SlideShare uma empresa Scribd logo
CURSO ONLINE – PROFESSORA: MARA CAMISASSA
AERODISPERSÓIDES
Olá futuros colegas! Tudo bem?
Elaborei este texto com o objetivo de desmitificar estes termos
técnicos que às vezes nos assustam! Apesar de os aerodispersóides
serem um tema bastante longo procurei fazer um pequeno resumo
neste artigo.
E para ganharmos tempo, antes que vocês fiquem imaginando
porque eu escolhi este tema, já adianto que ele está presente pelo
menos em três normas regulamentadoras: NR7, NR9 e NR15!!!
Sendo, portanto, um assunto passível de ser cobrado na prova!!!
O que são aerodispersóides?
Os aerodispersóides são partículas sólidas ou líquidas, suspensas ou
dispersas no ar.
Como estas partículas possuem tamanhos microscópicos e massa
extremamente reduzida, nem mesmo a ação da gravidade é capaz de
provocar sua deposição imediata, no solo ou em alguma superfície.
Por este motivo, tais partículas ficam suspensas no ar e podem levar
horas para se depositar.
Dentro do contexto de riscos ambientais, os aerodispersóides são
agentes químicos e recebem especial atenção da higiene ocupacional,
pois dependendo de sua concentração e tamanho das partículas, eles
representam sérios riscos à saúde dos trabalhadores. Veremos ao
longo deste artigo porque isso acontece.
Classificação dos aerodispersóides quanto à origem
Dependendo de sua origem, os aerodispersóides são classificados
em:
• Névoas
• Neblinas
• Poeiras
• Fumos
CURSO ONLINE – PROFESSORA: MARA CAMISASSA
A figura a seguir apresenta esta classificação:
Observações:
- Névoas: Particulados líquidos gerados pela ruptura mecânica de
um líquido: imaginem a queda de uma cachoeira; a névoa é formada
por partículas líquidas geradas pela ruptura mecânica da água ao
sofrer a queda. Em um ambiente de trabalho um exemplo é a névoa
de tinta (formação de spray), gerada pela pintura com uso de
revolver pneumático ou ainda a névoa formada pela aplicação de
agrotóxicos utilizando-se nebulizadores.
- Poeira: Particulados sólidos formados pela quebra de um sólido,
resultante de operações como escavações, serviços de lixamento,
explosões, perfurações, limpeza abrasiva, etc. As poeiras podem ser
vegetais ou minerais.
- Fumos metálicos: A liberação de um fumo metálico inicia-se
quando um metal é aquecido, como por exemplo, nos processos de
soldagem. Este aquecimento gera um vapor que, ao entrar em
contato com o ar, se condensa e forma o fumo.
Os riscos que os fumos metálicos oferecem à saúde dependem do
metal que está sendo aquecido (ou soldado) e da composição do
eletrodo utilizado na solda. A maioria dos metais (e respectivos
compostos) utilizados nas indústrias está associada a riscos.
CURSO ONLINE – PROFESSORA: MARA CAMISASSA
Dentre os metais de maior risco, destacam-se o chumbo, cromo,
manganês e seus compostos, sendo que o fumo metálico gerado pelo
aquecimento do chumbo é um dos que apresenta maior toxicidade,
sendo responsável por uma doença ocupacional conhecida como
saturnismo ou plumbismo.
- Neblina: É a suspensão de partículas líquidas no ar por
condensação do vapor de um líquido volátil ou que tenha sido
aquecido em processo industrial. Nas indústrias, a ocorrência da
neblina de um agente químico é rara.
Tamanho das partículas
Sabemos que uma das defesas naturais do nosso sistema respiratório
é formada pelos cílios das narinas e pela mucosa da garganta
(existem também outros mecanismos de imunidade que fogem do
escopo deste texto).
Entretanto, estas defesas naturais não são tão eficientes quando se
trata de aerodispersóides cujas partículas são microscópicas.
O tamanho das partículas dos aerodispersóides varia de acordo com a
substância:
- Poeiras: entre 0,5µm a 200µm (mícrons ou micrometros)
- Fumos metálicos: entre 0,001 µm a 0,5 µm (mícrons ou
micrometros)
Para vocês terem uma ideia, 1 µm = 0,000001m
O tamanho das partículas é importante porque determina o quanto o
sistema respiratório é afetado. Quanto menor a partícula, mais perigo
ela representa.
O local de deposição no organismo da poeira inalada vai depender do
tamanho das partículas da poeira. Dependendo do tamanho, as
partículas de poeira podem ficar retidas na garganta, na traqueia ou
podem chegar até os pulmões.
CURSO ONLINE – PROFESSORA: MARA CAMISASSA
Já os fumos metálicos, devido ao tamanho microscópico de suas
partículas, conseguem penetrar profundamente nos pulmões,
podendo até mesmo atingir a corrente sanguínea.
Aerodispersóides Fibrogênicos e Não Fibrogênicos
São considerados aerodispersóides fibrogênicos aqueles que causam
fibrose pulmonar.
Então, por exclusão, os aerodispersóides não fibrogênicos são
aqueles que não causam fibrose pulmonar.
E o que é a fibrose pulmonar?
A fibrose pulmonar é uma pneumoconiose, ou seja, uma doença
pulmonar ocupacional causada pela inalação de algumas poeiras
vegetais ou minerais.
Uma das principais características dos nossos pulmões, e que nos
permite respirar, é a elasticidade. A fibrose pulmonar provoca a perda
da elasticidade do tecido pulmonar, devido à inalação continuada, ao
longo de muitos anos, de poeira. Mas como isso acontece?
Quando partículas microscópicas de algumas poeiras conseguem
chegar até nosso pulmão, elas se depositam no tecido pulmonar e
provocam processos inflamatórios. Nos locais onde houve o processo
inflamatório, aparecerão cicatrizes e o tecido pulmonar perderá a
elasticidade, fazendo com que o trabalhador, ao longo dos anos e da
exposição continuada, perca a capacidade respiratória (pois os
pulmões ficam cada vez “menos” elásticos, suas paredes ficam
endurecidas). Este é o quadro de fibrose pulmonar.
A fibrose pulmonar é gerada principalmente pela inalação de poeira
de sílica (neste caso chamada de silicose), carvão mineral e asbesto
(neste caso chamada de asbestose). É uma doença irreversível e
incurável. Sua evolução é progressiva, provocando a incapacidade
para o trabalho.
CURSO ONLINE – PROFESSORA: MARA CAMISASSA
Apesar de os aerodispersóides não fibrogênicos não causarem fibrose
pulmonar, eles causam diversas outras pneumoconioses, como por
exemplo, bissinose (inalação da poeira do algodão) ou ainda
bagaçose (inalação do pó do bagaço da cana de açúcar – bagaço
seco).
Aerodispersóides nas NRs
NR7 – PCMSO – Programa de Controle Médico de Saúde
Ocupacional
A NR7 determina que os trabalhadores expostos a aerodispersóides
fibrogênicos e não fibrogênicos devem ser submetidos aos seguintes
exames complementares e na seguinte periodicidade:
NR9 – PPRA – Programa de Prevenção de Riscos Ambientais
Apesar de a palavra “aerodispersóides” não aparecer na NR9, estes
agentes estão presentes na definição de agentes químicos constantes
no item 9.1.5.2:
“Consideram-se agentes químicos as substâncias, compostos ou
produtos que possam penetrar no organismo pela via respiratória,
nas formas de poeiras, fumos, névoas, neblinas, gases ou
vapores, ou que, pela natureza da atividade de exposição, possam ter
contato ou ser absorvidos pelo organismo através da pele ou por
ingestão.”
CURSO ONLINE – PROFESSORA: MARA CAMISASSA
NR15 – Operações e atividades insalubres
A NR15 dispõe sobre os limites de tolerância de diversos
aerodispersóides, como poeiras minerais, entre elas o asbesto,
manganês e sílica livre cristalizada.
Entretanto, a NR15 não determina os limites de tolerância de poeiras
vegetais, como por exemplo, poeira do algodão, poeira do milho,
poeira da madeira.
Nestes casos, conforme determina o item 9.3.5.1 letra c da NR9, as
avaliações de exposição ao risco devem considerar os valores
constantes nas normas da ACGIH - American Conference of
Governmental Industrial Higyenists ou aqueles que venham a ser
estabelecidos em negociação coletiva de trabalho, desde que mais
rigorosos do que os critérios técnico-legais estabelecidos.
É isso aí, pessoal! Espero que vocês tenham gostado deste
assunto!
Abraços a todos e até o próximo artigo!
Mara
Dúvidas, críticas, sugestões:
mara@pontodosconcursos.com.br !!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 4 riscos ocupacionais
Aula 4   riscos ocupacionaisAula 4   riscos ocupacionais
Aula 4 riscos ocupacionais
Daniel Moura
 
Riscos físicos
Riscos físicosRiscos físicos
Riscos físicos
Filipa Andrade
 
Arvore de causas
Arvore de causasArvore de causas
Arvore de causas
Edilson Azevedo
 
Riscos ambientais
Riscos ambientais   Riscos ambientais
Riscos ambientais
Ythia Karla
 
NR7 PCMSO
NR7 PCMSONR7 PCMSO
NR7 PCMSO
Rose Oliveira
 
Treinamento básico de segurança
Treinamento básico de segurançaTreinamento básico de segurança
Treinamento básico de segurança
conbetcursos
 
Aula 2 - Normas Regulamentadoras
Aula 2 - Normas RegulamentadorasAula 2 - Normas Regulamentadoras
Aula 2 - Normas Regulamentadoras
Ghiordanno Bruno
 
Segurança do trabalho
Segurança do trabalhoSegurança do trabalho
Segurança do trabalho
Mauricio Cesar Soares
 
Treinamento PPR - Proteção respiratória
Treinamento PPR - Proteção respiratóriaTreinamento PPR - Proteção respiratória
Treinamento PPR - Proteção respiratória
Claudio Cesar Pontes ن
 
Controlo de riscos profissionais
Controlo de riscos profissionaisControlo de riscos profissionais
Controlo de riscos profissionais
Filipa Andrade
 
Nr1 disposições gerais
Nr1  disposições geraisNr1  disposições gerais
Nr1 disposições gerais
Mauricio De Oliveira Silva
 
NR-1
NR-1NR-1
Doenças ocupacionais
Doenças ocupacionaisDoenças ocupacionais
Doenças ocupacionais
Tiago Malta
 
Aula 2 acidentes de trabalho
Aula 2   acidentes de trabalhoAula 2   acidentes de trabalho
Aula 2 acidentes de trabalho
Daniel Moura
 
Atividades do técnico em segurança do trabalho
Atividades do técnico em segurança do trabalhoAtividades do técnico em segurança do trabalho
Atividades do técnico em segurança do trabalho
Jupira Silva
 
Capacitação nr 12
Capacitação nr 12Capacitação nr 12
Capacitação nr 12
Anderson Fluflu
 
Aula EPI - Apresentação
Aula EPI - ApresentaçãoAula EPI - Apresentação
Aula EPI - Apresentação
Rapha_Carvalho
 
Causas e consequências de acidentes do trabalho
Causas e consequências de acidentes do trabalhoCausas e consequências de acidentes do trabalho
Causas e consequências de acidentes do trabalho
Giovanni Bruno
 
NR - 06 EPI (Oficial)
NR - 06 EPI (Oficial)NR - 06 EPI (Oficial)
NR - 06 EPI (Oficial)
Claudio Cesar Pontes ن
 
Acidente de trabalho
Acidente de trabalhoAcidente de trabalho
Acidente de trabalho
Ythia Karla
 

Mais procurados (20)

Aula 4 riscos ocupacionais
Aula 4   riscos ocupacionaisAula 4   riscos ocupacionais
Aula 4 riscos ocupacionais
 
Riscos físicos
Riscos físicosRiscos físicos
Riscos físicos
 
Arvore de causas
Arvore de causasArvore de causas
Arvore de causas
 
Riscos ambientais
Riscos ambientais   Riscos ambientais
Riscos ambientais
 
NR7 PCMSO
NR7 PCMSONR7 PCMSO
NR7 PCMSO
 
Treinamento básico de segurança
Treinamento básico de segurançaTreinamento básico de segurança
Treinamento básico de segurança
 
Aula 2 - Normas Regulamentadoras
Aula 2 - Normas RegulamentadorasAula 2 - Normas Regulamentadoras
Aula 2 - Normas Regulamentadoras
 
Segurança do trabalho
Segurança do trabalhoSegurança do trabalho
Segurança do trabalho
 
Treinamento PPR - Proteção respiratória
Treinamento PPR - Proteção respiratóriaTreinamento PPR - Proteção respiratória
Treinamento PPR - Proteção respiratória
 
Controlo de riscos profissionais
Controlo de riscos profissionaisControlo de riscos profissionais
Controlo de riscos profissionais
 
Nr1 disposições gerais
Nr1  disposições geraisNr1  disposições gerais
Nr1 disposições gerais
 
NR-1
NR-1NR-1
NR-1
 
Doenças ocupacionais
Doenças ocupacionaisDoenças ocupacionais
Doenças ocupacionais
 
Aula 2 acidentes de trabalho
Aula 2   acidentes de trabalhoAula 2   acidentes de trabalho
Aula 2 acidentes de trabalho
 
Atividades do técnico em segurança do trabalho
Atividades do técnico em segurança do trabalhoAtividades do técnico em segurança do trabalho
Atividades do técnico em segurança do trabalho
 
Capacitação nr 12
Capacitação nr 12Capacitação nr 12
Capacitação nr 12
 
Aula EPI - Apresentação
Aula EPI - ApresentaçãoAula EPI - Apresentação
Aula EPI - Apresentação
 
Causas e consequências de acidentes do trabalho
Causas e consequências de acidentes do trabalhoCausas e consequências de acidentes do trabalho
Causas e consequências de acidentes do trabalho
 
NR - 06 EPI (Oficial)
NR - 06 EPI (Oficial)NR - 06 EPI (Oficial)
NR - 06 EPI (Oficial)
 
Acidente de trabalho
Acidente de trabalhoAcidente de trabalho
Acidente de trabalho
 

Destaque

Aerodispersóides
AerodispersóidesAerodispersóides
Aerodispersóides
Marco Seabra
 
Aerodispersóides
AerodispersóidesAerodispersóides
Aerodispersóides
Nilton Goulart
 
Aerodispersoides lsa.zip
Aerodispersoides lsa.zipAerodispersoides lsa.zip
Aerodispersoides lsa.zip
Nilton Goulart
 
Pcmso cícero modelo
Pcmso cícero modeloPcmso cícero modelo
Pcmso cícero modelo
Dr. Cícero Martins da Silva
 
Segurança Industrial
Segurança IndustrialSegurança Industrial
Segurança Industrial
César Serradas
 
Apr acabamento obra
Apr   acabamento obraApr   acabamento obra
Apr acabamento obra
Leicy Rosa
 
webgincana do (PPRA)e(PCMSO
webgincana do (PPRA)e(PCMSOwebgincana do (PPRA)e(PCMSO
webgincana do (PPRA)e(PCMSO
Mirtes Campos
 
Pcmso
PcmsoPcmso
Cheklist manutenção de computadores v2
Cheklist   manutenção de computadores v2Cheklist   manutenção de computadores v2
Cheklist manutenção de computadores v2
grgerenciaba
 
Big Data, Big Thinking: Simplified Architecture Webinar Fact Sheet
Big Data, Big Thinking: Simplified Architecture Webinar Fact SheetBig Data, Big Thinking: Simplified Architecture Webinar Fact Sheet
Big Data, Big Thinking: Simplified Architecture Webinar Fact Sheet
SAP Technology
 
Nr 7, a teoria e a prática
Nr 7, a teoria e a práticaNr 7, a teoria e a prática
Nr 7, a teoria e a prática
Ana Carolina Castro
 
Manual riscos quimicos
Manual riscos quimicos Manual riscos quimicos
Manual riscos quimicos
bia139
 
Higiene ocupacional i
Higiene ocupacional i Higiene ocupacional i
Higiene ocupacional i
Tst Valadares
 
Lesson 6 empowering individuals
Lesson 6 empowering individualsLesson 6 empowering individuals
Lesson 6 empowering individuals
HCEfareham
 

Destaque (14)

Aerodispersóides
AerodispersóidesAerodispersóides
Aerodispersóides
 
Aerodispersóides
AerodispersóidesAerodispersóides
Aerodispersóides
 
Aerodispersoides lsa.zip
Aerodispersoides lsa.zipAerodispersoides lsa.zip
Aerodispersoides lsa.zip
 
Pcmso cícero modelo
Pcmso cícero modeloPcmso cícero modelo
Pcmso cícero modelo
 
Segurança Industrial
Segurança IndustrialSegurança Industrial
Segurança Industrial
 
Apr acabamento obra
Apr   acabamento obraApr   acabamento obra
Apr acabamento obra
 
webgincana do (PPRA)e(PCMSO
webgincana do (PPRA)e(PCMSOwebgincana do (PPRA)e(PCMSO
webgincana do (PPRA)e(PCMSO
 
Pcmso
PcmsoPcmso
Pcmso
 
Cheklist manutenção de computadores v2
Cheklist   manutenção de computadores v2Cheklist   manutenção de computadores v2
Cheklist manutenção de computadores v2
 
Big Data, Big Thinking: Simplified Architecture Webinar Fact Sheet
Big Data, Big Thinking: Simplified Architecture Webinar Fact SheetBig Data, Big Thinking: Simplified Architecture Webinar Fact Sheet
Big Data, Big Thinking: Simplified Architecture Webinar Fact Sheet
 
Nr 7, a teoria e a prática
Nr 7, a teoria e a práticaNr 7, a teoria e a prática
Nr 7, a teoria e a prática
 
Manual riscos quimicos
Manual riscos quimicos Manual riscos quimicos
Manual riscos quimicos
 
Higiene ocupacional i
Higiene ocupacional i Higiene ocupacional i
Higiene ocupacional i
 
Lesson 6 empowering individuals
Lesson 6 empowering individualsLesson 6 empowering individuals
Lesson 6 empowering individuals
 

Semelhante a Aerodispersóides fibrogênicos e não fibrogênicos

AGENTES QUIMICOS PPT.ppt
AGENTES QUIMICOS PPT.pptAGENTES QUIMICOS PPT.ppt
AGENTES QUIMICOS PPT.ppt
Devanir Miranda
 
Agentes quimicos
Agentes quimicosAgentes quimicos
Agentes quimicos
Devanir Miranda
 
MANUAL UFCD 3778- AGENTES QUIMICOS.doc
MANUAL UFCD 3778- AGENTES QUIMICOS.docMANUAL UFCD 3778- AGENTES QUIMICOS.doc
MANUAL UFCD 3778- AGENTES QUIMICOS.doc
cidalia7
 
agentes-quim-celio.doc
agentes-quim-celio.docagentes-quim-celio.doc
agentes-quim-celio.doc
Airton Júnior
 
Agentes químicos
Agentes químicosAgentes químicos
Agentes químicos
Jupira Silva
 
Treinamento de Proteção Respiratória para Trabalhadores
Treinamento de Proteção Respiratória para TrabalhadoresTreinamento de Proteção Respiratória para Trabalhadores
Treinamento de Proteção Respiratória para Trabalhadores
JosLucas565748
 
Ar comprimido
Ar comprimidoAr comprimido
Ar comprimido
Adony Amorim
 
Proteção+respiratória+3 m
Proteção+respiratória+3 mProteção+respiratória+3 m
Proteção+respiratória+3 m
Silvielly Freitas
 
Saúde e segurança
Saúde e segurançaSaúde e segurança
Saúde e segurança
LAURA EMANUELLA MARINHO
 
NR 15 Agentes Químicos-Completo
NR 15 Agentes Químicos-CompletoNR 15 Agentes Químicos-Completo
NR 15 Agentes Químicos-Completo
Kétuly Ataides
 
St 03
St 03St 03
Manual para selecao de ep is ed358_e_book
Manual para selecao de ep is ed358_e_bookManual para selecao de ep is ed358_e_book
Manual para selecao de ep is ed358_e_book
Francis Radael Tatto
 
Controle de Material Particulado nos acessos de mina á céu aberto.
Controle de Material Particulado nos acessos de mina á céu aberto.Controle de Material Particulado nos acessos de mina á céu aberto.
Controle de Material Particulado nos acessos de mina á céu aberto.
Wendel Rodrigues
 
35 emissoes atmosfericas
35 emissoes atmosfericas35 emissoes atmosfericas
35 emissoes atmosfericas
duducoco
 
Poluição por gases e vapores
Poluição por gases e vaporesPoluição por gases e vapores
Poluição por gases e vapores
Michelle Martha
 
Protecaorespiratoria
ProtecaorespiratoriaProtecaorespiratoria
Protecaorespiratoria
Pedro Miguel Castro Villavicencio
 
Protecao respiratoria-cosipa
Protecao respiratoria-cosipaProtecao respiratoria-cosipa
Protecao respiratoria-cosipa
Erika Ferreira da Silva
 
Agentes ambientais nr 15
Agentes ambientais nr 15Agentes ambientais nr 15
Agentes ambientais nr 15
rpguedes2003
 
Segurança em Frigoríficos Contra Vazamento de Amônia
Segurança em Frigoríficos  Contra Vazamento de AmôniaSegurança em Frigoríficos  Contra Vazamento de Amônia
Segurança em Frigoríficos Contra Vazamento de Amônia
Fernando Rosalvo
 
Ar comprimido prevenca online.net
Ar comprimido prevenca online.netAr comprimido prevenca online.net
Ar comprimido prevenca online.net
prevencaonline
 

Semelhante a Aerodispersóides fibrogênicos e não fibrogênicos (20)

AGENTES QUIMICOS PPT.ppt
AGENTES QUIMICOS PPT.pptAGENTES QUIMICOS PPT.ppt
AGENTES QUIMICOS PPT.ppt
 
Agentes quimicos
Agentes quimicosAgentes quimicos
Agentes quimicos
 
MANUAL UFCD 3778- AGENTES QUIMICOS.doc
MANUAL UFCD 3778- AGENTES QUIMICOS.docMANUAL UFCD 3778- AGENTES QUIMICOS.doc
MANUAL UFCD 3778- AGENTES QUIMICOS.doc
 
agentes-quim-celio.doc
agentes-quim-celio.docagentes-quim-celio.doc
agentes-quim-celio.doc
 
Agentes químicos
Agentes químicosAgentes químicos
Agentes químicos
 
Treinamento de Proteção Respiratória para Trabalhadores
Treinamento de Proteção Respiratória para TrabalhadoresTreinamento de Proteção Respiratória para Trabalhadores
Treinamento de Proteção Respiratória para Trabalhadores
 
Ar comprimido
Ar comprimidoAr comprimido
Ar comprimido
 
Proteção+respiratória+3 m
Proteção+respiratória+3 mProteção+respiratória+3 m
Proteção+respiratória+3 m
 
Saúde e segurança
Saúde e segurançaSaúde e segurança
Saúde e segurança
 
NR 15 Agentes Químicos-Completo
NR 15 Agentes Químicos-CompletoNR 15 Agentes Químicos-Completo
NR 15 Agentes Químicos-Completo
 
St 03
St 03St 03
St 03
 
Manual para selecao de ep is ed358_e_book
Manual para selecao de ep is ed358_e_bookManual para selecao de ep is ed358_e_book
Manual para selecao de ep is ed358_e_book
 
Controle de Material Particulado nos acessos de mina á céu aberto.
Controle de Material Particulado nos acessos de mina á céu aberto.Controle de Material Particulado nos acessos de mina á céu aberto.
Controle de Material Particulado nos acessos de mina á céu aberto.
 
35 emissoes atmosfericas
35 emissoes atmosfericas35 emissoes atmosfericas
35 emissoes atmosfericas
 
Poluição por gases e vapores
Poluição por gases e vaporesPoluição por gases e vapores
Poluição por gases e vapores
 
Protecaorespiratoria
ProtecaorespiratoriaProtecaorespiratoria
Protecaorespiratoria
 
Protecao respiratoria-cosipa
Protecao respiratoria-cosipaProtecao respiratoria-cosipa
Protecao respiratoria-cosipa
 
Agentes ambientais nr 15
Agentes ambientais nr 15Agentes ambientais nr 15
Agentes ambientais nr 15
 
Segurança em Frigoríficos Contra Vazamento de Amônia
Segurança em Frigoríficos  Contra Vazamento de AmôniaSegurança em Frigoríficos  Contra Vazamento de Amônia
Segurança em Frigoríficos Contra Vazamento de Amônia
 
Ar comprimido prevenca online.net
Ar comprimido prevenca online.netAr comprimido prevenca online.net
Ar comprimido prevenca online.net
 

Último

ALOP-2020 revista de tratamiento odontopediatria.pdf
ALOP-2020 revista de tratamiento odontopediatria.pdfALOP-2020 revista de tratamiento odontopediatria.pdf
ALOP-2020 revista de tratamiento odontopediatria.pdf
DentiKi
 
CORP SSMA PROC 01 Análise preliminar de riscos - APR revisada.docx
CORP SSMA PROC 01 Análise preliminar de riscos - APR revisada.docxCORP SSMA PROC 01 Análise preliminar de riscos - APR revisada.docx
CORP SSMA PROC 01 Análise preliminar de riscos - APR revisada.docx
bentosst
 
Diagnóstico de línga pela Medicina Tradicional Chinesa
Diagnóstico de línga pela Medicina Tradicional ChinesaDiagnóstico de línga pela Medicina Tradicional Chinesa
Diagnóstico de línga pela Medicina Tradicional Chinesa
Misael Rabelo de Martins Custódio
 
anomalias dentárias imaginologia odontologia
anomalias dentárias imaginologia odontologiaanomalias dentárias imaginologia odontologia
anomalias dentárias imaginologia odontologia
SmeladeOliveira1
 
NUTRIÇÃO E DIETETICA APLICADA A ENFERMAGEM grau tecnico.pptx
NUTRIÇÃO E DIETETICA APLICADA A ENFERMAGEM grau tecnico.pptxNUTRIÇÃO E DIETETICA APLICADA A ENFERMAGEM grau tecnico.pptx
NUTRIÇÃO E DIETETICA APLICADA A ENFERMAGEM grau tecnico.pptx
RAILANELIMAGOMES
 
Rejuvenescimento da Pele- Dicas e Tratamentos
Rejuvenescimento da Pele- Dicas e TratamentosRejuvenescimento da Pele- Dicas e Tratamentos
Rejuvenescimento da Pele- Dicas e Tratamentos
Werberth Ladislau Rodrigues da Silveira
 

Último (6)

ALOP-2020 revista de tratamiento odontopediatria.pdf
ALOP-2020 revista de tratamiento odontopediatria.pdfALOP-2020 revista de tratamiento odontopediatria.pdf
ALOP-2020 revista de tratamiento odontopediatria.pdf
 
CORP SSMA PROC 01 Análise preliminar de riscos - APR revisada.docx
CORP SSMA PROC 01 Análise preliminar de riscos - APR revisada.docxCORP SSMA PROC 01 Análise preliminar de riscos - APR revisada.docx
CORP SSMA PROC 01 Análise preliminar de riscos - APR revisada.docx
 
Diagnóstico de línga pela Medicina Tradicional Chinesa
Diagnóstico de línga pela Medicina Tradicional ChinesaDiagnóstico de línga pela Medicina Tradicional Chinesa
Diagnóstico de línga pela Medicina Tradicional Chinesa
 
anomalias dentárias imaginologia odontologia
anomalias dentárias imaginologia odontologiaanomalias dentárias imaginologia odontologia
anomalias dentárias imaginologia odontologia
 
NUTRIÇÃO E DIETETICA APLICADA A ENFERMAGEM grau tecnico.pptx
NUTRIÇÃO E DIETETICA APLICADA A ENFERMAGEM grau tecnico.pptxNUTRIÇÃO E DIETETICA APLICADA A ENFERMAGEM grau tecnico.pptx
NUTRIÇÃO E DIETETICA APLICADA A ENFERMAGEM grau tecnico.pptx
 
Rejuvenescimento da Pele- Dicas e Tratamentos
Rejuvenescimento da Pele- Dicas e TratamentosRejuvenescimento da Pele- Dicas e Tratamentos
Rejuvenescimento da Pele- Dicas e Tratamentos
 

Aerodispersóides fibrogênicos e não fibrogênicos

  • 1. CURSO ONLINE – PROFESSORA: MARA CAMISASSA AERODISPERSÓIDES Olá futuros colegas! Tudo bem? Elaborei este texto com o objetivo de desmitificar estes termos técnicos que às vezes nos assustam! Apesar de os aerodispersóides serem um tema bastante longo procurei fazer um pequeno resumo neste artigo. E para ganharmos tempo, antes que vocês fiquem imaginando porque eu escolhi este tema, já adianto que ele está presente pelo menos em três normas regulamentadoras: NR7, NR9 e NR15!!! Sendo, portanto, um assunto passível de ser cobrado na prova!!! O que são aerodispersóides? Os aerodispersóides são partículas sólidas ou líquidas, suspensas ou dispersas no ar. Como estas partículas possuem tamanhos microscópicos e massa extremamente reduzida, nem mesmo a ação da gravidade é capaz de provocar sua deposição imediata, no solo ou em alguma superfície. Por este motivo, tais partículas ficam suspensas no ar e podem levar horas para se depositar. Dentro do contexto de riscos ambientais, os aerodispersóides são agentes químicos e recebem especial atenção da higiene ocupacional, pois dependendo de sua concentração e tamanho das partículas, eles representam sérios riscos à saúde dos trabalhadores. Veremos ao longo deste artigo porque isso acontece. Classificação dos aerodispersóides quanto à origem Dependendo de sua origem, os aerodispersóides são classificados em: • Névoas • Neblinas • Poeiras • Fumos
  • 2. CURSO ONLINE – PROFESSORA: MARA CAMISASSA A figura a seguir apresenta esta classificação: Observações: - Névoas: Particulados líquidos gerados pela ruptura mecânica de um líquido: imaginem a queda de uma cachoeira; a névoa é formada por partículas líquidas geradas pela ruptura mecânica da água ao sofrer a queda. Em um ambiente de trabalho um exemplo é a névoa de tinta (formação de spray), gerada pela pintura com uso de revolver pneumático ou ainda a névoa formada pela aplicação de agrotóxicos utilizando-se nebulizadores. - Poeira: Particulados sólidos formados pela quebra de um sólido, resultante de operações como escavações, serviços de lixamento, explosões, perfurações, limpeza abrasiva, etc. As poeiras podem ser vegetais ou minerais. - Fumos metálicos: A liberação de um fumo metálico inicia-se quando um metal é aquecido, como por exemplo, nos processos de soldagem. Este aquecimento gera um vapor que, ao entrar em contato com o ar, se condensa e forma o fumo. Os riscos que os fumos metálicos oferecem à saúde dependem do metal que está sendo aquecido (ou soldado) e da composição do eletrodo utilizado na solda. A maioria dos metais (e respectivos compostos) utilizados nas indústrias está associada a riscos.
  • 3. CURSO ONLINE – PROFESSORA: MARA CAMISASSA Dentre os metais de maior risco, destacam-se o chumbo, cromo, manganês e seus compostos, sendo que o fumo metálico gerado pelo aquecimento do chumbo é um dos que apresenta maior toxicidade, sendo responsável por uma doença ocupacional conhecida como saturnismo ou plumbismo. - Neblina: É a suspensão de partículas líquidas no ar por condensação do vapor de um líquido volátil ou que tenha sido aquecido em processo industrial. Nas indústrias, a ocorrência da neblina de um agente químico é rara. Tamanho das partículas Sabemos que uma das defesas naturais do nosso sistema respiratório é formada pelos cílios das narinas e pela mucosa da garganta (existem também outros mecanismos de imunidade que fogem do escopo deste texto). Entretanto, estas defesas naturais não são tão eficientes quando se trata de aerodispersóides cujas partículas são microscópicas. O tamanho das partículas dos aerodispersóides varia de acordo com a substância: - Poeiras: entre 0,5µm a 200µm (mícrons ou micrometros) - Fumos metálicos: entre 0,001 µm a 0,5 µm (mícrons ou micrometros) Para vocês terem uma ideia, 1 µm = 0,000001m O tamanho das partículas é importante porque determina o quanto o sistema respiratório é afetado. Quanto menor a partícula, mais perigo ela representa. O local de deposição no organismo da poeira inalada vai depender do tamanho das partículas da poeira. Dependendo do tamanho, as partículas de poeira podem ficar retidas na garganta, na traqueia ou podem chegar até os pulmões.
  • 4. CURSO ONLINE – PROFESSORA: MARA CAMISASSA Já os fumos metálicos, devido ao tamanho microscópico de suas partículas, conseguem penetrar profundamente nos pulmões, podendo até mesmo atingir a corrente sanguínea. Aerodispersóides Fibrogênicos e Não Fibrogênicos São considerados aerodispersóides fibrogênicos aqueles que causam fibrose pulmonar. Então, por exclusão, os aerodispersóides não fibrogênicos são aqueles que não causam fibrose pulmonar. E o que é a fibrose pulmonar? A fibrose pulmonar é uma pneumoconiose, ou seja, uma doença pulmonar ocupacional causada pela inalação de algumas poeiras vegetais ou minerais. Uma das principais características dos nossos pulmões, e que nos permite respirar, é a elasticidade. A fibrose pulmonar provoca a perda da elasticidade do tecido pulmonar, devido à inalação continuada, ao longo de muitos anos, de poeira. Mas como isso acontece? Quando partículas microscópicas de algumas poeiras conseguem chegar até nosso pulmão, elas se depositam no tecido pulmonar e provocam processos inflamatórios. Nos locais onde houve o processo inflamatório, aparecerão cicatrizes e o tecido pulmonar perderá a elasticidade, fazendo com que o trabalhador, ao longo dos anos e da exposição continuada, perca a capacidade respiratória (pois os pulmões ficam cada vez “menos” elásticos, suas paredes ficam endurecidas). Este é o quadro de fibrose pulmonar. A fibrose pulmonar é gerada principalmente pela inalação de poeira de sílica (neste caso chamada de silicose), carvão mineral e asbesto (neste caso chamada de asbestose). É uma doença irreversível e incurável. Sua evolução é progressiva, provocando a incapacidade para o trabalho.
  • 5. CURSO ONLINE – PROFESSORA: MARA CAMISASSA Apesar de os aerodispersóides não fibrogênicos não causarem fibrose pulmonar, eles causam diversas outras pneumoconioses, como por exemplo, bissinose (inalação da poeira do algodão) ou ainda bagaçose (inalação do pó do bagaço da cana de açúcar – bagaço seco). Aerodispersóides nas NRs NR7 – PCMSO – Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional A NR7 determina que os trabalhadores expostos a aerodispersóides fibrogênicos e não fibrogênicos devem ser submetidos aos seguintes exames complementares e na seguinte periodicidade: NR9 – PPRA – Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Apesar de a palavra “aerodispersóides” não aparecer na NR9, estes agentes estão presentes na definição de agentes químicos constantes no item 9.1.5.2: “Consideram-se agentes químicos as substâncias, compostos ou produtos que possam penetrar no organismo pela via respiratória, nas formas de poeiras, fumos, névoas, neblinas, gases ou vapores, ou que, pela natureza da atividade de exposição, possam ter contato ou ser absorvidos pelo organismo através da pele ou por ingestão.”
  • 6. CURSO ONLINE – PROFESSORA: MARA CAMISASSA NR15 – Operações e atividades insalubres A NR15 dispõe sobre os limites de tolerância de diversos aerodispersóides, como poeiras minerais, entre elas o asbesto, manganês e sílica livre cristalizada. Entretanto, a NR15 não determina os limites de tolerância de poeiras vegetais, como por exemplo, poeira do algodão, poeira do milho, poeira da madeira. Nestes casos, conforme determina o item 9.3.5.1 letra c da NR9, as avaliações de exposição ao risco devem considerar os valores constantes nas normas da ACGIH - American Conference of Governmental Industrial Higyenists ou aqueles que venham a ser estabelecidos em negociação coletiva de trabalho, desde que mais rigorosos do que os critérios técnico-legais estabelecidos. É isso aí, pessoal! Espero que vocês tenham gostado deste assunto! Abraços a todos e até o próximo artigo! Mara Dúvidas, críticas, sugestões: mara@pontodosconcursos.com.br !!