SlideShare uma empresa Scribd logo
Lei das CiCLovias:
  o trânsito e o ar de
 são PauLo agradeCem
editoriaL
uma Cidade digna Para se viver

São Paulo é, com certeza, a cidade brasileira que mais apresenta desafios a
quem vive e trabalha nela. Para quem foi eleito para trabalhar por ela também.
Estou no meu segundo mandato como vereador e, desde que ingressei na vida
política, tenho batalhado para que o Município possa propiciar qualidade de
vida a todos os seus habitantes.

Os desafios têm sido enormes, porque a maior metrópole do Brasil cresceu
de forma desordenada. Por isso, na Câmara Municipal, minha atuação é
voltada à formulação de leis que transformem a cidade num lugar melhor
para se viver. É o caso do projeto que institui o Código Ambiental, das leis
que regulamentam as ciclovias, os heliportos e helipontos, a destinação dos
resíduos da construção civil, entre outros.

Meu compromisso é o de trabalhar para que São Paulo seja mais humana,
mais cidadã e mais digna para todos que aqui moram.


                                                              Um abraço,
                                                           Chico Macena
no trânsito, a biCiCLeta é a
aLternativa diária Para 160 miL
São Paulo tem um trânsito caótico e um sistema
de transporte coletivo ineficaz, que faz com
que boa parte da população use carros como
alternativa de locomoção.

Dados do Detran mostram que, em janeiro, a
frota de veículos na cidade era de 7 milhões
de carros, ônibus, caminhões, camionetes e
motos. Só os carros são 5,1 milhões, o que tem
contribuído para um trânsito cada vez pior.

No meio deste caos, pesquisas mostram que
um terço dos deslocamentos diários na cidade
é feito a pé ou de bicicleta. Apontam ainda
que há 300 mil ciclistas em São Paulo e que
diariamente 160 mil usam bicicletas para ir ao
trabalho e à escola.
Lei das CiCLovias
segurança aos CiCListas, trânsito e
quaLidade de vida meLhores
O uso de bicicletas é uma boa alternativa para escapar dos
engarrafamentos e contribuir com o meio ambiente em São
Paulo. Mas a metrópole, até quatro anos atrás, não tinha
nenhum planejamento público para atender os usuários, com
pistas para os ciclistas fazerem seu trajeto com tranquilidade
e sem colocar em risco sua vida.

Em 2007, foi sancionada a lei, de autoria do vereador
Chico Macena, criando a política de ciclovias da cidade e
estabelecendo o sistema cicloviário, para incentivar o uso
da bicicleta como meio de transporte, contribuindo com a
mobilidade sustentável.

De acordo com a lei, o sistema é composto por ciclovias,
ciclofaixas, faixas compartilhadas e rotas operacionais de
ciclismo, com infraestrutura e planejamento adequados.
Além disso, prevê a articulação com o sistema público de
transporte, inclusive com acesso a vagões especiais de trens
e metrô e espaços apropriados nos terminais para a guarda
de bicicletas.

Estabelece ainda que na construção de novos parques e
praças com área superior a 4 mil metros quadrados deve
ser previsto o tratamento cicloviário no acesso e em seu
entorno, assim como paraciclos (estrutura para acorrentar
bicicletas) em seu interior.
O que o sistema garante

•   Ciclovias: pista própria para a circulação de bicicletas, separada
    do tráfego.

•	 Ciclofaixa: faixa exclusiva destinada à circulação de bicicletas,
   delimitada por sinalização específica, utilizando parte da pista ou
   da calçada.

•	 Faixa compartilhada: utilização de parte da via pública,
   desde que devidamente sinalizada, permitindo a circulação
   compartilhada de bicicletas com o trânsito de veículos ou
   pedestres.

•	 Integração com transporte público: com locais para bicicletário
   nos terminais e acesso aos vagões de trens e metrô
Lei nº 14.266, de 6 de Fevereiro de 2007
         (Projeto de Lei nº 599/05, do Vereador Chico Macena - PT)

Dispõe sobre a criação do Sistema Cicloviário no Município de São Paulo e
dá outras providências.

GILBERTO KASSAB, Prefeito do Município de São Paulo, no uso das
atribuições que lhe são conferidas por lei, faz saber que a Câmara Municipal,
em sessão de 26 de dezembro de 2006, decretou e eu promulgo a seguinte lei:

Art. 1º Fica criado o Sistema Cicloviário do Município de São Paulo, como
incentivo ao uso de bicicletas para o transporte na cidade de São Paulo,
contribuindo para o desenvolvimento da mobilidade sustentável.

Parágrafo único. O transporte por bicicletas deve ser incentivado em áreas
apropriadas e abordado como modo de transporte para as atividades do
cotidiano, devendo ser considerado modal efetivo na mobilidade da população.

Art. 2º O Sistema Cicloviário do Município de São Paulo será formado por:

I - rede viária para o transporte por bicicletas, formada por ciclovias,
ciclofaixas, faixas compartilhadas e rotas operacionais de ciclismo;

II - locais específicos para estacionamento: bicicletários e paraciclos.

Art. 3º O Sistema Cicloviário do Município de São Paulo deverá:

I - articular o transporte por bicicleta com o Sistema Integrado de Transporte de
Passageiros - SITP, viabilizando os deslocamentos com segurança, eficiência
e conforto para o ciclista;

II - implementar infra-estrutura para o trânsito de bicicletas e introduzir
critérios de planejamento para implantação de ciclovias ou ciclofaixas nos
trechos de rodovias em zonas urbanizadas, nas vias públicas, nos terrenos
marginais às linhas férreas, nas margens de cursos d’água, nos parques e em
outros espaços naturais;
III - implantar trajetos cicloviários onde os desejos de viagem sejam
expressivos para a demanda que se pretende atender;

IV - agregar aos terminais de transporte coletivo urbano infra-estrutura
apropriada para a guarda de bicicletas;

V - estabelecer negociações com o Estado de São Paulo com o objetivo
de permitir o acesso e transporte, em vagão especial no metrô e em trens
metropolitanos, de ciclistas com suas bicicletas;

VI - promover atividades educativas visando à formação de comportamento
seguro e responsável no uso da bicicleta e sobretudo no uso do espaço
compartilhado;

VII - promover o lazer ciclístico e a conscientização ecológica.

Art. 4º Caberá ao Executivo, por meio dos órgãos competentes, consolidar o
programa de implantação do Sistema Cicloviário do Município de São Paulo,
considerando as propostas contidas nos Planos Regionais Estratégicos.

Art. 5º A ciclovia será constituída de pista própria para a circulação de
bicicletas, separada fisicamente do tráfego geral e atendendo o seguinte:

I - ser totalmente segregada da pista de rolamento do tráfego geral, calçada,
acostamento, ilha ou canteiro central;

II - poderão ser implantadas na lateral da faixa de domínio das vias públicas,
no canteiro central, em terrenos marginais às linhas férreas, nas margens de
cursos d’água, nos parques e em outros locais de interesse;

III - ter traçado e dimensões adequados para segurança do tráfego de bicicletas
e possuindo sinalização de trânsito específica.

Art. 6º A ciclofaixa consistirá numa faixa exclusiva destinada à circulação de
bicicletas, delimitada por sinalização específica, utilizando parte da pista ou
da calçada.
Parágrafo único. A ciclofaixa poderá ser adotada quando não houver
disponibilidade de espaço físico ou de recursos financeiros para a construção
de uma ciclovia, desde que as condições físico-operacionais do tráfego
motorizado sejam compatíveis com a circulação de bicicletas.

Art. 7º A faixa compartilhada poderá utilizar parte da via pública, desde que
devidamente sinalizada, permitindo a circulação compartilhada de bicicletas
com o trânsito de veículos motorizados ou pedestres, conforme previsto no
Código de Trânsito Brasileiro.

§ 1º A faixa compartilhada deve ser utilizada somente em casos especiais
para dar continuidade ao sistema cicloviário ou em parques, quando não for
possível a construção de ciclovia ou ciclofaixa.

§ 2º A faixa compartilhada poderá ser instalada na calçada, desde que
autorizado e devidamente sinalizado pelo Órgão Executivo Municipal de
Trânsito nos casos em que não comprometer a mobilidade segura e confortável
do pedestre.

Art. 8º Os terminais e estações de transferência do SITP, os edifícios públicos,
as indústrias, escolas, centros de compras, condomínios, parques e outros
locais de grande afluxo de pessoas deverão possuir locais para estacionamento
de bicicletas, bicicletários e paraciclos como parte da infra-estrutura de apoio
a esse modal de transporte.

§ 1º O bicicletário é o local destinado para estacionamento de longa duração
de bicicletas e poderá ser público ou privado.

§ 2º O paraciclo é o local destinado ao estacionamento de bicicletas de curta e
média duração em espaço público, equipado com dispositivos para acomodá-
las.

Art. 9º A elaboração de projetos e construção de praças e parques, incluindo os
parques lineares, com área superior a 4.000 m² (quatro mil metros quadrados),
deve contemplar o tratamento cicloviário nos acessos e no entorno próximo,
assim como paraciclos no seu interior.
Art. 10. O Executivo deverá estimular a implantação de locais reservados
para bicicletários, em um raio de 100 (cem) metros dos terminais e estações
de metrô, trens metropolitanos e corredores de ônibus metropolitanos, dando
prioridade às estações localizadas nos cruzamentos com vias estruturais.

Parágrafo único. A segurança do ciclista e do pedestre é condicionante na
escolha do local e mesmo para a implantação de bicicletários.

Art. 11. As novas vias públicas, incluindo pontes, viadutos e túneis,
devem prever espaços destinados ao acesso e circulação de bicicletas, em
conformidade com os estudos de viabilidade.

Art. 12. O Executivo poderá implantar ou incentivar a implantação de
ciclovias ou ciclofaixas nos terrenos marginais às linhas férreas em trechos
urbanos, de interesse turístico, nos acessos às zonas industriais, comerciais e
institucionais, quando houver demanda existente e viabilidade técnica.

Parágrafo único. Os projetos dos parques lineares previstos no Plano Diretor
Estratégico e nos Planos Regionais Estratégicos deverão contemplar ciclovias
internas e, quando possível, de acesso aos parques, em conformidade com
estudos de viabilidade aprovados.

Art. 13. A implantação e operação dos bicicletários, em imóveis públicos ou
privados, deverá ter controle de acesso, a ser aprovado pelo Órgão Executivo
Municipal de Trânsito.

Art. 14. Nas ciclovias, ciclofaixas e locais de trânsito compartilhado poderá ser
permitido, de acordo com regulamentação pelo Órgão Executivo Municipal
de Trânsito, além da circulação de bicicletas:

I - circular com veículos em atendimento a situações de emergência, conforme
previsto no Código de Trânsito Brasileiro e respeitando-se a segurança dos
usuários do sistema cicloviário;

II - utilizar patins, patinetes e skates, nas pistas onde sua presença não seja
expressamente proibida;
III - circular com o uso de bicicletas, patinetes ou similares elétricos, desde
que desempenhem velocidades compatíveis com a segurança do ciclista ou
do pedestre onde exista trânsito partilhado.

Art. 15. O Executivo deve manter ações educativas permanentes com o
objetivo de promover padrões de comportamento seguros e responsáveis dos
ciclistas, assim como deverá promover campanhas educativas, tendo como
público-alvo os pedestres e os condutores de veículos, motorizados ou não,
visando divulgar o uso adequado de espaços compartilhados.

Art. 16. Os eventos ciclísticos, utilizando via pública, somente podem
ser realizados em rotas, dias e horários autorizados pelo Órgão Executivo
Municipal de Trânsito, a partir de solicitação expressa formulada pelos
organizadores do evento.

Art. 17. As despesas decorrentes da execução desta lei correrão por conta de
dotações orçamentárias próprias, suplementadas se necessário.

Art. 18. Esta lei entrará em vigor na data de sua publicação, revogadas as
disposições em contrário.

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO, aos 6 de fevereiro de
2007, 454º da fundação de São Paulo.

                                           GILBERTO KASSAB, PREFEITO

       Publicada na Secretaria do Governo Municipal, em 6 de fevereiro de 2007.
        CLOVIS DE BARROS CARVALHO, Secretário do Governo Municipal
biograFia
Formado em administração de empresas, Chico Macena ocupa o seu
segundo mandato como vereador de São Paulo. Começou a sua carreira
política como administrador regional da Vila Prudente, em 1989, na
gestão da prefeita Luíza Erundina. Depois, ocupou vários cargos no
Partido dos Trabalhadores e prestou assessoria à ex-vereadora Aldaíza
Sposati e ao senador Aloizio Mercadante. Foi presidente da Companhia
de Engenharia de Tráfego, na gestão da prefeita Marta Suplicy.

Já em sua primeira legislatura, foi eleito presidente da Comissão de
Política Urbana na Câmara Municipal, da qual é membro até hoje.
Macena participou das frentes parlamentares pela Zona Leste e pela
Cultura e, no final de 2009, propôs a criação da Frente Parlamentar em
Defesa das Pessoas em Situação de Rua.

Integrou a Corregedoria da Câmara Municipal e foi relator da
Comissão de Estudos sobre Aeroportos, Comissão sobre a Poluição
das Águas e da Zona Sul e membro da CPI que investigou o descaso
da Prefeitura com os Centros Desportivos Municipais e dos Bancos.
Também fez parte da Comissão de Estudos sobre os Impactos
Ambientais provocados pela implementação de condomínios
residenciais horizontais no entorno da Serra da Cantareira.
rais
    Dicas cultuadas sobre
             liz
               atua
 informações                 baixo
               atuítas ou de
 atividades gr
                 te cem na cidade
 custo que acon




exPediente
Publicação do mandato do vereador Chico Macena


                                                        QR CODE DO MANDATO

Câmara Municipal                                 Escritório Político
Viaduto Jacareí, 100 – 4 º andar – sala 418      Avenida do Oratório, 1.883 – Parque São Lucas
CEP 01319-900 – São Paulo – SP                   CEP: 03221-000 – São Paulo – SP
Tel.: (11) 3396-4236                             Tel.: (11) 2154-1869
E-mail: chicomacena@camara.sp.gov.br             E-mail: escritoriopolitico@chicomacena.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Rodas da Paz - Carta das 10 iniciativas
Rodas da Paz - Carta das 10 iniciativasRodas da Paz - Carta das 10 iniciativas
Rodas da Paz - Carta das 10 iniciativas
Andre Lima DF
 
A bicicleta na contribuição da Mobilidade Sustentável
 A bicicleta na contribuição da Mobilidade Sustentável A bicicleta na contribuição da Mobilidade Sustentável
A bicicleta na contribuição da Mobilidade Sustentável
Felipe Regues
 
Prot. 118 17 pl autoriza implantar o sistema de compartilhamento de alugue...
Prot. 118 17   pl  autoriza implantar o sistema de compartilhamento de alugue...Prot. 118 17   pl  autoriza implantar o sistema de compartilhamento de alugue...
Prot. 118 17 pl autoriza implantar o sistema de compartilhamento de alugue...
Claudio Figueiredo
 
A bicicleta e a Prefeitura de Aracaju: Ações e Planos Futuros.
A bicicleta e a Prefeitura de Aracaju: Ações e Planos Futuros. A bicicleta e a Prefeitura de Aracaju: Ações e Planos Futuros.
A bicicleta e a Prefeitura de Aracaju: Ações e Planos Futuros.
ongciclourbano
 
Plano de Ciclovias da CET - Jardim Helena a Guaianases
Plano de Ciclovias da CET - Jardim Helena a GuaianasesPlano de Ciclovias da CET - Jardim Helena a Guaianases
Plano de Ciclovias da CET - Jardim Helena a Guaianases
Chico Macena
 
Oficina #2 Bike Anjo - Apresentação TC Urbes - Você sabe o que é um plano cic...
Oficina #2 Bike Anjo - Apresentação TC Urbes - Você sabe o que é um plano cic...Oficina #2 Bike Anjo - Apresentação TC Urbes - Você sabe o que é um plano cic...
Oficina #2 Bike Anjo - Apresentação TC Urbes - Você sabe o que é um plano cic...
JP Amaral
 
Capítulo 14 - Mobilidade não motorizada e o trânsito urbano
Capítulo 14 -  Mobilidade não motorizada e o trânsito urbanoCapítulo 14 -  Mobilidade não motorizada e o trânsito urbano
Capítulo 14 - Mobilidade não motorizada e o trânsito urbano
Brasil Não Motorizado
 
Apresentação Rota Marcia Prado
Apresentação Rota Marcia PradoApresentação Rota Marcia Prado
Apresentação Rota Marcia Prado
Chico Macena
 
Capítulo 08- O que falta para fortaleza avançar na mobilidade por bicicleta
Capítulo 08- O que falta para fortaleza avançar na mobilidade por bicicletaCapítulo 08- O que falta para fortaleza avançar na mobilidade por bicicleta
Capítulo 08- O que falta para fortaleza avançar na mobilidade por bicicleta
Brasil Não Motorizado
 
Jornal Olho Verde
Jornal Olho VerdeJornal Olho Verde
Jornal Olho Verde
Chico Macena
 
Sobre mobilidade em Fortaleza
Sobre mobilidade em FortalezaSobre mobilidade em Fortaleza
Sobre mobilidade em Fortaleza
João Alfredo Telles Melo
 
A bicicleta e a mobilidade urbana
A bicicleta e a mobilidade urbanaA bicicleta e a mobilidade urbana
A bicicleta e a mobilidade urbana
Chico Macena
 
Trabalho de Geografia Mobilidade Urbana.
Trabalho de Geografia  Mobilidade Urbana.Trabalho de Geografia  Mobilidade Urbana.
Trabalho de Geografia Mobilidade Urbana.
Gilberto Pires
 
Capítulo 05- Fatores de sucesso no planejamento cicloviário da holanda–lições...
Capítulo 05- Fatores de sucesso no planejamento cicloviário da holanda–lições...Capítulo 05- Fatores de sucesso no planejamento cicloviário da holanda–lições...
Capítulo 05- Fatores de sucesso no planejamento cicloviário da holanda–lições...
Brasil Não Motorizado
 
Amsterdã exemplo de cidade planejada.docx
Amsterdã exemplo de cidade planejada.docxAmsterdã exemplo de cidade planejada.docx
Amsterdã exemplo de cidade planejada.docx
Fernando Alcoforado
 
Plano Cicloviário de Natal atualizado
Plano Cicloviário de Natal atualizadoPlano Cicloviário de Natal atualizado
Plano Cicloviário de Natal atualizado
Prefeitura do Natal
 
Plano cicloviário de Natal
Plano cicloviário de NatalPlano cicloviário de Natal
Plano cicloviário de Natal
Prefeitura do Natal
 
Capítulo 04 vias exclusivas para pedestres e os calçadões curitibanos
Capítulo 04 vias exclusivas para pedestres e os calçadões curitibanosCapítulo 04 vias exclusivas para pedestres e os calçadões curitibanos
Capítulo 04 vias exclusivas para pedestres e os calçadões curitibanos
Brasil Não Motorizado
 
Pmit 04-08-2013
Pmit 04-08-2013Pmit 04-08-2013
Pmit 04-08-2013
Prefeitura do Natal
 
Apesar de tudo, mais bikes nas ruas
Apesar de tudo, mais bikes nas ruasApesar de tudo, mais bikes nas ruas
Apesar de tudo, mais bikes nas ruas
Rafael Dantas
 

Mais procurados (20)

Rodas da Paz - Carta das 10 iniciativas
Rodas da Paz - Carta das 10 iniciativasRodas da Paz - Carta das 10 iniciativas
Rodas da Paz - Carta das 10 iniciativas
 
A bicicleta na contribuição da Mobilidade Sustentável
 A bicicleta na contribuição da Mobilidade Sustentável A bicicleta na contribuição da Mobilidade Sustentável
A bicicleta na contribuição da Mobilidade Sustentável
 
Prot. 118 17 pl autoriza implantar o sistema de compartilhamento de alugue...
Prot. 118 17   pl  autoriza implantar o sistema de compartilhamento de alugue...Prot. 118 17   pl  autoriza implantar o sistema de compartilhamento de alugue...
Prot. 118 17 pl autoriza implantar o sistema de compartilhamento de alugue...
 
A bicicleta e a Prefeitura de Aracaju: Ações e Planos Futuros.
A bicicleta e a Prefeitura de Aracaju: Ações e Planos Futuros. A bicicleta e a Prefeitura de Aracaju: Ações e Planos Futuros.
A bicicleta e a Prefeitura de Aracaju: Ações e Planos Futuros.
 
Plano de Ciclovias da CET - Jardim Helena a Guaianases
Plano de Ciclovias da CET - Jardim Helena a GuaianasesPlano de Ciclovias da CET - Jardim Helena a Guaianases
Plano de Ciclovias da CET - Jardim Helena a Guaianases
 
Oficina #2 Bike Anjo - Apresentação TC Urbes - Você sabe o que é um plano cic...
Oficina #2 Bike Anjo - Apresentação TC Urbes - Você sabe o que é um plano cic...Oficina #2 Bike Anjo - Apresentação TC Urbes - Você sabe o que é um plano cic...
Oficina #2 Bike Anjo - Apresentação TC Urbes - Você sabe o que é um plano cic...
 
Capítulo 14 - Mobilidade não motorizada e o trânsito urbano
Capítulo 14 -  Mobilidade não motorizada e o trânsito urbanoCapítulo 14 -  Mobilidade não motorizada e o trânsito urbano
Capítulo 14 - Mobilidade não motorizada e o trânsito urbano
 
Apresentação Rota Marcia Prado
Apresentação Rota Marcia PradoApresentação Rota Marcia Prado
Apresentação Rota Marcia Prado
 
Capítulo 08- O que falta para fortaleza avançar na mobilidade por bicicleta
Capítulo 08- O que falta para fortaleza avançar na mobilidade por bicicletaCapítulo 08- O que falta para fortaleza avançar na mobilidade por bicicleta
Capítulo 08- O que falta para fortaleza avançar na mobilidade por bicicleta
 
Jornal Olho Verde
Jornal Olho VerdeJornal Olho Verde
Jornal Olho Verde
 
Sobre mobilidade em Fortaleza
Sobre mobilidade em FortalezaSobre mobilidade em Fortaleza
Sobre mobilidade em Fortaleza
 
A bicicleta e a mobilidade urbana
A bicicleta e a mobilidade urbanaA bicicleta e a mobilidade urbana
A bicicleta e a mobilidade urbana
 
Trabalho de Geografia Mobilidade Urbana.
Trabalho de Geografia  Mobilidade Urbana.Trabalho de Geografia  Mobilidade Urbana.
Trabalho de Geografia Mobilidade Urbana.
 
Capítulo 05- Fatores de sucesso no planejamento cicloviário da holanda–lições...
Capítulo 05- Fatores de sucesso no planejamento cicloviário da holanda–lições...Capítulo 05- Fatores de sucesso no planejamento cicloviário da holanda–lições...
Capítulo 05- Fatores de sucesso no planejamento cicloviário da holanda–lições...
 
Amsterdã exemplo de cidade planejada.docx
Amsterdã exemplo de cidade planejada.docxAmsterdã exemplo de cidade planejada.docx
Amsterdã exemplo de cidade planejada.docx
 
Plano Cicloviário de Natal atualizado
Plano Cicloviário de Natal atualizadoPlano Cicloviário de Natal atualizado
Plano Cicloviário de Natal atualizado
 
Plano cicloviário de Natal
Plano cicloviário de NatalPlano cicloviário de Natal
Plano cicloviário de Natal
 
Capítulo 04 vias exclusivas para pedestres e os calçadões curitibanos
Capítulo 04 vias exclusivas para pedestres e os calçadões curitibanosCapítulo 04 vias exclusivas para pedestres e os calçadões curitibanos
Capítulo 04 vias exclusivas para pedestres e os calçadões curitibanos
 
Pmit 04-08-2013
Pmit 04-08-2013Pmit 04-08-2013
Pmit 04-08-2013
 
Apesar de tudo, mais bikes nas ruas
Apesar de tudo, mais bikes nas ruasApesar de tudo, mais bikes nas ruas
Apesar de tudo, mais bikes nas ruas
 

Semelhante a Cartilha da Lei 14.266 que cria o Sistema Cicloviário de São Paulo

Ciclistas de SJC
Ciclistas de SJCCiclistas de SJC
Ciclistas de SJC
Eric Sousa
 
Ciclo
CicloCiclo
Sou Mais SP de Bicicleta Diretrizes de Fernando Haddad para bicicleta
Sou Mais SP de Bicicleta   Diretrizes de Fernando Haddad para bicicletaSou Mais SP de Bicicleta   Diretrizes de Fernando Haddad para bicicleta
Sou Mais SP de Bicicleta Diretrizes de Fernando Haddad para bicicleta
Chico Macena
 
Apresentacao (1)
Apresentacao (1)Apresentacao (1)
Apresentacao (1)
ozielinstrutor
 
420 06 sistema-viario_urbano
420 06 sistema-viario_urbano420 06 sistema-viario_urbano
420 06 sistema-viario_urbano
Karla Denise Fernandes
 
Deputada Marina apóia Manifesto pela Melhoria da Mobilidade 2012
Deputada Marina apóia Manifesto pela Melhoria da Mobilidade 2012Deputada Marina apóia Manifesto pela Melhoria da Mobilidade 2012
Deputada Marina apóia Manifesto pela Melhoria da Mobilidade 2012
deputadamarina
 
Mobilidade urbana pdf
 Mobilidade urbana pdf Mobilidade urbana pdf
Mobilidade urbana pdf
Alfredo Moreira
 
Apresentação_Observatório
Apresentação_ObservatórioApresentação_Observatório
Apresentação_Observatório
Roberta Soares
 
Ciclistas estão por toda parte em belém
Ciclistas estão por toda parte em belémCiclistas estão por toda parte em belém
Ciclistas estão por toda parte em belém
CleideeAndrey Pais Do Eros
 
Plano de Ciclovias da CET - Grajau - PArque Cocaia - Rota Marcia Prado
Plano de Ciclovias da CET - Grajau - PArque Cocaia - Rota Marcia PradoPlano de Ciclovias da CET - Grajau - PArque Cocaia - Rota Marcia Prado
Plano de Ciclovias da CET - Grajau - PArque Cocaia - Rota Marcia Prado
Chico Macena
 
PUR - A2
PUR - A2PUR - A2
Cartilha do ciclista - ministério das Cidades
Cartilha do ciclista - ministério das CidadesCartilha do ciclista - ministério das Cidades
Cartilha do ciclista - ministério das Cidades
Daniella Maria Boh dos Santos
 
BICICLETA_UMA VIA REA1L[1]
BICICLETA_UMA VIA REA1L[1]BICICLETA_UMA VIA REA1L[1]
BICICLETA_UMA VIA REA1L[1]
loyx
 
Lei_1888_Mobilidade_Urbana_Digitado_e_revisado.doc
Lei_1888_Mobilidade_Urbana_Digitado_e_revisado.docLei_1888_Mobilidade_Urbana_Digitado_e_revisado.doc
Lei_1888_Mobilidade_Urbana_Digitado_e_revisado.doc
RaimundoRenatoRabelo
 
Ágora Rio - Caderno com propostas para mobilidade urbana
Ágora Rio - Caderno com propostas para mobilidade urbanaÁgora Rio - Caderno com propostas para mobilidade urbana
Ágora Rio - Caderno com propostas para mobilidade urbana
Colaborativismo
 
Capítulo 7 - Os desafios para fazer de curitiba uma cidade ciclável
Capítulo 7 - Os desafios para fazer de curitiba uma cidade ciclávelCapítulo 7 - Os desafios para fazer de curitiba uma cidade ciclável
Capítulo 7 - Os desafios para fazer de curitiba uma cidade ciclável
Brasil Não Motorizado
 
Reunião 10-10-13
Reunião 10-10-13 Reunião 10-10-13
Reunião 10-10-13
Gianlucca Hernandez
 
Eixo mobilidade urbana_pcs
Eixo mobilidade urbana_pcsEixo mobilidade urbana_pcs
Eixo mobilidade urbana_pcs
matheus gabriel barbosa
 
Ciclofaixa Operacional entre Parques
Ciclofaixa Operacional entre ParquesCiclofaixa Operacional entre Parques
Ciclofaixa Operacional entre Parques
trans_smt
 
Projeto Pedala Jundiaí - Incentivo ao uso da bike como meio de transporte
Projeto Pedala Jundiaí - Incentivo ao uso da bike como meio de transporteProjeto Pedala Jundiaí - Incentivo ao uso da bike como meio de transporte
Projeto Pedala Jundiaí - Incentivo ao uso da bike como meio de transporte
Gianlucca Hernandez
 

Semelhante a Cartilha da Lei 14.266 que cria o Sistema Cicloviário de São Paulo (20)

Ciclistas de SJC
Ciclistas de SJCCiclistas de SJC
Ciclistas de SJC
 
Ciclo
CicloCiclo
Ciclo
 
Sou Mais SP de Bicicleta Diretrizes de Fernando Haddad para bicicleta
Sou Mais SP de Bicicleta   Diretrizes de Fernando Haddad para bicicletaSou Mais SP de Bicicleta   Diretrizes de Fernando Haddad para bicicleta
Sou Mais SP de Bicicleta Diretrizes de Fernando Haddad para bicicleta
 
Apresentacao (1)
Apresentacao (1)Apresentacao (1)
Apresentacao (1)
 
420 06 sistema-viario_urbano
420 06 sistema-viario_urbano420 06 sistema-viario_urbano
420 06 sistema-viario_urbano
 
Deputada Marina apóia Manifesto pela Melhoria da Mobilidade 2012
Deputada Marina apóia Manifesto pela Melhoria da Mobilidade 2012Deputada Marina apóia Manifesto pela Melhoria da Mobilidade 2012
Deputada Marina apóia Manifesto pela Melhoria da Mobilidade 2012
 
Mobilidade urbana pdf
 Mobilidade urbana pdf Mobilidade urbana pdf
Mobilidade urbana pdf
 
Apresentação_Observatório
Apresentação_ObservatórioApresentação_Observatório
Apresentação_Observatório
 
Ciclistas estão por toda parte em belém
Ciclistas estão por toda parte em belémCiclistas estão por toda parte em belém
Ciclistas estão por toda parte em belém
 
Plano de Ciclovias da CET - Grajau - PArque Cocaia - Rota Marcia Prado
Plano de Ciclovias da CET - Grajau - PArque Cocaia - Rota Marcia PradoPlano de Ciclovias da CET - Grajau - PArque Cocaia - Rota Marcia Prado
Plano de Ciclovias da CET - Grajau - PArque Cocaia - Rota Marcia Prado
 
PUR - A2
PUR - A2PUR - A2
PUR - A2
 
Cartilha do ciclista - ministério das Cidades
Cartilha do ciclista - ministério das CidadesCartilha do ciclista - ministério das Cidades
Cartilha do ciclista - ministério das Cidades
 
BICICLETA_UMA VIA REA1L[1]
BICICLETA_UMA VIA REA1L[1]BICICLETA_UMA VIA REA1L[1]
BICICLETA_UMA VIA REA1L[1]
 
Lei_1888_Mobilidade_Urbana_Digitado_e_revisado.doc
Lei_1888_Mobilidade_Urbana_Digitado_e_revisado.docLei_1888_Mobilidade_Urbana_Digitado_e_revisado.doc
Lei_1888_Mobilidade_Urbana_Digitado_e_revisado.doc
 
Ágora Rio - Caderno com propostas para mobilidade urbana
Ágora Rio - Caderno com propostas para mobilidade urbanaÁgora Rio - Caderno com propostas para mobilidade urbana
Ágora Rio - Caderno com propostas para mobilidade urbana
 
Capítulo 7 - Os desafios para fazer de curitiba uma cidade ciclável
Capítulo 7 - Os desafios para fazer de curitiba uma cidade ciclávelCapítulo 7 - Os desafios para fazer de curitiba uma cidade ciclável
Capítulo 7 - Os desafios para fazer de curitiba uma cidade ciclável
 
Reunião 10-10-13
Reunião 10-10-13 Reunião 10-10-13
Reunião 10-10-13
 
Eixo mobilidade urbana_pcs
Eixo mobilidade urbana_pcsEixo mobilidade urbana_pcs
Eixo mobilidade urbana_pcs
 
Ciclofaixa Operacional entre Parques
Ciclofaixa Operacional entre ParquesCiclofaixa Operacional entre Parques
Ciclofaixa Operacional entre Parques
 
Projeto Pedala Jundiaí - Incentivo ao uso da bike como meio de transporte
Projeto Pedala Jundiaí - Incentivo ao uso da bike como meio de transporteProjeto Pedala Jundiaí - Incentivo ao uso da bike como meio de transporte
Projeto Pedala Jundiaí - Incentivo ao uso da bike como meio de transporte
 

Mais de Chico Macena

Manual de identidade visual do Polo de Ecoturismo de São Paulo
Manual de identidade visual do Polo de Ecoturismo de São PauloManual de identidade visual do Polo de Ecoturismo de São Paulo
Manual de identidade visual do Polo de Ecoturismo de São Paulo
Chico Macena
 
Programa de Metas Balanço de Governo 2013 /2014 Prefeitura de São Paulo
Programa de Metas Balanço de Governo  2013 /2014 Prefeitura de São PauloPrograma de Metas Balanço de Governo  2013 /2014 Prefeitura de São Paulo
Programa de Metas Balanço de Governo 2013 /2014 Prefeitura de São Paulo
Chico Macena
 
Balanço de primeiro ano do governo de Fernando Haddad 2013- Prefeitura de São...
Balanço de primeiro ano do governo de Fernando Haddad 2013- Prefeitura de São...Balanço de primeiro ano do governo de Fernando Haddad 2013- Prefeitura de São...
Balanço de primeiro ano do governo de Fernando Haddad 2013- Prefeitura de São...
Chico Macena
 
Relatório de Gestão 2013 Secretaria de Coordenação das Subprefeitura - SMSP
Relatório de Gestão 2013 Secretaria de Coordenação das Subprefeitura - SMSPRelatório de Gestão 2013 Secretaria de Coordenação das Subprefeitura - SMSP
Relatório de Gestão 2013 Secretaria de Coordenação das Subprefeitura - SMSP
Chico Macena
 
Plano Turismo Parelheiros
Plano Turismo ParelheirosPlano Turismo Parelheiros
Plano Turismo Parelheiros
Chico Macena
 
Plano Macro Metrópole do Comitê Gestor Águas PMSP e SABESP
Plano Macro Metrópole do Comitê Gestor Águas PMSP e SABESPPlano Macro Metrópole do Comitê Gestor Águas PMSP e SABESP
Plano Macro Metrópole do Comitê Gestor Águas PMSP e SABESP
Chico Macena
 
Cartilha Bom de Bike do Metrô / CPTM
Cartilha Bom de Bike do Metrô / CPTMCartilha Bom de Bike do Metrô / CPTM
Cartilha Bom de Bike do Metrô / CPTM
Chico Macena
 
Propostas projetos e trabalhos de Chico Macena 13097 para a bicicleta
Propostas projetos e trabalhos de Chico Macena 13097 para a bicicletaPropostas projetos e trabalhos de Chico Macena 13097 para a bicicleta
Propostas projetos e trabalhos de Chico Macena 13097 para a bicicleta
Chico Macena
 
Adensamento de viagens de bicicleta por distritos
Adensamento de viagens de bicicleta  por distritosAdensamento de viagens de bicicleta  por distritos
Adensamento de viagens de bicicleta por distritos
Chico Macena
 
Misturando os números do Sistema Cicloviário de São Paulo
Misturando os números do Sistema Cicloviário de São PauloMisturando os números do Sistema Cicloviário de São Paulo
Misturando os números do Sistema Cicloviário de São Paulo
Chico Macena
 
Apresentação da avaliação sobre o Plano de Metas Agenda 2012
Apresentação da avaliação sobre o Plano de Metas Agenda 2012Apresentação da avaliação sobre o Plano de Metas Agenda 2012
Apresentação da avaliação sobre o Plano de Metas Agenda 2012
Chico Macena
 
Pesquisa IPOBE - Dia Mundial Sem Carro 2012
Pesquisa IPOBE - Dia Mundial Sem Carro 2012Pesquisa IPOBE - Dia Mundial Sem Carro 2012
Pesquisa IPOBE - Dia Mundial Sem Carro 2012
Chico Macena
 
Apresentação da Linha 15 Branca do Metrô
Apresentação da Linha 15 Branca do MetrôApresentação da Linha 15 Branca do Metrô
Apresentação da Linha 15 Branca do Metrô
Chico Macena
 
Resultados da enquete sobre o compartilhamento da motofaixa da vergueiro com ...
Resultados da enquete sobre o compartilhamento da motofaixa da vergueiro com ...Resultados da enquete sobre o compartilhamento da motofaixa da vergueiro com ...
Resultados da enquete sobre o compartilhamento da motofaixa da vergueiro com ...
Chico Macena
 
Edital de Corredores Metropolitanos BRT EMTU
Edital de Corredores Metropolitanos BRT EMTUEdital de Corredores Metropolitanos BRT EMTU
Edital de Corredores Metropolitanos BRT EMTU
Chico Macena
 
CTB - Códido de Trânsito Brasileiro para bicicleta - Direitos e Deveres do Ci...
CTB - Códido de Trânsito Brasileiro para bicicleta - Direitos e Deveres do Ci...CTB - Códido de Trânsito Brasileiro para bicicleta - Direitos e Deveres do Ci...
CTB - Códido de Trânsito Brasileiro para bicicleta - Direitos e Deveres do Ci...
Chico Macena
 
Sobre a origem política de Chico Macena 13097 na igreja
Sobre a origem política de Chico Macena 13097 na igrejaSobre a origem política de Chico Macena 13097 na igreja
Sobre a origem política de Chico Macena 13097 na igreja
Chico Macena
 
As propostas de realizações de Chico Macena 13097 para vereador de São Paulo
As propostas de realizações de Chico Macena 13097 para vereador de São PauloAs propostas de realizações de Chico Macena 13097 para vereador de São Paulo
As propostas de realizações de Chico Macena 13097 para vereador de São Paulo
Chico Macena
 
Propostas e realizações de Chico Macena 13097 para vereador na Zona Sul
Propostas e realizações de Chico Macena 13097 para vereador na Zona SulPropostas e realizações de Chico Macena 13097 para vereador na Zona Sul
Propostas e realizações de Chico Macena 13097 para vereador na Zona Sul
Chico Macena
 
Propostas e realizações de Chico Macena 13097 para vereador na Zona Norte
 Propostas e realizações de Chico Macena 13097 para vereador na Zona Norte Propostas e realizações de Chico Macena 13097 para vereador na Zona Norte
Propostas e realizações de Chico Macena 13097 para vereador na Zona Norte
Chico Macena
 

Mais de Chico Macena (20)

Manual de identidade visual do Polo de Ecoturismo de São Paulo
Manual de identidade visual do Polo de Ecoturismo de São PauloManual de identidade visual do Polo de Ecoturismo de São Paulo
Manual de identidade visual do Polo de Ecoturismo de São Paulo
 
Programa de Metas Balanço de Governo 2013 /2014 Prefeitura de São Paulo
Programa de Metas Balanço de Governo  2013 /2014 Prefeitura de São PauloPrograma de Metas Balanço de Governo  2013 /2014 Prefeitura de São Paulo
Programa de Metas Balanço de Governo 2013 /2014 Prefeitura de São Paulo
 
Balanço de primeiro ano do governo de Fernando Haddad 2013- Prefeitura de São...
Balanço de primeiro ano do governo de Fernando Haddad 2013- Prefeitura de São...Balanço de primeiro ano do governo de Fernando Haddad 2013- Prefeitura de São...
Balanço de primeiro ano do governo de Fernando Haddad 2013- Prefeitura de São...
 
Relatório de Gestão 2013 Secretaria de Coordenação das Subprefeitura - SMSP
Relatório de Gestão 2013 Secretaria de Coordenação das Subprefeitura - SMSPRelatório de Gestão 2013 Secretaria de Coordenação das Subprefeitura - SMSP
Relatório de Gestão 2013 Secretaria de Coordenação das Subprefeitura - SMSP
 
Plano Turismo Parelheiros
Plano Turismo ParelheirosPlano Turismo Parelheiros
Plano Turismo Parelheiros
 
Plano Macro Metrópole do Comitê Gestor Águas PMSP e SABESP
Plano Macro Metrópole do Comitê Gestor Águas PMSP e SABESPPlano Macro Metrópole do Comitê Gestor Águas PMSP e SABESP
Plano Macro Metrópole do Comitê Gestor Águas PMSP e SABESP
 
Cartilha Bom de Bike do Metrô / CPTM
Cartilha Bom de Bike do Metrô / CPTMCartilha Bom de Bike do Metrô / CPTM
Cartilha Bom de Bike do Metrô / CPTM
 
Propostas projetos e trabalhos de Chico Macena 13097 para a bicicleta
Propostas projetos e trabalhos de Chico Macena 13097 para a bicicletaPropostas projetos e trabalhos de Chico Macena 13097 para a bicicleta
Propostas projetos e trabalhos de Chico Macena 13097 para a bicicleta
 
Adensamento de viagens de bicicleta por distritos
Adensamento de viagens de bicicleta  por distritosAdensamento de viagens de bicicleta  por distritos
Adensamento de viagens de bicicleta por distritos
 
Misturando os números do Sistema Cicloviário de São Paulo
Misturando os números do Sistema Cicloviário de São PauloMisturando os números do Sistema Cicloviário de São Paulo
Misturando os números do Sistema Cicloviário de São Paulo
 
Apresentação da avaliação sobre o Plano de Metas Agenda 2012
Apresentação da avaliação sobre o Plano de Metas Agenda 2012Apresentação da avaliação sobre o Plano de Metas Agenda 2012
Apresentação da avaliação sobre o Plano de Metas Agenda 2012
 
Pesquisa IPOBE - Dia Mundial Sem Carro 2012
Pesquisa IPOBE - Dia Mundial Sem Carro 2012Pesquisa IPOBE - Dia Mundial Sem Carro 2012
Pesquisa IPOBE - Dia Mundial Sem Carro 2012
 
Apresentação da Linha 15 Branca do Metrô
Apresentação da Linha 15 Branca do MetrôApresentação da Linha 15 Branca do Metrô
Apresentação da Linha 15 Branca do Metrô
 
Resultados da enquete sobre o compartilhamento da motofaixa da vergueiro com ...
Resultados da enquete sobre o compartilhamento da motofaixa da vergueiro com ...Resultados da enquete sobre o compartilhamento da motofaixa da vergueiro com ...
Resultados da enquete sobre o compartilhamento da motofaixa da vergueiro com ...
 
Edital de Corredores Metropolitanos BRT EMTU
Edital de Corredores Metropolitanos BRT EMTUEdital de Corredores Metropolitanos BRT EMTU
Edital de Corredores Metropolitanos BRT EMTU
 
CTB - Códido de Trânsito Brasileiro para bicicleta - Direitos e Deveres do Ci...
CTB - Códido de Trânsito Brasileiro para bicicleta - Direitos e Deveres do Ci...CTB - Códido de Trânsito Brasileiro para bicicleta - Direitos e Deveres do Ci...
CTB - Códido de Trânsito Brasileiro para bicicleta - Direitos e Deveres do Ci...
 
Sobre a origem política de Chico Macena 13097 na igreja
Sobre a origem política de Chico Macena 13097 na igrejaSobre a origem política de Chico Macena 13097 na igreja
Sobre a origem política de Chico Macena 13097 na igreja
 
As propostas de realizações de Chico Macena 13097 para vereador de São Paulo
As propostas de realizações de Chico Macena 13097 para vereador de São PauloAs propostas de realizações de Chico Macena 13097 para vereador de São Paulo
As propostas de realizações de Chico Macena 13097 para vereador de São Paulo
 
Propostas e realizações de Chico Macena 13097 para vereador na Zona Sul
Propostas e realizações de Chico Macena 13097 para vereador na Zona SulPropostas e realizações de Chico Macena 13097 para vereador na Zona Sul
Propostas e realizações de Chico Macena 13097 para vereador na Zona Sul
 
Propostas e realizações de Chico Macena 13097 para vereador na Zona Norte
 Propostas e realizações de Chico Macena 13097 para vereador na Zona Norte Propostas e realizações de Chico Macena 13097 para vereador na Zona Norte
Propostas e realizações de Chico Macena 13097 para vereador na Zona Norte
 

Cartilha da Lei 14.266 que cria o Sistema Cicloviário de São Paulo

  • 1. Lei das CiCLovias: o trânsito e o ar de são PauLo agradeCem
  • 2. editoriaL uma Cidade digna Para se viver São Paulo é, com certeza, a cidade brasileira que mais apresenta desafios a quem vive e trabalha nela. Para quem foi eleito para trabalhar por ela também. Estou no meu segundo mandato como vereador e, desde que ingressei na vida política, tenho batalhado para que o Município possa propiciar qualidade de vida a todos os seus habitantes. Os desafios têm sido enormes, porque a maior metrópole do Brasil cresceu de forma desordenada. Por isso, na Câmara Municipal, minha atuação é voltada à formulação de leis que transformem a cidade num lugar melhor para se viver. É o caso do projeto que institui o Código Ambiental, das leis que regulamentam as ciclovias, os heliportos e helipontos, a destinação dos resíduos da construção civil, entre outros. Meu compromisso é o de trabalhar para que São Paulo seja mais humana, mais cidadã e mais digna para todos que aqui moram. Um abraço, Chico Macena
  • 3. no trânsito, a biCiCLeta é a aLternativa diária Para 160 miL São Paulo tem um trânsito caótico e um sistema de transporte coletivo ineficaz, que faz com que boa parte da população use carros como alternativa de locomoção. Dados do Detran mostram que, em janeiro, a frota de veículos na cidade era de 7 milhões de carros, ônibus, caminhões, camionetes e motos. Só os carros são 5,1 milhões, o que tem contribuído para um trânsito cada vez pior. No meio deste caos, pesquisas mostram que um terço dos deslocamentos diários na cidade é feito a pé ou de bicicleta. Apontam ainda que há 300 mil ciclistas em São Paulo e que diariamente 160 mil usam bicicletas para ir ao trabalho e à escola.
  • 4. Lei das CiCLovias segurança aos CiCListas, trânsito e quaLidade de vida meLhores O uso de bicicletas é uma boa alternativa para escapar dos engarrafamentos e contribuir com o meio ambiente em São Paulo. Mas a metrópole, até quatro anos atrás, não tinha nenhum planejamento público para atender os usuários, com pistas para os ciclistas fazerem seu trajeto com tranquilidade e sem colocar em risco sua vida. Em 2007, foi sancionada a lei, de autoria do vereador Chico Macena, criando a política de ciclovias da cidade e estabelecendo o sistema cicloviário, para incentivar o uso da bicicleta como meio de transporte, contribuindo com a mobilidade sustentável. De acordo com a lei, o sistema é composto por ciclovias, ciclofaixas, faixas compartilhadas e rotas operacionais de ciclismo, com infraestrutura e planejamento adequados. Além disso, prevê a articulação com o sistema público de transporte, inclusive com acesso a vagões especiais de trens e metrô e espaços apropriados nos terminais para a guarda de bicicletas. Estabelece ainda que na construção de novos parques e praças com área superior a 4 mil metros quadrados deve ser previsto o tratamento cicloviário no acesso e em seu entorno, assim como paraciclos (estrutura para acorrentar bicicletas) em seu interior.
  • 5. O que o sistema garante • Ciclovias: pista própria para a circulação de bicicletas, separada do tráfego. • Ciclofaixa: faixa exclusiva destinada à circulação de bicicletas, delimitada por sinalização específica, utilizando parte da pista ou da calçada. • Faixa compartilhada: utilização de parte da via pública, desde que devidamente sinalizada, permitindo a circulação compartilhada de bicicletas com o trânsito de veículos ou pedestres. • Integração com transporte público: com locais para bicicletário nos terminais e acesso aos vagões de trens e metrô
  • 6. Lei nº 14.266, de 6 de Fevereiro de 2007 (Projeto de Lei nº 599/05, do Vereador Chico Macena - PT) Dispõe sobre a criação do Sistema Cicloviário no Município de São Paulo e dá outras providências. GILBERTO KASSAB, Prefeito do Município de São Paulo, no uso das atribuições que lhe são conferidas por lei, faz saber que a Câmara Municipal, em sessão de 26 de dezembro de 2006, decretou e eu promulgo a seguinte lei: Art. 1º Fica criado o Sistema Cicloviário do Município de São Paulo, como incentivo ao uso de bicicletas para o transporte na cidade de São Paulo, contribuindo para o desenvolvimento da mobilidade sustentável. Parágrafo único. O transporte por bicicletas deve ser incentivado em áreas apropriadas e abordado como modo de transporte para as atividades do cotidiano, devendo ser considerado modal efetivo na mobilidade da população. Art. 2º O Sistema Cicloviário do Município de São Paulo será formado por: I - rede viária para o transporte por bicicletas, formada por ciclovias, ciclofaixas, faixas compartilhadas e rotas operacionais de ciclismo; II - locais específicos para estacionamento: bicicletários e paraciclos. Art. 3º O Sistema Cicloviário do Município de São Paulo deverá: I - articular o transporte por bicicleta com o Sistema Integrado de Transporte de Passageiros - SITP, viabilizando os deslocamentos com segurança, eficiência e conforto para o ciclista; II - implementar infra-estrutura para o trânsito de bicicletas e introduzir critérios de planejamento para implantação de ciclovias ou ciclofaixas nos trechos de rodovias em zonas urbanizadas, nas vias públicas, nos terrenos marginais às linhas férreas, nas margens de cursos d’água, nos parques e em outros espaços naturais;
  • 7. III - implantar trajetos cicloviários onde os desejos de viagem sejam expressivos para a demanda que se pretende atender; IV - agregar aos terminais de transporte coletivo urbano infra-estrutura apropriada para a guarda de bicicletas; V - estabelecer negociações com o Estado de São Paulo com o objetivo de permitir o acesso e transporte, em vagão especial no metrô e em trens metropolitanos, de ciclistas com suas bicicletas; VI - promover atividades educativas visando à formação de comportamento seguro e responsável no uso da bicicleta e sobretudo no uso do espaço compartilhado; VII - promover o lazer ciclístico e a conscientização ecológica. Art. 4º Caberá ao Executivo, por meio dos órgãos competentes, consolidar o programa de implantação do Sistema Cicloviário do Município de São Paulo, considerando as propostas contidas nos Planos Regionais Estratégicos. Art. 5º A ciclovia será constituída de pista própria para a circulação de bicicletas, separada fisicamente do tráfego geral e atendendo o seguinte: I - ser totalmente segregada da pista de rolamento do tráfego geral, calçada, acostamento, ilha ou canteiro central; II - poderão ser implantadas na lateral da faixa de domínio das vias públicas, no canteiro central, em terrenos marginais às linhas férreas, nas margens de cursos d’água, nos parques e em outros locais de interesse; III - ter traçado e dimensões adequados para segurança do tráfego de bicicletas e possuindo sinalização de trânsito específica. Art. 6º A ciclofaixa consistirá numa faixa exclusiva destinada à circulação de bicicletas, delimitada por sinalização específica, utilizando parte da pista ou da calçada.
  • 8. Parágrafo único. A ciclofaixa poderá ser adotada quando não houver disponibilidade de espaço físico ou de recursos financeiros para a construção de uma ciclovia, desde que as condições físico-operacionais do tráfego motorizado sejam compatíveis com a circulação de bicicletas. Art. 7º A faixa compartilhada poderá utilizar parte da via pública, desde que devidamente sinalizada, permitindo a circulação compartilhada de bicicletas com o trânsito de veículos motorizados ou pedestres, conforme previsto no Código de Trânsito Brasileiro. § 1º A faixa compartilhada deve ser utilizada somente em casos especiais para dar continuidade ao sistema cicloviário ou em parques, quando não for possível a construção de ciclovia ou ciclofaixa. § 2º A faixa compartilhada poderá ser instalada na calçada, desde que autorizado e devidamente sinalizado pelo Órgão Executivo Municipal de Trânsito nos casos em que não comprometer a mobilidade segura e confortável do pedestre. Art. 8º Os terminais e estações de transferência do SITP, os edifícios públicos, as indústrias, escolas, centros de compras, condomínios, parques e outros locais de grande afluxo de pessoas deverão possuir locais para estacionamento de bicicletas, bicicletários e paraciclos como parte da infra-estrutura de apoio a esse modal de transporte. § 1º O bicicletário é o local destinado para estacionamento de longa duração de bicicletas e poderá ser público ou privado. § 2º O paraciclo é o local destinado ao estacionamento de bicicletas de curta e média duração em espaço público, equipado com dispositivos para acomodá- las. Art. 9º A elaboração de projetos e construção de praças e parques, incluindo os parques lineares, com área superior a 4.000 m² (quatro mil metros quadrados), deve contemplar o tratamento cicloviário nos acessos e no entorno próximo, assim como paraciclos no seu interior.
  • 9. Art. 10. O Executivo deverá estimular a implantação de locais reservados para bicicletários, em um raio de 100 (cem) metros dos terminais e estações de metrô, trens metropolitanos e corredores de ônibus metropolitanos, dando prioridade às estações localizadas nos cruzamentos com vias estruturais. Parágrafo único. A segurança do ciclista e do pedestre é condicionante na escolha do local e mesmo para a implantação de bicicletários. Art. 11. As novas vias públicas, incluindo pontes, viadutos e túneis, devem prever espaços destinados ao acesso e circulação de bicicletas, em conformidade com os estudos de viabilidade. Art. 12. O Executivo poderá implantar ou incentivar a implantação de ciclovias ou ciclofaixas nos terrenos marginais às linhas férreas em trechos urbanos, de interesse turístico, nos acessos às zonas industriais, comerciais e institucionais, quando houver demanda existente e viabilidade técnica. Parágrafo único. Os projetos dos parques lineares previstos no Plano Diretor Estratégico e nos Planos Regionais Estratégicos deverão contemplar ciclovias internas e, quando possível, de acesso aos parques, em conformidade com estudos de viabilidade aprovados. Art. 13. A implantação e operação dos bicicletários, em imóveis públicos ou privados, deverá ter controle de acesso, a ser aprovado pelo Órgão Executivo Municipal de Trânsito. Art. 14. Nas ciclovias, ciclofaixas e locais de trânsito compartilhado poderá ser permitido, de acordo com regulamentação pelo Órgão Executivo Municipal de Trânsito, além da circulação de bicicletas: I - circular com veículos em atendimento a situações de emergência, conforme previsto no Código de Trânsito Brasileiro e respeitando-se a segurança dos usuários do sistema cicloviário; II - utilizar patins, patinetes e skates, nas pistas onde sua presença não seja expressamente proibida;
  • 10. III - circular com o uso de bicicletas, patinetes ou similares elétricos, desde que desempenhem velocidades compatíveis com a segurança do ciclista ou do pedestre onde exista trânsito partilhado. Art. 15. O Executivo deve manter ações educativas permanentes com o objetivo de promover padrões de comportamento seguros e responsáveis dos ciclistas, assim como deverá promover campanhas educativas, tendo como público-alvo os pedestres e os condutores de veículos, motorizados ou não, visando divulgar o uso adequado de espaços compartilhados. Art. 16. Os eventos ciclísticos, utilizando via pública, somente podem ser realizados em rotas, dias e horários autorizados pelo Órgão Executivo Municipal de Trânsito, a partir de solicitação expressa formulada pelos organizadores do evento. Art. 17. As despesas decorrentes da execução desta lei correrão por conta de dotações orçamentárias próprias, suplementadas se necessário. Art. 18. Esta lei entrará em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário. PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO, aos 6 de fevereiro de 2007, 454º da fundação de São Paulo. GILBERTO KASSAB, PREFEITO Publicada na Secretaria do Governo Municipal, em 6 de fevereiro de 2007. CLOVIS DE BARROS CARVALHO, Secretário do Governo Municipal
  • 11. biograFia Formado em administração de empresas, Chico Macena ocupa o seu segundo mandato como vereador de São Paulo. Começou a sua carreira política como administrador regional da Vila Prudente, em 1989, na gestão da prefeita Luíza Erundina. Depois, ocupou vários cargos no Partido dos Trabalhadores e prestou assessoria à ex-vereadora Aldaíza Sposati e ao senador Aloizio Mercadante. Foi presidente da Companhia de Engenharia de Tráfego, na gestão da prefeita Marta Suplicy. Já em sua primeira legislatura, foi eleito presidente da Comissão de Política Urbana na Câmara Municipal, da qual é membro até hoje. Macena participou das frentes parlamentares pela Zona Leste e pela Cultura e, no final de 2009, propôs a criação da Frente Parlamentar em Defesa das Pessoas em Situação de Rua. Integrou a Corregedoria da Câmara Municipal e foi relator da Comissão de Estudos sobre Aeroportos, Comissão sobre a Poluição das Águas e da Zona Sul e membro da CPI que investigou o descaso da Prefeitura com os Centros Desportivos Municipais e dos Bancos. Também fez parte da Comissão de Estudos sobre os Impactos Ambientais provocados pela implementação de condomínios residenciais horizontais no entorno da Serra da Cantareira.
  • 12. rais Dicas cultuadas sobre liz atua informações baixo atuítas ou de atividades gr te cem na cidade custo que acon exPediente Publicação do mandato do vereador Chico Macena QR CODE DO MANDATO Câmara Municipal Escritório Político Viaduto Jacareí, 100 – 4 º andar – sala 418 Avenida do Oratório, 1.883 – Parque São Lucas CEP 01319-900 – São Paulo – SP CEP: 03221-000 – São Paulo – SP Tel.: (11) 3396-4236 Tel.: (11) 2154-1869 E-mail: chicomacena@camara.sp.gov.br E-mail: escritoriopolitico@chicomacena.com.br