SlideShare uma empresa Scribd logo
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228
Volume 16 - Número 1 - 1º Semestre 2016
ANÁLISE ELETROMIOGRÁFICA DOS MÚSCULOS POSTURAIS EM DIFERENTES
ANGULAÇÕES DE ESTRIBOS NA EQUOTERAPIA
Alexandre Luongo Nobre¹; Daniel Oliveira da Silva¹; Diego de Mattos Fonseca¹; Daniela Gomez Martin²;
Daniela Marinho Sousa³; Victor Edgar Pitzer Neto⁴
RESUMO
A terapia assistida por cavalos é um meio terapêutico que usa cavalos dentro de uma abordagem
interdisciplinar nas áreas de saúde, equitação e educação, buscando a evolução biopsicossocial de
pessoas com necessidades especiais. O objetivo do estudo é comparar o nível de contração muscular
dos músculos reto abdominais e paravertebrais lombares do praticante no cavalo ao passo com
diferentes posições de estribo. Numa comparação eletromiográfica entre os diferentes ângulos 100°,
120° e 140° de joelhos, o único músculo que se mostrou relevante estatisticamente foi o reto
abdominal a 140° por apresentar um nível de contração menor comparado ao ângulo de 120°
(p=0,04). Conclui-se que a angulação que mostrou menor nível de contração foi a do músculo reto
abdominal a 140° comparado a 120°.
Palavras-chave: Terapia Assistida por Cavalos, Eletromiografia, Equilíbrio Postural.
ELECTROMYOGRAPHIC ANALYSIS OF THE POSTURAL MUSCLES IN DIFFERENT
ANGLES STIRRUPS IN HIPPOTHERAPY
ABSTRACT
Equine-assisted therapy is a therapeutical means that uses horses within an interdisiplinary approach of
health, horsemanship, and education, and whose aim is the biopsychosocial development of people with
disabilities. The goal of this study is to compare the level of muscular construction of the practitioner's
rectus abdominis and paravertebral lumbar muscles while riding on horse, with different stirrup positions.
In a electromyographic comparision among different knee angles of 100°, 120°, and 140°, the only muscle
statistically relevant was the rectus abdominis at 140°, which showed a lower level of contraction when
compared to 120° angle (p=0.04). The conclusion is that the angulation that showed the lower level of
contraction was the rectus abdominis at 140° when compared to 120°.
Keywords: Equine-Assisted Therapy, Electromyography, Postural Balance.
65
1 INTRODUÇÃO
A Equoterapia é um meio terapêutico
que utiliza o cavalo dentro de uma abordagem
interdisciplinar nas áreas de saúde, equitação e
educação (ANDE-Brasil, 2002). Essa prática se
constitui através do movimento tridimensional
produzido no dorso do cavalo ao passo nos
aspectos motores, psicológicos e cognitivos
(Silva & Grubits, 2004).
As andaduras naturais do cavalo são
aquelas que ele executa instintivamente,
definindo elas como o passo, trote e galope,
sendo o passo a andadura mais utilizada durante
a equoterapia (Pierobon & Galetti, 2008).
O passo é a andadura do cavalo rolada
ou marchada, ritmada, a quatro tempos e
simétrica em relação ao eixo longitudinal do
cavalo, que transmite ao praticante uma série de
movimentos sequenciados, dando como produto
um movimento tridimensional em ciclos,
semelhante à deambulação do homem (Dias et
al., 2005).
O movimento em três dimensões do
cavalo (eixo-vertical, eixo-látero-lateral e eixo-
ântero-posterior) provoca um deslocamento da
pelve do praticante, semelhante ao que uma
pessoa realiza ao caminhar proporcionando
experiências proprioceptivas, cinemáticas,
sensoriais e vestibulares que facilitam o
equilíbrio e a coordenação, propiciando uma
melhor percepção corporal e incitando a
aprendizagem ou reaprendizagem da
deambulação (Clemente et al., 2010).
Em um estudo realizado com crianças
mostra que a equoterapia é capaz de gerar
benefícios ao praticante como: modulação de
tônus muscular, melhora no equilíbrio e no
controle da postura (Beinotti et al., 2010).
A eletromiografia é um método não-
invasivo, seguro e de fácil aplicação e
monitorização de atividade elétrica de um ou
grupo de músculos durante a sua ação, sendo
largamente utilizada em estudos da musculatura
reto abdominal e paravertebrais lombares,
importantes estabilizadores de tronco durante os
desvios no plano sagital (Moraes et al., 2012;
Kapanji, 2007).
A partir do exposto, o objetivo deste
estudo foi comparar o nível de recrutamento
muscular dos músculos reto abdominal e
paravertebrais lombares, do praticante no cavalo
ao passo, com diferentes posições de estribo.
2 MATERIAIS E MÉTODOS
O presente estudo é de delineamento
transversal. A amostra foi constituída, por
conveniência, por mulheres voluntárias, com
idade entre 18 e 25 anos, estatura mediana, com
Índice de Massa Corporal (IMC) na faixa de
normalidade: de 18.5 a 24.9, sem histórico de
patologias prévias que alterassem a atividade
muscular e o controle motor e sem contra-
indicações para a prática da equoterapia.
O estudo foi realizado no Centro de
Equoterapia da Associação de Pais e Amigos
dos Excepcionais (APAE), localizada no
município de Pelotas, RS. Os animais
escolhidos para a montaria foram dois cavalos,
ambos aptos ao trabalho equoterapêutico, sendo
eles de variados pesos, alturas e raças
indefinidas, sendo nomeados como Cavalo 1 e
Cavalo 2. Foram utilizados para encilha: manta,
xerga, cilhão, carona, cabresto e estribo aberto.
Para a realização da coleta dos dados foi
utilizado um eletromiógrafo modelo MIOTOL
fabricado pela MIOTEC com dois canais
bipolares e software para a eletromiografia, o
MIOGRAPH. O armazenamento dos dados foi
feito no microcomputador, ou seja, houve uma
transformação do sinal analógico para digital e
foram gravados no software de aquisição dos
dados Miograph.
Para limpeza dos ruídos captados na
coleta dos dados, a filtragem digital do sinal foi
realizada através do tipo Passa-Banda, com
frequência de corte entre 20 e 500 Hz instalado
no próprio Miograph.
Os músculos selecionados para análise
foram os paravertebrais lombares e reto
abdominais, responsáveis pela manutenção da
postura do praticante durante a montaria.
Para aplicação dos eletrodos de
superfície foi realizado a tricotomia dos pêlos da
região póstero-inferior do tronco e anterior do
abdome através de lâmina de barbear e a
limpeza da pele realizada através do esfregaço
de algodão com álcool em cada indivíduo para
uma melhor qualidade do sinal, o
posicionamento dos mesmos foi através da
palpação dos músculos paravertebrais lombares
e reto abdominais, de acordo com os protocolos
da SENIAM (Surface EMG for theNom-
InvasiveAssessmentofMuscles) e o eletrodo de
referência foi posicionado na clavícula.
O sinal eletromiográfico foi coletado no
solo de grama, com o cavalo ao passo, onde o
mesmo andou 30 metros em linha reta sendo
utilizado para análise do 10° ao 20° metros.
Foram analisadas três variáveis de angulações
de estribos verificados através de goniometria
de joelho: 100°, 120° e 140°.
Os participantes tiveram orientações de
montar no meio da manta sobre o músculo
grande dorsal do animal, sentado sobre os
ísquios, com o corpo ereto e não tenso, por este
motivo os indivíduos não deveriam saber o real
motivo do estudo para não haver nenhuma
alteração nestes dados. Cada indivíduo
sustentou-se sozinho durante montaria, sendo
acompanhado bilateralmente por dois
pesquisadores responsáveis a fim de evitar
quaisquer intercorrências e encarregados na
condução do eletromiógrafo e do computador
portátil. O cavalo foi guiado por um auxiliar
guia apto ao trabalho equoterapêutico.
A pesquisa foi aprovada pelo Comitê de
Ética em Pesquisa (CEP) através da Plataforma
Brasil sob o numero 953.472 de 08 de fevereiro
de 2015. Um termo de Consentimento Livre e
Esclarecido foi assinado pelos participantes,
conforme determina a Resolução n° 196/96 do
Conselho Nacional de Saúde (CNS).
3 RESULTADOS E DISCUSSÕES
A eletromiografia é definida como
registro extracelular da atividade bioelétrica
gerada pelas fibras musculares, podendo ser
utilizada por agulha, que capta a atividade
elétrica de poucas unidades motoras, ou por
meio de eletrodo de superfície que mensura a
atividade elétrica de várias unidades motoras ao
mesmo tempo (Resende et al., 2011). A partir
dessa captação elétrica, são fornecidas
informações sobre a condução do potencial de
ação ao longo das fibras musculares, isto
permite quantificar o número de fibras
musculares que estão ativas e a velocidade em
que o potencial é propagado, tal como registrar
o momento em que o músculo inicia e finaliza
sua ação (Araujo et al., 1985).
A literatura apresenta alguns relatos
sobre a dificuldade de se ter uma metodologia
específica sobre as informações do EMG,
apresentando limitações como a falha em
reproduzir o posicionamento dos eletrodos,
fazendo com que se tenha a falta de um
protocolo específico, normas regulamentadoras
para a decisão e utilização do EMG,
interpretação e os registros de sinais, padrões
esses que têm sido uma preocupação para os
autores da técnica. Porém, apesar dessas
barreiras para o uso do EMG, ele tem sido
importante para fisioterapeutas e outros
profissionais da saúde, fornecendo
conhecimento também para terapias adjuvantes
(Moraes et al., 2012).
A atividade eletromiográfica está
apresentada em valores da raiz quadrada da
média (RMS), registrados durante a coleta e
divididos pela contração voluntária máxima
(CVM) dos músculos avaliados (Espíndula et
al., 2012).
Os resultados estão apresentados na
tabela 1 e 2 ordenados do 1° ao 5° partici-pante,
com valores obtidos em RMS dos músculos reto
abdominais e paravertebrais lombares em
ângulos de estribo a 100°, 120° e 140° no
Cavalo 1 e no Cavalo 2. É possível averiguar
que a média dos níveis de recrutamento
muscular dos músculos paravertebrais e reto
abdominais nos praticantes montados no Cavalo
1, a ângulos de: 100° foi de 78,4 e 64,8 RMS, a
120° foi de 65,14 e 48,15 RMS, e a 140° foi de
26,95 e 12,59 RMS, respectivamente.
Tabela 1. Resultados obtidos dos músculos
paravertebrais e reto abdominal no Cavalo 1.
Paravertebrais Retoabdominal
100º 120º 140º 100º 120º 140º
1 55 157,6 82.57 40 37,8 31.32
2 99 23,6 5.12 70 16 9.73
3 64 22,5 13.10 60 43,4 6.91
4 119 7,63 14 100 24,68 7
5 55 114,4 20 54 118,9 8
Já os praticantes montados no Cavalo 2,
obtiveram a média dos níveis de recrutamento
muscular dos músculos paravertebrais e reto
abdominais a ângulo de: 100° foi de 68,8 e 47,4
RMS, a 120° foi de 71,38 e 58,38 RMS, e a
140° foi de 26,4 e 11,2 RMS, respectivamente.
Tabela 2: Resultados obtidos dos músculos
paravertebrais e reto abdominal no cavalo 2.
Paravertebrais Retoabdominal
100º 120º 140º 100º 120º 140º
1 45 93,9 83 2 53,6 30
2 89 42 7 60 47,5 8
3 65 51,7 11 50 47,8 5
4 100 13,4 13 80 20 6
5 45 155,9 18 45 123 7
As musculaturas abdominais e
paravertebrais lombares são importantes para a
sustentação do tronco e, há muito, despertam
interesse nos estudos relacionados à ativação
muscular (Lehman e Mcgill 2001). Nota-se que
os músculos paravertebrais lombares
mostraram-se mais ativos em comparação ao
reto abdominal nos dois cavalos e em todas as
angulações. Também, no Cavalo 1, a angulação
de 100° foi a que gerou na média maiores níveis
de contração muscular dos músculos estudados.
Já no Cavalo 2, a angulação de 120° foi a que
mais elevou na média os níveis de contração
muscular.
Verifica-se também, que a angulação
que gerou menos intensidade de contração
muscular foi a de 140°. Em contra partida, o
resultado de Corrêa et al. (2008) em sua
pesquisa, que objetivava quantificar o
recrutamento muscular dos músculos reto
abdominal e paravertebrais lombares com e sem
o uso dos estribos através de eletromiografia de
superfície, constatou que quando utilizado os
pés nos estribos houve um acionamento em
média 9% maior de paravertebrais lombares se
comparado ao praticante com os pés fora dos
estribos, bem como acionamento em média 8%
maior de reto abdominal com os pés fora dos
estribos se comparado ao praticante com os pés
nos estribos. Enquanto em nosso estudo houve
uma tendência a maior ativação de ambas as
musculaturas com menor angulação de estribo,
Corrêa et al. (2008) verificou que os músculos
reto abdominais obtiveram maior contração com
angulação maior (pés fora dos estribos) e
paravertebrais maior contração muscular com
menor angulação (pés nos estribos).
O músculo reto abdominal auxilia no
posicionamento da pelve em retroversão, por
sua vez, os paravertebrais lombares auxiliam a
posicioná-la em anteversão (Kapanji, 2007;
Smith et al., 1997).
Sendo assim, quando o praticante apoia
seus pés nos estribos, biomecanicamente ocorre
o aumento da flexão de quadril, o que leva à
retroversão pélvica. Com isso, na tentativa de
restaurar o equilíbrio pélvico e retornar o
mesmo para posição neutra, o acionamento dos
músculos paravertebrais se tornam maiores.
Em contrapartida, na ausência dos
estribos o cavalheiro tende a ficar com menor
flexão de quadril, próximo a posição neutra.
Isso leva a anteversão pélvica, e na tentativa em
ficar na posição neutra, ocorre um maior
acionamento do músculo reto abdominal
(Corrêa et al., 2008). Porém, nosso estudo
constatou que os paravertebrais lombares
apresentaram maior contração muscular
independente da alteração de angulação de
quadril.
No estudo de Araujo et al. (2009), foi
verificado que o uso de estribos mais baixos
pode ser uma escolha adotada quando o objetivo
do tratamento é a melhora do equilíbrio postural
em ortostatismo, justificado pelo fato de que
desse modo as articulações da cabeça, da coluna
vertebral, ombros, quadris, joelhos e tornozelos
ficam alinhadas.
Verificamos que quanto mais baixos
estiverem os estribos (140°), menor será a
ativação muscular das musculaturas
estabilizadoras de tronco.
Tabela 3: Valores de média e desvio-padrão em relação
aos ângulos de estribo.
Retoabdominal
Média DP Valor de p
100º 56,1 25,0 0,89 (100°-120°)
120º 53,3 39,1 0,04 (120°-140°)*
140º 11,9 10,6 0,08 (100°-140°)
Paravertebral
Média DP Valor de p
100º 73,6 26,9 0,89 (100°-120°)
120º 68,3 57,7 0,08 (120°-140°)
140º 26,7 31,7 0,14 (100°-140°)
Comparando os ângulos 100°X120°,
100°X140° e 120°X140° de cada um dos
músculos utilizados na amostra, o único
músculo que mostra significância estatística é o
reto abdominal na comparação de ângulos
120°X140°. Onde foi verificado que a 140° o
músculo reto abdominal apresentou um nível
menor de contração da musculatura, em
comparação com a angulação de 120° do estribo
(p=0,04).
Sugerem-se estudos adicionais a fim de
obter mais detalhes sobre as diferentes
angulações de estribos com um número maior
de amostras, pois foram obtidos dois Valores-P
de 0,08 para as comparações entre as
angulações de 100°X140° de reto abdominais e
120°X140° em paravertebrais lombares. O
Gráfico 1 mostra a comparação da contração
muscular dos músculos reto abdominal e
paravertebrais lombares do praticante no cavalo
ao passo com diferentes posições de estribo.
Gráfico 1: Comparação em dados gráficos das diferentes
angulações de estribo do praticante.
4 CONCLUSÕES
Pode-se concluir com este estudo, por
meio de diferentes angulações de estribo, que há
uma tendência de que quanto maior a angulação
do estribo, menor contração de reto abdominal e
paravertebrais. Porém, sugerem-se novos
estudos relacionados às diferentes angulações de
estribos com um tamanho maior de amostra.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
ARAUJO, T. B; SILVA, N. A; COSTA, J. N.;
PEREIRA, M. M.; SAFONS, M. P.
BASMAJIAN, J.V.; DE LUCA, C.J.
Introduction to Surface Eletromyography. 5.ed.
London: Wilkind, 1985.
BEINOTTI, F.; CORREIA, N.;
CHRISTOFOLETTI, G.; BORGES, G. Use of
Hippotherapy in Gait Training for Hemiparetic
Post-Stroke. 2010.
BRASIL, A. Equoterapia. Disponível em:
<http://www.equoterapia.org.br/site/equoterapia.
php>. Acesso em: 31 mai. 2014.
CLEMENTE, P. M.; SANTOS, L. P.; CHAVES,
A. C.X.; FÁVERO, F. M.; FONTES S. V.;
CAMPOS, M. F. C.R.; OLIVEIRA, A. S. B. A
Equoterapia na Distrofia Muscular de
Duchenne: Avaliação da Função, Equilíbrio e
Qualidade de Vida- Revista de Neurociencia, p.
479-484, 2010.
COPETTI, F.; MOTA, C.B.; GRAUP, S.;
MENEZES, K.M.; VENTURINI, E.B.
Comportamento Angular do Andar de Crianças
com Síndrome de Down Após Intervenção com
Equoterapia. Revista Brasileira de Fisioterapia,
São Carlos, v. 11, n. 6, p. 503-507, nov./dez.
2007.
CORRÊA, P. F. L.; MORAIS, K. L.;
MACHADO, G. M. W. Comparação da
Atividade Eletromiográfica dos Músculos que
Sustentam o Tronco Entre a Montaria Sobre a
Sela e Sobre a Manta, e Analise da Utilização
dos Estribos. IV Congresso Brasileiro de
Equoterapia – I Congresso Latino-Americano de
Equoterapia, 2008.
DIAS, M. N. A.; FORTES, C. E. A.; DIAS, R. P.
Atuação da Equoterapia na Espondilite
Anquilosante. Revista Brasileira de
Reumatologia, v. 45, n. 2, p. XVII-XVIII,
mar./abr. 2005.
ESPINDULA, P. A; SIMÕES.M ; ASSIS, A. S.
I; FERNANDES, A; FERREIRA, A.A;
FERRAZ, F.P; CUNHA, C.I; FERRAZ, F.L.A;
SOUZA, D. P.A.L; TEIXEIRA, A. P. V. Análise
Eletromiográfica Durante Sessões de
Equoterapia em Praticantes com Paralisia
Cerebral. Con Scientia e Saúde, 2012;
11(4):668-676.
KAPANJI, I.A. Fisiologia Articular. 6.ed., v.3.
Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2007.
LEHMAN, G. J.; MCGILL, S. M. Spinal
Manipulation Causes Variable Spine Kinematic
and Trunk Muscle Electromyography
Responses. Clinic of Biomechanic, v. 19, p.
293-299, 2001.
MENEZES, K. M.; COPETTI, F.; WIEST, M.
J.; TREVISAN, C. M.; SILVEIRA, A. F. Efeito
da Equoterapia na Estabilidade Postural de
Portadores de Esclerose Múltipla: Estudo
Preliminar de Fisioterapia, 2013.
MORAES, K. J. R.; CUNHA, D. A. C.;
BEZERRA, L. A.; CUNHA,R. A ; SILVA, H. J.
Surface Electromyographyc: Proposal Of a
Protocol For Cervical Musclerev. Cefac, p. 918-
924, set./out. 2012.
PIEROBON, J. C. M.; GALETTI, F. C.
Estímulo Sensório Motores Proporcionado ao
Praticante de Equoterapia pelo Cavalo ao Passo
Durante a Montaria. Ensaios e Ciências.
Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde v.XII,
n. 2, p. 63-79, 2008.
RESENDE, M. P. A.; NAKAMURA. U. M.;
FERREIRA. G. A. E.; PETRICELLI, D.C.;
ALEXANDRE, M.S.; ZANETTI, D.R.M.
Eletromiografia de Superfície para Avaliação
dos Músculos do Assoalho Pélvico Feminino:
Revisão de Literatura, Fisioterapia e Pesquisa,
São Paulo, v.18, n.3, p. 292-7, jul./set. 2011.
SILVA, C.H.; GRUBITS, S. Discussão Sobre o
Efeito Positivo da Equoterapia em Crianças
Cegas. Revista de Psicologia. Vetor Editora. v.
5, n. 2, p. 06-13, 2004.
______________________________________
[1] Fisioterapeutas formados pela Faculdade
Anhanguera do Rio Grande/RS
[2] Fisioterapeuta, professora do curso de
fisioterapia da Universidade Católica de
Pelotas/RS – UCPEL
[3] Psicóloga do Centro de Equoterapia APAE-
Pelotas
[4] Fisioterapeuta do Centro de Equoterapia
APAE-Pelotas, professor do Curso de
Fisioterapia da Faculdade Anhanguera do Rio
Grande/RS e Pelotas/RS
70

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ativação muscular estabilizadora da patela e do quadril durante exercícios d ...
Ativação muscular estabilizadora da patela e do quadril durante exercícios d ...Ativação muscular estabilizadora da patela e do quadril durante exercícios d ...
Ativação muscular estabilizadora da patela e do quadril durante exercícios d ...
Fernanda Emikaele
 
Efeitos do RPG na Correção Postural e Reequilíbrio Muscular
Efeitos do RPG na Correção Postural e Reequilíbrio MuscularEfeitos do RPG na Correção Postural e Reequilíbrio Muscular
Efeitos do RPG na Correção Postural e Reequilíbrio Muscular
Dra. Welker Fisioterapeuta
 
Estudo de eletro estimulação como auxiliar na marcha de pessoas com lesão med...
Estudo de eletro estimulação como auxiliar na marcha de pessoas com lesão med...Estudo de eletro estimulação como auxiliar na marcha de pessoas com lesão med...
Estudo de eletro estimulação como auxiliar na marcha de pessoas com lesão med...
Ana Oliveira
 
CORE - Métodos de treinamento da estabilização central
CORE - Métodos de treinamento da estabilização centralCORE - Métodos de treinamento da estabilização central
CORE - Métodos de treinamento da estabilização central
Fernando Farias
 
Comparativo da atividade elétrica do músculo multífido durante o Pilates, sér...
Comparativo da atividade elétrica do músculo multífido durante o Pilates, sér...Comparativo da atividade elétrica do músculo multífido durante o Pilates, sér...
Comparativo da atividade elétrica do músculo multífido durante o Pilates, sér...
Dra. Welker Fisioterapeuta
 
Palmilhas e ergonomia
Palmilhas e ergonomiaPalmilhas e ergonomia
Plugin sacco,%20 i.c.n%20et%20al%20-m%e9todo%20pilates%20em%20revista%20aspec...
Plugin sacco,%20 i.c.n%20et%20al%20-m%e9todo%20pilates%20em%20revista%20aspec...Plugin sacco,%20 i.c.n%20et%20al%20-m%e9todo%20pilates%20em%20revista%20aspec...
Plugin sacco,%20 i.c.n%20et%20al%20-m%e9todo%20pilates%20em%20revista%20aspec...
Dra. Welker Fisioterapeuta
 
Força
ForçaForça
Força
rodrigo_aqua
 
ATIVAÇÃO ELETROMIOGRÁFICA EM EXERCÍCIOS SOBRE A PRANCHA DE EQUILÍBRIO
ATIVAÇÃO ELETROMIOGRÁFICA EM EXERCÍCIOS SOBRE A PRANCHA DE EQUILÍBRIOATIVAÇÃO ELETROMIOGRÁFICA EM EXERCÍCIOS SOBRE A PRANCHA DE EQUILÍBRIO
ATIVAÇÃO ELETROMIOGRÁFICA EM EXERCÍCIOS SOBRE A PRANCHA DE EQUILÍBRIO
Tayane Correa
 
Efeito metodo pilates
Efeito metodo pilatesEfeito metodo pilates
Efeito metodo pilates
Marcos Aurelio
 
Avaliação isocinética da musculatura envolvida na flexao de tronco
Avaliação isocinética da musculatura envolvida na flexao de troncoAvaliação isocinética da musculatura envolvida na flexao de tronco
Avaliação isocinética da musculatura envolvida na flexao de tronco
Dra. Welker Fisioterapeuta
 
Fundamentos em Cinesiologia Sistemica
Fundamentos em Cinesiologia SistemicaFundamentos em Cinesiologia Sistemica
Fundamentos em Cinesiologia Sistemica
annedecio
 
Efeito da técnica isostretching no equilíbrio postural
Efeito da técnica isostretching no equilíbrio posturalEfeito da técnica isostretching no equilíbrio postural
Efeito da técnica isostretching no equilíbrio postural
Melissa Louyse Duarte
 
A03v23n4
A03v23n4A03v23n4
A03v23n4
Sergio Câmara
 
Relação entre força muscular de membros inferiores e capacidade de aceleração...
Relação entre força muscular de membros inferiores e capacidade de aceleração...Relação entre força muscular de membros inferiores e capacidade de aceleração...
Relação entre força muscular de membros inferiores e capacidade de aceleração...
Fernando Farias
 
Rbcm 2003 flexibilidade e lombalgia
Rbcm 2003 flexibilidade e lombalgiaRbcm 2003 flexibilidade e lombalgia
Rbcm 2003 flexibilidade e lombalgia
Alexandra Nurhan
 
Balbino lizardo, 2008
Balbino lizardo, 2008Balbino lizardo, 2008
Balbino lizardo, 2008
Florr Verasay
 
Propriocepção no esporte: uma revisão sobre a prevenção e recuperação de lesõ...
Propriocepção no esporte: uma revisão sobre a prevenção e recuperação de lesõ...Propriocepção no esporte: uma revisão sobre a prevenção e recuperação de lesõ...
Propriocepção no esporte: uma revisão sobre a prevenção e recuperação de lesõ...
Fernando Farias
 

Mais procurados (18)

Ativação muscular estabilizadora da patela e do quadril durante exercícios d ...
Ativação muscular estabilizadora da patela e do quadril durante exercícios d ...Ativação muscular estabilizadora da patela e do quadril durante exercícios d ...
Ativação muscular estabilizadora da patela e do quadril durante exercícios d ...
 
Efeitos do RPG na Correção Postural e Reequilíbrio Muscular
Efeitos do RPG na Correção Postural e Reequilíbrio MuscularEfeitos do RPG na Correção Postural e Reequilíbrio Muscular
Efeitos do RPG na Correção Postural e Reequilíbrio Muscular
 
Estudo de eletro estimulação como auxiliar na marcha de pessoas com lesão med...
Estudo de eletro estimulação como auxiliar na marcha de pessoas com lesão med...Estudo de eletro estimulação como auxiliar na marcha de pessoas com lesão med...
Estudo de eletro estimulação como auxiliar na marcha de pessoas com lesão med...
 
CORE - Métodos de treinamento da estabilização central
CORE - Métodos de treinamento da estabilização centralCORE - Métodos de treinamento da estabilização central
CORE - Métodos de treinamento da estabilização central
 
Comparativo da atividade elétrica do músculo multífido durante o Pilates, sér...
Comparativo da atividade elétrica do músculo multífido durante o Pilates, sér...Comparativo da atividade elétrica do músculo multífido durante o Pilates, sér...
Comparativo da atividade elétrica do músculo multífido durante o Pilates, sér...
 
Palmilhas e ergonomia
Palmilhas e ergonomiaPalmilhas e ergonomia
Palmilhas e ergonomia
 
Plugin sacco,%20 i.c.n%20et%20al%20-m%e9todo%20pilates%20em%20revista%20aspec...
Plugin sacco,%20 i.c.n%20et%20al%20-m%e9todo%20pilates%20em%20revista%20aspec...Plugin sacco,%20 i.c.n%20et%20al%20-m%e9todo%20pilates%20em%20revista%20aspec...
Plugin sacco,%20 i.c.n%20et%20al%20-m%e9todo%20pilates%20em%20revista%20aspec...
 
Força
ForçaForça
Força
 
ATIVAÇÃO ELETROMIOGRÁFICA EM EXERCÍCIOS SOBRE A PRANCHA DE EQUILÍBRIO
ATIVAÇÃO ELETROMIOGRÁFICA EM EXERCÍCIOS SOBRE A PRANCHA DE EQUILÍBRIOATIVAÇÃO ELETROMIOGRÁFICA EM EXERCÍCIOS SOBRE A PRANCHA DE EQUILÍBRIO
ATIVAÇÃO ELETROMIOGRÁFICA EM EXERCÍCIOS SOBRE A PRANCHA DE EQUILÍBRIO
 
Efeito metodo pilates
Efeito metodo pilatesEfeito metodo pilates
Efeito metodo pilates
 
Avaliação isocinética da musculatura envolvida na flexao de tronco
Avaliação isocinética da musculatura envolvida na flexao de troncoAvaliação isocinética da musculatura envolvida na flexao de tronco
Avaliação isocinética da musculatura envolvida na flexao de tronco
 
Fundamentos em Cinesiologia Sistemica
Fundamentos em Cinesiologia SistemicaFundamentos em Cinesiologia Sistemica
Fundamentos em Cinesiologia Sistemica
 
Efeito da técnica isostretching no equilíbrio postural
Efeito da técnica isostretching no equilíbrio posturalEfeito da técnica isostretching no equilíbrio postural
Efeito da técnica isostretching no equilíbrio postural
 
A03v23n4
A03v23n4A03v23n4
A03v23n4
 
Relação entre força muscular de membros inferiores e capacidade de aceleração...
Relação entre força muscular de membros inferiores e capacidade de aceleração...Relação entre força muscular de membros inferiores e capacidade de aceleração...
Relação entre força muscular de membros inferiores e capacidade de aceleração...
 
Rbcm 2003 flexibilidade e lombalgia
Rbcm 2003 flexibilidade e lombalgiaRbcm 2003 flexibilidade e lombalgia
Rbcm 2003 flexibilidade e lombalgia
 
Balbino lizardo, 2008
Balbino lizardo, 2008Balbino lizardo, 2008
Balbino lizardo, 2008
 
Propriocepção no esporte: uma revisão sobre a prevenção e recuperação de lesõ...
Propriocepção no esporte: uma revisão sobre a prevenção e recuperação de lesõ...Propriocepção no esporte: uma revisão sobre a prevenção e recuperação de lesõ...
Propriocepção no esporte: uma revisão sobre a prevenção e recuperação de lesõ...
 

Semelhante a Artigo bioterra v16_n1_08

Atividade Eletromiográfica de Músculos Lombares Durante Contrações Isométrica...
Atividade Eletromiográfica de Músculos Lombares Durante Contrações Isométrica...Atividade Eletromiográfica de Músculos Lombares Durante Contrações Isométrica...
Atividade Eletromiográfica de Músculos Lombares Durante Contrações Isométrica...
Fernando S. S. Barbosa
 
Forca e torq rot int e ext ombro
Forca e torq rot int e ext ombroForca e torq rot int e ext ombro
Forca e torq rot int e ext ombro
RODRIGO Aristides
 
dialnet-efeitosdaacunpunturanaperformancedeatl.pdf
dialnet-efeitosdaacunpunturanaperformancedeatl.pdfdialnet-efeitosdaacunpunturanaperformancedeatl.pdf
dialnet-efeitosdaacunpunturanaperformancedeatl.pdf
GiseleLopes59
 
Artigo atividade física e envelhecimento
Artigo atividade física e envelhecimentoArtigo atividade física e envelhecimento
Artigo atividade física e envelhecimento
Evitom de Sousa
 
Avaliação eletromiográfica dos músculos estabilizadores
Avaliação eletromiográfica dos músculos estabilizadoresAvaliação eletromiográfica dos músculos estabilizadores
Avaliação eletromiográfica dos músculos estabilizadores
FUAD HAZIME
 
Santos et al[1]. por - supl creatina - 2004
Santos et al[1].   por - supl creatina - 2004Santos et al[1].   por - supl creatina - 2004
Santos et al[1]. por - supl creatina - 2004
Muryllo Sirqueira Lopes Dos Santos
 
Cotovelo
CotoveloCotovelo
Treinamento aeróbico em pacientes neurológicos
Treinamento aeróbico em pacientes neurológicos Treinamento aeróbico em pacientes neurológicos
Treinamento aeróbico em pacientes neurológicos
Gilmar Roberto Batista
 
Coluna cervical
Coluna cervicalColuna cervical
Coluna cervical
Natha Fisioterapia
 
Inic0000767ok
Inic0000767okInic0000767ok
Inic0000767ok
Acquanews
 
Document 2
Document 2Document 2
Aula 5 Cinematica Angular
Aula 5   Cinematica AngularAula 5   Cinematica Angular
Comparação entre dois sistemas de treino de força no desenvolvimento da força...
Comparação entre dois sistemas de treino de força no desenvolvimento da força...Comparação entre dois sistemas de treino de força no desenvolvimento da força...
Comparação entre dois sistemas de treino de força no desenvolvimento da força...
gemusc
 
Articulação de quadril
Articulação de quadrilArticulação de quadril
Articulação de quadril
Adriane Cunha
 
Espondilólise e es pondilolistese em ginastas jovens
Espondilólise e es pondilolistese em ginastas jovensEspondilólise e es pondilolistese em ginastas jovens
Espondilólise e es pondilolistese em ginastas jovens
adrianomedico
 
02
0202
Treinamento personalizado e composição corporal
Treinamento personalizado e composição corporalTreinamento personalizado e composição corporal
Treinamento personalizado e composição corporal
washington carlos vieira
 
A eficacia da Reeducação Postural Global (RPG) na Cervical
A eficacia da Reeducação Postural Global (RPG) na CervicalA eficacia da Reeducação Postural Global (RPG) na Cervical
A eficacia da Reeducação Postural Global (RPG) na Cervical
Nilcélio Barbosa
 
Classificação neurofisiológica da síndrome do túnel do carpo
Classificação neurofisiológica da síndrome do túnel do carpoClassificação neurofisiológica da síndrome do túnel do carpo
Classificação neurofisiológica da síndrome do túnel do carpo
adrianomedico
 
Pilates: Aspectos biomecânicos e reestruturação postural
Pilates: Aspectos biomecânicos e reestruturação posturalPilates: Aspectos biomecânicos e reestruturação postural
Pilates: Aspectos biomecânicos e reestruturação postural
Dra. Welker Fisioterapeuta
 

Semelhante a Artigo bioterra v16_n1_08 (20)

Atividade Eletromiográfica de Músculos Lombares Durante Contrações Isométrica...
Atividade Eletromiográfica de Músculos Lombares Durante Contrações Isométrica...Atividade Eletromiográfica de Músculos Lombares Durante Contrações Isométrica...
Atividade Eletromiográfica de Músculos Lombares Durante Contrações Isométrica...
 
Forca e torq rot int e ext ombro
Forca e torq rot int e ext ombroForca e torq rot int e ext ombro
Forca e torq rot int e ext ombro
 
dialnet-efeitosdaacunpunturanaperformancedeatl.pdf
dialnet-efeitosdaacunpunturanaperformancedeatl.pdfdialnet-efeitosdaacunpunturanaperformancedeatl.pdf
dialnet-efeitosdaacunpunturanaperformancedeatl.pdf
 
Artigo atividade física e envelhecimento
Artigo atividade física e envelhecimentoArtigo atividade física e envelhecimento
Artigo atividade física e envelhecimento
 
Avaliação eletromiográfica dos músculos estabilizadores
Avaliação eletromiográfica dos músculos estabilizadoresAvaliação eletromiográfica dos músculos estabilizadores
Avaliação eletromiográfica dos músculos estabilizadores
 
Santos et al[1]. por - supl creatina - 2004
Santos et al[1].   por - supl creatina - 2004Santos et al[1].   por - supl creatina - 2004
Santos et al[1]. por - supl creatina - 2004
 
Cotovelo
CotoveloCotovelo
Cotovelo
 
Treinamento aeróbico em pacientes neurológicos
Treinamento aeróbico em pacientes neurológicos Treinamento aeróbico em pacientes neurológicos
Treinamento aeróbico em pacientes neurológicos
 
Coluna cervical
Coluna cervicalColuna cervical
Coluna cervical
 
Inic0000767ok
Inic0000767okInic0000767ok
Inic0000767ok
 
Document 2
Document 2Document 2
Document 2
 
Aula 5 Cinematica Angular
Aula 5   Cinematica AngularAula 5   Cinematica Angular
Aula 5 Cinematica Angular
 
Comparação entre dois sistemas de treino de força no desenvolvimento da força...
Comparação entre dois sistemas de treino de força no desenvolvimento da força...Comparação entre dois sistemas de treino de força no desenvolvimento da força...
Comparação entre dois sistemas de treino de força no desenvolvimento da força...
 
Articulação de quadril
Articulação de quadrilArticulação de quadril
Articulação de quadril
 
Espondilólise e es pondilolistese em ginastas jovens
Espondilólise e es pondilolistese em ginastas jovensEspondilólise e es pondilolistese em ginastas jovens
Espondilólise e es pondilolistese em ginastas jovens
 
02
0202
02
 
Treinamento personalizado e composição corporal
Treinamento personalizado e composição corporalTreinamento personalizado e composição corporal
Treinamento personalizado e composição corporal
 
A eficacia da Reeducação Postural Global (RPG) na Cervical
A eficacia da Reeducação Postural Global (RPG) na CervicalA eficacia da Reeducação Postural Global (RPG) na Cervical
A eficacia da Reeducação Postural Global (RPG) na Cervical
 
Classificação neurofisiológica da síndrome do túnel do carpo
Classificação neurofisiológica da síndrome do túnel do carpoClassificação neurofisiológica da síndrome do túnel do carpo
Classificação neurofisiológica da síndrome do túnel do carpo
 
Pilates: Aspectos biomecânicos e reestruturação postural
Pilates: Aspectos biomecânicos e reestruturação posturalPilates: Aspectos biomecânicos e reestruturação postural
Pilates: Aspectos biomecânicos e reestruturação postural
 

Mais de Universidade Federal de Sergipe - UFS

REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 

Mais de Universidade Federal de Sergipe - UFS (20)

REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 

Artigo bioterra v16_n1_08

  • 1. REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 Volume 16 - Número 1 - 1º Semestre 2016 ANÁLISE ELETROMIOGRÁFICA DOS MÚSCULOS POSTURAIS EM DIFERENTES ANGULAÇÕES DE ESTRIBOS NA EQUOTERAPIA Alexandre Luongo Nobre¹; Daniel Oliveira da Silva¹; Diego de Mattos Fonseca¹; Daniela Gomez Martin²; Daniela Marinho Sousa³; Victor Edgar Pitzer Neto⁴ RESUMO A terapia assistida por cavalos é um meio terapêutico que usa cavalos dentro de uma abordagem interdisciplinar nas áreas de saúde, equitação e educação, buscando a evolução biopsicossocial de pessoas com necessidades especiais. O objetivo do estudo é comparar o nível de contração muscular dos músculos reto abdominais e paravertebrais lombares do praticante no cavalo ao passo com diferentes posições de estribo. Numa comparação eletromiográfica entre os diferentes ângulos 100°, 120° e 140° de joelhos, o único músculo que se mostrou relevante estatisticamente foi o reto abdominal a 140° por apresentar um nível de contração menor comparado ao ângulo de 120° (p=0,04). Conclui-se que a angulação que mostrou menor nível de contração foi a do músculo reto abdominal a 140° comparado a 120°. Palavras-chave: Terapia Assistida por Cavalos, Eletromiografia, Equilíbrio Postural. ELECTROMYOGRAPHIC ANALYSIS OF THE POSTURAL MUSCLES IN DIFFERENT ANGLES STIRRUPS IN HIPPOTHERAPY ABSTRACT Equine-assisted therapy is a therapeutical means that uses horses within an interdisiplinary approach of health, horsemanship, and education, and whose aim is the biopsychosocial development of people with disabilities. The goal of this study is to compare the level of muscular construction of the practitioner's rectus abdominis and paravertebral lumbar muscles while riding on horse, with different stirrup positions. In a electromyographic comparision among different knee angles of 100°, 120°, and 140°, the only muscle statistically relevant was the rectus abdominis at 140°, which showed a lower level of contraction when compared to 120° angle (p=0.04). The conclusion is that the angulation that showed the lower level of contraction was the rectus abdominis at 140° when compared to 120°. Keywords: Equine-Assisted Therapy, Electromyography, Postural Balance. 65
  • 2. 1 INTRODUÇÃO A Equoterapia é um meio terapêutico que utiliza o cavalo dentro de uma abordagem interdisciplinar nas áreas de saúde, equitação e educação (ANDE-Brasil, 2002). Essa prática se constitui através do movimento tridimensional produzido no dorso do cavalo ao passo nos aspectos motores, psicológicos e cognitivos (Silva & Grubits, 2004). As andaduras naturais do cavalo são aquelas que ele executa instintivamente, definindo elas como o passo, trote e galope, sendo o passo a andadura mais utilizada durante a equoterapia (Pierobon & Galetti, 2008). O passo é a andadura do cavalo rolada ou marchada, ritmada, a quatro tempos e simétrica em relação ao eixo longitudinal do cavalo, que transmite ao praticante uma série de movimentos sequenciados, dando como produto um movimento tridimensional em ciclos, semelhante à deambulação do homem (Dias et al., 2005). O movimento em três dimensões do cavalo (eixo-vertical, eixo-látero-lateral e eixo- ântero-posterior) provoca um deslocamento da pelve do praticante, semelhante ao que uma pessoa realiza ao caminhar proporcionando experiências proprioceptivas, cinemáticas, sensoriais e vestibulares que facilitam o equilíbrio e a coordenação, propiciando uma melhor percepção corporal e incitando a aprendizagem ou reaprendizagem da deambulação (Clemente et al., 2010). Em um estudo realizado com crianças mostra que a equoterapia é capaz de gerar benefícios ao praticante como: modulação de tônus muscular, melhora no equilíbrio e no controle da postura (Beinotti et al., 2010). A eletromiografia é um método não- invasivo, seguro e de fácil aplicação e monitorização de atividade elétrica de um ou grupo de músculos durante a sua ação, sendo largamente utilizada em estudos da musculatura reto abdominal e paravertebrais lombares, importantes estabilizadores de tronco durante os desvios no plano sagital (Moraes et al., 2012; Kapanji, 2007). A partir do exposto, o objetivo deste estudo foi comparar o nível de recrutamento muscular dos músculos reto abdominal e paravertebrais lombares, do praticante no cavalo ao passo, com diferentes posições de estribo. 2 MATERIAIS E MÉTODOS O presente estudo é de delineamento transversal. A amostra foi constituída, por conveniência, por mulheres voluntárias, com idade entre 18 e 25 anos, estatura mediana, com Índice de Massa Corporal (IMC) na faixa de normalidade: de 18.5 a 24.9, sem histórico de patologias prévias que alterassem a atividade muscular e o controle motor e sem contra- indicações para a prática da equoterapia. O estudo foi realizado no Centro de Equoterapia da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE), localizada no município de Pelotas, RS. Os animais escolhidos para a montaria foram dois cavalos, ambos aptos ao trabalho equoterapêutico, sendo eles de variados pesos, alturas e raças indefinidas, sendo nomeados como Cavalo 1 e Cavalo 2. Foram utilizados para encilha: manta, xerga, cilhão, carona, cabresto e estribo aberto. Para a realização da coleta dos dados foi utilizado um eletromiógrafo modelo MIOTOL fabricado pela MIOTEC com dois canais bipolares e software para a eletromiografia, o MIOGRAPH. O armazenamento dos dados foi feito no microcomputador, ou seja, houve uma transformação do sinal analógico para digital e foram gravados no software de aquisição dos dados Miograph. Para limpeza dos ruídos captados na coleta dos dados, a filtragem digital do sinal foi realizada através do tipo Passa-Banda, com frequência de corte entre 20 e 500 Hz instalado no próprio Miograph. Os músculos selecionados para análise foram os paravertebrais lombares e reto abdominais, responsáveis pela manutenção da postura do praticante durante a montaria. Para aplicação dos eletrodos de superfície foi realizado a tricotomia dos pêlos da região póstero-inferior do tronco e anterior do abdome através de lâmina de barbear e a limpeza da pele realizada através do esfregaço de algodão com álcool em cada indivíduo para uma melhor qualidade do sinal, o posicionamento dos mesmos foi através da palpação dos músculos paravertebrais lombares e reto abdominais, de acordo com os protocolos
  • 3. da SENIAM (Surface EMG for theNom- InvasiveAssessmentofMuscles) e o eletrodo de referência foi posicionado na clavícula. O sinal eletromiográfico foi coletado no solo de grama, com o cavalo ao passo, onde o mesmo andou 30 metros em linha reta sendo utilizado para análise do 10° ao 20° metros. Foram analisadas três variáveis de angulações de estribos verificados através de goniometria de joelho: 100°, 120° e 140°. Os participantes tiveram orientações de montar no meio da manta sobre o músculo grande dorsal do animal, sentado sobre os ísquios, com o corpo ereto e não tenso, por este motivo os indivíduos não deveriam saber o real motivo do estudo para não haver nenhuma alteração nestes dados. Cada indivíduo sustentou-se sozinho durante montaria, sendo acompanhado bilateralmente por dois pesquisadores responsáveis a fim de evitar quaisquer intercorrências e encarregados na condução do eletromiógrafo e do computador portátil. O cavalo foi guiado por um auxiliar guia apto ao trabalho equoterapêutico. A pesquisa foi aprovada pelo Comitê de Ética em Pesquisa (CEP) através da Plataforma Brasil sob o numero 953.472 de 08 de fevereiro de 2015. Um termo de Consentimento Livre e Esclarecido foi assinado pelos participantes, conforme determina a Resolução n° 196/96 do Conselho Nacional de Saúde (CNS). 3 RESULTADOS E DISCUSSÕES A eletromiografia é definida como registro extracelular da atividade bioelétrica gerada pelas fibras musculares, podendo ser utilizada por agulha, que capta a atividade elétrica de poucas unidades motoras, ou por meio de eletrodo de superfície que mensura a atividade elétrica de várias unidades motoras ao mesmo tempo (Resende et al., 2011). A partir dessa captação elétrica, são fornecidas informações sobre a condução do potencial de ação ao longo das fibras musculares, isto permite quantificar o número de fibras musculares que estão ativas e a velocidade em que o potencial é propagado, tal como registrar o momento em que o músculo inicia e finaliza sua ação (Araujo et al., 1985). A literatura apresenta alguns relatos sobre a dificuldade de se ter uma metodologia específica sobre as informações do EMG, apresentando limitações como a falha em reproduzir o posicionamento dos eletrodos, fazendo com que se tenha a falta de um protocolo específico, normas regulamentadoras para a decisão e utilização do EMG, interpretação e os registros de sinais, padrões esses que têm sido uma preocupação para os autores da técnica. Porém, apesar dessas barreiras para o uso do EMG, ele tem sido importante para fisioterapeutas e outros profissionais da saúde, fornecendo conhecimento também para terapias adjuvantes (Moraes et al., 2012). A atividade eletromiográfica está apresentada em valores da raiz quadrada da média (RMS), registrados durante a coleta e divididos pela contração voluntária máxima (CVM) dos músculos avaliados (Espíndula et al., 2012). Os resultados estão apresentados na tabela 1 e 2 ordenados do 1° ao 5° partici-pante, com valores obtidos em RMS dos músculos reto abdominais e paravertebrais lombares em ângulos de estribo a 100°, 120° e 140° no Cavalo 1 e no Cavalo 2. É possível averiguar que a média dos níveis de recrutamento muscular dos músculos paravertebrais e reto abdominais nos praticantes montados no Cavalo 1, a ângulos de: 100° foi de 78,4 e 64,8 RMS, a 120° foi de 65,14 e 48,15 RMS, e a 140° foi de 26,95 e 12,59 RMS, respectivamente. Tabela 1. Resultados obtidos dos músculos paravertebrais e reto abdominal no Cavalo 1. Paravertebrais Retoabdominal 100º 120º 140º 100º 120º 140º 1 55 157,6 82.57 40 37,8 31.32 2 99 23,6 5.12 70 16 9.73 3 64 22,5 13.10 60 43,4 6.91 4 119 7,63 14 100 24,68 7 5 55 114,4 20 54 118,9 8 Já os praticantes montados no Cavalo 2, obtiveram a média dos níveis de recrutamento muscular dos músculos paravertebrais e reto abdominais a ângulo de: 100° foi de 68,8 e 47,4 RMS, a 120° foi de 71,38 e 58,38 RMS, e a 140° foi de 26,4 e 11,2 RMS, respectivamente.
  • 4. Tabela 2: Resultados obtidos dos músculos paravertebrais e reto abdominal no cavalo 2. Paravertebrais Retoabdominal 100º 120º 140º 100º 120º 140º 1 45 93,9 83 2 53,6 30 2 89 42 7 60 47,5 8 3 65 51,7 11 50 47,8 5 4 100 13,4 13 80 20 6 5 45 155,9 18 45 123 7 As musculaturas abdominais e paravertebrais lombares são importantes para a sustentação do tronco e, há muito, despertam interesse nos estudos relacionados à ativação muscular (Lehman e Mcgill 2001). Nota-se que os músculos paravertebrais lombares mostraram-se mais ativos em comparação ao reto abdominal nos dois cavalos e em todas as angulações. Também, no Cavalo 1, a angulação de 100° foi a que gerou na média maiores níveis de contração muscular dos músculos estudados. Já no Cavalo 2, a angulação de 120° foi a que mais elevou na média os níveis de contração muscular. Verifica-se também, que a angulação que gerou menos intensidade de contração muscular foi a de 140°. Em contra partida, o resultado de Corrêa et al. (2008) em sua pesquisa, que objetivava quantificar o recrutamento muscular dos músculos reto abdominal e paravertebrais lombares com e sem o uso dos estribos através de eletromiografia de superfície, constatou que quando utilizado os pés nos estribos houve um acionamento em média 9% maior de paravertebrais lombares se comparado ao praticante com os pés fora dos estribos, bem como acionamento em média 8% maior de reto abdominal com os pés fora dos estribos se comparado ao praticante com os pés nos estribos. Enquanto em nosso estudo houve uma tendência a maior ativação de ambas as musculaturas com menor angulação de estribo, Corrêa et al. (2008) verificou que os músculos reto abdominais obtiveram maior contração com angulação maior (pés fora dos estribos) e paravertebrais maior contração muscular com menor angulação (pés nos estribos). O músculo reto abdominal auxilia no posicionamento da pelve em retroversão, por sua vez, os paravertebrais lombares auxiliam a posicioná-la em anteversão (Kapanji, 2007; Smith et al., 1997). Sendo assim, quando o praticante apoia seus pés nos estribos, biomecanicamente ocorre o aumento da flexão de quadril, o que leva à retroversão pélvica. Com isso, na tentativa de restaurar o equilíbrio pélvico e retornar o mesmo para posição neutra, o acionamento dos músculos paravertebrais se tornam maiores. Em contrapartida, na ausência dos estribos o cavalheiro tende a ficar com menor flexão de quadril, próximo a posição neutra. Isso leva a anteversão pélvica, e na tentativa em ficar na posição neutra, ocorre um maior acionamento do músculo reto abdominal (Corrêa et al., 2008). Porém, nosso estudo constatou que os paravertebrais lombares apresentaram maior contração muscular independente da alteração de angulação de quadril. No estudo de Araujo et al. (2009), foi verificado que o uso de estribos mais baixos pode ser uma escolha adotada quando o objetivo do tratamento é a melhora do equilíbrio postural em ortostatismo, justificado pelo fato de que desse modo as articulações da cabeça, da coluna vertebral, ombros, quadris, joelhos e tornozelos ficam alinhadas. Verificamos que quanto mais baixos estiverem os estribos (140°), menor será a ativação muscular das musculaturas estabilizadoras de tronco. Tabela 3: Valores de média e desvio-padrão em relação aos ângulos de estribo. Retoabdominal Média DP Valor de p 100º 56,1 25,0 0,89 (100°-120°) 120º 53,3 39,1 0,04 (120°-140°)* 140º 11,9 10,6 0,08 (100°-140°) Paravertebral Média DP Valor de p 100º 73,6 26,9 0,89 (100°-120°) 120º 68,3 57,7 0,08 (120°-140°) 140º 26,7 31,7 0,14 (100°-140°)
  • 5. Comparando os ângulos 100°X120°, 100°X140° e 120°X140° de cada um dos músculos utilizados na amostra, o único músculo que mostra significância estatística é o reto abdominal na comparação de ângulos 120°X140°. Onde foi verificado que a 140° o músculo reto abdominal apresentou um nível menor de contração da musculatura, em comparação com a angulação de 120° do estribo (p=0,04). Sugerem-se estudos adicionais a fim de obter mais detalhes sobre as diferentes angulações de estribos com um número maior de amostras, pois foram obtidos dois Valores-P de 0,08 para as comparações entre as angulações de 100°X140° de reto abdominais e 120°X140° em paravertebrais lombares. O Gráfico 1 mostra a comparação da contração muscular dos músculos reto abdominal e paravertebrais lombares do praticante no cavalo ao passo com diferentes posições de estribo. Gráfico 1: Comparação em dados gráficos das diferentes angulações de estribo do praticante. 4 CONCLUSÕES Pode-se concluir com este estudo, por meio de diferentes angulações de estribo, que há uma tendência de que quanto maior a angulação do estribo, menor contração de reto abdominal e paravertebrais. Porém, sugerem-se novos estudos relacionados às diferentes angulações de estribos com um tamanho maior de amostra. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ARAUJO, T. B; SILVA, N. A; COSTA, J. N.; PEREIRA, M. M.; SAFONS, M. P. BASMAJIAN, J.V.; DE LUCA, C.J. Introduction to Surface Eletromyography. 5.ed. London: Wilkind, 1985. BEINOTTI, F.; CORREIA, N.; CHRISTOFOLETTI, G.; BORGES, G. Use of Hippotherapy in Gait Training for Hemiparetic Post-Stroke. 2010. BRASIL, A. Equoterapia. Disponível em: <http://www.equoterapia.org.br/site/equoterapia. php>. Acesso em: 31 mai. 2014. CLEMENTE, P. M.; SANTOS, L. P.; CHAVES, A. C.X.; FÁVERO, F. M.; FONTES S. V.; CAMPOS, M. F. C.R.; OLIVEIRA, A. S. B. A Equoterapia na Distrofia Muscular de Duchenne: Avaliação da Função, Equilíbrio e Qualidade de Vida- Revista de Neurociencia, p. 479-484, 2010. COPETTI, F.; MOTA, C.B.; GRAUP, S.; MENEZES, K.M.; VENTURINI, E.B. Comportamento Angular do Andar de Crianças com Síndrome de Down Após Intervenção com Equoterapia. Revista Brasileira de Fisioterapia, São Carlos, v. 11, n. 6, p. 503-507, nov./dez. 2007. CORRÊA, P. F. L.; MORAIS, K. L.; MACHADO, G. M. W. Comparação da Atividade Eletromiográfica dos Músculos que Sustentam o Tronco Entre a Montaria Sobre a Sela e Sobre a Manta, e Analise da Utilização dos Estribos. IV Congresso Brasileiro de Equoterapia – I Congresso Latino-Americano de Equoterapia, 2008. DIAS, M. N. A.; FORTES, C. E. A.; DIAS, R. P. Atuação da Equoterapia na Espondilite Anquilosante. Revista Brasileira de Reumatologia, v. 45, n. 2, p. XVII-XVIII, mar./abr. 2005. ESPINDULA, P. A; SIMÕES.M ; ASSIS, A. S. I; FERNANDES, A; FERREIRA, A.A; FERRAZ, F.P; CUNHA, C.I; FERRAZ, F.L.A; SOUZA, D. P.A.L; TEIXEIRA, A. P. V. Análise Eletromiográfica Durante Sessões de Equoterapia em Praticantes com Paralisia Cerebral. Con Scientia e Saúde, 2012; 11(4):668-676.
  • 6. KAPANJI, I.A. Fisiologia Articular. 6.ed., v.3. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2007. LEHMAN, G. J.; MCGILL, S. M. Spinal Manipulation Causes Variable Spine Kinematic and Trunk Muscle Electromyography Responses. Clinic of Biomechanic, v. 19, p. 293-299, 2001. MENEZES, K. M.; COPETTI, F.; WIEST, M. J.; TREVISAN, C. M.; SILVEIRA, A. F. Efeito da Equoterapia na Estabilidade Postural de Portadores de Esclerose Múltipla: Estudo Preliminar de Fisioterapia, 2013. MORAES, K. J. R.; CUNHA, D. A. C.; BEZERRA, L. A.; CUNHA,R. A ; SILVA, H. J. Surface Electromyographyc: Proposal Of a Protocol For Cervical Musclerev. Cefac, p. 918- 924, set./out. 2012. PIEROBON, J. C. M.; GALETTI, F. C. Estímulo Sensório Motores Proporcionado ao Praticante de Equoterapia pelo Cavalo ao Passo Durante a Montaria. Ensaios e Ciências. Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde v.XII, n. 2, p. 63-79, 2008. RESENDE, M. P. A.; NAKAMURA. U. M.; FERREIRA. G. A. E.; PETRICELLI, D.C.; ALEXANDRE, M.S.; ZANETTI, D.R.M. Eletromiografia de Superfície para Avaliação dos Músculos do Assoalho Pélvico Feminino: Revisão de Literatura, Fisioterapia e Pesquisa, São Paulo, v.18, n.3, p. 292-7, jul./set. 2011. SILVA, C.H.; GRUBITS, S. Discussão Sobre o Efeito Positivo da Equoterapia em Crianças Cegas. Revista de Psicologia. Vetor Editora. v. 5, n. 2, p. 06-13, 2004. ______________________________________ [1] Fisioterapeutas formados pela Faculdade Anhanguera do Rio Grande/RS [2] Fisioterapeuta, professora do curso de fisioterapia da Universidade Católica de Pelotas/RS – UCPEL [3] Psicóloga do Centro de Equoterapia APAE- Pelotas [4] Fisioterapeuta do Centro de Equoterapia APAE-Pelotas, professor do Curso de Fisioterapia da Faculdade Anhanguera do Rio Grande/RS e Pelotas/RS 70