
Capítulo 4 - África Antiga: egito e núbiaCapítulo 4 - África Antiga: egito e núbia
Capítulo 4 - África Antiga: egito e núbia
Marcos Antonio Grigorio de Figueiredo
 
História da África e escravidão africana
História da África e escravidão africanaHistória da África e escravidão africana
História da África e escravidão africana
Paulo Alexandre
 
Introdução ao estudo de História
Introdução ao estudo de HistóriaIntrodução ao estudo de História
Introdução ao estudo de História
Alex Ferreira dos Santos
 
O povo-hebreu
O povo-hebreuO povo-hebreu
O povo-hebreu
Fabiana Tonsis
 
Africa - Iorubas e Bantos
Africa - Iorubas e BantosAfrica - Iorubas e Bantos
Africa - Iorubas e Bantos
Patrícia Costa Grigório
 

Mais procurados (20)

1 história, cultura, patrimônio e tempo
1   história, cultura, patrimônio e tempo1   história, cultura, patrimônio e tempo
1 história, cultura, patrimônio e tempo
 
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasil
 
História Cultural dos Povos Africanos
História Cultural dos Povos AfricanosHistória Cultural dos Povos Africanos
História Cultural dos Povos Africanos
 
Slide reinos africanos
Slide reinos africanosSlide reinos africanos
Slide reinos africanos
 
Escravidão / Resistência
Escravidão / ResistênciaEscravidão / Resistência
Escravidão / Resistência
 
Egito Antigo
Egito AntigoEgito Antigo
Egito Antigo
 
Egito Antigo - 6º Ano (2018)
Egito Antigo - 6º Ano (2018)Egito Antigo - 6º Ano (2018)
Egito Antigo - 6º Ano (2018)
 
Egito slide
Egito slideEgito slide
Egito slide
 
Povos nativos da América.
Povos nativos da América.Povos nativos da América.
Povos nativos da América.
 
1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas
1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas
1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas
 
A Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados NacionaisA Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados Nacionais
 
Escravidão no Brasil
Escravidão no BrasilEscravidão no Brasil
Escravidão no Brasil
 
A Civilização Grega - 6º Ano (2016)
A Civilização Grega - 6º Ano (2016)A Civilização Grega - 6º Ano (2016)
A Civilização Grega - 6º Ano (2016)
 
1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia
 
Proclamação da república
Proclamação da repúblicaProclamação da república
Proclamação da república
 
Capítulo 4 - África Antiga: egito e núbia
Capítulo 4 - África Antiga: egito e núbiaCapítulo 4 - África Antiga: egito e núbia
Capítulo 4 - África Antiga: egito e núbia
 
História da África e escravidão africana
História da África e escravidão africanaHistória da África e escravidão africana
História da África e escravidão africana
 
Introdução ao estudo de História
Introdução ao estudo de HistóriaIntrodução ao estudo de História
Introdução ao estudo de História
 
O povo-hebreu
O povo-hebreuO povo-hebreu
O povo-hebreu
 
Africa - Iorubas e Bantos
Africa - Iorubas e BantosAfrica - Iorubas e Bantos
Africa - Iorubas e Bantos
 

Semelhante a Civilizações da África Antiga

Primeiras civilizações sociedades africanas da antiguidade
Primeiras civilizações   sociedades africanas da antiguidadePrimeiras civilizações   sociedades africanas da antiguidade
Primeiras civilizações sociedades africanas da antiguidade
seixasmarianas
 
O reino de kush
O reino de kushO reino de kush
O reino de kush
historiando
 
África organização dos povos.pptx
África organização dos povos.pptxÁfrica organização dos povos.pptx
África organização dos povos.pptx
MaraMagana2
 
6º Aula Africa_Antiga os primeiros grupos
6º Aula Africa_Antiga os primeiros grupos6º Aula Africa_Antiga os primeiros grupos
6º Aula Africa_Antiga os primeiros grupos
andresycosta
 
Africa antiga
Africa antigaAfrica antiga
Africa antiga
Alexandre Heleno
 
India história
India históriaIndia história
India história
Andrea Lemos
 
O reino de kush
O reino de kushO reino de kush
O reino de kush
Nelia Salles Nantes
 
Reino da núbia
Reino da núbiaReino da núbia
Reino da núbia
Íris Ferreira
 
O reino de kush
O reino de kushO reino de kush
O reino de kush
Nelia Salles Nantes
 
áFrica contexto histórico-social e aspectos gerais da atualidade
áFrica   contexto histórico-social e aspectos gerais da atualidadeáFrica   contexto histórico-social e aspectos gerais da atualidade
áFrica contexto histórico-social e aspectos gerais da atualidade
Uiles Martins
 
África Medieval - 7º Ano (2018)
África Medieval - 7º Ano (2018)África Medieval - 7º Ano (2018)
África Medieval - 7º Ano (2018)
Nefer19
 
Civilização africana
Civilização africanaCivilização africana
Civilização africana
Natalia Cristina
 
Oreino de kush
Oreino de kushOreino de kush
Oreino de kush
Loredana Ruffo
 
História de África - parte 3
História de África - parte 3História de África - parte 3
História de África - parte 3
João Vieira Branco
 
O reino de kush
O reino de kushO reino de kush
O reino de kush
Nelia Salles Nantes
 
O reino de kush
O reino de kushO reino de kush
O reino de kush
historiando
 
Africa Antes Dos Europeus
Africa Antes Dos EuropeusAfrica Antes Dos Europeus
Africa Antes Dos Europeus
Nila Michele Bastos Santos
 
Revisao.egito
Revisao.egitoRevisao.egito
Revisao.egito
Scriba Digital
 
02 mesopotâmia
02   mesopotâmia02   mesopotâmia
Mesopotâmia
MesopotâmiaMesopotâmia
Mesopotâmia
ProfessoresColeguium
 

Semelhante a Civilizações da África Antiga (20)

Primeiras civilizações sociedades africanas da antiguidade
Primeiras civilizações   sociedades africanas da antiguidadePrimeiras civilizações   sociedades africanas da antiguidade
Primeiras civilizações sociedades africanas da antiguidade
 
O reino de kush
O reino de kushO reino de kush
O reino de kush
 
África organização dos povos.pptx
África organização dos povos.pptxÁfrica organização dos povos.pptx
África organização dos povos.pptx
 
6º Aula Africa_Antiga os primeiros grupos
6º Aula Africa_Antiga os primeiros grupos6º Aula Africa_Antiga os primeiros grupos
6º Aula Africa_Antiga os primeiros grupos
 
Africa antiga
Africa antigaAfrica antiga
Africa antiga
 
India história
India históriaIndia história
India história
 
O reino de kush
O reino de kushO reino de kush
O reino de kush
 
Reino da núbia
Reino da núbiaReino da núbia
Reino da núbia
 
O reino de kush
O reino de kushO reino de kush
O reino de kush
 
áFrica contexto histórico-social e aspectos gerais da atualidade
áFrica   contexto histórico-social e aspectos gerais da atualidadeáFrica   contexto histórico-social e aspectos gerais da atualidade
áFrica contexto histórico-social e aspectos gerais da atualidade
 
África Medieval - 7º Ano (2018)
África Medieval - 7º Ano (2018)África Medieval - 7º Ano (2018)
África Medieval - 7º Ano (2018)
 
Civilização africana
Civilização africanaCivilização africana
Civilização africana
 
Oreino de kush
Oreino de kushOreino de kush
Oreino de kush
 
História de África - parte 3
História de África - parte 3História de África - parte 3
História de África - parte 3
 
O reino de kush
O reino de kushO reino de kush
O reino de kush
 
O reino de kush
O reino de kushO reino de kush
O reino de kush
 
Africa Antes Dos Europeus
Africa Antes Dos EuropeusAfrica Antes Dos Europeus
Africa Antes Dos Europeus
 
Revisao.egito
Revisao.egitoRevisao.egito
Revisao.egito
 
02 mesopotâmia
02   mesopotâmia02   mesopotâmia
02 mesopotâmia
 
Mesopotâmia
MesopotâmiaMesopotâmia
Mesopotâmia
 

Mais de Fábio Paiva

Buscai e Achareis - ESE Cap 23
Buscai e Achareis - ESE Cap 23Buscai e Achareis - ESE Cap 23
Buscai e Achareis - ESE Cap 23
Fábio Paiva
 
Buscai e Achareis - ESE Cap 25
Buscai e Achareis - ESE Cap 25Buscai e Achareis - ESE Cap 25
Buscai e Achareis - ESE Cap 25
Fábio Paiva
 
Estados Nacionais Modernos
Estados Nacionais ModernosEstados Nacionais Modernos
Estados Nacionais Modernos
Fábio Paiva
 
Reformas religiosas
Reformas religiosasReformas religiosas
Reformas religiosas
Fábio Paiva
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
Fábio Paiva
 
Maria, Mãe de Jesus - um olhar espírita
Maria, Mãe de Jesus - um olhar espíritaMaria, Mãe de Jesus - um olhar espírita
Maria, Mãe de Jesus - um olhar espírita
Fábio Paiva
 
Historia 6º ano - Egito
Historia 6º ano - EgitoHistoria 6º ano - Egito
Historia 6º ano - Egito
Fábio Paiva
 
Historia 6º ano - Mesopotâmia
Historia 6º ano - MesopotâmiaHistoria 6º ano - Mesopotâmia
Historia 6º ano - Mesopotâmia
Fábio Paiva
 
As faces visível e oculta do Alcoolismo
As faces visível e oculta do AlcoolismoAs faces visível e oculta do Alcoolismo
As faces visível e oculta do Alcoolismo
Fábio Paiva
 
Historia 6º ano - Antiguidade conceitos
Historia 6º ano - Antiguidade conceitosHistoria 6º ano - Antiguidade conceitos
Historia 6º ano - Antiguidade conceitos
Fábio Paiva
 
Honrai Pai e Mãe - ESE cap XIV
Honrai Pai e Mãe - ESE cap XIVHonrai Pai e Mãe - ESE cap XIV
Honrai Pai e Mãe - ESE cap XIV
Fábio Paiva
 
Reforma Íntima
Reforma ÍntimaReforma Íntima
Reforma Íntima
Fábio Paiva
 
Cuantas razas hay en el mundo
Cuantas razas hay en el mundoCuantas razas hay en el mundo
Cuantas razas hay en el mundo
Fábio Paiva
 
Pré-Historia brasileira - História 6º ano
Pré-Historia brasileira  - História 6º anoPré-Historia brasileira  - História 6º ano
Pré-Historia brasileira - História 6º ano
Fábio Paiva
 
A evolução do ser humano - História 6º ano
A evolução do ser humano - História 6º anoA evolução do ser humano - História 6º ano
A evolução do ser humano - História 6º ano
Fábio Paiva
 
Historia 6 ano tempo e cultura
Historia 6 ano   tempo e culturaHistoria 6 ano   tempo e cultura
Historia 6 ano tempo e cultura
Fábio Paiva
 
Consumismo infantil
Consumismo infantilConsumismo infantil
Consumismo infantil
Fábio Paiva
 
Reencarnação Cap IV ESE
Reencarnação Cap IV ESEReencarnação Cap IV ESE
Reencarnação Cap IV ESE
Fábio Paiva
 

Mais de Fábio Paiva (18)

Buscai e Achareis - ESE Cap 23
Buscai e Achareis - ESE Cap 23Buscai e Achareis - ESE Cap 23
Buscai e Achareis - ESE Cap 23
 
Buscai e Achareis - ESE Cap 25
Buscai e Achareis - ESE Cap 25Buscai e Achareis - ESE Cap 25
Buscai e Achareis - ESE Cap 25
 
Estados Nacionais Modernos
Estados Nacionais ModernosEstados Nacionais Modernos
Estados Nacionais Modernos
 
Reformas religiosas
Reformas religiosasReformas religiosas
Reformas religiosas
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
 
Maria, Mãe de Jesus - um olhar espírita
Maria, Mãe de Jesus - um olhar espíritaMaria, Mãe de Jesus - um olhar espírita
Maria, Mãe de Jesus - um olhar espírita
 
Historia 6º ano - Egito
Historia 6º ano - EgitoHistoria 6º ano - Egito
Historia 6º ano - Egito
 
Historia 6º ano - Mesopotâmia
Historia 6º ano - MesopotâmiaHistoria 6º ano - Mesopotâmia
Historia 6º ano - Mesopotâmia
 
As faces visível e oculta do Alcoolismo
As faces visível e oculta do AlcoolismoAs faces visível e oculta do Alcoolismo
As faces visível e oculta do Alcoolismo
 
Historia 6º ano - Antiguidade conceitos
Historia 6º ano - Antiguidade conceitosHistoria 6º ano - Antiguidade conceitos
Historia 6º ano - Antiguidade conceitos
 
Honrai Pai e Mãe - ESE cap XIV
Honrai Pai e Mãe - ESE cap XIVHonrai Pai e Mãe - ESE cap XIV
Honrai Pai e Mãe - ESE cap XIV
 
Reforma Íntima
Reforma ÍntimaReforma Íntima
Reforma Íntima
 
Cuantas razas hay en el mundo
Cuantas razas hay en el mundoCuantas razas hay en el mundo
Cuantas razas hay en el mundo
 
Pré-Historia brasileira - História 6º ano
Pré-Historia brasileira  - História 6º anoPré-Historia brasileira  - História 6º ano
Pré-Historia brasileira - História 6º ano
 
A evolução do ser humano - História 6º ano
A evolução do ser humano - História 6º anoA evolução do ser humano - História 6º ano
A evolução do ser humano - História 6º ano
 
Historia 6 ano tempo e cultura
Historia 6 ano   tempo e culturaHistoria 6 ano   tempo e cultura
Historia 6 ano tempo e cultura
 
Consumismo infantil
Consumismo infantilConsumismo infantil
Consumismo infantil
 
Reencarnação Cap IV ESE
Reencarnação Cap IV ESEReencarnação Cap IV ESE
Reencarnação Cap IV ESE
 

Último

Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdfAtividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
sesiomzezao
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 

Último (20)

Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdfAtividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 

Civilizações da África Antiga

  • 2. A África é considerada o grande berço da humanidade, já que de lá têm origem nossos ancestrais mais remotos. Nesse continente se desenvolveu uma das civilizações mais antigas e ricas que conhecemos, o Egito. Civilizações da África Antiga
  • 3. O Continente Africano A África possui mais de 50 países e centenas de etnias. A diversidade cultural é a marca desse continente.
  • 4. África subsaariana – Angola, Congo, Quênia, África do Sul e demais países do continente. África do norte – Formado por Marrocos, Tunísia, Argélia, Líbia e Egito. África do norte Deserto do Saara África subsaariana Deserto do Saara – Maior deserto do mundo, com mais de 7 milhões de quilômetros quadrados). Atravessa dez países e divide o continente em duas partes distintas. As “Duas Áfricas”
  • 5. A comunicação entre as duas Áfricas só foi possível porque alguns seres humanos se adaptaram ao deserto: vida nômade, uso do camelo e localização dos oásis. A grande motivação foi o comércio, mas também proporcionou grande intercâmbio cultural. Tuaregue de grupo nômade da região sudeste da Líbia, no oásis do lago Umm al Maa. Os tuaregues são um grupo nômade que mantém suas tradições nos dias atuais. As “Duas Áfricas”
  • 6. O norte da África foi o berço da civilização egípcia e sua ocupação ocorreu de maneira fácil em razão da proximidade com o mar Mediterrâneo. Já a África subsaariana, com áreas de mata fechada, pouca fertilidade nos solos e grande número de doenças transmitidas por insetos, teve uma ocupação mais difícil. Reinos da África – Séculos VII a.C. - XV d.C
  • 7. Mercadorias como ouro, prata, ferro e marfim entravam e saíam de Cartago através de um grande porto em formato circular, com espaço para mais de duzentas embarcações de guerra. Cidade-Estado fundada pelos fenícios no século VIII a.C. na atual região da Tunísia, foi uma das maiores potências militares e comerciais do Mediterrâneo. Cartago
  • 8. No século III a.C., os romanos passaram a disputar a hegemonia do Mediterrâneo com os cartagineses, o que culminou em diversos conflitos travados entre 246 a.C. e 146 a.C., as Guerras Púnicas. Com a vitória de Roma, Cartago foi destruída, anexada ao Império Romano e os sobreviventes tornaram-se escravos. Cartago
  • 9. Os noks cultivavam produtos como inhame, abóbora, dendê e sorgo; dominavam a metalurgia do ferro, que usavam para produzir utensílios e adornos; e confeccionavam esculturas em terracota. Por volta do século IX a.C. a civilização nok começou a se formar, ocupando áreas onde atualmente se encontram países como Nigéria, Níger, Mali e Costa do Marfim. A Civilização Nok
  • 10. A civilização nok desapareceu por volta de 200 d.C., e alguns historiadores acreditam que ela tenha sido a precursora da cultura ioruba, que se desenvolveu na mesma região séculos mais tarde. A Civilização Nok
  • 11. A Núbia era uma região desértica cortada pelo Rio Nilo, localizada entre a 1ª e a 6ª catarata desse rio, ao sul do Egito e a norte do atual Sudão. Na Antiguidade, foi onde floresceu a mais antiga civilização negra da África. Por volta do século IX a.C., se instalou na região um Estado centralizado, o Reino de Kush, que recebia influências do Egito, desde a escrita hieroglífica à organização social e política. Napata e Meroé foram as principais cidades núbias. O Reino de Kush
  • 12. Por volta de 770 a.C., os cuxitas dominaram o Egito, fundando a dinastia dos faraós negros. O Reino de Kush Os faraós cuxitas tinham o costume de usar uma coroa com duas serpentes, que simbolizava o poder sobre dois reinos: Egito e
  • 13. Quando, em 657 a.C., o Egito foi invadido pelos assírios, os cuxitas foram obrigados a retornar para Napata que, por sua vez, foi invadida também pelos assírios, em 591 a.C., o que obrigou o Reino de Kush a se concentrar em Meroé, construindo uma nova fase da história cuxita, mais isolados do Egito, o período meroítico. O Reino de Kush
  • 14. Meroé também era um importante centro comercial e, em pouco tempo, se tornou um grande centro produtor de objetos de ferro do continente africano. Nesse período, os cuxitas desenvolveram escrita própria, a meroíta, formada de 23 caracteres, escritos da esquerda para a direita, com as palavras separadas entre si por dois ou três pontos. O Reino de Kush começou a entrar em decadência nos primeiros séculos da Era Cristã, segundo os historiadores, por problemas causados pelo corte indiscriminado de árvores para alimentar os fornos de fundição de ferro. No século IV a.C., o território de Kush foi invadido e conquistado pelo Reino de Axum. O Reino de Kush
  • 15. O intenso comércio na região possibilitou que a população local entrasse em contato com a escrita e que suas aldeias se desenvolvessem e se tornassem cidades, dentre as quais podemos destacar Axum e Adúlis. Os primeiros habitantes que chegaram à região (hoje ocupada por países como Somália, Etiópia, Eritreia e Djibuti) vieram do sul da península Arábica, por volta do século VII a.C. A Civilização de Axum
  • 16. A rica atividade comercial axumita possibilitou que sua civilização se expandisse, dominando territórios da península Arábica e do Reino de Kush, além de outras áreas vizinhas. No século II a.C., Adúlis tinha um dos portos mais movimentados do mar Vermelho, enquanto Axum, localizada no interior, se consolidava como um importante centro comercial. A Civilização de Axum
  • 17. Até a metade do século IV, a população axumita era politeísta, porém, com a conversão do rei Ezana ao cristianismo, o Reino de Axum se tornou o primeiro reino cristão do continente africano – ainda hoje a Etiópia é um país cristão. O território de Axum foi invadido e dominado pelos muçulmanos no século VII. Campo de estelas, monumentos religiosos ou funerários, na cidade de Axum, atual Etiópia. Na entrada do campo está a estela do rei Ezana (centro), primeiro rei a se converter ao cristianismo (cerca do ano 300 da Era Cristã). A Civilização de Axum
  • 18. Diz a lenda que ela teria ouvido falar na sabedoria de Salomão, rei de Judá, e feito uma viagem até Jerusalém para conhecê-lo. Da união dos dois teria nascido Menelik e tido início uma dinastia de reis etíopes que governou até o século XX. O Reino de Axum guarda uma das mais ricas histórias do continente africano: a de Makeda, a rainha de Sabá. Famosa por sua beleza, a rainha teria sido uma das governantes dos axumitas. Afresco (pintura mural) etíope representando a viagem da rainha de Sabá para encontrar o rei Salomão em Jerusalém. A Rainha de Sabá
  • 19. Referências Projeto Teláris: História / Gislane Campos de Azevedo, Reinaldo Seriacopi. – 1ª Edição – São Paulo: Ática, 2012. www.professoredley.com.br Imagens diversas do buscador Bing