SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 35
Baixar para ler offline
Cartilha do
Ciclista
índice1. Por que usar a bicicleta? 04
2. Itens e acessórios que aumentam
a segurança do ciclista 12
3. Dicas legais para você pedalar tranquilo 16
4. O que é Rede Cicloviária? 24
5. Conheça a sinalização de trânsito 34
6. Segurança e respeito em primeiro lugar 36
7. Como estacionar corretamente sua bicicleta 52
8. Bicicleta e transporte público:
uma opção que vai longe 56
9. Bicicletas para todos 58
10. Cuide bem da sua bicicleta 60
2 3
O Ministério das Cidades representa um novo modelo de governança
urbana, que supera a estreiteza de visões supostamente neutras
e tecnocráticas do passado, em favor de políticas transformadoras,
de cunho participativo, integrado e emancipador, capazes de produzir
decisões pactuadas e mobilizadoras e, sobretudo, a materialização
do direito à cidade.
Para elaboração e implementação da nova política de mobilidade urbana,
colocamos à disposição das cidades um conjunto de instrumentos
e recursos para o planejamento e gestão dos sistemas de mobilidade
locais, com a plena consciência de que o gerenciamento desses sistemas
seja de responsabilidade dos governos municipais e estaduais.
Mobilidade Urbana, esse é o conceito norteador para a construção de
cidades sustentáveis. Procura-se superar a análise fragmentada do
transporte público e do trânsito e da relação entre ambos, enfatizando
o planejamento urbano e o uso do solo como os fatores determinantes
da escolha dos modos de transporte utilizados.
Considera-se também a necessidade de democratização dos espaços
públicos de circulação, o desenvolvimento dos meios não motorizados
de transporte – a bicicleta e a caminhada –, a priorização efetiva dos
transportes coletivos e a redução dos impactos ambientais resultantes.
Com efeito, há cada vez mais clareza no plano internacional de que
a dependência do transporte motorizado resulta em impactos ambientais
negativos, derivados da utilização de combustíveis fósseis como fonte
energética, bem como de outros insumos que geram grande quantidade
de resíduos.
Esta conceituação transfere o foco da atenção dos meios motorizados
para as pessoas e considera as necessidades coletivas de locomoção
pelos espaços públicos.
Ministério das Cidades
Um convite à paz
do encontro
Foi no Congresso Internacional de Arquitetura Moderna, nesta
Grécia conturbada de hoje, que nascia em 1933 a Carta de Atenas.
a responsabilidade das cidades com as questões de transporte,
trabalho, saúde e lazer.
Por aqui, cem anos atrás, 80% dos brasileiros viviam no campo.
Hoje, 80% estão nas cidades. E para as próximas três décadas
calcula-se que 90% ocupem os centros urbanos. Todos se
locomovendo, interagindo, trabalhando, procurando e construindo,
solidários, a alegria da convivência.
Esta Cartilha do Ciclista reúne informações sobre legislação,
sinalização e segurança, num esforço para que as bicicletas possam
circular em harmonia com pedestres, carros, motocicletas, ônibus,
metrôs e caminhões. A Cartilha é também uma homenagem aos 80
milhões de brasileiros que possuem bicicletas e contribuem para
a humanização das cidades, livrando-as da poluição e favorecendo
a paz do encontro nos centros urbanos.
E não paramos aí: até o começo do ano que vem, um Grupo de
Trabalho deverá consolidar o Manual Clicloviário, que normatizará,
para todo o País, a construção e sinalização de ciclovias, ciclofaixas,
ciclorrotas e demais vias cicláveis.
5
1POR QUE USAR
A BICICLETA?
À primeira vista, usar a bicicleta como meio de transporte, principalmente
em grandes cidades, pode parecer um pouco estranho.
Porém nunca foi tão necessário encontrar alternativas viáveis e
sustentáveis para solucionar o problema da mobilidade, e a bicicleta
tem se destacado como forte candidata. Além do custo acessível,
pedalar faz bem para a saúde, não polui e ainda é muito divertido.
Mas não é só isso que conta na hora de pensar na bicicleta como
uma real opção de transporte. Os benefícios de pedalar são tão
amplos, que impactam toda a sociedade, mesmo quem não é
ciclista. Ela contribui para o aumento da qualidade de vida de todos,
permitindo que as pessoas tenham mais tempo para satisfazer
suas vontades.
Bicicleta também ocupa menos espaço nas vias, como você
vai ver a seguir.
como opção de transporte como opção de lazer.
4
76
sorracsuesesatsirotom06subinômuesoriegassap06 60 ciclistas e suas bicicletas
• A bicicleta ocupa menos espaço nas vias.
9
TAXI
8
• A bicicleta é um meio de transporte sustentável e, muitas vezes,
chega mais rápido ao destino do que um carro.
• A bicicleta não polui e não provoca congestionamentos.
• A bicicleta coloca o usuário em contato direto com outros
usuários da via, criando proximidade e maior interação.
• A bicicleta custa menos
que um carro
e possui menor custo
de manutenção.
10 11
• A bicicleta faz bem para a saúde e melhora
a qualidade de vida.
- Faz bem para o corpo, combatendo o sedentarismo e prevenindo
doenças dos ossos e músculos.
- Ajuda a reduzir o risco de doenças do coração, a diminuir
o colesterol e a melhorar o sistema imunológico.
• A bicicleta é mais ecológica.
- Não utiliza combustível.
- Não emite gases que provocam o efeito estufa.
- Não produz poluição sonora.
Importante: pedale
sempre respeitando
seus limites!
1312
Sinalizações Noturnas
etivas
Aumentam a visibilidade
do ciclista, principalmente
à noite. Devem ser:
- Brancas na dianteira
- Vermelhas na traseira
- Amarelas ou brancas nos
pedais e nas laterais
Obs.:
sempre limpos para que
Campainha ou buzina
no trânsito, alertando
motoristas, pedestres e
outros ciclistas.
Espelho Retrovisor
Deve ser colocado pelo
menos do lado esquerdo
da bicicleta, permitindo
que o ciclista visualize
o que acontece atrás dele.
O equipamento deve ser de
plástico para evitar acidentes.
2ITENS E
ACESSÓRIOS QUE
AUMENTAM
A SEGURANÇA
DO CICLISTA
1
1
2
2
3
3
Existem diversos itens e acessórios que protegem o ciclista.
Alguns são obrigatórios e outros são recomendados.
Conheça os principais:
Itens obrigatórios de acordo com
o Código de Trânsito Brasileiro
1
1
etivos
Os mais recomendados são as luzes de LED que piscam,
iluminam o caminho e tornam o ciclista mais visível,
principalmente à noite.
Capacete
Utilize sempre um capacete de boa qualidade. Apesar de não
ser um item obrigatório, ele é fundamental para proteger o
ciclista em caso de queda.
etivo
Presilhas
Prendem a barra da calça para que não enrosque na corrente.
Para-lama
Protege a roupa de respingos.
Cadeados/ Travas/ Cabos
São úteis para garantir a segurança das
bicicletas quando estão estacionadas.
Porta-garrafa
Hidratação é fundamental para quem
pratica qualquer atividade física.
Itens opcionais que garantem
mais segurança ao ciclista.
4
4
5
6
7
8
9
10
5
7
6
9
10
8
1514
16 17
3DICAS LEGAIS
PARA VOCÊ PEDALAR
TRANQUILO
• Revise sempre os freios da bicicleta
e mantenha os pneus calibrados.
• Antes de sair, planeje o
caminho. Escolha rotas com
estrutura cicloviária ou de
pouco movimento.
•
Evite transitar em vias com
grande circulação
de automóveis.
18
• Inicie sua pedalada em
ritmo mais lento. Isso
ajuda a aquecer
e alongar o seu corpo.
• Não transporte peso que possa
desequilibrar a bicicleta. Use sempre
equipamento adequado.
Use sempre o capacete bem preso à
cabeça e ajustado adequadamente.
• Regule a bicicleta de
acordo com a sua altura
para garantir conforto
e segurança. O ideal é
manter quadril e guidão
alinhados.
19
21
• A bicicleta também é um veículo e,
portanto, deve respeitar as regras
de circulação como qualquer outro.
• Respeite sempre os semáforos,
as sinalizações de trânsito e as faixas
de pedestre.
• Cuidado com cordões ou
partes soltas do vestuário.
Eles podem enroscar na
corrente e causar queda.
• Fique atento ao caminho.
Não use celular nem fone
de ouvido ao pedalar.
• Segure o guidão com
as duas mãos.
20
22
• Comunique-se!
Utilize a campainha
se necessário.
• Preste atenção a tudo que acontece no caminho e estabeleça
sempre contato visual com os outros usuários da via.
• Fique sempre bem visível.
23
25
4O QUE É
REDE CICLOVIÁRIA?
A infraestrutura cicloviária pode ser dividida em 3 grandes grupos
que formam as redes e rotas cicloviárias. São eles:
• o espaço totalmente segregado, caracterizado como ciclovia.
•
como ciclofaixa.
• o espaço compartilhado.
24
26
Calçada Calçada
Pista Pista
Canteiro Central
Ciclovia Ciclovia
27
Pista própria destinada à circulação
do tráfego comum, conforme dispõe
o Anexo I do CTB.
Quanto ao sentido de tráfego,
a ciclovia pode ser:
• unidirecional - quando apresenta
sentido único de circulação.
• bidirecional - quando apresenta
sentido duplo de circulação.
Existem muitas situações capazes
de caracterizar uma ciclovia.
A mais clássica corresponde ao
espaço em desnível com relação à
via, separado por elemento físico
delimitador (elemento geométrico
ou área verde).
Existem também ciclovias
no mesmo nível da pista e
elementos geométricos, como ilhas,
calçadas, blocos pré-moldados
e balizadores.
Quanto a sua localização na
via pública, elas podem estar
dispostas nas vias laterais das
pistas, nos canteiros centrais
e calçadas. A sua localização fora
da via pública pode ser em áreas
e parques públicos.
1. Ciclovia
28
Calçada Calçada
Ciclofaixa
Pista
29
Conforme o Anexo I do CTB,
“Ciclofaixa é parte da pista de
rolamento destinada à circulação
exclusiva de bicicletas, delimitada
Ou seja, ciclofaixa é a parte da
pista, calçada ou canteiro central
destinada à circulação exclusiva
de bicicletas, delimitada por
sinalização viária (horizontal,
vertical e/ou semafórica),
podendo ter piso diferenciado e
ser implantada no mesmo nível
da pista de rolamento ou da
calçada ou do canteiro.
Quanto ao sentido de tráfego,
a ciclofaixa também pode ser:
• unidirecional - quando
apresenta sentido único
de circulação.
• bidirecional - quando apresenta
sentido duplo de circulação.
2. Ciclofaixa
30
Calçada
Compartilhada
Calçada
partilhada
Pista
31
São os espaços em que a
circulação de bicicletas é
compartilhada com pedestres
ou com outras espécies
e categorias de veículos
automotores criando condições
favoráveis para
sua circulação.
Pode ser calçada, canteiro,
ilha, passarela, passagem
subterrânea, via de pedestres,
faixa ou pista. Nesses espaços
é fundamental que haja
sinalização, comunicando o
compartilhamento para evitar
acidentes.
3. Espaços compartilhados sinalizados
32
• Rota de bicicletas ou Ciclorrotas
São as vias sinalizadas que interligam pontos de interesse,
ciclovias e ciclofaixas indicando o compartilhamento do espaço
entre veículos motorizados e bicicletas, melhorando as condições
de segurança na circulação.
Um dos principais objetivos de uma ciclorrota é garantir o direito
de circulação das bicicletas, pois predominará o compartilhamento
de ciclistas/motoristas no mesmo espaço, com respeito às
prioridades do trânsito.
33
34
PARE
E A 0m
PEDESTREPEDESTRECICLISTA
Só Atravesse
no VERDE
Circulação
exclusiva
de bicicleta
Ciclistas à
esquerda,
pedestres à
direita
Pedestres
à esquerda,
ciclistas à
direita
Circulação
compartilhada
de ciclistas e
pedestres
Proibido
parar
e estacionar
Parada
obrigatória
Trânsito de ciclistas
Sentido único de
circulação
Dê a
preferência
Trânsito de
ciclistas
Sentido duplo
de circulação
Trânsito de
ciclistas
Distância
Passagem
sinalizada de
ciclistas
Trânsito
compartilhado
por ciclistas e
pedestres
Ciclista:
só
atravesse
no verde
Pedestre:
sentido de
circulação de
ciclistas
Pedestre:
sentidos de
circulação de
ciclistas
Sinalização semafórica para ciclista
cado: indica para o ciclista a proibição do direito de passagem.
Ação do usuário da via: obrigatoriedade do ciclista em parar o veículo.
cado: indica o término do direito de passagem.
Ação do usuário da via: o condutor deve parar o veículo salvo
se não for possível imobilizá-lo em condições de segurança.
cado: indica para o ciclista a permissão do direito de passagem.
Ação do usuário da via: o ciclista tem a permissão de iniciar
ou prosseguir em marcha.
35
5CONHEÇA
A SINALIZAÇÃO
DE TRÂNSITO
6SEGURANÇA
E RESPEITO
EM PRIMEIRO
LUGAR
Para garantir um convívio saudável entre ciclistas, motoristas
e pedestres, existem algumas regras que precisam ser
observadas:
•
circule pela rua e não pelas calçadas, a menos que a
calçada permita compartilhamento com pedestre.
• Caso a calçada não seja partilhada ou compartilhada,
desça da bicicleta e leve-a empurrando com as mãos.
• Desça da bicicleta ao cruzar a faixa de travessia
de pedestres: o ciclista na faixa se torna pedestre.
Lembre-se: o pedestre é o mais vulnerável dos usuários
do trânsito. É obrigação de todos cuidar da segurança dele.
36 37
38
• Dê sempre preferência ao
pedestre. Ao atravessar a
ciclovia com sentido duplo,
o pedestre nem sempre
olha para os dois lados.
• Atenção com as crianças
na via ao andar de
bicicleta. Se você for
o responsável pelas
para andar de bicicleta
em parques e locais
protegidos do tráfego
comum.
39
• Ande no mesmo
sentido dos outros
veículos e nunca
na contramão.
• Olhe para os
dois lados
antes de
passar por um
cruzamento.
4140
42 43
• Mantenha distância segura dos outros veículos e
preste atenção às portas para evitar surpresas.
• Sinalize suas intenções
usando gestos.
Virar à
esquerda
Atenção,
parando
Virar à
direita
• Olhe sempre à frente.
Assim você tem
melhor visão da via
e consegue perceber
riscos para agir
antecipadamente.
44
Respeite para
ser respeitado.
Você também
é responsável
por um trânsito
melhor.
• Não faça
malabarismos.
• Havendo
ciclovia,
circule por ela.
• Não ande em
zigue-zague.
• Não pegue
carona em
outro veículo.
• Ocupe um
lugar na via
que garanta
maior
visibilidade
para o
motorista
e pare
antes da
faixa de
retenção.
45
• Existem duas formas de realizar uma conversão à
esquerda. Avalie as opções e siga os passos indicados
a seguir para garantir a sua segurança.
Conversão à esquerda - opção 1
- No semáforo verde, avance o cruzamento.
- Vire e espere o semáforo verde até que possa passar
pela faixa, desmontado, ou paralelo a ela.
- No semáforo verde, novamente, termine de
cruzar a rua.
46
Conversão
à esquerda -
opção 2
-
carro e sinalize a
sua intenção antes.
- Mude de faixa
quando for seguro.
- Faça a conversão,
que não vem carro
na transversal.
47
48
• Evite circular onde o motorista não consegue vê-lo (ponto cego).
0 m 1m 2 m 3 m 3,5 m
0 m 1,5m 2 m3 m 2 m 1 m 0 m
49
ÔNIBUSÔNIBUS
Pontodeônibus
ÁREA DE
ESPERA
ÁREA DE
ESPERA
• Ao passar por ponto
de ônibus, pare e
aguarde o embarque/
desembarque de
passageiros e não
ultrapasse o ônibus
parado. Os pedestres
costumam atravessar
na frente dele. Além
disso, o motorista do
ônibus não consegue
enxergar a bicicleta
por causa dos pontos
cegos. Fique atento à
sinalização luminosa
do ônibus. Ela indica a
intenção do motorista
de sair do ponto.
50
Área de Espera
Aguarde o verde neste espaço,
quando houver, e nunca na faixa.
Assim você inicia a pedalada com
mais segurança.
51
53
7COMO ESTACIONAR
CORRETAMENTE
SUA BICICLETA
52
Paraciclos e Bicicletários
• Paraciclo
instalado em via pública ou no interior de estabelecimentos.
• Bicicletário é o conjunto de paracliclos instalados na via pública ou
no interior de estabelecimentos.
Os locais de estacionamento devem ser instalados o mais próximo
transbordo, escritórios, entre outros.
As manobras voltadas à retirada dos veículos dos estacionamentos
(paraciclos ou bicicletários) devem ser executadas com conforto
e segurança, distante da área de circulação de todos os veículos,
inclusive de ciclovias e ciclofaixas.
Informações sobre bicicletários e paraciclos junto
ao Sistema de Transporte Público podem ser obtidas
nos sites das respectivas companhias da sua cidade.
54
Como prender sua bicicleta
-
1
2
Prenda a roda
traseira e o quadro
junto ao paraciclo.
Use um cabo de aço para
prender a roda dianteira
e o selim passando por
dentro do quadro.
- Rodas que possuem sistema de desengate rápido (quick
release) precisam estar presas. O mesmo acontece com o selim.
Ele pode ser retirado e levado com você.
- Retire da bike os acessórios que podem ser facilmente levados.
-
muito a segurança da bicicleta por ser mais difícil de abrir do
que um cabo de aço tradicional.
55
57
8BICICLETA E
TRANSPORTE PÚBLICO:
UMA OPÇÃO QUE
VAI LONGE
Cada vez mais as pessoas estão aproveitando os benefícios das
bicicletas como opção de transporte para o trabalho, escola e, claro,
lazer. Com os constantes estímulos das prefeituras, criando espaços
Porém, alguns locais ainda são difíceis de acessar de bicicleta.
Pensando nessas situações, diversas cidades estão investindo
na integração das bicicletas com os transportes públicos, como
trens, metrôs e ônibus. Dessa forma, os meios de transporte se
complementam, facilitando o acesso e ampliando as condições
de mobilidade.
Existem algumas regras para o uso de bicicletas em transportes
públicos. Para saber como funciona essa integração
na sua cidade, consulte a prefeitura ou o órgão responsável
pelo transporte.
56
59
9BICICLETAS
PARA TODOS Em diversas cidades você pode utilizar uma bicicleta mesmo que não
espalhadas pelas cidades. Você retira em uma estação e pode
devolver em outra.
As regras de utilização dessas bicicletas variam de uma cidade para
outra e encontram-se à disposição em cada uma das estações, nas
cidades onde o serviço está disponível.
Para saber mais, consulte a prefeitura da sua cidade.
58
61
ÓLEO
ÓLE
10CUIDE BEM
DA SUA
BICICLETA
Sua bicicleta é sua parceira. Por isso, cuidar bem dela é importante
para garantir seu conforto e segurança na hora de pedalar.
• Corrente
Não se esqueça de tirar a sujeira antes.
60
62 63
• Rodas
A bicicleta perde rapidamente a calibragem.
Siga a recomendação do fabricante.
Evite pneus murchos, pois exigem maior
esforço físico, e também pneus muito
cheios, que dão menor aderência e causam
desconforto ao pedalar.
• Ajustes
É fundamental que todas as partes da bicicleta estejam
Utilize adequadamente as marchas para evitar desgaste
prematuro das peças e também desgaste físico.
Se perceber algum ruído estranho ou mau funcionamento
da bicicleta que você não consegue resolver, leve-a para
• Freios
desalinhada, solta, gasta ou com pressão inadequada),
leve a bicicleta ao mecânico. Utilize os freios dianteiros e
Freie com antecedência e nunca na curva.
64
Ministro das Cidades
Secretário Nacional de Mobilidade
Diretor Geral do DENATRAN
Equipe Técnica
SEMOB
DENATRAN
ASCOM
Agradecimentos
Companhia de Engenharia
de Tráfego – CET (São Paulo)
EXPEDIENTE
Este material também está
disponível para download nos sites:
paradapelavida.com.br
cidades.gov.br

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Cartilha do ciclista - ministério das Cidades

Capítulo 2 - A segurança no uso da bicicleta
Capítulo 2 - A segurança no uso da bicicletaCapítulo 2 - A segurança no uso da bicicleta
Capítulo 2 - A segurança no uso da bicicletaBrasil Não Motorizado
 
BICICLETA_UMA VIA REA1L[1]
BICICLETA_UMA VIA REA1L[1]BICICLETA_UMA VIA REA1L[1]
BICICLETA_UMA VIA REA1L[1]loyx
 
Bianco, s. l. o papel da bicicleta para a mobilidade urbana e a inclusão social.
Bianco, s. l. o papel da bicicleta para a mobilidade urbana e a inclusão social.Bianco, s. l. o papel da bicicleta para a mobilidade urbana e a inclusão social.
Bianco, s. l. o papel da bicicleta para a mobilidade urbana e a inclusão social.Carlos Eduardo
 
Plano Diretor Cicloviário de Canoas/RS: 1° Seminário - apresentação Arq. Emíl...
Plano Diretor Cicloviário de Canoas/RS: 1° Seminário - apresentação Arq. Emíl...Plano Diretor Cicloviário de Canoas/RS: 1° Seminário - apresentação Arq. Emíl...
Plano Diretor Cicloviário de Canoas/RS: 1° Seminário - apresentação Arq. Emíl...3C Arquitetura e Urbanismo
 
Capítulo 7 - Os desafios para fazer de curitiba uma cidade ciclável
Capítulo 7 - Os desafios para fazer de curitiba uma cidade ciclávelCapítulo 7 - Os desafios para fazer de curitiba uma cidade ciclável
Capítulo 7 - Os desafios para fazer de curitiba uma cidade ciclávelBrasil Não Motorizado
 
A bicicleta e a mobilidade urbana
A bicicleta e a mobilidade urbanaA bicicleta e a mobilidade urbana
A bicicleta e a mobilidade urbanaChico Macena
 
Pedalando na cidade-versao_impressao_reduced
Pedalando na cidade-versao_impressao_reducedPedalando na cidade-versao_impressao_reduced
Pedalando na cidade-versao_impressao_reducedPaulo Corrêa
 
Apresentação da MUBi - Mobilidade Ciclável em Braga - 18 de julho de 2013
Apresentação da MUBi - Mobilidade Ciclável em Braga - 18 de julho de 2013Apresentação da MUBi - Mobilidade Ciclável em Braga - 18 de julho de 2013
Apresentação da MUBi - Mobilidade Ciclável em Braga - 18 de julho de 2013Ricardo Cruz
 
Área: Sociedade, Tecnologia e Ciência NÚCLEO GERADOR 1: EQUIPAMENTOS E SISTEM...
Área: Sociedade, Tecnologia e Ciência NÚCLEO GERADOR 1: EQUIPAMENTOS E SISTEM...Área: Sociedade, Tecnologia e Ciência NÚCLEO GERADOR 1: EQUIPAMENTOS E SISTEM...
Área: Sociedade, Tecnologia e Ciência NÚCLEO GERADOR 1: EQUIPAMENTOS E SISTEM...Bruno Oliveira
 
Cartilha da Lei 14.266 que cria o Sistema Cicloviário de São Paulo
Cartilha da Lei 14.266 que cria o Sistema Cicloviário de São PauloCartilha da Lei 14.266 que cria o Sistema Cicloviário de São Paulo
Cartilha da Lei 14.266 que cria o Sistema Cicloviário de São PauloChico Macena
 
Ciclo Urbano - Ações e Pesquisas sobre bicicletas em Aracaju
Ciclo Urbano - Ações e Pesquisas sobre bicicletas em Aracaju Ciclo Urbano - Ações e Pesquisas sobre bicicletas em Aracaju
Ciclo Urbano - Ações e Pesquisas sobre bicicletas em Aracaju ongciclourbano
 
Como encorajar a utilização de Bicicletas
Como encorajar a utilização de BicicletasComo encorajar a utilização de Bicicletas
Como encorajar a utilização de Bicicletasguest29aa2b
 
Apresentação Coletivo Mobicidade - Diálogos Abertos - ADM / UFBA
Apresentação Coletivo Mobicidade - Diálogos Abertos - ADM / UFBAApresentação Coletivo Mobicidade - Diálogos Abertos - ADM / UFBA
Apresentação Coletivo Mobicidade - Diálogos Abertos - ADM / UFBAColetivo Mobicidade
 
Rodas da Paz - Carta das 10 iniciativas
Rodas da Paz - Carta das 10 iniciativasRodas da Paz - Carta das 10 iniciativas
Rodas da Paz - Carta das 10 iniciativasAndre Lima DF
 

Semelhante a Cartilha do ciclista - ministério das Cidades (20)

Guia do Instrutor - Motorista Amigo do Ciclista
Guia do Instrutor - Motorista Amigo do CiclistaGuia do Instrutor - Motorista Amigo do Ciclista
Guia do Instrutor - Motorista Amigo do Ciclista
 
Capítulo 2 - A segurança no uso da bicicleta
Capítulo 2 - A segurança no uso da bicicletaCapítulo 2 - A segurança no uso da bicicleta
Capítulo 2 - A segurança no uso da bicicleta
 
BICICLETA_UMA VIA REA1L[1]
BICICLETA_UMA VIA REA1L[1]BICICLETA_UMA VIA REA1L[1]
BICICLETA_UMA VIA REA1L[1]
 
Bianco, s. l. o papel da bicicleta para a mobilidade urbana e a inclusão social.
Bianco, s. l. o papel da bicicleta para a mobilidade urbana e a inclusão social.Bianco, s. l. o papel da bicicleta para a mobilidade urbana e a inclusão social.
Bianco, s. l. o papel da bicicleta para a mobilidade urbana e a inclusão social.
 
2º série reda cem - 20.12
2º série   reda cem -  20.122º série   reda cem -  20.12
2º série reda cem - 20.12
 
Plano Diretor Cicloviário de Canoas/RS: 1° Seminário - apresentação Arq. Emíl...
Plano Diretor Cicloviário de Canoas/RS: 1° Seminário - apresentação Arq. Emíl...Plano Diretor Cicloviário de Canoas/RS: 1° Seminário - apresentação Arq. Emíl...
Plano Diretor Cicloviário de Canoas/RS: 1° Seminário - apresentação Arq. Emíl...
 
Capítulo 7 - Os desafios para fazer de curitiba uma cidade ciclável
Capítulo 7 - Os desafios para fazer de curitiba uma cidade ciclávelCapítulo 7 - Os desafios para fazer de curitiba uma cidade ciclável
Capítulo 7 - Os desafios para fazer de curitiba uma cidade ciclável
 
A bicicleta e a mobilidade urbana
A bicicleta e a mobilidade urbanaA bicicleta e a mobilidade urbana
A bicicleta e a mobilidade urbana
 
PLATAFORMA TECNOLÓGICA DA BICICLETA 31 julho 2015
PLATAFORMA TECNOLÓGICA DA BICICLETA 31 julho 2015PLATAFORMA TECNOLÓGICA DA BICICLETA 31 julho 2015
PLATAFORMA TECNOLÓGICA DA BICICLETA 31 julho 2015
 
Pedalando na cidade-versao_impressao_reduced
Pedalando na cidade-versao_impressao_reducedPedalando na cidade-versao_impressao_reduced
Pedalando na cidade-versao_impressao_reduced
 
Apresentação da MUBi - Mobilidade Ciclável em Braga - 18 de julho de 2013
Apresentação da MUBi - Mobilidade Ciclável em Braga - 18 de julho de 2013Apresentação da MUBi - Mobilidade Ciclável em Braga - 18 de julho de 2013
Apresentação da MUBi - Mobilidade Ciclável em Braga - 18 de julho de 2013
 
Área: Sociedade, Tecnologia e Ciência NÚCLEO GERADOR 1: EQUIPAMENTOS E SISTEM...
Área: Sociedade, Tecnologia e Ciência NÚCLEO GERADOR 1: EQUIPAMENTOS E SISTEM...Área: Sociedade, Tecnologia e Ciência NÚCLEO GERADOR 1: EQUIPAMENTOS E SISTEM...
Área: Sociedade, Tecnologia e Ciência NÚCLEO GERADOR 1: EQUIPAMENTOS E SISTEM...
 
Cartilha da Lei 14.266 que cria o Sistema Cicloviário de São Paulo
Cartilha da Lei 14.266 que cria o Sistema Cicloviário de São PauloCartilha da Lei 14.266 que cria o Sistema Cicloviário de São Paulo
Cartilha da Lei 14.266 que cria o Sistema Cicloviário de São Paulo
 
Ciclo Urbano - Ações e Pesquisas sobre bicicletas em Aracaju
Ciclo Urbano - Ações e Pesquisas sobre bicicletas em Aracaju Ciclo Urbano - Ações e Pesquisas sobre bicicletas em Aracaju
Ciclo Urbano - Ações e Pesquisas sobre bicicletas em Aracaju
 
Reunião 10-10-13
Reunião 10-10-13 Reunião 10-10-13
Reunião 10-10-13
 
Como encorajar a utilização de Bicicletas
Como encorajar a utilização de BicicletasComo encorajar a utilização de Bicicletas
Como encorajar a utilização de Bicicletas
 
POSTER Cidades e Regiões Bike-friendly
POSTER Cidades e Regiões Bike-friendlyPOSTER Cidades e Regiões Bike-friendly
POSTER Cidades e Regiões Bike-friendly
 
Apresentação Coletivo Mobicidade - Diálogos Abertos - ADM / UFBA
Apresentação Coletivo Mobicidade - Diálogos Abertos - ADM / UFBAApresentação Coletivo Mobicidade - Diálogos Abertos - ADM / UFBA
Apresentação Coletivo Mobicidade - Diálogos Abertos - ADM / UFBA
 
Plano diretor setoristas
Plano diretor   setoristasPlano diretor   setoristas
Plano diretor setoristas
 
Rodas da Paz - Carta das 10 iniciativas
Rodas da Paz - Carta das 10 iniciativasRodas da Paz - Carta das 10 iniciativas
Rodas da Paz - Carta das 10 iniciativas
 

Último

Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfangelicass1
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 anoandrealeitetorres
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfEditoraEnovus
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOBiatrizGomes1
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 

Último (20)

Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 

Cartilha do ciclista - ministério das Cidades

  • 2. índice1. Por que usar a bicicleta? 04 2. Itens e acessórios que aumentam a segurança do ciclista 12 3. Dicas legais para você pedalar tranquilo 16 4. O que é Rede Cicloviária? 24 5. Conheça a sinalização de trânsito 34 6. Segurança e respeito em primeiro lugar 36 7. Como estacionar corretamente sua bicicleta 52 8. Bicicleta e transporte público: uma opção que vai longe 56 9. Bicicletas para todos 58 10. Cuide bem da sua bicicleta 60
  • 3. 2 3 O Ministério das Cidades representa um novo modelo de governança urbana, que supera a estreiteza de visões supostamente neutras e tecnocráticas do passado, em favor de políticas transformadoras, de cunho participativo, integrado e emancipador, capazes de produzir decisões pactuadas e mobilizadoras e, sobretudo, a materialização do direito à cidade. Para elaboração e implementação da nova política de mobilidade urbana, colocamos à disposição das cidades um conjunto de instrumentos e recursos para o planejamento e gestão dos sistemas de mobilidade locais, com a plena consciência de que o gerenciamento desses sistemas seja de responsabilidade dos governos municipais e estaduais. Mobilidade Urbana, esse é o conceito norteador para a construção de cidades sustentáveis. Procura-se superar a análise fragmentada do transporte público e do trânsito e da relação entre ambos, enfatizando o planejamento urbano e o uso do solo como os fatores determinantes da escolha dos modos de transporte utilizados. Considera-se também a necessidade de democratização dos espaços públicos de circulação, o desenvolvimento dos meios não motorizados de transporte – a bicicleta e a caminhada –, a priorização efetiva dos transportes coletivos e a redução dos impactos ambientais resultantes. Com efeito, há cada vez mais clareza no plano internacional de que a dependência do transporte motorizado resulta em impactos ambientais negativos, derivados da utilização de combustíveis fósseis como fonte energética, bem como de outros insumos que geram grande quantidade de resíduos. Esta conceituação transfere o foco da atenção dos meios motorizados para as pessoas e considera as necessidades coletivas de locomoção pelos espaços públicos. Ministério das Cidades Um convite à paz do encontro Foi no Congresso Internacional de Arquitetura Moderna, nesta Grécia conturbada de hoje, que nascia em 1933 a Carta de Atenas. a responsabilidade das cidades com as questões de transporte, trabalho, saúde e lazer. Por aqui, cem anos atrás, 80% dos brasileiros viviam no campo. Hoje, 80% estão nas cidades. E para as próximas três décadas calcula-se que 90% ocupem os centros urbanos. Todos se locomovendo, interagindo, trabalhando, procurando e construindo, solidários, a alegria da convivência. Esta Cartilha do Ciclista reúne informações sobre legislação, sinalização e segurança, num esforço para que as bicicletas possam circular em harmonia com pedestres, carros, motocicletas, ônibus, metrôs e caminhões. A Cartilha é também uma homenagem aos 80 milhões de brasileiros que possuem bicicletas e contribuem para a humanização das cidades, livrando-as da poluição e favorecendo a paz do encontro nos centros urbanos. E não paramos aí: até o começo do ano que vem, um Grupo de Trabalho deverá consolidar o Manual Clicloviário, que normatizará, para todo o País, a construção e sinalização de ciclovias, ciclofaixas, ciclorrotas e demais vias cicláveis.
  • 4. 5 1POR QUE USAR A BICICLETA? À primeira vista, usar a bicicleta como meio de transporte, principalmente em grandes cidades, pode parecer um pouco estranho. Porém nunca foi tão necessário encontrar alternativas viáveis e sustentáveis para solucionar o problema da mobilidade, e a bicicleta tem se destacado como forte candidata. Além do custo acessível, pedalar faz bem para a saúde, não polui e ainda é muito divertido. Mas não é só isso que conta na hora de pensar na bicicleta como uma real opção de transporte. Os benefícios de pedalar são tão amplos, que impactam toda a sociedade, mesmo quem não é ciclista. Ela contribui para o aumento da qualidade de vida de todos, permitindo que as pessoas tenham mais tempo para satisfazer suas vontades. Bicicleta também ocupa menos espaço nas vias, como você vai ver a seguir. como opção de transporte como opção de lazer. 4
  • 5. 76 sorracsuesesatsirotom06subinômuesoriegassap06 60 ciclistas e suas bicicletas • A bicicleta ocupa menos espaço nas vias.
  • 6. 9 TAXI 8 • A bicicleta é um meio de transporte sustentável e, muitas vezes, chega mais rápido ao destino do que um carro. • A bicicleta não polui e não provoca congestionamentos. • A bicicleta coloca o usuário em contato direto com outros usuários da via, criando proximidade e maior interação. • A bicicleta custa menos que um carro e possui menor custo de manutenção.
  • 7. 10 11 • A bicicleta faz bem para a saúde e melhora a qualidade de vida. - Faz bem para o corpo, combatendo o sedentarismo e prevenindo doenças dos ossos e músculos. - Ajuda a reduzir o risco de doenças do coração, a diminuir o colesterol e a melhorar o sistema imunológico. • A bicicleta é mais ecológica. - Não utiliza combustível. - Não emite gases que provocam o efeito estufa. - Não produz poluição sonora. Importante: pedale sempre respeitando seus limites!
  • 8. 1312 Sinalizações Noturnas etivas Aumentam a visibilidade do ciclista, principalmente à noite. Devem ser: - Brancas na dianteira - Vermelhas na traseira - Amarelas ou brancas nos pedais e nas laterais Obs.: sempre limpos para que Campainha ou buzina no trânsito, alertando motoristas, pedestres e outros ciclistas. Espelho Retrovisor Deve ser colocado pelo menos do lado esquerdo da bicicleta, permitindo que o ciclista visualize o que acontece atrás dele. O equipamento deve ser de plástico para evitar acidentes. 2ITENS E ACESSÓRIOS QUE AUMENTAM A SEGURANÇA DO CICLISTA 1 1 2 2 3 3 Existem diversos itens e acessórios que protegem o ciclista. Alguns são obrigatórios e outros são recomendados. Conheça os principais: Itens obrigatórios de acordo com o Código de Trânsito Brasileiro 1 1
  • 9. etivos Os mais recomendados são as luzes de LED que piscam, iluminam o caminho e tornam o ciclista mais visível, principalmente à noite. Capacete Utilize sempre um capacete de boa qualidade. Apesar de não ser um item obrigatório, ele é fundamental para proteger o ciclista em caso de queda. etivo Presilhas Prendem a barra da calça para que não enrosque na corrente. Para-lama Protege a roupa de respingos. Cadeados/ Travas/ Cabos São úteis para garantir a segurança das bicicletas quando estão estacionadas. Porta-garrafa Hidratação é fundamental para quem pratica qualquer atividade física. Itens opcionais que garantem mais segurança ao ciclista. 4 4 5 6 7 8 9 10 5 7 6 9 10 8 1514
  • 10. 16 17 3DICAS LEGAIS PARA VOCÊ PEDALAR TRANQUILO • Revise sempre os freios da bicicleta e mantenha os pneus calibrados. • Antes de sair, planeje o caminho. Escolha rotas com estrutura cicloviária ou de pouco movimento. • Evite transitar em vias com grande circulação de automóveis.
  • 11. 18 • Inicie sua pedalada em ritmo mais lento. Isso ajuda a aquecer e alongar o seu corpo. • Não transporte peso que possa desequilibrar a bicicleta. Use sempre equipamento adequado. Use sempre o capacete bem preso à cabeça e ajustado adequadamente. • Regule a bicicleta de acordo com a sua altura para garantir conforto e segurança. O ideal é manter quadril e guidão alinhados. 19
  • 12. 21 • A bicicleta também é um veículo e, portanto, deve respeitar as regras de circulação como qualquer outro. • Respeite sempre os semáforos, as sinalizações de trânsito e as faixas de pedestre. • Cuidado com cordões ou partes soltas do vestuário. Eles podem enroscar na corrente e causar queda. • Fique atento ao caminho. Não use celular nem fone de ouvido ao pedalar. • Segure o guidão com as duas mãos. 20
  • 13. 22 • Comunique-se! Utilize a campainha se necessário. • Preste atenção a tudo que acontece no caminho e estabeleça sempre contato visual com os outros usuários da via. • Fique sempre bem visível. 23
  • 14. 25 4O QUE É REDE CICLOVIÁRIA? A infraestrutura cicloviária pode ser dividida em 3 grandes grupos que formam as redes e rotas cicloviárias. São eles: • o espaço totalmente segregado, caracterizado como ciclovia. • como ciclofaixa. • o espaço compartilhado. 24
  • 15. 26 Calçada Calçada Pista Pista Canteiro Central Ciclovia Ciclovia 27 Pista própria destinada à circulação do tráfego comum, conforme dispõe o Anexo I do CTB. Quanto ao sentido de tráfego, a ciclovia pode ser: • unidirecional - quando apresenta sentido único de circulação. • bidirecional - quando apresenta sentido duplo de circulação. Existem muitas situações capazes de caracterizar uma ciclovia. A mais clássica corresponde ao espaço em desnível com relação à via, separado por elemento físico delimitador (elemento geométrico ou área verde). Existem também ciclovias no mesmo nível da pista e elementos geométricos, como ilhas, calçadas, blocos pré-moldados e balizadores. Quanto a sua localização na via pública, elas podem estar dispostas nas vias laterais das pistas, nos canteiros centrais e calçadas. A sua localização fora da via pública pode ser em áreas e parques públicos. 1. Ciclovia
  • 16. 28 Calçada Calçada Ciclofaixa Pista 29 Conforme o Anexo I do CTB, “Ciclofaixa é parte da pista de rolamento destinada à circulação exclusiva de bicicletas, delimitada Ou seja, ciclofaixa é a parte da pista, calçada ou canteiro central destinada à circulação exclusiva de bicicletas, delimitada por sinalização viária (horizontal, vertical e/ou semafórica), podendo ter piso diferenciado e ser implantada no mesmo nível da pista de rolamento ou da calçada ou do canteiro. Quanto ao sentido de tráfego, a ciclofaixa também pode ser: • unidirecional - quando apresenta sentido único de circulação. • bidirecional - quando apresenta sentido duplo de circulação. 2. Ciclofaixa
  • 17. 30 Calçada Compartilhada Calçada partilhada Pista 31 São os espaços em que a circulação de bicicletas é compartilhada com pedestres ou com outras espécies e categorias de veículos automotores criando condições favoráveis para sua circulação. Pode ser calçada, canteiro, ilha, passarela, passagem subterrânea, via de pedestres, faixa ou pista. Nesses espaços é fundamental que haja sinalização, comunicando o compartilhamento para evitar acidentes. 3. Espaços compartilhados sinalizados
  • 18. 32 • Rota de bicicletas ou Ciclorrotas São as vias sinalizadas que interligam pontos de interesse, ciclovias e ciclofaixas indicando o compartilhamento do espaço entre veículos motorizados e bicicletas, melhorando as condições de segurança na circulação. Um dos principais objetivos de uma ciclorrota é garantir o direito de circulação das bicicletas, pois predominará o compartilhamento de ciclistas/motoristas no mesmo espaço, com respeito às prioridades do trânsito. 33
  • 19. 34 PARE E A 0m PEDESTREPEDESTRECICLISTA Só Atravesse no VERDE Circulação exclusiva de bicicleta Ciclistas à esquerda, pedestres à direita Pedestres à esquerda, ciclistas à direita Circulação compartilhada de ciclistas e pedestres Proibido parar e estacionar Parada obrigatória Trânsito de ciclistas Sentido único de circulação Dê a preferência Trânsito de ciclistas Sentido duplo de circulação Trânsito de ciclistas Distância Passagem sinalizada de ciclistas Trânsito compartilhado por ciclistas e pedestres Ciclista: só atravesse no verde Pedestre: sentido de circulação de ciclistas Pedestre: sentidos de circulação de ciclistas Sinalização semafórica para ciclista cado: indica para o ciclista a proibição do direito de passagem. Ação do usuário da via: obrigatoriedade do ciclista em parar o veículo. cado: indica o término do direito de passagem. Ação do usuário da via: o condutor deve parar o veículo salvo se não for possível imobilizá-lo em condições de segurança. cado: indica para o ciclista a permissão do direito de passagem. Ação do usuário da via: o ciclista tem a permissão de iniciar ou prosseguir em marcha. 35 5CONHEÇA A SINALIZAÇÃO DE TRÂNSITO
  • 20. 6SEGURANÇA E RESPEITO EM PRIMEIRO LUGAR Para garantir um convívio saudável entre ciclistas, motoristas e pedestres, existem algumas regras que precisam ser observadas: • circule pela rua e não pelas calçadas, a menos que a calçada permita compartilhamento com pedestre. • Caso a calçada não seja partilhada ou compartilhada, desça da bicicleta e leve-a empurrando com as mãos. • Desça da bicicleta ao cruzar a faixa de travessia de pedestres: o ciclista na faixa se torna pedestre. Lembre-se: o pedestre é o mais vulnerável dos usuários do trânsito. É obrigação de todos cuidar da segurança dele. 36 37
  • 21. 38 • Dê sempre preferência ao pedestre. Ao atravessar a ciclovia com sentido duplo, o pedestre nem sempre olha para os dois lados. • Atenção com as crianças na via ao andar de bicicleta. Se você for o responsável pelas para andar de bicicleta em parques e locais protegidos do tráfego comum. 39
  • 22. • Ande no mesmo sentido dos outros veículos e nunca na contramão. • Olhe para os dois lados antes de passar por um cruzamento. 4140
  • 23. 42 43 • Mantenha distância segura dos outros veículos e preste atenção às portas para evitar surpresas. • Sinalize suas intenções usando gestos. Virar à esquerda Atenção, parando Virar à direita • Olhe sempre à frente. Assim você tem melhor visão da via e consegue perceber riscos para agir antecipadamente.
  • 24. 44 Respeite para ser respeitado. Você também é responsável por um trânsito melhor. • Não faça malabarismos. • Havendo ciclovia, circule por ela. • Não ande em zigue-zague. • Não pegue carona em outro veículo. • Ocupe um lugar na via que garanta maior visibilidade para o motorista e pare antes da faixa de retenção. 45
  • 25. • Existem duas formas de realizar uma conversão à esquerda. Avalie as opções e siga os passos indicados a seguir para garantir a sua segurança. Conversão à esquerda - opção 1 - No semáforo verde, avance o cruzamento. - Vire e espere o semáforo verde até que possa passar pela faixa, desmontado, ou paralelo a ela. - No semáforo verde, novamente, termine de cruzar a rua. 46 Conversão à esquerda - opção 2 - carro e sinalize a sua intenção antes. - Mude de faixa quando for seguro. - Faça a conversão, que não vem carro na transversal. 47
  • 26. 48 • Evite circular onde o motorista não consegue vê-lo (ponto cego). 0 m 1m 2 m 3 m 3,5 m 0 m 1,5m 2 m3 m 2 m 1 m 0 m 49
  • 27. ÔNIBUSÔNIBUS Pontodeônibus ÁREA DE ESPERA ÁREA DE ESPERA • Ao passar por ponto de ônibus, pare e aguarde o embarque/ desembarque de passageiros e não ultrapasse o ônibus parado. Os pedestres costumam atravessar na frente dele. Além disso, o motorista do ônibus não consegue enxergar a bicicleta por causa dos pontos cegos. Fique atento à sinalização luminosa do ônibus. Ela indica a intenção do motorista de sair do ponto. 50 Área de Espera Aguarde o verde neste espaço, quando houver, e nunca na faixa. Assim você inicia a pedalada com mais segurança. 51
  • 28. 53 7COMO ESTACIONAR CORRETAMENTE SUA BICICLETA 52 Paraciclos e Bicicletários • Paraciclo instalado em via pública ou no interior de estabelecimentos. • Bicicletário é o conjunto de paracliclos instalados na via pública ou no interior de estabelecimentos. Os locais de estacionamento devem ser instalados o mais próximo transbordo, escritórios, entre outros. As manobras voltadas à retirada dos veículos dos estacionamentos (paraciclos ou bicicletários) devem ser executadas com conforto e segurança, distante da área de circulação de todos os veículos, inclusive de ciclovias e ciclofaixas. Informações sobre bicicletários e paraciclos junto ao Sistema de Transporte Público podem ser obtidas nos sites das respectivas companhias da sua cidade.
  • 29. 54 Como prender sua bicicleta - 1 2 Prenda a roda traseira e o quadro junto ao paraciclo. Use um cabo de aço para prender a roda dianteira e o selim passando por dentro do quadro. - Rodas que possuem sistema de desengate rápido (quick release) precisam estar presas. O mesmo acontece com o selim. Ele pode ser retirado e levado com você. - Retire da bike os acessórios que podem ser facilmente levados. - muito a segurança da bicicleta por ser mais difícil de abrir do que um cabo de aço tradicional. 55
  • 30. 57 8BICICLETA E TRANSPORTE PÚBLICO: UMA OPÇÃO QUE VAI LONGE Cada vez mais as pessoas estão aproveitando os benefícios das bicicletas como opção de transporte para o trabalho, escola e, claro, lazer. Com os constantes estímulos das prefeituras, criando espaços Porém, alguns locais ainda são difíceis de acessar de bicicleta. Pensando nessas situações, diversas cidades estão investindo na integração das bicicletas com os transportes públicos, como trens, metrôs e ônibus. Dessa forma, os meios de transporte se complementam, facilitando o acesso e ampliando as condições de mobilidade. Existem algumas regras para o uso de bicicletas em transportes públicos. Para saber como funciona essa integração na sua cidade, consulte a prefeitura ou o órgão responsável pelo transporte. 56
  • 31. 59 9BICICLETAS PARA TODOS Em diversas cidades você pode utilizar uma bicicleta mesmo que não espalhadas pelas cidades. Você retira em uma estação e pode devolver em outra. As regras de utilização dessas bicicletas variam de uma cidade para outra e encontram-se à disposição em cada uma das estações, nas cidades onde o serviço está disponível. Para saber mais, consulte a prefeitura da sua cidade. 58
  • 32. 61 ÓLEO ÓLE 10CUIDE BEM DA SUA BICICLETA Sua bicicleta é sua parceira. Por isso, cuidar bem dela é importante para garantir seu conforto e segurança na hora de pedalar. • Corrente Não se esqueça de tirar a sujeira antes. 60
  • 33. 62 63 • Rodas A bicicleta perde rapidamente a calibragem. Siga a recomendação do fabricante. Evite pneus murchos, pois exigem maior esforço físico, e também pneus muito cheios, que dão menor aderência e causam desconforto ao pedalar. • Ajustes É fundamental que todas as partes da bicicleta estejam Utilize adequadamente as marchas para evitar desgaste prematuro das peças e também desgaste físico. Se perceber algum ruído estranho ou mau funcionamento da bicicleta que você não consegue resolver, leve-a para • Freios desalinhada, solta, gasta ou com pressão inadequada), leve a bicicleta ao mecânico. Utilize os freios dianteiros e Freie com antecedência e nunca na curva.
  • 34. 64 Ministro das Cidades Secretário Nacional de Mobilidade Diretor Geral do DENATRAN Equipe Técnica SEMOB DENATRAN ASCOM Agradecimentos Companhia de Engenharia de Tráfego – CET (São Paulo) EXPEDIENTE
  • 35. Este material também está disponível para download nos sites: paradapelavida.com.br cidades.gov.br