SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 7
Baixar para ler offline
ARTigo oRiginAL / oRiginAL ARTiCLE


                                        Uso da prótese vertical expansível de titânio para costela
                                         (VEPTR) como opção na instrumentação sem fusão para
                                                            tratamento da escoliose neuromuscular
                                          The vertical expandable prosthetic titanium rib device (VEPTR)
                                            as option in spine instrumentation without arthrodesis in the
                                                                    treatment of neuromuscular scoliosis
                                           Uso de la prótesis vertical expansible de titanio para costilla
                                             (VEPTR como opción en la instrumentación sin fusión para
                                                              tratamiento de la escoliosis neuromuscular


                   Élcio Landim1
                   Paulo Tadeu Maia Cavali2
                   Marcus Alexandre Mello Santos3
                   Wagner Pasqualini4
                   Rodrigo Castello Branco Manhães Boechat5
                   Sergio Murilo dos Santos Andrade6

                   RESUMo                                                ABSTRACT                                              RESUMEn
                   Objetivo: demonstrar a experiência                    Objective: report results of vertical                 Objetivo: demostrar la experiencia del
                   do uso de prótese vertical expansível                 expandable prosthetic titanium ribs                   uso de la prótesis vertical expansible de
                   de titânio (VEPTR) como opção para                    (VEPTR) surgery in the treatment                      titanio (VEPTR) como opción, para el
                   tratamento sem fusão da coluna, em                    of neuromuscular scoliosis without                    tratamiento sin fusión de la columna, en
                   pacientes com escoliose neuromuscular.                spinal fusion. Methods: a total of 17                 pacientes con Escoliosis neuromuscular.
                   Métodos: o estudo envolveu 17 pa-                     patients (mean age 8 years; 3 to 13                   Métodos: el estudio involucró 17 pa-
                   cientes (com média de idade de oito                   years) with neuromuscular scoliosis                   cientes (con promedio de edad de 8
                   anos; variando de três a 13 anos) que                 exceeding 40° of scoliosis measured                   años, variando de 3 a 13 años) que
                   apresentavam escoliose neuromuscular                  using the Cobb method and presenting                  presentaron escoliosis neuromuscular
                   com medida pelo método de Cobb,                       a Risser grade of 1 and 2 before VEPTR                medida por el método de Cobb superior
                   superior a 40° e potencial de crescimento             surgery. The degree of spinal curve                   a 40° y potencial de crecimiento (Risser
                   (Risser 1 e 2), tratados com VEPTR,                   was measured using the Coob method                    1 y 2), tratados con VEPTR, por el
                   pelo Grupo de Escoliose da AACD                       before and after surgery. Results:                    Grupo de Escoliosis de la AACD de
                   de São Paulo e Grupo de Cirurgia da                   the postoperative mean correction                     São Paulo y el Grupo de Cirugía de la


                   Trabalho realizado no Grupo de Escoliose da Associação de Assistência à Criança Deficiente - AACD- São Paulo (SP), Brasil e Serviço de Cirurgia da Coluna da
                   Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP – Campinas (SP), Brasil.

                   1
                     Professor do Departamento de Ortopedia e Traumatologia da Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP – Campinas (SP), Brasil; Chefe do Grupo de
                   Escoliose da Associação de Assistência à Criança Deficiente - AACD – São Paulo (SP), Brasil.
                   2
                     Cirurgião de Coluna do Grupo de Escoliose da Associação de Assistência à Criança Deficiente – AACD – São Paulo (SP), Brasil e Departamento de Ortopedia e
                   Traumatologia da Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP – Campinas (SP), Brasil.
                   3
                     Cirurgião de Coluna do Grupo de Escoliose da Associação de Assistência à Criança Deficiente - AACD – São Paulo (SP), Brasil.
                   4
                     Cirurgião de Coluna do Departamento de Ortopedia e Traumatologia da Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP – Campinas (SP), Brasil.
                   5
                     Ortopedista, Grupo de Cirurgia de Coluna - Hospital XV – Curitiba (PR), Brasil.
                   6
                     Cirurgião do Grupo de Coluna do HUPES – Universidade Federal da Bahia – Salvador (BA), Brasil.

                   Não há conflitos de interesse.

                   Recebido: 11/03/2007 Aprovado: 15/01/2008



                   COLUNA/COLUMNA. 2008;7(2):160-166




ao_52_160_166.indd 1                                                                                                                                                         08-07-2008 18:14:52
Uso da prótese vertical expansível de titânio para costela (VEPTR) como opção na instrumentação sem fusão para tratamento de escoliose neuromuscular        161

                   coluna da Universidade Estadual de                    rate in spinal curve degrees achieved                  columna de la Universidad Estadual de
                   Campinas. Foi realizada avaliação da                  by the patients treated with VEPTR                     Campinas. Fue realizada una evaluación
                   curva pelo método de Cobb no pré e                    measured with the Coob method was                      de la curva por el método de Cobb en
                   pós-operatório para avaliar o grau de                 40, 5° and the mean reduction of the                   el pre y postoperatorio para evaluar
                   correção. Resultados: as correções ob-                pelvic obliquity was 60, 6° compared                   el grado de corrección. Resultados:
                   tidas com o uso do VEPTR, medidas pelo                to the degree of preoperatory postural                 las correcciones resultantes con el uso
                   método de Cobb, foi em média de 40,5º                 evaluation. Conclusion: patients who                   del VEPTR, medidas por el método
                   em relação à deformidade pré-operatória               underwentVEPTRsurgerydemonstrated                      de Cobb fue en promedio de 40.5º en
                   e, uma diminuição média, de 60,6º na                  significantly improved postural correc-                relación a la deformidad preoperatorio
                   obliqüidade pélvica. Conclusão: o mé-                 tion and health-related quality of life for            y una disminución promedio de 60.6º en
                   todo mostrou-se útil, com correções                   the provisory treatment of congenital                  la oblicuidad pélvica. Conclusión: el
                   significativas, no tratamento provisório              neuromuscular scoliosis.                               método se mostró útil, con correcciones
                   das Escolioses neuromusculares.                                                                              significativas, en el tratamiento provisorio
                                                                                                                                de las Escoliosis neuromusculares.

                   DESCRITORES: Escoliose/                               KEYWORDS: Scoliosis/therapy;                           DESCRIPTORES: Escoliosis/
                       terapia; Fusão vertebral/                             Spinal fusion/methods; Spinal                          terapía; Fusión vertebral/
                       métodos; Fusão vertebral/                             fusion/instrumentation;                                métodos; Fusión vertebral/
                       instrumentação; Próteses e                            Prostheses and implants                                instrumentación; Prótesis e
                       implantes                                                                                                    implantes


                   inTRoDUÇÃo                                                                       Porém, é uma modalidade de tratamento que apresenta
                   A escoliose neuromuscular acomete um grupo particular de                         riscos, os quais estão ligados à morbidade da cirurgia e
                   pacientes, que, devido suas doenças de base, apresentam                          risco anestésico5-6. Além disso, os estudos de Campbell2
                   deformidades vertebrais de comportamento distinto da                             indicam que uma artrodese espinhal, em crianças de até
                   escoliose idiopática. A progressão é freqüente e precoce,                        5 anos de idade, comprometem a capacidade pulmonar ao
                   com curvaturas que pioram mesmo após a maturidade                                final do crescimento em torno de 50%.
                   esquelética. Deixados sem tratamento, esses pacientes são                            A cirurgia de correção de escoliose sem fusão
                   muito prejudicados, apresentando diminuição de seu nível                         pode oferecer vantagens que não são conseguidas nos
                   funcional e disfunção respiratória1.                                             tratamentos convencionais, com o objetivo de interromper
                       Estudos mais recentes têm demonstrado que o                                  a progressão da doença e permitindo o crescimento da
                   encurtamento do tronco e a hipoplasia da caixa torácica                          coluna. Trata-se de um princípio de tratamento que pode
                   não são as únicas conseqüências das deformidades de                              ser realizado de diferentes modos, incluindo: grampos de
                   coluna severas que acometem as crianças com menos                                inserção endoscópica, plicaturas nas convexidades das
                   de dez anos de idade. Sabe-se que o crescimento dos                              curvas e modulação do crescimento. Tais sistemas foram
                   pulmões é determinado pelos limites anatômicos do tórax                          bem demonstrados em estudos experimentais7-9.
                   e, portanto, qualquer deformidade da caixa torácica ou da                            A estabilização da coluna vertebral sem fusão, aplicada
                   coluna torácica, que reduza o volume do tórax, pode afetar                       em pacientes, foi inicialmente descrita por Harrington10
                   o tamanho dos pulmões na maturidade. A diminuição                                e apresentou resultados precários devido à fusão parcial
                   volumétrica do parênquima pulmonar também significa                              resultante da dissecção subperiosteal da musculatura
                   redução da quantidade de alvéolos, que, ao longo dos anos,                       paravertebral, por ocasião do acesso cirúrgico à coluna
                   levará à Síndrome de Insuficiência Torácica e óbito por cor                      vertebral. A ausência de suporte externo protegendo
                   pulmonale2.                                                                      as hastes nessa técnica descrita também provocava
                       A escoliose é uma deformidade complexa e tridi-                              deslocamento dos ganchos e quebras nas hastes, levando à
                   mensional da coluna que pode ser tratada com órteses                             falha do procedimento.
                   (coletes) ou cirurgia com fusão espinhal para evitar a                               Relatos e descrições de outros autores sugeriam a
                   progressão da deformidade3-4. O tratamento conservador                           utilidade desta técnica em pacientes menores de dez anos
                   com órtese não é invasivo e mantém o movimento da coluna                         de idade, com graves deformidades vertebrais, que não
                   e sua mobilidade. Entretanto, não permite a correção das                         respondiam ao tratamento conservador com órteses e ainda
                   curvas e previne, modestamente, a sua progressão, sendo                          muito jovens para serem submetidos à artrodese de coluna
                   ainda menos efetivo nas deformidades neuromusculares                             vertebral11-12.
                   e oferecendo riscos, inclusive, como lesões cutâneas em                              Esse princípio de tratamento cirúrgico mostrou-se útil
                   crianças com déficit de sensibilidade.                                           nas deformidades espinhais de etiologia neuromuscular e
                       O tratamento cirúrgico das escolioses, baseado na                            congênita acometendo crianças de baixa idade.
                   instrumentação da coluna e fusão, permite a adequada                                 A fim de tratar pacientes com escoliose congênita em
                   correção da deformidade e prevenção de progressão.                               baixa idade e restrição do desenvolvimento do tórax em

                                                                                                                                   COLUNA/COLUMNA. 2008;7(2):160-166




ao_52_160_166.indd 2                                                                                                                                                      08-07-2008 18:14:52
162                                                             Landim E, Cavali PTM, Santos MAM, Pasqualini W, Boechat RCBM, Andrade SMS


                    virtude da deformidade e de fusão de arcos costais foi               ilíaco (Figura 1). O pós-operatório imediato foi realizado em
                    desenvolvido o dispositivo Vertical Expandable Prosthetic            unidade de terapia intensiva com fisioterapia respiratória.
                    Titanium Rib (VEPTR), (Synthes Spine Co®., West Chester,             Em todos os pacientes foi feita profilaxia antibiótica com
                    Pennsylvania, USA) ou Prótese Vertical Expansível de                 Cefalotina 100 mg/kg/dia por 48 horas e Amicacina 15mg/
                    Titânio. Tal implante permite a estabilização indireta               kg/dia por 24 horas. Os alongamentos do sistema foram
                    de deformidades espinhais sem artrodese, com fixação                 realizados a cada quatro meses, também em ambiente
                    nas costelas, lâminas e pelve, permitindo até mesmo                  hospitalar, sob anestesia geral e com 48 horas de profilaxia
                    alongamentos.                                                        antibiótica. Em nenhum paciente foi utilizada proteção
                        Campbell2 sugere a aplicação do VEPTR em                         externa ou órtese no pós-operatório da cirurgia primária
                    deformidades espinhais neuromusculares em crianças,                  ou distrações. Todos mantiveram seu programa habitual de
                    funcionando como uma instrumentação indireta da                      reabilitação, apenas não sendo recomendados exercícios
                    coluna, sem artrodese13. Hell et al. trataram seis pacientes         que envolvessem flexão do tronco. As transferências dos
                    demonstrando bons resultados na aplicação do VEPTR em                pacientes de leito, cadeiras, ou deambulação foram mantidos
                    escoliose neuromuscular14.                                           da maneira habitual após a colocação do VEPTR. A cada
                        No presente estudo, o objetivo é demonstrar a                    quatro meses era realizado alongamento do sistema com os
                    experiência inicial do uso do VEPTR como um tutor                    pacientes internados, a fim de obter melhora das correções
                    interno para o tratamento de escoliose sem fusão espinhal            obtidas ou evitar sua piora (Figura 2).
                    em crianças portadoras de doenças neuromusculares.

                    MÉToDoS
                    De Janeiro de 2005 a Maio de 2006, foram tratados pelo
                    Grupo de Escoliose da AACD de São Paulo e Grupo
                    de Cirurgia de Coluna da Universidade Estadual de
                    Campinas, 31 pacientes portadores de deformidade
                    espi-nhal com o VEPTR (dispositivo em seu desenho de
                    quarta geração, desenvolvido pela Synthes Spine®, West
                    Chester, Pennsylvania). Nesse estudo, foram incluídos
                    17 casos que preencheram os critérios: deformidades com
                    Cobb superior a 40º ou escoliose neuromuscular progres-              Figura 1                        Figura 2
                    siva documentada; imaturidade esquelética (Risser                    Montagem habitualmente          Alongamento do sistema
                                                                                         realizada na concavidade da
                    menor que 2); pacientes com insuficiência respiratória
                                                                                         escoliose                       Fonte: Campbell RM Jr et al.2
                    associada e comprovada clinicamente ou por exames
                    laboratoriais (gasometria, provas de função pulmonar)                Fonte: Campbell RM Jr et al.2
                    ou de imagem (tomografia de tórax indicando reduzido
                    espaço pulmonar). Excluiu-se pacientes com defor-
                    midades graves no plano sagital.                                     RESULTADoS
                                                                                         Do total de 17 pacientes, seis eram do sexo masculino
                    Avaliação pré-operatória e pós-operatória                            e 11 do sexo feminino. A média de idade encontrada no
                    Os dados a serem obtidos incluíram idade, tipo de doença             grupo foi de oito anos, variando de 3 a 13 anos. As doenças
                    neuromuscular, magnitude da deformidade pelo método de               neuromusculares encontradas incluíram: mielomeningocele
                    Cobb, flexibilidade da curva, obliqüidade pélvica, freqüência        torácica, mielomeningocele lombar, paralisia cerebral,
                    de infecções respiratórias graves, dificuldade respiratória          artrogripose e mielite transversa (Tabela 1).
                    prévia à cirurgia, necessidade de suporte ventilatório, valor            Com relação a doenças respiratórias secundárias às
                    da correção obtido após a primeira cirurgia e nas sucessivas         patologias neuromusculares primárias, observou-se dois
                    distrações do sistema, melhorias no padrão respiratório após         casos de pacientes com dispnéia e infecções respiratórias
                    cirurgia e complicações ocorridas com o dispositivo. O               graves repetidas, que necessitavam de máscara de O2
                    tempo de seguimento mínimo foi de oito meses.                        constante. Em um caso, a doença de base era mielite
                         As avaliações pré-operatória, pós-operatória imediata           transversa e, em outro, paralisia cerebral.
                    e pós-operatória tardia das deformidades de coluna foram                 A média dos valores de Cobb encontrada foi de 80o
                    realizadas com radiografias para escoliose, em duas posições         variando de 40º a 147º. O valor médio de Cobb obtido
                    (frente e lateral), em posição ortostática ou sentada, como          nas radiografias em tração foi de 61,3º com variação de
                    de habitual no exame das deformidades vertebrais.                    30º a 105º Em média, portanto, a flexibilidade das curvas
                                                                                         foi de 23,4% e as variações de Cobb sem tração e com
                    Técnica cirúrgica                                                    tração podem ser verificadas no Gráfico 1 e Tabela 1. Onze
                    Todos os pacientes foram submetidos à cirurgia sob anestesia geral   pacientes apresentavam obliqüidade pélvica, com média
                    inalatória com colocação do VEPTR com uma ou duas hastes,            de 24,1º (12º - 50º), conforme exemplo do paciente 16
                    em montagens com fixações do tipo costela-costela ou Costela-        (Figuras 3 e 4).

                    COLUNA/COLUMNA. 2008;7(2):160-166




ao_52_160_166.indd 3                                                                                                                                     08-07-2008 18:14:53
Uso da prótese vertical expansível de titânio para costela (VEPTR) como opção na instrumentação sem fusão para tratamento de escoliose neuromuscular        163

                                    gráfico 1 - Variação do Cobb raio-X ortostático e raio-X sob tração




                   Tabela 1 – Variação de Cobb e obliqüidade pélvica
                           Caso e                idade           Cobb              Cobb            Cobb           Cobb 1ª.               obliqüidade           obliqüidade
                           doença                                inicial            r-X           Pós-op          Alongamento            pélvica inicial       pélvica final
                                                                                  tração                          ou retirada
                   (1) Mielo torácica                6       76º (T11-L3)           30º              40º          65º                    15º                   15º
                                                             40º (T2-T11)           30º              30º          40º (retirada)
                   (2)Mielo torácica                13       147º (T4-L2)          105º             110º          140º (retirada)        50º                   12º
                   (3)Paralisia cerebral             7       65º (T5-L4)            50º              50º          -                      -                     -
                   (4)Paralisia cerebral             7       73º (T9-L5)            35º              38º          35º                    28º                   16º
                   (5)Mielo lombar                   9       65º (T10-L5)           60º              55º          50º                    22º                   14º
                                                             48º (T1-T10)           50º              50º          48º
                   (6)Mielo torácica                11       72º (T6-L4)            50º              48º          55º                    22º                   14º
                   (7)Mielo torácica                 9       72 (T10-L5)            60º              68º          65º                    22º                   0º
                                                             48 (T1-T10)            45º              50º          50º
                   (8)Paralisia cerebral             4       57º (T8-L5)            35º              25º          -                      -                     -
                   (9)Mielo lombar                  10       52º (T2-T11)           30º              21º          -                      30º                   0º
                   (10)Mielo torácica               12       80º (T7-L4)            37º              50º          45º                    12º                   4º
                   (11)Artrogripose                 10       100º (T7-L4)           60º              55º          55º                    -                     -
                   (12)Mielo torácica               13       103º(T5-L4)            87º              78º          78º
                   (13)Mielite transversa            8       108º(T4-L5)            47º              30º          28º                    -                     -
                   (14)Mielo torácica                7       52º (T8-L4)            43º              48º          28º                    22º                   12º
                   (15)Mielo torácica               10       63º (T5-T10)           60º              45º          40º                    18º                   10º
                   (16)Mielo torácica                3       95º(T6-L4)             45º              35º          -                      45º                   20º
                   (17)Paralisia cerebral           11       50º (T4-L2)            30º              26º          -                      -                     -
                   Fonte: Hospital Abreu Sodré – AACD – Hospital as Clínicas da UNICAMP


                                                                                                                                   COLUNA/COLUMNA. 2008;7(2):160-166




ao_52_160_166.indd 4                                                                                                                                                      08-07-2008 18:14:54
164                                                   Landim E, Cavali PTM, Santos MAM, Pasqualini W, Boechat RCBM, Andrade SMS


                                                                                                               Figura 5
                                                                                                               Paciente# 16, masculino,
                                                                                                               três anos de idade,
                                                                                                               mielomeningocele.
                                                                                                               Pós-operatório imediato,
                                                                                                               realizadas duas montagens
                                                                                                               com o VEPTR tipo
                                                                                                               costela-ilíaco corrigindo,
                                                                                                               significativamente, a
                                                                                                               deformidade espinhal e
                                                                                                               a obliqüidade pélvica. O
                                                                                                               paciente apresentou melhora
                                                                                                               no equilíbrio de tronco e
                                                                                                               habilidade para sentar
                    Figura 3                     Figura 4
                    Paciente # 16, masculino,    Paciente # 16, masculino,
                    três anos de idade,          três anos de idade,
                    mielomeningocele. Valor do   mielomeningocele. Observar
                    ângulo de Cobb 95º           que no plano sagital do
                    (45º sob tração)             paciente não apresenta
                                                 curvaturas acentuadas

                        Os valores de Cobb, obtidos com o uso do sistema
                    em radiografias de controle no pós-operatório imediato,
                    corresponderam em média a um ângulo de 47,6º (21º a
                    110º), perfazendo uma correção média de 32,4º ou de
                    40,5% em relação à deformidade original e em alguns
                    casos com uma correção superior, como exemplo do
                    paciente 16 (Figuras 5 e 6). Cada caso pode ter sua
                    correção imediata e tardia (primeiro alongamento)                           Figura 6
                    avaliado no Gráfico 2. Os valores angulares no pós-      Paciente # 16, masculino,
                    operatório imediato aproximaram-se dos valores das              três anos de idade,
                    radiografias com tração na maioria dos casos, havendo mielomeningocele. A imagem
                    tendência à diminuição do potencial de correção das demonstra o posicionamento
                    curvas em fase tardia e no primeiro alongamento com        dos dispositivos no perfil
                    quatro meses.
                        As complicações incluíram infecção profunda em três
                    pacientes, sendo que todos
                    os pacientes foram tratados gráfico 2 - Variação do Cobb no pré-operatório, r-X sob tração, pós-
                    em regime hospitalar com operatório imeiato e pós-operatório tardio
                    antibioticoterapia endove-
                    nosa e desbridamento da ferida
                    no centro cirúrgico. Em dois
                    casos não houve resolução do
                    quadro e ocorreu exposição
                    do im-plante, que foi retirado
                    com resolução da infecção,
                    sendo optado aguardar pa-
                    ra realizar fusão espinhal
                    definitiva. O terceiro paci-
                    ente com infecção também
                    apresentou exposição do
                    implante, que foi resolvido
                    com procedimento de ci-
                    rurgia plástica de rotação de
                    retalho miocutâneo. Outra
                    complicação foi a fratura
                    de costela no ponto de
                    inserção da parte proximal

                    COLUNA/COLUMNA. 2008;7(2):160-166




ao_52_160_166.indd 5                                                                                                                     08-07-2008 18:14:56
Uso da prótese vertical expansível de titânio para costela (VEPTR) como opção na instrumentação sem fusão para tratamento de escoliose neuromuscular        165

                   do dispositivo. Ocorreu na primeira semana de pós-                               de alongamento com acesso limitado ao ponto de distração
                   operatório com paciente apresentando dor intensa em                              do implante. As distrações eram realizadas enquanto
                   região posterior da costela e perda da correção obtida.                          fosse necessário até o crescimento do tronco do paciente
                   Houve necessidade de reintervenção com colocação do                              e maturidade esquelética, quando, então, era realizada a
                   gancho de costela do dispositivo em arco costal mais                             fusão espinhal definitiva. Muitos casos evoluíram com
                   proximal e resistente, havendo boa evolução. Os casos                            fusão espinhal espontânea devido à desperiostização e,
                   em que houve remoção do implante correspondem                                    além de ser freqüente a soltura dos ganchos nos pontos
                   ao paciente # 1 e ao paciente # 2, e as deformidades                             distais da instrumentação e de infecções10. Outros
                   retornaram aos valores iniciais, antes das intervenções.                         estudos demonstraram o elevado índice de complicações
                   A taxa de complicação observada foi, portanto, de                                com quebra dos implantes e soltura em 15 casos de 16
                   23,5%.                                                                           pacientes operados (93,75%) e que foram acompanhados
                                                                                                    por dois anos. A freqüência de infecção atingiu 25% dos
                   DiSCUSSÃo                                                                        casos tratados15.
                   Estudos já demonstraram a aplicação do VEPTR na                                      As desvantagens do VEPTR incluem a baixa capa-
                   Síndrome de Jarcho-Levin, que envolve escoliose congênita                        cidade do implante de se moldar em contornos sagitais
                   e fusão de costelas e que as distrações na concavidade                           exagerados, contra-indicando o seu uso nesses casos, por
                   das curvas produziam crescimento de barras ósseas (não                           impossibilidade técnica. A desperiostização da costela
                   segmentadas). Logo, sua indicação em deformidades                                também deve ser evitada, pois isso facilita a fratura da
                   congênitas é bem fundamentada12-13.                                              costela onde se prendem os ganchos. Nessa série, um caso
                       O sistema VEPTR também encontrou sua aplicação como                          sofreu fratura de costela com necessidade de reintervenção
                   tutor interno no tratamento da escoliose neuromuscular14.                        na primeira semana de pós-operatório, não prejudicando o
                   Experiências recentes em pacientes portadores de doenças                         grau de correção obtido.
                   neuromusculares foram publicadas, com casuística de                                  Os resultados prévios da aplicação do método foram
                   seis pacientes, demonstrando que o tratamento com esse                           satisfatórios, uma vez que se obteve uma correção média
                   implante provocava melhorias significativas dos valores                          de 40,5% nas deformidades, superando os valores obtidos
                   angulares das deformidades e da habilidade de sentar                             nas radiografias sob tração. Houve também melhora média
                   desses pacientes14.                                                              de 60,6% na obliqüidade pélvica, que resultou numa
                       Nos 17 pacientes do presente estudo, as correções                            melhoria da habilidade de sentar de todos os pacientes. As
                   obtidas no primeiro pós-operatório foram semelhantes                             correções obtidas nas cirurgias tardias para alongamento
                   ou superiores aos valores angulares nas radiografias                             do sistema foram menos significativas, podendo indicar
                   com tração na maior parte dos casos, ou seja, treze                              que as curvas estão próximas do limite de correção sem
                   deles. Todos esses pacientes apresentaram melhora na                             a intervenção direta na coluna vertebral. Cada caso pode
                   habilidade de sentar obtendo-se resultados semelhantes                           ter sua correção imediata e tardia (primeiro alongamento)
                   à literatura14. Os casos que apresentaram piora nas                              avaliada no Gráfico 2. Os valores angulares no pós-
                   deformidades angulares na evolução tardia se explicam                            operatório imediato superaram, portanto, os valores das
                   pela remoção das montagens devido quadros de infecção                            radiografias sob tração na maioria dos casos, havendo
                   local sem resposta ao tratamento. Casos onde a correção                          tendência à diminuição do potencial de correção das
                   obtida não foi semelhante ou superior aos valores de                             curvas em fases de alongamento, que permaneceram
                   radiografias com tração podem ser explicados pela curva                          numa média de Cobb de 54,8º, valor próximo ao obtido
                   de aprendizado da técnica. Essas variações podem ser                             na primeira cirurgia.
                   vistas no Gráfico 2.                                                                 A taxa global de complicações no presente estudo é
                       Vantagens observadas nesta técnica, em relação às                            de 23,5%, incluindo três casos com infecção e um caso
                   demais formas de insturmentação sem fusão, incluíram                             com fratura da costela proximal em que se fixava o
                   o acesso paravertebral sem desperiostização da coluna,                           dispositivo. Campbell2 apresenta 27 pacientes em uso do
                   o que, em crianças, por si só, produzia fusão espinhal. A                        VEPTR com seguimento mínimo de três anos havendo
                   técnica também é pouco invasiva, leva a sangramento não                          1,9% de infecção em média nos seus procedimentos
                   significativo e permite a realização das distrações por meio                     cirúrgicos. Entretanto, o referido autor apresentou apenas
                   de pequeno acesso, apenas sobre uma parte do dispositivo.                        cinco pacientes sem nenhum tipo de complicação e a mais
                   Além disso, em nenhum momento há a necessidade de uso                            comum foi a soltura do gancho fixo à costela proximal.
                   de órtese ou algum outro tipo de suporte externo.                                Neste estudo, houve um menor índice de soltura do
                       A técnica de instrumentação sem fusão de Harrington,                         implante por fratura de costela, provavelmente devido ao
                   Marchetti et al. e Moe et al.10-12 envolvia a dissecção                          fato de o tempo de seguimento ser restrito a oito meses.
                   subperiostal nas vértebras da extremidade da curva,                              Os maiores índices de infecção desse estudo podem
                   com colocação de ganchos. A haste para unir esses dois                           ser explicados pelo perfil de pacientes, uma vez que os
                   ganchos era inserida no subcutâneo. O paciente era                               portadores de mielomeningocele são sabidamente um
                   mantido em alguma imobilização externa e em intervalos                           grupo que apresenta maior risco de desenvolver infecções
                   de quatro ou seis meses era realizado novo procedimento                          pós-operatórias.

                                                                                                                                   COLUNA/COLUMNA. 2008;7(2):160-166




ao_52_160_166.indd 6                                                                                                                                                      08-07-2008 18:14:56
166                                                           Landim E, Cavali PTM, Santos MAM, Pasqualini W, Boechat RCBM, Andrade SMS


                    ConCLUSÃo
                    O VEPTR mostrou-se útil no tratamento provisório das
                    escolioses neuromusculares e na função de um tutor interno
                    temporário. Correções significativas foram obtidas com
                    cirurgia de baixa morbidade e sustentadas por período de oito
                    meses. Estudos futuros com maior amostragem e maior tempo
                    de seguimento poderão demonstrar a aplicação do sistema por
                    tempo prolongado, até a maturidade esquelética.




                    REFERÊnCiAS
                    1.Moe J, Byrd J. Idiopathic scoliosis.          treatment of patients with adolescent     14. Hell AK, Campbell RM, Hefti F.
                       In: Bradford DS, Lonstein J, Moe J,          idiopathic scoliosis: a feasibility,         The vertical expandable prosthetic
                       Ogilvie J, Winter R, editors. Moe’s          safety, and utility study. Spine. 2003;      titanium rib implant for the treatment
                       textbook of scoliosis and other spinal       28(20):S255-65.                              of thoracic insufficiency syndrome
                       deformities. 2nd ed. Philadelphia:        8. Newton PO, Fricka KB, Lee SS,                associated with congenital and
                       Saunders; 1987. p 191-232.                   Farnsworth CL, Cox TG, Mahar AT.             neuromuscular scoliosis in young
                    2. Campbell RM Jr, Smith MD, Mayes              Asymmetrical flexible tethering of           children. J Pediatr Orthop B. 2005;
                       TC, Mangos JA, Willey-Courand DB,            spine growth in an immature bovine           14(4):287-93.
                       Kose N, et al. The effect of opening         model. Spine. 2002; 27(7):689-93.         15. Eberle CF. Failure of fixation after
                       wedge thoracostomy on thoracic            9. Braun JT, Ogilvie JW, Akyuz E,               spinal instrumentation without
                       insufficiency syndrome associated            Brodke DS, Bachus KN. Fusionless             arthrodesis in the management of
                       with fused ribs and congenital               scoliosis correction using a shape           paralytic scoliosis. J Bone Joint Surg
                       scoliosis. J Bone Joint Surg Am. 2004;       memory alloy staple in the anterior          Am. 1988; 70(5):696-703.
                       86-A(8):1659-74.                             thoracic spine of the immature goat.
                    3. Dickson R. Early-onset idiopathic            Spine. 2004; 29(18):1980-9.
                       scoliosis. In: Weinstein S, editor.       10. Harrington PR. Treatment of scoliosis.
                       The pediatric spine: principles and          Correction and internal fixation by
                       practice. New York: Raven Press;             spine instrumentation. J Bone Joint
                       1994. p 421-9.                               Surg Am. 1962; 44-A:591-610.
                    4. Roach J. Adolescent idiopathic            11. Marchetti PG, Faldini A. End fusions
                       scoliosis: nonsurgical treatment. In:        in the treatment of some progressing
                       Weinstein S, editor. The pediatric           or severe scoliosis in childhood or
                       spine: principles and practice. New          early adolescence. Orthop Trans.
                       York: Raven Press; 1994. p 497-510.          1978; 2:271.
                    5. Bridwell KH. Surgical treatment of        12. Moe JH, Kharrat K, Winter
                       idiopathic adolescent scoliosis. Spine.      RB, Cummine JL. Harrington
                       1999; 24(24):2607-16. Review.                instrumentation without fusion            Correspondência
                    6. Kaneda K, Fujiya N, Satoh S. Results         plus external orthotic support for
                       with Zielke instrumentation for              the treatment of difficult curvature      Sérgio Murilo dos Santos Andrade
                       idiopathic thoracolumbar and lumbar          problems in young children. Clin          Rua Conde Filho, 238 Apto 101
                       scoliosis. Clin Orthop Relat Res.            Orthop Rel Res. 1984; (185):35-45.
                                                                                                              Salvador (BA), Brasil.
                       1986; (205):195-203.                      13. Campbell RM Jr, Hell-Vocke AK.
                    7. Betz RR, Kim J, D’Andrea LP,                 Growth of the thoracic spine in           CEP 40150-150
                       Mulcahey MJ, Balsara RK, Clements            congenital scoliosis after expansion      Tel + 55 71 3235 7720
                       DH. An innovative technique of               thoracoplasty. J Bone Joint Surg Am.
                       vertebral body stapling for the              2003; 85-A(3):409-20.                     E-mail: murilo_ssa@yahoo.com


                    COLUNA/COLUMNA. 2008;7(2):160-166




ao_52_160_166.indd 7                                                                                                                                08-07-2008 18:14:56

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Avaliação funcional em longo prazo do tratamento videoartroscópico das leso...
Avaliação funcional em longo prazo do tratamento videoartroscópico das leso...Avaliação funcional em longo prazo do tratamento videoartroscópico das leso...
Avaliação funcional em longo prazo do tratamento videoartroscópico das leso...fabricio escudine
 
Condromalácia patelar seminario pdf
Condromalácia patelar  seminario pdfCondromalácia patelar  seminario pdf
Condromalácia patelar seminario pdfAutómono
 
Hérnias discais lombares e dor lombar aguda
Hérnias discais lombares e dor lombar agudaHérnias discais lombares e dor lombar aguda
Hérnias discais lombares e dor lombar agudaJoão Augusto Ribeiro
 
Tapoio ligamento-cruzado-2
Tapoio ligamento-cruzado-2Tapoio ligamento-cruzado-2
Tapoio ligamento-cruzado-2carmarraf
 
Avaliação do disco intervertebral por imagens radiográficas Tcc 2012 (14)
Avaliação do disco intervertebral por imagens radiográficas Tcc 2012 (14)Avaliação do disco intervertebral por imagens radiográficas Tcc 2012 (14)
Avaliação do disco intervertebral por imagens radiográficas Tcc 2012 (14)Nathanael Melchisedeck Brancaglione
 
Assuntos dos módulos 1 26
Assuntos dos módulos 1 26Assuntos dos módulos 1 26
Assuntos dos módulos 1 26SemioOrto
 
Aula de-fratura-em-4-partes-do-umero-proximal-protese-jornada-de-ms-2003 (1)
Aula de-fratura-em-4-partes-do-umero-proximal-protese-jornada-de-ms-2003 (1)Aula de-fratura-em-4-partes-do-umero-proximal-protese-jornada-de-ms-2003 (1)
Aula de-fratura-em-4-partes-do-umero-proximal-protese-jornada-de-ms-2003 (1)Eliane Kopchinski
 
Avaliacao postural de-individuos cegos através da biofotogrametria
Avaliacao postural de-individuos cegos através da biofotogrametria Avaliacao postural de-individuos cegos através da biofotogrametria
Avaliacao postural de-individuos cegos através da biofotogrametria dani sousa
 
Espondilolistese degerativa
Espondilolistese degerativaEspondilolistese degerativa
Espondilolistese degerativaadrianomedico
 
Disfunção sacroiliaca
Disfunção sacroiliacaDisfunção sacroiliaca
Disfunção sacroiliacaadrianomedico
 

Mais procurados (19)

Avaliação funcional em longo prazo do tratamento videoartroscópico das leso...
Avaliação funcional em longo prazo do tratamento videoartroscópico das leso...Avaliação funcional em longo prazo do tratamento videoartroscópico das leso...
Avaliação funcional em longo prazo do tratamento videoartroscópico das leso...
 
Modulo 21
Modulo 21Modulo 21
Modulo 21
 
Modulo 07
Modulo 07Modulo 07
Modulo 07
 
Condromalácia patelar seminario pdf
Condromalácia patelar  seminario pdfCondromalácia patelar  seminario pdf
Condromalácia patelar seminario pdf
 
Hérnias discais lombares e dor lombar aguda
Hérnias discais lombares e dor lombar agudaHérnias discais lombares e dor lombar aguda
Hérnias discais lombares e dor lombar aguda
 
Tapoio ligamento-cruzado-2
Tapoio ligamento-cruzado-2Tapoio ligamento-cruzado-2
Tapoio ligamento-cruzado-2
 
Modulo 03
Modulo 03Modulo 03
Modulo 03
 
Avaliação do disco intervertebral por imagens radiográficas Tcc 2012 (14)
Avaliação do disco intervertebral por imagens radiográficas Tcc 2012 (14)Avaliação do disco intervertebral por imagens radiográficas Tcc 2012 (14)
Avaliação do disco intervertebral por imagens radiográficas Tcc 2012 (14)
 
Fisioterapia
Fisioterapia Fisioterapia
Fisioterapia
 
Atm atigo
Atm atigoAtm atigo
Atm atigo
 
Assuntos dos módulos 1 26
Assuntos dos módulos 1 26Assuntos dos módulos 1 26
Assuntos dos módulos 1 26
 
Aula de-fratura-em-4-partes-do-umero-proximal-protese-jornada-de-ms-2003 (1)
Aula de-fratura-em-4-partes-do-umero-proximal-protese-jornada-de-ms-2003 (1)Aula de-fratura-em-4-partes-do-umero-proximal-protese-jornada-de-ms-2003 (1)
Aula de-fratura-em-4-partes-do-umero-proximal-protese-jornada-de-ms-2003 (1)
 
Avaliacao postural de-individuos cegos através da biofotogrametria
Avaliacao postural de-individuos cegos através da biofotogrametria Avaliacao postural de-individuos cegos através da biofotogrametria
Avaliacao postural de-individuos cegos através da biofotogrametria
 
Espondilolistese degerativa
Espondilolistese degerativaEspondilolistese degerativa
Espondilolistese degerativa
 
Avaliação do disco intervertebral por imagem radiográfica
Avaliação do disco intervertebral por imagem radiográficaAvaliação do disco intervertebral por imagem radiográfica
Avaliação do disco intervertebral por imagem radiográfica
 
Escoliose
EscolioseEscoliose
Escoliose
 
Modulo 14
Modulo 14Modulo 14
Modulo 14
 
Disfunção sacroiliaca
Disfunção sacroiliacaDisfunção sacroiliaca
Disfunção sacroiliaca
 
Modulo 09
Modulo 09Modulo 09
Modulo 09
 

Semelhante a Método Veptr - Cirurgia de escoliose

Ressonância de joelho compactado
Ressonância de joelho compactadoRessonância de joelho compactado
Ressonância de joelho compactadoJiga Jose
 
Hérnia de disco lombar diretrizes
Hérnia de disco lombar diretrizesHérnia de disco lombar diretrizes
Hérnia de disco lombar diretrizesadrianomedico
 
Alteração Biomecânica do Cotovelo
Alteração Biomecânica do CotoveloAlteração Biomecânica do Cotovelo
Alteração Biomecânica do CotoveloWelisson Porto
 
artrose de-joelho_trat_c
artrose de-joelho_trat_cartrose de-joelho_trat_c
artrose de-joelho_trat_cMelry Oliveira
 
Tratamento de espondilolistese
Tratamento de espondilolisteseTratamento de espondilolistese
Tratamento de espondilolisteseadrianomedico
 
Pilates na Lombalgia crônica - relato de casos
Pilates na Lombalgia crônica - relato de casosPilates na Lombalgia crônica - relato de casos
Pilates na Lombalgia crônica - relato de casosDra. Welker Fisioterapeuta
 
Avaliação da coluna lombar
Avaliação da coluna lombarAvaliação da coluna lombar
Avaliação da coluna lombarJunio Alves
 
Atualiadades em Escoliose
Atualiadades em EscolioseAtualiadades em Escoliose
Atualiadades em EscolioseFabio Mazzola
 
Atividade Eletromiográfica de Músculos Lombares Durante Contrações Isométrica...
Atividade Eletromiográfica de Músculos Lombares Durante Contrações Isométrica...Atividade Eletromiográfica de Músculos Lombares Durante Contrações Isométrica...
Atividade Eletromiográfica de Músculos Lombares Durante Contrações Isométrica...Fernando S. S. Barbosa
 
Tenodese do Bíceps Braquial - Dr. Roberto Bongiovanni
Tenodese do Bíceps Braquial - Dr. Roberto BongiovanniTenodese do Bíceps Braquial - Dr. Roberto Bongiovanni
Tenodese do Bíceps Braquial - Dr. Roberto BongiovanniRicardo Montija
 
Ativação muscular estabilizadora da patela e do quadril durante exercícios d ...
Ativação muscular estabilizadora da patela e do quadril durante exercícios d ...Ativação muscular estabilizadora da patela e do quadril durante exercícios d ...
Ativação muscular estabilizadora da patela e do quadril durante exercícios d ...Fernanda Emikaele
 
1 s2.Artigo efetividade do kinesio taping na dor e uncapacidade na sindrome d...
1 s2.Artigo efetividade do kinesio taping na dor e uncapacidade na sindrome d...1 s2.Artigo efetividade do kinesio taping na dor e uncapacidade na sindrome d...
1 s2.Artigo efetividade do kinesio taping na dor e uncapacidade na sindrome d...Franklyn Alves
 
Artigo (acupuntura) - Acupuntura no pós-operatório de artroscopia do joelho
Artigo (acupuntura) - Acupuntura no pós-operatório de artroscopia do joelhoArtigo (acupuntura) - Acupuntura no pós-operatório de artroscopia do joelho
Artigo (acupuntura) - Acupuntura no pós-operatório de artroscopia do joelhoRenato Almeida
 
Estágio Supervisionado em Clinica Escola l Priscila.pptx
Estágio Supervisionado em Clinica Escola l Priscila.pptxEstágio Supervisionado em Clinica Escola l Priscila.pptx
Estágio Supervisionado em Clinica Escola l Priscila.pptxRachelAlmeida19
 
Espondilólise e es pondilolistese em ginastas jovens
Espondilólise e es pondilolistese em ginastas jovensEspondilólise e es pondilolistese em ginastas jovens
Espondilólise e es pondilolistese em ginastas jovensadrianomedico
 

Semelhante a Método Veptr - Cirurgia de escoliose (20)

Coluna cervical
Coluna cervicalColuna cervical
Coluna cervical
 
Angulo popliteo
Angulo popliteoAngulo popliteo
Angulo popliteo
 
Ressonância de joelho compactado
Ressonância de joelho compactadoRessonância de joelho compactado
Ressonância de joelho compactado
 
Hérnia de disco lombar diretrizes
Hérnia de disco lombar diretrizesHérnia de disco lombar diretrizes
Hérnia de disco lombar diretrizes
 
Alteração Biomecânica do Cotovelo
Alteração Biomecânica do CotoveloAlteração Biomecânica do Cotovelo
Alteração Biomecânica do Cotovelo
 
artrose de-joelho_trat_c
artrose de-joelho_trat_cartrose de-joelho_trat_c
artrose de-joelho_trat_c
 
Tratamento de espondilolistese
Tratamento de espondilolisteseTratamento de espondilolistese
Tratamento de espondilolistese
 
Pilates na Lombalgia crônica - relato de casos
Pilates na Lombalgia crônica - relato de casosPilates na Lombalgia crônica - relato de casos
Pilates na Lombalgia crônica - relato de casos
 
Coluna lombar
Coluna lombarColuna lombar
Coluna lombar
 
Avaliação da coluna lombar
Avaliação da coluna lombarAvaliação da coluna lombar
Avaliação da coluna lombar
 
Atualiadades em Escoliose
Atualiadades em EscolioseAtualiadades em Escoliose
Atualiadades em Escoliose
 
Cotovelo
CotoveloCotovelo
Cotovelo
 
Atividade Eletromiográfica de Músculos Lombares Durante Contrações Isométrica...
Atividade Eletromiográfica de Músculos Lombares Durante Contrações Isométrica...Atividade Eletromiográfica de Músculos Lombares Durante Contrações Isométrica...
Atividade Eletromiográfica de Músculos Lombares Durante Contrações Isométrica...
 
Tenodese do Bíceps Braquial - Dr. Roberto Bongiovanni
Tenodese do Bíceps Braquial - Dr. Roberto BongiovanniTenodese do Bíceps Braquial - Dr. Roberto Bongiovanni
Tenodese do Bíceps Braquial - Dr. Roberto Bongiovanni
 
Ativação muscular estabilizadora da patela e do quadril durante exercícios d ...
Ativação muscular estabilizadora da patela e do quadril durante exercícios d ...Ativação muscular estabilizadora da patela e do quadril durante exercícios d ...
Ativação muscular estabilizadora da patela e do quadril durante exercícios d ...
 
1 s2.Artigo efetividade do kinesio taping na dor e uncapacidade na sindrome d...
1 s2.Artigo efetividade do kinesio taping na dor e uncapacidade na sindrome d...1 s2.Artigo efetividade do kinesio taping na dor e uncapacidade na sindrome d...
1 s2.Artigo efetividade do kinesio taping na dor e uncapacidade na sindrome d...
 
Artigo (acupuntura) - Acupuntura no pós-operatório de artroscopia do joelho
Artigo (acupuntura) - Acupuntura no pós-operatório de artroscopia do joelhoArtigo (acupuntura) - Acupuntura no pós-operatório de artroscopia do joelho
Artigo (acupuntura) - Acupuntura no pós-operatório de artroscopia do joelho
 
Artigo bioterra v16_n1_08
Artigo bioterra v16_n1_08Artigo bioterra v16_n1_08
Artigo bioterra v16_n1_08
 
Estágio Supervisionado em Clinica Escola l Priscila.pptx
Estágio Supervisionado em Clinica Escola l Priscila.pptxEstágio Supervisionado em Clinica Escola l Priscila.pptx
Estágio Supervisionado em Clinica Escola l Priscila.pptx
 
Espondilólise e es pondilolistese em ginastas jovens
Espondilólise e es pondilolistese em ginastas jovensEspondilólise e es pondilolistese em ginastas jovens
Espondilólise e es pondilolistese em ginastas jovens
 

Mais de Fatima Braga

Concenso De VentilaçãO MecãNica
Concenso De VentilaçãO MecãNicaConcenso De VentilaçãO MecãNica
Concenso De VentilaçãO MecãNicaFatima Braga
 
Artigo fisioterapeuta Dr.Miguel Gonçalves
Artigo fisioterapeuta Dr.Miguel GonçalvesArtigo fisioterapeuta Dr.Miguel Gonçalves
Artigo fisioterapeuta Dr.Miguel GonçalvesFatima Braga
 
Artigo do Fisioterapeuta Dr. Miguel Gonçalves
Artigo do Fisioterapeuta Dr. Miguel GonçalvesArtigo do Fisioterapeuta Dr. Miguel Gonçalves
Artigo do Fisioterapeuta Dr. Miguel GonçalvesFatima Braga
 
Miguel Gonçalves:Extubation In Nmd Chest 2010 Miguel GonçAlves
Miguel Gonçalves:Extubation In Nmd Chest 2010 Miguel GonçAlvesMiguel Gonçalves:Extubation In Nmd Chest 2010 Miguel GonçAlves
Miguel Gonçalves:Extubation In Nmd Chest 2010 Miguel GonçAlvesFatima Braga
 
Regulamentação HOME CARE
Regulamentação HOME CARERegulamentação HOME CARE
Regulamentação HOME CAREFatima Braga
 
Guia Familias Com Amiotrofia Espinhal!
Guia Familias Com Amiotrofia Espinhal!Guia Familias Com Amiotrofia Espinhal!
Guia Familias Com Amiotrofia Espinhal!Fatima Braga
 

Mais de Fatima Braga (7)

Lucas e ABRAME
Lucas e ABRAMELucas e ABRAME
Lucas e ABRAME
 
Concenso De VentilaçãO MecãNica
Concenso De VentilaçãO MecãNicaConcenso De VentilaçãO MecãNica
Concenso De VentilaçãO MecãNica
 
Artigo fisioterapeuta Dr.Miguel Gonçalves
Artigo fisioterapeuta Dr.Miguel GonçalvesArtigo fisioterapeuta Dr.Miguel Gonçalves
Artigo fisioterapeuta Dr.Miguel Gonçalves
 
Artigo do Fisioterapeuta Dr. Miguel Gonçalves
Artigo do Fisioterapeuta Dr. Miguel GonçalvesArtigo do Fisioterapeuta Dr. Miguel Gonçalves
Artigo do Fisioterapeuta Dr. Miguel Gonçalves
 
Miguel Gonçalves:Extubation In Nmd Chest 2010 Miguel GonçAlves
Miguel Gonçalves:Extubation In Nmd Chest 2010 Miguel GonçAlvesMiguel Gonçalves:Extubation In Nmd Chest 2010 Miguel GonçAlves
Miguel Gonçalves:Extubation In Nmd Chest 2010 Miguel GonçAlves
 
Regulamentação HOME CARE
Regulamentação HOME CARERegulamentação HOME CARE
Regulamentação HOME CARE
 
Guia Familias Com Amiotrofia Espinhal!
Guia Familias Com Amiotrofia Espinhal!Guia Familias Com Amiotrofia Espinhal!
Guia Familias Com Amiotrofia Espinhal!
 

Último

DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptx
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptxDOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptx
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptxDiegoFernandes857616
 
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfivana Sobrenome
 
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdfMetabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdfMayaraStefanydaSilva1
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSProf. Marcus Renato de Carvalho
 
Tabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdf
Tabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdfTabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdf
Tabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdfqualidadediagnostico
 
AULA - Fígado, vias biliares e pâncreas exócrino.pdf
AULA - Fígado, vias biliares e pâncreas exócrino.pdfAULA - Fígado, vias biliares e pâncreas exócrino.pdf
AULA - Fígado, vias biliares e pâncreas exócrino.pdfClaudiaAraujo428025
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfvejic16888
 
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptxAULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptxmikashopassos123
 

Último (8)

DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptx
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptxDOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptx
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptx
 
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
 
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdfMetabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
Tabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdf
Tabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdfTabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdf
Tabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdf
 
AULA - Fígado, vias biliares e pâncreas exócrino.pdf
AULA - Fígado, vias biliares e pâncreas exócrino.pdfAULA - Fígado, vias biliares e pâncreas exócrino.pdf
AULA - Fígado, vias biliares e pâncreas exócrino.pdf
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
 
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptxAULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
 

Método Veptr - Cirurgia de escoliose

  • 1. ARTigo oRiginAL / oRiginAL ARTiCLE Uso da prótese vertical expansível de titânio para costela (VEPTR) como opção na instrumentação sem fusão para tratamento da escoliose neuromuscular The vertical expandable prosthetic titanium rib device (VEPTR) as option in spine instrumentation without arthrodesis in the treatment of neuromuscular scoliosis Uso de la prótesis vertical expansible de titanio para costilla (VEPTR como opción en la instrumentación sin fusión para tratamiento de la escoliosis neuromuscular Élcio Landim1 Paulo Tadeu Maia Cavali2 Marcus Alexandre Mello Santos3 Wagner Pasqualini4 Rodrigo Castello Branco Manhães Boechat5 Sergio Murilo dos Santos Andrade6 RESUMo ABSTRACT RESUMEn Objetivo: demonstrar a experiência Objective: report results of vertical Objetivo: demostrar la experiencia del do uso de prótese vertical expansível expandable prosthetic titanium ribs uso de la prótesis vertical expansible de de titânio (VEPTR) como opção para (VEPTR) surgery in the treatment titanio (VEPTR) como opción, para el tratamento sem fusão da coluna, em of neuromuscular scoliosis without tratamiento sin fusión de la columna, en pacientes com escoliose neuromuscular. spinal fusion. Methods: a total of 17 pacientes con Escoliosis neuromuscular. Métodos: o estudo envolveu 17 pa- patients (mean age 8 years; 3 to 13 Métodos: el estudio involucró 17 pa- cientes (com média de idade de oito years) with neuromuscular scoliosis cientes (con promedio de edad de 8 anos; variando de três a 13 anos) que exceeding 40° of scoliosis measured años, variando de 3 a 13 años) que apresentavam escoliose neuromuscular using the Cobb method and presenting presentaron escoliosis neuromuscular com medida pelo método de Cobb, a Risser grade of 1 and 2 before VEPTR medida por el método de Cobb superior superior a 40° e potencial de crescimento surgery. The degree of spinal curve a 40° y potencial de crecimiento (Risser (Risser 1 e 2), tratados com VEPTR, was measured using the Coob method 1 y 2), tratados con VEPTR, por el pelo Grupo de Escoliose da AACD before and after surgery. Results: Grupo de Escoliosis de la AACD de de São Paulo e Grupo de Cirurgia da the postoperative mean correction São Paulo y el Grupo de Cirugía de la Trabalho realizado no Grupo de Escoliose da Associação de Assistência à Criança Deficiente - AACD- São Paulo (SP), Brasil e Serviço de Cirurgia da Coluna da Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP – Campinas (SP), Brasil. 1 Professor do Departamento de Ortopedia e Traumatologia da Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP – Campinas (SP), Brasil; Chefe do Grupo de Escoliose da Associação de Assistência à Criança Deficiente - AACD – São Paulo (SP), Brasil. 2 Cirurgião de Coluna do Grupo de Escoliose da Associação de Assistência à Criança Deficiente – AACD – São Paulo (SP), Brasil e Departamento de Ortopedia e Traumatologia da Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP – Campinas (SP), Brasil. 3 Cirurgião de Coluna do Grupo de Escoliose da Associação de Assistência à Criança Deficiente - AACD – São Paulo (SP), Brasil. 4 Cirurgião de Coluna do Departamento de Ortopedia e Traumatologia da Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP – Campinas (SP), Brasil. 5 Ortopedista, Grupo de Cirurgia de Coluna - Hospital XV – Curitiba (PR), Brasil. 6 Cirurgião do Grupo de Coluna do HUPES – Universidade Federal da Bahia – Salvador (BA), Brasil. Não há conflitos de interesse. Recebido: 11/03/2007 Aprovado: 15/01/2008 COLUNA/COLUMNA. 2008;7(2):160-166 ao_52_160_166.indd 1 08-07-2008 18:14:52
  • 2. Uso da prótese vertical expansível de titânio para costela (VEPTR) como opção na instrumentação sem fusão para tratamento de escoliose neuromuscular 161 coluna da Universidade Estadual de rate in spinal curve degrees achieved columna de la Universidad Estadual de Campinas. Foi realizada avaliação da by the patients treated with VEPTR Campinas. Fue realizada una evaluación curva pelo método de Cobb no pré e measured with the Coob method was de la curva por el método de Cobb en pós-operatório para avaliar o grau de 40, 5° and the mean reduction of the el pre y postoperatorio para evaluar correção. Resultados: as correções ob- pelvic obliquity was 60, 6° compared el grado de corrección. Resultados: tidas com o uso do VEPTR, medidas pelo to the degree of preoperatory postural las correcciones resultantes con el uso método de Cobb, foi em média de 40,5º evaluation. Conclusion: patients who del VEPTR, medidas por el método em relação à deformidade pré-operatória underwentVEPTRsurgerydemonstrated de Cobb fue en promedio de 40.5º en e, uma diminuição média, de 60,6º na significantly improved postural correc- relación a la deformidad preoperatorio obliqüidade pélvica. Conclusão: o mé- tion and health-related quality of life for y una disminución promedio de 60.6º en todo mostrou-se útil, com correções the provisory treatment of congenital la oblicuidad pélvica. Conclusión: el significativas, no tratamento provisório neuromuscular scoliosis. método se mostró útil, con correcciones das Escolioses neuromusculares. significativas, en el tratamiento provisorio de las Escoliosis neuromusculares. DESCRITORES: Escoliose/ KEYWORDS: Scoliosis/therapy; DESCRIPTORES: Escoliosis/ terapia; Fusão vertebral/ Spinal fusion/methods; Spinal terapía; Fusión vertebral/ métodos; Fusão vertebral/ fusion/instrumentation; métodos; Fusión vertebral/ instrumentação; Próteses e Prostheses and implants instrumentación; Prótesis e implantes implantes inTRoDUÇÃo Porém, é uma modalidade de tratamento que apresenta A escoliose neuromuscular acomete um grupo particular de riscos, os quais estão ligados à morbidade da cirurgia e pacientes, que, devido suas doenças de base, apresentam risco anestésico5-6. Além disso, os estudos de Campbell2 deformidades vertebrais de comportamento distinto da indicam que uma artrodese espinhal, em crianças de até escoliose idiopática. A progressão é freqüente e precoce, 5 anos de idade, comprometem a capacidade pulmonar ao com curvaturas que pioram mesmo após a maturidade final do crescimento em torno de 50%. esquelética. Deixados sem tratamento, esses pacientes são A cirurgia de correção de escoliose sem fusão muito prejudicados, apresentando diminuição de seu nível pode oferecer vantagens que não são conseguidas nos funcional e disfunção respiratória1. tratamentos convencionais, com o objetivo de interromper Estudos mais recentes têm demonstrado que o a progressão da doença e permitindo o crescimento da encurtamento do tronco e a hipoplasia da caixa torácica coluna. Trata-se de um princípio de tratamento que pode não são as únicas conseqüências das deformidades de ser realizado de diferentes modos, incluindo: grampos de coluna severas que acometem as crianças com menos inserção endoscópica, plicaturas nas convexidades das de dez anos de idade. Sabe-se que o crescimento dos curvas e modulação do crescimento. Tais sistemas foram pulmões é determinado pelos limites anatômicos do tórax bem demonstrados em estudos experimentais7-9. e, portanto, qualquer deformidade da caixa torácica ou da A estabilização da coluna vertebral sem fusão, aplicada coluna torácica, que reduza o volume do tórax, pode afetar em pacientes, foi inicialmente descrita por Harrington10 o tamanho dos pulmões na maturidade. A diminuição e apresentou resultados precários devido à fusão parcial volumétrica do parênquima pulmonar também significa resultante da dissecção subperiosteal da musculatura redução da quantidade de alvéolos, que, ao longo dos anos, paravertebral, por ocasião do acesso cirúrgico à coluna levará à Síndrome de Insuficiência Torácica e óbito por cor vertebral. A ausência de suporte externo protegendo pulmonale2. as hastes nessa técnica descrita também provocava A escoliose é uma deformidade complexa e tridi- deslocamento dos ganchos e quebras nas hastes, levando à mensional da coluna que pode ser tratada com órteses falha do procedimento. (coletes) ou cirurgia com fusão espinhal para evitar a Relatos e descrições de outros autores sugeriam a progressão da deformidade3-4. O tratamento conservador utilidade desta técnica em pacientes menores de dez anos com órtese não é invasivo e mantém o movimento da coluna de idade, com graves deformidades vertebrais, que não e sua mobilidade. Entretanto, não permite a correção das respondiam ao tratamento conservador com órteses e ainda curvas e previne, modestamente, a sua progressão, sendo muito jovens para serem submetidos à artrodese de coluna ainda menos efetivo nas deformidades neuromusculares vertebral11-12. e oferecendo riscos, inclusive, como lesões cutâneas em Esse princípio de tratamento cirúrgico mostrou-se útil crianças com déficit de sensibilidade. nas deformidades espinhais de etiologia neuromuscular e O tratamento cirúrgico das escolioses, baseado na congênita acometendo crianças de baixa idade. instrumentação da coluna e fusão, permite a adequada A fim de tratar pacientes com escoliose congênita em correção da deformidade e prevenção de progressão. baixa idade e restrição do desenvolvimento do tórax em COLUNA/COLUMNA. 2008;7(2):160-166 ao_52_160_166.indd 2 08-07-2008 18:14:52
  • 3. 162 Landim E, Cavali PTM, Santos MAM, Pasqualini W, Boechat RCBM, Andrade SMS virtude da deformidade e de fusão de arcos costais foi ilíaco (Figura 1). O pós-operatório imediato foi realizado em desenvolvido o dispositivo Vertical Expandable Prosthetic unidade de terapia intensiva com fisioterapia respiratória. Titanium Rib (VEPTR), (Synthes Spine Co®., West Chester, Em todos os pacientes foi feita profilaxia antibiótica com Pennsylvania, USA) ou Prótese Vertical Expansível de Cefalotina 100 mg/kg/dia por 48 horas e Amicacina 15mg/ Titânio. Tal implante permite a estabilização indireta kg/dia por 24 horas. Os alongamentos do sistema foram de deformidades espinhais sem artrodese, com fixação realizados a cada quatro meses, também em ambiente nas costelas, lâminas e pelve, permitindo até mesmo hospitalar, sob anestesia geral e com 48 horas de profilaxia alongamentos. antibiótica. Em nenhum paciente foi utilizada proteção Campbell2 sugere a aplicação do VEPTR em externa ou órtese no pós-operatório da cirurgia primária deformidades espinhais neuromusculares em crianças, ou distrações. Todos mantiveram seu programa habitual de funcionando como uma instrumentação indireta da reabilitação, apenas não sendo recomendados exercícios coluna, sem artrodese13. Hell et al. trataram seis pacientes que envolvessem flexão do tronco. As transferências dos demonstrando bons resultados na aplicação do VEPTR em pacientes de leito, cadeiras, ou deambulação foram mantidos escoliose neuromuscular14. da maneira habitual após a colocação do VEPTR. A cada No presente estudo, o objetivo é demonstrar a quatro meses era realizado alongamento do sistema com os experiência inicial do uso do VEPTR como um tutor pacientes internados, a fim de obter melhora das correções interno para o tratamento de escoliose sem fusão espinhal obtidas ou evitar sua piora (Figura 2). em crianças portadoras de doenças neuromusculares. MÉToDoS De Janeiro de 2005 a Maio de 2006, foram tratados pelo Grupo de Escoliose da AACD de São Paulo e Grupo de Cirurgia de Coluna da Universidade Estadual de Campinas, 31 pacientes portadores de deformidade espi-nhal com o VEPTR (dispositivo em seu desenho de quarta geração, desenvolvido pela Synthes Spine®, West Chester, Pennsylvania). Nesse estudo, foram incluídos 17 casos que preencheram os critérios: deformidades com Cobb superior a 40º ou escoliose neuromuscular progres- Figura 1 Figura 2 siva documentada; imaturidade esquelética (Risser Montagem habitualmente Alongamento do sistema realizada na concavidade da menor que 2); pacientes com insuficiência respiratória escoliose Fonte: Campbell RM Jr et al.2 associada e comprovada clinicamente ou por exames laboratoriais (gasometria, provas de função pulmonar) Fonte: Campbell RM Jr et al.2 ou de imagem (tomografia de tórax indicando reduzido espaço pulmonar). Excluiu-se pacientes com defor- midades graves no plano sagital. RESULTADoS Do total de 17 pacientes, seis eram do sexo masculino Avaliação pré-operatória e pós-operatória e 11 do sexo feminino. A média de idade encontrada no Os dados a serem obtidos incluíram idade, tipo de doença grupo foi de oito anos, variando de 3 a 13 anos. As doenças neuromuscular, magnitude da deformidade pelo método de neuromusculares encontradas incluíram: mielomeningocele Cobb, flexibilidade da curva, obliqüidade pélvica, freqüência torácica, mielomeningocele lombar, paralisia cerebral, de infecções respiratórias graves, dificuldade respiratória artrogripose e mielite transversa (Tabela 1). prévia à cirurgia, necessidade de suporte ventilatório, valor Com relação a doenças respiratórias secundárias às da correção obtido após a primeira cirurgia e nas sucessivas patologias neuromusculares primárias, observou-se dois distrações do sistema, melhorias no padrão respiratório após casos de pacientes com dispnéia e infecções respiratórias cirurgia e complicações ocorridas com o dispositivo. O graves repetidas, que necessitavam de máscara de O2 tempo de seguimento mínimo foi de oito meses. constante. Em um caso, a doença de base era mielite As avaliações pré-operatória, pós-operatória imediata transversa e, em outro, paralisia cerebral. e pós-operatória tardia das deformidades de coluna foram A média dos valores de Cobb encontrada foi de 80o realizadas com radiografias para escoliose, em duas posições variando de 40º a 147º. O valor médio de Cobb obtido (frente e lateral), em posição ortostática ou sentada, como nas radiografias em tração foi de 61,3º com variação de de habitual no exame das deformidades vertebrais. 30º a 105º Em média, portanto, a flexibilidade das curvas foi de 23,4% e as variações de Cobb sem tração e com Técnica cirúrgica tração podem ser verificadas no Gráfico 1 e Tabela 1. Onze Todos os pacientes foram submetidos à cirurgia sob anestesia geral pacientes apresentavam obliqüidade pélvica, com média inalatória com colocação do VEPTR com uma ou duas hastes, de 24,1º (12º - 50º), conforme exemplo do paciente 16 em montagens com fixações do tipo costela-costela ou Costela- (Figuras 3 e 4). COLUNA/COLUMNA. 2008;7(2):160-166 ao_52_160_166.indd 3 08-07-2008 18:14:53
  • 4. Uso da prótese vertical expansível de titânio para costela (VEPTR) como opção na instrumentação sem fusão para tratamento de escoliose neuromuscular 163 gráfico 1 - Variação do Cobb raio-X ortostático e raio-X sob tração Tabela 1 – Variação de Cobb e obliqüidade pélvica Caso e idade Cobb Cobb Cobb Cobb 1ª. obliqüidade obliqüidade doença inicial r-X Pós-op Alongamento pélvica inicial pélvica final tração ou retirada (1) Mielo torácica 6 76º (T11-L3) 30º 40º 65º 15º 15º 40º (T2-T11) 30º 30º 40º (retirada) (2)Mielo torácica 13 147º (T4-L2) 105º 110º 140º (retirada) 50º 12º (3)Paralisia cerebral 7 65º (T5-L4) 50º 50º - - - (4)Paralisia cerebral 7 73º (T9-L5) 35º 38º 35º 28º 16º (5)Mielo lombar 9 65º (T10-L5) 60º 55º 50º 22º 14º 48º (T1-T10) 50º 50º 48º (6)Mielo torácica 11 72º (T6-L4) 50º 48º 55º 22º 14º (7)Mielo torácica 9 72 (T10-L5) 60º 68º 65º 22º 0º 48 (T1-T10) 45º 50º 50º (8)Paralisia cerebral 4 57º (T8-L5) 35º 25º - - - (9)Mielo lombar 10 52º (T2-T11) 30º 21º - 30º 0º (10)Mielo torácica 12 80º (T7-L4) 37º 50º 45º 12º 4º (11)Artrogripose 10 100º (T7-L4) 60º 55º 55º - - (12)Mielo torácica 13 103º(T5-L4) 87º 78º 78º (13)Mielite transversa 8 108º(T4-L5) 47º 30º 28º - - (14)Mielo torácica 7 52º (T8-L4) 43º 48º 28º 22º 12º (15)Mielo torácica 10 63º (T5-T10) 60º 45º 40º 18º 10º (16)Mielo torácica 3 95º(T6-L4) 45º 35º - 45º 20º (17)Paralisia cerebral 11 50º (T4-L2) 30º 26º - - - Fonte: Hospital Abreu Sodré – AACD – Hospital as Clínicas da UNICAMP COLUNA/COLUMNA. 2008;7(2):160-166 ao_52_160_166.indd 4 08-07-2008 18:14:54
  • 5. 164 Landim E, Cavali PTM, Santos MAM, Pasqualini W, Boechat RCBM, Andrade SMS Figura 5 Paciente# 16, masculino, três anos de idade, mielomeningocele. Pós-operatório imediato, realizadas duas montagens com o VEPTR tipo costela-ilíaco corrigindo, significativamente, a deformidade espinhal e a obliqüidade pélvica. O paciente apresentou melhora no equilíbrio de tronco e habilidade para sentar Figura 3 Figura 4 Paciente # 16, masculino, Paciente # 16, masculino, três anos de idade, três anos de idade, mielomeningocele. Valor do mielomeningocele. Observar ângulo de Cobb 95º que no plano sagital do (45º sob tração) paciente não apresenta curvaturas acentuadas Os valores de Cobb, obtidos com o uso do sistema em radiografias de controle no pós-operatório imediato, corresponderam em média a um ângulo de 47,6º (21º a 110º), perfazendo uma correção média de 32,4º ou de 40,5% em relação à deformidade original e em alguns casos com uma correção superior, como exemplo do paciente 16 (Figuras 5 e 6). Cada caso pode ter sua correção imediata e tardia (primeiro alongamento) Figura 6 avaliado no Gráfico 2. Os valores angulares no pós- Paciente # 16, masculino, operatório imediato aproximaram-se dos valores das três anos de idade, radiografias com tração na maioria dos casos, havendo mielomeningocele. A imagem tendência à diminuição do potencial de correção das demonstra o posicionamento curvas em fase tardia e no primeiro alongamento com dos dispositivos no perfil quatro meses. As complicações incluíram infecção profunda em três pacientes, sendo que todos os pacientes foram tratados gráfico 2 - Variação do Cobb no pré-operatório, r-X sob tração, pós- em regime hospitalar com operatório imeiato e pós-operatório tardio antibioticoterapia endove- nosa e desbridamento da ferida no centro cirúrgico. Em dois casos não houve resolução do quadro e ocorreu exposição do im-plante, que foi retirado com resolução da infecção, sendo optado aguardar pa- ra realizar fusão espinhal definitiva. O terceiro paci- ente com infecção também apresentou exposição do implante, que foi resolvido com procedimento de ci- rurgia plástica de rotação de retalho miocutâneo. Outra complicação foi a fratura de costela no ponto de inserção da parte proximal COLUNA/COLUMNA. 2008;7(2):160-166 ao_52_160_166.indd 5 08-07-2008 18:14:56
  • 6. Uso da prótese vertical expansível de titânio para costela (VEPTR) como opção na instrumentação sem fusão para tratamento de escoliose neuromuscular 165 do dispositivo. Ocorreu na primeira semana de pós- de alongamento com acesso limitado ao ponto de distração operatório com paciente apresentando dor intensa em do implante. As distrações eram realizadas enquanto região posterior da costela e perda da correção obtida. fosse necessário até o crescimento do tronco do paciente Houve necessidade de reintervenção com colocação do e maturidade esquelética, quando, então, era realizada a gancho de costela do dispositivo em arco costal mais fusão espinhal definitiva. Muitos casos evoluíram com proximal e resistente, havendo boa evolução. Os casos fusão espinhal espontânea devido à desperiostização e, em que houve remoção do implante correspondem além de ser freqüente a soltura dos ganchos nos pontos ao paciente # 1 e ao paciente # 2, e as deformidades distais da instrumentação e de infecções10. Outros retornaram aos valores iniciais, antes das intervenções. estudos demonstraram o elevado índice de complicações A taxa de complicação observada foi, portanto, de com quebra dos implantes e soltura em 15 casos de 16 23,5%. pacientes operados (93,75%) e que foram acompanhados por dois anos. A freqüência de infecção atingiu 25% dos DiSCUSSÃo casos tratados15. Estudos já demonstraram a aplicação do VEPTR na As desvantagens do VEPTR incluem a baixa capa- Síndrome de Jarcho-Levin, que envolve escoliose congênita cidade do implante de se moldar em contornos sagitais e fusão de costelas e que as distrações na concavidade exagerados, contra-indicando o seu uso nesses casos, por das curvas produziam crescimento de barras ósseas (não impossibilidade técnica. A desperiostização da costela segmentadas). Logo, sua indicação em deformidades também deve ser evitada, pois isso facilita a fratura da congênitas é bem fundamentada12-13. costela onde se prendem os ganchos. Nessa série, um caso O sistema VEPTR também encontrou sua aplicação como sofreu fratura de costela com necessidade de reintervenção tutor interno no tratamento da escoliose neuromuscular14. na primeira semana de pós-operatório, não prejudicando o Experiências recentes em pacientes portadores de doenças grau de correção obtido. neuromusculares foram publicadas, com casuística de Os resultados prévios da aplicação do método foram seis pacientes, demonstrando que o tratamento com esse satisfatórios, uma vez que se obteve uma correção média implante provocava melhorias significativas dos valores de 40,5% nas deformidades, superando os valores obtidos angulares das deformidades e da habilidade de sentar nas radiografias sob tração. Houve também melhora média desses pacientes14. de 60,6% na obliqüidade pélvica, que resultou numa Nos 17 pacientes do presente estudo, as correções melhoria da habilidade de sentar de todos os pacientes. As obtidas no primeiro pós-operatório foram semelhantes correções obtidas nas cirurgias tardias para alongamento ou superiores aos valores angulares nas radiografias do sistema foram menos significativas, podendo indicar com tração na maior parte dos casos, ou seja, treze que as curvas estão próximas do limite de correção sem deles. Todos esses pacientes apresentaram melhora na a intervenção direta na coluna vertebral. Cada caso pode habilidade de sentar obtendo-se resultados semelhantes ter sua correção imediata e tardia (primeiro alongamento) à literatura14. Os casos que apresentaram piora nas avaliada no Gráfico 2. Os valores angulares no pós- deformidades angulares na evolução tardia se explicam operatório imediato superaram, portanto, os valores das pela remoção das montagens devido quadros de infecção radiografias sob tração na maioria dos casos, havendo local sem resposta ao tratamento. Casos onde a correção tendência à diminuição do potencial de correção das obtida não foi semelhante ou superior aos valores de curvas em fases de alongamento, que permaneceram radiografias com tração podem ser explicados pela curva numa média de Cobb de 54,8º, valor próximo ao obtido de aprendizado da técnica. Essas variações podem ser na primeira cirurgia. vistas no Gráfico 2. A taxa global de complicações no presente estudo é Vantagens observadas nesta técnica, em relação às de 23,5%, incluindo três casos com infecção e um caso demais formas de insturmentação sem fusão, incluíram com fratura da costela proximal em que se fixava o o acesso paravertebral sem desperiostização da coluna, dispositivo. Campbell2 apresenta 27 pacientes em uso do o que, em crianças, por si só, produzia fusão espinhal. A VEPTR com seguimento mínimo de três anos havendo técnica também é pouco invasiva, leva a sangramento não 1,9% de infecção em média nos seus procedimentos significativo e permite a realização das distrações por meio cirúrgicos. Entretanto, o referido autor apresentou apenas de pequeno acesso, apenas sobre uma parte do dispositivo. cinco pacientes sem nenhum tipo de complicação e a mais Além disso, em nenhum momento há a necessidade de uso comum foi a soltura do gancho fixo à costela proximal. de órtese ou algum outro tipo de suporte externo. Neste estudo, houve um menor índice de soltura do A técnica de instrumentação sem fusão de Harrington, implante por fratura de costela, provavelmente devido ao Marchetti et al. e Moe et al.10-12 envolvia a dissecção fato de o tempo de seguimento ser restrito a oito meses. subperiostal nas vértebras da extremidade da curva, Os maiores índices de infecção desse estudo podem com colocação de ganchos. A haste para unir esses dois ser explicados pelo perfil de pacientes, uma vez que os ganchos era inserida no subcutâneo. O paciente era portadores de mielomeningocele são sabidamente um mantido em alguma imobilização externa e em intervalos grupo que apresenta maior risco de desenvolver infecções de quatro ou seis meses era realizado novo procedimento pós-operatórias. COLUNA/COLUMNA. 2008;7(2):160-166 ao_52_160_166.indd 6 08-07-2008 18:14:56
  • 7. 166 Landim E, Cavali PTM, Santos MAM, Pasqualini W, Boechat RCBM, Andrade SMS ConCLUSÃo O VEPTR mostrou-se útil no tratamento provisório das escolioses neuromusculares e na função de um tutor interno temporário. Correções significativas foram obtidas com cirurgia de baixa morbidade e sustentadas por período de oito meses. Estudos futuros com maior amostragem e maior tempo de seguimento poderão demonstrar a aplicação do sistema por tempo prolongado, até a maturidade esquelética. REFERÊnCiAS 1.Moe J, Byrd J. Idiopathic scoliosis. treatment of patients with adolescent 14. Hell AK, Campbell RM, Hefti F. In: Bradford DS, Lonstein J, Moe J, idiopathic scoliosis: a feasibility, The vertical expandable prosthetic Ogilvie J, Winter R, editors. Moe’s safety, and utility study. Spine. 2003; titanium rib implant for the treatment textbook of scoliosis and other spinal 28(20):S255-65. of thoracic insufficiency syndrome deformities. 2nd ed. Philadelphia: 8. Newton PO, Fricka KB, Lee SS, associated with congenital and Saunders; 1987. p 191-232. Farnsworth CL, Cox TG, Mahar AT. neuromuscular scoliosis in young 2. Campbell RM Jr, Smith MD, Mayes Asymmetrical flexible tethering of children. J Pediatr Orthop B. 2005; TC, Mangos JA, Willey-Courand DB, spine growth in an immature bovine 14(4):287-93. Kose N, et al. The effect of opening model. Spine. 2002; 27(7):689-93. 15. Eberle CF. Failure of fixation after wedge thoracostomy on thoracic 9. Braun JT, Ogilvie JW, Akyuz E, spinal instrumentation without insufficiency syndrome associated Brodke DS, Bachus KN. Fusionless arthrodesis in the management of with fused ribs and congenital scoliosis correction using a shape paralytic scoliosis. J Bone Joint Surg scoliosis. J Bone Joint Surg Am. 2004; memory alloy staple in the anterior Am. 1988; 70(5):696-703. 86-A(8):1659-74. thoracic spine of the immature goat. 3. Dickson R. Early-onset idiopathic Spine. 2004; 29(18):1980-9. scoliosis. In: Weinstein S, editor. 10. Harrington PR. Treatment of scoliosis. The pediatric spine: principles and Correction and internal fixation by practice. New York: Raven Press; spine instrumentation. J Bone Joint 1994. p 421-9. Surg Am. 1962; 44-A:591-610. 4. Roach J. Adolescent idiopathic 11. Marchetti PG, Faldini A. End fusions scoliosis: nonsurgical treatment. In: in the treatment of some progressing Weinstein S, editor. The pediatric or severe scoliosis in childhood or spine: principles and practice. New early adolescence. Orthop Trans. York: Raven Press; 1994. p 497-510. 1978; 2:271. 5. Bridwell KH. Surgical treatment of 12. Moe JH, Kharrat K, Winter idiopathic adolescent scoliosis. Spine. RB, Cummine JL. Harrington 1999; 24(24):2607-16. Review. instrumentation without fusion Correspondência 6. Kaneda K, Fujiya N, Satoh S. Results plus external orthotic support for with Zielke instrumentation for the treatment of difficult curvature Sérgio Murilo dos Santos Andrade idiopathic thoracolumbar and lumbar problems in young children. Clin Rua Conde Filho, 238 Apto 101 scoliosis. Clin Orthop Relat Res. Orthop Rel Res. 1984; (185):35-45. Salvador (BA), Brasil. 1986; (205):195-203. 13. Campbell RM Jr, Hell-Vocke AK. 7. Betz RR, Kim J, D’Andrea LP, Growth of the thoracic spine in CEP 40150-150 Mulcahey MJ, Balsara RK, Clements congenital scoliosis after expansion Tel + 55 71 3235 7720 DH. An innovative technique of thoracoplasty. J Bone Joint Surg Am. vertebral body stapling for the 2003; 85-A(3):409-20. E-mail: murilo_ssa@yahoo.com COLUNA/COLUMNA. 2008;7(2):160-166 ao_52_160_166.indd 7 08-07-2008 18:14:56