SlideShare uma empresa Scribd logo
Evangelho Segundo o Espiritismo
Capítulo XIVCapítulo XIV
““Honrai a vosso pai e a vossa mãe”Honrai a vosso pai e a vossa mãe”
Acesso em 11Ago13.
http://livrariaupstage.com/media/catalog/product/cache/1/image/265x383/5e06319eda0
6f020e43594a9c230972d/O/_/O_Evangelho_Segundo_o_Espiritismo.jpg
Acesso em 16Set13. http://palavrasveridicas.files.wordpress.com/2012/11/301164_339078026182750_138272290_n1.jpg
Acesso em 16Set13.http://farm4.static.flickr.com/3004/2735882206_0c9ef7bc02.jpg?v=0
“Honra teu pai e tua mãe, para que
teus dias se prolonguem sobre a
terra que te dá o Senhor, teu Deus”.
(Decálogo, Êxodo, 20:12)
Deuteronômio, 5:16 (discurso de Moisés);
Mateus, 15:4 (fariseus); 19:19 (jovem rico);
Marcos, 7:10 (fariseus);
Lucas, 18:20 (jovem rico);
Efésios, 6:2-3.
““Honrai a vosso pai e a vossa mãe”Honrai a vosso pai e a vossa mãe”
Reflexão sobre o papelReflexão sobre o papel
dos pais e dos filhos:dos pais e dos filhos:
-- Piedade filialPiedade filial
- Missão paterna- Missão paterna
- Tipos de parentesco- Tipos de parentesco
““... é uma consequência da lei geral de caridade e de... é uma consequência da lei geral de caridade e de
amor ao próximo...” (A. Kardec, ESE, cap XIV)amor ao próximo...” (A. Kardec, ESE, cap XIV)
Parentesco corporal e parentesco espiritualParentesco corporal e parentesco espiritual
“Os laços do sangue não
criam forçosamente os
laços entre os Espíritos.
O corpo procede do corpo,
mas o Espírito não procede
do Espírito, porquanto o
Espírito já existia antes da
formação do corpo.”
(A. Kardec, LE, cap. X)
Acesso em 16Set13. http://blog.cancaonova.com/conversao/files/2009/03/1076537_37888294.jpg
Parentesco corporal e parentesco espiritualParentesco corporal e parentesco espiritual
“Os que encarnam numa família, sobretudo como
parentes próximos, são, as mais das vezes, Espíritos
simpáticos…
Mas, também pode acontecer sejam completamente
estranhos uns aos outros esses Espíritos, afastados entre
si por antipatias igualmente anteriores …
Não são os da consanguinidade os verdadeiros laços deNão são os da consanguinidade os verdadeiros laços de
família e sim os da simpatia e da comunhão de ideias, osfamília e sim os da simpatia e da comunhão de ideias, os
quais prendem os Espíritos antes, durante e depois dequais prendem os Espíritos antes, durante e depois de
suas encarnações.suas encarnações.”
(A. Kardec, LE, cap. X)
Acesso em 16Set13. http://joliebrasil.zip.net/images/AJ139.jpg
Parentesco corporal e parentesco espiritualParentesco corporal e parentesco espiritual
Há duas espécies de famílias:
as famílias pelos laços espirituais e
as famílias pelos laços corporais.
Duráveis, as primeiras se fortalecem pela purificação e
se perpetuam no mundo dos Espíritos, através das
várias migrações da alma;
as segundas, frágeis como a matéria, se extinguem com
o tempo e muitas vezes se dissolvem moralmente, já na
existência atual.
Acesso em 16Set13. http://4.bp.blogspot.com/-
iV0z6DT99Vo/UY_myfEjBeI/AAAAAAAAAyw/kbsbcJGxAxc/s400/Fam%C3%ADlia.jpg
“Não escorraceis, pois, a criancinha que repele sua
mãe, nem a que vos paga com a ingratidão; não foi o
acaso que a fez assim e que vo-la deu. Imperfeita
intuição do passado se revela, do qual podeis deduzir
que um ou outro já odiou muito, ou foi muito
ofendido; que um ou outro veio para perdoar ou para
expiar.” (A. Kardec - Sto Agostinho, ESE, cap. 14, item 9)
ConsequênciaConsequência
Acesso em
16Set13http://novotempo.com/radio/files/medo_infatil
2_218110172212234.jpg
Acesso em 16Set13.http://protestantismo.ieadcg.com.br/estudos/imagens/cartas_paulinas.jpg
“1
Filhos obedecei a vossos pais segundo
o Senhor; porque isto é justo. 2
O
primeiro mandamento acompanhado
de uma promessa é: Honra teu pai e tua
mãe, 3
para que sejas feliz e tenhas
longa vida sobre a Terra.
4
Pais não exaspereis vossos filhos. Pelo
contrário, criai-os na educação e
doutrina do Senhor”.
(Carta de Paulo aos Efésios, cap. 6)
PIEDADE FILIAL
E
MISSÃO PATERNA
“Filhos obedecei a vossos pais segundo o Senhor; porque
isto é justo.(Efésios, 6:1)
...[A mocidade] Estima criar rumos caprichosos,
desdenhando sagradas experiências de quem a precedeu,
no desdobramento das realizações terrestres, para voltar,
mais tarde, em desânimo, ao ponto de partida, quando o
sofrimento ou a madureza dos anos lhe restauram a
compreensão.
(…) Não nos esqueçamos que o filho descuidado, ocioso
ou perverso é o pai inconsciente de amanhã e homem
inferior que não fruirá a felicidade doméstica.”
(Emmanuel/Chico Xavier, Vinha de Luz, 136)
Conflito de geraçõesConflito de gerações
Acesso em 16Set13 http://1.bp.blogspot.com/-
ln9XHJo7AvQ/UgaBRSNgrrI/AAAAAAAACyQ/w3LBSxbpEM0/s16
00/foto+4+de+10+a+estrada.jpg
“…o termo honrai encerra um dever a mais para com
eles: o da piedade filial. Quis Deus mostrar por essa
forma que ao amor se devem juntar o respeito, as
atenções, a submissão e a condescendência, o que envolve
a obrigação de cumprir-se para com eles … tudo o que a
caridade ordena relativamente ao próximo em geral.
(…) Não, os filhos não devem a seus pais pobres só o
estritamente necessário, devem-lhes também, na medida
do que puderem, os pequenos nadas supérfluos, as
solicitudes, os cuidados amáveis, que são apenas o juro
do que receberam, o pagamento de uma dívida sagrada.”
(A. Kardec, LE, cap. X)
Piedade FilialPiedade Filial
Acesso em 16Set13http://2.bp.blogspot.com/-
fmQLUchmWVw/Tf9Y29XIU1I/AAAAAAAAAX4/13R4CqxDS10/s
1600/homepage.jpg
Acesso em 16Set13.http://2.bp.blogspot.com/-FBHUqJgxwnY/UDTpnPKzG8I/AAAAAAAAAlk/Cb7h_vYjIsc/s1600/Honrar+Pais.jpg
“Certos pais, é verdade, menosprezam
seus deveres e não são para os filhos o
que deviam ser; mas, a Deus é que
compete puni-los e não a seus filhos.
… Se a caridade estabelece como lei
retribuir o mal com o bem, ser
indulgente para com as imperfeições
alheias, não maldizer o próximo,
esquecer e perdoar os erros, amar os
inimigos, quanto essa obrigação é
maior ainda com relação aos pais? ...”
(A. Kardec, LE, cap. X)
Piedade FilialPiedade Filial
Acesso em 16Set13. http://1.bp.blogspot.com/-_ogSTjQKlSE/Tsfsj_eGqlI/AAAAAAAACZY/ERpY5ZbJFSw/s320/jpa1.jpg
e http://www.diarioliberdade.org/archivos/Colaboradores_avanzados/manu/2012-05/240512_trabalho_infantil22.jpg
“582. Pode-se considerar como missão a paternidade?
É, sem contestação possível, uma verdadeira
missão. É ao mesmo tempo grandíssimo dever e que
envolve, mais do que o pensa o homem, a sua
responsabilidade quanto ao futuro. Deus colocou o
filho sob a tutela dos pais, a fim de que estes o dirijam
pela senda do bem, e lhes facilitou a tarefa dando
àquele uma organização débil e delicada, que o torna
propício a todas as impressões...”
(A. Kardec, LE, cap. X)
Missão Paterna - caracterizaçãoMissão Paterna - caracterização
Acesso em 16Set13.http://3.bp.blogspot.com/-
wVeFPulNsaA/UgTh7xbHpMI/AAAAAAAADB4/oToJcHTZ2rw/s640/paternidade.jpg
“113. Os pais espiritistas devem ministrar a educação
doutrinária a seus filhos ou podem deixar de fazê-lo invocando
as razões de que, em matéria de religião, apreciam mais a plena
liberdade dos filhos?
… Deve nutrir-se o coração infantil com a crença, com
a bondade, com a esperança e com a fé em Deus. Agir
contrariamente a essas normas é abrir para o faltoso de
ontem a mesma porta larga para os excessos de toda
sorte, que conduzem ao aniquilamento e ao crime ...”
(Emmanuel/Chico Xavier, O Consolador, p. 75)
Missão Paterna - orientaçãoMissão Paterna - orientação
Acesso em 16Set13 .http://3.bp.blogspot.com/-
QxLDwU3LYsY/Uf1P7SgafAI/AAAAAAAAA4g/EdKi9XTtUi0/s1600/IEMREGrajau+-+Li
%C3%A7%C3%B5es+B%C3%ADblicas+-+Licao+08+-+Familia.jpg
“E vós pais não provoqueis a ira a vossos filhos, mas criai-
os na doutrina e na educação do Senhor.(Efésios, 6:4)
(…) A maioria dos pais humanos vivem desviados,
através de vários modos, seja nos excessos de ternura ou
na demasia de exigência, mas a luz do Evangelho
caminharão todos no rumo da era nova, compreendendo
que, para ser pai ou mãe são necessários profundos dotes
de amor, à frente dessas qualidades deve brilhar o divino
dom do equilíbrio.” (Emmanuel/Chico Xavier, Vinha de Luz, 135)
Missão Paterna - orientaçãoMissão Paterna - orientação
Acesso em 16Set13.http://www.pontozero.net.br/wp-content/uploads/2013/08/man-of-
steel-kevin-costner-1.jpg
“Desde pequenina, a criança manifesta os instintos bons
ou maus que traz da sua existência anterior. A estudá-los
devem os pais aplicar-se. Todos os males se originam do
egoísmo e do orgulho. Espreitem, pois, os pais os menores
indícios reveladores do gérmen de tais vícios e cuidem de
combatê-los, sem esperar que lancem raízes profundas.
(…) Se deixarem se desenvolvam o egoísmo e o orgulho,
não se espantem de serem mais tarde pagos com a
ingratidão.” (A. Kardec - Sto Agostinho, ESE, cap. 14, item 9)
Missão Paterna – ingratidão dos filhosMissão Paterna – ingratidão dos filhos
Acesso em
16Set13http://2.bp.blogspot.com/_HmfJdW9Wkhk/S78vanSOLAI/AAAAAAAAAWo/Nv2K8oFk
AIQ/s320/Conflitos+de+relacionamento+entre+pais+e+filhos.jpg
Vídeo – Amor sem palavras
https://www.youtube.com/watch?v=aFO6QwZY6uY
Missão Paterna – ingratidão dos filhosMissão Paterna – ingratidão dos filhos
“Quando os pais hão feito tudo o que devem pelo
adiantamento moral de seus filhos, se não alcançam êxito,
não têm de que se inculpar a si mesmos e podem
conservar tranquila a consciência. À amargura muito
natural que então lhes advém da improdutividade de seus
esforços, Deus reserva grande e imensa consolação, na
certeza de que se trata apenas de um retardamento, que
concedido lhes será concluir noutra existência a obra
agora começada e que um dia o filho ingrato os
recompensará com seu amor.”
(A. Kardec - Sto Agostinho, ESE, cap. 14, item 9)
Missão Paterna – ingratidão dos filhosMissão Paterna – ingratidão dos filhos
Acesso em 16Set13http://media.tumblr.com/tumblr_m99vqcZDGi1rod8uj.jpg
Economizando palavras
e discursando com gestos
“Se um pai for repetitivo, racional, crítico eSe um pai for repetitivo, racional, crítico e
prolixo com o filho, ele empobrece a relaçãoprolixo com o filho, ele empobrece a relação
interpessoal e se torna pouco eficiente comointerpessoal e se torna pouco eficiente como
educador. Porém se o surpreender continuamenteeducador. Porém se o surpreender continuamente
com gestos inesperados, com momentos decom gestos inesperados, com momentos de
silêncio, com diálogos inteligentes, com elogiossilêncio, com diálogos inteligentes, com elogios
agradáveis, certamente ao longo dos meses eleagradáveis, certamente ao longo dos meses ele
conquistará esse filho e o ajudará a reconstruirconquistará esse filho e o ajudará a reconstruir
sua história.sua história.”
(Augusto Cury, O Mestre dos Mestres – Jesus o maior educador da História, p. 141)
ConclusãoConclusão
Acesso em 16Set13 http://visaoespiritabr.com.br/wp-content/uploads/2012/08/Foto-de-pais-e-filhos-07.jpg
Vídeo – Filho adotivo
https://www.youtube.com/watch?v=WwwwkEeE0MM
Filho adotivo – Sérgio ReisFilho adotivo – Sérgio Reis

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Livre arbítrio na ótica espírita
Livre arbítrio na ótica espíritaLivre arbítrio na ótica espírita
Livre arbítrio na ótica espírita
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Convidar os pobres e estropiados - Cap. XIII - ESE
Convidar os pobres e estropiados - Cap. XIII - ESEConvidar os pobres e estropiados - Cap. XIII - ESE
Convidar os pobres e estropiados - Cap. XIII - ESE
Fernanda Florian
 
Estudos do evangelho 21
Estudos do evangelho 21Estudos do evangelho 21
Estudos do evangelho 21
Leonardo Pereira
 
Cap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitos
Cap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitosCap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitos
Cap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitos
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Egoismo
EgoismoEgoismo
Egoismo
Lisete B.
 
Missão do ser humano inteligente na terra
Missão do ser humano inteligente na terraMissão do ser humano inteligente na terra
Missão do ser humano inteligente na terra
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Trabalhadores Da úLtima Hora
Trabalhadores Da úLtima HoraTrabalhadores Da úLtima Hora
Trabalhadores Da úLtima Hora
Sergio Menezes
 
Cap 12 Amar os vossos Inimigos
Cap 12 Amar os vossos InimigosCap 12 Amar os vossos Inimigos
Cap 12 Amar os vossos Inimigos
gmo1973
 
O homem de bem, grande desafio
O homem de bem, grande desafioO homem de bem, grande desafio
O homem de bem, grande desafio
Graça Maciel
 
Os Inimigos Desencarnados(Ese)
Os Inimigos Desencarnados(Ese)Os Inimigos Desencarnados(Ese)
Os Inimigos Desencarnados(Ese)
Grupo Espírita Cristão
 
Causas das aflições
Causas das afliçõesCausas das aflições
Causas das aflições
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Ingratidão dos Filhos e Laços de Família
Ingratidão dos Filhos e Laços de FamíliaIngratidão dos Filhos e Laços de Família
Ingratidão dos Filhos e Laços de Família
igmateus
 
Tormentos voluntários - Quando buscamos a dor
Tormentos voluntários - Quando buscamos a dorTormentos voluntários - Quando buscamos a dor
Tormentos voluntários - Quando buscamos a dor
Danilo Galvão
 
Esperança (Palestra Espirita)
Esperança (Palestra Espirita)Esperança (Palestra Espirita)
Esperança (Palestra Espirita)
Marcos Antônio Alves
 
Ese capítulo 26 – dar de graça o que de graça recebeste
Ese   capítulo 26 – dar de graça o que de graça recebesteEse   capítulo 26 – dar de graça o que de graça recebeste
Ese capítulo 26 – dar de graça o que de graça recebeste
Humberto E. Hasegawa
 
Pensamento e vontade
Pensamento e vontadePensamento e vontade
Pensamento e vontade
Dalila Melo
 
ÓDIO na visão Espírita
ÓDIO na visão EspíritaÓDIO na visão Espírita
ÓDIO na visão Espírita
ARMAZÉM DE ARTES TANIA PAUPITZ
 
AULA- Lei do trabalho
AULA- Lei do trabalhoAULA- Lei do trabalho
AULA- Lei do trabalho
Harleyde Santos
 
A família na visão espírita
A família na visão espíritaA família na visão espírita
A família na visão espírita
Jerri Almeida
 
Meu reino não é deste mundo
Meu reino não é deste mundoMeu reino não é deste mundo
Meu reino não é deste mundo
Eduardo Ottonelli Pithan
 

Mais procurados (20)

Livre arbítrio na ótica espírita
Livre arbítrio na ótica espíritaLivre arbítrio na ótica espírita
Livre arbítrio na ótica espírita
 
Convidar os pobres e estropiados - Cap. XIII - ESE
Convidar os pobres e estropiados - Cap. XIII - ESEConvidar os pobres e estropiados - Cap. XIII - ESE
Convidar os pobres e estropiados - Cap. XIII - ESE
 
Estudos do evangelho 21
Estudos do evangelho 21Estudos do evangelho 21
Estudos do evangelho 21
 
Cap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitos
Cap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitosCap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitos
Cap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitos
 
Egoismo
EgoismoEgoismo
Egoismo
 
Missão do ser humano inteligente na terra
Missão do ser humano inteligente na terraMissão do ser humano inteligente na terra
Missão do ser humano inteligente na terra
 
Trabalhadores Da úLtima Hora
Trabalhadores Da úLtima HoraTrabalhadores Da úLtima Hora
Trabalhadores Da úLtima Hora
 
Cap 12 Amar os vossos Inimigos
Cap 12 Amar os vossos InimigosCap 12 Amar os vossos Inimigos
Cap 12 Amar os vossos Inimigos
 
O homem de bem, grande desafio
O homem de bem, grande desafioO homem de bem, grande desafio
O homem de bem, grande desafio
 
Os Inimigos Desencarnados(Ese)
Os Inimigos Desencarnados(Ese)Os Inimigos Desencarnados(Ese)
Os Inimigos Desencarnados(Ese)
 
Causas das aflições
Causas das afliçõesCausas das aflições
Causas das aflições
 
Ingratidão dos Filhos e Laços de Família
Ingratidão dos Filhos e Laços de FamíliaIngratidão dos Filhos e Laços de Família
Ingratidão dos Filhos e Laços de Família
 
Tormentos voluntários - Quando buscamos a dor
Tormentos voluntários - Quando buscamos a dorTormentos voluntários - Quando buscamos a dor
Tormentos voluntários - Quando buscamos a dor
 
Esperança (Palestra Espirita)
Esperança (Palestra Espirita)Esperança (Palestra Espirita)
Esperança (Palestra Espirita)
 
Ese capítulo 26 – dar de graça o que de graça recebeste
Ese   capítulo 26 – dar de graça o que de graça recebesteEse   capítulo 26 – dar de graça o que de graça recebeste
Ese capítulo 26 – dar de graça o que de graça recebeste
 
Pensamento e vontade
Pensamento e vontadePensamento e vontade
Pensamento e vontade
 
ÓDIO na visão Espírita
ÓDIO na visão EspíritaÓDIO na visão Espírita
ÓDIO na visão Espírita
 
AULA- Lei do trabalho
AULA- Lei do trabalhoAULA- Lei do trabalho
AULA- Lei do trabalho
 
A família na visão espírita
A família na visão espíritaA família na visão espírita
A família na visão espírita
 
Meu reino não é deste mundo
Meu reino não é deste mundoMeu reino não é deste mundo
Meu reino não é deste mundo
 

Semelhante a Honrai Pai e Mãe - ESE cap XIV

Livro dos Espiritos 206 Evangelho Cap14 item 9
Livro dos Espiritos 206 Evangelho Cap14 item 9Livro dos Espiritos 206 Evangelho Cap14 item 9
Livro dos Espiritos 206 Evangelho Cap14 item 9
Patricia Farias
 
Missão dos Pais
Missão dos PaisMissão dos Pais
Missão dos Pais
Graça Maciel
 
Missodospais slide share
Missodospais slide shareMissodospais slide share
Missodospais slide share
Shirley Almeida
 
Jornal A Família Católica, 2 edição, julho 2013
Jornal A Família Católica, 2 edição, julho 2013Jornal A Família Católica, 2 edição, julho 2013
Jornal A Família Católica, 2 edição, julho 2013
Thiago Guerino
 
A importância da evangelização espírita!
A importância da evangelização espírita!A importância da evangelização espírita!
A importância da evangelização espírita!
Leonardo Pereira
 
Família material e espiritual
Família material e espiritualFamília material e espiritual
Família material e espiritual
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Origem do Carnaval e Postura dos Pais
Origem do Carnaval e Postura dos PaisOrigem do Carnaval e Postura dos Pais
Origem do Carnaval e Postura dos Pais
Izabel Cristina Fonseca
 
DIA DOS PAIS - REFLEXÃO - Blog Partida e Chegada
DIA DOS PAIS - REFLEXÃO - Blog Partida e ChegadaDIA DOS PAIS - REFLEXÃO - Blog Partida e Chegada
DIA DOS PAIS - REFLEXÃO - Blog Partida e Chegada
Partida e Chegada
 
Deixai vir a mim ascrianinhas
Deixai vir a mim ascrianinhas Deixai vir a mim ascrianinhas
Deixai vir a mim ascrianinhas
Danilo Galvão
 
O Papel do Espírita na educação dp espirito Imortal.pptx
O Papel do Espírita na educação dp espirito Imortal.pptxO Papel do Espírita na educação dp espirito Imortal.pptx
O Papel do Espírita na educação dp espirito Imortal.pptx
Paulamandly
 
Livro dos Espiritos questao 205 - Evangelho - Apostolos parte 2
Livro dos Espiritos questao 205 - Evangelho - Apostolos parte 2Livro dos Espiritos questao 205 - Evangelho - Apostolos parte 2
Livro dos Espiritos questao 205 - Evangelho - Apostolos parte 2
Patricia Farias
 
Estudos do evangelho 13
Estudos do evangelho 13Estudos do evangelho 13
Estudos do evangelho 13
Leonardo Pereira
 
Família2
Família2Família2
Primeira escola
Primeira escolaPrimeira escola
Primeira escola
Lorena Dias
 
Livro dos Espíritos Q.582 e ESE cap5 item14
Livro dos Espíritos Q.582 e ESE cap5 item14Livro dos Espíritos Q.582 e ESE cap5 item14
Livro dos Espíritos Q.582 e ESE cap5 item14
Patricia Farias
 
Fortalecendo o relacionamento entre pais e filhos
Fortalecendo o relacionamento entre pais e filhosFortalecendo o relacionamento entre pais e filhos
Fortalecendo o relacionamento entre pais e filhos
Vilmar Nascimento
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 117 - Em Família
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 117 - Em FamíliaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 117 - Em Família
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 117 - Em Família
Ricardo Azevedo
 
PATERNIDADE, FAMILIA E O HOMEM DA NOVA - BOM SAMARITANO.pptx
PATERNIDADE, FAMILIA E O HOMEM DA NOVA - BOM SAMARITANO.pptxPATERNIDADE, FAMILIA E O HOMEM DA NOVA - BOM SAMARITANO.pptx
PATERNIDADE, FAMILIA E O HOMEM DA NOVA - BOM SAMARITANO.pptx
Rose Menezes
 
PATERNIDADE, FAMILIA E O HOMEM DA NOVA.pptx
PATERNIDADE, FAMILIA E O HOMEM DA NOVA.pptxPATERNIDADE, FAMILIA E O HOMEM DA NOVA.pptx
PATERNIDADE, FAMILIA E O HOMEM DA NOVA.pptx
Rose Menezes
 
Esquecimento do passado
Esquecimento do passadoEsquecimento do passado
Esquecimento do passado
Helio Cruz
 

Semelhante a Honrai Pai e Mãe - ESE cap XIV (20)

Livro dos Espiritos 206 Evangelho Cap14 item 9
Livro dos Espiritos 206 Evangelho Cap14 item 9Livro dos Espiritos 206 Evangelho Cap14 item 9
Livro dos Espiritos 206 Evangelho Cap14 item 9
 
Missão dos Pais
Missão dos PaisMissão dos Pais
Missão dos Pais
 
Missodospais slide share
Missodospais slide shareMissodospais slide share
Missodospais slide share
 
Jornal A Família Católica, 2 edição, julho 2013
Jornal A Família Católica, 2 edição, julho 2013Jornal A Família Católica, 2 edição, julho 2013
Jornal A Família Católica, 2 edição, julho 2013
 
A importância da evangelização espírita!
A importância da evangelização espírita!A importância da evangelização espírita!
A importância da evangelização espírita!
 
Família material e espiritual
Família material e espiritualFamília material e espiritual
Família material e espiritual
 
Origem do Carnaval e Postura dos Pais
Origem do Carnaval e Postura dos PaisOrigem do Carnaval e Postura dos Pais
Origem do Carnaval e Postura dos Pais
 
DIA DOS PAIS - REFLEXÃO - Blog Partida e Chegada
DIA DOS PAIS - REFLEXÃO - Blog Partida e ChegadaDIA DOS PAIS - REFLEXÃO - Blog Partida e Chegada
DIA DOS PAIS - REFLEXÃO - Blog Partida e Chegada
 
Deixai vir a mim ascrianinhas
Deixai vir a mim ascrianinhas Deixai vir a mim ascrianinhas
Deixai vir a mim ascrianinhas
 
O Papel do Espírita na educação dp espirito Imortal.pptx
O Papel do Espírita na educação dp espirito Imortal.pptxO Papel do Espírita na educação dp espirito Imortal.pptx
O Papel do Espírita na educação dp espirito Imortal.pptx
 
Livro dos Espiritos questao 205 - Evangelho - Apostolos parte 2
Livro dos Espiritos questao 205 - Evangelho - Apostolos parte 2Livro dos Espiritos questao 205 - Evangelho - Apostolos parte 2
Livro dos Espiritos questao 205 - Evangelho - Apostolos parte 2
 
Estudos do evangelho 13
Estudos do evangelho 13Estudos do evangelho 13
Estudos do evangelho 13
 
Família2
Família2Família2
Família2
 
Primeira escola
Primeira escolaPrimeira escola
Primeira escola
 
Livro dos Espíritos Q.582 e ESE cap5 item14
Livro dos Espíritos Q.582 e ESE cap5 item14Livro dos Espíritos Q.582 e ESE cap5 item14
Livro dos Espíritos Q.582 e ESE cap5 item14
 
Fortalecendo o relacionamento entre pais e filhos
Fortalecendo o relacionamento entre pais e filhosFortalecendo o relacionamento entre pais e filhos
Fortalecendo o relacionamento entre pais e filhos
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 117 - Em Família
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 117 - Em FamíliaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 117 - Em Família
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 117 - Em Família
 
PATERNIDADE, FAMILIA E O HOMEM DA NOVA - BOM SAMARITANO.pptx
PATERNIDADE, FAMILIA E O HOMEM DA NOVA - BOM SAMARITANO.pptxPATERNIDADE, FAMILIA E O HOMEM DA NOVA - BOM SAMARITANO.pptx
PATERNIDADE, FAMILIA E O HOMEM DA NOVA - BOM SAMARITANO.pptx
 
PATERNIDADE, FAMILIA E O HOMEM DA NOVA.pptx
PATERNIDADE, FAMILIA E O HOMEM DA NOVA.pptxPATERNIDADE, FAMILIA E O HOMEM DA NOVA.pptx
PATERNIDADE, FAMILIA E O HOMEM DA NOVA.pptx
 
Esquecimento do passado
Esquecimento do passadoEsquecimento do passado
Esquecimento do passado
 

Mais de Fábio Paiva

Buscai e Achareis - ESE Cap 23
Buscai e Achareis - ESE Cap 23Buscai e Achareis - ESE Cap 23
Buscai e Achareis - ESE Cap 23
Fábio Paiva
 
Buscai e Achareis - ESE Cap 25
Buscai e Achareis - ESE Cap 25Buscai e Achareis - ESE Cap 25
Buscai e Achareis - ESE Cap 25
Fábio Paiva
 
Estados Nacionais Modernos
Estados Nacionais ModernosEstados Nacionais Modernos
Estados Nacionais Modernos
Fábio Paiva
 
Reformas religiosas
Reformas religiosasReformas religiosas
Reformas religiosas
Fábio Paiva
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
Fábio Paiva
 
Civilizações da África Antiga
Civilizações da África AntigaCivilizações da África Antiga
Civilizações da África Antiga
Fábio Paiva
 
Maria, Mãe de Jesus - um olhar espírita
Maria, Mãe de Jesus - um olhar espíritaMaria, Mãe de Jesus - um olhar espírita
Maria, Mãe de Jesus - um olhar espírita
Fábio Paiva
 
Historia 6º ano - Egito
Historia 6º ano - EgitoHistoria 6º ano - Egito
Historia 6º ano - Egito
Fábio Paiva
 
Historia 6º ano - Mesopotâmia
Historia 6º ano - MesopotâmiaHistoria 6º ano - Mesopotâmia
Historia 6º ano - Mesopotâmia
Fábio Paiva
 
As faces visível e oculta do Alcoolismo
As faces visível e oculta do AlcoolismoAs faces visível e oculta do Alcoolismo
As faces visível e oculta do Alcoolismo
Fábio Paiva
 
Historia 6º ano - Antiguidade conceitos
Historia 6º ano - Antiguidade conceitosHistoria 6º ano - Antiguidade conceitos
Historia 6º ano - Antiguidade conceitos
Fábio Paiva
 
Reforma Íntima
Reforma ÍntimaReforma Íntima
Reforma Íntima
Fábio Paiva
 
Cuantas razas hay en el mundo
Cuantas razas hay en el mundoCuantas razas hay en el mundo
Cuantas razas hay en el mundo
Fábio Paiva
 
Pré-Historia brasileira - História 6º ano
Pré-Historia brasileira  - História 6º anoPré-Historia brasileira  - História 6º ano
Pré-Historia brasileira - História 6º ano
Fábio Paiva
 
A evolução do ser humano - História 6º ano
A evolução do ser humano - História 6º anoA evolução do ser humano - História 6º ano
A evolução do ser humano - História 6º ano
Fábio Paiva
 
Historia 6 ano tempo e cultura
Historia 6 ano   tempo e culturaHistoria 6 ano   tempo e cultura
Historia 6 ano tempo e cultura
Fábio Paiva
 
Consumismo infantil
Consumismo infantilConsumismo infantil
Consumismo infantil
Fábio Paiva
 
Reencarnação Cap IV ESE
Reencarnação Cap IV ESEReencarnação Cap IV ESE
Reencarnação Cap IV ESE
Fábio Paiva
 

Mais de Fábio Paiva (18)

Buscai e Achareis - ESE Cap 23
Buscai e Achareis - ESE Cap 23Buscai e Achareis - ESE Cap 23
Buscai e Achareis - ESE Cap 23
 
Buscai e Achareis - ESE Cap 25
Buscai e Achareis - ESE Cap 25Buscai e Achareis - ESE Cap 25
Buscai e Achareis - ESE Cap 25
 
Estados Nacionais Modernos
Estados Nacionais ModernosEstados Nacionais Modernos
Estados Nacionais Modernos
 
Reformas religiosas
Reformas religiosasReformas religiosas
Reformas religiosas
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
 
Civilizações da África Antiga
Civilizações da África AntigaCivilizações da África Antiga
Civilizações da África Antiga
 
Maria, Mãe de Jesus - um olhar espírita
Maria, Mãe de Jesus - um olhar espíritaMaria, Mãe de Jesus - um olhar espírita
Maria, Mãe de Jesus - um olhar espírita
 
Historia 6º ano - Egito
Historia 6º ano - EgitoHistoria 6º ano - Egito
Historia 6º ano - Egito
 
Historia 6º ano - Mesopotâmia
Historia 6º ano - MesopotâmiaHistoria 6º ano - Mesopotâmia
Historia 6º ano - Mesopotâmia
 
As faces visível e oculta do Alcoolismo
As faces visível e oculta do AlcoolismoAs faces visível e oculta do Alcoolismo
As faces visível e oculta do Alcoolismo
 
Historia 6º ano - Antiguidade conceitos
Historia 6º ano - Antiguidade conceitosHistoria 6º ano - Antiguidade conceitos
Historia 6º ano - Antiguidade conceitos
 
Reforma Íntima
Reforma ÍntimaReforma Íntima
Reforma Íntima
 
Cuantas razas hay en el mundo
Cuantas razas hay en el mundoCuantas razas hay en el mundo
Cuantas razas hay en el mundo
 
Pré-Historia brasileira - História 6º ano
Pré-Historia brasileira  - História 6º anoPré-Historia brasileira  - História 6º ano
Pré-Historia brasileira - História 6º ano
 
A evolução do ser humano - História 6º ano
A evolução do ser humano - História 6º anoA evolução do ser humano - História 6º ano
A evolução do ser humano - História 6º ano
 
Historia 6 ano tempo e cultura
Historia 6 ano   tempo e culturaHistoria 6 ano   tempo e cultura
Historia 6 ano tempo e cultura
 
Consumismo infantil
Consumismo infantilConsumismo infantil
Consumismo infantil
 
Reencarnação Cap IV ESE
Reencarnação Cap IV ESEReencarnação Cap IV ESE
Reencarnação Cap IV ESE
 

Último

Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Lourhana
 
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdfde volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
marcobueno2024
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Celso Napoleon
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
Nelson Pereira
 
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermosEnfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
FernandoCavalcante48
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Celso Napoleon
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Nilson Almeida
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Nilson Almeida
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
JaquelineSantosBasto
 

Último (10)

Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
 
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdfde volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
 
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermosEnfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
 

Honrai Pai e Mãe - ESE cap XIV

  • 1. Evangelho Segundo o Espiritismo Capítulo XIVCapítulo XIV ““Honrai a vosso pai e a vossa mãe”Honrai a vosso pai e a vossa mãe” Acesso em 11Ago13. http://livrariaupstage.com/media/catalog/product/cache/1/image/265x383/5e06319eda0 6f020e43594a9c230972d/O/_/O_Evangelho_Segundo_o_Espiritismo.jpg
  • 2. Acesso em 16Set13. http://palavrasveridicas.files.wordpress.com/2012/11/301164_339078026182750_138272290_n1.jpg
  • 3. Acesso em 16Set13.http://farm4.static.flickr.com/3004/2735882206_0c9ef7bc02.jpg?v=0 “Honra teu pai e tua mãe, para que teus dias se prolonguem sobre a terra que te dá o Senhor, teu Deus”. (Decálogo, Êxodo, 20:12) Deuteronômio, 5:16 (discurso de Moisés); Mateus, 15:4 (fariseus); 19:19 (jovem rico); Marcos, 7:10 (fariseus); Lucas, 18:20 (jovem rico); Efésios, 6:2-3.
  • 4. ““Honrai a vosso pai e a vossa mãe”Honrai a vosso pai e a vossa mãe” Reflexão sobre o papelReflexão sobre o papel dos pais e dos filhos:dos pais e dos filhos: -- Piedade filialPiedade filial - Missão paterna- Missão paterna - Tipos de parentesco- Tipos de parentesco ““... é uma consequência da lei geral de caridade e de... é uma consequência da lei geral de caridade e de amor ao próximo...” (A. Kardec, ESE, cap XIV)amor ao próximo...” (A. Kardec, ESE, cap XIV)
  • 5. Parentesco corporal e parentesco espiritualParentesco corporal e parentesco espiritual “Os laços do sangue não criam forçosamente os laços entre os Espíritos. O corpo procede do corpo, mas o Espírito não procede do Espírito, porquanto o Espírito já existia antes da formação do corpo.” (A. Kardec, LE, cap. X) Acesso em 16Set13. http://blog.cancaonova.com/conversao/files/2009/03/1076537_37888294.jpg
  • 6. Parentesco corporal e parentesco espiritualParentesco corporal e parentesco espiritual “Os que encarnam numa família, sobretudo como parentes próximos, são, as mais das vezes, Espíritos simpáticos… Mas, também pode acontecer sejam completamente estranhos uns aos outros esses Espíritos, afastados entre si por antipatias igualmente anteriores … Não são os da consanguinidade os verdadeiros laços deNão são os da consanguinidade os verdadeiros laços de família e sim os da simpatia e da comunhão de ideias, osfamília e sim os da simpatia e da comunhão de ideias, os quais prendem os Espíritos antes, durante e depois dequais prendem os Espíritos antes, durante e depois de suas encarnações.suas encarnações.” (A. Kardec, LE, cap. X) Acesso em 16Set13. http://joliebrasil.zip.net/images/AJ139.jpg
  • 7. Parentesco corporal e parentesco espiritualParentesco corporal e parentesco espiritual Há duas espécies de famílias: as famílias pelos laços espirituais e as famílias pelos laços corporais. Duráveis, as primeiras se fortalecem pela purificação e se perpetuam no mundo dos Espíritos, através das várias migrações da alma; as segundas, frágeis como a matéria, se extinguem com o tempo e muitas vezes se dissolvem moralmente, já na existência atual. Acesso em 16Set13. http://4.bp.blogspot.com/- iV0z6DT99Vo/UY_myfEjBeI/AAAAAAAAAyw/kbsbcJGxAxc/s400/Fam%C3%ADlia.jpg
  • 8. “Não escorraceis, pois, a criancinha que repele sua mãe, nem a que vos paga com a ingratidão; não foi o acaso que a fez assim e que vo-la deu. Imperfeita intuição do passado se revela, do qual podeis deduzir que um ou outro já odiou muito, ou foi muito ofendido; que um ou outro veio para perdoar ou para expiar.” (A. Kardec - Sto Agostinho, ESE, cap. 14, item 9) ConsequênciaConsequência Acesso em 16Set13http://novotempo.com/radio/files/medo_infatil 2_218110172212234.jpg
  • 9. Acesso em 16Set13.http://protestantismo.ieadcg.com.br/estudos/imagens/cartas_paulinas.jpg “1 Filhos obedecei a vossos pais segundo o Senhor; porque isto é justo. 2 O primeiro mandamento acompanhado de uma promessa é: Honra teu pai e tua mãe, 3 para que sejas feliz e tenhas longa vida sobre a Terra. 4 Pais não exaspereis vossos filhos. Pelo contrário, criai-os na educação e doutrina do Senhor”. (Carta de Paulo aos Efésios, cap. 6) PIEDADE FILIAL E MISSÃO PATERNA
  • 10. “Filhos obedecei a vossos pais segundo o Senhor; porque isto é justo.(Efésios, 6:1) ...[A mocidade] Estima criar rumos caprichosos, desdenhando sagradas experiências de quem a precedeu, no desdobramento das realizações terrestres, para voltar, mais tarde, em desânimo, ao ponto de partida, quando o sofrimento ou a madureza dos anos lhe restauram a compreensão. (…) Não nos esqueçamos que o filho descuidado, ocioso ou perverso é o pai inconsciente de amanhã e homem inferior que não fruirá a felicidade doméstica.” (Emmanuel/Chico Xavier, Vinha de Luz, 136) Conflito de geraçõesConflito de gerações Acesso em 16Set13 http://1.bp.blogspot.com/- ln9XHJo7AvQ/UgaBRSNgrrI/AAAAAAAACyQ/w3LBSxbpEM0/s16 00/foto+4+de+10+a+estrada.jpg
  • 11. “…o termo honrai encerra um dever a mais para com eles: o da piedade filial. Quis Deus mostrar por essa forma que ao amor se devem juntar o respeito, as atenções, a submissão e a condescendência, o que envolve a obrigação de cumprir-se para com eles … tudo o que a caridade ordena relativamente ao próximo em geral. (…) Não, os filhos não devem a seus pais pobres só o estritamente necessário, devem-lhes também, na medida do que puderem, os pequenos nadas supérfluos, as solicitudes, os cuidados amáveis, que são apenas o juro do que receberam, o pagamento de uma dívida sagrada.” (A. Kardec, LE, cap. X) Piedade FilialPiedade Filial Acesso em 16Set13http://2.bp.blogspot.com/- fmQLUchmWVw/Tf9Y29XIU1I/AAAAAAAAAX4/13R4CqxDS10/s 1600/homepage.jpg
  • 13. “Certos pais, é verdade, menosprezam seus deveres e não são para os filhos o que deviam ser; mas, a Deus é que compete puni-los e não a seus filhos. … Se a caridade estabelece como lei retribuir o mal com o bem, ser indulgente para com as imperfeições alheias, não maldizer o próximo, esquecer e perdoar os erros, amar os inimigos, quanto essa obrigação é maior ainda com relação aos pais? ...” (A. Kardec, LE, cap. X) Piedade FilialPiedade Filial Acesso em 16Set13. http://1.bp.blogspot.com/-_ogSTjQKlSE/Tsfsj_eGqlI/AAAAAAAACZY/ERpY5ZbJFSw/s320/jpa1.jpg e http://www.diarioliberdade.org/archivos/Colaboradores_avanzados/manu/2012-05/240512_trabalho_infantil22.jpg
  • 14. “582. Pode-se considerar como missão a paternidade? É, sem contestação possível, uma verdadeira missão. É ao mesmo tempo grandíssimo dever e que envolve, mais do que o pensa o homem, a sua responsabilidade quanto ao futuro. Deus colocou o filho sob a tutela dos pais, a fim de que estes o dirijam pela senda do bem, e lhes facilitou a tarefa dando àquele uma organização débil e delicada, que o torna propício a todas as impressões...” (A. Kardec, LE, cap. X) Missão Paterna - caracterizaçãoMissão Paterna - caracterização Acesso em 16Set13.http://3.bp.blogspot.com/- wVeFPulNsaA/UgTh7xbHpMI/AAAAAAAADB4/oToJcHTZ2rw/s640/paternidade.jpg
  • 15. “113. Os pais espiritistas devem ministrar a educação doutrinária a seus filhos ou podem deixar de fazê-lo invocando as razões de que, em matéria de religião, apreciam mais a plena liberdade dos filhos? … Deve nutrir-se o coração infantil com a crença, com a bondade, com a esperança e com a fé em Deus. Agir contrariamente a essas normas é abrir para o faltoso de ontem a mesma porta larga para os excessos de toda sorte, que conduzem ao aniquilamento e ao crime ...” (Emmanuel/Chico Xavier, O Consolador, p. 75) Missão Paterna - orientaçãoMissão Paterna - orientação Acesso em 16Set13 .http://3.bp.blogspot.com/- QxLDwU3LYsY/Uf1P7SgafAI/AAAAAAAAA4g/EdKi9XTtUi0/s1600/IEMREGrajau+-+Li %C3%A7%C3%B5es+B%C3%ADblicas+-+Licao+08+-+Familia.jpg
  • 16. “E vós pais não provoqueis a ira a vossos filhos, mas criai- os na doutrina e na educação do Senhor.(Efésios, 6:4) (…) A maioria dos pais humanos vivem desviados, através de vários modos, seja nos excessos de ternura ou na demasia de exigência, mas a luz do Evangelho caminharão todos no rumo da era nova, compreendendo que, para ser pai ou mãe são necessários profundos dotes de amor, à frente dessas qualidades deve brilhar o divino dom do equilíbrio.” (Emmanuel/Chico Xavier, Vinha de Luz, 135) Missão Paterna - orientaçãoMissão Paterna - orientação Acesso em 16Set13.http://www.pontozero.net.br/wp-content/uploads/2013/08/man-of- steel-kevin-costner-1.jpg
  • 17. “Desde pequenina, a criança manifesta os instintos bons ou maus que traz da sua existência anterior. A estudá-los devem os pais aplicar-se. Todos os males se originam do egoísmo e do orgulho. Espreitem, pois, os pais os menores indícios reveladores do gérmen de tais vícios e cuidem de combatê-los, sem esperar que lancem raízes profundas. (…) Se deixarem se desenvolvam o egoísmo e o orgulho, não se espantem de serem mais tarde pagos com a ingratidão.” (A. Kardec - Sto Agostinho, ESE, cap. 14, item 9) Missão Paterna – ingratidão dos filhosMissão Paterna – ingratidão dos filhos Acesso em 16Set13http://2.bp.blogspot.com/_HmfJdW9Wkhk/S78vanSOLAI/AAAAAAAAAWo/Nv2K8oFk AIQ/s320/Conflitos+de+relacionamento+entre+pais+e+filhos.jpg
  • 18. Vídeo – Amor sem palavras https://www.youtube.com/watch?v=aFO6QwZY6uY Missão Paterna – ingratidão dos filhosMissão Paterna – ingratidão dos filhos
  • 19. “Quando os pais hão feito tudo o que devem pelo adiantamento moral de seus filhos, se não alcançam êxito, não têm de que se inculpar a si mesmos e podem conservar tranquila a consciência. À amargura muito natural que então lhes advém da improdutividade de seus esforços, Deus reserva grande e imensa consolação, na certeza de que se trata apenas de um retardamento, que concedido lhes será concluir noutra existência a obra agora começada e que um dia o filho ingrato os recompensará com seu amor.” (A. Kardec - Sto Agostinho, ESE, cap. 14, item 9) Missão Paterna – ingratidão dos filhosMissão Paterna – ingratidão dos filhos Acesso em 16Set13http://media.tumblr.com/tumblr_m99vqcZDGi1rod8uj.jpg
  • 20. Economizando palavras e discursando com gestos “Se um pai for repetitivo, racional, crítico eSe um pai for repetitivo, racional, crítico e prolixo com o filho, ele empobrece a relaçãoprolixo com o filho, ele empobrece a relação interpessoal e se torna pouco eficiente comointerpessoal e se torna pouco eficiente como educador. Porém se o surpreender continuamenteeducador. Porém se o surpreender continuamente com gestos inesperados, com momentos decom gestos inesperados, com momentos de silêncio, com diálogos inteligentes, com elogiossilêncio, com diálogos inteligentes, com elogios agradáveis, certamente ao longo dos meses eleagradáveis, certamente ao longo dos meses ele conquistará esse filho e o ajudará a reconstruirconquistará esse filho e o ajudará a reconstruir sua história.sua história.” (Augusto Cury, O Mestre dos Mestres – Jesus o maior educador da História, p. 141) ConclusãoConclusão Acesso em 16Set13 http://visaoespiritabr.com.br/wp-content/uploads/2012/08/Foto-de-pais-e-filhos-07.jpg
  • 21. Vídeo – Filho adotivo https://www.youtube.com/watch?v=WwwwkEeE0MM Filho adotivo – Sérgio ReisFilho adotivo – Sérgio Reis

Notas do Editor

  1. Certos pais, é certo, descuram de seus deveres e não são para os filhos o que deviam ser; mas, a Deus é que compete puni-los e não a seus filhos. Não compete a estes censurá-los, porque talvez hajam merecido que aqueles fossem quais se mostram. Se a lei da caridade manda se pague o mal com o bem, se seja indulgente para as imperfeições de outrem, se não diga mal do próximo, se lhe esqueçam e perdoem os agravos, se ame até os inimigos, quão maiores não hão de ser essas obrigações, em se tratando de filhos para com os pais! Devem, pois, os filhos tomar corno regra de conduta para com seus pais todos os preceitos de Jesus concernentes ao próximo e ter presente que todo procedimento censurável, com relação aos estranhos, ainda mais censurável se torna relativamente aos pais; e que o que talvez não passe de simples falta, no primeiro caso, pode ser considerado um crime, no segundo, porque, aqui, à falta de caridade se junta a ingratidão.
  2. Certos pais, é certo, descuram de seus deveres e não são para os filhos o que deviam ser; mas, a Deus é que compete puni-los e não a seus filhos. Não compete a estes censurá-los, porque talvez hajam merecido que aqueles fossem quais se mostram. Se a lei da caridade manda se pague o mal com o bem, se seja indulgente para as imperfeições de outrem, se não diga mal do próximo, se lhe esqueçam e perdoem os agravos, se ame até os inimigos, quão maiores não hão de ser essas obrigações, em se tratando de filhos para com os pais! Devem, pois, os filhos tomar corno regra de conduta para com seus pais todos os preceitos de Jesus concernentes ao próximo e ter presente que todo procedimento censurável, com relação aos estranhos, ainda mais censurável se torna relativamente aos pais; e que o que talvez não passe de simples falta, no primeiro caso, pode ser considerado um crime, no segundo, porque, aqui, à falta de caridade se junta a ingratidão.
  3. Certos pais, é certo, descuram de seus deveres e não são para os filhos o que deviam ser; mas, a Deus é que compete puni-los e não a seus filhos. Não compete a estes censurá-los, porque talvez hajam merecido que aqueles fossem quais se mostram. Se a lei da caridade manda se pague o mal com o bem, se seja indulgente para as imperfeições de outrem, se não diga mal do próximo, se lhe esqueçam e perdoem os agravos, se ame até os inimigos, quão maiores não hão de ser essas obrigações, em se tratando de filhos para com os pais! Devem, pois, os filhos tomar corno regra de conduta para com seus pais todos os preceitos de Jesus concernentes ao próximo e ter presente que todo procedimento censurável, com relação aos estranhos, ainda mais censurável se torna relativamente aos pais; e que o que talvez não passe de simples falta, no primeiro caso, pode ser considerado um crime, no segundo, porque, aqui, à falta de caridade se junta a ingratidão.
  4. Certos pais, é certo, descuram de seus deveres e não são para os filhos o que deviam ser; mas, a Deus é que compete puni-los e não a seus filhos. Não compete a estes censurá-los, porque talvez hajam merecido que aqueles fossem quais se mostram. Se a lei da caridade manda se pague o mal com o bem, se seja indulgente para as imperfeições de outrem, se não diga mal do próximo, se lhe esqueçam e perdoem os agravos, se ame até os inimigos, quão maiores não hão de ser essas obrigações, em se tratando de filhos para com os pais! Devem, pois, os filhos tomar corno regra de conduta para com seus pais todos os preceitos de Jesus concernentes ao próximo e ter presente que todo procedimento censurável, com relação aos estranhos, ainda mais censurável se torna relativamente aos pais; e que o que talvez não passe de simples falta, no primeiro caso, pode ser considerado um crime, no segundo, porque, aqui, à falta de caridade se junta a ingratidão.
  5. Certos pais, é certo, descuram de seus deveres e não são para os filhos o que deviam ser; mas, a Deus é que compete puni-los e não a seus filhos. Não compete a estes censurá-los, porque talvez hajam merecido que aqueles fossem quais se mostram. Se a lei da caridade manda se pague o mal com o bem, se seja indulgente para as imperfeições de outrem, se não diga mal do próximo, se lhe esqueçam e perdoem os agravos, se ame até os inimigos, quão maiores não hão de ser essas obrigações, em se tratando de filhos para com os pais! Devem, pois, os filhos tomar corno regra de conduta para com seus pais todos os preceitos de Jesus concernentes ao próximo e ter presente que todo procedimento censurável, com relação aos estranhos, ainda mais censurável se torna relativamente aos pais; e que o que talvez não passe de simples falta, no primeiro caso, pode ser considerado um crime, no segundo, porque, aqui, à falta de caridade se junta a ingratidão.
  6. O mandamento: "Honrai a vosso pai e a vossa mãe" é um corolário da lei geral de caridade e de amor ao próximo, visto que não pode amar o seu próximo aquele que não ama a seu pai e a sua mãe; mas, o termo honrai encerra um dever a mais para com eles: o da piedade filial. Quis Deus mostrar por essa forma que ao amor se devem juntar o respeito, as atenções, a submissão e a condescendência, o que envolve a obrigação de cumprir-se para com eles, de modo ainda mais rigoroso, tudo o que a caridade ordena relativamente ao próximo em geral!. Esse dever se estende naturalmente às pessoas que fazem as vezes de pai e de mãe, as quais tanto maior mérito têm, quanto menos obrigatório é para elas o devotamento. Deus pune sempre com rigor toda violação desse mandamento.
  7. Certos pais, é certo, descuram de seus deveres e não são para os filhos o que deviam ser; mas, a Deus é que compete puni-los e não a seus filhos. Não compete a estes censurá-los, porque talvez hajam merecido que aqueles fossem quais se mostram. Se a lei da caridade manda se pague o mal com o bem, se seja indulgente para as imperfeições de outrem, se não diga mal do próximo, se lhe esqueçam e perdoem os agravos, se ame até os inimigos, quão maiores não hão de ser essas obrigações, em se tratando de filhos para com os pais! Devem, pois, os filhos tomar corno regra de conduta para com seus pais todos os preceitos de Jesus concernentes ao próximo e ter presente que todo procedimento censurável, com relação aos estranhos, ainda mais censurável se torna relativamente aos pais; e que o que talvez não passe de simples falta, no primeiro caso, pode ser considerado um crime, no segundo, porque, aqui, à falta de caridade se junta a ingratidão.
  8. Certos pais, é certo, descuram de seus deveres e não são para os filhos o que deviam ser; mas, a Deus é que compete puni-los e não a seus filhos. Não compete a estes censurá-los, porque talvez hajam merecido que aqueles fossem quais se mostram. Se a lei da caridade manda se pague o mal com o bem, se seja indulgente para as imperfeições de outrem, se não diga mal do próximo, se lhe esqueçam e perdoem os agravos, se ame até os inimigos, quão maiores não hão de ser essas obrigações, em se tratando de filhos para com os pais! Devem, pois, os filhos tomar corno regra de conduta para com seus pais todos os preceitos de Jesus concernentes ao próximo e ter presente que todo procedimento censurável, com relação aos estranhos, ainda mais censurável se torna relativamente aos pais; e que o que talvez não passe de simples falta, no primeiro caso, pode ser considerado um crime, no segundo, porque, aqui, à falta de caridade se junta a ingratidão.
  9. Certos pais, é certo, descuram de seus deveres e não são para os filhos o que deviam ser; mas, a Deus é que compete puni-los e não a seus filhos. Não compete a estes censurá-los, porque talvez hajam merecido que aqueles fossem quais se mostram. Se a lei da caridade manda se pague o mal com o bem, se seja indulgente para as imperfeições de outrem, se não diga mal do próximo, se lhe esqueçam e perdoem os agravos, se ame até os inimigos, quão maiores não hão de ser essas obrigações, em se tratando de filhos para com os pais! Devem, pois, os filhos tomar corno regra de conduta para com seus pais todos os preceitos de Jesus concernentes ao próximo e ter presente que todo procedimento censurável, com relação aos estranhos, ainda mais censurável se torna relativamente aos pais; e que o que talvez não passe de simples falta, no primeiro caso, pode ser considerado um crime, no segundo, porque, aqui, à falta de caridade se junta a ingratidão.
  10. Certos pais, é certo, descuram de seus deveres e não são para os filhos o que deviam ser; mas, a Deus é que compete puni-los e não a seus filhos. Não compete a estes censurá-los, porque talvez hajam merecido que aqueles fossem quais se mostram. Se a lei da caridade manda se pague o mal com o bem, se seja indulgente para as imperfeições de outrem, se não diga mal do próximo, se lhe esqueçam e perdoem os agravos, se ame até os inimigos, quão maiores não hão de ser essas obrigações, em se tratando de filhos para com os pais! Devem, pois, os filhos tomar corno regra de conduta para com seus pais todos os preceitos de Jesus concernentes ao próximo e ter presente que todo procedimento censurável, com relação aos estranhos, ainda mais censurável se torna relativamente aos pais; e que o que talvez não passe de simples falta, no primeiro caso, pode ser considerado um crime, no segundo, porque, aqui, à falta de caridade se junta a ingratidão.
  11. Certos pais, é certo, descuram de seus deveres e não são para os filhos o que deviam ser; mas, a Deus é que compete puni-los e não a seus filhos. Não compete a estes censurá-los, porque talvez hajam merecido que aqueles fossem quais se mostram. Se a lei da caridade manda se pague o mal com o bem, se seja indulgente para as imperfeições de outrem, se não diga mal do próximo, se lhe esqueçam e perdoem os agravos, se ame até os inimigos, quão maiores não hão de ser essas obrigações, em se tratando de filhos para com os pais! Devem, pois, os filhos tomar corno regra de conduta para com seus pais todos os preceitos de Jesus concernentes ao próximo e ter presente que todo procedimento censurável, com relação aos estranhos, ainda mais censurável se torna relativamente aos pais; e que o que talvez não passe de simples falta, no primeiro caso, pode ser considerado um crime, no segundo, porque, aqui, à falta de caridade se junta a ingratidão.
  12. Certos pais, é certo, descuram de seus deveres e não são para os filhos o que deviam ser; mas, a Deus é que compete puni-los e não a seus filhos. Não compete a estes censurá-los, porque talvez hajam merecido que aqueles fossem quais se mostram. Se a lei da caridade manda se pague o mal com o bem, se seja indulgente para as imperfeições de outrem, se não diga mal do próximo, se lhe esqueçam e perdoem os agravos, se ame até os inimigos, quão maiores não hão de ser essas obrigações, em se tratando de filhos para com os pais! Devem, pois, os filhos tomar corno regra de conduta para com seus pais todos os preceitos de Jesus concernentes ao próximo e ter presente que todo procedimento censurável, com relação aos estranhos, ainda mais censurável se torna relativamente aos pais; e que o que talvez não passe de simples falta, no primeiro caso, pode ser considerado um crime, no segundo, porque, aqui, à falta de caridade se junta a ingratidão.
  13. Certos pais, é certo, descuram de seus deveres e não são para os filhos o que deviam ser; mas, a Deus é que compete puni-los e não a seus filhos. Não compete a estes censurá-los, porque talvez hajam merecido que aqueles fossem quais se mostram. Se a lei da caridade manda se pague o mal com o bem, se seja indulgente para as imperfeições de outrem, se não diga mal do próximo, se lhe esqueçam e perdoem os agravos, se ame até os inimigos, quão maiores não hão de ser essas obrigações, em se tratando de filhos para com os pais! Devem, pois, os filhos tomar corno regra de conduta para com seus pais todos os preceitos de Jesus concernentes ao próximo e ter presente que todo procedimento censurável, com relação aos estranhos, ainda mais censurável se torna relativamente aos pais; e que o que talvez não passe de simples falta, no primeiro caso, pode ser considerado um crime, no segundo, porque, aqui, à falta de caridade se junta a ingratidão.
  14. Certos pais, é certo, descuram de seus deveres e não são para os filhos o que deviam ser; mas, a Deus é que compete puni-los e não a seus filhos. Não compete a estes censurá-los, porque talvez hajam merecido que aqueles fossem quais se mostram. Se a lei da caridade manda se pague o mal com o bem, se seja indulgente para as imperfeições de outrem, se não diga mal do próximo, se lhe esqueçam e perdoem os agravos, se ame até os inimigos, quão maiores não hão de ser essas obrigações, em se tratando de filhos para com os pais! Devem, pois, os filhos tomar corno regra de conduta para com seus pais todos os preceitos de Jesus concernentes ao próximo e ter presente que todo procedimento censurável, com relação aos estranhos, ainda mais censurável se torna relativamente aos pais; e que o que talvez não passe de simples falta, no primeiro caso, pode ser considerado um crime, no segundo, porque, aqui, à falta de caridade se junta a ingratidão.
  15. Certos pais, é certo, descuram de seus deveres e não são para os filhos o que deviam ser; mas, a Deus é que compete puni-los e não a seus filhos. Não compete a estes censurá-los, porque talvez hajam merecido que aqueles fossem quais se mostram. Se a lei da caridade manda se pague o mal com o bem, se seja indulgente para as imperfeições de outrem, se não diga mal do próximo, se lhe esqueçam e perdoem os agravos, se ame até os inimigos, quão maiores não hão de ser essas obrigações, em se tratando de filhos para com os pais! Devem, pois, os filhos tomar corno regra de conduta para com seus pais todos os preceitos de Jesus concernentes ao próximo e ter presente que todo procedimento censurável, com relação aos estranhos, ainda mais censurável se torna relativamente aos pais; e que o que talvez não passe de simples falta, no primeiro caso, pode ser considerado um crime, no segundo, porque, aqui, à falta de caridade se junta a ingratidão.